clube   |   doar   |   idiomas
Estudar o clima não faz de você um especialista em economia e política
A grande arrogância do “Acordo Climático de Paris”

Em resposta ao anúncio do governo Trump de que estava os retirando os EUA do Acordo Climático de Paris, alguns de seus críticos declararam que qualquer pessoa que goste de "ciência" teria apoiado o acordo.

Não surpreendentemente, o cientista-celebridade Neil deGrasse Tyson não perdeu tempo em declarar que Trump defendeu a retirada porque sua administração "nunca aprendeu o que é Ciência nem como e por que ela funciona".

Mas o que exatamente a "Ciência" (Tyson escreve com maiúscula por algum motivo insondável) tem a ver com acordos políticos?

neil.jpg

"Se eu e meus conselheiros jamais tivéssemos aprendido o que é a Ciência ou como e por que ela funciona, eu também sairia do Acordo Climático de Paris."

Sabemos que Tyson é da opinião de que há aquecimento global. Também sabemos que vários outros cientistas concordam com ele.

Porém, concordar com Tyson na questão das mudanças climáticas não significa que alguém deve, lógica e necessariamente, defender o Acordo Climático de Paris. Afinal, o Acordo Climático de Paris não é um estudo científico. Trata-se meramente de um documento político que estipula uma agenda específica de políticas públicas a serem adotadas por vários governos ao redor do mundo.

Você concordar ou discordar com os termos do Acordo pode até ser um indicador do que você pensa sobre a ciência climática. Mas pode também não ser indicador nenhum. É perfeitamente possível aceitar que há mudanças climáticas e que os seres humanos têm um grande papel neste fenômeno; entretanto, concordar com isso não significa que você tem necessariamente de aceitar se submeter às políticas públicas compulsórias impostas pelo documento de Paris.

Ambos são fenômenos totalmente independentes.

Ciência e política não são a mesma coisa

Uma analogia pode ajudar a ilustrar essa dicotomia.

Pesquisas científicas mostram que a obesidade faz mal para a saúde. Imaginemos, então, que, em resposta a crescentes taxas de obesidade, vários políticos decidem se reunir e assinar um acordo para dizer 'não' à obesidade — chamemos esse acordo de Força Orquestrada pelo Fim da Obesidade (FOFO). Os políticos que defendem tal acordo alegam que o tratado irá reduzir a obesidade, e afirmam peremptoriamente que o país que não aderir aos seus ditames estará condenando a humanidade a uma grave crise de saúde.

Pergunta: algum político que eventualmente não assinar este acordo é automaticamente um "negacionista da obesidade"[1]? Uma recusa em não fazer parte de tal acordo prova que os dissidentes acreditam que a obesidade não é uma coisa real?

Obviamente que não.

Aqueles que se recusam a assinar o acordo podem ser da opinião de que o FOFO nada faz para efetivamente reduzir a obesidade. Ou então acreditam que o acordo não faz uma ponderação adequada entre os custos e os benefícios de impor suas diretivas. Em suma, os oponentes podem simplesmente acreditar que "a cura é pior que a doença".

Em qualquer caso, discordar do acordo nada tem a ver com negar a existência da obesidade ou a ciência por trás dos estudos da questão.

O problema com Paris

O mesmo é válido para o acordo de Paris. Aqueles que discordam do documento podem perfeitamente estar — e provavelmente estão — se opondo a algumas cláusulas específicas do acordo, as quais podem, com efeito, acabar sendo muito mais custosas para as pessoas do que o suposto aquecimento global propriamente dito.

Porém, para cientistas como Tyson — isto é, pessoas que nada sabem sobre economia ou instituições políticas —, políticas públicas funcionam como truques de mágica: um grupo de políticos se reúne, declara que irá solucionar o problema X, e então, voilà!, o problema X é magicamente solucionado — desde que, é claro, todos apóiem irrestritamente a "solução".

Mas e se as soluções políticas propostas pelos políticos reunidos em Paris forem erradas? Ou, e se a cura for pior que a doença?

Presumivelmente, o acordo deveria melhorar as vidas de todos os seres humanos do planeta em decorrência de políticas que irão aprimorar seu padrão de vida. Se isso for verdade, então, por definição, o acordo de Paris tem necessariamente de realizar várias coisas:

1. Ele deve se basear em uma ciência sólida e irrefutável sobre o clima.

2. Ele deve prever, com perfeição e acurácia, os efeitos das mudanças climáticas nos padrões de vida.

3. Ele deve endossar políticas públicas que irão mitigar os efeitos negativos das mudanças climáticas nos padrões de vida de todos.

4. Ele deve demonstrar que essas políticas públicas irão realmente mitigar os efeitos das mudanças climáticas.

5. Ele deve demonstrar que os custos das políticas públicas propostas são menores que os eventuais custos das mudanças climáticas.

Se o acordo de Paris for incapaz de efetuar qualquer um destes itens, então ele deve ser sumariamente rejeitado. Se o resultado líquido do acordo for o de deixar as pessoas economicamente mais pobres, então o acordo não possui valor nenhum.

Agora, sem fazer qualquer juízo quanto à ciência climática em si, podemos constatar ao simplesmente lermos o acordo de Paris que ele pode facilmente ser rejeitado com base nos itens dois, três, quatro e cinco da lista acima.

Afinal, o acordo é baseado em previsões políticas que são totalmente especulativas. O acordo tenta fazer previsões sobre como será a economia global daqui a décadas (um comportamento notoriamente falível e nada confiável) e é incapaz de honestamente levar em conta as verdadeiras consequências de se impor, coercivamente, custos energéticos extremamente mais caros para as pessoas mais pobres e trabalhadoras do mundo — que é o que o acordo quer fazer na prática.

Com efeito, o acordo nem sequer menciona os custos para as famílias — as quais, caso o acordo entre em vigor, teriam de lidar com essa energia muito mais cara.

Os únicos custos mencionados são os custos de adaptar às mudanças climáticas. Em outras palavras, o acordo assume que não haverá absolutamente nenhum efeito negativo para as famílias. Difícil haver indício mais claro do que este de que se trata de uma farsa.

Também ignorado é o custo de oportunidade de se adotar as cláusulas do acordo. Na vida real, a adoção das prescrições políticas do acordo irá reduzir o crescimento econômico, pois haverá uma redução no acesso a recursos energéticos básicos.

E há também contradições insanáveis. Ironicamente, uma das consequências de se reduzir a riqueza das famílias será uma redução na arrecadação tributária dos governos. Dinheiro que será gasto — por pessoas e governos — com energia mais cara é dinheiro que não poderá ser gasto em outras áreas, como saúde, educação e pesquisa sobre melhores práticas agrícolas. Ao mesmo tempo, o acordo também requer uma volumosa política de redistribuição de renda e sugere amplos gastos governamentais em vários programas, como "preparações emergenciais" e "seguros" governamentais para bancar os efeitos dos desastres naturais.

Assim, o acordo clama por mais gastos públicos ao mesmo tempo em que reduz a capacidade tanto do setor público quanto do setor privado em incorrer em tais gastos.

Trata-se de um comportamento totalmente contraditório e, ao mesmo tempo, autodestrutivo.

Menos energia significa menos água limpa

Outro fator de extrema importância, e também ignorado pelo acordo, é a necessidade de energia para a produção e distribuição de água limpa. A água potável é um recurso escasso, mesmo que o governo goste de tratá-la como se não fosse.  

Mesmo com a crescente demanda originada por populações cada vez maiores, água limpa e potável pode ser produzida por meio do uso de energia intensiva, como dessalinização e aquedutos com bombeamento.

Hoje, esses métodos ainda não são economicamente viáveis porque o problema da escassez de água pode ser resolvido por meios mais baratos, como transposição de rios e o uso de aquedutos que trabalham com a força da gravidade.

No futuro, no entanto, à medida que a população for crescendo e a água for se tornando cada vez mais escassa, a resposta mais prática para o problema terá inevitavelmente de passar por soluções que requerem um uso mais intenso da energia.

Só que, ao defender o planejamento centralizado e ao limitar artificialmente o uso de energia, o que o lobby do aquecimento global quer fazer é elevar o custo do processamento de água e, ao mesmo tempo, inibir o progresso tecnológico que resultaria da experiência prática na produção e processamento de água potável.

Os defensores do Acordo Climático de Paris irão, sem dúvida, responder dizendo que as cláusulas do acordo irão, de alguma maneira, surpreendentemente evitar a necessidade de mais gastos com água pura no futuro, pois as temperaturas globais serão reduzidas. Mas com que evidência afirmam isso? Baseando-se em modelos computacionais extremamente especulativos que estimam o que irá acontecer daqui a décadas?

Com evidências tão frágeis, é fácil ver por que é mais sensato manter as políticas que existem hoje (e que ao menos farão aparecer um pássaro na mão) a adotar as políticas públicas impostas pelo acordo de Paris (e suas promessas de dois pássaros voando).

Nem os próprios acreditam

Sabemos que podemos ajudar os pobres hoje com energia barata, maior capacidade produtiva, e uma economia robusta. Já o Acordo de Paris apenas promete ajudar pessoas hipotéticas no futuro baseando-se em um regime de políticas públicas teóricas e nunca tentadas.

Várias pessoas prudentes escolheriam a primeira opção.

Ademais, várias pessoas do próprio lobby do aquecimento global reconhecem que o Acordo do Paris nada fará para reduzir as temperaturas no futuro. Assim, a prudência sugere que investimentos em tecnologia e em medidas já conhecidas de alívio à pobreza (como aquelas que estimulam maior comércio e maior investimento em capacidade produtiva) irão ajudar os pobres agora mesmo. Já adotar políticas que afetam nossa capacidade de investir nestas medidas — como faz o Acordo de Paris — irá apenas piorar a situação.

Conclusão

Deixar a ciência econômica e a economia política nas mãos de cientistas climáticos e de políticos, os quais tendem a ser irrecuperavelmente obtusos no que tange ao conhecimento de como economias funcionam e de como os bens escassos podem ser preservados, obtidos ou manufaturados, é uma péssima ideia.

No mundo real, onde cabeças mais racionais tendem (ocasionalmente) a prevalecer, os custos de qualquer ação governamental devem ser comparados aos custos das alternativas.  Mais ainda: o ônus da prova recai sobre aqueles que querem a intervenção estatal, já que seus planos dependem do uso da violência do estado para impingir o cumprimento das ordens propostas.

Mesmo as pesquisas convencionais (pró-regulação) reconhecem que os cortes de emissões propostos, como cortar "emissões de CO2 para 80% dos seus níveis de 1990", são puramente arbitrários.  Com efeito, eles têm de ser arbitrários, pois as próprias pessoas que defendem tais medidas não fazem a mais mínima idéia de em quanto as emissões de gás carbônico devem ser cortadas para atingir suas metas, ou mesmo se existe um nível de cortes que seja suficiente para atingi-las.

Dessa maneira, um mundo com controle de emissões de gás carbônico e outros planejamentos centralizados com o objetivo de evitar o aquecimento global é um mundo de preços mais altos para todos quando se trata de comida, água e qualquer necessidade básica que envolva o uso de energia. Ou seja, quase tudo.

Naturalmente, as pessoas nos países mais pobres e menos industrializados sofrerão mais. O lobby do aquecimento global gosta de alegar que as suas políticas são voltadas principalmente para os países ricos. Mas, se eles acreditam que isso irá poupar o mundo subdesenvolvido, isso só comprova que eles não entendem o funcionamento de uma economia globalizada. Esmagar a atividade econômica e o consumo no mundo desenvolvido fará apenas com que os salários e o crescimento econômico nos países em desenvolvimento sejam reduzidos.

