clube   |   doar   |   idiomas
Por que lixeiros e professores ganham menos que artistas e grandes jogadores de futebol
O mundo real não funciona exatamente como quer os seus sentimentos e desejos

Por que professores não ganham tanto quanto jogadores de futebol e apresentadores de televisão? Por que lixeiros não ganham tanto quanto professores e artistas?

Exemplos como esse são sempre invocados para mostrar como os mercados são injustos: qualquer sistema que pague a X mais do que paga a Y — sendo que Y parece desempenhar um trabalho muito mais socialmente importante — não pode ser um sistema moral, com boas prioridades.

Mas esta conclusão está errada. Há motivos lógicos que explicam por que financistas, artistas e jogadores de futebol ganham muito mais que lixeiros e professores.

1. Não existe isso de "o real valor" de uma profissão

Há uma ideia intuitiva, mas totalmente errada, de que bens e serviços possuem um valor inerente, um valor intrínseco, o qual pode ser objetivamente determinado por nós. 

Intuições como essa acompanham a humanidade há séculos, sendo provavelmente mais bem representada pela teoria do valor-trabalho. Karl Marx (entre outros) acreditava que o valor de um bem ou serviço poderia ser determinado pela quantidade de "trabalho socialmente necessário" para se produzir esse bem ou serviço. Marx também acreditava que era possível determinar objetivamente o "valor de uso" de um produto ou serviço — qual o real valor que aquele bem ou serviço possui em uso; a maneira concreta na qual um bem ou serviço atende às necessidades humanas.

Determine esses valores (valor-trabalho e valor de uso), e será possível descobrir quanto deveriam ganhar os lixeiros e professores e quanto deveriam ganhar os banqueiros, artistas e jogadores de futebol.

Mas a verdadeira ciência econômica nos ensina que isso é impossível de ser feito. Não há uma maneira objetiva de estipular quanto um bem ou serviço deveria valer no mercado. O valor de um bem ou serviço é determinado por um complexo arranjo de fatores (oferta, demanda e a existência de substitutos de igual ou semelhante qualidade). Esses fatores fazem com que seja impossível determinar objetivamente o valor objetivo de um bem ou serviço.

Para determinar quanto algo vale, você tem, antes de tudo, descobrir quanto aquele algo vale para alguém. O valor de um bem ou serviço é amplamente determinado pelo seguinte valor subjetivo: quanto as pessoas estão dispostas a pagar por ele.

Pode parecer lamentável que as pessoas estejam dispostas a pagar mais por X do que por Y, sendo que, para você, Y parece muito mais valioso do que X. Porém, dizer que Y deveria ganhar mais do que X significa dizer a todas as pessoas que os valores e prioridades delas estão errados, e que apenas os seus valores é que estão certos.

2. Pense em termos de substitutos

Se um lixeiro, um professor, um artista e um jogador de futebol saíssem de seus respectivos empregos, qual setor teria mais facilidade para contratar um substituto de qualidade semelhante se o salário oferecido para todas as profissões fosse o mesmo?

Coletar lixo é, sem dúvida nenhuma, um trabalho extremamente importante, mas as qualificações necessárias para se tornar um lixeiro são geralmente mais baixas do que as necessárias para se tornar um artista ou um jogador de futebol. Parcialmente por causa disso, a oferta de candidatos para substituir o lixeiro será maior do que para as outras profissões. 

O mesmo raciocínio é válido para professores. A importância da profissão é indiscutível, mas a oferta de mão-de-obra é igualmente grande (para escolas).

Por essa razão (dentre outras), a emissora de televisão certamente terá de ofertar um salário maior do que a empresa de lixo e a escola para atrair bons candidatos. O mesmo vale para o time de futebol.

3. Pense em termos de criação subjetiva de valor

Além da oferta, da demanda e da existência de substitutos, há outro fator crucial: o valor gerado.

O que realmente determina a sua remuneração no mercado não é a beleza da sua profissão, mas sim o valor que você consegue gerar tanto para quem consome seu bem ou serviço quanto para quem paga seu salário.

Um bom professor pode realmente gerar valor para seus alunos e para os pais de seus alunos, mas ele gera valor para uma quantidade pequena de pessoas ao ano. Quantos alunos diferentes ele tem? Provavelmente, não mais do que 200 (um número bem exagerado). Portanto, ele cria valor para 200 pessoas por ano. Pode-se dizer que é uma produtividade extremamente baixa. 

Já artistas e jogadores de futebol têm alcance nacional (alguns, mundial). Milhões de pessoas consomem voluntariamente seus serviços, e eles geram retornos — goste você ou não deles — para seus empregadores e patrocinadores semanalmente, que estão satisfeitos em lhes pagar salários milionários. Se não gerassem valor, seria simplesmente impossível terem esses salários.

O professor, por melhor que seja a qualidade do seu serviço, alcança um número limitado de pessoas. Já os artistas e jogadores de futebol alcançam milhões de pessoas. Com um público consumidor maior e com menos concorrência em sua área, é natural que estes últimos ganhem mais que professores.

De novo: o que você pensa sobre essas profissões é imaterial. O fato concreto é que tais pessoas geram grandes retornos para seus empregadores. E geram grandes retornos porque há milhões de pessoas voluntariamente dispostas a consumir seus bens ou serviços.

4. Leve tudo em consideração

Salários, no mercado, não são e não podem ser determinados exclusivamente em termos daquilo que você, que é um mero observador externo, pensa a respeito de uma profissão, e de como você acredita que ela deveria ser remunerada.

Empresas têm de levar em conta o valor que cada empregado gera, a demanda por aquele serviço, a oferta de mão-de-obra de igual qualidade e o custo de se obter e manter bons empregados. Tudo isso se transforma em diferenças salariais.

O salário de uma pessoa irá refletir não apenas o valor que ela gera para seu empregador como também o tanto que suas habilidades particulares e sua experiência podem ser facilmente substituídas pelas de outro candidato àquela vaga de emprego. Ao passo coletar lixo é uma atividade de alto valor social, poucas pessoas irão perceber se um lixeiro for trocado por outro. O mesmo não se aplica para artistas e jogadores de futebol.

Se o sistema de coleta de lixo repentinamente desaparecesse, todos nós estaríamos dispostos a pagar mais para que alguém se livrasse do lixo para nós. Porém, há muitas pessoas e muitas empresas capacitadas e dispostas a fazer isso. A concorrência entre elas levaria a uma redução dos preços. 

Já a concorrência para substituir, com a mesma qualidade, artistas e jogadores de futebol não é muito abundante.

Conclusão

O mercado é simplesmente uma arena na qual compradores e vendedores de bens e serviços compram e vendem bens e serviços. 

Preços são simplesmente o resultado dessa interação, na qual as pessoas tomam decisões sobre o que estão dispostas vender ou comprar, e por quanto.

Todos nós temos sentimentos e boas intenções sobre o real valor social de determinados empregos. Mas, no mundo real, é impossível querer que lixeiros e professores ganhem mais que artistas e jogadores de futebol. A explicação é puramente econômica. 

O que você pensa a respeito de determinadas profissões é totalmente irrelevante perante o que o resto do mundo (mais de 7 bilhões de pessoas), que voluntariamente consome os bens e serviços destas profissões, também pensa sobre ela.


52 votos

autor

Kevin Currie-Knight
é professor de Educação Especial na East Carolina University.  Ele também é membro da rede de professores da Foundation for Economic Education.


  • mauricio barbosa  16/09/2016 15:47
    Há anos venho repetindo isso e hoje com o IMB é mais cristalino esse pensamento,mais fundamentado é meu raciocínio,enfim hoje eu tenho um embasamento teórico sensacional,a praxeologia de Mises.
  • mauricio barbosa  16/09/2016 18:56
    Fiz referência ao artigo e quanto ao capital imoral serve de deboche e piada para a moçada se alegrar com tanta asneiras digitadas por um fanático sozinho...
  • Jailma Viana  20/06/2018 21:33
    Existe um problema aí no texto!
    A diferença salarial está explicada. Correto. Nem poderia ter outra explicação. Mas jamais vai tirar da cabeça dos esquerdistas que é injusto e imoral. Infelizmente este artigo não me faz sentir vitoriosa com as minhas idéias.
    E uma frase como esta na conclusão: "o mercado é simplesmente uma arena onde compradores e vendedores....". É dar munição para o inimigo. Só faltou dizer que é uma arena sangrenta de gladiadores...
    Em tempo: eu não saberia explicar melhor que o texto. Não é crítica destrutiva não. Acho que hoje estou meio pessimista... só isto...
    Um abraços a todos
  • MARCUS AURELIO ALVES CARNEIRO  22/06/2018 21:09
    Profissões como bombeiro, policial, padre, professor (na rede pública), militar, lixeiro etc. são praticamente HONORÍFICAS, ou seja, elas são exercidas pela HONRA em servir ao público. Os americanos entendem MUITO BEM isso e prestam respeito a esses profissionais.

