Mises Brasil Instituto Ludwig von Mises Brasil
http://www.mises.org.br


O dinheiro não é uma régua, e não serve para mensurar valor
por Fernando Ulrich, terça-feira, 3 de abril de 2018

Dizer que o dinheiro é uma espécie de régua que serve para mensurar o valor de bens e serviços é uma noção tão simples quanto equivocada, a qual vem enganando excelentes economistas há séculos.

O dinheiro -- ou, caso prefiram, a moeda -- facilita o cálculo econômico ao servir como uma unidade de conta, isto é, um meio comum para precificação de bens e serviços. Ou, dito de outra forma, um pouco mais científica, o dinheiro é um denominador comum para expressar as razões de trocas (os preços) no mercado.

No entanto, qualquer troca sempre envolve valorações subjetivas a respeito de mercadorias. E tanto a oferta de mercadorias quanto as valorações subjetivas sofrem constantes alterações. Consequentemente, e por definição, as razões de troca no mercado são cambiantes. Por definição.

E, sendo também a moeda uma mercadoria (contendo apenas uma diferença quanto ao seu grau de liquidez perante as demais mercadorias, pois a moeda é a mercadoria mais líquida de todas), sua demanda e oferta também variam normalmente, fazendo com que seu preço (seu poder de compra) seja "não fixo". Por definição.

Assim, imaginar que o dinheiro possa ser uma "medida" de valor -- como se valor pudesse ser objetivamente mensurado -- contraria os princípios mais básicos da teoria do valor subjetivo e da ação humana.

Valor pode, sim, ser comparado, mas somente ordinalmente (na forma de um ranking de preferências) e pelo próprio indivíduo subjetivamente. Jamais por terceiros e jamais de forma objetiva.

Sutis, mas, cruciais diferenças.