O ataque da Comissão Europeia à Apple e à Irlanda mostra que os britânicos estavam certos
Restrições que geram bloqueio ao progresso e as ideias de liberdade

A Comissão Europeia obrigou a Apple a devolver ao governo irlandês 13 bilhões de euros

Motivo: a Irlanda teria violado as regras da União Europeia ao implantar alíquotas de impostos baixas demais.  Para a UE, conceder alíquotas de impostos baixas demais representa uma vantagem fiscal "ilegal".

Mas a coisa é ainda mais surreal: o próprio governo irlandês já avisou que não quer o dinheiro.  Ainda em 1980, o governo irlandês havia prometido essas alíquotas baixas para incentivar a Apple a se instalar e a permanecer no país, levando ao então pobre país empregos e crescimento econômico, à época desesperadoramente necessários (a Irlanda era um dos países mais pobres da Europa). 

O governo irlandês sabe que, se quebrarem esse contrato com a Apple, não apenas o país corre o risco de ficar sem a empresa, como também outras empresas podem desistir de se mudar para lá.  Pior: podem sair de lá.

Vale deixar bem claro o seguinte ponto: o argumento da Comissão Europeia é que a presumível vítima deste caso é apenas o fisco irlandês, e não o erário dos outros governos europeus.  Oficialmente, a Comissão não está condenando a Irlanda por praticar dumping fiscal por meio de sua baixíssima alíquota de Imposto de Renda de Pessoa Jurídica (meros 12,50%, um dos menores do mundo), beneficiando a Apple à custa do erário do resto dos estados-membros.  E ela não está fazendo isso porque, em essência, a Comissão não tem a competência para emitir éditos acerca da política fiscal de um estado-membro.  A Comissão está condenando a Apple por ter deixado de pagar impostos na Irlanda, e não no resto da Europa.

Por isso, não deixa de ser curioso que a suposta vítima do caso — o governo irlandês — tenha se manifestado veementemente contra a resolução de Bruxelas, chegando ao ponto de anunciar que recorrerá aos tribunais europeus para reverter a decisão.  Deve ser um caso único na história de um governo se recusando veementemente a receber mais dinheiro de impostos. 

Segundo o Ministério da Fazenda irlandês, a Apple já pagou todos os impostos que tinha de pagar de acordo com a legislação tributária do país, de modo que a Comissão Européia estaria atacando diretamente a soberania fiscal de um estado-membro.

Por que, então, a Comissão resolveu entrar de sola neste quesito?  Segundo a versão oficial, porque o regime fiscal usufruído pela Apple na Irlanda poderia estar afetando a concorrência entre empresas européias — a Apple recebe "privilégios" que as outras empresas não recebem —, e a Comissão pode sim se pronunciar em matéria de concorrência intracomunitária. 

A realidade, no entanto, é outra: Bruxelas está utilizando suas atribuições em matéria de concorrência para se arrogar competências tributárias (que ela legalmente não possui) com o propósito único de cartelizar os estados-membros em sua cruzada para converter a União Européia em um inferno fiscal sem fissuras internas.

A UE foi criada com o objetivo de "harmonizar" os impostos e as regulamentações econômicas entre os países.  O centro do Império (Bruxelas) deve governar toda a periferia, impondo e executando essa harmonização.  Se uma determinada alíquota de imposto estiver variando dentro União Européia, a intenção é "harmonizá-la" na alíquota mais alta para todos os países. 

Por que a Comissão disse que a Apple recebe um tratamento fiscal privilegiado?  Porque a Comissão não gosta do regime fiscal da Irlanda, o qual, pelos seus baixos impostos, "concorre deslealmente" com as demais social-democracias européias, colocando em risco a sustentabilidade desse sistema.  E se todas as empresas se mudarem para Irlanda?  Como os outros países europeus irão continuar bancando seus onerosos estados de bem-estar social?

O atual CEO da Apple, Tim Cook, resumiu a situação com perfeita lucidez: "Utilizando o critério da Comissão Europeia, qualquer empresa na Irlanda e na Europa pode repentinamente se descobrir sujeita a novos impostos em virtude de leis que jamais existiram".

Para o super-estado europeu, um parasitismo mais prudente e sustentável — como o feito pelo governo irlandês — não é uma opção.  O governo celta deve espoliar com mais intensidade seus hospedeiros, caso contrário as outras vorazes social-democracias do continente terão uma "concorrência desleal".

Este sistema tributário irlandês que a Comissão quer aniquilar representa uma das características mais distintivas e marcantes do país celta: uma vantagem competitiva que permitiu à Irlanda, em apenas 35 anos, deixar de ser um dos países mais pobres da atual zona do euro e se tornar o segundo mais rico, atrás apenas de Luxemburgo.

fuente-fmi.jpg

Os britânicos estavam certos

Tudo isso mostra que os britânicos foram sábios em optar por sair da União Europeia e que seria sensato que a Irlanda, ou qualquer outro país, fizesse o mesmo.  A União Europeia é um impedimento à liberalização econômica.

Dentro do super-estado europeu, nenhum país pode escapar das onerosas leis e regulamentações impostas de cima para baixo pela burocracia da União Europeia.  Já com uma descentralização política, indivíduos e empresas podem "votar com seus pés" e se mudar para regimes menos onerosos.  Sob essa ameaça de "êxodo", os governos são obrigados a liberalizar a economia para reter seus pagadores de impostos.

O governo irlandês pretendeu conceder mais liberdade econômica para uma das mais inovadoras e adoradas empresas do mundo, estimulando a Apple a "votar com seus pés" e se estabelecer no país.  Bruxelas não podia tolerar isso.  Se a Irlanda continuasse impune, outros países poderiam se sentir impelidos a oferecer promessas tributárias similares a empresas de tecnologia e, com isso, tornar suas próprias indústrias deste setor competitivas.  Tal competição poderia se difundir e se espalhar para todas as alíquotas do IRPJ em geral.  Para manter os impostos altos e, consequentemente, os burocratas europeus bem remunerados, tal concorrência tem de ser aniquilada na raiz.

Acima de tudo, a União Europeia é um cartel tributário compulsório.

Por isso, os eurocratas não podem demonstrar surpresa com o crescente euroceticismo que vem se manifestando desde o "Brexit", o qual pode culminar em um "Irexit" ("Ireland" e "exit").  A União Europeia é hoje um fator pauperizador, e não um catalisador da prosperidade.

