clube   |   doar   |   idiomas
Últimos comentários


Pelo contrário, eles pioraram: passaram a tabelar os juros do cheque especial, e com apoio de gente do governo que se diz liberal.



"Por outro lado, se você acha bacana deslocar-se de carro e pagar quase 7 reais por um litro dessa mistura b8zarra q chamam de gasolina no Brasil, e pior, bancando 40% disso em impostos para o Estado gastador, então fica à vontade."

ah , por favor , xandão kk

tu confunde analise com opiniao e sequer se ateve ao ponto de abertura, mas alem da confusao fabricada , seja por ignorancia ou mau-caratismo , aponta o dedo pros demais e faz um monte de suposiçoes falsas

normalmente os paraquedistas trogloditas eu leio e passo , mas quando voce liga uma metralhadora de falacias e vira um elefante na sala eu preciso apontar o comportamento inapropriado

ate entenderia se estivessemos na 5a serie , ter que chamar atençao de um tiozao de 40 é bastante constrangedor

entao cuidado com o que afirma pra nao ser desmascarado e acabar de calças arriadas como agora, sua intençao nem de longe era trocar ideias e sua aversao a austro-libertarios fica só mais evidente a cada nova bobagem que voce posta

mas ... pelo menos voce serviu de ilustraçao de quais atitudes evitar para nao emporcalhar a sessao de comentarios . aproveite que voce é bem rodado e faça umas reflexoes se voce esta buscando ser um ser humano melhor ou se apenas precisa se sentir melhor que os outros , quem sabe ainda da tempo de se tornar uma pessoa decente


E como funciona em outros impostos, como por exemplo os federais, nos combustíveis?


Muitos liberais tentam justificar o programa de distribuilção de absorventes usando argumento de externalidades.

Envocam a ideia de que os custos do programa são mais do que compensados pelos benefícios.

Meninas com absorventes deixariam de faltar as aulas --> aumenta o desempenho escolar ---> melhora a qualificação da mão de obra a longo prazo.

Mas esse argumento serviria pra tudo que é básico. Por que não fazer programas de fornecimento estatal de leite, internet, geladeiras, energia elétrica, etc ?

Fornececimento estatal gratuito de leite: aumenta a segurança alimentar --> crianças mais bem alimentadas tem melhor desempenho escolar --> melhora qualidade da mão de obra. Crianças mais bem alimentadas --> combate a desnutrição --> evita doenças --> menores gastos com saúde pública

Fornecimento estatal gratuito de internet --> gera mais acesso a informação --> ajuda no desempenho escolar. Maior acesso a informação --> ajuda na prevenção de doenças --> menores gastos com saúde pública.

Fornecimento estatal gratuito de geladeiras --> ajuda no padrão alimentar --> pessoas mais bem alimentadas --> combate a desnutrição --> evita doenças --> menores gastos com saúde pública.

Energia elétrica estatal gratuita: ajuda no padrão alimentar--> e tudo mais. Ajuda no acesso a informação--> tudo mais.

Não percebem que este argumento serve para justificar todo tipo de intervenção estatal possível. Até o dia que virar uma URSS.



Desculpe dois comentários, mas esqueci de citar esses dados
correiodoestado.com.br/economia/brasil-tem-uma-das-piores-taxas-de-recuperacao-de-credito/352840

www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/economia/2019/08/13/internas_economia,776835/recuperacao-de-credito-no-brasil-e-uma-das-mais-demoradas-do-mundo.shtml

Quando metade ter de pagar pelo calote de outra metade, não tem como ter juros baixos também, poupança ajuda, mas se eu empresto a minha poupança sem segurança que irei receber de volta, o premio de risco sobe consideravelmente.

Algo que o atual governo pouco atacou. Até o Lula foi mais inteligente nisso com o consignado(e parte do aumento do crédito no seu governo foi a segurança juridica maior nessa área)


Então, não falei para subir imposto, é justamente o contrário; Parte considerável do spread é imposto, e subir ele não ajuda


Sabe o que todos esses argumentos de que isenções fiscais são subsidios e etc tem em comum?

Todos eles são motivados pela inveja. Eles veem que o outro agora deixará de ter um ônus e ficam com inveja dele, e em vez de lutar para ter o mesmo ônus removido, elas passam a lutar para que o outro passe a ser prejudicado, para assim todos estarem "iguais".


O que eu havia perguntado meses atrás sobre a possibilidade de sobrar empregos por causa do assistencialismo, acabou se confirmando. Problema também está tendo no Reino Unido, só que lá tem também a questão de que os caminhoneiros estrangeiros estão proibidos de voltar para o país e trabalhar.

Se continuar assim, vão ter que substituir por pessoas que querem trabalhar (talvez de fora do país, já que os que estão "dentro" não querem trabalhar...).

Aqui no Brasil, é o contrário: uma massa de pessoas procurando por emprego e escassez de vagas.


"Sem exportar para a China, queda de preço da carne chega ao consumidor"

Quando o governo brasileiro restringe exportação, cai a oferta. E quando é o governo estrangeiro que proíbe importação do produto que os brasileiros enviam? O que ocorre? Entre janeiro e setembro de 2021, 58 % do valor exportado de carne foi para a China.

Vale lembrar que em 2020 e 2021 o Brasil atingiu recorde na exportação de carne, graças à desvalorização cambial.


Sem contar que é perigoso de escorregar. As pragas das ruas de paralelepípedos perdem aderência durante chuvas. É altamente fácil o sujeito perder o controle da bicicleta, principalmente em declives muito acentuados.


Por que nessa época o desemprego era bem maior? Só caiu após a segunda metade da década de 1990.


Então aceite uma opinião contrária e veja que vc está sugerindo medidas completamente desproporcionais e irracionais para um problema que não é visto por todos como tão grave como vc vê.

As escolas não são paraísos, mas também não são infernos. Aliás, são um pouco mais infernos hoje justamente pela influência do politicamente correto, que exige que os alunos se comportem como robôs sem individualidade e sem idéias próprias, meros repetidores de clichês inventados pela engenharia social. Ao invés de preparar os alunos para a vida social, a escola de hoje os prepara para serem vítimas profissionais, adultos irresponsáveis que só sabem colocar nos outros a culpa de seus próprios erros.

O seu comportamente é típico dessa vitimização: primeiro usa adjetivos emocionais e exagerados para expressar seus problemas como se fossem o problema mais importante do mundo ("vidas destruídas", "atrocidades", "monstros que são", etc). Sugere medidas absurdas como remédio porque tem certeza que sabe separar de forma inquestionável os bons dos maus - ignorando que no mundo real as coisas não são assim. E por último, acusa todos os que não concordam de "falta de empatia".

No caso específico: vc me conhece? Sabe se tenho filhos ou filhas? Porque ao dizer "você concordaria comigo", fica implícito que sua opinião deriva de uma posição pessoal. Na sociedade, a justiça é aplicada a partir de leis impessoais e uma instituição que se propõe a ser isenta. Você acha que seria bom para a sociedade que ao invés disso a justiça fosse aplicada pelas vítimas? Voltaríamos à era do olho por olho, dente por dente, e viraríamos uma sociedade de cegos e banguelas.

Enfim, devagar você, Sr. Fábio Costa. Sua proposta é digna de um ditador totalitário sim. Reflita um pouco.



Apenas um contraponto, Alexandre:

"já existem diversos trabalhos no campo da engenharia e urbanismo que comprovam, COMPROVAM..."

Com caixa-alta e tudo, isso chama-se falácia do apelo à autoridade. Um trabalho, estudo ou pesquisa não comprova nada, apenas apresenta dados e opiniões.

E no Brasil de hoje, onde o meio acadêmico virou uma imensa e muito bem-paga repartição pública, o que não faltam são "pesquisadores" dispostos a dizer qualquer coisa que seja do interesse dos políticos e burocratas que garantem seus salários.


Como se reduz custo de spread aumentando imposto? Fiquei curioso.

Aliás, o spread dos juros é um dos menores problemas do país. País de baixa poupança e de população consumista e com baixo horizonte temporal não tem como ter juros baixos. Economia básica.


"se você acha bacana deslocar-se de carro e pagar quase 7 reais por um litro dessa mistura b8zarra q chamam de gasolina no Brasil, e pior, bancando 40% disso em impostos para o Estado gastador, então fica à vontade."

Meu nobre, existe uma diferença básica entre "achar bacana" e "ter opções realistas".

