clube   |   doar   |   idiomas
Ron Paul e a abolição do Banco Central - uma entrevista

N. do T.: o congressista americano Ron Paul, vigoroso seguidor da Escola Austríaca de Economia e incansável proponente da abolição do Banco Central americano (o Federal Reserve), foi recentemente nomeado chefe do subcomitê de política monetária do Congresso americano.  O subcomitê possui jurisdição sobre política monetária, moeda, preços das commodities e assuntos relacionados ao Banco Central americano em geral. 

Trata-se de um acontecimento e tanto, pois jamais um político seguidor da Escola Austríaca teve tanto poder de escrutínio sobre a maior instituição falsificadora do mundo — uma instituição cujas medidas afetam a moeda de absolutamente todos os países do mundo.

Veja sua entrevista logo abaixo.

__________________________________________________

Conseguirá o Fed sobreviver aos ataques de Ron Paul?

 

Por Nin-Hai Tseng, repórter de economia e finanças da revista Fortune

 

Se há algo a ser dito sobre o Congressista americano Ron Paul, é que ele certamente é uma pessoa obstinada.  E que aquele ardor que o ajudou a ganhar a reputação de ser o "republicano solitário" parece, ultimamente, estar gerando frutos.

O obstetra afável e de fala mansa é o representante do 14º Distrito do Texas desde 1977 e passou a maior parte de sua carreira política afirmando que o Banco Central americano é uma instituição maléfica para os EUA e para o mundo, além de ser excessivamente secreta.  Ele não entende por que há um excesso de fé no dinheiro de papel, principalmente no dólar americano.  Se Paul pudesse fazer as coisas do seu jeito, haveria um retorno ao padrão-ouro.  Ele inclusive argumentou sua tese em seu livro, End the Fed.

Paul é um fiel adepto da Escola Austríaca de pensamento econômico — a qual diz que o governo não tem função alguma na regulação da economia.  E, durante anos, ele sempre defendeu que o Congresso não incorresse em qualquer medida que não fosse explicitamente autorizada pela Constituição americana ou que ele visse como sendo gasto supérfluo, incluindo-se aí — como destacou um recente artigo do The New York Times — questões tão cerimoniais quanto honrar Madre Teresa com a Medalha de Ouro do Congresso.

Não há dúvidas de que as ideias de Ron Paul estão fora da corrente convencional e das margens pré-estabelecidas como aceitáveis para o debate.  Em determinados momentos, suas ideias são incômodas e vistas como facilmente rejeitáveis sob o rótulo de 'retórica política extremista'.  Mesmo alguns libertários nem sempre estão de acordo com o político texano.   

Entretanto, recentemente as ideias de Paul estão ganhando a atenção que ele e seus defensores há muito esperavam.  No início de dezembro, Paul foi escolhido para liderar o subcomitê de política monetária doméstica.  Isso significa que ele irá ajudar a fiscalizar a instituição a que ele se opõe — o Banco Central americano —, bem como a moeda e o valor do dólar.

No mínimo, parece que a escolha veio no momento certo para solidificar as ideias que Paul vem defendendo há décadas.  O apoio ao congressista aumentou consideravelmente com a ascensão do Tea Party, cujas frustrações com os pacotes de socorro do governo americano aos grandes bancos e às grandes empresas se alinham às ideias de Paul.

Encontrei-me com Paul para conversar com ele sobre sua nova função, sobre como o mundo poderia voltar ao padrão-ouro e sobre a eleição presidencial de 2012.  A seguir, uma transcrição ligeiramente editada de nossa conversa.

Qual o problema com o Banco Central?

Um banco central faz um serviço que é impossível de ser feito.  Portanto, não se trata de culpar uma única pessoa.  O culpado não é apenas o atual presidente ou o presidente anterior.  O principal problema é a pressuposição de que os burocratas da instituição podem saber ao certo qual deve ser a taxa de juros do momento, qual deve ser a oferta monetária, ou mesmo a suposição de que é possível ter preços estáveis ao mesmo tempo em que se imprime dinheiro.  Há ainda o grande problema de se imaginar que o desemprego pode ser solucionado pela simples manipulação da oferta monetária.

O senhor acha que o país estaria melhor sem um Banco Central?

É claro.  É melhor que não tenhamos depressões, inflação, caos econômico e todos os outros problemas por que passamos.  Não teríamos esse sistema furtivo de financiamento de programas de um estado gigante.  Seria impossível o estado financiar suas guerras e seus vários programas assistencialistas, coisas que apenas fazem com que o estado cresça ainda mais e torne as pessoas — ricos e pobres — dependentes do assistencialismo.  Nada disso pode acontecer sem um banco central.

O que o senhor acha da última medida do Fed de começar a injetar US$ 600 bilhões de dólares na economia americana na esperança de estimular a recuperação por meio da compra de títulos de longo prazo em posse dos bancos?

É terrível.  Eles nos jogaram nessa encrenca porque houve um afrouxamento monetário excessivo.  Foi a contínua inflação da oferta monetária e taxas de juros artificialmente baixas que levaram os EUA à sua atual situação econômica — isso nos deu todas as bolhas por que passamos e você não pode resolver todos os problemas causados pela inflação simplesmente gerando mais inflação.  Já tivemos a primeira rodada de afrouxamento monetário; estamos agora na segunda.  Porém, dessa vez será sob a orquestra de Bernanke. Eles não falaram que houve afrouxamento monetário sob o comando de Greenspan, mas essencialmente houve a mesma coisa — uma maciça inflação da oferta monetária, com taxas de juros muito abaixo das que prevaleceriam no livre mercado.

Então como o senhor acha que seria a economia sem o Banco Central?

Provavelmente teríamos uma economia muito mais saudável — certamente, ela não seria tão frágil.  Ninguém estaria se preocupando com taxas de câmbio e as pessoas não estariam comprando e vendendo moedas estrangeiras e gastando toda a sua energia elaborando estratégias para se defender da perda do poder de compra.  Ademais, também não teríamos um arranjo em que o Banco Central cria dinheiro do nada e o dá de graça para os bancos, o que faz com que estes tenham bilhões de dólares de lucro sem ter produzido nada.  E as pessoas mais pobres, que estão aposentadas e com renda fixa, não apenas não ganham nada, como também têm seu poder de compra corroído pela inflação.  E, por causa dos ciclos econômicos que um banco central cria, as pessoas perdem seus empregos e, no caso americano, seus imóveis.  Não teríamos nada disso sem um banco central.

Isso tudo foi muito claramente previsto pela teoria econômica da Escola Austríaca.  Aconteceu como imaginado e tudo tem sido muito preocupante para o Fed, pois agora eles terão de reconhecer que suas teorias estão completamente erradas.  E eles não farão isso elegantemente.

Como presidente do subcomitê do Congresso para supervisionar a política monetária, uma função que, dentre outras coisas, supervisiona o Banco Central, o senhor mencionou que irá renovar a pressão por uma auditoria completa do Fed.  O que senhor espera lograr com isso?

