clube   |   doar   |   idiomas
A visão inflacionista da história

Uma teoria muito difundida sustenta que a progressiva diminuição do poder aquisitivo da unidade monetária teria tido um papel decisivo na evolução histórica.  A humanidade não teria podido atingir o seu atual estado de bem estar se a oferta de moeda não tivesse crescido mais rapidamente que a demanda.  A consequente queda no poder aquisitivo, afirma essa teoria, teria sido uma condição necessária para o progresso econômico; a intensificação da divisão do trabalho e o contínuo crescimento da acumulação de capital, que centuplicou a produtividade do trabalho, só teriam podido ocorrer num mundo em que houvesse uma progressiva alta de preços.

A inflação daria origem à prosperidade e à riqueza; a deflação, à desgraça e à decadência econômica.  Um exame da literatura política e das ideias que por séculos têm orientado as políticas monetária e creditícia das nações revela que essa opinião é aceita por quase todo mundo.  Apesar das advertências de alguns economistas, ainda hoje é o núcleo da filosofia econômica leiga.  É, também, a essência dos ensinamentos de Lord Keynes e de seus discípulos nos dois hemisférios.

A popularidade do inflacionismo se deve, em grande parte, ao arraigado ódio contra os credores.  A inflação é considerada justa porque favorece os devedores em detrimento dos credores.  Não obstante, a visão inflacionista da história tem pouca relação com esse argumento anticredor.  Sua afirmativa de que o "expansionismo" é a força motriz do progresso econômico, e de que o "restricionismo" é o pior de todos os males, baseia-se sobretudo em outros argumentos.

É óbvio que os problemas suscitados pela doutrina inflacionista não podem ser resolvidos recorrendo-se aos ensinamentos da experiência histórica.  É fora de dúvida que a história dos preços mostra, de uma maneira geral, uma contínua tendência ascendente, embora às vezes interrompida por períodos curtos.  Evidentemente, não há outra maneira de analisar este fato a não ser pela compreensão histórica.  A precisão da análise econômica não pode ser aplicada a problemas históricos.  Os esforços de alguns historiadores e estatísticos para rastrear as mudanças no poder aquisitivo dos metais preciosos através dos séculos, e medi-las, são inúteis.  Já foi mostrado que todas as tentativas de medir grandezas econômicas estão baseadas em suposições inteiramente falsas e demonstram uma ignorância dos princípios fundamentais tanto da economia como da história.  Mas o que a história, por meio de seus próprios métodos, podem nos dizer nesse particular é suficiente para justificar a afirmativa de que o poder aquisitivo da moeda tem mostrado ao longo dos séculos uma tendência de queda. Em relação a isso, todos estão de acordo.

Mas não é esse o problema a ser elucidado.  A questão é saber se a queda no poder aquisitivo foi, ou não, um fator indispensável na evolução da pobreza de eras passadas para as condições mais satisfatórias do moderno capitalismo ocidental.  Esta questão deve ser respondida sem que se recorra à experiência histórica, que pode ser, e sempre é, interpretada de diversas maneiras, e à qual os defensores e adversários de qualquer que seja a teoria ou explicação da história se referem como uma prova de suas afirmativas mutuamente contraditórias e incompatíveis.  O que se faz necessário é esclarecer os efeitos que as mudanças no poder aquisitivo provocaram sobre a divisão do trabalho, a acumulação de capital e o progresso tecnológico.

Ao lidar com esse problema, não nos podemos satisfazer apenas em refutar os argumentos apresentados pelos inflacionistas em defesa de sua tese.  O absurdo desses argumentos é tão evidente, que fica fácil refutá-los e desmascará-los.  Desde o começo de sua existência, a ciência econômica já mostrou repetidas vezes que as afirmativas referentes aos supostos benefícios de uma abundância de moeda e aos supostos desastres de uma escassez de moeda são o resultado de erros crassos de raciocínio.  Os esforços dos apóstolos do inflacionismo e do expansionismo para refutar o acerto dos ensinamentos dos economistas pró-livre mercado têm sido absolutamente inúteis.

A única questão relevante é a seguinte: é ou não é possível baixar a taxa de juros por meio da expansão de crédito?  Já sabemos da interdependência entre a taxa de juros e as expansões monetárias.  Já sabemos quais são, inevitavelmente, as consequências de expansões econômicas artificiais provocadas por uma expansão creditícia.

Mas devemos perguntar-nos se não é possível existirem outras razões que possam ser apresentadas em favor da interpretação inflacionista da história.  Não teriam os defensores do inflacionismo deixado de recorrer a algum argumento válido que pudesse sustentar sua posição?  É certamente necessário que o assunto seja examinado de todos os ângulos possíveis.

