Mises Brasil Instituto Ludwig von Mises Brasil
http://www.mises.org.br


O brilhantismo e a bravura de Mises
por Daniel Sanchez, sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Há exatos 100 anos, foi publicada a primeira grande obra de Ludwig von Mises, The Theory of Money and Credit.  E como esta foi a primeira grande contribuição de Mises para o conhecimento humano, deveríamos celebrar este ano como sendo o centenário do início de sua carreira de gênio criativo no palco mundial.

Mises escreveu seu primeiro tratado durante os fatídicos anos que precederam a Primeira Guerra Mundial. Isto conferiu urgência ao projeto e afetou bastante a sua composição. Ele posteriormente escreveria em seu livro Memoirs,

Se eu pudesse ter trabalhado em paz e sem pressa, teria começado o primeiro volume apresentando uma teoria sobre trocas diretas; e então eu poderia prosseguir para a teoria das trocas indiretas. Mas a realidade é que comecei com a troca indireta porque acreditava não ter muito tempo; eu sabia que estávamos às vésperas de uma grande guerra e queria terminar meu livro antes de sua eclosão.  Portanto, decidi que iria além do estreito campo da teoria monetária pura em apenas alguns poucos pontos, e adiaria a minha preparação de um trabalho mais completo.

O jovem economista já dominava sua ciência.  Ele provavelmente já poderia ter escrito algo parecido com sua obra-prima Ação Humana -- uma exposição sistemática da economia e a defesa do liberalismo clássico, lançada em 1949 -- ali mesmo na segunda década do século XX.

Mas quis o destino que Mises -- cujas ideias representavam o apogeu e a realização da tradição liberal-clássica -- surgisse em cena no exato momento em que o mundo ocidental renegava completamente esta tradição, adotava o estado totalitário, e lançava-se de cabeça em direção à autodestruição. A paz e o mercado foram abandonados em favor da guerra e do planejamento. Mises foi o supremo cavaleiro do liberalismo em dois sentidos: ele foi o maior e o último.

A marcha fúnebre do era do liberalismo clássico começou com os tiros de canhão da Primeira Guerra Mundial.  E Mises mal teve tempo para finalizar, publicar e defender seu tratado sobre dinheiro: ele foi mandado para a Frente Oriental como oficial de artilharia.

A outros intelectuais com qualificações semelhantes foram dados cargos em agências de planejamento de guerra, em total segurança.  Mas Mises, cujas ideias liberais estavam fora de compasso com o establishment na Áustria, foi colocado diretamente na linha de fogo.  Um dos maiores gênios da história estava a uma explosão de ter a sua carreira cortada pela raiz.

E que trágico isso seria!  Mises ainda nem havia escrito seu grande ensaio de 1920, O Cálculo Econômico sob o Socialismo, que continha o mais poderoso argumento contra o planejamento central jamais formulado. Imagine isso: a mente do maior crítico do planejamento central sendo extinta pela guerra, algo que representava justamente a apoteose do planejamento central.

Ponha-se no lugar de Mises na linha de frente.  Você, melhor que qualquer outra pessoa na história, entende o funcionamento da pacífica sociedade de mercado.  Você entende os defeitos fatais do socialismo e do intervencionismo, e a futilidade da guerra.  Você tem as respostas.  Você conhece o código social que iria destravar e fazer deslanchar o potencial da humanidade.  Você sabe, mas ninguém o ouve.  Você está cercado por destruição e loucura.  Pior: você pode a qualquer momento ser aniquilado por essa guerra que grassa ao seu redor, de modo que todas as ideias não escritas que borbulham em sua mente estarão eternamente perdidas para a humanidade.

Isso seria suficiente para fazer com que praticamente todo homem se desintegrasse.  Mas, felizmente para nós, Mises não era apenas um gênio; ele era também um paradigma da coragem moral.  Mesmo em meio a esta crise lancinante, assim como em suas provações subsequentes, Mises sustentou essa coragem recorrendo a um pouco da poesia latina que ele havia aprendido como estudante.

