clube   |   doar   |   idiomas
Doze trapalhadas econômicas históricas
Um museu de grandes novidades

Sempre que você ouvir um político falando sobre questões econômicas, esconda-se e proteja-se. Pode apostar que vem por aí alguma trapalhada.  

A sorte desses iluminados é que suas interferências erosivas geralmente são de efeito lento sobre a economia. Contudo, de vez em quando, os grandes sábios conseguem produzir um verdadeiro colosso, que, além de derrubá-los, destrói também todo o seu país. A seguir, doze exemplos históricos dessas trapalhadas.

1. Cobre muito caro e morra

No ano 301, o imperador romano Diocleciano publicou o seu Edictum De Pretiis Rerum Venalium, isto é, Édito Sobre os Preços dos Alimentos, o qual visava à reestruturação do sistema de cunhagem de moedas e determinava um congelamento de salários e preços de vários tipos de bens, especialmente alimentos. 

A penalidade para quem vendesse acima dos preços estipulados era a morte. Cópias desse édito foram insculpidas em pedras e em monumentos de todas as partes do império. 

Eis uma dica para futuros ditadores: jamais entalhem nas pedras suas trapalhadas, a menos que queiram que as pessoas riam de sua estupidez pelo resto da eternidade. 

O édito foi um desastre. Comerciantes estocaram seus bens, recusando-se a vendê-los pelo preço imposto pelo governo. Outros estocaram simplesmente para não correr o risco de serem erroneamente acusados de estarem vendendo a preços acima do determinado, ficando assim sujeitos a execuções. Os trabalhadores reagiram ao congelamento de salários desaparecendo do expediente ou simplesmente ficando sentados, sem fazer nada. Com o tempo, o édito passou a ser ignorado e se tornou objeto de escárnio e gozação, algo que diminuiu permanentemente o prestígio e a autoridade do império.

2. Tosando o Lobo Inglês

Você sabe que está fazendo algo de errado quando seus inimigos se tornam heróis populares como Robin Hood. 

O bom senso diz que é mais fácil tributar os fracos e repassar o dinheiro para os fortes; porém, após o fracasso de sua política de administração florestal, o Rei João I de Inglaterra decidiu tentar o inverso. Ele liberou os nobres da obrigatoriedade de fornecer soldados e material militar à coroa, mas, em troca, ordenou que eles pagassem uma pesada "scutage" — taxa paga em substituição ao serviço militar.  Rapidamente, surgiram 10.000 Robin Hoods querendo matá-lo, perseguindo-o de forma bem organizada. 

Ao ser humilhantemente obrigado a assinar a Magna Carta em 1215, que deu início à monarquia constitucional e limitou os poderes do rei, João I conseguiu ganhar algum tempo. Porém, já no ano seguinte, ele voltou a viver em fuga. Após perder todas as suas posses (ele havia confiscado algumas jóias da coroa) em uma intempestiva tentativa de atravessar um rio, ele enlouqueceu, teve disenteria e morreu pouco tempo depois.

3. Dinheiro de papel é incrível

O quinto Khan da Pérsia se chamava "Gaykhatu", o que significa "Incrível" em mongol. 

Em 1294, após esbanjar afobadamente todo o dinheiro deixado por seus predecessores, ele não tinha como enfrentar uma forte epidemia de peste bovina que começava a devastar o gado de seus cidadãos. Incrível propôs uma solução incrível para seus problemas financeiros: dinheiro de papel.  

Inventada por seu chefe, Kublai Khan, na China, a ideia de um dinheiro de papel foi uma dádiva dos céus. Ele poderia imprimir notas de papel idênticas às chinesas, decretar pena de morte para qualquer um que se recusasse a aceitá-las, e todos os seus problemas estariam resolvidos. Incrível! 

Mas, para a infelicidade de Incrível, ele não se preocupou muito com detalhes técnicos como conversibilidade e controle de capitais, coisas com que Kublai Khan havia se preocupado em demasia; e o resultado foi o total fracasso do projeto. O caos econômico foi inevitável. Incrível foi deposto e executado no ano seguinte.

4. Comprarei todas as espadas que você fizer

No período Muromachi (1336 a 1573), os mandarins da dinastia Ming, na China, adotaram a política de comprar e importar espadas dos japoneses com o objetivo de impedir que os incômodos "bárbaros" que ocupavam aquelas ilhas tivessem acesso a essas armas. A reação dos japoneses foi um regozijo só, e se deu dentro do espírito daquele antigo comercial de Doritos, feito por Jay Leno: compre o quanto você quiser; vamos fazer mais.

5. Nenhum contrabando será permitido

Controle de preços sempre será algo estúpido, independente da época, mas é necessário um enorme grau de imbecilidade para se praticá-lo quando sua região está sitiada.  

Em 1584, as forças controladas por Alessandro Farnese, Duque de Parma e Piacenza, estavam cercando a maior cidade da Holanda, Antuérpia, durante a Revolta Holandesa (Guerra dos oitenta anos). De início, o cerco foi em vão, pois as formações em linha do exército do duque eram porosas, e a Antuérpia conseguia receber suprimentos por via marítima. 

Mas o duque era sortudo, pois a cidade decidiu voluntariamente se bloquear a si própria. Os magistrados da cidade decretaram um limite de preços para os cereais. Como consequência, os contrabandistas, que até então vinham furando o bloqueio, se tornaram consideravelmente menos entusiasmados para fazer entregas de alimentos. Em meio à fome geral que se seguiu, a cidade teve de se render no ano seguinte.

6. A fábrica de ouro de Veneza

Em 1590, a República de Veneza estava em declínio. Dezenove anos antes, ela havia gloriosamente se defendido dos turcos otomanos, vencendo a Batalha de Lepanto, porém tendo perdido o Chipre, a maior possessão da república.  

Em 1585, o recém-eleito doge (magistrado supremo), em vez de jogar para o público moedas de ouro — como era tradicional na cerimônia de ascensão —, havia jogado moedas de prata.  Sobrecarregada de impostos, tarifas, taxas, obrigações, dízimos, multas e comissões, a economia já havia vivido dias melhores.

Inesperadamente, de toda essa treva surgia uma nova esperança. Um veneziano chamado Marco Bragadini, há muito desaparecido, mas que estava morando na Lombardia, havia descoberto uma maneira de criar ouro. 

Porém a república tinha de agir rápido, alertou Bragadini, pois o duque de Mantua estava louco para pôr as mãos nesse invento valioso. Uma tropa de soldados foi enviada imediatamente, e Bragadini entrou seguro e triunfante na cidade, com mais três galés. Testes científicos rigorosos foram ordenados pelo senado para verificar o poder do "anima d'oro", o qual apenas Bragadini possuía. O alquimista despejou mercúrio em um cadinho, acrescentou uma pitada de seu pó secreto e colocou fogo na mistura. Rapidamente, o mercúrio se transformou em ouro. Era tudo verdade, afinal.  

