clube   |   doar   |   idiomas
"É incompreensível um pobre ser de direita!", diz a esquerda — eis as duas contradições desta frase
Quem se opõe a algo que supostamente o beneficia demonstra honestidade e ética

Quando a esquerda não recebe o apoio eleitoral — ou mesmo espontâneo, como passeatas de rua — daqueles indivíduos cujos interesses ela acredita representar, ela rapidamente se entrega ao discurso arrogante e elitista de que o pobre que não a apoia é "burro", "ignorante" e "alienado", pois está indo contra seus próprios interesses.

Você próprio pode conferir exemplos práticos disso aqui, aqui, aqui e aqui.

A lógica é simples: dado que a esquerda supostamente defende o aumento da tributação sobre os ricos para repassar o dinheiro aos mais pobres — tanto diretamente, via assistencialismo, quanto indiretamente, via educação e saúde "públicas" —, então todo pobre, por definição, tem de apoiar a esquerda, que seria composta por superiores seres abnegados e salvadores.

É claro que não é toda a esquerda que adota esta postura de desdém geral pelos indivíduos que "não sabem votar", mas é recorrente encontrar estes tipos nas redes sociais. (E isso é um fenômeno mundial: na Espanha, uma proeminente figura pública recentemente xingou os trabalhadores que não votam na esquerda espanhola).

Duas premissas discutíveis

Essa afirmação de que um pobre de direita é um tolo — para colocar em tons mais leves — parte de duas premissas extremamente discutíveis.

A primeira premissa é a de que "ser de direita" — no caso, defender uma política econômica que não atente contra a livre iniciativa — é prejudicial para os pobres.

A segunda premissa é a de que os pobres deveriam votar de acordo com seus interesses diretos, e não de acordo com princípios morais gerais e imparciais.

A primeira pergunta é: seria do interesse dos pobres atentar contra a livre iniciativa? 

No curto prazo, uma política de alta tributação e redistribuição até poderia ser do seu interesse, pois o pobre ganharia renda imediata à custa do confisco do capital que foi imobilizado pelo capitalista. 

No longo prazo, porém, há o alto risco de que o capitalista espoliado deixe de reinvestir esse capital, o que faria com que a economia se descapitalizasse e, consequentemente, fossem reduzidos os investimentos, as contratações e, consequentemente, os salários, o que prejudicaria acima de tudo o mais pobre, que passaria a ter um menor padrão de vida.

Capital e trabalho não são necessariamente fatores substitutivos e concorrentes. Ao contrário: eles se complementam e cooperam para se enriquecer mutuamente. Trabalho e capital não são inimigos; são aliados.

Já a segunda premissa acaba se revelando a mais interessante, pois quem a defende nem sequer se dá ao trabalho de analisar as implicações de sua própria postura, a saber: dizer que um pobre tem de votar na esquerda (porque seus interesses são defendidos pela esquerda) significa equiparar moralidade e justiça a interesse próprio.

Ora, seria possível que os pobres (ou qualquer outra pessoa de qualquer classe social) agissem não exclusivamente por interesses materiais, mas também por critérios mais gerais e abstratos de justiça e moralidade? Para a esquerda, é impossível.

Imagine um pobre que tenha a opção de roubar a carteira de seu vizinho mais rico sem que ninguém possa descobrir, ou mesmo suspeitar. Deveria este pobre efetuar o roubo? Fazê-lo, sem dúvidas, seria uma demonstração de seu interesse próprio: seu bem-estar material aumentaria à custa do de seu vizinho mais rico.

Consequentemente, se justiça e moralidade forem sinônimos de interesse pessoal — como afirma a esquerda para o caso eleitoral dos pobres —, então devemos concluir que sim, este pobre deveria roubar a carteira do vizinho. Mais ainda: se ele não o fizer, será um direitista tolo.

Entretanto, tão logo constatamos que a questão da justiça e da moralidade não está restrita a um estrito interesse material egoísta, deveria então resultar de todo compreensível, e sensato, que este pobre declinará de roubar a carteira do vizinho mais rico. Não é que ele seja um direitista tolo; ele é simplesmente uma pessoa íntegra, honesta e justa para com seu vizinho.

Exatamente o mesmo raciocínio se aplica ao pobre que se opõe a espoliar, por meio do estado, os empresários ou os ricos, mesmo quando este esbulho poderia lhe redundar em um benefício social de curto prazo: quem se opõe a algo que o beneficia porque acredita ser injusto não é um tolo direitista, mas sim uma pessoa que coloca suas convicções à frente de seu interesse próprio. Consequentemente, toda a sociedade está melhor por conviver com uma pessoa íntegra e honesta.

Para concluir

É claro que podemos debater se tais convicções são reais ou se, como parece acreditar a esquerda, derivam de uma falsa consciência da realidade ou de uma falsa "consciência de classe". No entanto, mesmo nestes casos, o pobre que não vota na esquerda estaria sobrepondo seu ideal imparcial de justiça a seus interesses egoístas — algo que não deveria ser criticado, mas sim aplaudido.

Em vez de insultar os pobres que não se mostram atraídos pela ideia de esbulhar terceiros para repartir o botim, a esquerda deveria tentar persuadi-los da superioridade de suas ideias e valores (os quais têm sido rechaçados). 

O desdém, neste caso, diz muito mais a respeito do desdenhador do que do desdenhado.


autor

Juan Ramón Rallo
é diretor do Instituto Juan de Mariana e professor associado de economia aplicada na Universidad Rey Juan Carlos, em Madri.  É o autor do livro Los Errores de la Vieja Economía.


  • Carlos Alberto  13/05/2021 18:23
    A esquerda perdeu a narrativa há muito tempo, quando ela parou de falar de economia e passou a se concentrar em pautas bizarras e totalmente estranhas aos mais pobres (que sempre foram mais culturalmente conservadores), como fim dos gêneros, pronomes neutros, banheiros unissex, famílias formadas por homens e golfinhos, e legalização da pedofilia.

    São tão burros que nem se deram conta disso, o que mostra seu total distanciamento das reais pautas defendidas pelo povo.

    A única coisa que pode jogar os pobres de volta para a esquerda é fazerem cagadas na economia. E, convenhamos, neste quesito nosso Banco Central vem se esforçando com afinco.
  • Rogério  13/05/2021 18:38
    A esquerda ficou perdida porque ela acha que falar em desigualdade social (que é a única pauta econômica que ela fala) já automaticamente garante voto.

    Só que desigualdade social não é e nem nunca foi pauta de pobre. É pauta de rico culpado e desocupado. Pobre quer um trabalho, receber o salário em dia, pagar a conta da Net e poder assistir Netflix na sua TV nova de 42 polegadas comprada em 12 parcelas nas Casas Bahia.

    Pobre não se sente espoliado quando o patrão aparece de carrão novo: pobre quer financiar o próprio carro, que pode ser popular, em 60 meses, sabendo que nenhuma presidenta acéfala vai aprontar alguma estripulia em escala monumental gerando a maior crise da história recente a pretexto de ajudar o pobre.

    Pobre não liga se o patrão mora numa casa bonita num bairro bacana, ele quer poder ganhar o suficiente pra sobrar alguma coisa no fim do mês, que ele possa juntar e um dia dar entrada no próprio apartamento dele, onde ele vai colocar aquela TV de 42 polegadas e estacionar o carro já quitado.

    O pobre não quer saber de empoderamento, hegemonização, conscientização, blackface ou manterrupting. Pobre quer um iPhone 6, de preferência com um plano de dados legal, pra ele poder curtir os posts dos amigos.

    Pobre não quer igualdade, pobre quer mais é capitalismo e dinheiro no bolso.
  • Alfredo  13/05/2021 20:40
    Se você observar, a esquerda já está abandonando o "argumento dos pobres" e se entregou totalmente ao "argumento das minorias".
  • Vladimir  13/05/2021 21:12
    Toda a esquerda mundial é um bloco único. E todas elas seguem o que determina a esquerda americana. É essa quem comanda o jogo.

    Como a esquerda americana hoje só pensa em pautas culturais, comportamentais e de gênero (luxo de país rico), toda a esquerda mundial sai macaqueando o mesmo argumento.

    Só que aquela retórica elitista que até poderia ter algum apelo em países como Suécia e Holanda, fica completamente perdida e sem sentido em países mais pobres.

    Daí a esquerda ter se perdido.


