clube   |   doar   |   idiomas

Existe uma página específica para este artigo. Para acessá-la clique aqui.

Muito obrigado
Semana passada o IMB realizou o primeiro Seminário de Economia Austriaca no Brasil e preciso fazer aqui uma reflexão e agradecer.

Refletir por que as coisas vão acontecendo e mal nos damos conta dos feitos realizados. Nesse caso, fazendo uma retrospectiva, eu seria incapaz de imaginar que aquelas noites mergulhado em artigos e debates com meu amigo, então virtual, Richard em tempos pré redes virtuais, que datam dos idos de 99, surgiria algo sequer perto do seminário realizado.

Naqueles tempos as descobertas foram vindo aos poucos, um artigo do Roberto Campos aqui, um livro de Milton Friedman acolá e conforme a internet se alastrava, a velocidade das descobertas aumentava, e a troca de links de artigos do Mises Institute caiu como uma bomba.

Descobrimos ali uma fonte inesgotável de argumentos sólidos, uma forma concisa e precisa de defesa da liberdade, uma explicação sempre elegante da economia, nada de equações complicadas, a lógica, a clareza, saltavam aos olhos.

E dessa forma, quando veio o orkut e redes virtuais, o Mises Institute já era a fonte maior de conhecimento. Minha preocupação já era tornar essa fabulosa fonte de conhecimento acessível a todos os brasileiros. Quando decidi começar essa empreitada, as coisas aconteceram como se fossem caindo do céu. De imediato Helio Beltrão e Leandro Roque aderiram ao projeto e ajudaram na formatação e viabilidade, e meus irmãos, Fernado e Roberto, incentivaram. O fato é que a internet ajudou a agrupar leitores do Mises Institute que estavam espalhados e isolados por aí e esses reconheceram a importância de espalharmos no Brasil a revolução que o Mises Institute irradiava.

Mas, mesmo assim, Lew Rockwell, Joe Salerno, Bob Murphy, Mark Thornton, Hans Herman Hoppe, David Gordon, todos que lá escreviam me passavam a imagem de serem gênios com cérebros do tamanho de uma bola de basquete que ficavam escrevendo artigos numa torre de marfim, inalcançáveis e com tanta produtividade que jamais poderia imagina-los aqui no Brasil.

Pois aconteceu.  Eles vieram.  Posso dizer que acertei que eram gênios, mas errei no tamanho do cérebro e no acesso. São pessoas incríveis. No seminário, todos tiveram acesso a eles o tempo inteiro, se misturavam nas rodinhas dos intervalos como se não fossem as estrelas do evento. Também compartilhavamos aflições sobre o rumo das coisas na economia mundial, expansão ilimitada dos governos, etc.

Então, quando o Seminário estava acontecendo me veio uma sensação de gratidão imensa. O que poderia ser melhor que isso? Lew Rockwell sentado a duas cadeiras de mim, ouvindo a palestra de Mark Thornton, camisetas com o brasão do instituto sendo vendidas, livros esgotados em meia hora de seminário, cobertura da imprensa em um Seminário de Economia Austriaca, tradução simultânea.
Mas agradecer a quem? Agradecer ao Hélio, ao Fernando e ao Leandro pelo empenho? Claro, o trabalho foi enorme. Agradecer ao William, Salim, ao pessoal do Standard e ao José e ao Jorge que patrocinaram o evento? Claro, sem eles não seria possível nada daquilo. E o pessoal do IEE? Que grata surpresa a força desses jovens gaúchos e mineiros. Agradecer aos palestrantes "gringos" e brasileiros? Qualquer agradecimento a eles seria pouco.

Mas o meu agradecimento vai mesmo para a platéia. Na verdade, é pra eles que um dia pensei em fazer o IMB; eles, de fato, "são" o IMB. Os leitores do site, o público presente no seminário, o instituto só existe pra eles.

É pra todos que faço esse agradecimento, ao Effe, à Luciana, ao Carlo, aos Lucas (Harris e Mendes), ao pessoal do Clube de Viena, a alta cúpula botafoguense (acreditem, todos os 2 botafoguenses estavam lá!), ao Salles, ao Machado, ao gaúcho Fábio, ao Paludo, ao Rufino, ao Fabio Ostermann, ao Eduardo, ao Michael, ao Fração e a todos do IEE, ao Rafael Guthman, aos irmãos Ling, aos Cardoso (pai e filho), às meninas do IEE, à Daniela, à Isabelle, aos que viram o seminário pela internet, à Elisa, à Margaret... claro que não serei capaz de nominar todos, mas aqui vai meu Muito Obrigado aos que lá estiveram e prestigiaram o evento. Sem vocês não teria motivo de existir o IMB.

Obrigado.

autor

Cristiano Fiori Chiocca
é economista e empresário.

  • Filipe Rangel Celeti  18/04/2010 12:38
    Nós é que agradecemos!
  • Lucas Harris  18/04/2010 15:30
    Quem deve agradecer sou eu, pelo que, provavelmente, foi o maior evento intelectual que já presenciei. Parabéns ao Instituto, o qual já me considero um agregado.
  • Daniel Marchi  18/04/2010 15:54
    Faço minhas as palavras de Lucas Harris. Foram três dias (incluo o F. da Liberdade) de intenso aprendizado. Foi sensacional conhecer gigantes como Tom Woods e Lew Rockwell. Já estou contando os dias para o próximo.