Aqui em Belo Horizonte é simplesmente impossível você se deslocar de bicicleta por toda a cidade. Você consegue fazer isso apenas em pontos muito específicos da cidade (nos quais há ciclovias e estão totalmente abandonadas).

A cidade é cheia de morros íngremes e piso irregular. Ontem lembrei-me de você porque caiu um dilúvio aqui. Fiquei pensando: e se não houvesse carro e todo mundo tivesse de se locomover de bicicleta? Seria engraçado, para não dizer letal, pessoas andando de bicicleta sob um dilúvio, carregando vários pertences (como fariam isso?), e subindo e descendo morros íngremes.

Venha mais para o Brasil real, meu caro.


Deixe-me ver se entendi seu raciocínio. Minha curiosidade é genuína: segundo você, os EUA "estão em decadência", "apodrecendo por dentro" e "em fase de queda", mas Japão e Europa são potências imperturbáveis, que não sofreram nada desde a década de 1990 e que continuam em ascensão? Interessante…


Os EUA continuaram prosperando e criando riqueza.

Os EUA estão em decadência, só que o processo é lento e por isso o pessoal não percebe.
Aquilo lá está apodrecendo por dentro, como todo império em fase de queda.

É irreversível; nem um messias, tipo o Trump, é capaz de reverter isso, no máximo atrasar um pouco a queda.

Se você tem menos de 70 anos ainda viverá para ver a queda do "Império do mal".

Eu estou adorando... rsrs



Sobre o comentário do colega, entendo que se a empresa A tem isenção, o mercado inteiro é beneficiado, inclusive os consumidores, que sempre tem interesse em preços mais baixos.


"E isso não ira acarretar uma menos arrecadação do IPTU e consequentemente no futuro um aumento do mesmo para compensar? "

Pego o gancho do que o Alberto respondeu. A cabeça do brasileiro médio é assim: possui um chip instalado já de fábrica em que boa parte da programação é sobre como o governo vai fazer para taxar, fiscalizar e controlar "as coisas".


Anonimo.

Este site tem artigos que modelam uma estrutura de sociedade sem a existência do Estado. Você consegue compreender o elevado nível de disrupção q este tipo de proposta exige? Duvido. Q

Evidente q este site não é, é para você!

Se você não consegue se abrir ou encarar com razoabilidade a ideia de q uma política de diversificação de modais de transporte poderia influenciar no preço dos combustíveis fosseis na medida em que daria ao consumidores poder para alterar a relação demanda vs oferta de combustíveis (no caso, reduzindo a demanda), então realmente o seu lugar não é aqui. Esta comunidade não é para gente sem capacidade de disrupção. Sem vontade de ver hoje o que será uma exigência no futuro - a não ser q queira ficar para aprender. Aí seria bem vindo. Afinal, ensinar e aprender são conceitos nobres. E ser nobre é um axioma social - do qual particularmente comungo.

Pra sua informação, já q claramente vc desconhece, já existem diversos trabalhos no campo da engenharia e urbanismo que comprovam, COMPROVAM o impacto positivo da implementação de ciclovias e ciclo faixas em grandes centros urbanos do Brasil e do mundo na fluidez do trânsito e na melhoria de níveis de saúde. O debate teórico q se enseja em muitos locais, e que aqui foi censurado por gente de mente fechada, é se tal alternativa poderia ser usada como um escudo que ao menos reduza o nível de exposição do consumidor aos reajustes insustentáveis dos combustíveis fosseis. Infelizmente o ceticismo se da apenas por narrativas e ofensas. Zero análise objetiva. "Apenas não presta pq eu digo q nao presta". Lamentável. Só não é mais lamentável do que é patético.

Por outro lado, se você acha bacana deslocar-se de carro e pagar quase 7 reais por um litro dessa mistura b8zarra q chamam de gasolina no Brasil, e pior, bancando 40% disso em impostos para o Estado gastador, então fica à vontade. Se for esse o caso, ai realmente eu acho q esta comunidade é proibitiva a vc. Você se sentiria muito mais à vontade num diretório estadual de algum partido político.

Eu, embora muito contrariado, consigo pagar gasolina até 50 reais ou litro, ou mais... E você?

Por fim, vou dizer o q disse ao outro manoel. Não vou perder mais mei tempo respondendo você.

Boa sorte.


Por que o governo quer "compensar" a queda de um com o aumento de outro? Simplesmente porque aqui no Brasil quase todos os governos querem atalhos, eles não querem resolver problemas estruturais (aliás, eles mais criam do que resolvem). Se o governo é capaz de diminuir repasse de dinheiro para o MCTI, então nada mais justo do que cortar gastos em outras coisas (algo que quase não aconteceu).

Imposto de importação não tem finalidade de gerar receita para o governo. Isso acontecia, mas era numa época onde não existia o imposto de renda. Nessa época (República Velha), grande parte das receitas vinha dos impostos de importação e exportação. Nos Estados Unidos foi assim até o começo do século XX também.

Nos dias de hoje esses impostos de importação servem com intuito protecionista: ou seja, quanto menos comprar bens estrangeiros, melhor (ou até comprar nada, como na Coreia do Norte).


"Todo mundo"

???

Quem escreveu "todo mundo" aqui?

Você e teu comparsas semialfabetizados.

O cidadão pode ter seu carro enquanto bem de consumo. E ter a opção de fazer alguns deslocamentos de bicicleta, voluntariamente, se assim for viável.

Se, por outro lado, você acha bacana andar de carro e pagar quase 7 reais por um litro de gasolina, sendo 40% disso de impostos para o Estado gastador, então fica à vontade. Só devo dizer q acho muito estranho nesta comunidade ter alguém q queira fazer isso.

Eu, embora muito contrariado, consigo pagar gasolina até 50 reais ou litro, ou mais... E você?


Concordo. E pagamos no cambio com esses juros controlados e risco fiscal elevado. Mas, por isso, reduzir custos de spread por meio de impostos, segurança juridica no crédito, levaria a uma queda de juros estruturais sem ser por canetada. Como se a SELIC fosse a principal culpada pelo crédito caro no Brasil (Não é, e parece que nunca passou pela cabeça do bolsonaro, ou do Guedes)

Alias.
veja.abril.com.br/blog/thomas-traumann/os-r-100-bilhoes-do-auxilio-bolsonaro/



Dizer que uma redução de imposto (ou mesmo uma isenção) causa distorção significa, por definição, dizer que um aumento de impostos corrige distorção. Consequentemente, significa dizer que quanto maior o confisco de riqueza da economia pelo estado, mais a economia fica estabilizada e limpa.

O erro do raciocínio está exatamente no fato de que a distorção não é causada pela redução ou pela isenção, mas sim pelo imposto remanescente. E quanto mais este imposto remanescente for reduzido, menos distorcida ficará a economia.


E isso acontece com mais frequência que imagina, não digo do suborno pois não posso provar nada, mas recebo muitas cartas e e-mails de nossos fornecedores informando que conseguiram isenções, na verdade redução de alíquota, do PIS Cofins e que agora podem fornecer seus equipamentos em melhores condições comerciais, e em produtos completamente comuns neste ramo, a vantagem competitiva que adquirem sobre seus concorrentes é obvia.

O industrial sempre vai buscar vantagem competitiva para sua empresa, no Brasil isso significa buscar favores no governo, já que sai muito mais barato que investir em maquinário de ponta, tecnologia e formação de mão de obra qualificada. São as regras do jogo, o certo e errado não são parâmetros quando o governo é o juiz.

Recentemente conheci este site que muito está contribuindo para meu entendimento em tudo que acontece economicamente, dias atrás compartilhei minha experiência em trabalhar numa indústria protegida pelo governo, nossos clientes são proibidos de importar produtos que fabricamos logo trabalhamos com isenção, isenção de concorrentes externos.


"A empresa A decide então subornar agentes do governo para ter isenções fiscais (ISENÇÕES, não subsídios). A empresa A pagou R$ 1 bilhão, e teve isenção de R$ 2 bilhões."

Nada de errado. Ela gastou dinheiro próprio para não ser espoliada. Ela não tomou dinheiro de ninguém e nem ganhou dinheiro de ninguém. Dado que ela não recebeu subsídio, mas sim isenção, nenhum centavo de dinheiro público foi direcionado a seus cofres.

No fundo, ela simplesmente pagou um arrego para não ser extorquida mensalmente para a máfia. Agiu corretamente.

