clube   |   doar   |   idiomas
O Banco Central americano vai interromper o QE? Não creio

Uma nova ideia está se espalhando pelos mercados financeiros: o Fed está prestes a fechar suas torneiras monetárias.  O mestre supremo das impressoras, Ben Bernanke, anunciou que pode começar a reduzir o programa mensal de monetização da dívida, chamado de 'afrouxamento quantitativo' (quantitative easing - QE), já no segundo semestre de 2013, e que talvez possa interrompê-lo completamente já em meados do ano que vem.  Mas ele também garantiu aos mercados que o Fed manteria a taxa básica de juros da economia americana próxima de zero até 2015.  Ainda assim, o fim do QE é visto como o início do fim de uma política monetária extremamente frouxa, além de potencialmente ser o primeiro passo rumo à normalização, como se alguém ainda tivesse alguma ideia do que seja 'normal'.

Temendo que o fluxo do nutritivo leite materno oriundo do Fed pudesse secar, uma resolutamente mimada Wall Street gritou "fogo!" e houve uma corrida mundial para o dólar.

Até aqui, tudo bem.  Há apenas um problema: isso não vai acontecer.

Não me entenda mal: sou o primeiro a declarar em alto e bom som que o Fed deveria sim abolir o QE, e não apenas no segundo semestre deste ano e nem muito menos em meados do ano que vem, mas sim agora. Incontinenti.  Por quê?  Porque uma política de QE e de taxas de juro zero é uma completa insanidade.  Ela distorce os mercados, impede a liquidação dos desequilíbrios e o expurgo dos desarranjos, proíbe a correta precificação de riscos e estimula novos endividamentos.  Ela entorpece todos os mecanismos de cura impostos pelo mercado — ao permitir mais maquinações da indústria financeira — e acrescenta novos desequilíbrios aos antigos, os quais ela também ajuda a prolongar.

Esta política pode ter impedido — por ora — que houvesse uma deflação em decorrência da desalavancagem dos bancos, mas uma desalavancagem talvez seja exatamente aquilo de que a economia americana precisa.

O QE nada mais é do que intervenção pesada no mercado.  É destrutivo.  Não apenas não soluciona os problemas fundamentais da economia, como também cria outros novos.

O carro de fuga de Larry Summers

No entanto, nenhuma das objeções é sequer considerada pelo Fed.  O Banco Central americano possui uma perspectiva completamente distinta: para ele, esta política foi um estrondoso sucesso, e funcionou tão bem que agora já pode ser finalizada.  Não mais haverá necessidade dela em um futuro próximo.  A espantosa frase pronunciada por Larry Summers (ex-Secretário do Tesouro de Bill Clinton e um dos cotados para assumir a presidência do Fed em 2014) talvez seja a que melhor captura o espírito deste raciocínio: Em pouco tempo, a economia já terá alcançado sua 'velocidade de escape' (na física, é a velocidade mínima necessária para um objeto deixar o campo de atração gravitacional).

As analogias, em sua maioria, são um tanto pobres, mas esta é particularmente absurda.  No entanto, e de forma irônica, a referência à física mecânica captura perfeitamente a lógica dos keynesianos e dos demais intervencionistas: a economia é como um objeto físico que se move ao longo do espaço e, ocasionalmente, precisa de um pequeno empurrão para voltar a se locomover a uma velocidade adequada.  As políticas governamentais fornecem tal empurrão.

Bernanke não utiliza esses termos, mas seu pensamento é similar.  Em 2010, ele explicou o QE para o público dizendo que seu trabalho era o de manipular, apenas ocasionalmente, as taxas de juros e os preços dos ativos com o intuito de estimular empréstimos, endividamentos, gastos, consumismo e outras saudáveis atividades econômicas, e que tão logo essas maquinações estimulassem o suficiente estas atividades, a economia entraria novamente em um ciclo virtuoso (essas foram exatamente suas palavras) de crescimento sustentado.  A velocidade de escape estaria restaurada.

É claro que isso é um contra-senso, por mais atraente que possa soar ao público.  A economia não é um objeto que necessita de um empurrão, ou uma máquina que necessite de uma ligação direta, ou uma égua preguiçosa que necessite de um gentil tapinha no traseiro para voltar a andar (é claro que você jamais deve agredir um animal!).  A economia é um complexo processo de coordenação, um elaborado ferramental que permite que um amplo e diversificado grupo de agentes, com objetivos e interesses distintos e frequentemente conflitantes, coopere entre si de forma pacífica de modo a alcançar a melhor realização possível de seus próprios objetivos materiais.  Uma crise econômica é uma falha ocorrida neste processo de coordenação.  Trata-se de um conjunto de erros no sistema.  A única explicação para a ocorrência de tal conjunto de erros é que tenha havido uma sistêmica distorção das propriedades coordenadoras do mercado, tal como ocorre quando a expansão monetária distorce as taxas de juros e outros preços relativos, e leva a desequilíbrios que desorganizam a economia.

