clube   |   doar   |   idiomas
Por que devemos tratar a foice e o martelo da mesma maneira que tratamos a suástica
Duas ideologias igualmente sanguinárias não devem ser tratadas de maneiras radicalmente distintas

Se você pedir a um cidadão comum para pensar nos dois extremos do espectro político, são grandes as chances de que ele irá imediatamente visualizar, de um lado, a suástica e, do outro, a foice e o martelo.

Independentemente de quais sejam suas visões acerca do paradigma esquerda-direita, ou mesmo se ele acredita na teoria da ferradura, este indivíduo (corretamente) irá pensar no fascismo e no comunismo como sendo as duas ideologias típicas dos extremos.

No entanto, e curiosamente, a rejeição a ambos os símbolos não é a mesma.

Ao verem a suástica, as pessoas imediatamente são remetidas aos horrores do regime nazista, com suas perseguições étnicas e seus homicídios sistematizados, e corretamente sentem uma total repulsa. Em vários países europeus, com efeito, ostentar publicamente uma suástica é crime. Dado que os nazistas foram responsáveis pela chacina de cerca de 20 milhões de pessoas, todos nós entendemos quão abominável é esta ideologia e corretamente a tratamos com desrespeito e repugnância.

Porém, como estas mesmas pessoas reagem ao símbolo da foice e do martelo? Em várias ocasiões, há aceitação. Na maioria das vezes, há apenas indiferença. O que leva à inevitável pergunta: por que a ideologia responsável diretamente por centenas de milhões de mortes não recebe o mesmo tratamento que a ideologia nazista?

Um histórico vermelho de sangue

Os atos inomináveis de Adolf Hitler empalidecem em comparação aos horrores cometidos pelos comunistas na antiga URSS, na República Popular da China e no Camboja, apenas para ficar entre os principais.

Entre 1917 e 1987, Vladimir LêninJosef Stalin e seus sucessores assassinaram 62 milhões de pessoas do seu próprio povo. O ponto de partida foi a Ucrânia, onde, de acordo com o historiador Robert Conquest, o regime comunista foi o responsável direto por 14,5 milhões de mortes.

Já entre 1949 e 1987, o comunismo da China, liderado por Mao Tsé-Tung e seus sucessores, assassinou ou de alguma maneira foi o responsável pela morte de 76 milhões de chineses (há historiadores que dizem que o número total pode ser de 100 milhões ou mais. Somente durante o Grande Salto para Frente, de 1959 a 1961, o número de mortos varia entre 20 milhões e 75 milhões. No período anterior foi de 20 milhões. No período posterior, dezenas de milhões a mais.)

O próprio Mao Tsé-Tung famosamente se gaba de ter "enterrado vivos 46.000 intelectuais", o que significa que ele os enviou para campos de concentração, onde ficariam calados e morreriam de fome.

No Camboja, o Khmer Vermelho exterminou aproximadamente 3 milhões de cambojanos, em uma população de 8 milhões. Este radical movimento comunista comandado por Pol Pot chegou ao ponto de ter como alvo qualquer pessoa que usasse óculos. Crianças eram assassinadas a baionetas.

No total, os regimes marxistas assassinaram aproximadamente 110 milhões de pessoas de 1917 a 1987. Destes, quase 55 milhões de pessoas morreram em vários surtos de inanição e epidemias provocadas por marxistas — dentre estas, mais de 10 milhões foram intencionalmente esfaimadas até a morte, e o resto morreu como consequência não-premeditada da coletivização e das políticas agrícolas marxistas.

Para se ter uma perspectiva deste número de vidas humanas exterminadas, vale observar que as duas grandes guerras mundiais do século XX, mais as Guerras da Coréia e do Vietnã, mataram aproximadamente 85 milhões de civis. Ou seja, quando marxistas controlam estados, o marxismo é mais letal que as principais guerras do século XX combinadas.

Os aliados

Ou seja, não é exatamente por falta de conhecimento. Afinal, assim como o Holocausto, os gulags da União Soviética, o Holodomor, os campos de extermínio do Camboja e a Revolução Cultural da China também são bastante conhecidos.

E, ainda assim, vários intelectuais, jornalistas e membros do meio acadêmico seguem orgulhosamente defendendo — e até mesmo fomentando abertamente — idéias comunistas. No Reino Unido, há jornalistas que abertamente apóiam o comunismo. Estátuas de Karl Marx foram erigidas por ocasião de seu 200º aniversário. Mesmo nos EUA, que sempre foi um dos países mais anti-comunistas da história, há hoje uma estátua de Vladimir Lênin na cidade de Seattle.

Tornou-se aceitável em quase todos os países do mundo (exceto na Polônia, na Geórgia, na Hungria, na Letônia, na Lituânia, na Moldávia e na Ucrânia) marchar sob a bandeira vermelha da ex-URSS, estampada com a foice e o martelo.

Para completar, Mao Tse-Tung é amplamente admirado por acadêmicos e esquerdistas de vários países, os quais cantam louvores a Mao enquanto leem seu livrinho vermelho, "Citações do Presidente Mao Tse-Tung".

[N. do E.: no Brasil, o PCdoB, que recentemente disputou a presidência da república como vice na chapa do PT, é historicamente maoísta].

Seja na comunidade acadêmica, na elite midiática, na elite cultural e artística, em militantes de partidos políticos, em agremiações estudantis, em movimentos ambientalistas etc., o fato é que há uma grande tolerância para com as ideias comunistas/socialistas — um sistema (de governo) que causou mais mortes e miséria humana do que todos os outros sistemas combinados.

Logo, por que exatamente duas ideologias igualmente odiosas e violentas são tratadas de maneiras tão explicitamente distintas?

"O comunismo real nunca foi tentado!"

A resposta pode estar no erro de percepção das virtudes.

Os nazistas, corretamente, são vistos como odiosos e malignos porque toda a sua ideologia é construída em torno da ideia de que um grupo é superior a todos os outros. Trata-se de uma ideologia inerentemente supremacista e anti-indivíduo, uma violenta crença que foi colocada em prática apenas uma vez por aqueles que a conceberam.

Sendo assim, simplesmente não há uma maneira justificável e aceitável para um fascista argumentar que "Ah, mas aquilo não era o nazismo verdadeiro...".

Já o mesmo, aparentemente, não vale para o comunismo. Ao contrário, vemos esse argumento a todo o momento. Aqueles na extrema-esquerda possuem um enorme guarda-chuvas sob o qual se abrigam todos os tipos de estilos comunistas: do stalinismo ao anarco-sindicalismo, passando pelo maoísmo, trotskismo, marxismo clássico ou mesmo pelo socialismo light.

