clube   |   doar   |   idiomas
O capitalismo funciona a favor dos consumidores, e não de empresários e assalariados
E isso é algo que poucos entendem

Se você entra em uma loja das Casas Bahia para comprar uma geladeira ou um fogão, você não tem de pagar o preço exato que está sendo ofertado.

O mesmo é válido quando você adentra uma concessionária da Volkswagen. Ou quando você entra em uma loja de roupas. Você não tem de pagar o preço listado pelo carro ou pela roupa que você deseja.

Aparentemente poucos sabem disso, mas o vendedor está sempre disposto a negociar. E o motivo pelo qual ele está disposto a negociar é este: você tem o dinheiro. E ele tem o produto (geladeira, fogão, carro, roupa etc.) do qual ele está disposto a se desfazer em troca do seu dinheiro.

É muito mais fácil para você comprar qualquer coisa que você queira com o seu dinheiro do que é para o vendedor convencer você a dar para ele o seu dinheiro em troca de um produto específico que ele está vendendo.

Você tem opções. Já ele precisa do seu dinheiro.

O consumidor está no comando de qualquer transação comercial. Se ele souber barganhar, ele possui uma grande vantagem em relação ao vendedor.

A esmagadora maioria dos vendedores, porém, contrabalança essa desvantagem. E por um simples motivo: eles sabem como lidar com compradores que não entendem o poder do dinheiro. E são poucos os consumidores que entendem o poder que possuem.

Vendedores experientes aprendem cedo a como negociar. E eles passam toda a sua vida negociando. Eles ganham a vida assim. Já compradores de carros, geladeiras e fogões, por exemplo, só aparecem a cada cinco anos ou dez anos (dependendo do produto). Eles não são barganhadores habilidosos. A maioria, aliás, se sente envergonhada pela simples ideia de ter de negociar e pechinchar. 

O crediário sempre revela o desconhecimento

Um bom exemplo de desconhecimento das técnicas básicas da barganha são as pessoas que compram no crediário. 

Grandes lojas de eletrodomésticos, grandes lojas de moda e fabricantes de automóveis lucram mais vendendo crédito do que vendendo produtos. É por isso que a maioria possui o cartão próprio da loja, a maioria estimula que você compre parcelado ou financiado no lugar de comprar à vista. Os empresários sabem que podem ganhar duas vezes. Eles podem ganhar vendendo o produto e emprestando o dinheiro para que você compre.

Quando você compra qualquer coisa através do crediário de uma loja ou de financiamentos, você está pagando duas vezes. 

As pessoas ficam empolgadas quando vem um "12x sem juros no cartão". Ora, não existe isso. Nenhum vendedor parcela um produto em 12 vezes, ainda mais em um país de inflação historicamente alta como o Brasil. Neste valor anunciado — que é o mesmo à vista — já estão embutidos os juros. 

O que o comerciante está fazendo é justamente vendendo uma dívida para você. Há uma financeira por trás de tudo: você paga no crédito, o comerciante vende o seu crédito para a financeira, e a financeira cobra de você. O comerciante recebe todo o dinheiro até o fim do mês, e a financeira coleta os juros de você.

Por isso, em situações assim, sempre é possível barganhar e pedir pelo menos 10% de desconto à vista (vai depender dos juros vigentes no país). De início, haverá resistência do vendedor (justamente por causa da financeira). Mas, se você ameaçar ir para a loja concorrente, imediatamente você consegue.

Lembre-se: o vendedor precisa do seu dinheiro. Você tem o que ele quer.

Mas são poucos os consumidores que sabem disso.

Em suma: o vendedor ganha dinheiro se especializando em técnicas de venda. O comprador abre mão de sua vantagem porque ele não conhece as regras do processo de negociação.

A internet está começando a equilibrar o jogo entre compradores e vendedores. Sites e aplicativos já fazem o trabalho de mostrar todos os preços vigentes de todos os produtos em todas as lojas. Isso significa que o jogo agora está a favor dos consumidores, pois são eles que estão em posse do dinheiro. Mas, ainda assim, vários seguem não sabendo negociar com vendedores.

Todos nós compramos e vendemos dinheiro

Por mera tradição, sempre falamos sobre "compradores" e "vendedores". Mas ambos são a mesma coisa: ambos são compradores e vendedores ao mesmo tempo

Quando dizemos "compradores" estamos simplesmente dizendo "vendedores de dinheiro". Quando dizemos "vendedores" estamos simplesmente dizendo "compradores de dinheiro".

Ludwig von Mises definiu o dinheiro como sendo "a mais comercializável das mercadorias". O dinheiro é aquela mercadoria que absolutamente todas as pessoas querem, pois sabem que podem utilizá-la para adquirir qualquer outra mercado que desejarem.

Por isso, o vendedor de dinheiro (consumidor) é o comprador universal, pois aquilo que ele está oferecendo (dinheiro) é a mercadoria que todas as outras pessoas utilizam para fazer propostas de compra. 

O indivíduo que tem dinheiro para gastar possui a vantagem de uma transação. Há bilhões de pessoas que querem o dinheiro dele. E há muito menos pessoas que querem o produto que o vendedor está oferecendo. 

O comprador de bens e serviços, que é um vendedor de dinheiro, é um especialista em fazer a alocação da mercadoria mais valiosa do mercado. Ele fica de frente para uma multidão, mostra o dinheiro e diz: "Eu tenho aquilo que vocês querem. Façam-me uma oferta". Ele é um especialista em fazer com que produtores de todos os tipos de bens e serviços façam oferta denominadas naquela unidade de conta que ele está mostrando.

Já os vendedores de bens e serviços são especialistas em fazer ofertas em troca do dinheiro do consumidor. Eles se concentram em como obter aquela que é a mais comercializável das mercadorias. Eles precisam se especializar  em produzir para atender a um segmento específico da comunidade. Nem todos querem o que eles têm para oferecer.

Por tradição, designamos como "comprador" o indivíduo que detém um bem universalmente demandado. E designamos como "vendedor" o indivíduo que possui o bem que é menos universalmente demandado.

E é isso que ainda não entenderam sobre o capitalismo

É por tudo isso que o capitalismo, ao contrário do que muitos acreditam, é o arranjo que opera em benefício do consumidor, e não do produtor. Com efeito, é o único arranjo que opera em benefício do consumidor. 

Os consumidores possuem aquilo que os produtores querem: dinheiro. O dinheiro é a mercadoria de mais fácil comercialização em uma economia. Todos estão atrás do dinheiro. Quem tem dinheiro consegue trocá-lo pelos bens e serviços que quer. Quem tem dinheiro sempre será servido. Quem tem dinheiro e sabe do poder que tem está no assento do motorista em uma economia capitalista. 

E quem tem o grosso do dinheiro em uma economia de mercado? A massa dos consumidores.

Produtores e empreendedores estão no mercado para ganhar acesso ao dinheiro dos consumidores. Os bens e serviços que eles produzem não podem ser utilizados como dinheiro. Não importa quão popular seja um produto específico, ele nunca será tão popular quanto dinheiro. 

Consequentemente, produtores e empreendedores têm de vender esses bens e serviços aos consumidores para conseguir dinheiro; eles não podem ir ao mercado e simplesmente tentar trocar, como num escambo, seus bens e serviços por outros bens e serviços. Para conseguir o que querem, eles têm de ter dinheiro. Para conseguir dinheiro, eles têm de vender para muitos consumidores. Eles ganharão dinheiro no volume, e não nos preços altos.

Ao contrário dos produtores e empreendedores, consumidores não têm de negociar descontos com fabricantes ou implorar por preços menores com fornecedores; eles deixam esse serviço por conta das empresas. Na prática, eles terceirizam essa atividade, deixando que as empresas em concorrência façam essa negociação por eles. 

Não interessa se é a Amazon, a Walmart, as Casas Bahia, a Uber, a Netflix, a AirBnB ou a padaria da esquina: todos têm de agir em prol dos consumidores. E é assim porque eles estão visando ao dinheiro das massas. Eles querem vender para as massas. Sua estratégia é fazer com que mais pessoas comprem seus bens e serviços.

Um capitalista bem-sucedido é aquele que não apenas sabe como atender aos desejos da massa, como também está sempre tentando aumentar a satisfação dela. A maneira como esse capitalista aumenta sua presença no mercado — sua fatia de consumidores — é por meio da concorrência de preços (e da qualidade do produto). 

Dado que seu objetivo é sempre aumentar seu público consumidor, o que ele realmente tem de fazer é ir atrás de pessoas que até então não estavam dispostas a — ou não tinham condições de — gastar dinheiro naquilo que ele está tentando vender. Ao utilizar a concorrência de preços, ele adquire acesso a esse grupo.

Os críticos do capitalismo, que são muitos, simplesmente não entendem que capitalismo significa concorrência de preços, e que o mercado de consumo em massa criado pela concorrência de preços representou o maior benefício econômico para a humanidade nos últimos 200 anos.

Sim, os preços das coisas estão sempre aumentando, principalmente no Brasil. Mas isso se deve às distorções criadas pelo governo, como a inflação da oferta monetária. Ainda assim, o custo real das coisas — isto é, a quantidade de horas de trabalho necessária para se auferir uma renda capaz de conseguir comprar um bem básico — só faz cair.

Nem empresários e nem assalariados

Produtores, empreendedores e trabalhadores só irão se dar bem em uma economia de mercado se souberem satisfazer os consumidores. Eles só terão lucros se souberam agradar aos consumidores.

E é só quando finalmente se entende isso, que se torna possível sanar um debate que é constantemente feito acerca do capitalismo e da economia de mercado em geral.

De um lado, há aqueles que dizem que o capitalismo — embora seja eficiente em criar bens, serviços e riqueza — é injusto e imoral, pois explora os trabalhadores e concentra a enorme riqueza criada nas mãos de alguns poucos empresários e especuladores.

De outro, há os que rebatem essas afirmações recorrendo a estatísticas que confirmam que os trabalhadores têm o melhor padrão de vida exatamente nos países mais capitalistas.

Ambos os lados ignoram o essencial.

O capitalismo não é um sistema voltado para "garantir direitos" aos trabalhadores. E nem para beneficiar empresários. É um sistema voltado exclusivamente para beneficiar os consumidores.

Só irá prosperar quem consegue fornecer bens e serviços que os consumidores voluntariamente querem adquirir.

Dado que empresários e empregados são também consumidores, então é óbvio que eles também acabam se beneficiando do capitalismo. No entanto, o capitalismo não é um sistema feito para "garantir direitos e privilégios" aos trabalhadores e nem para "privilegiar empresários". Esta não é sua função.

Se há trabalhadores mal pagos é porque os consumidores de seus produtos assim determinaram. Se há trabalhadores que trabalham muito e ganham pouco é porque não são produtivos e, consequentemente, não conseguem ofertar a um grande número de consumidores algo que eles considerem valioso e pelo qual estejam dispostos a pagar muito.

Se há assalariados mal pagos e com baixo padrão de vida é simplesmente porque eles não conseguem criar valor para seu público consumidor. Ou então porque há outros milhões que sabem fazer o que ele faz.

Ignorar isso e querer tentar contornar essa realidade implantando políticas de "bem-estar social" ou de "criação de empregos artificiais" irá apenas atravancar ainda mais o processo de criação genuína de riqueza.

Para concluir

O capitalismo beneficia a todos que estão na condição de consumidor

Enquanto o indivíduo está puramente na condição de trabalhador e empreendedor, o capitalismo é exigente e nem sempre recompensador. Se o empreendedor e o trabalhador estão no ramo errado, então o capitalismo será inclemente.

Um empreendedor pode, por exemplo, fazer um cálculo empreendedorial errado, se aventurar em uma área na qual não há demanda, empreender mal, se afogar em dívidas, ter seus ativos penhorados e perder tudo. Tentando servir o consumidor, ele se estrepou. Já o consumidor nada perdeu. De que lado você gostaria de estar?

O empreendedor se endivida para abrir um restaurante, serve a vários consumidores, mas acaba indo à falência e tendo seus bens penhorados perante seus credores. Quem se deu melhor: os consumidores que se aproveitaram deste restaurante ou o empresário falido?

É o cidadão comum consumidor que se dá bem no capitalismo, e não necessariamente o empresário. Este pode se estrepar completamente.

Por fim, mesmo o mais exitoso dos empreendedores e o mais bem-sucedido dos assalariados só é realmente beneficiado pelo capitalismo porque podem utilizar os frutos do seu trabalho para consumir; para adquirir bens e serviços que irão melhorar seu padrão de vida. Só que, ao fazerem isso, eles estão no mesmo nível dos demais consumidores normais.

