clube   |   doar   |   idiomas
Últimos comentários


Levando em conta o histórico de nossa moeda, foi só em alguns breves momentos, em que o índice de preços brasileiro encostou no americano, com alguns períodos até sendo menor.

Como não é surpresa, foi justamente durante o Plano Real, com o Afonso Beviláqua no BC e, mais tarde, no governo Temer.

O Paulo Guedes deve achar que a nossa moeda é o peso chileno, nuevo sol peruano... no momento, alguns países se aproximam do CPI americano: México, Peru, Paraguai, Chile, El Salvador, etc...

O incrível é como que eles só erram. Só os austríacos que acertam.




E a imbecilidade que dólar alto geraria mais importações que Guedes defendia, na prática não se mostra bem assim....

economia.uol.com.br/noticias/reuters/2021/12/01/importacoes-superam-exportacoes-em-us-13-bi-e-brasil-tem-pior-novembro-em-7-anos.htm


economia.uol.com.br/noticias/redacao/2021/12/01/guedes-petrobras-nao-satisfaz-ninguem-e-a-bomba-fica-no-colo-do-governo.htm

Não sei se o Ciro Guedes está mentindo ou contando uma piada....


"caso ele esteja com parte da sua capacidade ociosa, não gera efeito inflacionário."

Nada mais falso.

1. O governo imprime dinheiro. Isso gera inflação. Fato econômico básico.

2. Já do lado da oferta: quanto maior a produtividade, menor os preços dos bens e serviços. Outro fato econômico básico.

Agora veja bem, caso fosse verdade e "se" a indústria estivesse "ociosa", ela estaria produzindo menos. Portanto, num cenário assim, também ajudaria a "aumentar" os preços.

Note que ele afirma que a "ociosidade" controlaria a inflação, o que contraria o fato 2.


Exato. A indústria nunca esteve tão ociosa quanto em 2020. E, mesmo assim, a inflação de preços disparou.

Quem não entende de política monetária fica perdido nessa (como todos os keynesianos).


"Cria inflação se o setor produtivo estiver no limite, caso ele esteja com parte da sua capacidade ociosa, não gera efeito inflacionário."

Gostaria que alguém viesse aqui e publicasse links com matérias sérias sobre o quão ociosa está a indústria nacional. Até então, só repetem como papagaios essa afirmação para justificar suas teses.

"O problema da inflação no Brasil, por exemplo, não pode ser resolvido apenas com aumento na taxa de juros, mas com capacidade de reter valor na economia, o que não acontece do dia para a noite. "

Pego a deixa do que o Hugo respondeu. Só pode ser ironia. Pegue Venezuela e Argentina como exemplos. Países cujos governantes possuem a mais acurada e bem intencionada visão de longo prazo já vista na história. Venezuelanos e Argentinos foram dormir em uma noite e no outro dia se viram vivendo em um paraíso, veja só você.


Sim. É excesso de regulamentação. Por que comprar uma refinaria usada, que foi construída para processar o porco petróleo pesado nacional, se eu posso construir uma refinaria nova perto do poço e já adaptada ao tipo de óleo que eu extrairei desse poço, e com a melhor tecnologia mundial pra ter o melhor rendimento?

No Brasil, o excesso de regulamentação faz com que o produto não compense, por isso é mais caro se construir aqui.

Você planta tomates a 9 reais pra vender a 9.50. Com um lucro tão baixo, seu negócio terá problemas de capitalizar para aumentar a produção. Assim é o mercado de petróleo no Brasil. O excesso de regulamentação ocasiona um aumento de custos para o produtor privado, para impedir a concorrência contra o estado. O estado torna seu produto mais caro para que ele possa vender o dele caro também. E o dinheiro que ele ganha com isso, ele perde tudo nas "entranhas burocráticas".



Ué, por que você não postou a notícia completa? Aliás, por que você suprimiu exatamente o trecho que colo abaixo?

"O professor Raul González Lima, especialista em engenharia biomédica e idealizador do projeto, atribuiu a velocidade do processo à disposição e articulação interdisciplinar entre os acadêmicos, à sensibilidade dos órgãos reguladores, que simplificaram os processos burocráticos, mantendo a segurança do equipamento, [u]e também à iniciativa privada, que fez a doação de um total de R$ 7 milhões para o projeto[/i]."


Ou seja, deixa eu desenhar: investidores privados financiaram tudo e exigiram retorno.

Qual exatamente é a sua surpresa com o fato de isso ter funcionado?


Pergunta off-topic :Olá pessoal gostaria de sanar uma dúvida sobre um comentário que achei no yt a respeito de inflação. O sujeito defende que a impressão de dinheiro não gera inflação. Segue o comentário do amigo:

"Cria inflação se o setor produtivo estiver no limite, caso ele esteja com parte da sua capacidade ociosa, não gera efeito inflacionário.

Vocês anarcocapitalistas não conseguem ter uma visão da economia de longo prazo, não tem neurônios suficientes para entender que a inflação em países periféricos não está atrelada a questão monetária, mas de transferência de valor.

O problema da inflação no Brasil, por exemplo, não pode ser resolvido apenas com aumento na taxa de juros, mas com capacidade de reter valor na economia, o que não acontece do dia para a noite.

O problema da inflação em países de industrialização tardia é estrutural e envolve a questão da divisão internacional do trabalho que é desfavorável para os países da periferia, não de uma simples questão monetária de curto prazo.

Pensamento raso de economia que vocês tem, hein!!.. kkk"

Essas afirmações são corretas ou é pura baboseira? fico no aguardo de uma resposta, Obrigado pela atenção.


www.novacana.com/n/etanol/mercado/gasolina/controle-precos-petrobras-pagar-conta-280316


Essa discussão da CPMF e dessa questão tributarista está hoje entre gente do governo, haja vista as elevações de impostos que tivemos sob Paulo Guedes. Tomara que aquela reforma do IR e a tributária não passem. Vão piorar o que já é ruim.


concordo, mas o problema está em confiar demais na humanidade, não pode confiar muito em estado, como também não em empresas privadas, li esse post e pensei logo que estava em uma página de esquerda, quando na verdade fui surpreendido por Fernando Ulrich como autor e em uma página anarco.
Bom, não sabia que Ulrich era tão radical assim. Espero que ele saiba que existem muitas tentativas de distorcer o termo 'liberal' e suas ideias originais, como o próprio friedrich von hayek afirmou em seu livro "O caminho da servidão". Malandro faz de tudo para tentar ser beneficiar sem fazer nada - mesmo que tenha que atirar para todos os lados, não se esqueça disso Ulrich, o libertarianismo também está em jogo.


A USP fabrica ventiladores pulmonares de baixo custo, eai como rebatem isso? Vejam só:

g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2021/04/06/300-respiradores-da-usp-sao-usados-em-hospitais-de-9-estados-do-pais-um-ano-apos-criacao-do-equipamento-de-baixo-custo.ghtml

''Em março de 2020, um grupo de aproximadamente 40 especialistas, entre engenheiros biomédicos, mecânicos, mecatrônicos, eletrônicos e de produção se articulou pelo desenvolvimento do respirador, batizado de "Inspire".

A proposta dos acadêmicos era a criação de um ventilador pulmonar de baixo custo, com tecnologia e componentes nacionais, que pudesse ser utilizado em emergências.

Os pesquisadores também tiveram o suporte das faculdades de medicina, medicina veterinária, odontologia e saúde pública, para os testes e desenvolvimento, da faculdade de direito, para o registro do equipamento. Cerca de 800 doadores também contribuíram com cerca de R$ 7 milhões para o desenvolvimento do projeto.

O resultado foi um equipamento que pode ser produzido em até duas horas e 15 vezes mais barato dos que os aparelhos disponíveis no mercado – de R$ 5 a R$ 10 mil.

A Poli-USP é responsável pelo projeto, mas não pela fabricação. Em maio, a universidade fechou um acordo para a produção pelo Centro Tecnológico da Marinha em São Paulo.''



