clube   |   doar   |   idiomas
Os justiceiros do mercado

E por que então tanto stress, pessoal?

Os contos de horror de 2008 parecem fazer parte de um passado longínquo.  Há apenas pouco mais de um ano, Obama, Bernanke e companhia passaram a controlar as principais manivelas da economia e do sistema financeiro internacional.  Através de planos megalomaníacos que inauguraram a Era do Trilhão (o grande "trilho" bancado pelos contribuintes, e que nos levará a um local ainda incerto), Obama e companhia financiaram a tomada da GM e da Chrysler, da Fannie Mae e Freddie Mac, e o salvamento dos irresponsáveis banqueiros da Goldman Sachs, do Citibank, da Merrill Lynch, da AIG, entre outros.  Estima-se que noventa por cento das hipotecas e empréstimos imobiliários originados em 2009 tenham sido patrocinados pelo erário americano.  Imagino o que teria acontecido com os preços sem o cheque oficial.

Até agora, a despeito da imoralidade, a receita de inspiração soviética parece estar dando resultados.  Desde o início da crise no segundo semestre de 2007, os mercados de risco em geral - como as bolsas mundiais e moedas de países emergentes - se comportaram de maneira similar:  a) queda gradual até a quebra da Lehman em setembro de 2008, seguido de b) queda abrupta por alguns meses, e finalmente c) alta gradual e contínua desde o início de 2009 até agora.

Imaginava-se há um ano que o sistema precisava desalavancar rapidamente e abruptamente.  A era da alavancagem - de mais de 20 vezes nos bancos comerciais e mais de 30 vezes nos bancos de investimentos - parecia ter sido um inconcebível sonho de Pollyanna.  No famoso conto de fadas de Eleanor Porter, Pollyanna vive um duro Natal no qual ganha muletas.  Porém, devido ao seu notório otimismo, se satisfaz por não precisar das muletas.  Hoje, a muleta dos trilhões está realavancando o sistema.  Eleanor Porter escreveu uma sequência ao bestseller chamada Pollyanna cresceu - quisera os governos e os bancos seguissem o exemplo!

Os bancos, seguindo a liderança do seu fiel aliado Fed (o banco central americano) de taxar o custo do dinheiro a zero por cento ao ano[1], têm deixado de lado seu papel tradicional de intermediar poupadores e investidores, e têm praticado em grande medida uma única operação: tomar empréstimos junto ao Fed a zero por cento, e emprestar ao governo americano a 4.7% ao ano[2] ou mesmo emprestar a governos emergentes acima de 7% ao ano (em moedas em valorização, com duplo ganho).  Não é surpresa que os bancos estejam pagando bônus recordes aos seus "geniais" executivos.  Com juros subsidiados desta forma, não seria surpresa encontrar bilhetes de loteria nos ativos de alguns bancos.

A história ficou mais surreal com a notícia de que o banqueiro dos bancos centrais - o super-secreto BIS, sediado na Basileia - convocou os CEOs dos bancos neste último fim-de-semana, pois "está preocupado que os bancos estejam retomando riscos excessivos".    Este é o mesmo BIS que patrocinou o padrão chamado de Basileia II, que permitiu aos bancos do mundo todo autoavaliarem o risco que estariam tomando, utilizando seus próprios modelos.  E o mesmo BIS que fumava charutos durante as bolhas da internet (1997-2000) e do crédito (2004-2007).