Essa auditoria deixaria claro quem são os beneficiários das políticas do Banco Central.  Eles divulgaram algumas informações recentemente, mas na verdade não disseram exatamente nada sobre para onde foi o dinheiro dos pacotes de socorro e que tipo de colateral o Banco Central recebeu dos bancos em troca desses resgates.  As pessoas deste país merecem saber quem são os beneficiários e qual o orçamento deles.  O que foi dado de graça pelo Banco Central é maior do que o Congresso, algo bastante incrível.  O Banco Central opera sem restrições orçamentárias.  Eles não precisam prestar contas a ninguém.

E quem o senhor acha que são os beneficiários?

Não sabemos exatamente, mas obviamente são os grandes bancos, as grandes empresas, os bancos centrais estrangeiros e os governos estrangeiros.

Como o senhor acha que essas grandes empresas se beneficiaram com o Banco Central?

Elas recebem dinheiro gratuito.  Quero dizer, o Banco Central permite que elas sejam supridas de dinheiro em determinados momentos.  O livre mercado teria feito com que a General Motors fosse à falência, assim como várias outras empresas que também receberam benefícios.  Os bancos teriam de reavaliar seus ativos e as dívidas ruins teriam sido liquidadas.  Ao invés disso, o que foi feito?  Todos os derivativos impagáveis e todos os ativos ilíquidos foram jogados na conta dos pagadores de impostos.  Ao invés de as pessoas que ganharam todo esse dinheiro na época da bonança sofrerem, elas foram socorridas; e as pessoas que ficaram com a conta da farra na mão são os cidadãos comuns, pagadores de impostos.

O senhor há muito tempo defende que o mundo retorne ao padrão-ouro.  Que futuro o senhor vê para o dólar americano?

Com o tempo, o mundo abandonar o dólar.  É por isso que os mercados financeiros estão tão turbulentos — eles não sabem o que fazer.  O preço do ouro está subindo constantemente, assim como os preços das commodities.  E a maioria das pessoas sabe que o mundo não continuará sendo otário a ponto de continuar aceitando nossos dólares eternamente.  Quero dizer, se os EUA podem criar trilhões de dólares do nada e com isso achar que podem comprar bens e serviços para sempre... algum dia as pessoas inevitavelmente irão parar de participar desse esquema.  E eu acho que já estamos começando a ver os sinais desse fenômeno.

Por outro lado, o euro não gera nenhuma confiança superior ao dólar.  Todas as moedas são meros pedaços de papel.  Assim, a única maneira de você medir o valor da moeda é utilizando algo que tem sido usado há 6.000 anos: o ouro.  E tal medidor, obviamente, mostra que todas as moedas estão se enfraquecendo, o que significa que, em algum momento, as crises irão se intensificar.  A mensuração, portanto, deve ser em termos do poder de compra da moeda.

Creio que o que vai acontecer é aquilo que aconteceu nos últimos 10 anos.  As pessoas começarão a utilizar o ouro como dinheiro, trocando alguns de seus ativos de papel por ouro.  O poder de compra do ouro vai subir e isso ocorrerá para todas as moedas, ainda que possa haver pequenas flutuações, como por exemplo o iene saindo-se melhor que o euro — esse tipo de coisa.

O senhor realmente acha que os EUA poderiam adotar o padrão-ouro?  Como isso poderia acontecer na prática?

Não se trata apenas de uma confiança no padrão-ouro, mas sim da falta de confiança no dinheiro de papel e na insanidade que é você poder criar dinheiro literalmente do nada.  Ao longo de toda a história, vimos que a moeda tem de ser um ativo real, seja ela prata ou ouro, dependendo da situação.  As pessoas sempre querem algo de valor real.

Veja quantas pessoas possuem dinheiro aplicado em ETFs que representam ouro.  Bilhões e bilhões de dólares.  Eu sempre me considerei como estando no padrão-ouro.  Comecei a estudar esse assunto na década de 1960, assim como as previsões de que o sistema de Bretton Woods não tinha como funcionar por muito tempo.  Quando ele entrou em colapso em 1971, a coisa realmente ganhou minha atenção.  Naquela época, você comprava ouro por US$ 35 a onça.  Apliquei minhas reservas em ouro e digo apenas que não foi nada mal.  As pessoas que, na mesma época, tivessem colocado uma pilha de papel-moeda dentro de um cofre teriam perdido até hoje aproximadamente 80% do seu poder de compra, ao passo que o poder de compra do ouro disparou.

Mas aí alguns diriam que o investimento em ouro também é uma bolha.  O que o senhor tem a dizer sobre isso?

Elas podem achar isso, mas creio que são os títulos do governo que estão numa bolha, assim como o dólar.  Mas não, não acredito que o ouro esteja numa bolha.  Haverá correções, é claro — o ouro pode cair US$ 200 ou US$ 300 e isso não provaria nada.

Embora eu tenha escrito o livro chamado End the Fed [algo como Acabem com o Banco Central], eu não digo que o Banco Central deve ser abolido em um dia.  Tudo o que eu defendo é que se obedeça a Constituição americana, que diz que apenas ouro e prata podem ser moeda de curso forçado.  Temos uma multiplicidade de moedas sendo utilizadas ao redor do mundo a todo momento.  Não há motivos para não termos um conjunto de moedas circulando livremente aqui dentro dos EUA.  Portanto, deveríamos poder utilizar ouro e prata para poder pagar nossas dívidas.  Hoje, se você fizer isso, será preso.

Como o senhor acha que a economia iria melhorar caso o padrão-ouro fosse adotado?

A transição é uma coisa um tanto complexa, porém se estivéssemos em um padrão-ouro a economia estaria muitas vezes mais robusta e não teríamos os ciclos econômicos.  Não teríamos de passar por períodos de crescimento artificial seguidos de períodos de recessão.  Os preços seriam relativamente estáveis, o poder de compra da sua moeda seria estável, o balanço de pagamentos se ajustaria automaticamente.

Ao longo do século, a oferta de ouro no mundo aumentou em uma média de 2 a 3% ao ano.  Se mais pessoas passam a demandar ouro e não há um aumento da oferta do metal, isso faz com que o poder de compra do ouro aumente.  E isso aumenta os incentivos para que as pessoas garimpem ouro.  Portanto, tal arranjo vem funcionando há séculos, senão há milhares de anos.

O senhor que acabar com o Banco Central americano?

Bom, eu não espero que isso realmente venha a ocorrer.  O Fed vai se acabar sozinho quando ele destruir o sistema monetário.  Portanto, sim, eu aboliria o Fed, mas eu faria isso gradualmente e teria uma transição.  Eu deixaria que as pessoas pudessem voluntariamente escolher a moeda que querem utilizar, tendo a liberdade de não utilizar uma moeda que está se depreciando.  Apenas pense no quão terrível é o fato de que as pessoas ganham 1% em depósitos a prazo enquanto os bancos ganham dinheiro de graça e utilizam-no para comprar títulos do Tesouro a 3 ou 4%, tendo lucros de bilhões de dólares.  Simplesmente não é um arranjo justo e as pessoas aqui nos EUA estão começando a acordar para isso.