A economia americana entrou em recessão por causa de maciças deformações financeiras.  Uma política monetária frouxa levou a um endividamento excessivo, a uma bolha imobiliária e a perigosos níveis de alavancagem.  Os problemas foram exatamente estas distorções, e não uma "falta de impulso" à economia.  A real questão, portanto, não é se as estatísticas do PIB exibem a velocidade correta, mas sim se os desarranjos ocorridos nos fundamentos da economia — os quais, para decepção dos econometristas, não podem ser facilmente apurados pelos dados macroeconômicos — foram solucionados.

Sem escape

O Fed acredita já ter curado, utilizando uma política monetária frouxa, uma economia que havia adoecido por causa de uma política monetária frouxa.  O paciente está se sentindo melhor e muito em breve poderá receber alta da unidade de tratamento intensivo.  Sob minha perspectiva, o paciente não apenas ainda está doente, como agora está também perigosamente viciado.  A sensação de estar momentaneamente melhor pode ser apenas uma consequência do barato fornecido pela droga ministrada em doses generosas pelo Dr. Bernanke.  Sintomas de abstinência podem surgir rapidamente.  Ao surgirem, o Dr. Bernanke irá simplesmente ordenar novas dosagens do remédio.  Não se esqueça de que foi há apenas algumas semanas que o homem apareceu na TV tentando, por meio de suas palavras, elevar o índice de ações Russell 3000.

Não duvido de que, se mensurada exclusivamente pelos números do PIB, a economia americana esteja atualmente em melhor situação.  Seria tolice de minha parte tentar atacar o Fed neste aspecto.  O Fed possui uma equipe de mais de 200 economistas, a maioria deles, suponho, oriunda das melhores universidades americanas, o que não significa que eles sejam bons economistas, mas provavelmente bons estatísticos.  Se eles estão dizendo que há sinais de vida na economia americana, então está bom para mim.

É na narrativa que eu discordo deles.  As deformações ocorridas na economia americana ainda estão lá.  Como não poderiam estar, dado o enorme esforço das políticas monetária e fiscal para suprimir as próprias forças de mercado que teriam — em um livre mercado — exposto e acabado com estas deformações?  As deformações ainda existem e ainda estão bem visíveis, como, por exemplo, nos indicadores de endividamento.  E eles são importantes. 

É por isso que não confio nas projeções do Fed.  A teoria adotada por seus economistas os leva a acreditar em coisas como ciclos virtuosos e 'velocidade de escape', e a desconsiderar coisas como desequilíbrios e distorções.  Qualquer revogação definitiva da atual política monetária irá fazer com que estas deformações ressurjam e imediatamente obscureçam o atual aspecto positivo da economia.  De acordo com minha visão de mundo, este tipo de correção é saudável e deveria ter liberdade para ocorrer, já que é parte do essencial processo de cura.  Mas isso vai contra a visão de mundo do Fed e contra sua auto-imposta missão de 'estabilidade econômica'.

A única instituição que não possui 'velocidade de escape' é o Fed.  Ele continuará refém tanto dos monstros financeiros que criou quanto da perigosa e errônea noção de sua própria grandeza.



autor

Detlev Schlichter
é formado em administração e economia.  Trabalhou 19 anos no mercado financeiro, como corretor de derivativos e, mais tarde, como gerente de portfolio.  Nesse meio tempo, conheceu a Escola Austríaca de Economia e, desde então, dedicou seus últimos 20 anos ao estudo autônomo da mesma.  Foi apenas após conhecer a Escola Austríaca que ele percebeu o quão mais profundas e satisfatórias eram as teorias austríacas para explicar os fenômenos econômicos que ele observava diariamente em seu trabalho.  Visite seu website.

Tradução de Leandro Roque



  • Pedro Evandro Montini  02/07/2013 15:14
    Abordagem perfeita!
  • Pobre paulista  02/07/2013 15:15
    Eu realmente não consigo compreender uma economia onde se tem mais dinheiro circulando do que o pib mundial.

    Mas se o fed falou, tá falado né...
  • Daniel  02/07/2013 16:56
    Por isso nossa bolsa está em baixa no Brasil, todo os investidores voltaram 'para casa' na certeza que o pior já passou...
  • Emerson Luís  02/07/2013 18:03
    Em Psicologia, "QE" significa quociente [inteligência] emocional, que começa com o autoconhecimento. Este QE parece que o BACEN americano não tem mesmo.

    * * *
  • Rene  02/07/2013 18:47
    Para mim, a mensagem do artigo foi clara: Apesar de não saber ou de simplesmente ignorar a real doença, o FED vai continuar ministrando o medicamento que trata somente o sintoma até que este não faça mais efeito. Quando isto acontecer, vão receitar algo mais forte, até finalmente matar o paciente.
  • Marcelo Werlang de Assis  02/07/2013 19:55
    Pessoal do IMB,

    Acho que devem ser feitos três leves ajustes no texto:

    Em pouco tempo, a economia já terá alcançado sua 'velocidade de escapa'
    Creio que "escapa" deva ser substituído por "escape".