Após desferir um golpe de estado fiscal contra a Irlanda, a Comissão recebeu os aplausos irresponsáveis do resto dos europeus, sadicamente contentes com este ilegítimo achaque de 13 bilhões de euros a uma das empresas que mais revolucionou nossas vidas nas últimas décadas.  Mas o caso da Apple não será o último: resoluções similares estão sendo preparadas contra Starbucks, Google, McDonald's, Fiat e Amazon.  Os burocratas não irão sossegar enquanto não estrangularem a concorrência tributária entre os países e converter o Continente em um parasítico inferno tributário onde prosperam as burocracias estatais.

Muito além da harmonização fiscal, o objetivo é a rapina fiscal por meio da harmonização infernal.  A Apple foi apenas a primeira vítima de um megalomaníaco projeto europeu oposto a todos os ideais de liberdade e prosperidade que uma vez já definiram a Europa.

Conclusão

Em seu passado, a Irlanda conquistou sua independência de um governo estrangeiro predatório e empobrecedor.  Que ela o faça novamente.  O "Irexit" pode ser a próxima peça do dominó que levará à completa dissolução da União Europeia.

A inventividade e o empreendedorismo dos trabalhadores da Apple foram responsáveis por fascinantes contribuições e melhorias em nossas vidas.  Ajudar a dissolver a União Europeia pode acabar sendo sua façanha suprema.

____________________________________________

Leia também:

O exemplo irlandês - como a redução dos gastos do governo impulsionou o crescimento da economia


4 votos

SOBRE O AUTOR

Juan Ramón Rallo
é diretor do Instituto Juan de Mariana e professor associado de economia aplicada na Universidad Rey Juan Carlos, em Madri.  É o autor do livro Los Errores de la Vieja Economía.



"O Warren Buffett tem uma frase que para mim é sensacional, certa vez ele disse que "você deve confiar o seu dinheiro apenas a única pessoa que você tem certeza que nunca irá lhe passar a perna, você mesmo!".

Se for para investir em fundos ou qualquer outra aplicação gerida por terceiros prefiro ficar na renda fixa mesmo."

Isso me deixou curioso. Pelo que eu saiba o Warren Buffett investe em fundos de ações.

E mais, muitos empresários(ou trabalhadores que ganham muito) quando tem uma rentabilidade que deixa uma margem para investimentos pessoais, ele não o faz sozinho e sim por meio de holdings familiares apenas e exclusivamente para isso, e essas holdings são geridas por terceiros ou as mesmas se associam com um private banking de um banco ou vários bancos.
Pego exemplo o Abílio Diniz, ele tem a Península Participações, onde por meio desse fundo ele investe em outros fundos, ações, títulos e etc. Aliás os próprios banqueiros fazem isso, eles não colocam todo o dinheiro em seu próprio banco para investir, e investe parte dele em fundos de investimentos.
Os empresários que venderam recentemente suas empresas parece ser a regra, a grande maioria deles investem em fundos de invetimentos ou private banking porque não conhecem ou não sabem como gerir o dinheiro que auferiram na venda de sua empresa.

Portanto fica as seguintes perguntas: O private banking(clientes ricos) acaba se tornando pior do que investir sozinho? Se sim o por que?
Investir em um fundos de investimentos acaba se tornando pior do que investir sozinho? Se sim o por que?

Obs: Se a resposta for sim em todas as respostas, então vocês deveriam falar isso para os bilionários do private banking e dos fundos de investimentos que eles estão fazendo errado em confiar seu dinheiro em terceiros e começar a agir diferente, investir sozinho seus próprio dinheiro. E o que falar dos bancos de investimentos? Era para o UBS já ter ido a falência, porque obviamente os bilionários não são burros.
Sr. Capital Imoral

O artigo por você comentado, brilhantemente escrito, diga-se, refere-se à soberania que todo indivíduo deve ter para fazer diversas escolhas, em particular, ao direito de portar uma arma de fogo para defender-se.

O sr. dá a entender que acredita que por viver em coletividade um homem ou mulher não tem individualidade. Com todo o respeito, é algo bastante tacanho. Mas, não me surpreende vindo de alguém que diz buscar "socialismo e liberdade" ao mesmo tempo em que nega ser "dono"de si.

Por favor, divirta-nos mostrando como alguém que não é dono de si pode ser livre...

Ah, e antes que eu me esqueça, por favor, divirta-nos também contando mais sobre essa sua tese de que os traidores são os "neoliberais".

Deve ser por isso que Luiz Carlos Prestes, um comunista de carteirinha, entregou a sua esposa judia Olga Benário, grávida de 7 meses, a Getúlio Vargas, para ser deportada diretamente para a Alemanha nazista de Adolf Hitler em troca da sua liberdade.

Deve ser por isso que Fidel Castro traiu o governo dos EUA, que o apoiou na derrubada da ditadura de Fulgêncio Batista.

Certamente é por isso que socialistas/comunistas praticavam seus justiçamentos, para tanto bastando simplesmente desconfiar.

Provavelmente é por isso que governos socialistas/comunistas matam justamente o seu povo. Inclusive boa parte daqueles que ingenuamente os apoiavam por acreditar, como você, que socialismo significa liberdade e, chocados, começarem a perceber a cilada em que caíram tão logo os governos que ajudaram a subir ao poder chegam a ele.

Se isso não é "trair o coletivo", então, por favor, conte-nos o que é.

O Homem, com "H" maiúsculo, vive em coletividade. A coletividade é uma característica da espécie humana.

O homem, assim como a mulher, são indivíduos. E como tais, fazem suas escolhas. Coletivas e individuais. Inclusive quanto a quais coletivos pretendem seguir. E devem ter direito a elas. Isso inclui o poder de decisão sobre portar ou não arma de fogo.

Exatamente aí está o ponto. Aliás, vocês esquerdistas sabem muito bem usar o direito à individualidade quando ele lhes serve para vender suas idéias esdrúxulas. Ou você agora vai negar que as "feminazis" adoram bradar "meu corpo, minhas regras!"?

Seria divertido também ver o senhor, um orgulhoso filósofo e escritor, que diz que "já refutou Mises", explicando à essas mulheres sobre não ser seu dono, ser apenas uma ideia em prol do coletivo.

