clube   |   doar   |   idiomas
Com a onda do #MeToo, homens estão evitando trabalhar com mulheres - e isso afetará o salário delas
Algo semelhante já ocorreu com os deficientes físicos

Extremamente forte nos EUA, o #MeToo (#EuTambém) é um movimento que começou nas redes sociais em outubro de 2017. A hashtag passou a ser utilizada por atrizes para denunciar abusos sexuais (verdadeiros e falsos) em Hollywood. A atriz ia ao Twitter ou ao Instagram, relatava um episódio do seu passado (envolvendo um abuso genuíno, ou apenas um assédio ou uma cantada), e a vida do homem denunciado estava acabada.

O movimento rapidamente se tornou viral por todo o país e em todos os setores da economia. Literalmente, da noite para o dia, homens passaram a ser expostos nas redes sociais como predadores pervertidos. Em grande parte das vezes, sem provas. Bastava um relato, e sua vida estava arruinada.

Invertendo completamente um dos principais cânones do Direito Ocidental — o ônus da prova tem de ser do acusador —, as atuais redes sociais fazem com que uma típica acusação de assédio, independentemente de ser falsa ou não, seja suficiente para destruir a reputação do acusado e de sua empresa, condenando-o ao limbo social por tempo indeterminado.

E a onda está se espalhando pelo mundo.

As consequências disso foram óbvias e inevitáveis: muitos homens, principalmente os mais cautelosos, passaram a evitar situações potencialmente comprometedoras, como simplesmente estarem em um ambiente com uma ou mais mulheres. No cenário corporativo, a coisa se tornou epidêmica: temendo serem processados por qualquer gesto ou atitude que possa ser interpretado como "assédio sexual" — o que inclui um simples convite para jantar ou um galanteio relativo à beleza da colega de trabalho —, homens de escalão relativamente alto no mercado de trabalho, principalmente de grandes empresas e também no setor financeiro, estão adotando uma série de novas práticas para se proteger de falsas denúncias de assédio por parte de mulheres ávidas por um processo financeiramente rentável.

Uma recente reportagem da Bloomberg relatou que, no mundo corporativo, homens passaram a implantar algumas estratégias comportamentais no ambiente de trabalho, as quais, acredita-se, irão minimizar a probabilidade de serem acusados de assédio sexual.

Embora os novos códigos comportamentais para lidar com o #MeToo estejam apenas começando a se espalhar, a mudança já é palpável de acordo com as pessoas entrevistadas, que pediram anonimato.  [Muitos dos homens] relatam quão desconfortáveis se sentem quando ficam sozinhos com colegas mulheres, particularmente as jovens e as mais atraentes, tão temerosos que estão de serem vítimas de boatos e até mesmo de, como disse um deles, serem processados.

Em um fundo de investimentos de Wall Street, um gestor de investimentos em infraestrutura relatou que não mais faz reuniões com funcionárias mulheres em salas sem janelas ou paredes de vidro. Ele também mantém a maior distância possível delas dentro de elevadores.

Já um sócio de uma empresa de private equity, que tem mais de 45 anos de idade, disse ter adotado uma nova regra aconselhado por sua esposa, que é advogada: nunca participar de jantares de negócios com uma mulher que tenha 35 anos ou menos de idade.

A mesma reportagem enumera outros exemplos bastante ilustrativos. Além de evitarem reuniões privadas com mulheres ou reuniões a portas fechadas, e de manter distância de mulheres em ambientes sociais como elevadores, os homens também estão evitando convidar mulheres do trabalho para o happy hour após o expediente e até para festas relacionadas ao trabalho; estão evitando sentar-se ao lado delas em reuniões; e estão evitando ficar no mesmo andar de hotel que uma mulher do trabalho.

Por razões óbvias, poucos aceitam falar abertamente sobre o assunto. Mas, em particular, todos admitem o mesmo temor: não é confortável ficarem sozinhos com colegas do sexo feminino por medo de "serem vítimas de boatos e até mesmo de serem processados."

Temerosos e anti-sociais

Nada surpreendentemente, já está havendo gritaria também contra esse comportamento dos homens. Segundo a reportagem da Bloomberg, a acusação é de que as mulheres estão sendo isoladas e alijadas de importantes reuniões de negócios, sendo também excluídas do "happy hour da firma", fazendo com que apenas seus colegas homens se beneficiem dos contatos empresariais que ocorrem nessas ocasiões.

O fato é que para evitar ser processado não basta ser mais educado ou menos machista, uma vez que tal comportamento não reduz o risco de falsas acusações. Consequentemente, para aqueles homens que querem realmente minimizar o risco de ações judiciais, a única opção é realmente evitar situações que podem gerar qualquer possibilidade de um processo judicial.

Evitar o potencial de acusações e processos se torna a atitude ainda mais racional quando o homem acredita que não irá receber o devido processo legal na eventualidade de ser acusado em público em uma rede social ou mesmo de ser acionado em um tribunal.

Ou seja, se o homem sente serem grandes as possibilidades de vivenciar uma, por assim dizer, "intimação judicial" após qualquer contato com uma colega, ele ficará muito mais propenso a antecipadamente cortar relações e a se tornar até mesmo menos cortês com suas colegas — tudo para evitar qualquer chance de calúnia e difamação.

Dado que no mundo atual dominado pelas redes sociais, um mero rumor se espalha como fogo morro acima em mata seca, vários homens sabem que mesmo uma acusação falsa será o suficiente para arruinar sua carreira. Sendo assim, ele estará disposto a adotar qualquer tipo de comportamento, por mais anti-social que seja, para minimizar os riscos.

As consequências não-premeditadas

No entanto, tudo isso pode ter as próprias mulheres como as maiores vítimas.

No mundo corporativo, a maneira mais comum de ascensão é por meio do auxílio de "mentores" ou "orientadores", que são aquelas pessoas que possuem mais experiência profissional e que estão em posição de liderança nas empresas, geralmente ocupando os cargos de maior hierarquia.

E o fato é que a grande maioria dos mentores hoje é formada por homens, pelo simples fato de que os homens geralmente têm mais poder do que as mulheres na maioria das organizações.

E, dado que os homens estão cada vez mais desconfortáveis perto de mulheres no ambiente de trabalho, as chances de mulheres ascenderem profissionalmente por meio desta mentoria vai se tornando cada vez menor. Essa foi a conclusão alcançada por Sylvia Ann Hewlett, CEO do Center for Talent Innovation, cujos estudos comprovaram que 64% dos homens mais velhos evitam interações solo com mulheres mais novas no ambiente de trabalho porque temem serem vítimas de rumores sobre os motivos desta interação.

Mas nem são necessários estudos para se concluir essa obviedade. Já há um exemplo prático semelhante no mundo real.

O exemplo da ADA: contratando menos deficientes para evitar processos

Aprovada em 1990, a ADA (Americans with Disabilities Act - Lei dos Americanos Portadores de Deficiência) visava, como o próprio nome sugere, a proteger os americanos portadores de deficiência contra eventuais discriminações. A lei, além de proibir que deficiente fossem recusados em empregos exclusivamente por causa de sua deficiência, também estipulava vários direitos para empregados deficientes.

Desnecessário dizer que, após a promulgação da lei, houve um declínio no emprego de pessoas portadoras de deficiência — e por motivos similares ao que está havendo hoje nas relações com as mulheres.

A ADA impunha que os patrões fornecessem "acomodações sensatas" para aqueles empregados deficientes que necessitassem de assistência para executar suas funções. Os patrões que não cumprissem as regras — que eram um tanto subjetivas — se tornavam alvo fácil de processos.

Por esta razão, vários empreendedores apenas seguiram a lógica e entenderam que o caminho mais fácil para evitar processos era simplesmente não contratar empregados portadores de deficiências.

Os dados empíricos mostram um sensível declínio no emprego para deficientes. De acordo com o National Bureau of Economic Research (NBER):

Utilizando dados das pesquisas censitárias para o período 1988-97, os autores descobriram que a ADA não teve nenhum efeito nos salários dos trabalhadores portadores de deficiência, os quais ainda estão aproximadamente 40% abaixo dos salários dos não-deficientes.

Por outro lado, as taxas de emprego para os homens deficientes de todas as faixas etárias, e para as mulheres deficientes com menos de 40 anos, caíram acentuadamente desde a promulgação da ADA.

Este declínio representa uma explícita e súbita reversão de tendência: até antes da ADA, a taxa de emprego destas pessoas estava em ascensão, de modo a que reversão parece ter sido causada pela ADA.

Evidência adicional para esta alegação está no fato de que empresas de tamanho médio são as que apresentam o declínio mais pronunciado na contratação de deficientes. De acordo com os autores, empresas grandes provavelmente possuem recursos grandes o bastante para absorver custos de adaptação e conformidade; já as pequenas empresas foram isentadas das exigências da ADA.

Igualmente, em estados com maior número de casos de discriminação ligados à ADA nos anos anteriores, um número menor de deficientes foi contrato posteriormente.

Isso também sugere que a preocupação com os custos criados pelas provisões da ADA pode estar gerando este declínio no emprego de deficientes.

Indicadores mais recentes também mostram que o emprego entre os deficientes continua defasado. Com efeito, 27 anos após a adoção da ADA, pesquisadores constataram que pessoas deficientes estavam obtendo ganhos em várias áreas, exceto na questão dos empregos:

"Minha organização vem coletando dados sobre deficientes desde meados da década de 1980, que foi quando fizemos nossa primeira pesquisa sobre "as distâncias", por assim dizer, para mensurar as diferenças de qualidade de vida de pessoas com e sem deficiências", disse Carol Glazer, presidente da Organização Nacional sobre a Deficiência. "Várias distâncias diminuíram desde então. O desemprego, infelizmente, foi uma das coisas que não melhorou desde que começamos a mensurar".

Tenha em mente que, de acordo com o relatório do NBER, como dito acima, estava havendo uma tendência de queda no desemprego entre deficientes antes de 1990. Tudo indica que a ADA interrompeu essa tendência, e o emprego entre os deficientes nunca mais se recuperou.

Na prática, é claro, o que a ADA fez foi essencialmente transformar os trabalhadores deficientes em ameaças reais e imediatas de processos judiciais. Ao passo em que, antes da ADA, os patrões tinham liberdade para negociar com os empregados deficientes as acomodações que seriam feitas, a ADA aboliu este arranjo e o substituiu por decretos que, caso desobedecidos, são resolvidos nos tribunais.

Sob estas condições, mesmo aqueles empreendedores que genuinamente estão motivados a dar uma chance para trabalhadores deficientes irão pensar duas vezes antes de arriscarem a si próprio e também o capital da empresa.

Esta situação é tornada ainda pior pela natureza vaga da expressão "acomodações sensatas", e pelo fato de que empregados e empregadores podem discordar em relação ao que constitui "sensatas". Dada essa ausência de precisão quanto à definição do que pode gerar um processo, empregadores simplesmente optaram por evitar o problema completamente.

Conclusão

Ainda está muito no início, e previsões exageradas devem ser evitadas. Entretanto, a continuar nesta toada, o que já ocorre com os deficientes pode sim acontecer, ainda que em menor grau, com as mulheres caso a agenda feminista de ver todos os homens como "predadores pervertidos" e "assediadores sexuais" continue ganhando espaços crescentes.

No mundo corporativo das grandes metrópoles americanas, as mulheres já estão se transformando em uma nova versão dos deficientes.


47 votos

autor

Ryan McMaken
é o editor do Mises Institute americano.


  • Antônio Davi Roland de Brito  18/12/2018 16:57
    Falem também sobre o Men Going To Our Way.
  • Humberto  18/12/2018 17:07
    Rapaz, nem sabia dessa tal movimento. Fui pesquisar e vi isso.

    pt.wikipedia.org/wiki/MGTOW

    Pior do que feminista é homem vitimista e coitadista. O cara não consegue namorar "a mina dos sonhos", e aí sai criando movimento revoltado.

    Impressionante como esta geração é frouxa e delicada, meu Deus.
  • Régis  18/12/2018 17:11
    Meu caro, essa geração de hoje problematiza até "Friends", dizendo que aquele seriado inócuo era homofóbico, transfóbico (nem sei bem o que é isso) e misógino.

    observatoriodocinema.bol.uol.com.br/series-e-tv/2018/01/fas-apontam-homofobia-e-machismo-ao-rever-friends-na-netflix-decepcao

    poenaroda.com.br/pop/friends-choca-internautas-com-piadas-homofobicas-transfobicas-e-misoginas-mas-que-eram-normais-na-epoca/

    igay.ig.com.br/2018-02-22/friends-serie-homofobica.html
  • Revoltado  20/12/2018 20:31
    Quanta chatice temos de aguentar na década de 2010!

    Aonde que tem piada transfóbica em Friends? Sempre assisti a série e jamais notei nada semelhante. E isto digo eu, que me relaciono com travestis!

    O mundo já foi melhor no passado, combinemos!
  • Revoltado  20/12/2018 20:38
    Confrades

    Ouvi tempos atrás que em Nova York, se você olhar para uma mulher por mais de 10 segundos e ela não gostar, pode até mesmo te denunciar para a polícia.

    Confere esta informação bizarra, ou é mera fake-news?
  • Ary  18/12/2018 17:56
    Morro e não vejo tudo, mas que completo absurdo esse MGTOW, mais 20 anos criando seres humanos assim veremos a Terceira Guerra Mundial.
  • Lucas-00  18/12/2018 22:02
    Como Hoppe disse no livro dele "Democracia o Deus que falhou", este é uma das consequências do estado de bem estar social: a castidade.
    Caso você se divorcie, o estado pega metade que é do homem (sendo que o homem geralmente é o que mais trabalha) e quase sempre a guarda das crianças e dá para a mulher. Sendo que as vezes o homem ainda tem que pagar pensão.
    As mulheres podem praticamente se casar com o governo, que se sustenta através de impostos ou, dependendo, parasitando do ex-marido dela.
    Tudo isso aumenta o número de pessoas castas e famílias monoparentais numa sociedade.
  • Revoltado  29/12/2018 13:07
    Penso que isto aumentaria o celibato, mas não a castidade...

    A maioria das pessoas (ao menos as solteiras, meu caso) não vão deixar de consumir pornografia ou buscar alternativas de prazer carnal sem a necessidade de relacionamento duradouros. Eu mesmo já admiti aqui, que saio com prostitutas e travestis, pelo custo benefício mais favorável a mim e o risco quase nulo de tomar um processo por achar uma mulher cis ou trans bonita.
    Enquanto houver a prostituição e pornografia, o mundo será ainda suportável para gente como eu.
  • Mgtow  09/03/2019 12:22
    m.youtube.com/watch?v=2gk0EHYsnGA
  • Darius  18/12/2018 22:31
    Esse tal de MGTOW não é um movimento, é mais uma filosofia de vida, que simplesmente diz que os homens, principalmente devido às leis que beneficiam as mulheres , principalmente no casamento e divórcio; pensão, guarda dos filhos rejeitada, lei maria da penha(que gera falsas acusações), deveriam evitar relacionamentos a todo custo, alguns apenas não se casam, outros esquecem que mulheres existem. Muitos deles entraram nessa situação depois de se ferrar lindamente depois de um divórcio.

    Também criticam o que chamam de natureza hipergâmica da mulher, que as fazem amar não o marido em si, mas sim os recursos que podem aproveitar dele. Eles batem bastante até nas mulheres que não são feministas, já que, segundo eles, há muitas "conservadias" - em geral, mulheres mais velhas que não estão mais em sua idade de ouro - que se aproximaram dessa nova onda de pensamento a fim de conseguir achar um homem tradicionalista que as banquem. Mas o problema principal mesmo é as leis, porque antigamente o divórcio e a chantagem não era bem recebidos pela sociedade em geral.

    E mais, eu andei por esses canais e parece que a sua maioria são minarquistas - quando não anarcocapitalistas -, em geral fazem algo bastante parecido com o agorismo que muitos libertários tanto defendem.

    Para finalizar, deixo aqui um vídeo bem assustador, mas que descreve muito bem a realidade(em inglês).

    m.youtube.com/watch?v=wQfBt_GxYaI

    Para quem estiver interessado, tem vários canais americanos(sandman é o Daniel Fraga do MGTOW lá) e brasileiros(racconing raccon, tio mgtow e outros).

  • JOSÉ RICARDO C.MONTEIRO  19/12/2018 13:37
    EXATAMENTE! Penso que isto www.artofmanliness.com/articles/what-is-manliness/ ratificará sua intuição.
  • matheus Aquino  22/03/2019 11:15
    Pensava a mesma coisa dessa galera. Comecei a ver os videos, onde eles traçam seus argumentos. Em parte eles estão certos. O problema é que esse artigo da Wiki coloca os MGTOW na mesma caixa que os auto-celibatarios.

    MGTOW não se opõem a ter relações sexuais com mulheres, só não querem namorar por longos períodos, casar ou ter filhos. Pois percebem que o Estado e as mudanças sociais, rápidas e extremas, nos papéis de gênero torna mais vantajoso conseguir sexo sem compromisso e fpcar em sua auto satisfação pessoal.

    E se você pensar bem, pelo menos na parte da análise correta que eles fizeram, faz sentido. As mulheres desde a primeira onda feministas conseguiram muitos direitos em detrimento de obrigações tipicamente masculinas. O direito ao voto por exemplo era algo ligado com a obrigação do alistamento entre outros deveres.

    E quando ouve a liberação sexual somado com a entrada da mulher no mercado de trabalho (não estou colocando meu juízo de valor nessa parte) ouve um declínio gradativo nas taxas de natalidades, embora há um aumento de gravidez indesejada.

    E as mulheres trocaram o papel provedor do homem pelo ente estatal. Buscando neste leis que garantam sua "liberdade" sem que haja responsabilidades.

    Esse fenômeno dos Nascimentos, aliás falta deles, pode ser visto em todo ocidente. Enquanto no oriente, e grande parte do oriente médio, vemos o oposto. Uma vez que os estados teocráticos e comunistas (china), possui maneiras de controlar (direta ou indiretamente) as taxas de natalidade.

    O ocidente te está caindo, e talvez, futuramente perderemos futuras guerras, ou sofreremos invasões, sejam estas últimas pacificas(imigração) ou não.

    As ondas do feminismo destruíram de certa forma os papéis de gênero. Ao ponto de homens não quererem mais agir de acordo com o ideal clássico.

    Se analisarmos friamente, o casamento sempre foi, principalmente antigamente, um contrato. Famílias poderosas casavam para manter seu poder, ou aumentar sua influência. Já as mais pobres era simplesmente uma troca de sexo por proteção e garantia de passar seu genes a diante.