    P.S.: Lula, no entanto, esperto que só, já sacou isso. Foi eleito duas vezes com propagandas conservadoras. Irá tranquilamente repetir a estratégia. Veja um vídeo seu que está rolando nas redes sociais. A música é abertamente conservadora: um homem cantando dizendo que quer comer carne, tomar cerveja e encher o tanque do Chevette. Isso não tem nada de progressista. Chega a ser até reacionário.
  • Humberto  13/05/2021 21:21
    Sim, Lula ainda é um dos poucos oriundos da esquerda sindical que existia até a década de 1980.

    O curioso é que a atual esquerda é completamente oposta daquela esquerda sindical que vigorou até a década de 1980.
    Aquela era a esquerda-raiz e realmente metia medo: os caras eram fisicamente robustos (barbudões), manuseavam armas, defendiam a tomada dos meios de produção com o subsequente assassinato dos burgueses, e eram abertamente racistas e machistas (gays e lésbicas não tinha vez).

    Qual é a esquerda de hoje? Um bando de afeminados e de lésbicas que desmaiam se você acender um cigarro, e cuja arma mais letal que conhecem é alguma frase progressista e lacradora. Nunca nem sequer seguraram uma faca (Adélio Bispo é claramente um membro da esquerda mais antiga).

    Se um esquerdista padrão hoje entrasse no movimento sindical da década de 80, que era formado por comunistas raiz, seria imediatamente fuzilado por apologia às virtudes burguesas (defender causas progressistas sempre foi visto como uma afetação burguesa pelos genuínos comunistas).
  • rraphael  13/05/2021 21:33
    o q é um pobre de direita perto de um socialista de iphone
  • Juliano  13/05/2021 21:14
    Os pobres sempre entraram como "minorias" na narrativa da esquerda. Até criaram a retórica de que minoria não é numérica, mas sim representativa e de empoderamento.

    O que a esquerda está fazendo é dizer que os pobres não tem consciência que estão defendendo o discurso do opressor, que os massacra via discursos e propagandas capitalistas. O cinismo e o modus operandi de acusar os outros do que eles fazem (quem quer dominar e oprimir os pobres são os marxistas) continua o mesmo.
  • Marcelo  17/05/2021 12:32
    A esquerda representa o monopólio e a direita representa a livre concorrência.
    O projeto de poder esquerdista prevê o monopólio do poder político e econômico nas mãos dos "administradores sociais" do partidão vermelho.
    Trata-se do modelo Chinês, com regime de governo comunista e sistema econômico socialista.
    O sistema econômico socialista nada mais é que uma simbiose entre o metacapital e o partido comunista local, com os "empresários" recebendo os privilégios governamentais e "financiando" o ParTidão vermelho sangue.
    Faz muito tempo que os donos do grosso do dinheiro mundial desejam se ver livres da instabilidade e da livre concorrência.
    Hitler e Mussolini, ao contrário de Stalin, sabiam que era possível um regime de governo comunista, mas impossível um sistema econômico comunista.
  • Zé Márcio  13/05/2021 18:26
    No Brasil, o povão sempre foi maciçamente conservador, sempre teve vergonha de receber esmola, sempre foi muito trabalhador e sempre valorizou o esforço próprio.

    Ademais, em termos culturais, vá a uma periferia e pergunte lá se bizarrices como "ideologia de gênero", "apropriação cultural", "estupro reverso" (quando um homem rejeita fazer sexo com uma mulher porque a achou feia), "homofobia", "lesbofobia", "transfobia" ou até mesmo "feminismo" são bem-vindas.

    Pergunte a um cidadão da periferia se ele acha normal um homem se dizer "uma mulher presa a um corpo masculino". Pergunta se ele gostaria de matricular sua filha em um escola que permite um travesti peludo mijar no banheiro de garotas. Pergunte o que ele acha do movimento LGBTQSUVXYZ.

    Isso tudo é invenção cultural de classe média descolada e despreocupada. Na periferia, os textões de Facebook, que tentam banalizar todas essas aberrações, não chegam.

    E, onde a cultura tradicional se mantém, valores de esquerda dificilmente ganham corpo.

    Sim, os pobres de vez em quando votam no PT, mas fazem isso simplesmente porque todos os outros partidos são iguais. E também nunca souberam qual é a verdadeira agenda cultural do PT. Qual realmente foi a oposição "de direita" ao PT de 2003 a 2015? Quem foi à TV (principal veículo de comunicação dos mais pobres) desmascarar a agenda progressista do PT? Com tamanha ausência de oposição e de desmascaramento, é claro que os pobres iriam votar no PT.
  • Diego  13/05/2021 18:32
    Socialismo fabiano é coisa de quem mora no Itaim Bibi e marxismo cultural é coisa de quem mora em Pinheiros. Lá na quebrada é Deus, Família, Pátria e Trabalho!
  • Claudio Chapeiro  14/05/2021 12:20
    Nao eh preto no branco assim nao irmao...
  • Adão  17/05/2021 15:54
    Excelente comentário Zé Márcio;
    Dá até nojo em votar em alguém como Alckimin, e José Serra. Um dos motivos do povão votar no PT. Todos tinham medo de falar mal do PT nos anos de 80/90, isso deu na eleição do Lula, que é tratado com açucar por boa parte da impressa brasileira e estrangeira. Mas prepare-se se o Lula for candidato vai enfrentar a pior campanha eleitoral da vida dele.
  • Raphael  13/05/2021 18:26
    Pobre de direita é mais comum do que se pensa e mais certo do que a esquerda diz.
  • Afrânio  13/05/2021 18:35
    Cara, as pessoas pobres são totalmente capitalistas, trabalham desde cedo, batalham, sonham, almejam uma vida melhor e são religiosas. Quem defende socialismo e mamata é aquele bando de burguesinho sustentado pelos pais ou por algum concurso público que não sabe o que é ter uma vida dura....
  • Celso  13/05/2021 19:35
  • Revoltado  13/05/2021 19:46
    Sim,

    Quem gosta de pobreza é intelectual (desde que não a sinta no couro, obviamente), o pobre real gosta de dinheiro, aparentemente já dizia Joãozinho Trinta.
  • Anônimo  16/05/2021 16:36
    Progressismo não é bom? Reacionário não é bom? Por que esses termos são tão usados como algo ruim? Até hoje muita gente está boiando sobre esses 2 termos. Alguém fera se candidata para desenhar?
  • Nelson Rodrigues  17/05/2021 19:29
    Sou reacionário. Minha reação é contra tudo que não presta.
  • Felipe  13/05/2021 18:40
    Progressismo (uma variação atual do esquerdismo) é uma das ideologias mais elitistas que existem. O povão brasileiro (principalmente as pessoas que moram em cidades interioranas) não liga para essas coisas. O esquerdismo original era mais ligado ao povo, com essas coisas como proletários, exploração em fábricas. Agora está uma maluquice, misturando coisas como a ideologia de gênero e outros delírios. O pobre brasileiro quer um emprego (ou poder abrir seu próprio negócio), fazer churrasco, ter carro para não depender do medonho transporte coletivo, ir à missa na igreja do seu bairro, colocar os filhos em boas escolas, uma moradia com segurança (porque não gostam de bandidos, ao contrário de muitos esquerdistas) e passear em Miami. Moeda forte e desregulamentação são as principais amigas dos mais pobres (basta ver a reeleição do FHC no primeiro turno, algo que Lula nunca teve). O Bolsonaro acaba sendo um reflexo disso.

    Agora, falando um pouco disso (porque ambientalismo virou moda entre a esquerda), parece que a Câmara vai discutir
    um projeto
    que deve flexibilizar os licenciamentos ambientais no Brasil. Se for o que entendi, deve ser uma espécie de desburocratização. Tomara que passe. Já vi alguns ambientalistas em histeria, então coisa ruim o projeto não deve ser. O que pensam a respeito?
  • Revoltado  13/05/2021 19:14
    Progressismo (uma variação atual do esquerdismo) é uma das ideologias mais elitistas que existem. O povão brasileiro (principalmente as pessoas que moram em cidades interioranas) não liga para essas coisas. O esquerdismo original era mais ligado ao povo, com essas coisas como proletários, exploração em fábricas. Agora está uma maluquice, misturando coisas como a ideologia de gênero e outros delírios. O pobre brasileiro quer um emprego (ou poder abrir seu próprio negócio), fazer churrasco, ter carro para não depender do medonho transporte coletivo, ir à missa na igreja do seu bairro, colocar os filhos em boas escolas, uma moradia com segurança (porque não gostam de bandidos, ao contrário de muitos esquerdistas) e passear em Miami. Moeda forte e desregulamentação são as principais amigas dos mais pobres (basta ver a reeleição do FHC no primeiro turno, algo que Lula nunca teve). O Bolsonaro acaba sendo um reflexo disso.

