clube   |   doar   |   idiomas
"Todos os brasileiros adoram futebol" - logo, há algo de errado comigo


Após a Copa, a Arena Amazônia será o palco de populosos e rentáveis jogos, como Rio Negro x São Raimundo
Morando no Canadá, uma das primeiras perguntas que me fazem quando descobrem que sou brasileira é: "Você deve estar muito empolgada por estar sediando a Copa do Mundo, não?  Você gosta muito de futebol?"

No íntimo, sempre quis dar a seguinte resposta: "É claro que estou muito empolgada e é óbvio que gosto muito de futebol!  Assim como absolutamente todos os canadenses amam xarope de Maple e comem donuts na arena de hóquei, absolutamente todos os brasileiros amam futebol.  Não é óbvio?"

No entanto, dado que sempre opto pela resposta educada e verdadeira — não e não —, tais encontros sempre acabam em situações embaraçosas, pois meus interlocutores aparentemente imaginam ser inconcebível encontrar uma brasileira que, além de não gostar de futebol, definitivamente não está torcendo pelo Brasil.

Até onde sei, não importa quem seja o campeão da Copa, os perdedores serão os brasileiros.  E, como sempre ocorreu na história do país, os mais pobres e os mais vulneráveis serão os mais atingidos.

Para mim, é difícil entender como um país com um PIB per capita de US$11.340 sediou a mais cara Copa do Mundo da história, estimada em US$11,3 bilhões

"Ei, mas a Copa irá trazer um número suficientemente grande de turistas para estimular a economia e compensar todos estas gastos governamentais!  Logo, não há com o que se preocupar!"  Acontece que, segundo estimativas do próprio governo (o mais interessado em inflar os números), as receitas geradas por turistas serão de aproximadamente US$3 bilhões.  Ou seja, ainda faltarão US$8,3 bilhões para fechar o rombo. 

Mas a encrenca é ainda maior: a Federação do Comércio de São Paulo estima que, em decorrência de feriados e da dispensa de trabalhadores para acompanhar os jogos da Seleção, os prejuízos em termos de produção podem alcançar US$14 bilhões.

Ou seja, somando-se os prejuízos gerados pelos gastos públicos e os prejuízos com a produção, podemos chegar a um prejuízo total de US$22,3 bilhões.  Trata-se de uma conta de US$112 por cidadão brasileiro em um país em que 11% da população vive com menos de US$2 por dia.

Políticos desviaram dinheiro de impostos para construir estádios que não trarão serventia para ninguém (exceto para as empreiteiras que os construíram, é claro).  Manaus, cidade cujo Índice de Desenvolvimento Humano coloca em 850ª entre as cidades brasileiras, possui agora um estádio que custou US$300 milhões (quase R$700 milhões), e que, após a Copa do Mundo, não mais será utilizado em sua capacidade, tornando-se um genuíno elefante branco.  Ótimo uso do dinheiro dos pagadores de impostos.

Sediar a Copa do Mundo realmente levou a um grande uso dos recursos públicos.  Um país com infraestrutura calamitosa, hospitais em ruínas, e um sistema educacional precário finalmente recebeu o estímulo de que precisava.  Obrigada pelo estímulo, FIFA!

Ah, mas a coisa fica ainda melhor.  Além de termos o iPhone mais caro do mundo, de ofertarmos quartos de hotel sem janela por US$250 (R$575) por noite, e de fabricarmos carros que, quando vendidos no Brasil, custam o dobro do preço de quando vendidos no exterior, o Brasil já é classificado como um dos países mais caros do mundo.  Somente as ricas Noruega, Suécia e Suíça, bem como a disfuncional Venezuela, conseguem apresentar custos de vida mais altos. Pelo menos neste ranking estamos no topo.

E agora, graças ao aumento na demanda por bens e serviços em decorrência da Copa do Mundo, a inflação de preços oficial acumulada em 12 meses chegou a 6,4%.  Isso é apenas 0,1 ponto percentual abaixo do teto da meta estipulada pelo próprio Banco Central.  Um país que já oferecia uma moeda com um baixo poder de compra agora o faz a uma taxa 6,4% pior.

É o novo panem et circenses.  Ou talvez seja panem et morbi.  As classes média e alta, cujos impostos pagos chegam a 36% do PIB — sendo que em países similares mal chegam a 21% —, e os pobres, que são os mais severamente atingidos pela carestia dos alimentos, devem estar empolgadíssimos.  Não sei por que eu não estou.  Talvez eu não seja devidamente patriota.  Ou vai ver é porque eu odeio futebol.


0 votos

autor

Larissa Flister
é economista, formada na Unisinos, e também bacharel em Administração pela Santa Fe College, nos EUA.  Atualmente, faz pós-graduação na University of Regina, em Regina, na província de Saskatchewan, Canadá.  Suas pesquisas acadêmicas cobrem tópicos majoritariamente relacionados a políticas públicas, políticas anti-drogas, economia do desenvolvimento e microeconomia.
 

  • Luana Oliveira  03/07/2014 14:23
    E o pior nisso tudo é verificar que o PT está trilhando direitinho o caminho para permanecer pelo menos mais oito anos no poder. Dilma 2014 e Lula 2018. Incrível como a estratégia foi bem pensada e está funcionando: temos a "Copa das Copas", um povo apaixonado por futebol, patriota e se a seleção brasileira for campeã então, tudo certo para o PT.

    Ainda acham que futebol não tem nada a ver com política?
  • Douglas  03/07/2014 18:15
    Fica tranquila Luana, o Brasil não ganha essa copa de jeito nenhum....
  • Carlos Prado  04/07/2014 13:59
    Uma hora eles largam o osso para a bomba explodir na mão de outros. Aí eles voltam com força total.
  • Igor  06/07/2014 21:29
    E o pior ainda são as pessoas "pensantes" que nas manifestações difamaram a copa, são hoje eles que estão sentados nos estádios colaborando com o progresso de toda essa corrupção.
    Me enche de tristeza maior ainda, ver as pessoas pobres gastando o que não têm para "torcer" pela pátria.
    Infelizmente o Brasil é um país de pessoas hipócritas e totalmente ignorantes, que não estão se lixando para suas péssimas condições de vida mas se matam por causa de um jogadorzinho!
    Olha, não vejo mais uma luz no fim do túnel. Tenho esperanças ainda, mas sem nenhuma confiança nesse povo!
  • americo ayala jr.  03/07/2014 14:28
    Subscrevo. Depois reconheço a firma em Cartório (sim, ainda temos isto no Brasil!).
  • Poncio  04/07/2014 18:21
    Esta semana estive na Acesp para cumprir a obrigação de uma vez por ano emitir um Certificado Digital onde fiquei 6 horas na burocracia sistêmica e me ofertaram um Carimbaso $$$ para ganhar tempo. Perda de tempo nos meios de produção no todo, sem falar do voraz Markisismo CARIMBASO.
  • Mayke Oliveira  03/07/2014 14:34
    Este país é uma piada, seus governantes são carrascos e a maioria da população é analfabeto funcional, contentam-se com o imediatismo de uma alegria absurda gerada por uma reles partida de futebol, enquanto os assuntos importantes são colocados em pauta secundária.
  • Dasein  03/07/2014 14:47
    Não gostei muito da abordagem do texto. Ele enfoca em pontos que desviam o verdadeiro enfoque. Me refiro a corrupção. O fato é que mesmo sem ela, os serviços não seriam eficientes. É útil aos próprios políticos alardearem esquemas de corrupção para parecer que o intervencionismo tem algo de importante, mas o intervencionismo é inerentemente ruim.

    Também não gostei muito de alguns conceitos que se tornaram clichê, como "panem et circenses", também há um certo "estereótipo" do vira-lata em seu texto. Particularmente acho que isso só desvia do principal.

    Alguns dados mostrados foram interessantes, porém deixam na dúvida. Só US$3 bilhões entram no Brasil, porém, o que importa é só o capital estrangeiro que entra? O comércio local não conta?


    E esse negócio de "derrepente" falar de iphone? What?


    Bom, é o primeiro artigo no mises.org pelo visto, acredito que tem potencial para melhorar. Claro que tem muita gente aqui que só quer ver o estado sendo xingado, mas tem gente que simplesmente procura fatos, estatísticas honestas e reflexões econômicas.
  • Dasaev  03/07/2014 15:43
    "Ele enfoca em pontos que desviam o verdadeiro enfoque. Me refiro a corrupção. O fato é que mesmo sem ela, os serviços não seriam eficientes. É útil aos próprios políticos alardearem esquemas de corrupção para parecer que o intervencionismo tem algo de importante, mas o intervencionismo é inerentemente ruim."

    O texto em momento algum faz ilações sobre corrupção. Pode procurar. Ele se concentra em gastos do governo e em prejuizos para a indústria. A sua acusação não apenas foi açodada, como também foi infundada, deixando-lhe a descoberto (ou você não sabe ler ou quis apenas caluniar a autora).

    "Também não gostei muito de alguns conceitos que se tornaram clichê, como "panem et circenses", também há um certo "estereótipo" do vira-lata em seu texto. Particularmente acho que isso só desvia do principal."

    Em primeiro lugar, cabe a você provar que não está havendo nada relativo a pão e circo. Em segundo lugar, difícil haver coisa mais clichê do que acusar alguém de sofrer de "complexo de vira-latas". Difícil imaginar acusação mais preguiçosa do que essa. "Li algo de que não gostei? Ah, então o autor é um vira-latas!". E sai bate do no peito, achando-se o supra-sumo da intelectualidade.

    "Alguns dados mostrados foram interessantes, porém deixam na dúvida. Só US$3 bilhões entram no Brasil, porém, o que importa é só o capital estrangeiro que entra? O comércio local não conta?"

    Os dados são para rebater a alegação do governo de que os gastos dos turistas estrangeiros aqui contrabalançarão todos os custos da Copa. Mais atenção na leitura.

    "E esse negócio de "derrepente" falar de iphone? What?"

    A sua interpretação de texto é falha. Não foi "derrepente". O trecho falava sobre carestia e sobre o fato de o Brasil ser um dos países mais caros do mundo, algo que vem se intensificando ainda mais com os últimos IPCAs. Mais atenção na próxima.

    "mas tem gente que simplesmente procura fatos, estatísticas honestas e reflexões econômicas."

    Fatos e estatísticas honestas foram apresentados, e com todas as devidas fontes. Já as interpretações econômicas ficam a cargo dos leitores mais capacitados.
  • Dasein  03/07/2014 16:04
    Eu li "Os políticos desviaram dinheiro dos impostos", entendi como corrupção, não foi nenhuma tentativa de caluniar, foi minha sensação na hora. Mas admito que o andamento do texto não dá essa conclusão.

    Mas ficou muito estranho. Muitas taxas já garantem que o dinheiro arrecadado vá para determinados setores, porém, o imposto é uma "posse do estado", onde ele pode investir onde quiser(não que eu concorde com isso, mas não há legislação para todas as taxas como já falei).

    Não vou comentar o resto, concordo um pouco ou o mínimo para não achar que compense rebater.


    O pior foi falar que "eu me acho O intelectual". Minha intenção em fazer esse comentário é dar um feedback aos colunistas. Você não acredita que o consumidor tem poder de decisão no produto? Então, de certa maneira, os leitores são consumidores. Falei o que gostaria de ver, não vim aqui me exibir nem nada disso. Deixa disso caro, as pessoas não são mal-intencionadas desse jeito.
  • Maycon  03/07/2014 17:15
    Concordo com Dasaev respondendo ao Dasein. O cara interpretou tudo errado e sai arrotando superioridade batendo no peito. Bem engraçadinho.
  • Larissa Flister  03/07/2014 15:55
    Dasein,

    Dasaev comentou melhor do que eu mesma poderia comentar. Adiciono uma coisa: e meu primeiro texto traduzido para o português, pois normalmente posto no site Canadense. Sinta-se a vontade para ler os demais textos:

    mises.ca/posts/author/larissa-flister/


  • Marcelo Werlang de Assis  03/07/2014 18:00
    Interessante... Eu nem sabia que um Instituto Mises existia no Canadá!

    Que bom! Espero que o globo inteiro fique recheado de Institutos Mises!

    Amplexos!
  • mauricio barbosa  03/07/2014 19:09
    Larissa Flister não há nada de errado de você não gostar de futebol,isso é compreensível,agora o que é errado é os intelectuais quererem chamar quem gosta de futebol de idiota,inocente útil e outros adjetivos pejorativos como se o futebol fosse a causa de corrupção,ora ora com estado ou sem estado todos nós amantes do futebol continuaremos apreciando e quanto a corrupção ela existirá enquanto existir o estado,portanto a culpa é da instituição e não do esporte e quanto as picuinhas de alguns libertários de acusar os outros libertários que gostam de futebol de alienados ela não tem cabimento pois é a mesma coisa de uma arma é ela que mata ou são as pessoas que se matam,quanto ao seu outro artigo sobre a existência de trabalho vergonhoso no Mises Canadense está impecável,meus parabéns.
  • Larissa Flister  04/07/2014 14:39
    Oi Mauricio,

    Obrigada pelo feedback. Na realidade, nao odeio futebol. O texto foi em um tom sarcástico, pois assim que falo que sou contra a copa, as pessoas assumem imediatamente que so pode ser que odeio futebol. Não entendem que minha oposição se da por todos os motivos listados no texto.

