clube   |   doar   |   idiomas
Últimos comentários


Abaixo de 110 mil nao vai. E quanto mais perto desse valor , mais barato ele fica e maior os lucros depois pra vender na alta.


Você escreveu um textão mas no fim não escreveu nada demais. Não será mais investimentos públicos que farão com que magicamente surjar novas tecnologias e curas, será, isso sim, por meio de pesquisas sensatas e promissoras, e apenas o mercado em ação é capaz de realizar tal proeza, com investidores privados investindo no que realmente tem futuro, até porque ninguém investe dinheiro esperando ter prejuízos (além, é claro, do Estado).

O grande Estado brasileiro investe, investe e investe mas o país contínua sendo subdesenvolvido, e não serão novos bilhões de verba pública que farão com que novas tecnologias apareçam magicamente.

Planejamento central por meio do controle de burocratas que não necessitam de atender a demanda dos consumidores sempre dá errado.


O problema da zona franca é que ela não leva em consideração as vantagens locais. Sim, tem indústria lá porque foram reduzidos alguns impostos, mas só porque o resto do país paga acima…

Se fosse tudo igual (para mais ou para menos) é difícil supor que haveria esse tipo de indústria lá dados os custos logísticos. Esses custos logísticos aliás comem uma boa parte da vantagem tributária. Imagine descer até os portos do meio do Amazonas…

É mais uma tentativa do governo direcionar a indústria, dizer o que o local deve fazer ou produzir, sem considerar as vantagens locais.

Alguns austríacos defendem impostos flats justamente pra não distorcer o papel dos preços de informar (claro que o ideal seria flat baixo ou nenhum).


As sanções econômicas são ruins não apenas porque elas são uma forma de lockdown no comércio internacional, mas também porque elas causam escassez e prejuízos.

Isso não quer dizer que eu goste do Putin. Ele sempre foi um imprestável e um estatista autoritário. E que culpa que os produtores russos de fertilizante possuem se o governo decide embarcar em aventuras militares? É um coletivismo.

Não tenho a mínima ideia do que faria no lugar do Bolsonaro. Acho que condenaria os ataques porque foram uma agressão, mas não iria querer apoiar sanções econômicas.

No que as sanções econômicas melhoraram para os cubanos, iranianos e venezuelanos? Agora a polêmica é essa questão das sanções do governo americano contra a Venezuela. Por mim deveria tirar todas. Só não pode é financiar diretamente a ditadura chavista. Só que aí o esquema é curioso: a produção interna de petróleo americano continua tendo distúrbios, por causa dos cancelamentos de leilões.


"A Zona Franca de Manaus foi concebida em 1967 pelo então ministro Roberto Campos como um paraíso fiscal temporário (30 anos) para fomento de desenvolvimento da Amazônia. Mas, como todo programa temporário de governo, virou permanente e já garantiu por lei os primeiros 106 anos."

É, esse programa temporário pelo menos é bom. Ele não tinha sido criado em 1957?

Alguém aqui pode me dizer se esse ativismo judicial do STF é novidade ou sempre aconteceu? Na República da Espada, era o Executivo que interferia no STF. Hoje é o contrário. Se fosse o Lula fazendo essas coisas, teria também isso?

As reduções do IPI são tão boas que eu não sei por que o Bolsonaro foi fazer só agora, ao invés de ter feito em 2019.


Os EUA podem até estar em questão de perda de liberdades (e qual país não está?), mas continuarão sendo um refúgio ainda para muita gente, inclusive político. Basta ver o caso do Allan dos Santos, assim como do Abraham Weintraub. Há ainda algum juízo no país e o que sobrou do federalismo ajuda bastante.


''A canalhice é de quem concede a proteção (políticos e ministros do Supremo).''
''É para eles que deve ser direcionada a revolta. ''

Mas muitos canais (tanto no youtube quanto no telegram) não tem coragem com medo do uber black aparecer na porta deles e irem pra cadeia. Agora, massacrar o atual presidente por tudo que tá acontecendo de errado dá nada não. Aí é fácil.



Qual estado? Para trabalhar com o quê? Morando em que tipo de imóvel?

Creia-me: as respostas a essas perguntas fazem TODA a diferença.



É isso aí. A ideia de uma Zona Franca, em si, é corretíssima. O problema é negar o mesmo a outras áreas. Isso, sim, é canalhice.

A ZFM, aliás, é um perfeito exemplo do como são benéficas as teses do livre mercado. Na ZFM, as tarifas de importação foram zeradas para incentivar a industrialização daquela região. Foram gerados empregos lá e ainda beneficiou-se os consumidores de lá e do resto do país (dado que não existe tarifas entre estados).

Tão benéfico seu êxito, que o regime da ZF foi prorrogado até 2073 de modo quase unânime.

Em resumo, esse sucesso é um exemplo prático do que se defende no IMB: o livre comércio.

Resta agora apenas expandir a ZF para o resto do país.



O que realmente tem de ser feito é expandir a Zona Franca para todas as cidades do país e, em seguida, impor concorrência estrangeira a elas, zerando as tarifas de importação.

Com perda de receitas, o estado teria de cortar gastos, inclusive e principalmente em salários de funças.


A nossa espécie tem um grave problema: ignorância. A passos lentos os nossos antepassados foram implementando a organização, contudo esta ainda está muito longe de beneficiar a todos os seus entes como deveria. Pensemos no caso desta pandemia. O que poderia ter sido feita para que fosse evitada? Quais medidas poderiam ter sido tomadas para amenizar a situação sem travar a sociedade? Como entabular uma recuperação após os estragos causados? Crises de saúde já ocorreram antes e não aprendemos a lição - como foi mostrado agora - assim como o que podemos fazer para que as próximas (que certamente virão) sejam evitadas, combatidas ou administradas? Talvez o maior problema de todos os governos e grupos de poder seja o da falta de um real investimento na ciência pura e aplicada como forma de resolver os problemas. Se mais dinheiro e recursos fossem investidos em pesquisas, sistemas de prevenções, sistemas, equipamentos e remédios já teriam sido criados antecipando, controlando ou resolvendo tais situações. Pense que muitos "matos" aqui e ali nas beiras de rios e calçadas podem conter componentes de muitos produtos essenciais e vitais. Quantos diabéticos não se beneficiam da metformina, que vem da base de uma planta, um matinho, assim como a papoula que gera a morfina. O petróleo já foi apenas um "caldo" negro que servia para vedar cascos e paredes assim como para aquecer fogueiras e ao ser estudado levou a todo um ganho de produtividade como poucas vezes foi vista na história.
O estudo dos recursos ajudaria a prevenir todos os problemas. Isso é o casamento perfeito dos setores da Economia e Saúde com a Administração Pública e Privada (além de outros campos). O que resolverá os problemas humanos será a capacidade de nos abrirmos como raça a novas perspectivas que evitem limitar as nossas possibilidades como espécie com equilíbrio junto ao meio ambiente de nosso mundo, pois sem ele não conseguiremos existir. Se pensar na Escala de Kardashev vislumbraremos o nosso potencial. No entanto, enquanto nos matarmos sem sentido por problemas evitáveis, continuaremos nos engalfinhando por questões de fácil solução.


Não é nem que o investidor estrangeiro era proibido. A própria iniciativa privada nacional também era proibida de investir em infraestutura porque este setor sempre foi monopólio estatal.

De certa forma, isso perdura até hoje, aliás. Se eu quiser construir uma hidrelétrica ou uma ponte por iniciativa própria, irei para a cadeia.