    ====Muito bem descrito de tua parte, Felipe! Tanto "in loco" quanto virtualmente observo que os maiores atacantes do atual governo e que se declaram a favor do socialismo pertencem às classes mais abastadas. De quando em vez menciono até gente, que vive em país de economia mais livre que o Brasil, ganhando em moeda robusta, mas que chora de nostalgia pela época em que o partido mais corrupto que este país já viu dava as cartas, com direito a sinalzinho de "L" com o polegar e o indicador em selfie celebrando a soltura do bandido-mor que lhe comanda, incluindo discursos que abordam toda a maluquice progressista que citaste, como utilizar a morte do ator Paulo Gustavo como palanque para regurgitar gayzismo e condenar a "masculinidade tóxica".


    Agora, falando um pouco disso (porque ambientalismo virou moda entre a esquerda), parece que a Câmara vai discutir
    um projeto que deve flexibilizar os licenciamentos ambientais no Brasil. Se for o que entendi, deve ser uma espécie de desburocratização. Tomara que passe. Já vi alguns ambientalistas em histeria, então coisa ruim o projeto não deve ser. O que pensam a respeito?

    ====Também não estou bem a par a respeito, mas concordo plenamente contigo. Se ecochatos começaram a berrar, é porque será benéfico à parte sadia da sociedade (risos).
  • Hugo  14/05/2021 04:51
    Não conheço os detalhes do projeto, mas já vi que ele tem todos os inimigos que qualquer coisa decente deve ter. Portanto, deve ser coisa boa.
  • Revoltado  13/05/2021 18:48
    A única "social-democracia" que funciona é quando somos menores e nossos pais nos sustentam. C'est fini!

    Só não o enxerga o burguesinho metido a proletário que se crê entendedor dos pobres.

    Às vezes peço a Deus que certos tipos assim que conheço bem não tenham de passar uma semana na pele de um simples assalariado, ciente que se suicidariam após três ou quatro dias.
  • Jeferson Vasquez  13/05/2021 23:25
    Dá ENXADEX pra eles!
  • Revoltado  14/05/2021 16:02
    Jefferson,

    Se tiveres uma caixa com 500mg, me envias uma? Esta seria especialmente para um conhecido meu que faz militância quase diária contra o presidente Bolsonaro (ou é pago para isto, ou sente tesão enrustido pelo presidente da República). Na cosmovisão do bonito, apenas o "Bozo" é o culpado da atual situação brasileira, jamais escreve um til sobre os governadores e prefeitos tiraninhos!
    Dosagem menor que esta não lhe seria eficaz!
  • Luiz Novi  13/05/2021 19:39
    Muito interessante o texto. Lembra um artigo que escrevi há um ano atrás que refutava a ideia de que pobre não deveria votar nos políticos de direita.
    Intitulei o artigo de "Pobres de Esquerda", uma vez que ir contra à queda de impostos e liberdade de empreender, para ser específico, é uma mentalidade pobre, que não reconhece a importância e o funcionamento da formação de capital em uma economia.

    Esse mesmo pobre de esquerda ao mesmo tempo em que defende ajuda e subsídios estatal, defende a criação de monopólios e lobby para proteger alguns poucos empresários(escolhidos pelos seus políticos de esquerda) da concorrência e consequentemente alimentando a ineficiência e a pobreza de uma nação.

    Segue abaixo o link do artigo.

    rothbardbrasil.com/pobres-de-esquerda/
  • weberth mustapha  13/05/2021 20:02
    Meu receio é essa adolescência atual. Eles cresceram em uma geração nascida e criada na era do PT.
    Uma pessoa que tenha 20 anos hoje, quando criança (que é a melhor fase da vida, para alguns) teve sua infância na era de ouro do PT.
    Ou seja, no primeiro mandato do Luladrão. Quando a coisa ia bem. Depois disso tivemos outro mandato onde a economia ainda era boa, mas já caindo. Ai teve a Dilma , o gorpi, depois o Temer, agora o Bonoro.

    Para esses adolescentes, é muito complexo desassociar a figura de prosperidade do Lula, fora que sua maior parte da vida, na escola, foi de professores totalmente esquerdistas. Fora o trauma que foi tirar a Dilmanta do poder.

    Para quem passou a infância na primeira era do Lula, essa pessoa nunca mais viu o brasil se estabilizar nem crescer economicamente. Eu converso com vários jovens, e me espanto ao ver quantos são abertamente pró Lula.
    Alguns até sabem da corrupção, mas ignoram completamente. Foi uma lavagem cerebral muito bem feita.
  • Revoltado  14/05/2021 16:14
    Para esses adolescentes, é muito complexo desassociar a figura de prosperidade do Lula, fora que sua maior parte da vida, na escola, foi de professores totalmente esquerdistas. Fora o trauma que foi tirar a Dilmanta do poder.

    Para quem passou a infância na primeira era do Lula, essa pessoa nunca mais viu o brasil se estabilizar nem crescer economicamente. Eu converso com vários jovens, e me espanto ao ver quantos são abertamente pró Lula.
    Alguns até sabem da corrupção, mas ignoram completamente. Foi uma lavagem cerebral muito bem feita.

    ====Grande parte é fruto da doutrinação escolar (conheço uma marmita juvenil de zé-droguinha que tem opiniões semelhantes e ainda ataca o "cidadão de bem conservador", cujo comportamento degenerado puxou da mãe, que por eu também conhecer, posso dizer que possui dedo podre para selecionar macho); mas muitas vezes a realidade lhes alcança. O maior inimigo da Esquerda é a realidade, às vezes é mais hostil que a Direita. Quando tiverem de conquistar por si mesmos o que desejam, ganhar um salário-mínimo e tiverem quatro, cinco contas na casa dos R$ 100 para pagar, fora o que pagam de imposto no que compram de alimentos, as idéias socialistas começam a enfraquecer em suas mentes pueris. Recomendo esta mesma pedagogia inclusive aos mais abastadinhos de condomínio.
  • Moraes  13/05/2021 20:13
    Hebert Marcuse - membro do Partido Social-Democrata Alemão e integrante da Escola de Frankfurt - no livro "O Homem Unidimensional" (1964) afirma que os avanços tecnológicos tornaram a vida do proletariado confortável a tal ponto que esse grupo deixou de ser instrumento revolucionário. Partindo disso, Marcuse planta a semente do mal e constrói a ideia de que o novo instrumento revolucionário são os traficantes, assassinos, estupradores, assaltantes, ladrões, sequestradores e todo e qualquer marginal.

    Em 1979 presos políticos, conhecedores do marxismo e do leninismo, levam táticas revolucionárias à bandidagem encarcerada, encubando-lhes a estratégia militar (aprendida em Cuba) que lhes faltava para dominar o país. Forma-se o lindo e maravilhoso Comando Vermelho.

    Em 31 de agosto de 1993, na onda das idéias de Marcuse, com o discurso de "combate a opressão por parte do sistema carcerário" surge o lindo e maravilhoso PCC.

    No inicio do ano de 2017, com a pacificação das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) - outra organização de cunho marxista/socialista - o PCC e o Comando Vermelho iniciaram uma disputa por aquilo que tem sido chamado de espólio das FARC. Atualmente o PCC domina boa parte da América Latina, já tem emissários na Europa e associação com Hezbollah.

    Em 2016, 13,64% dos homicídios no mundo são no Brasil. Foram 59.617 assassinatos. 55 mil assassinatos em média ficam sem solução. Ficamos na frente da Síria no número de mortos por ano. A quantidade de assaltos é o dobro da média mundial. A cada 100 crimes cometidos, menos de 8 são solucionados.
  • Revoltado  13/05/2021 20:28
    Em 2016, 13,64% dos homicídios no mundo são no Brasil. Foram 59.617 assassinatos. 55 mil assassinatos em média ficam sem solução. Ficamos na frente da Síria no número de mortos por ano. A quantidade de assaltos é o dobro da média mundial. A cada 100 crimes cometidos, menos de 8 são solucionados.