Ainda assim, no mundo imaginário dos cientistas climáticos que ignoram as complicadas realidades da economia e das políticas públicas, simplesmente desejar que algo aconteça é o que basta para que esse algo realmente aconteça. Se apenas desejarmos, com muito ardor, que todos os nossos problemas sejam resolvidos, então é claro que aquelas boas pessoas que ocupam cargos burocráticos nos governos farão exatamente com que isso ocorra.



[1] Vale ressaltar que a tática de chamar alguém de "negacionista" é uma mera tentativa de intimidação. 'Negacionista' é um termo oriundo diretamente daqueles que negam a veracidade do Holocausto. Ao chamarem dissidentes de "negacionistas", os defensores da tese do aquecimento global antropogênico estão recorrendo ao torpe truque de dizer que quem é cético quanto a políticas públicas está na mesma categoria de quem nega as atrocidades do nazismo.

Este truque retórico, por si só, revela tudo o que você precisa saber sobre o nível de manipulação incorrido pelos adeptos do planejamento climático e mostra até onde os planejadores climáticos estão dispostos a ir para concretizar seus planos, independentemente do ceticismo popular — e justificado — sobre a eficácia de suas políticas regulatórias e distributivistas.


autor

Ryan McMaken
é o editor do Mises Institute americano.


  • Ninguem Apenas  05/06/2017 15:37
    O Clima na Terra é tão dinâmico como a economia. Tentar prever ambos no futuro e ainda propor soluções climáticas com planejamento central é incorrer nos mesmos erros dos socialistas. Podemos chamar de socialismo climático?

    Parabéns pelo artigo, IMB.
  • Pobre Paulista  05/06/2017 16:08
    Uma manchete pra resumir bem o que você disse: Gelo desaparecerá do Ártico em 2014, diz Al Gore.
  • Ex-microempresario  05/06/2017 19:32
    Citar Al Gore em uma discussão sobre ciência climática é como citar Dilma Roussef em uma discussão sobre economia.
  • anônimo  06/06/2017 03:16
    Não é não, ex-microempresario.

    Al-Gore sempre foi o principal expoente do aquecimento global. Ele possui muito peso na popularização e defesa dessa ideia.
  • Ex-microempresario  06/06/2017 15:19
    Note que eu falei ciência climática. É muito diferente daquilo que o Al Gore faz, e também daquilo que os contrários ao Al Gore fazem. Aí estamos falando de populismo político misturado com oportunismo.

    É como comparar o estudo da ciência econômica que o Mises faz com a guerrinha de frases feitas entre PT e PSDB que sai na imprensa sob o título "Economia", quando devia sair, quando muito, na seção "entretenimento".

    Al Gore não é cientista, não respeita a ciência, não tem a ética que todo cientista deve ter. Usar Al Gore para denegrir a ciência é um caso clássico da falácia do espantalho.
  • Andre  05/06/2017 16:26
    Política melancia, verde fora, vermelha dentro.
  • AVELINO DE ALMEIDA BEGO  05/06/2017 15:46
    O planeta está sofrendo um aumento médio e sabe-se que nós contribuímos com 97% das causas desse aumento médio de temperatura.

    Sobre o Neil deGrasse Tyson (e eu inclusive) escrever Ciência em maiúsculo é pela importância dela. Hoje, um dos grande mal do Mundo é a imensa, gigantesca ignorância científica.

    Sobre a influência do Homem no clima: só eliminaremos essa influência acabando com a população na Terra.
    Devemos minimizar isso.
  • Lel  05/06/2017 16:54
    "Sobre a influência do Homem no clima: só eliminaremos essa influência acabando com a população na Terra."

    A verdadeira face dos ambientalistas.
  • sergio  05/06/2017 17:43
    Mais de 500 cientista assinaram um documento afirmando a farsa do aquecimento global, a humanidade não tem nenhuma influencia na temperatura do planeta, o maior responsável é a atividade solar. E sobre o CO2, um congresso nos EUA, com biólogos e cientistas afirmaram que a taxa de CO2 atualmente está na faixa de 500 ppm, e que o ideal seria de 1500 ppm, ou seja, há uma deficiência de carbono, os ecosistemas , principalmente o marinho não estão se desenvolvendo por causa dessa falta.
  • Ex-microempresario  05/06/2017 19:56
    Sérgio, ou vc não leu com atenção ou estes caras são um bando de malucos.

    A concentração atual é de 410 ppm, não 500. Erro ou arredondamento ?

    Nos últimos 500.000 anos, esteve abaixo de 300 ppm. Os efeitos do aumento de 300 para 400 nos últimos sessenta anos são bastante polêmicos. Afirmar que o "ideal" seria uma quantidade CINCO vezes maior ou é um completo chute ou é fanatismo no mais alto grau. Não há nenhuma teoria confiável que permita estimar o que aconteceria com uma variação desta ordem.

    Segundo este estudo - ehp.niehs.nih.gov/wp-content/uploads/2012/09/ehp.1104789.pdf
    uma concentração de 1000 ppm causa efeitos mensuráveis sobre a capacidade de raciocínio e tomada de decisões:
    "at 1,000 ppm CO2 performance was significantly diminished on six of nine metrics of decision making
    performance. "
    "At 2,500 ppm CO2 performance was significantly reduced in seven of nine metrics of performance, with ranks for some performance metrics decreasing to levels associated with marginal or dysfunctional performance. "
  • Ninguem Apenas  05/06/2017 16:54
    Não existem provas que o ser humano influencia 97%, isso é história pra boi dormir, nem mesmo os ambientalistas acham isso.

    De acordo com a Nasa, a Terra desde a idade média está passando por um dos ciclos de Hallstattzeit, e as tempestades solares, mesmo que com flutuações de 11 em 11 anos e algumas outras, apenas aumentaram desde então.

    Só pra você ver como isso influencia o clima, na idade média quando as tempestades estavam mínimas ocorreu a pequena era do gelo na Europa.

    https://science.nasa.gov/science-news/science-at-nasa/2009/29may_noaaprediction


    Além disso, o clima pode ser influenciado pelo ciclo de Milankovitch, que é a teoria mais aceita cientificamente para explicar a ocorrência de eras glaciais.

    Nenhuma dessas variáveis o homem pode controlar, e nem mesmo o conhecido vilão CO2.
  • vladimir  05/06/2017 16:57
    Qua sua sugestão?
    Só não vale dizer:
    a)Mudar padrão da sociedade de consumo
    b)Mudar a matriz energética para que seja sustentável.
    d) os países ricos financiarem os países pobres para que tenham desenvolvimento sustentável.
    c)Fazer consumo consciente.
    é)redistribuição de renda.
    h)controle forçado da população.
    i) retorno para uma sociedade pré-industrial.
    E seja lógico, sem emocionalismo por favor, ok
  • vladimir  05/06/2017 16:59
    Ah! por ultimo:
    Não pode citar nenhum autor, site, centro de pesquisa etc....
  • Pedro_N  05/06/2017 17:10
    Porque deveríamos acreditar nessa suposta influência humana em exatos 97% da elevação da temperatura, se por várias vezes foram feitas previsões alarmistas que falharam vergonhosamente? Qual elemento novo nessa constatação e que não havia nas constatações anteriores? Qual o grau de precisão e exatidão do novo modelo computacional? De que forma esse novo modelo foi validado? Porque devemos acreditar dessa vez?
  • Renato  05/06/2017 17:30
    "...só eliminaremos essa influência acabando com a população na Terra.
    Devemos minimizar isso.

    Dê o exemplo: comece tirando a sua vida!
  • Andre  05/06/2017 17:37
    97%, por que não 97,5%? Ou 96,5%? Gostaria de ver a equação pela qual o não dito especialista chegou precisamente aos 97%.
  • Guilherme  05/06/2017 23:47
    Os ambientalistas afirmam que não se pode confiar cegamente na ciência e na tecnologia para a construção de usinas nucleares, nem para a produção de pesticidas, conservantes químicos, agrotóxicos, transgênicos etc.

    No entanto, quando o assunto é aquecimento global, imediatamente surge uma área cujos métodos científicos e tecnológicos despertam nos ambientalistas a mais excitante e irreversível confiança, uma área em que, até bem recentemente, ninguém — nem mesmo o mais fervoroso defensor da ciência e da tecnologia — jamais havia demonstrado ter muita confiança. Se há uma coisa, afirmam os ambientalistas, que a ciência e a tecnologia podem fazer perfeitamente, sem nenhuma margem de erro significativa, e na qual podemos ter confiança ilimitada, é prever o tempo — para os próximos cem anos!

    Afinal, é exatamente com base na previsão do tempo que os ambientalistas praticamente exigem que abandonemos todas as benesses trazidas pela Revolução Industrial. Ou, como eles eufemisticamente costumam dizer, que 'mudemos profundamente o nosso estilo de vida' — em total prejuízo do nosso bem-estar material, é claro.

    Temos de reduzir continuamente nossas emissões de dióxido de carbono e, óbvio, reduzir nosso consumo de petróleo, gás natural, carvão e qualquer coisa que libere CO2. E, pelo visto, a seguir a nova tendência, também teremos de reduzir nosso consumo de eletricidade gerada por meios hídricos. Daqui a pouco seremos proibidos de respirar.

    Belo Monte e o movimento ambientalista
  • Tarantino  06/06/2017 02:11
    https://ecologia-clima-aquecimento.blogspot.com.br/2014/01/aquecimentistas-presos-no-gelo-antartico.html
  • Tarantino  06/06/2017 02:14
    https://ecologia-clima-aquecimento.blogspot.com.br/2014/01/aquecimentistas-presos-no-gelo-antartico.html
  • Allan  06/06/2017 11:27
    Essas porcentagens. Olha o tamanho do mundo. Como se ter um número fechado....
  • Lee Bertharian  05/06/2017 16:27
    A mais bela - e fundamental - liberdade é a do pensamento.
    "Quando todos pensam igual é porque ninguém está pensando."
    Parabéns pelo artigo!
  • Humberto  05/06/2017 16:55
    Finalmente o Trump fez algo excelente: sair desse lixo de comprometimento com redução de emissões de carbono.

    Praticamente todos nós dependemos dos combustíveis fósseis para termos a qualidade de vida que temos hoje. Até os países de terceiro mundo dependem do comércio com o mundo civilizado para manterem o pouco que lhes restam de riqueza.

    São os ambientalistas que devem nos mostrar como que o Zé da esquina deveria aceitar uma drástica redução na sua qualidade de vida para "salvarmos o planeta".

    Várias pessoas não percebem que a poluição nada mais é do que desperdício de energia. Diminuir a sua poluição significa que você é mais eficiente com o seu consumo de energia e/ou combustível, e portanto mais competitivo no mercado. Leis imbecis, regulações e lobby de grandes empresas permitem que grandes indústrias poluam enquanto mantém suas margens de lucro.

    O capitalismo radical e anárquico é a única solução para o aquecimento global, supondo que ele exista e seja um problema.
  • Sam  05/06/2017 18:37
    Curioso que o maior problema com esse artigo é que ele cai justamente naquilo que se propõe a criticar: estudar economia e política não faz de você um especialista em clima (ou ciência).

