Mises Brasil Instituto Ludwig von Mises Brasil
http://www.mises.org.br


Países pobres tributam pesadamente importados; países ricos têm suas fronteiras abertas
por John Tamny, sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

Pergunta rápida: você seria capaz de fabricar, sozinho, o computador (ou o tablet ou o smartphone) no qual você está lendo este artigo?  Você seria capaz de inventar e fabricar os milhares de componentes necessários para fabricar estes aparelhos?  Se sim, então você é um ser sobre-humano, dotado de invejáveis habilidades intelectuais, mecânicas e engenheiras.

Ainda assim, vale dizer que o ato de, literalmente, construir um computador (ou tablet ou smartphone) absolutamente do nada, sem utilizar um único componente "importado" -- seja de outro país, seja do outro lado da rua --, seria um trágico desperdício de tempo.  Tal ato, muito provavelmente, exigiria de você vários anos de sua vida (se não todos), e, ao final, você teria construído algo tão tosco, desajeitado e de baixíssimo desempenho, que seria uma piada em relação a esta rápida, bonita e infinitamente mais capaz máquina que você está utilizando agora.

Você teria se esforçado imensamente, teria perdido anos da sua vida, e, ao final, não teria criado nada de útil.  Não teria criado valor para ninguém.

[N. do E.: Uma ilustração prática desta profundamente importante constatação é a deste homem que resolveu fabricar, do zero, um simples sanduíche.  Ele plantou o trigo para fazer o pão, retirou o sal da água do mar, ordenhou uma vaca para fazer o queijo e a manteiga, matou uma galinha para retirar o filé de frango, fez o próprio picles e teve até de extrair o mel do favo.  Além de demorado, o processo custou cerca de US$ 1.500 dólares. (E, a julgar pela reação dele próprio, a qualidade do produto final foi medíocre).]

O fato de você estar utilizando este computador (ou tablet ou smartphone) significa, muito claramente, que você é um ardoroso defensor do livre comércio, ainda que você vocalmente não se manifeste desta maneira.  Sua vida sem o livre comércio seria horrivelmente desoladora.  Porém, graças à divisão do trabalho, que agora ocorre em escala global, você têm à sua disposição toda a abundância do mundo a preços continuamente em queda (a menos, é claro, que seu governo atrapalhe esse processo desvalorizando continuamente sua moeda e impondo tarifas de importação crescentes).

Há não mais do que 10 anos, o computador (ou tablet ou smartphone) no qual você está lendo este artigo seria classificado como um supercomputador (muito provavelmente seu modelo de tablet ou smartphone nem existia ainda), e seu preço certamente estaria na casa dos milhões de dólares.  Mas graças ao livre comércio, à divisão global do trabalho, e à interação de mercado entre os produtores especializados, é bem provável que o preço da sua atual máquina não ultrapasse os 200 dólares.

O único propósito

Pouco importa se o produto foi fabricado na cidade vizinha ou do outro lado do mundo: as importações são o único propósito de acordarmos cedo para ir trabalhar, produzir e ganhar dinheiro.  Você produz para poder consumir produtos bons e baratos.  E aquele produtor que fornecer o bem pode morar tanto na cidade vizinha ou no Vietnã.  Ao comprar produtos dele, você está importando.

Importações também são um sinal claro de riqueza.  Na prática, trocamos produtos ou serviços por outros produtos ou serviços (o dinheiro sendo apenas um meio de troca), de modo que, quanto mais produzimos, mais podemos importar. 

Por tudo isso, políticos que agem como se importações fossem deletérias para a economia e tentam restringi-las com tarifas de importação, cotas, ou desvalorizações cambiais estão, na prática, dizendo que devemos trabalhar e produzir, mas não podemos consumir.  Com efeito, eles querem que consumamos apenas os bens produzidos por aqueles que moram dentro das mesmas linhas imaginárias que nós, algo que, economicamente, não faz o mais mínimo sentido.  (Isso, é claro, na teoria; na prática, eles simplesmente recebem dinheiro do lobby da indústria nacional, que quer manter uma reserva de mercado, blindada da concorrência dos produtos estrangeiros).

Importações são um claro indicador da riqueza e pujança de uma nação.  Países ricos possuem altos volumes de importação; é exatamente nas economias pobres que as importações são baixas ou inexistentes.

E a explicação é lógica: quanto mais aberta é a economia de um país, quanto mais livres são seus cidadãos para adquirir bens importados, maior é o poder de compra de seus salários.  Por quê?  Porque os indivíduos que formam a economia de um país recebem um salário em troca de sua mão-de-obra; sendo assim, se as fronteiras do país são abertas para os bens e serviços produzidos em todos os pontos do globo -- ou seja, o governo não proíbe, restringe ou tributa importações --, então, por definição, o poder de compra dos salários desses indivíduos alcança sua máxima capacidade.

Se as fronteiras do território dentro do qual você vive estão completamente abertas para todos os bens e serviços produzidos mundialmente, então você está na privilegiada situação de ter os indivíduos mais talentosos do mundo trabalhando e produzindo para atender às suas demandas.  Mais ainda: esses indivíduos talentosos estão concorrendo acirradamente entre eles para fornecer a você as melhores ofertas.

Nesse cenário, qualquer empresa nacional que eventualmente seja dominante em um determinado setor do mercado irá gradualmente perder seus lucros monopolistas graças à chegada de novos entrantes.  Não há como haver monopólio ou oligopólio se a concorrência é livre para vir de qualquer ponto do planeta.  Fronteiras abertas ao comércio naturalmente aceleram o processo por meio do qual o maior número possível de produtores globalmente talentosos se esforça vigorosamente para nos servir aos preços mais baixos possíveis.