    Obrigado Hélio, Leandro e Cia. Ilimitada IMB.
  • mcmoraes  18/04/2010 19:25
    Muito obrigado ao IMB por me possibilitar obter uma cópia de Speaking of Liberty autografada pelo próprio autor, na minha frente e sem sair de Porto Alegre. Inesquecível!
  • Albert Ling  19/04/2010 13:26
    Eu agradeço a todos que tornaram possível esse evento.
    O melhor momento foi ao ver gente aqui de Porto Alegre que geralmente
    não se interessa tanto por estes assuntos, conhecidos meus, todos
    ouvindo os palestrantes que eu assistia sozinho de madrugada aqui
    em casa, do site de media do mises.org, e muita gente tendo sua perspectiva
    ampliada por novos pontos de vista. Foi emocionante perceber que isso
    estava acontecendo em POA, pois há alguns anos atrás um evento desse
    tipo com a audiencia que teve parecia a décadas de distância.
    Voces realmente fizeram algo especial acontecer. parabéns!
  • Fernando Ulrich  20/04/2010 07:10
    Cristiano,\r
    \r
    Parabéns pelo evento e realmente nós que agradecemos o empenho e dedicação de vocês em tornar-lo realidade.\r
    \r
    Compartilho o que escreveu Albert Ling acima. Tendo nascido e vivido praticamente toda a minha vida em Porto Alegre, foi uma sensação reconfortante reencontrar amigos e conhecidos na minha cidade natal num evento desta magnitude com palestrantes do mais alto calibre.\r
    \r
    Achei que estivesse um tanto sozinho entre os Porto Alegrenses interessados na Escola Austríaca. Que felicidade foi ver que eu estava totalmente equivocado.\r
    \r
    Fernando Ulrich
  • Jonas Fagá Jr  22/04/2010 14:29
    Algum problema com minha postagem anterior? Gostaria de deixar registrada a gratidão da minha equipe pelo belo trabalho de vocês.
    Porque o post não passou pela moderação?
    Obrigado.
  • Leandro  22/04/2010 15:04
    Jonas, você havia postado neste mesmo tópico? Garanto-lhe que não houve censura alguma.

    Nem poderia ter, aliás.

    Desculpe qualquer incômodo. Abraços!
  • Jonas Fagá Junior  22/04/2010 16:52
    Imagina, Leandro. Eu que peço desculpas. Provavelmente foi algum problema técnico aqui, na hora de postar.

    Postando novamente, então:

    Eu é que queria deixar registrado o meu agradecimento, em nome de toda a equipe do Clube de Vienna.

    O fato desse seminário ter sido realizado, e de forma tão competente pelo IMB, no enche de alegria e esperança.
    Estávamos cansados de sermos olhados como verdadeiros "ETs" quando mencionávamos a Escola Austríaca em nosso material. O mais incrível é que erra postura de assombro vinha até mesmo de economistas formados e profissionais do mercado que pareciam estar ouvindo algo assustadoramente "esotérico".

    A divulgação que o IMB tem proporcionado ao tema, e que culminou (por enquanto) no seminário, é algo muito bem vindo, e que certamente contribuirá muito para ampliar a visão atual dos problemas econômicos que nos afligem, e fazer com que o debate atual saia dessa mesmice de "sobe juros, baixa juros", como se essas fossem as únicas alternativas à nossa disposição.
    É preciso alargar os horizontes desse debate, e os eventos em POA foram fundamentais nesse sentido.

    Em suma, nós queremos que vocês saibam que apreciamos tremendamente o surgimento e o sucesso do IMB e do seminário, que foi realmente um marco histórico.

    PARABÉNS a todos os envolvidos nesse trabalho. Aguardamos ansiosamente a próxima edição, e nos colocamos à disposição para ajudar no que nos for possível.

    Contra a estreiteza mental reinante no atual debate econômico, sigamos na luta.

    Forte abraço e SUCESSO!!!
  • Thiago Pinheiro  21/05/2010 13:41
    Eu estava lendo todo feliz o texto, me emocionando com a história, quando vejo a provocação com os botafoguenses. Eu sou um dos dois felizes alvinegros que ele cita!\r
    \r
    De qualquer forma, Cristiano, eu só tenho a agradecer pela oportunidade incrível que você e todo o Instituo Mises nos deu. Foram dias incríveis que serviram para revigorar o ânimo na luta pela liberdade. Nesse país tão complicado, às vezes paramos e pensamos que não há solução.\r
    \r
    Em alguns momentos, eu olhava para o lado e perguntava: "estou no Brasil mesmo?". E o melhor de tudo é que eu estava.\r
    \r
    Estou esperando ansioso pelo ano que vem.\r
    \r
    Abraços do campeão carioca!
  • Cristiano  19/04/2011 22:28
    Não escreverei outro, seria repetir oque foi escrito aqui. Obrigado novamente!


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.