Sr. Capital Imoral, seus argumentos se baseiam inteiramente em uma visão completamente distorcida dos fatos. Algo, aliás, típico em esquerdistas. Distorcem a realidade ao sabor das suas conveniências para tentar adaptá-la à sua linha de raciocínio, se é que podemos dizer que há algum raciocínio em gente que nega a realidade à sua volta.

" Eu sou uma ideia, eu sou um espirito coletivo da busca pelo socialismo
e liberdade".

Sinto dizer, mas você terá de se decidir. Ou escolhe buscar o socialismo, ou o faz buscando a liberdade. Os mais de 100 milhões de mortos por esse regime nefasto e suas famílias (as que sobreviveram) certamente têm muito a dizer sobre liberdade no socialismo.

Diga em qual lugar do mundo socialismo e liberdade andaram juntos. A história mostra justamente o contrário. Socialismo sempre mostrou-se o oposto à liberdade e um sinônimo de autoritarismo. Norte-coreanos, cubanos, chineses, russos, venezuelanos, vietnamitas, cambojanos, romenos, poloneses, etc, têm muito a ensinar sobre isso.

Talvez você mesmo possa nos contar sobre como pode significar liberdade um regime que foi capaz de matar mais que a soma de todas as guerras do século XX. Pior: os mortos por esse regime eram do povo dos próprios países socialistas, não de países inimigos. Os povos que viveram sob esse regime sabem como ninguém o que é traição.

Mas, o senhor, iluminado como diz ser, poderia nos enriquecer contando quais países cujos governos adotaram idéias liberais provocaram o mesmo efeito.

Regimes socialistas só foram implementados às custas de repressão, violência e autoritarismo, com muito sangue derramado. Nem mesmo esse método e imposição garante a sua sobrevivência. Todos os regimes socialistas caíram de podres. Os que ainda sobrevivem estão cada vez mais fracos, sua vez de desmoronarem não tardará. E isso ocorre exatamente por causa da realidade. Não se pode negá-la eternamente.

Um dos grandes erros de vocês socialistas é tentar vender o capitalismo como se ele fosse uma espécie de entidade, algo criado artificialmente. Não percebem que o capitalismo é simplesmente a realidade entre as relações comerciais entre as pessoas. Liberais defendem o curso natural das coisas. O livre mercado.

Diferentemente do socialismo/comunismo, que um conjunto de teorias criadas por "pensadores" baseados exatamente na distorção da realidade. E que só pôde ser efetivamente implementado à força.

A julgar pelo fato de os mais bem sucedidos países do mundo adotarem, em variados graus, idéias liberais; mostra que quanto maior a interferência do Estado no cotidiano do cidadão, piores são as condições de vida da população, do coletivo.

Aí está uma lição para você pesquisar e estudar, sr. Capital Imoral. Tire os óculos ideológicos e observe o mundo à sua volta. Nada mais anti-socialista. Veja os rankings dos países com melhor IDH, com melhores indicadores de desenvolvimento. E veja quais são os países que mais implementam idéias liberais. Silogismo em estado puro.

Quanto à propriedade nada mais é que uma conquista daquele que trabalha duro por ela. Só questiona o direito à propriedade aquele que quer aquilo que pertence aos outros. Duvido que você abra mão das suas propriedades para ser coerente com o seu discurso contrário à ter esse direito.

Quando o fizer, senhor filósofo e escritor, aponte-nos, por favor, países sob regimes socialistas que estejam entre os primeiros em qualidade de vida, renda per capita, desenvolvimento humano, etc

Aí sim você estará refutando Mises. Do contrário, toda a sua ladainha de esquerdista só confirmará o quão ele está certo.





11 horas

ARTIGOS - ÚLTIMOS 7 DIAS

  • Leo Deppe  01/09/2016 14:55
    Estou acompanhando aqui de Dublin, e o governo parece bastante alinhado para não permitir essa ingerência de Bruxelas.

    Mas é preocupante ver tantos especialistas inteligentíssimos na TV dizendo - "vamos pegar os 13bi da Apple e construir hospitais, colocar na Educação ou investir no país". Poucos defendem a atitude do governo.

    Mas já era de se esperar isso da URSE (União das Repúblicas Socialistas Européias).
  • Lucas  01/09/2016 14:57
    Mas sem os impostos da Irlanda, como irão manter os jovenzinhos de 30 anos que não trabalham e recebem seguro social?
  • Brant  01/09/2016 15:18
    "Deve ser um caso único na história de um governo se recusando veementemente a receber mais dinheiro de impostos."

    Tentei imaginar o governo brasileiro tendo uma atitude parecida por aqui. Não consegui.

    Palmas para o governo irlandês. Uma gangue de ladrões sim, pero no mucho.
  • JOSE F F OLIVEIRA  01/09/2016 14:56
    Hoje estão percebendo as faces da moeda.Artigo esclarecedor e de agregação.
  • Francisco Oliveira  01/09/2016 14:56
    Isso é o governo mundial, esse é o real sentido da UE acabar a soberania dos outros países
  • Anna Christina Ramos  01/09/2016 15:55
    Otimo artigo! E o mais interessante eh q Luxemburgo da os mesmos beneficios fiscais a VARIAS empresas (chegando a 1%) em alguns casos e ate agora a EU nunca questionou nada! Moro na Inglaterra e foi a decisao mais certa sair da EU ! Chega desses burocratas em Bruxelas ditando as leis de cada pais... Principalmente leis fiscais q atraem empregos...
  • Mariana Prado  01/09/2016 15:57
    Vocês já ouviram falar da questão dos vegetais na UE? Em especial os pepinos e as bananas?

    Parece até brincadeira mas eles estipulam um tamanho para que o pepino possa ser considerado pepino e uma curvatura aceitável para que as bananas possam ser consumidas na Europa!

    A UE é hoje um bloco socialista e ridiculamente burocrático comandado pela insana corrupta pro Islã da Merkel, que desvirtuou completamente a proposta para governar a Europa de forma absolutista através da chantagem.
  • Eduardo Ledoux Gava   01/09/2016 15:58
    Aí os defensores do socialismo, comunismo, social-democracia e demais sistemas que pregam a resolução dos problemas da população através do estado não sabem por que seu sistema preferido não dá certo...
  • Luis  01/09/2016 16:19
    Eu vou comprar euros. Apos a dissolucao da uniao europeia, vao valer muito como moedas para colecionadores.
  • Henrique Zucatelli  01/09/2016 16:32
    Depois de ler a matéria em inglês do WP entendi perfeitamente porque os burocratas de Bruxelas estão querendo enforcar a Irlanda: ela praticamente ZEROU os impostos para a Apple, e ao que parece não é o único caso (!!!). Repito: não bastasse os impostos já serem baixos se comparados com o resto do mundo, eles aplicam alíquotas de 1% ou 0,00025%.

