clube   |   doar   |   idiomas
O marxismo cultural e o politicamente correto contra o povo - quem vence?
Este é o embate ideológico da atualidade

Embora o marxismo original tenha, ao redor do mundo, praticamente desaparecido dos movimentos trabalhistas, a teoria marxista segue prosperando nas instituições culturais, no mundo acadêmico e na mídia convencional.

Mas não se trata da teoria marxista econômica convencional. Trata-se de um novo marxismo, adulterado e sob uma nova roupagem.

Os socialistas de hoje praticamente abandonaram a velha retórica da "luta de classes", a qual envolvia uma batalha entre as classes capitalistas e proletárias. Há agora uma nova batalha, a qual opõe "opressores" a "oprimidos". As classes oprimidas incluem os grupos LGBT, os negros, as feministas, os imigrantes, os "não-assimilados culturalmente" e várias outras categorias consideradas mascotes. Já a classe opressora é formada majoritariamente por homens e mulheres cristãos, brancos e heterossexuais, de qualquer profissão (empregado ou empregador), que não sejam ideologicamente simpáticos ao socialismo.

A criação desta nova luta de classes é o cerne do "marxismo cultural". O marxismo cultural nada tem a ver com a liberdade, com o progresso social ou com um suposto esclarecimento cultural. Ao contrário, tem a ver com a criminalização de idéias: qualquer pensamento tido como "ofensivo" ou "excludente" — ou seja, qualquer pensamento que não preste reverência aos "grupos oprimidos" — deve ser criminalizado.

Para os adeptos deste evangelho, a força-motriz que irá impulsionar a revolução socialista não mais é o proletariado, mas sim os intelectuais — exatamente por isso o marxismo cultural prospera basicamente na academia, na mídia e na cultura.

A raiz

A raiz deste movimento está nos escritos de Antônio Gramsci (1891-1937) e da Escola de Frankfurt.

Já à época, esses teóricos do marxismo haviam reconhecido que o proletariado não exerceria o papel — que sempre lhe foi imaginado — de ser o "agente da revolução". Por conseguinte, para que a revolução acontecesse, o movimento passou a depender de líderes culturais, os quais estariam incumbidos de destruir a cultura e a moralidade dominantes — majoritariamente cristãs — para então empurrar as massas desorientadas para o socialismo, que passaria a ser a nova crença dominante.

Para Gramsci, a "hegemonia cultural" não apenas é o grande objetivo da batalha, como também é o seu principal instrumento. Os escritos de Gramsci contemplam um totalitarismo que elimina a própria possibilidade de uma resistência cultural às idéias progressistas.

O objetivo supremo (e autodeclarado) deste movimento é estabelecer um governo mundial no qual os intelectuais marxistas teriam a palavra final. Neste sentido, os marxistas culturais são a continuação daquilo que começou com a Revolução Russa.

Lênin e os soviéticos

Liderados por Lênin, os criminosos da revolução consideraram sua vitória na Rússia como sendo apenas o primeiro passo rumo à revolução mundial. A Revolução Russa não era nem russa e nem proletária. Em 1917, os trabalhadores industriais da Rússia representavam apenas uma pequena fatia da força de trabalho, a qual era majoritariamente formada por camponeses. A Revolução Russa não foi o resultado de um movimento trabalhista, mas sim de um grupo de revolucionários profissionais.

Uma análise mais minuciosa da composição do partido bolchevista e dos primeiros governos soviéticos e seu aparato repressivo revela a verdadeira característica da revolução soviética: um projeto que não visava a libertar o povo russo do jugo czarista, mas sim servir como plataforma para a revolução mundial.

A experiência da Primeira Guerra Mundial e suas consequências mostrou que o conceito marxista do "proletariado" como uma força revolucionária era uma ilusão. Igualmente, o exemplo da União Soviética demonstrou que é impossível haver socialismo sem uma ditadura.

Essas considerações levaram os principais intelectuais marxistas à conclusão de que uma estratégia diferente seria necessária para implantar o socialismo. Autores comunistas difundiram a ideia de que a ditadura socialista deve ocorrer disfarçadamente. Para que o socialismo tenha êxito, a cultura dominante deve mudar. O controle da cultura deve preceder o controle político.

A corrupção moral

O caminho para o poder preconizado pelos marxistas culturais é por meio da corrupção moral das pessoas. Segundo Gramsci, para alcançar isso, a grande mídia convencional, o sistema educacional e as instituições culturais devem ser infiltrados por agentes ideológicos e continuamente transformados e moldados de acordo com essa ideologia. A função destas três instituições não é esclarecer e iluminar, mas sim confundir e enganar.

A mídia, o sistema educacional e todo o aparato cultural devem ser utilizados para jogar uma parte da sociedade contra a outra. Enquanto as identidades de cada grupo (opressor e oprimido) vão se tornando mais específicas, a variedade dos grupos vitimológicos, bem como todo o histórico de "opressão" sobre estes grupos, vai se tornando mais detalhada.

A demanda por "justiça social", por sua vez, cria uma infindável corrente de gastos públicos tidos como essenciais — para saúde, educação e aposentadoria, e também para todos aqueles que "estão necessitados", ou que "são perseguidos", ou que "são oprimidos", sejam eles reais ou imaginários. O fluxo interminável de gastos nestas áreas corrompe as finanças do governo e produz crises fiscais. Isso ajuda os neo-marxistas a acusarem o "capitalismo" de todos os males, sendo que, na realidade, é exatamente o estado inchado e regulatório quem provoca os colapsos econômicos e é o excesso de endividamento público quem causa as fragilidades financeiras.

A política, a mídia, as instituições educacionais e culturais, e mesmo o judiciário não param de criar novas guerras: indo desde a guerra contra o colesterol e a pressão alta até campanhas contra gordura saturada e obesidade. A lista de "inimigos declarados" cresce diariamente, e todos aqueles que não se curvam são prontamente rotulados de "fascistas", "racistas", "machistas", "homofóbicos", "xenófobos", "islamófobos", "transófobos" etc.

O ápice deste movimento é a imposição do "politicamente correto": a guerra contra as opiniões individuais. Ao passo que a população deve tolerar repugnantes demonstrações comportamentais — devidamente rotuladas de "arte" —, a lista de palavras e opiniões proibidas só faz crescer. Tudo aquilo que pode ser subjetivamente interpretado como 'excludente' ou 'ofensivo' tem de ser proibido. Ao defender a censura de idéias e comportamentos considerados "ofensivos", o politicamente correto nada mais é do que uma ferramenta criada para intimidar e restringir a liberdade de expressão. A opinião pública jamais deve ir além do espectro de posições aceitáveis.

Porém, enquanto o debate público empobrece, a diversidade de opiniões radicais prospera às ocultas.

Os marxistas culturais, desta maneira, empurram a sociedade moralmente para uma crise de identidade por meio dos falsos padrões criados por uma ética hipócrita. O objetivo não mais é a "ditadura do proletariado" — pois este projeto fracassou —, mas sim a "ditadura do politicamente correto", cuja autoridade suprema está nas mãos dos marxistas culturais.

Como uma nova classe de sacerdotes, os guardiões desta nova ortodoxia comandam as instituições cujos poderes eles querem estender sobre toda a sociedade. A destruição moral do indivíduo é um passo necessário para alcançar a vitória final.

O ópio dos intelectuais

Os crentes deste neo-marxismo são majoritariamente intelectuais. Os trabalhadores, afinal, fazem parte da realidade econômica dos processos de produção e sabem que as promessas socialistas são completamente insanas e insensatas. Em nenhum lugar do mundo o socialismo foi implantado em decorrência de algum movimento trabalhista. Os trabalhadores nunca foram a vanguarda do socialismo, mas sim suas principais vítimas. 

Os líderes das revoluções sempre foram intelectuais, membros da classe política, e militares. Cabia aos artistas e escritores ocultarem a brutalidade dos regimes socialistas por meio de artigos, livros, filmes e pinturas, e dar ao socialismo uma aparência estética moral, científica e intelectual. Na propaganda socialista, o novo sistema sempre parece ser justo e produtivo.

Os marxistas culturais acreditam que, futuramente, eles serão os únicos detentores do poder, capazes de ditar às massas como viver, como pensar, como se comportar e até o que comer. No entanto, uma grande surpresa os espera: se o socialismo de fato vier, a "ditadura dos intelectuais" será tudo, menos benigna — e nada muito diferente do que ocorreu após os soviéticos tomarem o poder. Os intelectuais estarão entre as primeiras vítimas. Foi isso, afinal, o que ocorreu na Revolução Francesa, a qual foi a primeira tentativa de revolução pelos intelectuais. Várias das vítimas da guilhotina eram proeminentes intelectuais que haviam inicialmente apoiado a revolução — Robespierre entre eles. As revoluções sempre matam seus idealizadores.

Em sua peça "A Morte de Danton", o dramaturgo Georg Büchner famosamente colocou uma personagem para dizer: "Como Saturno, a revolução devora seus filhos". No entanto, seria mais apropriado dizer que a revolução devora seus pais espirituais. Os intelectuais que hoje promovem o marxismo cultural serão os primeiros da fila do cadafalso caso seu projeto de poder tenha êxito.

Conclusão

Contrariamente ao que Marx acreditava, a história não está pré-determinada. A longa marcha gramsciana da conquista das instituições culturais e sociais ocorreu, mas ainda não se consumou por completo. Ainda há tempo de oferecer resistência. E ela já está ocorrendo.

Para contra-atacar, é necessário apontar a inerente fraqueza do marxismo cultural. Na medida em que os neo-marxistas alteraram o marxismo clássico e eliminaram seus pilares básicos (o aprofundamento da proletarianização, o determinismo histórico, e o colapso total do capitalismo), o movimento se tornou ainda mais utópico do que o próprio socialismo original.

