clube   |   doar   |   idiomas
Últimos comentários


Depois de quase 100 anos enfiando na cabeça das pessoas de que o Estado precisa fornecer educação e saúde, não estou nenhum pouco surpreso.

Aliás, seu o Estado é tão bom administrador, por que o setor alimentício (o mais básico de todos) é o mais desregulamentado e privado de todos praticamente no mundo inteiro?
O Estado, que não é nada bobo, sabe que as pessoas começarem a morrer igual moscas, surgirá um massivo descontentamento. Precisa deixar o gado no celeiro, mas não pode deixá-lo morrer de fome.


Ulisses, excelente! assim mesmo, mas enroladores sempre quererão sofismar, o sofisma o raciocinio falso é a sua ferramenta.


" ...coisas sutis permeiam o dinheiro..."

sim , até uma ameba funciona na identificação da vida,das coisas que viabilizam a vida, e PROCURA E QUER = EROS, VIDA

FOGE na identificação do perigo e das coisas da morte = THANATUS,

Ora,o dinheiro é FERRAMENTA DE TROCA, viabiliza portanto alimentos,vida,armas de defesa ,EROS, então dele, dinheiro, FERRAMENTA DE TROCA, emana VIABILIZAÇÃO DE VIDA, EROS

Acho Lee,que tentei lhe esclarecer, não sei se ajudei...

Nessa programação, estão inseridos todos os seres vivos, MACROS e BIOS, um exemplo simples de um vegetal que busca EROS pela manha, e durante todo o dia: GIRASSOL

Como a energia do sol é gratis,(enquanto algum governante ou comunista não se meter) ele girassol, não precisa ter dinheiro e pagar .....kkkkk ,mas tem que se mexer e girar.


Alô Lee Bermejo,

Estas falando como "ela foi para aquela vida", "podia fazer outra coisa"...
só que é um grande preconceito desprezar este ofício, ´serviço, e todo serviço prestado é uma forma de riqueza, sim senhor, e se alguem quer consumir, precisa consumir, que pague o preço, e ninguem tem nada a ver com isso.

O dinheiro é uma ferramenta de troca, UMA FERRAMENTA CORINGA", (JOGO DE CANASTRA), e se o vendedor do bem ou produto ou serviço e o comprador do produto ou serviço estão acertados na transação, acho que ninguém devia meter o bico,arbitrar etc... Pretensiosos juízes,normalmente religiosos, com seus usos e costumes deviam não se meter na vida alheia.

ALGUEM SE ACHANDO SUPERIOR, COMEÇA A DESMERECER E DIZER ISTO É VERGONHOSO, ISTO NÃO É, ora é muita pretensão

Alguém quer comprar um serviço de corte de cabelo, vai e compra e paga o serviço,é tão igual,´a qualquer outra transação de compra e venda de produtos ou serviços, que são formas de riqueza e só ao comprador e ao vendedor cabe decidir o quanto e o modo do pagamento.

O PODER sempre esteve vinculado a posse de alguma forma de riqueza, mercadoria ou fornecimento de serviço, e é tanto maior este poder,quanto maior for o valor dessa riqueza,ou títulos de equivalencia de riqueza:

RIQUEZA EM FORMA DE PRODUTOS:
-SACOS DE FEIJÃO,
-ARROZ,LARANJA,
-FACA,ETC

RIQUEZA EM FORMA DE SERVIÇO: A prestação do tal serviço, ou "VALE SERVIÇO" ex -"vale uma lavagem de carro,"
-"vale uma passagem de ônibus.".
-" vale uma entrada de circo...",
-"vale uma massagem..."

RIQUEZA EM FORMA DE TITULOS: -
-Ações de uma empresa,
-ações do tesouro
-CÉDULA MONETARIA (dinheiro,ferramenta de troca-valor convencionado)

OBS. :TÍTULOS DE NOBREZA, CARGOS EM FUNÇÃO PÚBLICA ,deles emanam poder pela POSSIBILIDADE ,VIRTUALIDADE de fornecer "BENESSES" em forma de bens, produtos ou serviços.


E ainda querem nos associar com aqueles lixos estatistas que se chamam de "direita" (neoconservadores da laia de Bolsonaro e que têm tara em estatizar nióbio)... realmente o sujeito só tenta de usar aquelas velhas táticas de colocar situações extremas para tentar deslegitimar o austro-libertarianismo, como na verdade falham miseravelmente.

Deficientes e loucos? Em sociedades primitivas como muitas tribos indígenas muito provavelmente já teriam morrido pois essas sociedades não possuem o capital suficiente para mantê-los, visto que a produtividade é baixíssima perto de sociedades mais avançadas mesmo como a existente no Brasil. Até porque o que permite que hoje eles possam conviver em sociedades mais avançadas é o próprio mercado, através de tratamentos e medicamentos, todos criados por pessoas que pensaram apenas em seu próprio bem-estar. Isso sem mencionar a caridade privada, que hoje seria muito maior se o estado não roubasse tanto a população para torrar em sua burocracia e em seus circos eleitoreiros. Quando se vive em uma sociedade mais rica, é possível se preocupar com a vida dos miseráveis e ajudá-los. Isso é não apenas aprioristicamente comprovado como também empiricamente comprovado.

Infelizmente, para você, aqui não é o Facebook, onde uma militância virtual pode encher de "likes" um comentário com valor lógico nulo e ficar por isso mesmo. Aqui ocorrem debates sérios e geralmente os estatistas não são perdoados.


Isso não me parece uma forma de aumento de gastos, mas de tentar abater uma certa porcentagem da dívida que tem sido acumulada, tendando sacrificar uma parte do poder de compra do povo compensando alguma parcela disso na redução de impostos, o que pode explicar a lógica de aumentar as exportações reduzindo o custo de câmbio de compra dos mercados exteriores. já há sinalizadores de pequenos colápsos nas últimas semanas, e como previsto governos provavelmente vão tentar imprimir mais moeda para pagar parte da dívida e compensar a arrecadação com exportações. é claro que quando você inflaciona a moeda os exportadores tambem perdem parde de poder de investimento em sua produtividade para custear a logistica e cadeia de produção, mesmo tendo uma compensação de impostos reduzidos, se esta for de fato a ideia do Trump, é claro que jamais vai cubrir a totalidade da dívida lá, acredito que não chega nem muito próximo, imagino que seja a tentativa de dar alguma sobrevida e empurrar com a barriga, porém criando um outro problema em cadeia a médio e longo prazo. Isso é uma bola de neve auto fágica. é a tecla que sempre batemos aqui. Eu não espero lógica vinda de governos, por estranho que pareça o que eu disse aqui.


É uma lógica tão "cruel" quanto dizer que "2 + 2 = 4" ou que "tudo o que sobe cai".

O pessoal ainda não entendeu o básico: a economia não pode ser alterada por coitadismos, vitimismos, e afetações de indignação e de emotividade. Economia é razão, e não emoção. Se a economia for guiada pelo coitadismos, o salário mínimo iria pra R$ 1 milhão e todos os preços seriam congelados. E aí seria uma maravilha, não? A Venezuela já está quase lá.

Os maiores desastres humanitários forem causados exatamente por pessoas que pensavam que a economia poderia ser modificada pela emoção, pelo coitadismo e palas lágrimas.


Não haveria como impedir que um Estado não surgisse no anarco-capitalismo, mas teria como tornar isso muito mais difícil pelo fato das pessoas estarem com o poder descentralizado. E se surgisse, seria um pequeno Estado em algum ponto dum ancapistão. O que o tornaria mais fácil de ser derrubado. Além do mais, supondo que já estivéssemos num ancapistão, provavelmente as pessoas estariam embrenhadas com uma cultura ancapistã. Não estariam com o sentimentos de conforto e ilusão de proteção que o Estado passa, muito menos, acostumados a terem uma parte de sua produção, levadas. Poderia surgir um, em algum ponto dum ancapistão. Mas a duração dele também seria curta, já que com uma cultura ancap, as pessoas estariam mais dispostas a defender sua propriedade e liberdades, ao contrário de uma sociedade estadista. Numa sociedade em que já se tem por costume acreditar num Estado como algo bom ou necessário isso por si só, é uma ferramenta pra que esse Estado cresça, já que, numa sociedade estatal, continuaria se entregando parte dos impostos para esse Estado. Numa sociedade ancap, não. Isso não significa que não haveriam governos legítimos dentro de alguns agrupamentos que, de repente se mostrassem autoritários. Mas as pessoas estariam mais dispostas a defender suas propriedades e liberdade, logo seriam mais difíceis de serem dominados. E se aceitassem esse Estado como algo normal, seria um fenômeno solto, em algum agrupamento separado. E se fosse um governo ilegítimo, ou seja, um Estado, agrupamentos vizinho poderiam interferir ou boicotar esse Estado, impedindo de crescer e se expandir. Esses vizinhos tendo horror de um domínio estatal poderiam não só boicotar, mas caso se perceba ser um Estado imposto e violador, pode ser inclusive atacado por ser um violador de uma única lei ética prevista. E mesmo se esse grupo não estiver nem aí com o problema do vizinho, pelo vizinho se tornar uma ameaça a esses agrupamentos, seja por interesses comerciais que ele talvez tenha com essa vila vizinha, seja por amizade, seria muito mais conveniente esse grupo colaborar com seus vizinhos os livrando das garras de algum governo ilegítimo, para não ter problemas ou dificuldades pra si mesmo mais tarde.


o mais triste de tudo e que fui lendo o texto e me recordando da minha mentalidade de alguns anos atras,ja cheguei ao ponto de defender redistribuição de renda em uma redação para o enem,felizmente encontrei essa universidade.


Quando será que um governante ocidental vai voltar a reduzir os gastos do governo? O Trump estava indo tão bem...


Seria a lei libertária que foi proposta por Bastiat, Rothbard e Hoppe, onde não se pode atacar os direitos naturais


Desde que comecei a ler o IMB a primeira lição que aprendi foi que o que realmente define o câmbio no longo prazo é o poder de compra das duas moedas que estão sendo trocadas.Baseada nisso eu usei uma calculadora de inflação e descobri que de 1 de julho de 1994 até hoje a inflação nos EUA foi de 65% e a do Brasil foi de 475%.1 dólar vale hoje 1,65 dólares e 1 real vale hoje 5,75 reais.Fazendo a divisão temos 5,75/1,65=3,48 reais,que é o preço correto do câmbio.Dado que o dolar fechou a 3,30 reais,isso significa que ainda temos 0,18 centavos de gordura para queimar.Com o corte de impostos nos EUA e mais o aumento dos gastos em 400 bilhões aprovados ontem,obviamente o dólar vai pro saco,cumprindo o objetivo do Trump que quer uma moeda fraca para ajudar nas exportaçoes.O FED aumentará os juros e a empiria mostra que "Houve cinco grandes aumentos nas taxas dos juros desde a década de 1970, e cada um deles, quando o Fed aumentou as taxas, o dólar caiu".O Luciano Huck vai ganhar e governar no mesmo cenário em o Lula governou e se der autonomia ao Armínio Fraga terá uma popularidade assombrosa.Libertários conscientes fogem de todos os outros investimentos e só confiam em ouro e bitcoins.