O senhor é um grande entusiasta da Escola Austríaca de economia, a qual diz que o governo não deve regular a economia.  Algumas pessoas dizem que foi a falta de regulamentação econômica que contribuiu para a crise financeira.  O que o senhor diria quanto a isso?

Creio que houve na verdade um excesso de regulação.  O que eles fizeram foi criar desequilíbrios mantendo taxas de juros artificialmente baixas, o que estimula endividamentos excessivos e investimentos errôneos.  Por exemplo, o Fed manteve as taxas de juros artificialmente muito baixas, o que fez com que as construtoras construíssem muitos imóveis, pois o financiamento era farto.  Como a demanda continuava aquecida em decorrência dos juros baixos para as hipotecas, os preços dos imóveis pareciam que iriam subir para sempre.  Aí, para piorar, vem o congresso e aprova uma lei de ação afirmativa dizendo que você deve conceder empréstimos a todo tipo de pessoa, mesmo para aquelas que não possuem qualquer histórico de crédito.  Até presidiários podiam se qualificar.  Todos teriam o direito a um imóvel.  Isso não é um excesso de regulação?

O senhor se candidatará a presidente em 2012?

É claro que sempre há essa hipótese.  Provavelmente vai depender do meu humor em janeiro e fevereiro próximos.  Ainda não me decidi.  Há muitos apoiadores e entusiastas bastante ansiosos para que eu o faça.  No momento, estou totalmente indeciso.

Parece que vários candidatos a presidente irão adotar uma posição neutra em certos tópicos mais sensíveis.  O senhor em algum momento se caracterizaria a si próprio como extremista?

Não, eu acho que o arranjo que existe hoje é que é extremista.  É algo completamente excêntrico.  Eu quero apenas equilibrar o orçamento — não sei como isso pode ser considerado algo extremista.  Eu quero um governo limitado, quero liberdades civis e quero trazer nossas tropas de volta pra casa.

Mas alguns diriam que abolir o Banco Central é um tanto extremista, o senhor não acha?

Não, eu acho que imprimir dinheiro é que é algo extremo e maluco.  Creio que é uma obscenidade permitir que o Banco Central imprima US$ 3,3 trilhões e sequer nos diga onde foi parar esse dinheiro.  Para mim, isso é que é extremo.  E é em relação a isso que o povo americano está começando a despertar.  O governo está totalmente fora de controle.  É quanto a isso que eu creio que todo mundo dentro do movimento Tea Party concorda.



autor

Ron Paul
é médico e ex-congressista republicano do Texas. Foi candidato à presidente dos Estados Unidos em 1988 pelo partido libertário e candidato à nomeação para as eleições presidenciais de 2008 e 2012 pelo partido republicano.

É autor de diversos livros sobre a Escola Austríaca de economia e a filosofia política libertária como Mises e a Escola Austríaca: uma visão pessoal, Definindo a liberdade, O Fim do Fed – por que acabar com o Banco Central (2009), The Case for Gold (1982), The Revolution: A Manifesto (2008), Pillars of Prosperity (2008) e A Foreign Policy of Freedom (2007).

O doutor Paul foi um dos fundadores do Ludwig von Mises Institute, em 1982, e no ano de 2013 fundou o Ron Paul Institute for Peace and Prosperity e o The Ron Paul Channel.


  • Angelo T.  21/12/2010 09:19
    Qual político brasileiro defende algo parecido com essas idéias? :-)

    O último parágrafo é minha parte favorita no texto.
  • augusto  21/12/2010 11:11
    Ha um novo partido, chamado LIBER, que se propoe a defender essas ideias. Foi fundado em 2010, se nao me engano. Mas nao conheco nenhum dos participantes e portanto nao posso dizer nada sobre a firmeza com que eles pretendem defender os principios que constam do manifesto de fundacao do partido.
  • Fernando Chiocca  21/12/2010 13:14
    Eu conheço augusto. É firmeza. É formado por uma maioria de libertários misesianos e rothbardianos. Aqui está o site do partido: libertarios.com.br/
  • Paulo  22/12/2010 00:37
    Esse partido LIBER me pareceu uma boa alternativa de início, mas essa esperança foi rapidamente abandonada quando percebi que é um partido que defende a Cultura de Morte:

    "Nos opomos a ações governamentais que compelem ou proíbem aborto, esterilização ..."

    "Defendemos o fim de todos os subsídios para etapas da gestação presentes atualmente, incluindo planos de pensão e provisão de serviços para crianças através de dinheiro público."

    liber.art4web.com.br/Liber.aspx/Direitos

    "Somos contra todas as leis que imponham restrições à livre escolha e propriedade de alguém sobre seu próprio corpo ..."
    [Nota: E o "corpo" do bebê?]

    liber.art4web.com.br/Liber.aspx/Domestico


    Isso é uma contradição ao que eles defendem em outra seção do site:

    "Um Libertário acredita no princípio da Liberdade, que você deve ser livre para tomar decisões sobre a sua própria vida DESDE QUE NÃO INTERFIRA COM OS DIREITOS BÁSICOS DOS OUTROS - VIDA, liberdade e propriedade."

    liber.art4web.com.br/Liber.aspx/FAQ

    Pois se destruir um ser humano no ventre materno não for "interferir no direito básico dos outros - Vida", então há algo muito errado na definição de liberdade deles.

    Infelizmente serve também a esse partido uma das críticas que Bento XVI fez ainda esse ano, quando o Papa criticou os bispos que não se opuseram claramente a partidos abortistas em suas orientações:

    "... seria totalmente falsa e ilusória qualquer defesa dos direitos humanos políticos, econômicos e sociais que não compreendesse a enérgica defesa do direito à Vida desde a concepção até a morte natural..."
  • Fernando Chiocca  22/12/2010 01:59
    Foi esse o papa que condenou o capitalismo ou foi o outro?

    E pode-se ler claramente que o Liber não se posiciona nem a favor e nem contra a prática do aborto, apenas diz que isso não compete ao grupo criminoso chamado estado decidir.

    E quanto aos seus argumentos, não são difíceis de serem respondidos.

    Muito mais,aqui.
  • Arthur Portella  10/04/2011 23:02
    Fernando, pelo contrário toda a mídia esquerdista odeia o papa. A Igreja Católica sempre foi considerada subversiva em todos os regimes comunistas. E é por causa da cultura judaico cristã que países ocidentais sempre foram mais resistentes ao comunismo. Então se quiser derrotar o comunismo construa um montão de igrejas que não sejam teologia da libertação. Tem um texto muito bom, não lembro o título aqui no Mises falando sobre isso, sobre como o ideário de família cristã é altamente anti-comunista.

    Sobre o aborto acredito que a vida começa na concepção. Tenho sérias dúvidas se aborto deveria ser criminalizado ou não. Nunca faria isso com um filho meu, mas infelizmente já tem muitas pessoas que praticam isso. É claro que até na visão da Igreja quando você mata uma célula ovo existe menos imoralidade do que usar um aspirador para sugar um feto que luta para viver.