E tem outro problema: o nosso amável Lula simplesmente inventou o regime de partição, que consegue ser pior que o de concessão. Isso praticamente espantou as empresas nacionais e estrangeiras do ramo. Não sei por que o Bolsonaro ainda não se mexeu com relação a isso.


Mesmo com toda essa burocracia o mercado tem alguns players importantes nesse setor, grandes empresas como a Equinor, Chevron, Total, Exxon Mobil, Conocophilips e outras.

Seria bom alguns deles apostarem no nosso mercado, eles têm capital $$$ sobrando e tecnologia de ponta.


Interfere, mas vai depender da régua que você usa. Contra países desenvolvidos, boa parte deles ligaram as impressoras na velocidade 5 igual o FED, então, o dolar não teve muito espaço para se desvalorizar em relação as moedas desses países.
Países em desenvolvimento como o Brasil, que tentou copiar o FED, viu o Real afundar em relação ao Dolar, porque não temos a demanda das moedas dos principais países(EUA, Japão, Canada, etc), nem a capacidade fiscal, nem a estabilidade política.

Agora, todos eles afundaram em relação as criptomoedas, ou mesmo em relação ao Ouro. (Que não pode ser inflacionado como essas fiat money) Portanto, todos enfraqueceram suas moedas;


"P: E se ela seguir comprando todos os concorrentes que apareçam? Ou utilizando práticas como o dumping -- baixando excessivamente os preços temporariamente até falir seu concorrente -- e em seguida voltar a subir os preços de forma exorbitante?"

R: num livre mercado ela pode tentar comprar todos os concorrentes, mas ela teria que ter muito dinheiro. Na prática ela compra minha empresa concorrente. Melhor pra mim. Eu monto uma empresa de embalagens, a Tetra Pak oferece se pra comprar. Resultado: a Tetra Pak se descaptaliza, ficando em situação ruim, ao passo que eu me capitalizo, ficando cheio da nota.

Daí como estamos num livre mercado eu monto outra empresa. Não adiantou nada ela gastar dinheiro.

E não adianta vir com um papo de que eu não posso montar outra por contrato. Num mercado livre, eu não tenho que vender a empresa pra ela me comprometendo a não voltar a ser concorrente dela. Se eu não quiser eu não vendo a primeira empresa e fico como concorrente dela, e ela que chore.

Já num mercado regulado, eu não conseguiria entrar e montar uma concorrente, dependendo do lobby legal que a Tetra Pak montou para impedir a concorrência ou montar outra depois de tê-la vendido. A Tetra Pak teria a faca e o queijo.

Num mercado livre eu fabricaria novas facas e novos queijos.


Para abrir (ou comprar) uma refinaria no país você tem de:

1) se submeter a uma cornucópia de regulamentações impostas pela ANP, que regula tudo que diz respeito ao setor;

2) A ANP é uma burocracia enorme que possui, além de sua diretoria, uma secretaria executiva, 15 superintendências, 5 coordenadorias, 3 núcleos (Segurança Operacional, Fiscalização da Produção de Petróleo e Gás Natural, e Núcleo de Informática) e 3 centros (Relações com o Consumidor, Centro de Documentação e Informação, e Centro de Pesquisas e Análises Tecnológicas).

Montar uma refinaria significa ter de submeter a calhamaços regulatórios impostos por cada um desses departamentos, o que, por si só, já torna todo o processo financeiramente inviável.

3) Além da ANP, você tem de se submeter a calhamaços de regulamentações ambientais, trabalhistas e de segurança para abrir uma refinaria. O esquema é todo montado justamente para coibir a concorrência à Petrobras. Sempre foi assim (pode até ser que mude no futuro, mas não há qualquer indicação disso).

4) Além de tudo isso, estamos no Brasil, o que significa que você terá de "molhar a mão" de vários políticos e burocratas caso realmente queira conseguir alguma licença.

5) E, no final, tendo vencido tudo isso, o governo pode vir e decretar congelamento de preços. Ou até mesmo pode encampar e estatizar suas instalações. Aí você simplesmente perdeu tudo.


Das 13 refinarias originais da Petrobrás no Brasil, oito estão em processo de venda. A empresa deve manter apenas cinco instalações em São Paulo e no Rio de Janeiro.

www.camara.leg.br/noticias/823753-projeto-destina-r-132-milhoes-para-refinarias-vendidas-pela-petrobras/


"Um plano de coordenação estratégica que combina elementos do livre mercado com intervenção social estatal para seguridade e bem estar social."

A Alemanha adotou o ordoliberalismo. Foi obra do então ministro Ludwig Erhard, amigo de Mises. Ele desregulamentou toda a economia, embora de fato tenha mantido uma rede de proteção social (ínfima se comparada à de hoje).

Havia impostos, é claro, mas não havia todas essas regulamentações que existem hoje, e que lograram estagnar economias até então pujantes. Sem dúvida nenhuma eles foram muito felizes em desregulamentar a economia e com isso permitir uma inaudita recuperação econômica.

Entretanto, você parece estar inferindo que a economia alemã cresceu por causa dessa rede de proteção e não a despeito dela. E isso é uma grande incorreção econômica. Impostos e assistencialismo por si sós não podem fazer a economia crescer, simplesmente porque ambos dificultam a poupança, os investimentos e a acumulação de capital.

Não estou dizendo, é claro, que impostos e assistencialismo irão levar um país a uma depressão, mas sim que ambos — justamente por dificultarem a acumulação de capital — reduzem o potencial de crescimento. A economia teria crescido mais sem eles.

Trata-se daquilo Frédéric Bastiat explicou: para estudar economia com honestidade, você tem de dominar a arte do que se vê e do que não se vê. Você vê pessoas sendo assistida por uma rede de proteção social, mas não vê os investimentos e produtos que deixaram de ser feitos por causa dessa intervenção estatal; produtos e investimentos que teriam deixado a economia mais rica.

Isso tudo é explicado pela teoria econômica.

Se quiser saber mais detalhes sobre a Alemanha, recomendo:

Como se deu o milagre econômico alemão do pós-guerra


"E o Plano Marshall, não foi uma distorção do livre mercado, já que foi financiado pelo governo dos EUA? Abre o olho!"

O plano Marshall é um daqueles mitos econômicos que ainda perduram no imaginário popular por causa da ignorância acerca de questões básicas de economia.

Pra começar, e isso é empiricamente verificável, os países que receberam mais auxílios do Plano Marshall (Grã-Bretanha, Suécia e Grécia) foram os que tiveram as menores taxas de crescimento entre 1947 e 1955, ao passo que aqueles que receberam menos dinheiro (Alemanha, Áustria e Itália) foram os que mais cresceram.

Isso é óbvio: auxílios externos desobrigam os governos a incorrerem em orçamentos equilibrados. Auxílios externos estimulam a gastança governamental e a consequente depredação do capital da economia. Os gastos governamentais privam a população de obter bens escassos (os quais são apropriados pelos burocratas do governo), impedindo que a população tenha uma maior qualidade de vida.

Ademais, o auxílio do Plano Marshall à Alemanha representou uma ínfima porcentagem do PIB daquele país (dizer que a recuperação econômica alemã se deu por causa de um auxílio minúsculo em relação ao PIB é algo economicamente risível). Adicionalmente, o dinheiro que a Alemanha Ocidental teve de pagar em termos de reparações de guerra mais do que contrabalançou a ajuda do Plano Marshall. A Alemanha Ocidental recebeu serviços de defesa militar dos EUA e da Inglaterra, mas teve de pagar taxas substanciais por estes serviços.

O que o Plano Marshall realmente fez foi inchar os setores estatais dos países recipientes, pois um dos pré-requisitos impostos para se receber o auxílio era o de destinar estes fundos a obras públicas e a outros projetos governamentais.

Os países que receberam os maiores valores em relação ao tamanho de suas economias, como Grécia e Áustria, só começaram a se recuperar quando a ajuda terminou, ao passo que países como Alemanha, França e Itália já estavam se recuperando antes de receberem qualquer centavo dos fundos do Plano Marshall.