    As mulheres são mais propensas (sem juízo de valor) a mirarem em homens de classe, poder aquisitivo, beleza, status, boa fama, maior que a qual pertense (hipergamia). E Infelizmente algumas, atualmente pelo menos, não pensam duas vezes antes de trocar um parceiro por outro.

    Pense ainda em debates atuais: Mulheres, sobretudo esquerdistas, querendo um relacionamento aberto, ou bigamico ( dois homens para sustentar), aborto, facilidade em acusar pessoas de estupro sem que hajam provas, conseguir pensão de ex-maridos (mesmo sem filhos) devido a uma constituição que não retrata de forma alguma os tempos modernos. Cota na política, cota em universidade, cota no setor privado. Eu te garanto que a maioria delas (direita ou esquerda) não vão se mostrar tão relutantes as últimas idéias que apontei.

    Quantas e quantas mulheres em Hollywood venderam deliberadamente seus corpos para produtores e diretores para agora, principalmente as solteiras, acusarem-nos de estupro. Um duplipensar fdp, dois pesos e três medidas.



  • paulo  21/04/2019 11:34
    Eu não li o artigo da wikipedia e nem pretendo, afinal pelo que vi de vários 'autores' mgtow não é uma ideologia mas uma filosofia individualista em que cada um vai ter que criar sua própria receita, mas o ingrediente básico é perceber que o jogo tem cartas marcadas, a casa de apostas é o governo, e você aposta seu dinheiro sua segurança, sua vida. Eu tenho certeza que um propagandista de Cassino ia me chamar de covarde e fraco por não jogar na roleta viciada deles, mas agora, as pessoas deviam ceder á manipulação do ego, ou a os fatos frios e a lógica?
    Se a taxa de divórcio é 50% já estou jogando cara ou coroa sobre perder patrimônio e filhos se houverem, se ganhar nessa primeira jogada, agora tenho a chance de viver com uma mulher prepotente, e/ou infiel, com o bônus de talvez criar um filho que não é meu, se ele for desequilibrada e criar confronto fisico eu serei assumido como agressor, mesmo que me defenda, graças à Maria da Penha. Tudo isso porque sou forte e corajoso...
  • Claude  18/12/2018 20:01
    Sobre os MGTOW, algumas coisas que eles falam fazem sentido. Contudo, uma boa parcela deles tem ressentimento sim. Só que ao lerem os relatos deles (e das situações que ocorrem em países como os EUA, Itália, Espanha e outros do ocidente), você começa a entender o motivo pelo qual eles se tornaram o que se tornaram. Com um Estado extremamente inchado, cheio de bem-estar social, divórcio extremamente liberado e com as leis cada vez mais voltadas para as mulheres e sem os homens terem o direito à resposta, essa iniciativa tende a crescer. E de certa forma, isso é culpa do movimento feminista e de certa forma, da hipergamia feminina.
  • Ivonete   20/12/2018 11:31
    Olha, acredito sim que há mulheres que se beneficiam de divórcio, mas a grande maioria dos homens em divórcio tentam ludibriar as mulheres em divórcio quanto a bens, Como passar antes pro nome de parente ou já por o bem quando adquirido no nome de outra pessoa. Quanto a guarda de filho, muitos se recusam a pagar a pensão mesmo por decisão judicial ou mesmo não se empenham em pega-los pra visita. E sobra a maior responsabilidade pra mulher. Isso é fato corriqueiro. É raro o contrário. Sei o que falo pq trabalho nessa área tb.
  • Darius  20/12/2018 15:23
    Mas transferir os bens é uma alternativa para não ser destroçado pela justiça estatal. O estado não permite contratos de casamento privados, você é obrigado a seguir regras predeterminadas, então é claro que diante de uma situação assim, é perfeitamente normal e aceitável burlar esse sistema, assim como sonegação, subornar fiscais, não usar clt, comprar armas ilegais etc. Eu mesmo se fosse casado e acabasse em divórcio faria o mesmo.
  • Geraldo Jorge  15/02/2019 02:06
    Tudo bem, você trabalha na area, mas a realidade dos EUA é bem diferente do Brasil.

    Você sabia que um banco deixou a mulher pegar o dinheiro do marido para sustentar o amante e (ANTES do carinha ser condenado pelo divórcio) a gerente do banco congelou os bens dele. Não permitiu que ele pegasse o próprio dinheiro antes do resultado do divórcio.

    Outra vez, uma mulher mostrou o dedo do meio para um POLICIAL quando ele disse que era proíbido bebida alcoolica na praia. Tudo bem, era uma lei idiota. Mas, ela claramente atacou o POLICIAL por ele ser homem. Isso virou um pequeno escândalo depois que ele deu uns tapas nela.
  • JP  18/12/2018 20:50
    Rapaz, além de haver a variável psicológia do sujeito, a qual não irei referir nest post, há a variável coletivista, esta sim vale a pena citar brevemente.

    No meu entendimento, falando muito a grosso modo, hoje em dia a origem dessas bizarrices é causada pela "Teoria Crítica".

    Tal teoria foi, no século XX, formulada pela Escola de Frankfurt e posteriormente pela ala progressista das universidades europeias e americana. Esta teoria busca problematizar os diversos eventos culturais os quais o ser humano se insere. A cultura abarcando a arte, política, economia, direito, tradições diversas, etc. daí já dá para ver o tamanho do mamute que o "teórico crítico" acaba criando por tornar-se "analista cultural".

    O apoio da teoria crítica vem da filosofia marxista, a dialética do velho par de opostos: opressor-oprimido. Pegue este conflito dialético e insira em qualquer evento cultural dito acima. Voilà, está criado o mais novo movimento de "libertação" de "luta" contra sabe-se lá o quê. Além da filosofia marxista, há outros filósofos que não sendo marxistas mas apoiando a causa de em tudo ver um opressor continuam por outras vertentes a teoria crítica.

    A demanda pela problematização será infinita, pois os intelectuais vivendo em seu círculo acadêmico (a bolha de pesquisa das ciências sociais) fornecerá as "bases científicas" para os militantes estabeleidos nos meios culturais: redações jornalísticas, ong's, doutrinas jurídicas, conselhos governamentais, blogs, enfim, onde houver um coletivo, lá estarão infiltrando o mais novo "problema político" a ser resolvido.

    Todas as áreas da vida são passíveis de serem problematizadas, devido a que qualquer evento vira objeto de estudo por intelectuais em sua bolha.
    Daí o ciclo: intelectual frustrado - realiza a crítica do evento - cria um problema - surge o opressor/oprimido - surge algum aderente à idéia - debates universitários - surgimento de militantes - movimentos de luta - modificação da cultura social - embates políticos - partidos políticos - comoção pública - muda-se algo - o ciclo recomeça.

    Resta-nos saber como isso se processa para não cairmos nessas balelas, quem quiser que caia, eu não estou afim.
  • MSC  21/12/2018 20:42
    Análise Sensacional. É isso mesmo. Qualquer mimimi vira objeto de estudo.
  • Leandro C  05/02/2019 12:32
    JP 18/12/2018 20:50

    Sua análise foi excelente, contudo, temo que não estejamos tão isentos quanto sua conclusão faz soar ("Resta-nos saber como isso se processa para não cairmos nessas balelas, quem quiser que caia, eu não estou afim."), pois, infelizmente, tal processo só ganha fôlego (ou tanto fôlego) em ambientes inflados pelo coletivismo, como é o Brasil e boa parte do mundo atual, e, justamente por isto, acabamos também pagando o preço por tais aberrações, quer você caia na balela, quer não.

    Você "ainda" não é coagido a pensar como os coletivistas, ainda que muitos procedimentos estejam em curso visando tal finalidade, contudo, querendo, ou não, e esta talvez seja a própria razão de existir do Instituto Mises, você, invariavelmente, ainda que indiretamente, acaba pagando o preço por tais imbecilidades.
  • Sandro Henrique Petry  09/05/2019 22:48
    Olha, nem só de pessoas inteligentes se faz um libertário....
    Sua senhoria diz que "foi ver" a wikipédia, e já sai tirando conclusões instantâneas, que vergonha! Shame on you! Estas pessoas, MGToW's, muitos são homens que decidiram que não querem ter casamento, civil ou automático, com mulheres, para não correrem o risco, cada vez maior devido ao êxito do feminismo estatizado, de sofrerem a ruína pessoal e financeira devido à estatização dos interesses da mulher contra provedores. Este fenômeno, ruim para as mulheres, se deve à estatização da coisa, que esta alinhado com a crítica feita pelo presente artigo. Falta-lhe conhecimento meu irmão, alguns homens simplesmente decidiram, que se na mesa de negociação, são cada vez mais esmagados pelo que eles chamam de Estado ginocentrista, eles simplesmente saíram do jogo, por entenderem que as regras impostas pelos socialistas não são honestas nem equitativas na relação homem-mulher, são quase todos os MGToWs liberais convictos. Estude um pouco pois o caminho da sabedoria não se trilha com tão pouco esforço
  • Realista  18/12/2018 17:06
    Como sempre, as feministas atuam de forma a prejudicar as mulheres.
  • %C3%83%C2%B3rf%C3%83%C2%A3o  18/12/2018 18:47
    Assim como os sindicatos atuam de forma a prejudicar os trabalhadores.
    E assim com outros.
  • Pedro Aleixo  18/12/2018 17:15
    Existe uma solução simples para evitar essas surpresas desagradáveis: é só acionar o gravador do celular e deixá-lo no bolso da frente da camisa. Você vai gravar toda a conversa que você eventualmente tiver aí se for processado por alguma aventureira irá desmascará-la perante todo o mundo.

    Impressionante como nenhum homem pensa nisso.
  • Cristian  18/12/2018 18:04
    É uma forma de provar a inocência de fato.

    Mas...

    Até o homem conseguir provar por A + B que tal acusação de assédio sexual é falsa, a notícia já viralizou na internet e a reputação do homem já foi pro espaço. E sim, a imagem deste homem agora esta arranhada pra sempre.

    Também tem outro ponto a ser observado, nos dias atuais, com essa militância cada vez mais ávida por justiça contra tudo e contra todos mesmo sem ter um único motivo lógico e portanto real, o "assédio sexual" já não é mais uma cantada propriamente dita ou algum "toque" (ainda que involuntário) na mulher. Um simples elogio sincero sem qualquer conotação sexual já pode ser considerado assédio. Pra piorar, ainda temos toda a questão do machismo que vem junto a isso e que um simples "a" dito por um homem pode ser também interpretado.

    O feminismo juntamente com o politicamente correto é uma das maiores bizarrices de nosso tempo. Infelizmente, em última instância são as próprias mulheres que mais sofrem com isso. E mulheres que são contra o feminismo são ainda mais ferozmente atacadas pelo movimento.

    Essa década 10 desse século 21, definitivamente é a década perdida da humanidade.
  • Get  18/12/2018 20:14
    Há muito o marxismo deixou para trás a luta do proletário contra o capitalismo. Agora o marxismo cultural promove a luta de classes. O assédio real ou não quase que instantâneo aparece nas redes, . Suspeito que tenha alguma ONG promovendo o impulsionamento digital, para viralizar o politicamente correto.
  • Leandro C  05/02/2019 12:43
    Get 18/12/2018 20:14

    Perceba que a teoria opressor-oprimido foi utilizada inicialmente naquilo que tinha mais possibilidade de "colar" naquele momento e olha que nem assim teve um sucesso muito duradouro inicialmente, então o processo tem sempre que ser realimentado; o que tal teoria visa não é um estado de coisas que seja aceitável, ao contrário, visa justamente o eterno embate, para que dele os canalhas possam se aproveitar.

    Os canalhas não precisam, necessariamente, manter uma coerência filosófica, muito pelo contrário, precisam apenas ter, ou criar, a oportunidade para dela se aproveitarem a seus fins e nada melhor para isso do que situações de crise, já que a paz ou uma situação em que todos estejam felizes e satisfeitos não gera situações tão propícias a aproveitadores.

    Esta é a razão da receita da teoria opressor-oprimido ter se alastrado por todo lado em todas as relações, para justamente gerar inúmeras oportunidades a todo tipo de aproveitador: "Sorria, você está sendo oprimido!"
  • Pérsio  18/12/2018 20:50
    Concordo plenamente com o seu comentário sobre os absurdos do feminismo e do Politicamente Correto. Está na hora de recuperar o bom senso das pessoas, se não onde é que isso vai parar?
  • Dane-se o estado  18/12/2018 21:58
    Embora deva haver oposição a esse babaquismo e isso começa em casa de "berço" educando emocionalmente seus filhos, temos aquela clássica estória do menino e do lobo. Embora a histeria coletiva seja um fenômeno real, não subestime o senso comum da humanidade também, o que temos que lutar sempre é contra o estado, pois engenharia social nenhuma permanesce em um mundo livre de expressão, pois a natureza humana é complexa e não pode permanescer nem individualmente, nem coletivamente de forma uníssona em um paradígma cultural, a sociedade cansa. No final o feitiço vai se virar contra os próprios feiticeiros, de tanto afirmar que havia um lobo, quando não havia, chegou um ponto onde ninguém mais acreditava no garoto, então o lobo real apareceu e o devorou. O mesmo já está acontecendo com esses movimentos, os casos reais de abuso vão começar a ser menosprezados porque tudo agora virou abuso, ou racismo, ou qualquer coisa do tipo.
  • Revoltado  21/12/2018 10:24
    Só lembrando que "assédio sexual", no linguajar politicamente correto de hoje, nem sequer precisa envolver contato físico. Um simples elogio à aparência da mulher já basta para o cara ser processado. Se for em uma cidade progressista como São Francisco ou Nova York, um abraço.

    ====Li um texto do Alexandre Garcia mês passado, no qual um parente de um amigo dele simplesmente elogiou as pernas de uma colega de trabalho. Tomou processo por assédio, foi parar na rua e ainda teve de indenizar a "ofendida", e esta, pasme-se, acabou no psiquiatra. Infelizmente isto já chegou no Brasil. Detalhe assustador: o texto do jornalista é de 2011!
  • JOANE  01/01/2019 03:28
    Vcs tão mais preocupados com marxismo do que com casais possivelmente verídicos e em como evitar que isso ocorra. Tô impressionada.
  • anônimo  18/12/2018 19:55
    Pra que o cara vai se dar a esse trabalho, que no maximo diminui um pouco o risco, se ele pode sem trabalho nenhum reduzir o risco a zero?
  • Stark  25/12/2018 03:52
    Isso iria exigir gravar, catalogar e arquivar toda e qq interação com mulheres...
    Me parece pouco viável pra ser feito como prática diária...
    E se feito, merece a pergunta: q diabos de mundo é esse q estamos criando???
  • Revoltado  28/12/2018 00:41
    Stark:

    Acabaremos em "1984" se esse furdunço não for confrontado a tempo...
  • Rafael  18/12/2018 17:19
    Só lembrando que "assédio sexual", no linguajar politicamente correto de hoje, nem sequer precisa envolver contato físico. Um simples elogio à aparência da mulher já basta para o cara ser processado. Se for em uma cidade progressista como São Francisco ou Nova York, um abraço.

    No Brasil isso ainda não ganhou força, mas vai chegar. É questão de tempo. Por aqui, felizmente, o movimento feminista sempre foi mais lento.
  • Cristian  18/12/2018 18:05
    Ainda não veio porque esse ano o movimento aqui estava ocupado com #elenao. Em 2019, poderá vir para eles terem a pauta do ano.
  • Breno  18/12/2018 18:41
    É exatamente o que eu penso também. Espera só ano que vem.
  • Lel  19/12/2018 13:50
    O Brasil é expert em copiar tudo o que existe de ruim nos países desenvolvidos.

    g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2018/12/19/apos-xingar-casal-gay-homem-se-recusa-a-pedir-desculpas-em-troca-de-pena-e-e-condenado-a-4-meses-de-detencao.ghtml

    E aliado ao fato que aqui os juízes criam E aplicam leis, como ditadores, aposto minhas fichas que o Brasil vai superar os EUA.
  • Revoltado  05/01/2019 03:04
    Eis uma pergunta que faço há ao menos cinco anos e ninguém me responde:

    Que há de tão excelso na conduta homossexual para ser imune a críticas?

    O próprio coito hétero é aceito até certo ponto. Os mais ortodoxos condenam os one-night-stands e mesmo a masturbação, sem contar situações mais danosas, assim digamos, como o adultério.
    Se um desses militantes LGBTQ+ assistisse a uma palestra numa igreja qualquer sobre sexualidade, concluiria em segundos que não são os únicos a ter comportamento reprovado pelo contexto ali. Mesmo o sexo entre namorados (pré-marital) não é bem visto em tais lugares...
  • Leandro C  05/02/2019 13:05
    Revoltado 05/01/2019 03:04

    Você foi exato: "Que há de tão excelso na conduta homossexual para ser imune a críticas? " também sempre penso o mesmo; o próprio ato em si seria uma espécie de divindade tão poderosa que jamais aceitaria qualquer blasfêmia?

    Pois bem, o sexo se presta inicialmente à reprodução e também à diversão; nos dias atuais, mesmo entre heteros, mais à diversão do que à reprodução; entre casais gays, por motivos biologicamente óbvios (ou que deveriam ser óbvios, mas parece que atualmente já não o são mais) o sexo é tão somente direcionado à diversão.

    Oras, se o sexo não passa de uma diversão por qual razão eu posso criticar quem goste de se divertir jogando video-game, posso criticar quem goste de se divertir jogando cartas, posso criticar quem goste de se divertir fazendo qualquer atividade, inclusive, criticar muito quem gosta de se divertir não fazendo absolutamente nada, e não posso criticar quem goste de se divertir fazendo sexo?

    Ah, mas se trata de uma subcategoria divina, pois podemos criticar quem pratica sozinho, quem pratica sexo com pessoas do sexo oposto, mas não podemos criticar quem pratica sexo com pessoas do mesmo sexo... aff..
  • Revoltado  08/02/2019 21:48
    Olá, Leandro C!

    "Oras, se o sexo não passa de uma diversão por qual razão eu posso criticar quem goste de se divertir jogando video-game, posso criticar quem goste de se divertir jogando cartas, posso criticar quem goste de se divertir fazendo qualquer atividade, inclusive, criticar muito quem gosta de se divertir não fazendo absolutamente nada, e não posso criticar quem goste de se divertir fazendo sexo?"

