Esse site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você concorda com suas condições.

< Artigos

Economia

O perigo dos ideais totalitários: não viva de mentiras

13/10/2023

O perigo dos ideais totalitários: não viva de mentiras

“Avançamos cada vez mais na era do pós-jornalismo, onde os meios de comunicação sobrevivem não pela precisão e honestidade das suas reportagens, mas pelo apelo da sua narrativa.”

—Fred Skulthorp, O Crítico

 

Não passa despercebido a ninguém que o Ocidente sofre de um problema de credibilidade. As suas instituições – ou seja, os meios de comunicação social, funcionários do governo, o meio acadêmico, os sindicatos de professores e outras “coisas” sociais conjuntas – detêm cada vez menos a nossa confiança coletiva (exceto as empresas, ao que parece). Não confiamos na mídia para transmitir ou exibir a verdade; não confiamos que os nossos governos digam a verdade, atuem com honra ou administrem o povo de boa fé. E, falando de fé, as elites intelectuais substituíram amplamente Deus, não por Mamom, mas por Gaia – hoje em dia, muitos adoram no altar de Santa Greta.

Live Not by Lies” é uma das sugestões do herói literário russo Aleksandr Solzhenitsyn. Escrito nos últimos dias da União Soviética, é um texto que lhe valeu o exílio da sua terra natal. De acordo com os estudiosos Edward Ericson e Daniel Mahoney, editores do Solzhenitsyn Reader de 2006, “mentiras” significam algo como “ideologia” – “a ilusão de que a natureza humana e a sociedade podem ser remodeladas de acordo com especificações predeterminadas”. O que é, é; e é fútil e perigoso contradizê-lo.

Brincar com a verdade é precisamente o que os regimes totalitários fazem. Observei no ano passado, em uma resenha de The Psychology of Totalitarianism, do psicólogo Mattias Desmet — um livro que, aparentemente, acabou de ser banido para uso pela própria universidade desse estimado professor: “O coletivo cantarola junto e defende as regras, não importa quão insanas ou ineficazes sejam para alcançar seu suposto objetivo. O totalitarismo é a confusão entre fato e ficção, mas com uma intolerância agressiva para opiniões divergentes. É preciso seguir o script”.

Todo esse pavor filosófico e pedreiras altíssimas vêm à mente ao ler o popular livro do astrofísico e educador Neil deGrasse Tyson, intitulado “Starry Messenger: Cosmic Perspectives on Civilization”. Em um mundo partidário e que espera que tenhamos opiniões politicamente tendenciosas sobre todos os malditos tópicos sob a guarda do Congresso, escritores e pensadores são forçados a se envolverem em tópicos sobre os quais nada sabem. Como figura pública e educador do Planetário Hayden de Nova Iorque, deGrasse Tyson considera que a sua tarefa é abster-se de tudo isso. De forma revigorante, ele diz que é um cientista que só fala sobre assuntos dos quais tem alguma experiência.

No entanto, o que começou com investigações sobre a natureza da ciência no Starry Messenger evoluiu gradualmente para um manifesto “woke”. A verdade objetiva é, de fato, o tema abrangente dos primeiros capítulos, onde a civilização, o cosmos e a lua ocupam o centro do palco. O autor afirma que “a coisa mais bonita sobre o universo pode ser o fato de ele ser cognoscível. Nenhuma mensagem escrita em tablets no céu exigia que isso fosse assim. Apenas é”. Ele também escreve que “as verdades objetivas da ciência não se baseiam em sistemas de crenças. Não são estabelecidas pela autoridade dos líderes ou pelo poder de persuasão... negar verdades objetivas é ser cientificamente analfabeto, e não ter princípios ideológicos”.

Até agora, tudo certo.

Imagine então o choque do leitor quando a segunda metade do livro se desvia da órbita; negar a realidade objetiva torna-se a estrela-guia dos capítulos sobre diversidade.

Na verdade, deGrasse Tyson teve que ir direto ao terceiro caminho da guerra cultural, dizendo que o sexo biológico é um conceito confuso, antigo e ultrapassado. Porque a cor existe em um espectro de comprimento de onda, de alguma forma deGrasse Tyson prevê que o sexo também seja assim – o problema de hardware mais obviamente discernível transformado em software confuso, para usar a terminologia do jornalista britânico Douglas Murray. Neil deGrasse Tyson não está convencendo ninguém de que “tudo é um espectro” ao apontar para cores – que comprovadamente são – e categorias de furacões, que foram criadas com a história em mente. Uma criança não é um adulto só porque a fronteira exata entre os dois é confusa.

