Esse site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você concorda com suas condições.

< Artigos

Economia

Os lucros são incríveis e estão por todos os lados

Os lucros são muito odiados, mas todos nós nos beneficiamos deles todos os dias.

06/11/2023

Os lucros são incríveis e estão por todos os lados

Os lucros são muito odiados, mas todos nós nos beneficiamos deles todos os dias.

Os lucros têm uma má reputação. Talvez, depois da propriedade privada (roubo, segundo Bakunin), os lucros sejam a encarnação do diabo na visão dos nossos amigos da esquerda. No filme “Reds”, repleto de estrelas, o herói, interpretado por Warren Beatty, foi questionado sobre a causa de praticamente tudo o que havia de errado no mundo. Em resposta, ele proferiu uma explicação de uma palavra, após uma longa e comovente pausa: “... lucros.”

De acordo com uma citação anônima, mas altamente comentada: “como o lucro não será mau quando, em princípio, 'lucro' significa que você cobrou de alguém mais do que realmente vale?”. Na opinião de Mike Hatch: “no cerne do paradigma através do qual eu via os negócios e o comércio, estava esta ideia do mal inerente ao lucro”. E esta manchete diz tudo; até mesmo os empresários que favorecem os lucros defendem-nos alegando que são pequenos: “CEO da Chevron defende lucros recordes como 'retorno modesto' ao longo do tempo”.

Qual é a verdadeira história sobre este aspecto crucial da economia? É que os lucros são onipresentes, difundidos, inevitáveis, e que todos nós, incluindo os comunistas, somos culpados não só de lucrar, mas de obter lucros “excessivos”.

Um socialista vai comprar sapatos. Ele vê o mesmo calçado idêntico em três lojas diferentes: vendidos, respectivamente, por US$ 100, US$ 90 e US$ 80. Qual ele compra, tudo o mais constante? Resposta certa se você disse a última opção.

Agora, em relação a essa compra, até que ponto ele valoriza o calçado? Este é um teste de múltipla escolha. As opções são A. $120, B. $80 e C. $50. Podemos eliminar este último imediatamente; isso implicaria uma perda de US$ 30, exatamente o oposto do lucro. B também não será suficiente. Por que alguém deveria se esforçar para agir de qualquer maneira ou forma, visto que não há nem mesmo a esperança, a expectativa de lucro? Isso é muito contrário à natureza humana básica, partilhada por todos nós, independentemente da nossa posição política. Não, a única resposta correta deve ser A, onde um lucro de $40 pode ser obtido.

Mas os lucros são muito mais difundidos do que isso. Eles não estão de forma alguma limitados a empreendimentos comerciais, como a compra de sapatos. Uma mulher lava as mãos. Ela leva 3 minutos. O sabonete utilizado custa R$ 0,10; a conta da água acrescenta outro centavo. Ela obteve lucro? Sim, necessariamente no sentido ex ante (ou seja, quando se avalia antes do fato). Ela provavelmente nem pensou nisso nesses termos, mas contemplou — antecipou — que estaria melhor com as mãos limpas do que sujas, mesmo levando em conta os custos de oportunidade de sabão, água e tempo. Isso geralmente também é verdade ex post – avaliando após o fato –, mas não necessariamente. Por exemplo, ela pode ter sujado as mãos em uma tarefa doméstica logo após lavá-las inicialmente, arrependeu-se de ter feito isso e desejou ter esperado até depois para não ter que passar por esse processo duas vezes. Isso vale para amarrar o cadarço, coçar o nariz ou passear. Todos nós não apenas lucramos com isso, mas tentamos organizar as coisas de modo que nossos ganhos sejam maximizados.

Há outra ideia importante que podemos extrair da economia: quanto maiores os lucros obtidos, maior e mais importante é a nossa contribuição para o bem-estar social. Os clipes de papel são quase perfeitos, dadas as suas humildes tarefas. Não parece haver muito espaço para atualização neles. No entanto, se eu conseguir melhorar um pouco os clipes, realmente terei lucro.

Por outro lado, se eu conseguir encontrar uma cura para o câncer, farei um lucro gigantesco. Serei rico além dos sonhos da avareza (assumindo que o governo todo amoroso me permita ficar com grande parte dos meus ganhos). Por que a diferença? Claro que é porque muitas pessoas valorizam muito mais esta minha última contribuição do que a primeira. Consequentemente, grandes lucros refletem que criei um valor significativo para outros.

Portanto, ouçamos um pouco menos de difamação deste elemento crucialmente importante não só da economia, mas de toda a vida.

 

Esse artigo foi originalmente publicado em https://fee.org/articles/profits-are-awesome-and-all-around-us/

___________________________

Nota: as visões expressas no artigo não são necessariamente aquelas do Instituto Mises Brasil.

Sobre o autor

Walter Block

Walter Block é membro-sênior do Mises Institute e professor de Economia na Loyola University, em Nova Orleans.

Comentários (9)

Deixe seu comentário

Há campos obrigatórios a serem preenchidos!