Mises Brasil Instituto Ludwig von Mises Brasil
http://www.mises.org.br


Aviso ao Ciro Guedes: uma moeda desvalorizada é um ataque direto ao padrão de vida da população
por Anthony P. Geller, sexta-feira, 14 de fevereiro de 2020

Quem poderia imaginar que Ciro Gomes assumiria o comando da economia? Pois foi o que ocorreu. A atual política cambial defendida por Paulo Guedes (e chancelada pelo Banco Central) é uma cópia esculpida em carrara daquela que sempre foi defendida por Ciro (confira dois exemplos aqui e aqui).

Guedes passou até a falar abertamente em substituição de importações, algo que remete a Luiz Carlos Bresser-Pereira.

Não é à toa que o pedetista já até deu uma amaciada, e passou a elogiar abertamente alguns pontos da atual política econômica. Por uma questão de justiça, Ciro deveria até ganhar algum cargo na área econômica do governo, em homenagem ao fato de algumas de suas ideias estarem sendo desavergonhadamente copiadas.

Gracejos à parte, não, o fato é que, ao contrário do que defendem Paulo Guedes e Ciro Gomes, uma moeda desvalorizada definitivamente não traz nada de positivo para a população. E encarecer viagens para a Disney é o menor dos problemas.

A ideia corrente entre economistas desenvolvimentistas, keynesianos e chicaguistas é que muitas agruras econômicas de um país podem ser rapidamente resolvidas por uma simples desvalorização da moeda (ou seja, um encarecimento da taxa de câmbio). Ao se desvalorizar a moeda, dizem eles, as exportações são estimuladas e, liderada por um aumento nas exportações, a indústria volta a produzir e, por conseguinte, toda a economia volta a crescer.

Ainda segundo os defensores da desvalorização, uma moeda depreciada permite aos exportadores reduzirem os preços de suas mercadorias no mercado internacional — o que os ajuda a abocanhar novas fatias de mercado — ao mesmo tempo em que suas receitas e seus lucros também aumentam.  E isso traria ramificações positivas para a economia doméstica.

O problema, obviamente, é que este raciocínio olha apenas um lado da equação e ignora absolutamente todo o resto da economia. Ele olha apenas para os efeitos diretos, mas ignora totalmente todos os outros efeitos indiretos.

Consequências não-premeditadas

Um exemplo simples ajuda a entender o real problema. Suponha que a taxa de câmbio do país seja de 1 real para 1 dólar, e que os exportadores estejam vendendo seus produtos por US$ 100 no mercado americano. Nesse caso, os US$ 100 se convertem em R$ 100 de receita. Suponha também que os custos de produção foram de R$ 80. Logo, o lucro é de R$ 20 por produto exportado.

Suponha agora que o real se deprecie acentuadamente, de modo que a nova taxa de câmbio passe a ser de R$ 1,50 por dólar (isso foi exatamente o que ocorreu no início de 1999, em total prejuízo da esmagadora maioria da população brasileira).

Logo de imediato, o exportador pode reduzir seu preço no mercado internacional para US$ 66,66 e ainda assim manter a mesma receita em reais. Ele de fato ganhou uma vantagem competitiva sobre seus rivais estrangeiros, gerando benefícios para o setor industrial doméstico.

O problema é que a análise keynesiana/desenvolvimentista/chicaguista pára por aí e já dá o argumento por encerrado. Só que, infelizmente, o mundo real é um pouco mais complicado do que uma análise rápida e simplista.

A primeira grande encrenca é que, no mundo globalizado em que vivemos, vários exportadores são também grandes importadores. Para fabricar, com qualidade, seus bens exportáveis, eles necessitam de importar máquinas e matérias-primas de várias partes do mundo. Uma mineradora e uma siderúrgica têm de utilizar maquinário de ponta para fazer seus serviços. E elas também têm de comprar, continuamente, peças de reposição. O mesmo vale para a indústria automotiva. Segundo o presidente da GM, a fabricante irá reajustar preços exatamente por causa do aumento nos custos de produção causados pelo dólar mais caro. Novidade nenhuma. Vale acrescentar que a fabricante também é prejudicada pela redução da oferta de aço no mercado interno, dado que agora mais aço tende a estar sendo exportado. 