Por fim, quatro considerações:

1) É o óbvio ululante que determinados setores se beneficiaram da ajuda externa. Essa é a essência de qualquer tipo de ajuda governamental (tanto em nível nacional quanto internacional). Sempre haverá um setor específico beneficiado à custa de todo o resto. Este site é pródigo em artigos que explicam e ilustram esse fenômeno. Mas tal fenômeno de modo algum significa melhoria econômica. Significa apenas conchavo, compadrio e favorecimento.

2) Um dos maiores entusiastas do Plano Marshall foi o setor exportador americano. Óbvio. O governo americano mandava dólares para os países europeus e estes utilizavam esses dólares para adquirir produtos exportados pelos americanos. No final, tudo não passou de um enorme esquema de subsídio a empresas americanas, com o dinheiro dos pagadores de impostos americanos, travestido de ajuda internacional.

3) Se ajudas internacionais fossem economicamente benéficas, África e Haiti seriam, na mais tolerante das hipóteses, economias relativamente desenvolvidas.

4) Os EUA investiram 15 bilhões de dólares (cotação atual) na Alemanha com o plano Marshall, enquanto a destruição da guerra evaporou com 19% de todos os bens alemães, o que dá, atualmente, em dólares, algo em torno de 650* bilhões.

Ou seja o plano Marshall recuperou a grande soma de 2,3% de toda destruição causada na Alemanha.

Fonte: vk.com/away.php?to=http%3A%2F%2Fwww2.warwick.ac.uk%2Ffac%2Fsoc%2Feconomics%2Fstaff%2Fmharrison%2Fpublic%2Fww2overview1998.pdf


Por fim, diga-me: exatamente como um estado quebrado e com uma economia em frangalhos vai aplicar "políticas desenvolvimentistas"? Isso é uma impossibilidade prática.


Leituras recomendadas sobre o Plano Marshal e sobre a real recuperação da Alemanha:

mises.org/daily/1374/
mises.org/freemarket_detail.aspx?control=120
mises.org/daily/5922/Will-Foreign-Loans-Make-Us-Rich
www.mises.org.br/Article.aspx?id=1419

"Nenhum país do mundo atingiu o desenvolvimento pura e simplesmente por forças espontâneas do mercado."

Não sei exatamente qual o seu conceito de desenvolver por "forças espontâneas do mercado". Tampouco imagino qual seria o oposto disso.

Mas eis alguns artigos exatamente sobre isso. Você pode tentar refutá-los:

Dois desafios para os social-democratas defensores do intervencionismo estatal e de um estado grande

Lee Kuan Yew, o homem responsável pelo que Cingapura tem de melhor e de pior

[linkwww.mises.org.br/article/1803/como-ocorreu-o-milagre-economico-de-hong-kong--os-primordios]Como ocorreu o milagre econômico de Hong Kong - os primórdios[/link]

Como ocorreu o milagre econômico de Hong Kong - da pobreza à prosperidade

A escola austríaca e um tal Renatão

"Outra, se vc quer acusar um político de ser de esquerda pra não deixar de mamar nas tetas do Estado, não escolha um cara que não se candidata a um cargo há 10 anos, e recusou um ministério atrás do outro nos governos Lula e Dilma" alguém refuta?"

Nesta parte, não faço a mais mínima ideia sobre o que você está falando.


Esses pacotes keynesianos de gastança ao estilo Roosevelt que foram aprovados, seriam capazes de interferir na força do dólar, ou faz pouca diferença?


Tenho uma dúvida sobre a situação atual do mercado de petróleo e derivados desse país. Por que não tem mais ninguém com intenções de comprar o parque de refino da Petrobras? Até agora ela só vendeu uma de suas refinarias para uma empresa da Arábia Saudita, a Mubadala.

Se nosso mercado está aberto a novos concorrentes, se a Petrobras não é mais monopólio e tem empresas estrangeiras extraindo óleo em algumas regiões do Pré Sal, por que essas empresas não aproveitam nosso mercado de 200 milhões de consumidores para construir refinarias modernas e eficientes para beneficiar o petróleo do Pré-Sal e vender aqui um produto melhor e mais barato que o da Petrobras?

Seria excesso de regulamentação do setor pela ANP? Burocracia excessiva para favorecer a Petrobras?


"Quer saber o que realmente diferencia A Alemanha Ocidental da Oriental?
en.wikipedia.org/wiki/Social_market_economy
Tem em português tmb. Um plano de coordenação estratégica que combina elementos do livre mercado com intervenção social estatal para seguridade e bem estar social. E o Plano Marshall, não foi uma distorção do livre mercado, já que foi financiado pelo governo dos EUA? Abre o olho! Nenhum país do mundo atingiu o desenvolvimento pura e simplesmente por forças espontâneas do mercado.

Outra, se vc quer acusar um político de ser de esquerda pra não deixar de mamar nas tetas do Estado, não escolha um cara que não se candidata a um cargo há 10 anos, e recusou um ministério atrás do outro nos governos Lula e Dilma" alguém refuta?


Curioso é o povo brasileiro. Ele próprio admite sem rodeios que a escola pública é um fracasso mas ainda assim defende a mesma. Ontem mesmo no Facebook, vi uma postagem onde PROFESSORES falavam abertamente que seus alunos de quarta, quinta e até sexta série não sabiam ler e escrever. Mas nenhum defendia uma solução diferente, na real, sequer defendiam alguma solução, apenas reclamavam do de sempre (desvalorização, falta de respeito com a profissão e mais um monte de lamúrias).

Ah, mais uma coisa. Já disseram aqui, mas vale a pena relembrar: continuem firmes bradando esses bordões "bolsonarista acéfalo", "pobre de direita" e outros mais, principalmente perto das eleições. Vai gerar exatamente o efeito desejado por vocês.



Apesar que agora está por volta de 96 (17:03 h, horário de Brasília), uns dias atrás estava em quase 97 pontos.

Interessante essa queda no índice de commodities, principalmente no petróleo. Até o álcool hidratado caiu um pouco também. Será que vai fazer diferença para os postos daqui?



Esse artigo ratifica tudo o que o Dr Lyle Rossiter escreveu sobre a mente esquerdista.


O índice DXY — que mensura a força do dólar em relação às principais moedas do mundo — vem subindo forte nos últimos dias, tanto pela nova variante ômicron (que gera aversão ao risco e, logo, fuga para o dólar) quanto pelos comentários mais hawkishs feitos pelo Fed.

O que interessa no momento são os preços das commodities em reais. E estes estão caindo. E forte. Principalmente petróleo e gasolina. Um reajuste baixista da Petrobras é iminente.

Se continuar assim, o IPA (preços no atacado) de dezembro pode vir negativo.

Adicionalmente, considerando-se que a oferta monetária parou de crescer, o IPCA pode voltar para a meta até o fim de 2022.


"Se mesmo com a "educação compulsória" o país está repleto de semi analfabetos funcionais, imaginem com uma "educação facultativa"."

Se mesmo com a educação compulsória o país está repleto de semi analfabetos funcionais, é realmente preciso ser um completo imbecil para continuar defendendo este arranjo.

A definição de imbecilidade é vivenciar um erro várias vezes e continuar insistindo nele na crença de que tal insistência irá magicamente melhorar tudo.

"Pior : imagine um genitor acéfalo bolsonarista ( estou sendo redundante) "educando" o filho, nos moldes do sistema de escola familiar ( não institucional)."

Duvido que sairá pior do que uma pessoa "educada" por você, que claramente não domina o básico da lógica (como demonstrado na primeira frase que comentei acima).

Ademais, quem disse que homeschooling envolve "genitores ensinando"? Quem ensina são tutores privados, contratados especificamente para isso.

Na pandemia, minha filha fez homeschooling com professora particular.

Sua cultura. é tão profunda que você nem sequer sabia disso.

"Se bem que, para a concorrência, isso aí seria ótimo:Mais gente burra no mercado significa menos concorrência para os melhores postos de trabalho e, consequentemente, melhores salários e etc."

Não disse que era imbecil? Sua lógica é sensacional: segundo você, quanto menor a qualidade da mão de obra disponível, maiores os salários!

Deve ser por isso que os maiores salários do mundo são pagos no Haiti, e os menores na Suíça, né?