    Primeiro, gostaria de dizer que as mudanças climáticas (o nome correto para "aquecimento global") são reais sim, são antropogênicas sim, e são um problema sério e urgente sim. Esses são fatos incontestáveis, extensivamente comprovados ao longo dos últimos anos, portanto, não há nenhum "suposto" aquecimento global e não há nenhum "lobby". Negar isso em frente a todas as evidências e fingir que nada está acontecendo é o que se chama de "negacionismo", ou seja, misturar um assunto sério e factível com uma discussão sobre ideologias políticas, e isto está longe de ser "cético".

    Não há nenhum problema em ser cético quanto às mudanças climáticas, aliás, é até saudável, pois a comunidade científica que trabalha de forma séria é sim muito cética, e é justamente o ceticismo que permite o avanço da ciência: o trabalho de duvidar dos estudos e das evidências até que elas se tornem sólidas e irrefutáveis. E é nesse ponto que se encontram as teorias das Mudanças Climáticas, da Gravidade e da Evolução. Simplesmente negar esses pontos é o mesmo que negar o formato esférico da Terra (e tem gente que ainda faz isso no séc. 21). Caso queira saber mais, e pra que eu não me estenda mais nesse ponto, veja esse vídeo.

    Estabelecido isso, vamos ao segundo ponto: acredito haver um grande erro de interpretação quanto ao Acordo de Paris, as medidas propostas não são nem de longe "compulsórias" como diz o texto, pois trata-se apenas de um tratado internacional, ou seja, todas as medidas propostas são no máximo sugestões feitas pelos políticos que participaram do acordo. No entanto, o artigo está correto ao dizer que o Acordo nada faz para efetivamente solucionar o problema, isto inclusive é o que dizem muitos cientistas e especialistas, que dizem que ele deveria ir além. Mas isso não é motivo para deixar de participar do Acordo.

    Os pontos principais do Acordo estão em estabelecer os objetivos e metas para impedir o aumento das temperaturas médias do planeta e chamar a atenção da comunidade internacional para a questão, e esta eu vejo como a sua maior virtude e a principal razão para que o Acordo de Paris seja celebrado. Pois embora as soluções propostas pelo documento em si sejam duvidosas, e como já disse não são obrigatórias (cabe a cada país signatário buscar as soluções que mais lhe convém), o simples fato de haver um esforço internacional para uma questão tão séria já é capaz de incentivar e chamar a atenção de cada empreendedor do mundo para buscar soluções inovadoras e realmente eficazes, pois a maior parte dos avanços já feitos até hoje devem-se ao livre mercado e aos esforços de milhões de cidadãos do mundo nesta questão.
  • Mendes  05/06/2017 20:29
    Gostei da sua assertividade. Há aquecimento global porque eu falei que há e ele é causado pelo homem porque eu falei que é.

    É assim mesmo...
  • Ex-microempresario  05/06/2017 20:50
    Do mesmo jeito que muitos dizem que não há porque eu falei que não há, e se houver não é causado pelo homem porque eu falei que não é.

    Sério, desse jeito este site está ficando igual ao g1 e ao terra. Que tal um pouco mais de argumentos e menos "o meu cientista é mais inteligente que o seu!" ?
  • Zero  05/06/2017 23:12
    Está claro nos primeiro parágrafos que o artigo não tenta negar o aquecimento global, o argumento central é de que isso é irrelevante para a discussão proposta:

    "É perfeitamente possível aceitar que há mudanças climáticas e que os seres humanos têm um grande papel neste fenômeno; entretanto, concordar com isso não significa que você tem necessariamente de aceitar se submeter às políticas públicas compulsórias impostas pelo documento de Paris."
  • Tulio  05/06/2017 23:46
    É isso aí, Zero. Mas vai tentar explicar isso pras vacas...
  • maycon rr alves  06/06/2017 00:10
    Então explica, já que as mudanças climáticas são irrefutáveis, qual foi a necessidade dos cientistas ligados ao IPCC (painel da ONU para o clima) falsificarem os dados para poderem utilizar na tal aclamada teoria(lembra do Climategate)? Ela já não esta provada? Para que fazerem tal teatro? Sei muito bem que há outros grupos fazendo estudos, mas o IPCC não deveria ser um órgão internacional de respeito?
  • Ex-microempresario  06/06/2017 15:30
    Órgão de respeito ? Um monte de funcionários públicos, muito bem pagos para morar em Paris e Londres, com o poder de ver suas ideologias amplamente divulgadas pelo mundo pelo simples fato de contarem com as bençãos da ONU ?

    Qualquer organização que funcione nestes moldes vai, inevitavelmente, sucumbir ao populismo e ao corporativismo. Quem abriria mão de um emprego destes ? Sem contar que provavelmente todos que foram indicados para estas "repartições públicas" da ONU já passaram por filtros ideológicos em seus países de origem.

    E, por outro lado, o grupo anti-aquecimento também distorce bastante os fatos, tanto que muita gente acredita e repete que "erro metodológico grosseiro em uma pesquisa do IPCC" = "farsa do aquecimento global destruída e desacreditada para todo o sempre, amém"
  • Tarantino  06/06/2017 02:49
    https://ecologia-clima-aquecimento.blogspot.com.br/2014/01/aquecimentistas-presos-no-gelo-antartico.html
  • Malcolm  06/06/2017 13:13
    Haha essa notícia é sensacional.
  • lorivaldo  05/06/2017 18:38
    Se os mesmos cientistas são incapazes de prever o tempo daqui a uma semana quiça o clima daqui a 50,100 anos!
  • Paulo Bat  05/06/2017 20:06
    Presado Lorivaldo
    1) Você está confundindo previsão do tempo (curto prazo) com climatologia (longo prazo).

    2) Hoje com os supercomputadores e a enorme constelação de satélites metereológicos e enorme quantidade de , já se prevê o clima com acerto maior. Claro que previsão não é uma lei da física, tipo eu posso calcular a aceleração da gravidade ao nível do mar, no Porto do Rio de Janeiro (lei da gravitação universal), mas não posso calcular a quantidade de chuva no próximo mês neste mesmo local. Mas posso fazer previsões.

    3) Da mesma forma, a climatologia usa dados passados e presentes para prever o futuro do clima. Por exemplo, os ciclos El Niño, la Niña, os cíclos de Milankovitch, e tendo estudado os ciclos climáticos passados é possível se fazer previsões para o futuro.

    O ser humano sempre fez previsões.
  • maycon rr alves  05/06/2017 23:56
    Sim, as cartomantes são os exemplos mais práticos.
  • Skeptic  06/06/2017 00:23
    As cartomantes não publicam suas previsões na Nature e na Science, e não são estudadas no mundo inteiro nas melhor universidades sobre climatologia e ciências naturais.
  • mayconrralves  06/06/2017 15:23
    Publicar uma previsão na Nature, Science, ou em qualquer revista cientifica, não torna a previsão assertiva ou não. Ela continua uma previsão em um mundo aleatório, que está em constante mudança. Prever sempre prevemos, e erramos mais que acertamos. Agir como se o mundo fosse determinístico é ridiculamente anti-cientifico, sabemos muito pouco sobre o planeta e temos dados reais sobre o clima apenas dos últimos duzentos anos, os outros dados são apenas um compilado retirados de métodos não muito confiáveis e com pouca exatidão. Num planeta com 4,5 bilhoes de anos, saber 200 anos é ridículo. Mais ridículo é querer adivinhar o clima da terra daqui 90 anos só com isso. Não conseguimos entender nem o porque de ter ocorrido a pequena era de gelo na idade média , que congelou o sul da groelândia, e querem entender o futuro? O erro dos que praticam na atual "ciência" é esquecer que no passado dezenas de teorias aceitas como corretas se demostraram erradas. Essas teorias, como a antiga Cibernética e a Geração Espontânea, eram defendidas religiosamente sem deixar espaço para o contraditório exatamente como a atual Mudanças Climáticas.Por mais que o planeta esteja se aquecendo, não deixar os contraditórios falarem, tomar medidas que claramente não dão nenhum resultado prático, isso não é cientifico. Isso é dogma.
    Agora qualquer um com QI ( quem indica) suficiente, ou que escreva um artigo que siga os dogmas defendidos por tais publicações, ou que ajude no aumento das vendas consegue publicar nesses periódicos. Não fique iludido com tais revistas. Praticar ciência é duvidar, é tentar compreender, é errar, não é só ser reconhecido porque publicou em uma revista de nome, na verdade muitos dos bons cientistas só foram reconhecidos depois da sua morte, vide Gregor Mendel .
  • Skeptic  06/06/2017 00:20
    O mais irônico é que esse foi o tema de um episódio de Cosmos apresentado pelo DeGrasse Tyson, e ele destruiu essa falácia besta como várias outras.

    Gente, ler sobre ciências não doí, viu, e não se lê sobre ciências em sites conservadores.

    Pessoal "aprende" ciência com o Olavão... é como "aprender" economia com Duvivier.
  • anônimo  06/06/2017 16:52
    Não há problemas em fazer previsões, o problema é já assumir sua previsão como correta e qualquer um que não siga suas soluções para impedir seu futuro hipotético deva ter a carreira boicotada e a vida social excluída no melhor estilo totalitário dos ambientalistas.

    Esse pessoal precisa aprender a diferença entre ciência experimental, ciência histórica e o método científico. "Ciência" é a palavrinha mágica que está sendo usada atualmente para justificar qualquer tipo de coisa.

    2009:
    https://extra.globo.com/noticias/economia/gelo-desaparecera-do-artico-em-2014-diz-al-gore-212019.html

    2014:
    https://ecologia-clima-aquecimento.blogspot.com.br/2014/01/aquecimentistas-presos-no-gelo-antartico.html
  • Skeptic  06/06/2017 21:51
    Al Gore? Não conheço esse climatologista. Qual a formação dele?

    Comento sobre publicação nas revistas mais importantes do meio científico e outro me manda link de comentário de político e "fonte" de blogspot... pqp, cada ignorante negacionista...

  • Che  05/06/2017 19:24
    Esse negócio de aquecimento global é a maior treta da humanidade. O nosso clima sofre variações cíclicas quer podem levar séculos, ou milênios, e nossa ciência ambiental, baseada em modelos probabilísticos, tem capacidade extremamente limitada para prever o que acontecerá em poucos dias, que dirá em vários anos. Obrigar países subdesenvolvidos a abrir mão da energia fóssil altamente disponível, e que se tornou barata nos últimos anos, para investir em energia "limpa" e cara, com vistas a objetivo tão incerto em futuro distante constitui um grande golpe mortal nessas populações. Infelizmente tenho que concordar com o Trump.
  • Filipe Olegario  05/06/2017 19:46
    De fato, a implicação exposta por Tyson não se verifica. Adicionalmente, os tais combustíveis fósseis já estão sendo abandonados pelo mercado global por motivos alheios ao aquecimento global; isso é algo que iria acontecer de uma forma ou de outra, com ou sem a ação do governo. Na verdade, só o que falta para que isto aconteça é que uma tecnologia de bateria eficiente se consolide - e perceba, varias destas tecnologias já existem, elas só precisam se consolidar. Mas é interessante observar que quando físicos e químicos afirmam as coisas mais mirabolantes, como a teoria da relatividade ou a mecânica quantica, que parecem papo de maluco, ninguem reclama. Agora quando a afirmação científica produzida pelo mesmo método é de alguma forma inconveniente, aí já não é mais uma pesquisa cientifica com conclusões aceitas pela comunidade científica em decorrencia de sólidas evidencias. Passa a ser opinião e conspiração. É claro, os governos querem que haja aquecimento global. Logo, mesmo que ele exista, vão exagerar. E é claro, o financiamento para a maioria destas pesquisas vem do governo. Voces não esperavam que viesse da indústria automobilistica né? Voce percebe que a ideologia surpime a razão quando vê incoerencias deste tipo. O triste é perceber que a esquerda não é a única que faz isto.
  • Alfredo  05/06/2017 20:29
    Isso mostra como você está por fora. Nos EUA, os grandes interessados em políticas ambientalistas voltadas para "conter" o aquecimento global são as indústrias. Por quê? Simples: quanto mais regulações anti-ambientalistas, mais complicado fica para as pequenas crescerem. As indústrias com boas influências políticas podem utilizar regulamentações ambientalistas para impor custos proibitivos a potenciais concorrentes, impedindo que estes entrem no mercado.