    ====Belos números, tristemente adquiridos sob o aplauso ou, na melhor das hipóteses, sob a condescendência dos elitistas canhotos, que em geral se refestelam em residências altamente protegidas, algumas inclusive com seguranças particulares armados, inclusive enquanto bradam em prol do desarmamento dos pobres que ama de maneira bem cristã. Os mais cínicos, chamam isso de "socialização" e gente ainda mais beócia vê lógica no ato de surrupiar o que é alheio.
  • Gustavo  13/05/2021 23:10
    Olavo de Carvalho já diz há tempos que governos de esquerda já desistiram de contar com os mais pobres (também conservadores) para garantir sua soberania. Hoje, os governos de esquerda buscam sua sustentação junto àqueles que vivem à margem da sociedade. Ex: assassinos, traficantes, usuários de drogas, prostitutas, pedófilos, e defensores de bizarrices, como ideologia de gênero.

    Assim fica evidente o motivo de toda a defesa dos DIREITOS HUMANOS e de certas REGALIAS para os "excluídos" da sociedade - conhecidos como 'vítimas' ou 'suspeitos'.

    Vide o tratamento da imprensa aos traficantes de Jacarezinho.
  • Revoltado  14/05/2021 16:16
    Os parasitas da mídia mainstream demonstraram mais compaixão cristã por estes delinqüentes que pelas crianças e professoras vítimas na cidade de Saudade, aqui no Sul!
    Curioso que, quando abatidos pela polícia, tornam-se subitamente "estudantes", "trabalhadores", "filhos exemplares", "pequenos Cristos", "boddisatvas" et caterva!
  • WMZ  13/05/2021 20:52
    E o pobre de esquerda? O estadista sem poder político?

    Eh aquele cara que almeja que o governo tenha poderes absolutos e quem sempre fala de soluções coletivistas como se fosse um governante mas que...não tem nenhum poder político e serah apenas mais um governado.
  • Diogo  13/05/2021 23:08
    Por incrível que pareça, este é um espécime razoavelmente rara. Sim, você encontra milhões de pobres que votam em políticos que prometem algumas benesses (cestas básicas e um estipendio mensal), mas é raro encontrar um pobre com estes sonhos grandiosos que você descreveu.

    Querer poder absoluto e controlar os outros através de políticos é sonho de burguês de classe média alta, e não de pobre.
  • Carlos  13/05/2021 21:31
    Os pobres já entenderam, quero saber é quando as mulheres entenderão o mesmo sobre o feminismo.
  • Johannes  13/05/2021 22:59
    Artigo até que é legal, mas na real a maioria dos pobres que votam em extremistas de direita o fazem por causa de desinformação e do echo chambering nas redes sociais. Qual é a solução de vocês pra isso?
  • Kepler  13/05/2021 23:04
    Aí tem de ver, pois desconheço casos práticos de pobres votando em extremistas de direita. Por favor, defina o que seriam "extremistas de direita", comprove que estes existam, e então cite aqui casos práticos e comprovados de pobres que votaram nestes extremistas.
  • Johannes  13/05/2021 23:38
    "Aí tem de ver, pois desconheço casos práticos de pobres votando em extremistas de direita"

    Ué, então como o Bolsonaro está na presidência agora?

    "Por favor, defina o que seriam "extremistas de direita""

    Defesa doentia de privatizações, racismo, xenofobia, defesa velada de alguma forma de escravidão, discurso militarista e antidemocrático, etc. Quem tem estas características é um extremista de direita.

    "comprove que estes existam"

    Não entendi, você quer que eu te prove que pessoas como o Bolsonaro existem?

    "e então cite aqui casos práticos e comprovados de pobres que votaram nestes extremistas."

    Resultados das eleições de 2018

    No mais, alguma resposta pra minha dúvida?
  • Kepler  14/05/2021 02:01
    Já que você mordeu gostosamente a isca (como eu sabia que faria), deixa eu aproveitar para puxar o anzol e me divertir um pouco com você.

    1) Não sabia que defender privatizações era coisa de "extrema-direita". Por essa lógica, acabei de descobrir que FHC, Bill Clinton, François Mitterrand e o Partido Trabalhista da Nova Zelândia são extrema-direita. Aliás, acabo também de descobrir que a família Le Pen (defensores radicais de estatais) são, pela lógica, extrema-esquerda, assim como os militares brasileiros, os maiores criadores de estatais que esse país já viu. Descobre-se uma coisa nova a cada dia.

    2) Gentileza fornecer links comprovando que coisas como racismo, xenofobia e escravidão estavam na plataforma de governo do Bolsonaro. E quero também frases dele defendendo abertamente tais coisas. Uma pessoa só pode ser rotulada de algo quando ela defende abertamente aquilo (ou, no mínimo, e quando isso está claramente em sua plataforma de governo). Gentileza fornecer links.

    Qualquer outra coisa é mero discurso de ativista de Diretório Acadêmico.

    3) Qual a diferença econômica efetiva entre Lula e Bolsonaro? O gozado é que se você for ao pé da letra verá que o Banco Central do Lula foi bem mais pró-rentista e pró-bancos que o atual. Seria então correto dizer que Lula estava economicamente à direita de Bolsonaro? Mas, ora, se Bolsonaro é a extrema-direita, o que então seria Lula?

    Sigo ansioso por seus ensinamentos. Estou aprendendo bastante.
  • Revoltado  14/05/2021 16:20
    Não sabia que defender privatizações era coisa de "extrema-direita". Por essa lógica, acabei de descobrir que FHC, Bill Clinton, François Mitterrand e o Partido Trabalhista da Nova Zelândia são extrema-direita. Aliás, acabo também de descobrir que a família Le Pen (defensores radicais de estatais) são, pela lógica, extrema-esquerda, assim como os militares brasileiros, os maiores criadores de estatais que esse país já viu. Descobre-se uma coisa nova a cada dia.

    ====Tratando-se do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, eis a principal razão pela qual a canhotada o lança ao espectro político direitista, ignorando (inconscientemente ou não) a sigla de seu partido PSDB. O Brasil é um dos poquíssimos países no mundo em que social-democracia é política de quase extrema-direita, além da balela falaciosa sobre o "neoliberalismo".
  • Flávio  14/05/2021 02:10
    Falou "Bozo", "genocida", "fascista", "racista", "machista", "taxista", "xenófobo" e "extrema-direita", pode ter a certeza de que está lidando com alguém de idade mental e capacidade intelectual em forte defasagem.
  • Revoltado  14/05/2021 16:24
    Falou "Bozo", "genocida", "fascista", "racista", "machista", "taxista", "xenófobo" e "extrema-direita", pode ter a certeza de que está lidando com alguém de idade mental e capacidade intelectual em forte defasagem.

    ====Fato comprovadíssimo, Flávio!
    Já fui insultado via rede social por razões do tipo por gente que utiliza/utilizava ao menos duas destas terminologias boçais.
    O nosso amigo Sadib, certa vez, até sugeriu que eu deveria agir com mais estoicismo em relação a esses palhaços e desvencilhar-me ao máximo das mesmas redes, já que são situações fora de nossa esfera de controle.
    Confesso que sou um tanto teimoso, mas quiçá um dia conseguirei seguir seu conselho? Oxalá mais gente conhecida adira a redes alternativas, como o Parler, por exemplo...
  • Bluepil  14/05/2021 15:26
    Esse Johannes mordeu tão facilmente á isca do Ulisses que eu até me pergunto se ele por acaso é algum troll - E esse site infelizmente é lotado de libertários trolls -, já que o sujeito simplesmente repetiu exatamente á mesma coisa que á mainstream em geral diz, um belo exemplo de um ser alienado.

    Eu até estou surpreso que ele não tenha xingado todos nós de "neoliberais", "reacionários", "entreguistas" e por aí vai, porque ia ser mais hilário ainda.
  • Burgo  14/05/2021 08:17
    a maioria dos pobres que votam em extremistas de direita o fazem por causa de desinformação e do echo chambering nas redes sociais.

    Estaria você querendo dizer que os pobres que votaram nesses "extremistas" não são capazes de pensar por si próprios e só votaram na pessoa "errada" por que foram ludibriados com "desinformação"? É isso mesmo?

