Esse site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você concorda com suas condições.

< Artigos

Política

O caminho socialista para a destruição em meio às chamadas boas intenções

04/07/2024

O caminho socialista para a destruição em meio às chamadas boas intenções

Quando os esquemas socialistas falham, como inevitavelmente acontecem, nossa atenção é imediatamente desviada da destruição que eles causam para as "boas intenções" por trás dos esquemas. Eles tinham boas intenções, e suas boas intenções anulam seus resultados desastrosos. Uma razão pela qual as boas intenções são importantes para ambos os lados da divisão política é que as boas intenções funcionam bem para os eleitores. Um bom exemplo disso é a crise da dívida nacional nos Estados Unidos. O economista Samuel Gregg aponta que, embora ambos os partidos se comprometam a resolver a crescente dívida nacional, ambos os partidos consideram as medidas necessárias para resolver a situação como suicídio eleitoral: "O desafio da dívida nacional dos Estados Unidos constitui uma gaiola de ferro política para legisladores democratas e republicanos. Embora eles possam falar muito sobre enfrentar corajosamente o problema, as consequências políticas de realmente fazê-lo são nada atraentes para os dois partidos". O desejo dos políticos de apresentar aos eleitores alguns esquemas obviamente bem-intencionados anula seu compromisso de resolver o problema. Eles estão bem cientes de que quaisquer falhas subsequentes serão negligenciadas ou perdoadas à luz de suas boas intenções.

Em seu livro Socialismo, Ludwig von Mises argumenta que as boas intenções socialistas são "nada além de uma racionalização grandiosa de ressentimentos mesquinhos". Elas retratam a política da inveja como uma busca por justiça e descontam qualquer custo como necessário para a busca do objetivo maior da justiça. No entanto, como Mises aponta, a afirmação de que o socialismo promove a justiça é "meramente uma afirmação arbitrária". Ele explica:

Na verdade, o socialismo não é nem um pouco o que finge ser. Não é o pioneiro de um mundo melhor, mas o destruidor daquilo que milhares de anos de civilização criaram. Não constrói; ele destrói. Pois a destruição é a sua essência... [Ele] aumenta o consumo das massas à custa da riqueza de capital existente e, portanto, sacrifica o futuro ao presente... As crescentes dificuldades de manter um padrão de vida mais elevado são atribuídas a várias causas, mas nunca ao fato de que uma política de consumo de capital está sendo seguida.

Ao destacar a natureza inerentemente destrutiva do socialismo, o ponto de Mises não é que os socialistas necessariamente se proponham a destruir a sociedade, mas que este é o resultado inevitável de seus esquemas: "O socialismo não desejou conscientemente a destruição da sociedade. Ele acreditava que estava criando uma forma superior de sociedade. Mas como uma sociedade socialista não é uma possibilidade, cada passo em direção a ela deve prejudicar a sociedade. Diante da destruição da sociedade, é inútil desviar nossa intenção para as supostas boas intenções por trás da destruição.

O conceito de "destruição" de Mises refere-se ao "consumo de capital" e, em última análise, à "destruição do que já existe". Ele observa que "a política do destrutivismo é a política do perdulário que dissipa sua herança independentemente do futuro". O destrutivismo do socialismo é generalizado: "Toda a nossa vida é tão entregue ao destrutivismo que dificilmente se pode nomear um campo que não tenha penetrado". O significado contemporâneo desse conceito é ilustrado por Tom DiLorenzo em "Misesian Destructionism: Then and Now", mostrando como o destrutivismo se efetiva por meio do "marxismo cultural" da Escola de Frankfurt. DiLorenzo observa:

Uma das minhas primeiras observações de tal idiotice foi em meados da década de 1980, quando o gigante intelectual Jesse Jackson liderou uma multidão de estudantes da Universidade de Stanford cantando "Hey, Hey, Ho, Ho, Western Civ Has Got to Go". Eles queriam que a universidade abandonasse seus cursos sobre Civilização Ocidental e os substituísse por cursos sobre "estudos de raça, classe e gênero". A administração de Stanford acatou obedientemente.

O mesmo destrutivismo pode ser visto nas tentativas de "descolonizar" a história, a arte, a cultura e todos os campos de investigação acadêmica. Que o movimento de "descolonização" é destrutivo fica claro pela retórica violenta que o acompanha. No entanto, isso também é distorcido na linguagem das boas intenções. Conforme explicado por Ross Douthat no New York Times:

Um projeto-chave da esquerda do século XXI tem sido reviver e integrar a linguagem associada à luta revolucionária violenta, transformando-a em usos principalmente terapêuticos...

... insistindo, como no trabalho de Frantz Fanon, que a própria violência revolucionária era terapêutica, um meio pelo qual o colonizado pode alcançar autoafirmação, dignidade e integridade...

... uma promessa de que toda a retórica é terapêutica e psicológica, que quando falamos sobre terra roubada, acabar com a "brancura" e descolonizar tudo, estamos, é claro, apenas falando culturalmente, simbolicamente, metaforicamente.

