Esse site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você concorda com suas condições.

< Artigos

Política

A agenda por trás do catastrofismo das mudanças climáticas

22/03/2024

A agenda por trás do catastrofismo das mudanças climáticas

Os democratas no Capitólio estão pressionando o governo Biden a declarar emergência climática, expressando suas previsões apocalípticas de que, sem ação imediata para conter e, finalmente, acabar com nossa dependência de combustíveis fósseis, "o planeta" e, por implicação, todos os seres vivos que o habitam, morrerão. "Se realmente não começarmos a reduzir as emissões, este planeta não terá chance", disse o deputado Alan Lowenthal, democrata da Califórnia. "Temos apenas alguns anos e pronto. O planeta está morrendo". Essa avaliação terrível e o aviso apocalíptico ecoam o livro e documentário de Al Gore de 2006, An Inconvenient Truth, e suas declarações subsequentes de que a inação climática causaria o derretimento completo do gelo do Polo Norte até 2013.

Mesmo que previsões ridículas como a de Gore tenham sido apresentadas e tenham se provado falsas, parece que, graças à ascensão do "capitalismo de stakeholders " e do Índice Ambiental, Social e de Governança (ESG), o apogeu do catastrofismo das mudanças climáticas finalmente chegou. Torna-se necessário, portanto, abordá-lo diretamente. Isso não significa, necessariamente, rejulgar a ciência das mudanças climáticas, já que outros fizeram bem em submeter a narrativa a críticas e desmascaramentos. Os críticos levantaram as seguintes questões com o catastrofismo das mudanças climáticas:

  • As "crises" anteriormente propagadas de resfriamento global, chuva ácida e esgotamento da camada de ozônio, que se mostraram infundadas;
  • A completa rejeição dos benefícios do uso de combustíveis fósseis;
  • O fracasso em reconhecer que as tecnologias movidas a combustíveis fósseis mitigam significativamente os efeitos das emergências climáticas;
  • O fato de que as mortes por eventos climáticos extremos diminuíram durante a chamada emergência climática;
  • O fato de que as tecnologias de energia solar e eólica, após mais de cinquenta anos de desenvolvimento, estão longe de ser capazes de substituir os combustíveis fósseis;
  • O uso dissimulado do período mais frio do Holoceno como ponto de partida para medir o aumento das temperaturas;
  • A manipulação das leituras de temperatura da superfície para combater as leituras de satélite, que não mostram aquecimento recente significativo;
  • A síntese exagerada de estudos científicos pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) e o exagero adicional na divulgação de resultados sintetizados ao público por "especialistas" designados e pela mídia;
  • O IPCC escondendo seus dados brutos e metodologia, seu bloqueio de investigações externas que tentam replicar seus resultados e seu bloqueio de cientistas céticos em relação às mudanças climáticas de publicar suas descobertas em revistas revisadas por pares ("Climategate");
  • A alteração dos relatórios do IPCC – depois que os cientistas escreveram e aprovaram os textos finais – para remover o ceticismo em relação às alegações de que as atividades humanas estão tendo um grande impacto no clima e no aquecimento global;
  • O período de quinze anos (1998-2013) sem aquecimento significativo, apesar de um aumento de 7% nos níveis de CO2 atmosférico;
  • A taxa de aquecimento global desacelerou desde 1951, apesar de um aumento de 26% nos níveis de CO2;
  • O fato de que as reconstruções de temperatura do passado mostram temperaturas tão altas quanto as temperaturas recentes em algumas regiões (a Anomalia Climática Medieval);
  • As estimativas recentes do IPCC sobre a resposta climática transitória (TCR, ou a estimativa climática para o restante do século XXI) estão dentro da faixa de variação climática natural dos últimos seis milhões de anos;
  • Pesquisas não mostram aumentos nas secas ou na atividade de ciclones tropicais nos últimos quarenta anos;
  • A extensão do gelo do Mar Antártico aumentou entre 1979 e 2012, contrariando os modelos de circulação global (GCMs);
  • A modelagem climática falhou em prever com precisão as tendências climáticas;
  • A forte probabilidade de que o aquecimento não seja necessariamente negativo, mas pode, de fato, ser positivo;
  • A conhecida ecologização do planeta devido ao aumento dos níveis de CO2 e aos benefícios daí decorrentes, incluindo para a agricultura e o esfriamento;
  • O fato de que não há uma temperatura global ideal ou "natural" conhecida, mesmo que as temperaturas globais pudessem ser medidas com precisão, o que é duvidoso.