E, dado que Karl Marx nunca implantou ele próprio suas ideias, os líderes dos regimes comunistas sempre usufruíram uma espécie de indulto para praticar suas atrocidades: quaisquer tragédias, descalabros ou crises criadas por regimes comunistas sempre podem ser atribuídas a um "erro" nas aplicações das idéias de Marx, as quais continuam sendo vistas como um mapa infalível para a utopia.

Convenientemente, os defensores desta idelogia sempre têm um passe livre para se descolarem completamente dos horrores do passado. Eles, até hoje, continuam se apresentando como pioneiros e desbravadores de uma ideologia humanitária que simplesmente ainda não teve a oportunidade de desabrochar por completo. "O comunismo de verdade nunca foi tentado!", gritam eles após cada novo fracasso do comunismo.

Agindo desta maneira, os defensores do comunismo podem, após cada novo fracasso, continuar impavidamente se apresentando como humanitários. Eles estão apenas lutando pela libertação da classe proletária e pela criação de um paraíso dos trabalhadores, arranjo este que nada tem a ver com os fracassos e falsos profetas anteriores. A atual geração de comunistas sempre será aquela que, agora sim, irá implantar o comunismo real, e não as deturpações que foram tentadas antes.

Na pior das hipóteses, tais pessoas são vistas apenas como seres ingênuos, mas ainda assim muito bem-intencionados.

Onde estabelecer os limites?

Este é o cerne da questão. Ao passo que o nazismo sempre esteve intrinsecamente ligado aos crimes de seus adeptos, o comunismo sempre conseguiu se distanciar de suas tragédias. Ninguém toleraria a presença de uma camiseta estampada com Adolf Hitler ou Benito Mussolini, mas a foto do maníaco homicida Che Guevara em camisetas e smartphones é amplamente vista como um símbolo de descolamento e de uma pueril ideia de rebeldia juvenil.

Logo, como estabelecer os limites? A ideologia comunista, em sua forma mais pura, sempre consegue se distanciar de suas efetivas implantações, mas a partir de que ponto seu tenebroso histórico irá conseguir desacreditar quaisquer novas tentativas de se implantá-la?

Como disse o economista Murray Rothbard: "Não é nenhum crime ser ignorante em economia, a qual, afinal, é uma disciplina específica e considerada pela maioria das pessoas uma "ciência lúgubre". Porém, é algo totalmente irresponsável vociferar opiniões estridentes sobre assuntos econômicos quando se está nesse estado de ignorância." 

Temos de dizer o mesmo sobre o comunismo. Continuar defendendo idéias e bandeiras comunistas não obstante o pavoroso histórico desta ideologia não é uma postura nem ingênua e nem muito menos bem-intencionada. A história do comunismo é tão sanguinolenta quanto a do nazismo; aliás, é muito mais sanguinolenta.

É hora de dispensarmos a seus símbolos e a seus defensores o mesmo trato que já dispensamos aos nazistas.

De resto, um lembrete aos esquerdistas, progressistas e socialistas de hoje que se arrepiam com a simples sugestão de que sua agenda pouco difere da dos maníacos nazistas, soviéticos e maoístas: não é necessário defender campos de concentração ou conquistas territoriais para ser um tirano. O único requisito necessário é acreditar na primazia do estado sobre os direitos individuais.

________________________________________________

Leia também:

Por que o comunismo não é tão odiado quanto o nazismo, embora tenha matado muito mais?


42 votos

autor

Richard Mason
é freelancer e editor-assistente do site SpeakFreely.today


  • Marcos  05/11/2018 16:43
    Essa foto, e apenas essa foto, já justifica qualquer razão para o voto em Bolsonaro.
  • FL  05/11/2018 16:50
    Não precisa aprovar meu comentário, mas faltou um "guerras" nesse trecho:


    "Para se ter uma perspectiva deste número de vidas humanas exterminadas, vale observar que as duas grandes guerras mundiais do século XX, mais as Guerras da Coréia e do Vietnã..."
  • Rene  05/11/2018 16:57
    Os nazistas começaram como aliados dos comunistas, mas depois se voltaram contra eles, atacando a União Soviética. Terminada a guerra, os nazistas não tinham nenhum aliado em pé. Aí aconteceu o tribunal de Nuremberg, onde a própria União Soviética tomou parte. Todo o alto escalão do partido nazista foi julgado, e a partir daí, como não havia ninguém mais a favor deles, tornou-se prática corrente demonizar Nazistas.

    Quando a União Soviética foi dissolvida, não aconteceu nenhum tribunal semelhante. Nem um único membro do partido comunista foi julgado por seus crimes. A KGB não demitiu um único datilógrafo. E por mais que tenha surgido livros e relatos sobre todos os males que eles causaram, as universidades, a mídia e os intelectuais ainda permaneceram defendendo este sistema.

    Ou seja, os sistemas passaram por um fim completamente diferente. Daí a diferença de tratamento.
  • anônimo  05/11/2018 17:36
    Sim, logo após a Segunda Guerra houve o Julgamento de Nuremberg, que visava desintoxicar a Alemanha e criminalizar símbolos, referências e ideias que favoreciam o nazismo. O comunismo não passou por esse julgamento, por isso estamos vivendo toda essa crise hoje.

    O porquê de não ter passado por esse julgamento eu ainda não sei dizer, preciso estudar mais um pouco. Mas até onde sei havia uma enorme necessidade da aliança com a Rússia na Segunda Guerra, e Stalin foi tratado como aliado por anos após a guerra. Talvez seja um dos motivos.

    Obs.: Toda a segunda guerra foi planejada por Stalin. Nada mais justo que tivesse passado por esse julgamento também, mas tudo veio a ser descoberto anos mais tarde após a sua morte.
  • Lavrador comum  05/11/2018 20:12
    "Toda a segunda guerra foi planejada por Stalin"

    Poderia nos elucidar mais? Fiquei curioso.
  • Yuri  05/11/2018 20:28
    www.fff.org/explore-freedom/article/setting-record-straight-stalin-used-hitler-start-world-war-ii/
  • Lucas Gonçalves  06/11/2018 17:55
    Vide ''O grande culpado - SUVOROV, VIKTOR''.
  • Estelauberaba  14/11/2018 13:20
    Verdade. Poderia elucidar para nós? Obrigada.
  • Ao q tudo indica  06/11/2018 22:20
    Essa falta de julgamento no final da urss é por conta q ela implodiu sozinha, sem dizimar população de países ocidentais, sem ser invadida por exercitos estrangeiros.
  • Diego  05/11/2018 16:58
    "Ninguém matou mais comunista do que os próprios comunista" - Olavo de Carvalho
  • Hiro  05/11/2018 17:00
    No colegial, tive um professor de filosofia comunista. Em certa aula, quando ele falava do comunismo como um sistema que era mais justo para a maioria, promovendo igualdade e acabando com o lucro exploratório de uma minoria, questionei a respeito da liberdade de escolha do indivíduo.