  • Ismael Bezerra  04/07/2014 21:49
    Agora eu entendi, amo futebol, sou torcedor apaixonado do Palmeiras e Liverpool,ODEIO políticos, ODEIO dirigentes de futebol.
  • Rafael  03/07/2014 16:34
    Juro que não entendi esse ponto:

    "Me refiro a corrupção. O fato é que mesmo sem ela, os serviços não seriam eficientes"

    Qual a solução então?
  • Andre  03/07/2014 18:21
    "Qual a solução então?"

    Anarcocapitalismo. Tudo privado.

    www.mises.org.br/FileUp.aspx?id=99

    www.mises.org.br/Article.aspx?id=300

    Só lendo vários artigos para entender.

    Até porquê, depois de passar mais de 10 anos sofrendo lavagem cerebral na escolha para ser convencido de que o estado é essencial não é fácil aceitar sequer a possibilidade de um novo paradigma.

    Provavelmente na época que os abolicionistas estavam propondo o fim da escravidão eles enfrentavam as mesmas reações.

  • Dasein  03/07/2014 19:28
    Ora Rafael, no liberalismo econômico defendemos livre-mercado, empresas privadas e sem regulamentações, ou com regulamentações próximas de zero.

    Não foi o caso desse texto, mas geralmente se fala que o Brasil vai mal pela corrupção. A verdade é que vamos mal pois tudo tem tantas regulamentações e burocracias, assim fica difícil empreender aqui.
  • Malthus  03/07/2014 19:44
    O IMB jamais caiu na esparrela de dizer que "o problema é a corrupção". Aliás, não há aqui nenhum artigo que diga que todos os problemas do Brasil serão resolvidos tão logo acabe a corrupção. Isso é coisa de gente que não tem o mais mínimo conhecimento de economia.
  • Rafael  03/07/2014 14:48
    O problema é que vc cometeu o erro crasso de analisar os fatos pela lógica fria dos números...aqui no Brasil não se dá muita bola pra esse tipo de "detalhe",o importante é novela,carnaval,futebol,e pão e circo.

    P.S:gosto de futebol.
  • mauricio barbosa  03/07/2014 14:53
    Não sou petista,sou apartidário igual a qualquer libertário e não estou torcendo para ninguém,político para mim é tudo igual e democracia é um blefe, quanto a copa do mundo gosto de assistir e a fifa é uma entidade privada que faz exigências a qualquer país por uma causa muito simples a demanda para sediar uma copa do mundo é enorme é mais uma prova de que a lei da oferta e da procura é inquestionável,ora os países(seus governantes)disputam entre si quem dará mais benesses ao evento e então a fifa escolhe aquele que oferecer e fizer a melhor proposta,economia de mercado neles fifa etá!que beleza que é esta lei.Voltando a vaca fria os elefantes brancos e demais gastos infelizmente pagaremos,mas este valor é fichinha frente a outros gastos e desperdícios da União e é uma pena que a fifa faça negócios com estes governantes aparecidos e a unica coisa que me entristece nisto tudo é ver meu esporte predileto ser usado para PÃO E CIRCO dessa maneira,mas como passatempo devo dizer que curto muito esse evento e os políticos continuaram deitando e rolando encima de nós,mas isso ele faram com copa do mundo ou sem copa do mundo...
  • Jorge Ceratti  04/07/2014 03:24
    Cômico que você admita que o esporte (futebol) virou pão e circo, mas, paradoxalmente, afirma que continuará a pagar pelo circo e a comer do pão. Se tem consciência disso, porquê então tanta preocupação e determinação em defender seu passatempo preferido, visto que é somente um "passa" e "tempo", como você mesmo diz? É necessário que todos saibam que você adora um futebol? Precisa do apoio de outros para se sentir bem e confiante em relação aos seus próprios gostos? O que um simples texto aqui no Mises fará com o seu amado futebol? Irá destruí-lo? Sente que esse texto poderá priva-lo de seu passatempo preferido?

    P.S.: Desconfio de quem já sai dizendo "não sou petista"... Pois geralmente são.
  • mauricio barbosa  04/07/2014 15:26
    Mais um me interpretando mal...É duro ter de defender uma posição e ser acusado do que não sou,meu caro comentarista há dois anos faço comentários neste precioso site e nosso caro moderador tem tido o bom senso de selecionar aquilo que é pertinente e o que não é,agora quanto a sua crítica ela não tem cabimento pois cadê a liberdade de expressão quer dizer então seu libertário sabichão eu não posso comentar meu gosto pessoal pois isso irá ferir seu sentimento anti-futebol,ora meu caro cresça e apareça onde é que está meu erro em assumir que o espetáculo da copa do mundo é atraente e sedutor e que eu saiba não estou sendo enganado pois não sou idiota e alienado haja vista estou aqui debatendo com todos de igual para igual quanto a afirmação de que sou petista eu usarei quantas vezes for necessária pois você é que está parecendo paraquedista por aqui pois não me lembro de nenhum Jorge Ceratti(sem ressentimentos)defendo minhas preferências quantas vezes for necessário pois sou libertário e seria hipocrisia esconder que gosto de assistir a copa do mundo,agora é lógico que não sou nenhum deslumbrado por este evento está sendo disputado em terras tupiniquins eu só detesto é ver intelectuais que detestam esportes se acharem superiores a quem gosta e achar que todo apreciador do futebol é otário,idiota,inocente útil e outros adjetivos pejorativos cometendo sempre o pecado da generalização,portanto moderação é bom e todo mundo gosta papudo...
  • mauricio barbosa  04/07/2014 17:52
    obs: Desculpe-me defenderei minhas opiniões quantas vezes achar necessário e o IMB mer der espaço e voz...
  • Daniel  03/07/2014 14:53
    Quando vejo um artigo de economia cheio de "números" já fico desanimado. Não que algumas estatísticas não sejam apropriadas para corroborar o que o autor propõe, mas um artigo que se resume a isso passa uma impressão de puramente utilitário, ainda que não seja essa a intenção do autor e claramente não é a proposta do Instituto.
  • Paulo Armando  03/07/2014 15:29
    As condições de financiamento do BNDES, para a construção dos estádios, foram melhores do que os concedidos para a indústria. Para contratar empréstimos para a construção de hospitais, escolas, rodovias ... o estado ou prefeitura tinham que ter margem no limite de endividamento imposto pela Lei da Responsabilidade Fiscal, mas para tomar empréstimos para estádios, poderiam exceder os limites da LRF. Alguém acha que os endvidados estados brasileiros pagarão os financiamentos do BNDES? Como é que deixamos fazerem isso com nosso país?
  • Andre  03/07/2014 15:32
    Não conhecia esse site de estatísticas: data.worldbank.org/
    Sempre usava o www.tradingeconomics.com/ para fazer minha comparações.
    É bom ter mais um.

    Achei o artigo excelente, bem informativo.
    E quero lembrar que mesmo quem gosta de futebol sabe que essa copa está sendo um completo desperdício de dinheiro. Por isso nos estádios o público aplaude os jogadores ao mesmo tempo em que xinga e vaia a presidente.

    E em 2016 tem olimpíadas, muita grana vai ser torrada ainda.
  • Felipe Policarpo  03/07/2014 15:36
    Larissa, você não está sozinha.
    Para mim sensatez e ignorância ganharam novos significados e escalas de existência depois desta copa.
    Identificar panem e circensis deveria ser uma função cognitiva simples no nosso país, e chego a sentir um incômodo visceral em como uma bola consegue tornar as pessoas cegas, surdas e mudas.
  • Rod  03/07/2014 15:43
    Não concordo com essa parte do texto:

    "Mas a encrenca é ainda maior: a Federação do Comércio de São Paulo estima que, em decorrência de feriados e da dispensa de trabalhadores para acompanhar os jogos da Seleção, os prejuízos em termos de produção podem alcançar US$14 bilhões."

    Afinal, mesmo se a copa fosse em outro país, teríamos dispensas de trabalhadores para acompanhar os jogos da seleção (como ocorre em todas as copas em que o Brasil joga em horário comercial).
  • Sterling  03/07/2014 15:48
    Algumas prefeituras estão decretando feriado integral quando há jogos realizados na cidade. E há também aquelas que decretam feriado integral quando o Brasil joga na cidade, sendo que no resto do país a paralisação pode ser apenas temporária.

    Tudo correto no artigo.
  • A verdade  03/07/2014 19:41
    "Afinal, mesmo se a copa fosse em outro país, teríamos dispensas de trabalhadores para acompanhar os jogos da seleção (como ocorre em todas as copas em que o Brasil joga em horário comercial)."

    Então se uma coisa acontece em um país desenvolvido essa coisa está certa? Feriado obrigatório é algo inaceitável, deveria causar repúdio na população, e não apoio. Tem gente querendo mudar de vida, é inaceitável obrigar alguém a tirar férias. Pense 1 minuto sobre isso e verá o quanto isso é uma agressão a liberdade.
  • Dom Comerciante  03/07/2014 15:50
    E é assim que os governantes progressistas conquistam a população. Eu também não sou aficcionado em futebol, mas umas raras vezes assisto um jogo ou outro com alguém, só pra não "fazer desfeita"(mas só em raras ocasiões pois até que gosto da parte tática e dos números e estatísticas dos jogos). Mas definitivamente essa copa do mundo não me cativa em nada, pois sabendo hoje o que eu sei sobre política e economia, não tenho mas quase nenhum interesse pelo entretenimento esportivo, que no fim é só uma grande arma da propaganda política nacional e internacional. Mas devemos também separar o joio do trigo. É inútil atacar o esporte, taxando-o de panem et circenses, pois o futebol é só mas uma das inúmeras formas de entretenimento que existem e isso é natural ao homem. O problema está na simples existência da social-democracia e suas armas de propaganda direcionadas a todos os públicos. Os cartéis do futebol são apenas mas uma das muitas aberrações a que esse sistema irracional de governo levou.
  • Daniel costa  04/07/2014 13:53
    Dom,
    preciso o seu comentário. A Social democracia está por trás de todas estas instituições nefastas como a Fifa e órgãos da ONU. Libertários de toda a sorte devem mirar seus ataques precisamente à esta ideologia suja escravista, corrompe todos os esportes e é ela que ofusca a visão moral das pessoas.
  • Eduardo  03/07/2014 15:53
    Vale lembrar que a Copa do Mundo é apenas um caso particular da enorme destruição de riquezas que é promovida pelos gastos públicos.

    Às vezes tenho a impressão de que as pessoas tratam a Copa como algo muito excepcional em termos de prejuízos imensos, quando é possível apontar para dezenas de equivalentes aos prejuízos da Copa em vários setores do governo, mas que ocorrem todos os anos.

    A Copa foi apenas mais um que teve uma visibilidade maior.

    A o prejuízo da produção de riquezas com com o acúmulo de toneladas de regulamentações e leis tributárias; a destruição de riquezas com o aumento do confisco de riquezas pelo governo, as dezenas de ministérios e departamentos burocráticos absolutamente inúteis e recheados de funcionários ainda mais inúteis recebendo salários de empreendedores bem sucedidos, enfim...

    Por mais que a Copa seja uma festa de desperdício de recursos e uma orgia de corporativismo para os ricaços com conexões políticas, ano que vem, sem Copa, do começo ao fim do mês de Janeiro, os parasitas que estão conosco desde sempre já terão causado um prejuízo maior do que toda essa Copa foi. Muito mais sorrateiramente.

    Adiciono que pelo menos a Copa é divertida de assistir, se é para jogar dinheiro público fora.
    Antes isso do que o dinheiro público jogado fora em ministérios e burocracias empenhados em controlar cada vez mais aspectos das nossas vidas (só irão parar quando _tudo_ estiver gerenciado pelo estado), em nos pilhar, em criminalizar e regulamentar nossas atividades e m nos encher o saco.
  • Jose Roberto  03/07/2014 16:12
    Se pagasse e ficasse no 0 a 0... gastou US$11bi e entrou US$11bi na economia. Ainda assim foi dinheiro roubado nosso pra financiar um evento esportivo. Evento esportivo tem que ser 100% privado e pronto.