Os preços das capas e dos frascos do alquimista dispararam. Signor Bragadini calmamente informou ao senado que ele poderia produzir seis milhões de ducados ou qualquer quantia que eles quisessem. Em troca, ele assegurou que não queria nada, mas apenas ser um humilde servo de seu país.

Naturalmente, o senado colocou todos os recursos de Veneza à disposição de Bragadini. Os nobres corriam em manada até o alquimista, implorando para que ele os incluísse em seu negócio. Porém, os meses se passaram e a produção de ouro revelou-se desapontadoramente escassa. 

Aparentemente, havia limites para a velocidade na qual o ouro poderia ser criado.  Sentindo uma crescente impaciência com os pífios resultados de seu trabalho, Bragadini fugiu sorrateiramente para Munique, onde o Duque Guilherme V da Baviera (também conhecido como Guilherme, o devoto) suplicava seus serviços. 

Infelizmente para o maestro Bragadini, nesse meio tempo o Papa Sisto V havia morrido e sido substituído pelo farisaico Papa Gregório XIV, que considerava o alquimista e seus dois cachorros crias do diabo. Gregório XIV imediatamente deu ordens para que os três — Bragadini e seus dois cães — fossem executados, ordem essa que Guilherme, o devoto, imediatamente cumpriu.  

O senado de Veneza decidiu fingir que a coisa toda jamais havia acontecido.

7. Como lidar com entesouradores

À medida que a fome gerada pela Revolução Francesa foi ficando fora de controle, em 1793, um grupo radical chamado "Comitê da Segurança Pública", liderada por Maximilien Robespierre, assumiu o controle. O comitê decidiu solucionar o problema da fome decretando a "Lei de Maximum", um conjunto de políticas decretando um limite de preços para o pão e outros bens comuns. 

Quando essas medidas se revelaram incapazes de aumentar a oferta de alimentos, o comitê enviou soldados para o interior do país com o intuito de confiscar violentamente os cereais dos perversos agricultores, que estavam "entesourando" tudo. Robespierre e seu comitê foram mandados para a guilhotina no ano seguinte.

8. O sonho de um desocupado, o fim de um império

Em 1880, a tecnologia ferroviária estava avançando rapidamente, e os russos receberam do Extremo Oriente inúmeros pedidos de autorização para a construção de ferrovias privadas.  Porém, para os paranóicos aristocratas de Moscou, não bastava apenas negar o pedido desses estrangeiros inconfiáveis; era necessário também que os russos construíssem sua própria ferrovia para o oriente, de modo a manter os orientais fora da Rússia. 

Sob a liderança de sua Paranóia Real, o Czar Alexandre III, o estado russo começou a pedir uma enormidade de empréstimos estrangeiros para construir a ferrovia Transiberiana, de 8.000 quilômetros, o maior projeto de obra pública desde as grandes pirâmides de Gizé.

Alexandre (e seu império) mais tarde morreria em decorrência de lesões sofridas em um acidente ferroviário. Quando esse projeto dominado pela corrupção foi finalizado em 1904, o filho de Alexandre, Nicolau II — o último czar russo —, estava tecnicamente falido. Guerras e revoltas começaram a assolar o império. Em vez de transportar artigos de comércio, a nova ferrovia estava transportando prisioneiros políticos e suprimentos para soldados. 

Quando a Rússia rolou suas dívidas em 1907, já era óbvio para os grandes bancos que o império estava financeiramente condenado. Apenas pequenos investidores se arriscavam a conceder novos empréstimos. Mesmo com a suspensão do pagamento da dívida, a economia da Rússia já estava tão debilitada, que ela não sobreviveria à Primeira Guerra Mundial.  

Nicolau II foi executado em 16 de julho de 1918.

9. É preciso uma vila para produzir a fome

Em 1984, o fracasso da colheita na Etiópia apresentou um novo conjunto de problemas para a junta marxista, chamada "Derga", que controlava o governo. Os programas de estatização e de controle de preços, que eles haviam implementado há anos, pareciam menos eficazes que nunca. 

Obviamente, o problema todo estava nos vestígios de capitalismo que ainda infectavam a economia. 

Portanto, a junta resolveu adotar medidas ainda mais vigorosas, como a proibição do comércio de cereais. Por mais estranho que pareça, tal medida não acabou com a fome. 

O ditador Mengistu Haile Mariam, inspirado pelo brilhante sucesso agrícola do camarada Stálin na década de 1930, imediatamente promulgou um novo conjunto de ideias batizado de "vilagização". Sob esse plano, os dispersos habitantes rurais da Etiópia seriam aglomerados em vilas modernizadas com infraestrutura de ponta. 

Como era de se esperar, nem todos os beneficiários desse plano compreendiam o charme utópico dessas vilas, o que fazia com que eles tivessem de ser levados à força para o local — para o bem deles próprios. Infelizmente, o esperado aumento na produção agrícola nunca se materializou, e milhões morreram de fome. O país sucumbiu a um permanente estado de guerra civil, que só acabou em 1990, após a União Soviética ter parado de subsidiar a Derga. 

Mengistu fugiu para o Zimbábue, onde se tornou um proeminente conselheiro dos governantes daquela nação.

10. Reeditando Diocleciano[*]

Na ânsia de inovar, o presidente brasileiro José Sarney achou-se capaz de dar uma lição em Diocleciano.  Em 1986, após anos de crescente inflação, Sua Excelência baixou um decreto congelando os preços de todos os bens e serviços da economia brasileira. Já que era impossível atacar as causas da febre — isto é, reduzir a expansão monetária praticada pelo Banco Central —, então que se quebrasse o termômetro: o simples congelamento de preços bastaria para acabar com os efeitos dessa inflação monetária. 

O resultado foi maravilhoso. Carros usados tornaram-se mais caros que carros novos, as carnes desapareceram dos açougues (mas prontamente reapareciam tão logo o comprador ofertasse uma quantia extra por baixo do balcão) e o governo acabou tendo de literalmente prender bois no pasto para impedir suas exportações, que eram bem mais vantajosas. 

Após noves meses de desabastecimento e escassez, o governo abandonou seu decreto. Como a expansão monetária jamais fora interrompida, os preços dispararam imediatamente e o presidente chegou a ser apedrejado dentro de um ônibus. 

Saiu do governo com 6% de aprovação.

11. Rublos: você os via, agora não os vê mais

Em 22 de janeiro de 1991, Mikhail Gorbachev, o presidente da União Soviética, decretou que todas as cédulas de 50 e 100 rublos não mais poderiam ser aceitas, e deveriam ser trocadas por novas cédulas durante os três dias seguintes apenas, e somente em pequenas quantias.  

O efeito de tal medida foi o de instantaneamente aniquilar uma grande parte da poupança e do capital acumulado dos cidadãos soviéticos. 

Em 26 de janeiro, ele deu sequência a essa medida genial, ordenando agora que a polícia fizesse buscas em todas as lojas e pontos de comércio, e exigisse os históricos de qualquer negócio a qualquer momento.  