Concordo plenamente com o artigo e estarei o complementando com minhas ideias e alguns fatos, eu gostaria de começar dizendo que estarei nesse comentário abordando sobre o viés econômico somente, a riqueza tem muitos significados, como por exemplo: ter muitos amigos, você está rico em amizade, ou você esta muito apaixonado, você está rico em amor.

Gostaria de inferir também um fato, a riqueza em todos os seus significados não é uma característica e sim um estado, por exemplo, hoje eu posso ser rico em amizade, um ano depois posso não ser mais por algo que eu fiz ou que fui acusado, ou posso ser rico financeiramente quando nasci, mas se eu não tiver a capacidade de administrá-la eu posso ficar pobre financeiramente.

Agora indo diretamente ao artigo, a riqueza financeira é algo que tem três jeitos LEGAIS principais de se obter, trabalhando(empresário também é uma forma de trabalho para os que refletiram sobre esse argumento), nascendo com ela, ou uma família rica se unindo com uma família média ou pobre(casamento por interesses ou coincidência) sendo o trabalho a única forma de obtê-la por si mesmo, mais para isso ser possível é preciso haver as condições necessárias para que tal se desenvolva.

Acredito que o principal problema do empobrecimento geral da sociedade brasileira em relação ao que tinham, seja decorrente da política assistencialista que presa a dependência do cidadão à um órgão que dará condições para que esse individuo sobreviva, mas não progrida para que não necessite mais da assistência, e infelizmente muitas pessoas que não tiveram acesso a educação básica de qualidade acreditam que esse é o melhor caminho, assim perpetuado essa política. A falta da educação pública de qualidade no ensino fundamental e médio reflete exatamente isso, sendo que por não ter um bom nível abaixa-se o nível dos vestibulares para esses indivíduos justificadamente, assim criando profissionais que não terão um bom desempenho no vestibular, exceto os que se dedicarem exaustivamente, isso por sua vez impacta no desenvolvimento geral do país e consequentemente no emprego tanto na falta de qualificação quanto no desenvolvimento das empresas, assim demitindo funcionários, e assim não dando as condições mencionadas acima.

Para concluir meu comentário gostaria de inferir uma questão que acredito que seja um forte influenciador do empobrecimento financeiro da população, a própria mentalidade dessa, existem pessoas que nascem ricas, e não são muitas por diversos fenômenos, sendo um deles mencionado no último parágrafo, e existem pessoas que nascem medianas ou pobres, uma grande parte dessas pessoas aqui no Brasil geralmente acreditam que como nasceram pobres ou medianas financeiramente, serão sempre assim, "pois afinal eu sou assim", e se apropriam dessa ideia como se fosse uma característica imutável, assim desistindo de ir atrás do que deseja ou ainda do que precisa, porque acredita que os culpados pela sua pobreza são os próprios ricos, isso se vê fortemente ao testemunharmos um discurso marxista por exemplo, o qual não faz muito sentido, já que sempre haverá aqueles que se esforçam mais e os que se esforçam menos, já que isso é uma característica natural desde a sua formação, sendo impossível e descabível, colocar esses dois grupos de pessoas em um mesmo patamar financeiro, a não ser que seja interpretada com equidade, ou seja, todos tendo as mesmas oportunidades de progredir.

Por isso a importância de uma economia forte e sólida, de um povo que tem uma mentalidade de correr no mínimo atrás do precisa, e de ter uma boa administração governamental incentivando o livre mercado, e oferecendo os serviços essenciais de educação, saúde, e segurança, é fundamental e absoluto para diminuir a pobreza financeira da sociedade.

Comentário escrito e revisado por mim, ERIC NIELSEN FRANÇA, 15 anos.


Isso é uma lógica muito cruel.

Somos escravos do mercado ?


Já se você é um sujeito imprestável, incapaz de criar valor para ninguém, então de fato você não poderá nem ter e nem consumir o que quiser. E nada mais justo e moral do que isso: se você não presta pra nada nem pra ninguém, então você realmente não tem serventia nenhuma. Consequentemente, não há por que ter acesso irrestrito a bens e serviços que outras pessoas labutaram tanto para produzir.

Esse é o tipo de pensamento que nos cala racionalmente(num primeiro momento ele parece lógico), mas se você leu mais de dois livros ou tem um pouco mais de experiência de vida, você questiona o funcionamento disso.
Pessoas com deficiência grave, pessoas consideradas pela sociedade como "loucas" enfim, tem n casos... Em que lugar nós vamos colocar essas pessoas ? Elas atendem ao "Deus mercado" ?

Eu faço um desafio ao IMB, faça um artigo para os "imprestáveis".
senão a Direita nunca vai chegar ao seu público.

Enquanto ela não olhar para os "imprestáveis", a Direita sempre vai ficar mal vista. Dando espaço para a Esquerda angariar essas pessoas.

Pensar por essa lógica faz a Direita parecer MESQUINHA.
Meio tosca, como diria o filósofo Pondé.

E reforça mais ainda o sentimento de AGONIA que é viver em função do dinheiro.

Que lógica e justiça existe em um mundo em que o valor é SUBJETIVO ?
Existe algo de fato ético e moral quando o valor é SUBJETIVO ?

Novamente, IMB, faça um artigo para os "imprestáveis".
Conseguem falar com os imprestáveis sem a lógica capitalista ?















IGUALDADE NÃO QUER DIZER ABSOLUTAMENTE NADA!

IGUALDADE "NA MERDA" COMO EM CUBA é péssimo!

IGUALDADE NA RIQUEZA COMO NA EM PAÍSES ESCANDINAVOS, É ÓTIMO!

DESIGUALDADE ONDE UNS SE ESFORÇAM,TRABALHAM MAIS, E FICAM DESIGUAIS ,
MAS MELHORES, ENTÃO TAMBÉM É ÓTIMO.

Somos seres vivos, e todos os seres vivos do planeta são desiguais, SÃO DESIGUAIS, arvores umas diferem das outras,flores, e todos os animais, de modo geral são diferentes, seria impossível que assim não fosse, o instante da geração e as condições do evento na natureza são diferentes,os seres terão diferença.
Sabemos hoje que a impressão digital, a voz, a iris, o DNA são unicos.
Daria até para afirmar que O CRIADOR não copia nada, suas obras são únicas,só a cegueira da ignorância não percebe.

Aí vem alguem e quer ADMINISTRAR, DECRETAR que tudo deve ser igual...

É MUITA PRETENSÃO, achar que isso é possível é expor ignorância na vitrine,pode saber ler, mas não pensar...


Entendo o dinheiro como

DINHEIRO= EQUIVALENTE DE RIQUEZA

DINHEIRO= FERRAMENTA DE TROCA DE RIQUEZA(produtos ou serviços)

JURO = ALUGUEL DO DINHEIRO

Alguem aluga um imóvel,paga um ALUGUEL,mas, na verdade,este aluguel é um JURO DO DINHEIRO EQUIVALENTE a este imóvel. "


A vida é assim mesmo. Se pudessem escolher, a maioria das pessoas não trabalharia. O que não falta por aí é gente que odeia seus trabalhos.

Mesmo um que pague numa noite aquilo que se ganharia num mês, trabalhando menos:

revistaquem.globo.com/Revista/Quem/0,,EMI52980-9531,00-DEPOIMENTOS+DE+GAROTAS+DE+PROGRAMA.html

Aliás, está aí uma profissão que demonstra o quanto sindicatos e regulamentação são desnecessários.


Sempre lembrando que, no livre mercado, dinheiro é simplesmente um certificado de desempenho. É a prova de que você criou valor para terceiros. Se você é um indivíduo que sabe criar valor para terceiros, você terá dinheiro e, logo, a liberdade de ter e consumir o que quiser.

Por isso, no livre mercado, você tem a liberdade de trabalhar naquilo que quer e de consumir o que quiser (exceto aquilo que é proibido por políticos, o que nada tem a ver com capitalismo), desde que em troca crie valor para terceiros. Nada pode ser mais ético e moral do que isso.

Já se você é um sujeito imprestável, incapaz de criar valor para ninguém, então de fato você não poderá nem ter e nem consumir o que quiser. E nada mais justo e moral do que isso: se você não presta pra nada nem pra ninguém, então você realmente não tem serventia nenhuma. Consequentemente, não há por que ter acesso irrestrito a bens e serviços que outras pessoas labutaram tanto para produzir.

Querer ter acesso a bens e serviços sem ter desempenhado nada a ninguém significa simplesmente querer escravizar terceiros. Não houvesse dinheiro, a escravidão estaria generalizada.

No entanto, tais pessoas que não sabem fazer nada não precisam atender ao desejo do mercado. Se elas encontrarem alguém voluntariamente disposto a lhes sustentar, elas não precisarão atender aos desejos de ninguém.


Vou contar uma história pra vocês...


eu visitava uma prostituta...
ela odiava esse trampo, eu era um dos poucos clientes que ela gostava(amizade sincera).
Passava até da hora de ir embora e a gente ficava junto, ao final do programa eu perguntava pra ela quanto tinha sido e pra ela era muito difícil "precificar" aquilo. Podia ser de graça, mas a verdade é que ela precisava de dinheiro pra sobreviver(pagar as contas). Eu queria ajudar, mas não podia ser muito, porque eu também não tinha muito pra oferecer. Se eu fosse rico, daria 1 milhão pra ela ( resolver a vida dela pra sempre)...enfim, era uma pessoa humilde, sem muito tino pra negócio mas tendo que sobreviver a cada dia, sobreviver em um mundo movido por dinheiro. Tem pessoas que estão inseridas nesse sistema mas que "não sabem jogar o jogo".

O que eu to querendo demonstrar com essa história...É que é uma AGONIA precisar de dinheiro pra VIVER e no caso dela, não ter muitos recursos pra ter um trabalho normal, adentrar o mercado de trabalho sem estudo, principalmente num país igual ao nosso. Quero ser cuidadoso nesse momento de não fazer muitos julgamentos, não sei como ela foi parar nessa vida ou se ela poderia ta fazendo outra coisa. Enfim...

O Dinheiro juntamente com tudo que o artigo diz, ele também é PODER.

Ter DINHEIRO é ter PODER.

Poder de mudar a sua vida, poder de mudar a vida dos outros. Poder sobre os outros.

E ainda existe a MICRO FÍSICA desse PODER nas relações... (exemplo: uma família,o membro que tem mais dinheiro é o que manda, muitas vezes a figura do homem, do pai de família) , o dinheiro compra/impõe respeito. Percebem ?

Tem coisas sutis que permeiam o dinheiro.

E quando você "coisifica" as pessoas ?
O caso dessa moça...o que ela estaria disposta a fazer por DINHEIRO ? Ela, como falei, não tinha muito tino pra negócio... mas e uma outra jovem que fosse MAIS ambiciosa ?

Será que dinheiro compra qualquer coisa ? Será que dinheiro compra amor ? Será que todo mundo tem um preço ? Será que dinheiro demais torna uma pessoa fútil ?

(risos)

Sei que estou divagando...

O site é mais economia, mas às vezes filosofar sobre esses assuntos cai bem.


