Mises Brasil Instituto Ludwig von Mises Brasil
http://www.mises.org.br


Sim, Trump prejudicará o México. Mas também prejudicará os EUA
por Diversos Autores, terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Donald Trump colocou a esquerda mundial em uma encruzilhada.

De um lado, ela despreza o presidente-eleito por suas tiradas provocadoras e politicamente incorretas, por seu repúdio à livre imigração e por suas propostas de reduzir impostos e desregulamentar alguns setores (nada, porém, foi especificado por Trump).

No entanto, quando o assunto é comércio internacional, não há ninguém mais protecionista que o novo presidente americano. Neste quesito, os sindicatos, o socialista Bernie Sanders e Trump se dão as mãos.

Em artigo publicado pelo The Wall Street Journal, a colunista Mary Anastasia O'Grady resumiu a situação: "O senhor Trump é tão delirante em temas comerciais, que faz com que Hillary Clinton e os democratas comecem a parecer sensatos".

A mais recente novidade surgiu ainda antes de Trump assumir a presidência: a Ford decidiu cancelar um projeto de investimento de US$ 1,6 bilhão na cidade mexicana de San Luis de Potosí. Após o cancelamento, a Ford anunciou que irá investir US$ 700 milhões em uma fábrica em Michigan, emblema da indústria automotiva americana e sede do primeiro documentário de Michael Moore (Roger e Eu), que narrava as dificuldades de uma cidade de Michigan (Flint) após a GM ter fechado ali a sua fábrica e se mudado para o México.

Esta mudança de atitude nos programas de investimento da empresa está diretamente relacionada às promessas de campanha de Trump, que afirmou que aquelas empresas americanas que abrirem fábricas no México e que tentarem vender seus produtos nos EUA serão punidas com pesadas tarifas de importação sobre seus produtos.

Ou seja, se a Ford, visando a manter seus custos de produção baixos, optasse por abrir uma fábrica no México, ela perderia completamente esse benefício da redução de custos tão logo ela fosse vender os carros para os EUA, pois o país subiria acentuadamente as tarifas de importação.

O economista libertário Robert Wenzel disse que, ao fazer esse tipo de ameaças a empresas, Trump em nada se distingue de um presidente de uma república bananeira.

Já Michael Moore, um dos mais ferozes críticos de Trump, deve estar festejando esta ameaça de Trump à Ford. Com efeito, graças a ela, agora haverá alguns empregos a mais em Michigan e as empresas pensarão duas vezes antes de se mudarem para o México (onde, consequentemente, empregos e salários cairão).

E é exatamente esta a leitura superficial que está sendo feita desta medida trumpista: o México perderá investimentos, os EUA ganharão investimentos, e sendo Trump americano ele está correto em defender os interesses de seu país. "Lamentamos muito, hermanos mexicanos, mas nosso presidente quer que nós americanos vivamos melhor. Sendo assim, vocês têm que perder para que nossos trabalhadores consigam emprego."

Entretanto, a realidade é um tanto distinta. Em economia, nada é tão simplesmente direto. Sim, é evidente que o México será o mais prejudicado. Mas também os americanos -- em termos da população geral -- não serão beneficiados com isso. Ao contrário até.

Empresas devem ser livres para decidir onde produzir

O efeito sobre o México é muito fácil de ser visto. Se mediante ameaças diretas ou indiretas, as empresas americanas reduzem seus investimentos no México, o país de 122 milhões de habitantes será prejudicado ao ter uma menor demanda por sua mão-de-obra. Com menos empresas concorrendo entre si para contratar mexicanos, os salários não subirão. Poderão até cair.

O volume de investimento estrangeiro direto dos EUA no México foi de US$ 108 bilhões em 2014, o que faz dos EUA o principal investidor estrangeiro no México. Se esse montante for reduzido, o México terá de fazer muito mais esforços para atrair investimentos de outros países caso queira manter o crescimento de sua economia.

Por outro lado, o analista que se concentrar exclusivamente no estado americano de Michigan, terá a impressão de que tudo é um mar de rosas. Afinal, a Ford, em vez de levar seus investimentos a países estrangeiros, aplicará US$ 700 milhões de capital em solo americano. Previsivelmente, este gasto gerará demanda por matérias-primas e mão-de-obra, e fará aumentar a produção naquele estado.

Ótima notícia para Michael Moore, mas não tão boa para o resto dos americanos.

Para facilitar o raciocínio, peguemos uma indústria americana famosa por produzir seus bens na China e revendê-los nos EUA: a indústria de celulares (smartphones).

