Mises Brasil Instituto Ludwig von Mises Brasil
http://www.mises.org.br


O papa errou sobre a economia de mercado: a mão invisível transforma ganância em benevolência
por Robert P. Murphy, quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

Em um encontro com estudantes de economia do Instituto dos Chartreux, com sede na cidade de Lyon, França, o papa Francisco fez um alerta:

É essencial que desde já, e em sua vida profissional futura, vocês aprendam a permanecer isentos do fascínio do dinheiro e da escravidão que ele cria para quem faz dele um culto. É importante que possam ter a força e a coragem de não obedecer cegamente à mão invisível do mercado.

Francisco também os aconselhou a se tornarem "promotores e defensores de um crescimento na igualdade".

O papa tem um ponto

Embora seja um economista profissional, devo dizer que sou simpático às observações do papa Francisco. Com efeito, creio que muitos de meus colegas defensores da economia de mercado são afoitos demais ao ignorar e desprezar críticas ao livre mercado dizendo que são rudimentares, desta forma ignorando sentimentos arraigados que motivam a popular desconfiança em relação ao capitalismo.

Especificamente sobre os comentários do papa aos estudantes em Lion, creio que todos podemos concordar com Francisco que, de fato, o fascínio e o encanto do dinheiro são uma armadilha para aqueles o veneram e fazem dele um culto (nas palavras dele próprio).

A Bíblia ensina que o amor ao dinheiro é a "raiz de todo o mal", e as pessoas de todas as tradições religiosas -- ou as que não têm religião nenhuma -- certamente podem reconhecer que a busca obcecada e bitolada pela riqueza material não é um modo de vida.

Mas ele não está totalmente correto

Tendo concordado com o papa até aqui, devo dizer que discordo profundamente de seu repúdio à "mão invisível".

Não é que eu simplesmente acredite que o papa Francisco deveria apreciar melhor o funcionamento da economia de mercado. Sendo eu um cristão devoto, creio que essa famosa metáfora de Adam Smith ilustra um padrão na maneira como Deus lida com Seus filhos caídos: afinal, a "mão invisível" é exatamente o arranjo que faz com que o interesse próprio, o individualismo e a busca pelo dinheiro e pela riqueza se transformem, ainda que inadvertidamente, em cuidado e preocupação para com o bem-estar de terceiros.

Em uma genuína economia de mercado -- isto é, em um ambiente no qual não há subsídios, não há protecionismos e privilégios garantidos pelo governo, e não há barreiras governamentais à entrada de concorrentes --, o interesse próprio e a busca pela riqueza fazem com que a cooperação social seja estimulada e, consequentemente, terceiros sejam beneficiados pelas interações voluntárias no mercado.

Para ilustrar isso, suponha que João seja um indivíduo completamente egoísta, individualista e obcecado em acumular riqueza. Ele só pensa em si próprio, venera o dinheiro e quer enriquecer rapidamente. Só que, em uma economia de mercado, na qual os direitos de propriedade de terceiros são respeitados, João só pode alcançar esse objetivo se ele induzir todos os outros indivíduos a voluntariamente cooperarem com ele. 

Ou seja, João terá de oferecer algo que seja do interesse desses outros indivíduos. 

Mais ainda: João só conseguirá isso se o que ele oferecer for melhor do que todas as alternativas existentes. João não pode coagir ninguém a consumir seus bens e serviços.

Sendo assim, embora seja egoísta e não se importa em nada com os outros, João tem de agir de maneira a atender os interesses daqueles que estão ao seu redor. Só assim João poderá alcançar seus próprios interesses.

Vale enfatizar: mesmo que João seja um "adorador do dinheiro" e esteja obcecado apenas em enriquecer, ele -- para alcançar seus objetivos -- terá inevitavelmente de beneficiar terceiros no mercado, fornecendo-lhes bens e serviços de qualidade, e esperando que essas pessoas, voluntariamente, consumam estes bens e serviços. E para que elas consumam estes bens e serviços fornecidos pelo egoísta João, estes têm de ser de qualidade.

Desta forma, o egoísmo de João é domado e direcionado para a cooperação com terceiros, fornecendo-lhes mais opções de consumo e beneficiando-lhes como resultado desta interação.   

Esse é o milagre descrito na metáfora da mão invisível de Adam Smith. 

Sim, empreendedores são motivados pelo desejo de auferir lucros monetários. No entanto, em uma economia de mercado, a única maneira de um empreendedor auferir lucros é servindo bem seus clientes. 