  • Demolidor  23/06/2018 05:27
    Profissões como bombeiro, policial, padre, professor (na rede pública), militar, lixeiro etc. são praticamente HONORÍFICAS, ou seja, elas são exercidas pela HONRA em servir ao público. Os americanos entendem MUITO BEM isso e prestam respeito a esses profissionais.

    Embora isso seja verdade, não é só isso. A realidade é que policiais são muito bem pagos nos EUA. A mediana de salário é acima de US$ 50,000 anuais, o que é superior à mediana dos outros empregos daquele país. Ao câmbio de hoje, é comum, portanto, que policiais recebam acima de R$ 200.000,00 anuais:

    www.payscale.com/research/US/Job=Police_Officer/Salary

    Quando colocamos a Suíça para comparação, os números são ainda mais consideráveis. Um professor ganha, em média, 87.500 francos suíços anuais. Um policial ganha 82.000 CHF. Sim, são mais de R$ 300.000,00, quase o teto do funcionalismo público tupiniquim. Certamente, muitos funcionários públicos corruptos no Brasil não tiram isso por mês, nem com os "por fora".


    E estamos falando de gente que ganha em moeda forte, dinheiro que, quando as coisas vão mal no mundo, tende a se valorizar, ao contrário do real. E ainda pagam mais barato em praticamente tudo que compram.

    O que professores, policiais e pessoal do exército tinha que ter em mente, substituindo a retórica sindicalista de esquerda, e observando as condições atualmente vigentes no Brasil, pode ser resumido nesses 13 pontos:

    1) uma economia forte e livre gera salários altos para todos. Aumento de salários de policiais e professores é consequência, não causa.

    2) policiais e professores são naturalmente valorizados quando cumprem seu trabalho de maneira correta e justa.

    3) apesar da lei permitir demissão de funcionários públicos nesses países, isso quase nunca acontece. Nos EUA, a Geico, por exemplo, se especializa em seguros para esse público, a taxas muito menores que as cobradas de outras pessoas, justamente pelo baixo risco de acidentes, perda de emprego e outras mazelas que afligem a vida dos comuns mortais.

    4) libertários, em geral, são contra o estado pelo tipo de incentivo vigente, onde uma área problemática vai cada vez ganhando mais verba, o que vai exigindo cada vez mais imposto, retirado da população à força, unilateralmente, e gerando incerteza econômica e jurídica. De maneira alguma, isso implica ser contra o trabalho de policiais, professores, oficiais do exército ou mesmo da existência de um país ou governo.

    5) o país é mais inseguro com a existência de empresas estatais, especialmente as monopolistas. A recente paralisação dos caminhoneiros, motivada por uma revolta generalizada contra a política da estatal monopolista de petróleo, revelou isso claramente. Além disso, tal empresa não protege o país de interferência estrangeira, já que tem inúmeros fornecedores internacionais, realiza negócios em outros países, e tem suas ações negociadas em bolsa estrangeira.

    6) Não obstante, atrair estrangeiros com capital e capacidade produtiva não tornará o país mais pobre, desde que eles possam competir sem privilégios ou limitações contra os locais. Mesmo que uma empresa se instalasse no país e trouxesse toda sua mão de obra de fora, esse pessoal fatalmente teria que morar em uma cidade local e ter contato com seus habitantes, alguns até trabalhando como professores. No entanto, o que acontece em praticamente qualquer caso, é a empresa estrangeira contratar mão de obra local, que tem contato com tecnologia e práticas de vanguarda, aprendendo habilidades importantes em qualquer lugar do mundo.

    7) o país é mais inseguro com uma população civil desarmada.

    8) o país é mais inseguro com sindicatos de pelegos promovendo algazarra e paralisando serviços tão logo tenham alguma reivindicação qualquer.

    9) salário mínimo é algo que não ajuda nem um pouco. Tanto é verdade que a Suíça sequer tem salário mínimo.

    10) exércitos profissionais são uma necessidade. Tanto é assim que a Suíça treina e arma o próprio povo. Cingapura é uma ilha que não tem nem o tamanho do município de São Paulo, mas é mais armada que a Malásia. São países economicamente muito livres e que não descuidam da segurança. Tecnicamente são estados e o treinamento é obrigatório, tolhendo a liberdade, mas não vai muito além disso.

    11) ganhar em moeda fraca, que desvaloriza a qualquer solavanco, não traz segurança alguma, não importa quão seguro seu emprego possa ser considerado. Piora quando são limitadas as possibilidades de investimento no exterior. Venezuelanos, particularmente ex-funcionários da PDVSA, que o digam.

    12) muitos libertários podem não se considerar patriotas (dentre os quais, diga-se de passagem, não me incluo. Me considero muito patriota, defendo com unhas e dentes as vítimas do arranjo, os brasileiros, e até mesmo a beleza da bandeira e o hino - confesso que, provavelmente por ter passado muito tempo no exterior), mas assumem tal postura por querer que seu povo viva em paz, rico e feliz, não apenas a si mesmos. Portanto, são, com certeza, mais patriotas e altruístas que aqueles que se arvoram na máquina estatal atrás de privilégios, cargos, salários nababescos para não fazer nada e que usam sua posição para cobrar propina de quem quer que tenha interesse em algum negócio, muitos deles estrangeiros que não se importam em ter lucro rapinando a população.

    13) não existe bem público. Todo bem, mesmo com esse nome, acaba sendo usado para benefício de entes privados. Ganância e inclinação para prover a si mesmo e à própria família é um trato inerente a qualquer ser humano. É por ganância e interesse próprio que as pessoas abrem negócios e é por este motivo que baixam seus preços e investem para sobrepujar a concorrência. Também é por ganância e interesse próprio que as pessoas prestam concursos públicos. A ganância é boa e fundamental para a sociedade. Mas ao conceder privilégios especiais a uma empresa ou organização, deixando seus fornecedores e clientes sem opção, os benefícios se invertem. A face ruim da ganância que, novamente, é inerente ao ser humano e nunca desaparece, fica evidente.

    P. S.: antes que alguém diga que o que disse sobre a ganância é contraditório, trago uma analogia da biologia/medicina: em nossos corpos, vivem inúmeras bactérias vitais para o funcionamento do nosso organismo, particularmente nos intestinos. Essas bactérias certamente não estão nem um pouco preocupadas na sobrevivência do hospedeiro. Provavelmente, nem mesmo se dão conta de nossa existência e da importância de nosso bem estar para sua sobrevivência. Estão apenas interessadas em ingerir seu próprio alimento e, com isso, acabam realizando uma tarefa que permite que tenhamos uma boa saúde. Mas basta um problema qualquer, que cause uma invasão dessas mesmas bactérias onde não deveriam estar, como no sangue ou trato urinário, e veremos que os benefícios se invertem prontamente. Tem muita gente que morre de infecção generalizada por isso.
  • Marcus Canesqui  26/06/2018 15:37
    Pelo que foi escrito, podemos dizer que o mercado é um sociopata. Ele atrai, ilude, usa seu charme, mas, na verdade, se importa apenas com seus interesses.
  • Bruno  26/06/2018 17:34
    Tipo, exatamente igual a você? Sim, pois eu duvido que você pague a um serviçal mais do que o "salário de mercado" dele, o que torna você um baita de um hipócrita.

    Duvido que você pague ao seu barbeiro um preço acima do que ele pede. Duvido que pague a mais para motoristas de táxi (Uber, Cabify etc.). Duvido que pague a mais por um serviço de encanador, pintor, pedreiro etc.

    Aliás, sobre isso, permita-me usá-lo de cobaia para um experimento. Eis duas perguntas simples, diretas e sem pegadinhas:

    1) Você tem empregada doméstica?

    2) Se a resposta for sim, quanto paga a ela? Se a resposta for não, você não se envergonha por não estar gerando renda para uma pessoa necessitada?

    Fica aí pregando que o mercado explora, mas você próprio não emprega ninguém e não paga salário nenhum acima do "de mercado". Hipócrita.
  • Viking  16/09/2016 15:49
    texto ótimo para pirar esquerdista!
    alias, eles piram só com o titulo hehehe
  • Joao  28/07/2017 18:37
    Simples: POlíticas públicas voltadas para valorização de profissionais importantes para sociedade é coisade primeiro mundo. De gente evolúida.

    Aqui, nesse décimo terceiro mundo tentamos justificar a falta dessas políticas com uma discurso de lógica de mercado. Que aliás está correto, já que o consumidor num país de ignorantes é adestrado para "comprar" e pagar caro em produtos para ignorantes como produções artísticas caras e de má qualidade, futebol e moda.

    Uma coisa é consequência da outra. Num país onde as pessoas são instruídas, a mídia que direciona o consumo não tem vez.
  • João Paulo  28/07/2017 18:46
    Ué, mas nos EUA -- o país mais rico do mundo -- é a mesma coisa. Jogadores de futebol americano e atores ganham muito mais que lixeiros.

    Aliás, na adorada e culta Europa, mesmíssima coisa: jogadores de futebol e artistas ganham muito mais que lixeiros e professores.