Como sucessores da Nova Esquerda, os "socialistas democráticos" atuais propagam uma miscelânea de posições contraditórias. Dado que o caráter deste movimento é o de promover conflitos de grupos, o neo-marxismo é ineficaz para servir como instrumento de obtenção de um poder político coerente necessário para uma ditadura.

No entanto, isso não significa que o movimento neo-marxista não terá impactos. Ao contrário: por causa de suas inerentes contradições, a ideologia do marxismo cultural é a principal fonte de confusão que atingiu praticamente todos os segmentos das atuais sociedades ocidentais, e a qual ainda pode crescer e atingir proporções perigosas.

_____________________________

Leia também:

Progressistas, reacionários, histeria e a longa marcha gramsciana       

O politicamente correto ataca um direito humano básico: a liberdade de pensamento e de expressão

A Escola de Frankfurt, o marxismo cultural, e o politicamente correto como ferramenta de controle

51 votos

autor

Antony Mueller
é doutor pela Universidade de Erlangen-Nuremberg, Alemanha (FAU) e, desde 2008, professor de economia na Universidade Federal de Sergipe (UFS), onde ele atua também no Centro de Economia Aplicada. Antony Mueller é fundador do The Continental Economics Institute (CEI) e mantém em português os blogs Economia Nova e Sociologia econômica




  • Rafael  16/10/2018 16:48
    Aqui no Brasil essa turma está à beira de rodar e se tornar irrelevante. Daí o completo desespero deles. Mas no resto do Ocidente eles estão cada vez mais fortes. Preocupante.
  • Vladimir  16/10/2018 16:53
    Não sei se compartilho desse seu otimismo quanto ao Brasil. O revertério eleitoral deles pode ser algo perfeitamente pontual, de modo que eles voltarão com ainda mais força ano que vem, e com ainda mais mendácia e audácia. Mas espero que você esteja certo.
  • Narloch  16/10/2018 16:59
    Mas a reação já está ocorrendo ao redor do mundo. Nassim Taleb disse que, na Índia, no Reino Unido e nos Estados Unidos, está ocorrendo uma reação dos eleitores comuns contra aqueles que ele chama de "intelectuais, porém idiotas": os cultos formuladores de políticas públicas que nos dizem "1) o que fazer, 2) o que comer, 3) como falar, 4) como pensar e... 5) em quem votar".

    Essa reação está ocorrendo agora no Brasil. Grande parte das pessoas vota em Bolsonaro não pelas virtudes do candidato, mas pelo desprezo à intelligentsia que tenta determinar o que é permitido pensar.

    Quando, por exemplo, Bolsonaro faz o sinal de armas com as mãos, ele deixa de prestar reverência aos sacerdotes da imprensa e das universidades que passam o dia cobrando virtudes dos pecadores. Com tanta gente no Facebook apedrejando quem exibe o menor sinal de pecado ou que ouse discordar de minorias, o gesto de Bolsonaro é uma heresia, um grito de liberdade. Assim como suas colocações.

    E o eleitor se identificou com essa rebeldia contra os "bem-pensantes".

    O voto em Bolsonaro nada mais é do que uma tentativa de autonomia intelectual.
  • Bruno Diniz  16/10/2018 17:27
    Sábias palavras. Expressou exatamente aquilo que eu sempre pensei mas que nunca sabia como falar. O voto em Bolsonaro é exatamente isso: rebeldia aos intelectuais que querem determinar o que devemos fazer. Não é a toa que quanto mais a imprensa chique e os artistas globais batem nele e xingam, mais ele cresce. E os idiotas não perceberam isso, mesmo tendo havido o mesmíssimo fenômeno dois anos atrás com Trump.
  • Andre  16/10/2018 17:34
    Narloch, e para isso vão deixar a crise fiscal brasileira estourar na mão do Bolsonaro, vai passar os próximos 4 anos apagando incêndios e perdendo apoio popular do rebanho que agora o elege, para em 2022 com o país em seu 9º ano seguido em recessão/estagnação, devolver o poder para a esquerda de forma humilhante.
  • Caio  16/10/2018 17:40
    Boa parte das reformas e correções já foram feitas pelo governo Temer. Teto de gastos, reforma trabalhista, correção do setor elétrico, freio no BNDES e nos outros bancos estatais, controle da inflação etc. Faltou só a reforma da previdência.

    Se esta passar, vai chover investimento estrangeiro no Brasil. Com a concessão de crédito em níveis historicamente baixos e com as empresas e famílias quitando suas dívidas, haverá muito espaço para o crescimento econômico no futuro.

    Se Bolsonaro não fizer cagada e não adotar heterodoxias, ele surfará e será reeleito tranquilamente, e com votos do Nordeste, por causa do 13º do bolsa-família.


    P.S.: fui a favor da reeleição de Dilma em 2014 exatamente porque sabia que a recessão estouraria no próximo ano (este Instituto sempre alertou sobre isso). Se tivesse estourado sob Aécio, o PT estaria voltando com tudo agora e nunca mais sairia do poder. Tivemos sorte. Não vamos perder a oportunidade de agora.
  • Vinicius  16/10/2018 17:54
    É sério que a galera que vota Bolsonaro acredita que as reformas necessárias já foram feitas pelo Temer e só falta uma? Vou é comprar minha passagem para Miami ainda hoje porque isso vai acabar mal e não quero ficar aqui para ver.
  • Caio  16/10/2018 18:29
    De todas as politicamente possíveis, sim (exceto a da Previdência). A menos, é claro, que você esteja à espera de minarquismo ou mesmo anarcocapitalismo. Aí, meu filho, você ficará insatisfeito para sempre.

    É claro que ainda é politicamente possível cortar alguns ministérios, reduzir alguns desvios da corrupção e baixar alguns pontos percentuais de algumas tarifas de importação. Mas é só. Se você espera mais do que isso, então de fato é bom já ir pensando em Miami (algo, aliás, que necessitará de um real forte para que você possa comprar dólares com o mínimo de perda possível).
  • Andre  16/10/2018 18:50
    Caio, as reformas do Temer foram na melhor das hipóteses tímidas, tão tímidas que a economia se arrasta na casa de 1%:

    www.terra.com.br/economia/fmi-reduz-a-previsao-de-crescimento-do-brasil-em-2018-e-2019,13cf5649f81b215e1abd44ba2b8060f7xgb695qt.html

    Déficit nominal de 7,5% do PIB com a selic nas mínimas históricas, imagine quando começar a subir para fazer frente a inflação? Mais a dívida pública de 80% do PIB, valor sem precedentes no mundo emergente:

    www.bcb.gov.br/htms/notecon3-p.asp

    O Teto de gastos não é reforma, é a espada de Dâmocles sobre a testa do próximo presidente pois não há como cumpri-lo em 2019, ou o presidente tira o teto com uma nova PEC ou incorre em crime de responsabilidade:

    congressoemfoco.uol.com.br/especial/noticias/risco-de-violacao-ao-teto-de-gastos-em-2019-e-elevado-diz-instituicao-ligada-ao-senado/

    Se o governo Bolsonaro fizer TUDO certo e não houver crise internacional, evitará o colapso econômico no país e os próximos 4 anos serão de crescimento medíocre de uns 2% a.a. Mas como os EUA e China já estão preparando a próxima crise financeira mundial, Bolsonaro disse que a reforma da previdência do Temer, o mínimo do aceitável do necessário é ruim e não demonstrou até agora que tem estômago para o estelionato eleitoral que inevitavelmente acontecerá, se você Caio acredita no Brasil dos próximos anos lhe desejo sorte, vai precisar, sou da mesma opinião do Vinicius, mas no meu caso é Fort Lauderdale.
  • Luis Alfredo Sencovici  16/10/2018 18:59
    Verdade. O que tivemos foi sorte. A quantidade excepcional de bobagens do PT foi o que os tirou do poder, mas agora aprenderam a lição. Estarão sempre à espreita, causando problemas, agitação, intrigas, enfim, tudo que estiver ao alcance para causar o caos e então ter o poder de volta. É típico dessa gente. Em curto e médio prazo não nos livraremos desta gente, seja aqui, seja no mundo ocidental. A história mostrará quem sairá vencedor. Esperamos que não seja essa turma.
  • Marcello  18/10/2018 00:27
    Caio. Foi ousado apoiando a Dilma. Aposta altíssima. Felizmente deu tudo certo e teve um impeachment no meio. Se ela estivesse por ama ainda, provavelmente o Brasil estaria muito pior.
  • CAIO   02/11/2018 15:02
    Cara, eu olhei pra esse seu comentário e pensei: "Porra, fui eu que escrevi isso e não lembro?"

    Mesma opinião e até o mesmo nome.

    Inclusive, eu votei na Dilma em 2014, porque eu queria que a crise fiscal estourasse no colo dela.

    Pra você não achar que estou mentindo:

    twitter.com/PutAKeepAreYouu/status/1048306924092104706
  • jorge bozaquiel utrine  17/10/2018 14:15
    Alem disso, sabemos que os sindicatos estão tomados pelos "oprimidos" e irão promover todo tipo de movimento para agitar com greves e outros artifícios no intuito de sabotar. Penso que a eleição de Bolsonaro - reconhecido como um líder de direita - causará impacto por se tratar de um país de expressão o que ensejará a efetivação de uma nova era na política mundial.
  • Jorge Brown  16/10/2018 22:16
    O perigo está nos bilhões d dólares que o PT tem escondidos lá fora!
    Vão deixar essa situação econômica terrível nas mãos dos Bolsonaro e em 2022 virão com tudo apontando o dedo sujo para as frustrações inevitáveis que nosso povo passará nos próximos anos.
    A minha esperança é que o Tio Sam e Israel dêem amplo apoio ao Brasil tentando evitar essa manobra globalista em que o PT é apenas um mandalete!
  • Eloi Jose da Silva Lima  18/10/2018 23:51
    O marxismo é uma Ciência que, como tal, procura explicar os fenômenos sociais da história da humanidade. Só mesmo os ignorantes e boçais, incluindo o próprio e os seguidores de um certo nazifascista em moda nestas terras da indigência cultural, insistem em querer apagar um vertente da Ciência Social. "Mutatis mutandis" é como se quisesse apagar a nascente Astronomia, que, na Idade Média , contrariou os cânones da Igreja Católica. A ignorância brasileira prefere estudar a evolução da Humanidade através da biblia, consagrando a Adão e Eva como inauguradores da espécie há 4 mil anos. Só rindo.
  • Régis  16/10/2018 17:08
    "Os trabalhadores nunca foram a vanguarda do socialismo, mas sim suas principais vítimas."