    Não lhe passa pela cabeça que talvez tenham votado em "extremistas de direita" apenas e tão somente porque concordam com as pautas defendidas por esses candidatos?
  • Yuri  13/05/2021 23:16
    Tem um cara que ficou famoso nas redes sociais, o "Favelado Investidor". O cara realmente morava na favela, pegou o dinheiro que ganhava trabalhando, investiu, enriqueceu e então fez vídeos sobre os investimentos que ele faz. A esquerda o odeia (é o que eu mesmo vejo no Twitter). Ele é considerado um alienado e traidor da classe.

    invest.exame.com/mf/como-o-favelado-investidor-alcancou-o-primeiro-r-1-milhao
  • Ulisses  14/05/2021 01:08
    Mas pq será que não tem mais?
    Se ele conseguiu, talvez ele seja um ponto fora da curva.

    Alias, o fato de ele ser noticia assim é justamente por conta da escassez de casos como o dele. Quase como um cometa.
    Diferente de outros países europeus em que vc tem uma mobilidade social muito maior do que aqui no Brasil ou nos EUA.

    E é óbvio: é muito mais fácil você ascender socialmente em países que lhes garante educação e saude de qualidade de maneira acessível.

    Aqui no Brasil, o salário anual de 70% dos trabalhadores não paga a anuidade de uma escola de qualidade no Ensino Fundamental. Portanto, meu caro, se continuarmos do jeito que estamos, infelizmente casos como esse do favelado investidor seguirá como exceção da exceção.

    Mas tem gente que quer justamente isso. Sobretudo aquele pessoal que detestava ver pobre em shopping, detestava o rolezinho, detestava que tava difícil encontrar empregado doméstico oferecendo salário minimo.
    Agora, que estamos sem pobre no shopping, sem pobre no aeroporto, e que tem entregador de ifood trabalhando mesmo que com muleta, tem gente mais satisfeita, gente que se veste de verde e amarelo e se diz apolítco, o isentão, enfim!
  • Kepler  14/05/2021 02:09
    Ele trabalhou, poupou e investiu. Destas três coisas, investir é que a está realmente ao alcance de todos. Hoje, sem sair de casa, e de posse apenas de um smartphone e de internet, você abre conta gratuitamente em uma corretora (ou então em um banco digital que tem corretora, como o banco Inter) e investe com taxa zero.

    Absolutamente qualquer um pode fazer isso. Basta ter informação.

    Sendo assim, a parte mais difícil é poder trabalhar.

    Ora, e o que é que impede o pobre de trabalhar? Acertou! Regulações estatais.

    A resposta começa por aqui:

    Quer reduzir a pobreza de maneira definitiva? De início, eis as 12 políticas que têm de ser abolidas

    A parte final da sua diatribe é tão adolescente, que não chega a ter sequer a inocente dignidade do ridículo. Para não ferir a decência, exir-me-ei de comentar.
  • Fritz inteligente e educado  14/05/2021 15:32
    "Se ele conseguiu, talvez ele seja um ponto fora da curva"

    Sim, ele é um ponto fora da curva, ninguém negou isso, mas e aí? Ninguém em momento algum disse ou deu à entender que qualquer um conseguiria o que ele conseguiu.

    "Diferente de outros países europeus em que vc tem uma mobilidade social muito maior do que aqui no Brasil ou nos EUA"

    Em ambos há muito mais liberdade econômica que aqui, tanto EUA quanto Europa são muito mais pró negócios e pró investimentos que o Brasil.

    "E é óbvio: é muito mais fácil você ascender socialmente em países que lhes garante educação e saude de qualidade de maneira acessível"

    Aqui o cara que quiser faz do maternal ao pós doutorado de graça, saúde é 100% estatal e gratuita, ao contrário dos EUA e vários países europeus. Se esses são os segredos da prosperidade então porque o Brasil é tão pobre? Aliás, o SUS não era invejado por metade do planeta Terra, o que aconteceu?

    "Aqui no Brasil, o salário anual de 70% dos trabalhadores não paga a anuidade de uma escola de qualidade no Ensino Fundamental"

    Aí primeiro você tem que buscar entender porque escolas privadas aqui são tão caras, sem essa resposta o debate fica embargado. Se você tiver culhões para ler algo que discorda das convicções esquerdistas/progressistas quanto à educação, lhe desafio a ler o livro "The beautiful tree", do James Tooley.

    "Mas tem gente que quer justamente isso. Sobretudo aquele pessoal que detestava ver pobre em shopping, detestava o rolezinho, detestava que tava difícil encontrar empregado doméstico oferecendo salário mínimo."

    Cite pessoas assim e me prove com FATOS que tais pessoas de fato odeiam essas coisas que você falou. De novo, eu quero FATOS! Nada de bullshit ideológico e ódio gratuito.

    "Agora, que estamos sem pobre no shopping, sem pobre no aeroporto, e que tem entregador de ifood trabalhando mesmo que com muleta, tem gente mais satisfeita, gente que se veste de verde e amarelo e se diz apolítco, o isentão, enfim!"

    Estamos sem pobres nos shoppings e aeroportos e todos sendo empurrados pro iFood por três motivos bastante simples: Os lockdows que depredaram a economia e eliminaram milhões de empregos, a completa ruína da moeda brasileira e o histórico de corrupção, excesso de burocracia e alta carga tributária. Todas estas estas são políticas 100% estatais e amplamente apoiadas pela esquerda. Visto que você é de esquerda (A quantidade de boçalidade e coitadismo nos seus dois últimos parágrafos não deixam dúvidas quanto à isso), você no mínimo deve ser homem e admitir que as ideias que você apoia arruinaram a vida daqueles que você no alto da sua "virtuosidade" jura defender. Mas aí fica a dúvida, vai ser homem e admitir ou vai se esconder atrás da tal "extrema direita"?

    Fico no aguardo! :)
  • Lucas  14/05/2021 05:22
    Lembro-me que, quando não entendia muito bem os espectros políticos, fui levado a crer que "as esquerda defende os pobres e a direita defende os ricos". Eu me considerava mais próximo de ser "pobre" do que propriamente "rico". E bastou pensar só um pouquinho para eu jamais apoiar uma esquerda a favor "dos pobres" e contra "os ricos".

    Ora, se eu sou pobre e a esquerda diz querer me ajudar, o melhor que ela poderia fazer por mim seria me tirar da pobreza! Mas a esquerda odeia os ricos! Se eu enriquecer, a mesma esquerda que supostamente teria me ajudado a sair da pobreza se voltaria contra mim e eu me tornaria seu algoz! Logo, não faz sentido pobres apoiarem a esquerda, pois, a única maneira de continuar recebendo alguma atenção dessa esquerda seria se mantendo na pobreza! E assim eu me tornara mais um "pobre de direita", com muito orgulho na época!

    Depois que eu conheci o libertarianismo, deixei de lado esse negócio de esquerda ou direita. Ambos os lados do espectro político são faces da mesma moeda. Apesar de defenderem ideias totalmente antagônicas, o fato é que ambos querem usar a força do estado para impor suas ideias sobre o restante da população! Isso é indefensável na visão libertária, avessa à coerção estatal!
  • Bluepil  14/05/2021 15:56
    Á única fase na qual eu me considerei esquerdista foi quando eu tinha 11 anos, na época eu era classe média e sempre acabava facilmente tendo dó das pessoas, eu pensava que, com o socialismo e a distribuição de riquezas, todos ficariam e seriam felizes.

    Só foi eu descobrir sobre o caso dá união soviética nos meus 12 que automaticamente me tornei de direita, mesmo eu não tendo sequer uma boa nação dás coisas na época, e me impressiona á quantidade de adolescentes, jovens e adultos por ai falando que o socialismo funciona, e que os casos dá Venezuela, Cuba, USRR, e todos os outros experimentos socialistas não funcionaram porque "não era o socialismo de verdade".

    Me identifiquei demais com aquela frase que diz algo parecido com "Quando você é socialista em sua infância, quer dizer que você tem um bom coração, quando você continua sendo socialista em sua fase jovem ou adulta, significa que você é um burro que não sabe raciocinar por si próprio".

    Mas é bem provável que não seja só questão de ser burro/doutrinado ou não, mas sim se á pessoa é mal-caráter ou não, socialistas/progressistas não ligam e nunca ligaram para os pobres, o que eles querem na verdade é ver os outros na merda, enquanto os mesmos controlam á faca do bolo e parasitam o resto da população. Os influenciadores, por outra parte, sabem muito bem á merda que estão fazendo, mas porque parariam? Eles estão ganhando rios de dinheiro para fazerem propagandas ideológicas esquerdistas.