    Leis ambientalistas garantem uma ótima reserva de mercado para as indústrias grandes e já estabelecidas.

    Se as lei ambientalistas pegarem também as indústrias chineses, então um abraço.

  • Filipe Olegario  06/06/2017 13:11
    Não muda o fato de que a comunidade cientifica que aceita em sua maioria (não são todos, nunca são) a mecanica quantica, aceita em sua maioria (não são todos, nunca são) o fato de que ocorre o aquecimento global. não tem problema em concordar com os que não aceitão. Mas isso só é "opinião" ao invés de uma hipótese baseada em fortes evidências por que tem implicações políticas.
  • Lel  06/06/2017 16:37
    Mas lógico que são a maioria. Nunca ouviu falar que as agências científicas governamentais boicotam e destroem a carreira dos dissidentes?

  • Luciano Dantas de Alenca  05/06/2017 20:59
    Pronto. Era o único site da Direita que eu esperava racionalidade em relação ao tema. Contudo, todos amam negar a ciência. Triste...........Assim como os esquerdistas negam que a economia planificada fracassou, os direitistas negam a existência do aquecimento global...

    " Ciência só funciona, quando eu concordo com o resultado"
  • Escolástico  05/06/2017 23:45
    O que é realmente triste é saber que há analfabetos funcionais lendo o site. Em momento algum o texto nega qualquer coisa. Muito pelo contrário, aliás. Eu mesmo, leitor assíduo e antigo, me surpreendi com o tom completamente neutro do autor.

    Sua ânsia em vituperar lhe deixou a descoberto.
  • Ex-microempresario  06/06/2017 15:35
    O texto não, mas os comentários sim. Talvez seja a isso que o Luciano se refere.

    Eu, de minha parte, já manifestei em outros comentários que não me agrada o hábito que alguns comentaristas tem de chamar quem discorda deles de "idiota", "burro" ou "analfabeto funcional".
  • Skeptic  06/06/2017 22:10
    Tom neutro que acha que uma tese científica bem consolidada no meio por evidências e consenso é uma opinião?

    Ah, cada uma...
  • Skeptic  06/06/2017 00:55
    Um ponto não debatido: O Trump age em conluio com o setor petrolífero num puro esquema clássico de corporativismo.
    Talvez se os estados apenas acabassem com esse corporativismo já seria mais do que suficiente para o problema ser diminuído como querem os cientistas, e nenhum desses acordos intervencionistas seria necessário.
  • vladimr  05/06/2017 21:02
    Boa noite:
    pergunta: se o países signatários do acordo não cumprirem o combinado?
    E quem vai pagar a conta?
    E se ninguém assumir as despesas, vai haver imposto global?
    E se as mudanças forem lentas?
    E a burocracia?
    Vai ser ação coordenada, cada um por si ou centralizada?
    Como vão mudar a produção de larga escala para pequena escala sem que ninguém passe fome?
    Quando reapoderem usem lógica e bom senso e sem apelo emocional por favor.
    Obrigado!
  • Andre  05/06/2017 23:50
    Você já respondeu a pergunta, é um passo muito significativo para a ordem mundial ter um braço interventor em cada país do mundo.
  • Andre Cavalcante  06/06/2017 02:17
    "Boa noite:"

    Boa noite


    "pergunta: se o países signatários do acordo não cumprirem o combinado? "

    Não vão. Como disse o autor é só uma justificativa para aumentar a intervenção? dos governos em nossas vidas. Quando todo mundo estiver indo numa direção vão simplesmente mudar pra outra pra que, de intervenção em intervenção se crie um governo mundial.

    "E quem vai pagar a conta? "

    O de sempre: quem tem menos conexões políticas, a quem chamam de povo.


    "E se ninguém assumir as despesas, vai haver imposto global? "

    Sim, a ideia é exatamente essa, um imposto global e um governo global.


    "E se as mudanças forem lentas? "

    Quais mudanças? As climáticas? As políticas? Acho que tá tudo muito acelerado...

    "E a burocracia?
    Vai ser ação coordenada, cada um por si ou centralizada? "

    Para eles quanto mais centralizado melhor (pra eles óbvio)

    "Como vão mudar a produção de larga escala para pequena escala sem que ninguém passe fome? "

    Isso já está acontecendo por causa da tecnologia e, pior pra eles, faz com que a produção e a distribuição de bens fique cada vez mais descentralizada


    "Quando reapoderem usem lógica e bom senso e sem apelo emocional por favor. "

    Acho que fiz isso.


    "Obrigado!"

    De nada
  • marcela  05/06/2017 23:35
    Texto mais sério e consciente que já li sobre o assunto.Vede que o autor em nenhum momento tenta negar o aquecimento,mas apenas diz que cortar quantidades significativas que combustíveis fósseis produzirá efeito pior do que a temperatura aumentar 2 graus.Claro que concordo plenamente com isso.
  • Skeptic  06/06/2017 00:16
    E estudar economia não te faz um especialista em climatologia.

    Acho curioso quando chamam um consenso científico baseado em evidências de "opinião".

    "Sabemos que Tyson é da opinião de que há aquecimento global."

    - A Teoria da Evolução é um fato.
    - Isso é a sua opinião.

    Papo bizarro. Opiniões não importam nada no meio científico, apenas evidência bem registradas em peer review de boa categoria.

    Mais igualmente bizarro é achar que burocratas mundiais poderiam resolver um problema tão complexo. Pior ainda, colocando em risco a produtividade econômica.
    Não conheço o Acordo de Paris em detalhes, mas aposto que é uma porcaria.
  • Skeptic against the Mainstream  06/06/2017 03:18
    "E estudar economia não te faz um especialista em climatologia."

    Você ao menos leu o texto ou já veio comentar com a bunda ardendo, analfabeto funcional?

    Está claro nos primeiros parágrafos que o artigo não tenta negar ou afirmar o aquecimento global, o argumento central é de que isso é irrelevante para a discussão proposta:
    "É perfeitamente possível aceitar que há mudanças climáticas e que os seres humanos têm um grande papel neste fenômeno; entretanto, concordar com isso não significa que você tem necessariamente de aceitar se submeter às políticas públicas compulsórias impostas pelo documento de Paris."

    O capitalismo radical e anárquico é a única solução ética para o aquecimento global, supondo que ele exista e seja um problema.

    Se quer ler algum artigo com dados e opiniões de cientistas céticos e dissidentes da ideia de aquecimento global, esse não é o artigo. Aqui está uma lista de artigos que você pode ler e comentar: www.mises.org.br/Search.aspx?text=aquecimento%20global
  • vladimir  06/06/2017 01:09
    Boa noite:
    Uma pergunta:
    quando houve a transição da era a vapor para era do petróleo e elétrico, houve uma ação conjunta governamental mundial para que houvesse essa transição de uma matriz enérgica para outra?
  • Ambientalista de direita  06/06/2017 01:27
    Uma dúvida: Se eu andar com meu carro ou ônibus jogando fumaça na cara de todo mundo, isso não é uma agressão ? Isso não fere o PNA ?

    Os governos tem feito exatamente isso. São ônibus públicos ou subsidiados que passam nas ruas jogando fumaça na cara de todo mundo.

    Depois, o governo dá subsídios para o etanol, que troca a plantação de comida por cana de açúcar . E ainda vendem uma gasolina adulterada com etanol. Como se as pessoas fossem almoçar etanol.

    Além disso, são as empresas de saneamento do governo que jogam o esgoto nos rios sem tratamento. São eles mesmos que precisam se adaptar ao mercado civilizado e começar a tratar o esgoto que eles mesmos são responsáveis. Eu nem posso contrarar uma empresa séria de tratamento de esgoto, pois o governo não deixa eu passar um duto de esgoto na rua.

    Se tudo isso não fosse suficiente, o governo joga lixo na nossa cara. Eles mesmos contratam empresas de lixo para jogar lixo nos lixões, muito longe dos aterros sanitários. Teremos que reciclar o lixo na nossa casa, porque os lixões do governo contaminam tudo.

    Para finalizar, esses falsos ambientabistas do governo não vivem sem um carro, não andam de bicicleta, não possuem painéis solares em casa, adoram churrasco, adoram um ar condicionado, etc. São ambientalistas pagos que só querem gastar o dinheiro dos outros.

    Se o governo parasse de jogar lixo em cima de nós, já seria uma evolução gigantesca.

    Enfim, só falta o governo proibir o pum.
  • Gabriel  06/06/2017 01:42
    "Curioso que o maior problema com esse artigo é que ele cai justamente naquilo que se propõe a criticar: estudar economia e política não faz de você um especialista em clima (ou ciência). "

    Então o maior problema do artigo nem existe, já que em nenhum momento o autor se propõe a fazer análises climatológicas.
  • vladimir  06/06/2017 02:26
    Concordo com vc, o autor não fez nenhuma análise sobre fatores climáticos e sim das burradas dos governos e economistas e ecologistas que acham que sabem como resolver as mudanças com canetadas, boas intenções e vontade política, e em falando de governos, eles nem se preparavam para piora do clima e nem as suas consequências. Acham que a transição de matriz de combustíveis fósseis para energias ecológicas e economia sustentável é assim rápido e fácil? vão levar uns 80 a 100 anos para que essa mudança se complete isso se a economia/política não entrar em colapso antes.
  • Thiago  03/02/2019 09:15
    A camada de ozônio se recuperou graças a canetada. O consumo de cigarro diminuiu graças a várias canetas. Muitas coisas já se resolveram na base da canetada..
  • André  03/02/2019 13:37
    Nossa, a camada de ozônio foi na caneta! Que legal! Pessoas pararam de fumar porque burocratas mandaram! Que sensacional!

    Por que então ainda não decretaram que todo mundo deve ser rico e feliz? Convenhamos: já que a caneta resolve até a camada de ozônio, então decretar riqueza e felicidade é um piquenique...

    É cada coitado...

    A intimidação do ozônio: uma retrospectiva
  • Roberto   06/06/2017 03:48
    Não deu na Economia agora vamos tentar no clima...essa gente não desiste!!! Que mania de querer controlar tudo.Os caras apenas se sentem plenos se controlarem os outros.E Economia também é uma Ciência e também é importante.
  • Luiz  07/06/2017 01:28
    É justamente isso, eles tentaram planejar cientificamente a economia e acabou no resultado que todos já conhecemos. Agora, não satisfeitos, eles querem planejar cientificamente o clima global.

    Esse grupo politico-ideológico definitivamente é sociopata.
  • Carlos  06/06/2017 12:47
    O que mais me espanta é que o "Ministério da Propaganda" esquerdista conseguiu de tal moda manipular as pessoas que muitos acreditam cegamente no que é dito pelos Governos e seus asseclas como se fosse um dogma, uma espécie de religião onde aqueles que são contra esses dogmas passam a ser considerados hereges.