    Há várias questões que temos que refletir, será que se autorizarmos a eliminação de células, os abortos vão aumentar? Será que o aborto de fetos já desenvolvidos se tornará menos imoral e aumentará? Um exemplo seria o caso da clínica em que mataram um bebê após não ter conseguido ser abortado. Será que com a banalização da vida, chegaremos a banalização do infanticídio.

    Bem eu nunca faria aborto, mas luto com dúvidas se ele deveria ser descriminalizado ou não. Sugiro que você veja o video sobrevivente de um aborto, aí vai pensar duas vezes se alguém deveria ter o poder de decidir sobre a sua vida.

    Por enquanto sou contra, não por uma certeza absoluta, mas sim pelo princípio conservador da prudência, vamos parar, analisar e ter certeza. O aborto acarreta em muitas transformações na sociedade, vamos esperar e pensar duas vezes, querer mudar tudo radicalmente é um princípio nazista e socialista.
  • Marcos  22/12/2010 20:49
    O LIBER conseguiu mesmo se registrar? Não vi o nome dele no TSE. Acho que ainda precisa cumprir os requisitos para conseguir o registro e realmente poder atuar nas eleições (algo dificílimo de fazer). O mesmo caso de outros partidos que talvez implementassem idéias da escola austríaca, como o Partido Federalista e a UDN.

    Sobre o aborto, já vi gente do LIBER com posições pró-vida, argumentando em uma linha bem parecida a um artigo do próprio Ron Paul publicado aqui há um tempo atrás. Se não me engano, formalmente não há posicionamento do partido.

    O fato é que defender o aborto seria um tiro no pé, de nada adianta economicamente combater o comunismo mas em questões morais e sociais seguir os esquerdistas. Seria apenas oposição pontual, o que já acontece atualmente com o PSDB.
  • Angelo T.  21/12/2010 14:13
    Augusto, participei das conversas do partido bem nos primórdios, lá no Orkut. Inclusive colaborando com a tradução das idéias do Libertarian Party.
    Também não conheço as pessoas de lá, mas com certeza deve ter muita gente boa.
  • mcmoraes  21/12/2010 10:29
    O Ron Paul me faz lembrar de um ditado paraibano: Um Homem é um Homem, um prato de papa é um prato de papa! Q o Homem viva saudável e lúcido por + muitos e muitos anos.
  • Gustavo  21/12/2010 10:38
    Seria bom se ele ganhasse a eleição de 2012. E tem mais chances visto o aumento do Partido Republicano nas eleições desse ano.
  • Paulo  21/12/2010 13:34
    Não, prezado Gustavo. Espero que ele nunca ganhe. Sabe porque? Exatamente para ele continuar o grande homem que é. Lembre-se daquela frase de Lord Acton: "o poder corrompe. O poder absoluto corrompe absolutamente." Ele pode chegar à Casa Branca e não ser mais o mesmo. Lembre-se que Greenspan também já defendeu o padrão ouro, chegou à presidência do Fed e....não preciso mais contar o restante da História...
    Aliás, devo lembrar que o mesmo Ron Paul não começou pelo Partido Republicano, já tendo sido candidato à presidência pelo Partido Libertário (Partido que teve como um de seus fundadores, o grande Rothbard, aquele foi um libertário de verdade) em 1988. Por que será que ele foi para o Partido Republicano? E até agora não consigo entende porque um "libertário" lidera um movimento como o "Tea Party"?
  • Fernando Ulrich  21/12/2010 14:36
    Paulo,\r
    Ele foi para o partido republicano pois o sistema democrático americano é, ironicamente, nada democrático. Se ele continuasse no Libertarian ou como independente ele jamais teria podido participar dos debates do GOP de 2008 e jamais poderia ter "acordado" as milhares de pessoas que ele alcançou com sua mensagem pelo mundo afora. Me incluo nesta lista.\r
    \r
    Em diversas ocasiões ele respondeu esta pergunta, por que Republicano ao invés de Independente ou Libertário.\r
    \r
    Não creio que ele se corromperia, mas tempoco acredito que deixarão que ele chegue ao poder. Acho que ainda não vai ser desta vez.
  • gonçalves  21/12/2010 17:07
    Paulo,\r
    \r
    Não há caminho fora do sistema político para que as idéias libertárias assumam a posição que hoje é ocupada pela ideologia coletivista e estatal, incrustrada na Constituição, nas leis e nos regulamentos. Se os libertários não tomarem parte do processo político, ninguém, no lugar deles, fará essa mudança. E sejamos humildes: é um combate penoso, demorado e, até onde posso enxergar, ainda desanimador. Portanto, é bom, sim, que gente do quilate do Ron Paul vá para a linha de frente e assuma responsabilidades. Creio que o libertarianismo terá de lidar, em algum momento, com o desafio prático de reformar ou extinguir instituições. Que se conte, então, com os melhores homens para isso.\r
    \r
    Um abraço\r
    \r
    Gonçalves
  • Tiago RC  22/12/2010 07:52
    Discordo um pouco disso.
    Acho que o caminho do meio político é talvez o mais difícil, exige um esforço descomunal e os resultados são pífios.
    Nesse ponto eu concordo com o Patri Friedman, precisamos de ações mais diretas que permitam às pessoas desfrutar um pouco mais de liberdade.

    O projeto do próprio Patri Friedman é talvez o mais importante nesse sentido: seasteading.org

    Mas tem outros também. Particularmente na internet, tentativas de se impedir o controle estatal estão germinado aos montes. A EFF lista algumas bem interessantes nessa página: www.eff.org/deeplinks/2010/12/constructive-direct-action-against-censorship

    Eu estou particularmente interessado pela última listada, as bitcoins. Acho uma forma genial de contornar o mal do monopólio da moeda e do banco central, tão criticado pelo Ron Paul.

    Enfim, foi só pra mostrar como o caminho político não é o único... eu pessoalmente o acho um dos mais difíceis...

    Abraços!
  • goncalves  22/12/2010 12:54
    Tiago,\r
    \r
    Não discordo de você quanto a ser difícil atuar no contexto político convencional. Acho que manifestei isso em meu comentário. Mas o fato é que, gostemos ou não, o sistema legal é formulado por políticos. Ainda não vejo nada no horizonte que possa mudar isso. É claro que desenvolvimentos tecnológicos podem ampliar a liberdade individual - a internet é um exemplo -, mas é bom lembrar que todo campo de ação humana, hoje, está sujeito a ser tutelado pela lei. Quem nos garante que o legislador aceitará passivamente a redução do escopo do Estado? Quem pode detê-lo, senão um par, pelo voto? Lembro que, em última instância, até as tais cláusulas pétreas da Constituição podem naufragar, porque a sorte de quaisquer mandamentos está nas mesmas mãos de quem os trouxe à vida pública, bastando que faltem ou que se omitam os que deveriam defendê-los.\r
    \r
    Abs.,\r
    \r
    Gonçalves
  • Tiago RC  22/12/2010 18:44
    Mas o fato é que, gostemos ou não, o sistema legal é formulado por políticos. Ainda não vejo nada no horizonte que possa mudar isso.