    A essa altura ele já defendia a eliminação dos que se opunham.

    Então questionei se matar pessoas por pensar diferente ou querer algo diferente do resto era justificável. Ele disse que sim, que se pelo bem da maioria do povo algumas pessoas tivessem que morrer em nome dessa justiça social, que assim deveria ser feito.

    Nesse momento, embora até ali tivesse visto lógica em todo aquele lance de mais valia e etc., não consegui aceitar de modo nenhum que um estado teria direito de dizer a uma pessoa como ela tem que viver, o que ela deve fazer e que ela não pode ser ou ter mais que os outros, independente do seu esforço ou capacidade. Achei isso um absurdo.

    Mas é como diz a matéria. Existe uma tolerância a esse pensamento socialista porque existe sempre o discurso da justiça social, da luta pela igualdade e etc.

    O nazismo foi justamente jogado no lixo da história porque pregava também uma segregação de ordem racial, com a ideia da superioridade ariana. Embora os comunistas não gostem de religião, nunca enfatizaram segregação racial em sua cartilha ou pelo menos não ressaltaram superioridade racial como modo de triunfar sobre outras nações.
  • João Paulo  05/11/2018 17:08
    "Embora os comunistas não gostem de religião, nunca enfatizaram segregação racial em sua cartilha ou pelo menos não ressaltaram superioridade racial como modo de triunfar sobre outras nações."

    Tá por fora, hein? Marx defendia abertamente o extermínio negros e indígenas, os quais ele via como raças indolentes. Aliás, ele também desprezava judeus (o que o coloca colega de nazistas), mas como ele próprio era um, ganhou um passe livre nessa.
  • Geraldo  05/11/2018 17:31
    O que mais tem em tudo quanto é faculdade no Brasil, inclusive as particulares, é gente que cultua o comunismo e seus líderes sanguinários. No meu tempo de universitário, eu às vezes passava na frente do prédio da faculdade de História e via o centro acadêmico deles repleto de cartazes de propaganda comunista, alguns deles com rostos de Che Guevara, Stalin, Mao etc. E a mim só restava lamentar a ignorância daquela gente.
  • Carlos maurício  05/11/2018 17:12
    Nazifascismo é crime, racismo é crime, homofobia é crime, antissemitismo é crime etc. Tudo é crime.

    Mas as doutrinas esquerdistas, como comunismo, socialismo, marxismo, gramiscismo etc., que geram cadáveres e sofrimento, não apenas não são criminalizadas, como ainda são bem vistas por todos, especialmente pelos bacanas e descolados. Nunca entendi isso. Não há inteligência ou mesmo senso crítico?
  • Andre Luis  05/11/2018 20:30
    O nazismo não desenvolveu suficientemente a arte de acusar suas vítimas dos crimes que eles mesmos cometem.

    O nazismo, na sua utopia assassina, queria construir uma sociedade melhor, e ao falhar vergonhosamente, não soube (ou não teve tempo de) expurgar seus líderes e acusá-los de agentes do inimigo, como sempre fazem os socialistas até hoje.

    O nazismo se fechou, e não conseguiu (ou não teve tempo de) tomar a riqueza de alguns países, e transformá-la em moeda de troca na conquista de outros, por meio da propaganda e compra de consciências.

    ...enfim, o que faltou ao nazismo foi TEMPO de estrada para reavaliar seus métodos, e um pouco mais de altruismo para dividir o butim com psicopatas estrangeiros.
  • Historiador  05/11/2018 20:34
    "O nazismo, na sua utopia assassina, queria construir uma sociedade melhor, e ao falhar vergonhosamente, não soube (ou não teve tempo de) expurgar seus líderes e acusá-los de agentes do inimigo, como sempre fazem os socialistas até hoje."

    Na verdade, você se engana. Os nazistas, como bons socialistas que eram, agiram como socialistas agem e também expurgaram dos seus:

    pt.wikipedia.org/wiki/Noite_das_Facas_Longas
  • Kelson Lima  05/11/2018 20:34
    Oi!

    Na verdade existe uma ideia legislativa que pretende "criminalizar" a apologia ao comunismo : www12.senado.leg.br/ecidadania/visualizacaoideia?id=71533
    Precisam de pelo menos 20000 apoiadores para que chame a atenção do Senado.
    Também seria viável , através de lei de iniciativa popular visar a criminalização da apologia ao comunismo, de forma similar que os juristas interpretam como "racistas" e "hediondas" asa apologia ao nazismo.
    É uma questão de juntar um milhão e meio de assinaturas.
    Considerando que o posicionamento das igrejas evangélicas, não é tão difícil, o problema é quem vai "bancar essa ideia" publicamente.
    Também tem a questão da constitucionalidade no STF (já que a maioria é de esquerda) mas com certeza o debate estará colocado e a sociedade terá que enfrentar essa questão num ambiente democrático "até onde o comunismo é mera teoria de organização do estado e a partir de onde sua influência coloca em risco a democracia.
  • um dois  06/11/2018 14:54
    Já teve um que conseguiu as 20k assinaturas e virou consulta pública:
    www12.senado.leg.br/ecidadania/visualizacaomateria?id=129761
    Vamos votar e espalhar nas redes sociais
  • Diego  05/11/2018 17:33
    Sou a favor de dar o mesmo tratamento a ambas (como diz o artigo), mas creio que nem nazismo e nem comunismo devam ser proscritos ou proibidos, pois são idéias, e por isso não creio que seja certo proscrever idéias. Por mais absurdas que sejam.

    Nós temos argumentos melhores que estas pessoas defensoras dessas teorias.

    Mas deve-se deixar bem claro que não faz sentido proscrever o nazismo mas ao mesmo tempo não proscrever o marxismo, comunismo, socialismo ou qualquer outro tipo de ditadura que prive a liberdade.
  • Sílvio  05/11/2018 17:38
    Discordo. Uma coisa é discutir ufologia, terapia de cristais, numerologia, homeopatia, campeonato brasileiro, qual a colega de trabalho que tem o traseiro mais jeitoso, as razões que levam alguém a comprar uma calça verde limão, a diferença entre mexerica e bergamota etc.

    Outra bem diferente é discutir formas de como eu serei desapropriado e submetido à escravidão. E de como serei assassinado caso ofereça resistência. Comunismo (e socialismo) é exatamente isso.

    Permitir uma merda dessas não é ser amante da liberdade, é ser retardado. No mínimo é ser masoquista.
  • Diego  05/11/2018 17:46
    Discordo de volta, as idéias podem ser absurdas. Mas ninguém tem o direito de definir que idéia deve ser proscrita e que idéia não deve. E não confunda a idéia com a agressão. Uma coisa é uma teoria estatal coletivista violenta, IDÉIA, outra coisa é a agressão iniciada, PRÁTICA.

