Mises Global

At the beginning of reading this article it might strike the reader as odd that a person in Sweden has taken the time to write an article in thanks to Mr. Helio Beltrao, the founder of Mises Brazil, and thus he might ask himself: "What exactly is the connection between Mr. Beltrao and a country that is on the other side of the globe, with a climate that can only be described as the total opposite of Brazil (both in regards to people and weather!), with the some of the highest taxes in the world, and with a reputation for being the worlds most (or only?) succesful welfare state?"

The question is completely justified, so allow me to answer it.

It all started on a bus heading from Madrid to Salamanca. It was in October, 2009, and the Ludwig von Mises Institute, in connection with the Juan de Mariana institute of Madrid, had organized a conference in Salamanca, with the name "The Birthplace of Economic Theory". As Rothbard explained in his excellent 2 volume work "An Austrian Perspective on the History of Economic Thought", Salamanca in the 1400s and 1500s were famous for their scholastics, such as Juan de Mariana. The scholastics from Salamanca were among the first intellectuals to deal with economic problems, and they also happen to be the forerunners of the Austrian School. It was in Salamanca that the Austrian School, or in reality "economics", was born. 500 years or so after this "golden" period, Salamanca was once again to be the birthplace of something else, albeit something much, much smaller, and of a lot less importance. It was to be the birthpace of the Swedish Ludwig von Mises institute, something which would not have been possible without the encouragement and inspiration of Mr. Beltrao.

As a brief history, me, and my good friend Joakim Fagerström (referred to as the Swedish mafia by Mr. Beltrao by the way), had met at work a year or so earlier and had struck up a friendship. We were both
very interested in libertarian ideas and economics, and were eager to "do something", "to make a difference". We both felt that Sweden desperately needed it, and since Sweden's most famous libertarian blogger had gone off to work in the European Union (which he "lovingly" refers to as "the death star")
there was a vacuum the needed to be filled. It is said that nature abhorrs a vacuum, and so we both felt the drive toward accomplishing something in order to fill the void we felt existed.

In the beginning we had many ideas, and I can now, in hindsight, admit that they were all horrible and would have amounted to nothing. However, the idea of doing something stuck with us, and so on that day, on the bus from Madrid to Salamanca, in October 2009, we met Mr. Beltrao.

Joakim, myself, and another friend, sat chatting on the bus, one row in front of two brazilian people that we did not know, that were speaking a language we did not understand. They were Mr. Beltrao and Fernando Ulrich, who at the time was studying a masters in Austrian economics in Madrid, under Jesus
Huerta de Soto. We struck up a conversation with them, and it soon became clear that Mr. Beltrao was the founder of Mises Brazil. He started explaining to us what Mises Brazil did, how they did it, how they got started, and so on and we all listened instensely.

At some point I turned to Joakim and said that this was exactly what we should do in Sweden. The only problem was that we had absolutely no idea on how to get started, or how things should be done. Hell, was it even possible to just start a think thank? How would we even do it? So, we kindly asked Mr.
Beltrao and he gave us the best answer anyone could have given us:

Mises-Tcheco3.jpgHe said, "Just do it!"

And yes, it really was that simple. Get started, be motivated, and figure out the rest as it unfolds. It was as thrilling as it was simple.

During the conference in Salamanca, which included among other things speakers such as Hans-Hermann Hoppe and Walter Block, and which was the place where I met my girlfriend, we had many more subsequent conversations, some more serious and some less serious. In these conversations a plan was developing. Not only did it seem plausible that we could do it. It seemed necessary. It was simply something that needed to be done, and that definitely could be done.

Upon returning to Sweden we got started right away. We started translating articles and designing a webpage, and approximately 4 months after the meeting in Salamanca, The Ludwig von Mises institute in Sweden, was launched.

The costs were low, the work had been done (and would need to be continously done), the time was right.

Our hopes were not very high. Bearing in mind that Sweden is a very small country, with a long socialist tradition (more or less 80 years of continous social democratic rule), and where even the right wing arguably can be considered to be more socialist than some socialists in other countries, the amount we had hoped to reach in terms of visitors where 40, maybe 50 people.