Adicionalmente, ainda que fosse liberado, seria impossível a iniciativa privada investir nestes setores sendo ela impiedosamente tributada e espoliada.

Em suma: o governo proibia investimentos nacionais e estrangeiros em infraestutura, tributava pesadamente o capital nacional e estipulava monopólios. E até hoje ainda tem gente dizendo que, se não fosse o estado, não haveria infraestrutura, pois a "iniciativa privada nunca se interessou pelo setor".

E estes também concluem que, se não fosse o governo, nada seria possível.

Coisa de gênio.


"Quanto a lei rouanet e os pagamentos de prefeituras aos artistas. Eu não defendo um nem outro."

Que bom. Aguardo sua condenação à Daniela Mercury e a Lula, que fizeram show bancado pela prefeitura de São Paulo.

Eu, de minha parte, condeno qualquer artista, de qualquer ideologia, que utilize dinheiro público. Rouanet e de prefeitura. Sem exceção.

E você?

"Eu só trouxe a questão à luz do artigo que passa pano pra isenções fiscais, dizendo que só subsídio é ruim. Toda minha análise foi a luz do artigo."

Não entendi. Que "análise" você fez sobre isenção fiscal? Dado que a Rouanet, como explicado, não é isenção fiscal, então, meu nobre, você não fez análise nenhuma.

Tenta de novo.

"Mas eu sei que não verei imparcialidade aqui."

Imparcialidade sobre o quê? Dado que você próprio demonstrou não saber nem o que é isenção, então é óbvio que não saberá entender o que é imparcialidade.

"Tem diversos artigos sobre a lei rouanet pois ataca os supostos defensores da esquerda, mas não verei artigos criticando dinheiro público que fomenta shows pelo Brasil, pois ao estaria atacando parte do eleitorado bolsonarista."

Talvez porque a Lei Rounet seja antigaça, federal e amplamente utilizada, ao passo que Gustavo Lima se apresentou há apenas dois dias em uma cidadezinha de 17 mil habitantes…


P.S.: sua ânsia de exigir imparcialidade alheia ao mesmo tempo em que você é fragorosamente incoerente (defende Rouanet e critica artista que usa dinheiro de prefeitura) é, este sim, um show público, gratuito e de qualidade. Delícia.


Acho legítimo fazer campanhas de difamação (apontando para a postura anti-liberdade) contra empresas que pedem proteção contra a concorrência. Caso a repercussão seja grande, talvez elas calem a boca.

Se os defensores da liberdade, lutando por interesses dispersos, fossem mais organizados, esse seria um mal um pouco menor. Mas isso requer muito conhecimento e caráter de grande parte da população, algo para lá de distante da realidade.


Eles julgam em causa própria. Uma redução do IPI reduz as chances de novos aumentos salariais para os funças do STF.


No geral ele acerta, mas as vezes dá umas vaciladas para não fazer coro ao discurso da esquerda quando existe alguma crítica legítima (e hipócrita, quando se trata de esquerda) a algum erro do governo Bolsonaro, principalmente quando envolve o Paulo Guedes.

A falta de críticas à política monetária é
basicamente a área onde ele deu uma vacilada. Muito embora formalmente seja uma atribuição do Banco Central, sabemos muito bem qual era a postura de Paulo Guedes no tema das reduções atabalhoadas da SELIC (e da desvalorização do câmbio), e sabemos o desastre que isso causou, tendo sido muito bem descrito aqui.


Historicamente, o estado proibiu investimentos estrangeiros nestes setores (o que se acentuou com Getulio Vargas a partir de 1930) e, consequentemente, construiu ele próprio a infraestrutura do país (ou seja, tomou dinheiro de todo mundo). Décadas depois, repassou alguns nacos para a iniciativa privada. Estabeleceu preços de pedágio e de tarifas, e ainda exigiu uma fortuna para fazer a concessão. E, pior, garantiu o monopólio para a empresa concessionada, garantindo a ela que nenhuma outra empresa concorrente surgirá nos próximos 30 anos.

E, é claro, dificultou ao máximo que estrangeiros comprassem as debêntures emitidas por estas empresas, para evitar as "perdas internacionais".

Não é necessário nenhuma expertise em engenharia para saber que se o investimento estrangeiro sempre tivesse sido liberado, e se a aquisição das debêntures emitidas por essas empresas fosse isenta para o capital estrangeiro, estaríamos MUITO melhores.


Não precisa existir lei pra que o governo emplaque a tal da proteção cambial. Você não teve aula de financas pelo visto e tb não teve aula de direito. Do que vc sabe exatamente?

A proteção cambial,pra existir, basta que seja prevista em algum contrato e edital de concessão pública. E o mecanismo é exatamente esse que descrevi pois já estive em diversos fóruns em que ou Tarcísio ou algum outro funca do governo subordinado dele defendeu exatamente isso aí que coloquei

Mas ok. Se a sua esquiva é "jogar" o cara aos leões e fingir que ele não é um dos mais relevantes (ex)membro do governo atual, ok. O modus operandi é conhecido.


Quanto a lei rouanet e os pagamentos de prefeituras aos artistas. Eu não defendo um nem outro. Eu só trouxe a questão à luz do artigo que passa pano pra isenções fiscais, dizendo que só subsídio é ruim. Toda minha análise foi a luz do artigo.
Mas eu sei que não verei imparcialidade aqui. Tem diversos artigos sobre a lei rouanet pois ataca os supostos defensores da esquerda, mas não verei artigos criticando dinheiro público que fomenta shows pelo Brasil, pois ao estaria atacando parte do eleitorado bolsonarista.



Os políticos falam que zona franca é prejuízo. Claro, eles querem impostos. Na minha opinião, toda cidade deveria ter sua zona franca, de modo a gerarem emprego nas periferias. Isso frearia o processo de "favelização".


Justiça seja feita, a canalhice não é dos empresários que pedem a proteção (isso é do jogo). A canalhice é de quem concede a proteção (políticos e ministros do Supremo).

É para eles que deve ser direcionada a revolta.



Sim, o objetivo era fazer com que apenas nativos fossem os reais donos da infraestrutura do país.


Todos os empresários pagam imposto elevado, o que atrapalha a produção. Já a zona franca paga bem menos. Isso é um estímulo pra que a indústria se desloque para aí.

Até aí, tudo certo. Eu faria o mesmo. O problema é quando estas mesmas indústrias começam a atuar politicamente para proibir as outras indústrias do resto do país de usufruir a mesma redução de impostos.

Isso é canalhice. O certo é permitir que todos tenham a mesma carga tributária, e baixa, de modo a estimular a indústria nas localidades. Do jeito que é, Manaus é uma ilha politicamente protegida. E mesmo assim é pequena.


O único problema da Zona Franca de Manaus é que ela é em apenas um estado do Brasil. Deveria ser em todos. Aí não mais teria esse lobby protecionista.


A Zona Franca de Manaus é uma zona, sem dúvida, mas franca, acho que nunca foi. A diminuição de impostos aqui é mais que compensada pela burocracia necessária para obtê-la, a tal ponto que as empresas ficam reféns do estado, que dá redução de ICMS por um tempo e fica a cargo dele próprio a sua manutenção e/ou renovação, findo o prazo acordado - ou seja, a empresa é forçada a colocar dinheiro onde o governo do estado quer, em geral, na UEA (Universidade do Estado do Amazonas), através do dinheiro de P&D das empresas de informática ou diretamente em "projetos" do governo.

Se a empresa não topa, fica com os preços acima do mercado internacional fácil, fácil e, mesmo com a alíquota de importação estratosférica no Brasil, a empresa vai parar mesmo é na China, que, pasmem!, tem condições de liberdade de atuação maiores que aqui.