    Mas as minhas dúvidas sobre o aquecimento global causado pelo homem são simples:

    1) Se o aquecimento global é causado 97% (como afirmaram aqui) pelo homem, porque em períodos anteriores como a idade média verificamos temperaturas superiores às atuais mesmo a emissão de CO2 na atmosfera pelo homem ser pífia (hoje ela ainda é pífia, mas antes era mais pífia ainda)?

    2) Se o homem é quem causa o aquecimento global, porque nos últimos 20 anos a temperatura média da terra tem estado estável?

    3) Como o homem pode ser responsável pelo aquecimento global se ele é responsável por apenas 6% de toda a emissão de CO2 na atmosfera?

    4) Como ignorar a influência dos oceanos (2/3 do planeta) e a intensidade da atividade solar (que é quem traz o calor para a terra) no aquecimento/resfriamento da terra e creditar tudo na conta da SUPOSTA influência do homem no clima da terra?


    E tem cara de pau que ainda tem a ousadia de dizer que quem questiona o aquecimento global causado pelo homem é contra a ciência...

    Por isso que eu digo, o ambientalismo deixou de ser uma questão cientifica há muito tempo, hoje não passa de uma questão politica muito utilizado para aumentar o controle estatal e o poder dos asseclas do Estado.
  • Ex-microempresario  06/06/2017 15:51
    1) Esse número de exatos 97% não é boa ciência. Mas um fenômeno não precisa ter apenas uma causa. Antes do surgimento do homem, a terra era coberta de florestas. Isso prova que não existem árvores plantadas pelo homem ?

    2) A temperatura média da terra tem aumentado nos últimos 20, nos últimos 30 e nos últimos 50 anos, em todos os sites científicos sérios que já vi. Todas as afirmações em contrário que eu conheço são falácias que pescam alguns dados específicos para fazer comparações erroneas (o que em inglês é chamado cherry picking). Se vc tem algum dado sólido, convido-o a compartilhar aqui.

    3) O CO2 da atmosfera faz parte de um ciclo: as plantas absorvem o carbono. Animais comem as plantas e usam seu carbono. Ao respirar, devolvem o carbono para a atmosfera. Isso não modifica a quantidade total de CO2 na atmosfera, assim como a chuva não aumenta a quantidade total de água. A ação do homem tem sido a de extrair carbono que estava inerte no subsolo (petróleo, carvão e gás) e lançá-lo na atmosfera. Isso aumenta a quantidade de CO2 no ciclo. E, de novo, afirmar esses 6% de forma categórica não é boa ciência. Parece comparar maçãs com laranjas.

    4) Nenhum cientista ignora a influência dos oceanos. Os dados mostram que eles estão esquentando e aumentando a concentração de CO2.

    4b) Também não vejo razão para creditar TUDO na influência do homem, como não vejo razão para NEGAR peremptoriamente esta influência, e, mais ainda, usar esse argumento para frear todo o debate.
  • Carlos  06/06/2017 19:15
    1) Eu apenas me referi ao percentual de 97% porque é o que muitos terroristas ecológicos vivem dizendo.

    2) Se tu pegares os desvios de temperatura obtidos por instrumentos MSU o que se verifica é que, conforme eu havia dito, a temperatura média da terra não esquentou desde 1998. Infelizmente não é possível colar figuras aqui, mas se quiser é só pesquisar. Por isso eu volto a afirmar aqui, a temperatura da terra está estável nos últimos 20 anos muito embora a emissão de CO2 não pare de aumentar.

    3) E por qual motivo as plantas e etc não absorvem esse valor minimo de CO2 que é expelido na natureza pelo homem? Por acaso existe um "ponto ótimo" de absorção de CO2 pelas plantas? Apesar que eu já sei qual vai ser a resposta (vai falar que o desmatamento é o responsável, ecochato sempre tem um argumento retórico para reforçar seus dogmas), sem contar que pelo visto a "boa ciência" é aquela ciência eleita como boa pelos planejadores centralizados e "científicos" do meio ambiente PS: Que coisa!!! Curiosamente depois de destruir toda a economia de um pais e sumirem, começaram a surgir planejadores centralizados do clima na terra. E por curiosidade, existe comprovação cientifica de que existe uma espécie de "ponto ótimo" de absorção de CO2 pelas plantas.

    4) Novamente você está errado, os dados dos últimos 20 anos tem mostrado que os oceanos tem se resfriado paulatinamente. Veja o Pacifico, procure por "serie temporal do indice de oscilação decadal do Pacifico".

    4b) Não há absolutamente nenhuma comprovação cientifica de que o aquecimento global é causado pelo homem, não obstante esses burocratas criminosos já sugaram quantias absurdas de recursos da população em prol dessa fantasia que eles sequer sabem se é verdade ou não (eu não tenho dúvidas que é mentira).


    E mais um questionamento que eu faria, na verdade só para ver qual é a desculpa dos ecoterroristas dessa vez, minha dúvida é qual foi a causa dos aumentos de temperatura que se verificaram na idade média, o chamado "periodo quente medieval".


    Mas o curioso vai ser ver qual será a resposta dos ecoterroristas ou ecomilitantes quando a terra iniciar o ciclo natural de resfriamento, provavelmente vão se valer da cara de pau de sempre e fingir que nada aconteceu e começar a defender que na verdade o CO2 é o responsável pelo resfriamento global.

    Por isso eu volto a dizer, essa questão não é nem de longe cientifica tal ideia só existe para fortalecer a retórica dos ecomilitantes e taxar as pessoas que demonstram não haver evidencias cientificas como verdadeiros hereges por não acreditarem nos dogmas da nossa elite burocrática que visa planejar "cientificamente" e de maneira "eficiente" o clima do planeta terra.
  • Skeptic  06/06/2017 22:03
    "2) Se o homem é quem causa o aquecimento global, porque nos últimos 20 anos a temperatura média da terra tem estado estável?"

    É desonestidade ou ignorância?

    https://media.giphy.com/media/i3pSgAHSiUqhq/giphy.gif

    O Google está aí, basta uma pesquisa rápida em boas fontes que você encontrará as respostas para essas suas perguntas leigas.
  • Marcos  06/06/2017 23:18
    Peraí, a sua fonte é um GIF sem fonte?! É isso mesmo?

    Eu sou totalmente agnóstico nesse debate, mas ver você cheio de arrogância responder aos outros com GIFs sem fonte é o ápice da definição de ironia. E da cara de pau.
  • Skeptic  07/06/2017 05:08
    Esse gif ficou mundialmente famoso na época, e a cada ano ele era refeito porque o recorde era batido. O mais impressionante não é questionar o gif e não procurar as fontes, é nunca ter visto ele por aí.
    Pessoal prefere ler blogspot e sites sobre teorias da conspiração.

    A fonte dos dados é a Nasa:

    https://www.pri.org/stories/2016-05-10/global-warming-gif-shows-how-hot-earth-has-gotten-over-past-165-years

    https://data.giss.nasa.gov/gistemp/
  • Luiz  07/06/2017 11:45
    Normal isso, atualmente não existe nada que mexa mais no orgulho dos "progressistas" do que questionar os seus dogmas.
  • Luiz  07/06/2017 23:02
    Curioso é que quando tu analise os dados da temperatura média da terra medida por satélites (que começou aproximadamente após 1970) o que se verifica é que a temperatura terrestre está estável desde 1998.

    Mas com o Establishment é assim, os únicos dados da "boa ciencia" são aqueles que reforçam as ideias deles, ideias essas sempre ligadas a aumento do poder de Burocratas e da intervenção estatal na economia.

    Nada de novo sob o sol.
  • Patrick  07/09/2017 09:00
    Só fazer um adendo, a erupção de um vulcão pequeno já emite mais CO2 que toda a atividade humana em um ano.
  • Ex-microempresario  06/06/2017 22:49
    1) Então concordamos que não se deve dar ouvidos a terroristas (de nenhum dos lados). Melhor ouvir cientistas sérios, melhor ainda olhar os dados nós mesmos.

    2) //data.giss.nasa.gov/gistemp/graphs/
    Dados da NASA.

    3) As plantas usam o carbono da atmosfera basicamente para produzir celulose, que é o seu "esqueleto" básico. A quantidade absorvida não aumenta aleatóriamente, já que depende do ciclo de crescimento das plantas e da energia disponível (separar CO2 em carbono e oxigênio exige energia, que no caso das plantas vem da luz solar). Ou seja, não é porque tem mais CO2 na atmosfera que todas as plantas vão absorver mais. Plantas de crescimento rápido se beneficiam mais de concentrações maiores, mas no caso de plantações, p.ex., quanto a planta é colhida e utilizada o carbono volta para a atmosfera, reiniciando o ciclo.

    A forma de armazenar carbono a longo prazo seria em árvores de vida longa, que existem em florestas. Como vc que não é retórico nem dogmático já decretou que não se pode falar em desmatamento, a resposta fica prejudicada.

    Ponto ótimo de absorção de CO2 significa o quê? Se é a concentração onde o crescimento é maior, isso traz vantagens econômicas e de produtividade para plantações, mas é indiferente para a atmosfera, porque a planta é colhida e o carbono liberado. Ciclo, lembra-se ?

    4) Mesmo link do ítem 2, clique em "Annual Mean Temperature Change for Land and for Ocean "
    A procura que vc sugeriu trouxe três teses de mestrado sobre o clima no Brasil, não sobre o Oceano Pacífico, e não encontrei nenhuma explicação sobre o tal "indice de oscilação decadal"

    4b) Dependendo do seu entendimento de "comprovação científica", realmente pode-se dizer que comprovação não há, e talvez nunca haja. A ciência trabalha com hipóteses que são testadas e podem ser refutadas ou não. Já vc exige "provas definitivas" para que alguém diga que o aquecimento existe, mas se dá o direito de afirmar o oposto sem apresentar "provas definitivas" disso.

    "E mais um questionamento que eu faria, na verdade só para ver qual é a desculpa dos ecoterroristas dessa vez, minha dúvida é qual foi a causa dos aumentos de temperatura que se verificaram na idade média, o chamado "periodo quente medieval"."

    Em primeiro lugar, xingar quem discorda de vc de "ecoterrorista", "ecomilitante", "ecochato", não é argumento nenhum. Pelo contrário, mostra falta de argumentos e desespero.
    Respondendo, nenhum cientista nega que o clima na Terra sempre sofreu variações, por várias causas. No momento, cientistas sérios estão discutindo a hipótese de que a ação do homem esteja contribuindo para a atual tendência de aquecimento, em maior ou menor grau. Enquanto isso, outras pessoas, que por exclusão não são cientistas sérios, estão berrando xingamentos e atacando espantalhos para defender suas crenças - falo crenças no mau sentido.

    Encerrando, gostaria de ver algum link que corrobore suas afirmações, porque "já foi provado que..." e "isto é verdade, pesquise no google..." não são propriamente argumentos. Por curiosidade, os sites que vc tem lido tem dados primários ou também tem apenas uma "autoridade" afirmando "isto é assim e pronto, já foi provado." ?
  • Felipe Lange Souza Borges dos Santos  07/06/2017 00:39
    O número de analfabetos funcionais que apareceram (e vão aparecer) aqui criticando algo que o autor não escreveu só me convence cada vez mais que mais de 70% da população brasileira tem analfabetismo funcional.