No capitalismo, portanto, é o cidadão comum consumidor que se dá bem, principalmente quando ele sabe do poder que tem. E não necessariamente o empresário. Este pode se estrepar completamente.


autor

Anthony P. Geller
é formado em economia pela Universidade de Illinois, possui mestrado pela Columbia University em Nova York e é Chartered Financial Analyst credenciado pelo CFA Institute.


  • Carlos Eduardo  03/02/2022 18:42
    Sempre falo isso.
    Por isso que os empresários são pobres e os consumidores ricos, pois os empresários se estrepam, mas os consumidores riem de orelha a orelha.
  • Túlio  03/02/2022 18:54
    Se o capitalismo realmente beneficiasse o empresário, hoje estava todo mundo louco para empreender. No entanto, a maioria dos microempresários -- eu mesmo conheço três -- diz que, se pudesse, fechava tudo e virava empregado de carteira assinada. Tem vários direitos e quase nenhuma preocupação. Não só poucos querem empreender, como a maioria só quer a segurança de um emprego público. Por que ninguém quer ser empresário se a mamata realmente é tão grande como dizem os críticos do capitalismo?
  • Andre  03/02/2022 19:00
    Empreender não é para fracos. No início de 2016 um cliente que andava mal das pernas surtou, paralisou todas as operações, suspendeu todos os projetos e expulsou todo mundo do escritório, vendeu tudo que pode na bacia das almas, fez os investimentos que achou cabível, largou os filhos na casa dos 20 vendendo bugigangas no mercado livre e foi viver em Portugal com 2000 euros por mês.

    Em 2019 no verão europeu nos encontramos no Faro, o homem parece 10 anos mais jovem.
  • Paulo Mathias  03/02/2022 19:18
    Quando eu era dono de uma lanchonete, me sentia explorado pelos meus empregados.

    Só uma de minhas empregadas, uma neguinha bonita de 19 anos e mãe solteira de um filho, que era muito boa de conta de cabeça, ficava observando o meu trabalho como patrão e calculando as minhas despesas, lucros prejuízos, etc... Sem que eu soubesse...

    Ela me disse uma vez que nunca gostaria de ser patroa, que ela não via vantagem nisso.

    Ela também ajudava o pai dela na feira nos dias de folga, e dizia que via a dor de cabeça que o pai dela passava, e ainda lembrando que o pai dela trabalhava sozinho ou sendo ajudado por ela que era a filha. "Imagino você, que tem empregados de carteira assinada, empregados como a X, que vive acochambrando... para mim isso não dá" disse ela.

    Concordei com ela imediatamente, disse que tinha saudades dos meus tempos como empregado, que assim que a crise passasse, venderia a minha lanchonete e voltaria a ser um assalariado.

    Dito e feito. Não me arrependi.
  • Vladimir  03/02/2022 19:28
    Sim, vida de trabalhador de carteira assinada é muito mais folgada e gostosa.
    A esmagadora maioria das pessoas comuns, quando apresentadas às alternativas da vida, prefere muito mais apenas ser empregada (com vários direitos e zero preocupações) do que ter de empreender (zero direitos e um mundo de preocupação).

    Eu mesmo nunca tive vontade de empreender. Não no Brasil. Trabalho, poupo ao máximo e vislumbro uma aposentadoria precoce. Apenas sigo as lições do Pai Rico, Pai Pobre: primeiro você trabalha pelo dinheiro; depois coloca o dinheiro para trabalhar pra você.

    Empreender no Brasil (aliás, na América Latina) pode dar cadeia. Muito mais tranquilo ser empregado. Jornada de trabalho definida, vários direitos, fins de semana sem preocupação com trabalho, férias pagas e não precisa de esquentar cabeça com nada. Ser funcionário público, então, ainda melhor. Você ganha muito sem fazer nada e ainda usufrui de todas as maravilhas do mundo na condição de consumidor.
  • Régis  03/02/2022 19:30
    Só trouxa aceita se submeter à CLT. Quem está na CLT simplesmente aceita entregar uma fatia de seu salário para políticos em troca da promessa de que, um dia, irá se aposentar. Mas nunca irão.

    Eu sou free-lancer. Nunca tive uma carteira assinada. Como consequência, mantive 100% de meus proventos. Investi e hoje, aos 45 anos, já posso me aposentar sem problemas.

    Quem está na CLT já repassou uma quantia vultosa de seu salário para políticos, não tem reservas para se aposentar e, tecnicamente, jamais irá se aposentar.

    Mas o que mais tem é esquerdista vendendo a CLT como a salvação do povo...
  • Vladimir  03/02/2022 19:35
    Para ser sincero, a esquerda é contra ser assalariado de carteira assinada (o que eu já vi de esquerdista destratando garçom...), é contra ser terceirizado, é contra ser autônomo e é contra ser empreendedor.

    Ela só é favor de ser funcionário público, que vive do dinheiro esbulhado do assalariado, do terceirizado, do autônomo e do empreendedor.

    É por isso que a esquerda é inerentemente imoral, pois ela acredita que o certo é viver do roubo alheio. Para ela, o moral é praticar o imoral.
  • Carlos Eduardo  04/02/2022 01:31
    Brasil, o país com mais empreendedor do mundo!!

    cei.ufg.br/n/85351-brasil-esta-no-topo-do-ranking-mundial-de-empreendedorismo

    Se é tão ruim empreender por que tanta gente vira empreendedor no país hein?
    Tanto emprego de carteira de assinada por aí… ainda mais após a reforma trabalhista ficou ainda mais fácil assinar carteira!

    Obviamente a vida do empreendedor brasileiro não é fácil, assim como também não é trabalhador. Até porque quem tA empreendendo pode virar trabalhador no segundo seguinte! Fecha às portas e vai pegar sua carteira azul!
    A vida do trabalhador também não é fácil! Pode ser demitido amanhã sem saber como vai pagar suas contas e se recolocar no mercado!

    Aliás, a remuneração do trabalho tem caído nos últimos anos no Brasil
    www.istoedinheiro.com.br/salario-medio-de-contratacao-tem-queda-em-2021-veja-os-valores/

    Importante frisar, se o empreendedor está no dilema entre manter empresa ou trabalhar de clt é pq ele é um empreendedor por necessidade.
    Os verdadeiros empreendedores e que se valem de bons advogados e costumam extrapolar limites pois sabem que seus advogados conseguirão vitórias nos tribunais, esses daí sim, são os que mais se valem do sistema e mais ganham com a precarização do trabalho, conseguem tirar 20k ou mais por mês com a empresa

    Aquele cara que empreende por necessidade, pra ele pode ser bom num primeiro momento a precarização por redução de custos, mas num segundo é ruim pois vai ter mais gente disputando o lugar dele no negócio
  • Gustavo  04/02/2022 01:56
    Não inicie um empreendimento que não irá satisfazer uma genuína demanda dos consumidores.

    Não empreenda por hobby. Empreender não é "fazer aquilo que gosta", "aquilo que dá prazer". Empreender é fazer aquilo que realmente cria valor para os consumidores, aquilo que irá satisfazer uma necessidade do público.

    mises.org.br/article/3048/eis-o-principal-motivo-por-que-empresas-recem-criadas-quebram--e-como-evitar

    mises.org.br/article/2928/a-maioria-dos-empreendedores-e-composta-de-maus-empreendedores--eis-a-sua-chance-
  • Régis  04/02/2022 02:00
    Isso é porque muitos (aliás, qualquer um com cérebro) preferem ser PJ do que CLT.

    CLT, como eu disse, é só para desinformado. Ou masoquista. Você trabalha, o governo confisca 27,5%, impede um salário maior via FGTS (o qual perde da inflação) e ainda abiscoita até a sua aposentadoria, obrigando você a no futuro mendigar migalhas para políticos. O ápice de humilhação.

    Já quem é PJ nem sequer paga Imposto de Renda (como tem de ser, aliás), adquirindo a independência financeira muito mais rápido.

    Eu juro que não entendo qualquer pessoa que queira ser CLT. Tem que ser muito masoquista.
  • Felipe  04/02/2022 13:01
    PJ não tem alíquota de 10 %, como é com os artistas da Globo?

    A maioria vai para CLT por tradição, eu acho.
  • Ambidestro  04/02/2022 13:17
    Regis, o mundo não gira em torno do seu umbigo. O mundo tem diversas particularidades na qual sua realidade não é aplicável.
    Se vc tem carteira assinada e sofre um acidente vc tem um seguro através dos mecanismo de seguridade social. Se vc morre sua família tem proteção, se vc sofre um acidente e fica meses numa uti vc tb tem proteção.
    Sem contar que conheço muita gente que trabalha em escritório que jamais seria capaz de trabalhar numa obra ou num supermercado por condição de saúde, problema de coluna etc. se um cidadão como esse trabalhasse como servente de obra sem carteira assinada e desenvolvesse problema nas costas l, já era! Mas se tem carteira assinada, ele fica melhor.

    Então o que vc diz-se encaixa bem em trabalhos de escritório, mas tem um sem número de profissões por aí que não é bem assim
  • Thomas  04/02/2022 13:49
    Funciona para qualquer lugar. Seguro você pode contratar. O INSS descontado é um seguro caro e ineficiente.

    Se o cara sai da CLT ele imediatamente ganha um aumento salarial (simplesmente porque o salário não vem mais descontado do IR e do INSS), consegue negociar um salário nominal maior (pois o empregador agora não precisa pagar nem INSS, nem FGTS, nem adicionais, e nem férias) e pode utilizar este adicional para contratar seguro e acumular para a aposentadoria.

    Agora, se você prefere xingar o mensageiro e adora ver o povo escravizado pelo governo, ok.
  • Ambidestro  04/02/2022 18:43
    Me diga um banco ou seguradora que vai garantir pensão a um salário fixo mensal pra sua esposa até o final da vida dela.

    Me indique um banco ou seguradora que vai garantir salário fixo até o fim da sua vida após a sua aposentadoria.

    O problema de discutir com adolescente é esse. Viu meia dúzia de vídeos na internet sobre um tema e acha que já é capaz de bater de frente com um especialista.

    Isso tudo sem contar a arrogância de achar que todo mundo faz escolhas idiotas e só ele que faz escolhas certas. E que seu mundo vale para todo mundo.
    Mesmo com a esmagadora maioria preferindo clt a informalidade, ele acha que todo mundo é burro é só ele é esperto.

    O pior é que diante disso, vai tirar um argumento do tipo: "todo mundo que conheço prefere informalidade ao invés de clt" e achar que isso eh um argumento matador e que vale tanto quanto estudos e pesquisas que mostram o contrário

    oglobo.globo.com/economia/emprego/maioria-dos-brasileiros-prefere-trabalhar-com-carteira-assinada-do-que-como-freelancer-revela-pesquisa-2800292
  • Thomas  04/02/2022 19:27
    Ué, converse com o Carlos Eduardo ali em cima. (Clique aqui).

    Ele, que tem a mesma ideologia sua, jura que é exatamente o contrário: ninguém quer ser CLT, e todo mundo quer ser PJ. E, assim como você, ele também mandou um link da grande mídia e jurou estar lacrando.

    Entrem num consenso, por favor. Não dá para argumentar duas coisas completamente opostas ao mesmo tempo.


    Quanto ao seu chilique, qualquer indivíduo é livre para contratar seguros de vida e de acidente. Aliás, seguros existem exatamente para isso: para eventos inesperados.

    João sofrer um acidente de trabalho é tão inesperado quanto sua casa pegar fogo. Por que o governo tem de cuidar do primeiro mas não do segundo?

    Esse problema pode ser equacionado com seguros privados ou até corporativos (por setor da economia).


    Por fim, você fala sobre a "arrogância de achar que todo mundo faz escolhas idiotas e só ele que faz escolhas certas. E que seu mundo vale para todo mundo".

    Curioso. É exatamente isso o que você acabou de fazer aqui, ao jurar que todos são como você: isto é, ignorantes e incapazes de se informar sobre seguros de vida e de acidente.
  • Ambidestro  04/02/2022 23:07
    Thomás, Eu me responsabilizo pelo que eu falo não pelo que os outros falam.
    Aliás, reclamar do meu link ser da grande mídia é, além de passar vergonha e ser tirado como terraplanista, argumento ad hominen. Fraco demais

    E sim, qualquer indivíduo é livre para contratar o seguro que quiser. E eu só estou falando que não há no mercado seguro como o que eu te apresentei e desafiei você a colocar o link da seguradora ou banco que fizesse algo assim.
    Já o estado faz esse seguro ao cidadão.
    Tão difícil reconhecer isso? Você pode argumentar que é caro, ineficiente, injusto, feio ou bobo. Mas não pode negar o que coloquei aqui.

    Meus parabéns, ex microempresário!!!!! Você sim trouxe uma contribuição boa ao debate ao invés de dar PITÍ como fez o Thomás. Só se esqueceu de uma coisa na sua conta.

