Esse site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você concorda com suas condições.

< Artigos

Política

Greenwashing: uma ponte entre austríacos e ambientalistas?

05/02/2024

Greenwashing: uma ponte entre austríacos e ambientalistas?

Greenwashing é um termo relativamente novo para descrever alegações falsas e enganosas de que um produto ou prática comercial traz benefícios ambientais. A questão é que as empresas podem anunciar os seus esforços como “verdes”, ao mesmo tempo que continuam várias atividades lucrativas que os ambientalistas consideram “prejudiciais”, enganando o sistema e lucrando com consumidores bem-intencionados e preocupados com a sustentabilidade.

O termo foi cunhado há quarenta anos por um estudante em resposta a um hotel que queria que os clientes reutilizassem as toalhas dos seus quartos para salvar o ambiente e poupar o dinheiro do hotel.

Como economista da Escola Austríaca, posso concordar com os ambientalistas até certo ponto, mas vamos ver até onde estão dispostos a ir do seu lado da ponte. Comecemos com a ideia de que os seres humanos estão motivados para atingir os seus objetivos, o que é verdade quer você seja uma Madre Teresa, um CEO de uma empresa ou um viciado em heroína. Isso inclui até benfeitores ambientais.

Nas palavras dos economistas tradicionais, todos querem maximizar a sua utilidade (independentemente da sua definição) e minimizar os seus custos. Utilidade, receitas e bons sentimentos são contrapostos ao trabalho, às despesas e à fadiga. Não importa como ou o que você esteja medindo, a diferença entre custos e benefícios pode ser chamada de lucro, seja psíquico ou material.

Pessoas preocupadas com o ambiente exerceram muita pressão sobre as empresas – cutucaram-nas, boicotaram-nas e entregaram os seus dólares a empresas com perfis verdes, como a Patagonia. Essas pessoas também pressionaram os políticos a “fazerem a coisa certa”.

Grupos de interesses especiais também exerceram pressão sobre os políticos. As burocracias governamentais e as organizações não-governamentais também criaram pressões ideológicas adicionais sob a forma de propaganda, pseudociência e burocracia para promover a agenda verde.

É claro que nem toda a ciência ambiental está errada, mas ninguém pode negar que os cientistas ambientais falsificaram os seus dados e revelaram-se como um grupo tendencioso e não científico, especialmente aqueles que dependem de subsídios e programas governamentais de pesquisa.

Os cientistas da indústria também têm uma agenda “verde”, mas esta baseia-se no que os consumidores querem e numa melhor resposta a essa demanda! Esses cientistas querem extrair mais eletricidade de cada pedaço de carvão. Eles procuram conservar recursos e minimizar custos de todos os produtos com os quais estão envolvidos.

É por isso que ouvi muitos economistas da Escola Austríaca descreverem-se como “conservacionistas” em contraste com “ambientalistas”. O livre mercado faz o melhor trabalho na conservação e alocação de recursos escassos.

Os desvios desta agenda de conservação baseada na demanda prejudicam os consumidores, as empresas, o emprego, as pensões e, muitas vezes, prejudicam também o ambiente!

Essas perdas e danos são difíceis de ver, mas imagine uma situação hipotética em que os iPhones da Apple emitam um poluente tóxico que eventualmente causa cegueira. Mesmo na ausência de processos judiciais, o que poderá acontecer com o preço das ações da Apple quando essa informação for revelada? Os incentivos funcionam para proteger o consumidor na maior parte do tempo? Claro!

As empresas tiveram a sua agenda de lucros geneticamente modificada pela “agenda verde”. Os ambientalistas podem ver o greenwashing, mas não podem ver os danos que a agenda verde causa ao ambiente.

A causa direta desta mutação são regulamentações, impostos punitivos, políticas ambientais, sociais e de governança, e outras medidas enérgicas que são concebidas para proteger o ambiente, mas que, em última análise, promovem o desvio de recursos a direções ineficientes. Elas também são o que causa o greenwashing. Consequentemente, as empresas estão de fato “jogando com o sistema”. Elas estão tentando lucrar num ambiente inundado de restrições verdes, apresentando um espetáculo verde, mas isso não é necessariamente bom para o ambiente.

*Este artigo foi originalmente publicado em Mises Institute.

_____________________________________________

Nota: as visões expressas no artigo não são necessariamente aquelas do Instituto Mises Brasil.

Sobre o autor

Mark Thornton

Membro residente sênior do Ludwig von Mises Institute, em Auburn, Alabama, e é o editor da seção de críticas literárias do Quarterly Journla of Austrian Economics.

Comentários (4)

Deixe seu comentário

Há campos obrigatórios a serem preenchidos!