However, in only one month we had a more than a 100 unique individuals visiting our site, per day. This was more than we were expecting, and when the numbers continued to grow, although slowly, we felt inspired to carry on. So far, after more than a year in existence, we have accomplished, among other things:

- More than 150 articles, and countless blogposts, published

- A 4 part lecture series, 2 hours each, about economics held at the Royal Institute of Technology in  Stockholm, named Econ101

- A seminar in front of the Finance Regulatory Committe, teaching them about banking and the monetary system

- A handful speeches given about liberty, economics and the environment

- Acquiring the manuscript and the right to publish Mises' "Economic Policy" (which I believe also was the first book published by Mises Brazil)
- Translating two other books, currently waiting to be published

- Acquiring rights to re-publish three old translations of books by Mises and Hazlitt

- Being part of organizing the very first Freedomfest in Sweden, which had almost 100 visitors

- and more...

Mises-Equador3.jpgOne thing that needs to be mentioned, before moving on, is that none of this would have been possible if it hadn't been for the totally open and generous policy of Mises institute, which allows anyone, anywhere, to use whatever material they publish.

Before starting up we had many conversations with Mr. Jeffrey Tucker about this, and we were amazed by their open attitude and extreme generosity. They truly understood not just the power of ideas, but the importance of spreading them, and also doing this in a completely decentralized way. Of course, without this attitude we would not be were we are today, and on a global scale you can see that this attitude is really having an impact. When we started the swedish Mises institute there were maybe 5 other Mises institutes around the world, and today, 1.5 years later, there are almost 20! The austro-libertarian starfish is truly here to stay."

As of now, we currently average around 200 and 300 unique visitors every day. It might not seem as much, but as Lew Rockwell once said, given the state of public opinion, "it is easy to make a big difference". I don't know if I would say that we are making a big difference, but we are definitely making a one.

Thanks to the continous inspiration, support and encouragement of Mr. Beltrao, the future for liberty in Sweden is looking up, and we look with great expectations on what will happen in the coming years. It is true that there might be tough times ahead, but that only makes our (you, me, everyone) work so much more important. As Hoppe says, history is ultimately determined by ideas, be they true or false, and ideas can, at least in principle, change almost immediately. That is why I can not understate the importance of having educated people about true ideas, of peaceful cooperation, of sound economic thinking, when things get bad.

As Mises so eloquently stated it,

Everyone carries a part of society on his shoulders; no one is relieved of his share of responsibility by others. And no one can find a safe way out for himself if society is sweeping toward destruction. Therefore, everyone, in his own interests, must thrust himself vigorously into the intellectual battle. None can stand aside with unconcern; the interest of everyone hangs on the result. Whether he chooses or not, every man is drawn into the great historical struggle, the decisive battle into which our epoch has plunged us.

Mr. Beltrao is definitely doing his share. He is truly a shining light in the liberty movement, and I consider myself very lucky to be able to call him my friend.

The caricature of a liberty loving, free market oriented, person is a cold hearted, greedy, and selfish person, that cares about little else than progress, progress, and progress (and of course himself!). Mr. Beltrao could not be further away from this mis-characterization. He is a truly genuine, and warm, person, always with a smile close at hand, and with a true passion for justice and a love for humanity.

He is also a very good friend.

So Helio, my good friend, thank you for being a ceaseless inspiration to me and to all of us here in Sweden. We all salute you, and congratulate you to your first 1000 articles! Here's to another 1000!

And, as we say in Sweden, hipp hipp hurra!

In liberty,

Mises Sweden

___________________________________________________________________________

Our inspiration, model and source of knowledge

usa.jpg

 

, Mises around the world so far....

 brazil2.jpg

    polonia.jpg

equador.jpg

      estonia2.jpg

  finlandia.jpg

      barcelona.jpg

      alemanha2.jpg

    israel.jpg

  

  portugal2.jpg

          romenia1.jpg

        russia.jpg

   suecia.jpg

 suiça.jpg

   tcheco.jpg    

    canada2.jpg

     ucrania.jpg

     italia3.jpg

       hispano.jpg

        australia3.jpg

    turquia.jpg

    islandia.jpg

     africadosul.jpg

     china.jpg

       noruega.jpg

         holanda.jpg

...and

        

       tcheco1.jpg

 reino_unido.jpg

        belgica.jpg

      espanha.jpg

      italia1.jpg

     paraguai1.jpg

        romenia3.jpg

    austria.jpg

       espanha2.jpg

     franca.jpg

0 votos

SOBRE O AUTOR

Joakim Kämpe
é um desenvolvedor de softwares e fundador do Instituto Mises da Suécia.


