FORMULÁRIO DE CONTATO

Envie-nos sua mensagem e entraremos
em contato o mais breve possível.


Nome 


Email 


Mensagem 





Instituto Ludwig von Mises Brasil
Fone: +(5511) 3704-3782
E-mail: contato@mises.org.br
"Então, quando vc fala "confiscar sua propriedade", vc está falando do governo? Para mim propriedades do governo são roubo."

Estou falando de guerrilheiros comunistas que deixam claro que querem — e irão — confiscar a propriedade privada.

Tais indivíduos são criminosos que irão me matar (e a minha família) caso eu me recuse a entregar minha propriedade e ofereça resistência a este roubo.
Por conseguinte, tais indivíduos — exatamente por atentarem contra a minha vida e a minha propriedade — perdem o direito natural de não terem sua vida violada.

Qualquer pessoa que deixe claro que irá matar você (e sua família) perde o direito de ter a sua vida inatacada. Isso é o básico do direito natural.

É exatamente por isso que nazistas e comunistas não têm o direito à vida. E é por isso que o mundo se torna melhor com o desaparecimento de tais pessoas. E é por isso que a morte destes tipos deve ser comemorada.

Fui claro?
Aí você está me pedindo para interpretar o cérebro de terceiros. Eu não tenho capacidade nenhuma de saber se o Campos Neto seguia ou não ordens do Guedes.

Eu estou analisando as ações efetivamente implantadas, e não o que os agentes que implantaram essas ações efetivamente pensavam.

Dito isso, é sim minha crença (embora eu não possa prová-la) que o Campos Neto fez exatamente o que o Guedes pediu em termos de política monetária.

Agora, não há contradição nenhuma em eu pensar isso e, ainda assim, fazer elogios.

De minha parte (e eu sempre deixei isso claro aqui), digo que o Guedes sobre foi bom em termos de medidas desburocratizantes e pró-livre concorrência. Sobre equilíbrio fiscal, ele sempre defendeu (o que é bom), mas sempre falava em aumentar imposto (o que é péssimo). Ele é tarado com CPMF.

Agora, sobre moeda, ele é chicaguista. Só fala bobagem sobre o tema. E nem me refiro à patacoada sobre "empregada doméstica ir pra Disney", não. Em específico, sua afirmação de que "moeda desvalorizada causaria reindustrialização do país e substituição de importações" é ridiculamente cepalina.

Sua crença de que é possível desvalorizar a moeda sem que isso afetasse os preços dos itens básicos (consumidos por todos, mas que pesam mais sobre os mais pobres) demonstrava uma ignorância sobre questões essenciais de economia.

Por isso, jamais vou entender a tese dele de que "mudar o mix" (câmbio desvalorizado e juros reais baixos) seria algo bom para a economia. Qualquer estudante de primeiro ano de ciências econômicas sabe que o resultado disso seria inflação de preços. Nem é necessário ser austríaco para se prever isso. Basta entender o básico de economia.
Trader, depois de tudo que o Leandro vêm dizendo sobre a política econômica, achei estranha sua frase "O atual governo tomou muitas medidas corretas, mas, infelizmente, o Banco Central cagou tudo em 2020." Dá a impressão que o Campos Neto fez o que fez contra a vontade do Guedes e do governo. É isso mesmo?
Bom, deixando as ironias de lado e falando sério:

Foi citado que o regime militar (que era o governo brasileiro na época) matou quatrocentos e poucos. É sobre esses que perguntei. Então, quando vc fala "confiscar sua propriedade", vc está falando do governo? Para mim propriedades do governo são roubo.

Gostaria também de saber do "Mais Mises" se o governo militar argentino também estava certo ao matar 17.000 para defender sua propriedade. Não ficou claro para mim se governos podem matar à vontade quem "ameaça confiscar sua propriedade" ou se existe um número limite, maior que 400 mas menor que 17000, que separa uma ditadura "boa" de uma ditadura "ruim".

Eu ainda acho que governos não deveriam existir, e se existirem, não deveriam ter acesso a armas para matar pessoas. Mas esse é só meu lado ancap falando.
Nenhuma pessoa de bom senso afirma que "seria bom os juros serem sempre muito altos".