Isso certamente é herança daquela mentalidade nacionalista que dizia que estrangeiros vêm pra cá apenas para "espoliar o patrimônio nacional".

Brizola dizia que isso causava as "perdas internacionais".


Uma coisa que eu nunca conseguia entender era o motivo de o Brasil ter tão pouco investimento estrangeiro em infraestrutura, sendo que essa é uma área visivelmente pouco desenvolvida e, logo, com ampla margem para altos retornos.

Agora a coisa faz sentido.

Estrangeiro que vem pra cá investir em ativos físicos produtivos é bitributado. Sensacional.


Você pretende ir para onde? Em qual país você acha que terá uma renda real melhor que no Brasil?

Pergunta sincera.


O STF já revogou:

* uma medida que abolia radares das rodovias federais,
* uma medida que acabava com a multa para quem não tem cadeirinha de criança no carro
* uma medida que zerava tarifas de importação.
* discurso do presidente contra o lockdown.
* a liberdade do Ministério da Economia em fazer privatizações — agora só o Congresso pode autorizar.

E, para completar, o STF disse que é crime reduzir preço dos combustíveis em ano eleitoral.

Mas, ó, criticar o STF é atentar contra a democracia e as instituições.


Com ministros do STF que temos não precisamos de mais nada para continuarmos no inferno fiscal. Não vejo a hora de deixar este país definitivamente. Terei no futuro o maior orgulho de não ser mais brasileiro. Brasil é uma desgraça sem tamanho. Lamento o azar daqueles que terão de aqui permanecer. Como diria Marta Suplicy, relaxe e goze(hahaha).


Sim, infelizmente ficaremos reféns desses dráculas protecionistas dos infernos. Pessoas estas que não foram colocadas lá de forma "democrática" e só estão lá para representar seus próprios interesses e privilégios.


Em matéria econômica, até o Rodrigo Constantino erra?

De fato, nesse aspecto, ninguém supera o IMB. Pode pegar todos os youtubers austro-libertários em Língua Portuguesa que eles não juntam, com exceção do Paulo Kogos, que é espetacular em Economia. Ulrich também é, mas ele tem alguns equívocos.




Exatamente como eu imaginava. Você não tem fato nem substância. Tem apenas fofoca e opinião.

Pedi que você me mostrasse essa tal lei da proteção cambial. Estranhei porque você falou como se tal coisa existisse e eu assustei porque nem estava sabendo disso.

Aí agora você próprio confessou que isso não existe; você apenas ouviu um político falar sobre tal coisa.

Dica: vá lá e se entenda com ele.

Sobre Rouanet, você ao menos teve a decência de não mais insistir que não é isenção (que bom).

Mas o mais curioso é que você, bizarramente, defende a Rouanet e critica shows bancados por prefeitura, sendo que, em ambos os casos, é dinheiro gerenciado e distribuído pelo estado.

Ainda mais bizarro é você me colocar de defensor desta excrescência.

Eu condeno veementemente os dois (Rouanet e show bancado por prefeitura; caguei se é Daniela Mercury ou Gustavo Lima). Já você defende um, critica o outro, e ainda tenta me colocar de defensor do segundo, quando eu claramente o ataquei também.

Eu condeno Gustavo Lima receber dinheiro de prefeitura para fazer proselitismo pró-Bolsonaro. Assim como condeno Daniela Mercury receber dinheiro de prefeitura para cantar abraçada com Lula.

Já você condena o primeiro e fica molhado com o segundo. E ainda diz que os outros é que são incoerentes.

Triste fim de seu cérebro.


Dolinho indo a 4.73
DXY indo abaixo de 1o2
So falta as commodities caírem também.

Valha-me.


Acredito que seja muito mais relevante acompanhar pessoas que compactuam com a sua visão de mundo do que tentar encontrar veículos imparciais.

Hoje em dia a esquerda não agrega absolutamente em nada no que tange a informar. Pode ser que no futuro isso mude, mas por enquanto é pior que lixo.

Eu costumo acompanhar as notícias pelo Twitter, principalmente do Leandro Ruschel, Paulo Figueiredo Filho, Rodrigo Constantino. Eles só são meio fracos nas notícias econômicas. Aí o partidarismo entra em cena com frequência. Nas notícias relacionadas a economia, aí eu desconheço qualquer fonte de informação de qualidade que não seja o Mises.org.br. A sessão de comentários aqui também é muito boa.


ironia, de fato, deve ter muita profundidade, pois a frase (e a lógica) é totalmente ininteligível.
Tudo bem. Sei que tenho que adequar o discurso as capacidades do receptor da mensagem. Vou explicar pra você

Qual a proteção cambial a investidores que pegam empréstimos em bancos estrangeiros?

Ué? Pergunte ao Tarcísio. Foi ele quem criou isso aí.
Mas eu vou ser legal e compartilhar conhecimento com vocês.
A ideia do Tarcísio é que você tome empréstimo em dólar. Só que seu ativo de confesso está aqui no Brasil, logo vc tem receita em reais e consequentemente um passivo descasado. Se o dólar explode, sua dívida explode junto, sem que suas receitas acompanhem.
Portanto, qual a solução? O GOVERNO PROTEGE o empresário do risco cambial. O governo chega e diz: "pode se endividar em dólar, querido empresário, o papai Estado tira recursos da merenda e da ciência pra poder te ajudar em caso de disparada do dólar"

Agora me responsa, quem compactua com isso é liberal? Ha subsídio da mesmíssima forma que teria com bndes, bb ou caixa. A diferença é que agora vc tem um banco gringo ganhando na outra ponta e não o governo. As estatais financeiras dão lucros absurdos em dividendos e ajudam a pagar as contas do governo. Mas o governo não quer isso, o governo quer destruir tudo que eh bom. Entendeu?


Qual é o banco gringo subsidiado?

Qualquer banco que for acionado pra emprestar sob o modelo do tarcisizão. O cara ganha pois sabe que aqui vai ter empresário disposto a correr o risco cambial de maneira mais desenfreado pq o PAPAI GOVERNO salvará. Não é lindo?
Sabe quando o governo cria o FIES e beneficia indiretamente os empresários de faculdade? É o mesmíssimo caso aqui! Sem tirar nem por!

Quem seria o "empresário estatal"?
Esses empresários que o governo quer ajudar.

Lei Rouanet não é isenção. Isenção é quando a empresa fica isenta de dar dinheiro para quem o governo estipular. Isenção é quando a empresa pode ficar com 100% do seu ganho. Isso não acontece com a Lei Rouanet.

Quando o empresário entra na rouanet pra patrocinar artista com a isenção citada ele tb ganha com a publicidade do nome da sua empresa naquele trabalho. Ele aparece no Pipeline de patrocinadores. O empresário pode valorar aparecer nesse pipe em $0,01 ou $1000 mas pra ele tem valor.
Do contrário, ele pagaria o imposto pois da menos trabalho que toda a burocracia de entrar na rouanet.
Logo, o empresário deixa de pagar X pro governo pra pagar X pro artista. Mas com o benefício de ganhar Y pela publicidade.
Obviamente YEstá aí a diferença dos cenários.