    Mas deixando de lado, fazendo o errado agora: Analisar de um ponto de vista de investimento. O Brasil foi escolhido em 2007 para realizar a Copa, então foram 7 anos de investimento nesse projeto. Um incrível prejuízo de mais de 73% em 7 anos! Isso que foi investimento, brilhantismo, o governo como empresário realmente é fascinante!
    Tanto recurso que teria sido bem aproveitado no mercado aplicado em 7 anos de gastos em coisas totalmente improdutivas que ainda fecharão com prejuízo de mais de 73%. O governo precisa manipular muito os números e mentir demais para as pessoas engolirem essa.
  • Marcos Pereira  03/07/2014 16:16
    A legenda da foto é ótima.
  • Carlos  03/07/2014 17:03
    Parabéns pelo texto. Excelente. Pena que pra pessoas como Jorge Furtado (zh.clicrbs.com.br/rs/entretenimento/noticia/2014/05/apos-declaracoes-de-wagner-moura-jorge-furtado-rebate-criticas-de-artistas-ao-pais-4502072.html) tudo vai muito bem obrigado. Ou como ele diz "muito melhor do que já foi".
  • anonimo  04/07/2014 16:52
    Mas o wagner moura tb é um que adora um governo grande e gastador...
  • Maurício.  04/07/2014 22:38
    Raros artistas tem vergonha na cara pra apontar o que está errado. A maioria prefere bajular os poderosos, pra garantir o seu bolsa-Ancine/bolsa-Rouanet.
  • Paulo  03/07/2014 17:04
    Imagine que seu chefe queira organizar uma festa junina na empresa em que você trabalha. Imagine que cada um deva contribuir com 100 reais para cobrir os gastos com a festa. Imagine que seu chefe seja daqueles que levaria para o lado pessoal se você não quisesse contribuir/participar.

    Veja que a situação acima é análoga à da copa do mundo, obviamente em outra escala.

    Perceba que a situação não é catastrófica, mesmo para aqueles que assumiram o possível ônus moral e "sonegaram" a contribuição/participação, ou para aqueles que se sentiram obrigados (e por isso foram de fato obrigados) a pagar e participar (ou não), mesmo "meio que" a contragosto.

    Alguns resmungarão. Outros divertir-se-ão. Outros não estarão nem aí. Mas todos estarão envolvidos, inevitavelmente, mesmo não querendo se envolver de maneira alguma.

    Ninguém é absolutamente livre na vida em sociedade. Esqueça essa ideia ou vire ermitão.

    Além disso, essas coisas de "circo" fazem parte da vida. Não é necessariamente "coisa de idiota". Todos precisam de pão. Todos precisam de circo.

    Sempre foi assim. Sempre será assim. Até o fim dos tempos.
  • Andre  03/07/2014 19:00
    "Imagine que seu chefe queira organizar uma festa junina na empresa em que você trabalha. Imagine que cada um deva contribuir com 100 reais para cobrir os gastos com a festa. Imagine que seu chefe seja daqueles que levaria para o lado pessoal se você não quisesse contribuir/participar.

    Veja que a situação acima é análoga à da copa do mundo, obviamente em outra escala."

    Se você não contribuir com a festa do chefe a única coisa que seu chefe pode fazer é te demitir, ou te encher a paciência e tentar te humilhar e tudo mais, mais nesse caso você pode se demitir.
    Daí é só arrumar outro emprego, considerando que você more em um país com livre mercado é bem fácil arrumar outro emprego:
    www.heritage.org/index/ranking

    Já se você não quiser contribuir com o governo você será sequestrado em enjaulado junto com ladrões, assassinos, estupradores e outra pessoas que cometeram crimes de verdade.
    E se resistir ao sequestro e enjaulamento poderá ser morto.

    Uma coisa é colossalmente diferente da outra.
  • Pedro  03/07/2014 19:45
    A analogia é perfeita.

    No case: você pode procurar outro emprego; na copa: você pode procurar outro país.

    No case: você pode não pagar (e viver as consequências); na copa: você pode não pagar impostos. Sim, você pode viver à margem da legalidade (tributaria) e ser apenas mais um no dito mercado informal. No Brasil real, ninguém vai te prender nem te matar por isso, ao contrario do que você disse. E digo mais, acredito fortemente que o tamanho relativo do mercado informal seja maior que a quantidade de não participantes em qualquer festa de empresa.

    Uma coisa é colossalmente semelhante à outra.
  • Carlos  03/07/2014 20:40
    Pedro eu quero fazer uma festa de 1 bilhão de reais e obrigar a população brasileira a pagar, eu posso?

    Se você responder que sim, seria algo imbecilmente esquisito!!!!
    Se você responder que não, você estraria em contradição pois disse que uma festa de mais de 1 bilhão pode.

    Continue contando suas historinhas para justificar o injustificável, provavelmente para defender seu emprego público, ou porque é tonto mesmo.

    (TEM COMO SER EDUCADO?)
  • Pedro  03/07/2014 21:07
    Carlos, respondendo a seu questionamento:

    "Pedro eu quero fazer uma festa de 1 bilhão de reais e obrigar a população brasileira a pagar, eu posso?"

    Sim, isso é possível. Veja, por exemplo, o caso de um país chamado Brasil, em que se organiza uma festa de nome Copa do Mundo FIFA, cujo custo supera bastante o valor dado.

    "Se você responder que sim, seria algo imbecilmente esquisito!!!!"

    Não vejo problema no seu modo de classificar a realidade. A opinião é sua.

    "Se você responder que não, você estraria em contradição pois disse que uma festa de mais de 1 bilhão pode."

    Não respondi que não.

    "Continue contando suas historinhas para justificar o injustificável, provavelmente para defender seu emprego público, ou porque é tonto mesmo."

    As analogias, metáforas, fábulas etc são recursos largamente utilizados para ajudar no entendimento de alguns pontos de vista ou até mesmo para ajudar a refutá-los, mesmo sendo inúteis em muitos casos, como parece ser este. Não inventei esse recurso. Não sei o que você quis dizer com "tonto" mas estou certo de que, ao longo da história, pessoas mais tontas e pessoas menos tontas que eu a utilizam e utilizaram.

    Supondo que eu tenha emprego público, realidade assumida por você: como uma postagem aqui poderia defendê-lo (meu emprego)? Você acredita nisso, mesmo? Ou isso é apenas algum tipo de piada interna aqui no Mises?

    "(TEM COMO SER EDUCADO?)"

    Aqui, não há certo ou errado. Cada pessoa reage a sua maneira aos estímulos recebidos. Minha opinião é que sim, há como ser educado.
  • aspone  03/07/2014 21:44
    Amigo, se vc ou alguém aqui não pagar impostos, tenha certeza que eu e meus colegas faremos de tudo para vcs cumprirem essa obrigação que vcs assinaram no contrato social.
  • Nilo BP  04/07/2014 04:05
    Só tem uma diferençazinha, bem pequena mesmo, quase não conta: você como empregado de uma empresa assinou um contrato, e a empresa não pode mudar esse contrato quando dá na telha sem a sua aprovação individual.

    Outro detalhe relacionado e igualmente irrelevante é que quando um empregado tem uma disputa contratual com a empresa, ele pode buscar arbitragem de terceiros, afinal de contas seria ridículo dar à empresa o poder de julgar conflitos em que ela própria é uma parte interessada, né? Pois é.

    Outra coisinha insignificante é que uma empresa tem título de propriedade sobre aquilo que ela comprou, ganhou, ou produziu. Ela não desenha linhas num mapa e declara que todos os habitantes da área demarcada são, de agora em diante, seus empregados, bem como as crianças que lá nascerem.

    Mas, não obstante essas objeções menores, concordo que o governo pode ser comparado a empreendimentos privados de renome, como a Máfia e o PCC, que de fato têm um modus operandi bastante similar.
  • Andre  04/07/2014 12:13
    "No case: você pode procurar outro emprego; na copa: você pode procurar outro país."

    Suponhamos que você fuja para outros país.
    Nunca mais você poderia voltar ao Brasil, nem como turista, pois correria o risco de ser sequestrado e enjaulado. Mas se você pedir demissão da sua empresa você ainda pode ir lá na porta da empresa conversar com seus ex-colegar de trabalho que ninguém vai te sequestrar e enjaular. E talvez você até possa entrar, se sua empresa for uma dessas empresas que atender ao público, como um supermercado, por exemplo, que mesmo assim os funcionários do supermercado não irão te sequestrar e enjaular.

    "No Brasil real, ninguém vai te prender nem te matar por isso, ao contrario do que você disse. E digo mais, acredito fortemente que o tamanho relativo do mercado informal seja maior que a quantidade de não participantes em qualquer festa de empresa."

    Uma coisa é colossalmente semelhante à outra."

    Não sei em que Brasil real é esse que você vive, no que eu vivo as pessoas são presas por sonegar imposto sim:

    g1.globo.com/espirito-santo/noticia/2014/05/empresarios-sao-presos-por-sonegacao-de-impostos-no-es.html
    noticias.r7.com/minas-gerais/operacao-termina-com-seis-presos-suspeitos-de-sonegar-impostos-em-minas-gerais-11122013
    www.administradores.com.br/noticias/negocios/o-que-pode-acontecer-com-quem-sonega-impostos/29312/
    https://www.google.com/webhp?sourceid=chrome-instant&ion=1&espv=2&ie=UTF-8#q=preso%20sonega%C3%A7%C3%A3o%20de%20imposto

    Claro que o estado não perde muito tempo prendendo camelôs, mas apenas porque não há muito dinheiro para roubar deles.
    Só que, se você tem que viver como camelô para não ser pego, sem nunca poder expandir seus negócios então isso é uma prova de que você está vivendo sob a ameaça de ser preso constantemente. Apenas ocorre que a probabilidade de você ser preso é diretamente proporcional aos tamanho dos seus lucros.
    Pois todo ladrão tem preferência por maximizar o espólio em cada operação de roubo.
  • Paulo  04/07/2014 14:02
    Você quer dizer que ALGUMAS pessoas são presas por sonegar imposto. Pesquisa aí o tamanho do mercado informal no país e você vai ver que o número dos que sofrem algum tipo de punição é irrisório.

    "Claro que o estado não perde muito tempo prendendo camelôs, mas apenas porque não há muito dinheiro para roubar deles."

    Perde sim, o RAPA tá sempre de olho. E sim, há muito dinheiro pra roubar deles. Garanto que tem muito camelô faturando mais que juiz por aí. Qualquer ponto de venda de 2 metros em feirinha por aí é mais caro que apartamento que FP se pendura pra pagar em 35 anos. E o pobre camelô paga em dinheiro. O país em que vivo é esse.

    Aliás, ainda bem, né?, que tanta gente consiga se livrar das garras do estado, não é mesmo? Devemos ficar felizes por esse povo?
  • Andre  04/07/2014 17:29
    "Aliás, ainda bem, né?, que tanta gente consiga se livrar das garras do estado, não é mesmo? Devemos ficar felizes por esse povo?"

    Eu sempre fico feliz quando alguém consegue fugir de um ladrão.
  • Carlos Prado  04/07/2014 14:08
    Entra quem paga. Não é assim que festas funcionam? A festa tem que ser coberta pelo preço da entrada. Se não fechar a conta o ônus cai sobre o organizador que planejou mal o evento. Por que todos deveriam pagar, independentemente de usufruírem ou não?
  • DiegoR  03/07/2014 18:01
    Os jogos olímpicos de 1984 foram o exemplo de como grandes eventos esportivos podem ser feitos pela iniciativa privada:

    gizmodo.uol.com.br/licoes-olimpiada-bem-sucedida/
  • João Duarte  03/07/2014 18:11
    Sinto muito que você não gosta de futebol. Eu gosto muito.

    Li no seu perfil que você economista, formada na Unisinos. Não vi o último ranking, mas pelo que eu sei a FGV está um pouco a frente da Unisinos.

    Segundo o estudo realizado pela FGV e a Ernst & Young, instituições privadas, a Copa do Mundo de 2014 produziu um efeito cascata surpreendente nos investimentos realizados no País. Além dos gastos de R$ 22,46 bilhões no Brasil relacionados à Copa para garantir a infraestrutura, e a organização, a competição injetou, adicionalmente, R$ 112,79 bilhões na economia brasileira, com a produção em cadeia de efeitos indiretos e induzidos. No total, o País movimentou R$ 142,39 bilhões adicionais no período 2010-2014, gerando 3,63 milhões de empregos-ano e R$ 63,48 bilhões de renda para a população, o que vai impactar, inevitavelmente,o mercado de consumo interno.Essa produção também ocasionou uma arrecadação tributária adicional de R$ 18,13 bilhões aos cofres de municípios, estados e federação. O impacto direto da Copa do Mundo no Produto Interno Bruto (PIB)brasileiro é estimado em R$ 64,5 bilhões para o período 2010-2014 – valor que corresponde a 2,17% do valor do PIB para 2010, de R$ 2,9 trilhões.
    Do total de R$ 29,6 bilhões que correspondem aos gastos estimados relacionados à Copa
    R$ 12,5 bilhões tem como origem o setor público (42%) e R$ 17,16 bilhões são provenientes do setor privado (58%).

    Se isso não é um bom negócio, não sei o que é.
  • Dasaev  03/07/2014 19:25
    "Li no seu perfil que você economista, formada na Unisinos. Não vi o último ranking, mas pelo que eu sei a FGV está um pouco a frente da Unisinos."

    Nossa, que argumento irretorquível! Impressionante!