Mas o interessante é a hipocrisia do povo: se quem fizesse isso fosse o comerciante de uma favela em relação à milícia local — ou seja, ele paga à milícia para não mais ser extorquido — ninguém acharia ruim, mesmo sabendo que, ao agir assim, ele obteria uma "vantagem comparativa" em relação aos outros comerciantes favela.

Dois pesos e duas medidas.

"A empresa B não subornou ninguém, e ficou com sua pesada carga tributária para pagar, lucrando menos e investindo menos."

Nada impede que ela faça exatamente o mesmo que a empresa A. Se não fizer, ficará para trás. Agora, perceba duas coisas:

1) Essa distorção só ocorre porque há uma entidade na jogada extorquindo as duas. A partir do momento em que esta entidade extorque, todo o mercado já está distorcido. A culpa desta entidade não pode ser relevada.

2) Ainda assim, o que foi feito pela empresa em A em nada se difere de um investimento. Ela gastou dinheiro para obter um fluxo de renda maior no futuro. A empresa B pode fazer o mesmo. Se não fizer, o investimento da empresa A terá valido muito a pena.

Ah, e antes de alguém me xingar de qualquer coisa, sempre tenha em mente quem é a real instituição que está causando isso tudo. Xingue esta milícia, e não a mim.


"Milhares desses medidas que visam diminuir impostos para apenas um setor já existem, e eu sou contra pelos motivos que eu disse no meu comentário."

Opa, obrigado pela sinceridade. Você é contra redução de impostos. Sem problemas. Bastava deixar isso claro desde o início.

Sendo assim, é óbvio que o artigo não lhe representa. Aliás, dica: nem este Instituto.

"Como eu já disse, isso que tu chama de "diminuição SELETIVA do esbulho estatal" eu chamo de "distorção ao principio da livre concorrência e potencialização da politicagem de burocratas"."

Sim, agora faz sentido. Dado que você claramente acabou de se posicionar contra redução de impostos, então é natural que você reaja contra qualquer medida neste sentido.

De novo, eu aplaudo sua sinceridade. Você foi o primeiro a assumir isso. Todos os outros que têm a sua mesma posição não têm essa coragem, e ficam tergiversando.

"Nesse caso do imposto de importação valeria a mesma lógica. Porque um produtor rural poderia ter o direito de adquirir bens de capital de melhor qualidade e mais baratos que um produtor industrial?"

Agora foi longe, hein?

Tipo assim, eu até entendo que algumas pessoas sejam contra isenções seletivas para empresas do mesmo ramo — afinal, são concorrentes —, mas para mim é novidade que um agricultor do Mato Grosso não possa importar um trator com isenção só porque a Ford na Bahia não goza de isenção para importar uma máquina que faz a estampa do capô.

Você realmente é uma pessoa coerente. E aplaudo muito isso (estou falando sério). Você não só teve a hombridade de dizer abertamente que é contra redução de imposto, como também deixou explícito que é contra qualquer isenção: afinal, se o setor agrícola ganhou uma isenção, isso irá prejudicar muito o setor automotivo...

"E tem mais uma coisa, eu nunca vi isenção de imposto levar a uma diminuição da carga tributária."

Tipo assim: a própria isenção já não seria, por definição, uma redução de impostos? Estou confuso.

"Aliás o que vemos é o contrário, cada vez mais vir pressões para acabar com as isenções e aumentar a carga tributária."

E, pelo visto, acabei de conhecer o líder deste movimento.


"Crédito também é custo de produção e afeta toda a cadeia. Estamos falando da moeda nacional."

Correto. E todo mundo acha lindo quando o governo reduz artificialmente a taxa de juros e isso causa uma brutal desvalorização na moeda nacional, aumentando o custo de vide e afetando o padrão de vida de todos.

Mas, curiosamente, contra este subsídio — não é isenção; é subsídio mesmo: pune-se os poupadores e premia-se os consumistas — ninguém (com a exceção dos austríacos) fala absolutamente nada.


Vou botar um pouco de lenha na fogueira. A minha curiosidade é sincera:

Duas empresas, A e B, concorrem em um setor. A empresa A decide então subornar agentes do governo para ter isenções fiscais (ISENÇÕES, não subsídios). A empresa A pagou R$ 1 bilhão, e teve isenção de R$ 2 bilhões. A empresa B não subornou ninguém, e ficou com sua pesada carga tributária para pagar, lucrando menos e investindo menos.

A empresa A agiu certo? E a empresa B, agiu certo?

Grande abraço.


Crédito também é custo de produção e afeta toda a cadeia. Estamos falando da moeda nacional. Só que de uma forma mais invisível do que ir no posto de gasolina. A questão é complexa no Brasil. Aqui isenção de um lado, com essas contas públicas em modo foguete, significa aumento pro outro. Além do caos burocrático que leva a custos invisíveis. (Contratar contador, advogado, etc)


Milhares desses medidas que visam diminuir impostos para apenas um setor já existem, e eu sou contra pelos motivos que eu disse no meu comentário. Isso que tu chama de "diminuição SELETIVA do esbulho estatal" eu chamo de "distorção ao principio da livre concorrência e potencialização da politicagem de burocratas".

Nesse caso do imposto de importação valeria a mesma lógica. Porque um produtor rural poderia ter o direito de adquirir bens de capital de melhor qualidade e mais baratos que um produtor industrial?

E tem mais uma coisa, eu nunca vi isenção de imposto levar a uma diminuição da carga tributária. Aliás o que vemos é o contrário, cada vez mais vir pressões para acabar com as isenções e aumentar a carga tributária.


Vou até mais fundo no conceito. Não é "caridade" você dar tudo para os outros. Esses outros não evoluem na vida, e você está contribuindo para que esse não evolua e não alcance a o ponto da espiritualidade que lhe dê salvação.

Esta não é a verdadeira caridade... e quem a pratica na verdade está roubando a salvação dos outros para inflar o próprio ego. Sendo assim, a tese socialista, assistencialista , estatista cai por terra. Se te acusarem de não ser caridoso em dar impróprio dinheiro por pura e espontânea pressão, lembre que eles falam isso pra te roubar melhor.


"Ou se cobra o mesmo imposto de todo mundo ou não se cobra imposto nenhum de ninguém."

Ué, mas e se surgir uma terceira alternativa, qual seja, reduzir os impostos para apenas um setor: você seria contra?

Suponha que surja um projeto de lei defendendo a isenção total para empresas de um setor específico. Você seria contra essa diminuição do esbulho estatal?

Se sim, aceite a realidade: você defende o imobilismo. Por lógica, seria contra qualquer projeto que zerasse as tarifas de importação. Certo?


Combustível é custo de produção. Determina absolutamente toda a cadeia de produção. Não é como reduzir imposto sobre perfume. Qualquer redução no custo de produção que não seja artificial (isto é, que não seja via controle de preços) é bem-vinda.

Quanto ao governo elevar outros impostos para compensar uma redução, isso é obviamente um erro. E é outro debate, pois o que se está discutindo aqui é isenção, e não a redistribuição de ônus.


Ao meu ver as isenções fiscais são subsídios indiretos para aqueles que são beneficiados por essas medidas, uma vez que os "agraciados" passam a ter vantagens competitivas criadas artificialmente pelo Estado.

Ou se cobra o mesmo imposto de todo mundo ou não se cobra imposto nenhum de ninguém.


O problema de isenções setoriais generalizadas e não um imposto flat é, além de gerar uma burocracia imensa (quem tem isenção, o chocolate? E se o biscoito tiver chocolate, ele tem ou não isenção?) elevando os custos com o caos tributário, distorce os preços relativos da economia. Eu vou usar a tecnologia pior só porque ela tem isenção. Os preços perdem a capacidade de informação do que é mais eficiente ou melhor, e passam a enviar a informação apenas do que paga menos imposto.

Todos os países adotam um IVA que busca ser Flat, o Brasil é a regra fora, com trocentas regras de isenções de um lado.. E o problema é que essas isenções não reduzem a demanda do governo por impostos, ele acaba cobrando mais em outras áreas. Alguns pagam muito, outros pouco. Isenção pode ser vista como subsídio quando o governo eleva impostos em outra área para compensar..

Exemplo:

www1.folha.uol.com.br/mercado/2021/03/governo-deve-propor-alta-de-tributacao-sobre-bancos-para-compensar-isencao-de-diesel.shtml

Subiu o preço do crédito para toda a economia. É isenção mesmo?
¨


Liberal de esquerda: defende a liberdade de tomar o que é dos outros.
Liberal de direita: defende a liberdade de defender o que lhes querem roubar.


