Mises Brasil Instituto Ludwig von Mises Brasil
http://www.mises.org.br


Escolha a métrica que quiser: a pobreza mundial desabou nas últimas décadas
por Juan Ramón Rallo, segunda-feira, 11 de fevereiro de 2019

A pobreza extrema em todo o planeta castigava 1,894 bilhão de pessoas em 1990 (equivalente a 35,8% da população mundial da época). Em 2015, esse número já havia caído para 735 milhões (equivalente a 10% da população mundial).

Mas o que realmente chama a atenção não é o fato de que, em termos absolutos, há hoje 1,159 bilhão a menos de pobres extremos no mundo, mas sim o fato de que, se a taxa de pobreza extrema vigente em 1990 tivesse se mantido (35,8%), o planeta teria hoje 2,633 bilhões de pessoas na pobreza extrema (1,9 bilhão a mais do que realmente há).

E isso merece ser ressaltado: o número de pessoas na pobreza extrema caiu ao mesmo tempo em que a população mundial aumentou. A porcentagem da população mundial que vive na pobreza extrema está em queda livre mesmo havendo cada vez mais pessoas no mundo.

taxa.jpg

Porcentagem da população mundial na pobreza extrema. Fonte: Banco Mundial.

Especificamente, o período 1990-2015 foi o de maior redução da miséria na história da humanidade: a cada ano, uma média de 46,36 milhões de pessoas saíram da pobreza (mais de 125 mil por dia ou quase 5,3 mil por hora). Alternativamente, podemos dizer que uma média de 105,3 milhões de pessoas saíram e evitaram entra na pobreza a cada ano durante o último quarto de século (quase 290 mil pessoas por dia ou 12 mil pessoas por hora).

Embora todos esses números já sejam relativamente bem conhecidos, em várias ocasiões tendemos a nos esquecer deles quando adotamos uma visão excessivamente pessimista sobre o estado do planeta, motivo pelo qual os assim rotulados "novos otimistas" -- Steven Pinker, Bill Gates e Max Roser -- tratam insistentemente de nos recordar qual é a autêntica realidade destas cifras.

Voltam os pessimistas

Entretanto, nos últimos dias, o antropólogo Jason Hickel sugeriu que tamanho otimismo é bastante injustificado, pois nossos padrões de pobreza são demasiadamente tíbios: dado que a linha da pobreza extrema é definida em 1,90 dólar por dia (apenas 700 dólares por ano), tomar como referência de pobreza este valor supõe ter como aceitáveis situações paupérrimas pelo simples fato de as pessoas estarem ligeiramente acima desta linha divisória.

Com efeito, e de acordo com Hickel, se tomarmos linhas de pobreza mais elevadas -- por exemplo, 7,40 dólares por dia, ou seja, 2.700 dólares por ano --, chegaríamos à desestimulante conclusão de que, embora a porcentagem de pobres tenha reduzido, o número absoluto de pobres aumentou: em 1990, era de 3,783 bilhões de pessoas; já em 2015, subiu 4,113 bilhões de pessoas.

Ou seja, adotando linhas de pobreza mais razoáveis, o número global de pobres não apenas não reduziu, como, ao contrário, aumentou durante os últimos 25 anos -- em decorrência exclusiva do aumento do número de pessoas no planeta.

Antes, vale reconhecer que a reprimenda de Hickel é parcialmente correta: é verdade que não deveríamos cair no triunfalismo e na autocomplacência pelo simples fato de as cifras da pobreza extrema terem se reduzido enormemente se, no entanto, os algarismos da pobreza não tão extrema mostram apenas algum sinal de melhoria.

Porém, o juízo de Hickel é desnecessariamente negativo: é verdade que ainda há muito por fazer, mas também é verdade que já avançamos bastante.

A realidade dos números

Ao fim e ao cabo, a redução da taxa de pobreza ao redor do globo não depende de a definirmos de maneira excessivamente restritiva: não importa como você define a pobreza, o fato é que ela se reduziu entre 1990 e 2015.

Sim, é verdade que, quanto mais baixa for a linha de referência, maior terá sido a queda da pobreza. Entretanto, ainda que muitos indivíduos que conseguiram escapar das situações de extrema pobreza durante os últimos 25 anos não tenham conseguido ascender a cotas muito mais altas de prosperidade, isso não significa que a redução não tenha sido generalizada.

Por exemplo: se estabelecemos a linha de pobreza em 3,20 dólares por dia (1.168 dólares por ano), a taxa de pobreza cai de 55,1% em 1990 para 26,2% em 2015.