Já se as fronteiras são fechadas, você vive em um estado de autarquia, podendo consumir apenas aquilo que você produz.  Suas opções são drasticamente reduzidas.  Os preços são maiores.  A indústria é ineficiente, pois não precisa se preocupar com a concorrência de estrangeiros.  A população nacional se torna refém do baronato industrial nacional, que tem seus lucros garantidos sem a contrapartida de uma prestação decente de serviços.  Por isso o padrão de vida em países de economia fechada é tão baixo.

Mas o principal argumento é outro

Veja, por exemplo, a pujança da Suíça, dos EUA, da Alemanha e dos países asiáticos que se abriram ao comércio (como Hong Kong, Cingapura, Taiwan etc.): a população desses países usufrui o privilégio de ter as pessoas mais talentosas ao redor do mundo concorrendo entre si para produzir e ofertar a ela produtos a preços baixos.  Países que são abertos ao comércio internacional têm todos os produtores mundiais ávidos para lhes fornecer bens e serviços de qualidade e a preços baixos.  Qual a melhor maneira de se aumentar o padrão de vida senão por meio da oferta abundante de bens e serviços a preços baixos?

Mas mesmo esta ampla variedade de bens e serviços que aumentam o poder de compra dos salários destas populações ainda não diz tudo sobre a real maravilha do livre comércio.  O que faz com que o livre comércio seja uma inquestionável maravilha é o fato de que ele maximiza a possibilidade de que nós, como indivíduos atuantes na economia, possamos nos dedicar exatamente ao tipo de trabalho que mais estimula nossos talentos individuais.

Óbvio: se nós podemos simplesmente importar aquilo que não somos bons em produzir, então somos livres para concentrar nossos esforços justamente naquelas áreas em que somos realmente bons.

Nos países que restringem o livre comércio, as pessoas são praticamente proibidas de utilizar os frutos do seu trabalho para adquirir aqueles bens e serviços que são mais bem produzidos por estrangeiros.  Sendo assim, tais pessoas acabam sendo obrigadas a desempenhar várias atividades nas quais não têm nenhuma habilidade.  Uma pessoa boa em informática, por exemplo, acaba tendo de trabalhar como operário em uma siderurgia, pois seu governo restringe a importação de aço, que poderia ser adquirido mais barato de estrangeiros.  Engenheiros acabam virando operários de fábricas

Estando isoladas da divisão mundial do trabalho, tais pessoas trabalham apenas para sobreviver, e não para desenvolver seus talentos.  Elas não podem trabalhar naquilo em que realmente são boas, pois a restrição ao livre comércio obriga os cidadãos a fazerem de tudo, inclusive aquilo de que não entendem.  Elas passam suas vidas sendo obrigadas a desempenhar várias atividades que não são do seu domínio.

Já em países que usufruem o livre comércio, as pessoas, justamente por poderem adquirir bens e serviços fornecidos por estrangeiros que são melhores no suprimento destes, podem se concentrar naquilo em que realmente são boas. Seus cidadãos possuem uma miríade de opções de trabalho: eles podem ser financistas, instrutores de ioga, artistas, cineastas, chefs, contadores e empreendedores do ramo de tecnologia.  Tão rica e com tamanha liberdade de comércio é a economia, que todos têm opções

Em países de economia aberta, o lazer é um dado da realidade.  As pessoas, ao não terem de perder tempo trabalhando naquilo em que não são boas, podem dedicar boa mais tempo a passatempos de luxo.  Quantas pessoas podem se dar ao luxo de se divertir luxuosamente em países como Myanmar, Zimbábue e Venezuela?

Isso nos leva à conclusão de que uma economia aberta é o caminho mais fácil para o aumento do padrão de vida.  Qual o sentido de laborar arduamente para fabricar algo em que você não é bom, se você pode simplesmente adquiri-lo, a preços baixos, de quem realmente é bom em fabricá-lo?

Ao contrário do que afirmam os protecionistas, os americanos, os suíços, os alemães, os cingapurianos, os honcongueses não são ricos apesar de serem abertos ao comércio estrangeiro; ao contrário, sua abertura ao comércio estrangeiro é a fonte essencial de sua espantosa riqueza.  Como as tarifas de importação destes países são, em geral, muito baixas, seus cidadãos são cada vez mais capazes de se dedicar àquelas profissões que dão vazão ao seu real talento.

Conclusão

Importações são a bênção que nos liberta de termos de trabalhar naquilo que odiamos.  Imagine, de novo, ser forçado a construir o computador (ou o tablet ou o smartphone) no qual você está lendo este artigo.  O simples ato de ter de fazer isso já empobreceria você.

Uma economia é simplesmente uma coleção de indivíduos, e cada indivíduo está em melhor situação econômica quando pode se especializar naquilo que faz melhor e, em decorrência disso, pode importar, ao menor preço possível, os bens de que necessita.

É a isso que se resume o livre comércio.  Sem ele, sua vida seria uma tragédia.

_____________________________________

Leia também:

A abertura comercial é imprescindível para o crescimento econômico - e isso não é folclore

Dez argumentos econômicos - e um ético - em prol do livre comércio

Quem realmente ganha com a obstrução do livre comércio?

Se você é contra o livre comércio, você tem medo da abundância e da prosperidade

Defender o protecionismo é defender a escassez - defender o livre comércio é defender a abundância