"Não podemos ignorar o fato de que muitos governos protegem e subsidiam o produto nacional para torná-lo artificialmente competitivo."

Correto. "Artificialmente competitivo". Isso significa que algo só consegue ter um mínimo de competência caso chupe dinheiro de impostos de toda a população, a qual não ganha nada com isso, mas é obrigada a encher os bolsos de empresários mercantilistas, incompetentes e avessos à concorrência.

"Vejam o caso da Bombardier no Canada, que disputa mercado com a Embraer, que fez queixas formais à OMC."

E, ainda assim, a Embraer tem mais aviões que a Bombardier no mercado americano.

"A China subsidiou setores que ganharam mercado através da derrocada em outros países."

Quais mercados que foram dominados pelos chineses e que fizeram muita falta para outros países? Colocando de outra forma: esses mercados que os chineses dominaram por acaso são mercados tecnológicos, complexos e que geram riqueza e prosperidade, ou são mercado primitivos, tecnologicamente defasados e que não exigem nenhuma grande especialidade?

Até onde sei, chineses produzem pano, sapato e bugigangas de baixíssimo valor agregado. Isso leva alguém à pujança? Um país que deixou de fazer isso por causa dos chineses agora está irremediavelmente condenado ao atraso?

Por acaso cortar, entortar e rebitar ferro — tarefas que um xing-ling é capaz de executar a custos irrisórios — são coisas economicamente prementes para o país ou será que o governo quer que isso seja feito apenas para exibir estatísticas de produção industrial?

"Basta lembrar o que aconteceu com o setor textil e calçadista no Brasil."

Exatamente o que acabei de dizer acima. Em vez de nos preocuparmos com nanotecnologia, microprocessadores e outras atividades que realmente produzem riqueza, ainda estamos preocupados com pano e sapato, coisas completamente primitivas, que podem perfeitamente ser produzidas nos rincões mais atrasados do mundo.

Estude um pouco sobre divisão global do trabalho.

Comece por aqui:

Não há argumentos econômicos contra o livre comércio - o protecionismo é a defesa de privilégios

"Livre mercado é uma utopia irrealizável."

O que é realmente irrealizável é a inteligência econômica do brasileiro médio.
O artigo do André Lara já foi comentado pelo Leandro em duas ocasiões:

www.mises.org.br/Article.aspx?id=2578#ac189563

www.mises.org.br/Article.aspx?id=2585#ac189561

Beira o inacreditável como é que um economista tão conceituado falou tamanha bobagem a respeito da política monetária americana. O André Lara simplesmente ignora como realmente se deu a política monetária americana. Foi impressionante.
Economistas do Banco Central do Brasil estão batendo palmas para este artigo publicado no Valor:
www.valor.com.br/cultura/4872458/andre-cochrane-e-teoria-fiscal-dos-precos

Gostaria de uma análise por parte do pessoal do Mises.

-----------------------------------------------------------------------

VALOR ECONÔMICO -SP | EU E FIM DE SEMANA

BANCO CENTRAL | ECONOMIA, FINANÇAS E CONTAB.

André, Cochrane e a teoria fiscal dos preços (Artigo)

André Lara Resende publicou no Valor alguns artigos instigantes que estão gerando muita perplexidade e controvérsia. Para o grande público foi surpreendente e perturbador ler que "a hipótese neofisheriana, que vê no juro alto a causa da alta inflação no longo prazo (...) tem sólidas credenciais analíticas". Isto até encorajou o colunista Ancelmo Gois a brincar que o Banco Central vai ter que devolver os juros elevados que foram praticados no Brasil por tanto tempo.

Claro que não se trata disso! Apesar de o artigo se apresentar como uma crítica ao "conservadorismo intelectual", sua conclusão final é absolutamente conservadora: o trabalho de controle da inflação depende, em última instância, da confiança na sustentabilidade fiscal de longo prazo; sem isto, a política monetária estará sempre lutando uma batalha perdida.

A crítica de André ao conservadorismo parece resultar mais de um flerte com a doutrina neofisheriana, que se caracteriza por conclusões heterodoxas sobre a relação entre taxa de juros e inflação e por uma controversa teoria fiscal dos preços. Eduardo Loyo lembra que essas ideias têm apenas sobrevivido de forma marginal no corpo da ciência econômica, com seus resultados em total contraversão à opinião da maioria e ao senso comum.