    ==== Baixa resilência. Conheço tipos exatamente assim. Preferiam votar no Haddad (que tinha em seu plano de governo fazer o Brasil mais semelhante à Venezuela) ano passado, pois se Bolsonaro ganhasse, teríamos uma ditadura avassaladora que poria os LGBTs no paredão de fuzilamento, por que virar um país totalitário importava menos que supostamente um chefe de estado tornar-se um "fiscal de nádegas". Como até agora nada disto ocorreu, me parece que confundiram o país aonde até não muito tempo era comum. Uma certa ilha muito elogiada pela quadrilha que saqueou a nação por quase duas décadas colocava isto em prática de verdade.

    "Ah, mas se trata de uma subcategoria divina, pois podemos criticar quem pratica sozinho, quem pratica sexo com pessoas do sexo oposto, mas não podemos criticar quem pratica sexo com pessoas do mesmo sexo... aff.."

    ==== Eis o ponto! É a categoria mais vitimista que há. Em 2014 (acho) li no blog do jornalista Felipe Moura Brasil, quando este ainda trabalhava à Veja, a seção de comentários sobre uma reportagem do jornal O Globo alegando que o fato de até 15% dos gays terem AIDS devia-se ao "preconceito". A indignação dos leitores foi geral e um deles comentou que em 2012, no Mato Grosso do Sul, o governo local lançou uma campanha de prevenção ao vírus, com dados de que homossexuais têm 20 vezes maior probabilidade de contágio e por isso, deveriam usar sempre preservativos. Quê ocorreu em seguida? Grupos LGBT daquele estado revoltaram-se e a campanha precisou ser suspensa. Dizer a verdade no Ocidente praticamente tornou-se contravenção e o Politicamente Correto fará de tudo para piorar isto...
  • Leandro C  11/02/2019 18:38
    Revoltado 08/02/2019 21:48

    Concordo contigo.

    Inclusive, considero que o vitimismo talvez seja não apenas uma ferramenta, como talvez a única válvula possível ao politicamente correto; como as pessoas não podem mais manifestar livremente suas frustrações sob pena da patrulha ideológica aparecer, o que resta fazer? oras, fazer-se de vítima, usando o argumento que for, por mais ridículo que deveria ser, para não somente manifestar o que inicialmente já desejava, como também para ver-se defendido pela mesma patrulha que, acaso não se fizesse de vítima, o atacaria.

    O vitimismo acaba sendo um produto, o único meio de diálogo possível, num mundo em que não há liberdade, num mundo em que reina a ditadura do politicamente correto; claro que muitos acabam usando o produto também como meio para alcançar seus propósitos e é, em regra, o caso de qualquer grupo organizado, como o feminismo, o movimento LGBT, sem terras etc... mesmo (ou até mais) em órgãos estatais (veja aí o Judiciário e o Ministério Público fazendo-se de vítimas - vão cortar meu auxílio moradia de R% 5.000,00, ai ai ai, como sou vítima - para alcançar cada vez mais privilégios, não bastasse duas férias e dois terços de férias ao ano etc).
  • Revoltado  13/02/2019 11:36
    Leandro C,

    Inclusive, considero que o vitimismo talvez seja não apenas uma ferramenta, como talvez a única válvula possível ao politicamente correto; como as pessoas não podem mais manifestar livremente suas frustrações sob pena da patrulha ideológica aparecer, o que resta fazer? oras, fazer-se de vítima, usando o argumento que for, por mais ridículo que deveria ser, para não somente manifestar o que inicialmente já desejava, como também para ver-se defendido pela mesma patrulha que, acaso não se fizesse de vítima, o atacaria.

    ==== E já passou da hora de outro segmento começar a perceber o ridículo ao qual se expõe e digo com tristeza, pois tenho atração por tais pessoas: travestis.
    Voltei para cá, pra fazer feedback contigo, justamente por em redes sociais ler baboseiras mimizentas de gente desta categoria que ano passado votou no Haddad e xinga Bolsonaro dos insultos que já estamos carecas todos de ler/ouvir. Quando será que cairá a ficha delas, percebendo que na Venezuela, Maduro ha tempos prende líderes do movimento LGBT e que este modus-operandi era (se aindanão o é) padrão em Cuba, Coréia do Norte e era na ex-URSS e na Cortina de Ferro?


    O vitimismo acaba sendo um produto, o único meio de diálogo possível, num mundo em que não há liberdade, num mundo em que reina a ditadura do politicamente correto; claro que muitos acabam usando o produto também como meio para alcançar seus propósitos e é, em regra, o caso de qualquer grupo organizado, como o feminismo, o movimento LGBT, sem terras etc... mesmo (ou até mais) em órgãos estatais (veja aí o Judiciário e o Ministério Público fazendo-se de vítimas - vão cortar meu auxílio moradia de R% 5.000,00, ai ai ai, como sou vítima - para alcançar cada vez mais privilégios, não bastasse duas férias e dois terços de férias ao ano etc).

    ==== Provavelmente os operadores do Judiciário que se queixam do fim do auxílio-moradia (obsceno por sinal) fazem parte da camada mais rica da população brasileira! Qualquer assalariado levanta as mãos aos céus quando precisa pagar "apenas" 600 reais na locação dum apartamento simples. Isto ao menos em minha cidade natal...
    Quanto aos demais grupos reclamantes, lembrei-me ainda hoje do movimento feminista, tão defensor da esquerda. Se vivessem na Romênia comunista, governada por Nicolae Ceaucescu, sem dúvidas o chamariam de "machista defensor do patriarcado", dado que este, nos anos 60/70, proibiu abortos e contraceptivos para que a população romena atingisse 30 milhões até os anos 90. Tal situação gerou uma crise que a Romênia membra da União Européia precisa lidar, sobretudo com crianças com deficiência cognitivas...
  • Tulio  18/12/2018 17:26
    E esse caso aqui? O coitado do câmera foi ajustar o cabo de áudio que fica junto à roupa da jornalista e imediatamente virou Trending Topics no Twitter chamado de assediador e abusador, sendo humilhado perante a família. A própria jornalista teve de vir a público para defender o coitado.

    noticias.bol.uol.com.br/ultimas-noticias/entretenimento/2018/11/19/reporter-da-globo-se-pronuncia-apos-suposto-assedio-nao-aconteceu.htm

    Até os idiotas do Corinthians entraram nessa:

    O Corinthians e o movimento "Deixa Ela Trabalhar", composto por jornalistas contra o assédio, repudiaram o suposto abuso, mas depois se retrataram após a jornalista negar o episódio.

    "O Sport Club Corinthians Paulista se solidariza com a repórter Fabíola Faria Andrade, vítima de assédio por um colega de imprensa durante a confusão no jogo de sábado. O episódio lamentável é prova irrefutável da importância das várias iniciativas do clube", escreveu o clube no Twitter.


  • anônimo  18/12/2018 17:30
    Por outro lado, isso aqui tá liberado (e acho sim que deve continuar liberado!):

  • Revoltado  20/12/2018 20:27
    Corretíssimo!

    Ninguém ali pensou que o cara poderia ser casado e sentiu constrangimento, pois possivelmente a mulher e os filhos poderiam estar assistindo sua reportagem.

    Bastou no entanto, um grupo de imbecis fazer uma mera brincadeira de mau-gosto com uma russa (um deles filiado ao PSOL, parece) para que a gritaria começasse.

    Em tempo: os mesmos que berraram mais que bezerro desmamado em prol da donzela russa na Copa do Mundo, foram os primeiros a fazer pouco caso da história da ministra Damares Alves...
  • Stark  25/12/2018 04:01
    Se fosse uma repórter mulher e um único homem fizesse essa papagaida toda, no dia seguinte tava na primeira página de todos os jornais como assédio execrável...
    Se fossem vários homens contra uma mulher, meu Deus, seria "estupro" coletivo...
  • Régis  18/12/2018 17:34
    E esse caso aqui no Reino Unido? O entrevistado, que estava sentado, encostou a mão no joelho da entrevistadora, que também estava sentada. Virou escândalo e ele teve que renunciar.

    news.sky.com/story/journalist-touched-on-knee-by-sir-michael-fallon-describes-resignation-as-absurd-11108984

    www.bbc.com/news/uk-politics-41812281
  • Ary  18/12/2018 17:30
    Em 2004 meu pai e seu sócio foram acusados de assédio, posteriormente inocentados, reavaliaram os riscos de continuar contratando mulheres jovens para as funções porém tal decisão era mais difícil de ser implementada do que parecia e então decidiram tornar a empresa o mínimo possível atrativa para empregados do sexo feminino muito bem instruídas e de círculo de convívio progressista.

    Mudaram a sede de um endereço comercial badalado na Zona Sul de São Paulo para um na periferia no ABC paulista cujo único atrativo é uma estação de trem, as instalações são antigas e sempre mal cuidadas, os móveis velhos e a limpeza é apenas regular. Desde então essas empregadas com mentes progressistas mas que prezam por um ambiente de trabalho dito "chique" impostos pelo seu círculo de convívio carpe diem foram se desligando da empresa e as nas entrevistas, mulheres dessa fauna desistiam da candidatura ou se desligavam da empresa tão logo conseguissem outra vaga, e os quadros preenchidos com mulheres de origem mais humilde que sabem lidar de forma madura e responsável quando um dos colegas de trabalho age de forma menos respeitosa.

    O ambiente de trabalho melhorou muito e como o salário é em linha com o que o mercado paga, não raro um ex funcionário(a) acaba pedindo para voltar e o argumento é sempre o mesmo, o ambiente de trabalho descontraído e sem gente para causar discórdia.
  • Pedro Aleixo  18/12/2018 18:02
    Muito interessante seu relato, Ary.

    É triste que o padrão de conforto do ambiente de trabalho de seu pai teve de ser artificialmente reduzido para evitar as aventureiras. É exatamente esse tipo de custo não contábil que afeta a empregabilidade (e consequentemente os salários) de determinados grupos.
  • Felipe Lange  18/12/2018 18:24
    Estatismo tornando o mundo cada vez mais chato. Seria surpresa se um monopólio da justiça não causasse essas distorções.

    Os homens sofrem, mas quem sofrerá mais serão as mulheres honestas. Parece até que o Brasil exportou a Justiça Trabalhista para eles.
  • Revoltado  19/12/2018 15:11
    Exatamente!

    O mundo tornou-se insuportável demais!

    A única forma de obtermos prazer (sendo solteiros) sem riscos como esse é recorrer à prostituição. Ultimamente é o que tenho feito nos últimos anos. Saio somente com prostitutas e travestis. Gasta-se menos e a grana é melhor aproveitada nesse aspecto banal.

    As feminazis são como o personagem Midas, só que ao invés de transformar tudo em ouro, transformam em esterco.
  • Stark  25/12/2018 04:06
    Estão criando a Justiça Feminista...
  • Revoltado  28/12/2018 00:46
    Stark;

    Já criou-se o termo "feminicídio" e isto apenas constata que a praticamente uma justiça paralela em favor das mulheres. O engraçado é que pela lógica absurda dos mimizentos, o Brasil é um paraíso progressista, mas isto não é percebido por eles: somos um país heterofóbico, misândrico, anti-caucasiano e feminazista, dado que dos 60.000 mortos anualmente, a maior parte dos assassinados são homens, brancos, héteros. E aí? As paranóicas amam esquecer que para cada mulher morta, ao menos 9, 10 caras perdem a vida também...
  • Cincinato  18/12/2018 19:29
    Bem feito. Espero viver num mundo onde exista robôs sexuais perfeitos, para eu poder ver o desespero das mulheres em recuperar a sua relevância, e ver essas palhaças caírem no esquecimento.
  • Revoltado  20/12/2018 20:23
    Cincinato,

    Quero muito rir quando a Ángela Ponce (Miss Espanha) vencer o concurso de Miss Universo na Tailândia! Nunca fui fã desse tipo de competição, mas é tanto aborrecimento com esse papo ridículo de "empoderamento" que quero mesmo é ver uma trans vencer!

    Daí até as "independentes e bem resolvidas" choramingarem a respeito, será poucos passos!
  • Andreia Mattos  18/12/2018 19:34
    Embora concorde com tudo o que foi dito, vamos ser sinceros: isso é um movimento coordenado majoritariamente por feministas e pela esquerda. As mulheres normais não estão nem aí para isso e aceitam normalmente um elogio e um convite para um drinque (é verdade que algumas, se forem rejeitadas, podem se vingar, mas isso é outra história rsrs).
  • Luciano  18/12/2018 19:53
    O mais interessante é que o teu foi o único comentário feminino, isto deve significar alguma coisa, é um alento que se saiba que nem tudo são espinhos.
    Muito prazer Andreia.
    Em tempo: NÃO É UMA CANTADA!
  • Juliano  18/12/2018 20:05
    "isso é um movimento coordenado majoritariamente por feministas e pela esquerda"

    Até concordo. Mas o problema é que homens decentes (e suas famílias) acabam sendo vítimas fatais disso. Feministas só enxergam homens maus e só atingem homens bons.


    P.S.: longe de defender o Brett Kavanaugh, que é um burocrata, mas sua vida também quase foi destruída pelo #MeToo. Só não foi porque ele era poderoso e tinha como se defender.
  • Felipe Lange  18/12/2018 21:39
    Pois é. São uma minoria que fazem um terrorismo psicológico, ao acharem e agirem como se fossem uma maioria.
  • Revoltado  30/12/2018 15:47
    Terrorismo psicológico que infelizmente é bem sucedido na maioria das vezes, vide esta reportagem:

    futuroexponencial.com/bonecas-sexuais-desrespeitadas/

    Sempre falam que os conservadores vigiam a sexualidade alheia, mas a realidade é que são as feminazis que querem policiar não apenas as mulheres, mas os homens também!

    Vi exemplos "in loco" de como amam dar palpite na sexualidade e até na biologia!
  • JOANE  01/01/2019 03:29
    Feministas não estão espancando pessoas com lâmpada por acharem que são gays. Desculpe. Mas nessa , os conservadores ganham.
  • Leandro C  05/02/2019 13:20
    JOANE 01/01/2019 03:29

    "Feministas não estão espancando pessoas com lâmpada por acharem que são gays. Desculpe. Mas nessa , os conservadores ganham."

    Tenho pelo oposto, as teorias feministas tomaram conta do Estado, promovendo violência muito, mas muito, maior e a todos; perceba que a violência causada por criminosos, supostos conservadores, contra gays, não mulheres, não foi aceita socialmente, já a das feministas vem sendo aplaudida.

    Desculpe, acho menos perigoso ser atacado por mulheres com lâmpadas do que pelo Estado, em todas as suas facetas.
  • Revoltado  07/02/2019 02:17
    Exatamente isso, Leandro C!

    Sem o Estado sugar-daddy, o feminismo nada pode fazer. A maioria das mulheres solteiras se casaram com Estado e a maioria das casadas o tornaram seu amante.

  • Bruno Feliciano  18/12/2018 20:16
    Jovem é uma merda, e são os jovens em sua maioria que propagam esse tipo de porcaria. Essa geração de milenares vem com tudo pra destruir a humanidade. A única boa notícia é que são menos socialistas que os jovens de antigamente, me arrisco a dizer, me corrijam se eu estiver errado. De resto é uma degeneração sem precedentes.

    Tenho 22 anos e graças a deus tive o privilégio de ser exceção, sempre odiei adolescentes. Ainda bem que pude ter amigos que não eram dessa laia mimada e fraca.

    Problema é que essa geração maioria é fracassada, só fica reclamando do mundo, os outros é que tem que mudar, o mundo que tem que se moldar a eles, se alguém tem um comportamento infeliz, é a pessoa que tem que mudar e fazer a minha vontade e não eu que tenho que afastar e viver minha vida, os outros que são o problema, não sou eu que tenho que me moldar a realidade, a realidade que se molde a mim.
    Por isso a depressão atinge tanto essa gente, é uma cambada de fracassados.

    É seleção natural amigos, mas acreditem se quiser, esse instituto tem salvado muito jovens dessa degeneração.

    Abraços.
  • há controvérsias  18/12/2018 22:05
    "A única boa notícia é que são menos socialistas que os jovens de antigamente"

    Depende, isso é verdade no Brasil. Nos EUA, em que já está acontecendo essa porcariada toda do artigo, nunca os jovens foram tão socialistas, se depender deles Bernie Sanders é o próximo presidente americano com folga
  • Stark  25/12/2018 04:12
    Fui adolescente nos longínquos anos 90 do século 20...
    Um amigo dessa época é hoje professor de ensino médio e me disse a seguinte pérola:
    "o comportamento médio das alunas de hoje é de envergonhar as mais piranhas da nossa turma de colégio!"
  • Revoltado  28/12/2018 00:50

    Stark 25/12/2018 04:12
    Fui adolescente nos longínquos anos 90 do século 20...
    Um amigo dessa época é hoje professor de ensino médio e me disse a seguinte pérola:
    "o comportamento médio das alunas de hoje é de envergonhar as mais piranhas da nossa turma de colégio!"

    ====Stark, quando li teu comentário à tarde lembrei-me da pistoleira por quem fui apaixonado por um ano em meus tempos de colégio (também nos anos 90). Traçando um comparativo com as piriguetinhas modernetes, minha velha paixão era até contida. Já fui em aniversários de adolescentes e realmente ouvi comentários das próprias meninas que jamais imaginaria vinte anos atrás. Nem acredito que concluo isto hoje! :O
  • Imperion  18/12/2018 23:08
    Diga um movimento e tera um politico financiando com dinheiro publico, pois da voto. O brasil virou paraiso das ongs e o inferno pro contribuinte.
  • Alessandro  19/12/2018 03:48
    Eu amo o Ryan McMaken. Agora sim eu me gabo, sabendo que não corro risco de sofrer a acusação de assédiá-lo. ;)
  • Victor  19/12/2018 04:55
    Ainda bem que minha esposa abomina o feminismo ????
  • randal machado  19/12/2018 05:22
    Por mais mimizenta que sejam, nenhum empresario/ patrão /chefe é obrigado por lei a contratar mulheres. Eu to com uma empresinha pequena de marketing, e obviamente trabalho para ela crescer, e quando isso acontecer, prefiro contratar homens. Posso falar uns dez motivos de porque contratar apenas homens, mas todos sabem...
  • 5 minutos de ira!!!  04/02/2019 11:25
    ainda................
  • 5 minutos de ira!!!  04/02/2019 12:49
    Acredito que a sua postura no ambiente de trabalho é o seu escudo.

    Trabalho num posto de saúde exclusivamente com mulheres. Hoje mesmo, ao ler este artigo, perguntei a uma delas se, por acaso, uma delas me acusasse de abuso, ela acreditaria... a resposta foi não.