DINHEIRO=FERRAMENTA DE TROCA,EQUIVALENTE DE RIQUEZA

VIABILIZA O PROGRESSO,A DISTRIBUIÇÃO DE RIQUEZA


o dinheiro torna muito mais facil a vida dos bandidos e corruptos, vejam o caso das malas de dinheiro do gedel. Se nao existisse dinheiro ele nao poderia roubar tanto, o dinheiro torna td mais facil pros bandidos, sem dinheiro os grandes roubos seriam inviáveis.



Raphael 22/03/2015 02:28
"Imagina uma pessoa que nasceu com uma mutação genética que faz com que seus anticorpos curem qualquer câncer. Essa pessoa vai ser cheia de mérito, vai vender o sangue a preço de ouro sem precisar ter estudado uma linha ou levantado um dedo."

Perfeito! Nem o cientista que ralou anos estudando para fazer a manipulação desses anticorpos (fórmula, cirurgia ou o que for), seja com bolsa ou sem bolsa, pegando busão lotado ou não, comendo restos ou não, trabalhando concomitantemente a pesquisa ou não, receberá tanto "mérito" quanto este que nasceu com mérito.


Se uma pessoa queima dinheiro ela está fazendo um bem para a sociedade, pois está se abstendo de consumir o que poderia ser consumido com aquele dinheiro.

Se muitos fazem isso os preços caem e todos os outros saem ganhando.


Bom, foi você quem disse: Não sou contra o patriotismo, pois o brasileiro tem que se orgulhar de seu país.
Isso não é um argumento razoável, pois não tem valor lógico nenhum.
Afinal, a definição de patriotismo é justamente ter devoção (orgulho) a seu país.

E ainda acrescentou: O brasileiro não tem que se orgulhar do Brasil, isso eu vejo como um dever.
Isso é uma contradição lógica, mas o mais importante é você explicar pra gente por que é um dever de todos os brasileiros ter orgulho do Brasil.
Por que alguém tem que ser devoto de algum país? Só porque nasceu em seu território?
Existe algum motivo para esse orgulho ou é só porque você quer? Tem algum argumento razoável em torno disso?

E o que seria sua classificação de argumento razoável? seria somente o que vai de encontro ao que você acredita?
Responda as perguntas acima e veremos se há alguma linha de raciocínio a ser seguida.
Até agora não vi nenhuma.

o patriotismo tem uma relação quase nula com o estatismo
Se a relação fosse quase nula como você diz, não veríamos grandes programas de estado serem criados em nome da pátria.
Os exemplos são vários e óbvios: Alemanha Nazista, Fascismo italiano, o regime soviético, o regime militar brasileiro de 1964, o getulismo, o atual governo americano com seu slogan "Make America Great Again" e o seu antecessor com a frase "Yes, we can!" e, é claro, não podemos esquecer do recente bordão que circula no brasil: "BRASIL ACIMA DE TUDO!!! DEUS ACIMA DE TODOS!!!".

Se alguém diz que um país está acima de tudo, ele está necessariamente negando os direitos do indivíduo.
E para convencer a população que suas idéias são as melhores para o "brasil", mesmo que remova direitos individuais, nada melhor que uma turba de seguidores patriotas.


Quando se tenta mostrar isso a jovens doutrinados e para mais velhos na mesma condição, focando especificamente os debates (políticos/ideológicos) nas redes sociais com os defensores do socialismo/comunismo:

Fiz este mesmo comentário num post de Rodrigo Constantino onde ele cita a influência de Carl Rogers:

"Colocar-se no lugar do outro é uma tarefa mais complicada do que pode parecer. Se você tenta realmente compreender a outra pessoa, você pode entrar em seu mundo particular, ver como a vida se parece sob seu ponto de vista, e correr o risco de mudar o seu próprio ser. Esse contato pode influenciar suas atitudes e sua personalidade, e esse risco é um dos mais assustadores para nós, pois nos apegamos às nossas crenças para dar alguma ordem em meio ao caos da existência.

Quando alguém se opõe a você, portanto, é muito tentador simplificar seu ponto de vista, fazer alguma paródia, distorcer sua posição, bater num espantalho criado para não ter que efetivamente escutar o que está sendo dito."

É complicado, convivi por vários anos entre vários amigos defensores dessa ideologia retrógrada, assimilei tudo o que era passado dentre eles, pesquisei a fundo tudo que eles debatiam, sempre analisando de forma imparcial, quando discordava em pontos defendidos quase me linchavam por não aceitar o que a bíblia dessa ideologia socialista impõem. Simplesmente sem opção para debater, tem que aceitar sem questionamentos o que o socialismo apregoa e, pasmem, não aceitam nada, mas nada mesmo, de leituras, pesquisas, fatos, que mostram a podridão desse regime, são como fanáticos doutrinados dentro de uma seita, eles são os defensores da seita, seus soldados, tudo que lhes é mostrado não valem nada, não tem valia, mesmo corroborado por 'FATOS' intrínsecos historicamente registrados. Portanto, mesmo quando você procura debater de forma civilizada, eles os escorraçam com a mesma verborréia de sempre: Não saber nada de história, não ler e entender realmente o que é o socialismo/comunismo, ser defensor coxinha capitalista, fascista, golpista... etc, etc... São doutrinados dentro de uma trincheira ideológica e creem fielmente na bíblia vermelha.
Para eles, os espantalhos a serem derrotados somos nós.


Não entendo como isso poderia ser classificado como um argumento razoável.
Aliás, isso é o mesmo que dizer:
Não sou contra o patriotismo, pois o brasileiro tem que ser patriota.


Esse argumento não tem fundamento, o patriotismo tem uma relação quase nula com o estatismo, um exemplo óbvio disso é os EUA. Aliás o "não-patriotismo" é incentivado pelos globalistas, daí você já pode deprender algo, correto? E o que seria sua classificação de argumento razoável? seria somente o que vai de encontro ao que você acredita?

Como bem citado pelo cmr, Samuel Johnson está corretíssimo.
Afinal, existe alguma desculpa mais esfarrapada do que o patriotismo para que o estatismo seja praticado?


O brasileiro não tem que se orgulhar do Brasil, isso eu vejo como um dever. Não confunda patriotismo com impedimento ao livre mercado e transações comerciais entre as nações.



"O banco central expande a base monetária, acredito eu que baixando os juros"

Correto. Ele reduz os juros expandindo a base monetária.

Na prática, ele cria dinheiro (dígitos eletrônicos) e usa esse dinheiro para comprar títulos públicos que estão em posse do sistema bancário. Ato contínuo, os bancos ficam com mais dinheiro em suas reservas e, com isso, os juros caem.

"os bancos privados pegam dinheiro emprestado do banco central?"

Não. Como dito acima, o Banco Central cria dinheiro eletrônico e o repassa aos bancos em troca de títulos públicos que estavam em posse desses bancos.

"ou simplesmente esse dinheiro é dado ao os bancos para eles oferecerem a o cliente final?"

O dinheiro é dado aos bancos em troca de títulos públicos.

"quando o banco central quer parar com a expansão da base monetária ele simplesmente aumenta os juros tornando os empréstimos menos atraente ?"

Aí ele faz o inverso do que foi dito acima. Em vez de criar dinheiro e comprar títulos dos bancos, ele vende títulos públicos aos bancos e, consequentemente, recebe dinheiro dos bancos em troca. Assim, a quantidade de dinheiro nas reservas dos bancos diminui. Com menos dinheiro em suas reservas, os bancos elevam os juros.

"Mas mesmo ele aumentando os juros, os primeiros empréstimos foram feitos com os juros baixos, esses não tem essa taxa de juros alterada correto?"

Se as taxas são prefixadas, não. Se são pós-fixadas, sim. Tudo isso é acordado no momento em que o banco empresta dinheiro aos tomadores.

Sugiro este artigo sobre o assunto:

www.mises.org.br/Article.aspx?id=344

Grande abraço!


Olá camarada Francisco !

Que bom que vc gosta da Rand.

A Ayn Rand também está aqui conosco, ela sempre promoveu o ateísmo de forma brilhante e era uma narcisista exemplar, talvez tenha sido a maior de todas.

Outra coisa que devemos ressaltar nela: a sua incrível capacidade de discursar em favor das liberdades individuais ao mesmo tempo em que praticava autoritarismo extremista.

Um outra coisa bacana nela era a adoração que ela tinha pela luxúria e o ódio que nutria pela fidelidade conjugal, por casamento e pela religião.

O objetivismo de Ayn Rand é levado a sério aqui no inferno, e o nosso grande líder Satanás faz enormes elogios à sua criadora.

Saudações vermelhas!
KARL MARX


Nem vou me dar ao trabalho de ler gente que evacua pelos dedos... Aliás, vossa graça deveria abandonar o computador e a Internet, itens mais que representativos do regime tão odiado pela vossa pessoa.


Só seriam produzidos os itens de necessidade básica, tendo em vista que seriam os únicos com demanda para troca; afinal, uma pessoa morrendo (literalmente) de fome, não iria se alimentar de um iphone ou macbook.


Boa tarde, Meio OFF TOPIC.

Eu tenho lido muitos artigos aqui, os artigos sobre ciclos econômicos e as crises, muito bom todos eles, mas eu acho que deixei alguma coisa escapar, veja meu entendimento até agora.

O banco central expandi a base monetária, acredito eu que baixando os juros(Mas posso estar errado), os bancos privados pegam dinheiro emprestado do banco central? ou simplesmente esse dinheiro e dado ao os bancos para eles oferecerem a o cliente final? essa uma questão que ainda não compreendi.

Outra dúvida, quando o banco central quer parar com a expansão da base monetária ele simplesmente aumenta os juros tornando os empréstimos menos atraente ? Mas mesmo ele aumentando os juros, os primeiros empréstimos foram feitos com os juros baixos, esses não tem essa taxa de juros alterada correto?

essas são minhas dúvidas, acredito que não nada complexo mas ainda não compreendi por completo.

obrigado.



Selecionei uma pequena parte do famoso discurso do personagem Francisco D´Anconia, conhecido como "O discurso do dinheiro".


"Então o senhor acha que o dinheiro é a origem de todo o mal? O senhor já se perguntou qual é a origem do dinheiro? Ele é um instrumento de troca, que só pode existir quando há bens produzidos e homens capazes de produzi-los.

O dinheiro é a forma material do princípio de que os homens que querem negociar uns com os outros precisam trocar um valor por outro. O dinheiro não é o instrumento dos pidões, que recorrem às lágrimas para pedir produtos, nem dos saqueadores, que os levam à força. O dinheiro só se torna possível por intermédio dos homens que produzem. É isto que o senhor considera mau? [...]

Mas o senhor diz que o dinheiro é feito pelos fortes em detrimento dos fracos? A que força se refere? Não à força das armas nem à dos músculos. A riqueza é o produto da capacidade humana de pensar.

Então o dinheiro é feito pelo homem que inventa um motor em detrimento daqueles que não o inventaram? O dinheiro é feito pela inteligência em detrimento dos estúpidos? Pelos capazes em detrimento dos incompetentes? Pelos ambiciosos em detrimento dos incompetentes?

O dinheiro é feito - antes de poder ser embolsado pelos pidões e pelos saqueadores - pelo esforço honesto de todo homem honesto, cada um na medida de suas capacidades. O homem honesto é aquele que sabe que não pode consumir mais do que produz. [...]