Como alguém irá perseverar ante uma catástrofe inevitável é uma questão de temperamento.  No ensino médio, como era de costume, eu havia escolhido um verso de Virgílio para ser meu lema: Tu ne cede malis sed contra audentior ito. Não ceda ao mal, e prossiga ainda mais audaciosamente contra ele.

Eu me recordava dessas palavras durante as horas mais sinistras da guerra. Repetidas vezes eu me encontrei em situações nas quais nenhum tipo de ponderação racional era possível; mas então o inesperado intervinha e, com ele, a salvação. Estipulei a mim mesmo que não perderia a coragem.  Eu queria fazer tudo o que um economista pudesse fazer.  E eu não me cansaria de dizer aquilo que eu sabia ser a verdade.

E ele se manteve para sempre fiel àquela resolução.  Durante toda a sua carreira, ele foi sempre o modelo da intransigência baseada em princípios.  Um Leônidas intelectual, cercado por hordas de socialistas, fascistas, expansionistas e neoliberais, Mises manteve suas posições.  Mesmo quando antigos aliados -- como aqueles cooptados pela revolução keynesiana -- se desviaram e deixaram de apoiá-lo, ainda assim ele manteve suas posições.  Ainda assim ele lutou.  E ele lutou não apenas pelo bem das gerações futuras, mas pelo bem da sua própria geração.

Para Mises, não bastava expor teoricamente a tolice do inflacionismo em The Theory of Money and Credit, um livro para a eternidade.  Ele também lutou pessoalmente contra o inflacionismo na Áustria do período entre-guerras, usando sua influência para salvar sua terra natal da hiperinflação que em breve acometeria a Alemanha de Weimar e contribuiria para a ascensão do nazismo.

Para Mises, não era suficiente provar teoricamente a loucura do socialismo em Socialism: An Economic and Sociological Analysis, outro livro para a eternidade.  Ele também dissuadiu pessoalmente o homem mais poderoso de Viena de impor à cidade o bolchevismo que em breve levaria a Rússia à fome.

Os esforços de Mises provavelmente salvaram as vidas de milhares -- e o sustento de milhões.  E o impacto de Mises não se limitou à Áustria.  Ele conseguiu ganhar terreno até mesmo na Alemanha, que havia sido previamente dominada intelectualmente pelos "Socialistas de Cátedra" (Kathedersozialisten).  Ele conseguiu levar os mais brilhantes jovens estudiosos alemães que trabalhavam com as ciências sociais para o caminho do liberalismo e do livre mercado.

Em sua volumosa e empolgante biografia Mises: The Last Knight of Liberalism, Jörg Guido Hülsmann nos relata a trágica mudança que se seguiu.

Justo quando Mises finalmente começava a agitar o espírito da liberdade entre a nova geração de economistas alemães, os velhos Kathedersozialisten obtiveram um derradeiro e devastador triunfo.  Em 30 de janeiro de 1933, seu rebento intelectual, Adolf Hitler, foi indicado chanceler do Reich Alemão.

Com o crescimento da ameaça nazista, Mises, um judeu liberal, foi forçado a abandonar sua Áustria nativa. Posteriormente, a polícia alemã invadiria o apartamento vienense de Mises e confiscaria seus documentos.  Os nazistas sabiam que um escritório repleto das ideias escritas de Mises era potencialmente mais perigoso do que qualquer arma secreta dos Aliados.

Na Suíça, Mises finalmente encontrou a tranquilidade necessária para escrever seu tratado sistemático: Nationalökonomie, o precursor em alemão de Ação Humana.

Ali finalmente estava o "trabalho mais completo" que Mises visionou quando ainda tinha seus trinta e poucos anos: uma exposição magistral das ciências sociais, e uma defesa irrefutável da sociedade liberal.

Mas o livro -- como diria David Hume a respeito de seu próprio grande tratado -- saiu "natimorto das impressoras". A Segunda Guerra Mundial estava a caminho. A mentalidade europeia havia novamente sucumbido à loucura e se mostrava predisposta à autodestruição.  Ninguém tinha tempo ou disposição para dar atenção ao liberalismo, mesmo quando ele estava sendo descrito em uma forma tão refinada, cativante e convincente como esta.