Exatamente por terem transferido toda a produção para a China, onde os custos de produção são baixos, os celulares nos EUA custam apenas poucas centenas de dólares, e não milhares de dólares. Consequentemente, ao poderem vender celulares a preços baixos nos EUA, essas empresas conseguem atrair mais consumidores e, consequentemente, mais receitas. Esses preços baixos permitem que as pessoas tenham mais dinheiro para investir e gastar em outras áreas da economia.

Simultaneamente, os empregos que se perderam nos EUA com a transferência da manufatura de smartphones para a China são mais do que compensados pelo aumento dos empregos nos setores de pesquisa e desenvolvimento, varejo, comércio, serviços gerais ao consumidor, reparos e consertos, e todo e qualquer outro trabalho relacionado ao setor de tecnologia.

Em uma economia rica e moderna, o maior criador de empregos modernos é o setor de serviços e não o setor industrial. Se os EUA tivessem de fabricar seus próprios smartphones e tablets em Los Angeles, utilizando trabalhadores americanos (como quer Trump), muita mão-de-obra qualificada seria direcionada para as linhas de montagem. Consequentemente, haveria menos mão-de-obra qualificada disponível para preencher os empregos criativos (e de alta remuneração) que surgiram no Vale do Silício.

Quanto às tarifas de importação, é exatamente por estas serem baixas nos EUA, que as empresas americanas podem importar, de forma barata, peças, componentes e matérias-primas do exterior, o que permite que elas consigam ter baixos custos de produção e, consequentemente, possam investir esse dinheiro poupado contratando mão-de-obra qualificada e fornecendo empregos a altos salários no país.

Se uma empresa fabricante de aparelhos eletrodomésticos tivesse de fabricar localmente todos os seus parafusos, roscas, porcas, arruelas, argolas, fios etc., seus custos de produção aumentariam e, consequentemente, os preços de seus produtos finais. Com preços maiores, a demanda por seus produtos seria menor. Com consumidores comprando menos, haveria menos empregos disponíveis nessa empresa.

Já ao importarem tudo isso da China, essas empresas podem contratar mais americanos a salários maiores do que seriam caso essa empresa tivesse de fabricar todas as suas peças.

Portanto, ao querer banir a liberdade de as empresas decidirem onde querem fabricar, e ao ameaçar com tarifas de importação, Trump está colocando todo esse virtuoso arranjo em risco.

Voltando à Ford, quando a empresa decidiu inicialmente investir no México para abrir sua fábrica ali, ela o fez exatamente para melhorar a rentabilidade da empresa, reduzindo custos e, com isso, podendo vender carros mais baratos aos próprios americanos, que assim teriam mais dinheiro para investir e gastar em outros setores da economia.

E se há algo de que tanto os EUA quanto qualquer outro país do mundo necessitam acima de tudo são empresas lucrativas.

Conclusão

Fabricar produtos nacionalmente não é algo inerentemente bom ou ruim. Há vantagens e desvantagens em se produzir no exterior. O melhor indicador sobre onde um determinado produto deve ser produzido deve estar a cargo da análise econômica feita pela própria empresa interessada. Dependendo de cada situação, pode ser mais vantajoso fabricar no próprio país ou fabricar tudo no exterior.

Porém, quando tarifas de importação são aplicadas pelo governo, isso distorce todos os sinais enviados pelo sistema de preços, afetando inteiramente o comércio.

No final, o raciocínio é: se empresas americanas decidirem permanecer nos EUA porque esperam redução de impostos e desregulamentação, isso é bom. Se decidirem ficar porque esperam protecionismo, isso é ruim.

A Ford claramente queria construir no México. Voltou atrás porque foi ameaçada pelo futuro governo. Isso não é decisão de mercado, mas sim imposição política.

Mas há também uma reviravolta curiosa: a própria Ford pode acabar se beneficiando caso o governo Trump aumente as tarifas de importação sobre os carros estrangeiros, garantindo assim uma reserva de mercado para as montadoras americanas. Caso isso ocorra, seus maiores custos de produção poderão tranquilamente ser repassados ao consumidor, de forma integral, pois não mais haverá concorrência externa.

Em definitivo, o roteiro protecionista é sempre o mesmo, em todo e qualquer país: há uma classe privilegiada que ganha com o protecionismo (sindicatos e empresas isoladas da concorrência externa) e uma classe que se torna majoritariamente empobrecida, pois agora pagará mais caro por tudo. Nos EUA isso não será diferente.

__________________________________________

Iván Carrino é analista econômico da Fundación Libertad y Progreso na Argentina e possui mestrado em Economia Austríaca pela Universidad Rey Juan Carlos, de Madri.

John Sulzer é articulista do The Liberty Conservative