    A economia é como um objeto físico que se move ao logo do espaço
    Creio que "ao logo do espaço" deva ser substituído por "ao longo do espaço".

    Em 2010, ele explicou o QE explicou o QE para o público dizendo
    A expressão "o QE explicou" está repetida!

    Adorei esse artigo. Eu o considerei muito bem trabalhado. Repito o que internauta Pedro disse: "Análise perfeita!".

    Gostei do trecho a seguir:

    A economia é um complexo processo de coordenação, um elaborado ferramental que permite que um amplo e diversificado grupo de agentes, com objetivos e interesses distintos e frequentemente conflitantes, coopere entre si de forma pacífica de modo a alcançar a melhor realização possível de seus próprios objetivos materiais. Uma crise econômica é uma falha ocorrida neste processo de coordenação. Trata-se de um conjunto de erros no sistema. A única explicação para a ocorrência de tal conjunto de erros é que tenha havido uma sistêmica distorção das propriedades coordenadoras do mercado, tal como ocorre quando a expansão monetária distorce as taxas de juros e outros preços relativos e leva a desequilíbrios que desorganizam a economia.

    A economia americana entrou em recessão por causa de maciças deformações financeiras. Uma política monetária frouxa levou a um endividamento excessivo, a uma bolha imobiliária e a perigosos níveis de alavancagem. Os problemas foram exatamente estas distorções — e não uma "falta de impulso" à economia. A real questão, portanto, não é se as estatísticas do PIB exibem a velocidade correta, mas sim se os desarranjos ocorridos nos fundamentos da economia — os quais, para decepção dos econometristas, não podem ser facilmente apurados pelos dados macroeconômicos — foram solucionados.


    Visitei o website do autor (detlevschlichter.com/). Eu o achei bastante interessante. Recomendo!

    Um forte abraço!!!
  • Felix  03/07/2013 00:12
    Vc é bom em jogo de sete erros né?
  • Marcelo Werlang de Assis  03/07/2013 04:48
    Hehehehehehehe... =D

    Devo ser, Felix!

    Grande abraço!
  • Luiz Silva  03/07/2013 02:35
    IMB, por favor solicitem a tradução do livro do Detlev "Paper Money Collapse" para o português e disponibilizem na biblioteca. O material é muito bom. Eu já li, mas quis comprar um para presentar meu pai (que não fala bem o Inglês) no seu aniversário, mas não existe ainda a versão em Português.
  • Pedro  04/07/2013 12:57
    Vc poderia traduzir ou montar uma equipe de tradução. Depois encaminhava o material para o Mises.
  • Adalberto  11/07/2013 15:13
    Um outro economista a ser traduzido aqui poderia ser Peter Schiff
  • Andre  11/07/2013 17:23
    O Peter Schiff já é traduzido:

    www.mises.org.br/SearchByAuthor.aspx?id=143&type=filesup
  • Abel  18/07/2013 03:23
    O que fazem os bancos centrais com o dinheiro que ganham dos juros à economia?
  • Leandro  18/07/2013 04:36
    Remetem uma parte ao Tesouro e utilizam o resto para pagar os salários e demais custos de seus funcionários.
  • Cesar  30/10/2014 14:17
    Excelente artigo! Só nao consigo entender como ao retirar o estimulo monetario o juros pode permancer baixo....alguem poderia me explicar?
  • Leandro  30/10/2014 14:58
    A taxa básica de juros é a taxa que os bancos cobram entre si para emprestar uns para os outros no mercado interbancário.

    E como os bancos americanos estão entupidos de reservas -- ver o terceiro gráfico deste artigo --, não há motivo nenhum para haver aumento de juros no mercado interbancário tão logo o QE acabe.

    A única maneira de elevar os juros é o Fed começar a vender títulos do Tesouro a preços mais baixos.
  • Marconi  30/10/2014 15:19
    O FED não iria manter o QE pra sempre? O que ocorreu?
  • Soldate  30/10/2014 16:10
    Não sei do que você está falando ou ao quê você está se referindo. Quem falou isso? Certamente, não o artigo em questão.

    O artigo em questão é de julho de 2013, ou seja, quase um ano e meio atrás. Quando ele foi publicado, estava havendo um acirrado debate sobre a possibilidade de o Fed interromper o QE ainda naquela semana.

    O artigo em questão disse que isso não ocorreria. E acertou em cheio.

    Somente ontem, um ano e meio após esse artigo, é que o Fed disse que vai acabar com o QE.

    Em vez de recorrer a calúnias, tente optar pela honestidade intelectual


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.