    Óbvio porque, universalmente, trabalhadores estão sempre se esforçando para ter mais propriedade e recursos, e não menos. Tampouco eles se esforçam para ver suas propriedades duramente conquistadas sendo confiscadas e repartidas. A esquerda nunca entendeu isso. Ela nunca entendeu que ter mais coisas próprias é um impulso natural do ser humano.

    Desejar ter propriedade é algo natural, pois ter a própria comida, o próprio teto e a própria roupa é uma extensão natural do fato de ser dono de si próprio.
  • anônimo  16/10/2018 17:13
    Sim. Já o desejo de instaurar uma "propriedade coletiva" sobre propriedades pessoais é o equivalente a desejar a propriedade coletiva de cada indivíduo; é o desejo de fazer com que cada indivíduo seja um escravo do "coletivo".

    Qualquer pessoa normal só aceitaria isso se a alternativa for a morte. E é exatamente por isso que é necessário recorrer a uma ditadura para instaurar o socialismo. E isso é vendido como sendo "para o bem" das pessoas. Para salvar você, temos de matar você.
  • Fabrício  16/10/2018 17:16
    É porque as pessoas que não trabalham acreditam que o socialismo funcionar. Já as pessoas que de fato trabalham sabem que o socialismo não tem como funcionar. Isso é o que distingue intelectuais de trabalhadores.
  • Capital Imoral  16/10/2018 17:12
    Uma refutação formal a Mises
    Tenho observado, que muita gente ainda pensa que Capital Imoral não refutou Mises. Isso é um engano, pois há muito tempo as teorias de Mises foram refutadas pelo filósofo Capital Imoral através da teoria da curva da moral do pensamento. Este artigo visa reiterar de forma mais didática minha refutação a Mises.

    Entendendo a teoria de Mises
    O pensamento mais notável de Mises está na metodologia que tenta explicar a estrutura lógica da ação humana (Praxeologia). Para Mises, praxeologia é o estudo dos fatores que levam as pessoas a atingirem seus propósitos.

    Mises afirma: "A ação é a vontade posta em funcionamento, transformada em força motriz; é procurar alcançar fins e objetivos; é a significativa resposta do ego aos estímulos e às condições do seu meio ambiente; é o ajustamento consciente ao estado do universo que lhe determina a vida."

    Segundo Mises, o comportamento propositado é consciente, o oposto de comportamento inconsciente, isto é, do comportamento realizado por atos reflexos, respostas involuntárias das células e nervos do corpo aos estímulos. Mises conclui que, a ação é a manifestação da vontade humana, e que, portanto, devemos ser livres para tomar decisões, independentemente do que julgamos como certo ou errado, como bem ou mal. Partindo daí para conceitos mais complexos como a "responsabilidade individual" e "valor subjetivo".

    O valor subjetivo ignora a influência externa
    Existe uma verdade que está no ser das coisas, não somente naturais, mas no ser do próprio ser humano. (Murray Rothbard defende a mesma teoria em seu livro, A ética da liberdade). E esta verdade revela escolhas que podem afetar o homem no sentido que julgamos mal (que vai contra à vida) e bem (que engrandece a vida). Em uma sociedade livre, no qual o homem assume suas escolhas, ele pode tanto praticar atos que elevam a espécie humana quanto atos que o denigrem. Mas o que percebi, através de meus estudos sociais, é que a tendência de virtudes boas que elevam o homem é muito menor do que a tendência de escolhas que o destrói. De certa forma existe uma força social, que utiliza a liberdade do próprio homem para corrompê-lo e posteriormente destruí-lo. Hoje essa força social se chama capitalismo e está corrompendo continentes inteiros e nos afastando da vida natural. Portanto, não podemos falar em valor subjetivo quando este valor é corrompido por influências externas. Você deveria andar pelado, morar no mato e comer verduras {2}; entretanto, está envolvido em um conjunto de signos tecnológicos que te corrompe e te afasta da sua natureza socialista.

    A praxeologia pode ser verdadeira quando a premissa é a liberdade do homem pela liberdade do homem, mas não é verdadeira quando se trata de levar o homem a sua natureza primeira por uma força externa. Tanto é que Mises usa a praxeologia como ferramenta de indicação do que é "adequado", mas nunca como uma ferramenta que leva a um fim objetivo{1}. Embora seja dito que o erro leva a um acerto posterior, e, portanto, a uma mudança de conduta, isso não è válido quando em termos de relação direta entre o indivíduo e o coletivo no paraíso socialista. Afinal, o paraíso é um coletivo com uma liturgia comum, se algum anjo resolve cantar diferente é porque é o demônio.

    Teoria da curva da moral do pensamento
    Toda engenharia social que está presente no comunismo e socialismo comete o erro de trabalhar em um ambiente de pura liberdade intelectual, no qual socialistas competem com igual liberdade pelos signos. A teoria da curva da moral do pensamento visa acabar com essa liberdade restrita aos signos e se tornar uma influência direta na consciência das pessoas. Nem que seja por uma intervenção cirúrgica; coisinha pequena, é só instalar um pequeno chip no cérebro. O Estado irá fazer a interpretação de seus propósitos e levá-lo a fazer sempre escolhas que estejam de acordo com sua natureza perfeita. Vamos pegar um exemplo de como irá funcionar a teoria da curva do pensamento: Um jovem está diante de uma decisão moral, que pode afetar a vida de outras pessoas na sociedade socialista. Se ele fosse livre, ele poderia tomar a decisão ruim, individualista, que iria contra a sociedade e seu próprio ser. Mas caso ele tenha feito a pequena cirurgia que, agora, teria influência e assessoramento do estado em sua consciência, ele nunca tomaria uma decisão que fosse contra o bem-comum e contra sua própria pessoa. A teoria da curva da moral de pensamento visa ser esta influência benéfica do estado para decisões que afetam a natureza da pessoa e a sociedade. Ambas estão ligadas pela natureza e convergem para o socialismo. Essa é a ferramenta que faltava para o socialismo dar certo.

    Conclusão
    Embora a praxeologia seja um metodologia correta quanto se trata de homens livres fazendo escolhas boas ou más, ainda sim, ela ignora que se deve levar o homem e o mundo inteiro para sua natureza inscrita, ou seja, o socialismo. Todos somos progressistas e não sabemos. Acredito que no futuro, caso minha teoria seja aplicada ao mundo inteiro, teríamos um paraíso na terra superior ao próprio Gênesis. Não precisamos mais lidar com decepções e erros que a praxeologia permite.

    {1} É interessante notar que o próprio Murray Rothbard refutou o argumento de Mises quanto a praxeologia, ele também observou que uma "metodologia livre de julgamento de valor" poderia apoiar tanto o marxismo quanto o liberalismo sem que o próprio Mises pudesse se colocar contra.

    {2} Ainda preciso escrever um artigo sobre a natureza inscrita do homem que, obviamente, é socialista e gosta de andar pelado de bicicleta.

    Capital Imoral é filósofo, escritor e já refutou Mises.
  • Andrei Freire  17/10/2018 23:54
    kkkkkkkkkk Amigo , tem um email pra contato ?
  • Lendario ser obtuso.  18/10/2018 21:08
    Deixa eu ver se entendi:
    Segundo a tua teoria - O Homem hoje, pensa ser livre, mas não o é, pois, sua liberdade esta condicionada a um fator externo chamada Capitalismo, que corrompe a liberdade do homem devido a sua "influencia acomodidativa"{1}

    A grande falha da Teoria da curva da moral do pensamento é que nós somos HUMANOS e não abelhas, ou formigas, ou cupins; que vivem de forma organizadas, pois, esta em seu DNA esta organização.
    O homem possui seu livre arbítrio escrito em seu DNA, por mais que tentemos nos condicionar a uma ordem de pensamentos/comportamentos, teremos dissidentes que pensam e agem de formas diferentes e querem ter suas escolhas respeitadas e muitos dispostos a morrer por estas escolhas.
    A tua teoria só se aplicaria se a caraterística do individualismo e sede por livre arbítrio for extirpada no nosso DNA e caso se use um chip para determinar nossa vontade para o bem comum, não seria nem um pouco diferente do capitalismo que, pelo menos te da a opção de mergulhar na sua "influencia acomodidativa" ou não.