    Finalmente um governo moderno está mostrando que o liberalismo é o caminho. Não há dúvidas que o Irexit vai acontecer.
  • Hilário  01/09/2016 16:37
    Ajudem a completar os nomes dos países de acordo com seu alinhamento econômico e moral, captado aqui no site do Mises pelos colegas comentadores que você já tenha visto ou pensou:

    Bostil, Belgistão, URSE (União das Repúblicas Socialistas Européias), Porcogal, Espanistão, Xixile, Lixália, Desgrazuela, ...
  • Mr Citan  01/09/2016 18:53
    Tem também o Califado da Germanistão, e o Califado da Suécistão.
  • saoPaulo  01/09/2016 21:18
    Poxa vida, eu gostava mais quando a gente apelidava a Alemanha de Batatolândia...
    Devo confessar que fico cada vez mais e mais decepcionado com este país.
    Eis alguns exemplos:
    1. Uma feminista pediu desculpas por ter ido à polícia denunciar o estupro que sofreu por refugiados. Ela disse que não queria prejudicar a imagem deles...
    2. Eu queria comprar um spray de pimenta para minha namorada. Eis a minha surpresa que ele é, aparentemente, proibido aqui.
    3. Ontem recebi um link para uma notícia que dizia que o número de pedidos para casamentos com crianças havia crescido bastante em Bayern, o que causa um problema, já que isto é meio que um vácuo jurídico. Dái eu respondi à pessoa que me mandou o link: sabe por que não há uma lei específica proibindo isto explicitamente? Por que nenhum ser humano normal se interessa em casar com crianças!
    4. Há alguns meses eu estava passando em frente à praça da prefeitura, e lá estava ocorrendo um evento da UE. Juro por deus, no chão estava escrito: Suporte a UE, para que 1945 não se repita.
    5. TODOS os alemães com os quais já tive oportunidade de discutir sobre política e economia se manifestaram favoráveis à EU, previdência social, etc. Um até mesmo chegou a afirmar que o problema é que os ricos não pagam impostos suficientes. O mesmo sujeito, aliás, me perguntou se eu não sabia que 20% dos alemães vivem na pobreza. Quando eu disse que duvidava disto e que nunca vi um alemão passando necessidades da forma que vi brasileiros, ele me respondeu que o conceito de pobreza era relativo. Quando eu perguntei qual era o conceito de pobreza dele, ele me respondeu que aqui é definido como pobre aquele no bottom 20% da renda... Eu tive que me segurar pra não xingá-lo. Minha vontade era falar: Seu corno filho duma puta, se você define os 20% que ganham menos como sendo pobres, é óbvio que 20% das pessoas serão pobres!
    Enfim, o que se esperar do país natal de Marx... Me surpreende a robustez econômica alemã com um povo destes...
  • Nicolas  01/09/2016 22:56
    Os alemães ainda são ricos porque historicamente a Alemanha sempre foi um dos países mais ricos e mais importantes da Europa.

    A Suécia também já esteve em primeiro lugar no ranking do IDH e em um dos primeiros lugares no ranking da renda per capita durante a década de 70 e hoje não está nem entre os 10 primeiros lugares de ambos.

    É pura questão de tempo para o Progressismo estagnar ou falir um país.
    Só que agora essa aberração está se espalhando pra Europa inteira.
  • Hans Chucrute  02/09/2016 02:37
    A Alemanha passou por um cuidadoso processo de reeducação progressista, socialista e covarde após o fim da 2GM, comandado pelas potências ocidentais com a intenção de acabar com o espírito competitivo e independete alemão, como explicado pelo grande Hans-Hermann Hoppe. Konrad Adenauer, o primeiro chanceler alemão pós-guerra foi escolhido a dedo pelos aliados devido a sua subserviência e caráter fraco.

    Setenta anos de balela progressista fazem estrago, de um modo ou outro. No entanto, considero a sua estatística um tanto viesada. A maioria dos alemães que conheço odeiam a UE, mas dizem que são favoráveis, pois como você mesmo disse, existe um terror psicológico usado por políticos traidores que afirmam que a alternativa a UE seria racismo e guerra.

    Lembre-se que criticar a política de imigração do governo no facebook pode dar cadeia.
  • cmr  02/09/2016 15:02
    O destino da Europa é acabar paupérrima, islamizada e africanizada.

    Mas o povo de lá merece, e como merece...

    Mês passado, ouvi de uma francesa que o islã é uma religião de paz e amor, que a Europa deve receber ainda mais africanos e islamitas, dar mais dinheiro para os países pobres, etc... Eu pensei: "ahh, vocês tem mais é que se fuder mesmo !!!"
  • saoPaulo  05/09/2016 08:47
    Não conheço muito sobre Sam Harris, mas neste podcast, he nailed it! Aconselho muito ouvirem.
    O que jihadistas realmente querem
  • Andre  01/09/2016 19:50
    Inclua aí também a Irança, com seu famoso litoral a Riviera Islâmica.
  • anônimo  01/09/2016 20:10
    Xixile uma ova, vc vive no mundo da lua?
  • Vinicius  02/09/2016 00:50
    Adiciona aí na América Latrina, a Pobrentina, o Gulaguai, a Boslívia e Loucômbia, essa última depois de muitos acertos nos últimos 15 anos parece que cheirou todo o pó que produziu de uma só vez, fez paz com as FARC.
  • Dissidente Brasileiro  03/09/2016 20:14
    Prefiro chamar o Bostil de Cuzil, porque afinal de contas aqui é o ** do mundo! Ou estou errado na minha afirmação?
  • República de Curitiba  01/09/2016 16:45
    Srs.,

    Permitam-me, uma dúvida em local errado, (inclusive me tirem uma dúvida, se posto nos tópicos certos vocês são avisados pelo site para responder?)


    Considerando um mundo libertário, crie-se uma ideologia em determinada região privada que, por vontade de seu dono, conservador, não permita gays de aparecerem dentro da região.