    Se você começa a proscrever idéias, mesmo as mais absurdas, então acaba a liberdade de expressão.

    Digo isso pra socialismo soviético, nazismo, racismo, xenofobia e etc.
  • Silvio  05/11/2018 17:53
    É claro que pessoas têm esse direito de proscrever ideias. Se a idéia diz respeito a mim, e envolve o confisco de minha propriedade e até a extinção de minha vida e de meus familiares, então é evidente que eu tenho todo o direito do mundo de fazer a pessoa engolir suas palavras.

    Você pode ter idéias à vontade. Você pode imaginar mil e uma maneiras de me roubar e me matar. Você até pode se juntar para discutir essa idéia com a sua turma. Beleza, vai fundo. Porém, só tenha a fineza de fazer com que essa idéia não chegue a meus ouvidos.

    E não tem esse papo mole de teoria e prática como dois compartimentos perfeitamente estanques. Só teoria o cacete. Se a pessoa tem idéias, ela quer colocá-las em prática.

    Sou perfeitamente capaz de tolerar a divulgação e implementação de idéias completamente opostas às minhas. Só sou extremamente intolerante quando essas idéias me incluem. Se você quiser brincar de roleta russa, não vou te segurar (quando muito, vou dizer que essa não é a melhor opção para se passar o tempo). Só vou estressar quando eu descobrir que alguém teve a idéia de me incluir na brincadeira.

    Outra coisa: se alguém mantém um blog no qual diz que ser viado é errado, ninguém tem o direito de calar essa pessoa, do mesmo modo que ninguém tem o direito de calar a pessoa que diz que ser gordo é escroto. E você tem todo o direito de achar (e até de dizer para a pessoa) que quem diz disso é um merda. Nada demais. No entanto, se você passa a defender políticas de extermínio ou esterilização para esses grupos, sinto dizer, mas você tem que ser detido. Não estou falando em cadeia, quero dizer que o público alvo estaria legitimado a fazer você engolir suas palavras.

    Lamento ter que dizer algo tão óbvio, mas nem você e nem ninguém tem o direito de dizer como pessoas pacíficas devem ser mortas.
  • George Reisman  05/11/2018 18:07
    Enquanto os marxistas se limitam apenas a escrever, fantasiar e falar sobre a destruição do capitalismo e o consequente estabelecimento do socialismo, eles têm todo o direito de serem deixados em paz e não sofrerem qualquer tipo de moléstia, assim como tem esse mesmo direito qualquer outra pessoa que não agrida ninguém a não ser ela própria.

    Porém, quando os marxistas saem de suas fantasias e começam a colocá-las em prática no mundo real, cometendo confiscos e roubos à mão armada, tal ato cancela seus direitos à não agressão, inclusive seu direito à vida.

    O direito à vida, à liberdade e a não ter sua propriedade confiscada, o qual todos os homens possuem, carrega consigo o direito à autodefesa. O exercício do direito à autodefesa inclui matar aqueles que representam uma ameaça iminente à vida de uma pessoa. Inclui matar aqueles que são uma ameaça iminente à vida de um indivíduo que está apenas tentando defender sua propriedade. Ladrões armados querendo confiscar propriedades sempre representam essa ameaça, sejam eles marxistas ou não.

    Contrariamente ao que pensam vários intelectuais de esquerda, comunistas não têm o direito de matar dezenas de milhões de pessoas inocentes. Mais ainda: eles não têm o direito de reclamar quando suas almejadas vítimas reagem, impedem suas ações e, nesse processo, matam alguns comunistas.

    Se os marxistas que apanharam e morreram nas ditaduras latino-americanas (como no Chile) quisessem de fato evitar tal destino, eles deveriam simplesmente ter ficado em casa escrevendo livros e artigos, ou fazendo palestras, ou organizando marchas e protestos pacíficos. Eles certamente não deveriam ter feito planos para saquear a propriedade de terceiros.
  • Fernando  05/11/2018 18:46
    O socialismo deveria sim ser criminalizado. Hugo Chavez e Maduro forneceram armas para suas guerrilhas e fizeram de tudo para elas tocarem o terror na Venezuela. Nós tivemos sorte do MST ainda não estar armado com fuzis e granadas. Podem esperar, porque esse MST está crescendo e sendo financiado por políticos. Roberto Requião já até incentivou a luta no campo. Se um senador manda invadir terras, ele sabe que vai ter guerra, porque a propriedade privada ainda é respeitada, apesar de ter muitas desapropriações.

    A maioria dos socialistas mente para os pobres. Eles usam os pobres como massa de manobra e como guerrilheiros. Os militantes não são inocentes, mas a maioria é enganada. Esses militantes são pobres e qualquer um que prometa coisas como terras, casas e comida, terá um guerrilheiro pronto para perturbar a paz. É engraçado como nenhum socialistas manda os militantes trabalhar e procurar escolas, ou quem sabe abrir uma empresa. É gente criminosa que quer perturbar a paz.

    Enfim, um guerrilheiro marxista está tão barato que eles são comprados até com pão com mortadela ou cachorro quente.

    Nós precisamos cassar todos os partidos que fazem parte do Foro de São Paulo. Quem quer implantar ou manter o socialismo no Brasil, não pode fazer parte da democracia.
  • Insurgente  05/11/2018 19:02
    E foi justamente por causa de ideias e pensamentos concretizados que juntou-se o montante de mais de 100 milhões de pessoas mortas neste planeta. Dito isso, por qual razão escrever, criar blogs, e panfletar para disseminar ideias em que indivíduos pacíficos possam vir a ser mortos em detrimento de uma "causa maior", não pode ser considerado crime?

    Pouco importa se está no campo das ideias ou no campo real/concreto. Ambas as ações podem ocasionar a morte de pessoas livres vivendo de forma adequada e em sociedade.

    Tá na hora de parar desse Ain, ideias não podem ser criminalizadas, pipipi popopo.