    Seasteading. ;-)
    Está muito mais próximo e viável do que mudar a cabeça de eleitores e políticos...

    Quem nos garante que o legislador aceitará passivamente a redução do escopo do Estado?

    Mas eles não vão "aceitar". O ponto é que eles não terão muitas alternativas. É mais ou menos o que o Gary North diz nesse texto. Temos que aprender a correr mais rápido que eles. ;)

    Abs
  • augusto  22/12/2010 20:08
    Ja me chamaram de troll em outro topico, mas vou insistir, porque tenho certeza de que nao sou o unico que pensa assim. Do que o Corgosinho esta falando? Alguem pode, por favor, traduzir os posts dele para um portugues compreensivel?
  • mcmoraes  22/12/2010 22:29
    Prezado Augusto,

    [Vou me arriscar e assumir q vc está afirmando q fui eu que o chamei de troll num outro tópico. Se eu estiver enganado, por favor, desconsidere este comentário.]

    Eu não quis chamar vc de troll, mas sim ao seu interlocutor naquela discussão, o criptógrafo. Isso pq, para mim, um comentarista prolífico q se esforça tanto para não ser entendido não passa de um troll.

    A propósito, vejo q a opinião do criptógrafo é importante p/ vc. Q tal vc mesmo tentar decifrar seus segredos por conta própria e depois, se achar q vale a pena, compartilhá-los com os outros?
  • mcmoraes  21/12/2010 22:07
    Por que será que ele foi para o Partido Republicano?

    Pode ter havido inúmeras boas razões para isso. Por exemplo, olhe o depoimento do Lew Rocwell:

    The last time I had any contact with the Libertarian Party was the summer of 1989 in Philadelphia... Murray rose to the platform to make the case for electing this chairman over that chairman. I forget the details. In any case, they hissed at him. They booed him. They shouted him down and denounced him. I thought: this is just amazing. The greatest libertarian thinker in history, and they can't even treat him politely? (Speaking of Liberty, p. 410)
  • Erik Frederico Alves Cenaqui  21/12/2010 14:29
    Prezado Leandro\r
    \r
    Muito bom saber que um representante da Escola Austríaca conseguiu uma posição de destaque no congresso americano, principalmente na area econômica.\r
    \r
    O Banco Central não mais é que um órgão estatal que gera inflação e destroi o capital acumulado com muito esforço dos individuos que não tem contatos políticos.\r
    \r
    Sua irracionalidade refere-se ao fato de ser um ente que faz planejamento centralizado, possuindo um caráter notadamente socialista/autoritário, vez que é impossível estabelecer critérios gerais para o uso do dinheiro, que é um meio de troca voluntária.\r
    \r
    Parabéns ao site que continua cada dia melhor.\r
    \r
    Abraços\r
    \r
  • Miguel A. E. Corgosinho  21/12/2010 16:25
    "Assim, a única maneira de você medir o valor da moeda é utilizando algo que tem sido usado há 6.000 anos: o ouro."

    Podemos assertar esse pressuposto?


    - a origem do padrão de referência do "valor" estaria na "produção", de ouro, certo ou errado?

    - o "valor" aumentaria ou diminuiria de acordo com a "produção", de ouro, certo ou errado?

    - o "valor" se discola da "produção", de ouro, certo ou errado?

    Mas, uma vez que o conhecimento de um no nome, "valor", é a parte objetiva que irá circular na economia, ele é isolado por razão de simplicidade do ouro, para as funções da moeda; no que segue; o ouro passa a presunção do mesmo estilo das outras mercadorias - na demanda de causas externas, podando as diversidades de unidade real.

    É, portanto, o equilíbrio dos conceitos dos movimentos de unidade real de produção", e não o ouro que possa existir, comprado por preços entre outras moedas para executar a condições de padrão de referência de valor, que se exprime a maneira natural sobre outras formas" - pelo fato de que todas coisas podem ter "valor" por elas próprias.

    Ao que define, distingue e caracteriza as funções que devem abstrair o todo da produção, o "valor" se torna genérico (de classes da natureza exterior de quadro social), em favor da identificação real, enquanto o ouro, como qualquer objeto, resulta de princípios de duração das relações vindouras de produção, em geral.

    _____________________________________________________________________________________


    STRAWSON - Pag.194/195 - "Um conhecimento identificador é o conhecimento de um item particular que a audiência distingue, num ou noutro sentido, de qualquer outro item. A porção apropriada de conhecimento identificador deverá ser invocada pela utilização de uma expressão considerada adequada pelo locutor, nas circunstâncias globais de elocução, a fim de indicar à audiência qual é, dente todos os itens que estão dentro do âmbito do conhecimento identificador da audiência, aquele que se está declarado, na elocução como um todo, ser assim e assim(thus-and-so).

    Esse modo de exprimir permanece ainda indisputável, pois é uma maneira natural de exprimir algo que, em si mesmo, é indisputável. Mas ele introduz um contraste, entre o assertado e o pressuposto, em termos que se encontram associados a uma questão controvertida.
  • Vitor  21/12/2010 16:52
    Miguel,\r
    \r
    Valor é subjetivo. Coisa nenhuma pode ter valor por conta própria. \r
    \r
    Simples assim.
  • Miguel A. E. Corgosinho  21/12/2010 19:17
    Onde vc aprendeu isso, me ensina?

    Subjetivo é aquilo que ainda está na sua cabeça, valor é qualidade (toda qualidade é real) de algo exterior determinado.

