Mises Brasil Instituto Ludwig von Mises Brasil
http://www.mises.org.br


Trabalho e emprego
por Leandro Roque, quarta-feira, 7 de outubro de 2009

"Tá faltando emprego!"

Essa sempre foi uma exclamativa muito frequente no Brasil.  Curiosamente, uma outra exclamativa - que aparentemente denota o oposto desta - também sempre se manteve válida, independente da época:

"Tá sobrando trabalho a ser feito!"

Pare pra pensar: vivemos em um mundo de escassez.  Nenhum bem ou serviço surge pronto do nada.  Todos eles precisam ser criados e trabalhados.  Um carro não surge do nada.  É preciso trabalhar o aço, o alumínio, a borracha e o plástico que vão formá-lo.  E esses quatro componentes também não surgem do nada.  Eles precisam ser extraídos da natureza e/ou fabricados.  O mesmo é válido para todos os outros bens de consumo que você possa imaginar, de laptops a aviões, passando por parafusos, palitos de dente e fio dental.  Todos precisam ser trabalhados.

Da mesma forma, o fato de você estar com fome não vai fazer com que uma pizza surja pronta na sua frente.  Alguém precisa trabalhar para fazê-la.  E os ingredientes utilizados na fabricação dessa pizza, por sua vez, também não surgiram do nada.  Todos eles precisaram ser fabricados e/ou plantados e colhidos.

Ou seja: não vivemos na abundância.  As coisas não existem fartamente à nossa disposição.  Todas elas precisam ser trabalhadas.  Sendo assim, sempre haverá, em todo e qualquer lugar, algum trabalho a ser feito.  Seja na fabricação de um bem de consumo, seja na prestação de algum serviço - nem que seja a limpeza de uma janela, a troca de uma lâmpada ou a limpeza de algum banheiro.

Donde chegamos ao ponto principal: por que há escassez de emprego se há uma infinidade de trabalho a ser feito?

Ora, esse descompasso só pode ser causado por algum tipo de interferência no mercado - isto é, na arena onde a demanda por bens e serviços e a oferta de mão-de-obra para executá-los se equilibram.

Quando os austríacos dizem que num livre mercado genuíno não haveria desemprego, eles estão se baseando justamente no fato de que vivemos em um mundo de escassez onde sempre há algum trabalho a ser feito.

Por exemplo, num mercado totalmente desregulado, você acharia facilmente alguém disposto a lhe pagar - sem medo da justiça trabalhista - para trocar uma lâmpada ou limpar uma janela diariamente.  Porém, a nossa realidade é outra: você não tem nem a opção de varrer o chão do McDonald's de graça, pois o gerente morreria de medo de você entrar na Justiça do Trabalho contra ele.

São exatamente as regulamentações que o estado impõe ao mercado de trabalho - encargos sociais (INSS, FGTS normal, FGTS/Rescisão, PIS/PASEP, salário-educação, Sistema S) e trabalhistas (13º salário, adicional de remuneração, adicional de férias, ausência remunerada, férias, licenças, repouso remunerado e feriado, rescisão contratual, vale transporte, indenização por tempo de serviço e outros benefícios), além do salário mínimo - que provocam esse descasamento entre demanda por trabalho e oferta de mão-de-obra.

O que é mais curioso: como dito, a demanda por trabalho é infinita e a oferta de mão-de-obra é limitada.  Em tal cenário, seria de se esperar um pleno emprego.

Porém, as intervenções governamentais conseguem a proeza de inverter as coisas: a demanda por trabalho, antes infinita, passa a ser mais limitada que a oferta de mão-de-obra - donde surge o desemprego.

E essas intervenções governamentais não apenas geram o desemprego, como também engessam os salários do setor privado.  Afinal, é ele quem tem de sustentar o balofo setor público.  Como tal tarefa exige um confisco maciço de recursos, sobra pouco para ser aproveitado em melhorias salariais.  Enquanto esse gargalo não for resolvido (o setor privado sustentando um setor público guloso), falar em educação como único meio de gerar melhorias salariais beira o cômico.

Como mostramos em nosso boletim da economia brasileira (no item rendimentos), mesmo o ano de 2008 tendo sido considerado o de maior crescimento econômico dos últimos 20 anos, os salários do setor privado ficaram praticamente estagnados - ao passo que os do setor público seguiram crescendo.

Sem corte de gastos, não será possível um corte de impostos.  E sem corte de impostos, não haverá aumento expressivo da renda.  Não há educação que resolva isso.