    Se você tem uma conduta de respeito dentro do trabalho (e isso NÃO quer dizer respeitar todas aquelas regras idiotas que o Geraldo passou - desculpa ai, Geraldão), mesmo que você brinque e mesmo que você fale sobre sexo. Isso não vai abalar sua moral e as pessoas vão dar a você o benefício da dúvida, caso um dia uma acusação falsa aconteça.

    Tenho esposa e a levo a todos os encontros do pessoal do trabalho. As meninas sabem que essa é minha condição de comparecimento e respeitam, por eu ser o único homem.
    Elas são desbocadas e debochadas e ninguém se importa. Eu simplesmente não sou diferente, mas não há nenhum tipo de galanteio no que digo.

    Com essa conduta, estou há mais de três anos nesse ambiente sem nunca ter tido nenhum tipo de conflito dessa natureza.

    Agora, você ai está querendo ser o galante e talvez descolar um encontro amoroso no seu ciclo de trabalho? Então você está na empresa pelo motivo errado. VAI TRABALHAR.
  • Leandro C  05/02/2019 20:14
    5 minutos de ira!!! 04/02/2019 12:49

    Ok, concordo com sua ideia;
    apenas achei interessante seu argumento, eis que você, segundo mencionou, fica na empresa brincando e conversando de sexo com as funcionárias, tudo de forma desbocada e debochada, ainda que tudo com uma conduta de respeito, mas, ainda assim, entende que empresa não é lugar para galanteios e quem o faz deveria ir, isto sim, trabalhar... pois bem, confesso que fiquei um bocado interessado, você trabalha com o quê, afinal!?
  • Revoltado  13/02/2019 12:59
    Leandro C,

    Na realidade, pode-se relativizar bastante a questão.

    Se você for um destacado social (bonito, com dinheiro, carrão 0km e outros atributos a mais), ninguém se incomoda com tal. Ao contrário, é considerado "atitude". Cansei de ver isto em meu emprego. A tal ofensa vem dos que não possuem tais características. Aí sim, adultas de 19,20 até 30 anos se chocam como se fossem garotinhas de 10 anos de idade acessando sites pornográficos. Uma colega minha diz que é um tanto "japonesa", alegando não gostar muito que os outros lhe toquem demais. Em contrapartida, a mesma é bastante "brasileira" quando um dos meus chefes aqui chega. Nem precisaria dizer que ele corresponde ao primeiro grupo descrito acima, não?
  • Pobre Paulista  19/12/2018 11:15
    O único vilão dessa história é o sistema jurídico, sem isso as feministas não teriam muito o que fazer.
  • Andre  19/12/2018 11:26
    Eu não condeno nem um pouco o movimento, essa é a liberdade do ser humano de se organizar.
    Tudo o que está sendo feito terá suas consequências, como as muitas já citadas, e que as pessoas se responsabilizem por elas, seja da forma como for suas consequências, ou vocês estão dizendo que tais pessoas deveriam ser proibidas de associar ou manifestar livremente?
    Esse movimento nada mais é do que uma consequências de outros atos, foi sim, existiu (e ainda existe) muito assédio em qualquer ambiente, e não somente contra as mulheres, elas só se organizaram de forma livre e espontânea, da forma com Hayek dizia. Em resposta a isso os homens estão se organizando, e assim a vida vai seguir.
  • anônimo  19/12/2018 12:38
    "vocês estão dizendo que tais pessoas deveriam ser proibidas de associar ou manifestar livremente?"

    Favor citar no texto onde há um trecho que sugere que as mulheres devam ser proibidas de se organizar. O artigo simplesmente descreve as consequências dessas associações.
  • Pobre Paulista  19/12/2018 16:38
    Como disse acima, o vilão é o sistema jurídico. As feministas tem total direito de serem idiotas. Mas a idiotice delas só se torna prejuízo para os outros por causa do sistema jurídico.
  • Serj  09/03/2019 09:18
    Nenhum movimento em escala global é livre e espontâneo, pode ter certeza disto.


    Fico incomodado de ver tantas teorias de vários "filósofos" de direita ou esquerda e nenhum chega sequer perto da verdade.
    O significado disto tudo é dinheiro, simples.

    Após a crise de 2008, diversas empresas contrataram o Boston Group para que pesquisassem uma maneira de superar a crise de maneira mais rápida.
    O estudo foi condensado no livro "Women want more" de Michael SIlvertein. Ali mostra as diferenças de consumo entre o público masculino, feminino e lgbt. As mulheres gastam quase 50% mais que homens e os lgbt gastam quase 50% a mais que as mulheres.
    O homem deixou de ser um cliente relevante para as grandes empresas.

    Você acha que grandes corporações apoiam tantos progressistas a troco de banana? Todo movimento que recebe apoio desta turma é muito bem pensado, logo, nada espontâneo.


    Veja a Suécia; alguns dizem que é a Arabia Saudita ao contrário com suas políticas feministas como as lei que tentam diminuir a prostituição, as leis que incentivam as mulheres a trabalhar e aos homens e usufruir de licença paternidade.
    Tudo isto é por dinheiro. A Suécia é um país minusculo e com uma população em declínio.
    Enquanto as pessoas não começarem a se perguntar o real motivo das coisas, vão continuar sendo guiadas feito mulas.


    Abaixo, uma matéria da The Economist de 2006
    www.economist.com/leaders/2006/04/12/the-importance-of-sex

    "Forget China, India and the internet: economic growth is driven by women"

    "Furthermore, the increase in female employment in the rich world has been the main driving force of growth in the past couple of decades. Those women have contributed more to global GDP growth than have either new technology or the new giants, China and India"
  • Serj  09/03/2019 09:22
    É tudo sobre dinheiro!

    "Furthermore, the increase in female employment in the rich world has been the main driving force of growth in the past couple of decades. Those women have contributed more to global GDP growth than have either new technology or the new giants, China and India [...]

    Governments, too, should embrace the potential of women. Women complain (rightly) of centuries of exploitation. Yet, to an economist, women are not exploited enough: they are the world's most under-utilised resource; getting more of them into work is part of the solution to many economic woes, including shrinking populations and poverty."


    www.economist.com/leaders/2006/04/12/the-importance-of-sex
  • Pobre de Direita  19/12/2018 12:57
    Aqui no Brasil dá pra se ter uma noção dos malefícios dessa militância feminista nos índices de desemprego. Entre as mulheres está em 15%, enquanto entre os homens está em 11,6%. Claro que podem haver outros fatores nesses números, mas há de se considerar que muito provavelmente o feminismo pode ser um dos responsáveis.
  • Racooning Raccoon  19/12/2018 13:15
    "Os homens sofrem, mas quem sofrerá mais serão as mulheres honestas"

    PUTA Q PARIU como tem homem CUCK na direita, vcs realmente nunca aprendem.

    Eu vou ser bem curto e direto, já q esse sessão de comentários está uma punheta q nunca chega em orgasmo algum.

    Mulheres sao exquerdistas naturais, elas prezam a seguranca mais do q a liberdade;
    homens prezam a liberdade mais do q a seguranca, pois sempre foram os responsaveis pela sociedade.

    A maiorida esmagadora dos problemas sociais residem no VOTO UNIVERSAL, e não é nem necessário
    simplesmente tirar o voto feminino, pois temos uma minoria de mulheres q sao realmente independentes
    na sociedade, elas nao devem pagar o preço pela maioria q esta tendo um FREE RIDE na sociedade.

    Basta implementar o voto restrito, dando direito ao voto apenas a cidadaos independentes
    e q pagam imposto de renda, e em uma ou duas gerações a maioria esmagadora dos problemas
    do feminismo e do socialismo serao eliminados, pois apenas cidadaos responsaveis terao voz politica.

    www.youtube.com/watch?v=_ybpIBkQw-I
  • Revoltado  19/12/2018 15:19
    PUTA Q PARIU como tem homem CUCK na direita, vcs realmente nunca aprendem.

    Eu vou ser bem curto e direto, já q esse sessão de comentários está uma punheta q nunca chega em orgasmo algum.

    Mulheres sao exquerdistas naturais, elas prezam a seguranca mais do q a liberdade;
    homens prezam a liberdade mais do q a seguranca, pois sempre foram os responsaveis pela sociedade.


    ====Racconing Raccon, mereces aplausos de minha parte! É exatamente assim que a mente feminina funciona. Como sou um apreciador de transsexuais, posso afirmar que esta categoria também raciocina do mesmo modo. Poucos dias atrás estive pensando o mesmo: para cada sujeito vermelho que conheço, posso recordar-me de ao menos três ou quatro mulheres que são esquerdistas. Impressionante!

  • Rene  19/12/2018 15:28
    Essa proposta de voto restrito tem 100% de chance de ser barrada por inconstitucionalidade. E mesmo que fosse criada uma nova constituição que permitisse isso, seria impossível de ser implementada, pq os políticos tem incentivos para que pessoas pobres votem neles.

    Se você quer que os problemas do socialismo e do feminismo sejam eliminados, é só atacar o poder estatal. Sem o poder do estado de obrigar as pessoas a fazer o que eles querem, o próprio mercado expulsaria os socialistas e as feministas, sem que você precisasse fazer nada. Dê uma conferida neste artigo aqui
  • Questionador  19/12/2018 16:12
    q pagam imposto de renda

    Então quem paga imposto de renda tem que mandar em quem não paga?
  • Darius  20/12/2018 15:41
    Você é o verdadeiro Racooning Raccoon?

    Mas, de qualquer forma, o voto feminino é apenas um catalisador do processo de esquerdizacão - inerente a democracia -. Grupos de interesse sempre irão existir, e a população sempre tenderá a querer coisas grátis, o estado mínimo democrático não se sustenta.

  • Leandro C  05/02/2019 20:49
    Racooning Raccoon 19/12/2018 13:15

    Seu sabidão! matou a charada, hein!?
    Supondo que suas premissas sejam verdadeiras, países comunistas possuem mais mulheres que homens, enquanto os demais possuem mais homens que mulheres, só pode...
    aliás, todas as mulheres são iguais, não são indivíduos únicos cada qual? são só um coletivo? os homens também, o mesmo? isto não é justamente o que defende a esquerda?
    não bastasse, se você, "naturalmente", pensa de certa forma, então não poderá mudar de ideia? por acaso você já considerou que as mulheres, assim como os homens, possam pensar de certa forma também contaminados pela cultura de uma forma geral? sob o seu raciocínio, Ayn Rand, por exemplo, por ser mulher, seria mais de esquerda que Marx, já que este era, ao que se sabe, homem?
    Supondo ainda que esteja correto, o voto não universal, aristocrático sob qualquer critério, evitaria que as mulheres esquerdizassem as sociedades? evitou na China?
    A defesa feita por você quanto ao fato das mulheres independentes na sociedade não terem que pagar o preço pela maioria não contradiz sua premissa inicial de que TODAS as mulheres são naturalmente de esquerda e que você seria o pica das galáxias por ter decifrado o enigma?! você não deveria também aprender a lição da punhetagem não orgásmica que tentou passar a todos ao dar a lição de moral e de alta masculinidade no comentário anterior?
    Aliás, ainda que suas premissas estivessem certas e a solução dada não fosse completamente contraditória, você acharia mesmo conveniente que todas as mulheres, uniformemente, passassem a pensar como os homens uniformemente pensam?
    ... passo a refletir, em seus ensinamentos, que, partindo do pressuposto que me casei com uma mulher e que todas as mulheres, ao menos as não independentes, seriam irresponsáveis, devo ser uma espécie de monstro por deixar minha filha pequena aos cuidados da própria mãe sempre que saio de casa para trabalhar e manter as espécies através do ideal de liberdade...
    Enfim, que bom que você colocou um fim na discussão ao abrir os olhos de todos com sua refinada sabedoria!
  • Jenifer Viana  19/12/2018 13:40
    Trabalho em uma pequena empresa da minha família e estou em processo de admissão de funcionários. Queria muito contratar uma mulher por questão de sociabilização etc. Mas estive pensando justamente no quão complicado é contratar uma mulher, se for jovem então, torna-se ainda pior. Além do custo trabalhista, existe a tal da licença maternidade, que torna a mulher em idade fértil mais despreocupada em prevenir a gravidez(feministas me devorariam ao ler isso), e agora mais esse empecilho.
    Fico imaginando como eu faria para conseguir uma vaga de trabalho de fato interessante caso precisasse. Barganhar um salário um pouco menor dado a insegurança jurídica que se exporia a empresa em questão, mas aí caímos na armadilha do piso salarial, já que, infelizmente, minha profissão é regulamentada e nem toda empresa quer se arriscar juridicamente. Um contrato colocando termos acordados entre o contratante e eu, especificando motivos de desligamento da empresa, não sei se alguém aceitaria.
    Resumindo, existem inúmeras vantagens em se contratar um homem ao invés de uma mulher e isso só prejudica a nós mesmas, e cada dia inventam mais uma loucura para piorar essa situação.
  • Constatação  19/12/2018 14:26
    Redes sociais estão virando tribunais de exceção, onde o gado mal ouve uma denúncia (fundamentada ou não) e já sai sujeitando pessoas à execração pública.
  • usuário normal  19/12/2018 21:36
    "Gado" implica alguma forma de condução
  • thiago  19/12/2018 15:42
    as mulheres também vêm com suas delicadas mãos nos ombros ao fazer uma solicitação, ou com uma pegada na mão que não é apenas um cumprimento... se fosse um homem fazendo a mesma coisa... Mas concordo com a colega que disse que esse é um "movimento coordenado majoritariamente por feministas e pela esquerda. As mulheres normais não estão nem aí para isso e aceitam normalmente um elogio".
  • Questionador  19/12/2018 16:28
    Uma dúvida relativa à ética libertária, ou seja, vamos tirar os tribunais motoristas estatais da questão.

    Se um determinado empregador demite um funcionário com base em um boato falso, isso seria quebra de contrato? Teria o empregado o direito de processar o empregador?
  • Guilherme  19/12/2018 17:29
    Quanto drama, coisa mais simples é se livrar do convívio comprometedor com mulheres. No trabalho basta desenvolver habilidades profissionais para trabalhar remotamente, sem necessidade de frequentar diariamente um maldito ambiente corporativo e nos relacionamentos adotar o marriage strike, apenas relacionamentos sem grandes comprometimentos, não há mais nenhuma vantagem em relacionamentos profissionais dentro de escritórios e no casamento.
  • Ex-Gestor  19/12/2018 18:48
    Como ex-gestor de uma empresa extremamente progressista, eu fui responsável por contratar cerca de 5 mulheres (todas entre 23-27 anos). Todas de altíssimo nível profissional e competência. Contudo, eu tenho algumas dicas dado o cenário que eu me coloquei e como não tive nenhum problema:

    1) Se a sua empresa tiver na cultura reuniões de acompanhamento 1:1 sob nenhuma hipótese faça essa reunião sem alguém do RH e de forma registrada em ata/documento o que foi discutido e próximos passos. Se possível grave e explique o motivo;

    2) Happy Hour: A Recomendação principal aqui é de não ir em Happy Hour sob nenhuma hipótese. Lembre-se: o tempo é um recurso finito e ir para beber e discutir problemas da empresa com seus colegas de trabalho só mostra que você não está valorizando o seu tempo. Lição de moral corporativa a parte: nesses happy hours que costumam rolar paqueras, flertes, olhares que podem caracterizar assédio nos dias de hoje. E se tiver bebida isso piora muito. A melhor situação nesse caso é não estar exposto.

    3) ?Sob nenhuma hipótese faça contato através de whatssup, é demais mídias sociais (e.g. Facebook, Instagram, etc), faça contato somente em canais oficiais da empresa como e-mail (padrão ouro) ou mensageiros que a empresa pode ter o registro (Slack). Evite ao máximo ligações telefônicas sem gravar. Coloque tudo por escrito.

    4) ?Situações de mentoria: Se for requisitado pela profissional para que você seja o mentor não aceite. Relação de mentoria + precedência hierárquica = combinação perfeita para caracterização de assédio. Isso porque é um processo um pouco menos formal no qual você precisa lidar muitas das vezes com as limitações d@ profissional em questão e dependendo do grau de [i]maturidade d@ profissional as coisas podem se confundir pelo lado da pessoa; e aí ao invés de ser alguém que vai fazer transferência de conhecimento e ter uma relação de apresentar os caminhos da empresa e de carreira; você vai terminar como um psicólogo na grande maioria dos casos;

    5) ?Almoços e reuniões fora do ambiente de trabalho: nunca atenda. O artigo já explicou o porquê.

    6) ?Ao dar instrução para @ profissional em questão: nunca vá até a mesa e sim peça para que a pessoa traga a máquina dela e sente ao seu lado em que você fará (pode ser de forma comunicada ou não) a gravação da sua sessão de tela e com a gravação de webcam e áudio. Faça todos os passos, peça a confirmação de entendimento e ao final guarde em algum lugar.

    7) ?Não tenha nenhum tipo de relação em redes sociais: nem amizade nem nada. Se a pessoa fizer uma requisição não aceite. Isso tem dois motivos: a) evita que as pessoas saibam o que você está fazendo e comentem na manhã das segundas feiras para jogar papo para o ar sobre os seus hobbies ou divertimentos e b) Evita promiscuidade em relação ao relacionamento profissional, isso é, apenas o mínimo necessário pra fazer as coisas acontecerem serão ditas.

    8) ?Comunicação escrita: evite as palavras-chave: abraços, beijos, bjos, bj, abs, olá, etc. Comunicação tem que começar com um "Prezad@..." e acabar com "Cordialmente". Se possível nunca use saudações. A tática que eu usava era de manter estrategicamente na minha assinatura do e-mail da empresa algo como "Enviado pelo meu iPhone". Com isso eu matava três coelhos com uma só cajadada: a) escrevia uma mensagem curta, e b) não tinha que me preocupar com saudações que poderiam dar problemas e c) as pessoas realmente achavam que eu estava no iPhone e mandavam somente o necessário e melhor: não ficavam bravas com a brevidade e a falta de saudações.

    9) ?Roupas, Posturas, Perfumes: Nunca comente diretamente com a profissional. Leve de maneira formal com um e-mail em cópia carbono oculta para algum e-mail pessoal algo simples mas com detalhes para o RH fazendo a comunicação e pedindo uma reunião ou um guideline para lidar com essas situações. Nunca, jamais faça comunicação direta sem alinhamento com.o RH sobre isso. Tenha as atas das discussões e para o feedback esteja sempre com RH para modular a mensagem.

    10) ?Elogios e repreensão: aqui é a regra de ouro para qualquer profissional: nunca faça de maneira pública. No caso do post em questão sempre coloque um e-mail pessoal é o e-mail do RH (ou Business Partner se a sua empresa for mais moderninha) com a seguinte estrutura: Data > Fato > Elogio/Repreensão > Explicação Técnica. Faça o uso do RH de maneira inteligente. Esse setor está lá pra ajudar nesse sentido. É por fim...