    {1}"Influencia acomodidativa" - O capitalismo cria ferramentas e métodos eficazes para o conforto e desejo humano, fazendo com que o homem se escravize nas facilidades criadas neste processo capitalista, de estimulo de criação de novos métodos e tecnologias de facilitação da vida humana.
  • Antoine Manuel  16/10/2018 17:18
    Existem muito poucas divisões culturais legítimas no mundo. A maioria deles é arbitrariamente criada, não só pelas elites políticas e financeiras, mas também pelos idiotas úteis e acólitos estúpidos que assolam os corredores sujos do mundo universitário.
    Não basta mais simplesmente continuar enfatizando a loucura do politicamente correto. Devemos também tomar medidas úteis para reverter a destruição em curso.
    Como por exemplo (Escola em casa para seus filhos): é simples, se você não quer que seus filhos aprendam sua propaganda, se você realmente quer que eles sejam livres de qualquer condicionamento coletivista, então você fará o sacrifício de extraí-los da educação pública. Não há outro recurso além da educação em casa para evitar a lavagem cerebral do marxismo cultural. Se você não fizer isso, você tem a única esperança de que seus filhos serão capazes de escapar com suas habilidades de pensamento crítico intactos. Alguns fazem isso, outros não.
    Outros se transformam em zumbis sem cérebro da justiça social. Você pode dar-lhes uma vantagem, removendo-os deste ambiente tóxico, e é isso que importa.
  • Paraninfo  16/10/2018 17:22
    Os progressistas de hoje são dissidentes do comunismo. Já a classe média é conservadora e não quer saber desses "modernismos".

    Mas há um paradoxo: ninguém em situação confortável quer nem revolução e nem choque de capitalismo. As pessoas querem continuar mamando nas tetas estatais, mas com uma cultura tradicional. Além disso, quem pagou impostos ou aposentadoria para o governo a vida inteira não quer o fim do governo e nem políticas mais liberais.

    Eu acho que o nosso grande problema é ter um abandono geral na educação básica. As pessoas não conseguem pesquisar e estudar um assunto. As escolas não falam sobre o presente. A educação básica virou uma coisa chata, porque é uma doutrinação socialista, sem o mínimo de interesse no capitalismo e na liberdade.

    Em relação aos atuais progressistas, todos eles encastelados nos grandes partidos políticos, eles são tão perigosos quanto os socialistas tradicionais. Essas pessoas possuem poderes para controlar os mercados e para destruir qualquer iniciativa legítima.
  • Alberto  16/10/2018 17:28
    A maior revolução seria colocar livros e textos de pensadores liberais na educação básica. A literatura nacional destruiu a educação. Não é possível ter liberdade e capitalismo com pessoas socialistas.
  • Sílvio  16/10/2018 17:35
    Sem delírios. A última coisa que nossos "educadores" vão querer fazer (seja de escolas públicas ou privadas, no Brasil isso não faz diferença nesse aspecto) é querer inculcar nos jovens pensamentos divergentes da cartilha socialista, até porque praticamente todos eles tomaram doses cavalares de socialismo na veia a vida toda.

    Se o jovem quiser saber algo sobre capitalismo e liberdade que não seja uma caricatura mal feita, ele deverá procurar esse conhecimento por iniciativa própria fora da escola. Não tem jeito.
  • Juliano  16/10/2018 17:41
    Não vai acontecer jamais. Um parasita público vai botar na educação pública algo que seja contra os interesses de um parasita público? Não faz o menor sentido.

    Tem é que privatizar TUDO e acabar com a obrigatoriedade do diploma.
  • Roberto  16/10/2018 17:31
    No grupo dos "oprimidos", pode acrescentar também os pedófilos. Ou já se esqueceram do projeto do deputado Jean Wyllys querendo regulamentar cirurgia de mudança de sexo pra crianças 'transgênero'?
  • Giuseppe  16/10/2018 18:05
    Perfeito. Esta parte é surpreendentemente atual:

    "Porém, enquanto o debate público empobrece, a diversidade de opiniões radicais prospera às ocultas."

    O louvor de parte da "direita" ao comunista Bolsonaro e sua prole de burocratas é o exemplo máximo de como o obscurantismo da esquerda cria antíteses dentro de si mesma e, com um discurso pretensamente conservador, consegue arrebanhar até os liberais.

    Lamentável.
  • L Fernando  17/10/2018 03:17
    Mais um espertinho propagador da desinformação
  • Um leigo qualquer  16/10/2018 18:08
    OFF

    Eu creio que alguma boa alma poderia coletar os melhores cometários do IMB e publicar um livro. Garanto que haveria leitores. Às vezes há discussões tão boas que superam os próprios artigos. Inclusive aquelas que o Leandro participa.
  • Pobre Paulista  16/10/2018 19:02
    O Leandro quando chega na décima vez respondendo a mesma coisa acaba escrevendo um artigo a respeito.
  • Leandro  16/10/2018 19:27
    Touché!
  • Edson  16/10/2018 19:01
    Recomendo este vídeo. Apenas 7 minutos e legendado:

  • Tucídides  16/10/2018 19:42
    Os marxistas culturais e adeptos do politicamente corretos usam uma dialética bizarra: fraqueza, indolência e debilidade são coisas boas e verdadeiras; força, trabalho e produtividade são coisas maléficas e até mesmo enganosas.

    O gênero, a cor da pele e as preferências sexuais definem o grupo ao qual uma pessoa pertence. Heterossexuais, brancos ou machos são malignos, sexualmente pervertidos. Mulheres, gays e não-brancos são do bem. Rico é a encarnação do mau (a menos que o rico seja de esquerda e financie movimentos progressistas, o que o torna do bem; pense em George Soros, Guilherme Boulos ou Paulo Henrique Amorim).

    Aqueles que são fracos (ou que criam a aparência de fracos) devem ter direitos especiais e dever exercer poder sobre aqueles que se tornaram superiores por meio do trabalho, da produção e da maior capacidade.

    O auge do marxismo cultural foram os campos de extermínio em massa de Pol Pot, onde aqueles tidos como "mais capacitados" (por serem mais instruídos ou até mesmo por usarem óculos) eram sistematicamente trucidados.

    O interessante é que a maioria das pessoas razoavelmente sensatas consegue entender que matar os mais produtivos de um país é o caminho mais rápido para a penúria e o horror. Mas a inteligência não é a marca forte da esquerda. Em lugar nenhum.
  • Thomas Sowell  16/10/2018 19:47
    Um dos mais lamentáveis sinais de nossos tempos é que demonizamos aqueles que produzem, subsidiamos aqueles que se recusam a produzir, e canonizamos aqueles que só fazem reclamar.
  • Gustavo  25/10/2018 01:01
    ha meu ver o excesso de diritos proporcionou esse caos, por causa deles, viramos pessoas egoístas, realidade triste que vivo, mas, sim. Sou cristão sim, alias, discípulo de Cristo, gostei muito do escrito, contudo, estão querendo dar muitos direitos e poucos deveres. Estamos dando muitos direitos pra pessoas que não nos dão esses direitos, eu respeito opiniões diferentes da minha, okay?! mas eu preciso refutar o movimento lgbt infelizmente que é totalmente contra quem sou, não só por que eu acredito que eles vão trazer a ideologia de gênero que por um acaso é verdade sim, mas também, que eles querem institucionalizar a sua mentira de que eles podem escolher o que eles querem, o que já sai de um contexto biológico e passa a ser politico, eles querem a liberdade deles pra acabar com a nossa verdade, sabe por que ?! por que verdade doe, olha vejam bem se o casamento gay for aprovado, você acha que um pastor ou um padre vai casar vc, isso é logico se for um par de homens, mas, nããããããããããoooooooooo Gustavo não pode dizer isso por que ele se auto declarou um homofóbico ele ta sendo contra o pensamento do seu próximo a Palavra diz pra eu amar não dizer sempre "sim" pra uma pessoa que não conheça a verdade, eu te amo e respeito senhor por vc não ter um pensamento parecido ta okay mas acontece que não é bem assim, não se muda a ordem natural das coisas, nao se atropela fazes da vida se enfrenta, essa realidade esdruxula ta mais debravada do que novela da globo, mas, não gustavo não pode atacar o ponto de vista de outras pessoas, meu amigo eu so estou falando se vc ficou ofendido por causa dos fatos me desculpe

    eu estive faz tempo procurando por uma fonte confiável de informações ate que cai de paraquedas nesse site, muito bom vc ter vez e voz pra dizer o que você pensa, sabe não sei se vc vai se sentir ofendido por isso ou algo assim, mas , entenda se vivemos num pais tão laico é meu direito dizer o que eu penso, e mais, se disse sem sabedoria ou por falta de alguma informação me perdoe, só agora que abri meus olhos pra politica. Se você compartilha de um pensamento diferente tudo bem, mas, lembre-se que temos o dom de raciocínio e eu sei o que eu escrevi aqui ta, sou contra todo tipo de pensamento que diga que ser gay é uma opção nada disso pra mim existe uma confusão nos conceitos de personalidade e gênero, são duas coisas completamente diferentes, personalidade é seu jeito de ser e gênero ta mais pra um caso que já é pre destinado a ser, sou homem não mulher e quero apenas um pais justo não perfeito ate por que só existe um perfeito que é Deus

    deixo aqui minha mensagem, Deus abençoe, Jesus te ama
  • Rodrigo  16/10/2018 22:44
    Sobre o "tudo e ofensivo", o cerceamento da liberdade de expressão talvez seja hoje o maior risco ao nosso progresso. Pense em como estaria o mundo se as idéias controversas do passado tivessem sido caladas pelo "politicamente correto", pela defesa do status quo vigente. Darwin, Einstein, Galileu, Newton e vários outros não teriam tido a oportunidade de levantar suas teorias, as quais ajudaram a mudar o mundo, mas contrariavam o consenso da época.

    É imperativo que os inimigos da liberdade de expressão sejam vistos exatamente como são: oponentes do progresso da civilização.
  • Cristiane de Lira Silva  21/10/2018 21:58
    E tem mais: apesar de você ter preferido não publicar meu comentário: Sou e sempre serei pró-aborto. Aprendi com a Margareth Tatcher. Que diabos é aborto terapêutico? Gravidez é doença agora? Que desgraça é essa? Desde quando aborto = homicídio? Meu Deus do céu quanta besteira... O povo acha imoral o uso da maconha mais usa maconha estragada aqui.
    Isso aqui virou um antro de pensamento único. Deve ter algo a ver com o tal de Ubiratan Jorge que é um fanático religioso com medo de gente que não tem medo de viver de forma não-tradicional. Santo Deus vocês só não vão conseguir implantar o taleban cristão porque independentemente de leis humanas e religiosas as pessoas tem livre-arbítrio e agem como bem entendem.