    Eu não tomei á blackpill, mas me dá uma dor no estômago ver crianças falando coisas como "O mundo está lotado de pessoas" ou "Às mudanças climáticas estão vindo", essas crianças muito provavelmente estão sendo doutrinadas tanto nas escolas quanto pelos influenciadores digitais, e com isso às próximas gerações não aparentam ser uma geração com uma nação das coisas mais evoluída do que á nossa, o grande número de pais irresponsáveis, que só cresce com o tempo, também não ajuda.

    Mesmo que não sejamos capazes de vencer essa guerra, não significa que iremos perder às batalhas argumentativas que travamos em nosso dia á dia, seja com os parentes, ou com desconhecidos na internet. Temos de batalhar o máximo possível, e elaborar táticas para trazer o esclarecimento libertário para novas pessoas.
  • Paulo  14/05/2021 16:01
    Gosto deste site. Tem boas matérias e comentários, porém causa estranheza não haver conteúdo que mostre o desastre do governo Bolsonaro. Um homem que sempre foi um parasita estatal e se traveste de "político conservador de direita". Que sabotou vacinas, provoca aglomerações e não tem comprometimento com a economia. Pra dizer o mínimo.
  • Jalaska  14/05/2021 17:05
    1) Todo político é parasita. Por definição. Lotado de artigos neste site sobre isso (algo que até gera reclamação de alguns).

    2) Você tem provas factuais de que as vacinas foram sabotadas? Não quero links de militantes, mas sim de fontes sérios. O próprio representante da Pfizer, em depoimento no Congresso, afirmou que não. Talvez você saiba mais do que ele. Exponha aqui, com fontes e links sérios, tudo o que você sabe.

    3) Provocar aglomeração? Pessoas se aglomeram porque querem. A menos que você tenha provas de que elas foram obrigadas a aglomerar, você está apenas se mostrando um marmanjo delicadíssimo. "Ain, aglomerô, bozo genocida!". Você também usa sapatênis e happy socks?

    4) Mas o melhor foi a sua suprema contradição de dizer que ele "nao liga para a economia". Gozado: a esquerda e a mídia o criticam e o chamam de genocida e negacionista exatamente por ele ser contra lockdowns porque estes ferram a economia. Ou seja, a esquerda e a mídia o criticam exatamente por ele supostamente "colocar a economia acima da saúde". E aí você vem e diz que ele não liga para a economia?

    Seria pedir muito que os haters fossem minimamente coerentes?

    O anti-bolsonarismo é tão patético, ignóbil e irracional que faz até anarcocapitalistas (que prezam pela razão) se verem obrigados a defender um político.
  • Felipe  14/05/2021 19:43
    E é mesmo. O anti-bolsonarismo parece com pseudo-liberais nos EUA falando que o Trump era fascista. Aqui também já estragaram o termo "liberal".

    Não posso apontar uma coisa coerente no Bolsonaro que já sou chamado de bolsonarista e, portanto, associado com negacionista, terraplanista e afins. É isso que a democracia causa.
  • Miscelânea  14/05/2021 17:08
    A Pfizer fez exigências bizarras ao governo federal (que, se aceitasse, seria tolo e corretamente criticado como "arregão").

    www.poder360.com.br/coronavirus/pfizer-diz-que-nao-vendera-vacina-ao-brasil-se-governo-nao-aceitar-condicoes/

    Apenas após um Projeto de Lei é que isso foi resolvido.

    www.poder360.com.br/congresso/pacheco-diz-que-solucao-legislativa-pode-destravar-vacinas-de-pfizer-e-jensen/

    Algumas das demandas estapafúrdias que a Pfizer fez ao Brasil para vender a tal vacina:

    O Brasil renuncia à soberania de seus ativos no exterior em favor da Pfizer; que as leis brasileiras não sejam aplicadas à Pfizer; que o Brasil leve em consideração atraso na entrega; que a Pfizer não seja penalizada por um atraso na entrega; e que, em caso de quaisquer efeitos colaterais, a Pfizer esteja isenta de qualquer responsabilidade civil.

    É certo que se o Bolsonaro tivesse "aberto as pernas" para a Pfizer e cedido logo na primeira oferta, ele teria sido acusado de entreguista, lacaio do Trump, vassalo dos EUA, pelos mesmos que hoje estão cobrando a falta da vacina.

    Sem falar que também estaria cometendo crime de responsabilidade.

    Adendo: os europeus que aceitaram essas exigências absurdas (Alemanha, França, Itália, Espanha, Holanda) querem processar as companhias farmacêuticas (Pfizer, Astra/Zeneca) porque "foram obrigados" a assinar tais contratos.
  • Fritz inteligente e educado  14/05/2021 17:23
    "causa estranheza não haver conteúdo que mostre o desastre do governo Bolsonaro"

    Ué, e precisa? A mídia já dá pontapés, soca, dá rasteira, e taca fogo nele 24h por dia, fazer isso aqui também seria chutar cachorro morto, você não acha?
  • Revoltado  14/05/2021 19:31
    "causa estranheza não haver conteúdo que mostre o desastre do governo Bolsonaro"

    ====Desculpe, amigo, mas em quê mundo vives?

    Se pararmos para ler/ouvir cada ataque, de qualquer natureza e pelas razões mais cretinas possíveis, que o atual governo sofre diariamente, começando a partir de agora, 14 de maio, às 16:28, não faríamos mais nada pelo final de semana! Tanto mídia mainstream como redes sociais nem tóxicas com o presidente Bolsonaro são! São em realidade "radioativas"! Verdadeiras ogivas nucleares contra a pessoa e o governo dele. É o Anticristo que implantará o chip 666 na humanidade e que tentará crucificar a reencarnação de Cristo sobre a Terra, o Lulinha paz-e-amor, para assim abrir os portões do inferno e tudo o que conhecemos deixará de existir. Seremos assim regidos por Satã eternamente e nossas almas perecerão!
    Se a grande mídia e as redes sociais Bit-Techs tentassem conceber uma metafísica relacionando o que preside este país desde 2019, seria algo similar ao que escrevi.
  • Realista  14/05/2021 18:14
    E qual seria a solução libertária? Permitir que todas as farmacêuticas vendessem suas vacinas diretamente ao público, pelo preço que quisessem, fazendo com que cada um assinasse um termo de responsabilidade individual?
  • Jalaska  14/05/2021 18:58
    Isso é outro debate, que exige muito mais aprofundamento e que obviamente não cabe aqui nesta seção de comentários. O que está comprovado é que as exigências da Pfizer eram descabidas e que, portanto, a única coisa certa e sensata a se fazer era pedir um novo contrato (que é exatamente o que foi feito).

    Portanto, sugere-se mudar a narrativa de "genocídio". Ela demonstra desprezo pelo conhecimento.
  • anônimo  14/05/2021 20:44
    não haveria nenhum problema moral a farmaceutica vender diretamente sua vacina o preço que quisesse. isso é livre mercado: livre negociação entre partes.
    deixa os ricos pagarem mil vezes mais mais caro nas vacinas. as farmaceuticas iriam se entupir de dinheiro e acelerar a produção de vacinas.o excesso de oferta iria tornar as vacinas incomensuravelmente mais baratas aos pobres mais a frente. é a melhor forma de espoliar os ricos. e baratear os bens e serviços aos pobres.
  • anônimo  14/05/2021 21:15
    resumindo, querem chamar de tolo quem se recusa a roubar dos outros assim como eles fazem, como se roubar como eles fazem fosse a unica opção.
    so pra quem não está disposto a seguir o caminho "tortuoso" de criar algo , desenvolver algo, plantar algo, produzir algo, oferecer algo, comercializar algo , contruir algo ,etc e tal fica dependente de subtrair , roubar , copiar , destruir , furtar algo que outro fez
    tolo somente é o que entrega seus frutos ao que nada fez sem lutar. pode chamar de flata de generosidade a vontade. se é o ladrao quem critica, a moral passa longe
  • Vacina?  14/05/2021 22:51
    Governo ignorou a Pfizer! Então todo mundo esta errado de ter assinado na época e o Brasil não?
  • Jalaska  15/05/2021 00:55
    Segundo o depoimento do diretor da Pfizer, o Brasil foi o segundo país a assinar com a empresa.