    Por essa impecável lógica, ninguém no mundo pode dar qualquer palpite sobre direito; apenas quem se formou em Harvard.

    Sério, acho que os moderadores do IMB aprovam esse tipo de comentário apenas para expor um coitado desses à auto-humilhação.

    "Segundo o estudo realizado pela FGV e a Ernst & Young, instituições privadas, a Copa do Mundo de 2014 produziu um efeito cascata surpreendente nos investimentos realizados no País."

    Cadê o estudo?

    "Além dos gastos de R$ 22,46 bilhões no Brasil relacionados à Copa para garantir a infraestrutura, e a organização,"

    Isso é panfletagem política total. Pela sua lógica míope, quanto maiores fossem esses gastos governamentais --que encheriam os bolsos das empreiteiras e onerariam os pagadores de impostos --, melhor para o país. Você deve ser alguém que tá na fatia lucrativa do arranjo.

    "a competição injetou, adicionalmente, R$ 112,79 bilhões na economia brasileira,"

    Fiquei curioso. Como é que gastos de empresas "injetam" dinheiro na economia? Essas empresas criam dinheiro?

    É impressionante como você simplesmente tagarela chavões sem nem sequer pensar minimamente nos absurdos que eles representam.

    "No total, o País movimentou R$ 142,39 bilhões adicionais no período 2010-2014, gerando 3,63 milhões de empregos-ano e R$ 63,48 bilhões de renda para a população, o que vai impactar, inevitavelmente,o mercado de consumo interno."

    Yuppiiee! Só faltou mostrar os cálculos, a metodologia, e os beneficiários e os onerados. Ah, é, esqueci: para você, só há ganhadores em um arranjo comandado pelo estado.

    "Essa produção também ocasionou uma arrecadação tributária adicional de R$ 18,13 bilhões aos cofres de municípios, estados e federação."

    Parodiando o Felipão quando ainda técnico do Palmeiras: "Nessa parte você até gozou". É aqui que você entrega suas cores: quanto mais o governo confisca em impostos, melhor!

    No entanto, permita-me furar sua bolha: partindo do princípio de que esses números estimados para um intervalo de 4 anos (!!!) estão corretíssimos, essa receita de R$18,13 bilhões é menor do que os US$11,3 bilhões de dólares que a Copa custou. Ou seja, segundo seus próprios e animados números, deu déficit nas contas públicas.

    "O impacto direto da Copa do Mundo no Produto Interno Bruto (PIB)brasileiro é estimado em R$ 64,5 bilhões para o período 2010-2014 – valor que corresponde a 2,17% do valor do PIB para 2010, de R$ 2,9 trilhões."

    Você é burro assim mesmo ou tá só de zoação?! Que negócio é esse de pegar um valor corrente atual e compará-lo ao PIB de 4 anos atrás?! Que lógica energúmena é essa?

    Sendo assim, posso dizer que meu salário nominal em cruzeiros reais em julho de 1993 é quase o mesmo valor do PIB de 2010. Imagina o tanto de mulher que vou pegar dizendo isso, hein?

    "Do total de R$ 29,6 bilhões que correspondem aos gastos estimados relacionados à Copa R$ 12,5 bilhões tem como origem o setor público (42%) e R$ 17,16 bilhões são provenientes do setor privado (58%)."

    Aí já nem é burrice, não. É questão de má fé, mesmo. Você veio tentar sacar no lugar errado.

    Eis uma notícia atual (negritos meus para facilitar sua combalida interpretação de texto):

    "De acordo com o 5º balanço das ações do governo brasileiro para a Copa 2014, último divulgado no site do Ministério do Esporte em setembro de 2013 (quando a estimativa de gastos totais era de R$ 25,6 bilhões, inferior em aproximadamente 400 milhões à de hoje), os governos locais (estaduais e municipais) arcarão, ao todo, com R$ 7,6 bilhões; o governo federal, por meio de investimentos diretos, com R$ 5,8 bilhões, e por meio de empréstimos concedidos por bancos federais (como BNDES e Caixa Econômica Federal), com R$ 8,4 bilhões."

    Ou seja, soma total dos gastos públicos: R$21,8 bilhões

    "Já a iniciativa privada assumirá um montante de R$ 3,8 bilhões.Todas essas atribuições, tanto financeiras quanto de execução de projetos, estão definidas na Matriz de Responsabilidade da Copa, documento que estabelece as atribuições de cada setor envolvido na organização do megaevento."

    "Cerca de metade (R$ 4 bilhões) dos recursos aplicados nos estádios, destino de quase um terço dos custos, provém de financiamento federal, ainda conforme o balanço. Dados da CGU apontam que o banco que mais investe é o BNDES. Os estados e municípios lançarão mão de R$ 3,8 milhões e o setor privado contribuirá com apenas com R$ 200 milhões, apesar de administrar três das arenas: em São Paulo, Curitiba e Porto Alegre; Corinthians, Atlético Paranaense e Internacional"

    Vá sacar em sites governistas, bobalhão.

    "Se isso não é um bom negócio, não sei o que é."

    É um ótimo negócio para os envolvidos, principalmente conseguindo ludibriar patetas como você. (Muito embora eu suspeite que você está ganhando algum com isso.)

    "Sinto muito que você não gosta de futebol. Eu gosto muito."

    Ah, isso deu pra perceber...
  • Carlos  03/07/2014 20:30
    O pior é ver esses caras depois pedindo educação. Olha o LIXO que o cara já joga de primeira:

    "Li no seu perfil que você economista, formada na Unisinos. Não vi o último ranking, mas pelo que eu sei a FGV está um pouco a frente da Unisinos."

    Já a princípio o cara já demontra interesse em usar da intimidação pelo método da autoridade, é impressionante o nível.

    Dasaev, parabéns pela sua paciência.
  • Sellba  03/07/2014 21:41
    Estava aqui sossegado comendo um biscoito quando me deparei com uma enxurrada de números do João Duarte. Pela grandiosidade deles creio que podem turbinar a economia de qualquer país. Por que não então fazermos um abaixo assinado à FIFA para organizar uma futura copa no Haiti por exemplo? Arrancaria aquele país da miséria e por tabela não precisaríamos receber mais refugiados despachados pelo governo do PT do Acre. No momento temos um povo em transe,inebriado pelos jogos e pela propaganda.
    Quero ver a hora que começar a chegar a fatura. Quem vai pagar os custos de manutenção. Em algumas cidades, com certeza, vão tirar dinheiro do orçamento de escolas, hospitais, etc.. Estes números, João Duarte, tenho certeza, você não vai divulga-los aqui.
  • anônimo  04/07/2014 11:10
    "Li no seu perfil que você economista, formada na Unisinos. Não vi o último ranking, mas pelo que eu sei a FGV está um pouco a frente da Unisinos."

    Comentário digno de um MAV querendo se afirmar
  • Larissa Flister  04/07/2014 14:44
    " Por que não então fazermos um abaixo assinado à FIFA para organizar uma futura copa no Haiti por exemplo? "

    ADOREI !
  • Ali Baba  04/07/2014 10:59
    @João Duarte 03/07/2014 18:11:36

    Putz. O Dasaev já respondeu tudo o que queria responder.

    Só me resta dizer Unisinos FTW!
  • Douglas de Souza Alencar  03/07/2014 18:27
    Arrebentou no artigo Larissa, acabei seus artigos em inglês no Mises do Canadá, ótimos por sinal também. Espero que você escreva mais vezes aqui.

    Abraços!
  • jose roberto amorim   03/07/2014 18:55
    Não nem comentar so vou passar o Link , brasileiros DETESTAM FUTEBOL
    Segue o Link www.areah.com.br/cool/preferencia/materia/75179/1/pagina_1/futebol-nao,-obrigado.aspx
  • Pedro  03/07/2014 20:50
    Alemanha fez copa. EUA fizeram copa. Itália fez copa. México fez copa. Africa do Sul fez copa. Até o Brasil já fez copa. Ou seja, países mais ou menos desenvolvidos já fizeram copa. Isso posto, fiquei com algumas dúvidas sobre as possibilidades abertas pelo artigo e as consequentes possibilidades para a opinião subjacente da autora:

    1. Todos os países que fazem copa são idiotas. Nesse caso, o mais provável seja que a autora simplesmente realmente odeie o futebol ("Ou vai ver é porque eu odeio futebol"). Assim, todos os números e dados e indicadores do artigo tornam-se desnecessários - até mesmo enganosos-, pois apenas serviriam para "embasar" uma opinião pessoal - um sentimento, uma emoção - da autora. Um artigo poético, mas com números.

    2. Alguns países são idiotas, outros não. Essa possibilidade existe, dadas as frequentes referencias aos indicadores de riqueza do Brasil, sempre associando-os ao custo monetário da copa. Ou seja, a copa só deveria ser organizada por países ricos. Nesse caso, há aparentemente um nível um pouco maior de razão, apesar de muita emoção ainda jorrar do artigo. Se for esse o caso, então a autora estaria assumindo que existe um limiar na relação PIB-per-capita/custo-da-copa a partir do qual seria aceitável a organização de uma copa por um país. Há outras possibilidades; por exemplo, só os países sem pobreza podem fazer copa. De qualquer modo, parece que há um critério implícito (para poder fazer copa), relacionado a riqueza, e seria muito bom saber de modo mais exato qual seria esse critério, seu valor e por quê.

    De todo jeito, não ficou claro qual o problema com a copa. Parece-me que, no fundo, é uma questão de gosto (ou desgosto) pessoal da autora. Sem problema nenhum; mas é que esse monte de números semi-aleatórios jogados em um texto com esse viés opinativo - um verdadeiro desabafo - deram a ele um ar "esquizofrênico".

  • Lev Yashin  03/07/2014 21:41
    "Todos os países que fazem copa são idiotas. [...]Alguns países são idiotas, outros não."

    Já começou tudo errado (e é incrível como essa falácia da "parte pelo todo" domina a mente dos leigos).

    Prezado Pedro, "países" não fazem Copa; "políticos em conluio com a FIFA" fazem Copa.

    Políticos colocam o país à disposição (como fez Lula sem consultar ninguém), prometem todas as obras necessárias, e a turma da FIFA apenas vem aqui e colhe os lucros. Esse arranjo de conluio entre estado e grandes empresas (FIFA e empreiteiras) tem um nome: corporativismo (ou, mais popularmente, fascismo).

    Tal arranjo sempre foi severamente criticado por este site (só não é mais criticado que o socialismo/comunismo).

    Logo, seu espanto com essa crítica à Copa mostra apenas que você ainda não entendeu nada (ou é novato por aqui). Troque a palavra "Copa" por "Olimpíada" ou por "estaleiro de Eike Batista financiado pelo BNDES" ou por "festival de teatro financiado pela Caixa" e a crítica será a mesma.

    Repito: libertários sempre criticaram esse arranjo corporativista em que estado e grandes empresas fazem conluio, se beneficiam, e repassam a fatura para o cidadão. Logo, é o obvio ululante que a Copa -- que é um arranjo igualmente corporativista entre estado e uma grande empresa (FIFA) -- também é passível de crítica.

    A Copa nada mais do que um arranjo em que governo e grandes empresas se beneficiam e repassam a fatura para o cidadão comum -- que ainda bate palma.

    Sobre outros países também fazerem Copa (e isso ser motivo suficiente para serem macaqueados), e daí? O corporativismo está em todo lugar. No entanto, vá ler sobre a reação do povo de Chicago quando soube que a cidade era candidata às Olimpíadas de 2016. "They play, we pay" era a marcha do protesto. Ao que tudo indica, as populações mais bem informadas já acordaram para isso.

    Tanto é que as próximas duas copas só foram emplacadas em países semi-ditatoriais: Rússia e Qatar.
  • Pedro  03/07/2014 22:01
    Eu realmente sinto por ter falhado em me conseguir fazer claro.

    Quando eu digo "país X é idiota por fazer copa", na verdade quero dizer "a organização de um evento do tipo Copa do Mundo FIFA no país X, seja lá qual mecanismo tenha tornado isso possível, é algo reprovável e digno de críticas".

    Não defendi nem critiquei o "Brasil fazer copa". Meu alvo foi apenas o artigo.

    Mas, agora, permita-me pôr em xeque essas palavras:

    "Troque a palavra "Copa" por "Olimpíada" ou por "estaleiro de Eike Batista financiado pelo BNDES" ou por "festival de teatro financiado pela Caixa" e a crítica será a mesma."

    1. A crítica DESTE ARTIGO só poderá ser a mesma caso a autora também ODEIE esportes olímpicos ou navios de determinado tipo ou teatro, dependendo do caso.

    2. Supondo que a crítica pudesse ser a mesma: então todo e qualquer tipo de arranjo corporativista em que estado e grandes empresas façam conluio, se beneficiando, e repassando a fatura para o cidadão - vulgo evento -, independentemente do país EM QUE isso ocorra ou dos custos envolvidos, é errado? É isso mesmo?
  • Lev Yashin  03/07/2014 22:48
    "1. A crítica DESTE ARTIGO só poderá ser a mesma caso a autora também ODEIE esportes olímpicos ou navios de determinado tipo ou teatro, dependendo do caso."