    A explicação para isso foi dada no artigo -- o qual, aliás, é uma tradução, e nem sequer foi escrito por um brasileiro --, mas você, curiosamente, recorreu ao complexo do vira-lata: só no Brasil que seria assim, ao passo que no resto do mundo tudo ocorre do seu jeito.

    Menos emoção e mais razão na próxima.
  • Luis Alberto Bandeira DElly  19/06/2018 18:50
    O artigo pode ser resumido em: "as pessoas são pagas pela sua raridade, não pela sua importância".

    É claro que os professores que estão ensinando nossos filhos são mais importantes que alguns raros artistas e esportistas, mas estes são escassos, aqueles não o são.
  • anônimo  19/06/2018 19:07
    "É claro que os professores que estão ensinando nossos filhos são mais importantes que alguns raros artistas e esportistas, mas estes são escassos, aqueles não o são."

    Depende. No caso de minha filha de 16 anos, ela só aprende bosta na escola, principalmente nas aulas de geografia, história e filosofia. Que esses professores estejam recebendo algum salário é algo que só é explicado pelo fato de que escolas são um setor da economia cuja demanda é garantida pelo governo. Dado que o governo obriga pais a colocarem seus filhos na escola, a demanda por serviços escolares é artificialmente inchada e garante o salário imerecido dessa gente.

    E como eu sou obrigado pelo estado a matricular minha filha em uma escola (pois, caso contrário, serei enviado a uma penitenciária), apenas digo a ela para perdoar seu velho pai por esse maltrato e apenas tirar o suficiente para passar de ano, pois quase nada do que ela vai aprender ali terá alguma utilidade em sua vida.
  • Anonimo 2  20/06/2018 11:26
    Nossa,que inveja de sua filha ter um pai como voce que pensa dessa forma. Se meu pai fosse assim eu teria adiantado bem a minha vida.
  • Luis Alberto Bandeira DElly  20/06/2018 12:58
    Nesse caso, concordo.

    Quando mencionei professor, referi-me "aquele que ensina" (não aliena nossas crianças).

    Na verdade, é você que está fazendo o papel de "professor" (apesar do estado intrometer-se).
  • Andre  20/06/2018 14:13
    Compartilho de sua opinião, em um livre mercado genuíno não haveria demanda por professores tão despreparados ensinando tanta inutilidade, professor no Brasil atual é ainda mais fracassado que os pais dos alunos e estão lecionando para fugir do desemprego.
  • Robson  16/09/2016 16:16
    se pessoas querem ver uma pessoa com habilidade que empurrar uma bola de couro(?) com os pés dentro de uma rede mais que uma pessoa que pode te dar uma graduação, o mercado sempre vai prover. Indo para a linha do evolucionismo, a natureza não exatamente privilegia o mais inteligente, mais o mais adaptado.
  • Andre  16/09/2016 16:52
    Agora está ainda mais difícil para professores serem valorizados, a molecada não têm muitas motivações para estudar e ter uma profissão comum, e com razão, os funkeiros, youtubers de bobagens e mesmo jogadores medianos de futebol estão com toda moral da sociedade, pegam as menininhas com corpos perfeitos, andam com os carros e motos da moda, moram em locais que nem dá para acreditar que é Brasil, vão às festas exclusivas, viajam para destinos cobiçados e toda o círculo em torno deles querem ser como eles.
    Quanto ao cidadão comum, trabalha em um emprego que se limita a não odiar, perseguido pelo imposto, arrasado pela inflação, depois do casamento sua cônjuge fisicamente se desvaloriza mais rápido que o BRL, dirige um veículo popular usado, mora em apto de 40m², pagos em sofríveis prestações, frequentam o habib´s, viajar com sorte é para algum litoral popular ou pousada no interior e seus filhos o vêem como símbolo de fracassado.
    Não é de se admirar que num estado de coisa desses professor é profissão típica de fracassados, já que não têm nada útil para ensinar a ter sucesso numa sociedade destas.
  • Tulio  16/09/2016 17:00
    Embora você tenha muita razão no que disse, vale enfatizar também que professor bom, que ensine coisas realmente válidas e de maneira correta, transformou-se em mercadoria escassa.

    Toda a profissão foi tomada por arrivistas, sindicalistas e marxistas, os quais só pensam em greves, politicagens e doutrinação (vide os livros do MEC). Estes estão jogando o valor da profissão no chão. Eu não pagaria R$ 1 pra professor vagabundo encher a cabeça do meu filho com lixo marxista revolucionário.

    Com a difusão da Khan University, professor de escola -- e, futuramente, de universidade -- é uma profissão que vai acabar. E para o bem de todos.
  • anônimo  16/09/2016 21:19
    Não vai acabar, ainda existe a necessidade de aplicar provas, corrigir e tirar dúvidas.Khan Academy no máximo serve como substituto de livro texto.
  • Frederico Campos  16/09/2016 21:26
    Muito bem pontuado. Esta discussão foi ignorada pelo autor do artigo. Talvez porque se manteve na parte do mercado de suas leis. Mas não tem como ignorar que existem ações artificiais, que quebram regras fundamentais do mercado.
    Com salários sendo "definidos" pelo estado não tem como não dar merda....
  • Ciro A. Sanchez  17/09/2016 20:05
    A simples existência de um "MEC" (agentes do governo definindo rumos da educação) deixa claro que doutrinação sempre foi o objetivo primeiro do Estado - vide Lutero e Calvino.
    Ter orgulho da "época em que ficávamos de pé para cantar os hinos da pátria" significa apenas que consideramos NOSSA doutrinação militar melhor que a atual socialista... Tente educar seus filhos por conta própria (homeschooling) e descubra que o Estado-papai-do-céu vai destituir teus direitos de guarda por "abandono intelectual" - não ouse tomar-lhe um bovino pagador de impostos jamais!
  • Ze da Moita  17/07/2017 16:40
    conheci um professor de escola pública, que fava aula de verbo to be, nas férias ele ia pros EUA fazer bico de guia turístico, ele se sentia super bem com o pouco que ganhava aqui
  • Wandersson Botta  16/09/2016 17:11
    Só tenho à agradecer ao IMB e um amigo especial, Heldo Paz, que me mostrou as ideias do instituto. Parte do meu pensamento é fundamentado na Escola Austríaca de Economia. Queria que meus amigos do Piauí tivesse essa percepção de do fatos e pudessem reagir a essa mentalidade desgraçada de esquerda que deixa as pessoas cegas e dependente dos políticos. É asssim que funciona no interior do Piauí. Minha namorada é cantora de forró e de diferente das amigas já consegui arrumar um bom dinheiro para compras suas roupas e ficar mais bela, como ela mesma quer.


    Obrigado, Hélio e Instituto Mises Brasil.
  • lorivaldo  16/09/2016 20:06
    Olá Wandersson , também resido no Piauí e partilho do mesmo sofrimento seu: A mentalidade derrotista e estatista do povo. Apesar de ser uma terra de gente ordeira e trabalhadora a mesma sofre com o esquerdismo e maus políticos (existem um bom político? rs). É uma terra com várias possibilidades que com fé em Deus chegará em dias melhores. Abraços!
  • Jean Meira  16/09/2016 17:36
    Para ganhar dinheiro só tem 3 formas: oferecer algo para que as pessoas querem, resolver problemas que as pessoas tem, chamar atenção de pessoas. O que faz ganhar MUITO dinheiro é para quantas pessoas vc consegue fazer essas coisas. O Neymar cahama atenção de milhoes de pessoas, enquanto um professor atende uams 100 no maximo
  • Egon Horst  16/09/2016 18:22
    Pois é, os dirigentes do Barcelona deveriam contratar alguns professores brasileiros. Pagando mais do que pagam ao Neymar, é lógico!
  • Jailma Viana  22/06/2018 02:04
    Caro Jean Meira,
    Outra coisa. O que mais tem por aí são professores (inclusive minha mãe e minha irmã, que são professoras) defendendo aos gritos que a educação tem que ser gratuita. E depois reclamam que recebem um salário baixo. Não sentem nenhuma contradição nisto. Nunca vi jogador de futebol defendendo entrada gratuita para os jogos.
    Abraços
  • Reginaldo Figueiredo  16/09/2016 17:38
    Cuidado com essa afirmação! Salários de jogador de futebol na média são muito ruins. Mas muito mesmo! A maioria mal consegue receber um. Neymar é exceção, se formos medir na exceção temos que usar a exceção no professor também e aí a escala fica muito diferente. Já de início professores de economia da FGV, INSPER etc ganham entre R$350 e R$550 a hora! Porém assim como o Neymar joga la fora, lá fora, quando fiz meu mestrado meu professor de finanças vinha dar aula de Ferrari. Vamos comparar o comparável, média com média, ou pico com pico, nunca pico com média! Se não vocês caem na categoria da mídia burra nacional!!! Certo Instituto Mises Brasil?
  • Leandro  16/09/2016 18:05
    "Salários de jogador de futebol na média são muito ruins. Mas muito mesmo! A maioria mal consegue receber um."