Assim, mais uma vez, não apenas as ideias de Mises estavam em perigo, mas também sua própria integridade física. Mises esteve a um triz ser capturado por agentes alemães.  Os Alpes suíços não eram mais capazes de manter Mises a salvo das forças alemãs.

Para escapar do continente, Mises e sua esposa tiveram primeiro que viajar de ônibus da Suíça até Portugal, mal conseguindo se manter um passo a frente dos nazistas por todo o caminho.  Como relata Bettina Bien Greaves:

Foi uma viagem angustiante.  O motorista frequentemente era obrigado a alterar a trajetória para evitar dar de cara com os soldados alemães.  Devolvidos à pequena cidade francesa de Cerbère, na fronteira com a Espanha, porque seus vistos estavam vencidos, Mises conseguiu, pegando o trem das quatro da manhã para Toulouse, adquirir novos vistos.  No dia seguinte, o ônibus cruzou com seus passageiros a fronteira da Espanha.  Os refugiados tomaram então um trem para Barcelona, um avião para Lisboa, e dali finalmente, após uma espera de 13 dias, um navio para os EUA.

Eles finalmente encontraram um porto seguro em Nova York. Mas a segurança física não trouxe consigo a segurança financeira.  Mises e sua esposa tiveram de encarar uma austeridade como nunca antes.  Quase toda a poupança de Mises havia sido confiscada pelos nazistas.  E, por mais talentoso que fosse, Mises não conseguia encontrar vaga em nenhuma faculdade, já que as universidades americanas haviam se tornado quase tão anticapitalistas quanto as europeias.

Tivesse Mises traído suas convicções, como muitos de seus colegas fizeram, ele provavelmente teria conseguido com grande facilidade uma posição em uma universidade de prestígio.  Mas Mises possuía princípios.  Em momento algum ele se mostrou disposto a ceder.  Como sempre, ele encontraria meios de sobreviver sem abrir mão de suas crenças. Tu ne cede.

Na América, ainda havia alguns poucos individualistas. Vários desses amantes da liberdade viram nas ideias de Mises uma revelação. De suas fileiras, muitos se apresentaram para prover Mises com o suporte financeiro e profissional que ele precisava para permanecer produtivo até seus anos finais.

Com este apoio, Mises pôde novamente expressar toda a sua teoria social, desta vez em inglês (o qual ele rapidamente aprendeu a escrever de forma clara e magistral) e de forma sistemática, em sua obra-prima, Ação Humana.

Para um jovem economista chamado Murray Rothbard, ler Ação Humana foi uma epifania. Ele instantaneamente converteu-se em um misesiano inflexível. Rothbard imediatamente começou a elaborar e a ampliar o trabalho de Mises, criando as bases do atual movimento austro-libertário do qual fazem parte muitos dos que hoje leem este texto.

Mises lutou pela liberdade até o fim, escrevendo livros depois dos 80 anos de idade e dando palestras após os 90. Em uma de suas últimas palestras, no ano anterior ao da sua morte, um jovem médico de nome Ron Paul estava na plateia. Dr. Paul havia dirigido 80 quilômetros para ver Mises, e mais tarde se lembraria de como o evento foi "uma inspiração".

Ao fim da vida, Mises tinha apenas um lamento: não ter mais o mesmo vigor de antes, sendo que ele ainda tinha "tanto para dar ao povo, ao mundo". Mises morreu como viveu: transbordando boa vontade para com os seres humanos e animado por um implacável impulso de melhorar a situação deles no mundo.

O impacto da vida e da obra de Mises repercute já há 100 anos.  Nesta crise econômica e social que enfrentamos, seus escritos e seu exemplo são mais relevantes do que jamais foram.  Seus escritos nos mostram como poderemos um dia remediar nossas maiores aflições.  E seu exemplo pode nos instilar a coragem necessária para as provações que inevitavelmente teremos de enfrentar enquanto não chegarmos lá.

 

Leia também:

A importância de manter-se firme aos seus princípios - Mises e seu crescente legado

Mises - um profeta sem honra em sua própria terra