    Hein?! Por quê? Que lógica limitadora é essa?

    A crítica é ao arranjo corporativista, e não a um esporte específico. Tá faltando leitura...

    "2. Supondo que a crítica pudesse ser a mesma: então todo e qualquer tipo de arranjo corporativista em que estado e grandes empresas façam conluio, se beneficiando, e repassando a fatura para o cidadão - vulgo evento -, independentemente do país EM QUE isso ocorra ou dos custos envolvidos, é errado? É isso mesmo?"

    Sim, todos são errados, como os artigos deste instituto já explicitaram umas 1.347 vezes...

    Seu espanto mostra que você é novato aqui. Gentileza se esforçar minimamente para inteirar do nível dos assuntos aqui discutidos em vez de sair criticando todo mundo...
  • Pedro  03/07/2014 23:22
    Lev Yashin,

    =================================================================================
    "Hein?! Por quê? Que lógica limitadora é essa?

    A crítica é ao arranjo corporativista, e não a um esporte específico. Tá faltando leitura..."
    =================================================================================
    A lógica é a da autora, que é o alvo inicial de minha crítica. Veja só o que ela diz, me parece bem específico:

    - "Ou vai ver é porque eu odeio futebol".

    Minha dúvida é justamente essa: qual o alvo da crítica da autora? Você está me dizendo que o alvo da crítica é arranjo corporativista. Mas esse é o alvo da linha de pensamento desse site, não da autora. Releia meu post inicial. Meu problema é com esse artigo. Se você tivesse entendido meu post inicial, não estaríamos tendo essa discussão. Reconheço que grande parte da culpa é minha, por falta de clareza, mas gostaria de ser criticado apenas pelo que escrevi, e não por suposições suas a respeito do que penso.

    =================================================================================
    "2. Supondo que a crítica pudesse ser a mesma: então todo e qualquer tipo de arranjo corporativista em que estado e grandes empresas façam conluio, se beneficiando, e repassando a fatura para o cidadão - vulgo evento -, independentemente do país EM QUE isso ocorra ou dos custos envolvidos, é errado? É isso mesmo?"

    "Sim, todos são errados, como os artigos deste instituto já explicitaram umas 1.347 vezes...

    Seu espanto mostra que você é novato aqui. Gentileza se esforçar minimamente para inteirar do nível dos assuntos aqui discutidos em vez de sair criticando todo mundo..."
    =================================================================================
    Peço o mesmo: leia os posts com máxima atenção. Primeiramente, tenha certeza do que o autor do post diz. Só então, replique, caso ache necessário.

    Quanto à sua resposta ao item 2: Se é ponto pacífico a inadequação de eventos via arranjos corporativistas em um ou, como você não gosta, POR UM país, então por que deste monte de números sem significado neste artigo? É um artigo redundante, segundo você. Aliás, é pior que redundante, pois PARTE do óbvio (você disse isso, esse ponto já é axioma aqui) e CHEGA à dúvida, devido aos números mal explicados. O artigo pega uma CERTEZA e chega a uma DÚVIDA. Isso deveria ser algo muito bom para a construção de conhecimento. Mas, nesse caso, não foi intenção da autora, decerto. Leia meu post inicial e veja que ESTE é meu ponto. Obrigado pela atenção.
  • Neuer  11/07/2014 14:49
    Essa pergunta do Pedro não pode ser séria. Ou ele está fazendo pândega ou ele está assustadoramente desinformado.

    Prezado Pedro, a Copa no Brasil custou algo entre 15 e 20 bilhões de dólares. A África do Sul não gastou mais do que 6 bilhões de dólares (e não houve nenhum problema notável durante o torneio). A Coréia do Sul gastou 2,5 bilhões de dólares e o Japão, 5 bilhões. França, Alemanha e EUA, que são ricos e já tinham infraestrutura, gastaram menos de 1 bilhão cada um.

    Fonte: time.com/2930699/world-cup-brazil-spending/

    Ou seja, mesmo entre os países (governos) que se dispõem a fazer Copa e dar lucro pra Fifa, há aqueles que são mais otários que os outros. Adivinhe qual país ocupou, em termos de gastos, o topo da lista dos otários?
  • Adriano Imperador  03/07/2014 22:49
    Esse susto do Pedro mostra como as pessoas são incapazes de ligar as coisas. Criticar o governo por dar subsídios ao Eike pode; criticar o governo por dar subsídios à FIFA não pode (pois, neste caso, a FIFA ao menos -- e ao contrário do Eike -- oferece o circo).

    Dado que esse povo vota, estamos a pé.
  • VALDIVO JOSE BEGALI  03/07/2014 21:28
    Com todo respeito às opiniões postadas até aqui, creio que temos que deixar de lado o esforço de demonstrar que temos problemas - por ser fato tranquilamente aceito por todos - e usar o tempo buscando soluções. Nesse sentido, há um projeto de lei, já aprovado no Senado, parado na Câmara dos Deputados que daria uma grande contribuição ao combate da corrupção/impunidade. Trata-se do projeto de lei que enquadrará a Corrupção como Crime Hediondo (PL 5900/2013).

    Por favor, clique no link abaixo e assine a Petição dirigida ao Presidente da Câmara de Deputados, Sr. Henrique Alves, pedindo que ponha esse PL em votação.

    Quando esse PL virar lei muita coisa vai começar a mudar no Brasil.

    Link para vc assinar: migre.me/kcK6z.

    Vc não gastará mais que alguns minutos para assinar a Petição e estará dando uma mãozona para o Brasil entrar nos eixos.
  • Dom Comerciante  04/07/2014 02:53
    É inútil combater um efeito se a causa(a constituição de 1988) continuará existindo. Aliás a corrupção já é um efeito natural da social-democracia e de todo o Welfare State, então petições irão no máximo "tranquilizar a fera, mas nunca parar seus instintos".
  • Humberto Ribas  04/07/2014 13:57
    Valdivo, a ideia e a intenção são ótimas, só que não funcionam. Não se pode pedir à raposa que tome conta das galinhas, não se pode pedir ao vampiro que tome conta do banco de sangue, não se pode pedir ao lobo que pastoreie as ovelhas. Se o presidente da Câmara fosse o Ulysses, talvez, talvez, surtisse algum efeito. Agora, com o Henrique Eduardo Alves???? Você bebeu alguma coisa, fumou alguma coisa, cheirou alguma coisa, injetou alguma coisa??? Pedir que se coloque em votação um PL contra a corrupção a um cara que pegou um jatinho da FAB para ir com os cupinchas ao um jogo no Maracanã????? A única maneira de conseguir que se tenha vergonha na cara (no executivo, legislativo, judiciário, municipais, estaduais e federal) é em outubro não se reeleger NINGUÉM, NINGUÉM MESMO. Feito isto em 3 ou 4 eleições e aí as coisas mudariam e muito. E tem mais outra: enquanto houver bolsa família, bolsa preguiça, bolsa vagabundagem, bolsa o escambau, o PT não sai poder. Pode escrever, quem viver verá.
  • VALDIVO JOSE BEGALI  04/07/2014 15:53
    Se convencermos os formadores de opinião - como âncoras de rádio e TV, professores, blogueiros etc - a mobilizarem a opinião pública, a coisa vai funcionar! Foi assim com a Lei da Ficha Limpa. O PL 5900/2013 (Corrup = Crime Hediondo) é um projeto que mudará muita coisa! O que vc pode fazer para mobilizar formadores de opinião pública?
  • anonimo  04/07/2014 23:00
    Se o fato de um crime passar a ser hediondo mudasse algo, o número de homicídios teria diminuído, pois foi um dos primeiros crimes a ser considerado hediondo.
  • IRCR  04/07/2014 00:42
    Só esqueceu de mencionar que Noruega e Suiça tem salarios umas 10x maiores que o nosso, desse modo em termos relativos a poder de compra local o Brasil pode ser o pais mais caro do mundo perdendo apenas para Venezuela.
  • gabriel  04/07/2014 01:16
    Ótimo artigo, a ainda me fez descobrir o mises do Canadá que não sabia existir. Não é preciso não gostar de futebol para ser contrario ao corporativismo e as criticas estão de tal maneira engajadas que não é preciso ter a mesma opinião da autora para chegar no mesmo entendimento, espero ver mais artigos da autora por aqui.

    Mas gostaria de deixar um comentário como este tipo de artigo com temas mais atuais e polêmicos sempre acabam trazendo novos leitores que caem de para-quedas aqui como se identifica nos comentários. Isto é muito bom para que ao menos alguns acabem entendendo as ideias aqui defendidas, já que a maioria nunca teve o menor contato com ideais de liberdade, mal sabem o que significa, o que fica claro com o espanto de um leitor acima com o corporativismo ser ruim...

    Me faz relembrar quando entrei aqui pela primeira vez, de para-quedas num artigo sobre nosso sistema bancário, algo que me interessei em buscar entender mais a fundo ao assistir o documentário Zeitgeist (para verem quão perdido estava), porém quando comecei as leituras do artigo e de livros da biblioteca do mises as coisas foram ficando mais claras e a coerência em tudo que lia foi transformando minha maneira de pensar. Acontece que não é um processo rápido, relembrei o artigo de ontem, e vejo algumas respostas ríspidas a responder estes comentários de novatos, ao acompanhar o mises por um longo tempo acabamos com esta visão de quão simples é entender e nos esquecemos que o outro leitor pode não estar mal intencionado, apenas está ainda com a venda nos olhos, para a maioria dos leigos as ideias aqui defendidas são alienígenas e vai demorar um bom tempo para a pessoa entender, isto é claro se ela estiver disposta a tirar a venda.
  • Lopes  04/07/2014 03:02
    Francamente, as explicações do Zeitgeist sobre o sistema bancário são confusas. Senti-me muitas vezes mais esclarecido ao meramente ler o artigo sobre a taxa Selic no IMB e o livro do Ron Paul. Além disso, eles não sabem a diferença entre fluxo e estoque; e cometem o infame erro ao crer que a economia está fadada ao endividamento eterno por conta da existência de juros prever um dinheiro que não existe, o que demonstra claramente que há pouquíssima compreensão da constante possibilidade de troca entre o dinheiro e bens e serviços, mais evidente em uma economia sem sistema fiduciário; que simplesmente levaria os juros a serem pagos com outros bens ou serviço de valor equivalente à dívida, mantendo a moeda sempre lastreada em fundos dinâmicos determinados normalmente por sua oferta, vide a substituição do sal pelo ouro.

    Tal constante relação entre dívida e bens e serviços reais não está nada distante: basta pensar, por exemplo, em operações de penhora de bens ou hipoteca.
  • gabriel  04/07/2014 19:05
    De fato a explicaçao nao ser perfeita me fez buscar mais informaçoes na internet e cair no site do mises, mal sabia eu ma epoca que mudaria minha forna de pensar em relaçao a muito mais coisas q imaginei, felizmente
  • anônimo  04/07/2014 03:55
    Perfeito gabriel.
  • Henrique  04/07/2014 02:04
    Caramba, outro artigo com viés negativista sobre esporte?
  • Magno  04/07/2014 10:08
    Qual o "viés negativista" sobre o esporte?! Coloque aqui o trecho em que a autora critica e denigre o esporte.

    Lamentável constatar que, outrora um porto seguro e livre de analfabetos funcionais, a qualidade dos leitores deste site está em queda livre (consequência inevitável da maior audiência). Já não são sequer capazes de interpretar um simples texto. Só espero que a qualidade dos textos se mantenha, não tendo de se rebaixar para satisfazer essa audiência mais medíocre.
  • mauricio barbosa  07/07/2014 15:35
    O debate está polarizado entre os que gostam de futebol e rejeitam seu uso político e os que detestam o mesmo e se acham superiores aos que gostam de futebol com um discurso genérico ao achar que todos os apreciadores do futebol são otários,quando a realidade não é essa,é preciso separar o joio do trigo,pois até onde eu saiba rico também gosta de futebol,aliás os ingressos do mundial a maioria foi adquirida por eles,então vocês críticos vão querer dizer que futebol é coisa de gentalha,façam-me um favor critiquem os governantes mas não seus apreciadores,turminha do barulho vocês parecem um bando de adolescentes se achando o supra-sumo da intelectualidade,ora ora também detesto essa cobertura massiva do mundial mas gosto de assistir uma partida de futebol e sei filtrar o que é útil do que é inútil,bando de papudo(Sem ressentimentos).
  • Anonimus  04/07/2014 02:48
    Só um adendo a este texto da Larissa: Ela deve acrescentar aos R$ 22 bilhões gastos com o pão e circo, ops, com a copa, o viaduto que acabou de desabar em Belo Horizonte. Será demolido e certamente reconstruído. E lógico, mais as indenizações para as famílias dos mortos.
  • Leandro  04/07/2014 10:19
    Essa queda do viaduto já foi explicado há nada menos que 5 anos. Mudou apenas a localização geográfica e os envolvidos.

    www.mises.org.br/Article.aspx?id=483
  • Wellington  10/07/2014 13:24
    Acharam ruim ver viaduto desabando por causa de técnicos incompetentes? Esperem só até a atual leva de cotistas chegar ao mercado. Aí, amigos, a merda vai vir em cachoeira.?
  • Pobre Paulista  10/07/2014 14:19
    Só uma correção, não creio que os técnicos sejam incompetentes. Eles apenas estão se utilizando de critérios inadequados para gerirem as obras, critérios estes que são estabelecido pelo estado e não por um empreendedor que está arriscando seu capital: O interesse é apenas político, e não mercadológico. O link que o Leandro postou explica mais ou menos isso.