    11) Tenha um diário de bordo: ter de maneira organizada todos os feedbacks positivos ou negativos dos seus subordinados em uma anotação (de preferência em algum arquivo de sua posse como Google Drive) com a estrutura: Data > Hora > Situação/Fato > Observação > O que foi feito. Isso ajuda em dois sentidos: a) Em situações em que você pode promover @ profissional e b) situações que você não pode promover. Isso desarma o RH quando quiserem te acusar de sexista se você não promover e/ou em situações que se você promover @ profissional e todos acharem que você está cavando relacionamento.

    No mais é isso, com esses cuidados básicos dentro da minha experiência 98% de todos os problemas estarão resolvidos na raiz.

    Aplicando isso não tive problemas e "de quebra" eu fui eleito como o melhor gestor na época e o gestor com mais "consciência de diversidade". Vai entender.
  • Andre  19/12/2018 19:03
    É serio que vocês nas grandes cidades estão trabalhando assim? Os consultórios de psiquiatria devem estar lotados.
  • Geraldo  19/12/2018 21:56
    Sim, André, em muitas empresas grandes ao redor do mundo é assim ou parecido. E se você falhar em qualquer dessas guidelines, está sujeito a ser demitido por justa causa.

    Pobre Paulista, apesar dos pesares, ainda acho menos ruim o uso de @ para indicar neutralidade de gênero do que "x" (ex.: "Prezadx"), que é o que mais tenho visto por aí (e que me dá uma raiva quando vejo). Daí vem a pergunta: por que não usar o "o(a)", que é o que se aprende na escola? É bem mais elegante.
  • Andre  20/12/2018 10:37
    E os jovens se candidatam para vagas de emprego como essas? Parece roteiro de 1984. O sistema educacional está tão destruído assim a ponto do indivíduo ver futuro em um sistema de trabalho tão degradante ?
  • Geraldo  20/12/2018 22:39
    Sim, André, as pessoas procuram emprego em empresas grandes porque acreditam que isso dá status - mesmo que elas trabalhem varrendo o pátio. Além disso, nas empresas grandes geralmente os funcionários são mais bem remunerados que nas pequenas. E como os jovens de hoje em dia só pensam em dinheiro e status...
  • Andre  21/12/2018 03:14
    Nos anos 80 meu pai após se formar era um projetista de 23 anos em uma metalúrgica e minha mãe uma contínua de 16 anos quando se conheceram, eu, razão do casamento de ambos fui feito no banco de trás de um Passat no estacionamento da empresa, o porteiro responsável pela vigilância displicente é meu padrinho e o ex-chefe do meu pai que o ajudou a se estabelecer profissionalmente e a comprar terreno para construir casa é seu padrinho de casamento e se vêem todos os finais de semana. Desde 2011 minha esposa, que também conheci em ambiente de trabalho, e eu vivemos no Paraguay e lemos espantados esses casos aonde o ambiente de trabalho se tornou um algo tão hostil e pouco familiar.

    Compreendo que os jovens atuais e eu incluso valorizamos mais o dinheiro e status, mas após pouco tempo trabalhando em empresa é fácil perceber que dinheiro não se faz trabalhando para os outros e que status é ter tempo para praticar o hobbie favorito. Ou estou enganado?
  • Geraldo  21/12/2018 12:54
    Sim, André, você está certo. O problema é que empreender requer muito esforço e os jovens de hoje em dia só querem moleza. É mais cômodo trabalhar para os outros do que tocar o próprio negócio. Como já foi explicado em outros artigos aqui mesmo no IMB, quem trabalha para os outros tem o seu salário garantido no fim do mês (contanto que cumpra direitinho as ordens do seu patrão), já o empreendedor nunca tem certeza se vai ter dinheiro para pagar as contas (um investimento errado, que ele não tinha como saber que era errado de antemão, pode significar o fim do seu empreendimento).

    Quanto ao status, hoje em dia os jovens pensam que é trabalhar numa empresa grande e famosa. Um exemplo: quem, especialmente os da Tecnologia da Informação como eu, nunca quis poder bradar aos quatro cantos do mundo: "Eu trabalho na Google!"?
  • Victor  21/12/2018 13:16
    Tenho nojo de gente que gosta de falar diretamente sobre seu emprego em eventos sociais, evito a todo custo relacionar com essa gente, quem tem isso como o primeiro tema que sai de sua boca já morreu por dentro, normalmente são os mais improdutivos e é essa gente que torna trabalhar em empresa uma rotina infernal, emprego é apenas um ganha pão e uma solução temporária para pagar as contas.
  • Pobre Paulista  20/12/2018 15:17
    A neutralidade de gênero é expressa gramaticalmente pela vogal masculina... Mas eu não preciso explicar, vc já sabia, né?
  • Pobre Paulista  19/12/2018 20:24
    Realmente, como gestor de uma empresa progressista, você aprendeu a assassinar o significado de gênero e do sinal de arroba ao mesmo tempo.
  • Dane-se o estado  20/12/2018 21:30
    Não há necessidade de tudo isso, é possível deduzir e criar um filtro de risco baseado nos trejeitos e na forma de falar e em vários indícios do comportamento da sujeita. É absolutamente impossível que toda a comunicaçaõ em uma empresa seja sempre formal e que não haja qualquer momento onde o jeito próprio das pesssoas se misturem, especialente em contato pessoal, mesmo num ambiente que se presa mais por linguagem formal, sempre é possível atravez até mesmo de entrevistas de emprego ou de promoção, verificar a perspectiva de mundo da pessoa e o quanto ela tem propensão e alinhamento com movimentos progressistas e esquerdistas. É possível atraves de uma gama de variáveis no comportamento, especialmente porque não existe ninguém militante destes movimentos que não adotem um perfil identitário de linguagem e postura e outros indícios equivalentes, seja em redes sociais, etc... Todos esses movimentos de esquerda adotam um linguajar feito para ser disseminado por engenharia social e trejeitos afins. É possível criar um filtro de convívio o suficiente, observando o entorno e os padrões.
  • Leandro C  05/02/2019 21:02
    Ex-Gestor 19/12/2018 18:48

    Pois gostei muito das dicas e certamente refletirei muito sobre elas; nossa reputação também é, de certa forma, um patrimônio para o qual nos dedicamos diariamente, importante demais para que permaneça completamente a descoberto;
    obrigado.
  • Anônima feminista  19/12/2018 18:56
    Cheguei na hora certa. O movimento Método foi a melhor coisa da quarta onda do feminismo. Seus bons efeitos não ficaram restritos a Hollywood. O metoo gerou uma poderosa discussão a respeito do que constitui assédio, cantada e abuso sexual. O mundo muda e o que antes era normal não é necessariamente adequado hoje. Estamos em um momento de transição e as coisas estão ficando mais claras. Houve núncias verdadeiras e algumas falsas. No entanto as denúncia falsas não são consequências do Metoo. Elas sempre aconteram. Pior do que existir denúncias falsas contra alguns homens é o enorme número de assédio e denúncias de mulheres que não são levados a sério. Pior era as mulheres sendo silenciadas como eram antes. O saldo do Metoo é positivo. Logo logo as coisas melhoram. As mulheres continuarão a trabalhar e ascender nos altos escalões e a se tornarem donas de negócios. As mulheres sempre enfrentaram os piores problemas e venceram a todos. Ainda a muito o que conquistar e ser alcançado. Esse efeito temporário é só mais um problema. Um problema minúsculo entre tantos. Está tudo bem.
    Quanto ao feminismo "considerar todos os homens predadores sexuais e pervetidos", não se preocupem. O feminismo considera predadores sexuais apenas os homens que são predadores sexuais. Eu tenho um noivo que é homem, tenho um pai que obviamente é homem e um irmão que é homem. Sou feminista e não os considero predadores sexuais porque eles não são. Os denunciados pelas hollywoodianas ou são predadores sexuais ou babacas que não sabem distinguir cantada de assédio. E olha que isso é bem fácil de distinguir. No fundo os homens sabem quando estão fazendo merda e mesmo assim preferem arriscar.

    Menos gente, menos. Vocês não precisam apelar tanto para comerem antifeministas e nem para afastarem feministas do site. As feministas não costumam vir aqui e as que vem (alguma vem?) não tem o menor interesse em homens de direita, principalmente fanáticos religiosos. E não fiquem tão apavorados pois se vocês não são assediadores nada de mal acontecerá a vocês. As mulheres norte-americanas não estão assustadas com o metoo. Por que vocês deveriam se preocupar? Garanto a vocês que as mulheres vencerão todos os obstáculos que aparecerem e que logo a situação se normalizará sem que os homens sejam todos fuzilados ou presos, rsrsrs, brincadeirinha. Ah, a reprodução da espécie continuará a acontecer também. Fiquem calmos. Respirem.

    Agora curem a vossa ansiedade e vão trabalhar. Voltarei em outra ocasião, principalmente se houver feminismo. Não que vocês conseguirão mudar um pingo da minha opinião.
  • Bruno Feliciano  20/12/2018 01:08
    E argumento economico cade? Só repetiu chavões prontos tirado de textos feministas, apenas palavras vazias sem lógica.
    Só afirmação pura.

    Estamos sendo legal ainda em avisar o tremendo tiro no pé que vocês estão dando, mas você não possui sequer arrumaçao intra-cromossomial especifica pra perceber isso.

    ''Vocês não precisam apelar tanto para comerem antifeministas e nem para afastarem feministas do site.''

    Pera ai, quem chega com adjetivo para calar o interlocutor são vocês, ad hominem é com vocês.
    Fique tranquila, ninguém aqui achou o pênis no lixo para se relacionar com uma feminista, como bem disse o comentário, mulheres de verdade estão pouco se lixando para esse movimento de fracassadas e mimadas.

    Alias, quem via ''FEMINISMO'' são alguns homens adeptos ao CUCKISMO e cultura de ser GADO, se aderem ao senso comum pelo status quo para garantir sua relação promiscua com alguma feminista. Ninguém aqui é degenerado assim, você esta confundindo com o seu circulo social.

    E o problema é de vocês ninguém liga, aguentem o desemprego e menores salários. Mas quando vier reclamar da média salarial, aguente a vergonha que vão passar - mais do que já passam - . Ignorar variáveis, fundamentos economicos e a realidade é a premissa da ideologia de vocês. A realidade não funciona como seu desejo, estaremos la pronto pra rir da cara de vocês como rimos atualmente.


    E os argumentos, cade? Show de lógica e argumentação dessa ideologia heim!
  • Darius  20/12/2018 21:48
    Houve núncias verdadeiras e algumas falsas. No entanto as denúncia falsas não são consequências do Metoo. Elas sempre aconteram. Pior do que existir denúncias falsas contra alguns homens é o enorme número de assédio e denúncias de mulheres que não são levados a sério. Pior era as mulheres sendo silenciadas como eram antes. O saldo do Metoo é positivo. Logo logo as coisas melhoram.

    Ora, se você começa um movimento contra um suposto assédio em massa acontecendo por baixo dos panos, é claro que haverá um incentivo para mulheres fazerem denúncias falsas, seja para acabar com aqueles que ela odeia, ou apenas conseguir holofotes na mídia(típico de feministas narcisistas). E não só isso, mas também haverá uma diminuição do padrão mínimo do que seria considerado assédio, quem resistirá às pressões da mídia de levar meras cantadas ou supostos destratos como literalmente estupro?

    Desde quando levar uma cantada é pior do que ser difamado publicamente e perder seu emprego e possivelmente ser preso?

    As mulheres continuarão a trabalhar e ascender nos altos escalões e a se tornarem donas de negócios. As mulheres sempre enfrentaram os piores problemas e venceram a todos. Ainda a muito o que conquistar e ser alcançado. Esse efeito temporário é só mais um problema. Um problema minúsculo entre tantos. Está tudo bem.

    Ótimo, explique então para nós como essa situação se reverterá, porque o que eu mais vejo é homens que evitam a qualquer custo meramente estar numa sala como uma mulher sozinho. A tendência será menos mulheres contratadas, menos mulheres convidadas a reuniões e menos relações de mentoria com elas, como isso não impedirá sua ascensão?

    Quanto ao feminismo "considerar todos os homens predadores sexuais e pervetidos", não se preocupem. O feminismo considera predadores sexuais apenas os homens que são predadores sexuais. Eu tenho um noivo que é homem, tenho um pai que obviamente é homem e um irmão que é homem. Sou feminista e não os considero predadores sexuais porque eles não são. Os denunciados pelas hollywoodianas ou são predadores sexuais ou babacas que não sabem distinguir cantada de assédio. E olha que isso é bem fácil de distinguir. No fundo os homens sabem quando estão fazendo merda e mesmo assim preferem arriscar.

    Então ser acusado falsamente de assédio e possivelmente perder seu emprego ou ser preso não é problema, não há nada do que me preocupar, isso é como dizer que os judeus na Alemanha nazista não tinham nada a temer, pois não cometeram crimes.

    Quanto aos que "assediam", culpá-los me lembra bastante da fala das feministas que não se pode culpar uma mulher que foi estuprada por ela usar uma roupa vulgar. Sim, só um homem idiota hoje tem coragem de socializar com mulheres no trabalho, mas isso não exime as mulheres dos seus crimes de falsas acusações

    As mulheres norte-americanas não estão assustadas com o metoo. Por que vocês deveriam se preocupar? Garanto a vocês que as mulheres vencerão todos os obstáculos que aparecerem e que logo a situação se normalizará sem que os homens sejam todos fuzilados ou presos, rsrsrs, brincadeirinha. Ah, a reprodução da espécie continuará a acontecer também. Fiquem calmos. Respirem

    Bem, não estamos preocupados, estamos dando uma recomendação, se vocês não quiserem seguir, apenas observem as empresas contratarem cada vez menos mulheres, homens que se recusarão a se relacionar a qualquer custo. Mas se vocês quiserem continuar tudo bem, quando a maior parte dos homens perceber completamente no esquema que foram inseridos, não será nós que vamos perder com isso.
  • Leandro C  05/02/2019 21:37
    Anônima feminista 19/12/2018 18:56

    "As mulheres continuarão a trabalhar e ascender nos altos escalões e a se tornarem donas de negócios. As mulheres sempre enfrentaram os piores problemas e venceram a todos."
    Que bom que pelo menos um dos gêneros é tão perfeito, por favor, passe depois a receita do sucesso para nós homens, vadios, covardes e perdedores por natureza.

    "Quanto ao feminismo "considerar todos os homens predadores sexuais e pervetidos", não se preocupem. O feminismo considera predadores sexuais apenas os homens que são predadores sexuais."
    Ou não é assim ou então mentem nas manifestações generalistas; ou ambos, conforme a conveniência.

    "Eu tenho um noivo que é homem, tenho um pai que obviamente é homem e um irmão que é homem. Sou feminista e não os considero predadores sexuais porque eles não são. "
    Melhor seria expressar mais amor por eles e deixar de feminismo, uma doutrina baseada tão somente no ódio, a metodologia metoo é apenas consequência.

    "Os denunciados pelas hollywoodianas ou são predadores sexuais ou babacas que não sabem distinguir cantada de assédio. E olha que isso é bem fácil de distinguir."
    As feministas não sabem distinguir um indivíduo de outro; e olha que isso é bem fácil de distinguir; no mais, nada pior que vítimas hollywoodianas, tadinhas... o Brasil inteiro deveria se engajar nessa campanha em apoio a elas...

    "No fundo os homens sabem quando estão fazendo merda e mesmo assim preferem arriscar. "
    eita, achei que conseguissem diferenciar entre predadores e não predadores... pois bem, no fundo as feministas sabem que estão fazendo merda e...


    "As feministas não costumam vir aqui e as que vem (alguma vem?) não tem o menor interesse em homens de direita, principalmente fanáticos religiosos. "
    O que vocês têm contra homens de direita? aliás, talvez nem todos aqui sejam, a rigor, de direita.... e isto, por oportuno, não é uma cantada.

    "E não fiquem tão apavorados pois se vocês não são assediadores nada de mal acontecerá a vocês."
    Ai, obrigado pela sua misericórdia...

    "As mulheres norte-americanas não estão assustadas com o metoo. Por que vocês deveriam se preocupar?"
    por que, de todo modo, toda imbecilidade gera consequências pelas quais todos pagam.


    "Garanto a vocês que as mulheres vencerão todos os obstáculos que aparecerem"
    Não se esqueça da receita...

    " e que logo a situação se normalizará sem que os homens sejam todos fuzilados ou presos, rsrsrs, brincadeirinha. "
    Tá, já chega se misericórdia, prefiro o fuzilamento mesmo...

    "Ah, a reprodução da espécie continuará a acontecer também. Fiquem calmos. Respirem."
    Isto foi um cantada!? Você está nos assediando!? e se eu não quiser respirar?

    "Agora curem a vossa ansiedade e vão trabalhar. Voltarei em outra ocasião, principalmente se houver feminismo."
    Ai que bom, já estou me sentindo bem melhor, obrigado; lembre-se que você é muito importante.

    "Não que vocês conseguirão mudar um pingo da minha opinião."
    Você já disse que era uma feminista logo no começo, não tenho a pretensão de tirar água de rocha... mas, achei intrigante que você tenha feito a provocação para que alguém tentasse... feminista e carente, pleonasmo vicioso... já dei a atenção, agora a receita de tanto sucesso feminino para compartilhar com os vis homens de direita.
  • Revoltado  07/02/2019 01:41
    Que bom que pelo menos um dos gêneros é tão perfeito, por favor, passe depois a receita do sucesso para nós homens, vadios, covardes e perdedores por natureza.

    ==== Espero que na receita de nossa "amiga" possamos descobrir podemos ser menos assassinados, menos propensos a suicídios, a morar na rua e demais mazelas que acometem um número de vítimas majoritariamente masculino de maneira avassaladora...

    Ou não é assim ou então mentem nas manifestações generalistas; ou ambos, conforme a conveniência.

    ==== Não é bem o que parece mesmo, amigo! Semana retrasada, jantando com amigos num domingo, uma conhecida minha contou-nos que tem uma amiga que de tão feminista, fala que mataria todos os homens do planeta, se pudesse. Para ser mais feminazista que isto, poderia também defender o tal "mito da Gaia" de que era para a Terra conceber apenas mulheres na raça humana...

    Melhor seria expressar mais amor por eles e deixar de feminismo, uma doutrina baseada tão somente no ódio, a metodologia metoo é apenas consequência.