    O trabalhador que em 2005 ganhava 300 reais de salário mínimo e contribuía em cima desse valor, ao se aposentar amanhã, ele ganhará 1.200 reais, sob algumas condições.
    Ou seja, contribuindo num mês cerca de 24 reais em 2005 hoje ele está auferindo em um mês cerca 5.000% do que ele contribuiu (obs: não estou dizendo que rendeu 5000%)

    Sem contar, ex microempresário que vc se refere ao imposto de renda, que não existe para quem ganha o mínimo e que tb não é destinado a priori a pagar custos com aposentadoria e seguridade
  • Thomas  05/02/2022 01:37
    Em agosto de 2005 (início da séria histórica), o título Tesouro IPCA 2024 custava R$ 310.

    Hoje, 7 de fevereiro de 2022, este mesmo título vale R$ 2.989.

    www.tesourodireto.com.br/titulos/historico-de-precos-e-taxas.htm

    Isso é um aumento de quase 10 vezes, ou 900%

    Se esse trabalhador depositasse 10% do salário todo mês (lembrando que só o FGTS equivale a 11% do salário, e o INSS equivale a mais 5%), quanto ele teria hoje?

    No arranjo que você defende, ele hoje ganha R$ 1.200 por mês, é fato. Mas o patrimônio acumulado dele é zero. Ele não tem nada.

    Pagou INSS por anos e não acumulou nada em troca. Não tem nenhum ativo. Depende exclusivamente de um fluxo mensal dado pelo governo (o qual pode ser alterado a qualquer momento).

    Se, por outro lado, ele depositasse mensalmente 10% do salário em um título que rendeu 900% no período, quanto ele teria de patrimônio acumulado hoje? Quantos títulos (ativos) ele teria?

    Em qual arranjo ele estaria em melhor situação?

    Tarefa de casa para você. E utilizando estritamente os termos que você colocou.

    Vamos ver quem é o terraplanista aqui.


    P.S.: Gozado. O link do Carlos Eduardo, que mostra o exato oposto do que você diz, é de uma pesquisa de uma universidade federal. Não tem disso de você se "responsabilizar pelo que fala não pelo que os outros falam". Não é uma questão de opinião. São dados. Qual a sua justificativa para dizer que dados de pesquisa agora são opiniões?
  • Leitor Antigo  05/02/2022 01:44
    Uma conta idêntica a essa, porém para um período de tempo maior, foi apresentada aqui:

    www.mises.org.br/article/2589/uma-proposta-para-uma-reforma-definitiva-da-previdencia

    A diferença final entre depender do INSS e acumular por conta própria (em ambos os casos depositando o mesmo valor) é galáctica.
  • Artista Estatizado  05/02/2022 15:15
    Isso dá uma valorização de 14% ao ano, considerando 17 anos exatos. Curiosamente, a mesma valorização anual que o ouro teve entre 1998 e 2022
  • Ambidestro  06/02/2022 13:40
    Thomás, antes de tudo obrigado por provar meu ponto.

    O dinheiro arrecadado ao inss em 2005 pelo trabalhador garantiu salário caso esse trabalhador tivesse ficado um ano de cama no ano seguinte por exemplo. Era um seguro. O dinheiro no Tdeouro Direto garantiu isso?

    Se o trabalhador contribuir trinta anos e viver mais quarenta aposentado vai valer mais a pena ter ficado no inss. Se o trabalhador viver mais 5 anos, os títulos valerão mais a pena.

    A grande questão é a segurança que o inss dá, daí mencionei o fato de nenhum banco prover o seguro que o inss provém.
    Aliás, até agora não mandou o link dos bancos e seguradoras que oferecem os seguros que o inss oferece. Que era o cerne da questão.

    Ahhh, se o trabalhador tivesse investido em 2013 e tivesse ficado doente em 2016 e precisasse resgatar seu TÍTULO IPCA+2024 ele teria perdido dinheiro!!!

    Ahhhh, que incrível hein… o INSS dando mais rentabilidade que um investimento privado. Aliás, já vimos que o trabalhador estará melhor em rendimentos com o InSs do que com titulo públicos? Sabe dizer com relação a empresas em bolsa???


    Ahhhhh, o Carlos Eduardo!
    Sim, ele apresentou um fato que não desdiz o meu fato (impossibilidade lógica) tampouco meu raciocínio.
    As pessoas preferem clt. E clt da rendimentos bons como vc já corroborou aqui mostrando o tesouro não bate o inss. As pessoas preferem ser entregador de App celetista que entregador free lancer. Fato. E aí ao não serem celetista, quando podem e tem algum capital, vão e abrem o próprio negócio tentando ser seu próprio patrão.
    Até porque o governo cada vez mais incentiva a informalidade
  • Leitor Antigo  06/02/2022 16:09
    "Aliás, já vimos que o trabalhador estará melhor em rendimentos com o InSs do que com titulo públicos"

    Como é que o negócio aí?! O cara, depois de toda a apresentação numérica, realmente insiste que é melhor ficar no INSS do que ter títulos?!

    Aí não é nem questão de ser um caso perdido, não. É questão de total desonestidade intelectual, mesmo.

    Ele preferir INSS — ou seja, querer que político tome conta dele, como um grande derrotado —, até vai. Agora, querer negar a matemática já é um pouco demais.

    Este site deveria ter uma curadoria melhor na questão dos comentários. Este tipo de desinformação é totalmente deletéria, e faz isto parecer uma comunidade de Facebook em que não há propriedade privada.
  • Samor  06/02/2022 16:21
    O melhor de tudo foi o cara dizendo que Tesouro Direto é "investimento privado". Na ânsia de querer mostrar a superioridade do INSS, o cara teve de recorrer a isso.
  • Felipe  06/02/2022 16:43
    Em questão moral, é menos ruim ficar no INSS (porque ele vai estar recebendo algo que ele foi roubado a vida inteira, ainda que esse sistema seja de repartição). Nos títulos do Tesouro, você empresta dinheiro para o governo e ele confisca a riqueza alheia para pagar os juros de seu empréstimo. Só que rende mais e a chance de ele dar calote nisso é praticamente nula. O governo vai preferir vender as universidades federais do que calotear os credores da dívida interna.
  • Yuri  06/02/2022 20:21
    Ambos são igualmente imorais, pois ambos dependem do confisco da riqueza alheia.

    O Tesouro faz isso via impostos. O INSS faz isso via encargos trabalhistas.

    Ambos operam identicamente iguais: o governo tributa uns para repassar a outros.

    O INSS não opera em nada distintamente do Tesouro. Se o INSS investisse o dinheiro, e então futuramente devolvesse esse dinheiro acrescido de juros para o dono, aí sim poderíamos dizer que o INSS é menos ruim.

    No entanto, dado que o INSS não funciona assim — é um regime de repartição e não da capitalização —, então ambos são iguais em termos de (i)moralidade.

    Essa ideia de ser menos ruim porque se está recebendo de volta algo que lhe foi tomado, além de também valer para o Tesouro Direto, foi corretamente criticada pelo Hans Sennholz aqui:

    É impossível e imoral acertar as contas com o Estado

    www.mises.org.br/article/1095/e-impossivel-e-imoral-acertar-as-contas-com-o-estado
  • Felipe  06/02/2022 22:55
    Entendi até a crítica do Hans e pode ser aplicável à inúmeras circunstâncias, todavia esse argumento, se levado à risca, pode chegar às seguintes situações: libertário não pode entrar em nenhum tipo de cargo estatal (tem esse artigo do Rothbard bem interessante; o Hoppe não é menos libertário por ter ficado uns anos lecionando numa universidade estatal americana), nem frequentar nenhuma instituição estatal e nem usar nenhum tipo de serviço estatal, incluindo um monopólio como a polícia e a saúde. É um moto-perpétuo.
  • Yuri  07/02/2022 00:02
    O ponto não é esse (e eu inclusive concordo com o que você acabou de escrever). O ponto é: INSS e Tesouro Direto são igualmente imorais.

    Agora, dado que não dá para escapar do primeiro, dado que o segundo está aí para todos e dado que ninguém mais liga para nada, então vamos usar ao menos um destes. Que se dane. Eu mesmo utilizo Tesouro Direto. É imoral? Totalmente.

    Mas dado que toda a sociedade é imoral e dado que os mais prejudicados por este arranjo estatal (os mais pobres) não estão nem aí (tanto é que adoram o Lula, que foi o cara que mais deu aumento pra funcionalismo público, que mais expandiu o número de concursos e que mais desviou dinheiro para empreiteiras), não serei eu a fazer o papel de faquir.
  • Ambidestro  07/02/2022 13:04
    Ué. No inss a partir de 24 reais investidos em 2005 vc tira 1200 hoje
    No tesouro direto vc investindo 24 em 2005 tira hoje cerca de 300 reais
    5000% contra 900%.
    .
    Qual o erro da minha conta?

    E pro cidadão que acha que meu """desepero """" foi chamar o tesouro direto de investimento privado, explico. O tesouro direto vc investe se vc quer, logo uma decisão.

    Eu sei que se trata do governo pagando pra vc juros altos. Aliás, o tesouro direto foi trazido por um cidadão aí justamente por ser referência de investimento seguro, coisa que investimentos em instituições privadas não costumam dar muito
  • Gustavo  07/02/2022 14:02
    "Ué. No inss a partir de 24 reais investidos em 2005 vc tira 1200 hoje
    No tesouro direto vc investindo 24 em 2005 tira hoje cerca de 300 reais
    5000% contra 900%.
    .
    Qual o erro da minha conta?"


    Quatro erros.

    1) No INSS, apenas após 49 anos é que aqueles 24 reais investidos mensalmente podem virar R$ 1.200. Em 48 anos, você não tem direito a nada.

    R$ 24 virarem R$ 1.200 em 49 anos é o equivalente a um retorno anual de 8,3%.

    2) No Tesouro Direto, como demonstrado, R$ 310 em agosto de 2005 viraram R$ 2.989 em fevereiro de 2022.

    Esta valorização em 16,5 anos equivale a um retorno anual de 14,72%.

    No meu mundo, 14,72% ao ano é melhor do que 8,3% ao ano.

    Mas isso ainda é o de menos.

    3) No Tesouro Direto, o cara saca quando quiser. No INSS são 49 anos ou nada. No meu mundo, sacar quando quiser é melhor do que ter de esperar 49 anos (e isso considerando que não haverá reforma nenhuma no caminho).

    4) No Tesouro Direto, o cara acumula patrimônio. Consequentemente, ele passa a auferir renda em cima deste patrimônio. Ou então pode simplesmente vender este patrimônio. Ele se torna verdadeiramente autônomo e independente.

    No INSS, o patrimônio do cara é zero. Todo o dinheiro que ele "contribuiu" durante 49 anos não serviram para acumular patrimônio nenhum. Ele apenas ganhou o "direito" de ter um renda mensal de R$ 1.200. E só. O governo, com uma simples canetada, pode alterar quando quiser esta renda. E ele não tem como vender patrimônio, pois não tem nenhum. A dependência dele em relação a políticos (e em relação à não-ocorrência de novas reformas) é total. Uma vida desesperadora.


    Agora, se há quem goste, que façam bom proveito. Não é problema meu. No meu mundo, todo mundo tem o direito de ser masoquista.
  • Gustavo  07/02/2022 15:17
    Correção: o Tesouro IPCA 2024 já está em R$ 3.327. Logo, a média de retorno anual está em 15,47%.
  • Ex-microempresario  06/02/2022 20:26
    O dinheiro arrecadado ao inss em 2005 pelo trabalhador garantiu salário caso esse trabalhador tivesse ficado um ano de cama no ano seguinte por exemplo. Era um seguro. O dinheiro no Tdeouro Direto garantiu isso?

    Não, aposentadoria é uma coisa, seguro de renda é outra. O INSS cobra tudo junto.

    Se o trabalhador contribuir trinta anos e viver mais quarenta aposentado vai valer mais a pena ter ficado no inss. Se o trabalhador viver mais 5 anos, os títulos valerão mais a pena.

    Não, no exemplo que dei o sujeito tem um grande capital que rende por mês mais do que o salário que ele tinha, isso com um juro de 0,4%+IPCA (que não precisa ser tesouro direto, há inúmeras outras opções). Já no INSS o "benefício" é sempre reajustado abaixo da inflação, de modo que no longo prazo toda aposentadoria tende a se igualar ao salário mínimo.

    Aliás, até agora não mandou o link dos bancos e seguradoras que oferecem os seguros que o inss oferece.

    www.sistemasulseguros.com.br/blog/seguro-dit-seguro-de-renda-incapacidade-temporaria/

    É apenas um exemplo. Alguns segundos de Google trazem mais opções.
  • Ex-microempresario  05/02/2022 20:07
    Eu não esqueci nada. Vc é que está querendo fingir que inflação é ganho. Eu fiz a conta sem falar no valor nominal justamente por isso. Se em 2005 o salário mínimo era 300 reais, o INSS arrecadava 82,50. O empregado recolhia 22,50 e a empresa mais 60,00 (tudo isso em números arredondados).