    Sobre essa conversa de mudança climática (engraçado que era "aquecimento global") antropogênica eu penso como mais uma agenda estatal para o estado controlar mais a vida das pessoas, como já acontece em alguns lugares da Europa (como exemplo taxação de carros conforme a idade avança). Eu já fui um ambientalista-maoísta (doutrinado na mídia e escola), vivia com medo e remodel e hoje eu tenho um profundo desprezo por essa ideologia eco-fascista. Aqui no Instituto há uma série de artigos sobre esse assunto.
  • Felipe Lange S. B. S.  07/06/2017 09:40
    Só um adendo, o "remodel" na verdade é "remorso", erro de digitação.
  • Carlos  07/06/2017 01:25
    1) Acho que um dos grupos que eu mais tenho medo são dos cientistas, as únicas ciências séria para mim são Física/Química/Matemática, o resto não passa de masturbação ideológica utilizada por essa turma "progressista". E digo isso porque é exatamente o que eu vejo nas universidades brasileiras, na mídia, enfim em qualquer lugar.

    2) Sim, e esses dados da nassa não são dados de satélites, que é o que eu me referi quando falei no item 2. Se analisar os dados de satélites que começaram a ser captados após 1970 verá que há grandes divergências entre um e outro.

    O grande problema é que qualquer coisa que possa indicar que a tese politicamente correta não corresponde com a realidade é completamente abafada e ridicularizada, como é feito com qualquer pessoa de qualquer área que é contra qualquer coisa politicamente correta.

    3) As absorvem CO2 e liberam oxigênio, mas para o sistema entrar em equilíbrio então o número de agentes que absorvem o CO2 (e emitem oxigênio) deverá ser igual ao número de agentes que absorvem o oxigênio e emitem CO2.

    E tu que gostas tanto dos estudos dos "especialistas" por acaso faz essa afirmação com base em pura retórica ou existe comprovação cientifica de que temos uma estabilidade entre os agentes emissores de CO2 e os agentes emissores de oxigênio?

    4) Pelo que estou vendo dos dados da NASA, esses que foram utilizados se referem a temperatura na superfície dos oceanos e não são medidos por satélites (talvez porque isso reforce a tese politicamente correta), eu estou me referindo a temperatura verifica no fundo dos oceanos onde correm as correntes marinhas.

    4b) Curioso como de repente tudo que se vê na TV e todas as medidas e discursos dos burocratas viram fantasia e nós temos "cientistas" estudando teses que absolutamente não se houve falar nada. Eles só falam em controlar a emissão de CO2 porque isso está causando o aquecimento global e vem gente dizer que se estuda também outras causas do aquecimento global, faça-me o favor.

    Mas é compreensível esta atitude dos "cientistas", pois a causa do aquecimento global ser natural (e o resfriamento também) não gera dividendos políticos nem beneficia grandes empresas que tem interesse em toda a fortuna de dinheiro dos contribuintes que é despejado nessa baboseira.


    Mas isso não é novo, na década de 70 essa mesma turma que hoje esbraveja do aquecimento global causado pelo homem dizia que depois de 30 anos (aproximadamente no final do milênio) as reservas de petróleo já estariam praticamente acabadas.

    O Al-Gore disse que o nível do mar subiria absurdamente nos próximos anos e mesmo assim comprou sua mansão na beira do mar na California pela bagatela de 9 milhões de dólares em Montecito (California)? Quem em sã consciência compraria uma casa na beira do mar sabendo que daqui a alguns anos os oceanos iriam engolir a terra?

    Mas enfim, a prova cabal de que os ecomilitantes estão errados vai ser quando a terra entrar novamente em um ciclo de resfriamento como aproximadamente entre 1.500 até 1.880.

    Apesar que essa turma é tão cara de pau que com certeza, como eu disse no comentário anterior, vão apagar toda a história e começar a dizer que na verdade o CO2 causa o resfriamento global e isso é um problema, e obviamente esse problema será resolvido por burocratas que vão expandir a intervenção e o controle estatal bem como os "cientistas" que vão realizar o planejamento cientifico do clima com base em sofisticadas equações que serão alimentadas por inúmeros dados (obviamente, dados estes sempre enviesados).

    Essa turminha não conseguiu fazer o planejamento cientifico da economia, agora querem fazer o planejamento cientifico do clima.
  • Ex-microempresario  07/06/2017 15:14
    Carlos, eu tentei debater dados, coloquei links, fiz o possível para dar explicações. Vc só diz que meus dados não servem, mas não apresenta o seus. Diz que cientistas não sabem nada, mas cita o Al Gore. Assim fica difícil conversar.
  • Luiz  07/06/2017 22:59
    Infelizmente eu não sou um climatologista ou geólogo para ter acesso aos dados dos satélites que estão em órbita da terra e captam a temperatura média do planeta, acredito que procurando na internet dá pra achar porém os sites são normalmente em inglês e extremamente complicado restritivo para "leigos". Mas tu que parece ser uma pessoa tão conhecedora da "boa ciência" por favor mostre quais são os dados que os satélites que captam a temperatura da terra nos trazem.

    Mas o teu artificio retórico eu admito que é inteligente, se vale do fato de todo o Establishment destruir qualquer possível pesquisa ou dado que contrarie os seus dogmas, e ai em decorrência disso corretamente diz que não existem dados. É perfeito.

    No que mais, continua curioso para saber qual vai ser a desculpa dos responsáveis pelo planejamento centralizado e "cientifico" do clima global, porque se tem uma coisa que essa turma é boa são nas desculpas.

    Mostraram que o experimento socialista é um fracasso, agora estão querendo fazer isso neste nosso "socalismo climático" (quando digo socialismo, digo no sentido de acreditar no planejamento centralizado e "cientifico" do clima global, obviamente sempre controlado por um restrito comitê de burocratas, aliás comunista adora esses comitês).
  • Ex-microempresario  09/06/2017 20:56
    Pra começar, me desculpe a sinceridade, mas a sua desonestidade intelectual é gigantesca.

    Se vc tivesse clicado no link que eu postei, que é de uma página da NASA, vc veria vários gráficos que mostram as medições de temperatura nas últimas décadas. Todos subindo. Vc realmente é um coitadinho que não sabe interpretar um gráfico com uma linha subindo ? E ainda tem a cara de pau de dizer "por favor mostre quais são os dados " ? Foi exatamente isso que eu fiz, e vc parece que quer dar a impressão de que eu não fiz.

    O segundo parágrafo "melhora". Depois de um monte de gente que postou links "provando a farsa do aquecimento global", neste mesmo post e em vários outros, vc vem dizer que não existe dado nenhum porque "o Establishment destrói qualquer possível pesquisa ou dado". Establishment poderoso, esse, não ? Controla até a internet do mundo inteiro. Será que é o mesmo Establishment que oculta as provas de que a terra é plana, de que o 11/9 foi planejado por George Soros e de que a Terra é governada por uma organização secreta formada pelos maçons, pelos iluminati e pelos marcianos ? Essa historinha de que "a verdade foi suprimida pelo sistema e é por isso que não posso apresentar provas do que eu digo" é digna de adolescentes do YouTube.

    Para concluir: eu acho que Trump fez muito bem em sair dessa porcaria demagógica e populista que o tal Acordo de Paris. Acho que tem um monte de políticos desonestos querendo levar uns trocos com a demagogia do aquecimento global, exatamente como os políticos do lado contrário que fazem demagogia proclamando "não existe aquecimento global". Acho o Al Gore um mentiroso sensacionalista, e não é o único. E acho lamentável que gente aqui do mises.org, que costuma ter comentarios inteligentes e construtivos, caia neste fla-flu ideológico. Mudanças climáticas são um fenômeno físico, não uma questão de opinião ou ideologia, e existe gente séria no mundo tentando fazer ciência de modo construtivo, mesmo em meio à barulheira que fanáticos ideologizados fazem, competindo para ver quem berra suas frases-feitas mais alto.

    Não pretendo voltar a esse assunto. Gosto de discutir idéias, não dogmas.
  • Luiz  09/06/2017 23:19
    Eu é que lhe peço desculpas pela sinceridade, mas você apenas deixa claro que é um fanático que vê apenas o que lhe convêm.

    Em momento algum eu falei que os dados da NASA são falsos, apenas disse que se comparados com os dados captados por satélites, que começaram basicamente após 1970, se percebe divergências gritantes entre os dados colhidos entre um e outro. Entretanto tu de maneira totalmente dissimulada vem dizer que eu ignoro os dados, e ainda tem a cara de pau de chamar os outros de intelectualmente desonestos.

    Aliás a cara de pau é tão grande que parece ignorar o fato de que absolutamente qualquer pessoa que apareça na TV ou na academia defendendo teses contrárias aos dogmas do politicamente correto é na hora taxa como "lunático", "extremista", "xenófobo", "contra a ciência" e etc... Mas ai realmente a coisa fica bem complicada, pois não se trata nem de analisar dados mas sim de percepção da realidade, que tu demonstra não ter absolutamente nenhuma.


    Mas ao menos uma coisa temos em comum, também gosto de discutir idéias e não dogmas, que é o que prega essa religião do politicamente correto destruidora de reputações, o sistema não suporta ninguém que peite os seus dogmas.
  • skeptic  12/06/2017 07:40
    "as únicas ciências séria para mim são Física/Química/Matemática"

    Da série: A ciência só está certa quando concorda comigo.

    Climatologia é basicamente física e química, como qualquer ciência natural?. Matemática é a principal ferramenta da ciência (natural).

    O pessoal aqui acha que está discutindo crenças e opiniões. Ciência não é achismo, é análise de dados, teste de hipóteses, isolamento de variáveis, publicação em revista indexada...
  • Pedro  28/06/2017 01:00
    Então porque os dados que refutam os dogmas dos ambientalistas são solenemente ignorados?

    Ótima "ciência" essa, só presta aquilo que reforça meus dogmas.
  • saoPaulo  07/06/2017 14:24
    Eu acho irreais alguns comentários. Me lembram muito pessoas que dizem que o homem nunca pisou na Lua, que Evolução é "apenas uma teoria", que vacinas causam autismo, que homeopatia funciona, etc.

    É consenso científico que fumar aumenta sua propensão a câncer e a várias outras doenças*.
    Sim, existiram vários cientistas que tentaram questionar a validade deste consenso.
    Sim, governos usaram este consenso para aumentarem suas interferências na nossa vida.
    Mas duvido que algum leitor aqui incentivaria seu filho a fumar...

    Eu já acho que se negar a ver as consequências do intensivo uso de combustíveis fósseis nas mudanças climáticas, é uma atitude semelhante a pessoas exigindo welfare intensivo ao custo de uma maior dívida pública. Ambos estão rifando o futuro dos seus filhos, ao mesmo tempo em que se negam a enxergar isto...

    *Apesar do Olavão jurar que cigarros não causam malefícios.
  • Ayn Rand  07/06/2017 14:49
    Sorry, mas essa questão do cigarro está longe de já estar "resolvida".

    1) Por que todas as pessoas que batem recordes de idade fumavam? Sempre que os jornais noticiam que "morreu o homem mais velho do mundo" ou "morreu a mulher mais velha do mundo", descobre-se que tal pessoa fumava desde a adolescência.

    2) Por que o país com a maior expectativa de vida (Japão) é também o país onde mais se fuma em termos per capita?