    O leitor inteligente sabe que o artigo está falando dos jogadores dos grandes clubes nacionais e internacionais, e não dos clubes de várzea, para os quais qualquer um serve.

    Para clubes de várzea, há muito mão-de-obra substituível -- o que, aliás, confirma ainda mais o que disse o artigo.

    "Neymar é exceção"

    Neymar, Messi e Cristiano Ronaldo são a exceção entre os jogadores dos grandes clubes nacionais e internacionais. Mas mesmo esse jogadores dos grandes clubes nacionais e internacionais recebem tranquilamente mais de R$ 30 mil mensais. E isso bem por baixo. O normal é salário de seis dígitos.

    De novo: não se está considerando times de várzea. Para esses, há muito mão-de-obra substituível -- o que, aliás, confirma ainda mais o que disse o artigo.

    "se formos medir na exceção temos que usar a exceção no professor também e aí a escala fica muito diferente. Já de início professores de economia da FGV, INSPER etc ganham entre R$350 e R$550 a hora!"

    O artigo se refere claramente a professores de escola (explicitado na seção "Pense em termos de substitutos"), e não de grandes faculdades privadas. Mesmo porque, faculdades privadas operam sob uma reserva de mercado (o governo obriga as pessoas a terem um diploma caso queiram exercer determinadas profissões), o que aumenta artificialmente a demanda por esses serviços. Logo, os salários ali são maiores.

    Mas, mesmo assim, menores que de artistas e de jogadores dos grandes clubes nacionais e internacionais de futebol.

    Agora, faça a coisa certa, e compare os salários de professores escolares aos dos artistas e dos jogadores dos grandes clubes nacionais e internacionais de futebol (que é esse o tema do artigo).

    "Porém assim como o Neymar joga la fora, lá fora, quando fiz meu mestrado meu professor de finanças vinha dar aula de Ferrari."

    Não sabia que há professores de finanças dando aulas de mestrado em escolas. Pensava que isso era só em faculdades. Lugar avançado esse seu...

    "Vamos comparar o comparável, média com média, ou pico com pico, nunca pico com média! Se não vocês caem na categoria da mídia burra nacional!!! Certo Instituto Mises Brasil?"

    Reconhecemos facilmente alguém que se encaixa dentro da categoria "burrice média nacional" quando ele:

    1) não entende o que lê;
    2) generaliza o que não deve;
    3) usa três pontos de exclamação (pois acredita que um mero aceno ortográfico irá fortalecer a debilidade de seus argumento);
    4) não separa o vocativo com vírgula.

    Certo, Reginaldo Figueiredo?
  • Reginaldo Figueiredo  16/09/2016 18:32
    Vamos lá, não estou discutindo a teoria de salários, concordo com vocês nesse ponto.
    Chamei atenção para o fato, porque o professor com o cartaz na la foto, certamente não é um coordenador de MBA do INSPER.
    Então por mais que a teoria esteja certíssima a comparação é tendenciosa.

    Quanto ao ter aula de finanças em uma escola, sinto, é assim que se chama a Rotterdam School of Management, mas poderia ter citado a Escola Politécnica de São Paulo, ou ainda a École Polythecnique de Paris. O termo escola é abrangente no seu uso.
    Quando você compara o salário de um professor de primário (a maioria nem terceiro grau tem) temos que ir lá na terceira divisão do futebol. Pois, desculpem-me os professores do primário, é isso que eles são! Jogadores de inicio de carreira. Não é comum um PhD em Física formado no MIT em Mecânica Quântica estar dando aula de Ciências na escola municipal de Quixadá CE!
    Veja, de novo, não me oponho a teoria de salários e precificações. Nem estou dizendo que professor ganha muito. Me opus a comparação. Não faz muito tempo tive a mesma comparação em casa, com um filho que me disse que queria cantar porque cantor ganha mais que engenheiro. Apostei com ele que ele poderia fazer uma lista de cantores com os respectivos ganhos. Eu faria a minha de engenheiros e o salário na minha lista seriam o dobro dos na lista dele. Adivinha quem ganhou? Óbvio se trocarmos engenheiros por professores o resultado seria outro.

    Seria mais fácil evitar a comparação professor de terceira linha vs jogador de primeira simplesmente comparar entre professores ou entre jogadores.

    Ah! ... Se fiz erros de português perdão, apesar de brasileiro, passei metade da minha vida fora, voltei faz pouco tempo ainda faço muitos erros.
  • Bruna Monteiro  19/09/2016 19:16
    Reginaldo, entendi o seu comentário, faz sentido. Só que eu pelo menos estou vendo pelo angulo em que o autor quis colocar, que é o de analisar o valor que determinada profissão, ou melhor profissional está gerando. Sem dúvidas o Neymar está gerando muito mais valor do que um jogador iniciante, ou de algum time não muito reconhecido. Assim como o Neymar tem um talento que muitos outros não têm, que entra na mesma questão do texto, quantos substitutos temos para ele? Acredito, que não muitos. Então ai já agrega mais valor a ele do que a outro jogador que não irá fazer falta ao time, e que facilmente terá um substituto. Devido a isso obviamente o Neymar terá um salário melhor. Do mesmo modo que um professor de ensino fundamental de uma escola qualquer não terá o mesmo salário de um professor da FGV, até porq encontramos um número maior de professores para o ensino fundamental do que para um professor que seja capaz de dar aula na FGV. O que o autor quis mostrar não foi uma generalização das profissões, mas o que cada profissional gera de valor,
  • Jailma Viana  20/06/2018 21:46
    Leandro,
    Você é meu ídolo!
    Opa! Quase coloco três pontos de interrogação aí em cima!
    Abraços.
  • Andre  16/09/2016 18:14
    Tem mestrado e nem conseguiu concluir algo útil, pois um coitado de um cidadão médio tem pleno acesso à educação ruim de um professor marxista que recebe uns R$2mil e também a jogos de um desses jogadores com salários nababescos:

    www.resenhagol.com/futebol/10-jogadores-mais-bem-pagos-do-brasil/

    Agora do alto do seu mestrado, nos diga aí a possibilidade de um cidadão médio ter acesso à aula de seus professores montados em ferraris.
  • Reginaldo Figueiredo  16/09/2016 18:39
    Meu amigo, não sei medir isso. O que te digo é que nasci em uma casa de madeira que minha mãe serrou as tábuas para fazer. Nasci na média baixa da sociedade brasileira ou pior. Quis as circunstâncias que eu sempre vi vantagem competitiva em estudar. E foi o que eu fiz...
    Mas não existe do "alto do meu mestrado", diploma não leva ninguém ao alto.
    Como o texto coloca aí, é o diferencial competitivo que pode elevar teu ganho, se esse for teu objetivo.
  • Andre  17/09/2016 00:45
    Depois da resposta do Leandro as atualizações de vergonha alheia foram atualizadas com sucesso.
  • anônimo  17/09/2016 19:43
    "meu professor de finanças vinha dar aula de Ferrari"

    Muito provavel que seu professor fosse um executivo ou um ex executivo, é muito comum em pós graduações pessoas do mercado darem aula.
  • Jailma Viana  20/06/2018 21:50
    O Reginaldo finalmente entendeu o texto. Parabéns. Ufa!
  • Mais Mises...  17/09/2016 23:24
    Ou seu professor (o da Ferrari) era o supra-sumo na respectiva área ou ser professor era só um hobby ou uma segunda fonte de renda (como é pra mim). Logo, quem me vê, acha que ganho bem porque sou professor... Ledo engano! rsrsrs
  • Reginaldo Figueiredo   18/09/2016 09:56
    www.thebestschools.org/blog/2013/11/25/10-highest-paid-college-professors-u-s/

    Eu acho é que vocês estão muito por fora dos salários de professores "de primeira linha"

    Quando dirigi o Corporativo da FGV-SP, vi onde chega a remuneração de alguns, e deixa muito jogador de futebol no seu devido lugar.
    Mas de novo, reforço: a matéria está correta. Estes professores ganham muito bem, porque são muito bons / insubstituíveis naquilo que está sendo valorizado.
  • Luis  16/09/2016 17:49
    Somente uns 400 jogadores ganham salarios invejaveis no Brasil. Dos 20 clubes da primeira divisao. Outros registrados na federacao ganham pouco, sugiro uma pesquisa, os numeros podem ser diferentes, mas a conclusao será a mesma.

    Segundo ponto, no interior do estado de Sao Paulo vale a lei da oferta e demanda para professores, e professores de escolas particulares, de Física , ganham mais que os outros. Professores de cursinhos tambem não ganham mal.

  • Leandro  16/09/2016 18:15
    Já respondido acima, para o leitor Reginaldo Figueiredo.
  • Ex-Professor  17/07/2017 01:02
    Professores de cursinhos se souberem serem empreendedores, conseguem ganhar tranquilamente mais do que a maioria dos professores universitários das nossas federais falidas.