    ====E o argumento dela não nos diz nada, pois conheço uma outra feminista idêntica, casada com um homem, mas que sempre destilava sua raiva e mania de perseguição influenciada pelo feminazismo. A situação foi tamanha que, pelo bem de minha saúde mental, desliguei amizade com ela em 2016 e não me arrependo. Se eu tivesse um amigo e soubesse que este pretenderia namorar qualquer uma delas, o alertaria para cair fora imediatamente! É quase como tentar domesticar uma aranha peçonhenta!

    As feministas não sabem distinguir um indivíduo de outro; e olha que isso é bem fácil de distinguir; no mais, nada pior que vítimas hollywoodianas, tadinhas... o Brasil inteiro deveria se engajar nessa campanha em apoio a elas...

    ==== Prova perfeita disso é que mesmo as que namoram/noivam/casam com eles continuam rancorosas com o sexo oposto. Mais coerente seria que se relacionassem entre si. O quê as impediria hoje, dado que o STF permite uniões homoafetivas desde pelo menos 2011, acho.


    O que vocês têm contra homens de direita? aliás, talvez nem todos aqui sejam, a rigor, de direita.... e isto, por oportuno, não é uma cantada.

    ==== A pergunta acho que saberia responder: homens de direita costumam ser conservadores. E conservadores entendiam as fêmeas, pois como grande parte delas vive de aparência e emoções, preferem investidas dos vida-louca/fácil da esquerda, que são conversadores, falastrões, malandros. Um Túlio Gadelha mais radical, digamos. Respondi isto à nossa "amiga" quando ainda estava por aqui.

    Ai, obrigado pela sua misericórdia...

    ==== E o quê seria um "assédio" aos critérios de nossa inclita e misericordiosa "amiga"?

    por que, de todo modo, toda imbecilidade gera consequências pelas quais todos pagam.

    ==== Incluindo as próprias. Além de perder oportunidade de crescer no mercado de trabalho entre os CEOs, perderão a credibilidade quando alguma situação desagradável excepcional ocorrer. Quem dará crédito a alguém que talvez chame "assédio sexual" um trivial "bom dia, como você está?" É o típico feitiço que se volta ao feiticeiro e com mais força que antes.

    "Garanto a vocês que as mulheres vencerão todos os obstáculos que aparecerem"

    ==== Então espero que elas aprendam a vencer por conta própria, sem pedir uma mãozinha ao Estado sugar-daddy como quase sempre ocorre. "Podem tudo, mesmo com salto-alto", desde que o plano B seja mendigar ao Estado algum privilégio...

    Tá, já chega se misericórdia, prefiro o fuzilamento mesmo...

    ==== Só quem não conhece compra esse discurso fajuto das feminazis...

    Isto foi um cantada!? Você está nos assediando!? e se eu não quiser respirar?

    ==== Hahahahahhahahaha! Boa! Usar a mesma arma contra elas é sensacional! Não tem jeito!

    Ai que bom, já estou me sentindo bem melhor, obrigado; lembre-se que você é muito importante.

    ==== De minha parte, faz falta nenhuma! Não sou eu quem chorará sua ausência...

    Você já disse que era uma feminista logo no começo, não tenho a pretensão de tirar água de rocha... mas, achei intrigante que você tenha feito a provocação para que alguém tentasse... feminista e carente, pleonasmo vicioso... já dei a atenção, agora a receita de tanto sucesso feminino para compartilhar com os vis homens de direita.

    ==== Sinto até pena do noivo... espero que acorde a tempo. Quem sabe é um sujeito legal e merece alguém melhor...
  • Anonima feminista  19/12/2018 19:06
    Descobri umas páginas de humor politicamente incorretas muito legais. Daqui a duas semanas passo elas pra vocês.
  • Anonima feminista  19/12/2018 19:37
    Falando em interesse das feministas por homens eu estive refletindo nos últimos dias, lembrando de algumas pesquisas, sobre o estranhíssimo fato das mulheres feministas se atraírem por homens machistas! Elas vão dizer que não é verdade. Mas é a verdade absoluta. Por machistas de esquerda que elas dizem que não são machistas, pelo menos enquanto estão com eles, mas que elas sabem que são machistas. Se relacionam com machistas e depois ficam reclamando. O que é muito curioso já que as feministas vivem falando mal do machismo. E não é de mim que estou falando. Não faço parte desse grupo. Estou falando de várias feministas que conheço. É claro que elas negam fazerem isso. Este fenômeno é ainda incompreensível para mim. A única explicação plausível é que o cara pode ser bom de cama. Não sei que outra vantagem poderia haver em continuar com um machista.

    Fora isso existe o caso mais estranho ainda das feministas casadas com bolsominions. Disso elas não tem culpa. Bolsonaro só apareceu depois do relacionamento está consolidado. Por sinal isto abalou muitos casamentos.
  • Leandro C  05/02/2019 21:40
    Anonima feminista 19/12/2018 19:37

    "...eu estive refletindo nos últimos dias..."
    Ué, mas você não era feminista!?
  • Leandro C  05/02/2019 21:45
    Anonima feminista 20/12/2018 18:33

    É o que você faz quando você ouve a palavra "macho"!?
  • Anonima feminista  19/12/2018 20:15
    Pensando em melhor eu passar as páginas engraçadas agora. Nunca se sabe o que pode acontecer amanhã. Posso nem estar viva. Procurem o blog da "Cleycianne e a igreja universal do reino das POCs" e o twitter da irmã Zuleide, @irmazuleide.

    É nojento e politicamente incorreto. Dá pra rir e descontrair porque é exagerado mas há um fundo de verdade. Acompanhem o Cabo Daciolo também. Tem uns de zoeira com a esquerda e com feministas (até feitos por gente de esquerda zoando esquerdistas mesmo) que eu adoro, mas estes eu não passo pra vocês porque vcs já devem conhecer.
  • Tarantino  20/12/2018 00:22
    Meu Deus do céu, nem sei como ainda nascem crianças hoje em dia...
  • rdnazev  20/12/2018 02:34
    Este movimento / lei é o equivalente a lei das domésticas, onde muitas domésticas, que viviam bem, muito bem mesmo, infelizmente, tiveram que ser desligadas, e hoje vivem como diaristas.

    Esquerdistas fazendo esquerdices, ideólogos fazem ideolodices. Leia-se para ambos, cagadas.

    Isso é dividir as classes pela lei, só que desta vez, o prejudicado será a minoria, já que guerrear contra a maioria não está surtindo efeito.

    Fora outros movimentos que estão surgindo.

    Só que o tiro acaba saindo pela culatra, porque os prejudicados sempre irão se voltar contra àqueles que criaram estes pseudo movimentos "libertários", que de libertários não têm nada.

    Mas ainda bem que a divisão de classes não está funcionando nem no sentido reverso.

    Graças à Deus, uma tática levada à exaustão, morre por overdose. E estamos vendo isto ocorrendo em todos os campos onde a esquerda andou.

    Estão engolindo do próprio veneno.

    Amém!
  • Mano  20/12/2018 03:34
    Aqui teve a PEC das domésticas, caso que muitos políticos fdp preocupados em arrecadar mais impostos, com o falso pretexto de ajudar as empregadas domésticas com mais direitos, acabou tendo um efeito contrário, um aumento significativo no desemprego e diminuição do salário ( visto que muitas deixaram de dormir no trabalho)
  • Imperion  20/12/2018 16:57
    Servou pra transferir parte do salario delas pros politicos. Erao que queriam
  • Anonima feminista  20/12/2018 18:33
    Boa tarde povo direitista miseano. Estão mais calmos que anteontem e ontem?
    Se não estiverem vale seguir uma dica:
    Toda vez que a ansiedade chegar por causa da palavra Metoo ou qualquer outro monstro imaginário lembrem-se que ansiedade é um mal-estar que não tem muito a ver com um perigo real. Se sentir a respiração ficar difícil sente-se em uma cadeira confortável. Alinhe cabeça, pescoço e costas. É importante usar roupas confortáveis e e estar num ambiente calmo, mas se não for possível você pode realizar esse exercício até dentro do carro preso em um engarrafamento infernal. Inspire o ar e conte mentalmente até três, expire pela boca e assim sucessivamente. Em uns 15 minutinhos você se sentirá melhor e não terá uma crise de ansiedade.
    Quando acalmar-se tente identificar os pensamentos que desencadearam sua crise e descatrastrofizá-los, questioná-los, vê-los sob uma perspectiva menos trágica. Logo você verá o mundo por meio de lentes mais realistas e tudo parecerá menos cinzento. É só isso. Você não está em perigo. Só na sua cabeça mesmo. Como disse o texto novo não haverá algo como um "apocalipse". As mulheres sobreviverão e os homens também. Até mais!
  • Tarantino  21/12/2018 00:36
    Não generalize experiências pessoais.
  • Moraes Sérgio  21/12/2018 13:32
    É sério isso???????
  • Dane-se o estado  20/12/2018 20:24
    O fato de haver mulheres que querem que cantadas de mal gosto seja considerado como assédio sexual passível do mesmo grau de punição de estupro só mostra o quanto o ego feminino é extremamente frágil. Acho engraçado quando chamam homens de frágil por defenderem postura masculina e viril, mas não há nada mais ridículo e frágil do que não aguentar uma cantada de mal gosto. Mulher é fraca, não tem desenvoltura psicológica pra responder a altura e vivem de vitimismo paranóico. Na vida real nem 1% dos homens que passam ao redor cotidianamente dessas devem dar atenção ou dirigir qualquer tipo de cantada, seja de bom ou mal gosto, e boa parte se quer deve ter interesse em muitas dessas. A disposição neurótica fixa em um espectro de experiências negativas e isola estas experiências generalizando. A arcaica e inconsciente neurose da mulher contra o desejo masculino e seu medo primitivo de ser dominada e penetrada, combinado com sua fragilidade emocional ao receber adjetivos é o berço ideal para essa histeria. Uma outra categoria de mulheres que tem fetichismo consciente ou inconsciente por homens dominadores e "grossos" enxegam esse desejo como ofensivo ao seu próprio narcisismo, negando-o, criando personas e identificando-se com ideologias opostas e "empoderadoras" criando como resultante a hipocrisia comum vista em feministas que se associam ou parecem atrair homens "predadores" vivendo em sua vida conjugal o exato oposto do que pregam e demonstram em sua persona pública.
  • Revoltado  21/12/2018 10:41
    Dane-se o Estado,

    Perfeitíssima análise! Poderia aplaudí-lo se pudesses me ver!

    Não por acaso concordo contigo e com o Raccon, no fato de que a mulherada tem uma tendência nata ao esquerdismo. Como sabemos bem, a Esquerda trabalha com as emoções e sendo este o sexo mais emocional e sensível, é um terreno fértil a toda essa histeria narcisista. Essa mulherada vive achando que os homens não se ocupam trabalhando e estudando, e que passam o dia todo masturbando-se em homenagem a elas...
    Se estivessem na pele de um cara mediano por uma semana, se suicidariam certamente. Já escutei coisas em meu trabalho e das próprias mulheres que faria a maioria delas depender de antidepressivos para viver.
  • Tarantino  21/12/2018 00:48
    Mais feminismo:

    www.youtube.com/watch?v=uIYyAaskfD4
  • anônimo  21/12/2018 14:03
    Fique tranquila, ninguém aqui achou o pênis no lixo para se relacionar com uma feminista, como bem disse o comentário, mulheres de verdade estão pouco se lixando para esse movimento de fracassadas e mimadas.


    =====Hahahahahahaha!
    Bruno Feliciano, prefiro passar o resto da minha vida com sífilis do que relacionar-me com essa tal Anônima Feminista! Deus me livre!
  • Anonima feminista  21/12/2018 16:06
    Anônimo 14:03. Assim fica difícil conversar. Eu sei que você odeia feministas. Não foi o que eu disse no meu comentário? O que eu falei no comentário foi a verdade. Elas não gostam de homens de direita. Por acaso falei alguma mentira? E o que eu falei também é que não há motivos para pânico com o metoo. Eu não acredito que todos os homens são predadores sexuais e são os predadores sexuais que estão sendo punidos. Sim, assediadores tambem estão sendo punidos. Quanto as cantadas grosseiras, nenhuma mulher é obrigada a gostar e ficar quietinha e caladinha quando recebe uma. Basicamente o metoo é isso. O saldo é positivo.
  • Anonima feminista  21/12/2018 15:49
    Amei que tenham publicado meus comentários. E também amei que tenham publicado as respostas. Por favor publiquem os seus piores pensamentos como o Bruno Feliciano fez. Eu não estou ofendida e coisas "piores" que essa também não ofenderiam. Oh, acho que meu ego extremamente frágil vai se quebrar com eles. Estou tão triste que nunca mais vou ler este site. Snif, snif.

    Tô falando sério. Adorei a publicação dos comentários. Virei aqui de tempos em tempos para discurtirmos alguns assuntos. Ah e eu falei a verdade. Mas dei boas risadas dos comentários agora. Perceberam que alguns se ofenderam com o meu comentário que não tem xingamento nenhum contra vocês, mas que só diz a verdade? E você sabe que não houve xingamento nem ofensa. Leiam outra vez.
  • Anonima feminista  21/12/2018 17:45
    Garotos, já são mais de 14h e se aproxima o natal. Não voltarei aqui até que passe o feriadão. Hoje estive livre para ler a internet o tempo todo até então. Mas agora terei de me ocupar com coisas sérias e também com um pouco de lazer. Como os comentários demoram um pouco para ser moderados eu não poderei lê-los até o fim do feriadão. No entanto após o natal, vou procurar este artigo para lê-los. Fiquem a vontade para comentar. Eu não estou chateada, nem tristinha, nem ofendida com os comentários. Na verdade eu não me importei nem um pouco. Eu não me importo com o que vocês pensam sobre as feministas e eu adoro ser uma. A única coisa com a qual fiquei preocupada de verdade foi em vocês pensarem que eu estava fazendo gracinha com o artigo da Brittany Hunter. Não fiz. Eu só li o artigo hoje um pouco antes de ler estes comentários. Além disso eu gostei do artigo dela. Se não gostam dos meu comentários podem bloquear ( o que é uma grande sacanagem) porque eu não vou parar de vir aqui. Feliz natal, direitistas miseanos!
  • Tarantino  22/12/2018 02:04
    Tá doidinha pra ser bloqueada pra ter motivo de ficar falando depois para suas amigas "Olha lá, não falei que esse pessoal é intolerante?"
    Nada de novo em se tratando da esquerdalha.
  • Revoltado  21/12/2018 19:04
    Anônima Feminazi,

    Assim fica difícil conversar.

    ====E quem disse que quero conversar contigo? Meu discurso foi indireto. Nada tenho pra dialogar contigo.

    Eu sei que você odeia feministas. Não foi o que eu disse no meu comentário? O que eu falei no comentário foi a verdade. Elas não gostam de homens de direita.

    ====Não me surpreende que não gostem! Homens conservadores são vistos como chatos, dado que são sinceros, honestos, realistas. Não prometem o céu e a terra, como os esquerdistas. Esquerdopatas sabem usar as emoções delas e sofismas bem elaborados, daí as conquistam politicamente e amorosamente até.

    Por acaso falei alguma mentira? E o que eu falei também é que não há motivos para pânico com o metoo. Eu não acredito que todos os homens são predadores sexuais e são os predadores sexuais que estão sendo punidos. Sim, assediadores tambem estão sendo punidos.

    ====E o que seria um predador sexual para ti? Simplesmente alguém que lhe diz "bom dia, tudo bem com vc?"

    Quanto as cantadas grosseiras, nenhuma mulher é obrigada a gostar e ficar quietinha e caladinha quando recebe uma. Basicamente o metoo é isso. O saldo é positivo.

    ====Ninguém aqui defende as tais cantadas grosseiras e a passividade das moçoilas! Já escutei das mulheres todo tipo de estupidez em teor pior que os supostos galanteios. Repito o que disse: uma semana na pele de um homem comum vos tornaria suicidas ou depressivas clínicas. Fato!
  • Renan Faria  21/12/2018 19:41
    Eu, ao longo da minha carreira, trabalhei com muitas pessoas diferentes. Sempre que trabalhei com homens, ou em equipes em que os homens eram maioria, o trabalho era mais fluido, as discordâncias eram expostas com mais assertividade, era mais divertido e sempre rolava happy-hour.

    Contudo, quando as chefes ou colegas eram, em sua maioria mulheres, era um inferno. Eu precisava ficar o tempo todo medindo o que falava, não tinha diversão, elas sempre se excediam nas discordâncias. Quando elas ficam bravas, falam uma série de grosserias, pois sabem que um revide nosso não é bem visto e parece agressão. Precisava ter um saco de titânio e uma paciência do tamanho do mundo.

    Só há um jeito de se conviver de forma saudável com mulheres, é sendo casado com uma que seja bastante devota e madura, do contrário, é só perturbação, choradeira, escândalo e aborrecimento.
  • Caio Joshua  22/12/2018 04:42
    Na nossa civilização (ocidental) há direitos e até privilégios para mulheres, e até acho certo em determinado grau. Mas é necessário que as mulheres, especificamente as feministas e outras histéricas, deixem esse discurso para o próprio bem.
    Homem são diferentes das mulheres, isso é fato e é algo bom, e se tratando de gestão e economia, precisam entender que os homens por terem um perfil mais voltado à liderança ou pelo menos por gostarem mais destas áreas de atuação, estão também envolvidos na contratação, manutenção e controle da maioria das empresas e outras "instituições" que geram oportunidades de trabalho e convivência. Ou seja, uma falsa acusação ou até mesmo discursos histéricos como esse #MeToo só tornam as coisas mais complicadas para aqueles que são inocentes, e isso envolve a maioria dos homens (no caso de não acreditar nisso, vejam os dados acima que mostram a insegurança mesmo de homens formados e de alto nível social). Discursos depreciativos podem ter efeito reverso. É necessário reconhecer isso até para não cometer o mesmo erro daqueles que consideram inimigo.
  • %C3%83%C2%B3rf%C3%83%C2%A3o  25/12/2018 15:09
    Cuidado com as generalizações!
    Porque existem homens e homens.
    otambosi.blogspot.com/2018/12/quem-e-o-grande-inimigo-do-brasil.html
  • anônimo  22/12/2018 14:34
    Mesmo antes dessa movimentação toda, quando fui a primeira vez para São Paulo eu tinha medo de andar de metrô nos horários cheios.
    Vai que uma mulher cismada apontasse para mim e eu fosse lixado....
    Sei lá...
  • Geraldo  22/12/2018 21:52
    Você quis dizer "linchado", né?