    Fala a verdade: essa "Raquel" é homem e vocês, Mises, sabe bem quem é.
  • Marcos de vincenzo  25/10/2018 12:24
    Acabei de entender o que aconteceu. Seu comentário foi, sim, publicado. Por favor, tenha paciência para o moderador poder analisá-lo antes de desferir uma acusação difamatória como essa. Não sei se foi intencional, mas pareceu. Fazendo uma breve retrospectiva mental sobre seus comentário de que lembro, até por serem sempre de contraponto, algo BOM, vejo que tens uma resistência enorme a entender que este fórum é de liberdade e nunca iria cercear seu argumento. Deves estar acostumada com os fóruns do lado de lá...........
  • Pérsio   16/10/2018 23:25
    Perfeito. "Inimigos da liberdade" é uma definição muito boa do Politicamente Correto. Precisamos combatê-lo antes que seja tarde demais.
  • Jairdeladomelhorqptras  16/10/2018 23:34
    O problema para a mídia, os intelectuais e os acadêmicos marxistas é que agora não são mais os senhores da comunicação. A comunicação expandiu-se e o trânsito de idéias subiu exponencialmente. Ficou difícil para eles. Eles tiveram que mudar o "burgesiaXproletariado"ainda na primeira metade do século XX, como o artigo acima informa. E ainda sob atuação dos oligopólios da grande mídia.
    Nas novas condições da comunicação será impossível prosseguir com este embuste de marxismo cultural, deste politicamente correto e outras tentativas de "atualizar" o marxismo. Fico impressionado com a criatividade que estava represada nos setores anti -marxistas. Apesar dos parcos conhecimentos teóricos do nosso povo, dá para sentir a forte rejeição aos esquerdistas em geral. Rejeição esta feita com argumentos lógicos, grande sinceridade e muito bom humor. Esta esquerda brasileira não será enterrada facilmente. Mas a lápide para o seu túmulo já foi extraida da pedreira.
    Abraços
  • Sabio  16/10/2018 23:59
    Eu sou a favor da legalização do aborto, drogas, direitos das minoriais etc. Sou um verdadeiro liberal. E me irrita esses reaças que ficam condenando o socialismo, mas querem que o Estado controle o corpo e e decida pelas pessoas. Vamos parar de hipocrisia!
  • Libertário Genuíno  17/10/2018 00:37
    Errado quanto ao aborto, que nada mais é do que homicídio de um inocente indefeso.

    E errado quanto a "direitos de minorias". A menor minoria que existe é o indivíduo, e este sim tem direitos (não ter a sua vida retirada; não ter confiscada a sua propriedade honestamente adquirida; e não ter sua liberdade empreendedorial tolhida).

    Mas não existe isso de direitos exclusivos (privilégios) para gays, negros, transexuais, pansexuais, pedófilos e o escambáu.

    Você não é liberal, você é intervencionista: quer que o estado conceda privilégios para assassinos e para qualquer um que se auto-rotule "minoria".
  • Sabio  17/10/2018 04:08
    Discordo sobre sua visao do aborto. É uma posição meramente obscurantista fruto de convicções religiosas. O Estado tem que ser laico.
  • Pérsio   17/10/2018 23:52
    Com relação ao aborto, concordo EM PARTES. Aborto é assassinato, mas:
    - e no caso de gravidez resultante de estupro?
    - e no caso de risco de morte da mãe?
    - e no caso de mal formação fetal, como doenças genéticas e anencefalia?
    Anencefalia = ausência de cérebro. Se o feto não for abortado, vai nascer e crescer para se tornar um petista.
    Então acho que o aborto TERAPÊUTICO é algo a se considerar. A decisão final caberia ao casal e aos médicos em conjunto. Não tenho o direito de julgar quem passar por uma dessas três situações.
  • Douglas Miranda Gregorio  23/10/2018 14:03
    Situações em que o aborto não é considerado crime contra a vida humana

    O aborto no Brasil somente não é qualificado como crime em três situações:

    Quando a gravidez representa risco de vida para a gestante.
    Quando a gravidez é o resultado de um estupro.
    Quando o feto for anencefálico, ou seja, não possuir cérebro. Esse último item foi julgado pelo STF em 2012 e declarado como parto antecipado com fins terapêuticos.
    As gestantes que se enquadrarem em uma dessas três situações tem respaldo do governo para obter gratuitamente o aborto legal através do SUS (Sistema Único de Saúde).
  • L Fernando  17/10/2018 12:17
    Minorias tem de se adequar a maioria e não o contrário.
    Tu é a favor do caos isso sim.
    Imagina o aborto num país deste onde a Justiça é omissa, e ainda bancada pelo SUS.
    Seria um incremento e tanto em funerárias.
  • Raquel  17/10/2018 14:04
    Ninguém tem se adequar a ninguém.Ou minorias não devem ter seus direitos básicos resguardados?
    E até onde eu sei,feto não é enterrado,é jogado no lixo.
  • Pobre Paulista  17/10/2018 15:31
    Rauquel,

    Aborte-se, por favor. Eu mesmo irei jogá-la no lixo.
  • Sabio  18/10/2018 00:16
    Pobre Paulista, vc é pobre de espírito. Olha como fala com uma mulher. #respeitasasmina.
  • Pobre Paulista  19/10/2018 13:04
    Abortista nem é gente pra ser respeitada ou desrespeitada
  • Cristiane de Lira Silva  21/10/2018 22:36
    Pobre Paulista sem identificação, fala isso para todas as evangélicas e católicas que abortam independentemente do que você pensa delas. Fala isso para certos conservadores americanos pró-aborto e também para Ayn Rand e Margareth Tatcher - sim, a dama de ferro era "abortista". Continue fechado no seu mundinho cor-de-rosa onde as pessoas fazem escolhas influenciadas por Gramsci e não porque tomam decisões por si mesmas.

    Sou a favor do aborto baseando minha opinião em tudo que já li a respeito, pró e contra. Não será me chamando de abortista, assassina, dizendo que não sou gente, ou que sou indigna de respeito que alguém vai mudar a minha opinião.
    Tatcher uma vez falou que gostava quando era insultada. Significava que não havia sobrado "argumentos" melhores aos seus detratores. Algumas mulheres são realmente admiráveis...

    Eu sei que não vai ser publicado porque pensamento divergente não é bem vindo aqui. mas essa histeria de gente como o pobre paulista me entedia. Me deixa sonolenta. Nem sequer tem a graça do cabo Daciolo. Um saco! Volto a ler vocês daqui a um mês. Se meus comentários não serão publicados então nem tem graça ficar lendo toda semana. Agora é só uma vez no mês. Até mais tarde, Miseszinho.
  • Marcos de vincenzo  25/10/2018 12:19
    Cristiane... então... seu comentário foi publicado... você reclamou também acima nos comentários que ele não foi, mas foi. Se você não sabe, existe uma coisa chamada moderação para ver se há conteúdo ofensivo no comentário antes da publicação e isso não acontece em 3 segundos, pode demorar um pouco até o moderador analisar seu texto. Portanto, pare de uma vez por todas de vociferar que o site do Mises não aceita comentários contraditórios, você está sendo difamatória.................

    No mais, sempre analiso seus comentários e vejo que você é que tem uma resistência altíssima aos argumentos libertários. Você dificilmente aceita argumentos contraditórios e acredito que está aqui para tentar difamar, como fez com essa falsa acusação de moderação parcial por parte do Mises. Por favor, como leitor, peço que abstenha-se desse argumento que, dessa vez, foi devidamente rebatido. Argumente sim, sua ideia favorável ao aborto. Isso é bom. Difamação não, isso é ruim...... obgado.
  • ARLINDO  17/10/2018 14:57
    Ser a favor de "direito das minorias" o torna um coletivista. Está separando e julgando as pessoas de acordo com o grupo que você as classifica.
    "Direito das minorias" é nada mais do que privilégio. Você é um indivíduo com direitos naturais, assim como eu, e "queimar a rosquinha" não vai te fazer ter mais direitos.
  • andre carlos  17/10/2018 00:08
    também tenho medo de um eventual fracasso de um governo BOLSONARO acredito pouco na viabilidade das reformas até porque o MITO tem um viés estatista aí o PT volta com força em 2022.a Situação fiscal do país não é muito boa.
  • JSC  17/10/2018 21:05
    "a Situação fiscal do país não é muito boa."

    DÓIN DÓIN DÓIN !!! Já temos um vencedor do concurso de "understatement of the year" ! :-D
  • Mídia Insana  17/10/2018 01:57
    Passei o dia assistindo à esquerda politicamente correta. Eles estão longe de ser ameaça. Sem o dinheiro para subornar o país inteiro, a esquerda não tem nada além de argumentos jurássicos, apelo à emoção / opressão, obsessão por tudo que é estatal, espantalhos sobre tudo que não é de esquerda e o ideal de que tudo que é privado precisa ser estatal. Os argumentos da esquerda são pobres e sua retórica, mais ainda. É difícil convencer a população a sentir misericórdia pelo cara no outro lado do fuzil, ou que professores devem falar de sexo para crianças.

    Não me surpreende que eles foram derrotados por candidatos pequenos, tiozões do Whatsapp e por preteridos da academia.
  • Rodrigo  17/10/2018 02:42
    Concordo que ela está perdendo um pouco do "mojo", do "sex appeal", mas isso é um fenômeno totalmente recente. E nada garante que será pontual. Ela pode ressurgir com força total no próximo ano.

