FORMULÁRIO DE CONTATO

Envie-nos sua mensagem e entraremos
em contato o mais breve possível.


Nome 


Email 


Mensagem 





Instituto Ludwig von Mises Brasil
Fone: +(5511) 3704-3782
E-mail: contato@mises.org.br
Campeão, o STF legisla até sobre tarifa de importação e alíquota de IPI, passando por fiscalização de piada sobre varíola de macaco até a imposição de vacina sem comprovação de eficácia e de efeitos colaterais.

Se você acha que o STF ficaria de braços cruzados ao ver a Globo (sua maior defensora e entusiasta) perder o monopólio da difusão em rede aberta, então você realmente não entendeu nada do Brasil dos últimos 4 anos.
No cenário inflacionário, o governo imprime dinheiro. É a lógica do dinheiro falso. Ele vai às compras com esse dinheiro. E obtém bens e serviços com ele. De graça. Quem emite o dinheiro, tem esse poder.

Os políticos, os parasitas gastam esse dinheiro.

Mas para obterem bens e serviços de graça , alguém tem que pagar. São os consumidores e os produtores que tomam o prejuízo. O dinheiro fiduciário é de aceitação obrigatória. Todos os demais tem que pagar a conta.

No cenário deflacionário, a situação se inverte. O governo não imprime, os políticos parasitas não recebem dinheiro antes de todo mundo, e com isso não recebem bens e serviços de graça, bancados pela aceitação obrigatória do dinheiro novo e sem lastro (que segue a mesma lógica do dinheiro falso). São esses que perdem com a deflação.

Os que perdem com a inflação passam a ganhar na deflação. Tanto os consumidores quanto os produtores.
" São as agências reguladoras que definem isso. E elas são autônomas."

Considerando o Banco Central uma agência reguladora, seria correto dizer que o Bolsonaro não liberou a entrada de bancos estrangeiros para operarem no Brasil porque não quis? O STF teria algum poder de impedir essa hipotética decisão do Banco Central de liberar a entrada de qualquer banco que opera no exterior? Até onde eu sei bastaria o Bolsonaro indicar as pessoas certas para os cargos certos para isso acontecer, da mesma forma que o Congresso Nacional e o STF tem 0 de influência na política monetária(afinal nenhum deles jamais questionou a taxa básica de juros e a alterou), essa hipotética abertura de mercado seria irrefreável. Estou errado em algum ponto ou apenas pedindo muito?
Lula acusou Bolsonaro de bater recorde de desmatamento em 2022, mas o índice é cinco vezes menor que o desmatamento em 2004, quando o petista governava o país
Lula posta fake news, é desmascarado e apaga post sobre desmatamento
t.co/xCMVrodhbl
Cada sandice. Ao mesmo tempo em que ela fala que deflação não acompanhada de aumento de produtividade é ruim, ela também fala que "excesso de produção é ruim".

Ela não sabe que aumento de produtividade leva ao aumento de produção. E que nao existe excesso de produção.
A única coisa que existe é excesso de estímulo, via impressão de dinheiro, que leva a investimentos erroneos (malinvestments) em produtos ou serviços não demandados pelos consumidores. Mas isso ocorre exatamente no cenário inflacionário.

Na deflação, malinvstments são desfeitos e quem não satisfizer as demandas dos consumidores não colocará as mãos no dinheiro deste, pois este poupa mais. Com isso, que problemão: o dinheiro compra mais e o consumidor diz ao produtor: "você só colocará as mãos no meu dinheiro se produzir bens ou serviços melhores".

Isso gera desemprego? Não. Malinvstments são desfeitos, empreendimentos são liquidados, mas para satisfazer as demandas dos consumidores, outros têm que ser criados.

Quem perde são apenas os que recebiam o dinheiro impresso sem produzir nada.
Na torcida pela queda dos preços de 70%!
inflaçao é imposto e imposto é roubo
a turma que ta chorando por causa da deflaçao é a mesma que passou os ultimos 2 anos torrando as burras com a dinheirama que tava sendo distribuida
tao logo cessou essa transferencia de renda do poupador pra quem ta em primeiro da fila do novo dinheiro e o berreiro ja apareceu
a midia e seus especialistas so tao ali pra defender os interesses de meia duzia
dai que a gente ve esse malabarismo pra fazer o populacho acreditar que moeda forte é ruim pra quem usa

agora , recessao , nao tem o que fazer , é o remedio amargo pra uma moeda doente
vai ter gente falindo e muito berreiro mesmo
ninguem mandou ficarem torrando as burras
por isso que é ciclo, fazem a m* ontem, quebram a cara hoje, amanha tao fazendo a mesma m* de novo ... uma especie de maldiçao na latrino-america
"Deflação é ruim para a economia", mais uma lenda que existe há muito tempo para tentar desmerecer o mercado e louvar o governo. Para os "especialistas", inflação só é algo negativo caso seja hiperinflação ou estagflaçao, fora isso tá tudo bem aumentar a quantidade de dinheiro arbitrariamente de acordo com ordens de burocratas e fazer com que o BC compre títulos dos bancos com dinheiro criado do nada para aumentar a quantidade de crédito, tudo pelo bem de criar um crescimento artificial que no fim beneficia apenas os burocratas e o crescimento do Estado.

O keynesianismo já foi refutado há bastante tempo, mas é fato que às idéias equivocadas criadas por ela continuam tão fortes como sempre no meio intelectual mainstream, ainda mais considerando que são idéias que supostamente dão "legitimidade" para o Estado, por mais falsas que sejam.