    Ou então proibir cristãos de mostrarem seus adornos, para uma visão diferente.

    O que se sobrepõe nessa situação?

    A liberdade individual ou o asseguramento dos direitos sobre a propriedade privada?
  • Cospaia   01/09/2016 17:12
    Liberdade individual e propriedade privada são inseparáveis. Só existe um onde há o outro.

    Na sua propriedade, só entra quem você quiser. Logo, se um grupo de proprietários estabeleceu que em sua propriedade só entra pessoas que compartilhem suas crenças, então caso encerrado. Ninguém é obrigado a entrar ali e ninguém é obrigado a aceitar nenhum intruso não convidado em sua propriedade.

    Igualmente, um estabelecimento que proíbe a entrada de negros é tão válido quanto um que proíbe a entrada de brancos. Um estabelecimento que proíbe a entrada de homossexuais é tão válido quanto um que proíbe a entrada de heterossexuais. Um estabelecimento que proíbe a entrada de judeus é tão válido quanto um que proíbe a entrada de neonazistas. O verdadeiro teste para determinar se um indivíduo é sinceramente comprometido com a defesa da liberdade de associação não está em ele permitir que as pessoas se associem de uma maneira que ele aprova. O verdadeiro teste ocorre quando ele permite às pessoas serem livres para se associar voluntariamente de maneiras que ele considera desprezíveis. Associação forçada não é liberdade de associação.
  • Leandrinho do Futebol  01/09/2016 17:55
    E quando a propriedade é "pública", como fica?
  • Felipe  01/09/2016 20:28
    Antes de receber uma resposta, você precisa definir o que seria uma propriedade "pública".
  • Leandrinho do Futebol  02/09/2016 12:52
    Vc não usa a expressão "funcionário público"? Pois então, é no mesmo sentido.

    Quando vc usa a expressão "funcionário público" vc está se referindo a alguém que recebe salário em decorrência de impostos, e que trabalha numa "repartição pública".

    Pois bem, esse é o sentido: repartição pública.
  • André  02/09/2016 14:25
    Eu uso a expressão funça, pessoa que depreda de maneira indireta a propriedade e renda da sociedade em bem próprio.
    Não há como uma propriedade depredar algo por si.
    O estado é uma aberração, é o elefante na loja de cristais.
  • O MESMO de SEMPRE   03/09/2016 02:10
    Brolhantíssimo, Brilhantíssimo e Brilhantíssimo!!!!


    "O verdadeiro teste para determinar se um indivíduo é sinceramente comprometido com a defesa da liberdade de associação não está em ele permitir que as pessoas se associem de uma maneira que ele aprova. O verdadeiro teste ocorre quando ele permite às pessoas serem livres para se associar voluntariamente de maneiras que ele considera desprezíveis. Associação forçada não é liberdade de associação."

    É sempre um prazer ver a inteligência se manifestar!!!

    ...Em compensação vejo uma "resposta" ao brilhantíssimo comentario que diz: "e se a propriedade for pública?"

    ...Aí repentinamente ouivi um estrondoso ZURRAR...

    Não existe propriedade publica! ...isso é embuste.

    Direito de propriedade somente existe PRIVADO. Não pode haver direito de propriedade pública, mas apenas DIREITO de USO!!!

    Aquilo que não é propriedade privada não pode exercer Direito de propriedade pública, mas apenas DIREITO de USO.

    Direito de propriedade é o pleno arbítrio sobre um bem. Logo, não há como "o público" arbitrar sobre algo. Isso significaria que todo o público seria proprietário e portanto CADA UM TERIA DIREITO de ARBÍTRIO SOBRE tal "propriedade pública". UMA ABERRAÇÃO.

    Há apenas o DIREITO de USO PÚBLICO - enquanto um esta exercendo seu direito, é negado a todos os demais exercer o mesmo direito ao mesmo tempo.

    Por exemplo: Quando estou sentado num BANCO de PRAÇA PÚBLICa, estou EXERCENDO DIREITO de USO (não de propriedade) e ninguém poderá me expulsar do banco para sentar-se:

    - estou exercendo meu direito de uso e o DIREITO de UM NEGA A TODOS OS DEMAIS o EXERCÍCIO do MESMO DIREITO AO MESMO TEMPO.

    Direito de uso é temporário e Direito de propriedade é permanente e perene. Logo nenhum indivíduo pode exercer o direito de propriedade em conjunto com todos os demais: O que é "propriedade" de TODOS, é PROPRIEDADE de NENHUM. Ou seja NÃO É PROPRIEDADE!!!
  • FL  01/09/2016 17:36
    A resposta está no "região privada".

    Sua propriedade, você faz o que quiser nela, inclusive não permitir que alguma pessoa de aparecer por lá, por mais exdrúxula que seja a razão.

    O mesmo vale para um estabelecimento comercial: digamos, tenho um restaurante que não aceita gente loira. A propriedade privada é minha, e eu faço e deixo de fazer o que eu quiser com ela. Não aceitando um grupo de pessoas, o prejuízo é apenas meu. Inclusive, tá aí uma baita oportunidade: alguém pode chegar e abrir um restaurante para gente loira, suprindo essa demanda.
  • Ted  02/09/2016 00:09
    Isso não responde. Quando a propriedade é privada o dono faz o que quiser. Ok, perfeito.

    Mas quando a propriedade é pública? O restaurante de um órgão público, pex; qual a solução?
  • Gabriel  02/09/2016 02:20
    Privatizar.
  • Ted  02/09/2016 13:18
    Meu amigo, não estou colocando em questão a moralidade e a eficiência da propriedade privada.

    Por mim que se privatize tudo, evidentemente.

    A questão é outra: imagine que, amanhã, um burocrata da Câmara dos Deputados resolva colocar uma placa no restaurante da Câmara escrito assim: "proibido o ingresso de homossexuais no restaurante".

    Nessa hipótese, dado que se trata de repartição pública, e dado que essa repartição não será privatizada amanhã (nem tão cedo), eu pergunto:

    qual sua opinião a respeito: vc acha moralmente correto ou incorreto essa proibição de ingresso de homossexuais no restaurante da Câmara?
  • Andre Cavalcante  02/09/2016 11:28
    Olá

    É o seguinte:

    Público - onde o público em geral (quase sem nenhuma restrição) tem acesso: supermercados são assim
    Particular - onde o acesso é restrito para apenas alguns indivíduos: universidades são assim

    Estatal - o dono é o governo
    Privado - o dono é um indivíduo que não o governo

    Propriedade do governo - o governo, como o dono, define as regras.
    Propriedade privada - o indivíduo, como o dono, define as regras.