    Não confunda preço com valor.
  • Angleo T.  21/12/2010 22:55
    A pergunta não foi para mim, mas vou me intrometer e tentar responder. Tem gente muito mais qualificada para responder. Sou apenas um curioso, então desde já peço desculpas caso fale um monte de bobagens. \r
    \r
    Valor é um julgamento que fazemos sobre a importância de um bem. Esse julgamento tem a ver com a manutenção/melhora/piora de nosso bem-estar. Valor é subjetivo. Não é uma propriedade dos objetos. E não há como comparar o valor por mim dado a um bem, com o valor dado ao mesmo bem por você (pegadinha: mil reais vale mais para um rico ou para um pobre? Como se mede isso?). Mas posso ordenar os valores dos bens: dou mais valor a uma Ferrari do que a um Corsa. Esse processo de ordenação mental que cada indivíduo faz dos valores dos bens é importantíssimo nos estudos da economia austríaca.\r
    \r
    Já o preço é objetivo. Preço é um bem expresso em função de outro. Atualmente, quando fazemos uma troca, expressamos os bens em termos de dinheiro: o preço dessa cerveja é 3 reais. Mas poderíamos expressar de outra forma: o preço dessa cerveja é 1Kg de arroz.
  • Miguel A. E. Corgosinho  22/12/2010 14:14
    Angleo T., \r
    \r
    Valor é um julgamento que fazemos sobre a importância de um bem. Esse julgamento tem a ver com a manutenção/melhora/piora de nosso bem-estar. Valor é subjetivo.\r
    \r
    A primeira frase você instruiu como objetividade externa, portanto, na medida da "razão" de todos, e na segunda frase você enredou como uma filosofia para apenas a sua própria "lógica subjetiva".\r
    \r
    Com a objetividade externa, caimos na contradição de vinculo comum da soberania nacional: o "valor" é o motor da necessidade imposta do exterior. E ai?\r
    \r
    Depois que o saber do valor absoluto for estabelecido no inicio do fundamento interno da propriedade privada do país, inteiramente vinculado a objetividade externa a si e para si (o estado é esse ideal, onde estaria posto toda realidade da sociedade), só então o "Valor é um julgamento que fazemos sobre a importância de um bem."\r
    \r
    "Valor é subjetivo."\r
    \r
    Marx: "Toda concepção da liberdade que pretende agir unicamente por seu ensinamento, sem tocar as condições concretas da alienação, só pode semear ilusões."\r
    \r
    É claro, o valor tem como valer também segundo um princípio de atividade objetiva, que está para o que o funda, sem o qual náo há um objeto real. considero que essa atividade objetiva do valor, portanto, está na sua referência äs atividades dos valores produzidos - nas propriedades dos fatores de produção da sociedade como um todo. \r
    \r
    Vamos a análise da sequencia abaixo:\r
    \r
    "O valor é subjetivo. Não é uma propriedade dos objetos. E não há como comparar o valor por mim dado a um bem, com o valor dado ao mesmo bem por você (pegadinha: mil reais vale mais para um rico ou para um pobre? Como se mede isso?). Mas posso ordenar os valores dos bens: dou mais valor a uma Ferrari do que a um Corsa."\r
    \r
    Há uma grande diferença dos momentos do processo de ordenação mental, para mim (preço, lucro, juros, alienação à moeda) na mente, em comparação com o processo do movimento interno de (valor) num dado período interior da produção.\r
    \r
    "...Como se mede isso?)"\r
    \r
    Precisa-se compreender o "valor" com os conceitos dos fatores da "razão de referência", determinados da produção, que se comparam aos dados das distinções de mensurar sua unidade real, para a matemática como substrato para a moeda universal; e não com preços de mercado financeiro. Porque mil reais, segundo o modelo de padrão de referência, que deve ser investigado como faculdade do sujeito (manifestadamente na exigência de um meio exterior), estaria em um mundo (X) em que todas as atividades de produção de objetos igualaria tanto a pura posição para além de todo objeto possível a partir do valor próprio a duplicação de moeda, tanto pela formação monetária criada para a concepção de determinar uma relação de autonomia para fazer Corça no Brasil ou uma Ferrari na Itália.\r
    \r
    "Atualmente, quando fazemos uma troca, expressamos os bens em termos de dinheiro: o preço dessa cerveja é 3 reais. Mas poderíamos expressar de outra forma: o preço dessa cerveja é 1Kg de arroz."\r
    \r
    Para a natureza externa do valor desse mundo (X), mil reais, por exemplo, vale a condição essencial da redução da jornada dos fatores de uma produção, que se tornará então moeda de troca da necessidade, seja ela o que for. mas a troca até agora não conquistou a sua liberdade exteriorizada e alienada.\r
  • Angelo T.  22/12/2010 14:38
    Miguel,

    A impressão que tive é que trabalhamos com definições de valor totalmente diferentes.
    Mas na verdade estou em dúvida se eu não fui claro o suficiente, ou se fui claro o suficiente e você não entendeu, ou se você entendeu, respondeu e eu não tenho competência para analisar sua resposta.
    Dessa forma acho que não tenho como prosseguir na conversa.
  • Gustavo Boscolo Nogueira da Gama  22/12/2010 14:55
    "Mas alguns diriam que abolir o Banco Central é um tanto extremista, o senhor não acha?"
    Ele bem que poderia ter respondido: "E...?".
    Situações extremas exigem soluções extremas.
  • Miguel A. E. Corgosinho  22/12/2010 19:49
    Gustavo, tomei a liberdade de dizer meu ponto de vista.\r
    \r
    Por causa da solução do enigma do sujeito universal, para questões em relação a moeda, inspirada na constituição do valor pelo o engendramento da propriedade privada, náo estou tentado a não fazer caso do Banco Central. Mesmo que direitos do Brasil estejam sendo aplicados para a especulação; porque, ele tem um lugar ao lado de uma centralização mais decidida do poder, e não deve a tudo explicar a partir dos agentes financeiros.\r
    \r
    "Hegel, parte do estado e transforma o homem no estado subjetivado. A democracia parte do homem e transforma o estado no homem objetivado. Assim como não é a religião que cria o homem, mas o homem que cria a religião, também não é a constituição que cria o povo, mas o povo que cria a constituição... Recentemente os franceses conceberam isto de tal modo que o estado político desaparece na verdadeira democracia. Isto é verdade na medida que o estado politico como tal, enquanto constituição já não diz respeito ao todo (22).\r
    \r
    ...o que conta no estado genuíno não é a possibilidade de qualquer cidadão se devotar a classe universal, mas a capacidade de a classe universal ser realmente universal, isso é, ser a classe de todo cidadão.\r
    \r
    Criticar assim esta filosofia e progridir para além dela mostraria, qual viria a ser o futuro da sociedade."\r
    \r
    Segundo Marx "A dificuldade consistia, obviamente, em encontrar um elemento passivo, uma base material, necessários a revolução."\r
    \r
    Hoje esse elemento passivo não nos falta mais! \r
    \r
    A adjetivação do valor envolveria pelo menos abolir o jugo dos especuladores do mundo real. Há uma natureza especialmente formada que não pode emancipar-se sem se achar capaz de identificar o seu próprio agir exterior com os objetivos de todas as esferas da sociedade.\r
  • Vitor  22/12/2010 22:53
    Miguel, você não é muito familiarizado com a Escola Austríaca, correto? Pois mostrou que um certo desconhecimento de um dos pilares básicos do pensamento austríaco quando perguntou onde aprendi essa história de valor ser subjetivo. \r
    \r
    A obra considerada a pedra fundalmente da EA é Princípios da Economia, de Carl Menger. Na obra, Menger desenvolve a Teoria de Valor Subjetivo, que consegue tapar os vários buracos da Teoria de Valor Trabalho de Smith/Ricardo/Marx. \r
    \r
    Até os neoclássicos aceitam que valor é subjetivo, mas não costumam se aprofundar neste conceito tanto quanto os austríacos. \r
    \r
    Mas bem, valor é subjetivo mesmo. Um fato da vida, está até na nossa língua quando se diz que a pessoa valoriza algo demais ou de menos. Se o valor não fosse subjetivo, trocas e comércio não fariam sentido.
  • Vitor  23/12/2010 00:08
    Fundamental*
  • Miguel A. E. Corgosinho  23/12/2010 11:15
    Vitor, vc está correto: não sou familiarizado com a Escola Austríaca. Aliás, se possível, gostaria que você procurasse uma parte interessante pra gente trocar idéias, pois sou novo aqui.