Reduções de impostos, por definição, não geram distorções. O que gera distorções são os impostos.

O fato de uma pessoa não ser assaltada não gera nenhuma distorção. O assaltante que assalta a outra pessoa é que está gerando distorção.

Dizer que redução de impostos gera distorção é o equivalente a dizer que a pessoa que não foi assaltada tem de ser assaltada também, pois só assim não há distorção.


"Duvido que você encontre um único exemplo desde a promulgação da LRF que sustente a sua afirmação onde o governo cria divida para bancar despesas, salários ou subsídios."

Em que país você vive? Certamente não é o Brasil.

Aqui, o governo tem déficit primário. Isso significa que, mesmo excluindo os gastos com todo o serviço da dívida, o governo gasta mais do que arrecada.

E a dívida bruta só faz subir.
Ora, se o governo gasta mais do que arrecada mesmo excluindo-se todo o gasto com o serviço da dívida, e considerando que o governo praticamente não investe (esta sempre foi a crítica), então ele está gastando com o quê?

Bingo!

Outra coisa: eu nunca disse que "o governo cria dívida para bancar despesas, salários ou subsídios". Esse espantalho é seu. O governo de fato, em tese, não pode criar gastos sem comprovar a origem da receita. Eu disse que o governo pode sim cortar impostos pontuais sem ter de subir outros. E o fato de ele ter déficit primário comprova isso. A própria reforma do IR que hoje está em pauta comprovadamente irá reduzir a arrecadação.

E tudo isso legalmente.

Aliás, o próprio governo federal já cortou o imposto de importação de mais de 500 produtos. E sem ter tido de aumentar outros.

www.gov.br/casacivil/pt-br/assuntos/noticias/2021/fevereiro/governo-federal-zera-o-imposto-de-importacao-de-mais-de-530-produtos


"Não é fácil aceitar que o mesmo imposto não seja pago por todos"

Não é fácil uma pessoa assaltada aceitar que outras também não sejam. Certo?

"Pessoas com mais de 65 anos podem pedir "ISENÇÃO' sobre o IPTU"

Ótimo. Menos dinheiro para políticos e reguladores. Menos dinheiro para a prefeitura contratar mais burocratas que irão criar mais burocracias e regulamentações, as quais irão emperrar ainda mais a economia.

Isenção de IPTU para quem tem mais de 65 anos tá até pouco. Tem que começar, na mais branda das hipóteses, a partir de 50 anos.

"Neste caso como podemos enquadrar este fato, pois estaremos dando isenção numa faixa de idade, sendo que nesta mesma faixa de idade esta pessoa pode ter muito mais condições financeiras que alguém abaixo de 65 anos."

Ou seja, você está agindo exatamente igual àqueles defensores radicais da redistribuição igualitária de renda. A preocupação deles não é enriquecer o pobre, mas sim empobrecer o rico. Já a sua preocupação não é reduzir o esbulho sobre os proprietários mais jovens e pobres, mas sim aumentar o esbulho sobre os proprietários mais idosos e mais ricos. (Aliás, dizer que idosos que recebem do INSS são mais ricos é um saque e tanto, mas vou deixar passar).

Por que — por favor, me diga — o fato de haver jovens proprietários mais pobres implica que proprietários mais idosos têm de dar mais dinheiro para políticos e burocratas? Por favor, só um argumento.

"E isso não ira acarretar uma menos arrecadação do IPTU e consequentemente no futuro um aumento do mesmo para compensar?"

Viu só? Você, no final, está preocupado apenas com o quanto políticos, burocratas e reguladores estão recebendo. Para você, essa gente impoluta tem de receber ainda mais dinheiro para ferrar a economia. Tá pouco ainda. E a maneira certa de dar ainda mais dinheiro para essa camarilha seria, segundo você, esbulhando os idosos.

Legal.

"Eu até acredito que os mentores da maioria das taxas tributos e impostos envelhecem e elaboram novas leis para desafogar eles próprios."

Que bom. Pelo menos isso. no mínimo, isso significa que nós pobres mortais iremos, ao final da vida, também pagar menos impostos. Muito pior seria se eles elaborassem leis que piorassem as coisas para os idosos. Já pensou? Você passa a vida inteira trabalhando e pagando impostos para sustentar políticos e funças. Aí, chega aos 65 anos, e sua carga tributária aumenta ainda mais?


"Se quiser trocar seu psicólogo por esta terapia, fale comigo, tenho muitas dicas para dar.

Desculpa mas eu não posso me ressabiar de viver como eu gosto enquanto muitos preferem ficar (por gosto) sentados assistindo youtube ou xvideos e acumulando colesterol nas veias do coração. (Não estou necessariamente falando de vc), achando q tão abafando pq tão tirando 3 mil por mês no app da XP. "

ponto fraco : espelho

se pra se ressabiar voce invoca youtube e xvideos realmente voce ta ruim de carteirada

nao adianta escrever bobagens e ficar bravo com o que recebe , talvez voce se sinta mais confortavel la na rede do zuquinha, que o pessoal esta mais no seu nivel intelectual


Hugo você interpretou o texto do Fair Rule a sua maneira e tirou um monte de lorota do chapéu sem conexão com a realidade.

1) "Já começou errado. Normalmente o governo se endivida. É raríssimo o governo aumentar impostos para compensar uma redução..."

Aqui estão dois exemplos recentes que contradizem a sua afirmação:

IOF volta a ser cobrado para cobrir isenção de conta de luz no Amapá

Bolsonaro criar decreto para aumentar alíquota do IOF para custear novo bolsa família

Não apenas isso. Já ouviu falar da regra de ouro na responsabilidade fiscal? A união só pode criar dívida em 2 situações: rolagem e obras de infraestrutura. Todas as demais despesas são feitas com o aumento da arrecadação. Paulo Guedes e ministros anteriores usam o IOF porque a alteração da alíquota é feita unilateralmente e não precisa da autorização do Congresso Nacional.


2) "E de novo: você parte do princípio de que o governo não pode cortar gastos. Sua argumentação coloca a máquina estatal e o funcionalismo público como entes cujos benefícios são sacrossantos e que não podem ser abalados. "

ele não disse sobre a impossibilidade dos cortes de gastos pelo estado brasileiro. Ele constata o fato que o estado brasileiro nunca realiza cortes na máquina pública, portnato, no arranjo estatal atual, subsídio para Pedro é alíquota para Paulo.

Muito pelo contrário, sempre há uma oportunidade para o aumento de gastos mesmo em crise fiscal. O presidente Bolsonaro aproveitou a reforma previdenciária em 2019 e submeteu paralelamente um projeto de lei que aumentou o salário dos oficiais das forças armadas que somente em 2020 custou cerca de 50bi. Você consegue imaginar o volume do estrago fiscal desse aumento irresponsável de despesa permanente?


Mostre aqui o pedido de autorização que o Paulo Guedes enviou ao Congresso Nacional solicitando emissão de dívida para pagar os novos salários dos militares ou qualquer outra despesa. Duvido que você encontre um único exemplo desde a promulgação da LRF que sustente a sua afirmação onde o governo cria divida para bancar despesas, salários ou subsídios.


No mais, somente isso importa: Impostos iguais e baixos, e se possível inexistentes. Para TODOS.

Qualquer arranjo estatal será nocivo para alguém.


