rss Assine o RSS de Artigos da Mises.org.br
O que o Fed poderá fazer
por , sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

102009826-452183126.530x298.jpgNa primeira parte deste artigo, vimos como o Fed aniquilou o mercado interbancário, decretando, para todos os efeitos, o óbito da federal funds rate. Então, depois de encurralar a si próprio, qual será a saída para o Fed? Quais ferramentas estão de fato ao dispor do banco central americano? Quais as reais alternativas de Janet Yellen?

Estamos vivendo o grande experimento monetário do século XXI. Iniciado em 2008, a era das políticas monetárias não convencionais está a todo vapor e sem data para cessar. Já não há mais alternativas palatáveis. As ações do Fed e dos demais bancos centrais estão garantindo uma reprise da crise de 2008. A próxima vez será pior. O mundo não vai acabar, porém, passaremos por alguns meses de aperto.

Mas se perecer a crença de que os bancos centrais devem controlar o preço mais importante da economia — a taxa de juros —, já sairemos no lucro, pois daremos o primeiro passo para a abolição do principal bastião do socialismo nas economias modernas: o planejamento central da moeda.
leia mais...

rss Assine o RSS de Artigos da Mises.org.br
A solução racional: privatizar as praias
por , quinta-feira, 29 de janeiro de 2015
beach.png
Praia particular nas Ilhas Virgens Britânicas
As praias, ao serem apropriadas, atenderiam algum tipo de função social?  

Depende do que definimos como função social.  Quando algo é apropriado, o proprietário tende a buscar lucro com isso.  O proprietário de uma praia pode alugá-la para os banhistas ou deixá-la aberta e alugar espaços para vendedores ou mesmo moradores.  

Mesmo que isso restrinja de certa forma o acesso generalizado de pessoas, quando comparado às praias "públicas", isso ajudará muito mais na sua preservação. Certamente a maioria dos proprietários não quererá uma praia imunda ou mesmo superlotada, já que nem todos os visitantes que estiverem ali necessariamente darão algum lucro.  Uma praia superlotada pode significar, caso não haja uma cobrança no acesso, um prejuízo para o seu proprietário.

No caso de uma praia pública superlotada, o prejuízo será de quem habita o local. Com a total possibilidade dessa praia, por exemplo, ser soterrada por lixo, os moradores terão de organizar mutirões para recolher o lixo que sempre aparecerá. Ou pior, toda população terá de pagar pelo recolhimento de lixo todos os dias.

leia mais...

Artigos anteriores

veja mais...

  III Semana da Liberdade
        Local: Fortaleza/CE
        Data: 21/05/2015 18:00


Mais acessados








Multimídia   
  Podcast Mises Brasil
        por Bruno Garschagen - 06/01/2016
  Conferência de Escola Austríaca 2014
        por Diversos - 23/10/2014
  Fraude - Explicando a grande recessão
        por Equipe IMB - 31/10/2012
veja mais...



Instituto Ludwig von Mises Brasil



contato@mises.org.br      formulário de contato           Google+
Desenvolvido por Ativata Software