    O que realmente se pode dizer com alguma certeza é que, para determinados organismos, o cigarro parece aumentar a imunidade e a resistência, permitindo a essas pessoas maior expectativa de vida.


    P.S.: ah, sim, também é "cientificamente comprovado" (já que todo mundo aqui adora essa expressão) que a nicotina ativa as sinapses, ajuda o raciocínio e ajude a prevenir o Alzheimer.

    P.S.2: todos os grandes escritores, inventores e cientistas do passado fumavam, e atribuíam ao cigarro uma maior clareza da mente.

    P.S.3: não fumo.
  • Bruno Feliciano  07/06/2017 15:53
    Você andou conversando com o Olavo de Carvalho neh?


    Em 90% das pessoas que fumam, tem problemas de saúde.
    Os outros 10% que são exceção, você usa como argumento, como se fosse regra.

    Se fizesse bem, porque as pessoas que fumam não tem uma voz limpa, uma cara mais nova?
    Porque as pessoas que fumam sempre aparentam ter mais idade do qque de fato tem?

    Ja viu um pulmão de quem fuma como é?

    E esses casos que você citou, se essas pessoas não fumassem, sera que elas não teriam uma melhor qualidade de vida e ainda sim maior expectativa de vida?


    Argumentar assim é fácil...


  • saoPaulo  07/06/2017 15:54
    Q.E.D.
  • ale  09/06/2017 15:38
    que isso, quanta ignorância. Vamos todos fumar!
  • Paulo Henrique  28/06/2017 03:12
    Já saiu estudo mostrando que pessoas que fumam e vivem muito são mais resistentes ao cigarro devido a genética, e não que o cigarro faz bem

    https://www.seeker.com/worlds-oldest-people-are-genetically-superior-1769281049.html

    Se você , reles mortal, fumar cigarro, vai ser afetado. Então essa questão já foi resolvida.

    O japão também é um dos países com mais casos de um certo tipo de câncer que eu não lembro mais o nome, por que comem muito peixe cru, ainda assim, sua expectativa de vida é elevada, o câncer é algo bom? Não. Eles tem um sistema de saúde melhor que boa parte do mundo. E também, apesar de comerem algumas coisas que afetam o corpo, o resto da sua dieta deve compensar.





  • anônimo  28/06/2017 02:43
    tsc, tsc, esse saoPaulo repetiu os mesmíssimos argumentos dos progressistas. Só faltou comparar com os negadores do Holocausto.

    Olhem só como o aquecimentismo é uma "ciência" magnífica:

    2009:
    https://extra.globo.com/noticias/economia/gelo-desaparecera-do-artico-em-2014-diz-al-gore-212019.html

    2014:
    https://ecologia-clima-aquecimento.blogspot.com.br/2014/01/aquecimentistas-presos-no-gelo-antartico.html

    E essa não é a primeira previsão furada. Esse texto apresenta mais uma outra muito pior. Mais outra bela previsão dos aquecimentistas.

    [www.mises.org.br/Article.aspx?id=573]É isso o que acontece quando entra em uma discussão com argumento do "consenso científico".[/link] Qualquer consenso é uma piada, começando pelo consenso dos economistas.
  • saoPaulo  04/07/2017 04:48
    tsc, tsc, esse saoPaulo repetiu os mesmíssimos argumentos dos progressistas.
    Quais argumentos que eu repeti???
    Não apresentei argumento algum pró aquecimento. Apenas apontei que muitas pessoas parecem ter problemas em aceitarem o aquecimento global antropogênico puramente por medo de intervensão estatal e, ao tomarem tal posição, estão inevitavelmente ignorando um importante fator no futuro dos seus filhos.
    Não sei de quais argumentos está falando... Mas se estou repetindo "os mesmíssimos argumentos dos progressistas", bem, talvez seja porque eu concordo com eles quanto à veracidade deste acontecimento, não? Afinal, até mesmo um relógio parado marca a hora certa pelo menos uma vez por dia. E desde quando concordar com eles em algo torna este algo automaticamente errado? É a mesma linha de raciocínio dos neocons que criticam libertários por concordarem* com esquerdistas quanto à liberalização das drogas. E, sinceramente, esta crítica é bastante burrinha...

    É isso o que acontece quando entra em uma discussão com argumento do "consenso científico". Qualquer consenso é uma piada
    É mesmo? Nos mande uma foto de você ensinando seu filho infante a fumar e voltamos a conversar...
    Sabe o que mais é consenso científico? Que se você soltar uma moeda do alto de um prédio, ela cairá! Agora pode subir num prédio da sua cidade e ficar jogando moedas, feito um maluco, esperando elas flutuarem...
    É cada frase estúpida que leio nestes comentários, que penso se as pessoas pelo menos param pra pensar antes de escrever.

    * na verdade esquerdistas querem legalização das drogas mais saúde estatal para drogados, enquanto libertários defendem total liberalização das drogas com responsabilidade individual. Mas é certo que ambos concordam que a guerra às drogas é uma burrice.
  • Oscar  28/06/2017 04:49
    Amigão, você fez exatamente o que sempre fazem. Só faltou destruir a carreira acadêmica de quem não acredita em aquecimento global no melhor estilo totalitário dos ambientalistas.
  • saoPaulo  04/07/2017 04:49
    Amigão, você fez exatamente o que sempre fazem. Só faltou destruir a carreira acadêmica de quem não acredita em aquecimento global no melhor estilo totalitário dos ambientalistas.
    Estilo patetas do Kubrik filmando o pouso na lua? Se for um cientista de foguetes da NASA, tem mais é que perder o emprego mesmo.
    Ou estilo os patetas do design inteligente? Bem, se é um biólogo que acredita nisto, é natural sua carreira ficar bastante abalada. Principalmente em países que levam a sério a separação entre Estado e Religião.
    A não, deve estar falando daquele "cientista" que publicou as mentiras sobre vacinas e autismo. Sim, este imbecil teve sua carreira merecidamente destruída, por ele mesmo.
    Ou talvez esteja falando sobre pais que acreditam tanto em homeopatia que se recusam a usar tratamento alopático nos seus filhos, os levando à morte. Bem, estes não somente têm que ter a carreira destruída, como têm que apodrecer na cadeia.
  • Drácula  17/07/2017 16:14
    Parabéns, saoPaulo. Repetiu as mesmas falácias do apelo ao ridículo que os ambientalistas totalitários cometem:

    [X] Comparou quem não acredita no aquecimento global aos criacionistas.

    [X] Comparou quem não acredita ao aquecimento global a quem não acredita no pouso da Lua.

    Só faltou as duas mais comuns:

    [ ] Comparou quem não acredita no aquecimento global aos negadores do Holocausto.

    [ ] Pediu a cassação da credencial dos cientistas "negacionistas" como a Sociedade Meteorológica Estadunidense já fez com alguns.

    Não é tarde para adicioná-las, quem sabe se você adicioná-las a temperatura da Terra volta a crescer como estava crescendo no final do milênio e assim todo mundo volta a levar a sério a religião do aquecimento global mais uma vez. Aí fica mais fácil aprovarem políticas de regulamentação às empresas emissoras.
  • Ex-microempresario  17/07/2017 17:41
    Não são falácias, são comparações, bastante pertinentes, por sinal. Os métodos e hábitos são bastante parecidos, estes sim com abundância de falácias:


    - falácia do apelo ao ridículo: "já era para estarmos todos assados e vermelhos de queimadura "

    - falácia da alegação especial: "Essa turminha não conseguiu fazer o planejamento cientifico da economia, agora querem fazer o planejamento cientifico do clima."

    - falácia do apelo à ignorância: "Infelizmente eu não sou um climatologista ou geólogo para ter acesso aos dados dos satélites que estão em órbita da terra e captam a temperatura média do planeta..."

    - falácia da conspiração: "Você se vale do fato de todo o Establishment destruir qualquer possível pesquisa ou dado que contrarie os seus dogmas..."

    - falácia da evidência suprimida: "Não há absolutamente nenhuma comprovação cientifica de que o aquecimento global é causado pelo homem..."

    - falácia do non sequitur: "Como o homem pode ser responsável pelo aquecimento global se ele é responsável por apenas 6% de toda a emissão de CO2 na atmosfera?"

    - falácia da falsa dicotomia: "Se o aquecimento global é causado pelo homem, porque em períodos como a idade média verificamos temperaturas superiores às atuais ?"

    - falácia do espantalho: Al Gore disse, Al Gore falou, Al Gore afirmou...

  • Drácula  18/07/2017 16:22
    "Não são falácias, são comparações"

    "Falácias são somente o que os outros fazem". Muito bom.

    Quem sabe se vocês aquecimentistas continuarem com o mesmo modus operandi a temperatura global volta a aumentar.
  • saoPaulo  19/07/2017 01:49
    Este gráfico da Nasa mostra que a temperatura média anual do mundo está aumentando.
    Ainda segundo a Nasa:
    This graph illustrates the change in global surface temperature relative to 1951-1980 average temperatures. Sixteen of the 17 warmest years in the 136-year record all have occurred since 2001, with the exception of 1998. The year 2016 ranks as the warmest on record.

    Qual a sua fonte para afirmar que a temperatura média anual do mundo está estável ou diminuindo?
    Explique por que é mentira que 2016 foi o ano mais quente já registrado.
  • Lucas  07/06/2017 23:34
    conteúdo de alto qualidade parabéns.
  • vladimr  08/06/2017 00:43
    Boa noite:
    Pergunta: Alguém sabe quais são as propostas dos ditos governos, ecologistas, cientistas para resolução da dita mudança climática? Se alguém disser mudança de estilo de vida, paradigmas, padrão de consumo, planejamento global e afins, sugiro que não fale nada, porque essas coisa não se resolvem o problema e só pioram a situação levando o colapso da civilização global.
    e caso respondam sejam lógicos e diretos, sem apelos emocionais sim.

    Agradeço pela atenção
  • Lucas Rocha  08/06/2017 04:46
    Alguém com conhecimento em climatologia consegue me explicar como se obtém matematicamente a chamada "temperatura global"? do ponto de vista metodológico, sobretudo na forma de obtenção e tratamento dos dados, quais mudanças ocorreram década a década (creio que a metodologia usada hoje é muito diferente da que era usada em 1960, que, por sua vez, deve ser bem diferente da usada no final do século XIX, por exemplo)
  • Pedro  08/06/2017 19:41
    Eu já vi alguns cientistas céticos quanto ao homem ser responsável pelo aquecimento global dizendo que, a rigor, cientificamente não se pode falar em temperatura média global. A questão parece ser polêmica.

    Mas obviamente são todos considerados hereges por questionarem os dogmas da "boa ciência".
  • ale  08/06/2017 14:42
    Estudar economia não faz de você um especialista em clima.
  • João de Alexandria  08/06/2017 20:20
    Gosto de ler os comentários.

    Embora na maior parte só me causem um profundo tédio, só vêm de encontro ao que eu penso e digo sempre:

    Este país é a terra abençoada dos especialistas de orelha de livro.

    Somos 200 milhões de técnicos de futebol.

    Na época do impeachment, éramos 200 milhões de juristas, e neste momento, junho de 2017, somos 200 milhões de especialistas em contas eleitorais por causa do julgamento da chapa Dilma-Temer.

    Fomos 200 milhões de especialistas aeronáuticos no acidente da Chapecoense.