Não é fácil aceitar que o mesmo imposto não seja pago por todos
Exemplo clássico disso acontece em algumas cidades
Pessoas com mais de 65 anos podem pedir "ISENÇÃO' sobre o IPTU
Neste caso como podemos enquadrar este fato, pois estaremos dando isenção numa faixa de idade, sendo que nesta mesma faixa de idade esta pessoa pode ter muito mais condições financeiras que alguém abaixo de 65 anos.
E isso não ira acarretar uma menos arrecadação do IPTU e consequentemente no futuro um aumento do mesmo para compensar?
Segundo o texto é melhor seria abolir o IPTU ,mas todos nós sabemos que isso jamais irá acontecer
Sei que não tem nada a ver com EMPRESAS mas não deixa de ser um tipo de ISENÇÃO que afeta a todos.
Eu até acredito que os mentores da maioria das taxas tributos e impostos envelhecem e elaboram novas leis para desafogar eles próprios.


o que uma familia faz
ensina principios, valores. incentive a ler bons livros , escutar boa musica , a lidar com dinheiro e ter respeito pela vida
o esporte e as artes marciais ensinam disciplina, a computaçao é matematica
gaste seu tempo como educador, acompanhe-o em atividades de recreaçao que tenham valor
um observatorio astronomico, ou feira de tecnologia, pra pescar no alto mar, talvez ele desde cedo se mostre interessado em outra atividade , andar de skate ou motocross ?
imagino que voce nao esteja interessado em criar algum negocio familiar que vai passar para seus descendentes ?

no brasil a noçao de homeschooling é proxima de zero, ninguem afirmou que homeschooling significa que os pais serao os professores
nos EUA onde sempre foi bem difundido e é um direito defendido poder educar seus filhos, voce contrata pessoas para darem aulas , essas aulas nao tem necessariamente uma grade imposta
voce, quem sabe se juntando com outros parentes e vizinhos ou a turma da igreja, paga um profissional pra dar algumas aulas a uma criança ou mais
eu que sou da area de tecnologia posso ensinar algo relacionado , ou talvez voce queira arrumar um engenheiro civil, ou algum outro profissional especifico pra ensinar um determinado conteudo por alguma horinhas, ja dentro de uma atividade economica ?

no fim é aquela conversa, individuos livres, livre iniciativa
talvez pessoas formem grupos que forneçam pacotes educacionais como serviço, que nao seriam diferentes de uma escola, mas nao serao do tipo ensino integral tradicional

falando em ensino integral nos EUA é ainda na escola que se faz a triagem dos futuros grandes esportistas
se voce for bom em alguma coisa nao demora muito pra aparecerem bolsas e financiarem sua preparaçao e competiçoes
o futebol americano colegial é um otimo exemplo do potencial economico pra sociedade em geral
geram valor pra um monte de gente, seja como entretenimento, atraves de patrocinadores, de trabalho remunerado, alem do destaque da naçao em si em competiçoes internacionais

voltando assunto "pai e filho" sao os pais que devem identificar e ajudar a buscar sucesso na vida, apenas conhecimento nao garante nada pra ninguem , entao mesmo que voce jogue isso no colo de outrem , a formaçao do adulto vai depender majoritariamente do comportamento dos pais em relacao ao que seus protegidos podem desenvolver e prosperar daquilo , terceirizar essa responsabilidade a chance de nao dar certo é bem maior


Nunca entendi por que um ser humano minimamente decente faz questão de obrigar os outros a dar mais dinheiro para o governo (qualquer governo). Isso nem sequer ajuda a população. É apenas mais dinheiro para o bolso de políticos e para a alta casta do funcionalismo público.


Se você visse o que tem de "liberal" anti-Bolsonaro dizendo exatamente isso nas redes sociais iria desanimar total do país.


Teve gente também que criticou o Neymar quando ele escolher pagar impostos como pessoa jurídica, dizendo que ele estava sonegando ou fraudando a Receita Federal. Esse jogador de futebol por mais inepto que ele seja na vida pessoal sustentou bastante políticos com a renda criada por seu trabalho....


A boa notícia é que esses ficarão esquecidos, já perderam a capacidade de raciocínio. Basta ver o fiasco que foi aquele protesto do dia 12. Foi menor do que os protestos organizados pelo PT e afins.


"Estou sendo estuprado e você não. Então você que está livre do estupro é um privilegiado que deveria passar a ser estuprado também, pois assim o estupro seria menor para cada um de nós".

Entendeu? Nem eu.


Essa frase presente no artigo é uma contradição em termos: "Há liberais dizendo que esta redução no ICMS representa um "subsídio" para os consumidores."

Isso aí não é liberal nem aqui nem na China, trata-se de um keynesiano com tapa de olho de burro, esse cidadão está equivocado em qualquer ponto de vista que se possa imaginar.


"Há liberais dizendo que esta redução no ICMS representa um "subsídio" para os consumidores.

Segundo eles, reduzir o ICMS equivale a 'usar dinheiro público para incentivar o consumo de gasolina' e 'jogar sujo com empresas que produzem energia mais limpa e possivelmente quebrar algumas delas'."


Eu só colocaria "liberal" com aspas mesmo. Cheguei a ver essas postagens no Twitter.

O liberalismo no Brasil já foi morto: agora está igualzinho ao que é liberal nos Estados Unidos. Se os liberais do século XIX vissem os "liberais" de hoje, eles ficariam certamente muito decepcionados.

Essa ideia de atacar isenções de impostos é tão insana que até o Lewandowski foi contra. Há 92 tributos diferentes, a carga tributária brasileira é a segunda maior da América Latina (só perde para Cuba) e eu sou obrigado a ver o governo preocupado em acabar com isenções fiscais. Paulo Guedes já acabou com várias deduções fiscais e ele deve continuar com isso, pois ele defende aumento da carga tributária. São essas isenções e deduções que tornam a vida do gerador de riqueza menos infernal no País.

Murray Rothbard escreveu um artigo muito bom sobre reforma tributária. Acho que se ele estivesse vivo e visse as propostas de reforma aqui do Brasil, ele teria um infarto.


"se o governo por exemplo abolisse o imposto sobre combustíveis e alimentos teríamos um ganho enorme de produtividade."

Mas aí a esquerda e alguns "liberais" diriam que isso seria um odioso subsídio ao agronegócio e às petroleiras…

Esquece… não há diálogo com fanáticos político-partidários.


E o mais interessante é que muita gente critica isenções (para empresas e igrejas) e defende subsídios. Isso mostra que o que eles realmente querem é esbulho.

Se um escravo fugir de seu senhor, eles defendem que ele seja recapturado. Afinal, isso é "igualdade e justiça para todos".


"Impostos iguais e baixos, e se possível inexistentes. Para TODOS."

Concordo totalmente. Mas isso, por si só, não torna válido nada do que você disse.



Perfeito o comentário do Hugo, se o governo por exemplo abolisse o imposto sobre combustíveis e alimentos teríamos um ganho enorme de produtividade.



Vai ser interessante: todo mundo abandonando carro para andar 8 km de bicicleta na chuva.

O cara realmente acredita nisso.

Ah, e quem apresentar uma mínima resistência a este cenário é um negacionista.


Quando foi que a humanidade ficou assim tão afrescalhada quanto você, ao ponto de acreditar que se não usar máscara vai gripar e morrer?


Quando foi que a humanidade ficou assim assim tão gayzinha como você, de se incomodar com o uso de máscaras?


O ICMS, como todo imposto , contribui pra destruir a capacidade produtiva de um determinado produto (pois o produtor passa a ter menos dinheiro pra investir na produção deste).

Ao abaixar imposto, tem-se o efeito de sobrar mais pra quem o produz. Com isso, ele pode investir no aumento da produção nacional.

Com o aumento da produção, os preços caem no longo prazo. Economia básica.

O preço nacional é extremamente dependente da cotação internacional porque a produção nacional não é condizente com a demanda.

Ao abaixar o ICMS de forma permanente, não temporária, você sinaliza ao mercado que ele pode fazer os investimentos necessários para aumentar a produção no longo prazo, e com isso baixar os preços do lado da oferta.

Do lado da demanda, infelizmente, a impressão de dinheiro e juros negativos já fizeram seu estrago.


"Discordo, o governo quando isenta pedro, cobra mais de Paulo."

Já começou errado. Normalmente o governo se endivida. É raríssimo o governo aumentar impostos para compensar uma redução, pois isso é impopular e sempre há resistência de lobby. Portanto, o que normalmente ocorre é que o governo se endivida, gerando estas consequências.

Ademais, sua argumentação é inválida, pois parte do princípio de que o governo não pode cortar gastos. Ou seja, sua argumentação coloca a máquina estatal e o funcionalismo público como entes cujos proventos são sacrossantos e inabaláveis. Por quê?

"Porque ele não fica sem a receita, ele não deixa de ARRECADAR MAIS, esse é o ponto argumentativo da isenção SE TRANSFORMAR em SUBSÍDIO. Para Pedro não pagar, Paulo precisa pagar mais."

De novo: errado. Não há elevação de impostos, mas sim aumento da emissão de títulos públicos.

E de novo: você parte do princípio de que o governo não pode cortar gastos. Sua argumentação coloca a máquina estatal e o funcionalismo público como entes cujos benefícios são sacrossantos e que não podem ser abalados.