Os problemas econômicos do regime se aceleraram e entraram em uma espiral de morte.  Gorbachev renunciou a 25 de dezembro e, no dia seguinte, o Soviete Supremo se dissolveu, acabando com os quase 75 anos da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas.

12. Um museu de grandes novidades[*]

Após quase uma década de crescimento econômico impulsionado por políticas macroeconômicas sensatas, a presidente do Brasil Dilma Rousseff decide inovar. No caso, "inovar" significa "regressar" a políticas econômicas que já haviam sido amplamente desacreditadas nas décadas de 1970 e 1980.

Adotando políticas econômicas que se resumem a estimular o consumo sem estimular a oferta, aumentar os gastos públicos, maquiar as contas do governo, aumentar as tarifas de importação, aumentar o crédito concedido por bancos estatais, tabelar o lucro de empresas, congelar o preço da gasolina e baixar os preços da energia elétrica na caneta, a mandatária fez com que um país que até então apresentava bons indicadores econômicos passasse a apresentar dois anos seguidos contração econômica, taxa de inflação de preços próxima a dois dígitos, desemprego crescente e sem perspectiva de melhora, taxa de câmbio em forte desvalorização, custo de vida em forte ascensão, gasolina e tarifas de utilidade pública em disparada, endividamento recorde da população, e investimentos há quase dois anos em contração.

Sua taxa de aprovação despencou a níveis próximos aos do Diocleciano brasileiro da década de 1980. Os apoiadores do seu partido, outrora os mais fanáticos do país, bateram em retirada, envergonhados. Apenas os militantes pagos ainda se arriscavam a fazer defesas pontuais da presidente e do partido, mas sempre enfatizando que se opõem vigorosamente à política econômica. Gerou-se o movimento dos "contrários a favor". 

Após implantar o seu museu de grandes novidades, a mandatária corre o risco de nem sequer completar seu mandato.

___________________________________________

[*] Acréscimo do editor



autor

John S. Chamberlain
mora em Natick, Massachusetts, e trabalha como engenheiro de software especializado em ciências da terra e inteligência artificial.  Possui bacharelado em política pela Universidade de Princeton e mestrado em ciência da computação pela Universidade Northeastern.


  • André luis   07/09/2010 20:24
    Escelente o artigo.Mostra cabal da genialidade de governantes de sucessivas epocas.Faltou o confisco do dinheiro por Collor.Isso prova que os governantes nunca aprendem com os erros do passado.
  • Alexandre Bakunin  27/07/2012 08:34
    Muito bem lembrado!
  • Mohamed Attcka Todomundo  01/10/2015 16:42
    ..."prova que os governantes nunca aprendem com os erros do passado" - nem os governados
  • Dam Herzog  01/10/2015 18:36
    O confisco do Collor foi uma brincadeirinha do Kandirinho e da Zelia de mau gosto que fizeram que certas pessoas cometessem suicidio logo após. Porque não se adotar as politicas liberais em tempo de crise já que elas não matam ninguém e ninguém mata em seu nome.Currancy Board, privatização desestatização de tudo, abertura das fronteira desregulamentação proteção total a propriedade privada e liberdade ampla.
  • anônimo  27/08/2017 19:28
    Faltou não. Collor é de qual partido?
  • Angelo Viacava  07/09/2010 20:49
    A parte em que os "gênios" vão para a execução depois da aplicação de seus planos, é o que mais me agradou em algumas das historietas. Pena já termos perdido a prática neste quesito indispensável ao tratamento de tais pústulas cerebrais.
  • Cauê  24/07/2013 15:05
    Eu acho que a prática vai voltar em alguns anos.
    Infelizmente vamos sofrer um bocado até lá.
  • Mohamed Attcka Todomundo  01/10/2015 16:54
    vcs se lembram da serie dallas na dec. 1980? pois é, nem eu: ñ sou tão velho. mas ela mostra a vida de uns ricassos texanos, seus casamentos falidos, famílias que se juraram inimigas, esquemas e negócios obscuros, e por ai vai. mas aí um iluminado chamado Ceaucesco, amado lider da romenia, decidiu apresentala na tv romena p/ mostrar o clima de degeneraçao espiritual do ocidente aos romenos. os romenos de sua parte ficaram fascinados com carroes, mansoes, iates, mesas fartas, e gente q podia brigar por mesquinhezas, ao inves de brigar p/ sobreviver q nem os romenos. a insatisfaçao q ja era geral ficou pior, a familia Ceaucesco foi tirada do poder e - num presente de natal dos romenos para o mundo - executada em 25-12-1989.

    posta + essa leandro. hahahahahahaha!!!!!!!
  • LUIZ OLIVEIRA  08/09/2010 12:13
    Faltou dizer que Gorbachev, depois de destruir a União Soviética (o quê foi algo extremamente positivo para o mundo) tornou-se líder respeitado no mundo todo e conferencista internacional pago a peso de ouro. No passado, líderes que destruíam seus países, como Robespierre, eram guilhotinados. Hoje, eles se transformam em consultores recebendo vultosos honorários, escrevem artigos em jornais e revistas prestigiosos e dão palestras, conferências e seminários frequentados pela elite econômica, como fazem ex-ministros da fazenda do Brasil, entre os quais Bresser Pereira e Mailson da Nóbrega. Mudam-se os tempos, mudam-se os costumes.
  • anônimo  24/07/2013 20:19
    Exato, vide Sarna que ainda está aí muito bem mantido por nós, estúpidos escravos.
  • Thiago Teixeira  01/10/2015 17:20
    Coutinho também (o homem da lei da informatica da decada de 80 é hoje presidente do BNDES).

    Sobre Gorbatchev, há muito wishful thinking no ocidente a seu respeito. Ele é bem visto porque é o homem que deliberadamente acabou com o comunismo; nada mais equivocado, ele queria reformar a URSS para torná-la forte e longeva. Político inábil que era, não entendia que tinha chegado ao topo de um castelo de cartas, e falou em "transparencia e abertura"... Assisti umas entrevistas dele, o homem é de uma incoerencia impressionante. E ainda tentou novamente ser presidente da russia...
    Ele demonstra melhor outro ponto: quanto mais atrapalhado o estado, melhor para a população.
  • Mohamed Attcka Todomundo  01/10/2015 19:01
    era o homem errado no lugar certo. se fosse preciente tlv ainda houvesse URSS
  • Mohamed Attcka Todomundo  01/10/2015 18:43
    "se transformam em consultores recebendo vultosos honorários, escrevem artigos em jornais e revistas prestigiosos e dão palestras, conferências e seminários frequentados pela elite econômica"

    e te dá pena kem segue os conselhos deles?

    hahahahahahaha! minhas economias estão em francos e bitcoins
  • anônimo  02/10/2015 01:22
    Gorbachev não destruiu a URSS, a URSS já estava completamente falida muito tempo dele implementar a Perestroika. Para ser mais exato, desde o final dos anos 60 o bloco do leste europeu já estava aos frangalhos econômicos.

