Mises Brasil Instituto Ludwig von Mises Brasil
http://www.mises.org.br


Trump, o câmbio e a volta da guerra fria
por Helio Beltrão, sábado, 24 de agosto de 2019

O dólar voltou a ultrapassar os R$ 4,00 e o Brasil é mais uma vez um minúsculo Chihuahua atordoado em meio a uma briga de cachorro grande. A preocupação dos mercados internacionais é de que a guerra comercial que já dura dois anos entre China e EUA descambe para uma desestabilizadora guerra cambial. 

A ascendência econômica da China inquieta os americanos, que têm reagido de forma intempestiva. Desde 1979, a economia chinesa cresceu a uma taxa de quase 10% ao ano no decorrer da expansão sustentável mais vertiginosa de um país em toda a história, que tirou 800 milhões de chineses da pobreza ao se abandonarem as políticas econômicas socialistas. Em dólares nominais, a economia da China pode superar a dos EUA em menos de 20 anos. 

As reações desastradas dos EUA têm sido inspiradas por um mercantilismo atávico do século XVIII. Trump imprimiu um populismo protecionista e desistiu da longa política de dólar forte. Considera equivocadamente que o déficit comercial com a China é tóxico e que as tarifas de importação sobre produtos chineses são mais prejudiciais à China do que aos americanos que pagam mais caro por tais produtos. Seu protecionismo é sádico, mas sofre como masoquista.

intensificação da guerra comercial por Trump via o anúncio de tarifas adicionais gerou pressão para a moeda chinesa se depreciar. Recentemente, rompeu-se o nível psicologicamente relevante de 7 Yuan por dólar

Desgraçadamente, o governo americano interpretou a esperada depreciação como uma manobra deliberada e oficialmente decretou o país como manipulador de taxa de câmbio, o primeiro caso desde 1994. 

Se há alguma manipulação, é o oposto do que se imagina: o banco central chinês tem torrado reservas para sustentar artificialmente a moeda, ou seja, haveria desvalorização ainda maior caso não interviesse. 

Até agora a disputa cambial tem sido uma "guerra fria" na qual os principais bancos centrais se eximem de intervir diretamente nos mercados de moedas como na guerra convencional.  Mas, como não querem que sua moeda permaneça forte, alternativamente promovem corte de juros, injeção forçosa de dinheiro novo, juros negativos, e tweets beligerantes

Há um precedente para uma eventual guerra cambial. Após décadas de crescimento, o Japão do início da década de 1980 era a potência ascendente que superaria os EUA até o ano 2000, previa-se. Como hoje, o dólar estava forte, e havia um grande déficit comercial. Em 1985, no Acordo do Plaza, os EUA convenceram seus parceiros do G-5 a intervir nos mercados para desvalorizar o dólar frente ao Yen.  

A estratégia logrou desvalorizar o dólar em 40%, mas não corrigiu o estrutural déficit comercial com o Japão. Com sua moeda fortalecida, os conglomerados japoneses passaram a comprar tudo nos EUA, de siderúrgicas ao Rockefeller Center, gerando um pânico irracional. O dólar seguiu desvalorizando mesmo após cessarem as intervenções. Assustados e desejosos de conter a queda do dólar, os EUA costuraram um novo acordo de intervenções em 1987, o Louvre, que fracassou: o dólar continuou desvalorizando, e produziu-se o "crash" da bolsa na segunda-feira negra em outubro de 1987. 

Durante os últimos 20 séculos, as maiores economias do mundo foram China e Índia, exceto nos últimos dois séculos XIX e XX, devido à ascensão do capitalismo no Ocidente. Com a chegada da economia de mercado ao Oriente, o século XXI representa apenas a volta à normalidade, com o retorno da populosa Ásia à liderança.  

Reagir irracionalmente ao inevitável pode gerar consequências não-previstas e uma nova crise de grandes proporções.  

 

Publicado originalmente no jornal Folha de S. Paulo