Tal frase faz tanto sentido quanto dizer que "seria bom os preços da carne serem sempre muito altos" ou "seria bom os preços da cocaína serem sempre muito baixos".

Juros são um preço como qualquer outro. São o preço do crédito. E, como todo e qualquer preço, ele deve ser estipulado pela oferta e pela demanda.

Se você adulterar artificialmente o preço do crédito — para cima ou para baixo —, consequências nefastas ocorrerão. Keynesianos reconhecem o problema do preço artificialmente alto do crédito, mas ignoram completamente o problema do preço artificialmente baixo do crédito.

E o problema do crédito artificialmente barato não está apenas nos destrutivos ciclos econômicos. O crédito artificialmente barato também pode escassear o crédito para os mais pobres. Isso é algo que keynesianos também parecem não entender.

Se o BC atua para reduzir os juros a um nível artificialmente baixo, isso nada mais é do que um controle de preços. E o que ocorre com algo cujo preço foi artificialmente tabelado? Exato, ele se torna escasso.

Keynesiano que diz que crédito artificialmente barato irá aumentar a oferta de crédito está, na prática, dizendo que controle de preços aumenta a oferta. Está dizendo que se a prefeitura decretar um teto para o valor dos aluguéis, haverá um aumento na oferta de imóveis a serem alugados.

Se o preço do crédito for decretado em um valor acima do de mercado, a oferta de crédito será ampla, mas haverá pouca demanda por empréstimos. Se o preço do crédito for decretado em um valor abaixo do de mercado, a demanda por empréstimos será alta, mas a oferta será escassa. Os bancos serão muito mais rigorosos em sua concessão.

Quanto mais artificialmente baixos os juros, mais criteriosos e cautelosos os bancos têm de ser. Se os juros são muito altos e o mutuário dá calote em algumas prestações, tudo bem; desde que ele pague as outras, o banco ainda tem lucro. Já com juros artificialmente baixos, qualquer atraso na prestação já afeta severamente a possibilidade de lucro do banco. Em um cenário de juros zero, apenas pessoas e empresas com excelente histórico de crédito conseguem empréstimos.

Por isso houve aquele aparente paradoxo entre juros zero, crescimento do crédito quase nulo e inflação de preços zero na Europa pós-2008. Keynesianos não entenderam isso (e, justiça seja feita, nem chicaguistas).

O melhor preço para o crédito é o preço livremente acordado pela oferta de fundos emprestáveis e pela demanda por estes fundos (e é bizarro que algo tão trivial assim tenha de ser enfatizado até hoje).

É por isso que o arranjo que eu defendo pragmaticamente é o de sound money: aquele que não tem grandes e abruptas flutuações na oferta monetária.

Este é o único arranjo que consegue fazer com que os juros sejam os de livre mercado.

Neste arranjo, a base monetária deveria ser a mais estável possível, com o Banco Central proibido de comprar e vender títulos públicos, e servindo exclusivamente de emprestador de última instância, emprestando dinheiro para bancos insolventes via janela de redesconto a juros punitivos. Os juros de mercado, inclusive Selic, flutuariam livremente.

Os agregados monetários variariam livremente de acordo com a oferta de poupança e a demanda por crédito. No entanto, como não há expansão da base monetária, os Ms obviamente não teria como crescer para sempre. E, sempre que um banco expandisse muito o crédito e necessitasse de reservas, ele teria de recorrer à janela de redesconto, com juros punitivos.

Neste arranjo, obviamente, não teria como haver metas de inflação —que também são uma forma de controle de preços —, mas seria o arranjo mais próximo possível de um sound money (excluindo-se padrão-ouro e criptomoedas), com intervenção mínima do estado na moeda.

E seria também o arranjo mais condizente ao de preços genuinamente livres: não há imposição de juros e não há intervenção para se "levar o nível de preços ao valor desejado".

O atual arranjo — metas de inflação e controle da taxa básica de juros — nada mais é do que uma forma branda de controle de preços.

Com sound money, os juros de longo prazo seriam determinados estritamente de acordo com: 1) risco de crédito; 2) expectativas de inflação (baixas ou mesmo nulas); 3) oferta e demanda.