Os neofisherianos dão muita importância à conclusão óbvia de que um regime monetário baseado em uma taxa de juros nominal fixa não produz uma âncora para a inflação. É possível ancorar a inflação quando se mantém o estoque total de moeda fixo, ou evoluindo a uma velocidade constante, como proposto por Milton Friedman. É possível também ancorar a inflação com uma taxa de câmbio fixa, como ocorria tradicionalmente nos regimes de padrão ouro. Não é possível, porém, ancorar a inflação apenas mantendo fixa a taxa nominal de juros.

Para demonstrar isso, considere a velha equação de Fisher, que na realidade é uma identidade que define a taxa real de juros:

Taxa nominal de juros = (taxa real de juros) mais (taxa de inflação)

Sabemos que a inflação aumenta quando a taxa real de juros cai. Imagine então que a taxa nominal de juros é fixa e ocorre um choque exógeno que aumenta a taxa de inflação. Pela identidade de Fisher, isso reduz a taxa real de juros, já que a taxa nominal permanece fixa. Como consequência, a taxa de inflação aumenta ainda mais, o que por sua vez produz uma redução adicional da taxa real de juros, e assim por diante. Ou seja, um regime monetário baseado numa taxa nominal de juros fixa não consegue ancorar a inflação. Qualquer choque exógeno produz uma trajetória explosiva, que tanto pode ser inflacionária como deflacionária.

É claro, porém, que nenhum banco central vai operar com uma taxa nominal de juros fixa, ainda que esta seja sua variável preferencial de controle. No mundo real, a ancoragem monetária é feita através de uma meta de inflação, com a autoridade monetária aumentando a taxa de juros quando a inflação fica acima da meta e reduzindo quando a inflação fica abaixo da meta, até que ocorra a convergência da inflação para a meta. Como consequência a ancora monetária não é uma taxa de juros nominal fixa, mas sim a própria meta de inflação. Nesse regime monetário, a taxa de inflação tende a ser igual à meta de inflação, que é a ancora efetiva. Quando isso ocorrer, a taxa nominal de juros terá seu valor determinado pela identidade de Fisher. Ou seja, no longo prazo a taxa nominal de juros não determina a taxa de inflação; ela é determinada pela meta de inflação!

O longo recente artigo de John Cochrane, citado por André, parece ser uma tentativa de relançar o neofisherianismo em bases técnicas mais respeitáveis. Cochrane sonha em ser uma espécie de Einstein da ciência econômica, afirmando que a experiência recente das economias avançadas com taxas de juros próximas de zero e taxas de inflação persistentemente abaixo das metas constitui-se numa espécie de experimento natural semelhante ao famoso resultado de Michelson-Morley, que foi o ponto de partida para a teoria da relatividade. Acontece que a teoria keynesiana moderna, que é utilizada por todos os bancos centrais, não encontra maior dificuldade para explicar os fatos.

Cochrane utiliza uma versão simplificada da teoria para demonstrar que, quando a taxa de juros de curto prazo é reduzida até zero, só existem duas possibilidades: ou a taxa de inflação volta a subir em direção à meta ou ocorre um processo ilimitado de deflação. Como nada disso teria ocorrido na experiência americana depois que a taxa de juros foi reduzida a praticamente zero ao fim de 2008, a conclusão é de que precisamos uma reformulação fundamental da teoria, e Cochrane sugere a alternativa da teoria fiscal dos preços.

Acontece que os números de inflação para os EUA estão longe de justificar o radicalismo de Cochrane. Em 2016 a taxa de inflação já convergiu, sim, para a meta do Fed de 2% ano. A taxa de núcleo do índice da Personal Consumption Expenditure, o PCE-core que costuma ser priorizado pelo Fed em suas decisões, também está subindo e chegou a 1,7% em 2016, ou seja, bem próximo da meta. Não é correto, portanto, dizer que a política monetária americana com taxa de juros próxima de zero não atingiu seu objetivo de colocar a inflação na meta.