    Quanto aos incapazes que chegarão ao mercado, fique tranquilo. O mercado não é idiota e não irá contratar pessoas que lhes gerem prejuízos no futuro. A única consequência real será uma concentração salarial ainda maior dos (poucos) técnicos especializados realmente bom que sobrarem no mercado.
  • Ricardo  04/07/2014 03:03
    Tudo é milimetricamente calculado pelos "desgovernantes", nada é lançado ao acaso.
    O que importa é que a Dilma subiu nas pesquisas a custa deste "circo de horrores" patrocinada pela corrupta Fifa. Ou seja, não importa os meios para se atingir a finalidade (Machiavelli). E parece que atingiram a tal pretensão.
    Tutto è burla nel brasile.
  • Edson Negreiros  04/07/2014 04:15
    Incrível. Estou em Vancouver e parece que fui eu quem escreveu o post. Mesma sensação. Parabéns pela clareza de pensamento Larissa. Infelizmente muitos dos Brasileiros vão demorar anos-luz para entender isso. Pena.
  • Nilo BP  04/07/2014 04:20
    Só vou reclamar de uma picuinha, que na verdade é bastante importante: o artigo contrapõe a Copa e os seus gastos extravagantes ao "sistema educacional precário" do Brasil. O que dá a entender que seria bom se o dinheiro dos estádios fosse repassado para o sistema educacional.

    Na verdade, o sistema "doutrinacional" é uma aberração terrível, um monopólio descarado usado pelo Estado e, mais especificamente, pelos intelectuais progressistas (em sua maioria esquerdistas) para fazer uma lavagem cerebral na população inteira. Seria ótimo se 100% da verba do "sistema educacional" e seus apêndices fossem redirecionados para coisas inanas como a Copa.
  • Camuz  04/07/2014 13:15
    Excelente artigo, facilmente entendível e com argumentação forte. Foi o mais comentado e compartilhado entre os meus amigos no Facebook que eu já vi, rendeu até alguns "Curtir" na página do IMB.

    Me inspirou muito também pelo fato da autora ter estudado na Unisinos, minha atual universidade, onde faço engenharia.

    Espero que a autora considere escrever mais artigos para o IMB.
  • Philipe Ferreira  04/07/2014 13:35
    Larissa, por favor, não entendo o que quer dizer com "E agora, graças ao aumento na demanda por bens e serviços em decorrência da Copa do Mundo, a inflação de preços oficial acumulada em 12 meses chegou a 6,4%."

    Graças ao aumento da demanda por bens?

    Não é a inflação um aumento da oferta de dinheiro (impresso pelo BC) e o aumento de preços consequencia disso?

    No mais, muito bom artigo. Pretendo compartilhar.
  • Leandro  04/07/2014 13:54
    Aumento da oferta monetária gera aumento da demanda por bens e serviços, o que gera aumento de preços (se o dinheiro criado ficasse guardado dentro da gaveta, não se traduzindo em aumento de demanda, não haveria aumento de preços).

    Igualmente, aumento do número de pessoas (turistas estrangeiros) demandando bens e serviços também gera aumento de preços (a menos que a oferta aumente concomitantemente).

    Igualmente, aumento do número de pessoas (nativos) demandando mais bebidas e mais comidas apenas para acompanhar os jogos também gera aumento de preços.

    Não é nenhuma astrofísica.
  • Philipe Ferreira  04/07/2014 14:07
    Certamente não é nenhuma astrofísica Leandro.

    Mas, qual é o problema em haver elevação dos preços devido ao aumento de pessoas (turístas ou nao) ?

    O ideal é que aumente mesmo. Deixemos que os preços sejam ditados pelo mercado, certo ?

    Acho interessante ressaltar que o problema é quando o governo entra alterando a oferta de moeda e causa a elevação de preços por reduzir o poder de compra do dinheiro.

    Você acredita que a inflação está onde está "em decorrência da Copa do Mundo" ???
  • Leandro  04/07/2014 14:24
    "Mas, qual é o problema em haver elevação dos preços devido ao aumento de pessoas (turístas ou nao) ?"

    Quando a inflação de preços está baixa e sofre uma pequena pressão oriunda de um fenômeno temporário, não há problema nenhum.

    No entanto, quando a inflação de preços já vem em níveis altos há 4 anos e então sofre uma pressão adicional oriunda de um fenômeno temporário e totalmente previsto (a Copa está marcada desde 2007), aí a coisa assume contornos bem mais graves. Isso mostra o quanto o BC tem sido permissivo. Daí as críticas.

    É difícil acreditar que eu realmente precise deixar isso ainda mais claro -- a menos que você não esteja morando no Brasil, o que aí sim justificaria este seu espanto.

    "O ideal é que aumente mesmo. Deixemos que os preços sejam ditados pelo mercado, certo?"

    Ninguém está defendendo controle de preços. Gentileza não usar o artifício torpe da insinuação malandra. Está-se, repito, criticando toda a postura permissiva do Banco Central, adotada ainda em 2011 e que culminou na atual carestia.

    "Acho interessante ressaltar que o problema é quando o governo entra alterando a oferta de moeda e causa a elevação de preços por reduzir o poder de compra do dinheiro.

    Você acredita que a inflação está onde está "em decorrência da Copa do Mundo" ???"


    Gentileza não imputar a mim coisas que eu não disse.

    Escrevi um artigo inteiro detalhando as origens da inflação de preços no Brasil:

    www.mises.org.br/Article.aspx?id=1854

    Tenha a bondade de lê-lo antes de sair utilizando o manjado truque de imputar coisas por meio do aceno ortográfico das três interrogações.
  • Acorda brasil  04/07/2014 14:22
    O titulo do texto se enquandra bem nao sua critica: "ha algo errado comigo".
    Eh muito bonito falar mal do seu pais e colocar a culpa no governo e se achar intectual porque teve acesso a educacao. Porem a maioria dos brasileiros soh sabe reclamar e nao quer assumir que o cancer da nossa nacao soh somos nos mesmos!

    Por example, voce fez esse texto cheio de fatos e criticas ao governo apenas, falando sobre os precos dos carros, iphones, e da populacao carente, mas mora no canada e foge do seu pais que tanto precisa de pessoas instruidas para formar uma base pensantw que pode contributor para o pais sair do buraco.

    O preco dos automoveis no brasil nao sao caros por culpa dos impostos, mas pq nos brasileiros de classe media (com boa educacao e um trabalho razoavel) paga pelos altos precos que as montadoras impoem no brasil. Outra coisa eh, se voce quer que o governo faca a parte deles, voce vez fazendo a sua em votar concientemente? Porque voce mora no canada e talvez jah tenha perdiido algumas eleicoes. E quando voce vota nao soh para presidente, voce pesquisa sobre a vida de cada candidato antes de fazer a suas decisao? Se pesquisa, quanto tempo voce gasta fazendo essa pesquisa, e quanto tempo voce discute com a populacao nao instruida do nosso pais para eles fazerem a escolha?

    Para resumir, meu ponto eh que o pais soh vai mudar quando nos brasileiros parem de reclamar e agir. Mais nao da maneira que foi feita com o protestos do ano passado, que a maioria soh estava nas ruas pq era legal de dizer para os amigos e colocar no facebook que estavam nos protestos, mas qaundo cada brasileiro abracar a causa que quer viver num pais melhor. Pq tenho quase cereteza q a maioria das pessoas que estavam nos protestos o ano passado devem estar em casa assistindo os jogos pela globo, usando seus iphones para postarem comentarios no facebook, e falando mal da copa.

    Enquanto cada brasileiro nao parar de reclamar e agir em seu dever como cidadao com o seu pais, eh soh ficarmos achando que o governo eh que tem que mudar, o brasil vai continuar sendo o brasil que nos jah conhecemos.....
  • Acorda, otário!  04/07/2014 14:30
    A definição de ironia: um sujeito que não sabe escrever -- o que significa que ele sequer se esforçou para dominar a língua de sua nação -- dizendo que falta patriotismo e iniciativa à autora, pois ela está estudando no Canadá (!!!).

    Eis o preço de escrever para ignaros e sensíveis.

    Aliás, bem feito. Quem mandou a autora criticar o sacrossanto governo? Que aprenda a lição: no Brasil, vale tudo, exceto criticar o governo federal quando ocupado por um petista.

  • Larissa Flister  04/07/2014 15:16
    Vamos por partes:

    "O titulo do texto se enquandra bem nao sua critica: "ha algo errado comigo".?Eh muito bonito falar mal do seu pais e colocar a culpa no governo e se achar intectual porque teve acesso a educacao. Porem a maioria dos brasileiros soh sabe reclamar e nao quer assumir que o cancer da nossa nacao soh somos nos mesmos!"

    Me "acho" a intelectual? ?Sim, graças ao esforço dos meus pais, e a minha própria dedicação, tive acesso a educação de excelente qualidade. Alhas, comecei a faculdade aos 16 anos, e completei meu primeiro curso superior nos Estados Unidos. Enquanto sonho, e luto, por um Brasil onde todos tenham o mesmo pontapé inicial, foi o meu trabalho que me levou aonde estou. Minha sugestão, se um dia você quiser chegar lá: comece comprando um dicionário.

    "O preco dos automoveis no brasil nao sao caros por culpa dos impostos, mas pq nos brasileiros de classe media (com boa educacao e um trabalho razoavel) paga pelos altos precos que as montadoras impoem no brasil."

    Sobre carros importados, ha um imposto de 55%. Sobre nacionais, 33.8% do preço final de um carro 1.0 resulta dos impostos; sobre carros mais potentes, 38.7%. Se você quiser entender melhor, seguem duas recomendações:

    www.icarros.com.br/noticias/mercado/quanto-de-imposto-voce-paga-no-carro-/14740.html

    www.forbes.com/sites/joannmuller/2012/10/05/why-the-worlds-automakers-are-loving-brazil/


    "Outra coisa eh, se voce quer que o governo faca a parte deles, voce vez fazendo a sua em votar concientemente? Porque voce mora no canada e talvez jah tenha perdiido algumas eleicoes."

    Você acha que com todo meu ar de intelectual e educação de qualidade, eu deixaria de votar? Por favor, seja coerente em seus argumentos! E por acaso você sabe ha quanto tempo moro no Canada? E o que acontece quando um cidadão não vota e não justifica?


    "Para resumir, meu ponto eh que o pais soh vai mudar quando nos brasileiros parem de reclamar e agir."

    Jura?! E o que você tem feito?

    "Mais nao da maneira que foi feita com o protestos do ano passado, que a maioria soh estava nas ruas pq era legal de dizer para os amigos e colocar no facebook que estavam nos protestos, mas qaundo cada brasileiro abracar a causa que quer viver num pais melhor."

    Que bom que você tem a solução para todos os problemas do Brasil! Estou surpresa que o Fantástico ainda não tenha lhe descoberto. Poderia, por favor, compartilha-la?
  • Leonardo Faccioni  04/07/2014 15:48
    Cara Larissa, comoventes sua paciência e dedicação mesmo confrontada pelas expressões mais baixas do pensamento de manada que o Estado incentiva. Objeções tão baixas, tão irracionais como as levantadas pelo comentário anônimo inicial nem se considerariam dignas de resposta pela autora do artigo, em situações regulares. Felicitações pela demonstração de caridade diante da incompreensão alheia.

    Caridade traz por raiz "caritas", amor, e patriotismo sadio - a natural afeição pelo ambiente de nossa infância e desenvolvimento, ou pelas relações humanas nele consolidadas - exige o mesmo caráter do verdadeiro amor, que não subsiste onde não existe verdade. Oferecer ao bem-amado um diagnóstico sincero, que lhe possibilite emendar aquilo onde erra, é expressão de amor à terra e, sim, de bom patriotismo. Cegueira nacionalista obtusa, de retórica coletivista irracional, com o patriotismo não se confunde e à sociedade só faz mal, como os séculos XIX e XX demonstraram-nos à farta.
  • Acorda Brasil  04/07/2014 17:09
    Cara Larissa,

    Em primeiro lugar, voce deveria ser mais aberta a criticas e refletir sobre os comentarios. Apenas porque voce escreveu um artigo de discussao politica, nao quer dizer que todas as pessoas tem que concordar com o seu ponto de vista. EM nennhum momento eu achei que voce deveria se sentir ofendida com a minha opniao. Como uma pessoa instruida e "intectual" como voce mesmo disse, voce deveria estar aberta para diacutir seu argumento sem precisar ser agressiva ou rude com seus leitores.