Por essa sua lógica, nunca pode haver redução de impostos, pois a alta casta do funcionalismo público estadual não pode deixar de receber R$ 200 mil por mês.

"Isentar energia limpa e carros elétricos e taxar combustivel fóssil. Tai o maior exemplo."

Neste caso, o erro não está em se isentar a energia limpa, mas sim em tributar a fóssil.

E, de novo, não há nenhuma lei natural dizendo que a tributação da energia fóssil é sagrada e não pode ser abolida. É você que partiu desse princípio tosco para tentar sustentar um argumento sem sentido.

"Impostos iguais e baixos, e se possível inexistentes. Para TODOS."

Concordo totalmente. Mas isso, por si só, não torna válido nada do que você disse.



Matemática básica.

Se algo custa $100, e o ICMS é de 30%, o governo estadual arrecada $30.

Se esse mesmo algo passa a custar $200, e o ICMS continua de 30%, o governo estadual passa a arrecadar $60.

Sem que fizesse absolutamente nada (o preço da gasolina é determinado no mercado internacional de commodities), o governo estadual aumentou sua arrecadação em 100%.


Como ressaltado, o aumento dos combustíveis não é causado pelo ICMS. Mas a arrecadação do ICMS aumenta com o aumento dos combustíveis. E os combustíveis seriam mais baratos caso o ICMS fosse reduzido. ICMS não causa aumento, mas é responsável direto pelo fato de o valor final ser alto.

O fato de você — que certamente está entre 10% mais bem informados da população — não saber disso demonstra o desesperador nível de nossa educação.


"O autismo dessa gente é incurável."

quem resume o mundo a itaquaquecetuba a sao paulo é vc...


Imperion turbo nuclear quântico com equio

"Todos os livro de persuasão ensinam que, pra convencer as pessoas, conte histórias. Elas enganam o senso crítico e entram mais fácil no subconsciente. Todas as pessoas que não analisam a fundo se deixam enganar facilmente."


Garoto. Seja minimamente honesto... Pratique o hábito da leitura. Você não vai perder nada.

Não tem "constar histórias"... O comentário de alguem que interagia comigo pediu para eu dar um exemplo prático. Eu dei. Um exemplo que ocorre comigo. Mais autentico que isso, impossível.



"Vai para o trabalho de bicicleta, carrega ela lá, é econômico."

É isso. Ja existem bicicletas elétricas, sabia? Olha no pai google. Elas gastam pouco, porque pesam poucos quilos, tem poucas engrenagens.


"Daqui a pouco vai querer uma lei que obriga todos os empregadores a gastar para carregar os veículos dos seus empregados. Econômico pra "quem"?"

Eu disse isso? Eu não disse isso. Ilação preconceituosa sua. FATO. Alem de não ler os comentários anteriores, ainda faz ilação preconceituosa.

Quer saber? Errado eu estarei realmente se eu responder mais algum topico seu.

Passe bem. Estagiário.


Mas o ICMS é o mesmo a anos e nunca pagamos nesses anos todo esse preço na gasolina. Como ele arrecada mais então quando o barril do petroleo sobe?


Discordo, o governo quando isenta pedro, cobra mais de Paulo. Porque ele não fica sem a receita, ele não deixa de ARRECADAR MAIS, esse é o ponto argumentativo da isenção SE TRANSFORMAR em SUBSÍDIO. Para Pedro não pagar, Paulo precisa pagar mais.

Dito isso, Isentar um setor especifico ou um sujeito especifico porque ele atende critérios, causa distorções de investimentos SIM, quer um exemplo? Isentar energia limpa e carros elétricos e taxar combustivel fóssil. Tai o maior exemplo.

Impostos iguais e baixos, e se possível inexistentes. Para TODOS.


O anti-bolsonarismo dessa gente chega a ser psicótico. Qualquer coisa que Bolsonaro defenda passa a ser imediatamente condenada, sem qualquer consideração com os princípios econômicos.


O ungido Eduardo Leite já veio a público confessar (e eu até aplaudo sua franqueza) que usou o dinheiro dos repasses federais (Covid) para pagar funcionalismo público em vez de construir hospitais de campanha e UTIs. Crítica zero.


A arrecadação dos governos estaduais é sacrossanta. Ninguém na mídia ataca governadores, por mais ineptos que sejam.


O que teve de "liberal" no Twitter — na verdade, liberteens left-libs, ex-eleitores do PT — dizendo que "reduzir imposto é subsídio" foi uma tragédia.

Com "liberais" assim, o PT terá carta branca para barbarizar na economia, sem qualquer resistência.


Esse ponto ressaltado é crucial: embora o ICMS não seja o responsável pelo aumento dos combustíveis, ele é sim o responsável direto pelo valor nominal nas bombas.

Quem abastece hoje pagando R$ 7 por litro está entregando pelo menos R$ 3 para os governadores.

A arrecadação dos governos estaduais aumenta passivamente toda vez que o petróleo sobe, mesmo com a alíquota do ICMS inalterada.

Por que diabos essa gente não pode ser chamada para contribuir? Por acaso há um "direito natural" de governadores arrecadarem cada vez mais?


É Maximo. Não é crime ter experiências na vida. Pelo menos, ainda não é.

E aliás, fico muito lisonjeado de ter marcado a sua memória. O que posso fazer? Tenho 40 anos de muito trabalho, estudos e busco além de trabalhar, ter experiências na vida. E de fato, a minha vida daria um livro, a despeito de sua ironia. Assim como a sua tbm deve dar - onde lhe digo isso com muito respeito.

O q ocorre infelizmente nesses comentários é q tem gente (muito idiota e não são poucos), q nao sabem respeitar a opinião alheia. Duvidas viram sinônimo de burrice. E isso é muito reprovável. Então as vezes, vc precisa sair um pouco da linha de raciocínio pra mostrar pro babaca q nem todo mundo é babaca igual a ele.

Então é isto. A despeito de eu apenas SUPOR q ter mais ciclovias seria num contexto maior algo mais POSITiVO q NEGATIVO, para o Brasil e os brasileiros e que valeria o investimentos- ao invés de simplesmente argumentarem em contrario, os idiotas saem dizendo q o cara "tá fora da realidade", " q vive numa bolha"e blablabla. O outro mora em MG e resume a opinião ao fato de MG ter ladeiras e vem dizer q eu q vivo numa bolha. Aff.. Esse site já foi melhor frequentado.

Ai a gente tem q mostrar pro pentelho, q tem um pouquinho de experiência.

Já q vc falou q sou neobandeirante, e minha biografia te marcou, saiba um pouco mais. Hoje, com muito trabalho, tenho bens q me satisfazem, dentre eles tenho uma bmw 1200 gsa (é uma moto de viagem), e adoro viajar e tenho disposição e coragem e alias, é uma terapia. Com ela já fui no atacama, já fui no ushuaia, ja fui em Torres del paine, já fui no salar do uyuni , já fui o mais perto q se pode ir de machu picchu de moto. O Brasil, pra mim parece q é a palma da minha mão. Conheço a transamazonica de moto. Todo o litoral do nordeste. Uma meia dúzias de chapadoes etc. Confesso, nunca fui de moto em SP e RJ capital - risco alto de roubo, estas fui de outras formas. Mas de resto, conheço lugares q vc nem imagina, de capitais e pequenos povoamentos. Faço de Salvador a Fortaleza de moto em 12 horas. Salvador Brasília em 16 horas - é pra quem realmente gosta. Ainda pretendo fazer de moto Brasil ao Alasca (viagem de aprox 3 meses), e fazer uma trip famosa entre Lisboa e Portugal passando pelo deserto do Saara.

Como nota, conheço não só o Brasil como boa parte da América Latina, viajando de moto. É pra satisfazer as nossas vontades em última analise q a gente trabalha com afinco, não é mesmo? Para viver - embora alguns nao possam e outros simplesmente não concordem.

Fico muito feliz qdo eu olho para trás e vejo q uma trip q eu fiz e gastei 20 mil reais ha dois anos levando esposa hoje eu não consigo fazer nem com 40 mil - é uma lição de que não devemos adiar alem do bom planejamento os nossos projetos

Se quiser trocar seu psicólogo por esta terapia, fale comigo, tenho muitas dicas para dar.

Desculpa mas eu não posso me ressabiar de viver como eu gosto enquanto muitos preferem ficar (por gosto) sentados assistindo youtube ou xvideos e acumulando colesterol nas veias do coração. (Não estou necessariamente falando de vc), achando q tão abafando pq tão tirando 3 mil por mês no app da XP.