Gênio.

"Muito bom."

Dica: da próxima vez, antes de zoar a inteligência de um determinado grupo (tanto faz se bolsonaristas ou petistas), certifique-se antes da sua própria. Por enquanto, você consegue ser pior que ambos.


Se mesmo com a "educação compulsória" o país está repleto de semi analfabetos funcionais, imaginem com uma "educação facultativa".

Pior : imagine um genitor acéfalo bolsonarista ( estou sendo redundante) "educando" o filho, nos moldes do sistema de escola familiar ( não institucional).

Se bem que, para a concorrência, isso aí seria ótimo:Mais gente burra no mercado significa menos concorrência para os melhores postos de trabalho e, consequentemente, melhores salários e etc.

Muito bom.



Finalmente! Igualdade social plena conquistada! E até que foram bem rápidos, uma eficácia digna de louvor.


o importante e o pensamento austríaco ebtrar nas mentes das pessoas


"Ora, e desde 1500 os ricos possuem saneamento enquanto os pobres fazem na fossa. Veja Paraisópolis...será que aqueles ricos vizinhos providenciaram o saneamento básico para os pobres da favela?"

Claro que não, afinal isso é simplesmente PROIBIDO por leis que determinam que captação e distribuição de água são concessão estatal.

Mesmo que quisessem, os ricos vizinhos não poderiam fazer nada, pois dependeriam da essencial autorização do burocrata estatal.


Excelentes comentários até aqui, porém ninguém me respondeu :-( (acho que ninguém quis ver o vídeo kkkkkkk). O link é do site Post Speech (um site que fiz para promover a liberdade de expressão, post-speech.herokuapp.com), é difícil encontrar esse site no google porque ele é bem recente. Não precisão de ficar com medo de clicar no link.

"Um consórcio de 100 porcento de países perseguindo quem tem bit tem poucas chances de se tornar realidade."

Sim, 100% é praticamente impossível. Mas se a Lei de Pareto estiver certa (eu acredito que está), então com apenas 20% dos países mais destacados pode causar um estrago muito grande.

"[...] é preciso controlar 51% do hash computacional desse rede para você mudar as regras."

Até onde sei, ter 51% do hash computacional pode na melhor das hipóteses fazer duas coisas:

1) Reverter transações recentes. Com isso, o detentor 51% do hash computacional pode fazer o famoso gasto duplo, que nada mais é, do que gastar duas ou mais vezes o mesmo Bitcoin, em outras palavras, ele pode enganar qualquer comerciante.

2) Escolher quais transações entram no bloco. Com isso, o detentor 51% do hash computacional pode fazer com que certas transações nunca sejam realizadas, isto é, censurar transações.

Eu não acho que isso é equivalente a "mudar as regras", mas com certeza é tão ruim quanto.


"Venezuela terminará 2021 como o país mais pobre da América Latina"

Os chavistas foram tão profissionais que eles deixaram o país mais pobre que o Haiti.

Eu já especulava, entretanto, que a Venezuela era mais pobre que o Haiti há alguns anos. Afinal a inflação no Haiti está menor até do que na Argentina. O gourde haitiano perto do peso argentino é um franco suíço. Comparar com o bolívar, então, é ainda mais humilhante.

Evo Morales pelo menos não era tão burro quanto o Chávez e o Maduro. Ele sabia que para existir alguma civilização, precisa de ao menos alguma moeda minimamente estável.



Não existe arquivar bitcoin. Para que você tenha o domínio do saldo de um endereço, é preciso que 51% da rede concorde primeiro no ato dessa transação. Ou seja é preciso controlar 51% do hash computacional desse rede para você mudar as regras. Se o hash cair demais então fica menos difícil um país ou organização ganhar o poder de maioria da rede. Em outras palavras, minerar e depois desligar vários nodes só facilitará um potencial ataque de 51% no futuro, que pode mudar o algoritmo, as regras, a inflação e finalmente seu bitcoin "arquivado" na última versão da cadeia de blocos que você deixou de sincronizar, perder valor...


"Podem mandar construir fazendas de mineração com milhares de computadores e garimparem e simplesmente arquivar as criptos mineradas".

É como jogar dinheiro no lixo.

Se eles minerarem, vão manter as moedas, já que elas têm valor. Nesse caso, se agirem pra destruí-las, seria como se eles comprarem o ouro do globo e depois o destruírem só pra não deixar o pessoal usar o ouro.

O bitcoin é ouro na rede. E não tem como eles controlarem a rede. É como o comunismo falho que tentou controlar as propriedades (tomando) e depois a economia foi se esfacelando. Atualmente a esquerda tenta controlar os ganhos. Você fica com a propriedade e eles te tomam a renda.

Eles vão tentar querer controlar você, dizendo que o bit é ruim, mas hipocritamente vão usar. Só que vai falhar enquanto existir países como El Salvador que receberão você e seus fundos de portas abertas. Um consórcio de 100 porcento de países perseguindo quem tem bit tem poucas chances de se tornar realidade. 


Tecnicamente ele restringiu a oferta. Facilitar a oferta é destruir os impedimentos a esta. Ficar dando crédito não aumenta a oferta. Somente quando a demanda é oriunda da poupança é que ocorre um aumento da oferta.

Quando a demanda é aumentada com a impressão de dinheiro, ocorrem malinvestiments, constrói-se onde não dá demanda genuína, gasta-se material somente por gastar, o dinheiro é desvalorizado, o material é perdido.

Imprimir dinheiro faz as pessoas construírem areia no deserto. Já uma construção genuína oriunda da poupança faz as pessoas construírem o que está faltando, pois os recursos são escassos: acesso a água.

Psicologicamente, quando sobra dinheiro, o ser humano quer se livrar dele, então ele produz o que há está em excesso, sendo produzido há mais tempo, para aproveitar a infraestrutura, mesmo que menos útil. Por outro lado, quando ele vê que os recursos são escassos, ele toma a decisão de produzir o que está faltando, mesmo que tenha que começar do zero. É a coisa mais natural do ser humano.


"Podem abrir contas nas corretoras e comprarem todos os bitcoins disponíveis e deixá-los parados. Podem mandar construir fazendas de mineração com milhares de computadores e garimparem e simplesmente arquivar as criptos mineradas."

é uma otima ideia para aumentar o valor do bitconha
uma rede descentralizada nao tem como controlar assim
a block roda um sistema anti-inflacionario que para cada unidade minerada aumenta a demanda por capacidade computacional para farmar a proxima , o que reduz o quanto um unico ponto ou conjunto destes pode conseguir lidar

mas suponha que todos os governos se livrem de seus aparatos militares e de inteligencia pra tentar mesmo assim
quem for esperto vai zerar a carteira e migrar valores para outros formatos no processo

vale citar que para armas o estado disse que so ele pode usar certos calibres e o que acontece é que as armas restritas viram um grande negocio no mercado negro e é comum agentes do proprio estado as negociarem ... com drogas sabemos que passa pelo mesmo fenomeno , coisa depois de apreendida volta para a rua ... contanto que tenha valor os agentes sao os primeiros interessados a nao deixar parado , mais uma variavel na açao humana que nao da pra controlar 100%


Levando-se em conta que os governadores irão se candidatar a reeleição, fico pensando sobre até que ponto um lockdown seria benéfico a eles. O João Doria aqui em São Paulo já está queimado. Ele se candidatando à Presidência, vai ser mais humilhante ainda.


Um fusca hoje só tem mais valor do que na época em que foi fabricado se estiver com conservação zero. Isto quer dizer que para colecionadores ele tem mais valor do que na época em que foi fabricado.

O valor é subjetivo sempre. Do ponto de vista técnico é só um monte de recursos, coisa material. Já para cada um seu valor varia em gênero, número, grau, qualidade, utilidade, valor monetário.


Levando-se em conta que o Fusca foi criado durante a Alemanha Nazista, poderia ser dito de que esse carro foi uma criação de valor somente após o fim do Terceiro Reich?


Klaus Schwab:
"Em 2030 você não terá NADA, e será feliz"

Acho que não precisa nem desenhar, os planos estão escancarados demais (Basta ver o comercial do Itaú de 2018 e de 2020).
Os caras são completamente psicopatas!