    De resto, você sabe quais foram as condições impostas pela Pfizer aos outros governos? Posta aqui pra gente analisar.
  • Emerson Luis  14/05/2021 18:09

    Esquerdistas gostam de ridicularizar "pobres de direita" dizendo que são "capitalistas sem capital", "oprimidos que defendem seus próprios opressores", etc.

    Primeiro erro: para eles, todo mundo que não é "rico" (multimilionário ou mesmo bilionário) é "pobre";

    Segundo erro: não sabem o que realmente é "capital" (e não querem saber), pensam que somente "ricos" são ou podem ser "capitalistas" e que "capital" seriam apenas máquinas caríssimas, grandes propriedades e assim por diante;

    Terceiro erro: não entendem (e não querem entender) que o que impede os "pobres" de terem ou usarem capital (o que não requer ser "rico") é o próprio Estado;

    Quarto erro: pregam a "igualdade" e dizem se importar com os "pobres", mas na verdade se consideram superiores aos "pobres" e donos deles: "O que? Eu [Ser Superior] estou tentando lhe salvar do capitalismo malvadão e lhe levar ao paraíso socialista, mas você [Ser Inferior, ingrato e irracional], me trai tomando o lado dos "capitalistas"? Como ousa?"

    * * *
  • Nilmar Cavalari Coelho  14/05/2021 18:36
    POBRE DE DIREITA É IGUAL CACHORRO DE RICO: vive latindo para defender a mansão , MAS DORME DO LADO DE FORA
  • Bernardo  14/05/2021 18:58
    Tradução para o que você falou:

    "Pobres são imbecis e não sabem o que é melhor para eles. Só eu sei. E o que é melhor para eles é incorporarem a minha moralidade e vivarem ladrões. Pronto, resolvido".

    É impressionante o desdém da esquerda pelos pobres. Se eles não lhe obedecem, tornam-se os seres mais desprezíveis do planeta (e os bandidos, os mais amados).
  • Revoltado  14/05/2021 19:24
    É impressionante o desdém da esquerda pelos pobres. Se eles não lhe obedecem, tornam-se os seres mais desprezíveis do planeta (e os bandidos, os mais amados).

    ===Na verdade, não são apenas os pobres que a Esquerda julga-se detentora mental e espiritual. Fazem o mesmo com as demais minorias. Se um negro, uma mulher, uma pessoa trans, ou homossexual/bissexual declarar-se a favor de pautas mais à direita ou mesmo libertárias, receberá o mesmo desprezo (ou até mais) que meramente ter recursos escassos à disposição. Vide expressões como "capitão-do-mato", "fulana [não feminista] merece ser estuprada pra aprender...", "homofobia/transfobia internalizada" e etc.
  • Eduardo  14/05/2021 20:18
    Exato. Experimente ser um negro ou uma mulher de direita para você ver o que é realmente o "amor" da esquerda. Comparado a isso, um pobre de direita é até bem tratado.
  • Revoltado  14/05/2021 20:30
    Eduardo,

    Eu diria que a melhor forma de fazer um esquerdista PSOL século XXI tornar-se "esquerda raíz PCdoB da década de 1970" é alguém do grupo de minoria identitária rejeitar alguma canhotice. (risos)
  • Vladimir  14/05/2021 18:59
    Por favor, siga repetindo isso até as eleições de 2022. Mas fale isso diretamente para os pobres. Terá um efeito-rebote sensacional. Vamos lá, coragem.
  • Gustavo  14/05/2021 23:39
    Caramba...Eu não esperava ver tanto "bolsopetista" aqui...Lamentável...Aonde estão os libertários? Bom...Se ainda existem libertários aqui, eu gostaria de fazer duas perguntas pra eles:
    1) Como alcançar o ideal libertário (o "ancapistão")?
    2) Por que a via política não pode ser uma resposta a pergunta número 1?
  • Elias  15/05/2021 00:53
    Ué, pela sua postura arrogante, irônica e desdenhosa, eu jurava que você era o papa do anarcocapitalismo, o dono de todas as respostas sobre a doutrina (sim, pois apenas um ser dotado de todas as respostas pode ter tal postura de ironizar os "impuros" e "não-seguidores").

    E, no entanto, você não sabe nem sequer o básico do básico?
  • Gustavo  15/05/2021 01:59
    "E, no entanto, você não sabe nem sequer o básico do básico?"

    É mesmo é...e como você descobriu? (<= sarcasmo, kkkkk...!)

    Não...eu não sou um ignorante no assunto. Se você não é capaz de responder as minhas perguntas, então por favor...Não atrapalhe...
  • Revoltado  18/05/2021 19:20
    Caramba...Eu não esperava ver tanto "lulopetista" aqui...Lamentável...Aonde estão os libertários?
  • Marco Salvati  15/05/2021 18:23
    Para os ideólogos da esquerda o pobre, melhor dizendo uma certa massa crítica de pobres, em economia de escala, é a matéria prima para suas fabricações. Quem esperaria deles a eradição da pobreza !? Por isso o Brasil é o Eldorado da esquerda socialista, uma 'congregação de pobres" como dizia L.dos santos Vilhena. Claro que não queiram abrir mão de sua fonte de insumo para construção e continuação de seus próprios privilégios de oligarquia de burocratas. Mas não contaram com o fato de que essa 'congregação de pobres' tem uma riqueza que pais nenhum no mundo tem. Uma genética liberal de direita e conservadora. Uma pecualiaridade que fará fracassar todo desenho bolivariano e populista no Brasil, inclusive o dos bolsonaristas que afinal são uma forma evoluida e mascarada do velho socialismo populista, um pouco no estilo Mussolini, mas com infinitamente menos genialidade.
  • Johannes  16/05/2021 22:07
    Depois de a pandemia ter deixado mais do que claro que o livre mercado não tem a mais mínima condição de lidar com problemas sérios do mundo real, vocês pensam em incorporar elementos de outras filosofias mais sólidas ou até mesmo de abandonar a ideologia liberal?
  • Kepler  17/05/2021 12:52
    Lógica sensacionalmente genial. Políticos e burocratas simplesmente proibiram as pessoas de trabalhar e empreender, e ainda jogaram na cadeia aqueles que desobedecessem. Os mercados — ou seja, a livre interação entre indivíduos, consumidores, produtores e investidores — foram proibidos de funcionar por decreto dos governos, decretos estes impingidos pelo cassetete policial.

    Aí o cara vem e diz que isso prova que os mercados fracassaram.

    Com gente assim habitando a terra, é de se estranhar que Lula volte?
  • Johannes  17/05/2021 14:51
    Vamos lá, vamos construir o raciocínio:

    Premissa/Fato 1: Há no momento uma pandemia acontecendo, que está matando muita gente;

    Premissa/Fato 2: Para frear a pandemia e salvar vidas, são necessárias ações que são prejudiciais financeiramente no curto prazo;

    Premissa/Fato 3: O setor privado não adota voluntariamente medidas que lhe são sabidamente prejudiciais financeiramente;

    Conclusão 1: Visto que ao setor privado não interessa implementar tais medidas, e que as mesmas porém são necessárias, é necessário que uma força externa obrigue o setor privado a adotar tais medidas.

    Premissa/Fato 4: Visto que em um livre mercado o setor privado não deve obediência à ninguém, tal força externa não existiria;

    Conclusão 2: O livre mercado não tem nenhuma capacidade real de lidar com eventos como uma pandemia.

    Premissa/Fato 5: Em um mercado regulado tal força externa existe, na forma do estado;

    Conclusão 3: Em um mercado genuinamente regulado (Diferente do que ocorre hoje no Brasil) as medidas de combate à pandemia seriam implementadas, preservando vidas e gerando benefício econômico de médio e longo prazo.

    Conclusão final: Visto que no livre mercado as medidas não seriam implementadas, muita gente morreria e isso traria grandes danos econômicos de médio e longo prazo, podemos afirmar que o livre mercado é capaz de calcular somente no curto prazo, não sendo capaz de se regular automaticamente além disso. Já em um mercado regulado, o cálculo passa a ser de médio e longo prazo, o que é a solução ótima para um problema como a pandemia.

    Visto que as premissas 1, 2 e 3 são verdadeiras, a conclusão 1 que é diretamente derivada destas também é verdadeira. A premissa 4 é verdadeira o que torna a conclusão 2 também verdadeira, assim como para a premissa 5 e a conclusão 3. Por último, conforme provado acima as conclusões 1, 2 e 3 são verdadeiras, o que valida a conclusão final.