Sobre as prefeituras gastarem, muito provavelmente elas o fazem com o dinheiro dos fundos de participação, ou seja, fonte originária da União, portanto é sim governo federal indiretamente.
E mesmo que seja um dinheiro de gestão da prefeitura originário da união, é ainda pior pois as prefeituras tem demandas mais urgentes.
Mas a necessidade de passar pano pros artistas bolsonarusta faz relativizar até esse tipo de coisa.
Triste fim do liberalismo brasileiro


Sou formado em matemática e entendo perfeitamente a mesma não é a ferramenta adequada para se prever os fenômenos econômicos, acho que a praxeologia de Von Mises é muito mais adequada. Inclusive depois de ler algumas obras do Mises não entendo como alguém em sã consciência pode levar Marx a sério.


"Em 2022, tem alguma emissora de radio ou TV aberta (Globo,Record, Band, etc.) ou por assinatura(GloboNews, CNN, JovenPan,etc.))que "tenta" ser o mais imparcial possível ? "

depende do que voce quer ver tambem, eu nao assisto noticiario de tv, aquele formato classico, no dia a dia eu so consumo artigos objetivos

de veiculos so lembro de citar a revista oeste , a gazeta do povo do parana e internacional a epoch times

profissionais pra acompanhar incluem : guzzo, augusto nunes, alexandre garcia , percival puggina eo polibio braga
tem o bene barbosa, nao é jornalista mas é indispensavel

esse pessoal hoje em dia aprendeu a usar internet , produzem artigos e videos em diversos veiculos e de forma individual, ai voce nao fica preso a uma assinatura por ex .. mais facil ver quais plataformas os jornalistas que te interessam usam e acompanhar assim

ja do pessoal do mises eu gosto do tom woods, escreve diversos artigos , tem podcast regular e as abordagens dele, como nas questoes da fraudemia, sao muito informativas e bem elaboradas



"desse governo de ser contra subsídio mas que disfarça ajudas estatais por meio de proteção cambial aos investidores que pegam empréstimos em bancos estrangeiros. A gente subsidia banco gringo pro empresário estatal pegar dívida lá fora. Ideia genial! (Contém ironia)"

A ironia, de fato, deve ter muita profundidade, pois a frase (e a lógica) é totalmente ininteligível.

Qual a proteção cambial a investidores que pegam empréstimos em bancos estrangeiros? Qual é o banco gringo subsidiado? Quem seria o "empresário estatal"?

"Afinal, como um projeto de isenção fiscal que era, a Lei Rouanet, aprendemos hoje, deve ser defendida POR TODO LIBERAL!"

Lei Rouanet não é isenção. Isenção é quando a empresa fica isenta de dar dinheiro para quem o governo estipular. Isenção é quando a empresa pode ficar com 100% do seu ganho. Isso não acontece com a Lei Rouanet.

Lei Rouanet é: em vez de a empresa pagar impostos para o estado, ela direciona este mesmo dinheiro para bancar filmes aprovados por burocratas e políticos.

A empresa continua gastando, involuntariamente, exatamente o mesmo. Muda apenas o destinatário. Antes, o dinheiro iria para políticas públicas. Agora, vai para shows da Anitta e do Chico Buarque.

Fatos.

Vou tentar desenhar:

Sem Rouanet e sem impostos: dinheiro fica com o empreendedor.

Sem Rouanet e com impostos: dinheiro vai para o governo (que então gasta com quem ele quiser).

Com Rouanet e com impostos: dinheiro vai para quem o governo determinar.

Qual exatamente é a diferença do segundo para o terceiro cenário?

Para mim, nenhuma. É tudo a mesma merda.

Mas só não é pior do que nêgo que acredita que Rouanet é realmente uma isenção.

"Aliás, o que é pior: A. Captar pela Lei Rouanet ou B.receber soldo de show contratado por prefeitura pago com dinheiro de contribuinte?"

Ambas são imorais, mas a da prefeitura é problema apenas da população local (ela que se resolva com o prefeito). Já a Rouanet é nacional.

É até constrangedor ter de explicar essas obviedades, mas não dá para exigir muito de alguém desta ideologia.

"Me dá a resposta aí que vou encaminhar ao Sérgio Reis e vou esfregar na cara da Anita"

O mais impressionante é que, dado o seu nível cultural, é até capaz de a Anitta realmente lhe transmitir alguns ensinamentos válidos.


Já começou bem, sério que você considera que uma sociedade sem um grupo dominante, espoliador e protecionista automaticamente a transformaria em uma "selva"? Isso é um pulo de lógica mal explicado, e eu gostaria de saber como essa mágica ocorreria diretamente de sua boca.

Você parece estar confundido anarquismo de livre-mercado com o anarquismo de esquerda, que nada mais prega que os trabalhadores devem derrubar o Estado e espoliar os capitalistas. Nós não defendemos isso, defendemos isso sim, a retirada do Estado de dentro da econômia. Quanto menos intervenção, melhor, pois qualquer intervenção do Estado significa que alguma ação está sendo tomada para beneficiar alguns e roubar de outros. Não existe almoço grátis.

Agora, eu gostaria isso sim, de ouvir como o Estado beneficia a sociedade, já vivemos em uma sociedade aonde o cidadão não pode se defender, e depende da polícia, que quase sempre está ausente, para protegê-la, e de um sistema judiciário ineficiente e que serve somente ao Estado, para julgar os "criminosos".

Anarcocapitalismo prega a ética e a moral acima de tudo, e você pelo jeito aínda não conhecê muito sobre essa filosofia, e muito menos sobre a escola austríaca, logo recomendo ler os artigos desse site.



Espera, então a Ucrânia tomar a liberdade de entrar em uma organização militar de defesa automaticamente significa uma agressão contra a "soberania nacional" da Rússia? Que pulo de lógica é esse? Tecnicamente quem está sofrendo agressão de "Soberania nacional" aí é a Ucrânia.

Sinceramente, debate sobre guerra entre Estados é imaterial, pois ambos os lados sempre estarão errados de uma forma ou de outra.



Para mim em vez de criar bolsas disso e bolsas daquilo, é melhor beneficiar todos brasileiros reduzindo imposto, este negócio de bolsas é só para comprar voto e desviar dinheiro público devido a ineficiência em auditar e implantar estes programas.
Outro ponto os Estados e Municípios vão acabar arrecadando mais com a redução ou vai manter a mesma arrecadação, o que eles estão chorando é que não vão arrecadar a mais do que deveria.


Acho perfeitamente válido o que Putin está fazendo. A Ucrânia, ao entrar para a OTAN, estaria atentando contra a soberania da Rússia. Putin está apenas defendendo o seu país e o seu povo (e de forma até bem pacífica, já que não usou bombas nucleares).


Não sei se o leitor antigo tem alguma deficiência cognitiva ou algum outro problema grave, mas das dezenas de artigos enviados nada fala sobre s ironia ministerial desse governo de ser contra subsídio mas que disfarça ajudas estatais por meio de proteção cambial aos investidores que pegam empréstimos em bancos estrangeiros. A gente subsidia banco gringo pro empresário estatal pegar dívida lá fora. Ideia genial! (Contém ironia)
Mas o que contém ironia é ver a incapacidade de responder diretamente um questionamento simples como o meu e a necessidade de se escorar em artigos alheios e fugir do debate direto.

Já o imperion foi mais corajoso mas com um contorcionismos teórico digno de pena. Acho que nem ele entendeu o que quis dizer, certamente também nem possui dado que corrobore com o que diz.