Qualquer outro arranjo equivale a um controle de preços (de intensidade variada), e, logo, não tem como funcionar sem solavancos e de maneira justa.
Pra mim tem uma controversia que não está muito clara.
Se os juros são muito elevados eles trazem dois efeitos deletérios: redução dos investimentos e do empreendedorismo; e aumento na desiguladade

A redução dos investimentos é lógico, nem precisa ficar explicando. A redução do empreendedorismo é uma consequencia disso.
Se vale menos a pena eu pegar um emprestimo e investir numa empresa, ou se é melhor eu ficar agarrado num título públio ou de renda fixa pra que que vou me aventurar em um empreendimento? Se deixar minha grana parada a 20% ao ano por exemplo, dobrando de capital a cada 4 anos sem correr muitos riscos, pra que que vou abrir uma empresa, lidar com funcionarios etc?

O segundo ponto, não deixa de ser consequencia do primeiro. Se fica caro pegar emprestimo para investir em um negocio privado, fica inviável para quem não tem capital crescer na vida.
É imprescindível que todos tenham capacidade de empreender e acesso a capital barato para expor suas ideias, competir com as ideias dos outros e no final ver quem ganha. Os investimentos ruins sempre serão suplantados pelos investimentos bons, e os ciclos, altos e baixos das economias sempre vão existir, é da natureza da destruição criativa do capitalismo.

Portanto, não consigo entender porque seria bom os juros serem sempre muito altos. Já li diversos artigos deste site e de outros mas nunca consegui entender isso
Muito obrigado Instituto Ludwig Von Mises por expor a todos a real ciência econômica na sua forma mais racional, justa e pura.

Todo canal de rádio, tv e mídias sociais da internet deveria dar ênfase a Escola Austríaca de Economia, incentivando as pessoas a aprender economia de verdade.

Vocês são nota 1000 ??
O Felipe está certo. Houve sim várias medidas pró-mercado (mas você, que mora na China e depende da imprensa para se informar, compreensivelmente não sabe).

Hoje mesmo saiu esta:

Mesmo sob a pandemia, pedidos de recuperação judicial caem em 2021 ao menor nível desde 2014

Números não representam uma recuperação econômica, mas melhora artificial no ambiente de negócios promovida por políticas públicas pontuais

www.infomoney.com.br/negocios/sob-a-pandemia-pedidos-de-recuperacao-judicial-caem-em-2021-ao-menor-nivel-desde-2014/

Isso é por causa de medidas de desburocratização e também da Lei de Liberdade Econômica.

O atual governo tomou muitas medidas corretas, mas, infelizmente, o Banco Central cagou tudo em 2020. E, como eu disse lá em cima, essa insana barbeiragem de 2020 causou o IPCA de 2021, e agora causará os juros altos (necessários) e a recessão (inevitável).

Por causa de uma única barbeiragem monetária, vão entregar tudo de volta para o PT. (Povão vai votar no Lula porque está compreensivelmente puto com os preços da carne e da gasolina). A questão mais crucial da economia é a moeda e a sua gestão. Se um político cagar na moeda, um abraço. Pode esquecer qualquer chance de reeleição.

Paciência, não se pode ter tudo.
Se o cara simplesmente defende ideias, não tem problema nenhum. Ele deve ser deixado em paz.

Agora, se ele participa de revoluções armadas e deixa claro que irá confiscar sua propriedade — e matar você caso você ofereça resistência ao confisco dele —, então sim, você tem todo o direito de matá-lo.

Rever o que está escrito acima.
Não respondeu minha pergunta, e gerou outra dúvida:

Se eu matar alguém, basta dizer "era um comunista" e automaticamente passa a ser "legítima defesa"?

Funciona com outras palavras também, tipo "fascista", "neoliberal", "ateu" ?
Felipe, para você, postura pró-mercado significa atos orais, simbólicos e uma meia dúzia de decreto presidencial meramente cosmético? Qual é a sua base de comparação, um partido socialista radical? Você é um cara inteligente e participativo, mas parece suscetível à chicana demagógica do bolsonaro.