A humanidade está prestes a entrar no período mais sombrio de toda sua história, pior que a Idade Média e o período das duas guerras mundiais, aliás, o Nazismo será brincadeira de criança comparado com o que pretendem fazer conosco.



Parabéns por mais esta iniciativa, embora seja, até hoje (!) impossível o pensamento da Escola Austríaca adentrar nas escolas de economia das universidades, totalmente dominadas pela esquerda.


"AMLO anuncia que propondrá a Victoria Rodríguez Ceja para ser gobernadora del Banxico"

Obrador queria indicar Arturo Herrera para o Banxico (que foi ministro da Fazenda e Crédito Público do governo). Mudou de ideia e quer indicar Victoria Rodriguez, que foi uma das integrantes do Ministério da Fazenda e Crédito Público. Ela pelo jeito foi uma das responsáveis pela relativa austeridade fiscal do governo.

Engraçado: o AMLO disse que a culpa da desvalorização do peso se deu pelo fortalecimento mundial do dólar (e foi mesmo, porque o peso mexicano sofre influência da cotação do petróleo e uma queda na cotação, causada pelo dólar mais forte, afeta as receitas de exportação de petróleo). Ele prometeu que não vai interferir na política monetária do Banxico (e ele realmente cumpriu essa promessa até agora).


Preocupante. Como comentei mais acima, há possibilidades sim de governos darem um "jeito" no bitcoin e outras criptos. Podem ir pra cima das fabricantes de hardware. Podem abrir contas nas corretoras e comprarem todos os bitcoins disponíveis e deixá-los parados. Podem mandar construir fazendas de mineração com milhares de computadores e garimparem e simplesmente arquivar as criptos mineradas.


Em termos práticos, o que significou essa intervenção de Evo Morales nas filias da Petrobras na Bolívia? Tanto para o Brasil quanto para a Bolívia? A nova Lei do Gás aprovada aqui mudará algo?


Governo não facilitou a oferta. Ele facilitou a aquisição (demanda). A oferta continuou restrita. As leis de zoneamento continuaram as mesmas. As dificuldades de se construir casas continuaram inalteradas. É impossível, aliás, aumentar a oferta em um ritmo maior que a concessão de crédito. É uma impossibilidade física. Imóveis não surgem do dia para a noite.

A dificuldade de se produzir é exatamente a encrenca que nunca foi considerada por keynesianos.


"Mas, para a atualidade, agora um ponto me ocorreu: o estado poderia então, sabotar de alguma forma, as empresas fabricantes de smartphones, computadores, chips e afins(afinal, são eles as ferramentas para uso dos aplicativos de moedas digitais)"

Sim. Os bens de capital são peças chaves para o controle dos governos: controle os bens de capital e controlará as pessoas (comunismo foi a tomada dos bens de capital; tudo passou a ser do estado).

Atualmente os bens de capital são mais livres, mas o governo quer controlar o rendimento deles. As moedas livres vieram pra ficar, então os sabotadores vão querer os equipamentos, torná-los ilegais (querem dar acesso às chaves das pessoas ao governo; é como se o governo obrigasse a entregar as chaves de todas as portas das casas).

Em um mundo de cripto, espionar é vital. Isso se consegue instalando chips nas placas. Isso já existe há mais de 50 anos, essa burlagem de hardware.

Como funcionaria: só haveria homologação de equipamentos com chip.

Num país hostil as criptos, os governos impediriam o acesso à rede, já que eles não podem destruir a rede, por chips de impedimento.

E tudo pago com dinheiro dos cidadãos, o que encareceria o produto. Mas o cidadão, quando quer sabotar a vida alheia, vende até a mãe. É tudo pelo bem comum. O importante é impedir os outros de ganhar dinheiro, pois o governo me convenceu de que impedir os outros me traz prosperidade. Já Taiwan é um dos poucos fabricantes de Chips. Um controle mundial depende de ter todos no esquema.


Pessoal, o que vocês acham desse vídeo (link abaixo)? Vocês acham que o mesmo que aconteceu com o CREAM pode acontecer com o Bitcoin?

O ataque coordenado dos bilionários contra o Bitcoin


O que eu não entendi é por que os preços dos imóveis subiram tanto sendo que o governo facilitou o aumento de sua oferta? Se existe uma oferta absurda o preço não deveria cair?


Estava cá novamente eu pensando. Os colegas acima estavam comentando sobre o uso da computação quântica como ferramenta por parte do estado para perseguir os dissidentes usuários de criptomoedas. Claro, o mesmo poderia ser usado pelos mesmos usuários para defesa mas isso é algo ainda mais para o futuro creio.

Mas, para a atualidade, agora um ponto me ocorreu: o estado poderia então, sabotar de alguma forma, as empresas fabricantes de smartphones, computadores, chips e afins(afinal, são eles as ferramentas para uso dos aplicativos de moedas digitais) seja estatizando-as ou as obrigando a entregarem aparelhos configurados de acordo com as "normas" (com rastreadores, chips que desabilitam certas operações).

Não seria esse o interesse descarado por Taiwan que tanto cresceu ultimamente? Bem como uma possivelmente intencional diminuição da concorrência, já que hoje na linha dos smartphones, são uma americana, uma coreana e duas chinesas comandando o mercado no mundo todo?


" ain, se privatizar, como que vai ter entrega em lugares pobres?..."
com iniciativa privada. se o estado não atrapalhar...

g1.globo.com/politica/noticia/2021/11/22/o-jovem-de-paraisopolis-que-criou-sistema-para-fazer-entregas-onde-os-correios-nao-entram.ghtml?utm_source=facebook&utm_medium=social&utm_campaign=g1&fbclid=IwAR36s5Ig1714U1m0jHDvws9jBA8nEZHBLI-c-02nZKRpZoCKuDL1W0RdSDU


Recente e absolutamente inútil. O Brasil tem problemas mais importantes. Antes de inventarem absorventes, as mulheres usavam tiras de tecido.


desgraça é país foram o mensalão petrolão e foi também as construção nos países comunistas e volta do Brasil inteiro para subir de mundo e mais os nove bilhões que agora foi liberado pelo STF que tava preso dono da desgraça Lula


E o governo Bolsonaro fez algo nesse sentido, de tirar esse regime de partilha?

Eles deveriam pelo menos mudar esse regime para autorização, como está acontecendo agora com o setor ferroviário. O que o MME está fazendo sobre isso?


Apesar dessa fala do Gustavo Franco, na prática o governo FHC depois voltou a aumentar as tarifas de importação. Não aguentaram a pressão?

De qualquer forma, fosse o Guedes falando com alguém gemendo contra concorrência estrangeira, ele provavelmente falaria "Nós não vamos derrubar a indústria brasileira em nome da abertura comercial".

Na história do real, vejo o Gustavo Franco, Henrique Meirelles e o Antonio Palocci como os melhores ministros da Economia. E na história do Brasil? Talvez só no período colonial e imperial?



Exato, essas pessoas acham ok matar uma pessoa em como? Um hospital poderia fazer isso? Se pedir ele não vai sair da sua propriedade, contudo ele sequer apresenta perigo, está inconsciente, não é um invasor.


Não deixa de ser assassinato contra um ser indefeso.


Rothbard quase "odiava" crianças, sinceramente não acho muito válido usar ele nisso, aborto é assassinato contra um humano, vai totalmente contra à propriedade e o PNA


Pode ser que o anonimato resolva o problema mas, em alguns casos, a mera desconfiança de que você está ocultando patrimônio é suficiente para causar penalidades.

Lembre-se: quando o estado está realmente incomodado com algo que o cidadão faz, rasgam a lei e aplicam o arbítrio.



"Biden convida Brasil para Cúpula pela Democracia, que visa a isolar China e Rússia"

Para quem achou que o governo americano ia impor sanções contra o Bolsonaro...

E ainda convidaram Taiwan, o que é extremamente ofensivo para os burocratas da China.


