Mises Brasil Instituto Ludwig von Mises Brasil
http://www.mises.org.br


A teoria explica e a empiria comprova: a inflação leva a um aumento do desemprego
por Karl-Friedrich Israel, segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Um dos mais discutidos tópicos da macroeconomia moderna é o suposto trade-off entre inflação de preços e desemprego: a ideia é que quando há mais inflação, há uma queda no desemprego; e quando há uma redução na inflação, há um aumento no desemprego.

A curva de Phillips se tornou, de certa maneira, o esteio da política monetária moderna desde a década de 1960, quando os ganhadores do Nobel Paul Samuelson e Robert Solow apresentaram a curva como se ela fosse um "cardápio" de escolhas politicamente exploráveis: ou você tem inflação de preços alta e baixo desemprego, ou você tem inflação de preços baixa e alto desemprego, ou você fica com uma escolha do meio, entre esses dois extremos.

Bem assim, à la carte.

Os economistas Milton Friedman e Edmund Phelps contestaram essa interpretação ingênua, de modo que, desde então, essa contestação adquiriu tração e se estabeleceu firmemente no cenário do debate público.  Friedman e Phelps explicaram que esse dilema entre inflação e desemprego era apenas um fenômeno de curto prazo: quando políticas monetárias expansionistas -- juros artificialmente baixos e crédito farto -- geram uma inesperada inflação de preços, o emprego pode ser estimulado apenas se os salários aumentarem mais lentamente do que todos os outros preços da economia.

Nesse caso, os custos relativos da mão-de-obra diminuem -- enquanto as receitas das empresas ainda estão aumentando -- e mais pessoas podem ser empregadas como consequência.

No longo prazo, no entanto, à medida que as expectativas quanto à inflação futura vão se ajustando -- fazendo com que trabalhadores e sindicatos exijam reajustes salariais de acordo com as taxas de inflação --, o efeito positivo da inflação sobre o desemprego deixa de existir.

A verdade é que Friedman e Phelps, longe de terem feito uma grande descoberta, simplesmente ressuscitaram uma visão que havia predominado no debate econômico durante um longo período: a ideia de que o desemprego é um fenômeno que, em última instância, depende de fatores econômicos reais, como o ambiente político e institucional, especialmente em relação ao mercado de trabalho. O próprio Ludwig von Mises também tinha essa visão, sendo que ele apropriadamente rotulava um aumento prolongado no desemprego de desemprego institucional

Friedman e Phelps, no entanto, não negavam os possíveis efeitos positivos de curto prazo da política monetária. Só que essa concessão deles gerava um inevitável problema fundamental: se pensarmos que o longo prazo é apenas uma sequência de consecutivos curtos prazos, e se assumirmos que é possível haver consequências positivas no curto prazo, então evidentemente temos de concluir que haverá melhorias também no longo prazo.

Mais ainda: dado que ambos diziam que políticas monetárias expansionistas possuem um efeito neutro no longo prazo -- e geram efeitos positivos no curto prazo --, então, pela lógica, ambos deveriam concluir que o efeito final de uma política monetária expansionista será benéfico. Afinal, tem-se um efeito positivo no curto prazo e neutro no longo prazo.

A questão, portanto, é: será que políticas monetárias expansionistas realmente são neutras no longo prazo?

Há boas razões para se duvidar disso.

As consequências da inflação sobre o desemprego no longo prazo

O interessante é que foi o próprio Friedman, em seu discurso ao receber o Nobel de economia, quem demonstrou algum descontentamento com suas obras anteriores sobre inflação de preços e desemprego. Ele disse que as pesquisas sobre a validade da curva de Phillips teriam de entrar em uma terceira fase, na qual um elo positivo entre inflação e desemprego teria de ser explorado. Ele também enfatizou que o processo político também teria de ser incorporado na análise.

Esse projeto de pesquisa, no entanto, não foi levado adiante.

Mas os dados empíricos também fornecem motivos para crer que há um elo positivo entre a inflação de preços e o desemprego de longo prazo. A série temporal suavizada para Alemanha, França, Reino Unido e EUA, durante a segunda metade do século XX (quando as políticas monetárias destes países eram "normais", ao contrário de hoje), mostram o mesmo padrão: primeiro a inflação de preços aumenta; depois, com um atraso, a taxa de desemprego também sobe.

israel1.jpg

________________

Nota do editor:

No Brasil, o mesmo fenômeno pode ser observado de maneira ainda mais evidente.

Como os dados para o desemprego da PNAD contínua só começaram a ser divulgados em janeiro de 2012, temos uma série temporal bem menor. Mas o suficiente para notar algumas correlações:

ipca2.png

IPCA acumulado em 12 meses a partir de 2012

desemprego.png

Evolução da taxa de desemprego mensurada pela PNAD. (Os dados disponíveis começam apenas em 2012)

A explicação de por que um aumento da inflação acaba por levar a um aumento do desemprego é direta: quando um empreendedor faz um investimento voltado para o longo prazo, o mínimo que ele tem de saber é como será o poder de compra da moeda no futuro. Sem isso, se ele não tem ideia de quanto valerá a moeda lá no futuro, ele não consegue estimar quais serão são custos e suas receitas.  Consequentemente, não conseguirá nem sequer estimar se terá lucro ou prejuízo. 

Planejar para o longo prazo tendo em mente uma inflação futura de 3% ao ano é totalmente diferente de planejar tendo em mente uma inflação futura de 10% ao ano.  Os tipos de investimentos que são lucrativos em cada um desses cenários são totalmente distintos.