    Em segundo lugar, eu tive a impressao que voce me agride verbalmente por ter mais qualificao intectual que eu apenas porque eu cometi alguns erros de digitacao em meu comentario, e porque voce estudou nos Estados Unidos e esta fazendo pos-graduacao no Canada. Eu tambem estudei no Estados Unidos, onde jah obitve meu PhD em engenharia, e sou professor de uma relevante univesiade dos Estados Unidos. Entao, por favor, nao menospreze a opniao de outras pessoa apenas porque voce ACHA que elas tem menos instrucao que voce.

    A respeito do valor dos carros no Brasil, voce enfatiza ainda mais meu ponto de vista com a sua resposta ao meu comentario: Voce diz que os impostos de um carro nacional no BRasil sao de 33%, mas o carro custo o dobro (100% de diferenca) que em outros paises. Entao, se os impostos cobrados em outros paises sao de 10% (o que eh o imposto aproximado cobrado nos EUA), onde esta a diference de 77% que pagamos. Esta no bolso das montadoreas que cobram esse valor porque os brasilieors pagam mais caro pq querem andar de carro novo e nao somente por causa dos impostos.

    Ja sobre votar, como passo boa parte do tempo no exterior tambem sei como as leis funcionam. E por isso que questiono seu posicionamento sobre o Brasil. Porque pelo fato de passar boa parte da vida fora do pais comecei a perceber como nos brasileiros viemos morar e estudar fora do pais uma vez que nossas universiade sao tao boas quanto as do Brasil. Morando fora voce acaba deixando de discutir com seu compratiotas como melhorar o pais com um voto conciente, e promover essa discussao com as classes menos instruidas. Depois de ter estudo fora tambem percebi que nao eh necessario estudar no exterior, nao pela qualidade de ensino, mas por outras razoes, como querer viver em um pais melhor que foi construido pelo sacrifio das pessoas daquele pais; ou abandonar o nosso pais sem acabar trazendo nosso intelecto para construir um Brasil melhor. Se voce se esforcar o suficiente voce consegue entrar em uma boa universidade no Brasil, as quais sao tao boas quanto as universidades dos EUA. Eu sou a prova disso porque sempre estudei em escola publica e nem por isso deixei de conseguir de entrar em uma universidade federal no BRasil.

    Outra coisa que aprendi estudando fora do pais eh de como muitas pessoas (pricipalmente as de classes mais instruidas) contribuem para a comunidade local e retribuem ao pais ou ao lugar onde estudaram trabalhando de forma vonluntaria. O outro porble que vejo em morar fora do seu pais de origem eh que voce perde esse poder de poder contribuir diretamente com o aumento da qualidade de vida da sua nacao. E por esses motivos critico sua atitude de criticar o brasil morar fora do pais (posicao da qual me incluo de certa maneira e sei que tenho que mudar).

    Em relacao de como contribuo, eu passo boa parte do ano no Brasil e no exterior fazendo trabalhos de pesquisa em ambos os paises, promovendo nossas instituicoes do Brasil no ambito internacional e dando vizibilidade das qualidades de nossos alunos e instituicoes, e nao divulgando apenas as coisas ruins do nosso pais. Eh obvio que precisamos melhorar, mas acho que cabe a nos cidadoes fazerem a nossa parte primeiro e nao colocar a culpa no governo sempre. Eh obivo que o governos tem problemas, mas o governo eh o espelho da sua populacao. SE a populacao nao mudar, o governo nao vai mudar. E o primeiro passo para essa mudanca, NA MINHA OPNIAO, eh o brasileiro reconhecer que nos mesmos somos a causa do problema, e para de furar fila, tirar vantagem de tudo, fugir do Brasil porque o pais esta ruim, para de reclamar e comecar a agir, acabar com o "jeitinho brasileiro" para tudo, ...

    Essa eh a minha opniao e eu sei que muitas pessoas nao vao concordar. Mas acho que essa discussao eh necessaria e devemos ser abertos para escutar pontos de vista diferentes e refletir sobre o que podemos fazer para melhor e nao soh ficar apenas reclamando do governo e esperar que eles vao resolver todos os problemas do pais.

  • Emerson Luis, um Psicologo  04/07/2014 15:31

    O problema não é o futebol em si: cada um decida se quer assistir ou não.

    O problema é (1) a atitude de muitos em relação ao futebol e (2) o uso que governantes e corporações fazem dele com dinheiro público. Deveria ser um evento 100% privado.

    * * *
  • Acorda Brasil  04/07/2014 17:11
    Concordo em 100% com seu comentario! Esse deveria ser um evento privado com eh o campeonato de brasileiro de futebol.
  • Andre  04/07/2014 15:45
    Deixem de ser fanáticos e tratem bem quem tem opinião contrária. Fica irritante ler a área de comentários, nunca li tanto achaque de ego.
  • Nilo BP  05/07/2014 03:11
    Retórica funciona, é um fato da vida. Como disse o Cantwell, seria ótimo se as pessoas se dispusessem a ouvir as posições libertárias com um módico de respeito e consideração, mas não é bem o caso. A maioria dos estatistas que aparecem por aqui não são exatamente campeões de humildade.

    Nas seções de comentários dos artigos, em geral, os que discordam educadamente são bem tratados. Os que chegam atacando com algum tipo de argumento levam uma escorraçada instrutiva. Mas se o sujeito chega de pára-quedas falando baboseira, toma um merecido chute no traseiro.
  • Justo CDN  05/07/2014 00:11
    Larissa, não é que você seja anti-patriota. Você tem CONSCIÊNCIA.
    Qualquer tipo de "arena" é digna de náuseas.
    Somente o fato de ir até um estádio já demonstra o quão é atrasado intelectualmente e sem consciência uma pessoa.
    Muito triste o que vivemos atualmente neste mundo dominado pela mídia e pelas marcas, as quais levam o povo onde querem (Grande Zé Ramalho: "admirável gado novo").
  • Pedro  05/07/2014 22:38
    E uma ópera ou concerto no Papais Garnier ou no Teatro alla Scala? Coisa de atrasado e sem consciência? E na ópera ESTATAL de Viena?
  • Paulo Kelson,  05/07/2014 18:34
    Moro aqui em Manaus há doze anos, os Jogos da Copa não melhoram minha vida e das pessoas pobres e moradoras da periferia como eu e sofremos pela da falta d'água ocasionada por um acidente suspeito. Eu, minha família e meus vizinhos nem chegamos perto do estádio.

    Aumentou os aluguéis; as obras de mobilidade urbana ficaram na promessa, BRT nada; porto de Manaus continua um lixo; preços abusivos contra os turistas, aqui um sanduíche de queijo com presunto custa até R$ 20, e tem hotel cobrando R$ 500 de diária sem oferecer sequer água no frigobar[1]; o quilo da farina chegou a R$ 15,90 [2]; até aumentaram o preço da gasolina [3]; o comércio de Manaus não registrou bons números nos primeiros 15 dias da Copa do Mundo [4], o Centro de Convenções ao lado do estádio não foi inaugurado a tempo, as estruturas dos hospitais foram maquiadas. Foi revelado a mentira do PT e dos seus aliados amazonense.

    [1] oglobo.globo.com/economia/mundial-do-surreal-precos-de-produtos-servicos-decolam-nas-cidades-sede-12962342#ixzz36cRj8CgF


    [2] www.emtempo.com.br/em-manaus-preco-quilo-da-farinha-ja-chegou-r-1590/

    [3] www.redetiradentes.com.br/consumidor-quer-justificativas-para-aumento-preco-combustivel-em-manaus/#.U7hAqZS8D6c

    [4] noticiajato.com.br/cdl-manaus-aponta-que-copa-pouco-afetou-varejo/
  • Paulo Kelson  05/07/2014 18:41
    E ainda nos jogos do campeonato daqui os preços dos ingressos ficou em torno de R$50,00, era R$ 20,00.
  • Rakon  06/07/2014 07:55
    Excelente artigo, um tapa na cara dos fanáticos imbecis por futebol. Resumo da ópera, máfia .
  • Vinicius  06/07/2014 19:03
    Em 2013, um amigo que possui uma empresa de serviços participou de uma palestra, aqui em Porto Alegre, a respeito da prestação de serviços para as obras da copa.

    Nessa palestra, ele [meu amigo] lembra que uma das coisas que mais era mencionada era a chamada 'elitização do futebol'. Ou seja, após a copa, os preços dos ingressos jamais seriam os mesmos. E nessa 'elitização' a coisa que mais chamava a atenção era a participação estatal nos eventos da chamada serie 'A': patrocínios de estatais, verbas via ministérios dos esportes, CBF, controle dos direitos de TV, etc. Na realidade, hoje tenho certeza que por 'elitização do futebol' se traduz por estatização (declarada e explícita).

    A copa foi sem sombra de dúvida um projeto piloto aqui no Brasil. Teve como consequência a capacidade de 'matar vários coelhos com uma única paulada': eleições, decretos-lei como o 8.243 e o da 'participação social', soltura dos mensaleiros, etc. E ao mesmo tempo esse projeto piloto servirá de base para a estatização total do futebol no Brasil, ao longo tempo (não sei se tão longo assim).

    P.S.: Dizem as más línguas, no setor futebolístico, que um jogador com a camisa de nº 13 acabou com o Neymar. Seria isto um presságio?
  • arthur  07/07/2014 13:05
    Você não gosta de futebol porque você é mulher. E isto não é um estereotipo é apenas uma verdade que comporta exceções.
  • Marcos  07/07/2014 13:25
    Argumento matador!

    P.S.: E esse sujeito aí vota, viu? Só imagine...
  • Larissa Flister  07/07/2014 18:37
    E você é tão ignorante por que? Qual o estereotipo que se encaixa no seu caso, Arthur?
  • Vinícius  07/07/2014 23:09
    Rsrsrsrs....

    arthur: "Você não gosta de futebol porque você é mulher. E isto não é um estereotipo é apenas uma verdade que comporta exceções."

    O que o arthur esquece é que contraditório também é verdadeiro: "Você gosta de futebol porque você é homem. E isto não é um estereotipo é apenas uma verdade que comporta exceções."
  • anti alienado boleiro  07/07/2014 17:13
    Arthur. Gostar de futebol,volei,basquete,corrida é uma coisa,agora ser alienado,fazer empresas pararem e se matar por causa de um time é outra coisa e isso se chama alienação. E só por causa dessa alienação e puxação de saco eu estou torcendo fortemente para o Brasil perder essa copa.
  • mauricio barbosa  08/07/2014 17:09
    Paixão não tem lógica e é lógico que em um mundo anárquico,sem estados a copa do mundo deixará de existir, mas tal realidade não passa de um sonho compartilhado por mim e todos os libertários,portanto não se pode condenar uma paixão usando como argumento um sonho,pois pela lógica ele está distante de nós e enquanto isso nós apreciadores do futebol nos alegramos com cada gol de nossa seleção(PAIXÃO NÃO TEM LÓGICA SENHORES INTELECTUAIS ANTI-FUTEBOL).
  • mauricio barbosa  09/07/2014 01:17
    A vida continua e meu passatempo predileto o futebol e ler mises continuará,pois uma coisa não entra em conflito com a outra senhores intelectuais anti-futebol e viva a seleção brasileira mesmo eu hoje sendo libertário e cosmopolita(Paixão não tem lógica) e torcer para a seleção alemã na final contra a holanda e viva o FUTEBOL esporte mas sem lógica do planeta(Sem ressentimentos).
  • mauricio barbosa  09/07/2014 19:37
    VIVA O FUTEBOL BRASILEIRO E ABAIXO QUALQUER TIPO DE DITADURA!!!
  • anti alienado  07/07/2014 20:12
    Arthur,eu sou homem e odeio futebol. E agora?
  • anônimo  08/07/2014 12:03
    Ele já disse, vc é a exceção dentro da verdade que comporta exceção.
    Não sei porque vcs estão fazendo tanto drama com esse negócio.Em outras palavras ele disse que existe uma média e que existem pontos que estão fora da média, qual a mentira aí?
  • anônimo  08/07/2014 18:13
    Não tem mentira, mas só uma verdade: os adoradores do futebol levaram a questão para o lado pessoal. Se isso não é alienação, é o que? Doença?

    Segundo a psicologia "quando a pessoa só acredita naquilo que ela pensa, não escuta nem aceita o outro e não dá valor a opinião do outro já é um transtorno obsessivo compulsivo. Então, isso faz a própria pessoa e os outros sofrerem. É um comportamento doentio, no qual o mundo gira apenas em torno do futebol e de determinado time". Tem muita gente aqui de sofre desse transtorno obsessivo compulsivo justificando o mesmo como 'passatempo'.

