Mises Brasil Instituto Ludwig von Mises Brasil
http://www.mises.org.br


Uma retração no Brasil é quase tão ruim quanto uma desaceleração na China - a visão dos americanos
por Bob Pisani, quarta-feira, 5 de agosto de 2015

É possível as coisas piorarem ainda mais no Brasil?  Na semana passada, o governo brasileiro reduziu, de maneira oficial, as projeções para o crescimento da economia do país em 2015: segundo o próprio governo, haverá uma contração de 1,49%.  Enquanto isso, o mercado projeta um encolhimento maior, de 1,80%. 

Ao mesmo tempo, a previsão para a inflação de preços se mantém persistentemente alta, em quase 10%.

Já o desemprego, sem dúvida subestimado, está em 8,1%, com tendência de alta.

Dilma Rousseff, a presidente do país, que em seu primeiro mandato se revelou adepta da gastança incontida, ensaia uma guinada e agora pretende segurar os gastos para que o governo não perca o selo de bom pagador concedido pela agência de classificação de risco Standard & Poor's.

Mas, até agora, isso de quase nada adiantou.  Ela está em rota de colisão com o Congresso, que quer aumentar salários do judiciário, aumentar as aposentadorias e gastar ainda mais.  Simultaneamente, sindicatos continuamente ameaçam fazer greves.

De nada ajudou o fato de a Standard & Poor's ter, na terça-feira da semana passada, rebaixado a classificação de risco do país para apenas um degrau acima da condição de "especulativo", em uma clara advertência de que a agência está se preparando para reduzir em definitivo a classificação de risco dos títulos públicos do país, o que retiraria o selo de bom pagador do governo.

Consequentemente, o valor do real no mercado de câmbio desabou, e está hoje no menor valor em 12 anos.  Já o índice da bolsa de valores, o Ibovespa, vem se mantendo no mesmo nível em que estava em meados de 2009.

Como se não bastasse, há crescentes rumores de impeachment da senhora Rousseff e há várias investigações simultâneas sobre vários esquemas de corrupção operados tanto pelo partido da presidente quanto por sua base aliada.  O principal deles envolve um gigantesco esquema de propinas na estatal Petrobras.  Tudo isso pode se degenerar em uma crise política prolongada e demorada.

Crescimento negativo, desequilíbrios orçamentários, inquietação sindical, investigações de corrupção, crise política sem fim.

Isso gera sérias implicações para o crescimento global.  O Brasil, com um PIB de aproximadamente US$ 2,4 trilhões [N. do E.: aqui, o americano está considerando um câmbio de 2,30, que foi a média do câmbio em 2014], é a maior economia da América Latina.  Suas empreiteiras, todas elas envolvidas em esquemas de corrupção junto ao governo e suas principais estatais, estão presentes em várias dezenas de grandes projetos de infraestrutura ao longo de todo o continente.

Tudo isso está gerando um enorme fardo para a economia do país, algo que pode ser claramente visto nos balanços divulgados recentemente por várias multinacionais:

1) A Bunge, uma gigante do agronegócio, relatou que seu setor de óleos e azeites foi impactado pela forte queda nas margens e volumes da sucursal brasileira.  Segundo a empresa: "os consumidores brasileiros reduziram os gastos e passaram a consumir produtos mais baratos em resposta à economia recessiva".

Note que estamos falando de óleo de cozinha.  Os brasileiros estão deixando de adquirir óleo para fazer alimentos.  Isso é coisa séria.

E o mesmo está ocorrendo com o processamento de grãos: os volumes caíram à medida que os consumidores brasileiros (do setor alimentício) cortaram gastos.  E também houve queda no consumo de fertilizantes.  O volume de vendas está menor.

2) A Owens Illinois, uma das maiores fabricantes de garrafas de vidro do mundo, relatou uma queda no volume de vendas no Brasil em decorrência de uma acentuada redução na venda de cervejas.

3) A Goodyear relatou que as vendas de pneus na América Latina caíram 20% em relação ao mesmo período no ano passado em decorrência da desvalorização da moeda brasileira e também a uma queda no volume de vendas.

4) A fabricante de gás industrial Praxair disse que suas receitas de vendas caíram em relação ao ano passado em decorrência das atividades industriais mais fracas no Brasil e na China.

5) A Whirlpool, dona das marcas Brastemp, Consul e KitchenAid, obtém 16% de suas receitas com o Brasil, seu segundo maior mercado depois dos EUA.  No geral, as vendas na América Latina caíram 22% em relação ao mesmo período do ano passado, majoritariamente por causa da debilidade da economia brasileira.  Para o segundo semestre de 2015, o conglomerado prevê que a demanda cairá aproximadamente 15% em relação ao mesmo período do ano passado.

6) A Caterpillar obtém aproximadamente 5% de suas receitas com o Brasil.  A empresa relatou que as vendas na América Latina caíram 26%, majoritariamente por causa do acentuado enfraquecimento do setor da construção civil no país.

De óleo de cozinhar a pneus, passando por cerveja, eletrodomésticos e equipamentos de construção: tudo caiu.  E a queda foi de dois dígitos.

E essas são apenas empresas americanas.  A Embraer, a gigante aérea brasileira, reduziu na semana passada seus prospectos para este ano, citando a desvalorização do real e uma quantidade menor de contratos.

Aonde tudo isso vai parar?  Por ora, a incerteza é a única constante.  Em específico, as investigações de corrupção podem reduzir investimentos -- algo de que o Brasil é extremamente carente -- à medida que os empresários vão se tornando paralisados de medo, preocupados com projetos que podem ser subitamente cancelados caso os donos das empreiteiras sejam condenados por corrupção.

A batalha entre aqueles que defendem uma austeridade e aqueles a favor de mais gastos públicos também está se desenrolando no país, com resultados imprevisíveis.

É possível piorar?  Sim, e já piorou.  Ano que vem, o Rio de Janeiro irá sediar as Olimpíadas.  Mas, segunda uma reportagem da Associated Press, que ganhou repercussão internacional: "Os atletas que vão competir nos Jogos Olímpicos de 2016 terão que nadar e velejar em águas tão contaminadas por fezes humanas, que se arriscarão a contrair alguma doença e não poder concluir as provas".

Yuck. Deu até para ouvir o som dos burocratas desmaiando no Rio.

Mas o mercado não está ruim para todos. Embora muitos investidores estrangeiros estejam evitando completamente o Brasil, a ProShares UltraShort MSCI Brazil, especializada em fazer vendas a descoberto e lucrar com um declínio das ações brasileiras, está vivenciando um forte aumento em seus negócios à medida que as notícias ruins oriundas do Brasil se multiplicam.