No mais, já circulei o artigo no zap. Tem muito vovo se retratando com artistas da Lei Rouanet depois de ler esse texto seminal. Afinal, como um projeto de isenção fiscal que era, a Lei Rouanet, aprendemos hoje, deve ser defendida POR TODO LIBERAL!
Aliás, o que é pior: A. Captar pela Lei Rouanet ou B.receber soldo de show contratado por prefeitura pago com dinheiro de contribuinte?
Me dá a resposta aí que vou encaminhar ao Sérgio Reis e vou esfregar na cara da Anita


Essa conversa de "sem estado" é bem utópica. Se toda empresa precisa de hierarquia e organização, por que a sociedade em si deveria ser uma selva, sem regras, na base da liberdade de competição? Pra manter evidente a lei do mais forte? Até em um condomínio sabemos que o caos se instala bem rápido sem gerência e regras bem definidas em assembleia. O formato democrático é uma evolução da humanidade, não um entrave. Já deveríamos ter superado o conceito de "a lagoa é de quem pegar primeiro pra controla-la", não?


Qualquer redução deve ser defendida por todos. Mas o PT só estava fazendo lobby pra alguns setores, ao mesmo tempo em que gerava a maior crise subsidiando os amigos do rei. O volume de subsídios e crédito farto subsidiado ultrapassava qualquer alívio que dessem em isenção.

As reduções acabaram funcionando como tirar uma gota de uma piscina que se enche a toneladas por segundo.



Uma pessoa,

Hoje, tive o desgosto de ler em redes sociais (elas, uma vez mais!) um progressista PSOLento, alegando que o último ataque com arma ocorrido nos EUA foi fruto da combinação "Deus, armas e família". Obviamente nosso amigo, que sequer no Brasil ora reside, ignora que o país o qual o recebeu, permitindo-lhe ganhar em moeda forte, existe graças à referida combinação. Ou imaginaria o ingênuo que tal nação combateu o Eixo durante a Segunda Guerra distribuindo livros de história escritos em alemão ou japonês, junto com uma rosa anexa às capas?

O distinto dá a entender que deseja um lugar sem o Deus judaico-cristão ao menos, sem nenhuma arma de qualquer natureza e famílias desestruturadas, mas mudar-se a um país socialista o mesmo não deseja, embora declare-se (pasme!) "socialista libertário" (o equivalente a um "quadrado redondo"). Mas, devemos ser justos, é compreensível que ele não o faça, dado que o resultado da ideologia defendida pelo soça de i-Phone é culto a um líder personificado, bem como armas nas mãos da cúpula do Partido único para esmagar a população e famílias corroídas por dentro, considerando o estímulo à delação de entes às autoridades locais, acusando-os de "contrarrevolucionários". Todos os países socialistas remanescentes apresentam este quadro, sem exceção, nenhum deles, similar à uma comunidade hippie dos anos 70.



Vendo os jornais na época da Revolta da Vacina, mostra como que o jornalismo na época era algo muito mais profissional, com muito boa escrita. Hoje em dia é uma tristeza, eu que não tenho nenhuma formação escrevo melhor que gente formada em Jornalismo e que trabalha com isso (modéstia à parte).

A Jovem Pan é melhor porque é mais plural. O resto é entulho esquerdista.


Correto!

No mais, imprensa no Brasil é 90% dos casos mera publicidade escarlate. Algo quase comparável à mídia das antigas repúblicas comunistas no lado de lá da Cortina de Ferro, faltando apenas o om formal e solene chamando os ditadores locais de "camarada' ou "companheiro".


Nenhuma se salva. A Jovem Pan se sobressai única e exclusivamente porque adota uma postura exatamente contrária a todas as outras.

Mas é só.


Não existe imparcialidade na imprensa, e a bem da verdade é que isto não é o problema em si. Contanto que se pratique o jornalismo objetivo, em que se noticiam fatos, e caiba à audiência se posicionar a respeito.

Veículos de informação deveriam ser isso. Mas a grande mídia virou um escritório de relações públicas. Ela ignora fatos, emite opinião (que antes era reservado aos editoriais) e tenta moldar e induzir a audiência.



Só por brincadeira, eu imagino o exemplo do artigo trocando os nomes:

"Subsídio é o governo tomar dinheiro de Paulo e repassar a Pedro.
Isenção fiscal é o governo simplesmente não tributar Paulo. Ou Pedro."

por

"Subsídio é o governo tomar dinheiro de Paulo e repassar a Eike.
Isenção fiscal é o governo simplesmente não tributar Eike. Ou Wesley. Ou Joesley."


Escolas serem pagas por quem usa ou pagas pelo estado é uma coisa. Escolas serem privadas ou estatais é outra coisa.

A primeira é difícil de mudar: as pessoas gostam de acreditar que o governo dá escola de graça para todo mundo.

A segunda é bem mais fácil: muita gente preferiria poder escolher escolas privadas, desde que pudesse continuar acreditando que é de graça. Isso é possível com voucher, que é adotado em muitos países mais inteligentes que nós.

Acabar com as escolas públicas traria economia e melhor qualidade de ensino. Pode ser um primeiro passo para uma futura desestatização completa do ensino.


E a única política criticável do PT foi a do Bndes?
Até pq o governo segue usando o FAT com o Bmdes até onde eu sei.
E as empresas financiadas pelo Bndes não pagam impostos, fazendo delas pagadoras líquidas de impostos?

E quando o subsídio vem como proteção cambiais empresário é ok?
O ministro mais elogiado quer que a dona Ana que faz faxina todo dia pra sustentar ela e seus dois filhos pague as benesses dos empresário brasileiros com fee em dólar pra banco gringo.

Outra melhoria que estamos analisando é a cobrança de outorga variável com um mecanismo de proteção cambial para contratos de financiamento em dólar

Mas se beneficia amigo do paulonguedes aí não tem problema. O libertário permite. Misse já dizia que só gasto governamental que beneficie o paulonguwdes é bom

www.cnt.org.br/agencia-cnt/tarcisio-gomes-freitas-eficiencia-gestao


O esquerdista funciona assim. Normalmente sao pessoas que tem cargos no estado,funcionarios publicos,empresarios com beneficio do governo,igrejas. O que eles querem? Controle de tudo e dificultar a vida das pessoas de serem independentes do governo,do serviço deles,da empresa deles. O Deus dessa gente é o dinheiro. Pelo dinheiro vale tudo,ate roubar,matar,torturar e destruir as pessoas. Muitos deles tem aparencia de piedosos,boas pessoas,porem,por dentro sao podres,ruins igual aos farizeus que foram desmascarados por Jesus Cristo e por isso ele foi morto na cruz. Pois,indiretamente estava atrapalhando os planos de domina"ao deles. E como o bem apesar de ser fraco sempre vence,pois mesmo com essa bagunça no mundo continua existindo casamento tradicional,familia tradicional,trabalhadores,pessoas do bem que nao mexem com ninguem,essa gente se alia com tudo o que nao presta na sociedade,da apoio,incentiva,da tapinha nas costas,cria beneficios. Sao uns hipocritas,pous por dentro eles odeiam essa gente,porem,jamais admitem em publico,pois sao mandados pelo deus dinheiro. É assim que o mundo funciona.



PT dava subsídios. Tirava dinheiro do trabalhador via FAT, repassava ao BNDES, que então emprestava a juros reais negativos a empreiteiras, frigoríficos e Eike Batista.

E piora: fazia os bancos estatais darem crédito subsidiado, gerando uma puta expansão monetária, sendo este um dos principais motores da carestia daquela época.

www.mises.org.br/article/2407/por-que-o-bndes-deve-ser-abolido

www.mises.org.br/article/1854/quem-realmente-esta-causando-a-carestia-no-brasil

www.mises.org.br/article/2371/explicando-as-pedaladas-fiscais-por-que-sao-crime-e-por-que-prejudicaram-exatamente-os-mais-pobres

www.mises.org.br/article/2220/o-descalabro-gerado-pelo-governo-na-economia-brasileira--em-25-graficos-



Caros.