    Para você ver que até em um mercado extremamente engessado e regulamentado no Brasil como o de professores, o empreendedorismo consegue dar sua solução criativa.
  • Murilo Maturana  16/09/2016 18:16
    Água é mais preciosa do que diamante, nem por isso discute-se o que vale mais, é livre a escolha de valor, essa é a natureza da economia, necessidade. Se ela fosse balança seria Justiçonomia.
  • Andre Cabral   16/09/2016 18:17
    Cirúrgico, preciso. Dentro das próprias classes citadas pode se observar que o fato de um indivíduo é mais importante pela sua contribuição para as outras pessoas. Um Neymar, mesmo não gostando dele, é mais importante que o atacante do Vasco por exemplo, um professor de Neurocirurgia, vai ter um passe e um salário maior do que qualquer doutrinador de Sociologia da USP.
  • Rafael Martins  16/09/2016 18:18
    Quem paga salário de Neymar não é o contribuinte, e os professores no Brasil em sua grande maioria são doutrinadores criadores de militantes analfabetos.
  • Lúcio Maia  16/09/2016 18:19
    Professores ? Quem ? Não existem professores no Brasil. Existe um absurdamente grande grupo de pilantras doutrinadores marxistas que transformam e desvirtuam a sala de aula em comitês a serviço da ideologia dominante, garantindo os privilégios de parlamentares e governantes de esquerda as custas da cegueira do povo.
  • Michel Pinheiro  16/09/2016 18:19
    Professores e lixeiros não lotam estádios e não vendem camisas oficiais.
  • Dostoievsk  16/09/2016 18:34
    Eu entro nesse site sempre para ler suas mensagens. Genial!
  • Livre Mercado  16/09/2016 18:39
    Off Topic - Gostaria de compartilhar com os colegas o trabalho de um site que também contribui para levar sensatez ao debate econômico brasileiro:

    terracoeconomico.com.br/

  • Marco de Tropoja  16/09/2016 18:45
    Muitas pessoas deveriam ler este artigo.
  • Sociólogo da USP  16/09/2016 20:32
    Não consigo aceitar que um jogador de futebol pode ser mais útil para a sociedade do que eu e os meus colegas.

    Neymar é um burguês sonegador que só serve para encher o bolso de cartolas e especuladores de sites de aposta. Além é claro, de servir como propaganda para a meritocracia liberal-burguesa. No entanto, não é todo garoto pobre do litoral paulista que terá a sorte de fardar o uniforme blaugrana.

    Já eu e meus colegas, recebemos um mísero salário de 5 dígitos do Estado para difundir um pensamento crítico e independente para as nossas jovens mentes. Não vai ser Neymar, ou Messi, ou Suarez que nutrirão intelectualmente nossos estudantes com Marx, Webber ou Gramsci.

    É por isso que fazemos greves.
  • anônimo  16/09/2016 21:16
    Triste, mas tem um fundo de verdade nessa ironia aí.
    Uma sociedade que valoriza mais um jogador de futebol que um professor acabe em que mesmo? Braslixo.
  • Renan Merlin  17/09/2016 01:31
    Em todos paises do mundo e assim.
  • Reginaldo Figueiredo  16/09/2016 21:26
    Salário não mede utilidade nem é uma função de.
    Apesar que em sua última sentença "nutrir estudantes com Marx..." faz-me pensar que você merecia cadeia e não salário! rs
  • mauricio barbosa  16/09/2016 21:29
    Sociólogo da USP,mais um mestre da inveja do nosso zoológico universitário marxista.
  • Frederico Campos  16/09/2016 21:33
    kkkkkkkkkkkkkkk
  • Jailma Viana  20/06/2018 21:58
    Com este título: "Sociólogo da USP". Ele só tá de sacanagem. Ele é dos nossos. Vocês caíram na piada dele? Ele adora futebol. Não perde uma da trinca MSN!
    Abraços
  • Taxidermista  16/09/2016 21:15
    A propósito, vale lembrar:

    mises.org/library/why-wages-rise
  • Rodrigo  16/09/2016 22:05
    Discordo que existem muita mão-de-obra para uma profissão como de um professor. No ensino público, por exemplo, é comum que professores ministrem matérias que não possuem formação, em virtude da escassez de professores no mercado. O que existe, na verdade, é uma desvalorização do governo em relação a esses profissionais. Existem pouquíssimos professores hoje. Ninguém mais busca lecionar.
  • Janot  16/09/2016 23:22
    Não existe mão de obra? O que eu mais conheço é semi-analfabeto professor. Conheço três pessoas que não sabem escrever uma frase corretamente, mas que são professoras primárias.

    Parece que quanto menos a pessoa sabe, mais qualificada ela é pra ser professor. Se a pessoa não sabe nada da vida, ela vai ser professora.

    A meu ver, a oferta para essa profissão é intensa. Todos os incompetentes acabam indo parar nela. E todos acabam virando grevistas sindicalizados. Se ganham um salário mínimo já é excessivo.
  • Mais Mises...  17/09/2016 23:30
    Rapaz... professora do meu filho escreve uma mísera frase com erro em pontuação e, às vezes, de concordância. E isso é porque a escola é privada... Na pública, pelo nível de alguns que conheço, o 'futuro da nação' tá é lascado!
  • Ex-microempresario  17/07/2017 14:46
    Minha prima participou de um seminário onde viu uma professora formada dizer que 5/8 é maior que 3/4 porque 5 é maior que 3 e 8 é maior que 4.
  • Jailma Viana  20/06/2018 22:06
    Eu, quando fiz o vestibular unificado na UFRGS em 1972, entre as respostas que justificariam o Brasil ter aumentado o seu mar territorial para 200 milhas marítimas (assunto da moda na época) estava: Letra b- Afastar os monstros e os leões marinhos da costa marítima brasileira.
    Juro que é verdade. Esta prova UFRGS deve estar arquivada em algum lugar. Ou perguntem para algum antigo professor de cursinho pré-vestibular.
    E tem gente que diz que precisamos de mais educação ministrada pelo Estado.
    Abraços
  • J Edimar  16/09/2016 22:38
    Como professor lhe digo que professor não ganha alto salário porque há mais professores no mercado: a lei da oferta e da procura: a mais professores procurando escolas do que escolas procurando professores: o que gera desemprego: e não importa se você é um bom professor, que falta pouco e que ministra aulas e cobra de seus estudantes. As universidades federais, as universidades estaduais governadas nos estados pelo PT e cia, IFs as universidades privadas financiadas pelo FIES inundaram o país com os cursos de licenciatura formando professores de qualquer maneira.
  • Fabio  17/09/2016 12:11
    Complementando o seu comentário, uma amiga minha leciona numa universidade federal destas criadas pelo PT e me conta a respeito de cada aluno. Tem alguns alunos que mal sabem escrever e vão tudo formar-se professores. E mais, a orientação do reitor é não reprovar, tem que dar quantas recuperações for necessária, ou seja, o que interessa são apenas os números, a qualidade fica esquecida. E nem vou entrar no detalhe dos planos de ensino, só de olhar a bibliografia sinto náuseas. Infelizmente esse é o futuro do Brasil, essas universidades servem apenas para aumentar o exército de militantes.
  • Renan Merlin  16/09/2016 23:43
    Leandro deixa eu tirar uma duvida. Suponhamos que um pais adote o Padrão Ouro. Caso o ouro se desvalorize isso não faria a moeda se desvalorizar?
  • Leandro  17/09/2016 00:42
    Se o ouro se desvalorizar perante as outras moedas de papel, sim.

    Se o Brasil, por exemplo, houvesse adotado o ouro como moeda em agosto de 2011, quando a onça de ouro valia US$ 1.900, e sabendo-se que hoje ela vale por volta de US$ 1.310, teríamos tido uma inflação de preços razoável (mas muito menor do que aquela que de fato vivenciamos neste período).

    Por isso é crucial saber o momento certo de se adotar um novo regime monetário. Se você adotar como âncora uma moeda ou commodity que está no auge da valorização -- de modo que, dali em diante, ela só vai se desvalorizar --, então sua reforma monetária não será muito eficaz.
  • Dr pensante  17/09/2016 00:45
    É coerente um ateu se assumir centro-direita ou, quem sabe, um membro da direita? Todo Homem que se diz da direita é, necessariamente um conservador? Agradeceria muito a ajuda de alguem.
  • Danilo Andrade   17/09/2016 09:12
    Bom dia, Dr Pensante!

    Eu vejo essas nomenclaturas (esquerda e direita) como algo obsoleto. Se você chegar pra alguém e dizer "Sou de direita" vão associar você automaticamente a galera que apoia Bolsonaro, se falar que é de esquerda vão te associar aos socialistas, mesmo que originalmente o libertarianismo se encaixe melhor como "esquerda".
    Eu simplesmente me apresento como Libertário, algumas pessoas não entendem bem o que isso significa mas eu sinto prazer em explicar.
  • Euzis  17/09/2016 10:18
    Não, nem todos que são de direita são conservadores. Os liberais também dão considerados de direita, mas tem algumas divergências com os conservadores.

