Mises Brasil Instituto Ludwig von Mises Brasil
http://www.mises.org.br


A guerra comercial é uma ameaça real, mas a verdadeira encrenca é o sistema bancário chinês
por Tho Bishop, quarta-feira, 7 de agosto de 2019

Esta semana, o Banco Central da China anunciou uma desvalorização do yuan em relação ao dólar. A taxa de câmbio saltou de ¥6,85 por US$1 para ¥7,05 por US$1.

Embora possa parecer pouco, há um grande simbolismo nesta atitude: tal valor é o maior dos últimos 11 anos.

O governo americano retaliou acusando oficialmente a China de "manipuladora cambial", uma medida que Washington sempre ameaçou fazer, mas que até então nunca havia realmente efetuado.

A ironia, no entanto, é que, ao contrário do sempre disseram a mídia e figuras do governo americano, a moeda chinesa não só não era artificialmente desvalorizada, como, ao contrário, sempre foi artificialmente valorizada. Confira no gráfico a taxa de câmbio do yuan em relação ao dólar desde o ano 2000.

renm.png

Figura 1: evolução da taxa de câmbio Yuan/dólar

Observe que, até o início de 2005, eram necessários 8,28 iuanes para comprar um dólar. Era um câmbio fixo. Desde então, o yuan começa a se apreciar em relação ao dólar, com o ápice da apreciação ocorrendo ao final de 2013, quando um dólar passou a custar apenas 6,05 iuanes.

De 2014 ao início 2017, aí sim, ocorreu uma desvalorização, a primeira desde o fim do câmbio fixo (não coincidentemente, a economia chinesa desacelerou fortemente desde então).

Após uma rápida apreciação ocorrida entre 2017 e 2018, o yuan voltou ao valor do início de 2017 e se manteve ali até esta semana, quando foi realmente desvalorizado.

Ou seja, a China, na realidade, vinha mantendo sua moeda apreciada, e não depreciada. Há, inclusive, analistas que afirmam que, se o governo chinês sair do mercado de câmbio e deixar a moeda flutuar -- como quer o governo americano --, o yuan iria se desvalorizar de 30 a 40%. Exatamente o oposto do que deseja o governo americano.

Como era de se esperar de um conflito puramente político, a medida do governo chinês de deixar a moeda desvalorizar tem menos a ver com fatos e mais a ver com posicionamento político, dado que a guerra comercial entre Trump e o Partido Comunista Chinês voltou a esquentar.

A reação dos mercados financeiros ao ressurgimento desta batalha de egos entre os líderes das duas maiores economias do mundo foi significativa. As moedas de todas as economias emergentes derreteram. [N. do E.: o real, que vinha se fortalecendo perante as principais moedas do mundo, desabou, com a cotação do dólar indo de R$ 3,75 para quase R$ 4 em apenas três dias]. As bolsas de valores ao redor do mundo desabaram.

O fato de terem caído com a notícia de algo que já vinha ocorrendo desde 2017 mostra que os mercados financeiros esperavam algum tipo de acordo de cavalheiros entre os dois países. Talvez esperassem que Trump estivesse desejoso por um acordo, já que estamos adentrando a temporada eleitoral nos EUA (e nenhum presidente americano é reeleito quando a Dow Jones e o S&P 500 estão em queda). Ou então imaginavam que os distúrbios anti-governo em Hong Kong amolecessem Pequim.

Em todo caso, a queda dos mercados financeiros com a notícia ressalta um problema ainda mais fundamental: os agentes financeiros ainda acreditam que as políticas protecionistas de Trump representam o principal risco para a economia da China.

Só que isso não é verdade.

Apenas para não deixar dúvidas: as tarifas de importação implantadas por Trump sobre os produtos da China têm sido uma tormenta para o governo chinês. Não apenas elas impactaram as exportações chinesas para os EUA (que caíram quase 8% em julho), como também -- e talvez ainda mais importante – as tarifas retaliativas que a China impôs sobre produtos americanos (particularmente produtos agrícolas como soja e carne de porco) contribuíram para aumentar os preços dos alimentos no país.

