Mises Brasil Instituto Ludwig von Mises Brasil
http://www.mises.org.br


É óbvio, Cármen Lúcia, que a saúde é mercadoria
por Leandro Narloch, terça-feira, 18 de setembro de 2018

"Saúde não é mercadoria. Vida não é negócio. Dignidade não é lucro", afirmou, em julho passado, a ministra Cármen Lúcia, quando ainda presidia o STF, ao suspender a resolução da ANS sobre coparticipação em novos contratos de planos de saúde. 

É nisso que dá ministros do STF se tornarem celebridades da TV. Começam a falar banalidades fofas e frases de efeito só para fortalecer a aura de santidade e ganharem elogios na internet. 

É claro que saúde é mercadoria -- e Cármen Lúcia sabe muito bem disso. Quando precisa de um médico, ela não recorre a uma ONG de médicos que trabalham de graça, a um hospital público ou a um curandeiro sem fins lucrativos, mas sim a gente que oferece serviços de saúde em troca de dinheiro. 

Sem a ambição de médicos, negociantes e empreendedores, de grandes laboratórios e empresas listados na Bolsa, Cármen Lúcia não conseguiria tratar nem sequer uma apendicite.

Citareis apenas três entre milhares de exemplos: 

- A ultrassonografia médica, que entre outras coisas salva milhares de bebês ao detectar malformações de forma rápida e barata, surgiu nos anos 1980 durante uma corrida tecnológica travada por grandes empresas de tecnologia. A Acuson saiu na frente -- em 2000, foi vendida por 700 milhões de dólares para a Siemens, que hoje divide o mercado com GE e Philips.  

- Até 1989, quem tivesse problemas de estômago precisava fazer como Nelson Rodrigues: "alimentar a úlcera" com mingau durante a madrugada. Tudo isso se resolveu com a invenção do omeprazol pelo laboratório Astra AB, hoje parte do AstraZeneca, o maior conglomerado farmacêutico do mundo. 

- Em favelas, periferias e ao redor de terminais de ônibus, clínicas populares atraem pobres cansados da fila e do mau atendimento do SUS. Cobram desde 20 reais por consultas sem fila e com direito a retorno. 

É verdade que a saúde é um bem essencial à dignidade -- por isso mesmo deve ser tratada como uma mercadoria. Não convém confiar uma atividade tão fundamental somente à bondade e ao altruísmo.

A possibilidade de lucrar resolvendo problemas alheios é um ato que costuma alinhar o egoísmo ao altruísmo. Como um professor escocês de filosofia moral nos ensinou no século 18, o lucro é um incentivo a mais para que as pessoas se dediquem a solucionar problemas de desconhecidos. Ele transforma a ganância em benevolência.

É interessante imaginar um mundo em que saúde não fosse mercadoria. Nada de equipamentos e remédios inovadores, já que, se "dignidade não é lucro", não seria possível lucrar nessa área. O número de médicos despencaria -- do que adiantaria estudar tantos anos para ganhar o mesmo que um cobrador de ônibus? 

A saúde no Brasil precisa ser tratada mais como mercadoria e menos como um direito sagrado. Está submersa em um lodaçal de regulações que criam reservas de mercado, barreiras de entrada a concorrentes e incentivos perversos a pacientes, hospitais e planos de saúde.

O país exige a presença de médicos até para um simples exame de vista. Conselhos de medicina têm muitas semelhanças com cartéis: fixam preços e proíbem anúncios, promoções e descontos. E o famigerado controle de preços ocorre sem controvérsia nos planos de saúde -- como no tabelamento dos tempos do Sarney, o resultado é o desabastecimento de planos para pessoa física. 

Serviços de saúde são regidos pelo lucro e pela lei da oferta e procura -- e sempre será assim, por mais bonitas que sejam as frases de efeito da ex-presidente da Suprema Corte.

_____________________________________

Leia também:

A saúde é um bem, e não um direito

Como Mises explicaria a realidade do SUS?

Como o intervencionismo estatal está destruindo o mercado de saúde privado brasileiro

O sistema de saúde universal no Canadá: um colossal fracasso estatal

Na "invejada" saúde estatal britânica, os pacientes estão morrendo nos corredores dos hospitais

Um breve manual sobre os sistemas de saúde - e por que é impossível ter um SUS sem fila de espera