Em 2022, tem alguma emissora de radio ou TV aberta (Globo,Record, Band, etc.) ou por assinatura(GloboNews, CNN, JovenPan,etc.))que "tenta" ser o mais imparcial possível ?


Dar voucher é uma péssima ideia!
Subsídio na veia. Vc não leu o artigo? Releia por favor. Precisamos ter atenção pra não ter esses desentendimentos e parecer que estamos batendo cabeça. Senão seremos prato cheio pra esquerda


Então a política do PT de dar isenções fiscais era boa? Liberais devem defender essa política?


Pudera!

Que pai são na face da Terra desejaria que seu rebento torne-se um militante canhoto afeminado desarmamentista que nem sabe identificar-se como garoto ou menina, personificação do PSOL?

Essa discussão tem é demorado para amadurecer no Brasil!



Um órgão do governo dizendo que mais governo é a solução para tudo? Nenhuma surpresa.

Gente no Youtube dizendo que se um órgão do governo falou, com certeza é verdade? Nenhuma surpresa, de novo.


Exatamente, vide o caso da refinaria da Bahia, que foi privatizada. Pratica preços internacionais e exporta diesel (algo inédito) quando o preço interno está menor.

Aumentar a extração e refino diminui os preços apenas na medida em que aumenta a PRODUÇÃO MUNDIAL. Só há uma queda relevante dos preços se o aumento for suficiente para ser relevante em relação à produção mundial.

É impressionante como esse é um ponto em que todos falam groselha: esquerda, direita e libertários (com raríssimas exceções). É como se esse assunto desligasse o cérebro de quase todos os humanos (principalmente brasileiros). O assunto gera uma reação emocional muito intensa.

Nesse análise, estou ignorando os custos logísticos de distribuição dos derivados. Esses sim podem ser reduzidos com a concorrência, mas são pouco relevantes. Tenho contato com transportadoras de derivados, e sei que o custo de transportar diesel por caminhão é de apenas R$ 0,07/litro por uma distância de 500 km, aproximadamente. Ou seja, muito baixo, mesmo com a infraestrutura caótica que temos.


Qual o sentido de cobrar mensalidade e manter estatal? Privatize-se e utilize-se vouchers. Muito mais racional e eficiente.


Há muita desinformação na internet, os sites estão misturando e se confundindo nas informações.

Na extração a Petrobras detém os melhores ativos pois isso foi garantido nos anos de monopólio, por isso a concorrência engatinha com o que sobra e também em novas descobertas. Mas não há segurança jurídica no Brasil para o estabelecimento de uma concorrência efetiva para expansão no refino em vista de nossa zorra política; entrar aqui é se aventurar em algo que não se sabe se o preço será controlado na canetada hoje ou amanhã.

A questão do tipo de petróleo extraído e refinado no Brasil. 2/3 do petróleo extraído aqui é do pré-sal. Um óleo leve, apropriado HOJE para as nossas refinarias, que foram projetadas originalmente para processar óleo leve importado, mas que depois foram adaptadas para processarem um blend com o petróleo do tipo mais pesado que foi sendo descoberto na Bacia de Campos; a extração desse óleo, de característica médio/pesada, foi desenvolvida ao longo dos anos 70/80/90 e 2000 em outras Bacias, mas majoritariamente ainda na de Campos.
Nesse período, a questão da continuação da importação de PETRÓLEO, era fazer o blend com esse petróleo nacional mais pesado que era produzido possibilitando mínimas adaptações necessárias então para refinar esse blend e produzirmos os derivados de consumo nacional. Nada a ver ainda com a importação de gasolina e diesel, necessária em altíssimos volumes anos depois devido claro nossa capacidade de refino de petróleo já não atender a demanda nacional. Com a produção marítima crescente desse PETRÓLEO, só fez diminuir a dependência do petróleo externo.

A realidade mudou. Faz um tempo já.
Atualmente, com o pré-sal, cujo petróleo extraído possui característica leve e apropriada para o nosso parque de refino mesmo não sendo um petróleo árabe, ainda importamos por questão estratégica de exportação, mas muito pouco. Estamos ainda discutindo essa autossuficiência de PETRÓLEO, por razões estratégicas como dito.
Por que?
Um pouco mais da metade do petróleo processado em nosso parque de refino já provém do pré-sal. A outra metade continua sendo composta majoritariamente do óleo mais pesado já produzido aqui antes do desenvolvimento do pré-sal como dito anteriormente, e uma agora pequena parcela de petróleo leve que ainda importamos como dito, ao redor de 5%, ou seja um refino quase 100% nacional. Todo ano os números variam. Tem-se agora a informação que o pré-sal já responde por 3/4 na parcela do refino. A Petrobras aos poucos vai se desfazendo dos ativos mais antigos.
Mas se somos autossuficientes em petróleo então por que não todo o ótimo óleo do pré-sal é inteiramente aproveitado, todo o óleo mais pesado dos ativos antigos exportado como excedente, e continuamos ainda nessa história de blend?
Aí entra fatores econômicos, é vantajoso exportar o petróleo do pré-sal, pois além da diminuição dos custos de extração no pré-sal (e ainda um óleo surgente com baixíssimo teor de água e sedimentos, com poucos poços tendo que injetar um pouco de gás para facilitar na extração) este óleo possibilita melhor valor agregado após o refino e por isso é mais valorizado, e com o real depreciado no câmbio aí não tem jeito, vão querer exportar uma boa parte desse óleo utilizando a outra para o blend nacional, portanto estrategicamente é mais negócio desenvolver mais campos no pré-sal e vender ativos mais antigos à medida que alcançam alta maturidade e alto custo operacional para tratar um óleo pesado cheio de correntes de água e sedimentos e com ampla necessidade de planos de recuperação dos poços para extrair esse óleo. Hoje o preço do barril pode estar compensando mas a Petrobras tem que se endividar com novos e mais interessantes projetos: pré-sal e outras bacias/campos novos. Portanto não há nenhum problema com as nossas refinarias em processar todo o óleo do pré-sal se fosse o caso. As ditas adaptações são apenas questões técnicas de acerto da operação das refinarias no processamento de um blend.

Mas fundamentalmente não é esse nosso problema, o problema de quem quer produzir e refinar tudo com eficiência e sem dependência externa.

Nosso parque de refino não atende nossa demanda pelos principais derivados de consumo do petróleo (gasolina e diesel). Já por conta disso precisamos importar esses derivados. E muito.
Estima-se que essa importação até recentemente respondia por 20% do consumo. Já é muita coisa. Hoje não sabemos ao certo, os dados oficiais demoram muito a aparecer. Já tem dados infornando que estamos importando metade do consumo, acho que isso é temporário devido a parada de manutenção de alguns ativos. Os textos divulgados pela Internet dizem muita bobagem, misturam alhos com bugalhos, em especial um do UOL que tomou uma leve "chamada" da Petrobras (UOL é confiável ou oficial agora??) por isso fiz questão da caixa alta em alguns pontos em questão. É necessário muita cautela nas pesquisas, e infelizmente há muitos interesses políticos em jogo que fazem a fonte oficial da PETROBRAS, o portal Fatos e Dados (agora tem o portal Informa Petrobras), demorar muito para atualizar seus dados, chega a ser piada a Petrobras alegar que está sendo transparente num videozinho de animação onde não fornece dados concretos. Por que? E quiçá o portal da ANP ou a ABIC...