Este aumento no custo de vida, em conjunto com uma redução no crescimento econômico -- o qual Xi Jinping rotulou como sendo "o novo normal" --, certamente traz pressões singulares e inéditas sobre o Partido Comunista. (O que apenas mostra como tarifar produtos estrangeiros é uma medida ignara, pois sempre afeta a população).

Tudo isso, no entanto, é uma ameaça menos grave quando se leva em consideração o real problema que assombra a China: um sistema bancário em crise.

Bancos inflados e insolventes

Dois meses atrás, o governo chinês encampou o Baoshang Bank, uma pequena instituição sediada na Mongolia. O que foi realmente notável neste ato não foram as ações tomadas pelo governo, mas sim o fato de que a medida foi noticiada. Embora o Partido Comunista Chinês (PCC) certamente tivesse o poder de manter suas ações secretas, com vários especulando que medidas similares já foram tomadas no passado, os próprios burocratas fizeram questão de eles próprios alertarem a imprensa sobre suas ações. Eles até mesmo escolheram a Reuters, em vez da mídia tradicional chinesa, para fazer o anúncio.

Há quem diga que esta medida do governo foi calculada para ser vista por todos como um sinal de que o PCC está a par dos amplos problemas em seus bancos regionais e está preparado para tomar as medidas necessárias. Com efeito, após essa medida, o governo criou um novo programa de seguro de depósitos, com o intuito de "ajudar instituições financeiras a lidar com riscos e criar mecanismos de saída".

Ao final de julho, descobriu-se que outro banco estava em crise, desta vez o maior e regional Banco de Jinzhou. Embora feita de maneira distinta da explícita encampação do Baoshang, novamente o governo chinês teve de vir ao socorro: instituições financeiras estatais injetaram capital diretamente no banco.

Embora até seja possível que Baoshang e Jinzhou sejam incidentes isolados, vários analistas especializados em China estão alertando que estes são apenas os primeiros tremores de um sistema financeiro sobre-alavancado que está começando a sofrer as consequências de anos de expansão artificial do crédito. (Ver também aqui e aqui).

O país vivenciou uma maciça expansão do crédito na última década. Desde 2008, toda a dívida existente no país em relação ao PIB praticamente dobrou, ultrapassando 300% do PIB em 2019 (a espantosa quantia de US$ 34 trilhões). Dado que o mundo também apresenta altos níveis de endividamento, seria fácil ignorar estes dados chineses, mas há uma variedade de motivos por que os níveis de endividamento da China são particularmente preocupantes.

Para começar, o principal componente da dívida chinesa não é a dívida do governo, mas sim a dívida das empresas. Em 2017, de acordo com o FMI, a dívida corporativa foi de 160% do PIB. (A título de comparação, a dívida corporativa americana, que é considerada alta, é de 48% do PIB). Ainda mais inquietante é o fato de que as empresas controladas pelo estado foram as mais agressivas em assumir riscos: elas pegaram 85% de todos os empréstimos feitos no país.

Obviamente, o fato de serem controladas pelo estado concedeu a estas empresas uma vantagem comparativa no mercado de crédito, o que contribuiu para afugentar e impossibilitar o acesso de empresas privadas a empréstimos. E, também obviamente, empresas controladas pelo estado não estão interessadas em lucratividade, mas sim em atender aos desejos políticos dos líderes governamentais. Elas operam visando à política, e não a resultados econômicos. A consequência inevitável é que vários desses empréstimos foram tomados para efetuar projetos que nunca foram lucrativos. Ou seja: é uma dívida que simplesmente jamais será quitada.

O sistema bancário paralelo (shadow banking)

Há outras razões por que a situação de endividamento da China é mais volátil do que a de outros países. Eis uma delas:

A dívida chinesa é avassaladora não por causa de seu volume – mais de US$ 34 trilhões  -- mas sim porque a cifra quadruplicou em sete anos (2007-2014). ... Não é apenas a velocidade do crescimento da dívida; sua composição também preocupa. Quase metade dela foi direcionada ao setor imobiliário e aos setores relativos a esta indústria, e pelo menos outros 30% advém do sistema bancário paralelo ("shadow banking"), cujos critérios financeiros são altamente questionáveis.