    Na realidade ele foi inteligente, quis usar a estratégia chinesa de abertura parcial de um país comunista para o Mercado, mas acabou dando "errado" pois implementou a Glasnost junto.

    Eu coloquei "errado" entre aspas, pois derrubar a cortina de ferro foi um plano orquestrado pelos comunistas. Leia New Lies for Old de Anatoliy Golitsyn.

    https://pt.wikipedia.org/wiki/Previsões_de_colapso_da_União_Soviética#Anatoliy_Golitsyn
  • Tiago  08/09/2010 15:38
    Hahahá, muito bom esse artigo, bem divertido!
  • Carlos Alexandre  08/09/2010 17:54
    Também achei muito divertido esse artigo, que devia ser esfregado na cara de todos os estatistas...
  • Mohamed Attcka Todomundo  01/10/2015 19:02
    ... cuidado, q eles esfregam o estado na sua.
  • anônimo  09/09/2010 16:40
    Do item 10 - Tenho até hoje uma cicatriz pela luta por um pacotes de leite em um supermercado, tinha que ser ninja para conseguir...
  • Rodrigo  08/09/2011 11:02
    Essas do Sarney foram históricas msm. Era moleque mas lembro bem. A oferta era tão baixa que qd anunciavam que em tal mercado havia certos alimentos como leite, arroz ou feijão o comércio lotava. E não era mercado de vila, pequeno não!
    Lembro até hoje do 1o videocassete que meu pai comprou num desses mercados. Comprado via consórcio, haha. Um mísero videocassete!
    Sem contar qd meu pai não saía as pressas com o carro no posto tal porque o governo anunciava aumento de preços. Chegava lá era ele e mais uma fila de carros dobrando o quarteirão. hehe

    Conversando com um pessoal via Orkut sobre essa fiscalização do governo sobre as fazendas de bois, um vai e mostra um vídeo do Jornal Nacional via Youtube em que a Polícia Federal sobrevoava com helicópteros as fazendas pra verificar quem estava ou não contrariando o tal decreto. Vê se pode! rsrsr
  • anonimo  24/07/2013 17:12
    Boa tarde.

    Também era criança e lembro que meus pais às vezes iam em 6 (isso mesmo, seis) supermercados diferentes apenas para conseguir comprar o suficiente para alguns dias.

    Também lembro de ficar na fila de carros esperando a vez para meu pai poder encher o tanque.

    E quando não tinha mais farinha? Não tinha pão (família de italianos...), então usávamos torradas ou panetone (naquela época vendia o ano inteiro e não apenas no Natal).

    Isso apenas para relembrar parte de minha infância...

    Obrigado.
  • Eduardo Bellani  24/07/2013 21:01
    Outro resultado dessas peripécias era que famílias tinham freezers enormes pra estocar alimentos em casa por meses. Me lembro de meus pais e vizinhos comprando os tais dos freezers com esse intento.


  • WestBerlin  29/08/2017 15:12
    Eu era adolescente na época e me lembro bem. O que ninguém falou ainda foi do apoio maciço da população ao plano. Fechar supermercados e confiscar bois no pasto eram espetáculos aplaudidos entusiasticamente pela plebe. Como sempre, o capitalismo malvadão tinha que ser castigado pela sua ganância. Tanto era o apoio que o PMDB lavou a égua nas eleições de outubro de 1986. No dia seguinte ao apuramento dos resultados o plano foi abandonado e os preços começaram a disparar na mesma proporção que a população percebia que tinha feito papel de trouxa.
    Abraços
  • Gustavo  29/08/2017 16:36
    Aqui um artigo completo e detalhado sobre aquela época, com vídeos, relatos e tudo:

    Recordações de um Brasil socialista
  • Rovison  08/09/2011 11:29
    Tinha 8 anos na época do plano cruzado e me lembro que passei alguns meses sem consumir leite porque smplesmente o produto tornou-se artigo raro nos supermercados e pior ainda numa cidadezinha do interior do Pará onde eu morava. Meus pais tiveram de substituir o leite de vaca por leite de côco.
  • Steve Ling  08/09/2011 15:34
    O pior é que tem gente até hoje que acredita que o Plano Cruzado daria, aliás esse era o slogan, me lembro que havia ágio para comprar carne e outras coisas além do empréstimo compulsório que ninguém que eu conheça recebeu de volta.
  • Mateus  08/09/2011 17:14
    "Tem que dar certo!"
  • Mohamed Attcka Todomundo  01/10/2015 19:06
    diz isso pra Realidade
  • Andrade  09/09/2011 09:10
    Hahahaha. Eu acho que Ayn Rand deu uma boa pesquizada na historia para escrever a Revolta de Atlas !!!
  • Mohamed Attcka Todomundo  01/10/2015 19:17
    capaz.

    ja dizia karl marx: "a historia acontece pela 1ª vez como drama, e a 2ª como tragedia", e completo eu "e a 3ª como fraude, a 4ª como farsa, a 5ª como nausea, a 6ª como estatismo, a 7ª keynesianismo, a 8ª como militarismo, a 9ª como guerra"... e por ai segue
  • anônimo  11/09/2011 20:16
    Legal, o artigo mas o autor se pesquisasse a Economia brasileira com certeza acharia mais alguns exemplos de trapalhadas.
  • Marcos  11/09/2011 21:24
    Lendo este artigo lembrei na hora de duas: o encilhamento de Ruy Barbosa e o confisco de Collor.
  • Alexandre M. R. Filho  24/07/2013 16:26
    Na minha faculdade, falram do encilhamento. Pior que falaram bem! Segundo o professor, causou algum dano, mas gerou industrialização, aumento de renda etc.

    Acho que Ruy Barbosa também achava que estava tudo bem, já que que no futuro estariam todos mortos mesmo! hahahahaha
  • Mohamed Attcka Todomundo  01/10/2015 19:20
    me disse um conhecido monarquista q o barbosa, certa vez, num encontro com o imperador (ñ o pedro II, mas seu sucessor), teria dito: "perdão imperador. eu ñ sabia q a republica ia dar nisto".

    nunca sabem. essas bestas acham q boas intençoes governam a realidade.
  • Hector  24/07/2013 13:22
    Não leio nada mal escrito, parei na palavra "insculpidas".
  • Leandro  24/07/2013 13:35
    Insculpir = gravar, entalhar

    www.dicio.com.br/insculpir/

    www.migalhas.com.br/Gramatigalhas/10,MI88295,11049-Esculpir+ou+insculpir

    Pior do que a ignorância pura é a ignorância arrogante e soberba.
  • Anonimo  24/07/2013 14:16
    vish. tomou.
  • Me  24/07/2013 14:17
    Ah. A soberba. Arma dos inúteis e improdutivos(ops, fui redundante).
  • anônimo  01/10/2015 19:01
    Leandro headshot Hector
  • Anonimo  24/07/2013 13:55
    hauahauhau achei bem divertido. gostei.
  • Mohamed Attcka Todomundo  01/10/2015 19:23
    eu ñ. deu no meu coro.
  • zcla  24/07/2013 14:34
    Marco Bragadini foi executado por William V, duque de Baviera, e não por nenhum papa.
    en.wikipedia.org/wiki/Marco_Bragadino#Execution

    E não é verdade que "a produção de ouro revelou-se desapontadoramente escassa". Ela era uma fraude, só isso. Qualquer mané do século XXI sabe que alquimia é lenda.