    Não creio que o fato de alguém ser ateu tenha relação com direita ou esquerda.
  • Jamilly  17/09/2016 12:20
    Ser conservador não está ligado à crença em Deus. Ser conservador diz respeito à defesa das leis, da moral e da ética e essas coisas independem de sua religião ou ceticismo.
  • Tiago  19/09/2016 04:52
    Como você pode defender leis e ética ao mesmo tempo, quando >99% das leis são anti-éticas?
  • Henrique Zucatelli  17/09/2016 15:26
    Pensante, a grande questão filosófica libertária se baseia na causa e efeito. Com base nisso o pressuposto e a consequência levam propriamente a um Ser maior, criador de todas as coisas.

    Liberais genuínos tem ojeriza ao caos, logo a busca pelo conhecimento das Leis divinas leva ao trabalho, a disciplina, e logo mais a caridade, que é ajudar seus irmãos com os frutos do suor derramado. A fé em uma força maior carrega consigo um código moral muito forte, uma ética que proíbe o homem de espoliar seu semelhante, de roubar, de trair etc.

    Há diversas correntes de pensamento religiosas, sendo as mais primitivas baseadas no medo, e as mais modernas baseadas na razão, porém todas elas respeitam que se aqui se faz, aqui se paga. E não é de se estranhar que os maiores pregadores da caridade, as maiores instituições beneficentes e os maiores entusiastas da ajuda voluntária sejam religiosos ou no mínimo simpatizantes de alguma corrente esotérica.


    Não acreditar em nada é um prelúdio ao desrespeito a tudo que não seja para seu próprio benefício. Ser ateu não necessariamente significa ser imoral, porém vos desprende da causalidade. Se tudo é permitido e relativo:

    Qual o problema em dominar o semelhante e impor meus costumes, hábitos e verdades?
    Qual o problema em fazer um juízo de algo como se fosse correto, bastando que se tenha poder para tal?
    Qual o problema de ser imoral, corrupto e mentiroso, se basta que eu não seja pego?

    Portanto Pensante, você pode como ateu se identificar com qualquer corrente de pensamento libertária, desde que seja consciente de que essa forma de viver se baseia em preceitos cristãos em primeiro lugar.

    "Amai a Deus sobre todas as coisas, e ao próximo como a ti mesmo".

  • Roberval Antonio   17/09/2016 18:45
    Parei de ler quando escreveu ser com letra maiuscula...
  • Kelly  14/09/2018 02:37
    Após ponto final inicia-se a frase com letra maiúscula, ou seja, o Ser com o S maiúsculo está correto!
  • Mais Mises...  17/09/2016 23:34
    Belíssima resposta! Parabéns.
  • Insurgente  29/06/2018 14:59
    "Não acreditar em nada é um prelúdio ao desrespeito a tudo que não seja para seu próprio benefício. Ser ateu não necessariamente significa ser imoral, porém vos desprende da causalidade. Se tudo é permitido e relativo:


    Qual o problema em dominar o semelhante e impor meus costumes, hábitos e verdades?
    Qual o problema em fazer um juízo de algo como se fosse correto, bastando que se tenha poder para tal?
    Qual o problema de ser imoral, corrupto e mentiroso, se basta que eu não seja pego? "

    Você se contradisse quando afirmou que ser ateu necessariamente não significa ser imoral ao mesmo tempo que levanta um questionamento onde a imoralidade poderia ser usada como fator para se conseguir algo.

    Pela sua lógica os ateus justificam os fins, sem se preocupar com os meios.

    Sei...Tendi.


  • WDA  18/09/2016 04:34
    Se você colocar nos dois pólos políticos os extremos e considerar que comunismo é o Estado total - segundo Marx, com o advento da maturidade do socialismo o Estado permearia toda a sociedade e a partir daí deixaria de ser Estado, deixando de existir. É uma idéia contraditória, obviamente, mas a idéia é dele - e, partindo daí, identificar que os comunistas são reconhecidos como de extrema esquerda conclui-se por oposição que o libertarianismo anarcocapitalista é de extrema Direita e, portanto é de Direita.

    De fato, esse não é o único critério para se diferenciar Direita e Esquerda, mas é um critério válido e legítmo.

    Além disso, no Brasil, dado o prolongado domínio da Esquerda (socialistas e comunistas) na esfera cultural, quem pautou, na prática, essa distinção Direita/Esquerda foram os próprios esquerdistas que, por aqui, fazem toda a questão de rotular como direitistas os liberais e afins. Logicamente, estando os libertários muito mais próximos dos liberais que dos socialistas de qualquer tipo, eles também ficam, na prática, à Direita no espectro político brasileiro. Portanto, se você é brasileiro e é liberal ou libertário, sendo ateu ou não, você é de Direita.
  • Jailma Viana  22/06/2018 12:48
    Caro Dr. Pensante,
    Penso que a confusão maior nem está em direita-esquerda. Está em conservador-progressista.
    Todos os que se dizem "progressistas" são os que querem interferência estatal. São o "progresso do atraso".
    As etiquetas esquerda-direita não definem, e acredito, nem tem a possibilidade de definir ninguém.
    Por exemplo: tenho um amigo próximo que é ateu, a favor de descriminalizar todo o tipo de droga, não gosta do aborto mas acha que a mulher tem o direito de escolher, não quer pagar impostos para o Estado, acha que quem usa serviços (qualquer serviço) deve pagar, quer privatizar a Petrobrás, tem um profundo rancor ao Estado e não gosta de injustiças. Garanto-lhe que este cidadão existe. Agora a pergunta. Este cidadão é de esquerda ou de direita?
  • ahu  17/09/2016 09:36
    A esquerda é a causadora das duas guerras mundiais e demais desgraças.
  • Ricardo Bordin  17/09/2016 23:25
    Redigi recentemente um artigo tratando desse assunto, usando como paradigma o caso dos CONTROLADORES DE TRÁFEGO AÉREO DO BRASIL.

    https://bordinburke.wordpress.com/2016/07/18/o-salario-como-preco-do-trabalho-e-a-crise-aerea-de-20062007/
  • Rhyan  18/09/2016 09:39
    OFF - Novo site

    Precisa de login para baixar livros na biblioteca do site? É sério isso ou é alguma falha?
  • Porta-Voz  18/09/2016 12:59
    É um defeito temporário. O site foi lançado e, logo em seguida, o webmaster saiu de férias. Há vários erros pendentes que ainda não foram corrigidos. Por obséquio, tenham clemência para conosco.

    O login é para classificar os artigos (dar estrelas) e fazer compras pelo site.

    P.S.: em todo caso, criar um login é algo que não demora nem 10 segundos. É só você colocar seu email e uma senha. Só. Não tem verificação nem nada. Ou então logar pelo Facebook.
  • Rhyan  19/09/2016 06:01
    Ah, menos mal, seria um desserviço enorme dificultar o acesso aos ebooks, mesmo que apenas um pouco. Infelizmente o IMB não lança mais ebooks, só coloca os novos livros para vender.

    Obrigado.
  • Fernando Cáritas de Souza  18/09/2016 11:43
    Eu me divirto com o Capital Imoral. Deixem ele escrever aqui no site. Nunca ri tanto de um idiota com suas idiotices antes. Não estão vendo que ele é apaixonado pelo Lula? Quem sabe se não foi ele quem o Lula traçou na cela quando preso na época da ditadura? Deixem o homem ser feliz!
  • anônimo  18/09/2016 13:55
    O capital imoral é apaixonado pelo Helio Beltrao, isso sim.
  • Falador  18/09/2016 15:47
    Tá um lixo o novo site
  • Rolando  19/09/2016 04:18
    Bom texto. A maioria das pessoas infelizmente não tem a miníma noção sobre o que determina o valor do salário de uma profissão.
  • FW  19/09/2016 22:32
    realmente ... tá tudo certo.... isso só demonstra como esse sistema é uma piada.
  • TuroKxwx  20/09/2016 12:57
    Quando o emocional substitui o racional que sai as baboseiras como "professor devia ganhar o mesmo que o Neymar", ou as vezes pura ignorância mesmo..
    Excelente artigo!
  • Elevan  20/09/2016 18:49
    A questao fundamental é saber usar conhecimento e oportunidade ao seu favorecimento econômico.
    Um professor pode ganhar mais com aulas individuais em casa.
    Aqueles com espírito empreendedor, podem abrir uma escola, faculdade, etc.
    O mesmo vale para um lixeiro. Dou exemplo de um que conheço que nas horas vagas faz trabalhos de limpeza de jardim, terrenos, alem de limpar as ruas de um condomínio de elite. Empreendedorismo também nesse caso é possível.

    Com relação a jogadores de futebol, cito exemplo, lembro que o atual técnico da seleção brasileira, foi um jogador medíocre (media, mediano); hoje seu salário, após aperfeiçoar -se é milionário como treinador.