O dinheiro é o produto da virtude, mas não dá virtude nem redime vícios... O homem que venderia a própria alma por um tostão é o que mais alto brada que odeia o dinheiro - e ele tem bons motivos para odiá-lo. Os que amam o dinheiro estão dispostos a trabalhar para ganhá-lo. Eles sabem que são capazes de merecê-lo. Eis uma boa pista para saber o caráter dos homens: aquele que amaldiçoa o dinheiro o obtém de modo desonroso; aquele que o respeita o ganha honestamente. Fuja do homem que diz que dinheiro é mau. Essa afirmativa é o estigma que identifica o saqueador.[...]

Enquanto os homens viverem juntos na Terra e precisarem de um meio para negociar, se abandonarem o dinheiro, o único substituto que encontrarão será o cano do fuzil.[...]

Quando o dinheiro deixa de ser o instrumento por meio do qual os homens lidam uns com os outros, então os homens se tornam instrumentos dos homens. Sangues, açoites - ou dinheiro. Façam sua escolha, o tempo está se esgotando..."

Francisco d´Anconia em A Revolta de Atlas - Ayn Rand, volume 2, páginas 82-87.


siaibib01.univali.br/pdf/Allan%20Patrick%20Patzlaff.pdf


"O dinheiro é o que faz com que a prostituta possa comprar pães na padaria sem ter que fazer sexo com o padeiro."

Paulo Kogos


Na verdade esse assunto é mais importante do que parece. Com os recentes e infindáveis escândalos de corrupção assolando o Brasil, o que tem de gente dizendo que a causa de tudo é o "vil metal" não tá no gibi. Elas dão a entender que se não houvesse dinheiro não haveria corrupção, não haveria pobreza e todos estariamos no paraíso e na abundância.


Zeitgeist é comunismo do século 21.

Eles falam que com a tecnologia atual já é possível produzir o suficiente para TODOS terem uma vida plena. E que, portanto não precisaremos de dinheiro.

Só não sei o que é que eles estão esperando para começar à produzir e distribuir produtos para todos AGORA!

Ora, se é possível então FAÇAM, PRODUZAM!

Enquanto isso ficarei esperando meus produtos GRÁTIS trabalhando, para não morrer de fome.


Sem dinheiro, a coisa começaria dar errado já cedo no dia, na panificadora.

- Não tenho dinheiro, mas tenho este tubo de pasta dental para pagar o pão.
- Senhor, eu já tenho pasta dental, não preciso dela.
- E o que você precisa?
- Bom, eu preciso de algumas canetas.

Fazer o que? Sair na rua com o tubo de pasta dental na mão, até encontrar alguém que esteja disposto a dar umas canetas em troca dele, e depois voltar à padaria pra comprar o pão? O mundo voltaria à idade da pedra em questão de semanas.


Em defesa do assalto

Muita gente têm atacado Marcia Tiburi pelo fato dela ter afirmado em um vídeo que ela era a favor do assalto{1}. Os neoliberais, que são obcecados pela propriedade privada e pelo capitalismo fizeram questão de tirar de contexto o ambiente cultural, maléfico, que o capitalismo cria. É fundamental entender o contexto que o grande capital cria para que possamos defender o direito de assaltar.

Um contexto injusto
Deveríamos ter prestado mais atenção na frase da maior filósofa que já passou pelo Brasil: "Sabe que isso seria justo (assaltar) dentro de um contexto tão injusto (Capitalismo)." E de fato existe um contexto injusto criado, exclusivamente, pelo capitalismo de livre mercado. O capitalismo é uma máquina de moer carne humana, um jogo de soma zero, onde para alguém estar sempre no alto é necessário que alguém esteja sempre no baixo. - Como eu sei que estou diante de materialistas, eu gostaria de lembrá-los que este contexto injusto pode ser explorado tanto materialmente, através do trabalho que é escravidão, quanto intelectualmente, através do grande falatório que o livre mercado propõe.

As bases do capitalismo se encontra na desigualdade entre os homens, existe inclusive uma defesa aberta, real, para que esta desigualdade entre os homens ocorra para sempre. Mas devemos reconhecer que a premissa correta, que está relacionada a esta desigualdade, é que o capitalismo explora os homens através do trabalho assalariado. Pois quem está em melhor condição cria uma empresa e começa a explorar os pobres. Trabalhar é roubo! meu amigo. Ainda não caiu a ficha? Todos homens deveriam ser iguais, e todos deveriam ser intelectuais como Marcia Tiburi, todos deveriam ser cools e ter uma sensibilidade aguçada como Marcia Tiburi.

Vivemos em uma sociedade grotesca porque o capitalismo, através do sistema de escravidão chamado trabalho, tornou a mente das pessoas grotescas. Conforme foi afirmado acima, o capitalismo nos atacou intelectualmente também, ele criou uma mentalidade onde um garoto de 15 anos dá à vida por um tênis de 200 reais. Por isso que Marcia Tiburi afirma: "Eu não tenho uma coisa que preciso" ... "Eu fui contaminado pelo capitalismo.". Veja que praticar assalto torna-se um ato justificável diante deste contexto, porque antes o sistema capitalista já havia me assaltado fisicamente através do trabalho, e intelectualmente através das falsas necessidades que o capital cria. Eu não quero um tenis de 200 reais, cara! Mas por que esse maldito capitalismo fica enfiando na minha cabeça que eu preciso desta porcaria? Vá para o inferno! você e sua matéria. Ai está o contexto injusto que o capital cria: Ele cria demandas para quem não pode pagar por elas. Logo é justificável roubar. Eu diria, inclusive, que é um ato correto contra o capitalismo, pois: ladrão que rouba ladrão, tem cem anos de perdão.

Conclusão
Eu fico impressionado com a semelhança de idéias que eu e Marcia Tiburi temos. Temos às mesmas idéias como relação ao futuro do socialismo, e agora, estamos novamente concordando com relação ao sistema de opressão social que é capitalismo. Qualquer dia vou convida-la para tomar chá. Mas vamos resumir tudo que foi dito até agora: 1) trabalhar é um jogo de soma zero, onde pessoas que estão em uma classe acima exploram através do livre mercado pessoas que estão abaixo. 2) Existe um influencia cultural do capitalismo, onde ele cria demandas para quem é absolutamente miserável, e, portanto, cria-se um contexto injusto onde é justificável roubar. Obrigado por ler mais um artigo de Capital Imoral.

{1} Marcia Tiburi a favor do assalto: goo.gl/pEqAHt

Capital Imoral é filósofo escritor e já refutou Mises.



Propostas como essa são mais comuns do que aparentam.

Uma leitora chamada Marília, na seção de comentários deste artigo, defendeu a abolição do dinheiro como solução para a humanidade, dizendo que todos deveríamos viver à base de comida hidropônica.

Disse ela:

"As únicas leis que devemos respeitar são as leis da natureza, pois se as utilizarmos conforme nosso cérebro passa a entendê-las e em cima disso, ser criativos, não mais precisemos passar por necessidades materiais.

Por exemplo, a cultura hidropônica consegue alimentar a mesma quantidade de pessoas com 1% da área da agricultura. Ou seja, com 0,4% da área continental da Terra, conseguiríamos alimentar 10 bilhões de pessoas. Isso apenas no andar térreo.

No entanto, todo trabalho humano serve ao lucro. O conhecimento e a tecnologia, por melhor que sejam, estão restritos, pois vivemos em um mundo de competição, não de colaboração.

Tem gente que chama isso de qualquer ismo (marxismo, fascismo, socialismo), mas não, é apenas uma observação fora de qualquer ideia política. No momento em que pudermos explodir com o dinheiro, não há mais do que se falar em economia, política e propriedade."


Como resposta, citei exatamente este exemplo prático do Camboja (3 milhões de mortos em um total de 8 milhões de habitantes). E então ela respondeu: "E só porque deu errado, sempre dará? Eu hein."


Um regime que tentou abolir o dinheiro foi o Khmer Vermelho, de Pol Pot. O resultado foi um genocídio que exterminou 1/4 da população do Camboja, deixando ainda a população que sobrou em uma miséria tão grande que até hoje eles ainda não se recuperaram. Em todas as conversas que tive até hoje, nunca vi ninguém que falasse em abolir o dinheiro ter uma alternativa, nem que fosse uma alternativa que só funcionasse em um mundo de fantasia.


De certa forma, os defensores da abolição do dinheiro agem como as feministas radicais que o mundo seria muito mais belo e puro sem os homens. Só falta dizer como é que haveria mulheres sem homens, mas isso é só um detalhe.


A maioria das pessoas nem sequer entende direito o que exatamente é o dinheiro.

Poucos se dão conta, por exemplo, de que se alguém possui uma nota de $10 (ou qualquer outro valor), ele não é proprietário da nota em si e sim do valor que ela representa - por isso é crime destruir dinheiro.

Ou que o papel-moeda era originalmente um tipo de nota promissória de uma quantidade de ouro no banco - daí tantas moedas no mundo terem nomes de medidas de peso.

O problema não é o dinheiro em si, mas as atitudes em relação a ele (incluindo tanto a obsessão quanto a aversão e outras). O dinheiro é apenas mais um dos instrumentos inventados pelo ser humano para facilitar sua própria vida. Usá-lo com equilíbrio e bom senso é responsabilidade individual de cada um.


Discordo. O setor alimentício é sim um dos menos regulados do mundo, inclusive aqui mesmo no Brasil. Qualquer pessoa pode virar agricultor e plantar o que quiser. Eu mesmo tenho um parente que possui uma pequena roça às margens de uma estrada. Nesta roça, ele planta tomates e vende (tomate e extrato) para os restaurantes das redondezas. Nunca pagou imposto sobre isso e nunca foi amolado pelo estado.

Aliás, arrisco a dizer que a esmagadora maioria da comida que você come em restaurantes de estrada (tanto os mais chiques quanto os mais simples) é comprada de fornecedores locais, gente que possui pequenas fazendas nas redondezas e planta e vende para esses restaurantes, tudo por baixo do pano. Não há fiscalização estatal nenhuma (ainda bem) nesse processo, e por isso mesmo a comida é farta. Nunca houve crise de abastecimento de comida no Brasil -- nem mesmo durante o Plano Cruzado.

A regulação ocorre com mais força, aí sim, é sobre os grandes produtores rurais que mexem com gado. Mas esses são os peixes grandes, gente que movimenta bilhões voltados para a exportação. E mesmo estes, embora sejam mais fiscalizados, também recebem empréstimos subsidiados do Banco do Brasil, de modo que uma coisa anula a outra.

Já o pequeno produtor (que é a esmagadora maioria do Brasil e é quem realmente nos alimenta), o governo nem sabe que ele existe. Ainda bem.



Acho que o artigo se equivoca quando aponta o setor de alimentos como pouco regulado (existr algum setor pouco regulado no mundo? ) e que nao ha crise de alimentos. Agro industria eh um setor altamente regulado e protegido pelo governo e que recebe muitos subsídios do governo. A indústria de alimentos tbm eh fortemente regulado pela anvisa e etc com padrões rígidos de controles de qualidade e até da composição do produto.
Um exemplo mais apropriado é o mercado de tech, criptomoeda e blockchain. Esse mercado edta passando por um período de regulação, mas o estado nao sabe como faze-lo.