Pode-se argumentar que parece ter demorado muito para conseguir isso? Na realidade não houve tanta demora. Entre 2011 e 2013, a inflação média do IPC americano ficou em 2,1%, com oscilação entre 1,5 e 3%, já perfeitamente compatível com a meta de 2%. No mesmo período, a média para o PCE-core ficou em 1,5%, com oscilação entre 0,9 e 1,7%, um pouco abaixo do IPC, mas nada muito dramático. Deve-se notar que nesses anos havia uma taxa de desemprego na faixa de 7 a 9%, o mercado imobiliário continuava em crise e as famílias provavelmente ainda estavam reduzindo suas despesas pessoais para ajustar seus endividamentos. Logo existiam forças importantes operando no sentido de impedir a elevação da taxa de inflação.

O quadro realmente mudou em 2014 e 2015, quando a inflação caiu abaixo de 1%. Essa desaceleração ocorreu junto a gradual eliminação do relaxamento quantitativo (QE), portanto em princípio com um aperto na política monetária, mas esta não nos parece ser a melhor explicação. O fator determinante foi uma brusca queda nos preços internacionais de commodities, com a cotação do petróleo Brent, por exemplo, caindo cerca de 70% entre meados de 2014 e fim de 2015. Os economistas da tradição de Chicago acreditam tanto em flexibilidade de preços que costumam não levar em consideração choques exógenos desse tipo. Se olharmos, porém, para as variações fortemente negativas do IPC Energia em 2014 e 2015 (menos 10,6% e menos 12,6%), fica claro que este foi um determinante importante da desaceleração inflacionária no período. Em 2016 alguns preços internacionais de commodities voltaram a subir (como 40% para o petróleo e 20% para os metais), o que certamente contribuiu para a elevação da taxa de inflação.

Ou seja, desde 2009 a política monetária americana foi efetivamente expansionista, ainda que diversos fatores tenham contribuído para um retorno relativamente gradual em direção à meta. Fica claro que estamos longe de um resultado paradoxal, tipo Michelson-Morley, que justifique alguma revolução teórica. Talvez o único conhecimento novo relevante que resultou da experiência americana com relaxamento quantitativo (QE) é que uma redução significativa das taxas longas de juros, que foi sua principal consequência, tem pouco impacto sobre o nível de atividade. Isto sugere que Keynes estava errado quando discordava de Hawtrey sobre a maior relevância das taxas curtas de juros para a política monetária.

Faltou comentar a tese de Cochrane sobre a possibilidade de deflação ilimitada quando a política monetária atinge a restrição do piso zero, o que talvez seja relevante para a economia japonesa. Pode acontecer que um banco central operando uma meta de inflação seja levado a reduzir a taxa nominal de juros até zero sem que consiga levar o nível de atividade a uma posição suficiente para reverter uma tendência generalizada à deflação dos preços. Isto ocorreria devido a uma configuração muito desfavorável da relação entre investimento e poupança. Uma economia com muita poupança e pouco investimento, que talvez seja o caso do Japão atual, pode produzir uma situação de desequilíbrio de longa duração com inflação cadente ou negativa.

Devido ao piso zero, a economia não consegue sair da posição deflacionária apenas através da política monetária e vai depender para isso de um estímulo fiscal. O fato de que uma situação desse tipo, como parece acontecer de forma crônica no Japão (particularmente quando olhamos o índice de preços empresarial), produz apenas uma deflação de intensidade limitada e indica apenas que a relação entre inflação e nível de atividade (representada pela curva de Phillips) não é linear e pode ter inclinação muito próxima de zero na região de taxas de inflação negativas. Isso é compatível com a velha noção keynesiana de que é difícil produzir deflações na prática.

Resta ainda entender o que pretende a teoria fiscal dos preços. A melhor explicação foi apresentada por Harald Uhlig no seminário sobre o assunto realizado em abril no Becker Friedman Institute da Universidade de Chicago. Uhlig, curiosamente, comenta que, entre outras possibilidades, a teoria fiscal dos preços talvez possa ser vista como "um conjunto de previsões que ocasionalmente funcionam em circunstâncias exóticas", e adiciona entre parênteses (Brazil?).