Se bolsonaro realmente se prestasse a consertar as máquinas estaduais, teria aderido ao plano Mansueto em 2020, no qual estados e municípios endividados teriam acesso a empréstimos com garantias da União desde que fizessem um ajuste fiscal para recuperar as suas finanças (extinção de estatal, reforma previdenciária, demissão de funcionalismo etc). O plano era simples e óbvio: ajeite as suas contas, me apresente um equilíbrio financeiro e fiscal e eu te dou dinheiro para investimentos; caso contrário, amargue as consequências com a sua gastança.

Mas, tudo que REALMENTE é pró-mercado é sistematicamente sabotado por bolsonaro, ele atropelou o plano e transferiu dinheiro SEM QUALQUER CONTRAPARTIDA. Mansueto pediu demissão tão logo depois, já que percebeu que naquele mato não havia coelho.

Além disso, já foi falado dezenas de vezes por aqui. Reduzir imposto sem reduzir a máquina é populismo alá Dilma Rousseff. Se estivesse preocupado em reduzir o preço das coisas, já teria enviado uma razoável reforma administrativa e tributária ao congresso, NÃO teria dado aumento aos servidores públicos e a si mesmo, NÃO teria aberto mais concursos públicos, NÃO TERIA SANCIONADO mais outra estatal este ano, NÃO estaria distribuindo emendas parlamentares com verbas recordes, NÃO teria ampliado o programa social de transferência de renda. NÃO teria aprovada aquele pavoroso orçamento. Ah, mas ele não pode fazer nada, né? o congresso e o stf não o deixam.

Felipe, qual a consequência entre congelar o preço dos combustíveis ou subsidiar-lhe com dívida pública?
Você é professor e escreve maravilhosamente assim?

Irmão, você tá ganhando muito. Seu salário correto seria zero. Você é um atentado às crianças. Você é a prova de como os incentivos são distorcidos no Brasil. Você nem sabe exercer seu trabalho, ganha muito mais do que merece e ainda reclama dizendo que os pobres têm de ser ainda mais esbulhados para que você possa ganhar ainda mais.
Sindicato sempre defende o que não presta e é ruim para os pobres. Pode olhar. Sem exceção.

Hiperinflação é péssima para trabalhadores, mas ótima para o alto baronato sindical. Quanto mais alta a inflação, mais desesperado fica o trabalhador, mais poder entrega aos sindicatos que ele pensa que irá defendê-los. Com efeito, a própria hiperinflação aumenta as receitas dos sindicatos, cujos líderes utilizam esse dinheiro para comprar dólares, imóveis (vide Brasil na década de 1980) e outros ativos caros, como relógios de ouro.
Deu aula!
Apesar do desastre na política monetária e fiscal, não dá para negar a postura pró-mercado do Bolsonaro, ainda que de maneira discreta.

Marcelo Queiroga parece (eu não sei) estar com ideia de aumentar a oferta de planos de saúde privados no país com o sistema open health. O Wentraub eu lembro que pensou em cortar impostos sobre o ensino privado.

Bolsonaro quer incluir ICMS em uma PEC para zerar impostos de combustíveis. São R$ 100 bilhões (só de ICMS em combustível) todos os anos para sustentar essas máquinas estaduais intocáveis. Se estivéssemos nos anos 1980, o governo federal iria congelar os preços dos combustíveis ou, na melhor das hipóteses, congelar os preços e subsidiar. O Lasso congelou os preços de alguns combustíveis (a gasolina de melhor qualidade continua com preços livres), não tenho a mínima ideia se ele fez isso igual a Dilma ou se foi igual ao Sarney. Sindicatos de lá são muito briguentos. O Rafael Correa também comprou briga com sindicatos, por ele ter passado uma lei para tirar privilégios do funcionalismo.