Foi por isso que, em meu livro Lições a um Jovem Economista, escrevi:

Um dos mais belos aspectos de uma economia de mercado é que ela é capaz de domar as pessoas mais egoístas, ambiciosas e talentosas da sociedade, fazendo com que seja do interesse financeiro delas se preocuparem dia e noite com novas maneiras de agradar terceiros. Empreendedores conduzem a economia de mercado, mas a concorrência entre empreendedores é o que os mantém honestos.

Ou, citando o próprio Adam Smith em seu livro A Teoria dos Sentimentos Morais:

Por mais que um indivíduo seja tido como egoísta, há evidentemente alguns princípios em sua natureza que o tornam interessado no bem-estar de terceiros, e que fazem com que a felicidade deles seja necessária a ele. [...] Restringir nossas emoções egoístas e satisfazer as emoções benevolentes é o que constitui a perfeição da natureza humana.

Em outras palavras, nosso interesse individual inclui o aprofundamento da nossa natureza benevolente.  

Empreendedores em busca do lucro têm necessariamente de se preocupar com a satisfação dos outros. E atender aos desejos e demandas de terceiros não só é o exato oposto da ganância e do individualismo, como também é profundamente benevolente.

A mão invisível é o que transforma ganância em benevolência

Por tudo isso, empreendedores que "obedecem cegamente à mão invisível do mercado" estão fazendo algo muito maior do que "cultuar o dinheiro". Em uma genuína economia de mercado, é somente por meio da melhoria contínua de seus bens e serviços que um empreendedor pode prosperar. E isso irá ocorrer somente se ele se dedicar o bastante para agradar a terceiros.

De novo, tal postura é o exato oposto de ganância e desconsideração por terceiros.

Se um empreendedor colocar seus interesses próprios acima de tudo, e deixar os interesses de seus consumidores em segundo lugar, seu empreendimento irá fracassar. E, com o tempo, um empreendedor mais altruísta, mais preocupado em agradar terceiros fornecendo-lhes bens e serviços de qualidade, irá tomar o seu lugar.

Tudo isso nos ajuda a ver que o papa Francisco criou uma falsa dicotomia: ele parece estar exortando aqueles que estão entrando no mercado a ignorar os sinais de mercado e os ganhos pessoais na crença de que isso irá ajudar os pobres e oprimidos. No entanto, o ponto de Adam Smith ao descrever o funcionamento da mão invisível era exatamente mostrar que as pessoas em busca de ganhos pessoais -- desde que suas atividades se baseiem em trocas voluntárias e consensuais -- acabam promovendo o bem-estar de terceiros.

Em uma economia de livre mercado, a única maneira de alguém se tornar bilionário é criando novos produtos ou serviços que milhões de pessoas queiram usufruir.

A mão invisível é uma mão benevolente

Os cristãos em especial deveriam apreciar este aspecto do capitalismo e da economia de mercado. Assim como no livro de Gênesis José diz a seus irmãos -- que conspiraram contra ele -- que Deus transformara suas más ações em boas ações, Adam Smith explicou que a mão invisível é um mecanismo benevolente que direciona a ganância e a ambição de alguns para o benefício das massas.

Para coordenar a atividade econômica e mais bem servir aos outros, os seres humanos têm de recorrer às informações emitidas pelos preços de mercado. Estudantes que estão entrando no mercado de trabalho precisam ser guiados pelo sistema de preços de mercado e seu inerente mecanismo de lucros e prejuízos. Apenas assim eles poderão criar valor para terceiros. Apenas assim eles saberão como oferecer bens e serviços a quem realmente está demandando.

De resto, para promover da melhor maneira possível o desenvolvimento material das regiões mais pobres do planeta -- e assim reduzir a desigualdade --, empreendedores devem sim se esforçar para aumentar seus lucros praticando transações voluntárias. A busca pelo lucro, quando feita desta maneira, não só não prejudica os pobres, como os beneficia enormemente. No entanto, essa busca pelo lucro de fato irá ameaçar as almas daqueles que fazem desta busca o objetivo único e supremo de suas vidas. Neste quesito, o papa está absolutamente certo.

_____________________________________

Leia também:

O papa Francisco se esqueceu do grande legado libertário da própria Igreja

O papa Francisco e o populismo econômico

O papa Francisco, a desigualdade de renda, a pobreza e o capitalismo