    Universidades estatais são particulares.
    Supermercados (principalmente os de bairro) são privados e públicos.

    Prais estatais são públicas.
    Praias de condomínios são privadas e particulares.

    Hospitais estatais são públicos, sem nenhuma restrição: qualquer pessoa tem acesso a eles.
    Hospitais privados também, com uma restrição: só tem acesso ao serviços quem paga por eles.

    O problema: no tipo de sistema atual, o governo diz que é dono de tudo, define regras para tudo, independente do tipo de propriedade. Pior, chama de público à coisas particulares, igualmente às coisas de que é o dono. Por causa dessa distorção, você tende a achar que tudo o que é do governo você deve ter acesso.

    Como tudo é escasso, incluindo o espaço, ou os recursos, aí acontece o fenômeno da tragédia dos comuns. Quem chega primeiro se beneficia, quem chega por último se quebra.

    Assim:

    Praias estatais são sujas.
    Praias privadas não.

    Hospitais estatais tem falta de tudo, até medicamentos básicos.
    Hospitais privados não.

    Interessante é que que nenhum reitor de nenhuma federal vai permitir que qualquer um entre na "sua" universidade.



  • Rogerio Faria  02/09/2016 12:28
    Cuidado com as considerações simplistas:
    PETROBRAS: 51% do Governo brasileiro, em estado falimentar.
    STATOIL: 74% do Governo norueguês, altamente lucrativa.
  • Alfredo  02/09/2016 12:40
    Também, com a gasolina mais cara do mundo...

    Atualmente, um litro de gasolina na Noruega está custando 14,70 coroas norueguesas.

    Ao câmbio de hoje (8,27 coroas por dólar), dá 1,77 dólar por litro.

    Já nos EUA, um litro de gasolina está custando US$ 0,66 por litro.

    A renda per capita dos noruegueses é 1,22 vez maior que a dos americanos.

    Mas sua gasolina custa 2,68 vezes mais. E o país é totalmente autossuficiente, ao contrário dos EUA.

    Realmente, acho que até mesmo petistas teriam dificuldade em quebrar a Statoil: a estatal cobra a gasolina mais cara do mundo, opera sob monopólio estatal, e ainda tem como mercado consumidor uma das populações mais ricas do mundo.

    Sim, é uma façanha a Statoil ter lucro...
  • anônimo  02/09/2016 11:43
    'Considerando um mundo libertário'(...)
    'Mas quando a propriedade é pública? '


    Não existe propriedade 'pública' num mundo libertário.Ou tem dono ou não tem.
  • Spin  02/09/2016 12:51
    Nossa, descobriu a pólvora
  • Livre Mercado  02/09/2016 13:38
    Propriedade pública, Funça liberal, crente socialista e quadrado redondo, esse é o nível de discussão intelectual do Brasil.
  • Adriano  01/09/2016 16:53
    A China e demais países asiáticos agradecem à UE por tamanha insanidade. Isso forçará muitas empresas a se mudarem para o oriente.
  • Henrique Zucatelli  01/09/2016 18:48
    A maioria do poder industrial JÁ FOI para o oriente. Os que restaram do lado de cá são aqueles que tem reserva de mercado.

    Com relação a serviços eletrônicos, esses vão para onde os ventos da liberdade sopram, pois mudar o local de um servidor é mais fácil que andar para frete, se comparado com produção.
  • Renan Merlin  01/09/2016 18:02
    A ONU faz coisa muito pior e não apenas na parte econômica. Escutando a radio hoje de manhã comissario da ONU praticamente ameaçou que o Brasil sofrera sanções caso reduza a maioridade penal.
  • Mr Citan  01/09/2016 18:55
    Redução da Maioridade penal na república bananense e expulsos da ONU?
    Seria alegria até demais!
    Quando a esmola é muita, o santo desconfia.
  • anonimo  01/09/2016 20:04
    Quase um sonho essa realidade. Mas para destacar essa situação é nada comparada as políticas ambientais e totalitárias vigentes na organização.
  • Mais Mises...  03/09/2016 00:24
    Cheguei a ficar alegre aqui viu!!!
  • Ernane  01/09/2016 22:40
    Eis porque a mentalidade sociopata deve ser combatida em todas as frentes.
    O artigo em si traduz como o pensamento esquerdopata é, sem sombra de dúvida, o atraso para humanidade. Gente que é infeliz do acordar e ao deitar.
  • Conservador  01/09/2016 22:59
    Tomara que os irlandeses também se separem da União Europeia.
  • Um Cão  02/09/2016 09:00
    Por que a Apple não move sua matriz para Suica? Além de ter impostos até menores sobre empresas em alguns cantões (12,32% por exemplo), não faz parte da união européia e também ironicamente, localiza-se no centro da europa!
  •   02/09/2016 10:00
    Senhores, uma dúvida.
    Muito do enriquecimento que a Irlanda teve não uma parcela de ajuda dos investimentos que o fundo da UE faz nos países mais pobres do grupo?
  • Américo  02/09/2016 12:32
    Se ajuda internacional realmente enriquecesse um país, então todo o continente africano seria uma potência. A Colômbia também.