Dois. Também passei em concurso público, trabalhei em repartição federal, estudei em duas universidades federais...

Minha conclusão é a mesma de Roberto Campos: há algo de doentio no estado e na mentalidade estatal.

Hoje, felizmente, estou livre. Tenho meus próprios negócios, não dependo de governo brasileiro pois são internacionais, e posso morar onde bem entender.

Conheço a realidade de outros brasileiros que largaram seus empregos públicos e foram morar fora do país, para trabalhar na iniciativa privada em lugares realmente livres (o que exclui a Europa, obviamente). Estão, via de regra, melhor de vida, trabalhando menos e não querem saber de voltar.

Além disso, é nítida que a situação de funcionários públicos em economias livres, como Estados Unidos, Cingapura, Suíça ou Emirados Árabes é bem melhor que a brasileira. Embora a maioria não goze, legalmente, de estabilidade de emprego como no Brasil, na prática é muito difícil um funcionário público ser mandado embora. Além disso, com o estado enxuto e muito mais eficiente, essas pessoas são bem vistas pela sociedade como um todo (quem já viu americanos acenando para bombeiros e militares sabe bem do que estou falando), não como parasitas vagabundos como são enxergados pela população brasileira.

Também passo.


E no Brasil, a minoria trabalha pra pagar os que não trabalham. Só tem 36 milhões de carteiras assinadas, 200 milhões populacional. Somando os desempregados, 27 milhões, mais os que não querem trabalhar, mais a economia informal, que não entra no sistema, temos que os que não colaboram com a sociedade é maior que os que colaboram. Então o trabalhador empobrece pra ajudar os que não produzem, e estes recebem sem colaborar com quem lhes sustenta. E ainda vem com discursos que a sociedade lhes deve.



Convença-se que você não esta aqui para corrigir as supostas injustiças do passado de ninguém.



"Em pleno século XXI, era de se esperar que, finalmente, as pessoas e os governos já houvessem entendido..."

A elite de modo geral entende, mesmo que seja apenas intuitivamente. Mas o negócio deles é ampliar os próprios privilégios, não maximizar o bem-estar da população.

* * *


PQP!!!

...e não é que você tem razão!

De fato o que manda é a EMOÇÃO, os sentimentos.
Assim, MANIPULAR os sentimentos é a fórmula do PODER.

Nem mesmo as palavras, que fizeram o tal ser humano diferenciar-se dos demais animais, têm sido respeitadas já desde há muito tempo.

As palavras têm valido pela ENTONAÇÃO com que são pronunciadas e com isso a ditadura cubana é menos apreendida como tirânia do que a DITA dura chilena de Pinochet.
Sim, porque qdo falam de Cuba é com expressões de candura e afetação de bons sentimentos, já contra Pinochet é com expressão de raiva e repulsa. Mesmo que Pinochet permitisso livre expressão nos joranis e TVs, combnatendo apenas terroristas e guerrilheiros para ENTREGAR VOLUNTARIAMENTE o MELHOR PAÍS da América Latina aos esquerdinhas que o vem estragando. Já o DOCE FIDEL, simplesmente proibe TUDo e lançou o país na mais abjeta miséria, porém é aceito porque sempre se referem a ele com CANDURA e afetação de boas intenções.

A palavra EGOCENTRISMO já nem mesmo é usada e se confunde tal com EGOÍSMO.

No futuro os humanos se comunicarão por GRUNHIDOS, ROSNADOS e expressões que exibam as emoções sentidas sobre os assuntos.
Ou seja:

SE TRANSMITIRÁ EMOÇÕES sobre os assuntos "debatidos" e não mais argumentos, descrições e definições. Sobretudo porque as palavras já terão perdido completamete o significado.

Exemplo:

A palavra PRECONCEITO já não tem significado original e define qualquer aversão ou antipatia por algo, basta alguém não gostar de algo que já é um preconceituoso.
...e mais, com esse sentido somente é possível preconceito contra, pois um PRÉ CONCEITO a favor não encaixa no idioma dos gritos, cvaretas de horror, gemidos, rosnados e expressões de histeria.

Exemplo: Maria do Rosário bem demonstrou com sua histeria "mas o que que é isso?"
...não se tratava de pergunta, e cinicamente apenas queria transmitir afetada indignação hipócrita para assim contagiar a platéia com sentimentos contrários ao seu oponente.

Ou seja, já não se tem interesse em "CONTAGIAR" com RAZÕES, PODERAÇÕES e RACIOCÍNIO LÓGICO. O objetivo é CONTAGIAR a PLATÈIA COM EMOÇÕES. Sejam a FAVOU ou CONTRA algo.

A isso chamo de RACIOSSÍMIO...

...Pois a platéia tende a macaquear, repetir ou imitar o expoente que transmite suas emoções de forma a OSTENTAR repulsa CONSAGRADORA ou a anuência CONSAGRADORA. A platéia então imita na busca dos aparentes sentimentos do autor da patacoada.

O Planeta do Macacos é uma realidade cada vez mais próxima, vai faltar apenas o excesso de pêlos. ...rsrs


Não sou contra o patriotismo, pois o brasileiro tem que se orgulhar de seu país.

Não entendo como isso poderia ser classificado como um argumento razoável.
Aliás, isso é o mesmo que dizer:
Não sou contra o patriotismo, pois o brasileiro tem que ser patriota.

Como bem citado pelo cmr, Samuel Johnson está corretíssimo.
Afinal, existe alguma desculpa mais esfarrapada do que o patriotismo para que o estatismo seja praticado?


Na casa as pessoas são livres para deixa-la a qualquer momento, o filho pode ir morar sozinho quando começa a se sustentar. Além disso nem todos os bens são obrigatoriamente compartilhados, o pai pode ter um carro e não emprestar ao filho, que se quiser um igual deve trabalhar e conquistar um através de seus próprios meios.
Além disso se os pais forem drogados e improdutivos todos os filhos estarão sujeitos a sofrer devido a inconsequência daqueles que teoricamente seriam os mais capacitados para cuidar deles. E ai será que existe um ser supremo capaz de decidir nossa vontades?


.
Essa desigualdade de pobreza se dá não em quantitativo monetário (governo podem fabricar dinheiro), mas não em quantitativo de bens consumiveis. Nos USA há mais quantitativos de bens disponíveis enquanto na Etiopia pode até existir mais dinheiro, porém este não poderá adquirir mais do que o que existe disponível.

Somente seria possível igualar monetariamente e os "distributivistas" que LUCRAM com o distributivismo sabem bem disso. Portanto, DIVIDIR a RENDA MONETÁRIA não mudaria em nada a situação no macro. Na verdade, em pouco tempo, se teria menos bens e serviços disponíveis porque a renda montetária acabaria sendo usada em disputas por bens de maior necessidade por grandes contingentes de carentes destes. Assim, outros bens encalhariam e seus produtores perderiam a renda monetária.

Se na década de 50 distribuissem igualmente a renda monetária, não haveria como todos possuirem, POR EXEMPLO, GELADEIRAS ao mesmo tempo. Para atender a demanda rapidamente se teria que multiplicar fábricas que logo que atendessem a demanda, teriam capacidade ociosa em franco desperdício de capital.

NÃO É POSSIVEL DISTRIBUIR aquilo que não existe para atender a todos.

Não se trata de mera vontade ou PODER de expropriar e distribuir parte, mas simplesmente inexiste capacidade de atender toda a demanda ao mesmo tempo.

Esse apelo patético à igualdade (via renda monetária) É UM DELIBERADO EMBUSTE.
O problema é que o RACIOSSIMIO (não raciocinio) não se faz em termos de TROCAS ENTRE BENS E SERVIÇOS ATRAVÉS do DINHEIRO, mas em trocas por dinheiro e isso destrói a realidade: dinheiro NÃO é riqueza e tão pouco é renda. Dinheiro é apenas um INTERMEDIÁRIO nas TROCAS e não um VALOR para TROCA.

Contudo o LUCRATIVO MERCADO do DISTRIBUTIVISMO por via violenta consegue ainda manter-se paupável devido ao FATO de até seus adversários DESPREZAREM a IDÉIA de ÉTICA ao enfatizarem apenas a incapacidade técnica da violência lucrativa atender demandas pelo distributivismo. COMO SE a IDÉIA de ÉTICA e JUSTIÇA fossem UTILITARISTAS. Ou seja atér adversários dos socialistas apoiam a ideia UTILITARISTA como a "MORAL CERTA". Como se esta, caso oferecesse os resultados prometidos, fosse algo aceitavel moralmente.

o problema é MORAL, essa moral piegas que atrubui aos pobres, vagabundos ou não, incapazes ou não, o "DIREITO IDEOLÓGICO" de valerem-se da viol?ncia contra os que os possam atender suas necessidades. Como se NECESSIDADE fosse o mesmo que Direito.

Se João plantou um coqueiro e ainda sobe neste para colher os cocos, SOMENTE JOÃO tem JUSTO DIREITO NATURAL aos FRUTOS do SEU TRABALHO.
É João que teve a idéia de plantar o coqueiro, ele que investiu trabalho ou seu capital para plantar o coqueiro e ele é quem investe trabalho ou seu capital para colher os cocos. LOGO SOMENTE JOÃO TEM LEGITIMO DIREITO SOBRE os CÔCOS que SOMENTE EXISTEM DEVIDO ao TRABALHO INTELECTUAL (a idéia) de João e SEU INVESTIMENTO (seja com o próprio trabalho braçal ou remunerando o trabalho braçal alheio com o seu capital acumulado honestamente).

Se um marcineiro fabrica vários móveis e acumula (estoca) boa parte para trocas futuras, ESSE É SEU CAPITAL ACUMULADO, em forma de bens somente criados pelo trabalho intelectual e braçal.

Assim este marceneiro poderá trocar seu TRABALHO ACUMULADO por trabalho alheio acumulado ou em realização.

NÃO É JUSTO USAR A VIOLÊNCIA PARA OBTER PARTES DO QUE OUTROS CRIARAM COM SEU TRABALHO JUSTO.
Ou seja, É ABSURDO que a CAPACIDADE DESTRUTIVA (violência) de UNS, SEJA UMA FORMA DE OBTER os FRUTOS DA CAPACIDADE CONSTRUTUTIVA de OUTROS.

HÁ QUE SE FOCAR NA IDÉIA DE JUSTIÇA e NÃO em UTILITARISMO PIEGAS e SAFADO.


Esse MORALISMO PIEGAS, POBRISTA, COITADISTA de pretenso UTILITARISMO desde sempre foi SAFADO e SEMPRE visou o PODER de UNS sobre os demais.

NECESSIDADE NÃO É DIREITO e POBREZA NÃO É MÉRITO.


Cara, eu adoro seus comentários! Você deveria reunio-los em um blog! Está desperdiçando seu talento deixando só aqui! :-) (Ia ser mó da hora ver o tanto de zé ruela que ia cair nesse besteirol pseudo! PUBLICA! Melhor ainda: publique uma coletânea! Procure o KDP - Kindle Direct Publish!!!