    É isso, expliquei da forma mais simples que eu consegui.
  • Fabrício  17/05/2021 18:07
    Suas premissas 2 e 3 estão empiricamente erradas, e você deveria se informar melhor. Vide os países nórdicos.

    Os dados mostram que as políticas da Dinamarca, da Finlândia e da Noruega foram ainda menos restritivas que as da Suécia.

    Sim, desde junho de 2020, Finlândia e Noruega, passaram a adotar políticas menos restritivas que as da Suécia.

    O site "Our World in Data" mostra o índice de rigor ("stringency index") adotado pelos governos. Quanto maior o número, maior o rigor. Finlândia, Dinamarca e Noruega têm números mais baixos que os da Suécia, o que significa que seus governos foram ainda menos rigorosos.

    Não discuta comigo. Discuta com a fonte.

    ourworldindata.org/grapher/covid-stringency-index?time=2021-05-12

    Nenhum país impôs o uso de máscaras, e os finlandeses dizem que para eles a vida nem mudou muito".
    www.euractiv.com/section/languages-culture/news/finland-europes-quiet-success-in-covid-19-fight/

    De novo: não discuta comigo; vá discutir com os finlandeses.

    A economia deles é a que menos sofreu, assim como a que teve o menor número de mortes. Não é à toa que esses países simplesmente sumiram da mídia.

    How Finland and Norway Proved Sweden's Approach to COVID-19 Works

    Aliás, estados americanos que não fizeram lockdown, como Texas, Flórida e Dakota do Sul, tiveram menos mortes (e muito menos devastação econômica) que estados compulsoriamente fechados, como Califórnia e Nova York.

    Tenta de novo.
  • Mauro Lopes  17/05/2021 18:13
    Curioso, Johannes. Do meu ponto de vista, se tem algo que ficou claríssimo nesta pandemia é que jamais devemos deixar políticos e burocratas terem poder sobre a vida das pessoas. Isso sim é devastador.

    A pandemia deixou mais do que claro que o estado não tem a mais mínima condição de lidar com problemas sérios do mundo real.

    Sendo assim, pergunto: você pensa em incorporar elementos de outras filosofias mais sólidas em seu ideário ou até mesmo abandonar completamente seu tesao por políticos? Ou vai continuar defendendo algo que é um rematado fracasso?
  • Joao Paulo  17/05/2021 22:47
    Então, meu caro. Só é possível salvar a Premissa 1.

    As premissas 2 e 3 já foram muito bem refutadas pelo Fabrício.

    Premissa 4: num livre mercado genuíno (algo que infelizmente nunca teremos, ainda mais aqui no Brasil), o setor privado deve obedecer à vontade do consumidor. E isso é uma força e tanto, capaz de guiar toda a economia.

    Premissa 5: se o Estado é o único capaz de lidar com uma pandemia, por que houve tantas mortes em Nova York, na Califórnia, na Argentina, no estado de SP, em Araraquara etc.? De onde veio essa ideia que o governo sabe controlar uma pandemia? Do Imperial College of London?

    Acredito que você esqueceu da Premissa 6: Bolsonaro é bozo, miliciano, genocida, queimador de florestas e fascista (ou seja, de extrema direita). Conclusão da Premissa 6: o Bozo deve ser "impichado".
  • Revoltado  18/05/2021 19:17
    Nenhum um pouco, meu caro!

    Os mesmos que bostejam sem perceber as nuances do que se passa desde 2020 não apenas ignoram o papel nocivo que governadores e prefeitos (um certo Bruno Covas brevemente será canonizado para alguns), como declaram votar no Apedeuta em 2022. Infelizmente deveremos fazer preces para parecermos com a Argentina, pois o fantasma venezuelano nos assombrará por um bom tempo!
  • Bluepil  17/05/2021 16:08
    Nos últimos tempos vem surgindo um monte de alienados da mainstream bostejando coisas sem sentido por aqui, será que á esquerda percebeu á existência desse site, e começou á divulgar para seus fanáticos virem falar qualquer merda que vem em suas cabeças por aqui? Pois sempre repetem á mesma coisa igual papagaios.

    Antigamente, pelo menos os oposicionistas dá Escola austriaca surgiam com argumentos, mesmo sendo compostos majoritamente por sentimentalismo, e não lógica, mas gente como esse Johannes nem argumentos sequer utilizam, simplesmente distorcem fatos e inventam uma narrativa qualquer para denegrir seus oponentes, e depois finalizam por meio de xingamentos e rebaixamentos morais, comentários de gente assim nem deveria ser permitidas nesse site, pois se fosse para refutar falácias assim, eu estaria navegando em redes sociais, não nesse instituto.
  • Aprendiz de EA  16/05/2021 22:34
    Pessoal, visto que a previdência brasileira está cada vez mais coberta de moscas, chegou a hora de eu investir pesado na minha aposentadoria, pois bem:

    -> Há títulos do tesouro no momento pagando o IPCA + 4,2% ao ano, é seguro entrar nisso? Pergunto pois com o orçamento caótico do governo e o puteiro de favela que Brasília está no momento, não corremos o risco de o estado nos próximos anos decidir calotear tais títulos ou mesmo sair confiscando ou taxando com o lindo mantra de "combater o rentismo"? Ou será que os burocratas lembrarão que dependem desse dinheiro pra manter a máquina de pé?

    -> Há também CDB's que estão pagando 137% do CDI, vale à pena? Ou a inflação ainda assim comeria os rendimentos?

    -> O que me dizem de comprar ouro, seria bom? Se sim, ouro físico, PaxGold, ou alguma outra opção?

    -> Que tal criptomoedas? O bitcoin à princípio me parece interessante pelo menos para o médio prazo, mas fico um pouco com o pé atrás dado as recentes ofensivas de governos contra a mesma.

    -> E quanto à comprar ações para receber dividendos? Vale à pena? Se sim, quais ações vocês me recomendariam?

    Enfim, qual combinação destas e/ou outras opções vocês me indicariam?

    Muito obrigado!
  • Bob Fields  17/05/2021 17:36
    Coisas que me agradam no momento e talvez te interessem:

    - Bitcoin
    - Fundo de Small Caps (ex: Trígono)
    - Prata
    - Urânio
  • Joao Paulo  17/05/2021 22:56
    Ouro não?
  • Bob Fields  18/05/2021 12:32
    De fato, é de se ter também... (eu mesmo tenho)
    Mas não deixaria de diversificar, de forma alguma, com um tanto de prata e de BTC.

    É um achismo meu, mas penso que, se o Bitcoin se firmar como reserva de valor, inevitavelmente vai absorver boa parte da apreciação do ouro.
    A verdade é que não tem como saber.. Btc pode não se tornar nada, ou pode até virar meio de troca e unidade de conta, é imprevisível. (por que não sonhar? kk)

    Agora, algo que me parece ter uma péssima relação de risco-retorno hoje, visando longo prazo, é a renda fixa.

  • Sadib  18/05/2021 18:38
    "Há títulos do tesouro no momento pagando o IPCA + 4,2% ao ano, é seguro entrar nisso?"

    Risco de calote per se é quase impossível, pois quando algum governo não paga suas dívidas, ele perde por décadas a credibilidade e não encontra mais pessoas dispostas a financiá-los.

    O grande risco é a inflação continuar a subir, o que fará que o preço dos títulos continue a cair (como vem ocorrendo nos últimos meses).

    Você acredita que a inflação continuará a subir no Brasil nos próximos 1-2 anos? Se sim, fique longe desses títulos, pois mesmo com o rendimento garantido de IPCA + 4,2% até o vencimento, você verá seu investimento perder valor no curto-médio prazo.
  • Nilton Cavenaghi  15/06/2021 10:37
    Bravo.
    Pondé tem um vídeo no YouTube intitulado "Pobre de Direita" vale a pena assistir.
  • Revoltado  15/06/2021 19:46
    Reforço tua recomendação, amigo! Posso corroborar quão bom é.

    Ontem mesmo assisti um outro vídeo interessante, só que do canal Visão Libertária, em que fala sobre a Abigail Disney, herdeira do anônimo chamado Walter Disney. A donzela representa a típica "esquerda culpada por ter nascido em berço de ouro"e sua pseudo-comiseração por quem não teve o mesmo privilégio. Ei-lo abaixo:

    www.youtube.com/watch?v=_omg9zLCAbw


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.