Se você prevê uma inflação continuamente alta no futuro, então você irá se concentrar em projetos de curto prazo; projetos que visam ao futuro mais imediato.  Você não irá fabricar máquinas e equipamentos; não irá ampliar suas instalações industriais.  Você irá se dedicar a fabricar pirulitos e chicletes, que dão retorno mais imediato.  Com inflação em alta, fazer investimento de longo prazo torna-se extremamente arriscado. 

No mais, nesse cenário, a maior preocupação de investidores e empreendedores passa a ser a de se proteger da perda do poder de compra da moeda.  Torna-se mais sensato dedicar mais tempo especulando no mercado financeiro e comprando títulos do governo indexados pela inflação.  Consequentemente, os investimentos caem; e com investimentos em queda, o desemprego sobe.

Inflação de preços em alta, portanto, inibe investimentos produtivos e, com isso, afeta o crescimento econômico e, consequentemente, o emprego.

fbcf.png

Evolução da formação bruta de capital fixo no Brasil. Os investimentos estão em contração desde o segundo trimestre de 2013

Acreditar que inflação estimula o emprego é o equivalente a dizer: "Puxa, ano que vem meu custo de vida estará 10% maior.  Exatamente por isso vou contratar uma faxineira, uma cozinheira, um motorista e um professor particular para meus filhos".

Tem lógica?

Toda a relação entre expansão do crédito, atividade econômica e desemprego para o Brasil foi explicitada em detalhes neste artigo.

_______________________

As instituições políticas mudam em decorrência da inflação

No entanto, mesmo que uma alta inflação gerada por uma política monetária expansionista culmine em um alto desemprego, ainda assim não é possível deduzir que haja uma conexão inevitável entre inflação alta hoje e um alto desemprego permanente.

Mesmo uma profunda crise econômica irá acabar em um determinado momento, de modo que o desemprego, em tese, teria de voltar ao nível anterior. Sendo assim, a pura teoria econômica, embora seja capaz de explicar a relação entre inflação e desemprego para um determinado período de tempo, não basta para explicar a permanência de um desemprego alto por um longo período de tempo.

Para isso, é necessário recorrermos a uma teoria política. Mais especificamente, a uma teoria sobre como as instituições políticas reagem a um aumento do desemprego.

Quando uma política econômica culmina em um aumento do desemprego -- aumentando, por conseguinte, a disparidade de renda e a divisão social entre pobres e ricos --, políticos se vêem compelidos a remediar esse estrago. Logo, as consequências não-previstas de uma expansão monetária inflacionista -- ou seja, o desemprego e a disparidade de renda -- criam incentivos para novas intervenções políticas na economia.

Especificamente, para tentar remediar o problema do desemprego e as disparidades sociais criadas por ele, políticos intensificam programas sociais, como seguro-desemprego e abono salarial, e também aumentam impostos (majoritariamente para financiar os maiores gastos sociais do governo).

Adicionalmente, novas e mais intrusivas regulamentações no mercado de trabalho -- visando a proteger os empregos remanescentes -- são implantadas.  Aumento do salário mínimo e programas de proteção ao emprego são os exemplos mais comuns.

Essas medidas bem-intencionadas geram, obviamente, múltiplos efeitos. Porém, no que diz respeito ao nível geral do emprego, elas são danosas. Aumentar os custos (aumento do salário mínimo), as responsabilidades e as obrigações dos empregadores em relação aos seus empregados diminui os incentivos para se contratar mais pessoas. Isso é uma relação óbvia: se algo ficou mais caro (contratar pessoas), então uma menor quantidade desse algo será demandada.

É impossível criar mais emprego quando se adotam políticas que visam exatamente a onerar o empregador.

Adicionalmente, mais gastos sociais, especialmente com seguro-desemprego, podem desestimular pessoas a ativamente procurarem algum emprego.

Todas essas medidas, em conjunto, acabam por aumentar a desocupação.

Assim, acrescentando uma análise política à análise econômica, e seguindo-se a tese de Ludwig von Mises sobre a espiral intervencionista -- o governo recorre a novas intervenções para tentar remediar os efeitos negativos das intervenções anteriores -- , torna-se possível explicar o elo entre inflação de preços e desemprego de longo prazo.

Conclusão

A expansão monetária e do crédito, estimulada pelo governo com o intuito de aumentar a atividade econômica, gera inflação de preços. Inflação de preços causa desarranjos na economia, como redução da previsibilidade e aumento da desconfiança dos investidores. Tudo isso gera redução nos investimentos. Redução nos investimentos gera aumento do desemprego. E aumento do desemprego gera aumentos dos gastos sociais do governo, bem como novas intervenções no mercado de trabalho, as quais encarecem artificialmente a mão-de-obra.

Foi a intervenção inicial do governo -- redução artificial dos juros para estimular a expansão do crédito -- o que causou a inflação de preços. E foram as novas intervenções do governo para remediar as consequências não-previstas da expansão do crédito -- o desemprego -- o que tornou o mercado de trabalho menos flexível, levando ao desemprego institucional.

No entanto, a relação entre as duas variáveis -- inflação de preços e aumento do desemprego no longo prazo -- não é nem direta e nem necessária, mas sim historicamente casual. Não se trata de um postulado a priori da teoria econômica.

Como corretamente sugeriu Milton Friedman, a relação é dependente das decisões políticas. E cabe à política aboli-la.