    Cara, essas ideias comprovadamente, MATAM!
  • Foda-se o estado.  05/11/2018 22:40
    Concordo que não deve haver censura, mas lembro que o próprio Hoppe também alega que a apologia a ideologias cujo fundamento e fim é violação e agressão a propriedade de indivíduos assim como disseminação de incentivos que hajam contra a ordem natural e ao direito natural devem ser vistos como crimes e a ideia de remoção física é considerável. Hoppe é autor libertário anarcocapitalista e não dá ponto sem nó quando fala, nesse aspecto singular eu concordo com ele.
  • Foda-se o estado.  05/11/2018 22:43
    O que permeia esse pensamento de lunáticos comunistas é óbvio para qualquer pessoa normal. Mentalidade psicótica e prepotente, acreditam os marxistas serem realmente seres superiores ao qual a sociedade deve se submeter aos seus ideais e abstrações do que supostamente seria melhor para a sociedade. Um monte de charlatões fajutos, patifes e canalhas, psicopatas. Não confio em ninguém de defenda o extermínio de indivíduos e não se mate primeiro para dar exemplo. e mesmo que dê exemplo será apenas um idiota, não tenho obrigação de morrer pela ideologia de um imbecil qualquer que acha que o mundo e o universo deve se curvar aos seus ideais de lunáticos.
  • Eduardo  05/11/2018 17:43
    Outro grave problema de ordem moral é que nós temos nosso dinheiro roubado para que o socialismo seja ensinado no colégio e universidade com bons olhos, ao contrário do nazismo. Existem faculdades federais que ensinavam economia política marxista (isso mesmo). Ou seja, nosso suado dinheiro é usado para fazer apologia ao socialismo (e, de quebra, aos seus homicídios em massa). O mesmo não ocorre com nazismo. E nem deveria ocorrer, claro, nem com um nem com outro.

    Outra coisa: nosso suado dinheiro também é repassado, pelo fundo partidário, a partidos que defendem esses extermínios, como PSOL e PCdoB (não sei se PCB, PSTU e PCO também recebem por causa da cláusula de barreira).
  • Mercado Negro  05/11/2018 17:49
    Se usarem o governo para proibirem apologia a foice e martelo mais uma vez serei convocado para saciar a demanda das pessoas, cuidado com o que desejam.
  • Vinicius  05/11/2018 18:05
    Boa, governo Bozonaro poderia proibir os símbolos comunistas, eu faria um bom dinheiro vendendo souvenirs soviéticos para os jovens da "resistência". Nem precisaria traficar nada, seria tudo por impressora 3D.
  • Guilherme  05/11/2018 18:43
    Alguém viu "proibição estatal" em algum lugar? Eu vi apenas a defesa do boicote social, como eu mesmo já faço há muito tempo. É tudo apenas uma questão de levar as ideias a mais pessoas.
  • Insurgente  05/11/2018 18:41
    Você só existe por que o estado te alimenta.
  • Jairdeladomelhorqptras  05/11/2018 23:39
    Caro "Meercado negro",
    A sua observação me lembrou de uma pergunta feita ao político gaúcho de oposição, o Pedro Simon. O reporter perguntou a ele se o partido comunista deveria ser legalizado. Na época vigorava o regime militar e só tínhamos dois partidos: a ARENA e o MDB. Ele respondeu: " que ao legalizar o partido comunista se daria nome aos bois". Pois o MDB, partido de oposição ao regime militar, contava com vários comunistas que se abrigavam o sob a sigla do MDB, uma vez que a existência de um partido comunista era proibido.
    Me parece que a simples proibição não impede a disseminação das idéias comunistas nem sua existência e militância . Ao contrário, os comunistas sempre foram bons de clandestinidade. Creio que até seria um estímulo. Mais ou menos como a proibição da maconha para os jovens.
    Abraços
  • Breno  05/11/2018 18:05
    O mais legal é que a suástica, ao menos historicamente, já foi um símbolo de paz e comunhão, mas ganhou uma má reputação por causa dos nazistas. Podemos dizer o mesmo da foice e martelo? Óbvio que não.
  • Tony  12/11/2018 03:01
    A suástica usada pelos nazistas tem os braços invertidos...
    Não lembro bem, mas na origem hindu, cada tipo tinha um significado...
  • Felipe Lange  05/11/2018 19:43
    Foda que aí vem algum professor de esquerda falar que deturparam Marx, só pelo fato da tomada de poder ter sido feita por uma elite intelectual (no caso da URSS) e não por proletários. E que diferença faz? Nicolás Maduro era motorista de ônibus e só de entrar dentro do estado, já se tornou parte de uma elite e já está fazendo a sua chacina. Lula queria ir pelo mesmo caminho, mas o partido quis ser mais pragmático, ao contrário do Hugo Chávez.

    Agora, penso eu, imagina se eles seguissem tudo que o Marx pregou, ao pé da letra? Iria matar muito mais gente.

  • Adelson  05/11/2018 20:41
    Um dos livros mais interessante que li em minha vida foi a biografia de Hitler do Joachim Fest. Fica evidente que Hitler foi profundamente influenciado pelos métodos políticos dos partidos comunistas, que nas décadas de 1920-30 tinham grande força na Europa e principalmente na Alemanha.