    E não tem nada a ver com IR. 27,5% é o que o INSS ganha sobre o salário de cada empregado. 20% é recolhido como contribuição patronal e 7,5% como contribuição do empregado. Aliás, não sei se é exatamente 7,5, estou com preguiça de ficar fuçando em sites do governo.
  • Patriota do ancapistão  07/02/2022 02:17
    Esqueceu de descontar a inflação né socialista enganador?!
  • anônimo  04/02/2022 20:35
    "acha que já é capaz de bater de frente com um especialista."

    o famoso "voce sabe com quem esta falando?"

    faz parte do velho brasil que insiste em nao morrer
  • Ex-microempresario  04/02/2022 21:06
    "Me indique um banco ou seguradora que vai garantir salário fixo até o fim da sua vida após a sua aposentadoria. "

    Com carteira assinada, 27,5% do seu salário vai para o governo. Quando chegar aos 65 anos, vc se aposenta com o mesmo salário, se tiver sorte.

    Se vc colocar 27,5% do seu salário em uma aplicação que dê 0,4% ao mês (Tesouro Direto já dá mais que isso), em 35 anos você têm o equivalente a 300 salários. Mantendo os mesmos 0,4% ao mês, vc se aposenta com 20% a mais que o salário, sem mexer no capital. Se começar com 20, se aposenta aos 55 (dez anos antes).

    Mas precisa saber fazer conta.
  • Adolescente  04/02/2022 21:54
    Ok boomer….

    E o Inss te paga seu salário fixo após aposentadoria?
  • Analista de Risco  07/02/2022 14:16

    Me indique um banco ou seguradora que vai garantir salário fixo até o fim da sua vida após a sua aposentadoria.


    Pronto, tá aí:

    previdencia.zurich.com.br/zurich.portais/zurich.portais/View/Simuladores/


    Segue também uma lista de modalidades de pagamento de benefícios:

    www.susep.gov.br/menu/informacoes-ao-publico/planos-e-produtos/previdencia-complementar-aberta#TBR

    Satisfeito agora?

    Agora me responda, como faz um celetista para não ter INSS?
    Se INSS é bom assim, por que é obrigatório? Por que não deixar os trabalhadores aderirem voluntariamente?

    PS: Sim, o setor de seguridade no Brasil é terrível, mas é justamente devid0 a besteiras como INSS, SUSEP, ANS, etc...
  • Sobre os Tratados  03/02/2022 19:39
    Eu já pensava assim há um bom tempo. E foi justamente isso que me fez mudar de ideia em relação aos "tratados comerciais".

    Sim, como este site sempre apontou, tratados comerciais nada mais são do que acordos de comércio gerenciados pelo governo, e não representam um genuíno livre comércio. Sim, concordo plenamente. E concordo também que tais acordos são ruins para as pequenas empresas e bons para as grandes empresas.

    Só que tem um detalhe: eles são bons para os consumidores. O resultado final para os consumidores é que as tarifas de importação diminuem radicalmente e oferta de produtos bons e baratos aumenta. Foi assim com o NAFTA e seria assim com o TPP, vetado por Trump (e que espero que o Biden volte a ele).

    Sim, grandes interesses corporativos seriam os maiores beneficiados e os mais contemplados. E os pequenos empreendedores seriam os mais prejudicados. Só que os consumidores também sairiam ganhando. E, para mim, como consumidor, é isso o que importa.

    Eu era contra o NAFTA e o TPP. Hoje sou a favor. E seria a favor da ALCA também.
  • anônimo  04/02/2022 15:55
    O problema é que algumas zonas comerciais te impederem de abrir de forma unilateral sua economia. Só ver o mercadosul. Se o Brasil zerasse as tarifas, os países membros chiariam ou expulsariam o Brasil. Porque a gloriosa e funcional argentina(ironia) não quer sua economia sendo beneficiadas por produtos externos vindo do Brasil.

    Então, entrar em acordos nos quais os membros praticam baixas tarifas globais e permitem abertura unilateral é bom. Já outros te impedem, funciona como um cartel internacional para proteger o bloco.

    Seria mais benéfico ao Brasil sair do mercosul hoje
  • anônimo  03/02/2022 19:43
    Aproveitando para tirar uma dúvida:
    Preços de equilíbrio ou tendências a preço de equilíbrio existem?
    Se sim como demonstrar [provar] que existem?
    Se não como provar que não existem?
    E se possível a visão austríaca sobre o assunto. Grato!!
  • Leitor Antigo  03/02/2022 19:47
    Não. Não existe nem "preço de equilíbrio" e nem "mercado em equilíbrio". A economia é dinâmica e está sempre sofrendo alterações. As preferências dos consumidores não são estáticas; elas estão continuamente mudando.

    Artigo inteiro sobre isso:

    O mercado é um processo dinâmico, e não apresenta "equilíbrio"
  • imperion turbo nuclear quantico com equio  03/02/2022 22:17
    A economia é a produção de bens e serviços. Ela não é a produção de dinheiro. Não é a produção de dinheiro que faz a economia crescer. A economia cresce quando aumenta a produção de bens e serviços. E encolhe quando há diminuição de bens e serviços.

    Você por exemplo não está fazendo nada e resolve plantar alguns tomates. Pronto, você já contribuiu proporcionalmente com o aumento da produção e oferta de tomates (bens). A economia cresceu por sua causa (sua produção), sem colocar dinheiro.

    Entenda, dinheiro é só papel. Você não come papel. Você come e consome os bens e serviços produzidos na economia. As pessoa trocam bens e serviços produzidos. E o que você coloca para produzir tomates (bens de capital e insumos) são bens e serviços também, e produzidos por outros produtores.

    A invenção do dinheiro foi somente pra facilitar essa troca. Ele é apenas uma garantia de troca de bens por outros. Ele é o ticket que dá acesso a toda a produção.

    Pra economia crescer é necessário: que todos produzam, não sendo parasitas e sejam produtivo, usando bens de capital para produzir mais com eficiência e qualidade (gerar valor para os consumidores).

    Nada disso precisa de dinheiro. O dinheiro é só o meio utilizado para transacionar. O dinheiro apenas tem o papel de facilitar a troca, ser a unidade de conta e ser reserva de valor, mas essas funções são destruídas pela impressão de dinheiro (é a lógica do dinheiro falso, quem o aceita perde o bem ou serviço que tinha pra trocar e se ferra).
  • Juliano  03/02/2022 19:44
    É por isso que quanto mais "direitos" são conferidos aos consumidores (que implica imposição de obrigações aos fornecedores/produtores) menos soberanos ficam os consumidores.

    O establishment jurídico, econômico, político e midiático não compreende isso (ou se nega ou não quer compreender): quanto mais "direitos" aos consumidores, mais se pune os fornecedores/produtores; quanto mais se pune os fornecedores/consumidores, mais se pune os consumidores.

    O mesmo se dá quanto à relação entre empregado e empregador: quanto mais "direitos" são conferidos aos empregados, mais se pune empregadores (impondo obrigações); quanto mais se pune os empregadores, mais se pune empregados.

    Isso é o que dá se negar a compreender que quando a relação de troca é voluntária não há soma zero (ambos saem ganhando); quando há coerção (institucionalizada) na relação, aí sim é que há soma zero (um ganha e outro perde: quem ganha é o burocrata estatal).
  • anônimo  03/02/2022 20:06
    O objetivo verdadeiro do capitalismo é melhorar a vida dos consumidores, mas toda a mídia e educadores dizem que é enriquecer os empresários.
    O objetivo verdadeiro do socialismo é colocar um ditador no poder e escravizar toda a população, mas toda a mídia e os educadores dizem que é tornar o mundo um lugar mais justo e igualitário.
  • Artur Motta  03/02/2022 20:09
    Suponhamos que em um determinado mercado os preços estão se tornando cada vez mais baixos devido à livre concorrência; para conseguir isso, o fabricante tem que necessariamente cortar custos de algum lugar, por exemplo, dos salários dos colaboradores, ou então diminuindo o quadro dos mesmos, contratando pessoas mais eficientes.
    Mas se diminuirmos a remuneração dos funcionários não estaremos também diminuindo o poder de compra dos mesmos, e essa diminuição do poder aquisitivo não vai gerar menos vendas? Concordo que apesar da diminuição de renda, a diminuição dos preços compensará tal redução dos ganhos, mas então não ficaria na mesma situação de antes?
    Explicando melhor: um sujeito trabalha em uma empresa, e tem seus ganhos reduzidos em 20%, por exemplo, para atingir a meta de redução de 20% no preço do produto final. Mas qual a vantagem de pagar 20% a menos em um produto, se o salário também diminuiu 20%? Desculpem a pergunta que talvez seja idiota, mas não sou nenhum entendido em economia e estou tentando aprender.
  • Empreendedor  03/02/2022 20:21
    Nenhuma empresa faz corte de gastos reduzindo salários, e por um motivo muito simples: empresa precisa de funcionário bom, e não se obtém funcionário bom reduzindo salário.

    Nos EUA, houve deflação anual de preços de 1872 a 1913. O preços caíam, em média, 1% ao ano. Mas os salários não caíam.

    Empresa séria recorre a aumento de produtividade, adquirindo maquinários mais eficientes. E aumento de produtividade equivale a uma redução de custos, inclusive salariais (o funcionário continua ganhando o mesmo, mas produzindo mais).

    Agora, se o governo impede a importação de maquinários mais eficientes, aí realmente ferra tudo. A redução terá de ser salarial. Só que aí é problema do intervencionismo.

    Igualmente, se a empresa é ineficiente e, em vez de elevar produtividade, recorre a reduções salariais, então realmente ela merece quebrar.

    De resto, vale observar, mais uma vez, que quem está no comando é o consumidor. Se ele determinou que uma empresa é ineficiente e deve quebrar, então na há redução de gastos, aumento de produtividade ou reduções salariais que resolvam.
  • Felipe  03/02/2022 20:48
    Como de praxe, artigo genial.

    "De outro, há os que rebatem essas afirmações recorrendo a estatísticas que confirmam que os trabalhadores têm o melhor padrão de vida exatamente nos países mais capitalistas."

    Não sei se eu li com pressa, mas por que nesse caso a pessoa estaria também ignorando o essencial para se falar do capitalismo?

    Falando dessa questão, o triste é ver um dos efeitos da inflação no Brasil (mas está tendo também nos EUA, ainda que com menor intensidade): por exemplo o Crunch Cereal teve uma diminuição de peso de 100 g bem recentemente. Um cereal em flocos que comi eu tenho a impressão de que perdeu também qualidade.

    Sabendo que ao longo desses últimos anos os custos explodiram em mais de 40 %...

    No Japão e na Suíça, com índice de preços indo de negativo a menos de 2 %, a situação deve ser diferente.

    Poderia ser amenizado se fôssemos livres para comprar produtos de todo o mundo, mas aí o governo, para proteger as corporações nacionais que são sagradas, impõe tarifas de importação norte-coreanas e uma moeda doente.
  • Jorge  03/02/2022 20:58
    E há o fato de que a inflação perene tende a deteriorar a qualidade dos produtos. Todo vendedor sabe que é difícil vender o mesmo produto físico a um preço maior do que aquele vigente nos anos anteriores. Porém, aumentos nos preços são inevitáveis quando a moeda está continuamente perdendo poder de compra.

    Sendo assim, o que os vendedores fazem?

    Em muitos casos, a salvação vem por meio da inovação tecnológica, a qual permite um modo de produção mais barato do produto, desta forma neutralizando ou até mesmo compensando em demasia a influência da inflação. Isso ocorre, por exemplo, na indústria de computadores e de equipamentos construídos com uma grande quantidade de insumos de tecnologia da informação.

    Porém, em outras indústrias, o progresso tecnológico possui um papel muito menor. Aqui, os vendedores lidam com o problema acima mencionado. Consequentemente, eles fabricam um produto de qualidade inferior e o vendem com o mesmo nome, junto com os eufemismos que se tornaram costumeiros no marketing comercial.

    Por exemplo, eles podem ofertar aos seus consumidores café "light" e vegetais "não condimentados" — o que pode ser traduzido como café ralo e vegetais que já perderam todos os resquícios de sabor. Podem também oferecer os mesmos produtos em menores quantidade e tamanho, como as embalagens de carne fatiada que mantêm o preço mas diminuem de peso.