Previsibilidade. Moeda forte é previsibilidade das atividades econômicas. Sem esta moeda a economia fica como o prédio q foi construido com um metro variável. Cai.
Abraços


Eu uso a Blockchain.com como wallet.

Aparentemente, é possível comprar criptomoedas direto do cartão de crédito, embora eu nunca tenha usado tal método.


Primeiro eles teriam que saber que você tem bitcoin, e existem vários métodos para anonimização dele, e se isso ainda não for suficiente vá para moedas focadas em privacidade como a Monero.


Vai ter que fazer um outro artigo, só que abordando a política monetária keynesiana do governo atual.


O estado pode não tomar o Bitcoin, mas pode tomar qualquer outra coisa que você tenha até que você pague impostos relacionados à propriedade do Bitcoin (um imposto de ganho de capital, por exemplo)

Ou seja, só funciona se o Bitcoin for a única coisa que você tem. Em última instância, podem mandar um policial arrancar e confiscar até as suas roupas, Desde que você seja encontrado, claro.


"Futuramente, quando a população já estiver mais adaptada ao uso das moedas digitais, qualquer estabelecimento que se preze irá aceitar pagamento em Bitcoins, Ether, Ripple, Cardano, Litecoin, Monero, Dash, ZCash e demais moedas."

Isso deve demorar. Nesse ponto mencionado, o estado vai se tornar tão irrelevante que não haverá nada que eles possam fazer. O máximo que eles poderão fazer é diminuírem para pequeninos arranjos, como eram as subdivisões do Sacro Império Romano-Germânico.

O Bisq parece bom para comprar Bitcoin, mas o valor mínimo é muito alto. As corretoras nacionais brasileiras já estão praticamente sob total controle e vigilância do estado (e vai ficar por isso mesmo). Fora o Bisq, seria o caso de comprar "ao vivo" e com dinheiro (mas sem aplicabilidade para grande parte do País) ou usar caixas eletrônicos de Bitcoin. Desconheço outras formas. A Binance parece boa mas também pode, em algum momento, ser obrigada a dar os dados de todos os seus compradores para o governo.


"Farofa do bitcoin". É só um sujeito que aplicou um dos golpes mais velhos do mundo, que já foi aplicado em todas as moedas: a pirâmide.

Não teve nada a ver com o bitcoin, mas com a falta de caráter do golpista.
Troque a moeda e use o mesmo método. Não muda nada. A pirâmide sempre vai existir, pois sempre existirão os que querem dinheiro fácil, acreditam em promessas. E que fogem de uma verdade: a única renda boa provém da produção de bens e serviços.


"Por que esses problemas não acontecem nos países desenvolvidos? O regime flutuante deveria funcionar para qualquer país, ao menos em tese."

Países em desenvolvimento não têm demanda mundial por suas moedas.

Dólar, euro, franco suíço, libra esterlina, iene japonês, dólar canadense, coroa sueca (moedas que formam o índice DXY) são moedas demandadas mundialmente. Sendo assim, seus respectivos Bancos Centrais podem se dar ao luxo de expandir a oferta monetária sem que tal expansão cause uma desabada geral na demanda por essas moedas. Consequentemente, uma expansão monetária nestes países não causa uma desvalorização cambial.

O mesmo, porém, não pode ser dito das moedas dos países em desenvolvimento. Como não há demanda mundial pelas moedas destes países, qualquer expansão monetária se traduz em desvalorização cambial, como bem estamos sentindo.

A única situação em que uma expansão monetária em países em desenvolvimento não se traduz em desvalorização cambial é quando as moedas dos países desenvolvidos estão em forte processo de enfraquecimento (como ocorreu excepcionalmente entre 2005 e 2011). Mas tal situação é a exceção, e não a regra.
Na prática, se um país em desenvolvimento quiser câmbio genuinamente flexível, mas sem sofrer desvalorização cambial, ele terá de manter sua quantidade de dinheiro extremamente rígida: a quantidade de moeda terá de aumentar menos que a dos países desenvolvidos e seu PIB terá de crescer mais (menor quantidade de moeda e maior demanda por ela).

Tal arranjo exige muitas reformas supply-side (do lado da oferta). E também exige juros reais positivos.

Não é simples.

"Supondo-se que o Brasil de novo nomeie uma equipe econômica aos modos de Afonso Beviláqua (não vai acontecer, mas vamos sonhar), é concebível que o Brasil se dê bem com esse regime de papel flutuante, pelo menos mais parecido ao Banxico?"

Vai depender dos juros reais e da evolução da oferta monetária.

"Leandro, aquilo que você disse sobre o Bundesbank é interessante. Tem fontes e referências sobre isso?"

Eu li sobre isso, há algum tempo, numa monografia publicada no site do Banco Central Europeu. Não faço ideia do link. Entretanto, procurando agora, curiosamente encontrei isso:

vip.inversa.com.br/mdn/mdn33


A criptografia normal será trocada pela quântica. Esta não pode ser quebrada pela computação quântica. Isso se chama atualização.

Se alguém puder quebrar a criptografia normal usando a computação quântica, o fará agora enquanto puder. Será um baita golpe. Mas não o poderá fazer para sempre. O primeiro a chegar lá, se for antiético, o fará. Porque nesse tempo em que ele chega ao supercomputador, ele está em uma vantagem que nenhuma pessoa tem. Depois acabou.


Não faz sentido nenhum esta iniciativa. Não é à toa que não há nenhuma explicação econômica para ela. E exatamente por isso está sendo feita com o farto dinheiro dos sindicatos. Filiados estão sendo feito de trouxas em decorrência de uma ação puramente política.


Você considera todo um desenvolvimento novo acerca da possibilidade de quebrar a criptografia das criptomoedas, mas desconsidera os inúmeros desenvolvimentos que podem ocorrer na blockchain e nas vulnerabilidades existentes.

Apesar de todo o boom de propaganda em torno da computação quântica e da "supremacia quântica", o mundo não está exatamente no estágio em que o maior computador quântico conhecido pode quebrar significativamente os padrões de criptografia atuais. Isso pode acontecer no futuro, mas os computadores quânticos atualmente disponíveis não conseguem prejudicar significativamente os padrões de criptografia sobre os quais as criptomoedas já são construídas. O maior computador com esse poder de processamento que é da IBM e já está comercializando não consegue atingir nem 1.000 qubit, para quebrar apenas um código do bitcoin o poder do processamento precisa ser de 4.000 qubit. Os desenvolvedores e engenheiros computacionais estimam que o desenvolvimento de um computador quântico com esse poder de processamento capaz de quebrar a criptografia do bitcoin pode levar de 5 a 10 anos.

A computação quântica põe em risco a propriedade de chaves de segurança e a autenticidade do próprio sistema, mas as criptomoedas podem ser proativas através da criptografia pós-quântica. A criptografia pós-quântica é certamente possível, e uma mudança neste sentido pode e deve ser proativa. Com a criptografia pós-quântica, o bitcoin e outras criptomoedas podem levar algum tempo para resolver os problemas. Portanto, qualquer trabalho preparatório deve ser considerado importante, principalmente ao analisar os custos e benefícios.

Colabora para esta análise o fato de que existem apenas dois ou três tipos de técnicas criptográficas que precisam ser substituídas. Assinaturas digitais e chaves de segurança são as duas áreas que precisam de foco. Corrigir essas duas áreas ajudará a grande maioria das vulnerabilidades que podem ocorrer com a computação quântica.

Graças à importância da criptografia e das assinaturas digitais para o mundo das criptomoedas, é provável que estas comunidades tenham mais debates antes ou depois de uma interrupção repentina, mas o tempo seria essencial neste cenário. No entanto, há esperança de que a comunidade seja mais ágil do que as indústrias tradicionais ao combater este problema, justamente porque a criptografia é uma parte crítica da existência de criptomoedas.

Blockchains que se atualizarem para algoritmos pós-quânticos como a Ethererum não terão problemas com a nova era do computador quântico. Aliás, a computação quântica não é um perigo apenas para carteiras de criptomoedas, eles podem invadir qualquer telefone-celular, computadores domésticos, redes privadas... entre outros. Se você acha que o mundo vai ficar assistindo sendo passivo a essa realidade da ameaça do poder de processamento de um computador quântico, você está redondamente enganado.