OK, mas o enfoque principal da esquerda está no aumento do poder estatal ou está na revolução cultural? Para combatermos eficientemente os canhotos temos que começar a lutar culturalmente, mas infelizmente ideias de alguns libertários e esquerdistas convergem nesse ponto, e aqueles acabam apoiando o movimento que eles julgam combater, falo de questões como liberação de drogas, aborto por exemplo.
A esquerda está abolindo as raízes do ocidente, desse modo o socialismo será apenas uma consequência, Gramsci já deu a receita e eles estão assando o bolo no forno cultural libertário.



Aí você atingiu o argumento chave de um marxista. Eles acreditam que estes bens devem ser expropriados e coletivizados, em uma sociedade onde ninguém ganha mais que ninguém e todos decidem de forma coletiva por democracias diretas como usar os bens e produzir produtos. O problema é que os marxistas não entendem que este mundo fantasioso falha por dois motivos básicos:

1) a especialização de conhecimento necessária para operar industrias e empresas, inevitavelmente criará hierarquias (coisa que marxistas abominam) por isso são coletivistas e igualitários;

2) os produtos continuarão esbarrando em problemas técnicos e temporais a serem produzidos, por tanto, escassos e nisto nuca haverá tudo para todos ao mesmo tempo, assim terão que tomar decisões sobre como alocar e a quem deve receber quanto e quando, daí o escambo da sociedade deles vai ao fracasso, é impossível, alocar corretamente ignorando a lei de oferta e demanda e o sistema de preços, sem poupança da parte dos compradores para que após um certo tempo sejam capazes de adiquirir o bem, daí, como cada um vai tomar decisões próprias, por critérios próprios, uns vão poupar mais, outros menos, outros vão perder dinheiro, assim inevitavelmente ninguém será igual.



Isso porque, dinheiro não é riqueza, riqueza são bens produzidos e adiquiridos, as pessoas mais ricas do mundo tem bens de altissimo valor, ativos e empresas. Se todo o dinheiro de suas contas bancárias sumissem, não estariam pobres, venderiam suas ações e empresas a quem tem dinheiro para pagar e recuperariam o capital novamente, reinvestiriam em outros bens de valor e produção e manteriam sua margem de capital.



1) estamos em era pós revolução industrial

Isto significa que a humanidade já descobriu que produzir produtos em massa com mão de obra especializada e comercializar para ter lucro, é mais útil do que guerras e mercantilismo;

2) quando você recebe salário está sempre livre para poupar e somar capital;

3) Porque satanazes estes historiadores e sociólogos insistem na ideia de que acúmulo de riqueza é algo prejudicial? á única forma da humanidade produzir o que produziu foi atravéz do acúmulo. isso é benéfico até para um mendingo, por mizerável que seja, a situação é tão irônica que um mendingo que vive pelas ruas hoje, tem menos chance de ser tragado pela natureza e entempéries do que o mesmo largado nuama selva a milênios atráz.

4) Se o mendingo quiser deixar de ser mendingo vai ter que trabalhar; não conheco outra fórmula, eu não sou Hobbin Wood, para tomar o que é dos outros e dar a quem deveria tomar vergonha na cara.

5) Muita gente que está nas ruas tem problemas mentais e familiares mesmo;

6) Não tenho nada haver com isso, e não me comovo nenhum pouco;

7) Se eu ajudasse algum morador de rua eu faria uma única coisa: compraria um carrinho de cachorro quente e materiais para ele vender, e diria, está é sua vara, ou você busca fazer como todos fizeram um dia para sair da miséria, ou morra na pobreza, eu não vou dar o peixe; Se eu fosse rico mesmo, eu poderia criar até uma ong de pessoas que fariam este tipo de proposta a moradores de rua e pessoas em estado de miséria financeira.


Não tenho mais nada a dizer; só bandidos gostam de roubar o que é dos outros.




No Brasil o mercado tecnológico é inexistente e o governo ainda enfia a faca de impostos (é o setor mais taxado).
Mas o que você disse sobre o mercado de alimentos é verdade. Seria interessante o IMB fazer um artigo sobre isso.



Tá de zoeira, né?

Quer dizer então que se não houvesse estado (políticos), as pessoas construiriam suas casas e prédios, mas não construiriam absolutamente nada para interligar essas casas e prédios?!

Todo mundo viveria isolado no meio do charco, sem ruas e estradas?

Cidadão, saiba que hoje o estado simplesmente proíbe pessoas de saírem construindo estradas. Se eu quiser construir uma estrada paralela à via Dutra para concorrer com ela eu vou para a cadeia. O estado me proíbe de fazer isso.

Não houvesse estado, haveria uma oferta tão grande de estradas (todas devidamente pedagiadas, é claro), que faltaria carro para elas. Se você cria um arranjo em que qualquer empreendedor de qualquer lugar do mundo tem liberdade para vir aqui construir estradas, você realmente jura que não haveria estradas?

Mesmíssimo raciocínio vale para portos (um monopólio estatal; o governo proíbe as pessoas de saírem construindo portos para ganhar dinheiro com isso).

Aliás, você está dizendo que, sem estado, não haveria nem hospitais e nem escolas?!?! PQP, cara, onde você vive que nunca viu um hospital ou uma escola particulares?! Aliás, se não fosse o governo e eu tivesse liberdade de empreender, eu mesmo sairia construindo hospitais a rodo (trata-se de um setor cuja demanda sempre é crescente). E escolas? Já ouviu falar da Khan Academy e do Coursera? Educação privada, de qualidade e gratuita.

É simplesmente impressionante -- para não dizer apavorante -- o tesão que o brasileiro tem por políticos. Ele praticamente jura que sua vida e existência só são possíveis por causa de Sarney, Temer, Collor, Lula, Dilma e FHC.

Merecemos tudo isso mesmo.


Vamos à um caso extremo : impostos e tarifas zero. É o sonho de muita gente. Mas pergunto : haveria estradas ? Haveria portos ? Haveria hospitais ? Haveria policiamento ( coisa muito ruim no Brasil, nos dias de hoje ) ? Haveria educação ( outra coisa muito ruim, hoje em dia ) ? Então, vamos com calma. O que falta normalmente é : governos sérios e competentes.


Beleza, Leandro, muito obrigado mesmo pela, como sempre, minuciosa e elucidativa resposta! Só mais uma coisinha: Quais a taxas percentuais de crescimento dos agregados monetários e dos saldos das carteiras de crédito você considera razoáveis para descartar o QE?

Muito obrigado mais uma vez e abraços!


Um mercado que é bastante livre no Brasil e em quase todo o mundo, é o mercado de alimentos. É impressionante a quantidade de desdentados produzindo e vendendo alimentos. Estou a 4 anos nesse mercado e percebi que é praticamente um ancapistão esse mundo do campo.

Outro mercado bastante livre, pela dificuldade de regulamentá-lo, é o mercado tecnológico. Aqui no Brasil, se houvesse algum incentivo fiscal do governo, tenho certeza que viria várias empresas americanas dedicadas ao desenvolvimento de tecnologias.


Se uma crise sem precedentes está se aproximando, os senhores entrariam no mercado acionário? O que fariam para proteger seu capital?



Venho querendo investir em criptomoedas. Entendo que elas estabilizaram após as ultimas noticias negativas que fizeram elas perderem valor de mercado e o entendimento intrínseco do valor real de uma criptomoeda é muito importante para que eu faça esse investimento.

Embora o artigo sugeriu u mm valor bem volátil para o bitcoin baseado em confiança de crescimento e em liquidez, ainda me sinto inseguro acerca da questão pois essa liquidez está sendo questionada em diversas situações pelo fato de haver uma variação muito rápida em seu valor.

Alguem chegou a comentar aqui que o maior valor seria na verdade o fato de ser uma moeda sem um governo ou instituição controlando que facilitaria a não haver taxas abusivas. Contudo este valor não deveria ser o mais relevante? Não entendi porque o artigo não abordou tal questão. Seria ela tão irrelevante assim afim de que taxas e controles de um governo limitaram tanto suas moedas?

Que taxas e controles de um governo atrapalharam tanto suas moedas a ponto fds o mundo todo precisar de uma moeda descentralizada?

Seria excelente ver um artigo sobre isso no misses.


Existem dois tipos de social-democratas: o social-democrata intervencionista, que acha que o capitalismo não é o suficiente para resolver os problemas da sociedade.
E existe o social-democrata socialista, que odeia o capitalismo mas sabe que o socialismo não funciona. É um seguidor do socialismo fabiano, mesmo que muitos não saibam.


Quantas ele estatizou foi provavelmente zero, mesmo porque, por pior que isso aqui seja, não é exatamente tranqüilo o governo sair fazendo confiscos e estatizando propriedade privada. Ainda não somos uma Venezuela.

No entanto, caso esteja interessado, eu posso falar quantas estatais o PT criou: 43 estatais.

opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,proliferacao-de-estatais,10000069719

oglobo.globo.com/opiniao/estatais-criadas-desde-lula-sobrecarregam-tesouro-19951647

E elas deram um prejuízo de R$ 8 bilhões, integralmente pagos por nós. Tá pouco para você?


Acho que está bem claro quem realmente tem de "acordar", né?


Uma pessoa precisa estar com muito rancor no coração para chamar o Hayek de social-democrata. O significado do termo mudou ao longo do tempo, mas no geral um social-democrata é alguém de raiz socialista, ou que é mais pragmático ou que está desiludido com o comunismo. Nada a ver, convenhamos. Chamá-lo neoliberal já é uma ofensa de bom tamanho para ele.

Quanto ao artigo, uma verdadeira satisfação lê-lo. Nessa mesma linha de defender um 'Mises e também Hayek', o professor Alberto Oliva fez uma observação sobre o problema da dispersão explicativa e o risco de ideologização, nas ciências sociais. Dada a sua busca por interdisciplinaridade, é razoável esperar que isto ocorra na Escola Austríaca também. Mas depois de ler o artigo, grosso modo, a gente começa a pensar se não é muito mais uma ideologização o que está acontecendo, do que realmente haja algum motivo para ter que escolher entre um ou outro.



Não sou contra o patriotismo, pois o brasileiro tem que se orgulhar de seu país. Não se pode confundir patriotismo com restrição ao livre comércio.
Quanto ao Jair Bolsonaro, é a concretização política do movimento conservador demonstrado no país nos últimos meses, é muito interessantes ficar debatendo ideias, mas a verdadeira batalha se dá na tomada do poder de um país (por meios legítimos é óbvio) e também se dá no campo cultural. A esquerda está atacando a cultura conservadora, a qual é baseada nos princípios judaico-cristãos. ACORDEM. Só um questionamento: Quantas empresas o governo do PT estatizou?


"Já há algum tempo, e ganhando mais coro recentemente, escuto relatos sobre uma imensa bolha de ativos nos EUA, a maior já vista até então"

Sim, e envolve de tudo. Desde ações até os títulos do governo.

"Peter Schiff, mais especificamente, vem batendo nesta tecla há algum tempo, apontando duas possíveis causas para o estouro da bolha: o acúmulo incessante de dívidas dos EUA, proporcionado por seu déficit de décadas na balança comercial, e o "quantitative easing" do FED que permitiu com que o preço dos imóveis continuasse subindo (não obstante sua retração em 2008-2009) e que estudantes acumulassem um número cada vez maior de dívidas."