    E neste momento temos aqui uma boa leva de especialistas em clima...
  • Fabrício  03/07/2017 23:28
    Em Belo Horizonte, sensação térmica foi de - 5ºC (cinco graus negativos). Pela primeira vez na história.

    www.em.com.br/app/noticia/gerais/2017/07/03/interna_gerais,880892/bh-tem-o-dia-mais-frio-do-ano-e-sensacao-termica-fica-abaixo-de-zero.shtml

    Aquecimento global à toda.
  • Emerson Luis  15/07/2017 11:32

    "Mas o que exatamente a "Ciência" (Tyson escreve com maiúscula por algum motivo insondável) tem a ver com acordos políticos?"

    Discordo de que o motivo seja insondável, é bem evidente...

    * * *
  • Ex-microempresario  17/07/2017 14:50
    Em um país socialista qualquer, o PIB deste mês foi maior que o do mês passado. Comprovada a superioridade do socialismo. Mises refutado para sempre! Milhões de liberais e libertários no mundo inteiro se convertem ao marxismo diante da evidência esmagadora!
  • Marcos  17/07/2017 15:54
    Não, meu caro ex-micro. Deixa eu tentar desenhar pra você.

    Se eu digo que, "de agora em diante, o PIB só irá cair mês a mês", mas aí ele sobe, então eu estou refutado. Minha teoria foi toda pro saco.

    Se eu digo que a Venezuela empobrecerá sob Maduro, mas aí sua população fica mais rica que a da Suíça, eu também seria refutado. (Mas essa é uma previsão que eu faço com 100% de certeza).

    Igualmente, a ocorrência de temperaturas baixas recordes em uma era em que todos os aquecimentistas juravam que elas nunca mais aconteceriam -- aliás, já era para estarmos todos assados e vermelhos de queimadura -- é sim um baita golpe a uma teoria.

    Não é à toa que os mais espertos já mudaram o discurso e não falam mais em "aquecimento global". Agora é só "mudanças climáticas", o que implica que tanto verões quanto invernos rigorosos podem ser automaticamente encaixados em propagandas catastrofistas.

    Ou seja, criaram uma teoria auto-adaptável. Qualquer que seja a temperatura e qualquer que seja o clima (invernos frios e quentes, verões frios e quentes), ele se torna a exata manifestação de uma "mudança climática".

    Só brasileiro -- sempre atrasado -- é que ainda fala "aquecimento global".
  • Ex-microempresario  17/07/2017 17:10
    Meu caro Marcos, nunca vi um cientista dizer que nunca mais aconteceriam temperaturas baixas. Talvez o Al Gore ou algum político similar. Já disse antes, mas vou repetir: Citar Al Gore para desacreditar a ciência climática está no mesmo nível de citar Bolsonaro para desacreditar a Escola Austríaca. Da mesma forma, criticar a ciência climática porque jornalistas medíocres fazem "propagandas catastrofistas" sobre o assunto é como dizer que a ciência econômica não existe baseando-se em manchetes da Carta Capital.

    De qualquer forma, sim, cientistas sérios sempre usaram o termo "mudanças climáticas", que é diferente de "aquecimento global"; "mudanças climáticas" são as consequências locais de um fenômeno global. Novamente fazendo uma analogia econômica, a expressão "O governo Dilma empobreceu o Brasil" não é refutada pelo fato de que algumas pessoas enriqueceram durante este período.

    Dizer que "Qualquer que seja a temperatura e qualquer que seja o clima" seja uma mudança climática, é obviamente uma contradição tola, e, nesse contexto, uma óbvia falácia. Uma mudança climática é, por exemplo, as chuvas na região nordeste do sistema elétrico nacional estarem hoje em 31,78% da média de longo prazo, ou o fato relacionado de que áreas que a duas décadas atrás estavam submersas pelo reservatório da barragem de Sobradinho hoje sejam usadas como pasto.

    Encerrando, sei que as chances de argumentos racionais convencerem crentes dogmáticos são mínimas, seja sobre clima, economia, criacionismo ou a morte de JFK, então não alimento esperanças de um diálogo útil.
  • Hans  17/07/2017 17:41
    Acrescente à sua lista o fato de que a Groenlândia, hoje coberta de gelo, foi batizada Greenland justamente porque era coberta por florestas quando foi descoberta.

    Mas como tal fato vai contra o dogma aquecimentista -- pois comprova que o mundo foi muito mais quente no passado, tendo havido um resfriamento de lá pra cá --, ele nunca é citado.
  • Ex-microempresario  17/07/2017 19:55
    Difícil dialogar com quem repete memes de facebook como se fosse fatos comprovados. Seguinte:

    A Groenlândia tem hoje 2,850,000 km3 de gelo acima do nível do mar.
    A superfície dos oceanos é de 360,000,000 km2.
    Dividindo um pelo outro temos 0,0079 km, ou 7,9 metros. Isto é o tanto que o nível do mar subiria caso o gelo da Groenlandia saísse de lá.

    Muitas cidades antigas do mundo estão a menos de 7,9 metros de altitude. Isso quer dizer que elas teriam sido construídas embaixo d´água se a Groenlândia fosse coberta por florestas e não por gelo. (A menos que vc saiba dizer para onde esta água foi) E lembre-se que estes 7,9 metros são só da Groenlândia. Mas se o mundo estava mais quente, também tem o gelo do Ártico, do Canadá, da Rússia, etc. E se os oceanos estavam mais quentes, a simples dilatação da água faz o nível aumentar.

    Mas vai ver que Barcelona, Marselha, Gênova, Amsterdam, Copenhagen, etc, foram construídas uns 10 ou 15 metros mais alto e depois desceram...
  • Maju   17/07/2017 21:38
    "Muitas cidades antigas do mundo estão a menos de 7,9 metros de altitude. Isso quer dizer que elas teriam sido construídas embaixo d´água se a Groenlândia fosse coberta por florestas e não por gelo."

    Putz, que lógica bizarra.

    Pra começar, quem disse que ocorreu um degelo? Havia florestas antigamente e hoje há gelo. Ponto. Que degelo?

    Nada se sabe sobre ter ocorrido um degelo, o qual teria levado ao surgimento de florestas, as quais então voltaram a virar o atual gelo.

    E, ainda que tenha havido esse degelo, ele teria ocorrido muito antes do surgimento das grandes cidades litorâneas, durante algum período interglacial. Isso apenas comprovaria que o mundo era muito mais quente do que é hoje.

    O fato é que o último grande período de aquecimento terminou há aproximadamente 120.000 anos. Durante este período — isto é, mais de 120.000 anos atrás — hipopótamos viviam nos rios Reno e Tâmisa, e a Europa tinha uma espécie de "aparência africana".

    Dali em diante, quando as temperaturas começaram a cair, as geleiras se moveram continuamente na direção sul, e o nível do mar na Europa diminuiu em mais de 100 metros. Os rios Tâmisa e Elba se tornaram afluentes do Reno, antes de este passar a correr até o Mar do Norte e dali para o Atlântico.

    Quando este período terminou, muito abruptamente, há aproximadamente 12.000 anos, as geleiras rapidamente retornaram e o nível do mar subiu, não apenas milímetros por ano, mas sim muito rapidamente, quase que como um dilúvio.

    Em um curto espaço de tempo, a Inglaterra e a Irlanda, que até então eram ligadas ao continente europeu, se tornaram ilhas. Foi assim que o Mar Báltico e grande parte do atual Mar do Norte surgiram. Do mesmo modo, grande parte do que hoje é o Golfo Pérsico passou a existir apenas naquela época.
  • saoPaulo  17/07/2017 21:57
    Maju 17/07/2017 21:38
    Ué, nao entendi...
    Entao você está concordando com o Ex-microempresario que nao havia florestas na Groelândia quando ela foi descoberta pelos Vikings?
    Ou você está falando que os Vikings descobriram a Groelândia há mais de 12 mil anos?
    Além disso, você aparentemente nao entendeu o argumento do Ex-microempresario. Releia o comentário dele com calma antes de se apressar a escrever sua resposta...
    Ual, Vikings de 12 mil anos... Pessoal tá de sacanagem...
  • Ex-microempresario  17/07/2017 22:16
    Maju, estou respondendo ao Hans, logo acima, que afirmou que a Groenlândia era coberta por florestas quando foi descoberta (no início da Idade Média, certa de 1000 anos atrás).

    Não entendi sua dúvida sobre "degelo". Eu apenas mostrei que se a Groenlândia não era coberta de gelo como é hoje, então este gelo, derretido ou não, teria que estar em algum lugar, e este lugar seria o mar. A quantidade de água no planeta não aumenta ou diminui com o clima, apenas muda de lugar e de estado físico (sólido/líquido/gasoso). Aliás, vc mesmo diz que o nível do mar diminuiu mais de 100 metros na última era glacial, e aumentou depois. Só que o Hans disse que isso ocorreu no século X, na época de Eric, o Vermelho. Eu só estou demonstrando que este meme de internet é ilógico e impossível.

    A 120.000 anos atrás, o clima era muito diferente, com certeza. Mas não havia civilização, nem cidades, nem agricultura, nem portos, então isso não é muito relevante para o debate sobre o clima HOJE.

    Exceto, é claro, para os que querem apenas defender seus dogmas e gritar que estão certos e que todos os outros estão errados.
  • saoPaulo  17/07/2017 21:34
    Hans 17/07/2017 17:41
    Até onde eu sei, o nome Greenland foi uma jogada de marketing de Erik, o vermelho, para atrair colonos para as novas terras por ele descobertas.
    Nava a ver com florestas.

    Then at the Thorsnes Thing, Erik and his people were outlawed from Iceland. Erik then sailed to Greenland where he named many places. Then, he came back to Iceland and reconciled with Thorgest. Then he decided to go back to Greenland and recruited people to come with him. He named the land Greenland because "men will desire much the more to go there if the land has a good name."

    Fonte: Saga de Érico, o Vermelho [datada de 1265 ou antes]

    Quais as suas fontes para a afirmação de que ela foi batizada Greenland justamente porque era coberta por florestas quando foi descoberta?
  • Faustão  17/07/2017 15:42
    Espere Marcos, daqui a pouco vão vir postar uma notícia que a temperatura terrestre vai aumentar nos próximos 50 anos.
  • Ze da Moita  18/07/2017 12:04
    ambientalismo é um discurso que impede os países subdesenvolvidos de produzirem e mantem o status quo dos países desenvolvidos

  • Felipe Lange S. B. S.  14/01/2018 23:24
    Pessoal vou tentar reacender esse debate que é um dos mais prazerosos de ver aqui no Instituto. O que vocês acham desse vídeo do Nerdologia sobre o aquecimento global?

    Não consigo desassociar essa história de uma ideologia ambientalista. Eles geram medo, preocupação e culpa ao divulgarem que o homem é o responsável em alterar o clima, e depois querem que a solução para o suposto problema seja feita por burocratas. Está cheio de canais científicos divulgando isso em todo o YouTube.

    Gostaria muito de um dia poder moderar um debate sobre esse tema em meu canal no YouTube.

    Aparentemente sou a única pessoa de biológicas que abomina essa ideologia. Seria muito bom se o Ricardo Felício e o Luiz Carlos Molion aderissem ao austro-libertarianismo, aí o estrago sobre a ideologia ambientalista seria maior ainda.
  • Pérsio   22/01/2019 12:05
    Seria interessante que o arrogante Neil DeGrasse Tyson respondesse à seguinte pergunta: é verdade que, às 08:35 da manhã de 21 de agosto de 2028, vai cair uma chuva de 20mm na cidade de São Paulo, com a duração de 40 minutos?


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.