Este é apenas o esqueleto de um conjunto de razões para concluir que o catastrofismo das alterações climáticas é exagerado e hiperbólico, se não baseado em pura fraude. Como S. Fred Singer, David R. Legates e Anthony R. Lupo observaram:

Ao contrário de alguns relatos da história do debate científico, não há um "consenso" gradualmente emergindo sobre o papel humano nas mudanças climáticas. Em vez disso, a política rapidamente ultrapassou a ciência, pois os defensores do meio ambiente e outros grupos de interesse reconheceram a utilidade da questão das mudanças climáticas no avanço de suas próprias agendas.

Por que, então, o establishment está tão empenhado em impulsionar o catastrofismo climático? E quais são essas agendas?

É claro que o catastrofismo climático não é principalmente sobre o clima. Se assim fosse, como observou Rupert Darwall em Green Tyranny, a Alemanha, que enfrenta o aumento das emissões de CO2 desde a implementação da Energiewende (transição energética), não teria apressado o fechamento de suas usinas nucleares, a única fonte confiável de eletricidade com emissão zero além das hidrelétricas, que os ambientalistas também abjuram. O mesmo vale para Califórnia e Nova York.

Filosoficamente, como Alex Epstein deixou claro em Fossil Future, o catastrofismo climático é alimentado por uma "estrutura anti-impacto", que prejudica a humanidade ao tentar eliminar completamente o impacto humano no meio ambiente. É anti-humano na base. Coloca o bem-estar do "meio ambiente" acima do florescimento humano, ao mesmo tempo em que nega que os seres humanos façam parte do meio ambiente.

O resultado necessário do catastrofismo das alterações climáticas é a redução do crescimento econômico. Isso é irônico porque as elites globais no Fórum Econômico Mundial (WEF) regularmente sugerem que um de seus objetivos é alcançar "justiça" para as pessoas em países subdesenvolvidos. Até o momento, essa "justiça" envolveu transferências de riqueza dos países desenvolvidos para o mundo em desenvolvimento que equivalem a subornos para conter o desenvolvimento.

O catastrofismo climático se resume a renunciar e eliminar energia barata e confiável e enriquecer alarmistas climáticos como Al Gore – tudo no interesse de promover uma agenda política globalista. Mais importante, o catastrofismo das mudanças climáticas tem a ver com a alardeada "solidariedade", "inclusão" e "cooperação internacional" – os meios que o WEF, as Nações Unidas, corporações favorecidas e seus representantes no governo consideram necessários para mitigar a suposta crise. Essas palavras-código representam um regime totalitário sob o qual um coletivismo recém-renovado revogará os direitos individuais e restringirá enormemente a liberdade humana. Como se vê, os meios para mitigar as mudanças climáticas são os fins buscados pelos catastrofistas climáticos.

 

*Este artigo foi originalmente publicado em Mises Institute.

_____________________________________________

Nota: as visões expressas no artigo não são necessariamente aquelas do Instituto Mises Brasil.

Sobre o autor

Michael Rectenwald

autor de doze livros, incluindo The Great Reset and the Struggle for Liberty: Unraveling the Global Agenda, Thought Criminal também é um distinto membro do Hillsdale College.

Comentários (5)

Deixe seu comentário

Há campos obrigatórios a serem preenchidos!