Mises Brasil Instituto Ludwig von Mises Brasil
http://www.mises.org.br


7 x 1
por Leandro Roque, segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

A grande diferença entre um país rico e um país pobre está na acumulação de capital.  

Capital é tudo aquilo que aumenta a produtividade e, em última instância, o padrão de vida de uma sociedade. 

Capital são todos os fatores de produção -- como ferramentas, maquinários, edificações, meios de transporte etc. -- que tornam o trabalho humano mais eficiente e produtivo.

Capital, em termos físicos, são os ativos físicos das empresas e indústrias.  São as instalações, os maquinários, os estoques e os equipamentos de escritório de uma fábrica ou de uma empresa qualquer.

Trabalhar menos e produzir mais é o resultado direto da acumulação de capital. Assim como um trator multiplica enormemente a produção agrícola em relação a uma enxada, o uso de máquinas e equipamentos modernos multiplica enormemente a produtividade dos trabalhadores -- e, consequentemente, seus salários e sua qualidade de vida.

Mises explicou cristalinamente:

Com o auxílio de melhores ferramentas e máquinas, a quantidade dos produtos aumenta e sua qualidade melhora.  Assim, o empregador consequentemente estará em posição de obter dos consumidores um valor maior do que aquele que o empregado consumiu em uma hora de trabalho.  Somente assim o empregador poderá -- e, devido à concorrência com outros empregadores, será forçado a -- pagar maiores salários pelo trabalho do seu empregado.

Em um país rico, a quantidade e a qualidade das máquinas e das ferramentas disponíveis são muito maiores do que nos países pobres. A acumulação de capital, o empreendedorismo e a inventividade tecnológica são os pilares da economia.  Como consequência, a produtividade, a riqueza e o padrão de vida nestes países são muito mais altos. 

O vídeo a seguir, que compara como o tombamento de um caminhão é solucionado na Alemanha e no Brasil, é uma ilustração perfeita do nosso atraso em termos de acumulação de capital. 

As imagens são hilárias e, ao mesmo tempo, deprimentes.

Posted by Jair José Pereira on Quarta, 9 de dezembro de 2015