    O Partido Nacional Socialista tinha uma estrutura de organização e métodos de propaganda muito similares às organizações revolucionárias preconizadas por Lenin, e quando os nazistas venceram as eleições adotaram uma estratégia muito parecida com a "ditadura do proletariado". Hitler teve ainda o vislumbre de organizar uma milícia paralela (as SA), inicialmente cooptando os segmentos mais excluídos da sociedade, que posteriormente constituiu a espinha dorsal de sua violenta ação política.
  • Imperion  05/11/2018 23:13
    O comunismo promete o paraíso, com o qual todo mundo sonha. Sem trabalho, tudo pertencendo a todos. Nada de trabalhar, no paraiso tem de tudo de graça. Deus proverá. No caso o estado, sabe se la de onde.mas em realidade é extorquindo e escravizando quem produz.
    So que sem trabalho, producao, nao ha o que consumir.
    Mas pros comunistas consumir é pecado. O erro ta no consumidor. Pra eles tudo é consumismo .
    Pra eles o consumismo gera a pobreza. Pra eles a produção nao pode ganhar da escassez
    O arranjo comunista morre quando quem produz se recusa a ser escravizado. Quando quem produz faz greve, isto é para a produção, nao tendo producao a qual suprir as demandas dos conumidores, a fome impera , a economia implode. Quem produz o faz so para o seu sustento, nao para o sustento de todos.
    Comunistas falam que sao contra escravidão do trabalhador, mas aca certo escravizar quem produz. A simples recusa de produzir por.nao ganhar ja vira crime.
    Comunistas obrigam a população a valorizar suas ideias, por via extorsao. Porque sabem que quem realmente trabalha nao daria nada pra quem nao trabalha.
    No comunismo quem realmente trabalha é prejudicado, ha quem nao faz nada util, recebe tirado do primeiro.
    Isso dura ate quem produz desistir e passar a querer receber sem produzir tambem. Dai sem producao ninguem come ou consome. Nem os líderes.
    Infelismente é quando acaba ate o dinheiro que compra as balas que fazem a.populacao trabalhar de graca, é que o regime cai.
  • Jefferson  05/11/2018 23:47
    Há essa diferença porque infelizmente as pessoas no geral costuma analisar esses regimes por suas pelas intenções de seus idealizadores, e não por suas consequências. Se fossem ambos os regimes analisados não pela teoria, mas pela prática, não por intenções, mas pelas consequências, as pequenas diferenças cairiam por terra.
  • Pérsio   06/11/2018 00:13
    Mais um artigo excelente do Instituto Mises.
    O comunismo matou muito mais gente do que o nazismo. Se a suástica deve ser proibida pelo que ela simboliza, proiba-se também o odioso símbolo da foice e do martelo. Quando nada, pelo respeito às vítimas do comunismo bem lembradas pelo autor (URSS, China, Cambodja, Cuba). Comunismo não é doutrina, é um câncer a ser extirpado da face da Terra.
  • AGB  06/11/2018 00:17
    Recentemente li um artigo sobre um projeto industrial realizado na Rússia estalinista em 1945. Apesar de manter um viés laudatório, o autor, de nacionalidade russa, expõe francamente todos os problemas enfrentados e erros cometidos. Mas o que chama a atenção do leitor é o relato sobre o destino dos técnicos encarregados da execução de tal projeto. Dois foram condenados à morte, outros quatro aprisionados em campos de concentração (gulags) e vários exilados para os confins daquele território. Uma acusação comum era de "cosmopolitismo", isto é, propor a adoção de tecnologia norte-americana ou da Europa Ocidental para superar as carências do sistema soviético. A delação por companheiros também ocorria com frequência. Porém, o mais chocante é a atitude de autor: em nenhum momento ele critica essas atrocidades. Para o leitor fica a impressão de que esse homem não só aprovava os métodos desumanos mas ainda os considerava absolutamente normais.
  • anônimo  06/11/2018 02:14
    Não existe nada mais irônico do que um esquerdista falar sobre direitos humanos.
  • Sabio  06/11/2018 01:22
    Eu não concordo. Nazismo é muito diferente de comunismo. O primeiro tem uma orientação primária de ordem racista, supremacista, genocida, totalitária, totalmente desumana. Prega abertamente e de maneira indissociável o massacre/extermínio do diferente. É uma ideologia do ódio e má intencionada por natureza, como todas de extrema direita. Não serve para nada. Já o comunismo, embora não tenha dado certo em lugar nenhum, busca a igualdade, o respeito ao próximo, dar a todos uma vida digna, sem distinção de sexo, raca, orientação sexual, etc. É uma ideologia bem intencionada , não obstante seu fracasso na prática. Serve ao menos como norte de como as coisas deveriam ser, sem contudo nunca chegarmos a elas, pois trata se de utopia. Pode ser útil como meio de humanização do capitalismo.
  • Iluminado  06/11/2018 04:19
    "Já o comunismo, embora não tenha dado certo em lugar nenhum, busca a igualdade, o respeito ao próximo, dar a todos uma vida digna, sem distinção de sexo, raca, orientação sexual, etc. É uma ideologia bem intencionada , não obstante seu fracasso na prática."

    Ah, sim, muito bem intencionada, respeitosa e digna...

    Trata-se uma teoria que prega abertamente o confisco, a escravidão e o assassinato dos "reacionários" que oferecerem resistência a essa violência.

    Trata-se de uma ideologia que quer proibir a excelência individual e que quer anular todo e qualquer traço de individualidade, transformando seres humanos em formigas escravizadas.

    Tão bela e moral quanto à sua ética.

    É impossível haver comunismo e socialismo sem homicídios em massa.

    O socialismo inevitavelmente requer uma ditadura
  • Amante da Lógica  06/11/2018 04:28
    Se você considera o comunismo/socialismo uma teoria bem intencionada, então você está claramente se dizendo favorável ao roubo à mão armada e ao homicídio em massa, pois a única maneira de você confiscar os bens das pessoas (principalmente os meios de produção dos capitalistas) é estando armado e disposto a matá-las caso haja resistência.
  • Sideshow Bob  06/11/2018 10:54
    Assim vocês chateiam o mortadela
  • Foda-se o estado.  06/11/2018 01:26
    Comunista é o que existe de pior e imundo de forma dissimulada na natureza humana!
  • Sabio  06/11/2018 02:36
    Por que vcs não escrevem sobre a loucura que é a ideia do Bolsonaro de transferir a embaixada brasileira de Telaviv para Jesuralém? Vcs acham razoável o Brasil comprar essa briga que não nos diz respeito e expor a população brasileira, incluindo crianças, à fúria terrorista de radicais islâmicos? Acham certo o Brasil por em risco os negócios com os muculmanos, grandes compradores de carne brasileira, em nome de uma maluquice e fanatismo ideológico defendido pelo extremista Olavo de Carvalho? Não acham que a brincadeira está indo longe demais? Antes era o extremismo do PT pautando a política externa. Agora será da extrema direita. Que tal por o interesse brasileiro à frente e fazer uma política externa séria, sem molecagem?
  • Anti-Estado  06/11/2018 12:39
    Guardando lugar na primeira fila para acompanhar de perto as respostas! Vai ser divertido :-)
  • Pérsio  06/11/2018 15:58
    Eu acredito que Jair Bolsonaro pretende transferir a embaixada brasileira para Jerusalém por dois motivos:
    1) mostrar que cumpre uma promessa de campanha (diferente dos outros políticos);
    2) assinar um acordo com Israel (comercial, militar, científico etc.)
    Israel está muitos anos a frente do Brasil em tecnologia. Se o preço de um acordo ou tratado desse tipo exigir a mudança da embaixada brasileira, ainda assim sai barato.
  • Sabio  07/11/2018 01:24
    Os mulcumanos são bilhões de pessoas. Israelenses são só alguns milhões. É muito mais negócio fortalecer relações com os primeiros. Segundo, o risco não desprezível de haver um ataque terrorista, que pode aniquilar a vida de centenas de pessoas inocentes, por si só já torna absurda a transferência da embaixada. Terceiro, se os terroristas resolverem mesmo vir pra cima do Brasil, a direita brasileira, pelo menos essa extrema de Olavo, Bolsonaro, Nando Moura, PSL, nunca mais voltará ao poder. A população não perdoará as vidas dizimadas, as crianças mortas. Vcs estão cavando a própria cova com tamanha irresponsabilidade e burrice. O Brasil não teria defesa nenuma contra um ataque desses. Nada justifica seguir apostando nessa ideia insana de comprar briga com mulcumanos. Então, é hora de deixar a ideologia de lado e por a mão na consciência. O Brasil tem que se manter neutro e tentar promover uma relação fraterna tanto com israelenses quanto com mulcumanos.
  • Pobre Paulista  07/11/2018 14:35
    De uma maneira geral, qualidade é melhor do que quantidade.
  • Andre  06/11/2018 16:34
    A embaixada brasileira em Jerusalém ficará ao lado das embaixadas de EUA, Guatemala e mais ninguém, isso já dá a dimensão da besteira. O Paraguay, um país de governo bem mais pragmático, com um povo com identidade nacional e que se dá ao respeito já fechou sua embaixada em Jerusalém.
  • Antonio Jose   06/11/2018 17:59
    No plano moral, Israel tem direito de escolher sua capital como qualquer país.