Quando o Jamil Mahuad passou a lei de dolarização, teve protesto de sindicato também (os sindicatos preferiam a hiperinflação?).
A lei completa do biodiesel está aqui.
Uma bolha não significa que o ativo em questão não tenha valor, apenas o preço pode cair
nao confunda o bitcoin , que tem fundamento e é moeda, com outras promessas que algum fabricam e chamam de criptomoedas. isso é enganativo. ja ouviu falar da febre das tulipas na holanda?
um dia o preço das tulipas subiu 60 vezes num dia , e o cara que investiu milhoes no negocio recebeu por sorte o retorno de 60 vezes e ficou muito mais milionario. a historia se espalhou e logo vieram os espertos que sempre existiram desde que inventaram o dinheiro: eles vendem promessas em troca do dinheiro das pessoas.
prometiam retornos iguais ao da primeira vez e tudo que as pessoas tinha que fazer era lhes dar dinheiro. isso virou especulação. mas era provocada inicialmente pelo excesso de ouro que stava na holanda na epoca. por isso os titulos se valorizaram muito em pouuco tempo. mas não tinha mada que garantisse que as tulipas iriam continuar se valorizando par sempre.
os especuladores vendiam para o povo os titulos de investimentos em tulipas. e a procura fazia subir . era so promessa. no papel.
muito semelhante aos efeitos da expansao monetaria provocada pelos bancos centrais. o problema não era a tulipa. era o dinhero farto(0 ouro em excesso). tanto é que ate hoje a holanda continua produzindo tulipas e continua vendendo pro mundo todo ate hoje.
o problema não é o bitcoin. ele é um ativo real. mas pessoas querem dinheiro farto, ficar ricas sem esforço. e começaram as promessas das outras moedas lixo. o bit coin serviu como trampolim, pois teve valorização boa, e os que perferam o bonde acreditam que as moedas lixo vao ter o mesmo destino(sao puras promessas e promessas nas maãos de quem faz é garantia de calote)
ja malinvstments sao outra coisa. é quando vc compra um terreno por mil reais e planta tomate, cujo faturamento ia ser de 800 reais( um prejuizo que vc iria ver na sua contabilidade na venda).
mas o gov imprimiu dinheiro e os preços dobraram. agora seu faturamento nomiral é 1600 e vc pensa que esta no lucro. e compra mais terrenos achando que esta ganhando e se endividando. mas quanto maior a taxa de inflação , mais vc pensa que esta tendo lucro e essa distorção faz vcc continuar investindo npos tomates e perdendo dinheiro. vc so per ebe o erro quando o gov interrompe a expansao monetaria. no exemplo vc esta perdendo 20 por cento a cada mil reais investido. mas devido ao aumento dos precos nominais vc acha que esta ganhando 600 a cada mil. se não tivesse tendo a expansao voce veria o erro e não investiria mais em tomates.
isso é um malinvestiment. ja
ja o bitcoin é moeda. não é investimento. vc esta trocando bens por dinheiro. se vc se engana com a moeda que vc compra é ' especulação', promessa de quem vende. o problema não é a moeda, mas " quem a vende". essas moedas lixo que surgem sem nenhum fundamento não sao comparaveis ao bitcoin, mas seus preços hoje so se sustentam pelas promessas dos seus realizadores
Muitas dessas mortes, talvez todas, podem ter ocorrido como resultado do exercício da legítima defesa.

Se você externa a sua vontade de implantar o comunismo, automaticamente está afirmando que usará a violência generalizada para tomar toda a propriedade privada alheia, o que é um ato de agressão, que automaticamente autoriza o uso da legítima defesa por qualquer pessoa residente naquele pais.

Isso não ocorre com programas não comunistas, onde não há relação de agressão, fazendo com que não seja gerado o direito de legítima defesa.
Esse ano teremos crescimento econômico na faixa de 2%, talvez até mais.
As pessoas que se baseiam pelo boletim Focus que prevê estagnação ou recessão estão vivendo em realidade paralelas.
Esse ano a formação bruta de capital privado está bem alta. A taxa de investimentos no PIB já chegou a 20%
O Brasil continua oferecendo juro real tanto no CDI quanto em títulos longos, a inflação não vai durar muito tempo.

As empresas brasileiras estão com múltiplos muito baixos, precificando um risco não condizente com a economia atual.
Foi liberado investimento em Saneamento, gás natural e ferrovias.
As empresas estão bem mais cautelosas, menos endividadas e mais eficientes.
Petrobras foi ano passado a décima empresa mais lucrativa do planeta.
Só esse ano 18 bilhões de investimento entrou na B3