    Tava até achando o texto interessante, ia compartilhar, mas como, se no primeiro item de que desconfiei já achei informações erradas?
  • Leandro  24/07/2013 14:39
    Prezado zcla, no texto está escrito:

    "Bragadini fugiu sorrateiramente para Munique, onde o Duque Guilherme V da Baviera (também conhecido como Guilherme, o devoto) suplicava seus serviços. [...]
    Gregório XIV imediatamente deu ordens para que os três — Bragadini e seus dois cães — fossem executados, ordem essa que Guilherme, o devoto, imediatamente cumpriu."

    Você provavelmente não sabe, mas Guilherme V da Baviera e William V de Baviera são a mesma pessoa. A tradução de William é Guilherme. William (Guilherme) matou Bragadini.

    "Tava até achando o texto interessante, ia compartilhar, mas como, se no primeiro item de que desconfiei já achei informações erradas?"

    Não houve erro nenhum. Você é que se precipitou. Mais atenção na próxima.
  • Felipe  26/07/2013 22:29
    Alemão: Wilhelm
    Inglês: William
    Português: Guilherme

    Mania do povo falar que tá errado antes de pesquisar ou mesmo perguntar. ¬¬
  • Renato Souza  25/07/2013 15:16
    "E não é verdade que "a produção de ouro revelou-se desapontadoramente escassa". Ela era uma fraude, só isso. Qualquer mané do século XXI sabe que alquimia é lenda."

    Defeito de fabricação seu. Você nasceu sem tecla SAP...
    Mas isso pode ser corrigido. Estude as figuras de linguagem, e depois faça o trabalho de casa, assistindo diversos humoristas. Eventualmente você há de entender esse trecho. Eu acredito no seu potencial!!!
  • Mohamed Attcka Todomundo  01/10/2015 19:27
    "Eu acredito no seu potencial!!!"

    eu ñ.

    ;-p
  • Guilherme  24/07/2013 14:49
    Comentário em off: dado que este site tende a ser frequentado por pessoas de capacidade intelectual mais elevada, não deixa de ser perturbador constatar o nível de disfuncionalidade na leitura do brasileiro, vide este Hector e este zcla.

    Se eles têm essa dificuldade, imagina o resto da população?
  • Mohamed Attcka Todomundo  01/10/2015 19:30
    vc ainda consegue se surpreender c/ isso!!!?!!!

    nossa! seu senso de pasmo, descencia e ridiculo ñ foi afetado pela realidade circundante?

    parabens! vc é meu heroi
  • joao  24/07/2013 15:22
    Excelente e divertido artigo! Mostra que a cambada que nos governa não está entre os piores hahahaha (rir pra não chorar/emigrar).
  • Willian  24/07/2013 16:13
    Por isso que quando você quer fazer o curso de Graduação de Ciências Econômicas, é necessário realizar uma prova discursiva de historia.


    Excelente artigo, nota 1000!
  • Mohamed Attcka Todomundo  01/10/2015 19:37
    nem precisa tanto.

    embora uma prova discursiva de história extermine os analfabetos funcionais, na faculdade q estudei, tive professor q colocava multiplicações de numeros de 3 digitos nas kestoes das provas, proibida calculadora. na minha opinião, ele devia ter feito isso sempre, p/ limpar o curso dos analfabetos funcionais, mas só fazia quando o macho dele dormia de calças.
  • Batista  02/10/2015 13:57
    Willian,

    Agora tem o tal do ENEM... sem as provas discursivas de outrora.
  • Arthur Gomes  24/07/2013 16:41
    O plano cruzado foi um exemplo para história, pena que isso não é mostrado na escola, também com o conhecimento de economia que tem os nossos professoras, a maioria são todos marxista e admiradores do PT.
    Neste tempo de plano cruzado os pais, principalmente as mães tinham que acordar bem cedo para comprar carne no supermercado do bairro; formava-se filas enormes. A minha mãe comprava lata de óleo; o supermercado vendia as latas grandes; eles deixavam poucas latas para a venda.
    Sumiu tudo leite; carne; ovos; cerveja. O governo para piorar criou um tal de gatilho para os salários isso aumentou mais ainda os salários colocando mais pressão inflacionária, era um Deus nos acuda.
    Isso deve ser ensinado nas escolas, o perigo do controle de preço, o perigo dos reajustes de salários sem produção.
    Plano cruzado um história de controle de preços e demagogia política
  • André Luiz S. C. Ramos  24/07/2013 17:15
    Já que é pra lembrar do fatídico Plano Cruzado, nada melhor do que esse precioso texto do sempre excelente Alceu Garcia:

    Recordações de um Brasil socialista
    www.mises.org.br/Article.aspx?id=1488

  • Mohamed Attcka Todomundo  01/10/2015 19:47
    "Sumiu tudo leite; carne; ovos; cerveja." - sumiu cerveja? nossa! nem a sharia é tão eficiente em banir bebidas! Vai q tá certo, hein?
  • Arthur Gomes  24/07/2013 16:47
    Este site é excelente; mas atualmente o nível de pessoas que postam mensagem está caindo muito, tem cada mensagem que é de uma infantilidade terrível.
    Não é a toa que a nossa educação se encontra entre as piores do mundo. Algum tempo atrás as pessoas colocavam argumentos concretos, agora aparece cada personagem.
    Bem mais vamos lá
  • Rafael Franca  24/07/2013 20:42
    Deve ter muita gente do grupo Liberalismo do Facebook. Lá a #zoeiraneverstops

    =D
  • Sandro Lima  01/10/2015 17:25
    Esse é um dos problemas de crescer muito...

    Também acho uma pena, pois comentários pertinentes e inteligentes as vezes equiparam-se a qualidade do artigo, o problema, é que agora se perde mais tempo peneirando bons comentários, mas na essência, nada muda.