    Consequência prática, será que vai ter boicote mesmo à carne brasileira? Israel tem muita tecnologia de aproveitamento de água e lá tem muito menos água que no Nordeste, se conseguirmos ajuda tecnológica para ajudar no Nordeste pode ter saldo positivo.

    Aspecto político. Bolsonaro precisa adular a bancada evangélica que tem cada vez mais força e pagando o Bolsa Família com 13º e se trouxer melhorias para o Nordeste pode "roubar" a base eleitoral do PT que depende basicamente da região para sobreviver politicamente.
  • Felipe Lange  06/11/2018 13:02
    Pessoal, vocês acham uma boa ler toda a literatura marxista (inclusive Escola de Frankfurt), neoclássica, chicaguista, keynesiana e afins para ter pleno conhecimento sobre cada visão ou não? Alguém aqui do Instituto conseguiu ler tudo?

    A única pessoa que conheço que leu tudo (ou pelo menos eu acho que leu) é o Paulo Kogos.
  • Henrique Diron  06/11/2018 13:29
    Isso só prova uma coisa: Tudo que se deseja controlar ou restringir, seja este, a um ideal partidário, religioso, comportamental ou torná-lo como padrão irá desencadear discordância entre alguns dos membros dessa sociedade.
    Todas vezes na história, em que foram apresentadas ideias de harmonia e paz numa sociedade, não houve um caso em que os integrantes dessa em sua maioria as adotaram por completo. Os interesses pessoais vem em primeiro lugar, de algum grupo de forma pragmática! Até em países onde o sistema econômico é menos desigual, ocorre a discórdia.
    Querer padronizar o comportamento humano é impossível. E o resultado é esse: guerras e genocídios!
    Pensadores que se atreveram a desenhar sociedade perfeita tornou-se alvo de chacota entre seus leitores.
  • Guilherme Menezes  06/11/2018 14:33
    A resposta está em quem e como se conta a história. Os intelectuais e acadêmicos enraizados nas universidades e nos meios de comunicação souberam muito bem encobrir e relativizar os acontecimentos do passado. É basicamente uma questão de Teoria e História; a última precisa da primeira pra ser interpretada, e a teoria dominante em relação à essa interpretação é a dialética materialista marxista.
  • Rodolfo Andrello  06/11/2018 16:57
    Hoje, um ser de nome Samy Dana, muito provavelmente com influências da foice e do martelo, publicou em seu blog do g1 um texto atribuindo a obesidade a uma "falha de mercado". Entre os seus devaneios afirma: É conhecido que a causa principal é a ingestão de calorias em excesso.
    E na conclusão vai além: Se nada funcionar, cabe ao governo agir em nome do interesse público. Pode ser através de mais impostos sobre alimentos processados ou mudando os subsídios na agricultura dos ingredientes de produtos mais calóricos para a produção de alimentos saudáveis.

    Ou seja, maldito capitalismo que oferta ingestão de calorias a preços acessíveis.
    Qualquer remoção física pra esses adeptos da foice e martelo ainda é pouco.
  • Régis  06/11/2018 17:36
    A tentação que algumas pessoas -- principalmente as que se juram 'inteligentinhas' -- têm de querer mandar na vida dos outros por meio de medidas coercitivas realmente é algo patológico.

    É a ditadura dos iluminados. Essa gente vê o povo como um gado que tem de ser adestrado com um porrete. Asco puro.

    E concordo com você (e com Hoppe): para totalitários assim, a remoção física é a solução possível. Gente que quer agredir as nossas liberdades e confiscar nosso dinheiro não está mais no ramo do "debate civilizado", mas sim no da ameaça real e imediata.
  • Lenha na fogueira  06/11/2018 16:59
    Concordo muito com o que explana o texto, sem sombra de dúvida.

    Mas tenho algumas perguntas... que nome se dá para o fato de que milhões e milhões de pessoas morrem no mundo todo por motivo de fome e miséria extrema e de doenças tratáveis, sem saneamento básico ou água potável, enquanto algumas poucas pessoas acumulam mais riqueza (aqui vale um parênteses, de que muita dessas riquezas foram conquistadas e são utilizada muitas vezes de modo que se poderia chamar de perverso ou nefasto) do que conseguiriam gastar mesmo que vivessem mil anos? E digo viver de modo tão exacerbado que beiraria ao ridículo. Chamaremos isto apenas de egoísmo? Minimizaríamos a este ponto?

    Outra pergunta, alguém aqui duvida que o capitalismo também mata?

    Mais um ponto, que um amigo ali comentou...

    "Trata-se de uma ideologia que quer proibir a excelência individual e que quer anular todo e qualquer traço de individualidade, transformando seres humanos em formigas escravizadas. "

    Aqui quero dar ênfase para " transformando seres humanos em formigas escravizadas."...

    Sério que se acredita que isso é uma exclusividade do comunismo/socialismo? Vão negar que o capitalismo não esta a passos largos desumanizando as pessoas?

    NÃO CONCORDO com o comunismo, muito menos com o extermínio de pessoas (exceto em casos que o indivíduo escolha tirar a própria vida, porque acredito mesmo que não faremos falta alguma para o planeta, e que sim devemos ter esse direito também), mas também não acho que o capitalismo (apesar de ter sido o sistema que mais tempo perdurou e que até agora melhor funcionou) seja a menina dos olhos... não do jeito que o mundo está hoje, sem chance... a gente precisa de algo ainda melhor do que todos os sistemas propostos até então.... da mesma maneira que o homem medíocre precisa ser superado... o capitalismo vigente também precisa passar por transformações, precisamos de liberdades individuais sim, isso é inquestionável pois a liberdade é sagrada, mas uma liberdade ilimitada e que não leve em consideração todo o ecossistema em que se está inserido... inevitavelmente culminará na destruição de si mesma... levem as liberdades individuais e o capitalismo ao extremo e conhecerão o perverso e cruel lado e uma nova moeda até então nunca cunhada.

    Se acreditam que o capitalismo não pode ser utilizado também para o mau, vocês são tão ingênuos quanto os fascistas, comunistas, socialistas e maoistas.

    Tudo, precisa de um contraponto, até mesmo as melhores intenções.
  • Fogueira apagada  06/11/2018 17:37
    "que nome se dá para o fato de que milhões e milhões de pessoas morrem no mundo todo por motivo de fome e miséria extrema e de doenças tratáveis, sem saneamento básico ou água potável"

    Ausência de capitalismo e de liberdade empreendedorial, e excesso de burocracia e restrição à livre iniciativa.