É reconfortante saber que as instituições lideradas por Lázaro Brandão[3] e pela dupla Roberto Setúbal e Pedro Moreira Salles têm uma grande tradição de conservadorismo e moderada alavancagem, e que estamos sob a gestão do melhor presidente que o Banco Central brasileiro já teve - Henrique Meirelles.  Definitivamente o vetor de melhor gestão monetária e das contas públicas aponta do ocidente para o oriente, e do norte para sul, Brasil incluído (ainda que em termos relativos).[4]

Enquanto isso, nos Estados Unidos, Obama e seu Congresso de maioria democrata esperam do Fed de Bernanke uma gestão de bolhas à altura de seu antecessor.  Da mesma forma como fumantes inveterados acendem o próximo cigarro no anterior, os políticos querem que Bernanke emende a próxima bolha na que acaba de estourar - refinadamente como fez Alan Greenspan[5], o inventor da infame política de gestão de bolhas que ficou conhecida como Greenspan's Put.  Tais políticos deveriam lembrar-se do ditado: "Cuidado com o que desejas, pois podes consegui-lo".

Hoje, o setor das economias desenvolvidas que mais cresce é o da dívida pública.  Os déficits assustadores nos países desenvolvidos fariam a gestão de Dilson Funaro durante o Plano Cruzado parecer um exemplo de austeridade - déficits de 10% do PIB nos Estados Unidos, de 12% na Inglaterra, de 9% no Japão, de 8% na França, e assim por diante.

Os governos dos países desenvolvidos possuem vantagens para se endividar em relação aos emergentes, pois não sofrem daquilo que os economistas chamam de pecado original, que é a emissão de dívida em uma moeda diferente daquela que emitem internamente.  O limite de alavancagem dos governos desenvolvidos é, por esse e outros motivos, bastante alto, mas não infinito[6].  Mas não parece haver chegado a hora da verdade para os desenvolvidos..... ainda.

Em 1984, Edward Yardeni, reputado investidor, cunhou o termo bond market vigilantes - ou justiceiros do mercado de títulos de dívida - para designar investidores que vendem títulos de dívida como protesto contra políticas inflacionárias ou de má gestão das contas públicas[7].  Ao vender os títulos, os justiceiros aumentam o custo de captação para os governos, e por isso representam a última linha de defesa para persuadir governos soberanos a se comportarem.

O governo Clinton experimentou sua dose de justiceiros em 1993/1994 quando os juros de dez anos subiram de cerca de 5% para 8%, que levou o assessor de Clinton, James Carville, a afirmar: "Eu costumava pensar que se houvesse reencarnação, queria voltar como presidente, o Papa, ou um craque de beisebol.  Agora quero voltar como o mercado de títulos de dívida - você intimida todo mundo".

Na era das siglas para aglomerados de países desconexos que começou com "BRICs", o risco maior está atualmente nos chamados "PIGS" - Portugal, Irlanda, Grécia e Espanha.  Tamanho é documento nos tempos atuais - com a queda brutal do comércio internacional, os países menores foram mais afetados nas suas contas externas e públicas.  Os BRICs, por outro lado, possuem um grande mercado interno que tem atenuado tais efeitos.

Mas há outras jurisdições que estão abusando do pecado original: os estados americanos.  Vários estados estão lançando títulos de dívida para tapar crescentes buracos fiscais.  Illinois, por exemplo, não paga os professores universitários da University of Illinois e funcionários do serviço social há dez meses, e emitiu na semana passada US$3,5 bilhões para cumprir compromissos anuais junto ao fundo de pensão dos funcionários públicos.  Illinois foi rebaixado pela agência de rating S&P, e está com nota de rating apenas marginalmente superior à da Califórnia, que é uma jurisdição em virtual default (inadimplência).  A situação dos estados tende a piorar com os cortes das transferências relativas ao programa Medicare, previstos no projeto em discussão no Congresso.

Os justiceiros estão vigilantes, mas ainda não começaram a fazer justiça vendendo seus títulos.  Enquanto perdurarem os juros a zero por cento, sem perspectiva de aumento, os ativos de risco continuarão a subir.

Embora Bill Gross - gestor do maior fundo de renda fixa do mundo - seja um dos seus líderes, hoje há muitos grupos de justiceiros na Ásia, onde se situam os principais detentores de títulos do governo americano.  Quando os justiceiros começarem a agir, corra para o abrigo - os tiros virão do ocidente, do oriente, norte e sul.