    Sou do partido: Não tenho o que falar, fico quieto. Só leio!
  • Cedric  24/07/2013 17:28
    Que engraçado eu tava pensando nesse artigo ontem mesmo!
  • Eduardo Bellani  24/07/2013 17:41
    Na minha opinião, encabeçando essa lista deveria estar a proibição contra entorpecentes.
  • Mohamed Attcka Todomundo  01/10/2015 19:53
    meu favorito ainda é o kit-gay dakela ministra da Dilma
  • Anilton Moccio  24/07/2013 17:53
    Quanto ao congelamento da época do Sarney foi a fase mais difícil de minha vida, filho pequeno, tinha que arranjar comida para casa de qualquer jeito, mas, sendo advogado do diabo, e deixando bem claro que esse senhor pode ser considerado uma das maiores pragas desse país de todos os tempos, quem assumisse a presidência naquele período não teria muita opção para enfrentar o caos que havia se instalado, o país estava atolado até o pescoço de dívidas, fruto do regime anterior, e era necessário por ordem no sistema, tudo virava tentativa para ver se dava certo, pagamos caro por isso, opinião pessoal minha.
  • Diones Reis  24/07/2013 19:33
    Eu discordo de você num ponto.
    O Sarney e a trupe dele criaram este plano econômico também pra servir de base eleitoral, fazendo com que o PMDB ganhasse de lavada nas eleições de Outubro de 1986.
    Quando conseguiram o objetivo, liberaram os preços e o que estava ruim no começo, piorou.
    Com certeza eram tempos bicudos, mas antes deste plano, ainda conseguíamos comprar uma coisa ou outra na despesa do mês.
    Pior foram os que perderam muita grana com o Plano Collor.
  • mauricio barbosa  01/10/2015 16:44
    Mesmo que outro assumisse poderia adotar as seguintes medidas impopulares, mascerteiras: zerar as tarifas alfandegárias, deixar a taxa de juros flutuar livremente atraindo com isto capital estrangeiro e repatriando divisas, liberando preços e salários, revogando a CLT e principalmente adotando um currency board e enxugando a maquina pública. essa usina de desperdício de nosso suado dinheiro...
  • Daniel  24/07/2013 18:43
    Os políticos e burocratas brasileiros já implementaram essas trapalhadas diversas vezes. Cada fracasso automaticamente se torna justificativa para uma nova trapalhada.
  • Mohamed Attcka Todomundo  01/10/2015 20:15
    é como se o didimocó fosse sucedido pelo mussum
  • Anarcofóbico  24/07/2013 20:05
    O que tenho a dizer é que as medidas adotadas pelo governo brasileiro só não foram mais eficazes por ausência de maior regulação e lobby de burgueses que tentam contaminar o governo. Somente um governo sério e socialista poderá projetar uma economia saudável, dividindo igualmente entre os súditos a receita recebida para que haja justiça e ninguém passe necessidade!

    Creio que a atividade reacionária age com descuido para com o próximo, pensando unicamente em lucro, esquecendo-se daquele que passa frio na rua, sem ter onde morar e daqueles que sofrem com a seca no nordeste, que nada podem produzir porque não tem as mesmas oportunidades dos que moram em lugares privilegiados e tiveram uma família privilegiada!

    Creio que o governo deveria elaborar mais Leis de Igualdade de Oportunidades, proibindo a concentração de atividades nas mãos de poucos, limitando os lucros que cada um deve ter e congelando a produção nos limites legais!
  • Mohamed Attcka Todomundo  01/10/2015 22:39
    O que tenho a dizer é que as medidas adotadas pelo governo brasileiro só não foram mais eficazes por ausência de maior regulação e lobby de burgueses que tentam contaminar o governo.

    hehehe! "... ausência de maior regulação e lobby de burgueses..."; como se o lobby ñ fosse o responsavel pela regulaçao, p/ inicio de conversa. kkkkkkk


    Somente um governo sério e socialista poderá projetar uma economia saudável, dividindo igualmente entre os súditos a receita recebida para que haja justiça e ninguém passe necessidade!

    hihihi! "... dividindo igualmente entre os súditos a receita recebida..."; vc ñ quiz mesmo dizer "miséria produzida" em vez de resseita?

    Creio que a atividade reacionária age com descuido para com o próximo, pensando unicamente em lucro...

    kkkkkkkkkk!!!!! nunca vi ninguem ter lucro descuidando do proximo, ja q lucro por trocas voluntarias q beneficiam as partes envolvidas. acho q vc confundiu 'lucro' c/ 'butim', q é a recompensa por atividades criminosas, como sequestro e estado.

    ... esquecendo-se daquele que passa frio na rua, sem ter onde morar e daqueles que sofrem com a seca no nordeste, que nada podem produzir porque não tem as mesmas oportunidades dos que moram em lugares privilegiados e tiveram uma família privilegiada!

    ai é verdade. o improdutivo sempre é eskecido pelo produtivo, pq ñ tem nada a dar em troca pelo tempo e esforço do empreendimento alheio, q sem lucro ñ se sustenta. produtividade demanda produtividade, requerem-se uma a outra, sustentam-se mutuamente. a produtividade contelplar à improdutividade chama-se 'caridade', que é praticada c/ o excedente do lucro, i. é, akilo q ñ foi nem consumido nem reinvestido, mas ainda resultado do lucratividade.

    Creio que o governo deveria elaborar mais Leis de Igualdade de Oportunidades...

    hahahahahahaha! eu tb. chama-se lei de oferta e procura. elabora isso!

    ... proibindo a concentração de atividades nas mãos de poucos...

    nossa" agente ta falando mesmo a mesma lingua. tudo q + kero é uma lei "proibindo a concentração de atividades nas mãos de poucos". chama-se "lei de proibição de regulação estatal". poe fim a agencias reguladoras, alfandegas, controle de preços, BC, ANVISA e afins.

    limitando os lucros que cada um deve ter e congelando a produção nos limites legais!

    é! nem eu consigo fazer piada c/ essa ultima.
  • Jean  10/10/2015 04:18
    Será que só eu vi ironia no seu post ou eu sou tão idiota que não percebi que você fala sério?
  • Anonimo  25/07/2013 09:54
    Anarcofóbico,

    "um governo sério e socialista poderá projetar uma economia saudável," você realmente acredita nisso?

    E como seria este governo sério e Socialista?
    A igualdade de Oportunidade, com certeza, não acabaria com a miséria no País. Entenda, que muitos, apesar de terem oportunidades não as "aproveitam", e preferem viver de Programas Sociais criados pelo governo (com dinheiro pago por impostos de todos). O fato de pessoas passarem frio, morarem nas ruas, não é de responsabilidade daqueles que não estão na mesma situação, independentemente se é porque trabalham ou " foram privilegiados por ter uma família", um ser humano não é responsável pela sobrevivencia do outro, (com exceção dos pais, por seus filhos menores de idade) da mesma forma que não tem o direito de tirar a vida do outro, ou mesmo de estabelecer limites, sejam eles financeiros ou qualquer outro.
    Governo socialista, só se for aquele que obriga quem trabalha a manter os que não trabalham, (além deles mesmo, é claro) fazendo assim, com que todos vivam de maneira igualmente pobre, afinal de contas, se todos serão obrigados a trabalhar para dividir, ninguem mais vai querer trabalhar, ou vai?



  • Anarcofóbico  25/07/2013 13:50
    O fato é que existe um direito natural de cuidado para com o próximo, a divisão é necessária e os programas sociais só não foram mais eficazes, pois são concedidos em valor muito abaixo. Sim, todos devem trabalhar e devem ser obrigados a permanecer no emprego.