Agora sim fechando, fica justificado porque o emprego do PPI para a correção dos preços. Companheiros meu não entendem, ou ignoram convenientemente ao sabor de seu lado político (leia-se orientação militante), que devido a falta de investimentos majoritariamente externos (pois estamos quebrados, o resto é discurso ideológico), há a necessidade de players importadores complementando o abastecimento nacional de DERIVADOS, e se os importadores pagam o preço do mercado externo para isto, a própria Petrobras se (conseguir ou forçada a) vender mais barato aqui vai injustificar essas importações. Uma realidade bem diferente de 10 anos atrás. A quebradeira será lenta, mas vai ocorrer nas distribuidoras concorrentes. Resultado final: desabastecimento em algumas regiões, das mais afastadas do país, e eu vou um pouco mais além:
até onde se sabe, o tal combustível "completão", na verdade só álcool mesmo, responde ao equivalente por cerca de meio milhão de barris por dia entre os tipos hidratado (combustível) e anidro (misturado à gasolina). O consumo nacional de combustíveis para o ciclo Otto (gasolina e álcool) ainda não bateu 1 milhão de barris por dia, está perto. Porém o consumo nacional dos derivados de petróleo (aí entram a gasolina, o diesel, aviação, lubrificantes) chega a 2,5 milhões de barris por dia! Ou seja, etanolzinho não "completa" a frota de automóveis. Parque de refino nacional não dá conta (refina só 2 milhões de barris por dia de derivados do petróleo). Produzimos hoje 3 milhões de barris por dia de petróleo. Agora ficou mais fácil entender por que exportamos petróleo e majoritariamente o tipo. E exportamos muito, redor de 1 milhão de barris por dia! E porque importamos MUITA gasolina e diesel.


"A guerra é uma parte do software humano, da parte que diz respeito a sobrevivencia,defesa e ataque ,diputa alimentar ,deterritório e segurança.Os jogos vieram para substituir guerras e ainda mesmo assim não resolveu totalmente."

Software humano? Difícil. Talvez fosse assim durante a época das tribos nômades, mas isso foi mudando bastante tão logo às civilizações começaram á se desenvolver e às atividades comerciais começaram á se intensificar, inutilizando assim cada vez mais os saques diretos que anteriormente davam bastante lucro para os governantes e o exército, já que a real riqueza só pode ser alcançada por produção, e maior produção significa maiores tributos.

Por isso impérios como o Romano começaram á surgir, ao qual concentravam muita renda tributária nas mãos do povo governante, que no caso era o povo romano, e concentravam dinheiro, principalmente, na mão dos burocratas e generais romanos, que ficavam com a maior fatia dos espólios.

Guerra por proteção também é papo de muitos milênios atrás, na era das tribos, quando saques eram corriqueiros. Á maioria das guerras nos últimos dois milênios de desenvolveram por meio de ambições de oligarcas e governantes, que tentavam tomar o direito de governar determinado povo das mãos de outro governante. Mas para haver qualquer guerra, necessitava haver uma "justa causa", e é por isso que grande parte dessas guerras foram de familiares contra familiares, que justificavam ter o direito de tomar a terra de outro familiar das mais diversas maneiras.

Além do mais, não foi os jogos que substituíram a guerra, mas sim a necessidade de manter uma sociedade desenvolvida e produtiva (quê poderá assim ser saqueada gradualmente por meio dos impostos), que levou os governantes á parar com suas ambições territoriais.


Paulo, a gente poderia ver algo mais próximo nos EUA, que quando o petróleo cai, mesmo que pouco, a gasolina cai também nos postos. Não sei se acontece onde vocês moram, mas aqui o álcool cai e sobe o preço nas bombas.

Suspeito que isso tenha ocorrido depois daquela lei que liberou a venda direta de álcool para os postos (e demais coisas, como a possibilidade de mais pessoas poderem vender combustíveis, além do delivery), além de o Bolsonaro ter zerado (temporariamente, infelizmente) as tarifas de importação sobre o álcool.

Imagina se o setor varejista de combustíveis fosse ainda mais livre, como acontece com as academias de musculação. Existe uma agência reguladora de musculação? Um ministério disso?


Respondido no artigo. O argumento do Fed atual é que, se o Fed da época houvesse feito um programa de "afrouxamento quantitativo" — isto é, se ele saísse imprimindo dinheiro —, não teria havido a Grande Depressão.

Tal argumento é imaterial, pois o que realmente gerou e intensificou a Grande Depressão foram os elementos narrados no artigo: controle de preços, controle de salários, aumento brutal de impostos, arregimentação sindical, aumento de gastos (o que elevou a participação do estado na economia) e, acima de tudo, um inaudito aumento nas tarifas de importação, as quais chegaram ao maior nível da história e se degeneraram em uma profunda guerra comercial em nível mundial.

Em um cenário assim, imprimir dinheiro simplesmente intensificaria ainda mais o problema, pois aí seria depressão com carestia.


A guerra é uma parte do software humano, da parte que diz respeito a sobrevivencia,defesa e ataque ,diputa alimentar ,deterritório e segurança.Os jogos vieram para substituir guerras e ainda mesmo assim não resolveu totalmente.



falam que Lula queria fazer um a cerimonia de "queima de livros" que ele falava que se tivesse lido muitos livrosnão teria sido preidente.

Ainda bem não deixaram.


Um cara no YouTube disse que o próprio FED reconheceu que o problema da Grande Depressão foi a falta de intervenção. E aí ele me mandou este link: www.federalreservehistory.org/essays/great-depression. O que a tropa acha a respeito?


Se o preço do petróleo é cotado internacionalmente, eu duvido muito que mais concorrência na extração e refino no setor aqui no Brasil iria baixar o preço. Mais concorrência internacional sim poderia faze-lo, ao diminuir a força do cartel OPEP.

Não faria sentido nenhum uma petrolífera privada reduzir o preço no mercado nacional abaixo do internacional, e deixar de vender lá fora..

Poderia, sim, ao ser privatizada, evitar que políticos façam populismo congelando preços, dilapidando o capital da empresa. Mas não creio que os preços seriam menores do que o praticado hoje.

Os vilões são os impostos e cambio. Privatizações não fariam milagre, na verdade, como a petrobras nesse momento esta vendendo abaixo da cotação internacional, os preços poderiam até subir


Aqui:

mobile.twitter.com/supermarcio_1/status/1529568563928907777

Votaram pela retirada da pauta. Perderam. E ainda passaram calor nas redes sociais. Aí focaram mais maninhos e agitam votaram a favor do teto de 17%.

Menos mal. Mas é impressionante que o sedizente "partido mais liberal do Brasil" tenha cogitado retirar essa votação da pauta.


A questão é que o Eike e os demais exploradores de petróleo nunca vingariam, com a burocracia e a concorrência contra a Petrobras protegida.

A empresa do Eike precisaria investir em tecnogia própria pra explorar o tipo do petróleo que ele tinha em mãos. Pra isso tem que ter capitalismo. Guardar os lucros. Menos impostos.

Com isso a exploração dele compensaria.

O Brasil tem esse petóleo pesado que tem que exportar, pois não tem tecnolia para refinar. Sem burocracia, o caminho capitalista seria investir no desenvolvimento da tecnologia, que só viria em anos. Por isso o monopólio da Petrobras e a falta de desestatização do setor prejudicam. E essa empresa e o mercado todo ja podiam ter sido desestatizados há uns 24 anos.

Já teria dado pras empresas livres desenvolverem tecnologia própria para cada caso particular.