    O grande erro dela foi ter ido com muita sede ao pote. Quiseram enfiar goela abaixo do povo costumes e comportamentos completamente repulsivos. Aí acabou gerando o efeito contrário.

    Por ora, conseguimos uma brecha pra respirar e neutralizar a ameaça. Mas é importante jamais baixar a guarda. Mais importante ainda: jamais parar de bater no inimigo, mesmo que ele esteja caindo. Grandes boxeadores ensinam: quando o inimigo se faz de vencido e você baixa a guarda, ele rapidamente reage e aniquila você.
  • Jairdeladomelhorqptras  17/10/2018 16:06
    Caro Rodrigo,
    Gostei do "jamais parar de bater no inimigo". E acrescento: continuar batendo mesmo com ele tres vezes morto.
    E antes que alguém politicamente correto me processe por incitação a violência, digo que me refiro às idéias. E este é o problema amigo. Como o texto acima se referiu, as antigas idéias se transvestem mais que as "meninas" da antiga Lapa. E quanto mais estapafúrdias são as ideologias mais imorredouras se tornam.
    Hojerizo a bajulação, mas reconheço que o Mises faz excelente trabalho. Só abateremos os marxistas e a esquerda em geral se os vencermos no único terreno em que realmente são eficientes: na propagação de suas (falsas) idéias. Levará tempo. Não veremos. Mas como indivíduos, ao pensar e penar livremente, de certa maneira, temos o nossa migalha de liberdade.
    Abraços
    OBS. Me refiro aos marxistas e esquerdistas pois pregam a supremacia estatal. Mas a crítica serve a todos os adoradores do Estado.
  • Felipe Lange  18/10/2018 11:15
    Essas besteiras só prosperam em bolhas, como ambientes acadêmicos por exemplo (eu que curso Biologia sei como é, brota petista e progressista de tudo quanto é lado, embora já tenha sido pior). Saindo dali você vê o pessoal de interiorzão típico, como moro em cidade de interior desde 1998 (com menos de 80 mil habitantes) eu presencio o sofrimento (eu também sofro os efeitos do estatismo) do povo, que depende da porcaria do transporte regulado pelo estado (lembre-se que com regulação a economia de escala acaba sendo a única possível, por isso em cidades pequenas há poucas opções), entre outras coisas. Como eles sabem que o povão não liga para essas porcarias, eles então usam de pseudo-intelectuais que agem como verdadeiras prostitutas do estado, além de artistas.

    Se meus avós estivessem vivos, muito provavelmente votariam no Bolsonaro. Não porque leram Olavo e afins, mas porque não aguentam mais o PT (eles pelo jeito nunca gostaram de comunismo) e sentem que o Bolsonaro está disposto "a colocar ordem na casa". Meu avô me passou importantes ensinamentos, tais como frugalidade, algo que precisa para o Brasil começar a crescer.

    OBS: Foi você quem comentou em um vídeo que fiz da Cecília no meu canal?
  • Julio  17/10/2018 03:34
    mises.jusbrasil.com.br/noticias/126057782/marxismo-cultural-e-um-paradoxo-cuidado-com-quem-evoca-este-termo
  • Lucas Rodrigues  17/10/2018 12:21
    É inacreditável o quanto as pessoas aderem a esse movimento sem perceber que estão, na verdade, pulando dentro de um abismo. Pelo fim do politicamente correto!!!
  • João  17/10/2018 17:58
    De vez em quando aparece uns filmes bons que foge um pouco do politicamente correto.

    Eu acho que o único filme que vi um rico não ser taxado de egoísta, malvado, trapaceiro e ainda gostar de estudar sobre várias coisas diferentes sem precisar como aquele Edge (No limite,1997) tinha Anthony Hopkins no papel principal.

    Tem outros( alguns são bons mas faz refletir)

    pensararealidade.blogspot.com/2016/03/os-melhores-filmes-politicamente.html?m=1
  • Andre de Lima  18/10/2018 01:29
    Esse filme é bacana, mesmo, o problema é que o rico, no caso Anthony Hopkins, era extremamente culto, eficaz e de pensamento livre... ele era o corno, literalmente!
  • BRUNO GUIMARAES CARNEIRO  18/10/2018 01:01
    OFF-TOPIC

    Alguém sabe explicar porque o preço do combustível na bomba subiu enquanto dólar, pretróleo e combustível na refinaria caiu nas últimas semanas?

    "A alta foi registrada apesar da Petrobras ter reduzido o preço da gasolina vendida às distribuidoras em 3,02% no período, de R$ 2,2159 em 5 de outubro para R$ 2,1490 no dia 12 do mesmo mês."

    g1.globo.com/economia/noticia/2018/10/15/precos-da-gasolina-e-do-etanol-tem-nova-alta-mostra-anp.ghtml?utm_source=facebook&utm_medium=social&utm_campaign=g1&utm_content=post
  • Especialista  18/10/2018 03:37
    Vários motivos:

    1) O preço da gasolina nas refinarias da Petrobras aumentou, de fevereiro até hoje (começo em fevereiro porque é quando começa a série histórica), em 42%. Era de R$ 1,5148 em 20 de fevereiro e foi para R$ 2,1490 em 18 de outubro.

    Neste mesmo período, como mostra o gráfico do seu link, o preço da gasolina nas bombas subiu "apenas" 12%. Ou seja, ainda está defasado e tem espaço para subir mais, dependendo da demanda.

    2) O preço do álcool aumentou, pois as plantações de cana estão nas mínimas históricas. Como o preço do açúcar desabou no mercado internacional, vários agricultores pararam de plantar cana e foram plantar soja, que está em alta demanda pelos chineses, que reduziram suas transações com os EUA (em decorrência da guerra comercial entre os dois países).

    Se o álcool encarece, e se ele representa quase 30% de um litro de gasolina, então a gasolina também vai subir.

    www.reuters.com/article/us-brazil-grains-sugar/brazils-farmers-dump-sugar-for-soy-as-trade-war-boosts-chinese-demand-idUSKBN1KZ0B5

    www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/economia/2018/10/12/internas_economia,712344/depois-da-alta-da-gasolina-preco-do-etanol-dispara-nos-postos.shtml

    g1.globo.com/sp/sao-carlos-regiao/noticia/2018/10/03/araras-tem-o-maior-aumento-no-preco-do-combustivel-na-regiao.ghtml

    3) Além do que foi dito no item 2, o próprio encarecimento da gasolina aumentou a procura por etanol (para quem tem carro flex), o que encareceu este combustível. Consequentemente, o encarecimento do etanol também ajudou encarecer a gasolina, pelos motivos explicados acima.

    É um círculo vicioso.

    4) Não há livre concorrência entre postos de combustível, pois este mercado é extremamente regulado pelo governo. É impossível entrar nele para concorrer com os já estabelecidos.

    Postos de combustível são uma das reservas de mercado mais antigas do país. Não há nenhuma liberdade de entrada para qualquer concorrência neste ramo. As pesadas regulamentações da ANP não apenas tornam proibitivo o surgimento de qualquer empresa que queira explorar e refinar petróleo aqui no Brasil e nos vender, com também garante a total cartelização do setor de postos de combustível.

    Tente você abrir um posto de gasolina. Além de todas as imposições da ANP e de todos os papeis, taxas, cobranças, cartórios, filas, carimbos, licenças e encargos, há ainda toda uma cornucópia de regulamentações ambientais, trabalhistas e de segurança que fazem com que abrir um posto de combustíveis seja uma atividade quase que restrita aos ricos (ou a pessoas que possuem contatos junto ao governo).

    Livre concorrência nesta área nunca existiu. Você só consegue se tornar dono de um posto de gasolina se o seu atual dono lhe passar o ponto. Apenas veja na sua própria cidade. Qual foi a última vez que você viu um posto de gasolina ser aberto em uma nova localidade? Praticamente nenhum posto quebra e nenhum posto novo surge.

    Eu, se tivesse o privilegio de ser dono de um posto, cobraria o máximo possível. A coisa funciona como um cartório: vende um produto cuja demanda é inelástica e não há concorrência.

    Artigos sugeridos:

    Carteis, postos e preços da gasolina - de quem realmente é a culpa pela forte alta?

    Por que não faz nenhum sentido manter a Petrobras estatal
  • Bruno Carneiro  18/10/2018 14:32
    Obrigado pela resposta!

    Aproveito para deixar outra pergunta:

    Qual é a causa para o aumento do preço do petróleo desde jan/2016?
  • anônimo  18/10/2018 17:05
  • Bruno Carneiro  18/10/2018 17:08
    Mas qual foi a causa da queda do preço entre 2014 e 2016 e da subida entre 2016 e 2018?
  • anônimo  18/10/2018 18:42
    Fortalecimento e enfraquecimento do dólar. Todas as commodities são cotadas em dólar. Quando o dólar fica forte, as commodities barateiam. Quando o dólar fica fraco, as commodities encarecem. Aconteceu a mesma coisa com o ouro.

    d3fy651gv2fhd3.cloudfront.net/charts/historical.png?s=XAUUSD&v=20181018182000&d1=20130101&d2=20181231

    Essa relação entre preço das commodities e cotação do dólar foi explicada aqui:
    www.mises.org.br/Article.aspx?id=2190


    Ademais, no caso do petróleo, não ignorar as crescentes tensões no Oriente Médio, a brutal redução da produção na Venezuela, e algumas ameaças da Opep de reduzir a produção.
  • Bruno Carneiro  23/10/2018 15:24
    Ainda neste assunto, encontrei uma matéria interessante que traz mais detalhes sobre o item 1.

    Essa comparação direta de valores entre o aumento nas refinarias e na bomba não é totalmente adequada pois valores percentuais são cálculados sobre bases diferentes.