    Em ambientes assim, as pessoas desenvolvem uma atitude mais desleixada em relação às palavras que utilizam. Se tudo realmente for aquilo de que passou a ser chamado, então é difícil explicar a diferença entre verdade e mentira. A inflação incita as pessoas a mentirem sobre seus produtos, e a inflação perene estimula o hábito de mentir rotineiramente. ""

    www.mises.org.br/article/1991/as-consequencias-politicas-e-culturais-da-inflacao
  • Eduardo  03/02/2022 20:53
    É possível a economia, no qual o padrão de troca é o papel moeda, crescer, sem a impressão de papel moeda ? Fico matutando sobre isso e, confesso, sou leigo para entender tal situação.
  • Marcela  03/02/2022 22:43
    Estou lendo este artigo enquanto tomo um milk-shake na praça de alimentação do shopping. Todos os restaurantes querem o meu dinheiro. E por isso eu posso escolher exatamente o que eu quero e como eu quero. Eu estou no comando.

    Excelente artigo!
  • Edmilson Marques  04/02/2022 01:51
    Muito interessante. Umas três décadas atrás, eu estava visitando um amigo. Ele era formado na escola de administração da FGV. Ele estava começando uma carreira como empreendedor do ramo de informática. Estávamos no quintal vendo o filho dele brincar de bola. O menino tinha uma sete anos.

    "Danielzinho", disse ele, "por que o papai vai trabalhar todos os dias?"

    "Para comprar dinheiro", Danielzinho respondeu.

    "Não, meu filho, papai vai trabalhar para ganhar dinheiro".

    E aí eu humildemente me intrometi, tentando ponderar: "Acho que o raciocínio Danielzinho está certo. Você trabalha para comprar dinheiro. Todos nós compramos dinheiro com o nosso trabalho".

    Meu raciocínio foi exatamente o mesmo do artigo.

    Curiosamente, Danielzinho hoje é um bem-sucedido empreendedor do ramo da microcervejaria.
  • Acumulador  04/02/2022 12:14
    O *VERDADEIRO* capitalismo funciona a favor dos consumidores, e não de empresários e assalariados.

    O PSEUDO capitalismo sob o qual vivemos, não!

    E isso dá munição para os socialistas criticarem o verdadeiro....
    e estamos perdendo!
  • Felipe  04/02/2022 13:09
    "Comissão Europeia aprova proposta que considera energia nuclear e gás natural 'sustentáveis', enfurecendo ambientalistas"

    França já tem 70 % da matriz energética em energia nuclear. Enquanto isso, o Brasil estatizou o setor, enterrando essa perspectiva, com essa maldição getulista de estatizar "setores estratégicos".
  • Lula na cadeia  04/02/2022 20:24
    O CDI existiria em uma economia sem reservas fracionarias? Digo, como o CDI é um investimento do mercado interbancario, logo tal ferramenta só existe pelo fato dos bancos poderem emprestar mais do que existe nas contas e com isso não conseguir fazer fechamento de caixa no fim do dia. Correto?
  • Trader  04/02/2022 20:36
    Bom ponto. Bancos emprestarem para outros bancos é um fenômeno que certamente continuaria ocorrendo, mas tal empréstimo seria menos compulsório (perdão pelo trocadilho) do que é hoje.

    Mas a taxa de juros utilizada nestes empréstimos — os quais, aliás, certamente continuariam tendo títulos do governo como colateral — continuaria balizando os juros da economia.
  • anônimo  05/02/2022 01:38
    O CDI é derivado de uma taxa. A Selic. E é o governo quem manda nela. Sem ele, o banco que excedeu seu crédito teria que ir ao mercado e pedir pra cobrir. Então, sem o governo mandando, eu emprestaria direto ao banco. Correndo risco. Seria um CDI privado, por contrato. Muitos emprestariam. Calculando sempre o risco do banco. O limite deste é o excesso de impressão. Ele pode bancar e me pagar. Eu teria que ver isso para calcular o risco de emprestar ao banco. Seria algo do mercado. Surgiriam especialistas nisso.
  • Marionete do Nego Ney  04/02/2022 22:40
    www.eff.org/deeplinks/2022/02/its-back-senators-want-earn-it-bill-scan-all-online-messages

    mais um atentado aberto e descarado do estado americano à privacidade e segurança online, já não estão mais nem disfarçando...

    Para mim isso é apenas o desespero pela sobrevivência de um império decadente e moribundo. Os EUA estão acabados, o "progressismo" está deteriorando o país de forma assustadora, brigas (verbais e até físicas) entre o gado Democrata e o gado Republicano estão nas alturas, e a tendência é só piorar.

    A polarização política também deteriora a confiança de investidores, afinal, quem vai investir à longo prazo em um país que pode muito bem eleger algum lunático que conduza o país à desgraça com um sorriso no rosto.

    Se já não fosse suficiente, agora vem mais essa, pra abalar ainda mais a confiança em empresas e produtos americanos, confiança essa já danificada pelas revelações de Edward Snowden em 2013.

    Enfim, a terra do Laranjão malvado um dia já foi um lugar livre, hoje é só de ré.
  • Ronald ''Ronnie'' Mccrea  07/02/2022 18:59
    Livre é a China né? Onde não se pode ter fuzil em casa. E o dito progressismo só está mesmo afetando os estados majoritariamente democratas (azuis), tanto é que muitos californianos estão se mudando para o Texas e outros estados vermelhos(republicanos.) Virginia recentemente virou um estado vermelho por conta dessa palhaçada toda. E quanto aos estados azuis, alguns condados do sudeste de Oregon estão querendo se transferir para Idaho(um estado tradicionalmente republicano, um santuário da 2a emenda de portar armas) tamanha zumbilândia que virou esse estado do Oregon. E por incrível que parece, há alguns rincões que mantém valores tradicionais até mesmo em estados azuis(democratas), como por exemplo, Norte da Califórnia, o mencionado Sudeste de Oregon, e por aí vai. O que eles estão querendo mesmo é uma nova ''pandemia'' ameaçada por tio bill pra causar uma baderna generalizada e ferrar de vez com os mid-terms em novembro/2022 e destruir os EUA mais rápido. Se quiser ler, tem um artigo em inglês que mostra isso : www.naturalnews.com/files/Ghost-World-2022-2032.pdf
  • Marionete do Nego Ney  08/02/2022 01:24
    "Livre é a China né? Onde não se pode ter fuzil em casa"

    No Brasil também não, nem na maior parte do mundo, até mesmo os EUA já viram dias muito melhores nesse sentido, hoje até Republicanos já estão em massa à favor de controle de armas, eu dou mais uns 5 anos no máximo pra algum controle mais pesado ser aprovado por lá.

    Aliás, que bom que você mencionou a China, por que do jeito que a coisa anda por aqui no Ocidente não vai demorar pra estarmos invejando a "liberdade" dos xinglings...

    "progressismo só está mesmo afetando os estados majoritariamente democratas (azuis)"

    Por enquanto, mas veja a força midiática da esquerda de lá, veja as pesquisas que mostram que a maioria esmagadora dos jovens são socialistas (me arrisco à dizer que a situação nesse sentido está pior lá do que aqui). Hoje ainda há regiões fortemente conservadoras que mantém a coisa de pé, mas por quanto tempo?

    "há alguns rincões que mantém valores tradicionais até mesmo em estados azuis(democratas)"

    Sem dúvida existem, a questão é: Que voz esse pessoal tem? Não tem praticamente nenhum espaço na mídia tradicional e hoje propagam suas ideias majoritariamente pela internet, mas a internet está sendo cada vez mais restrita (Não só nos EUA, na Alemanha por exemplo estão discutindo proibir o Telegram), quando a censura ao "discurso de ódio" ganhar força de verdade (e vai ganhar, não adianta a gente se iludir) essas pessoas vão ser silenciadas, se não enjauladas se tentarem resistir.

    E voltando à China (que bom que você mencionou ela²), censura come solta por lá, mas vamos parar por um momento para pensar: O quão mais livre o Ocidente realmente é hoje em dia? Veja, lá na terra do Ursinho você critica o governo e vai preso ou desaparece, aqui não falta muito pra chegar nisso, basta uma lei para combater o "discurso de ódio" e as "fake news" e os burocratas estarão livres para te enjaular (e tudo isso para "proteger a democracia"), mesmo sem tal lei hoje quem expões a podridão do status quo já corre o risco de ser cancelado, perder emprego, amigos, até cônjuges.
    Quanto ao sistema de controle social, acredito que vai chegar aqui também, de uma forma mais velada do que na China, mas não menos autoritária. A internet Ocidental hoje ainda é muito mais livre do que a chinesa, mas de novo, por quanto tempo? Como mostra o artigo que vinculei e a possível proibição do Telegram na Alemanha a coisa anda bem mais feia do que gostamos de admitir, é questão de tempo até os estados daqui bloquearem qualquer comunicação online que não possa ser espionada, e veja bem, se isso está avançando à passos largos nos EUA que esperança há para o resto do Ocidente?
  • Ronald ''Ronnie'' McCrea  08/02/2022 21:24
    Ê malabarismo nihilista pra defender a China não é? Um dia vão cair de podre. E a esperança é, se armar com fuzil pra não deixar essa desgraça de herança para seus filhos. Dizem que a batalha primeiramente é ganha na mente. Se pensa assim, já perdeu e é melhor deixar em paz quem não quer deixar outras atrocidades acontecerem de novo. Muito ajuda quem não atrapalha. E outra. Tudo que o ser humano faz é falho, então por mais que eles possam fazer um sistema ''perfeito'', sempre haverá falhas pra se explorar. Não serão tão hegemônicos assim não. Podem pensar assim por um momento. Quem pensa que sabe tudo é aquele que mais chance tem de fracassar.

    A propósito olha isso pra largar esse espírito desanimador nihilista :

    www.dailymail.co.uk/news/article-2918503/Granbo-Ukrainian-grandmother-68-signs-train-alongside-army-cadets-nickname-Punisher-passes-military-tests.html
  • Ronald ''Ronnie'' McCrea  08/02/2022 21:37
    (Não só nos EUA, na Alemanha por exemplo estão discutindo proibir o Telegram)

    Aparentemente o pessoal na Alemanha tá parando com essa idéia de proibir com o Telegram. Tenta não prever o futuro. Não aguarde só o juizo final pra que as coisas se resolvam não. Enquanto faz isso, os esquerdistas no geral só se empoderam ainda mais sabendo que não terão resistência. Igual os russos apoiando os bolcheviques que não queriam mais guerras. E no final, acabaram indo pros campos de concentração por aqueles que eles mesmos torceram. E o escritor russo Alexander Solzhenitsyn disse que mereceram pois não lutaram contra os bolcheviques. E os próprios bolcheviques admitem que se tivessem sido escurraçados desde o inicio, se uma grande maioria russa tivesse um fuzil em casa, não teriam conseguido transformar a Russa no bicho papão do século XX, a União Sovíetica. É isso mesmo. Basicamente menino ney, eles pensavam como você e foram pro inferno com isso. E não subestime a inteligência de ninguém ou o potencial de alguém. Em países proibidos eles usam VPN para contormar a situação de censura na internet. Jamais faça isso ou pode se dar mal. Quer que as coisas aconteçam de novo só pra alimentar seu nihilismo? Ótimo! Mas se acontecer mesmo pode ser só culpa sua pois só ficou chorando o tempo todo achando que já estava tudo acabado. Pensavam assim mesmo quando o império romano caiu, mas os povos ao redor desse império se recuperaram.
  • Ronald ''Ronnie'' McCrea  08/02/2022 22:02
    Esses moleques fãs do neymar e anitta são mesmo uma figura. Tem que ser muito fã pra ter um nick desse. Se colocar essa gente numa ilha deserta vão pastar até morrer de fome em 1 semana pois são tudo moleque criados a leite com pêra, ovo maltino e danoninho. O erro dessa geração foi ter diminuido a potência do merthiolate e acabado com o papel primavera. De 2003 pra cá tá assim. Tudo emo mesmo. Ou talvez parem de ser nihilistas. Uma dica para sobrevivência em qualquer lugar é, largar esse espirito de porco derrotista e nihilista e se manter sempre motivado. Se pensar assim, melhor nem fazer nada. Isso depende de força de vontade e esses fãs do neymar e anitta tem zero de testosterona pra isso.
  • Ronald ''Ronnie'' McCrea  08/02/2022 22:04
    Tempos dificeis geram homens fortes, homens fortes geram tempos fáceis, tempos fáceis geram homens fracos e homens fracos geram tempos difíceis. Perceba que é um ciclo que não se acaba. Não dá pra assumir que já acabou tudo por puro pessimismo.
  • Ronald ''Ronnie'' McCrea  08/02/2022 22:05
    Agora dá pra entender por que Cuba é o que é. Se o povo estivesse armado lá, esse regime já teria caído ano passado. E isso reverberaria na america latina inteira, e talvez no resto do mundo. Por isso dependem dela.
  • apps  05/02/2022 05:24
    Pessoal, um argumento contra o livre mercado seria a Apple Store vs Google Play. Todo bendito serviço e aplicativo, seja ele qual for, só tem duas etiquetas ''Baixe na Apple Store ou Google Play''. Oligopolio formado pelo livre mercado, seria?
  • Gustavo  05/02/2022 15:27
    Monopólio, oligopólio e cartel, por definição, só existem quando a liberdade de entrada no mercado é tolhida pelo governo.