Étienne de la Boétie não soube responder as suas perguntas, nem Marx soube, achava que o poder era prestidigitação. Mas a Base Material, em outras palavras justificativa, ou funcionalidade, do poder é a guerra, melhor dizendo guerra pela paz ou proteção. Justamente devido ao estado de guerra na natureza, que se manteve na civilização, é que nossos antepassados pactuaram e se submeteram ao poder, inicialmente um especialista em guerras. As guerras validaram o poder. Nossos antepassados ñ eram idiotas, ao contrario, inventaram a civilização. Hoje as guerras se tornam inviáveis, o mundo é global e ameaça tem-se dissipado entre povos que se irmanizam. Mas, ao mesmo tempo que no sec 18 se pedia limites ao poder se pedia serviços e hoje ele se valida dizendo garantir direitos como saude, escola, etc os quais ele degenerou. Mas ainda esta ai, coagindo. A censura ao poder se iniciou com a Carta Magna nos anos 1215, passou pelo menos por Maquiavel, Hobbes, locke, Rosseau se teve um gde salto com a democracia como limite ao poder no sec 18. Agora estamos iniciando a negação do poder. Seja que o poder de uns não faz a ordem para os demais. A base material dessa transformação esta se firmando.


Incrivel q as fortes discussões sobre homeschooling tiveram como ponto de partida os grupos mais conservadores religiosos, e nem foi por questões pedagógicas ou de conteudo. Assim como acontece com as discussões de genero. E eu me alinho com eles, eles por suas razões e eu pelas minhas.


Tem-se que acabar como o monopolio de mercado das universidades via diploma, que ñ é certificado de saber porque universidades informam não formam.


De fato a humanidade educou seus filhos em casa, principalmente para o trabalho, para sobrevivência, e a casa era o centro. Mas, algo mudou. A casa não e mais o trabalho. Boa parcela das pessoas trabalham em empresas. Então se fossemos prolongar o modelo familiar eu entendo q em casa se possa alfabetizar. Mas, o prolongamento dessa formação deve ser feita em empresas em programas de trainee. Empresas oferecem no todo a pluralidade de trabalho. Lembro ainda o Relatorio J Coleman em q ele afirma q quem faz a escola e o nível sócio econômico cultural dos pais. Portanto, ao inverso do q se prega, resultado da ideologia de dominação estatal, a família faz a escola e não o inverso. Essa liberação dos jovens a partir do 11 anos para o treinamento e trabalho e fundamental em pais sub desenvolvido do os jovens a partir dos 11 anos deve tratar da sobrevivencia, senão antes.


Aluno estuda em casa lendo livros e consultando tudo que quiser na internet: "que horror! que atraso! não pode!"

Aluno estuda em casa assistindo videos produzidos pela universidade pública: "EAD é o futuro! evolução tecnológica!"


Você teria o link para eu ver?

Vai ter algum tipo de compensação por causa disso? Porque está previsto de o governo federal cobrir essas perdas aos governos estaduais. Será que vai interferir em algo?

De todo modo, esse ICMS de combustíveis é uma verdadeira safadeza.


Governadores estão pondo no # do povo.

ICMS 30/35% em combustíveis é a maior aberração tributária do MUNDO.

Qualquer número acima de 10% = Exploração.

O mundo está em GUERRA.

Tem que cortar isto imediatamente!


Todos os deputados do Partido Novo votaram agora pela RETIRADA DE PAUTA do projeto que diminuirá impostos (ICMS) sobre bens essenciais.

Daqui a pouco aparece o Marcel, Paulo Ganime e cia com belas explicações para terem votado MAIS UMA VEZ junto ao PT, PCdoB e PSOL.

Aceitem. Fora Bolsonaro, SÓ TEM CANHOTO! E só tem fdp.


É uma pena que a petroleira de Eike Batista tenha ido a falência devido aos maus negócios e decisões erradas tomadas por ele, se a OGX tivesse prosperado a Petrobras teria uma concorrente de peso no mercado.
No estado do Amazonas tem uma grande bacia de petróleo, se a OGX existisse o Eike poderia extrair e refinar aqui a um custo menor do que a Petrobras está tendo para extrair óleo do Pré-Sal (extrair de águas ultraprofundas é caro). Se isso fosse feito até a Petrobras seria obrigada a baixar preços para não perder mercado mas no fim a OGX não vingou pelos erros do seu ex-dono.
O que está faltando no mercado é uma ou mais empresas com foco no mercado nacional de extração e refino do país e como já falei não existe só o Pré Sal, tem bacias de petróleo on-shore também. Somos mais de 200 milhões de pessoas, o maior mercado da América Latina e precisamos é de segurança energética e diminuir as importações para focar na capacidade de produção e refino nacional. Por enquanto não vejo nenhum dos poucos bilionários daqui interessados no nosso mercado, só queria entender por que.
De quê adianta o monopólio da Petrobras ter acabado se com isso não se multiplicaram as refinarias e a oferta de petróleo nacional não aumentou?


Se toca galera, alguém aqui é otimista? serio?

Sabe o mais absurdo? A inflação aumenta a arrecadação do estado, 5 reais o litro de 25% de ICMS é mais do que 25% de 4 reais o litro. O estado ganha, arrecada mais com a inflação. É um jogo perfeito, eu acabo com a moeda e arrecado mais. Mantenho todas as aliquotas e ai faço a farra e me reelejo.

A democracia democrata atual é um arranjo perfeito pra quem mama, é impossível acabar com ela principalmente em sociedades como a nossa que adora um papai estado.



"O Ciro diz em revogar o PPI, como seria o arranjo revogando o PPI? A petrobras vende mais barato do que importa?"

Sim.

"Eai abate como a diferença?"

Com o patrimônio da empresa. Exatamente como Dilma fez.

À época, o governo obrigou a Petrobras a vender para as distribuidoras gasolina e diesel abaixo do preço pelo qual foram importados. 

A empresa, que é estatal, teve de queimar seu patrimônio para manter esta política. Na prática, a empresa pagava para produzir. Ela se endividava apenas para continuar queimando caixa.

Obviamente, ela só fez isso porque era estatal. Nenhuma empresa normal poderia se dar a este luxo.

Como consequência, o preço de suas ações, que havia chegado a R$ 44 em 2008, caiu para R$ 4 ao fim de 2015.

No total, a estatal teve um prejuízo de R$ 70 bilhões. E este prejuízo se deveu exclusivamente ao fato de ter sido obrigada a produzir com preços congelados. Petrolão e outras mutretas não entram na conta.

A coisa foi tão escabrosa que até mesmo Lula veio a público reconhecer o erro, algo totalmente atípico:

Governo se equivocou ao congelar preço gasolina, diz Lula

Ciro quer fazer exatamente o mesmo.


P.S.: pergunta retórica, mas pertinente: se controlar o preço da gasolina e do diesel fosse realmente tão fácil e tranquilo quanto Ciro afirma, você realmente acredita que nenhum político já estaria fazendo isso? Qual político resistiria a um populismo inócuo assim? Você realmente acha que o atual governo "colocou" o preço lá em cima apenas por maldade? Preferem perder a eleição em vez de apenas praticar este "populismo sem consequências ruins" defendido por Ciro?


Obrigado pelas respostas, tenho algumas perguntas

O ciro diz em revogar o PPI, como seria o arranjo revogando o PPI?
A petrobras vende mais barato do que importa? Eai abate como a diferença?
Afinal como vocês falaram, ela ja faz isso né


É incrivel cara como o cara é profissional na politica, ele da ideias completamente impraticáveis, matematicamente impossiveis mas a ignorancia do povao deixa passar