    Tenho para mim que deveria haver um Centro de Unificação que deveria fazer uma análise cuidadosa de cada cidadão e encaminhando cada um para um trabalho de sua competência, exigindo uma produção mínima e máxima, proibindo as empresas de contratar outros que não enviados pelo centro de unificação e proibindo qualquer tipo de demissão.

    Além disso, é um absurdo alguém que ganhe mais de 20 mil reais pagar apenas 27,5% de IR, creio que deveríamos ter uma faixa de até 80% de imposto de renda, salvo quanto aos funcionários públicos, para que a população se sinta motivada a participar dessa grande carreira de elevada exigência intelectual. Quem ganha 200 mil por mês estaria vivendo muito bem com 40 mil. Além disso, deveria haver confisco de todas as fortunas acima de 2 milhões de reais, exceto nos casos de interesse público.
  • Mohamed Attcka Todomundo  01/10/2015 22:44
    O fato é que existe um direito natural de cuidado para com o próximo,

    posso cuidar de vc num gulag?
  • Mohamed Attcka Todomundo  01/10/2015 22:46
    Além disso, deveria haver confisco de todas as fortunas acima de 2 milhões de reais, exceto nos casos de interesse público.

    ou seja, a do camarada Stalin.
  • andre  07/10/2015 13:21
    Esse paraíso que você descreve já existe e se chama Coréia do Norte. Rs
  • Anonimo  26/07/2013 13:50
    "O fato é que existe um direito natural de cuidado para com o próximo",

    Todos temos o "direito natural" a vida, porém, não cabe ao outro ser o "dever natural" de nos manter vivos.
  • Mohamed Attcka Todomundo  01/10/2015 22:47
    direito natural de idiota é viver de boca fechada, naturalmente
  • Oraculo de Delfos  27/07/2013 22:29
    esse anárcofóbico deve táh de saca@#$%&*, só pode:
    "faixa de até 80% de imposto de renda, salvo quanto aos funcionários públicos, para que a população se sinta motivada a participar dessa grande carreira de elevada exigência intelectual".
    Centro de Unificação? qual seria sigla mesmo???
    Obrigação de permanecer no emprego?
    congelando a produção nos limites legais!

    Valeu, anarcofóbico !!!
  • Sandro Lima  01/10/2015 20:23
    Não dá ideia...
    quando se chega a esse ponto, só tem pobre, porque ninguém vai trabalhar para dar 80% da renda pra sustentar quem não tem vontade e nem inteligência para trabalhar e ganhar dinheiro.


    Numa situação dessas colocada pelo louco aí, eu mesmo, viraria pé de pato de funcionário publico. Ia acertar só na jaca...

  • Ismael Bezerra  30/07/2013 14:13
    Sou cristão calvinista (igual a Gary North) e não acredito em reencarnação, mas se eu acreditasse eu diria que esse Anarcofóbico participou da revolução russa junto com Lenin Trostsky e Stalin.
  • Anarcofóbico  30/07/2013 14:51
    Bem, então como um bom calvinista vc sabe que as pessoas são predestinadas, portanto ninguém melhor que o estado para destinar as pessoas para aquilo que as foi preordenado! Tenho para mim as cinco solas do estatismo: somente o estado, somente a lei, somente o tributo, somente o confisco, somente a igualdade!
  • Mohamed Attcka Todomundo  01/10/2015 22:52
    Bem, então como um bom calvinista vc sabe que as pessoas são predestinadas, portanto ninguém melhor que o estado para destinar as pessoas para aquilo que as foi preordenado!

    Deus precisa de ajuda?

  • andre  07/10/2015 13:25

    "ninguém melhor que o estado para destinar as pessoas para aquilo que as foi preordenado" - Que tal cada pessoa decidir sobre a própria vida? Já pensou que louco seria?
  • Mohamed Attcka Todomundo  01/10/2015 22:50
    Gary North é calvinista!?

    mas ele é tao inteligente...

    num intendo
  • mauricio barbosa  03/10/2015 15:06
    O IMB não discrimina religiosos ou ateus,dai não entender seu espanto em saber que Gary North é calvinista e tu é o que meu chapa?
  • Lucas  08/08/2013 13:39
    Anarcofóbico 25/07/2013 13:50:10

    O fato é que existe um direito natural de cuidado para com o próximo, a divisão é necessária e os programas sociais só não foram mais eficazes, pois são concedidos em valor muito abaixo. Sim, todos devem trabalhar e devem ser obrigados a permanecer no emprego.

    Tenho para mim que deveria haver um Centro de Unificação que deveria fazer uma análise cuidadosa de cada cidadão e encaminhando cada um para um trabalho de sua competência, exigindo uma produção mínima e máxima, proibindo as empresas de contratar outros que não enviados pelo centro de unificação e proibindo qualquer tipo de demissão.

    Além disso, é um absurdo alguém que ganhe mais de 20 mil reais pagar apenas 27,5% de IR, creio que deveríamos ter uma faixa de até 80% de imposto de renda, salvo quanto aos funcionários públicos, para que a população se sinta motivada a participar dessa grande carreira de elevada exigência intelectual. Quem ganha 200 mil por mês estaria vivendo muito bem com 40 mil. Além disso, deveria haver confisco de todas as fortunas acima de 2 milhões de reais, exceto nos casos de interesse público.
    Responder






    É claro que esse cara tá de sacanagem
  • Mohamed Attcka Todomundo  01/10/2015 22:54
    É claro que esse cara tá de sacanagem

    vc confia a esse ponto na inteligencia humana?!

    pois eu conto com a demencia...
  • Pedro Ivo  02/10/2015 11:52
    pois eu conto com a democracia.
  • cmr  01/10/2015 15:20
    Todo governo é um rei Midas "invertido", tudo que toca vira merda.
  • jackson  01/10/2015 19:00
    velho, usei essa frase hoje de manha, com 2 amigos meus, eu explicando pq o estado não deve existir e quando existe, é pra ferrar a gente.

    um comprou a ideia de inicio.

    o outro esta um pouco resistente, mas ele não é burro. daqui a pouco já vai estar frequentando o site aqui hehe
  • Jean  10/10/2015 04:33
    Eu conheço o Mises a pouco tempo, conheci na eleição do ano passado. Rapidamente devorei os artigos daqui...algo como sair da matrix, sabe? Genial e como as idéias são coerente e realmente fazem sentido.
    Sou humilde em reconhecer minha ignorância, principalmente em questões de economia e tal, mas consigo enxergar o mal que faz a intervenção estatal em questões econômicas, mas ainda não consigo enxergar a total ausência de Estado, principalmente nas questões de infra-estrutura, segurança e jurídica - e principalmente nessa.
    Outra coisa que acredito, essas idéias nunca serão aceitas pelo povo brasileiro, de janeiro pra cá cansei de ser chamado de louco por discutir usando as teorias aprendidas aqui, o Estado está na mente do povo como uma metástase.