Sua explicação é muito simples. Se usarmos B para indicar o valor nominal da dívida pública e P para indicar o índice de preços de bens e serviços, então B/P indica o valor real da dívida. Os agentes privados que detêm esses títulos públicos esperam que eles possam ser pagos através da geração de superávits primários no futuro. Então para que se sintam confortáveis é necessário que o valor presente desses superávits futuros, que podemos indicar por VPS, seja igual ao valor real da dívida, ou seja, B/P = VPS. Isto pode ser visto como uma espécie de condição de arbitragem e podemos perguntar o que acontece se o governo aumenta sua dívida sem aumentar também o valor presente dos superávits futuros. Neste caso, B/P fica maior que VPS e, num mundo de preços plenamente flexíveis e expectativas racionais, o desequilíbrio será corrigido por um aumento no nível de preços. Ou seja, P aumenta de modo a que novamente B/P = VPS. Podemos concluir então que a taxa de inflação, que é a taxa de variação percentual de P, vai ser determinada pela diferença entre as taxas de variação percentual da dívida B e do valor presente dos superávits futuros VPS. Essa é a teoria fiscal dos preços, que se pretende uma explicação radicalmente nova para a inflação, sem qualquer menção a conceitos tradicionais como curva de Phillips, taxa de desemprego, investimento e poupança ou taxa de juros.

A teoria tem um defeito óbvio: não fica claro qual é o mecanismo de mercado que produz o movimento do índice de preços quando B/P difere de VPS. Não há dúvida de que se todos os carregadores da dívida pública chegarem à conclusão de que o valor presente dos superávits futuros não representa lastro adequado para esses títulos, isto é, B/P maior que VPS, então cada um deles vai tentar reduzir sua posição. Mas como isso afeta o índice de preços de bens e serviços?

Parece mais razoável supor que o impacto será no mercado secundário de títulos da dívida pública, o que sugere que está faltando algo na equação básica da teoria. O que está faltando é a relação entre o valor nominal ao qual a dívida foi emitida pelo governo, que estamos indicando por B, e seu valor no mercado secundário, que podemos indicar por zB, sendo z um fator de desconto. Se escrevemos a teoria fiscal dos preços como zB/P = VPS, então parece mais razoável supor que um desequilíbrio entre zB/P e VPS vai ser ajustado não por movimentos no índice de preços, mas por movimentos no fator de desconto para a dívida pública, indicado por z. Como esse fator está inversamente relacionado à taxa de juros de longo prazo, a conclusão é de que a teoria fiscal de preços não é uma nova teoria para a inflação, mas apenas uma teoria fiscal da taxa longa de juros.

Veja, porém, que realmente existe um caso exótico em que a teoria fiscal dos preços pode funcionar! É o caso em que a totalidade da dívida pública consiste de papéis ligados à taxa de juros overnight, como acontece com as LFTs no Brasil (que, aliás, foram inventadas pelo próprio André!). Neste caso, o fator de desconto para a dívida pública será sempre igual a um, por definição, e voltamos à formulação B/P = VPS, que viabiliza a teoria. Naturalmente, isso não significa que esteja garantida sua relevância prática no mundo real, fora dos modelos de preços totalmente flexíveis e expectativas racionais. Significa apenas que Uhlig tinha razão ao especular que a teoria fiscal dos preços poderia em tese funcionar em circunstâncias exóticas, como no Brasil das LFTs.

Francisco Lafaiete Lopes é PhD por Harvard, sócio da consultoria Macrométrica e ex-presidente do Banco Central (BC)

ARTIGOS - ÚLTIMOS 7 DIAS

  • Sonny Ortega  05/06/2011 10:40
    The link to LvMI Czech republic & Slovakia is wrong (it links to Swiss LvMI). The right link is www.mises.cz.

    But anyway, it's great to see how the starfish is growing. Greetings from the Czech republic!
  • Peter S.  06/06/2011 06:28
    Hallo, just a small blemish to take care of: the image of the Czech institute leads actually to the Swiss one.

    Nice progress, folks! May you get thousands of articles!
  • Malcik  06/06/2011 06:57
    Hi,

    The link to Czech & Slovak Ludwig von Mises Institute is wrong - it should be www.mises.cz and not mises.ch.

    Otherwise, nice article. Keep up the good work!

    Regards,

    Malcik
    www.mises.cz
  • Fernando Chiocca  06/06/2011 13:05
    Sorry guys. It's fixed now.

    Thanks.
  • Facundo  26/02/2013 13:22
    Funny that Argentina is not there. Here Hayek is fashion, not Mises, too radical. Obviously free-market's anarchists are almost unknown (I only know 5 guys).
    Actually most of pro liberty/libertarian organizations in this country are pretty corrupt at it's best Argentinean style.

    Sincerely,


    Facundo



Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.