A parte sobre o déficit comercial -- em relação ao qual o Schiff sempre foi inexplicavelmente neurótico -- não faz sentido, como já sabem os leitores deste site.

Já o que foi dito sobre o QE procede.

"Um dos primeiros sinais dos freios no atual boom seria a atual postura do FED em elevar a taxa básica de juros, assim como boatos(pelo menos até onde eu li) de que o BCE poderia fazer o mesmo".

Isso irá ajudar a conter um pouco a bolha dos ativos. Mas os juros de longo prazo estão subindo não porque o Fed está "ameaçando" elevar a taxa básica de juros; estão subindo porque os investidores estão temendo uma maior inflação de preços no futuro. Consequentemente, eles exigem juros maiores para financiar o governo americano (caso contrário, a inflação de preços reduziria seus ganhos reais).

"Outro grande candidato para fazer a coisa toda degringolar seria a China, que(como apontado em vários artigos neste site) inflou fortemente seu mercado imobiliário nos últimos anos e acumulou muita dívida desde 2009. Se o governo chinês resolver apertar os cintos de seu banco central é muito provável que o choque se espalhe pelo mundo todo."

Isso realmente afetaria o comércio mundial, mas o principal prejudicado seria a própria China. Em recessão, eles teriam menos capacidade para importar coisas; já nós continuaríamos comprando deles normalmente, e eles implorariam por isso, pois terão de produzir muito para manter seus empregos. Neste cenário, o que realmente pode nos prejudicar é um protecionista assumir a presidência e resolver acabar com o comércio com a China. Este sim é o verdadeiro perigo que nos ronda, pois afetaria diretamente nossa qualidade de vida.

Fora isso, eu não me arrisco a fazer previsões sobre a China. Além de o país não ser minha especialidade, é difícil confiar nas estatísticas macroeconômicas divulgadas pelo governo, tanto as boas quanto as ruins.

"Como fica o Brasil nessa história? Dadas as reformas econômicas do governo Temer, ainda que muito suaves, creio que o país teria alguma chance de se reerguer com dificuldade mais moderada (é claro que contando que equipe econômica do presidente de 2018 não esculhambe tudo)."

Disse tudo. Mas, infelizmente, o melhor período para as reformas -- 2012-2017, que foi quando o cenário externo era realmente benéfico, com juros mundiais baixos e investidores estrangeiros à procura de lugar para aportar capital de longo prazo -- já passou.

"A atual queda da SELIC é uma boa coisa para nós? Sei que o posicionamento da EA é totalmente contrário a qualquer manipulação da Taxa Básica de Juros, mas, dado que é assim que a banda toca, é possível estimar(a partir de algum modelo econométrico razoável) se a SELIC está num valor que de fato reflete o preço real da nossa moeda?"

Particularmente, não vejo nada de errado nessa queda. E já falei bastante sobre isso. A oferta monetária desabou e os bancos estatais -- um dos grandes causadores da necessidade de uma SELIC alta -- estão hoje totalmente sob controle (ao menos por enquanto).

Em um cenário assim, as taxas de juros de curto prazo (que é a SELIC) cairiam naturalmente, mesmo se não houvesse Banco Central.

"Pois minha preocupação é estarmos entrando na onda do "quantitative easing" e injetando uma quantidade de dinheiro no mercado que não condiz com o acúmulo real de capital."

Por enquanto, a julgar pela evolução dos agregados monetários e do crédito bancário, estamos completamente longe dessa hipótese.

Se essa é a sua preocupação, então, por enquanto, você pode dormir tranquilo -- o que não significa, é claro, que a partir de 2019, com algum maluco no Planalto, a coisa não irá mudar radicalmente.


O historiador Walter Scheidel (Stanford) decidiu olhar para o passado em busca daquilo que realmente faz com que a renda seja mais bem distribuída e concluiu que só grandes catástrofes sociais dão conta da missão –e mesmo assim apenas por tempo limitado.

O resultado de suas pesquisas está em "The Great Leveler" (a grande niveladora). Ao longo de mais de 500 páginas, ele mostra com muita erudição histórica que a tendência geral das sociedades, desde a Idade da Pedra até hoje, é concentrar riqueza e que essa orientação só é revertida de forma um pouco mais perceptível em situações extremas das quais queremos manter total distância. Não é uma coincidência que o autor chame as forças niveladoras que identificou de quatro cavaleiros do apocalipse.

Continua.

www1.folha.uol.com.br/colunas/helioschwartsman/2017/06/1891959-igualdade-ou-morte.shtml


Sempre vale repetir um trecho do Evangelho Segundo o Espiritismo, compilado por Allan Kardec em 1864.

Desigualdade das riquezas

A desigualdade das riquezas é um dos problemas que inutilmente se procurará resolver, desde que se considere apenas a vida atual.

A primeira questão que se apresenta é esta: Por que não são igualmente ricos todos os homens? Não o são por uma razão muito simples: por não serem igualmente inteligentes, ativos e laboriosos para adquirir, nem sóbrios e previdentes para conservar.

É, aliás, ponto matematicamente demonstrado que a riqueza, repartida com igualdade, a cada um daria uma parcela mínima e insuficiente; que, supondo efetuada essa repartição, o equilíbrio em pouco tempo estaria desfeito, pela diversidade dos caracteres e das aptidões; que, supondo-a possível e durável, tendo cada um somente com que viver, o resultado seria o aniquilamento de todos os grandes trabalhos que concorrem para o progresso e para o bem-estar da Humanidade; que, admitido desse ela a cada um o necessário, já não haveria o aguilhão que impele os homens às grandes descobertas e aos empreendimentos úteis.

Se Deus a concentra em certos pontos, é para que daí se expanda em quantidade suficiente, de acordo com as necessidades.


[OFF-TOPIC]

Pessoal, me perdoem por me desviar tanto do assunto mas gostaria de saber a opinião de vocês e do Instituto sobre a atual situação econômica global.

Já há algum tempo, e ganhando mais coro recentemente, escuto relatos sobre uma imensa bolha de ativos nos EUA, a maior já vista até então. Peter Schiff, mais especificamente, vem batendo nesta tecla há algum tempo, apontando duas possíveis causas para o estouro da bolha: o acúmulo incessante de dívidas dos EUA, proporcionado por seu déficit de décadas na balança comercial, e o "quantitative easing" do FED que permitiu com que o preço dos imóveis continuasse subindo (não obstante sua retração em 2008-2009) e que estudantes acumulassem um número cada vez maior de dívidas.

Um dos primeiros sinais dos freios no atual boom seria a atual postura do FED em elevar a taxa básica de juros, assim como boatos(pelo menos até onde eu li) de que o BCE poderia fazer o mesmo.

Outro grande candidato para fazer a coisa toda degringolar seria a China, que(como apontado em vários artigos neste site) inflou fortemente seu mercado imobiliário nos últimos anos e acumulou muita dívida desde 2009. Se o governo chinês resolver apertar os cintos de seu banco central é muito provável que o choque se espalhe pelo mundo todo.

Neste cenário confuso eu lhes pergunto: Como fica o Brasil nessa história? Dadas as reformas econômicas do governo Temer, ainda que muito suaves, creio que o país teria alguma chance de se reerguer com dificuldade mais moderada(é claro que contando que equipe econômica do presidente de 2018 não esculhambe tudo). Mas tem uma coisa que me preocupa e devido a minha ignorância no assunto não consigo chegar a uma conclusão: A atual queda da SELIC é uma boa coisa para nós? Sei que o posicionamento da EA é totalmente contrário a qualquer manipulação da Taxa Básica de Juros, mas, dado que é assim que a banda toca, é possível estimar(a partir de algum modelo econométrico razoável) se a SELIC está num valor que de fato reflete o preço real da nossa moeda? Pois minha preocupação é estarmos entrando na onda do "quantitative easing" e injetando uma quantidade de dinheiro no mercado que não condiz com o acúmulo real de capital.

Agradeço muito a atenção!


Em um ambiente de liberdade econômica, um indivíduo que produz duas vezes mais, ao mesmo tempo em que todos os outros continuam produzindo o mesmo, será capaz de usufruir duas vezes mais o fruto de seu trabalho, pois terá um rendimento duas vezes maior.

Mas se essa duplicação da sua produção tiver de ser dividida com os mais de 7 bilhões de habitantes do planeta, esse indivíduo, em vez de receber duas vezes mais como resultado da duplicação de sua produção, irá receber apenas a sétima bilionésima parte do dobro de sua produção (0,0000000001428) — ou seja, em termos práticos, absolutamente nada.

Sob a liberdade que permite a desigualdade econômica, um indivíduo é capaz de aprimorar o bem-estar econômico seu e de sua família dramaticamente. Porém, quando uma política estipula que, para ele aprimorar o seu próprio bem-estar, ele tem de ser obrigado a aprimorar o bem-estar de toda a população na mesma intensidade, então ele nada pode alcançar.

É como ver um indivíduo com pernas fortes o bastante para caminhar, e então estipular que, se ele quiser caminhar, ele tem de ser obrigado a carregar o peso de toda a população do globo sobre suas pernas.


Cara, quem se importa com a lógica? Com os fatos? O que vale é a emoção. Explore o ressentimento, explore a desigualdade de pouca gente ficando muito rica e muita gente ficando rica, mas não na mesma proporção. Dane-se a pobreza. É poder. É cultura. Os liberais vão perder sempre.


Sabem qual o mercado mais desregulamentado de quase qualquer lugar do mundo? O de eletrônicos e o de alimentos.

E sabem qual o mercado que mais produziu e cresceu nos últimos 50 anos? O de eletrônicos e o de alimentos.

A esquerda se apavora com o rumo que o mundo tomou depois da segunda guerra mundial. Mais e mais países escolheram o lados dos EUA e deixaram a URSS e os Fascismo para trás. Não é a toa que o mundo está cada vez mais rico.


Como erradicar a desigualdade no Brasil com uma canetada:

1. Crie regiões do tamanho de bairros
2. Calcule o indice Gini para cada região
3. Calcule a média das regiões


Falando em gente raivosa e estressada por conta de ide0logia, achei um vídeo aqui de uma figura autodeclarada nacionalista e eleitora do Ciro Gomes, fica até de picuinha com os eleitores do Lula. Vale a pena ler pra ver o quão fora da realidade é esse pessoal.

O vídeo é esse: www.youtube.com/watch?v=_c8lWjcMJEo&t=409s

E aqui eis a transcrição de parte da diversão:

"Bom, nós os eleitores do Ciro Gomes, devemos comemorar a condenação do Lula? Você comemorou? A leitura que eu tenho dessa condenação, ela não dá margem nem para lamento nem para comemoração.

Primeiro, porque estamos vivendo uma fase no Brasil que não tem espaço para comemorar absolutamente nada do que está acontecendo. E segundo porque a condenação dele veio a reboque de uma investigação, primeiramente de um golpe contra o governo Dilma, e de uma investigação eivada de interesses dos EUA que no seu nascedouro teve ali as espionagens da NSA e tem o seu protagonista, o juiz Sérgio Moro viajando pra lá sempre, prestando contas para os estadunidenses, para o Departamento de Justiça dos EUA, viagem paga pelo Departamento de Estado dos EUA.

