Mises Brasil Instituto Ludwig von Mises Brasil
http://www.mises.org.br


Trabalhadores e capitalistas não são inimigos, mas aliados - como dolorosamente comprova a Venezuela
por Daniel Mitchell, segunda-feira, 19 de novembro de 2018

Mão-de-obra e capital são dois fatores de produção. Nossa prosperidade depende de quão eficientemente eles são alocados.

A mão-de-obra, como todos sabem, diz respeito aos trabalhadores humanos. Quanto mais capacitados e preparados são os trabalhadores, maior tende a ser a qualidade do bem ou serviço produzido.

Mas apenas uma mão-de-obra bem preparada e capacitada não basta. Ela precisa ter à sua disposição um capital de qualidade. E o que seria este capital?

Grosso modo, capital é tudo aquilo que aumenta a produtividade da mão-de-obra. Capital são todos os ativos físicos das empresas e indústrias que tornam o trabalho humano mais eficiente e produtivo. São as instalações, os maquinários, as ferramentas, os estoques, as edificações, os meios de transporte, os equipamentos de escritório de uma fábrica ou de uma empresa qualquer.

Assim como um trator multiplica enormemente a produção agrícola em relação a uma enxada, o uso de máquinas e equipamentos modernos multiplica enormemente a produtividade dos trabalhadores -- e, consequentemente, seus salários e, em última instância, o padrão de vida de uma sociedade.  

Se você quiser que uma economia produza mais, suas únicas opções são alcançar uma ou mais das seguintes alternativas:

* Mais capital.

* Mais mão-de-obra.

* Um uso mais eficiente do capital disponível.

* Um uso mais produtivo da mão-de-obra disponível.

Ou seja, trabalho e capital são dois ingredientes que determinam o desempenho de uma economia. Mais do que isso, eles são complementares: trabalhadores se tornam mais produtivos e ganham maiores salários quando investidores e capitalistas compram máquinas e aprimoram a tecnologia.

Em outras palavras, os marxistas e os socialistas estão completamente equivocados ao afirmarem que trabalhadores e capitalistas são inimigos mútuos. A realidade é oposta: quanto mais capitalistas, maior o padrão de vida dos trabalhadores. E nem é preciso uma profunda teoria para refutar essa ideia marxista: apenas olhe ao redor do mundo e compare a prosperidade dos trabalhadores em economias mais voltadas ao mercado com as privações dos trabalhadores em economias estatizadas.

capital.jpg

No eixo Y, a quantidade de capital investida por trabalhador; no eixo X, a renda por trabalhador. Fonte: Economic Growth

Entra a Venezuela

Toda essa teoria se torna dolorosamente clara ao lermos essa reportagem do Wall Street Journal sobre o atual inferno socialista da Venezuela:

A multinacional irlandesa Smurfit Kappa, líder em embalagens de papelão ondulado da Europa e uma das principais empresas de embalagens de papel do mundo, anunciou recentemente sua saída da Venezuela, alegando impossibilidade de manter sua produção perante as destrutivas políticas implantadas pelo governo socialista de Nicolás Maduro. Foi mais uma multinacional a sair do país.

Mas este caso trouxe uma reviravolta. Centenas de empregados venezuelanos da empresa, que dependem da multinacional irlandesa para transporte, educação, moradia e alimentos, continuam aparecendo diariamente na empresa querendo trabalhar. Eles se revezam em turnos para proteger todo o pesado maquinário ocioso contra roubos e saques, algo que se tornou uma desenfreada rotina à medida que a Venezuela se afunda na hiperinflação e no caos econômico. [...]

"Socorro, precisamos de um patrão aqui! Estamos desesperados!", disse Ramón Mendoza, funcionário há 17 anos da divisão florestal da Smurfit. "Estamos apavorados porque só agora estamos vendo que a única coisa que o governo sabe fazer é destruir absolutamente tudo, todas as empresas."

O sofrimento destes trabalhadores ressalta a devastação que as comunidades rurais venezuelanas estão vivenciando à medida que as empresas privadas vão se retirando daquele país que já foi não apenas o mais rico da América Latina, como também o quarto mais rico do mundo.