    "Poderia parecer que os postos perderam dinheiro, mas é apenas uma pegadinha percentual, porque os valores são calculados sobre bases diferentes (o preço na refinaria é menor, e por isso a porcentagem é maior). Mas, em reais, os postos aumentaram até mais: o preço nas bombas subiu R$ 0,677, enquanto nas refinarias o aumento foi de R$ 0,627."

    economia.uol.com.br/noticias/redacao/2018/09/14/gasolina-reajuste-refinaria-petrobras-distribuidora-postos.htm?cmpid=copiaecola
  • Renato  18/10/2018 06:47
    Todo mundo em sã consciência sabe que o socialismo não funciona. Ninguém é socialista de fato. Quem usa essa ideologia para conquistar coisas na vida é mal caráter e dissimulado. As pessoas ajudam as outras, quando querem, para se sentirem bem e serem bem vistas pela sociedade. Isso se chama generosidade, sendo um ato espontâneo e individual. Pregar o socialismo para solucionar os problemas de um Estado nunca dará certo, porque ele se limita ao grupo que detém as idéias e a infliencia e não tem alcance suficiente para atingir todas as pessoas. Ou vocês acham que politicos e funcionários públicos, abrem mão do salário para fazer suas funções de graça só porque existem milhões desempregados e pessoas passando necessidade? Eles pensam primeiro neles, na família, nos mais próximos e outros pouco importa! Pelo contrário!!! Estão sempre criando novos impostos, leis, exigindo maiores salários e direitos, daí o Estado cresce cada vez mais até colapsar! Por isso sou a favor de privatizar tudo, mas tudo mesmo, que se pode fazer pela iniciativa privada.
  • Skeptic  18/10/2018 06:52
    Um pouco caricata essa divisão.
    Tem muita gente que não tem grandes simpatias pelo liberalismo, interesse por esses temas ou até mesmo era esquerdista há pouco tempo, percebendo a enorme incoerência do discurso politicamente correto. Em compensação, o discurso cristão-conservador também é cheio de falhas, principalmente quando conservadores colocam o estado como guia moral e cultural da sociedade.
    Até hoje, não me ficou claro o real poder do gramscismo. Como dizia Janer Cristaldo, o maioria divulgador de Gramsci no Brasil é (era?) o Olavo de Carvalho, a quem ele carinhosamente chamava de Aiatolavo. Da mesma forma que sempre exageraram muito sobre o Foro de SP.
    Segundo muito olavetes e o próprio Olavo, libertários também são marxistas culturais, pois defendem a liberação das drogas.
  • shadowth  18/10/2018 11:21
    O Brasil é um pais d hipocrisias, podemos perceber que vários padres, pastores, cleros e etc. Eles cometeram pecados hediondos que faz ter uma imagem ruim da religião. Dês do dia que a população escolheu Barabas ao invés de Miguel (jesus), ainda eles te coragem de pregar a imagem manipulada pelas as pessoas de poder. Já começamos por ai! Ainda as pessoas usam métodos da idade de bronze, que é ter relações conjugais em grupos ou com mesmo sexo. Isso só era usado em festas de alto calão (referencia as pessoas ricas daquela época), as atividades homossexuais eram usadas também para os militares daquela época para os guerreiros ficarem mais confiantes um ao outro e dar respostas sentimentais agressivas em batalha, mas costumava ser entre familiares, raramente com outro homem. Obs: Incesto!
    Depois de algum tempos a sociedade veio aumentando, criando novas formas de ver as coisas, as coisas que eram feitas antigamente começou a ser atos de prazer. Os comunistas tiram aproveito disso, referencia: pessoas pobres, homossexuais, pessoas sem conhecimento algum e etc. Depois que os comunistas chegam ao auge do poder eles eliminarão os homossexuais, os idiotas uteis (pobres e pessoas sem conhecimentos). O comunismo implanta a ditadura política e militar, tirando os bens das pessoas e reduzindo as coisas para os pobres, antes disso tudo, eles retiram as armas das pessoas! Assim, os cidadãos de bem, não iram reagir contra a ditadura comunista....

    Isso que vocês estão vendo no Brasil, eles querem tomar o poder a força, o PT é um partido comunista que quer destruir o pais. Só olhar o plano de governo de Haddad, ele que implantar um nova Cuba ou Venezuela no Brasil.

    A diferença de um Capitalista para um comunista, é que, os capitalistas não aceitam erros, capitalista não tem pena de ladões e pessoas corruptas, capitalismo prendi e repreendi pessoas criminosas. Já os comunistas passam a mão na cabeça de vagabundo, eles são injustos com pessoas de bem, só comete erros que custa vidas e afeta o pais todo, jogando o país para vala.
  • anônimo  18/10/2018 11:49
    Esse capitalismo do Brasil é uma piada.

    Essas privatizações do Paulo Guedes serão mais do mesmo.

    Essas privatização para o governo fazer caixa não irão funcionar.

    Ao invés da privatização ser vencida por alguém que for investir mais no negócio e tem o melhor projeto, essa venda só vai servir para tapar buraco no caixa do governo.

    Por exemplo, os leilões de frequência de celular fizeram as operadoras gastarem bilhões, sem instalar uma antena. zteve um custo gigante sem o negócio ter começado.

    Um leilão de uma usina de energia poderia gerar muito mais energia e baixar os preços, ao invés de colocar bilhões numa usina que só vai transferir os custos da energia de forma disfarçada. Ao invés de pagar imposto, o cidadão vai pagar conta de energia.
  • Andre Fernandes  18/10/2018 11:58
    Leandro ou alguém do time IMB, bom dia!

    O assunto é off-topic, mas gostaria de uma ajuda de vocês.

    Eu consigo em algum lugar uma série histórica que me mostra a evolução dos investimentos aberta em investimentos financeiros (renda fixa, tesouro) e investimento produtivos?

    Gostaria de analisar estas 2 informações frente a evolução da taxa de juros e inflação.

    Muito obrigado!
    André
  • Andre Fernandes  18/10/2018 17:40
    Complementando a dúvida.

    Encontrei série 27805 "Meios de Pagamento amplos - Depósitos a prazo (saldo em final de período".

    Não tenho certeza se contempla exatamente o que procuro, mas me parece ser o montante investido em aplicações a prazo (CDB, Tesouro, Letras de Crédito). Estou certo?

    Se sim, surgiu outra dúvida. O comportamento de aumento no saldo destes depósitos a prazo concomitante ao aumento da taxa de juros é bastante consistente, como deveria ser.

    Tem apenas 2 intervalos onde isso não se mantem:

    2013-2016 com aumento contínuo da taxa de juros e retração no saldo de depósitos a prazo. Entendo que da segunda metade de 2014 até 2016 pode ser atribuído a crise. Pessoas resgatando investimentos para complementar renda e etc.

    A partir de 2016 as taxas de juro caem e os investimentos em depósitos a prazo crescem de forma brusca. Isso sinaliza uma mudança de comportamento pós crise? A população mais consciente da importância de se ter reservas para enfrentar períodos como esse? A decisão do governo Temer de liberar os recursos de contas inativas do FGTS também pode influenciar nesse aumento de reservas?

    Obrigado!
    André Fernandes
  • Andre  18/10/2018 16:09
    Melhor lugar para apreciar o governo Bolsonaro é Miami, tal qual apoiadores como o ex liberal Rodrigo Constantino e Leandro Rushel já o fazem, capitalismo para eles e estatismo de direita para quem fica em Pindorama.
  • L Fernando  18/10/2018 16:36
    Boa viagem
    Mande um postal
  • thiago  18/10/2018 16:28
    Me chamou a atenção a corrupção moral. Trabalho em repartição pública dominada por esquerdistas estatistas progressistas gramscianos etc e sinto que há no ar um "gosto pelo erro alheio" ou pela "corrupção alheia". É muito louco, difícil explicar. Mas parece haver mais motivação em que se erre e se corrompa do que em realizar o 'objetivo institucional' propriamente dito. O texto me pareceu muito acertado ao dizer: "A função destas três instituições não é esclarecer e iluminar, mas sim confundir e enganar. " Fico pensando até que ponto há consciência dessa estratégia para se ter "poder" ou consciência dessa "depravação" do ser humano.
  • Renato  19/10/2018 18:34
    Então thiago, você abriria mão do seu emprego, do que você vai ganhar pelo resto de sua vida, para ajudar a melhorar a vida de outras pessoas que pagam seu salário? Mesmo que você pague imposto, seu salário vem dos do rateio dos impostos de todos os outros cidadãos que pagam impostos também. E não adianta argumentar que você faz algo realmente produtivo, ainda mais repartição pública, porque não faz. Tudo que o Estado faz, do jeito que é hoje, da para ser bastante simplificado e privatizado. Falta mudança de mentalidade para mudança do sistema. Produtivo mesmo são os fazendeiros que plantam alimentos, funcionários em empresas que fabricam produtos ou prestam assistência técnica, etc. Eu era funcionário púbico também, sai a pouco tempo, por não ter me acostumado com o que fazia, via e ouvia e outras desavenças que ocorriam. E eu sei que muitos se sentem assim também, porque as vezes são funções sem sentido, que prejudicam ou atrapalham as outras pessoas. Pesa ser funcionário público em um país onde a maioria que produz não tem reconhecido o valor de seu trabalho e uma minoria sempre quer mais direitos, sem cumprir seus deveres ou se preocupar se vai prejudicar outras. A realidade é assim, varia de cidade, tipo de governo, mas é assim.
  • Raquel  21/10/2018 15:55
    E como a exoneração voluntária do Thiago vai melhorar a vida de alguém?O problema está no sistema,não nele.A vaga que ele deixaria ociosa seria em mais ou menos tempo,ocupada por outra pessoa,seja via concurso,ou por indicação.
  • Renato  24/10/2018 03:15
    Você leu e compreendeu minha opinião? "Falta mudança de mentalidade para mudança do sistema". A soluçao é tirar o poder dos políticos e das classes que estão em volta. Mas como o Brasil é um país patrimonialista e com um viés socialista disfarçado, o povo não enxerga esse problema. Muitos estão saindo da bolha, e enxergando outras opções e soluções, que funcionam em outros lugares. Outros milhões, enxergam as coisas das jeito que elas são, não as questionam e aceitam o sistema do jeito que é. E você não compreendeu o que eu falei. Se você está nesse site, presumo que você busque conhecimento para enxergar as coisas de outra forma. Às vezes não concordo com todas as idéias libertárias. Mas eu tenho certeza que mais liberdade, menos direitos e mais deveres para as pessoas e o caminho para consertar o Brasil.
  • Marcos de vincenzo  25/10/2018 13:29
    Essa discussão de "devemos crucificar o sujeito por estar no funcionarismo público?" já esteve presente inúmeras vezes nas sessões de comentários deste site e não leva a lugar algum. Só cria ressentimento naqueles que poderiam ajudar na revolução libertariana, exatamente por estarem dentro da máquina. Devemos lutar para mudar o sistema, para quebrar o sistema. O poder não está lá para ser tomado, mas para ser destruído. Assim, não precisaremos mais dessa discussão rasa e improdutiva.
  • Wagner  25/10/2018 15:18
    Não, vou continuar clonando cartão dos funças que vêm ao meu estabelecimento e vender os dados para a bandidagem zerar suas contas para se sentirem roubados assim como os cidadãos produtivos se sentem.
    Mesmo depois que o banco os pagam de volta é revigorante ver o medo de serem roubados em suas faces todas as vezes que passam cartão e comentam como se sentiram humilhados tendo sua propriedade tolhida, igualzinho esses pulhas fazem os cidadãos honestos se sentirem quando necessitamos atendimento dessa corja.
  • JJ  19/10/2018 21:29
    Lembro-me de que, antigamente, eu ridicularizava muito o pessoal do PSTU, porque suas teorias de planos de dominação mundial de capitalistas eram bastante estapafúrdias. Eu me divertia à beça com a ideia de que um grupo de empresários fazia reuniões semanais para decidir como oprimir a humanidade. Ainda é uma ideia bastante engraçada para mim.