    Bom, realmente, por conta dessas feministas da quarta onda, nós que não nadamos em dinheiro temos medo de nos aproximar das mulheres. Um simples "oi, tudo bem?" já pode ser interpretado como assédio, exceto se o cara for bonito e rico; nesse caso, elas é que assediam...
  • Revoltado  26/12/2018 16:20
    Um simples "oi, tudo bem?" já pode ser interpretado como assédio, exceto se o cara for bonito e rico; nesse caso, elas é que assediam...

    ====Exato! Se o mancebo em questão tiver destaque social em qualquer critério (ou em todos), pode dizer qualquer grosseria pesada que será interpretado como "cara de atitude" ou "com pegada". Agora seja um cara mediano, para você ver! Um cumprimento basta para que te olhem ressabiadas...
  • Caius  24/12/2018 06:53
    Feminismo é movimento elitista, liderada majoritariamente por moças brancas de classe média alta que foram mimadas pelo papai e que atrai umas pé rapadas fracassadas e incompetentes que querem vencer na vida a base do grito.
  • Jaime Camargos  24/12/2018 19:55
    O maior problema do emprego para mulheres, como acontece no caso dos deficientes, é que os custos da política social do Estado Sociedade é simplestemenre transferida para as costas do Agente Empreendedor. Por exemplo, quando uma colaboradora engravida, o empreendedor individual além de arcar com o adiantamento dos salários no período de afastamento, tem também de arcar com os custos da reposição da mão de obra afastada. O Estado simplesmente transfere para o indivíduo empreendedor os custos da política social. O Empreendedor é que deveria ser indenizado pelo Estado pelo afastamento da funcionária, já que a sociedade concorda pagar pelo custo social. Quem em sã consciência dúvida que o agente empreendedor voltará contratar mulheres?
  • Revoltado  29/12/2018 13:21
    Jaime Camargos

    Lembrei-me agora de um vídeo do canal Idéias Radicais que fala sobre o colapso da França neste momento e um dos trechos que mais me prendeu a atenção, foi o de que a exigência por direitos provoca uma ruptura social imensa, dado que todos passam a antipatizar-se mutuamente: o que paga odeia quem recebe e vice-versa. Concordei de imediato com o rapaz (Rafael, parece) pois eu mesmo percebo já em mim este sentimento. Cheguei a Balneário Camboriú ontem e durante a viagem, uma moça sentou-se do meu lado e ali ficou até chegarmos na cidade vizinha. Confesso que olhei torto para ela e não lhe dirigi uma palavra sequer. Fiquei lendo e nada mais. Por quê agi assim? Se eu a cumprimentasse e puxasse conversa fiada eu poderia ser visto como um assediador querendo transar com ela no banheiro do busão. Senti um alívio quando ela desceu na próxima cidade...
  • anônimo  27/12/2018 01:46
    Alguém sabe dizer se a entrada de mulheres no mercado de trabalho diminuiu os salário pelo aumento da mão de obra?
  • Ricardo  27/12/2018 20:40
    A ideia é o cara trabalhar com uma caneta espiã, resolve parte do problema dele na empresa. Já tô cogitando andar com uma.
  • Revoltado  28/12/2018 00:39
    Ricardo

    Não duvidaria que isto se tornasse tendência no Primeiro Mundo...
  • JOANE  01/01/2019 03:25
    Só faltou culpar as mulheres por serem violentadas.
    Assédio sexual e estupro nem sempre deixam provas. Infelizmente. Nas vossas cabeças, o movimento #metoo é vitimismo. Muitas dessas moças foram abusadas quando crianças. Cabe a elas provar também? Ou tão perdoadas por vcs?
    Ou que tal culpar os deficientes por serem deficiente? Qual vai ser a próxima desculpa que vcs vão usar pra varrer as mulheres do mercado de trabalho?
    Um chorume de homens que não tem sequer o bom senso de conversar com sua mãe,irmã, mulher,amigas ou colegas sobre como é andar numa rua com medo de ser violentada e morta.
    Nossos egos estão frágeis? Ou será que estamos cansadas de passar pela mesma situação estúpida todo dia? Dizer que mulheres não passam 1% do que os homens passam é sinal de desconhecimento sobre como a masculinidade tem sido usada pelos homens pra machucar as mulheres e não é de hoje.
    E aí da mulher que denunciar, é feminista, mimizenta.
    Hoje , qualquer reclamação pra vocês é mimimi. São incapazes de uma autocrítica honesta em relação ao comportamento que dirigem as mulheres que não requisitaram suas investidas sexuais. Quem tem o ego frágil , então?
    E não se conformam quando um cara bonito, rico e melhor que vocês levam a garota. Na cabeça de vocês existe obrigação da mulher gostar de vocês e acabou. Como se todo homem só ficasse com mulheres pela personalidade delas.


  • Flávio Macedo  28/01/2019 03:19
    O típico "nós" do coletivismo, de uma pessoa que jogou no lixo a própria personalidade, que vive na pele a síndrome do stress pós traumático depois de ler centenas de fanfics no facebook.

    O custo-benefício de ter qualquer tipo de relação com mulheres já está no prejuízo há muito tempo, é questão de tempo pra que cada vez mais homens percebam isso.

    Ter uma mulher dentro de casa é como um cavalo de tróia. o "nós", controlado remotamente pela tv, pelas mídias sociais, tem feito com que cada vez mais as mulheres ajam de forma cada vez mais insana, projetando nos homens próximos tudo que há de ruim.

    Não é a toa que já existe um conceito nos eua sobre isso: NPC.
  • Revoltado  04/02/2019 12:04
    Ter uma mulher dentro de casa é como um cavalo de tróia. o "nós", controlado remotamente pela tv, pelas mídias sociais, tem feito com que cada vez mais as mulheres ajam de forma cada vez mais insana, projetando nos homens próximos tudo que há de ruim.

    ==== Flávio Macedo, é por esta razão que, pessoalmente, não tenho mais cultivado relacionamentos com as mulheres (exceto as garotas de programa e travestis). E se desejar relacionar-me amorosamente com alguém, preferiria mil vezes as mulheres transexuais que as chamadas "cis" no linguajar atual. Não tenho cabeça nem saco para insanidades em meu tempo livre! Pessoalmente ajo assim.
  • Leandro C  05/02/2019 22:23
    JOANE 01/01/2019 03:25

    Difícil concordar com seus argumentos, menos ainda com sua conclusão; pois o movimento é sim vitimista.

    "Cabe a elas provar também?" você acha certo praticamente condenar socialmente alguém sem prova alguma? destruir uma vida social, profissional etc sem prova alguma!? se alguém acusasse seu marido, ou seu pai, ou irmão (não sei também se você conversa com eles ou tem o bom senso que diz que seria obrigação os homens terem; é responsabilidade apenas deles conversar com você!?) sem qualquer prova, você acharia certo!?

    "Um chorume de homens que não tem sequer o bom senso de conversar com sua mãe,irmã, mulher,amigas ou colegas sobre como é andar numa rua com medo de ser violentada e morta. "
    Eu sou homem; acha que não tenho medo de andar na rua e ser assaltado e morto? tenho esposa e filha, acha que não temo por elas também!? Acha que consigo dormir sossegado a noite toda ou como responsável pela segurança delas eu não acordo a cada barulho e faço nova checagem das portas e janelas da casa? Acha que eu gostaria que uma das duas, ou quem quer que fosse, fosse importunada por algum maluco? tempos sombrios o nosso...

    "Nossos egos estão frágeis? "
    Talvez estejam, por isto o desastroso meToo; talvez o dos homens também esteja, por isto a repulsa pelo meToo; os tempos são sombrios, talvez todos os egos estejam frágeis. Mas talvez seja outra coisa, a generalização injusta é uma delas.

    "Ou será que estamos cansadas de passar pela mesma situação estúpida todo dia?"
    Infelizmente, não são apenas mulheres que passam por situações estúpidas todo dia... assim não fosse todos os homens seriam muito felizes, o que não parece ser verdade... aliás, se todos os homens fossem tão felizes assim, talvez até parassem de perturbar tanto as mulheres e estas também poderiam ser um pouco mais felizes... percebe que a conta não fecha!?

    "Dizer que mulheres não passam 1% do que os homens passam é sinal de desconhecimento sobre como a masculinidade tem sido usada pelos homens pra machucar as mulheres e não é de hoje. "
    Dizer tal coisa é mesmo uma estupidez; de todo modo, sendo diferentes, talvez mulheres não passem pelo que homens passam e homens não passem pelo que mulheres passem; aliás, talvez nenhuma pessoa passe pelo que outra pessoa passe e o sofrimento, assim como a felicidade, talvez seja uma medida, uma experiência, individual; justamente por isto que todo coletivismo talvez seja injusto.
    Não sei se a masculinidade está sendo usada pelos homens para machucar as mulheres; acho tal afirmação infundada e tenho que o que machuca mulheres, ou homens, são agressões, com teor sexista ou não, o que é desprezível, pois ninguém deveria ser agredido, sob qualquer circunstância, e o conservadorismo, bem como o libertarianismo repudiam toda agressão injusta; mas, enfim, busquemos o melhor para nós e para aqueles que amamos. Não sei como se defender eficazmente de toda e qualquer agressão; não tenho todas as respostas, pois também sofro ataques e, por vezes, acabo também atacando... viver bem é mesmo uma arte... mas, generalizar um dos sexos talvez não seja o melhor meio, muito menos o melhor fim.

    "E aí da mulher que denunciar, é feminista, mimizenta. "
    Aquela que usa do denuncismo vazio e sem provas incentivado pelo meToo para chantagear ou se vingar da vítima masculina não deveria ser tida apenas como mimizenta, pois destrói a vida não apenas de homens (já que, segundo as feministas, estes não têm qualquer valor) mas também de famílias inteiras (composta também por outras mulheres, já que apenas estas têm algum valor)

    "Hoje , qualquer reclamação pra vocês é mimimi. São incapazes de uma autocrítica honesta em relação ao comportamento que dirigem as mulheres que não requisitaram suas investidas sexuais."
    isto pareceu uma generalização que carece também de uma autocrítica honesta...

    "Quem tem o ego frágil , então? "
    Afinal, qual é o problema em ter, ou não, o ego frágil!? você tem o ego frágil a ponto de se doer se alguém assim a qualificar?

    "E não se conformam quando um cara bonito, rico e melhor que vocês levam a garota. Na cabeça de vocês existe obrigação da mulher gostar de vocês e acabou. Como se todo homem só ficasse com mulheres pela personalidade delas."
    Acho que isto vai de cada um, cada homem é de um jeito e cada mulher também; algumas mulheres também agem de forma um tanto perturbadora... inclusive podendo fazer uso do meToo como ferramenta de ataque, e não mais de defesa, e este é o mal aqui discutido; o meToo se presta muito mais ao ataque do que à defesa, portanto, naturalmente acaba se demonstrando ser muito mais uma arma na mão de mulheres mal intencionadas do que um escudo na mão de mulheres vitimadas;
    Não se está discutindo se mulher é boa ou não; se mulher é melhor que homem; discussões absurdas pelo óbvio. Apenas que a ferramenta meToo não é boa para os fins pelos quais todos acreditaram que foi criada, mas que certamente seu idealizador já tinha muito bem em mente o que queria: desestabilizar para ter oportunidade de lucrar.
  • Revoltado  06/02/2019 11:14
    Amo este vídeo, pois mete o feminazismo em seu devido lugar:



    www.youtube.com/watch?v=E5GfvMo2IGw
  • Revoltado  07/02/2019 02:13
    você acha certo praticamente condenar socialmente alguém sem prova alguma? destruir uma vida social, profissional etc sem prova alguma!? se alguém acusasse seu marido, ou seu pai, ou irmão (não sei também se você conversa com eles ou tem o bom senso que diz que seria obrigação os homens terem; é responsabilidade apenas deles conversar com você!?) sem qualquer prova, você acharia certo!?

    Eu sou homem; acha que não tenho medo de andar na rua e ser assaltado e morto? tenho esposa e filha, acha que não temo por elas também!? Acha que consigo dormir sossegado a noite toda ou como responsável pela segurança delas eu não acordo a cada barulho e faço nova checagem das portas e janelas da casa? Acha que eu gostaria que uma das duas, ou quem quer que fosse, fosse importunada por algum maluco? tempos sombrios o nosso...

    ==== Leandro C, empatia é tudo que essas feminazistas possuem de menos. O emocional e a mania persecutória falam sempre mais alto.

    Talvez estejam, por isto o desastroso meToo; talvez o dos homens também esteja, por isto a repulsa pelo meToo; os tempos são sombrios, talvez todos os egos estejam frágeis. Mas talvez seja outra coisa, a generalização injusta é uma delas.

    ====A sociedade ocidental toda adoeceu por metodologias como o malfadado #MeToo. Hoje mesmo, no trabalho, comentei como o mundo atual é chatíssimo! Essa geração floco de neve não suportaria a vida de 20 anos atrás, quando a palavra "bullying" nem conhecida era!

    Infelizmente, não são apenas mulheres que passam por situações estúpidas todo dia... assim não fosse todos os homens seriam muito felizes, o que não parece ser verdade... aliás, se todos os homens fossem tão felizes assim, talvez até parassem de perturbar tanto as mulheres e estas também poderiam ser um pouco mais felizes... percebe que a conta não fecha!?

    ==== Poderiam definir "situações estúpidas". O quê seriam, dada a histeria dominante? Passar por um canteiro de obras ou um boteco e ouvir assovios ou algo tosco como "oi, linda!"
    Já levei eu mesmo cantada de homem e inclusive ano retrasado, um chegou a oferecer dinheiro para que eu fizesse sexo com ele. O quê fiz? Chorei? Gritei que ele era um "predador sexual"? Não, recusei educadamente a proposta, explicando que gostava de mulheres e de travestis. Simples assim!


    Não sei se a masculinidade está sendo usada pelos homens para machucar as mulheres; acho tal afirmação infundada e tenho que o que machuca mulheres, ou homens, são agressões, com teor sexista ou não, o que é desprezível, pois ninguém deveria ser agredido, sob qualquer circunstância, e o conservadorismo, bem como o libertarianismo repudiam toda agressão injusta;

    ==== Leandro C, opino que é bem mais fácil a feminilidade ser usada como arma contra as virtudes masculinas. Note como é frequente a tentativa de feminizar o homem, considerando suas virtudes como primitivismo ogro. Nossa masculinidade as protege, mesmo porquê, ao menos no Brasil, quem tem mais chance de morrer em combates numa suposta guerra somos nós. Ou já viste feministas protestando pelo direito de alistar-se no Exército?

    isto pareceu uma generalização que carece também de uma autocrítica honesta...

    ==== Um pedido de autocrítica vindo dum seguimento que tem ataques de sudorese quando um homem lhes aborda na rua pedindo as horas ou a localização dum determinado lugar...

    Afinal, qual é o problema em ter, ou não, o ego frágil!? você tem o ego frágil a ponto de se doer se alguém assim a qualificar?

    ==== Leandro C, se qualquer uma dessas mimadinhas tivesse de suportar a indiferença que qualquer cara mediano passa por uma semana, se suicidariam, já que o eguinho de porcelana não aguentaria. Se vacilar, nossa "amiga" feminista deve ser relativamente bem tratada pela maioria dos homens por aí...

    "E não se conformam quando um cara bonito, rico e melhor que vocês levam a garota. Na cabeça de vocês existe obrigação da mulher gostar de vocês e acabou. Como se todo homem só ficasse com mulheres pela personalidade delas."

    ==== Leandro C, fiz questão de deixar a última frase dela para feedback, pois se há um grupo de homens que raramente é acusado de pretensamente "assediá-las" são os destacados sociais. Canso de ver sujeitos bem-sucedidos ou nascidos em berço de ouro sendo bem requisitados por essas, ainda que lhes fale qualquer vulgaridade digna de diálogo pornográfico. O queixume contra a masculinidade é apenas contra a macheza vinda dos homens medianos.
  • Leandro C  07/02/2019 03:44
    Revoltado 07/02/2019 02:13

    Ao contrário daquela tal "Anônima Feminista", esta interlocutora "Joane" pareceu-me honesta; de todo modo, é mesmo um tanto triste, injusto e, de certa forma, até irracional, ter que argumentar que a metodologia meToo não é boa não porque agride a todos os homens que, em absoluta maioria, são inocentes, mas sim porque acabaria agredindo também as próprias mulheres.

    Tenho que coletivizar as responsabilidades é o que a esquerda faz de melhor, a ponto de termos direitos humanos defendendo que bandidos seriam vítimas da sociedade (e muitos esquerdistas caíram nessa cilada); no meToo a moda é atacar a todos os homens porque, afinal, alguns são mesmo culpados. Então, o que fazer? atacar de volta as mulheres já, afinal, nem todas são tão santas assim!? Tentar convencer as mulheres de que prejudicar homens honestos só trará males ainda maiores, seja porque estes não terão por bem continuarem honestos, seja porque os canalhas irão ver o caminho livre? Tentar mostrar às mulheres de que, afinal, no mundo real, sempre que um homem é prejudicado injustamente então certamente também uma mulher o será, e vice-versa, pois tal homem provavelmente possui mãe-irmã-esposa-filha-namorada-etc!?
  • Revoltado  07/02/2019 19:01
    Leandro C,

    Eis aí um ponto crucial que não é cogitado pelas histéricas mentes lavadas pelo movimento #MeToo: todo homem tem ao menos algum contato feminino em tempo presente, ainda que se resuma à amizades no trabalho ou fora dele, em algum outro círculo social. Logo, não há como (o desejo oculto de várias delas) fazermos um Apartheid de sexo e lhes restaria aprender que encontrarão, ao longo da vida, diferentes tipos de homens, do mesmo modo que cruzamos com diversas categorias de mulheres.
    Parece tão simples, não?
  • Leandro C  11/02/2019 18:58

    Revoltado 07/02/2019 19:01

    Exato.

    O apartheid sexual defendido pelas feministas é algo tão idiota que deveria ser repelido por si só: por ser imoral!

    Mas, parece que isto não basta, temos que entrar no mérito utilitarista e então demonstrar que também será prejudicial a todos, e então isto também não basta; quando então temos que entrar no mérito utilitarista e demonstrar, tim-tim por tim-tim, o quão seria prejudicial às próprias mulheres... aí a ficha começa a cair um pouco (claro que não por completo).

    Tenho esposa e uma filhinha, vivo literalmente por elas e estou pronto a morrer por elas, elas são o meu propósito de vida. Claro que não quero que nada de mal aconteça a elas (assim como preferiria que não acontecesse com ninguém) e que nenhum cretino jamais se aproxime delas.