Se a desvalorização da moeda fizer com que os custos de produção aumentem de R$ 80 para R$ 120 (aumento de 50%), o exportador do nosso exemplo anterior não mais poderá reduzir seu preço em dólar. Consequentemente, ele não irá ganhar vantagem competitiva no mercado internacional.

É claro que nem todos os custos de produção são afetados pela desvalorização da moeda, pois nem todos os componentes utilizados no processo produtivo são importados. No entanto, esse exemplo mostra como a desvalorização da moeda não irá necessariamente ajudar os exportadores no longo prazo.

Adicionalmente, se os exportadores de um país têm de recorrer continuamente ao mercado internacional para comprar maquinários e peças de reposição, e se os maquinários e as peças de reposição são demandados globalmente pelos exportadores de todos os outros países, então aqueles que tiverem uma moeda forte estarão em grande vantagem, pois poderão comprar tudo mais barato. Seu custo de produção será menor.  

E isso é algo que tem de ser continuamente enfatizado: uma moeda forte ajuda as indústrias mais competentes. Qualquer indústria exportadora tem também de importar máquinas e bens de capital de qualidade, além de peças de reposição, para produzir seus bens exportáveis (pergunte isso a qualquer mineradora ou siderúrgica).  Se isso puder ser feito a um custo baixo (permitido por uma moeda forte), tanto melhor. Uma moeda forte permite que as indústrias comprem bens de capital, máquinas e equipamentos de qualidade a preços baixos.  Isso as deixa mais produtivas, aumenta a qualidade dos seus produtos, e faz com que eles sejam mais demandados lá fora.

Nenhum país que tem moeda fraca e inflação alta produz bens de qualidade que são altamente demandados pelo comércio mundial. Todos os bens de qualidade são produzidos em países com inflação baixa e moeda forte.  Apenas olhe a qualidade dos produtos alemães, suíços, japoneses, americanos, coreanos, canadenses, cingapurianos etc.

Se moeda forte fosse empecilho para a indústria, todos esses países seriam hoje terra arrasada.  No entanto, são nações fortemente exportadoras.  Moeda forte e muita exportação.

Trabalhadores não se beneficiam com a desvalorização

Passando agora para o cidadão comum, a desvalorização da moeda só traz malefícios, pois ela gera carestia em praticamente todos os bens do mercado interno. Até mesmo os preços de coisas básicas como remédio, pão, carne e combustíveis encarecem em decorrência de uma alta do dólar.

A química fina dos remédios é toda importada; o trigo é uma commodity precificada em dólar; se o dólar encarece, o preço do trigo sobe, e leva junto o pão, a pizza, a macarronada, a cerveja a e todo o resto. 

O mesmo raciocínio se aplica às carnes. De um lado, a desvalorização tende a aumentar as exportações, o que reduz a oferta interna e aumenta os preços (vimos isso em novembro de 2019); de outro, encarece o preço dos insumos, como milho e soja (que são commodities precificadas em dólar; se o real se desvaloriza perante o dólar, o preço dessas commodities em reais aumenta). E, dado que milho e soja são utilizados como ração para a suinocultura, seu encarecimento afeta todo o custo de produção. 

E, obviamente, temos os combustíveis. O petróleo é uma commodity transacionada em dólar no mercado internacional. Se o dólar encarece, o petróleo encarece. Há mais exportações (o que reduz a oferta no mercado interno) e as importações ficam mais caras. 

Portanto, além de encarecer alimentos, remédios, e todos os importados (de eletroeletrônicos e utensílios domésticos a roupas e mobiliários), a desvalorização cambial também encarece os preços dos combustíveis e, consequentemente, dos fretes terrestres (diesel é petróleo e petróleo é cotado em dólar), das passagens aéreas (querosene é petróleo), das passagens de ônibus, e até mesmos os preços dos alugueis e das tarifas de energia elétrica (ambos são reajustados pelo IGP-M, índice esse que mensura commodities e matérias-primas, ambas sensíveis ao dólar). 

Entretanto, é verdade que se todo esse aumento do custo de vida doméstico não fizer com que os trabalhadores exijam reajuste salarial, então de fato os exportadores — aqueles que não possuem muitos maquinários importados em sua linha de produção — realmente irão se beneficiar com uma desvalorização cambial. Mas, vale ressaltar, o ganho dos exportadores ocorreu em detrimento da redução do poder de compra, em termos reais, dos trabalhadores.