    Hoje em dia, porém, depois de muito tempo acreditando piamente nesse plano de dominação mundial por parte dos marxistas, percebi que eu estava, no final das contas, fazendo exatamente aquilo que eu ridicularizava nos membros do PSTU, somente trocando "capitalistas" por "marxistas". Era como se eu tivesse descoberto alguma grande realidade oculta aos menos esclarecidos - exatamente aquilo que um membro do PSTU fazia quando dizia "vá estudar História".

    Eu percebi isso piorando cada vez mais quando vi o guru e pioneiro dessas teorias no Brasil - Olavo de Carvalho - execrar, ridicularizar, xingar qualquer um que ousasse expor alguma inconsistência em suas ideias. A coisa foi ficando bastante cansativa, porque eu cada vez mais enxergava malucos do PSTU nos discípulos do Olavo. Era difícil aturar um monte de gente que leu uma ou duas coisas e já achava que tinha descoberto um grande plano de dominação mundial encoberto por agentes escondidos nos quatro cantos da terra.

    Mais recentemente, o Olavo inventou uma maluquice sobre um candidato defender o incesto e a pedofilia, além de inventar uma citação do famoso "decálogo de Lênin" em uma das obras dele. Claro, quando confrontado com a verdade, ele diz "peraí, eu não disse que ele defendeu abertamente, só disse que ele segue a Escola de Frankfurt", ou "Lênin não escreveu o decálogo, mas o seguiu rigorosamente". Ou seja, sempre dá um jeito de dizer que não está mentindo nem inventando nada.

    Enfim, esse é um relato de um ex-Olavista, não de alguém que nunca leu nada do Olavo e segue por aí falando alguma coisa sobre ele. Acho, até, que é legal ler o Olavo quando ele fala sobre filosofia e não entra nessas viagens de quem parece que fumou orégano estragado. Quem quiser me xingar e exigir que eu leia 850 livros para poder refutar, pode esquecer, eu já perdi tempo demais e já sei exatamente como Olavista reage. Eu sou só mais um comunista idiota útil do comunismo globalista. Pronto, já falei por vocês, ok?
  • Renato  25/10/2018 02:55
    JJ, mas algumas coisas que ele fala fazem sentido, pois existe sim um esquema mundial de dominação, que usa de táticas socialistas para conquistar e concentrar poder, principalmente poder econômico.
  • Cristiane de Lira Silva  22/10/2018 11:24
    Miseszinho, vulgo Leandro, se vc aprovar meus comentários eu juro que farei as seguintes coisas:
    1) Me declaro libertária/conservadora/direitista
    2) Deixo de ser agnóstica/mística/cristã e viro uma daquelas evangélicas beatas anti-sexo e antifelicidade que passam o dia fofocando sobre a vida e a sexualidade dos outros.
    3) Viro uma cruzadista antiaborto.
    4) Me declaro branca, apesar de ser parda/negra
    5) Deixo de ser feminista. E abandono esses movimentos de minorias que só servem pra implantar o comunismo e provocar briga entre as pessoas.
    6) Nunca mais faço piada com religião/religiosos.
    7) Nunca mais vou morrer de rir do marxismo cultural, da URSAL, do cabo Daciolo ou do Pobre Paulista sem identificação.
    8) Paro de ouvir Madonna e Roger Waters, especialmente a música Like a Prayer nas alturas.
    9) Convenço meu noivo Fernando a deixar de ser ateu e se tornar um evangélico dedicado que só escuta música gospel e não ouve Queen ou Pink Floyd porque são coisas do demônio.
    10) Fico contra a legalização das drogas e farei uma cruzada contra o uso das mesmas.

    Pronto agora eu sou uma "mulher modesta". Só não dá pra mudar meu nome pra Raquel porque esse nome é muito feio e eu prefiro ser Cris mesmo.

    Perdoem os meus pecados, por favor. Eu estou muito arrependida.

  • Raquel  22/10/2018 14:03
    Raquel é para poucas mesmo.
  • Pobre Paulista  22/10/2018 14:12
    Não entendi direito, você diz que eu te deixo entediada, mas você continua dando alguma importância para mim, escolhe aí.
  • Libertariozinho  22/10/2018 16:36
    Ah pronto, era só o que faltava...
  • Marcos de vincenzo  25/10/2018 13:45
    Eu tenho que esperar agonizantemente para meus comentários irem para o ar, mas sei que moderação num fórum desse porte não é fácil... mas tem gente que não sabe esperar... qual comentário seu nunca foi aprovado, Cristiane!? Sempre vejo seus argumentos.... tem em todas as sessões de comentários.... tem mais!? você deve ser muito prolífica, então...
  • NPC  23/10/2018 11:43
    Não é exatamente sobre o tema, mas está relacionado (guerra de narrativas).

    Leiam essa matéria: www.bbc.com/portuguese/amp/internacional-45909515

    A BBC culpou até a censura da imprensa, mas não soltou uma única palavra sobre o socialismo (as nacionalizações e o tabelamento de preços).

    Após a queda da URSS, eu tive a real esperança que depois da catástrofe na Venezuela os jornalistas ocidentais fariam seu trabalho em alertar as pessoas sobre os perigos das políticas socialistas (a impossibilidade do cálculo econômico), mas não, parece que eles estão passando o pano de forma ainda mais intensa no estatismo.

    Meu conselho é que o IMB deveria começar a infiltrar jornalistas e formadores de opinião nos principais jornais do país. Porque da forma que estamos indo, não vai demorar muito pro Brasil ir pro mesmo buraco, independente de quem esteja na presidência.
  • Henrique   26/10/2018 03:01
    Às vezes acho que o que devemos fazer com relação a essa "ditadura politicamente correta" a qual estamos passando nos últimos tempos, é tocar o "foda-se"(de forma mais explícita, e não meramente "teórico" e projetista). Não só eu, mas vocês, e todos os outros que estão descontentes com ela(e é claro, obviamente influenciarmos não só os nossos próximos - leia-se amigos e parentes - mas principalmente nossos descendentes - leia-se filhos, sobrinhos, etc - a fazerem também). Este sem dúvidas é o caminho mais longo e "amargo" para o combate de tudo isso, porém ao meu ver é o mais efetivo. Pode parecer que estou falando algo óbvio e/ou até mesmo manjado, mas sinto que os que seguem esse caminho não o fazem de forma séria e expressiva(é como se no fundo estivessem apenas "empurrando com a barriga" e ignorando tudo isso), por isso que lhe vos digo: Devemos parar de apenas reclamar disso e botarmos a mão na massa, ao começar por nossas vidas ...

    Ps: Estou aberto a críticas e refutamentos.
  • Emerson Luis  27/10/2018 13:00

    É impressionante como a maioria dos membros das "minorias" não percebem que seus supostos defensores os consideram seres inferiores de sua propriedade (basta ver como reagem à "ingratidão") e que apenas os usam como objetos descartáveis para promoverem-se socialmente e para obter mais poder e privilégios.

    Outro ponto a observar é que TODO MUNDO faz parte de diversos grupos ao mesmo tempo, então os vários discursos de "vítima da sociedade" fatalmente conduzem a:

    1- colisões de narrativas (por exemplo, atletas homens que se declaram mulheres e começam a massacrar as atletas mulheres "originais de fábrica");

    2- disputas a respeito de quem é "mais vítima do que o outro" e;

    3- invenções de subcategorias de minorias dentro das minorias (ex: "colorismo").

    Além disso, o pensamento esquerdista é incompatível com o bem-estar subjetivo ("felicidade"); membros de "minorias" que de fato acreditam nessas narrativas têm enorme probabilidade de se sentirem extremamente infelizes.

    * * *


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.