    O que eu penso que tem acontecido no momento é que está disseminado um certo relativismo da palavra valor: valor subjetivo, valor objetivo, valor real, valor fictício, valor pessoal, valor disso e daquilo etc sem admitir determinações.

    De que vale um valor subjetivo? Marx observou que de nada adianta um pessoa ser livre se o povo é escravo.

    E se eu requerer que o valor compareça perante mim...

    Alguém pode me oferecer algum valor sem agregar a qualidade de algo concreto?

    O pensamento subjetivo (na mente) pode multiplicar valor em outras coisas sem ir a exterioridade?

    Se quisermos o melhor deste país, o valor tem que constituir o direito subjetivo de pleitear o fundamento do valor de todos subjetivismos possíveis de ser.

    Como uma floresta que não tem agua, o valor é o direito da liberdade dos povos, pois o valor invertido advém da abominação de valor uma vã divida.

    O valor estabelecido julgará entre os povos uma nação associada a majestade da outra, por aquilo que os seus bens os fizerem livres.

    Na verdade, o que eu penso estabelecer não é uma teoria, mas um conceito sistemático de valor com o princípio das propriedades materiais, e dele mesmo. Valor natural, para fundamentar as qualidades que precedem a existência de algo que virá a ter valor, e depende das atividades objetivas de sua transformação, ou seja: em condições de nos situar no processo externo do seu próprio surgimento simultâneo em relação a quantidade abstrata para algo concreto, do modo da produção. Daí ser um valor real.

    Esse valor ao qual vc refere a Teoria do valor subjetivo, portanto, ainda não o conheço na obra de Carl Menger, mas me permito te afiançar, sem demérito ao pensamento austríaco, que ele é derivado, a posteriori, das funções da produção e não em si. "Dai o valor, como um fato da vida de um hipotético cidadão, ser subjetivo mesmo."

    Mas, a diferença entre os dois valores, subjetivo ou objetivo é o ponto de vista da realidade, em que o primeiro pode ser, como vc disse, algo de mais ou de menos valor, e o segundo é um desejo determinado de algo real do câmbio da unidade subjetiva, em igualdade de valor - que a razão (consciente da exterioridade do pensamento nos obriga num duplo elemento), por exemplo valor/moeda (1=1), sem a necessidade de um X maior para aferir a ambos.

    É bom lembrar que as trocas ( são circunstâncias fragmentadas de moeda (uma indeterminada potência da subjetividade), sem o equilibrio do conceito de valor que possa gerar confiabilidade variável as suas causas, por falta de uma referência da extensão social; ao passo que, o valor (objetivado) possui a primazia de fazer o desenvolvimento mensurável da economia, fazendo a si próprio razão essencialmente relativa a referência com o todo produzido.
  • Renê   23/12/2010 13:35
    Corgosinho

    Agora sei porque não te compreendo, você lê muito Marx.
  • Miguel A. E. Corgosinho  23/12/2010 17:40
    Renê,

    Então você lê muito Marx, mas compreende?









  • Erik Frederico Alves Cenaqui  23/12/2010 19:03
    Prezado Leandro e demais leitores\r
    \r
    Eu não entendo porque os marxistas vem aqui, num site que defende a liberdade e a iniciativa privada, fazer comentários que não tem nada a ver com o tema descrito no texto.\r
    \r
    Muitos escrevem gigantestos comentários que me confunde, me cansa ou simplesmente fazem contestações genéricas ao site.\r
    \r
    A postura anarcocapitalista é muito clara: a iniciativa privada tem uma lógica e valores infinitamente superiores que a do estado, sendo que somente trocas voluntárias entre os indíviduos podem gerar felicidade e riqueza; o estado é SEMPRE ineficiente, corrupto, gastador e violento, sendo praticamente impossível obter dos estatistas qualquer prestação de contas ou transparência.\r
    \r
    Eleve-se que o site esta repleto de textos, fatos e argumentos que comprovam a veracidade das afirmações que eu fiz acima.\r
    \r
    Frise-se que o estatismo é incompátivel com a liberdade individual, vez que os regimes comunistas no mundo inteiro mataram e encarceram milhões de pessoas.\r
    \r
    O Brasil é uma sociedade SOCIALISTA desde sua fundação com o estado controlando todos os aspectos da vida nacional há séculos.\r
    \r
    Eu desafio qualquer marxista a comprovar que os fatos e argumentos do site são inverídicos, mas é evidente que não conseguiram.\r
    \r
    Peço aos marxistas que reflitam sobre as incoerências e contradições de suas teses.\r
    \r
    Abraços
  • Leandro  23/12/2010 19:24
    Prezado Erik e demais leitores,

    É fato que temos recebido a visita de vários marxistas ultimamente. Um deles, um gaúcho (sei pelo IP) que sempre posta com nomes anônimos, é especialmente divertido. Recentemente ele até criou um e-mail próprio apenas para me aporrinhar.

    Por que eles vêm pra cá? É fácil. Veja a miséria intelectual sem fim dos sites de esquerda. Conhece algum, um só, que presta? A cada linha que você lê daquilo, seu QI cai meio ponto. Nem eles aguentam ler o que se publica ali.

    E como somos um site apolítico, eles se sentem bem à vontade vindo aqui, nem que seja para fugir da estultícia que predomina nos sites deles; e também para vir respirar os ares mais mentalmente puros e intelectualmente desafiadores que daqui exsudam.

    Conto com sua colaboração e com a dos demais leitores. Acolhamos estas pessoas mentalmente extraviadas que vieram parar aqui e tenhamos paciência com elas. Afinal, muitos de nós já fomos extraviados um dia também.

    Abraços!
  • mcmoraes  23/12/2010 19:35
    @Leandro ... Afinal, muitos de nós já fomos extraviados um dia também.

    Perfeito! Justamente hj, ao ler uma notícia, eu estava me lembrando de um tempo em q eu desejava a desgraça dos países ricos, especialmente dos EUA, pois acreditava q o Brasil só era pobre pq era explorado pelos ricos.
  • Miguel A. E. Corgosinho  23/12/2010 22:02
    Não sou a favor do Estado, nem a favor do Estado do financísmo que o explora.

    Certo ou errado, há muitos anos tenho a ideologia própria do que penso e escrevo, com a espontaneidade inerente ao cidadão comum.

    Não tenho partidarismo de esquerda, muito menos de direita. O que me chamou atenção, a primeira vista, foi lema do site: LIBERDADE, PROPRIEDADE E PAZ.

    Não acho merecido, portanto, me dirigirem termos preconceituosos. Se o IMB não achasse conveniente a pluralidade de idéias, não precisaria nem de mediador. Se não me quiserem oficialize o motivo que eu saio.

    Aqueles que aqui são recebidos, entretanto, precisam ser respeitados e terem o direito de permanecer em paz.

    O ataque pessoal me parece que foi uma coisa recém proibida.
  • Carlos Santos  24/12/2010 02:42
    "há muitos anos tenho a ideologia própria"

    Fazem 21 anos, não é mesmo? Ah, aquele fatídio 9 de novembro de 1989... hehe.