A economia já encolheu 50% nos últimos quatro anos.

A única exclamação que me vêm à cabeça após ler a declaração do senhor Mendoza é: uau! Ele de fato entendeu exatamente o que se passa: "a única coisa que o governo sabe fazer é destruir absolutamente tudo".

Eis outro trecho do artigo:

Os trabalhadores que vivem perto da empresa haviam recebido empréstimos a juros zero da Smurfit para suas casas. Os residentes afirmaram que, com a saída da empresa, eles não mais podem contar com as quatro ambulâncias que a empresa bancava para servir às comunidades ao redor.

Na Escola Técnica de Agricultura, que fica na cidade de Acarigua e que foi inteiramente financiada pela Smurfit, aproximadamente 200 crianças que viviam na extrema pobreza passaram a receber educação, moradia e também refeições quentes, as quais se tornaram um luxo após o colapso das escolas públicas do país.

Ao longo de duas décadas, muitos dos formandos desta escola técnica foram trabalhar na Smurfit. O ano acadêmico deveria começar em 1º de outubro, mas, sem dinheiro para alimentar e transportar os estudantes, há apenas silêncio nos corredores e nas salas de aula. "É como se todo o nosso futuro tivesse sido repentinamente abolido", disse a senhora Sequera.

Agora, atenção para o trecho a seguir. O governo venezuelano não apenas não faz a mais mínima ideia de como consertar a baderna que ele próprio provocou, como os próprios trabalhadores estão rejeitando o ideal socialista de assumir o controle dos meios de produção.

Nos últimos dias, a administração Maduro afirmou que havia encontrado uma solução para as instalações da Smurfit: os trabalhadores iriam eles próprios administrá-la. O governo não irá estatizá-la, mas nomeou um comitê temporário para ajudar a reiniciar as operações.

O Ministério do Trabalho não ofereceu detalhes de como iria substituir toda a rede de distribuição da Smurfit, por meio da qual a empresa abastecia suas subsidiárias em outros países. No entanto, os próprios trabalhadores vieram a público dizer que eles não querem e não são capazes de gerenciar as instalações, e insistem que querem ter patrões -- mas desde que não sejam funcionários do governo.

"Sabemos como transportar a madeira daqui para a fábrica. Mas não sabemos nada sobre finanças e marketing", disse o senhor Mendoza.

Novidade nenhuma, é claro. Isso é divisão do trabalho pura e simples. Se operários fossem igualmente capacitados para também efetuar tarefas administrativas, eles formariam cooperativas e seriam eles seus próprios patrões. Só que, ao contrário do mundo cor-de-rosa imaginado por socialistas, nem todo o operário é qualificado para efetuar também questões financeiras e gerenciais. Nem todo operário pode assumir o controle dos meios de produção com a mesma competência de empreendedores e capitalistas. Com efeito, nem todo operário quer se tornar um empreendedor.

É interessante constatar como um simples e rotineiro exemplo venezuelano jogou por terra todo um enorme arcabouço marxista.

De resto, é impossível não se solidarizar com os trabalhadores (agora sem patrões) da Smurfit. Eles simplesmente querem trabalhar honestamente em troca de um salário honesto. Eles não querem brincar de revolução, não querem ficar sem patrões e nem muito menos assumir o controle dos meios de produção. Querem apenas continuar trabalhando, algo tornado impossível pelas políticas socialistas adotadas pelo governo da Venezuela.

Conclusão

Não, não estou insinuando que patrões são motivados por um profundo amor a seus empregados. Tampouco estou dizendo que empregados são motivados a criar lucros para as empresas para as quais trabalham. Ambos os lados estão em um constante cabo de guerra para definir como cortar o bolo. Isso vale para todas as áreas.

Mas há dois pontos a serem constatados.

1) O bolo só cresce quando os mercados têm liberdade para funcionar, e esse crescimento do bolo beneficia tanto patrões quanto empregados.

2) A ideia de que empregados assalariados estarão em melhor situação caso fiquem sem patrões e assumam o controle dos meios de produção não passa de um mero devaneio adolescente, algo que faz sentido apenas na mente de intelectuais socialistas.