    Capitalismo...uma das maiores invenções da humanidade.
  • Enigma  20/09/2016 22:31
    Verdade. Não levou em consideração essas suas afirmações. Aqui na minha cidade tinha um professor que cansando de dar aula em escolas públicas, abriu sua escola particular com sócios e hoje obtém um ótimo padrão de vida.
    A mesma coisa vale para o lixeiro que pode obter outras formas de rendimentos como você disse " limpeza de jardim, terrenos, alem de limpar as ruas de um condomínio de elite".
  • O MESMO de SEMPRE  21/09/2016 11:41
    A PERGUNTA É:

    POR QUAL RAZÃO o ESTADO CONCEDE PRIVILÉGIOS FISCAIS (oficiais e oficiosos) À DETERMINADAS ATIVIDADES?

    - Produção teatral e cinematografica NÃO PAGAM QUALQUER TIPO de IMPOSTO ou TAXA e, mais ainda, são aquinhoados com VERBAS ESTATAIS da "CULTURA" e AUTORIZADOS a RECEBER IMPOSTOS em NOME DO ESTADO (Lei ROUANET, onde a produção recebe percentual dos impostos que seriam pagos por empresas ou cidadãos. Sim, e os artistas ainda contribuem como cidadãos PARA SI MESMOS e assim pagam menos impostos sobre os impostos que receberam.
    A produção cinematografica e teatral NÃO PRECISA PAGAR NEM O INSS do EMPREGADOR.

    - O Estado, ATRAVÉS dos IMPOSTOS constroi estádios de futebol onde se realiza CABIDE de EMPREGOS e CORRUPÇÃO. Sendo que a arrecadação não paga nem as DESPESAS de MANUTENÇÃO e CONSERVAÇÃO do IMÓVEL. Desta forma o PAGADOR de IMPOSTOS PAGA o ingresso e mais os PREJUIZOS dos estádios. Enquanto jogadores, técnicos, administradores de clubes e equipes técnicas e parasitas estatais se ENRIQUECEM. IDEM para os artistas com teatros particulares ISENTOS de IPTU e outros teatros construidos e mantidos COM IMPOSTOS enquanto artistas e seus agregados se enriquecem e vivem NABABESCAMENTE.

    - Jornais e TVs também possuem isenções fiscais e PRIVILÉGIOS OFICIOSOS, bem como empresas de propaganda possuem tributação privilegiada a fim de dar suporte a TV's e Jornais.

    - Enquanto isso labroratórios que PESQUISAM para produzir REMÉDIOS são TAXADOS com ESCORCHANTES IMPOSTOS.
    Ou seja a SAÚDE, ALIMENTAÇÃO e HABITAÇÃO pagam escorchantes impostos como se fossem menos importantes para os cidadãos do que peças teatrais e cinematograficas, bem como jornais e TV's.

    TRATA-SE EVIDENTEMENTE de uma DESCARADA CORRUPÇÃO dos FALADORES PROFISSIONAIS, comunicadores ou MANIPULADORES de OPINIÃO também conhecidos como FORMADORES de OPINIÃO.

    O Estado EXPLORA a POPULAÇÃO e precisa de MENTIRAS REPETIDAS MIL VEZES para serem apreendidas como SE VERDADE FOSSEM.

    Exatamente por necessitar de LAVADORES CEREBRAIS, que tem por oficio FALAR, FALAR e FALAR, é que o Estado PRIVILEGIA os FORMADORES de OPINIÃO e CELEBRIDADES que, tendo a SIMPATIA e a CONFIANÇA da população, SÃO PRIVILEGIADOS pelo Estado (corrompidos) a FIM de NÃO ATUAREM contra o PODER ESTATAL que EXPLORA e ESCRAVIZA a população PAGADORA de IMPOSTOS.
  • Zangief  21/09/2016 17:04
    Muito bom o artigo. Gostaria de acrescentar outro item: sonhos. O que faz com que as pessoas aceitem facilmente um artista, jogador ou politico receber valores exorbitantes - Seria a existência da minoria mencionada no artigo? (se é que compreendi corretamente), acredito que não.

    Vejo uma ligação com valores subjetivos, e como as pessoas sonham em esta ali, no lugar daquela pessoa. Por isso é tão aceitável ou merecido aquela posição, desta forma afogam a ética, moral e os valores na privada para possuírem um sonho platônico de realizam através de outras pessoas.
  • Jailma Viana  22/06/2018 03:33
    Caro Zangief,
    Hoje aprendi algo a meu respeito. Ao menos entendi assim. Te agradeço. Obrigada.
    Aprendi que ao ver o meu Grêmio jogar contra o Internacional eu " afogo a ética, moral e os valores na privada para possuir um sonho platônico que se realiza através de outras pessoas."
    Brilhante! Jamais pensaria algo tão profundo a meu respeito. Precisei da sua explanação pra eu me entender. Valeu por um curso inteiro de psicologia freudiana aplicada. Ou seria Jung? Bom, não sei. De qualquer maneira, muito obrigada.
    Abraços
  • Jade  22/09/2016 15:48
    Sobre este artigo, infelizmente, é a mais pura verdade. Eu sou filha de professora e minha mãe ama o que faz. Ela não é socialista utópica, e pensa no bem dos alunos, dedica tempo abrindo mão do lazer com as filhas para corrigir provas e preparar aulas. O que é raro hoje em dia, ainda mais para professores de História, como a minha mãe. Conheço alguns que são bem tendenciosos a fazer lavagem cerebral nos alunos com suas visões políticas socialistas, ou que simplesmente matam tempo e ensinam porcamente. O papel do professor não é recrutar jovens para lutar em prol de uma causa e sim ensina-los a serem cidadãos e desenvolver neles pensamento crítico e lógico. Na verdade, se fossemos analisar bem a fundo, veríamos que mão de obra capacitada em qualquer profissão não é fácil de encontrar! Não raro temos péssimos professores, lixeiros que odeiam o que fazem, jogadores de futebol que hoje em dia são movidos apenas pelo dinheiro e fama que abriram mão do bom desempenho (Adriano Fenômeno, Ronaldinho Gaúcho), artistas sem expressão mas que caem nas graças do público simplesmente pela aparência...Se fossemos analisar que um professor, mesmo influenciando em torno de 200 alunos ao ano, mas que faz por amor e que incita o aluno a ser o melhor que possa ser, acredito sim que professor deveria ter mais respeito e mais valor. Nossos valores dentro da sociedade é que estão distorcidos, tanto econômicos quanto éticos. Mas até aí, é a minha visão romântica da vida e não de mercado. Melhor aceitar, que dói menos.
  • Ingrid Cavalcante  06/10/2016 12:34
    A desvalorização profissional também está incluída, e de certo modo sofre com isso. por quê não valorizar professores que estão ensinando o que faz o Brasil crescer?
  • Terráqueo  06/10/2016 14:08
    Me explique como um professor de História, Filosofia, Geografia, Sociologia, Artes e tutti quantti, pode fazer algo chamado de país, crescer?

    Simplesmente NÃO pode. Pois suas inúteis aulas, não são bem valoradas pelos seus pares.

    Terráqueo é um combatente ferrenho e luta pelo Fim da obrigatoriedade das Matérias de Humanas. Quem quiser estudar Webber que o faça, mas não obrigue ninguém a isso.
  • Marciano  06/10/2016 14:48
    "Terráqueo é um combatente ferrenho e luta pelo Fim da obrigatoriedade das Matérias de Humanas"

    Porque só de humanas? nenhuma matéria tem que ser obrigada, a escola, os pais e os alunos que decidam isso. Estudei Quimica por 3 anos e sinceramente não me serviu para nada, só perdi tempo.
  • Felipe  06/10/2016 15:19
    Só das matérias de humanas? Assim você fica parecendo apenas um preconceituoso com relação a essa área, e seu argumento fica enfraquecido (mas sim, entendi o que você quis dizer).

    O correto seria defender o fim da obrigatoriedade de TODAS as matérias.
  • Terráqueo  06/10/2016 19:05
    Perfeito senhores,

    Marciano e Felipe é isso, apenas me expressei mal.

    Corrigindo: "Terráqueo é um combatente ferrenho e luta pelo fim da obrigatoriedade de qualquer matéria a ser ensinada".

    O ensino deve ser uma atividade voluntária, como diria o padre Ivan Illich: "Basta reunir aqueles que querem ensinar algo, com aqueles que querem - por vontade própria - apreender algo."

    Colegas pensem comigo, vejam toda essa desutilidade da propaganda estatal fomentando e incentivando as pessoas a escola, absurdo...

    As escolas nesse lugar chamado Brasil, vulgo Pindorama, segue o princípio elementar:

    Quem sabe faz e quem não sabe ensina. E quem tenta fazer se ferra, pois é para isso que existe o governo!