Olhe esse exemplo: portaldobitcoin.uol.com.br/o-homem-que-pode-salvar-o-bitcoin-da-computacao-quantica/


"A prática, no entanto, mostra que taxas de câmbio flutuante não funcionam bem para países ainda em desenvolvimento que possuem um longo histórico de instabilidade monetária ou política, e cujo Banco Central não é visto como confiável. Nestes países, a qualquer sinal de novas instabilidades, a taxa de câmbio não flutua; ela afunda.

E junto com a taxa de câmbio vão a inflação de preços e a queda no padrão de vida dos cidadãos.

Nem mesmo exportações são estimuladas, pois a inflação de preços resultante da disparada cambial afeta severamente os custos do setor industrial, que tem também de importar vários insumos e maquinários de qualidade (ver todos os detalhes sobre isso neste artigo). Consequentemente, não apenas os preços dos produtos fabricados sobem (pois os custos de produção subiram), como também a qualidade se deteriora (por agora utilizarem menos insumos importados), o que não ajuda a aumentar as exportações."


Por que esses problemas não acontecem nos países desenvolvidos? O regime flutuante deveria funcionar para qualquer país, ao menos em tese.

Supondo-se que o Brasil de novo nomeie uma equipe econômica aos modos de Afonso Beviláqua (não vai acontecer, mas vamos sonhar), é concebível que o Brasil se dê bem com esse regime de papel flutuante, pelo menos mais parecido ao Banxico?

Leandro, aquilo que você disse sobre o Bundesbank é interessante. Tem fontes e referências sobre isso?


"Gasolina será vendida a R$ 4,40 para motoristas e entregadores de app"

"O objetivo é chamar a atenção de que, sem a política de paridade de importação (PPI), imposta no governo Temer, a gasolina estaria sendo vendida a R$ 4,40 o litro, segundo o Instituto Brasileiro de Estudos Políticos e Sociais (Ibeps)."

Eu gostaria de saber de como que eles chegaram a esse preço. Antes daquele controle de preços que a Dilma impôs, como que era a política de preços da Petrobras?



Artigos como esse costumam ser muito esclarecedores, assim como são importantes para que possa orientar as pessoas a pararem de demonizar a busca de lucro pessoal, que faz parte da longa estrada para o sucesso. Da mesma forma, os interesses individuais que cimentam isso deixa claro que não é maldade buscar poder e influência por meios necessários para a própria pessoa.

A maturidade e juízo para avaliar o que é certo pensar sobre o assunto vai de qualquer um, desde que lembrem que alguns métodos podem não são completamente obsoletos por um simples razão : o que pode ser bom para um indivíduo, pode ser bom para todos e vice-versa.


"novíssima tecnologia que está reinventando o mundo digital"

nem é tao novo assim . a supremacia quantica foi alcançada na ultima decada e as bases sao bem antigas, o maior desafio é o processo industrial (o processo de inovaçao so se completa apos a produçao e distribuiçao em larga escala, liçao que se aprende nos cursos de engenharia)

"porém um dos principais objetivos dos computadores quânticos será QUEBRAR QUALQUER TIPO DE CRIPTOGRAFIA!"

com computaçao quantica sera virtualmente impossivel quebrar , nao tem como fazer bruteforce com entrelaçamento , o maximo que voce vai conseguir é invalidar os dados

o alarmismo em dizer que a segurança da informaçao vai ficar na idade da pedra enquanto as ameaças chegam no ano 3000 demonstra dominio proximo a zero sobre o assunto

"não quero desanimar ninguém, podem continuar com suas criptos mas estou alertando sobre o que poderá acontecer daqui alguns anos. "

ufa, ainda bem que voce avisou, vou vender tudo e depositar no INSS ...

HODL é uma filosofia , o beautiful people jamais vai entender o que proximo pensa pois faltam os tijolinhos que formam a compreensao do papel que isso tem no contexto politico-economico


É tudo parte do plano do Grande Reset, esquematizado pela ONU e pelo Fórum Mundial Econômico de Davos, na diabólica figura do senhor Klaus Schwab.

Resumidamente:

As elites globalistas já têm esquematizado todo um plano que visa suprimir as moedas nacionais e impor uma moeda digital, a qual abolirá completamente toda privacidade do indivíduo, fará com que ele apenas consuma o que o estado autorizar e, ainda por cima, permitirá a imposição da Renda Básica Universal, o que manterá toda a população dócil e submissa.

Isso representará a maior ruptura econômica da história recente. Este Grande Reset já é falado abertamente por Davos, FMI e ONU.

Toda essa agenda começou a ser colocada em prática com essa fraudemia da Covid-19, a qual foi instigada por toda a elite globalista já conhecida: ONU, OMS, Fórum de Davos e George Soros. Os lockdowns — que não têm nenhum respaldo científico e que nunca foram adotados na história do mundo — foram inventados exatamente para quebrar as economias, destruir as pequenas empresas, criar as bases para a nacionalização das indústrias e, finalmente, impor as moedas digitais. Não mais haverá soberania nacional. Todos passarão a seguir ordens de Davos.

Os lockdowns sempre foram uma medida crucial para a implantação desta medida. O Partido Democrata americano é amplamente favorável e está no bolso de Soros e de Klaus Schwab (o real mentor do Grande Reset).

Grande Mídia e Redes Sociais apoiam tudo isso e suprimem qualquer dissidência (e agora está escancarado: o Twitter simplesmente proíbe e deleta qualquer crítica ao processo eleitoral americano) porque sabem que terão muito a ganhar no futuro arranjo.

A Grande Mídia será essencial para convencer a população de que tudo está correto e tudo está sendo feito para o bem dela. Ela será crucial para manter o populacho desinformado e submisso. Em troca, terá a sua fatia no novo arranjo e receberá grandes agrado$ do establishment (o qual será feito de maneira direta com as moedas digitais, que estarão fora do escrutínio do público).

As viagens internacionais serão (aliás, já estão sendo) deliberadamente restringidas com o objetivo de "reduzir a poluição", que é um dos objetivos explícitos da ONU, do Fórum de Davos e do New Green Deal, do Partido Democrata.

(Obrigar os países a só emitirem passaportes para cidadãos que provarem que já se vacinaram é o lado mais explícito deste plano).

Estamos vivenciando a maior conspiração organizada da história humana, e toda a imprensa não só não está denunciando, como está adorando tudo.

Por enquanto, Trump realmente era a única peça fora do quebra-cabeça. Uma eventual reeleição dele frustraria esses planos. Retirá-lo da jogada era absolutamente crucial. Para isso, valeria fazer absolutamente tudo (350 mil mortos votaram em Michigan e vários eleitores foram proibidos de votar no Arizona.)

Bolsonaro será o próximo a ser corrido. Chance zero de o establishment mundial deixá-lo ganhar.

Brace yourself.


P.S.: eu sempre fui completamente avesso a teorias da conspiração. Mas tudo isso que falei acima nem sequer é teoria. Já está tudo escancarado. Todos os fatos que citei acima são perfeitamente encontráveis em qualquer googlada. Tudo o que fiz foi juntar as peças do esquema.


P.P.S: leia os dois artigos linkados para você entender o que já está sendo implantado como consequência dos lockdowns:

www.mises.org.br/article/3303/a-grande-mudanca-monetaria-e-bancaria-que-esta-por-vir--esta-preparado

www.mises.org.br/article/3277/comecamos-com-os-lockdowns-e-estamos-indo-para-o-grande-reset-atualizado


Você acabou de fornecer um perfeito exemplo prático de por que não se deve ter ativos tangíveis no Brasil. Nêgo enche a boca para falar de imóveis e de terra ("quem tem terra não erra"), sem nem saber que o real dono de tudo é o estado. Mediante o pagamento de um arrego, o estado permite que você se ache o dono da terra. Mas se você deixar de pagar o arrego (ou por qualquer outro motivo que o estado inventar), o estado simplesmente toma tudo, como seu pai perfeitamente sentiu.