    ééé, mudando de de assunto, gostaria de sugerir ao administrador do site o uso do Disqus para comentários, mais fácil de comentar, visual mais limpo, podendo usar login do google, facebook, etc.
  • Batista  01/10/2015 17:01
    Leandro,

    Um comentário acima citou o Encilhamento. Segundo essa fonte, sobre o ocorrido no século XIX:

    "Pelo modo em que o processo foi legalmente estruturado e gerenciado, junto com a expansão dos capitais financeiro e industrial vieram desenfreada especulação financeira em todos os mercados e forte alta inflacionária, causadas pela desconfiança oriunda de determinadas práticas no mercado financeiro,[3] como excesso de lançamento de ações sem lastro, e posteriores OPAs visando o fechamento de capital."

    Trazendo para os dias atuais, poderíamos comparar o Encilhamento com o caso de ações das empresas que abriram capital na segunda metade da década passada, fizeram o maior "auê", como as empresas do Grupo X (MMX, CCX, OGX), empresas do ramo imobiliário (Brookfield, Gafisa) e outras que quebraram ou estão nesse mesmo caminho?
  • Leandro  01/10/2015 17:20
    Em parte.

    O encilhamento, na verdade, foi uma consequência de uma política de governo.

    Logo após a Proclamação da República, o déficit público explodiu. Segundo Mario Henrique Simonsen, o governo simplesmente imprimiu dinheiro para pagar esse déficit. Em 1890, o dinheiro em circulação aumentou 51,6%; em 1891, mais 71,8%.

    Essa avalanche inflacionária, causada pela monetização dos déficits, levou a uma especulação financeira, que foi o encilhamento propriamente dito. Sem essa criação de dinheiro para financiar os déficits do governo, não havia como os bancos da época saírem emprestando a rodo para bancar a especulação.

    Veja que, em economia, mudam-se os métodos, mas as causas e consequências são basicamente as mesmas. Se você joga dinheiro na economia, esse dinheiro será utilizado em algum investimento voltado ou para se proteger da inflação ou para lucrar.
  • Batista  01/10/2015 19:59
    Leandro,

    Entendi. Um é política desastrada e o outro soa como golpe para levantar capital.

    Os mesmos erros ocorrem novamente, acredito, por causa do uso das mesmas "ferramentas". Ou seja, assim como há profissionais que se espelham em ideais liberais, há os profissionais que agem a partir da premissas e conceitos do Estado inchado (pátria grande?).

    Podemos observar que os príncípios, certos ou errados, são os mesmos há eras. Como você disse, só muda o personagem, mas o roteiro do filme continua o mesmo.

    Aí vem uma questão chave, no meu modo de ver, para quem está no mercado financeiro: aquele que, num dado momento, observa o método adotado, a doutrina seguida, a linha de pensamento de quem está no comando político, pode, de certa forma, "prever" o que acontecerá num momento econômico futuro. Só nessa brincadeira, acredito estar 50% do sucesso no mundo financeiro. Meio caminho andado. Só que entender isso é para poucos.
  • Frederico  01/10/2015 17:51
    Show este texto. Parabéns IMB.
    Ao contrário de tanta burrice feita por aqui, o Plano Real, foi uma sacada de gênio. Digno, guardadas proporções, de Ludwig Erhard na Alemanha.
    Lembro como foi bom sonhar com uma moeda forte...viajar para o exterior...talvez até não mais precisar de visto para entrar nos EUA...
    O sonho acabou!
  • Luiz Felipe  01/10/2015 18:18
    " [...] Os apoiadores do seu partido, outrora os mais fanáticos do país, batem em retirada, envergonhados. Apenas os militantes pagos ainda se arriscam a fazer defesas pontuais da presidente e do partido, mas sempre enfatizando que se opõem vigorosamente à política econômica."


    Apenas os militantes pagos? Ainda tem muito esquerdopata que sem receber um centavo tem a demência( ops pleonasmo,rsrs...) de defender esse governo comunista!!!

  • Mohamed Attcka Todomundo  01/10/2015 23:01
    o manicomio fica de fora dos muros, ja dizia o coringa
  • Luiz Felipe  02/10/2015 19:08
    :P
  • Gustavo  04/10/2015 00:15
    Pior ainda. Muitos acreditam nas bobagens ditas pela presidAntA e pelo partido de que a culpa é da "crise mundial". Outros tem a cara de pau de criticar as medidas de 2015 como neoliberais e que o governo deveria voltar para a política econômica que "deu certo". Pode?
  • Mohamed Attcka Todomundo  05/10/2015 12:16
    chama-se duplipensar
  • Luiz Felipe  07/10/2015 17:38
    Duplipensar é uma das táticas gramscianas de ser a favor de tudo que 'me favoreça' ( aos que estão no poder, mesmo que isso contradite a realidade ou o óbvio.

    Já não bastam serem comunistas, como esperar algo coerente dessa "gente"? :P

  • Rennan Alves  07/10/2015 21:55
    Duplipensar é só um nome bonitinho para dissonância cognitiva. Ou retardo mental.
  • Rodrigo Pereira Herrmann  01/10/2015 20:40
    O problema fiscal do governo é incontornável.

    Precisaríamos de uma monstruosa reforma liberalizante e estrutural (tributária, previdenciária) apenas pra estabilizar o avião.

    O governo pressionará pela solução inflacionária (a impressora), não tem jeito, não tem de onde tirar. É impossível que o BCB consiga trazer a inflação pra meta no próximo biênio.
  • Mohamed Attcka Todomundo  01/10/2015 23:02
    estabilizar o aviao (estado) é deixalo se espatifar
  • Amarílio Adolfo da Silva de Souza  01/10/2015 21:00
    O brasil não é um lugar confiável. Só moro nele por necessidade.
  • Mohamed Attcka Todomundo  01/10/2015 23:04
    ñ é necessidade. necessidade é reciproca (trocas voluntarias). seu caso é de falta de opçao (oferta reprimida)
  • Luis Marta  01/10/2015 22:36
    "Portanto, a junta resolveu adotar medidas ainda mais vigorosas, como a proibição do comércio de cereais. Por mais estranho que pareça, tal medida não acabou com a fome." Fartei-me de rir.
  • Judeu  04/10/2015 04:04
    O governo do Sarney foi bom.
  • Maria Lucia   20/10/2015 19:43
    Muito bom o artigo, aqui no Brasil nunca aprendem com os erros do passado. Aliás, as trapalhadas ainda continuam
  • Emerson Luis  07/03/2016 11:06

    Estatistas: Há 5000 anos tentando controlar a economia e piorando tudo

    * * *
  • 13 - Governo indiano proíbe a circulação de dinheiro vivo  22/11/2016 19:41
    Copiando o camarada Gorbachev...
    mises.org.br/Article.aspx?id=2568
  • Mário Jonas  14/01/2018 07:36
    Ótimo texto.


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.