Por outro lado, se os trabalhadores exigirem um reajuste salarial de modo a restaurar seu poder de compra, então os ganhos dos exportadores serão anulados. A depreciação cambial terá criado um ganho apenas temporário para os exportadores, mas terá gerado uma carestia permanente para todo o restante da população.

No fim, uma política de moeda desvalorizada é, na realidade, uma mera política de transferência de renda dos trabalhadores — classe média e pobres — para os ricos empresários do setor exportador. O cidadão comum não ganha absolutamente nada com a desvalorização de sua moeda — só perde — ao passo que os grandes industriais podem ganhar, e muito, se seus empregados não exigirem reajustes salariais.

Desvalorização cambial é apenas mais um exemplo de governo e Banco Central agindo como um Robin Hood às avessas, tomando de quem não tem para dar a quem tem.

Você trabalha para consumir, mas o governo proíbe

O objetivo final do trabalho e da produção é o consumo. As pessoas acordam cedo e vão trabalhar todos os dias com o intuito de auferir uma renda, a qual utilizarão para obter bens e serviços. Ou seja, elas trabalham e produzem para poder obter coisas em retorno. Nosso trabalho e nossa produção são a expressão de um desejo de "importar" bens e serviços, seja do vizinho ao lado ou de algum produtor a milhares de quilômetros de distância.

Quando a moeda é desvalorizada, o governo está simplesmente elevando os custos de se trabalhar e produzir, afetando o padrão de vida da população. A consequência inevitável é que uma minoria é protegida e uma esmagadora maioria é prejudicada, pois seu poder de compra foi atacado e, consequentemente, seu padrão de vida foi restringido.

É tautologicamente impossível desvalorizações da moeda aumentarem o padrão de vida de uma economia, pois, por definição, obrigar a população a utilizar uma moeda com menor poder de compra e a pagar mais caro por bens nacionais de pior qualidade não são medidas que possam elevar a qualidade de vida de uma população. Questão de lógica básica.

Pior: por reduzirem a renda disponível da população — que agora tem de pagar mais caro pelos produtos nacionais —, desvalorizações comprovadamente reduzem investimentos e, consequentemente, a geração de empregos. Não há mágica.

Todos os outros agentes econômicos são afetados por uma política de desvalorização cambial. Os consumidores terão de lidar com preços maiores em praticamente todos os produtos, desde gêneros alimentícios e transportes até móveis (que são fabricados com commodities transacionadas em dólar), utensílios domésticos (desde panelas de aço a aparelhos eletroeletrônicos). 

E os empreendedores que utilizam produtos importados — uma simples firma que utiliza computadores e precisa continuamente comprar peças de reposição — vivenciarão um grande aumento de custos.

Para concluir

Por fim, quanto ao argumento de uma valorização cambial seria ruim para os exportadores, há dois pontos:

1) Como dito, qualquer indústria exportadora tem também de importar máquinas e bens de capital de qualidade, além de peças de reposição, para produzir seus bens exportáveis. Se isso puder ser feito a um custo baixo (permitido por uma moeda forte), tanto melhor. Uma moeda forte permite que as indústrias comprem bens de capital, máquinas e equipamentos de qualidade a preços baixos.  Isso as deixaria mais produtivas, aumentaria a qualidade dos seus produtos, e faria com que eles fossem mais demandados lá fora.

2) Os exportadores têm hoje à sua disposição uma variedade de produtos financeiros criados justamente para protegê-los (fazer hedge) contra variações na taxa de câmbio. Swaps permitem que eles até mesmo se protejam de variações cambiais em um período de um ano.

(No entanto, talvez a maior desgraça de uma moeda fraca é que ela afasta o crucial investimento estrangeiro, mantendo a economia estagnada e atrasada. Confira todos os detalhes de por que isso ocorre aqui.)

Moeda desvalorizada não apenas não traz pujança a um país, como ainda é sinal de debilidade econômica e de empobrecimento. Não é à toa que não há nenhum país que tenha prosperado destruindo sua moeda. Não há um mísero exemplo prático disso.

________________________________________

Leia também:

O investimento estrangeiro só virá quando a moeda for estável – historicamente, não é o nosso caso

A empiria comprova a boa teoria: desvalorizar o câmbio piora a economia e reduz as exportações

Quem ganha a guerra cambial? Isso é o de menos. O que é garantido é que você perde