    Nenhum país enriquece duradouramente sem reformas econômicas. O que gera riqueza é divisão do trabalho, poupança, acumulação de capital, capacidade intelectual da população (se a população for burra, a mão-de-obra terá de ser importada), respeito à propriedade privada, baixa tributação, segurança institucional, desregulamentação econômica, moeda forte, ausência de inflação, empreendedorismo da população, leis confiáveis e estáveis, arcabouço jurídico sensato e independente etc.
  • Rogerio Faria  02/09/2016 11:30
    Como se critica o Deutschland. É um povo/governo admiráveis. Os neoliberais tupiniquins não admitem isso, o que eles querem é o capitalismo do "jeitinho brasileiro", aquela que toca a nossa falida e desacreditada economia, mas vamos lá:
    1. O Banco Central alemão fiscaliza implacavelmente os atos financeiros do executivo a "mão de ferro", pois sabem bem o que significa o descontrole fiscal. Democracia sem economia forte torna o Estado inadiministrável. Este povo sabe bem o que isso significa, pois foram estas mazelas que serviram de trampolim para o NSDAP. Plagiando um estadista norte-americano, escrevo o seguinte: "O preço de uma economia forte e segura é a eterna vigilância do Estado"...
    2. A Irlanda, quando se filiou à UE, aceitou formalmente as suas determinações jurídicas. Se o governo quer conceder benesses às empresas multinacionais em seu território que faça, porém fora da Comunidade e aceite, também, o seu isolamento do continente.
    3. Temos algumas experiências mal sucedidas no Brasil na questão de benesses às empresas transnacionais. Muitas montaram parques fabris no Brasil com isenção de toda a natureza (municipal, estadual e federal) e com dinheiro do BHDES e, ao sinal da primeira crise, "deram o fora" deixando vários trabalhadores e governo " a ver navios".
    4. Gosto muito do "modus operandi" do governo chinês (os laisez faire de carteirinha vão ficar zangados). O Comitê Central incentiva e dá facilidades para as empresas se instalarem em seu território mas um dos CEOs destas precisa ser chinês. Perfeito, sabem o risco de empresas multinacionais gerirem à vontade os seus negócios, são vorazes nas remessas de lucro e guerreiras em conseguir incentivos fiscais e flexibilização nas leis trabalhistas.
  • Willhelm  02/09/2016 12:30
    Do que você está falando, cidadão? Não só o artigo acima nada -- nada! -- fala sobre a Alemanha, como também este site é pródigo em elogios ao país. Exemplos:

    Vamos culpar os alemães!

    A situação europeia e a hegemonia da Alemanha

    Como se deu o milagre econômico alemão do pós-guerra

    Quando é do interesse de ideólogos, a Alemanha vira keynesiana

    A crucial diferença entre o mercado de trabalho na Espanha e na Alemanha

    Quando a moeda morreu na Alemanha

    Ah, e entenda o mínimo do mínimo sobre neoliberalismo. Libertários nada têm a ver com essa estrovenga. Mises foi um consistente defensor do laissez-faire, que nada tem a ver com os intervencionismos propagados pelo neoliberalismo, os quais são insustentáveis e levam a desarranjos graves.

    Um resumo honesto, e ao mesmo tempo completo, sobre o que é neoliberalismo (mistura de social-democracia, keynesianismo e alguma liberdade de mercado em termos estritamente microeconômico) já foi resumida aqui:

    www.mises.org.br/Article.aspx?id=920
    www.mises.org.br/Article.aspx?id=1775

    É cada ignaro -- e arrogante -- que surge aqui...
  • rlpda  02/09/2016 14:57
    Acho que o senhor Rogério Faria leu rápido demais o artigo (ou deixou sua verve estatista ignorar o que está escrito). O autor aponta que as "determinações jurídicas" da UE são na direção de "harmonizar" as taxas de impostos entre os estados-membros e que a "Comissão não tem a competência para emitir éditos acerca da política fiscal de um estado-membro", portanto não há impedimento para a Irlanda "conceder benesses às empresas multinacionais em seu território". O ponto do artigo é que ao invés de harmonizar por baixo as taxas e impostos em outros países a Comissão prefere que a Irlanda aumente seus impostos. Ou seja, vai contra uma medida que comprovadamente AUMENTOU a renda per capita do cidadão Irlandês!
    Sobre seu último comentário, fiquei curioso em saber quem o senhor gostaria de ver indicado pelo Comitê Central Brasileiro para CEO de uma multinacional: José Sergio Gabrielli? Guido Mantega? Dilma Roussef? Edison Lobão?
  • ROQUE EUGENIO  02/09/2016 16:03
    "IMPOSTO TABELADO"

    Poder-se-ia dizer que a
    COMUNIDADE UE,
    A SOCIEDADE COMUNITARIA UE,
    O COMUNITARISMO UE,
    O COMUNISMO DECISÓRIO UE,
    decretou o TABELAMENTO DE IMPOSTO na UE.Que coisa!!! Já vimos este filme,mudaram os nomes, os eufemismos para repetir a tragédia.Inglaterra e Irlanda 100% certos, cada um cuida muito melhor de si.
    Só falta mandarem "buscar boi no campo" por lá também.
    Só não vê quem não quer,ISTO TERMINA COM A COMPETIÇÃO,MOLA MESTRA DO PROGRESSO,QUE FUNCIONA NA NATUREZA,animais e vegetais tem programa para competir,daí o aprimoramento,o progresso,o avanço da inteligência(Darwin).
    Planto florestas, e observo até as arvores se mexem,se deslocam no solo ao longo do tempo ,para melhor se posicionar (fixação,solo e nutrição),cada ser procurando melhores condições existenciais para si,então o COLETIVO,O CONJUNTO,A SOCIEDADE VAI BEM.
    TABELAR IMPOSTOS SÓ SERVE AO PAÍS MAIS VAGABUNDO,MENOS ESFORÇADO,MAIS FOLGADO,É CONTRA A ORDEM ÓBVIA DAS COISAS.
    A Irlanda cuidou de si e sobreviveu, ponto!

  • Rogerio Faria  04/09/2016 19:45
    Roque Eugênio, gostei do seu texto, o qual reproduzo abaixo:
    "Só não vê quem não quer, ISTO TERMINA COM A COMPETIÇÃO, MOLA MESTRA DO PROGRESSO QUE FUNCIONA NA NATUREZA, animais e vegetais tem programa para competir, daí o aprimoramento, o progresso, o avanço da inteligência(Darwin)."
    A pergunta chave É; ONDE FICA DEUS NESTA HISTÓRIA? COMPARAR O HOMEM ("SER DIVINO") COM ANIMAIS E VEGETAIS NÃO É UMA BLASFÊMIA?
    As ciências econômicas tem um viés sectário e dogmático, talvez aí esteja uma das causas que suas teorias falharem, ou seja a de não terem uma visão ecológica.
  • Roque Eugenio  05/09/2016 03:13
    Olá Rogério eu não inseri a "variavel" DEUS, que é um conceito subjetivo e particular de cada individuo,e DEVE SER RESPEITADO SEJA QUAL FOR, o conceito ou o Deus,ALÁ,outros ; ninguém usa Deus para explicar os assuntos terraqueos ,financeiros mas vou tentar, caso tivesse que explicar a "variavel" DEUS, interagindo na economia, eu diria que se manifesta atraves das leis da FISICA (ex.:assim como a materia atrai a materia,......assim também o capital atrai o capital...), da ciência matemática ferramenta da fisica, pelo LIVRE ARBITRIO DE CADA INDIVIDUO OU "SER DIVINO" como acha o sr.
    Conforme a estrutura cultural de cada individuo ,que sr chama de "SER DIVINO", (nem todos adjetivam assim,e TEMOS QUE RESPEITAR PARA SERMOS RESPEITADOS) vai agir de um modo ou de outro influenciando como perdulario,gastador,ou poupador,empreendedor, ou cabeça de socialista,comunista etc... dotado de livre arbitrio decidir.
    Na natureza não há nada igual "IGUALITARIO" nem pedra,nem animal nem vegetal,e por isso os resultados são diferentes para cada ser ,vegetal ou animal,conforme a genetica , as circunstancias em que se encontram.