O sistema bancário paralelo (shadow banking) mencionado acima é outra área que sempre preocupou os burocratas do PCC.

O shadow banking envolve instituições financeiras que oferecem retornos mais altos sobre os depósitos de clientes para fazer o que eles chamam de "gestão de recursos". Este dinheiro é então emprestado a empresas que não conseguem obter empréstimos tradicionais. O shadow banking se tornou extremamente atrativo no país devido à sua capacidade de pagar juros maiores do que as contas bancárias tradicionais.

A própria natureza do shadow banking carrega em si mais riscos do que o sistema bancário tradicional. Dada a predominância das empresas estatais no mercado de crédito (quase apenas eles conseguem obter empréstimos), o sistema bancário paralelo se tornou uma desesperadoramente necessária fonte de crédito para empresas privadas, ainda que a juros muito maiores. Embora Pequim tenha tentado -- exitosamente -- reduzir o crescimento do setor no ano passado, tais esforços foram abandonados em decorrência da atual guerra comercial, o que fez com que o setor voltasse a crescer em 2019.

Trazendo a história de volta para os anteriormente mencionados socorros bancários, boa parte do sistema bancário paralelo chinês opera em conluio com bancos regionais, tais como os bancos de Baoshang e Jinzhou. À época de sua tomada, acreditava-se que 25% dos ativos do Baoshang eram investimentos no sistema bancário paralelo.

Simultaneamente, a Moody's alerta que essa modalidade de crédito (arriscados empréstimos feitos pelos bancos convencionais ao sistema bancário paralelo) está crescendo rapidamente (foi de 100 para 300 bilhões de iuanes em três anos), colocando todo o sistema bancário tradicional em risco.

Outro alerta está no fato de que os balancetes dos bancos chineses são particularmente intrincados. Como observou a Bloomberg, o socorro ao Banco de Jinzhou foi adicionalmente complicado pelo fato de que "os balanços contábeis do banco estavam tão confusos e desorganizados, que ninguém ainda conseguiu decifrar e divulgar os dados de 2018".

E complicando ainda mais a situação estão a desconfiança generalizada nas empresas de auditoria chinesas e a baixa confiabilidade das demonstrações financeiras dentro do país, como relatou o The Wall Street Journal no início deste mês.

Portanto, a qualidade destes empréstimos – tanto no sistema bancário tradicional quanto no paralelo -- é uma enorme interrogação que os reguladores chineses estão tendo de decifrar à medida que vão tentando entender essas instituições.

Tudo isso ajuda a ilustrar por que há crescentes preocupações com o sistema bancário chinês.

Adicionalmente, a eventual insolvência destas instituições tem consequência para seus pares. Imediatamente após o encampamento do Baoshang, houve um acentuado aumento nas taxas de juros dos empréstimos interbancários e nas exigências de colateral (garantia), com os grandes bancos se tornando mais cautelosos até mesmo em seus empréstimos para instituições de mesmo tamanho.

Com efeito, os quatro grandes bancos da China viram os preços de suas ações cairem às mínimas históricas esta semana, com temores de que eles seriam convocados a socorrer instituições menores no futuro próximo – um sinal de que ninguém imagina que os pânicos bancários estejam perto do fim.

Quantas dessas instituições estão com problemas?

Kyle Bass, gestor de fundos multimercado que há muito vem alertando que o sistema bancário chinês é insolvente, afirmou que há "aproximadamente 500 bancos na China que são tidos pelo próprio governo como problemáticos".

Se for verdade, é possível que o PCC esteja próximo de enfrentar sua maior crise financeira da era moderna.

Para concluir

Embora seja particularmente difícil para um estrangeiro ter uma visão sólida da real força da economia chinesa, há fortes motivos para acreditar que o país possui um sistema bancário altamente alavancado, com uma carteira de crédito composta por empréstimos de qualidade duvidosa e com calotes crescentes.

Embora praticamente toda a mídia permaneça concentrada em Trump e no guerra comercial, a maior ameaça à economia chinesa pode vir a ser uma maciça bolha financeira criada por eles próprios.