Então, a gente sabe que esse processo todo que levou à condenação do Lula está então contaminado por interesses exógenos que não são dignos de nenhuma comemoração, que não implicam em algo bom para o desenvolvimento do Brasil, para o fim da corrupção etc e tal. Só por isso nós já não devemos comemorar.

E também não devemos porque é uma condenação muito falha, não tem provas cabais, provas muito frágeis e eu acho que qualquer pessoa tem que passar por uma investigação e depois ser condenada ou não, que seja mais séria e não esteja entorno de interesses políticos. Embora eu julgo que o interesse político e a política vêm de ambos os lados, ou seja, tanto o Lula quanto a parte que o acusa e julga estaria aí fazendo política, por fim tudo é política nesse país, né?

Mas eu acho que não tá legal, na minha opinião eu não comemorei a condenação tá? E se eu pudesse dar um conselho pra vocês, eleitores do Ciro Gomes, não comemorem também porque está aí mergulhado, embebido em interesses que não são exatamente aquilo que a gente deva comemorar.
Isso favorece o Ciro Gomes? Eu creio que não. Porque seria se o PT fizesse uma aliança com ele, se o Lula renunciasse à disputa para presidência do Brasil. Então isso seria muito proveitoso para ele. Mas nessas circunstâncias de condenação, até porque ela não impede o Lula de concorrer, a própria presidente do partido, Gleisi Hoffmann, já afirmou isso e o presidente Lula mesmo, em pleno palanque pós-condenação disse que vai disputar sim as eleições.

Isso é muito ruim porque vai se encaixar, vai ao encontro daquilo que eu tenho dito da ingovernabilidade. Ele vai vencer possivelmente porque é o candidato mais cotado e eles vão tentar obstá-lo de governar devido a todo esse retrospecto de investigação e tudo isso que por fim culminou a condenação. A gente vai acabar numa atmosfera de ingovernabilidade e o país parado novamente para se inserir no cenário geopolítico que nós vamos ter aí grandes mudanças como eu já disse no meu vídeo passado. Não há então o que comemorar, gente. Não há mesmo.

Mas também não há o que se lamentar porque eu acho que de certo modo, o PT merece um pouco tudo isso que tá acontecendo, um pouco não, merece muito porque se o Lula e a Dilma tivesse feito reformas estruturais e tirasse um pouco o poder da Rede Globo, isso não teria acontecido. E a gente sabe que a RG é quem protagonizou, quem veiculou, quem propagou todo o espetáculo da investigação Lava-jato, do julgamento do Lula, é quem colocou o Moro num pedestal. Ela está aqui mesmo para fazer aquilo que o Império do Norte manda desde sempre. Ela foi criada pra isso. Para ter acesso direto ao povo brasileiro, à mente do povo, sem ela não teria golpe, não teria o soft power dos EUA no Brasil.

(...)

É muita petulância, sabe. Esses instrumentos de pressão dos EUA, eles agem discaradamente nos países subdesenvolvidos e são eles que viabilizam o colonialismo, o próprio soft power deles também e a intervenção econômica."



Uma coisa que eu nunca vi ninguém comentar é que é simplesmente enorme a probabilidade de que a esmagadora maioria das pessoas ao redor do mundo não declare toda a sua renda para seus governos corruptos e predadores. Logo, todos os números e argumentos utilizados por Oxfam e congêneres não passam de besteirol.

A riqueza real, principalmente dos mais pobres, é muito maior do que a declarada, e a dos bilionários (majoritariamente em forma de ações voláteis e capital industrial que se deprecia com o tempo), bem menor.


Se não fosse pela capacidade dos seres humanos se tornarem sociopatas ou psicopatas, em qualquer grau, todas as formas de estatismo (socialismo, comunismo, fascismo, redistributivismo) não teriam apoiadores.


É o que eu penso, ações são papeis em que confiança é fundamental, mas tipo comprar uma casa (concreto, espaço material) mesmo que não vale nada, ainda sera um local para morar.
Estou torcendo para que cada vez mais se tenha riqueza, e para se ficar mais rico precisa vender, e eu espero comprar.


O que Lula deve fazer?

Muitos filósofos, escritores, intelectuais - como Marcia Tiburi - têm entrado em contato comigo pedindo conselhos sobre o que lula deve fazer neste ano. Eu realmente fico lisonjeado pelo fato de pedirem meu conselho justamente em um momento tão delicado para democracia no mundo. Portanto, vamos a resposta.

A democracia acabou no Brasil
É necessário antes conhecer o momento político e social em que vivemos para que haja uma visão real do Brasil. Vamos diretamente ao ponto central da questão: No dia 31 de agosto de 2016, a democracia acabou no Brasil. Foi neste dia que a mãe do Brasil sofreu um golpe praticado por um bando corruptos, moleques leite com pera neoliberais, e uma direita retrógrada que ainda pensa que as pessoas vão à missa aos domingos. Como pode a parte mais suja da sociedade se levantar e simplesmente dar um golpe na democracia? É o que eu me pergunto até hoje. Foi tudo muito rápido, e a resposta também deverá ser rápida.

Existe ainda uma questão muito importante: A mentalidade do Brasileiro médio mudou. Não adianta mais ficar fugindo deste tema, temos que encarar a realidade como ela é; e o que ocorreu no Brasil de fato, foi que as redes sociais criaram uma influência maléfica com base na doutrina neoliberal e conservadora. Infelizmente, não adianta mais ficar boicotando socialmente esta pessoas na academia e na mídia; elas encontraram outros meios de passar a informação suja para massa burra. Portanto, estamos diante de um vírus intelectual.

O Dia da luz.
Diante deste cenário, o que lula deve fazer? Muitas pessoas ainda pensam que o principal problema de nosso pai, Lula, se encontra no juiz Sérgio Moro ou no TSJ. Grande engano. O principal problema de lula se encontra no pensamento da maioria das pessoas, se por algum motivo, a maioria das pessoas decidirem que o Estado deve ser mínimo, isso irá acontecer; mas também pode ocorrer o contrário, elas podem decidir que o Estado atual deveria acabar e deveríamos começar um novo Estado, com nosso pai lula com poder absoluto. É o que eu chamo de super-democracia, e o começo deste ato histórico irá ocorrer no dia da luz.

O que é o dia da luz? O dia da luz é o dia que vamos pagar por todos nossos pecados. Será a nossa revolução francesa. É como se Jesus Cristo viesse novamente a terra e lutasse contra o demônio para que o bem supremo exista para sempre. Voltaríamos a ser como adão e eva no paraíso[1]. Neste dia devemos fazer uma grande sacrifício humano, devemos matar todos neoliberais, conservadores, pessoas que sonhem em ter um pensamento que desvie o mínimo possível do bem-estar social. Devemos queimar todos livros e institutos que defendem o retrocesso dos conservadores, e nesta grande fogueira, devemos jogar os intelectuais, juízes, religiosos, e todo tipo de pessoa que aparente ser conservador. Esta fogueira deve brilhar como uma grande luz. Neste dia à democracia irá nascer de novo, tendo como grande líder nosso pai lula.

Lula precisa ser a faísca desta fogueira, ele precisa aproveitar o momento político atual, enquanto a maioria das pessoas ainda não foram infectadas pelo vírus do neoliberalismo e conservadorismo. Somente ele tem poder para fazer tal coisa. Eu prevejo a morte de pelo menos metade dos Brasileiros, mas devemos ter em mente que somente depois das dores do parto que nasce o bebê maravilhoso chamado super-democracia. Não tenha dó deles, eles não são seres humanos, a partir do dia que decidiram apoiar o capitalismo eles deixaram de ser seres humanos, são inimigos, são um vírus bastante perigoso. Quem disse que idéias não têm consequências? Você escolheu por suas idéias e você irá pagar por elas. Portanto, esta é minha recomendação para lula: Seja a faísca.

[1] Marcia Tiburi apresenta um futuro onde o socialismo será tão perfeito que o ser humanx estará no paraiso: goo.gl/mPLqVP ;eu tambem escrevi um artigo relatando um mundo socialista semelhante: www.mises.org.br/Article.aspx?id=2828

Capital Imoral é filósofo, escritor e já refutou Mises.


Se não houvesse hipocrisia, socialistas não teriam políticas.



As oito pessoas mais ricas do mundo (que são tão vilipendiadas) possuem sua só riqueza quase que exclusivamente na forma de ativos, principalmente ações e instalações industriais. Agora me digam: como é que vão "redistribuir" isso? Vão roubar 20% das ações por ano? Vão confiscar os maquinários e os bens de capital? As ações e os maquinários serão redistribuídos para os pobres? Como os pobres irão usá-las?

A obsessão da esquerda com a riqueza alheia não é nem questão de inveja, mas sim de patologia. No entanto, há uma boa notícia para eles: tão logo a atual bolha acionária desinflar, a riqueza dos ricos irá encolher.


Taí como prova a explícita psicologia de um esquerdista, prepotente e arrogante, se acha superior ao resto do mundo, precisa se incultir de uma aura de superioridade e autoridade para compensar seu fracasso na vida profissional comum. Além de ser um parasita do trabalho e dinheiro alheio e nada de útil produzir para a sociedade. É claro que sempre há a chance de perfis aqui serem fakes de algum liberal engraçadinho, mas alguém consegue comparar com a realidade e atestar muita diferença? Esse é o sonho patético e verdadeiramente egoísta de todo esquerdista, ganhar as custas dos outros privilégios e vivier de nada útil.


Pobreza é um conceito totalmente relativo. Pobreza em Bangladesh, Sudão ou Etiópia é totalmente diferente de pobreza nos EUA. E até mesmo no Brasil. Aliás, dentro da mesma cultura o conceito de pobreza muda.

No EUA, um "pobre" tem TV de tela plana, saneamento básico, acesso pleno à rede esgoto, recebe food stamps e subsídios pra moradia, e tem pelo menos um iPhone 5.

Nos países africanos, uma pessoa realmente pobre não sabe se estará viva amanhã.

E, curiosamente, é com o primeiro tipo de pobre (o americano) que os progressistas se preocupam, dizendo que os ricos devem ser tributados mais pra ajudá-lo. Já como enriquecer o africano, ah, isso é totalmente secundário. Afinal, o pobre urbano é eleitor; o africano não.


Naquela lista do Bennet acrescente:
H não menstrua
H não engravida
H não tem dor de cabeça, ou se tem, não vai pra casa por essa causa


seu comentário TODO está errado, se baseia em achar que é o patrão que paga a licença maternidade, me desculpa vc precisa se informar melhor pra não cair em erros crassos como esse.



Na realidade essa argumentação esquerdista sobre a carga tributária é apenas uma estratégia usando a falácia do franco-atirador texano.
Como o socialismo é um sistema fracassado (e que até hoje eles ainda defendem), pegam a social-democracia de alguns países ricos e colocam junto ao socialismo para a defesa do socialismo ser mais efetiva.

Países socialistas não possuem uma carga tributária alta, como você bem falou. Se o governo já controla quase toda a econonia, é muito improvável ele ter uma participação alta no PIB.
Esses dados da URSS comparados ao EUA são bem interessantes, já tinha lido sobre isso.


Prezado Felinusortus!
Obrigado pela indicação!!!
Já salvei em meus favoritos.
Abraços!