    No seu exemplo, há apenas branding. Assim como o McDonald's tem todo o direito de proibir você de comer um Burger King no recinto dele, a Apple tem o direito de estipular que seus produtos só sejam compatíveis com acessórios da marca. A Apple não é obrigada a ser compatível com a Google. E vice-versa.

    Qual a dificulte de aceitar a liberdade alheia?

    Detalhe: ninguém obriga você a comprar produtos da Apple. Você o faz de livre e espontânea vontade simplesmente porque gosta dos produtos da empresa. O que, aliás, é um atestado da qualidade dela.
  • apps  06/02/2022 05:56
    Apple e Google detêm oligopolio sim, existe outras lojas de apps? É sempre as duas que concentram tudo, isso que eu quis dizer!!
  • Vladimir  06/02/2022 16:10
    Continua errado. Se há uma ou duas empresas já estabelecidas no mercado, e se não há nenhuma barreira artificial à entrada de novos concorrentes, e se essas empresas se mantêm no mercado porque sabem fornece ótimos serviços a preços baixos, então não há nada a ser corrigido. O mercado está funcionando corretamente e o consumidor está voluntariamente premiando a empresa que lhe fornece bons serviços a preços baixos.

    O fato de alguém querer mas não conseguir entrar neste mercado — talvez por falta de capital ou por falta de know-how — não denota nenhuma falha de mercado. A realidade é que tais pretendentes simplesmente não descobriram uma forma de vender ainda mais barata e melhor do que a das empresas já estabelecidas.
  • George  06/02/2022 16:11
    Liberdade de entrada não significa capacidade de entrar em um dado setor. Se as pessoas não possuem a capacidade de entrar em uma determinada área da economia (porque, por exemplo, elas não possuem o capital para isso), isso não significa que a liberdade de entrada no mercado foi violada.

    Por exemplo, se for necessário um investimento mínimo de, digamos, $1 bilhão, para se ter uma mínima esperança de poder competir no setor de aparelhos eletrônicos e informática, isso não significa de modo algum que tal setor não possui liberdade de entrada, ou que a minha liberdade, como indivíduo, de entrar em tal setor foi violada de alguma forma só porque eu pessoalmente não tenho a capacidade de levantar o bilhão necessário.

    O fato de eu não possuir ou não poder levantar o capital necessário não implica uma violação da minha liberdade de entrada, assim como o fato de eu não possuir um canal de televisão ou um jornal, e não gozar do apoio de nenhum deles, não implica uma violação da minha liberdade de expressão ou de imprensa.

    Sob quais circunstâncias a liberdade de entrada estaria sendo violada? Ela estaria sendo violada se eu realmente possuísse ou pudesse obter o capital necessário — e, obviamente, fosse também capaz de satisfazer vários outros requerimentos necessários para poder concorrer, como ter montado uma equipe com administradores capacitados e mão-de-obra qualificada, dominar conceitos tecnológicos etc. — e fosse coercivamente impedido de entrar neste setor pelo governo.

    Isto seria o equivalente à censura. Tal arranjo também poderia muito adequadamente ser descrito como monopólio, pois eu estaria agora lidando com um mercado, ou com parte de um mercado, que estaria fechado para mim em decorrência do elemento essencial da iniciação de força física pelo governo — um mercado do qual fui forçosamente excluído e que, como consequência, foi transformado em monopólio de outros.
  • Joel  07/02/2022 13:51
    Ja ouviu falar de F-Droid por exemplo? e da Amazon??
  • Bruno  05/02/2022 06:41
    Leandro, você que entende de automóvel também, qual a sua opinião sobre a eletrificação automotiva?

    E cade o Lobby das petroliferas que antes impediam isso?

    Sinceramente eu acho o HIBIDRO a solução ideal, acontece que a imprensa e o establishment quer porque quer 100% elétrico.

    Eu como entusiasta, prefiro os antigos aspirados de alta rotação, será que voltarei a ver esses motores nas ruas?

    Sinceramente, será que toda essa cultura eletrica vai runir e voltaremos a normalidade? O carro a combustão moderno polui muito pouco, fora que acho que essa escarnio em torno do ''planeta fragil'' pura balela, por mim podiamos poluir mais que estaria tudo bem. O que pensa sobre essa ideologia aquecimentista?
  • Intruso  05/02/2022 15:34
    Por enquanto, nem as petrolíferas nem as fabricantes precisam se preocupar com os carros elétricos, que são caríssimos e dependentes de subsídios do estado (o que significa que sua qualidade ainda é medonha).

    Nem os progressistas falam mais em aquecimento global. Abandonaram o rótulo há quase dez anos. Aliás, os aquecimentistas agora parece que abraçaram o vírus. Está circulando no Twitter um vídeo da Greta (e também do Leonardo Boff) dizendo que a "Covid foi causada pelas mudanças climáticas" (a tese, pelo que entendi, é que desmatamento e mudança de temperatura fizeram com que os vírus saíssem de suas casinhas e passassem a infectar as pessoas).

    E o mais impressionante é que está cheio de gente na direita que realmente acredita que estes completos débeis mentais têm chances eleitorais...

  • Felipe  05/02/2022 16:07
    A Toyota recentemente defendeu carros a combustão. Pelo menos os carros da Toyota não pegam fogo sozinho (e não custam uma fortuna, ao menos não nos EUA), como os da Tesla (que também recebe subsídio do governo da Califórnia).

    Aqui no Brasil vai demorar para chegar e ainda tem lobby de usineiro, que causa pavor na classe política.

    Não tenho a mínima ideia se há mesmo lobby de petrolífera. Pode sim ter. Nem sempre lobby é coisa ruim. Por exemplo, os postos de combustíveis estão fazendo pressão para passarem uma lei que permite o funcionamento de bombas de auto-serviço. É bom para eles e para nós também.

    Leandro com certeza não deve ser entusiasta de ambientalismo (você tem o Bravo T-Jet ainda, né?).
  • anônimo  05/02/2022 22:22
    carro eletrico sempre existiu , as pessoas é que sao pobres demais pra jogar golfe kk
    por que nunca popularizou o carrinho eletrico de golfe nas vias ?
    suponha que voce tenha energia eletrica em abundancia pra oferecer e recarregar esse monte de veiculo e que a questao das baterias é irrelevante

    ainda sim o nosso frete é majoritariamente rodoviario
    suponha que um motor eletrico gere força suficiente pra puxar a produçao que passa nessa malha atualmente (faça as contas e encontre gaps gigantescos)
    de tanto em tanto tempo obrigatoriamente vai ter que parar pra recarregar , so que nao é igual parar no posto e encher o tanque
    o processo leva horas e horas .. e ai vai fazer o que , aumentar o tempo de entrega e o custo , pois tem que compensar as paradas , mesmo que tenha frota autonoma existe um stress desnecessario em qualquer equipamento quando voce "liga-desliga" o tempo todo , e estamos falando de força pra mover toneladas , 500 mil novas dificuldades que no fim nao vao ajudar nem planeta nem ninguem , antes que alguem possa falar em algum bem

    hollywood quer andar de tesla, ande
    nao adianta achar que o brasilzao e centenas de outros lugares vao mudar tudo do dia pra noite
    somente pra criar uma ramificaçao que permita viajar e recarregar leva uns 20 anos pra ter algum alcance no nosso territorio , o brasil nao é a faria lima e a jardins

    e novamente, energia eletrica .. nao adianta aposentar o motor a combustao e vai ligar 500 termos ... ai fica sem veiculo na rua e sem luz em casa porque o preço do kilowatt-hora ta custando grama de ouro

    e na pratica é isso , o consumidor é quem manda e as pessoas sensatas deveriam é parar de ligar pra militante verde e por o dinheiro onde ele realmente tira beneficio

    na europa essa conversa verde nao deu certo porque o putin fechou a torneirinha do gas e esses malas fecharam o bico rapidinho pra nao congelarem , essa é a linha da discussao
  • Leandro  05/02/2022 23:39
    Mais de dez anos atrás eu me diverti bastante provocando essa turma (ver aqui, aqui, aqui, aqui, aqui). O primeiro artigo da lista, sobre Belo Monte, me rendeu até ameaça de morte.

    Hoje, eu vejo essa gente como cachorro morto. Terem escolhido uma menina esquisita de 12 anos como porta-voz e líder intelectual aniquilou o movimento. E a atual disparada no preço do petróleo e do gás natural será a tampa no caixão.

    Eu, como já disse, moro no interiorzão do Brasil. O povão aqui nem dá trela para esse negócio de "mudanças climáticas" (é visto como "coisa de fresco"). Apelo zero como agenda política. Político que embarca nessa é só para fazer genuflexão para a grande mídia.


    P.S.: sim, sigo firme com meu Bravo T-Jet. Já experimentei outros, mas não troco. Não ainda.
  • Aluno  07/02/2022 07:51
    Leandro, pq vc vê essa gente como cachorro morto? O movimento esg não está a todo vapor?
  • Ronald ''Ronnie'' Mccrea  07/02/2022 18:48
    Por isso mesmo é que estão ameaçando outra ''pandemia'' pra forçar todas essas mudanças. Possívelmente ''pandemia'' de variola ou algum outro virus mortal pra, ao mesmo tempo encobrir a sujeira que está começando a aparecer de vez. Pergunte ao tio bill.
  • anônimo  07/02/2022 19:14
    Se vc não tem nenhuma ameaça, crie uma. Regras da política
  • Ronald ''Ronnie'' McCrea  07/02/2022 21:37
    Quero ver a exaustão mental e o estresse que isso causa. Esse pessoal finge ser durão, mas no fundo são uns medrosos invejosos que só querem mandar numa terra onde o povo que eles mandam são mais medrosos que eles, mas, quando o jogo se iguala e essas pessoas perdem o medo e eles se vêem sem saida, eles correm das consequências de seus planos quando dão errado. Eles só vivem do medo dos outros. Simples. Já aconteceu várias vezes na história da humanidade.
  • Ronald ''Ronnie'' Mccrea  07/02/2022 18:50
    ''Terem escolhido uma menina esquisita de 12 anos como porta-voz e líder intelectual aniquilou o movimento. E a atual disparada no preço do petróleo e do gás natural será a tampa no caixão. ''

    O mais interessante é que, quase ninguém ligava pra esse ''movimento'' antes deles escolherem essa menina aí. E quem escolheu essa menina esquisita foi George Soros.
  • Artista Estatizado  05/02/2022 16:26
    Como eles não tem chances eleitorais? Você já conversou com uma pessoa de inteligência média?
  • anônimo  05/02/2022 23:01
    É apenas substituição da tecnologia. O problema são os ambientalistas ganharem e obrigarem o fim do motor a combustão antes do tempo, via lobby.
  • Askeladden  05/02/2022 13:55
    Produto é uma mera formalidade.

    Venda qualquer produto academia, streaming, curso etc. Abaixo do custo e lucre já sabendo que a grande maioria não irá usar muito e terá preguiça de cancelar.


    Venda qualquer produto na loja e só de desconto se usar o cartão da loja. Se conseguir criar um clube de assinatura e bom e se pegar cliente que gastam mais do que ganham é 12% ao mês se nenhum esforço
  • Alfredo  05/02/2022 15:29
    E aí, você faz isso? Poste aqui o link do seu produto.
  • Felipe  07/02/2022 00:28
    "O 'presente' de Bolsonaro para o MST"

    O governo simplesmente entregou títulos de propriedade de terra para os moradores. Se for o que estou entendendo, isso é maravilhoso, tanto é que o MST achou ruim.

    Hernando de Soto sempre disse que um dos maiores problemas da América Latina é a questão da falta de propriedade privada.

    Vi gente dizendo de que seria bom o governo emprestar dinheiro para essas pessoas que receberam o título, porque sem isso eles permanecerão reféns do MST e os bancos privados não fariam empréstimos. Do ponto de vista moral, é péssimo. Ponto de vista econômico, causa distorções.

    Se o setor privado não empresta dinheiro para essas pessoas, então tem algum motivo: regulações bancárias, conivência com caloteiros (o que faz explodir as taxas de juros), controle de preços (por exemplo o cheque especial, que é um completo absurdo) e afins. No Brasil Colonial ninguém precisou de esmola para ter as suas propriedades de terras. As próprias Santas Casas emprestavam dinheiro para os produtores do Nordeste. A região não prosperou por acaso.

