clube   |   doar   |   idiomas
Eis a grande ameaça econômica que nos aguarda: a mudança demográfica
Confira os números ao redor do mundo. E espante-se

Neste exato momento, a maior ameaça ao Ocidente não é o terrorismo. E nem as "mudanças climáticas". Nem mesmo o Zika vírus. Ou o Ebola. E muito menos Donald Trump.

A real ameaça é a mudança demográfica.

Eis alguns detalhes preocupantes relatados em uma matéria do Business Insider.

O mundo está prestes a vivenciar uma apavorante situação demográfica, a qual será a primeira na história humana: haverá mais idosos do que crianças. [...]

E estes dois grupos etários continuarão se movendo em direções opostas: a fatia da população com idade acima de 65 anos continuará aumentando, ao passo que a fatia da população com menos de 5 anos de idade continuará caindo.

Com efeito, de acordo com o Census Bureau, já em 2050, pessoas com 65 anos ou mais serão 15,6% da população global — mais do que o dobro de crianças com 5 ou menos anos de idade, as quais serão estimadas em 7,2%.

"Esse fenômeno demográfico do 'cruzamento' é inédito na história humana", disseram os autores do estudo.

Eis o gráfico que ilustra a matéria. A linha vermelha mostra a evolução do percentual de crianças (com menos de 5 anos de idade) em relação à população global. A linha azul mostra a evolução do percentual de pessoas com 65 anos ou mais em relação à população global.

children-vs-elderly-cotd.png

Gráfico 1: A linha vermelha mostra a evolução do percentual de crianças (com menos de 5 anos de idade) em relação à população global. A linha azul mostra a evolução do percentual de pessoas com 65 anos ou mais em relação à população global.

E daí?

E daí que uma fatia crescente de idosos significa mais gastos governamentais com previdência, saúde e vários outros subsídios (como remédios), ao passo que uma fatia decrescente de crianças significa menos futuros pagadores de impostos para bancar todo esse gasto com a seguridade social.

Vejamos agora esta coluna de Robert Samuelson no The Washington Post:

Ninguém pode dizer que não fomos alertados. Durante anos, estudiosos de todas as áreas — demógrafos, economistas, cientistas políticos — vêm avisando que as po