Todos os livro de persuasão ensinam que, pra convencer as pessoas, conte histórias. Elas enganam o senso crítico e entram mais fácil no subconsciente. Todas as pessoas que não analisam a fundo se deixam enganar facilmente.

Vai para o trabalho de bicicleta, carrega ela lá, é econômico. Daqui a pouco vai querer uma lei que obriga todos os empregadores a gastar para carregar os veículos dos seus empregados. Econômico pra "quem"?


Devagar, Sr. Ex-Micro Empresário. Aceito críticas e sugestões mas esse rótulo de "ditador" eu não mereço. Posso estar errado em alguns pontos, sim, então dá para aperfeiçoar ideias como a minha através de diálogo com profissionais que trabalham com crianças e adolescentes problemáticos, ditadores não aceitam opiniões contrárias, eu aceito e digo mais: não é justo deixar vidas de crianças e adolescentes serem destruídas por bullying, estou do lado das vítimas, algo deve ser feito, você entende?

Se seu filho ou filha estivesse sofrendo com essa situação, provavelmente você concordaria comigo mas enfim... De acordo com seu pensamento parece que as escolas são paraísos.



Já faz muito tempo que tenho esse mesma linha de raciocínio.. Mas até hoje ainda não encontrei alternativas para o sistema de ensino.
Agora que meu filho nasceu, tenho pensado ainda mais nisso tudo.
O que nos resta ? Se não esse sistema falido ?



O Alexandre puxa um assunto bem diferente para servir de analogia para a questão das ciclovias. O que ele quer provar? Que cada real gasto em ciclovias trará uma economia de quatro reais em saúde? Pois se forem como as ciclovias que o Haddad fez, melhor esquecer o caso então. Cada real gasto naquilo o povo teve de gastar mais quatro só em medicamentos psiquiátricos, tamanho o stress que elas causam.

P.S.: O Alexandre, se for o mesmo que estou pensando, possui mais uma profissão agora: além de médico, matemático e líder de capatazes e peões, é também explorador ocasional, um neobandeirante podemos dizer. Acho que já está em tempo dele escrever um livro contando suas aventuras.



Bolsonaro deveria ter se inspirado nela...


Sim. A mineração de carvão havia sido estatizada em 1947, pelo Partido Trabalhista de Clement Attlee.

Desde então, a atividade passou a ser totalmente subsidiada pelo governo. Em 1982-83, as perdas já estavam em £3.05 por tonelada.

Perante tamanho déficit, o governo começou a fechar várias carvoarias ineficientes. Foi então que um sindicalista, Arthur Scargill (declaradamente comunista), começou a agitar por uma greve nacional. A intenção era paralisar toda a atividade de carvoaria do país, e fazer a economia sofrer em decorrência de um blecaute por ausência de carvão.

Mas o governo, prevendo isso, já havia começado, muito antecipadamente, a estocar carvão.

No final, a greve fracassou humilhantemente, todos os sindicatos do país saíram enfraquecidos, e Partido Conservador saiu ainda mais fortalecido.

Toda a atividade carvoeira do país foi privatizada em 1994.

Em 2015, um novo governo Trabalhista fechou todas as atividades de mineração de carvão no país.

Em 2020, uma nova mina de carvão foi autorizada a voltar a operar.


E é um círculo vicioso mesmo, que a cada geração vai indo mais para o fundo do poço. Para pensar: se a formação de cada geração é pior que a anterior, e desses formados os menos capazes se tornarão professores, estamos nos aproximando do colapso desse sistema. Se hoje muitos alunos terminam a escola com sérios problemas de interpretação de textos simples e cálculos básicos, os próximos mal conseguirão assinar os próprios nomes.


Leandro, o que exatamente provocou as greves dos mineiros das minas de carvão nos anos 1980? Pelo que li, a Thatcher queria fechar várias dessas minas, pois eram ineficientes e recebiam muitos subsídios governamentais. O setor de carvão mineral no país era estatizado? Tipo uma "Carvãobras"?


De fato. Obrigado, depois irei ver com mais carinho.

O Leandro disse que os déficits de certa forma são inflacionários, já que o sistema bancário aumenta a quantidade de dinheiro na economia para comprar esses títulos do Tesouro.

Mas não há uma correlação exata. Fosse isso, o Japão teria uma inflação de preços pornográfica.


Fernando

Suas palavras denunciam que você não conhece o Brasil. Já eu conheço o Brasil todo in loco. De norte a sul, de leste a oeste. Todos os estados do Brasil e todas as capitais, me deslocando de moto, ou seja, conhecendo o máximo que é possível do relevo - sem ser um especialista, claro.

Posso te garantir q o relevo de MG (e tb do RJ e ES) são peculiares e nem de longe reflete a base do relevo nacional. Talvez, a maior parte da população do Brasil fique em áreas onde a topografia é de fato irregular. Mas em termos de extensão amigo, via de regra, adentrando 300 a 400 km o continente o relevo torna-se majoritariamente plano. Até mesmo qdo a gente se desloca para o Oeste de MG nas regiões adjacentes ao estado de GO já notamos uma topografia bem plana, com estradas mais retilínea e com cidades mais planas.

A questao do Uber q vc citou é uma alternativa de fato, contudo, ainda sujeitas às elevações absurdas do combustível derivado de petróleo, portanto, longe do ideal em termos de redução de combustível fóssil.

... abrindo um parenteses:

Qdo vejo seus argumentos aqui, e de outros manés eu lembro de uma aula de história q eu tive uma vez onde a professora citou q na época do Brasil colônia até nos princípios da república as pessoas despejavam seus esgotos domiciliares nas ruas em 100% das cidades brasileiras. Os sanitaristas da época alertavam q aquilo era uma fonte de doenças, q no velho mundo já se fazia canalizações dos rejeitos domiciliares para lugares q poderiam ser eliminadas sem comprometer a saúde do povo. Aqui no Brasil, os burocratas (ou idiotas) diziam q esta não era uma demanda do povo, nem de empreendedores.... Resultado1. Na Europa se constatou q cada unidade de moeda investido na tal "canalização dos dejetos domiciliares" economizava entre 3 e 4 unidades de moeda em assistência em saúde. Hj esses valores são de 1 para 10 no terceiro mundo.. ... Resultado 2: Hoje convencido da necessidade de investir em saneamento, o Brasil tem 49,9% de saneamento em suas cidades enquanto a Europa beira os 100%. No Brasil é sinal de vanguardismo dizer q uma cidade tem aterro sanitário em substituição aos antigos lixoes, enquanto na Europa dizer q tem aterro sanitário é um motivo de grande vergonha uma vez que lixo é fonte de reclicagem e de material para ser queimado em usinas térmicas.

Saindo do parênteses e concluindo .

O Brasil sempre esteve uns 200 anos atrasados em relação ao mundo moderno em matérias ambientais. Difícil realmente seria os comentários dos senhores aqui nao refletirem este cenário.

Boa sorte.


"Pessoal, minha proposta não tem nada de totalitário..."

Minha definição de totalitário é diferente da sua. Você quer criar uma punição pelo resto da vida a uma criança/adolescente com base em critérios mal definidos.

A civilização, ao longo de milênios, criou conceitos e procedimentos de forma a obter um sistema judicial que seja o mais resistente a falhas possível. Para isso existe a separação entre o acusador e o juiz, existem instâncias de recurso, existe a necessidade de definir com precisão o que é crime e o que não é. Bem diferente de sua proposta de "exclusão sumária do mercado de trabalho", o que é quase o mesmo que a antiga pena de degredo.

Eu sei que suas intenções são boas. Todo ditador é movido pelas melhores intenções.


Pelo que entendi, o professor deve então ensinar quais são as ideologias "certas" e quais são as "erradas", "abomináveis" e "degeneradas".

Nos últimos cinco ou seis milênios a humanidade ainda não chegou a um consenso sobre isso. Quem será o iluminado que determinará o que é certo e o que é errado? E que mágica fará todo o resto do planeta concordar com ele?


Aqui:

ibb.co/QNMBw9S

ibb.co/475hH2j

As notícias da época também falavam sobre isso.

O que apenas confirma, mais uma vez, que inflação de preços não está ligada a déficits ou superávits do governo, mas sim à expansão da oferta monetária.