Se a colocamos em 5,50 dólares por dia (2.007 dólares por ano), esta cai de 67% para 46%.

E se a colocamos em 15 dólares por dia (5.475 dólares por ano), cai de 80,8% para 74,6%.

pobreza-mundial.jpg

Taxa mundial de pobreza para limiares distintos -- Fonte: Banco Mundial

Ou seja, a porcentagem da população mundial na pobreza extrema cai não importa o valor do umbral escolhido.

O que acontece para alguns valores, entretanto -- e é que o ocorreu para o valor escolhido por Hickel --, é que, embora o percentual tenha caído, a quantidade de pessoas no mundo aumentou. Consequentemente, um percentual menor em 2015 engloba um número muito maior de pessoas do que um percentual maior em 1990.

Mas isso é o de menos. O principal ponto vem agora.

Como já dito, é óbvio que muitos daqueles que ganhavam menos de 1,90 dólar por dia em 1990 ainda terão de vivenciar um enorme aumento da renda para ultrapassar os limites de US$ 7,40, de US$ 10 ou de US$ 15 por dia.

Imagine um país com 100 habitantes e uma renda per capita de 1 dólar por dia (US$ 365 por ano): seu PIB seria de 36.500 dólares. Para que esse país passe a ter uma renda per capita média de 15 dólares por dia em um período de 25 anos (PIB de 547.500 dólares), a economia teria de se multiplicar por 15, ou seja, teria de vivenciar um crescimento médio anual de 11,4%.

E isso supondo que a população não aumente em nada neste período. Se, em vez de 100 habitantes, passasse a haver 150 habitantes, o PIB teria de subir para 821.250 dólares para alcançar uma renda per capita de 15 dólares diários. Ou seja, seria necessário um crescimento anual médio de 13,2%.

Estabelecer padrões tão desproporcionais e desarrazoados de crescimento não é nada realista. A redução da pobreza é um processo acumulativo e de longo prazo, e o que realmente importa é que estamos indo na direção correta.

Veja o Vietnã

Tomemos como exemplo prático o bem-sucedido caso do Vietnã. Em 1992, 52,9% de sua população vivia com menos de US$ 1,9 por dia. Em 2016, apenas 1,96% da população estava nestas condições -- não obstante a população ter crescido 33%.

Igualmente, em 1992, 94,4% de seus cidadãos viviam com menos de US$ 5,5 por dia. Em 2016, a tal taxa já havia caído para 28,7%.

Finalmente, em 1992, 99,6% da população vivia com menos de US$ 15 por dia. Em 2016, tal porcentagem estava ainda era de altos 86,2%.

O que nos leva à pergunta: do fato de que não tenha havido uma redução substantiva na pobreza se a mensurarmos pelo limiar de US$ 15 dólares por dia, seria correto concluir que nos últimos 25 anos não ocorreu uma melhora extraordinária e sem precedentes na qualidade de vida dos vietnamitas? É evidente que não.

Conclusão

Ainda há muito por fazer, mas o que foi conseguido em tão pouco tempo é espetacular.

Vale lembrar que o modo padrão durante a maior parte da história humana sempre foi a pobreza. A pobreza sempre foi a norma e a condição natural e permanente do homem ao longo da história do mundo. E esta se manifestava em conjunto com todos os seus problemas.

Hoje, uma pessoa sai da pobreza extrema a cada segundo, graças a melhores sistemas econômicos, a um maior conhecimento adquirido, e a melhores e mais baratas tecnologias, as quais já chegam a quase todas as áreas do globo. Cada vez mais pessoas têm uma expectativa de vida maior e vivem com mais saúde e com mais conforto em relação a qualquer outro período da história humana.

A qualidade global de vida é hoje melhor do que jamais fôra em outras eras.

Em definitivo, ainda que seja verdade que o mundo continua repleto de pobres (de pessoas quem vivem em condições que julgaríamos absolutamente inaceitáveis no Ocidente), temos vivenciado em 25 anos um processo titânico de redução da pobreza em escala global.

Não é motivo para cairmos no triunfalismo vão, mas também não há razões para aceitarmos o pessimismo martirizador.

_______________________________________________

Leia também:

Você acredita que o mundo está piorando ou melhorando? Faça o teste

Para erradicar a pobreza, mais capitalismo

A desigualdade é um indicador errado e enganoso - concentre-se na pobreza

Vamos erradicar a pobreza, e não destruir a riqueza