    Afinal, este cenário que você citou não ocorre na Suíça e nem nos países mais capitalistas, mas sim na África, na América Latina e nos países periféricos da Ásia.

    Artigos exatamente sobre estes números:

    Para erradicar a pobreza, mais capitalismo

    Você acredita que o mundo está piorando ou melhorando? Faça o teste

    A desigualdade é um indicador errado e enganoso - concentre-se na pobreza

    Para superar a pobreza, é crucial premiar a criação de riqueza, e não puni-la

    Como o capitalismo e a globalização reduziram os preços e trouxeram progresso para todos

    "enquanto algumas poucas pessoas acumulam mais riqueza (aqui vale um parênteses, de que muita dessas riquezas foram conquistadas e são utilizada muitas vezes de modo que se poderia chamar de perverso ou nefasto) do que conseguiriam gastar mesmo que vivessem mil anos?"

    Como a desigualdade de riqueza acaba reduzindo a pobreza

    Estamos mais ricos e melhores do que imaginamos - mas as estatísticas não capturam isso

    Em qualquer discussão sobre desigualdade, estas são as quatro perguntas que têm de ser feitas

    "Outra pergunta, alguém aqui duvida que o capitalismo também mata?"

    Ouvi dizer que um adolescente saiu muito machucado em uma guerra de batatas fritas no McDonald's...

    "Sério que se acredita que isso é uma exclusividade do comunismo/socialismo? Vão negar que o capitalismo não esta a passos largos desumanizando as pessoas?"

    Nós não humanizamos o capitalismo; foi o capitalismo quem nos humanizou

    "Se acreditam que o capitalismo não pode ser utilizado também para o mau, vocês são tão ingênuos quanto os fascistas, comunistas, socialistas e maoistas."

    Por que o capitalismo de livre mercado é o único arranjo moral possível

    Só o capitalismo pode fazer com que a ganância e o egoísmo melhorem a vida das pessoas

    Se você é contra a economia de mercado, você nunca viveu fora dela

    Boas leituras.
  • AGB  07/11/2018 10:06
    Alem de boas leituras, o comentarista Lenha na fogueira deveria aprender a diferença entre mau (adjetivo) e mal (advérbio). Ou será que baixou o espírito de Paulo Freire?
  • luciano viana  06/11/2018 23:03
    naõ é a toa que o comunismo economicamente é classificado como capitalismo de estado.o socialismo gosta de falar mal, mas tambem é um sistema capitalista. existem capitalismos e capitalismos
    um sistema mais humano chama se livre mercado. ninguem pode tirar de vc e vc não pode tirar dos outros. é outro tipo de capitalismo.
    vai ter pessoas menos humanas, vai. isso tem em todo lugar, mas nas regras do livre mercado o menos humano vai ser punido. nenhum governo poderá tomar de vc e dar pra um menos humano. so contra sua vontade. e contra sua vontade é capitalismo de estado, mas naõ de livre mercado.
    no livre mercado ninguem pode impedir vc de produzir. não tem como vc passar fome, mas tem que trabalhar pra produzir. nesses paises que a fome impera é porque alguem impede essas pessoas de produzir. impedem porque elas não podem ter propriedade. ter propriedade é ser dono de si mesmo e do que produzir. no capitalismo de estado, o que vc produz pertence a outro e se esse outro no quiser vc não come, ´porque ele toma. e ele toma porque outros que querem comer sem produzir fazem politica pra tomar os bens dos outros que produzem. não acham que é imoral tomar o que é dos outros. interessante é que se toma de outros, vc produz o direito do estado de tomarem de vc. e no jogo do toma toma, quem tem mais poder ficaem melhor situação. é menos tomado e acaba ficando rico.
  • Insurgente  06/11/2018 18:43
    Acho que o ignaro se queimou c a lenha que atiçou o fogo do "conhecimento" DELE.

  • luciano viana  06/11/2018 22:33
    a foice e o martelo controla exatamente as instituiçoes educacionais, pegam aqueles que ainda não tem raciocinio critico e os ideologizam. é nos jovens que estão as guerras, os velhos já sao guerreiro cansados. tendo dominio sempre nas mentes ele tem mais peso politico.
    o jovem ta em idade de ir pra guerra e isso é importante pra ter controle com poucos membros. é facil induzir uma mente imatura ao auto sacrificio pela causa.
    existe uma teoria sobe o controle politico. a maioria sempre é controlada pela minoria em relação ao "peso " das propostas desse grupo. assim quem controla o peso, controla a maioria. ao pegar os jovens imaturos , sempre os futuros cidadãos eles tem esse peso. nessa teoria não é a maioria que controla, o numero de pessoas , mas o "arranjo " entre as pessoas é que tem mais peso. então quem controla as regras , oos arranjos que todos tem que seguir tem mais peso nas decisões.
    então a esquerda se entocou na educação, de onde pega seus novos membros. jovens cheios de energia que vao se opor as mudanças que queiram alterar a agenda esquerdista. tudo pra fazer peso. se pudessem controlariam tambem as forças armadas daqui
  • WAO  07/11/2018 04:16
    Como nos comportar, não chamando o indivíduo de idiota, e responder àquele comunista enrustido que, quando mostramos aqueles milhões de mortes atribuídas ao comunismo, ele rebate da seguinte forma: "É, mas e o capitalismo? Quantos miseráveis e mortes ele também criou?". Evidentemente é um sofisma, mas como derrubar isso de forma elegante?
  • Pérsio   08/11/2018 00:43
    Boa pergunta!
    Talvez um bom argumento seria "as mazelas e os erros do capitalismo sempre foram reversíveis. Do comunismo, não." Melhor reconhecer as eventuais falhas do capitalismo, mas lembrar ao defensor do comunismo que a doutrina dele é autodestrutiva e não aprende nunca com os próprios erros. Explico melhor: na época em que Marx escreveu "O Capital", havia escravidão, trabalho infantil e outros absurdos. Estes não existem mais. Países capitalistas passaram por muitas mudanças,deixando de lado aquilo que não funcionava e assimilando ideias e processos novos. Já o comunismo não evolui ou melhora com o passar do tempo.
  • Elcio  08/11/2018 00:58
    Proibir esses símbolos. Suástica nazista e foice-martelo comunista.
    Proibir também os símbolos das máfias.
  • Bruno Carvalho  10/11/2018 11:01
    Tradutor, você sabia que o novo sonho de consumo da esquerda brasileira é enquadrar vocês na Lei de Segurança Nacional?

    pt.quora.com/Qual-%C3%A9-sua-opini%C3%A3o-sobre-o-Instituto-Mises-Brasil/answer/Alfredo-Perozo

    Parabenizo a equipe do IMB pelos anos de esforço. Se houver uma contrarrevolução petista, vocês já fizeram por merecer seu lugar na lista dos expurgos.


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.