Todos os dados criados por economistas que usamos hoje em dia são criados por keynesianos, PIB, Taxa de desemprego, ou seja o que for, e todas possuem o objetivo de dar legitimidade ao Estado, por mais inúteis que elas sejam diante dos fatos reais, já que números não resumem como uma economia anda, ou muito menos para onde ela vai, são apenas números criados por meio de metodologias questionáveis. Mesmo que o desemprego esteja baixo segundo o IBGE, outros gráficos criados pelo mesmo mostram claramente que a maior parte da população é parasita e vive em cima dos produtivos, e nenhuma conclusão pode ser feita senão que todos esses gráficos são bobagens criadas para fins específicos estabelecidos pelos próprios, e precisam ser extintas junto com os cargos por trás da criação deles, que sobrevivem por meio de dinheiro público, assim a iniciativa privada terá interesse em criar gráficos úteis segundo os interesses do mercado.
Mais uma vez (deve ser a quinta que falo aqui): olhe o histórico de preços da Acelen, a refinaria privada da Bahia. Ocorreram várias reduções nas últimas 2 semanas.

Basicamente a Petróleo Brasileiro segue Acelen, mas com algumas semanas ou meses de atraso.

Olhar os preços da Acelen eliminaria ainda no nascimento diversas teorias da conspiração criadas aqui nesse site.
Sobre deflação afetar a dívida do governo, vale ressaltar que o governo só passa aperto se houver uma contração monetária. Isso realmente reduziria suas receitas nominais. Fora isso, tá tudo tranquilo para ele.

Aliás, como boa parte dos títulos é atrelada ao IPCA, uma redução do IPCA ajudaria o governo, pois reduziria o valor total de sua dívida pendente.
Eis um ótimo vídeo para mostrar que não se está exagerando quando se diz que este tipo de gente ensandecida ("queda de preços é ruim") realmente existe. O próprio tom de voz da narradora denuncia que ela não faz a mais mínima idéia do que está falando.

Qualquer cidadão comum, qualquer dona de casa entende perfeitamente que preços em queda geram prosperidade para todos.

Correto. O problema é que os "especialistas" inflacionistas juram que o cidadão comum e a dona de casa estão equivocados em pensar assim. E daí surgem essas matérias nos meios de comunicação com o objetivo convencer o povo de que uma queda contínua de preços é ruim e que não deveria ser comemorada...
Esse povo só pode ter titica na cabeça. Sim, os keynesianos dominam o mundo. Sim, o keynesianismo é muito mais famoso do que a Escola Austríaca. Mas e aí? Continuamos vivendo com inflação alta, ciclos econômicos, bolhas imobiliárias, moeda destruída... Se o keynesianismo é tão SUPERIOR (que é o que interessa) à Escola Austríaca, então era para tudo estar bem melhor, mas não está. Alguém deve explicações.
A IstoÉ trocou toda a sua equipe editorial há uns três anos. Ficou pior que a Carta Capital.
Passando hoje em uma banca de jornal, deparo com a Istoé Dinheiro(alguém lê ainda?)desta semana cuja capa denuncia os males da atual selic alta no Brasil. "Desemprego", "desinvestimentos", "baixo crescimento" eram estampados abaixo do título. Só não lembro de terem dito por qual motivo a economia não voou quando estava em dois porcento.
Sempre vem alguem para dizer que a escola austríaca é uma ''escola minoritária'', que a ''academia não leva a sério'', e todo aquele tipo de argumento que um leitor da EA já se deparou..

Eu logo digo que eu mudo de opinião se me apontarem o erro de racíocinio(não sou dogmático), e uso esse exemplo da deflação. Porque pra mim nada mais demonstra um erro medonho da ciência econômica mainstream do que essa ideia que devemos ter uma meta de inflação .. (E em países como o Brasil é uma meta pornograficamente elevada e que quase sempre esta no teto ou ultrapassa)

O resultado é sempre uma demonstração de desconhecimento dos argumentos austríacos(vivem em uma bolha), ou erros.. Quando existe algo mais sofisticado( dificuldade de pagar dívidas, que existem quando ocorre uma retração da quantidade de dinheiro, e não uma deflação de produtividade, embora haja uma confusão nisso) - ganhar dinheiro só por deixa-lo parado(como se a abstenção do consumo fosse eterna ou não fosse virar empréstimo) geralmente são furados..

Ou a incapacidade de explicar porque raios os EUA viveu 200 anos de deflação sem estar em uma crise perpetua e uma retração de consumo até virar o Zimbabue (supostamente a deflação passou a ser ruim só depois de 29)

Conclusão: Continuo austríaco e é dificil entender como a economia chegou nesse estado de submissão a politica
Alta muito forte nas ações de Petrobrás e Banco Do Brasil nos últimos dias.

Com Petr4 e Bbas3 neste patamar de preço, estaria o mercado financeiro precificando uma hipotética vitória do Bolsonaro?
O verdadeiro problema econômico é o povo "aprender" economia através da grande mídia e das instituições de ensino superior.

Isso sim causa estragos profundos na economia
Qualquer cidadão comum, qualquer dona de casa entende perfeitamente que preços em queda geram prosperidade para todos. Não é necessário ser nenhum especialista para entender que empresas ganham com a diferença entre gastos e receitas, e não com o nível de preços.

Se o preços de venda estão caindo, mas os custos também o estão, então segue o jogo e tudo certo. Os eficientes irão prosperar, e os consumidores irão enriquecer.

É necessário um alto nível de desonestidade intelectual para dizer que o bom são preços continuamente em alta.