    Quanto a BLASFEMIAS, cada cultura religiosa, tem a sua TABLITA DE BLASFEMIA,para uma cultura algo é blasfemia,para outra o mesmo algo não é,então de jeito nenhum vou comentar,um tal de SAMUEL, e lá na França andaram comentando e se deram muito mal, pelo que me desculpe o amigo.
    Quanto a DEUS COMO É QUE FICA,acho que depende do conceito de Deus, se Deus inventou o homem ou o homem que inventou Deus,portanto "deixo passar"...
    Uma passagem bíblica, alguem tentou misturar finanças,economia com assuntos de Deus,e recebeu a seguinte resposta:
    -A DEUS O QUE DIZ RESPEITO A DEUS, A CEZAR O QUE DIZ RESPEITO A CEZAR.
    Rogerio,obrigado por me questionar,se me questionam,logo existo, que bom!



  • saoPaulo  05/09/2016 08:47
    WTF?
  • Bode  02/09/2016 22:08
    A União Européia esta dando um tiro no pé, literalmente. Os irlandeses vão repensar a permanência no bloco; a conferir.
  • Sergio  02/09/2016 22:52
    "A Comissão Europeia obrigou a Apple a devolver ao governo irlandês 13 bilhões de euros."
    Como devolver algo que não foi pago?
  • Colin  02/09/2016 23:57
    Na mentalidade estatista, dinheiro de imposto é dinheiro que pertence ao governo. Se uma empresa não pagou a quantidade de impostos que os estatistas consideram "justa" -- mesmo que o próprio governo tenha consentido com isso --, então essa empresa se apropriou de algo que não era dela.

    Logo, ela tem de devolver.

    Sim, o estatismo atrofia o QI e a lógica.
  • Giovana Depicoli  03/09/2016 01:10
    Eu não sou ninguém pra falar, me corrijam se eu estiver errada, mas vamos lá.
    A Irlanda de certa maneira se beneficia de estar na UE, primeiro que isso lhe garante uma moeda forte e confiável que é o euro, convenhamos. Existem regras para se fazer parte da UE (ruins, eu sei) mas se a Irlanda quis entrar na UE é porque ela aceitou essas regras e porque viu vantagem em estar na UE. Diferentemente da Grã Bretanha e da Alemanha, os países que só se prejudicaram estando na UE, a Irlanda assim como outros países periféricos se beneficiaram pelos motivos que eu apresentei nas primeiras linhas.
    Vamos pensar mais ou menos assim, se de repente Canadá, EUA e México formassem uma União da América do Norte igual a Europa, não tenho dúvidas de que o México se beneficiaria muito. A Irlanda cresceu porque fez a lição de casa, mas ter uma moeda forte garantida por nada mais nada menos que uma Alemanha no mínimo é uma bela de uma mão na roda, portanto a Irlanda meio que está cuspindo no prato em que comeu, e isso é ótimo.
    Enfim, que sirva de lição para a UE e que ela acabe de uma vez.
    Fica o link de uma palestra muito legal sobre a UE, é do Instituto Rothbard:
    https://www.youtube.com/watch?v=1palgVUREMk
  • Huerta  03/09/2016 01:44
    Giovana, seu erro está em confundir zona do euro com União Europeia.

    Sim, o que você falou sobre a moeda forte ser benéfica para a Irlanda está corretíssimo. Assim como também foi benéfica para Portugal e Espanha. Há, inclusive, um artigo inteiramente sobre isso neste site:

    Em defesa do euro - uma perspectiva austríaca

    Agora, as regras ignaras impostas pela União Europeia e pela Comissão Europeia em nada ajudam o país. É isso o que arrebenta a Europa. A moeda é boa, mas os burocratas e suas regras acabam com tudo.
  • pedro  04/09/2016 01:27
    A UE armou uma arapuca. Se a Irlanda sai, as empresas que foram para lá perdem o mercado europeu. Assim, não adianta ter uma aliquota baixa na Irlanda e ser taxada para colocar o produto na comunidade. A atração que a Irlanda causa não é só por causa da aliquota baixa, mas também pelo acesso ao mercado europeu, gosando dessa alíquota. A situação ficou dilemática. Se correr o bicho pega, se ficar o bicho come.
  • NATALIA  04/09/2016 01:36
    O que acham desse canal e desse cara prestando homenagem ao túmulo do Stalin?
    https://www.youtube.com/watch?v=fDeZacHrmYA
  • pedro  04/09/2016 01:38
    Vamos pensar.Vários países da Ásia estão crescendo a taxa tão superiores à média européia que é uma questão de decádas a Europa perder poder relativo e começar a comer poeira. Eles estã colocando em risco, com o socialismo europeu, a superioridade que apresenta até agora, por cerca de cinco cédulos, a Civilização Ocidental. A política socialista vai jogar o Ocidente em uma situação difícil. Já noto, aqui nos Estados Unidos, a influência negativa de uma forte parcela da comunidade latina. Essa parcela vem para aqui mas não consegue se desvencilhar do populismo latinoamericano. Os candidatos para se viabilizarem já estão fazendo prromessas muito parecidas com os políticos daí que já conhecemos. A coisa é seria.
  • pedro  04/09/2016 01:55
    Giovana, nenhum país para ter moeda forte precisa estar na UE (Suiça é um exemplo), basta ter políticas econômicas corretas.


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.