    Imagina se o Brasil de repente recebesse uma legislação armamentista igual à do Texas: seríamos um dos lugares mais seguros do mundo. Só que, como o desarmamento sempre existiu, então os esquerdistas tomaram conta de tudo e agora é quase que inviável alguma mudança (e mesmo assim o Bolsonaro conseguiu boas medidas nesse sentido).
  • Jota  07/02/2022 17:52
    Eis que aqui na Bahia já sentimos os impactos da privatização da Petrobras que vem ocorrendo aos poucos.
    www1.folha.uol.com.br/mercado/2022/02/refinaria-privatizada-na-bahia-vende-combustivel-mais-caro-que-petrobras.shtml
    Os liberais mordem os cotovelos tentando justificar.
    Juravam que os preços baixariam com a privatização…. Mas vem ocorrendo o exato oposto
  • Leandro  07/02/2022 18:11
    Você definitivamente não acompanha este site, que afirmou que iria acontecer exatamente isto.

    Eis um trecho deste artigo de 2019 (destaques meus):

    "[A privatização da Petrobras] seria uma ótima medida, pois de imediato anularia todos os problemas acima envolvendo controle de preços.

    Entretanto, vale ressaltar o óbvio: se a moeda está fraca, pouco importa o controle acionário da petrolífera. Os preços continuarão sendo ditados pela força da moeda.

    Logo, de pouco adianta privatizar sem fortalecer a moeda. Aliás, as consequências podem até ser piores: se a estatal for privatizada, mas a moeda continuar se enfraquecendo, os preços inevitavelmente continuarão subindo. E aí a população inevitavelmente irá se revoltar e pedir sua reestatização, o que causará ainda mais insegurança aos já assustados — e extremamente necessários — investidores estrangeiros, piorando tudo."


    E seu comportamento confirma exatamente o que foi previsto acima.

    Com efeito, a previsão acima foi repetida em outro artigo, já de 2021:

    www.mises.org.br/article/3331/eis-o-responsavel-pela-disparada-dos-combustiveis-o-banco-central-e-sua-politica-ultra-keynesiana


    Para resumir: quem realmente determina o preço nacional de uma commodity internacional é a moeda do país. A Petrobras está segurando os preços por ordens políticas (não por muito tempo). Já a refinaria privada está fazendo o que é certo (por isso é xingada).

    Sugiro passar a ler quem acerta e quem se guia pela ciência econômica, e não quem faz ideologia político-partidária.
  • Jota  07/02/2022 20:13
    1- Mas empresas privadas não são mais eficientes e por isso não conseguem oferecer preços mais baixos?

    SE ELAS SÃO MAIS EFICIENTES, OS PREÇOS TINHAM QUE ESTAR MAIS BAIXO QUE A PETROBRAS!
    A desculpa agora é a moeda… mas essa ladainha também não procede, ver ponto 2.

    2- Entendo que a moeda fraca piore as coisas.
    MAS O DÓLAR JÁ VEM DESVALORIZANDO DESDE MEADOS DE DEZEMBRO!
    Aliás o dólar tá no patamar de agosto de 21. (Em 16/08 estava na faixa de 5,35, hoje está em 5,25)

    3-Conclusão:
    Privatizou-se, a moeda se valorizou de 5,65 em 20/12 para 5,25, cotação atual, mas os preços continuaram subindo!!!!!
  • Trader  07/02/2022 21:17
    O mais impressionante é que o cara tem paixão pela própria ignorância.

    Sim, o real se valorizou perante o dólar. Só que o barril de petróleo e os contratos de gasolina se encareceram acentuadamente em dólares, e estão nas máximas dos últimos 8 anos.

    Eis a cotação do petróleo, em reais, hoje:

    ibb.co/4j8VjpC

    Máxima histórica absoluta.


    Eis a cotação dos contratos de gasolina, em reais, hoje:

    ibb.co/LNzpPMR

    Máxima histórica absoluta.

    Ou seja, por qualquer que seja a métrica, não tem como querer gasolina (nem diesel) baratos. Ambos estão, hoje, no maior valor da história do real. Isso são fatos e dados, e não opinião. Sendo assim, a refinaria está correta no preço que cobra. Não tem mágica. E a Petrobras está, como já demonstrado, praticando controle de preços por motivos políticos. Mas ela pode, pois é estatal e, em última instância, conta com o suporte do Tesouro (dos pagadores de impostos).

    Agora, estranha-me que um cara explicitamente de esquerda esteja defendendo uma política populista voltada para alavancar a candidatura de um político de direita.
  • Felipe  07/02/2022 21:57
    Recentemente foi lançado esse gráfico comparando o aumento de preços da gasolina em diferentes países.

    Decidi pegar o gráfico do Trading View e converter o preço do petróleo para as moedas dos países mostrados no gráfico (com a periodicidade aproximada): o Brasil foi o pior deles. Não apenas em percentual acumulado de variação, mas aqui a variação foi a maior.

    A gente poderia se blindar disso só se o real fosse igual ao real português: moedas de ouro (não sei converter o preço do petróleo em gramas de ouro).
  • Jota  07/02/2022 22:54
    1-
    Trader, obrigado por complementar a resposta do Leandro, que quis atribuir apenas a moeda desvalorizada a "culpa" pelo preço mais alto na refinaria privatizada.
    2-
    Mas é bom pra sabermos que o preço da gasolina não tem relação nenhuma com a eficiência da Petrobras e que os preços podem ser até mais altos
    3-
    Bom para voces saberem também que o carro é feito com diversas commodities que variam de preço todo dia e nem por isso o preço do carro varia todo dia na concessionária
    4-
    Será que não tem ninguém disposto a construir outra refinaria na Bahia pra acabar com o problema noticiado?
    Ao que parece a nova dona da refinaria está atuando como um monopolista por lá, não?
  • Trader  08/02/2022 00:38
    "Trader, obrigado por complementar a resposta do Leandro, que quis atribuir apenas a moeda desvalorizada a "culpa" pelo preço mais alto na refinaria privatizada."

    Mas a causa na alta do preço na refinaria é exatamente a moeda. O barril de petróleo, em dólares, está no mesmo nível de 2014. A diferença toda está na moeda.

    Você ao menos está prestando atenção no que está sendo dito aqui?

    "Mas é bom pra sabermos que o preço da gasolina não tem relação nenhuma com a eficiência da Petrobras e que os preços podem ser até mais altos"

    O preço da gasolina, como repetidas vezes explicados nos artigos linkados (os quais, aliás, têm as respostas para todos os seus comentários e perguntas, especialmente a última), é determinado no mercado internacional de commodities. Nenhuma empresa petrolífera, seja estatal ou privada, tem qualquer poder de especificar preços.

    "Bom para voces saberem também que o carro é feito com diversas commodities que variam de preço todo dia e nem por isso o preço do carro varia todo dia na concessionária"

    Não varia todo dia, fato. Mas varia todo mês. E os preços dos carros estão no maior valor da história.

    olhardigital.com.br/2021/09/16/carros-e-tecnologia/preco-medio-carros-brasil-sobe/

    Inclusive lá fora.

    palmettofirst.com/car-prices-record-high/

    Péssimo exemplo você foi pegar.

    Aliás, começou a entender a importância da moeda? Começou a entender que não tem como escapar?

    P.S.: carros não são commodities precificadas no mercado internacional. Eles são um bem de consumo vendido internamente. Não há um mercado financeiro mundial que estabelece os preços dos carros. E os preços dos carros estão em disparada porque a oferta monetária mundial disparou (ou seja, a demanda disparou).

    Artigos específicos sobre isso:

    www.mises.org.br/article/3378/sim-a-inflacao-e-mundial-mas-nao-decorre-so-de-gargalos--e-pode-abortar-a-retomada-economica

    www.mises.org.br/article/3384/gargalos-quebras-nas-cadeias-nao-a-inflacao-geral-de-precos-sempre-e-um-fenomeno-monetario

    "Será que não tem ninguém disposto a construir outra refinaria na Bahia pra acabar com o problema noticiado? Ao que parece a nova dona da refinaria está atuando como um monopolista por lá, não?"

    Isso foi explicitamente respondido nos artigos linkados. Ao fazer esta pergunta você comprova que nem sequer os leu, mas estranhamente está comentando.

    Mas vou resumir para você:

    Para abrir uma refinaria no país você tem de:

    1) se submeter a uma cornucópia de regulamentações impostas pela ANP, que regula tudo que diz respeito ao setor;

    2) A ANP é uma burocracia enorme que possui, além de sua diretoria, uma secretaria executiva, 15 superintendências, 5 coordenadorias, 3 núcleos (Segurança Operacional, Fiscalização da Produção de Petróleo e Gás Natural, e Núcleo de Informática) e 3 centros (Relações com o Consumidor, Centro de Documentação e Informação, e Centro de Pesquisas e Análises Tecnológicas).

    Montar uma refinaria significa ter de submeter a calhamaços regulatórios impostos por cada um desses departamentos, o que, por si só, já torna todo o processo financeiramente inviável.

    3) Além da ANP, você tem de se submeter a calhamaços de regulamentações ambientais, trabalhistas e de segurança para abrir uma refinaria. O esquema é todo montado justamente para coibir a concorrência à Petrobras. Sempre foi assim (pode até ser que mude no futuro, mas não há qualquer indicação disso).

    4) Além de tudo isso, estamos no Brasil, o que significa que você terá de "molhar a mão" de vários políticos e burocratas caso realmente queira conseguir alguma licença.

    5) E, no final, tendo vencido tudo isso, o governo pode vir e decretar congelamento de preços. Ou até mesmo pode encampar e estatizar suas instalações. Aí você simplesmente perdeu tudo.

    Começou a entender a importância da moeda e o problema com o intervencionismo estatal?
  • Observador  07/02/2022 21:20
    Quando a gente finalmente pensa que brasileiro já aprendeu um pouquinho sobre controle de preços, vem a realidade e nos mostra que otimismo é sempre uma postura desapontadora.

    P.S.: o mais curioso é essa mania de achar que enfiar cinco pontos de exclamação após uma frase irá automaticamente garantir a veracidade desta frase. É como se um mero aceno ortográfico conferisse validação a qualquer ponto e fosse capaz de refutar dados e fatos.
  • anônimo  07/02/2022 22:52
    Amizade, qualquer valor acima de 4.50 força a subida dos preços. Não é uma quedinha de alguns centavos que vai segurar.
  • Felipe  07/02/2022 20:47
    Uma questão importante é o seguinte: uma Petrobras estatal espanta concorrentes no setor, porque ela pode operar com prejuízos, ao passo que o setor privado não. Esse é o problema que aconteceu lá com a Petroecuador.

    Hoje o preço da gasolina dificilmente cai por causa do monopólio da Petrobras (eu pelo menos nunca vi, exceto no estouro da pandemia no começo de 2020). O preço do álcool nos postos cai, porque é um setor mais livre e não existe mais o IAA.
  • Daniel  07/02/2022 18:11
    O Jota tá defendendo controle de preços praticado por políticos e acha que descobriu um furo na teoria econômica!

    Preços da Petrobras estão 12% defasados, diz Abicom
  • Fernas  08/02/2022 11:50
    Tinha que ser da Bahia... Que vergonha desse meu estado esquerdista viu. Aqui a cultura é extremamente podre para esse lado. Até Pernambuco (antigo estado mais esquerda do brasil) que é um estado com histórico e movimentação política de esquerda forte já tem grupos liberais surgindo, enquanto isso a bahia continua estagnada nesse limbo. Triste viu :/
  • Geraldo  08/02/2022 13:46
    Por que o pessoal daí foi para a esquerda? Não era assim antes. O nordestino sempre se orgulhou de ser um bravo, sem mimimi. Hoje, parece se orgulhar de mostrar que depende de políticos para crescer...
  • Fernas  09/02/2022 14:12
    Geraldo, acredito que seja o efeito do marxismo cultural mesmo. A educação aqui doutrina pesado e isso vai desde o ensino fundamental e médio. Sem contar que o PT jogou sujo nas comunidades pobres falando que se outro ganhar o bolsa família vai acabar. Aqui no meu interior, militantes do PT iam inclusive na zona rural fazer esse terrorismo.
  • Felipe  07/02/2022 21:47
    Interessante é o desempenho do renminbi chinês, que está em alta histórica, apesar das recentes posturas pombalistas do PBOC.

    Vale um artigo só sobre isso? Tem uma breve explicação aqui no Trading Economics.
  • Leandro  07/02/2022 22:54
    Pelos dados do TradingEconomics, a expansão monetária da China está supreendentemente contida. Com efeito, o ritmo de aumento está menor no pós-Covid do que antes.