_____________________________________________________________

[1] Os juros do chamado Federal Funds Rate estão tabelados entre 0% e 0.25% ao ano desde dezembro de 2008, e nas últimas semanas têm permanecido em torno de 0.10% ao ano.

[2] Rendimento do título de trinta anos do tesouro Americano, largamente considerado como livre de risco de crédito.

[3] Atualmente o presidente do conselho de administração do Bradesco.

[4] Em termos absolutos o Brasil teve significativa piora das contas públicas em 2009, que deve perdurar em 2010.

[5] Greenspan patrocinou a bolha de crédito com juros baixíssimos a partir do estouro da bolha da internet em março de 2000.

[6] Kenneth Rogoff - professor de Harvard, ex-economista-chefe do FMI e exímio enxadrista - e Carmen Reinhart, examinaram o histórico de 44 países em um período de mais de duzentos anos, e encontraram uma relação estatística que sugere que uma vez que a dívida bruta alcance 90% do PIB, o crescimento econômico cai até 2 pontos percentuais ao ano.  O Japão já está acima deste nível há duas décadas, e os Estados Unidos e a Inglaterra estão alcançando este nível em muito breve.

[7] Na verdade o termo "justiceiro" é um disfemismo (contrário de eufemismo).  No disfemismo, procura-se dar maior conotação negativa, ou pejorativa, ao invés de utilizar-se um termo mais neutro.  Justiceiros são foras-da-lei que fazem justiça com as próprias maõs.  O termo "redentor" teria conotação mais neutra.


autor

Helio Beltrão
é o presidente do Instituto Mises Brasil.

  • Bruno  11/01/2010 04:36
    Belo artigo.\nObama parece estar contra a parede. Se continuar em suas medidas, soluciona hoje para piorar amanhã. \nSe implementar mercado livre nas finanças, o governo acaba (ou o próprio país).\n
  • Cristiano  11/01/2010 23:28
    Faltou dizer onde é o abrigo.
  • CR  12/01/2010 08:13
    A "contribuição de campanha" é o Calcanhar-de-Aquiles da Democracia. Foi ela, a pasta-cor-de-rosa, que ensejou o até então maior golpe do mundo, perpetrado no Brasil, e ora repetido agigantado nos EUA. \nO que ainda me admira é se glorificar de uma gestão financeira que se vale de depósitos compulsórios, ou seja, de apropriação indébita sobre o que deveria irrigar a produção, tornando-nos pela escassez pagadores da maior taxa-de-juros do mundo, sobrevalorizando de modo fictício a moeda, e cerceando o comércio. O crescimento do Brasil é pífio, e as exportações padecem como nunca. Infelizmente o mundo, tal qual na época dos gangsters, vê-se tomado pela plêiade. E como naquela época de ingênuos e hipócritas, ninguém se dá conta do tamanho do furto.
  • Helio  15/01/2010 02:39
    Cristiano, na minha opinião, na hora em que os justiceiros entrarem em ação, o abrigo mais seguro é aquele ativo financeiro que não é passivo de ninguém - ouro físico.
  • Emerson Luis, um Psicologo  22/04/2014 19:58

    Os governos socialistas dos EUA, Brasil e outros países sofrem gravemente de otimismo cego.

    * * *
  • anônimo  24/04/2014 11:50
    Sacanagem a foto do Punisher aí, de esquerdista ele não tem nada.
    Aliás, perdão por entrar em áreas mais nerdológicas, mas ele só se revolta justamente depois de ser agredido e ter a família morta.Ele é mais ou menos o que era o Batman, que originalmente era apenas um personagem movido pela vingança, e não um pateta preguiçoso, que tem os pais mortos por uma 'vítima' do sistema.
  • Pobre Paulista  17/03/2018 07:47
    "era das siglas para aglomerados de países desconexos " foi sensacional


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.