Imaginemos um mundo no qual seja rígida a quantidade de moeda.  Num primeiro estágio, os habitantes desse mundo produziram toda a quantidade possível da mercadoria a ser usada como moeda.  Um novo aumento na quantidade de moeda é impossível.  Os meios fiduciários não são conhecidos.  Todos os substitutos de moeda — inclusive a moeda fracionária — são certificados de moeda.

Nessas condições, a intensificação da divisão do trabalho, a evolução da autossuficiência econômica das famílias, vilas, distritos e países para o sistema de mercado mundial do século XIX, a progressiva acumulação de capital e o progresso tecnológico dos métodos de produção teriam resultado numa tendência contínua à queda dos preços.  Poderia esse aumento do poder aquisitivo da unidade monetária impedir a evolução do capitalismo?

O homem de negócios comum responderia afirmativamente a essa pergunta; vivendo e agindo num mundo em que uma lenta, mas contínua, queda no poder aquisitivo da unidade monetária é considerada como normal, necessária e benéfica, simplesmente não pode compreender um estado de coisas diferentes.  No seu entender, as noções de preços em ascensão e lucros estão interligadas, assim como as de preços em queda e prejuízos.

O fato de que também se possa operar lucrativamente em um ambiente de queda de preços e que grandes fortunas tenham sido feitas dessa maneira não abala o seu dogmatismo.  São casos — diz ele — de transações meramente especulativas de pessoas desejosas por lucrar com a queda nos preços de bens já produzidos e disponíveis; as inovações criativas, os novos investimentos e a utilização de métodos tecnológicos aprimorados requerem o estímulo que a expectativa de aumento de preços propicia; o progresso econômico só é possível em um mundo de preços em ascensão.

Esta forma de pensar é insustentável.  Em um mundo em que fosse crescente o poder aquisitivo da unidade monetária, o modo de pensar das pessoas se ajustaria a esse estado de coisas, da mesma forma que, no nosso mundo, se ajustaram a uma unidade monetária de poder aquisitivo decrescente.  Hoje em dia, as pessoas em geral estão prontas a considerar um aumento na sua renda nominal ou monetária como uma melhoria de sua situação material.  A atenção das pessoas está mais voltada para o aumento dos salários nominais e do equivalente monetário da riqueza do que para o aumento da quantidade de bens disponíveis.

Em um mundo em que o poder aquisitivo da unidade monetária fosse crescente, todos concentrariam sua atenção na redução do custo de vida.  Isto tornaria evidente o fato de que o progresso econômico consiste primordialmente em fazer com que as amenidades da vida sejam cada vez mais acessíveis.

Na condução dos negócios, as reflexões acerca da tendência secular dos preços não são levadas em consideração.  Empreendedores e investidores não se preocupam com tendências seculares.  O que orienta suas ações é a sua expectativa de quais serão os preços nas próximas semanas, meses ou, no máximo, nos próximos anos.  Não se interessam pelo movimento geral de todos os preços.  O que lhes interessa é a existência de diferenças entre os preços dos fatores complementares de produção e o preço previsto dos seus produtos produzidos.  Nenhum empreendedor se lança em um empreendimento por acreditar que os preços — isto é, os preços de todos os bens e serviços — irão aumentar.  Ele se engajará no empreendimento em questão se acreditar que pode extrair um lucro da diferença entre os preços dos bens de várias ordens.  

Em um mundo com uma tendência secular de preços decrescentes, as oportunidades de lucro surgirão da mesma maneira como surgiram num mundo com uma tendência secular de preços crescentes.  A expectativa de um aumento geral e progressivo de todos os preços não intensifica a produção nem provoca uma melhoria do nível de vida.  Ao contrário: acaba resultando numa "fuga para ativos reais", numa alta desastrosa e no colapso do sistema monetário.

Se houver uma expectativa geral de que os preços de todas as mercadorias irão diminuir, a taxa de juros no mercado de curto prazo também irá se reduzir no montante correspondente a essa redução nos preços.  Assim sendo, o empreendedor que utiliza recursos emprestados está protegido das consequências de tal queda nos preços, da mesma forma que, em uma situação de preços crescentes, o emprestador se protege das consequências da diminuição do poder aquisitivo aumentando os juros cobrados no mesmo montante do aumento esperado dos preços.

Uma tendência secular de aumento do poder aquisitivo da unidade monetária faria com que os empreendedores e investidores adotassem regras práticas, empíricas, diferentes daquelas que se desenvolveram em decorrência da tendência secular de queda do poder aquisitivo.  Mas com certeza não influenciaria substancialmente o curso dos negócios.  Não eliminaria o desejo das pessoas de melhorar sua situação material, tanto quanto possível, por meio de um ajuste adequado da produção.  Não privaria o sistema econômico dos fatores que são a origem do progresso material — a saber, o empenho de audazes empreendedores em obter lucro e a disposição do público para comprar aquelas mercadorias que lhes proporcionam maior satisfação pelo menor custo.