Já com o BTC, eu realmente gostaria de saber um mísero exemplo prático de como o estado pode confiscá-lo. Até hoje ninguém nunca falou. Só fazem terrorismo, mas nunca forneceram um mísero exemplo prático.



"Como o banco central em tese destruiria e/ou confiscaria as moedas que estão na carteira de uma pessoa"?

É um sistema, uma blockchain só dele, a qual ele obriga que sua conta esteja incluída, a qual ele tem acesso. Nesse sistema, você não é o dono da conta. Assim ele coloca e tira o tanto que quiser, quando quiser.

Obviamente, ele tem que te obrigar a usar, tornando ilegal os outros sistemas. Já na blockchain do Bit, ninguém manda, portanto não é possível alterar o sistema para sair apagando ou transferindo chaves ou fraudando a lista.

No sistema do governo, ele edita os números. E como lá os número são o dinheiro…

Já se foi discutido que dinheiro nessas regras não é dinheiro, é crédito. E é ele quem te dá e tira. É como no caso do cheque especial, que todo mês cobre o seu salário quando cai, caso o banco cancele o cheque especial e não cubra, a pessoa fica como se o dinheiro ( crédito) fosse dele e até com raiva do banco.



Sim Felipe eu também não entendo isso. Se a igreja se junta ao estado a igreja passa a apenas a servir ao estado e seus burocratas, e não aos verdadeiros fiéis e devotos.


Sr. Escatalogia, como o senhor vê que será o desfecho dessa história? Será que a humanidade alcançará a liberdade do controle estatal?


Nesse caso os capitais não vão só para os títulos governamentais, indo para negócios e demais investimentos produtivos?

Mesmo com os juros reais negativos, qual foi o milagre daqui para voltar a ser atrativo? Há a Rússia, mas com as sanções da UE e do governo americano, não sei se vai interferir nos investimentos. Nesse caso há México, Índia e África do Sul. Não sei se a China ainda é cotada.


"Isso é ótimo, pois traz capital e ajuda no câmbio. Infelizmente, em 2020, criou-se uma legislação imbecil que obriga os bancos a se desfazerem de seu overhedge. Não vou entrar em detalhes (quem quiser saber, pode ler aqui e aqui), mas tal legislação simplesmente obrigou os bancos a comprarem mais de US$ 50 bilhões de dólares. Isso detonou o câmbio."

O primeiro endereço que você passou não está carregando... pode ser erro do site, eu acho. O segundo endereço não existe, você não colocou link. Qual o número dessa MP? Achei essa notícia. Olha, eu nem sabia dessa MP (não sei se aqui no IMB foi mencionado isso). Pelo jeito isso será permanente, uma tributação também para esses overhedges. Ao invés de eles zerarem a tributação para hedges, não, para igualar (sempre é igualar para ter mais roubo), eles tributam o overhedge também. Essa obrigação de se comprar US$ 50 bilhões foi para fugir da tributação?


Esses fãs de criptos tem sempre esse leve viés megalomaníaco. Já tive BTC, ganhei bastante, adoro, especulei com ETH, etc. Só vim deixar duas informações para os bit-freaks: atrás de cada coisa intangível de valor (criptos, real digital, propriedade intelectual, etc.) sempre há um corpo de carne e osso. É atrás desse corpo que o governo vai, não das "wallets".

Na década de 90, mto antes de bitcoin, pix ou mesmo internet no BR, meu pai tinha um terreno na praia que não tinha nada, por não ter nada a gente não ia mas ele também não vendia, ficou abandonado por anos. Um belo dia, comum e normal, meu pai foi ao mercado e quando foi pagar no caixa disseram que o cartão não tava passando (não tinha saldo!). Ora, não tinha saldo? Impossível! Meu pai ficou louco, pois ele tinha certeza que tinha saldo para várias vezes aquela compra de supermercado. Foi ao banco ver qual era o problema.
O problema é que, sem seu conhecimento, o município onde ele tinha aquele terreno esquecido, estava cobrando uma multa por alguma regularização na calçada em frente ao terreno que foi decretada anos antes pelo tal município e que obviamente meu pai nem ficou sabendo, nem fez. Por isso o cartão de débito não passou, o banco foi intimado a bloquear todo o saldo dele até o pagamento da multa do terreno.
Note que foi todo um longo processo burocrático que na verdade transcorreu por anos mas de forma obscura. Do outro lado, o cidadão (nesse caso meu pai), foi surpreendido totalmente com um confisco. Sem nada de internet, nada eletrônico. Só a boa e velha burocracia moedora de carne humana.

Nenhum governo no mundo hoje PRECISA de moeda digital para confiscar sua população. O digital só facilita o trabalho deles.
Bitcoin é uma camada extra de proteção? Sim, mas serve tanto quanto ter investimento no exterior (se o medo é apenas o país de origem) ou uma offshore (só que com custos bem menores). Todos os 3 casos (investir direto no exterior, ter uma offshore ou ter bitcoins) são possíveis de serem vencidos pelos governos, quando realmente querem.

Pq o que eles querem realmente, não são teus BRLs, ou teus USDs, ou teus BTCs, é VC!


Criptomoedas são ativos virtuais protegidos por criptografia. Eis o motivo pelo qual ainda são irrastreaveis, porém, acredito que algo pode mudar esse cenário negativamente para elas: a computação quântica.

Trata-se de uma novíssima tecnologia que está reinventando o mundo digital porém um dos principais objetivos dos computadores quânticos será QUEBRAR QUALQUER TIPO DE CRIPTOGRAFIA! Isso mesmo que você leu, eles são tão rápidos que conseguem quebrar qualquer tipo de criptografia existente em computadores convencionais, blockchains provavelmente serão bloqueadas na Rede por meio dessa nova tecnologia.

Se você duvidar do que estou falando e até achar que é uma teoria sem fundamento pesquise por notícias relacionadas aos computadores quânticos, especialmente o que a IBM acabou de desenvolver, é impressionante.

Criptomoedas tendo suas criptografias quebradas seria o fim delas, não quero desanimar ninguém, podem continuar com suas criptos mas estou alertando sobre o que poderá acontecer daqui alguns anos.



Neste cenário, você também não paga nada nem via cartão de débito ou de crédito. Muito menos com Pix. Só com dinheiro vivo. Como quase ninguém mais carrega dinheiro vivo (nas grandes cidades), haveria um colapso total da divisão do trabalho.


Só me diz em caso de faltar a rede mundial de computadores, como fica o uso de cripto moedas?


Foi a tempestade perfeita: bancos sendo obrigados a comprar 50 bi de dólares, M1 subindo 50% ao ano, Selic nas mínimas (afastando capital estrangeiro e incentivando remessas ao exterior) e orçamento destroçado pelo Orçamento de Guerra.

Olhando em retrospecto, foi até milagre o dólar não ter batido R$ 6.


Normal. Com os juros nominais voltando a ser atrativos, especialmente em cenário de juros nulos na Europa e nos EUA, é natural que o gringo venha para cá.

Isso é ótimo, pois traz capital e ajuda no câmbio. Infelizmente, em 2020, criou-se uma legislação imbecil que obriga os bancos a se desfazerem de seu overhedge. Não vou entrar em detalhes (quem quiser saber, pode ler aqui e aqui), mas tal legislação simplesmente obrigou os bancos a comprarem mais de US$ 50 bilhões de dólares. Isso detonou o câmbio.

Não fosse por essa imbecilidade, o câmbio estaria menor e, consequentemente, a carestia estaria mais baixa. A partir do ano que vem, com os bancos já tendo comprado esses 50 bilhões de dólares, com a Selic mais alta (atraindo mais capital estrangeiro) e com a oferta monetária mais contida, é de se esperar um alívio no câmbio.


Até psicologicamente o esquerdismo consegue realizar estragos consideráveis, meu caro.

A maioria (felizmente não são todos) que são canhotos são demasiado emocionais e conseqüentemente, tornam-se hipersensíveis. Alie-se o fato de que essa mesma maioria não sente necessariamente a escassez de bens e serviços, temos um coquetel mental elaborado.