Pois é, artigo ótimo. O problema é que grande parte de nossa classe política e de cidadãos só aprenderam a ler e a falar as palavras socializar e estado. E então só falam nisso, sem se interessar ou tentar entender o restante do dicionário ou as implicações das próprias 2 palavras. O artigo dá uma clareza a respeito. A ignorância é uma praga!


"Aliás, Collor apresentou deficit nominal zero em 1991, o último da história do país. Seria correto utilizá-lo como ícone liberal? Acho que não."

Você teria esses dados do déficit, Leandro? Agora fiquei curioso.

De fato, o Collor fez uma verdadeira limpa. Além de ter privatizado várias coisas, extinguiu coisas como o getulista Instituto do Açúcar e do Álcool, que controlava a produção do etanol combustível aqui. Acho que se ainda existisse o IAA, hoje o álcool estaria ainda mais caro.


Pessoal, eu não sou do setor de combustíveis mas algumas coisas me chamaram a atenção.

Para quem não sabe, existe também a opção pelo etanol como combustível no mercado americano (lá é vendida na mistura E85, não o E100 aqui do Brasil). Todavia, no estado da Flórida, a diferença de preço entre o etanol e a gasolina é quase que nula, de forma que não compensa comprar o etanol. Todavia, mais para o interior do país, a diferença já é maior. Mesmo assim, nem todos os carros conseguem rodar com essa mistura de etanol. Grande parte do etanol combustível é extraído do milho. Na Flórida eu vi alguns postos oferecendo álcool como opção, mas é meio difícil. No interior do país eu não sei.

Aqui no Brasil, o etanol compensa mais em estados como São Paulo, onde há a maior concentração de usinas/destilarias. Em terras brasileiras, já é mais comum o uso de cana-de-açúcar como fonte para produção do álcool combustível. Todavia, em alguns estados brasileiros (senão a maior parte deles), a diferença entre álcool e gasolina nos preços é nula ou bastante baixa, compensando mais o uso de gasolina.


A despeito da veracidade quase matemática do artigo, é importante salientar que principalmente no sistema público de ensino os nossos jovens concluem o ensino médio muito mal formados. E nem estou falando do currículo equivocado. A mera proposta de se aprender um determinado conteúdo sequer é cumprida em níveis mínimos. E isto está vinculado a alguns fatores, sendo o principal, ao meu ver, à qualidade (média) dos professores atuantes no Brasil.

Como, pela lei da oferta e da demanda os salários não são bons a consequência é que o sistema não consegue recrutar a nata de cidadãos com vocação e conhecimento para lecionar, uma vez que estes ou vão para a iniciativa privada, ou fazem concurso público, ou vão investir ou empreender. Logo, as vagas acabam sendo preenchidas (na media) por pessoas que não tem outras opções de trabalho, profissionais hipossuficientes na função de formar alunos capacitados. Consequentemente como os resultados notoriamente não são bons, a sociedade de modo geral (que poderia pressionar o Estado) não se sente impelida a comprar o discurso por melhores salários para esta categoria - que em teoria serve a sociedade (embora também se sirva). Ocorre assim um circulo vicioso onde professores ruins entregam resultados ruins que impelem rendas ruins que capitaneiam novos professores ruins.

Penso que ninguem duvide da importancia do ensino dentro de uma sociedade. De alguma forma este ciclo prejudicial tem de ser interrompido.



Sou estudante tenho 17 anos, e sempre pensei desde o princípio, sobre as coisas desnecessárias que eu estudava na primária e atualmente: "vou precisar disso?, é algo importante?". É claro que não. Eu tenho muita pressão escolar, tenho que focar em ter boas notas, não consigo me concentrar nos estudos, estou desmotivada. Estou cansada.

De segunda a sexta tenho que ir para a escola sem interesse e motivação, sabendo que outra vez tenho que "aprender" as fórmulas e contas matemáticas desnecessárias, decorar as fórmulas de física e química. Sinceramente não sou boa com os números, talvez não seja suficientemente boa em nenhuma matéria, mas sempre estou me esforçando e fazendo o que eu posso.

Logo vou terminar o ensino médio, (claro, se eu não reprovar) sem saber de quase nada . E outra vez tenho que estudar e me preparar para fazer o Enem, não vai ser fácil. Todos esses anos escolares um desperdício.


Pessoal, minha proposta não tem nada de totalitário, não desejo prejudicar ninguém que vá para a escola estudar com interesse e se esforçar para ser alguém na vida. A sociedade está doente e a violência que se vê dentro das escolas é reflexo disso e para combater o bullying não tem outro jeito, deve ser considerado crime grave e ser punido com rigor, não tem nada de ditatorial nisso. Só quem viu de perto as crianças serem horrivelmente maltratadas dentro das escolas por esses pivetes marginais sabe do que estou falando, não é aquele bullyinzinho Nutella que qualquer coisinha falada machuca, é violência de verdade, intimidação sistemática que deixa famílias inteiras apavoradas mesmo! Teve alguém aí que falou que o crime organizado contrata os maus elementos excluídos, em parte isso é verdade mas se esqueceu de falar que existe a economia informal, se foi ruim e ninguém o quer na empresa trabalhando, que vá trabalhar por conta própria, na informalidade. Ninguém vira bandido por falta de opção por ser "vítima" da sociedade, isso vem da má índole da pessoa. Aliás, o crime organizado JÁ ATUA dentro das escolas, especialmente nas periferias das cidades grandes, trazem drogas pra dentro dos espaços de crianças e adolescentes e ameaçam professores, diretores e os demais funcionários.
Agora me respondam essa pergunta: por que esse Estado inchado e ineficaz não faz alguma coisa para tirar os traficantes de dentro das escolas? Será que não tem muitos políticos e até mesmo policiais corruptos envolvidos no tráfico? Isso dá MUITO dinheiro, e pouco importa para eles se está destruindo famílias!
Não tenho nada contra ex-presidiarios, desde que não voltem a cometer crimes, mas as Leis que temos hoje são uma vergonha, deixam criminosos a vontade para fazerem o que quiserem, especialmente os menores infratores, livres para cometerem as atrocidades que quiserem por que têm certeza da impunidade.

Em países sérios como Japão e Alemanha NÃO EXISTE facilidade para criminosos, seja de qualquer idade, existe punição lá e as empresas levam em conta o caráter das pessoas, e não são ditaduras, muito pelo contrário.

No fim das contas o Bernardo, que respondeu meu comentário primeiro, está certo. O bullying é só a ponta de um Iceberg de problemas sociais que estão profundamente enraizados na sociedade brasileira. A mentalidade dessa geração de jovens precisa passar por uma reeducação. Os bons costumes precisam voltar a ser parte da educação diária das crianças e adolescentes, assim teríamos uma sociedade sadia e talvez nem existisse o bullying e punições seriam casos isolados, mas como eu disse antes, isso é Utopia.

O bullying vai continuar enquanto esse modelo escolar e social falido estiver aí e não tem nada de errado em PUNIR com Justiça quem pratica tais atos. Como falou Jesus no Sermão da Montanha: "bem-aventurados aqueles que tem sede de Justiça, porque serão saciados". Amo a Justiça e ela deve ser feita, doa a quem doer.


Importante lembrar que, apesar dos pesares, o per capita japones continua subindo. Um pibinho de 1% para uma população em declinio(O japão hoje está tendo retração populacional) ainda é um aumento.

O Brasil na mesma situação dele já teria falido faz muito tempo. Estamos no auge da força de trabalho ativa estagnados. Daqui para frente só envelheceremos.

Essa é a força do japão. É um país com uma divida monstruosa, um deficit grande, retração populacional, e ainda se mantem de pé!


"Tenho uma ideia para um novo modelo de currículo, é tão simples que até um pré adolescente de 12 anos pode entender, mas seria muito eficiente para as empresas e suas áreas de Recursos Humanos identificarem os criminosos que praticam bullying."

Nossa legislação proíbe constranger as pessoas (menor de idade nem se fala). O que ela fez de mau caratismo não pode aparecer em lugar nenhum. E as empresas não podem recusar a contratação. O máximo que vc pode fazer é puxar a ficha criminal, e mesmo assim já tem projetos de bolsa presidiário (a empresa tem que ter uma cota de ex-detentos no quadro). O estado caminha na contramão do que você propôs.


A EDUCAÇÃO PELA PEDRA
umprofessorle.com.br/2018/10/14/a-educacao-pela-pedra/


Entendido, Leandro.

Agradeço mais uma vez pela disposição em esclarecer.