    PS: Só tô zuando, zuar também é um direito humano me parece recentemente instituído. Não vá interpretar como 'ataque pessoal', tá?
  • Miguel A. E. Corgosinho  24/12/2010 17:41
    P uxa, que coincidência com o ano do primeiro sonho, foi em 1989, com o código de fonte da moeda - de onde vem o valor para cunhar a quantidade de dinheiro.\r
    \r
    A questão do muro ficou ultrapassada, mas há obstáculos ferrenhos tanto para a parte primitiva do comunismo como para as inversões do rigime da riqueza.\r
    \r
    Z oar? Meu imgaginário se depara com os protetores da insolvência americana.\r
    \r
    \r
    \r
    \r
    \r
    \r
  • Erik Frederico Alves Cenaqui  24/12/2010 11:14
    Prezado Miguel Corgosinho\r
    \r
    Voce é partidário da esquerda tanto que citou Marx em seu comentário e disse desconhecer os fundamentos da Escola Austriaca.\r
    \r
    O Leandro e o site não fazem como o Reinaldo Azevedo faz que é bloquear os comentários que estão em desarmonia com o texto.\r
    \r
    Na minha modesta opinião o Reinaldo Azevedo esta certo ao bloquear os comentários marxistas do seu blog vez que existem milhares de jornalistas e sites que defendem estas teses.\r
    \r
    Existem vários textos no site criticando o marxismo, que hoje inclusive domina a educação, cultura, imprensa e o estado brasileiro.\r
    \r
    As críticas a você decorrem do fato de você ter expressado simpatia pelo Marx, tanto que o citou.\r
    \r
    Por fim, os textos do site repudiam o marxismo e toda e qualquer forma de estatismo, vez que são incompátiveis com a LIBERDADE, PROPRIEDADE E PAZ.\r
    \r
    Espero ter podido ajudar.\r
    \r
    Abraços\r
    \r
    \r
    \r
    \r
    \r
    \r
    \r
  • Miguel A. E. Corgosinho  24/12/2010 19:03
    A espansão da industria e do comércio vem sendo causada por uma combinação entre a aceleração de moeda dos EUA - sem lastro - e a fusão do processo de alienação real, inventada após a segunda guerra mundial, e acabada, tecnicamente, entre o mercado financeiro e os títulos públicos dos demais governos. O novo tratado reveste a apropriação total dos mercados internos para a eficiência das exportações; a fim de que chegue a américa o valor dos outros países, que tambémm sacam a descoberto o conjunto instrínseco da produção (o seu valor).\r
    \r
    Atente apenas para o que estou tentando explicar como um supremo direito de cada nação cunhar o "VALOR" onde ele começa a existir naturalmente, na produção. \r
    \r
    O que precisamos é um sistema de igual poder - antes na custódia do bilhete bancário do ouro - para existir um meio de circulação científico (do valor); que mensura a produçao, por causa da sua unidade perfeitamente uniforme, prevista para a idade virtual das relações de produção no valor de face da moeda, e não da taxa de armazenamento e transferências de valores cobradas para canalizar o valor do ouro na economia.\r
    \r
    Como comprovar a conexão de "VALOR" na moeda se ninguém o tiver transferido sua unidade, uniformimete, por meio da verdade combinada pela própria estabilidade da natureza monetária, para cunhar a quantidade de dinheiro? \r
    \r
    Se vc entendesse o significado disto, como uma intuição lançada, por mim, contra um muro imaginário de outros fundamentos de poder aliendado, compreenderia que não poderia alcançar o ambiente futuro do mercado com as idéias antigas de Marx, Kant, Hegel etc.\r
    \r
    Por acaso Marx ou alguns deles se ajustariam a cunhar a moeda com o valor custodiado pela tecnologia da informática?\r
    \r
    O que há de novo é que a própria história da realidade exterior da riqueza já está escrita.\r
    \r
    A idéia mestra de Feuerback é a ideia de alienação: "A alienação é para o homem o fato de considerar como uma realidade exterior e superior a ele, como uma realidade extranha, o que na realidade é sua própria obra. O fruto da sua criação."\r
    \r
    Isso é o que libera os povos para uma teoria do valor, antes vazia. \r
    \r
  • Carlos Santos  25/12/2010 04:13
    Por acaso estás dizendo que considera válida a teoria da troca desigual e que depois da Segunda Guerra Mundial houve um casamento da alienação do trabalho promovida pelos capitalistas e a expansão da moeda pelo estado com vistas a 'turbinar' a exploração dos países periféricos pelos países de centro?

    Pelo que entendi você defende que a produção de um país seja mensurada por um sistema de informática, que também se encarregaria de calcular o valor dessa produção. A finalidade desse instrumento seria distribuir o valor a cada trabalhador de acordo com a sua contribuição para a produção e acabar com a alienação do trabalho além de impedir assim a formação da mais-valia. Está correto?
  • Miguel A. E. Corgosinho  25/12/2010 15:30
    "Por acaso estás dizendo que considera válida a teoria da troca desigual...\r
    \r
    Valida seria a "teoria de valor" igual, para troca e mensuraração. \r
    \r
    Segundo Ron Paul, "Todas as moedas são meros pedaços de papel." Não é a moeda que reproduz os poderes da troca na economia? - "...todas as moedas estão se enfraquecendo, o que significa que, em algum momento, as crises irão se intensificar." \r
    \r
    Prossegue Ron Paul: "A mensuração, portanto, deve ser em termos do poder de compra da moeda.". Ora, se a economia considera a moeda como um fundamento de troca e se, ao mesmo tempo, de mensuração, por que não suprimem essa corelação mundial de pagar a mensuração em termos de "poder de compra da moeda" (comprar valor de quem)? \r
    \r
    "...houve um casamento da alienação do trabalho promovida pelos capitalistas e a expansão da moeda pelo estado com vistas a 'turbinar' a exploração dos países periféricos pelos países de centro?"\r
    \r
    Eu entendo que só existe um país de centro (EUA) envolvido em "turbinar" o setor privado no mundo todo, numa escala gigante de trocas, incluindo o todo poderoso meio (mercando financeiro) fazendo-o extrair das riquezas o seu valor, através da coerção do senhorio da sua moeda, para mensurar (só ser for os titulos públicos) e se auto-denominar "o governo" dos outros Estados. \r
    \r
    Essa é a verdadeira teoria da troca desigual, dos Estados; o poder de falsificar dinheiro novo e obter o monopólio compulsório do alto comando da economia e das sociedades, pela qual consegue persuadir os Estados suditos, ao imposto do "valor" do capitalismo americano, com a analogia do investimento externo. \r
    \r
    \r
    "...acabar com a alienação do trabalho além de impedir assim a formação da mais-valia."\r
    \r
    Isso não é uma teoria Marxista simplória, hoje resolvida entre entre o patrão e empregado, com o pagamento de horas extras e direitos trabalhistas?\r
  • Erik Frederico Alves Cenaqui  23/12/2010 21:48
    OK
  • Emerson Luis, um Psicologo  21/08/2014 22:53

    Quatro anos depois, quais foram os resultados?

    * * *


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.