Os excessos do woke são provocativos, mas o woke não é de forma alguma a única emanação contemporânea do destrutivismo socialista. O mesmo efeito destrutivo é visto em esquemas de bem-estar, como a legislação trabalhista e o seguro social, que agora ameaçam levar à falência os estados de bem-estar social. Samuel Gregg observa que "os gastos com os principais programas de direitos, como Previdência Social, Medicare e o que é chamado de Segurança de Renda... constituíram 68% dos gastos do governo federal em 2023". Esses esquemas de bem-estar social podem parecer relativamente benéficos em comparação com outras formas de gastos do governo, mas também são "um meio de destruição", pois dependem do "consumo de capital" enquanto criam mais incentivos para consumir e destroem todos os incentivos para produzir. Mises explica que o bem-estar social "não produz nada, apenas consome o que a ordem social baseada na propriedade privada dos meios de produção criou".

Os esquemas legislativos socialistas são frequentemente elogiados não apenas por seus ideais e objetivos sociais dignos, mas também por causa do medo generalizado de que essa legislação bem-intencionada seja tudo o que se interpõe entre as pessoas vulneráveis e o desastre. Mesmo que não funcione, segundo o raciocínio, sinalizará as aspirações certas e mostrará o que a sociedade representa. Esta é a lógica por trás da legislação de "discurso de ódio" que se destina a "erradicar o ódio". O ódio pode ou não ser erradicado dos corações em que se esconde, mas pelo menos teremos sinalizado que o ódio é "inaceitável". Da mesma forma, a legislação de proteção ao emprego e antidiscriminação é apoiada por ambos os lados políticos. Todos os partidos resistem a abolir a "proteção" especial dada a vários grupos de identidade pela legislação destinada a "protegê-los". Na ausência de oportunidades de mercado e na ausência de caridade, ambas ridicularizadas pelos socialistas, parece que a legislação de bem-estar e a sinalização de virtude assumem grande importância como meio pelo qual a vida humana florescerá. Desta forma, atribui-se à legislação destrutiva uma função de salvar e afirmar a vida, e a perspectiva de aboli-la torna-se impensável.

Os efeitos destrutivos dessas medidas, que são elogiadas por suas qualidades benéficas, não são reconhecidos. As causas dos problemas econômicos e sociais não são evidentes e muitas pessoas não ligam causa e efeito. As mesmas políticas destrutivas são repetidamente introduzidas, pois não são vistas como causalmente ligadas aos desastres que estão em seu rastro. Nenhuma lição é aprendida. Mises explica:

Ver a fraqueza de uma política que aumenta o consumo das massas à custa da riqueza do capital existente e, assim, sacrifica o futuro ao presente, e reconhecer a natureza dessa política, requer uma visão mais profunda do que aquela concedida aos estadistas e políticos ou às massas que os colocaram no poder. Enquanto as paredes dos prédios das fábricas permanecerem de pé e os trens continuarem a circular, supõe-se que tudo está bem com o mundo. As crescentes dificuldades de manter um padrão de vida mais elevado são atribuídas a várias causas, mas nunca ao fato de que uma política de consumo de capital está sendo seguida.

Mises argumenta que a luta contra esse destrutivismo requer mais do que simplesmente corrigir os socialistas em relação aos fatos:

Os fatos por si só não podem provar nem refutar nada... Do ponto de vista socialista, o capitalismo sozinho é responsável por toda a miséria que o mundo teve que suportar nos últimos anos. Os socialistas veem apenas o que querem ver e são cegos para qualquer coisa que possa contradizer sua teoria.

Assim, o aumento do custo de vida é atribuído à ganância corporativa e à especulação, com o jornal de esquerda Guardian informando a seus leitores que a inflação é causada por "preços de energia e lucros corporativos" e a recessão econômica global de 2020 foi causada pelo Covid. Explicações simples para as crises econômicas são boas para os eleitores, que estão bem preparados para aceitar que todas as medidas tomadas pelo governo para enfrentar as crises são bem-intencionadas.

Em resposta, é necessário persuadir nossos compatriotas das verdadeiras causas do destrutivismo que eles veem se desenrolar ao seu redor, juntando-se ao que Mises chama de "batalha de ideias", uma batalha baseada não apenas em apontar os fatos corretos, mas mais ainda na "interpretação e explicação dos fatos, pelas ideias e teorias".

 

*Este artigo foi originalmente publicado em Mises Institute.

_____________________________________________

Nota: as visões expressas no artigo não são necessariamente aquelas do Instituto Mises Brasil.

Sobre o autor

Wanjiru Njoya

É aluna residente do Mises Institute. Ela é autora de Economic Freedom and Social Justice (2021), Redressing Historical Injustice (2023, com David Gordon) e A Critique of Equality Legislation in Liberal Market Economies (Journal of Libertarian Studies, 2021).

Comentários (6)

Deixe seu comentário

Há campos obrigatórios a serem preenchidos!