    Eis o M1:

    d3fy651gv2fhd3.cloudfront.net/charts/china-money-supply-m1.png?s=chinamonsupm1&v=202201151005V20200908&d1=20120210

    Eis o M2:

    d3fy651gv2fhd3.cloudfront.net/charts/china-money-supply-m2.png?s=chinamonsupm2&v=202201120844V20200908&d1=20120210

    Não é à toa que o dólar, em renminbi, voltou à mesma cotação do segundo semestre de 2015:

    tradingeconomics.com/china/currency

    Bastante impressionante.

    Quaisquer que tenham sido as medidas adotadas pelo BC chinês, o fato é que elas não se converteram em expansão monetária. E, no final, é isso o que interessa.
  • Felipe  09/02/2022 02:08
    Existe alguma explicação para o M1 contido? Pessoas relutantes em emprestar dinheiro, como ocorreu na União Europeia? O ruim é que se tratando de China, não dá para saber muito.

    Agora, de curiosidade: na página inicial deles, já colocam em destaque o crescimento anual do M2 (ínfimos 9 %, 12/01/2021 a 12/01/2022). Nunca vi isso em nenhuma página de banco central.

    Eles dizem que o regime cambial é flutuante (com algum controle) e a moeda usa como referência uma cesta de moedas.

    Esses são os dados de empréstimos:

    - Empréstimos para o setor privado;
    - Crescimento anual dos empréstimos para o setor privado;

    A explicação do Trading Economics sobre o câmbio é a seguinte (ao menos a de hoje, 8 de fevereiro de 2022):

    "The offshore yuan edged lower toward 6.37 per dollar on Tuesday after hitting a near 2-week high of 6.35 in holiday-thinned trading last week, as a former Chinese FX regulator warned that policymakers could take further measures to keep the yuan stable and potentially put downward pressure on the currency. Policymakers could increase yuan's flexibility, expand capital outflows, or control capital inflows to rein in the yuan, wrote Guan Tao, an economist and former government official. The yuan has also remained under pressure on growing policy divergence, as upcoming rate hikes in the US contrasted with monetary easing in China. The People's Bank of China recently slashed several key short- and medium-term interest rates, with analysts expecting more easing measures in the coming months including a 50 bps cut in the reserve requirement ratio."

    Como será que o banqueiro central chinês lida com pressões mercantilistas?
  • anônimo  09/02/2022 14:29
    A China cresceu nos últimos 30 anos estimulando a produção na era pós Mao.
    Não tem motivo pra eles chutarem o arranjo e ficarem estimulando a oferta monetária. Por isso o m deles é contido.
  • ELCIO ROBERTO FERREIRA MAIOLINI  08/02/2022 02:41
    Se o capitalismo funciona a favor dos consumidores e não de empresários e assalariados o socialismo funciona contra os consumidores e não contra grandes empresários (centralização econômica) e assalariados (inclui os funcionários públicos e privilegia direitos e sindicatos). Soa-lhes algo familiar? Fuja de governos e bancos e tenha uma vida mais feliz e saudável. Fuja do sistema . O sistema te cobiça. Só acho estranho quando falam de capitalismo e não falam de bolsa de valores (mercado de capitais) e do sistema financeiro (juros) no contexto país Brasil. Muito reducionismo nas abordagens. Neste país o primeiro é insignificante e não cumpre a sua função de financiar os empreendimentos. O segundo é protegido por leis que o autorizam a expropriar todos os bens dos mau pagadores e a submeter os bons pagadores a uma escravidão financeira imoral quase eterna. Esse país é uma plantação de jabuticabas e daquelas do pior tipo, daquelas que "cagam em pé".
  • Guilherme  08/02/2022 03:48
    Sobre os bancos, era só ter usado a ferramenta de busca:

    www.mises.org.br/article/1387/o-sistema-bancario-brasileiro-e-seus-detalhes-quase-nunca-mencionados

    Já a bolsa, ela é sim cada vez mais utilizada como instrumento de financiamento. Só em 2021, foram quase R$ 100 bilhões em IPOs.

    www1.folha.uol.com.br/mercado/2021/07/ipos-podem-bater-novo-recorde-e-movimentar-ate-r-250-bilhoes-neste-ano.shtml

    Ao poucos, vamos chegar lá. Dê tempo ao tempo.
  • ELCIO ROBERTO FERREIRA MAIOLINI  09/02/2022 00:23
    "...escravidão financeira imoral quase eterna. " . Nossas taxas de juros dos empréstimos, cartões de crédito e financiamentos são absurdamente imorais porque somos um povo imoral financeiramente falando. Os frutos do nosso esforço diário de trabalhar é um papel pintado sem lastro que continuamente se desvaloriza e então por que se preocupar? Pergunte a um judeu israelense o que ele pensa das nossas taxas de juros. Talvez ele lhe diga:" Vocês são burros, loucos ou o que? Vocês estão sendo roubados!". Os grandes bancos brasileiros são uns dos mais seguros do mundo, guardadas as devidas proporções. Também pudera.
  • Emerson Luis  17/02/2022 18:28

    Gostei do artigo, agora peço aplicações práticas.

    Preciso trocar meu celular e quero um Samsung S20+.

    Neste momento o menor preço é R$3700

    Como posso usar minha vantagem de consumidor?

    OBS: Presumam os dois cenários: (a) que eu já tenho todo o montante; (b) que eu ainda não tenho todo o montante

    Obrigado.

    * * *
  • Experiente  17/02/2022 19:21
    Vamos lá.

    Contra você, há os seguintes fatores:

    1) Você está concorrendo com outras bilhões de pessoas ao redor do mundo que querem o mesmo aparelho. Somente no Brasil você tem a concorrência de centenas de milhões de pessoas que também querem o mesmo produto.

    2) Adicionalmente, você foi ferrado pelo governo, que impõe altas tarifas de importação (14,4%; mas já foi de 16%) e ainda desvaloriza a moeda.

    A seu favor, há os seguintes fatores:

    3) A Samsung quer o seu dinheiro, assim como a Apple, a LG, a Motorola, a Venko, a Huawei, a Xiaomi, a OnePlus, a Realme. Por isso o seu smartphone está barato. Sim, está barato. Um Apple sai por mais de R$ 11 mil.

    4) Mas agora vem a melhor parte: não são só essas empresas que querem o seu dinheiro. Cidadãos comuns também querem. Procure na internet e você encontrará pessoas vendendo seus modelos usados, porém em bom estado de conservação. Você sempre encontra alguém. Pode dar trabalho, mas você encontra. Negocie com ela. Ela quer o seu dinheiro. Você estará em vantagem.

    5) Agora, caso queira um modelo novo, de loja, você poderá negociar com o vendedor.

    Eis o que você deve fazer:

    Entre na loja, aponte o modelo e deixe claro que você aceita pagar a vista, ali na hora, sem enrolação. Mas que em troca você quer um desconto. Relembre-o de que a taxa básica de juros está em 10,75% e indo para 12,50%. Esta é a taxa mínima que o banco ou a financeira irão cobrar do lojista caso ele parcele a venda para você (na prática, a taxa será muito maior).

    Diga ao vendedor que você está disposto a pagar à vista, desde que com desconto. Dependendo da sua lábia, você pode conseguir até 15%. Quem é bom mesmo, e dá a sorte de encontrar um vendedor precisando de bater metas, consegue 20%. Fuja de vendedores mais velhos. Eles são experientes. Procure vendedores jovens. Estes são desesperados para bater metas. Tendem a aceitar suas regras.

    Diga a ele que você quer 15% de desconto. Se ele disser que isso não é possível, saque seu talão de cheques, escreva em um cheque o valor que você está disposto a pagar (com os 15% de desconto) e mostre para ele.

    Se ele resistir novamente, rasgue o cheque ao meio, escreva seu telefone numa das metades do cheque rasgado e entregue para ele. Diga a ele para lhe telefonar nos próximos 30 minutos caso mude de ideia.

    Diga: "Estou tentando ser razoável. Já vi outras ofertas na internet e estava planejando comprar lá. Mas pensei que comprar aqui, agora, sem ter de esperar seria mais prático. Caso você não queira, vou comprar na internet mesmo".

    Enfie a outra metade do cheque no seu bolso, diga que está indo a outra loja para olhar outros modelos que talvez lhe agradem.

    E saia da loja.

    7) Ao ver você pelas costas, saindo da loja, ele vai se lamentar. Ele verá a metade do cheque e pensar: "Eu tinha o dinheiro em mãos."

    8) Em outra loja, repita o mesmo procedimento acima.

    9) Faça isso umas três vezes.

    10) Cade um desses vendedores sabe que, ao recusar seu cheque, ele perdeu a venda. Isso é péssimo para ele. Eles tinham seu dinheiro na mão, mas deixaram escapar. Deixaram de fazer uma venda. É uma meta que não foi batida.

    11) Um deles irá ligar para você. Se nenhum ligar, espere alguns dias. Se ainda assim não ligarem, repita o procedimento, mas agora oferecendo um valor ainda menor (tipo, 16% de desconto). Isso dá a você um motivo para continuar voltando. Se o smartphone ainda continuar ali, sem ter sido vendido, esse vendedor está com um problema. Em algum momento ele terá de se livrar do produto em troca do seu dinheiro.

    12) Agora, caso nada disso funcione, então é porque a economia está aquecida e o povo está com muita renda disponível. Neste caso, os consumidores são seu maior inimigo, e você nada pode fazer.

    Meu conselho: compre um usado em bom estado.
  • Ulysses  17/02/2022 19:40
    Rapaz... excelentes dicas. Até salvei aqui. Assim que a economia der uma esfriada, vou usá-las para comprar um carro.
  • Bernardo  17/02/2022 20:09
    Muito boas mesmo. Ë por isso que eu digo que seção de comentários deste site é tão boa quanto os artigos.
  • Vladimir  18/02/2022 02:53
    Excelente tática! E vale lembrar que muitas lojas realmente preferem receber em cheque porque elas podem passar adiante este cheque para pagar fornecedores sem ter que declarar à Receita (trata-se de um dinheiro que não entrou no caixa).

    Vale ressaltar também a questão do vendedor: prefira vendedores mais novos e visivelmente ansiosos por vender. Tem que ser aquele vendedor que é realmente atencioso e que não quer se ver livre de você.

    Se cara te atender com pressa, fuja. Ele não vai negociar (ele não faz questão do seu dinheiro; ou ele já está com a meta batida, ou já está com a vida ganha, ou ele não entende nada de capitalismo).

    Por fim, é importante enfatizar a questão dos juros. diga ele que a taxa básica vai para 12,25%. Isso significa que, se ele vender parcelado para você, a financeira ou o banco que financiarão este parcelamento irão certamente cobrar juros de mais de 20%. Diga que você é economista e trabalha exatamente com isso, então sabe do que está falando.

    Logo, comprando a vista com desconto de 20%, e em cheque, é um excelente negócio para o lojista. em última instância, peça para ver o gerente e fale isso tudo.
  • Felipe  21/02/2022 23:32
    Pedir um desconto de 20 % na compra à vista não seria um bom negócio para o comprador por qual motivo?
  • Vladimir  21/02/2022 23:49
    Ué, quem disse que não seria um bom negócio? Seria um ótimo negócio, tanto para o comprador (por motivos óbvios) quanto para o lojista (pelo motivo explicado). Por que você entendeu o contrário?
  • Felipe  22/02/2022 12:43
    "Logo, comprando a vista com desconto de 20%, e em cheque, é um excelente negócio para o lojista. em última instância, peça para ver o gerente e fale isso tudo."

    Aqui você falou que é um excelente negócio para o lojista. Achei que não fosse também para o comprador.
  • anônimo  17/02/2022 19:25
    Você não terá vantagem nenhuma, pois o governo imprimiu 2 trilhões pra dar para o povo ficar sem trabalhar. O povo saiu comprando e todos os preços subiram. Com demanda forte, ocorre o efeito contrário do que é recomendado: você poupa seu dinheiro pra negociar um preço melhor e aí vem alguém que ganhou dinheiro impresso e compra o bem. Você não tem força pra negociação.

    O que é defendido aqui é moeda forte e oferta monetária estável. Isso obriga o empreendedor a só ganhar dinheiro produzindo e contratando. Aumentando a oferta. Isso baixa os preços. Nesse cenário, você poupa seu dinheiro e diz para o mercado: "você só o terá se me oferecer o melhor produto pelo menor preço. Senão não o terá!"

    E o produtor não pode driblar isso porque, sem emissão monetária descontrolada, não tem dinheiro farto circulando pra comprarem um Samsung caríssimo.

    É no cenário de moeda estável que você tem poder de compra e poder de negociação. Mas como vc não está nesse cenário, a única maneira de consegui-lo é lutando pra acabar com o cenário expansionista. Coisa que vc precisa saber fazer com que toda a população entenda (boa sorte).

    Se não quiser fazer, faça o que já faz: trabalhe mais pra sustentar os parasitas, pagando mais caro.


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.