Mises Brasil Instituto Ludwig von Mises Brasil
http://www.mises.org.br


O estado é uma gangue de ladrões em larga escala
por Hans-Hermann Hoppe, quarta-feira, 16 de março de 2016

Há um vasto esforço de propaganda feito pelo estado e por aqueles em sua folha de pagamento -- ou por aqueles que gostariam de estar em sua folha de pagamento -- para nos convencer de que é perfeitamente legítimo que uma organização essencialmente parasítica viva à nossa custa, com seus integrantes mantendo um alto padrão de vida, nos roubando com seus impostos, destruindo nosso poder de compra com suas políticas inflacionistas, transferindo nosso dinheiro para privilegiar grandes empresas, restringindo nossas liberdades empreendedoriais, nos impedindo de comprar bens importados, nos convocando compulsoriamente para o serviço militar, e controlando totalmente nosso modo de vida.

A motivação fundamental daqueles que defendem o estado é saber que, uma vez na máquina pública, eles terão acesso a gordos salários, empregos estáveis e uma aposentadoria integral. Aqueles que estão fora do serviço público defendem o estado por saber que ele lhes dará vantagens em qualquer barganha sindical.

Além desses cidadãos, há também empresários que defendem o estado. Estes estão pensando em subsídios e garantias governamentais, em contratos polpudos para obras públicas, em protecionismo, em regulações que afastem a concorrência, e no uso geral do governo para alimentar seus amigos e enfraquecer seus concorrentes. O estado, para eles, é garantia de riqueza.

Em todo e qualquer lugar, o estado sempre se resume a ganhar à custa de outros. Não houve qualquer avanço nessa realidade. Podemos mudar as definições e alegar que, porque votamos, estamos nos governando a nós mesmos. Mas isso não altera a essência do problema moral do estado: tudo que ele tem, ele adquire por meio do roubo. Nem um centavo do seu orçamento trilionário é adquirido em trocas voluntárias.

Governos dilatados dividem a sociedade em duas castas: aqueles que dão compulsoriamente seu dinheiro para o estado e aqueles que ganham dinheiro do estado. Para manter o sistema funcionando, aqueles que dão têm de ser numericamente muito superiores àqueles que recebem. Foi assim nos primórdios do estado-nação e ainda o é atualmente. A existência de eleições não altera em nada a essência dessa operação.

E como temos visto uma aparentemente irrefreável expansão do poder do estado em absolutamente todos os países do mundo, é válido perguntar: há alguma esperança? O estado é de fato uma instituição tão poderosa contra a qual nada pode ser feito? Há alguma maneira de se opor a ele?

A primeira coisa a ser feita para se opor ao estado deve ser, é claro, compreender a sua natureza íntima. Pensadores como Étienne de La Boétie, Hume, Mises, Rothbard etc. diziam que, por mais inexpugnável que o estado pareça, com todos os seus exércitos, com seu vasto número de funcionários e burocratas, e com seu vasto aparelho de propaganda, ele na verdade é vulnerável porque, sendo o estado uma minoria que vive parasiticamente à custa de uma maioria, ele depende do consentimento do governado.

Mesmo os estados mais poderosos -- como, por exemplo, aqueles que vimos na URSS, no Irã sob o xá, e na Índia sob domínio britânico -- podem se esfacelar. E essa ainda é uma esperança.

A idéia é a seguinte: o presidente pode dar uma ordem, mas a ordem tem de ser aceita e executada por um general; o general pode dar uma ordem, mas a ordem tem de ser executada pelo tenente; o tenente pode dar a ordem, mas a ordem tem de ser executada em última instância pelos soldados, que são aqueles que terão de atirar. E se eles não atirarem, então tudo aquilo que o presidente -- ou o supremo comandante -- ordena passa a não ter qualquer efeito.

Assim, o estado somente pode efetuar suas políticas se as pessoas lhe derem seu consentimento voluntário. Elas podem não concordar com tudo que o estado faça ou ordene que outros façam, mas, enquanto elas colaborarem, serão obviamente da opinião de que o estado é uma instituição necessária, e os pequenos erros que esta instituição cometa são apenas o preço necessário a ser pago para se manter a excelência do que quer que ela produza.

Quando essa ilusão desaparecer, quando as pessoas entenderem que o estado nada mais é do que uma instituição parasítica, quando elas não mais obedecerem às ordens emitidas por essa instituição, todos os poderes estatais, mesmo o do mais poderoso déspota, desaparecerão imediatamente.

Mas para que isso seja possível, primeiro é necessário que as pessoas desenvolvam aquilo que podemos chamar de 'consciência de classe', não no sentido marxista -- que diz que há um conflito entre patrões e empregados --, mas no sentido de um conflito de classes que opõe, de um lado, os regentes estatais, ou a classe dominante, e do outro lado, aqueles que estão sob o domínio do estado.

Portanto, o estado tem de ser visto como um explorador, uma instituição parasítica. Só quando tivermos desenvolvido uma consciência de classe desse tipo é que haverá a esperança de que o estado, justamente por causa da difusão geral desse conceito, possa entrar em colapso.

Sendo assim, em vez de tratar políticos com respeito, nossa crítica a eles deveria ser significativamente intensificada: quase sem exceção, eles não são somente ladrões; são também falsificadores, corruptos, charlatães e chantagistas.  Como ousam exigir nosso respeito e nossa lealdade?

Apenas uma vigorosa e distinta radicalização ideológica trará os resultados desejados. Apenas ideias radicais -- e, na verdade, radicalmente simples -- podem incitar as emoções das massas inertes e indolentes, e deslegitimar o governo perante seus olhos.