    Mas, o que fazer? alimentar uma moda doentia de que todos os homens (eu, inclusive!?) seriam monstros? não sei como isto me faria bem e nem como isso faria bem a elas... mentes doentias que perderam a mínima noção...
  • Leandro C  11/02/2019 19:28
    Revoltado 07/02/2019 13:58

    Os movimentos coletivos precisam do "pensamento mágico" para manter o gado em movimento, disto não há dúvida; com as feministas não seria diferente.

    Quanto às mulheres, há mesmo a crença geral de que sejam mais frágeis que homens; não que eu veja algo de errado com isto, fosse isso natural então não haveria nem como julgar ninguém, pois a natureza é que seria a "culpada" e, digo assim, pois somente seria culpada no caso de adotarmos tal parâmetro como algo ruim, ou seja, no caso de nos afastarmos demais da realidade em prol de uma idealidade inalcançável. Seria também uma viagem demasiada, assim como o feminismo o faz, então melhor manter os pés um pouco mais no chão.

    Ademais, não conheço tantas mulheres tão a fundo assim para acreditar, ou não, nisso; as mulheres de minha família (mãe e irmã) certamente fogem à regra, ademais, casei-me com alguém que aparenta fragilidade, mas que possui uma profunda força de vontade; minha filha é menina e ainda é muito pequena para que se possa dizer algo, apenas esperamos estar fazendo um bom trabalho; algumas namoradas realmente foram decepcionantes, entretanto, também decepcionei a muitas, enfim... tudo é muito complicado... prefiro acreditar que as pessoas são mesmo as pesssoas e só, isto é, cada indivíduo em cada momento possui determinadas características.

    Perceba que se os homens, como coletivo, ainda correspondessem aquele ideário de "macho" retratado nos filmes de faroeste como um homem viril e de valores fortes, a sociedade, independentemente de grupelhos, também não teria chegado ao ponto horrível que chegou, portanto, não posso nos achar, enquanto coletivo homem, tão inocentes assim na medida em que, no mínimo, fomos coniventes, senão partícipes.

    Se conheço poucas mulheres profundamente, transex então eu não conheço ninguém, sequer superficialmente; mas, nas raras vezes em que penso no assunto, tal situação específica me parece mais um motivo de tristeza do que de orgulho, então percebo o quão "preconceituoso" posso estar sendo... só que aí me lembro que também tenho que suportar tanta tristeza e frustração e olho ao meu redor e não parece ser diferente com ninguém que eu conheça... razão pela qual acabo achando injusto que alguém se diga mais vítima que outrem, que defenda que seu sofrimento é maior que o de outro, enfim... é tudo muito complicado mesmo...

    Por isto é que prefiro não coletivizar a questão, procuro apenas ser motivo de orgulho a todos à minha volta, não só às mulheres ou porque alguém reconheça, mas é que parece que a vida parece fluir mais facilmente assim; este é o meu propósito, o meu "pensamento mágico" e, não sei, adotei isto já há algum tempo e parece, sinceramente, que tem funcionado melhor do que antes para se obter um nível de felicidade maior... apenas percebo que há alguns escapismos melhores que outros: um é você querer o bem de quem está à sua volta, outro é querer o mal indiscriminadamente a um dos gêneros...

    Apenas tenho receio destes modismos que se julgam superiores, pois uma coisa (já terrível) é um homem fazer mal a uma mulher, recebendo o repúdio social de algum modo; outra coisa é muitas mulheres tentando criar a mentalidade de que todas as mulheres deveria fazer o mal a todos os homens. Assim como já é ruim uma mulher abortar e pior quando se defendem que todas o façam; assim como já é ruim que alguém tenha privilégio em razão da cor da pele e então um grupo defenda que todos que tenham a cor da pele do grupo também tenham privilégios...
  • paulo  21/04/2019 11:02
    Antigamente existia o princípio de presunção de inocência, você não é culpado de um crime até que seja provada sua culpa. Objetivo imediato do metoo é inverter isso, denúncias de estupro muitos anos depois da suposta ocorrência, de forma que não existe como provar nada, e se não houver punição para falsas acusações qualquer mulher pode acusar qualquer um visando benefícios financeiros, políticos ou vingança. As mulheres falam muito da época da caça as bruxas na idade média, mas agora fabricam sua própria versão e se orgulham disso. Que fique claro que sou contra o estupro, portanto se uma mulher foi vítima real procure a polícia faça os exames periciais e dê andamento. Tudo que movimentos como o metoo conseguem a longo prazo é desacreditar vítimas reais, tornar mulheres indesejáveis em ambientes de trabalho e sociais, e fortalecer o mgtow.

    Na definição antiga de estupro, havia agressão ou grave ameaça, quando você cria uma definição vaga ou ambigua, a comprovação tambem se torna. Se provas são desnecessárias, o que impede uma aventureira que tenha sexo comigo uma noite e se arrependa no dia seguinte de me acusar de estupro e me colocar na cadeia? E mais, se essa é a regra do jogo, porque eu deveria me arriscar chegar perto dessa mulher?

    É um fato que algumas pessoas foram abusadas quando crianças, e também um fato que tais movimentos são mais motivados a ganhar poder político 'empoderamento' do que ajudar tais pessoas.
    Os homens não querem varrer as mulheres do mercado de trabalho, mas um jogo justo, caça as bruxas não era justo no passado e não é agora. Vivemos em um país onde morre gente de todo tipo, o discurso 'morrem tantas mulheres' , morre tantos gays é motivado por desejo de poder , não justiça, ou essas pessoas estariam lutando por maior segurança jurídica para as polícias e penas mais pesadas para crimes violentos, não em ganhar 'direitos extras', sem contrapartida em obrigações.
    Sobre riscos de estupro, frequentemente os grupos que citam o assunto também brigam pelo desarmamento, tornando as mulheres extremamente mais vulneráveis, me aponte um criminoso de verdade que deixa de estuprar por causa de discursos do politicamente correto, e te mostro um unicórnio.
    Conversar com mulheres não era problema antes, hoje pode dar processo de assédio, então considere isso uma nova 'conquista' do feminismo, não julgue que o mundo dos homens é livre de todo tipo de assédio, humilhação, intimidação, etc. Pelo contrário, mas os homens costumam buscar trabalhar em lugares melhores sempre que podem e suportar o que não podem mudar. Qual foi a contribuição das mulheres ao sistema? Acrescentar o terror de acusações sem provas, o inferno corporativo não precisava de mais isso. Agora entendo porque na mística cristã o diabo solicitou a ajuda de uma mulher.
    Sobre egos serem frágeis ou não , se você aumenta o poder do governo sobre a vida das pessoas, supostamente se 'empoderando' , isso na verdade não indica um ego frágil, mas burrice. Uma vez que o governo controla o vocabulário das pessoas e sua intimidade, ele controla o coração o corpo e a mente das pessoas, é o sonho de qualquer estado totalitário, mas esperar que qualquer mulher influenciada pelo feminismo seja capaz de perceber o pano de fundo, é ser otimista demais.
    Equivaler masculinidade a estuprador é a prova máxima da má-fé, a maioria dos homens 'antiquados' nas sociedades ocidentais, faz o possível para proteger as mulheres de sua família e ás vezes é capaz de intervir para proteger desconhecidas, a maior parte deles despedaçaria estupradores se a lei os permitisse, tanto que os criminosos reais, que não respeitam leis , evocam o inferno sobre esses sujeitos.
    O efeito maior dessa falsa equivalência masculidade=maligna é que vários homens não vão se importar mais com mulheres, o respeito é um caminho de duas vias, portanto a tendencia será das mulheres cada vez mais se virarem sozinhas principalmente em casos reais de agressões, por exemplo eu tive um vizinho que batia muito na mulher, porque eu deveria intervir? Seria machista, mulheres empoderadas podem cuidar de si mesmas, e também foi o homem que ela escolheu, as mulheres adoram badboys e depois reclamam do resultado.
    O termo investidas sexuais é um tanto vago, se você fala em contato físico direto, é uma invasão do espaço pessoal, mas se fala de palavras, isso depende muito de quem está 'investindo', se como você disse for um cara bonito e rico, será visto como sedutor, afinal de contas qual o limite para um Christian Gray? O sucesso esmagador dos 50 tons de cinza entre as mulheres já responde muito sobre a questão, então quem realmente precisa fazer uma crítica honesta?
    Não ninguém é obrigado a gostar de ninguém e ninguém deveria ser obrigado por lei a contratar ninguém, seja homem, mulher, gay , indio , alienígena. O máximo que as pessoas deveriam ser obrigadas é tratar as pessoas da mesma forma que são tratadas, nem mais nem menos.
    Os homens gostam de mulheres atraentes sim, somos programados geneticamente para isso, mas para relacionamentos a longo prazo a personalidade conta, mas hoje, mulheres que acham que devem ter direito a tudo sem ter que batalhar por isso, que dormir com um homem lhes deve permitir arrancar seu dinheiro, que os filhos são propriedade exclusiva dela, que ser homem é um crime, que podem se aposentar mais cedo, tendo expectativa de vida maior, pagar menos pelos mesmos crimes cometidos por homens, ter prioridade nas políticas públicas, e ainda se considerar 'vítima do patriarcado', não iludam na questão de personalidade, a sua bunda pode atrair um homem, a personalidade, de forma alguma, e os mais espertos vão evitá-la totalmente, por mero instinto de auto-preservação.
  • Revoltado  18/01/2019 16:13
    www.youtube.com/watch?v=zyoCdar5nKs

    Campanha da Gilette condenamdo a "masculinidade tóxica" surfando na onda da #MeToo.

    Aí me chamam de exagerado quando dizem que homem hétero é perseguido pelo PC atualmente...
  • Flávio Macedo  28/01/2019 03:13
    Vamos lembrar disso pra sempre.

    Tenho barbeador elétrico philips há anos mas as vezes usava gillete.

    Não vou mais usar, simples assim. Quando nós, homens, que trabalhamos, que temos recursos, paramos de transferí-los a empresas que promovem ideologias progressistas, feministas, lhaslkfjdqistas, as coisas começam a mudar.


    Homens héteros, cis, são perseguidos atualmente, mas isso nunca dá certo no final, As pessoas que aderem ao PC não tem o discernimento para sequer pesquisar o que ocorreu em outros países.

    Prefiro ficar no meu canto, trabalhar, estudar, não gasto meu tempo com "lutas" pelos outros, sei o futuro dessas pessoas, sei o fim que terão, assisto, como um filme em que já sei o final.
  • Leandro C  05/02/2019 22:29
    Revoltado 18/01/2019 16:13

    Isto sim é bacana... iniciarei minha busca por substitutos à minha antiga Gillette,
    não tenho razões para me fidelizar a uma marca que me desrespeita abertamente.
  • paulo  21/04/2019 11:11
    Isso é uma questão interessante, o produto que uso é o Gillete Mach 3 é o que funciona para mim, já usei barbeador elétrico, mas não deu o resultado que eu queria, e não vejo barbeadores tradicionais no mercado que não sejam da Procter e Gamble, são praticamente um monopólio, quais produtos alternativos você sugere, e como obter?
  • Mgtow  01/04/2019 08:04
    m.youtube.com/watch?v=X_AHjlfwPsE
  • Revoltado  04/02/2019 11:30
    Vamos lembrar disso pra sempre.

    Tenho barbeador elétrico philips há anos mas as vezes usava gillete.

    Não vou mais usar, simples assim. Quando nós, homens, que trabalhamos, que temos recursos, paramos de transferí-los a empresas que promovem ideologias progressistas, feministas, lhaslkfjdqistas, as coisas começam a mudar.

    ====Correto, Flávio! É doendo no bolso deles que perceberão o tiro no pé dado.


    Homens héteros, cis, são perseguidos atualmente, mas isso nunca dá certo no final, As pessoas que aderem ao PC não tem o discernimento para sequer pesquisar o que ocorreu em outros países.

    ==== E por assutador que seja, muitas vezes nem dentro dos países em tela conseguem perceber a burrada em aderir a isso! Já li centenas de vezes na Internet comentários de brasileiros residentes ou de passagem na Europa contando que sim, uma parcela considerável dos nativos apóiam tudo que essa agenda progressista.

    Prefiro ficar no meu canto, trabalhar, estudar, não gasto meu tempo com "lutas" pelos outros, sei o futuro dessas pessoas, sei o fim que terão, assisto, como um filme em que já sei o final.

    ==== Veja Brumadinho, por exemplo. Quem enfiou-se no lamaçal gigantesco em busca de vítimas ou ao menos dos cadáveres soterrados e continuam a fazê-lo? Não há nenhum progressista/feministo/cuck/e quase certamente nenhum homem trans sacrificando-se. Nem entre os israelenses que ofereceram apoio logístico deveria haver um sequer deles... É quando tragédias ocorrem que "às vezes" lembram do valor que o homem possui e quão úteis são suas qualidades viris.
  • Serj  09/03/2019 09:35
    Cara, pode esquecer!
    Os governos e as grandes corporaçoes vão continuar incentivando isso, porque é criação deles.

    É tudo engenharia social e existe um propósito, veja os trechos desta matéria da The Economist de 2006:

    "Furthermore, the increase in female employment in the rich world has been the main driving force of growth in the past couple of decades. Those women have contributed more to global GDP growth than have either new technology or the new giants, China and India.
    [...]

    Governments, too, should embrace the potential of women. Women complain (rightly) of centuries of exploitation. Yet, to an economist, women are not exploited enough: they are the world's most under-utilised resource; getting more of them into work is part of the solution to many economic woes, including shrinking populations and poverty.
    [...]

    A woman's world
    What is clear is that in countries such as Japan, Germany and Italy, which are all troubled by the demographics of shrinking populations, far fewer women work than in America, let alone Sweden. If female labour-force participation in these countries rose to American levels, it would give a helpful boost to these countries' growth rates. "

    Como pode ver, citam a Suécia como bom exemplo. Lá é o suprassumo da engenharia social. Toda política na Suécia tem interesse de manipular a população - a proibição da prostituição, licença paternidade.... enfim, tudo isto por causa de uma baixa natalidade e uma população pequena.


    Ainda tem um estudo do Boston Group Consulting (The Boston Consulting Group's Global Inquiry into Women and Consumerism), mais recente, onde mostra que homens gastam menos que mulheres e lgbt, e além disto, gastam com objetos de maior valor. Por exemplo, uma moto, enquanto uma mulher gasta o mesmo valor com diversos objetos.

    Algumas bizarrices que aparecem são grupos de esquerda radical que perceberam que este movimento é algo criado por governos/empresas e tentam sabotá-lo.

    A minha dica é para que tente investir em empresas locais que não apoiem essas bobagens ao invés de comprar produtos dessas multinacionais lixo.
  • Raquel  06/02/2019 19:00
    Prefiro trabalhar com homens.Ambiente com muita mulher,me deixa estressada,fora que perco a concentração.
  • Revoltado  07/02/2019 02:29
    Prefiro trabalhar com homens.Ambiente com muita mulher,me deixa estressada,fora que perco a concentração.

    ==== Raquel, gostaria de ter recebido R$ 100 por cada vez que li/ouvi uma mulher alegando o mesmo. Algumas inclusive, estendem essa preferência para o campo das amizades; esta atitude é comum tanto entre as mulheres cis e as transex (que normalmente competem entre si pelo desejo dos homens, dentro do ramo da prostituição)
  • Raquel  07/02/2019 14:40
    Eu sou uma mulher trans,minhas melhores amizades são com mulheres,mas não nego que em muitos aspectos prefiro conviver com homens,não por questão de atração ou de seduzir os garotos,rs,mas por perfil de personalidade.Se tem uma coisa que abomino é fofoca,e onde tem mulher,a fofoca ta junto.
  • Revoltado  07/02/2019 18:45
    Eu sou uma mulher trans,minhas melhores amizades são com mulheres,mas não nego que em muitos aspectos prefiro conviver com homens,não por questão de atração ou de seduzir os garotos,rs,mas por perfil de personalidade.Se tem uma coisa que abomino é fofoca,e onde tem mulher,a fofoca ta junto.

    ==== Se me permite a gentileza, gostaria de dizer que, em particular, sou apaixonado por mulheres como você. Sei que pode até parece uma cantada, mas como escrevi dias atrás, só me relacionaria amorosamente/afetivamente com mulheres do teu perfil. Meninas como tu ainda mantêm muito da delicadeza que as cis perderam há tempos. E de fato, por experiência própria, aonde há mulher cis, a fofoca rola mesmo! É uma satisfação imensa encontrar alguém como você neste espaço.
  • Leandro C  07/02/2019 03:21
    Revoltado 07/02/2019 01:41

    Pois é, de início achei ela engraçada, depois foi dando um pouco de pena... a postura de lacradora, último biscoito do pacote, beijinho no ombro, cheguei no hora, já estou indo me aguardem, dou ordenzinhas banais, sigam minhas dicas, afinal, sou tão especial, é tão típica daqueles que acham que estão dominando, mas estão dominados... a propósito, nada contra qualquer destes dois grupos, só não considero saudável não fazermos ideia de onde estamos.
  • Revoltado  07/02/2019 13:58
    Pois é, de início achei ela engraçada, depois foi dando um pouco de pena... a postura de lacradora, último biscoito do pacote, beijinho no ombro, cheguei no hora, já estou indo me aguardem, dou ordenzinhas banais, sigam minhas dicas, afinal, sou tão especial, é tão típica daqueles que acham que estão dominando, mas estão dominados... a propósito, nada contra qualquer destes dois grupos, só não considero saudável não fazermos ideia de onde estamos.

    ==== Leandro C, as feminisras vivem numa espécie de "wishful thinking". Se julgam autosuficientes no que tange a convivência social conosco, mas não resistem ao mínimo baque emocional/psicológico que qualquer homem mediano enfrenta uma ou duas vezes por mês. Tenho dificuldades em sentir pena de tais mulheres, pois a natureza feminina tende bastante a ser progressista/esquerdista. Não por acaso mulheres como Margareth Thatcher e Ayn Rand foram surpeendentes, pois possivelmente num grupo de 50, seriam talvez as únicas a remar contra essa corrente. Entre as transgêneras, a procentagem infelizmente é ainda menor. Creio que de 100 transex, apenas uma ou duas enxergam que o esquerdismo não as querem mais que massa de manobra. Prefiro pessoalmente não tocar no assunto "política" quando saio com elas, para não estressar-me e frustrar meus encontros sexuais (programas) com as mesmas.
  • Mgtow  27/03/2019 22:49
    m.youtube.com/watch?v=X_AHjlfwPsE
  • Artur  06/05/2019 15:30
    MGTOW é o unico caminho.


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.