Tais observações, certamente, não são um apelo para que se adote uma política de deflação.  Implicam meramente uma refutação das inextirpáveis fábulas inflacionistas.  Desmascaram o caráter ilusório da doutrina de Lord Keynes, segundo a qual a fonte da pobreza e da miséria, da depressão econômica e do desemprego deve ser procurada na "pressão contracionista".  Não é verdade que "uma pressão deflacionária [...] teria [...] impedido o desenvolvimento da indústria moderna".  Não é verdade que a expansão do crédito produza o "milagre [...] de transformar pedras em pães".

A ciência econômica não recomenda políticas inflacionárias nem deflacionárias.  Não instiga os governos a determinarem e imporem o meio de troca a ser utilizado pela economia.  Tal escolha sempre foi feita — e deveria continuar sendo — pelo mercado.  A economia apenas proclama as seguintes verdades:

1. Um governo, ao adotar uma política inflacionista ou deflacionista, não está promovendo o bem estar do público, o bem comum ou os interesses da nação em geral.  Está meramente favorecendo um ou alguns grupos da população à custa de outros grupos.

2. É impossível saber previamente que grupos serão favorecidos por uma específica medida inflacionária ou deflacionária, e em que extensão.  Esses efeitos dependem do conjunto de circunstâncias do mercado considerado; dependem também, em grande medida, da velocidade do movimento inflacionário ou deflacionário e podem sofrer uma total reversão no curso desses movimentos.

3. Em qualquer grau, uma expansão monetária resulta em investimentos errôneos e insustentáveis, além de gerar um consumo excessivo de bens.  A nação, como um todo, fica mais pobre e não mais rica.

4. Uma inflação contínua acaba provocando uma alta incontrolável nos preços, além de levar à completa ruína do sistema monetário.

5. A política deflacionária é onerosa para o Tesouro e impopular junto às massas.  Por outro lado, a política inflacionária é vantajosa para o Tesouro e bastante popular entre os ignorantes.  Na prática, o perigo da deflação é apenas ligeiro, enquanto o perigo da inflação é enorme.



autor

Ludwig von Mises
foi o reconhecido líder da Escola Austríaca de pensamento econômico, um prodigioso originador na teoria econômica e um autor prolífico.  Os escritos e palestras de Mises abarcavam teoria econômica, história, epistemologia, governo e filosofia política.  Suas contribuições à teoria econômica incluem elucidações importantes sobre a teoria quantitativa de moeda, a teoria dos ciclos econômicos, a integração da teoria monetária à teoria econômica geral, e uma demonstração de que o socialismo necessariamente é insustentável, pois é incapaz de resolver o problema do cálculo econômico.  Mises foi o primeiro estudioso a reconhecer que a economia faz parte de uma ciência maior dentro da ação humana, uma ciência que Mises chamou de "praxeologia".


  • Djalma  18/08/2011 11:18
    Mantega, com certeza o pior Ministro da Fezenda de todos os tempos e olha que já passaram inúmeras pessoas ruins em Economia neste cargo diz: que os preços elevados é bom para a Economia porque sem os preços elevados não há crescimento econômico. Como pode um ¨Economista¨falar uma bobeira deste tamanho? Só tem uma resposta: são pessoas fanáticas pela crença utópica, porém, fascista que chama-se: Socialismo.
  • mcmoraes  18/08/2011 11:30
    Frase do dia: "Mises is zee man." (Hans Hermann Hoppe)
  • Peterson Mota  18/08/2011 11:34
    Economia de um jeito simples como tem que ser. Perfeito artigo!
  • Thyago  22/08/2011 00:53
    Adorei a parte:


    5. A política deflacionária é onerosa para o Tesouro e impopular junto às massas. Por outro lado, a política inflacionária é vantajosa para o Tesouro e bastante popular entre os ignorantes. Na prática, o perigo da deflação é apenas ligeiro, enquanto o perigo da inflação é enorme.
  • Ivo José  22/08/2011 16:21
    Sem dúvida Tyago. Condensa todo a artigo a frase mencionada.
  • Emerson Luis  11/04/2016 11:25

    "A inflação daria origem à prosperidade e à riqueza; a deflação, à desgraça e à decadência econômica. Um exame da literatura política e das ideias que por séculos têm orientado as políticas monetária e creditícia das nações revela que essa opinião é aceita por quase todo mundo. Apesar das advertências de alguns economistas, ainda hoje é o núcleo da filosofia econômica leiga. É, também, a essência dos ensinamentos de Lord Keynes e de seus discípulos nos dois hemisférios."

    É necessário muito estudo e capacidade de abstração (além de uma boa situação financeira) para ser capaz de compreender que inflação é boa e deflação é ruim. Pessoas comuns não compreendem isso porque vivem no tal de "mundo real".

    * * *


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.