Em um relato memorável, Tyson faz o papel de detetive no metrô de Nova York, tentando discernir os sexos dos outros passageiros enquanto vê através do que ele considera irrelevantes e arbitrárias “características secundárias e terciárias – todas construções sociais”. “Posso identificar quem se identifica como homem e quem se identifica como mulher apenas pelos seus rostos?” foi o desafio que ele se propôs. Como todos estavam sentados e como era inverno e as formas dos corpos estavam convenientemente cobertas por jaquetas grossas, ele de alguma forma não conseguiu separar os homens das mulheres.

Cada parte do nosso corpo grita diferenças sexuais dimórficas – desde as nossas células e rostos até as formas e tamanhos das nossas mãos. No entanto, as classes dominantes e as suas ideias exigem que o sexo se torne um grande pedaço de obscuridade pegajosa, tanto que os mais eruditos dos nossos cientistas já não conseguem definir o que é uma mulher. Portanto, deGrasse Tyson (ou talvez seus editores) sente-se compelido a incluir uma história que sugere que todo gênero é fluido e o sexo é irrelevante.

Na página 193, nos é entregue a frase “pessoas grávidas”, sem dúvida inserida por um editor com problemas semânticos.

Foi há apenas sete incomensuráveis anos que Jordan Peterson irrompeu no palco da guerra cultural com a sua oposição estoica precisamente a esse discurso forçado. Barbara Kay escreveu para Reality's Last Stand: “Está bastante claro agora que a insistência no uso universal de pronomes não tem nada a ver com bondade, e tudo a ver com homenagem forçada - para muitos de nós - a um sistema falso e alienante ".

A próxima fronteira é o “capacitismo”, onde deGrasse Tyson diz que “cheira a chauvinismo sensorial e fisiológico” pensar em pessoas que não têm dedos, braços, pernas ou um dos seus sentidos como deficientes. Apostando nesse grito woke de guerra, deGrasse Tyson passa a listar exemplos de humanos extraordinários que superaram obstáculos inacreditáveis ​​- de Ludwig van Beethoven, que compôs enquanto era surdo, a Matt Stutzman, o campeão de tiro com arco que se destaca em atirar flechas com os pés. Alguma dessas pessoas é realmente deficiente?

É claro que não, argumenta deGrasse Tyson, porque a palavra “deficiente” é ruim e porque todo mundo é incrível por si só, ou algo parecido.

Não precisa haver um julgamento de valor na base de cada adjetivo ou de cada descrição do que a moda ou mediana humana é em qualquer domínio que consideremos – desde a altura ou o número de braços até as habilidades cognitivas. Para serem úteis, os manuais de Medicina e Anatomia têm de dizer algo sobre a nossa espécie; para poder falar, as palavras devem significar alguma coisa. Redefinir tudo e transformar-se num pretzel linguístico antes de transmitir uma mensagem simples parece pouco útil e tão longe do científico quanto se pode imaginar.

É quase um insulto também. Para cada extraordinário Stephen Hawking, temos inúmeros outros que sofrem aflições semelhantes, mas que ficam muito aquém das conquistas de Hawking. Não seria anticientífico dizer “espere um minuto” quando as nossas estimadas elites escolhem a dedo um valor extremo em uma distribuição e, a partir daí, concluem que não há distribuição, nem mediana, nem moda?

Deixando de lado essas implicações estatisticamente analfabetas, DeGrasse Tyson está certo em dizer que “quando você não é bom em uma coisa, normalmente tenta outra. Numa sociedade livre, há muitas outras coisas por aí”. Sim, graças a Deus pela divisão do trabalho e por uma ordem econômica onde o meu melhor pode complementar aquilo que outra pessoa não pode, não quer ou não deveria fazer – danem-se as controvérsias “capacitistas” e os jogos de palavras.

O que está claro é que coisas ruins acontecem quando outros – sejam governos ou não – obrigam ou intimidam você a dizer coisas que não são verdadeiras.

Então não, o estimado Dr. deGrasse Tyson não vacila em seu compromisso de falar a verdade. Ouvi-lo falar é muito mais libertador do que julgar suas palavras filtradas pela linguagem censurada que é a ideologia progressista. Se apenas atribuirmos os absurdos de Starry Messenger aos pedágios que ele deve pagar para não ser cancelado pelos editores – as palavras mágicas que ele deve pronunciar para apaziguar a intelectualidade –, ele produziu um livro popular decente sobre como pensar sobre o nosso mundo.

Mesmo assim, eu só queria que nosso estimado cientista se recusasse a viver de mentiras.

 

Este artigo foi lido originalmente em: https://mises.org/wire/totalitarian-ideals-and-not-living-lies

_______________________________

Nota: as visões expressas no artigo não são necessariamente aquelas do do Instituto Mises Brasil.

Sobre o autor

Joakim Book

nascido na Suécia, possui mestrado pela Universidade de Oxford e é visiting scholar do American Institute for Economic Research

Comentários (1)

Deixe seu comentário

Há campos obrigatórios a serem preenchidos!