    Mas enfim, o artigo em si é muito claro: fala da promiscuidade entre Estado e futebol. As consequências dessa orgia podem ser visualizadas no nível dos debates nos comentários.
  • anônimo  08/07/2014 12:05
    Não se preocupem, hoje o brasil perde e volta tudo pra merda de sempre.
  • anônimo  09/07/2014 00:16
    "Não se preocupem, hoje o brasil perde e volta tudo pra merda de sempre."

    Profético! Mas acho que o Brasil não perdeu só em campo não.

    Os 7x1 é a realidade que desaba sobre a ilusão. A disciplina que destrói a vagabundagem. A educação que desmonta os "mi-mi-mis" emocionais de gente hipócrita. Enfim, foi uma derrota merecida de um time de várzea e ao mesmo tempo a derrota de um país que acreditava que propaganda era tudo.
  • Marcelo  09/07/2014 01:04
    Sério mesmo, qual foi o legado positivo dessa Copa para o país?

    Além de uma humilhação mundial sem precedentes (nunca antes na história da galáxia um anfitrião foi tão humilhado desta maneira; o Taiti fez melhor contra a Espanha na Copa das Confederações), não houve absolutamente nenhuma melhora na infra-estrutura e nem no transporte urbano (as coisas mais factíveis que poderiam ter sido feitas).

    E agora em agosto os juros dos empréstimos bancários para as obras que todas as empreitieras fizeram começarão a ser cobrados. Como vários estados e o governo federal deram garantias para essas empreiteiras, sugiro adiantar o horário do seu despertador e trabalhar mais, pois você será gentilmente convidado a "contribuir".
  • anônimo  08/07/2014 04:48
    Nunca vi um comentário mais imbecil do que desse energúmeno chamado Arthur nesses três anos que visito este site. Cara, será que você tava sóbrio quando escreveu essa estupidez?
    Você realmente acha que todo homem no Brasil ou no resto do mundo gosta de futebol ou que toda mulher não gosta ou não tem simpatia por futebol?
    Acho que a Larissa foi muito educada com vc.
  • Humberto Ribas  08/07/2014 17:54
    Olha, acho que foi um comentário infeliz deste Arthur, mas como que ele gosta de futebol e como é Copa no Brasil ele pode ter bebido/fumado/cheirado/injetado alguma coisa. É normal. Quanto a mim, sou homem e não gosto/entendo de futebol, mas na Copa choro no Hino (com H maiúsculo), grito, tomo vários porres, não dou bola para mais nada em dias de jogo do Brasil e o escambou (aliás eu nem devia estar aqui, o jogo começa em pouco mais de 2 horas e preciso pegar uma mesa boa no bar). Sou um bairrista patológico e isto não quer dizer que eu confunda Copa com eleição. Cheguei a acreditar que iria ser uma puta confusão na Copa e qual não foi minha surpresa ao ver que a Dilma, por outras razões, disse que esta seria a Copa das Copa. Puta merda, e não é que está sendo??? Estamos dando um show de hospitalidade/alegria/receptividade (o que não me espanta, sempre fomos assim, apesar dos bostas de políticos que temos). Os gringos estão boaquaibertos e com razão, afinal, somos BRASILEIROS, COMO DEUS. Só não tenho muita certeza de que na hora da urna o brasileiro vá ser tão isento quanto eu. O que aí está NÃO PODE CONTINUAR. Sempre votei no PT, mas naquele PT recém nascido, não neste de cueções, mensalões e o escambões. Concordo, foi uma roubalheira filha da puta, o que mandou, como sempre em política, foi o QUERO O MEU (e quando é que não foi??????), mas, pelo menos por enquanto, o brasileiro mostrou o amor que tem pela SELEÇÃO, espero que isto não vá ser confundido com política.
  • Vinicius  09/07/2014 12:01
    Após o vexame brasileiro em campo, um novo vexame se avoluma no horizonte da política pérfida do 'khmer vermelho' que governa o Brasil: Jornalistas chapa branca, todos financiados por estatais, já estão falando em estatização do futebol. Touché!
  • Rennan Alves  09/07/2014 13:09
    Você se refere a isso aqui?

    www.conversaafiada.com.br/brasil/2014/07/08/7-a-1-tem-que-mandar-todo-mundo-embora/

    Foi a primeira coisa que me veio a mente.
  • Vinicius  09/07/2014 15:40
    O mais hilário dessa confusão toda é o bombardeio sem critérios que se tornou a mídia chapa branca: estão acusando tudo e a todos. Acusam FIFA, acusam CBF, acusam a 'oposição' (sei lá o que significa isso), acusam jogadores, o técnico, acusam todo mundo, menos o real culpado, o mais óbvio de todos: o governo.
  • anônimo  09/07/2014 13:27
    A quantidade de gente surtando com o comentário do Arthur mostra que infelizmente, até aqui tem gente que não sabe ler.Ele deixou claro que existem exceções, então vcs estão reclamando de quê?
  • Marcos  10/07/2014 18:05
    Agora vai!

    Governo quer intervir no futebol brasileiro, revela Aldo Rebelo

    Dois dias depois da humilhação do Brasil na Copa, o governo anuncia que quer assumir parte das funções de legislar sobre o futebol, exige mudanças na estrutura do esporte e rejeita a ideia de que a CBF pode, sem participação estatal, administrar o setor.

    A Fifa proíbe que governos promovam qualquer intervenção nas federações nacionais, sob a ameaça de expulsar o país das Copas. Mas Brasília estima que existe espaço para agir.

    "Eu sempre defendi que o Estado não fosse excluído por completo do futebol", disse Aldo Rebelo, ministro dos Esportes. "É uma intervenção indireta". Segundo ele, existe áreas de "interesse público" e uma mudança pode alcançar até mesmo a CBF.

    "Isso se houver uma reforma na lei que de ao estado a atribuição de regular. A Lei Pelé tirou do estado qualquer tipo de poder de atribuição e poder de intervenção. Ela determinou a prática do esporte como algo privado, atribuição do mundo privado e isso só pode ser modificado se a legislação também for modificada", declarou.


    esportes.estadao.com.br/noticias/futebol,copa-do-mundo,governo-quer-intervir-no-futebol-brasileiro-revela-aldo-rebelo,1526534
  • Leandro  10/07/2014 18:28
    Era esperado. Isso é apenas uma consequência inevitável do fato de que, no Brasil, o futebol já se encontra quase-estatizado. A Caixa Econômica Federal e outros bancos estaduais (como o Banrisul) patrocinam quase todos os principais times do país. Tenho engulhos quando vejo Flamengo e Corinthians com aquele "CAIXA" escrito no peito.

    Logo, é óbvio que os políticos iriam, em algum momento, querer controlar a coisa mais de perto. O estupro dos 7x1 sofrido por aqueles 11 patetas acabou sendo a desculpa perfeita para a intervenção.

    Mais um motivo para libertários não perderem seu tempo prestigiando essa bobagem chamada "brasileirão".
  • Vinicius  11/07/2014 00:43
    E a Dilma agora sabatinou:

    esportes.terra.com.br/brasil/brasil-nao-pode-seguir-exportando-atletas-diz-dilma,78b8674e62227410VgnCLD200000b1bf46d0RCRD.html
  • Luana Oliveira  11/07/2014 20:21
    Daqui a pouco vão tornar os jogadores "servidores públicos" para que possam "honrar o seu país".
  • mauricio barbosa  11/07/2014 22:30
    Estatização do futebol é o fim da picada,"ai é que a vaca vai pro brejo",tô fora!!!
  • Vinicius  12/07/2014 00:21
    Se o 'Khmer Vermelho' ganhar as eleições, haverá grandes chances de isto acontecer.

    Inclusive prevejo a criação de um programa tipo 'mais jogadores', onde importaremos verdadeiros 'craques' de uma certa ilha do caribe.
  • Occam's Razor  11/07/2014 22:32
    A solução para o futebol brasileiro é a importação de jogadores cubanos!
  • Fabio  11/07/2014 13:48
    E como eu sempre suspeitei mesmo; futebol e coisa de esquerdista,em especial o futebol brasileiro. A vitoria de 7 a 1 da Alemanha foi mais do q merecida, se depender de minha torcida o Brasil nao ganha copa nunca mais, e muita alienacao.0
  • Sérgio  12/07/2014 05:45
    A autora está sendo politicamente correta.

    A frase, "todos os brasileiros adoram futebol" é um estereótipo. E talvez ela se plique apenas aos homens. Sei lá, mulher não curte muito futebol mesmo.

    Dizer "todos os brasileiros adoram futebol", é equivalente a dizer "todas as mulheres gostam de salão de beleza". Se a autora ou qualquer outra mulher não gosta de salão de beleza, isso não muda o fato de que 99,9999999% das mulheres gostam de salão de beleza. A exceção não muda a regra.
  • Klose  12/07/2014 12:47
    Meu, é cada bocó que surge aqui...

    Prezado Sérgio, aqui vai uma aulinha básica de retórica: quando a autora destaca uma frase estereotípica entre aspas e em seguida faz um comentário irônico sobre ela (como é o caso do título do artigo), a própria autora está ridicularizando esse estereótipo.
  • Antonio Policena  13/07/2014 12:12
    Caros moderadores,

    Eu sei que tem uma política de deixar esses imbecis se queimarem sozinhos deixando passar comentários como o do "Sérgio 12/07/2014 05:45:33"... Mas pelamordedeus! Esse tipo de comentário só serve para poluir. Se me permitem a sugestão, comentários desse tipo deveria cair em sumária exclusão.

    Sei lá, deveria ter um QI mínimo para postar no IMB.
  • Gustavo Sauer  14/07/2014 19:39
    O governo tá dizendo que a copa "injetou" 30 bilhões na economia:

    g1.globo.com/economia/noticia/2014/07/copa-injetou-r-30-bi-na-economia-do-pais-estima-ministerio-do-turismo.html
  • Dasaev  14/07/2014 19:49
    Fiquei curioso. Como é que gastos de indivíduos "injetam" dinheiro na economia? Essas pessoas criam dinheiro?

    É impressionante como a imprensa simplesmente tagarela chavões sem nem sequer pensar minimamente nos absurdos que eles representam. Aliás, o próprio tom da reportagem é feito como se tivesse sido escrito pela assessoria de imprensa do governo. Que papelão.
  • Neuer  14/07/2014 20:07
    Copa deixa legado menor e mais caro do que o prometido

    A Copa do Mundo deixa um legado de infraestrutura para o Brasil muito menor do que o prometido quatro anos atrás - e a um custo mais alto. Em 2010, o governo anunciou que o evento atrairia investimentos de R$ 23,5 bilhões em 83 projetos de mobilidade urbana, estádios, aeroportos e portos. Parte das obras ficou no caminho e só 71 projetos foram mantidos na lista.

    [...] as obras entregues para a Copa e as inacabadas somam R$ 29,2 bilhões - mesmo tendo sido substituídos em várias cidades projetos mais ambiciosos, como trens e monotrilhos, por modestos corredores de ônibus. Ou seja, o País gastou mais para fazer menos e com menor qualidade.

    Em setembro de 2013, o Ministério dos Esportes apresentou sua última consolidação das obras da chamada Matriz de Responsabilidade da Copa, já com a exclusão dos projetos prometidos em 2010 e abandonados. Os 71 projetos confirmados somavam então R$ 22,9 bilhões. [...] Entretanto, a reportagem do Estado constatou que o gasto total, hoje, é ainda maior: R$ 29,2 bilhões, ou 27% a mais do que o anunciado há quatro anos.

    brasil.estadao.com.br/noticias/geral,copa-deixa-legado-menor-e-mais-caro-do-que-o-prometido-imp-,1528284
  • Gunnar  14/07/2014 22:18
    Perdoem-me se interpretei mal, mas, na minha opinião, o parágrafo "Sediar a Copa do Mundo realmente levou a um grande uso dos recursos públicos.(...)" parece se referir a escolas e hospitais públicos, ou seja, áreas onde a atuação estatal estaria deficitária, nesse sentido fazendo coro à queixa mais recorrente entre a população com relação à Copa - e também a mais equivocada: a de que o problema não é o gasto (e o saque que o financia), mas o destino do gasto. O bom e velho "em vez de construir estádios, o governo devia construir escolas e hospitais."

    Do ponto de vista austríaco, essa crítica é totalmente vazia. Primeiro porque o gasto estatal é SEMPRE mal dirigido, é uma alocação artificial de recursos, que por sua vez distorce os estímulos na economia, segundo, porque é simplesmente imoral arrancar dinheiro a força de quem quer que seja para fazer o que quer que seja.

    É desgastante mas acho que vale a pena aproveitar cada ocasião em que alguém estabeleça essa dicotomia equivocada para introduzir alguns conceitos econômicos sobre intervenção estatal e suas conseqüências.

    Feita a ressalva, excelente texto.
  • Norberto Moritz Koch  24/10/2014 19:08
    Além de detestar futebol a copa me irrita profundamente pelo barulho mal educado que provoca e um insuportável número de bêbados dirigindo após os jogos, ganhem ou percam a porcaria do jogo.


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.