    Uma salva de palmas para os professor de MBA em Empreendedorismo que nunca abriram um negócio, sequer venderam um picolé...mas são excelsos professores.
  • Lara  19/11/2016 13:56
    Sou professora de história. Garanto-lhe que este papinho furado de "doutrinação marxista" é apenas um argumento chulo de uma direita liberal panaca. A direita brasileira é uma vergonha, tamanha a rasa reflexão sobre a maioria dos assuntos.
    Não sou comunista. Conheço outros professores que também não são adeptos. Critico a Revolução Bolchevique e o Estado de migalhas. Vida longa a não obrigatoriedade de todas as matérias. História não é só política. Assim como Filosofia e Sociologia. Bastante positivo seria introduzir aulas de Economia nas grades de Sociologia/História.
  •   19/06/2018 21:17
    Lara, não é possível alguém acreditar em vc que não há doutrinação marxista nas escolas.
    Pega as orientações oficiais do MEC, as reformas curriculares, a bibliografia indicada, os debates, os cursos, as provas de concurso público, olha são tantos exemplos que me assombra alguém ainda não tenha percebido, ou vc está com o cérebro tão lavado que não consegue se ver com auto-crítica, ou vc realmente deseja desinformar.

    Tenho contato com área educacional, a coisa está um açougue e piorando, mais investimentos foram todos na direção errada, a educação apenas piora, em muitos casos é preferível ficar em casa a ir numa aula pública, sem falar no ambiente, contato com funk, sexualização, banalização do crime, das drogas, mobilização soçiais, performances insensatas, beira a loucura isso quando não a ultrapassa em nome de motes desgastados que só iludem o discente.

    Pior que até em escolas privadas percebo infiltrar este estado de coisas e idéias.
    Notadamente as sociais no BR são as grandes vítimas, visto ser mais difícil desembaraçar os erros lógicos numa frase que numa equação, mas não apenas, elas. Nas exatas: a afro-matematica, as alternativas medicinais nas ciencias biomédica, até nas engenharias.


    Não teremos futuro nenhum, exceto plantar, cavar, tamborear e rebolar.
  • Andre  06/10/2016 15:38
    No Brasil professor é a típica profissão de fracassado, a larga maioria ganha pouco por saber pouco, se soubesse algo útil para ensinar, estariam fazendo dinheiro com esse algo e não ensinando inutilidades e reclamando do salário baixo.
    Qual o sentido de pagar bem para alguém doutrinar seu filho? É melhor o garoto ficar bastante rebelde na escola e em casa fazer um cronograma de homescholling que compro na internet baratinho, e de quebra ainda aprende inglês e espanhol.
  • anônimo  06/10/2016 15:55
    Pensamento pequeno cara.
  • Rogerio Faria  06/10/2016 13:50
    No capitalismo o profissional se vende através de seu currículo.
    Teoricamente quanto mais estudos mais "valor" agrega o seu CV (cursos, extensões, graduações, pós-graduações, MBA, especializações, mestrados. doutorados, etc.). Porém o mercado, sua conjuntura, sua necessidade, sua estrutura é que dita este valor.
    Hoje o subemprego e a precarização são partes integrantes de nosso contexto funcional-capitalista.
    Assim, o que vale mais, um professor ou um jogador de futebol? Devemos sempre considerar, como já descreveram vários missivistas, a necessidade e a conjuntura e. para aqueles currículos bem elaborados com seus vários diplomas, muito cuidado nos "investimentos", as empresas não consideram o "expertise" na hora das demissões, o que vale são "as necessidades do mercado".
    Se o funcionário é importante na consecução dos lucros do capitalista, este continua no "jogo", caso contrário o caminho é do seguro-desemprego.
  • Andrade  22/10/2016 22:28
    Tem cantores excelentes que fazem muitos shows. Tem cantores medianos que se valem de modismos. E tem os ruins...esses pela lógica do artigo, ganhariam menos !

    Agora me digam: quem avalia a qualidade do trabalho do professor, o qual depende da boa vontade e da capacidade do aluno (entre outros tantos fatores) ?
    Além disso, atletas e cantores contam com a valorização artificial dada pela mídia. Há aqueles que fazem fama por serem filhos de famosos, etc.

    No Brasil, o sonho de 99% dos garotos é ser jogador de futebol. Será que entre tantos, não há muitos talentosos ? Até que ponto o próprio sistema os exclui justamente para valorizar as crias dos clubes ?

    E se a importância social da profissão não conta por que gerentes medíocres ganham mais do que excelentes profissionais ? Por que o trabalho do administrador é mais valioso ?

    É fácil chegar às conclusões do autor quando se usa os princípios do próprio sistema como justificativa e como base, quando se usa o status quo como única medida da verdade.

    Saiam da casinha !
  • Gutierrez  22/10/2016 23:23
    "Tem cantores excelentes que fazem muitos shows. Tem cantores medianos que se valem de modismos. E tem os ruins...esses pela lógica do artigo, ganhariam menos!"

    Desculpe-me por quebrar suas ilusões e abalar o seu ego, mas a sua opinião subjetiva sobre determinados cantores não vale absolutamente nada para o mundo. Para o mundo, a sua opinião sobre quem é bom, quem é mediano, e quem é ruim vale o mesmo que um dejeto de mosca.

    O que realmente vale para o mundo é a opinião voluntariamente demonstrada pelos consumidores desses produtos. Se tais consumidores estão dispostos a sair de casa, comprar ingressos, e assistir a shows desses músicos, então tais consumidores estão demonstrando sua preferência por esses músicos.

    Você pode achar que Roberto Carlos é uma porcaria. Você pode achar que o seu amigo que faz cover de Beatles em botecos é que é o verdadeiro rei. Para o mundo, pouco importa. O que importa é qual desses dois satisfaz a um maior número de consumidores, os quais voluntariamente pagam por seus produtos.

    "Agora me digam: quem avalia a qualidade do trabalho do professor, o qual depende da boa vontade e da capacidade do aluno (entre outros tantos fatores) ?"

    Os consumidores de seu produto -- no caso, de suas aulas.

    Há ótimos professores? Sem dúvida. Há muitos ótimos professores? Também.

    Uma pena. Há muita oferta. Um professor bom pode ser igualmente substituído por outro professor bom.

    Aliás, na atual era da educação via internet, em que a Khan University fornece aulas gratuitas e com ótimos professores, a tendência é que um professor em sala de aula seja cada vez mais desnecessário.

    Lamento quebrar seus sonhos. Bem-vindo ao mundo real. Nele, não há espaço para coitadismos.

    "Além disso, atletas e cantores contam com a valorização artificial dada pela mídia. Há aqueles que fazem fama por serem filhos de famosos, etc."

    Nenhuma valorização artificial dura para sempre. Se dura, então ela não era artificial, e tal atleta/cantor realmente gerava valor para seu público consumidor.

    Não deixa seu preconceito ofuscar a realidade do mundo.

    "No Brasil, o sonho de 99% dos garotos é ser jogador de futebol. Será que entre tantos, não há muitos talentosos ? Até que ponto o próprio sistema os exclui justamente para valorizar as crias dos clubes ?"

    Você está dizendo que clubes de futebol escondem jogadores talentosos? Então você, na prática, está dizendo que tais clubes odeiam dinheiro. Você está dizendo que eles não apenas não são gananciosos, como ainda fazem questão de perder dinheiro.

    O que ganharia um clube ao não se utilizar de um jogador talentoso? Na melhor das hipóteses, ganharia títulos. Na pior, poderia vendê-lo por uma fábula.

    O anti-capitalismo e o coitadismo do brasileiro são tão absurdos, que ele chega até mesmo ao ponto de pensar uma asneira e jurar que descobriu uma teoria da conspiração. Enquanto o resto do mundo ganha dinheiro ao simplesmente entender como o mercado funciona, o brasileirinho fica de mimimi e com coitadismo. E fica pobre e não sabe por quê.

    "E se a importância social da profissão não conta por que gerentes medíocres ganham mais do que excelentes profissionais ? Por que o trabalho do administrador é mais valioso ?"

    Gerentes realmente medíocres duram muito em suas profissões?! Se sim, então esse tal capitalismo é bastante misericordioso, ao contrário do que você alega. Gerente medíocre significa prejuízo certo para a empresa. Logo, se o dono da empresa for um genuíno capitalista, esse gerente medíocre simplesmente não consegue emprego.

    É curioso que o capitalismo sempre foi criticado por essa sua suposta falta de clemência para com os mais fracos e incapazes. Você é o primeiro a dizer justamente o contrário: que o capitalismo premia os medícores e pune os bons.

    Apenas idiotas que odeiam dinheiro punem os bons e premiam os medíocres.

    "É fácil chegar às conclusões do autor quando se usa os princípios do próprio sistema como justificativa e como base, quando se usa o status quo como única medida da verdade."

    Ininteligível.

    "Saiam da casinha !"

    Reação típica de quem não aceita que o mundo real funciona de maneira um tantinho diferente daquele mundo cor-de-rosa que lhe foi prometido no jardim de infância. Compreensível.

    Mas uma dica: com coitadismo você não irá muito longe. Acho que quem realmente tem de sair da casinha (da mamãe) é você.
  • anônimo  23/10/2016 09:27
    'Para o mundo, a sua opinião sobre quem é bom, quem é mediano, e quem é ruim vale o mesmo que um dejeto de mosca. '

    Vc só omitiu que é o mesmo mundo e a mesma maioria tosca que valoriza algumas das coisas mais imundas e desprezíveis da terra, como democracia, socialismo, parasitismo no governo ou os valores morais lixo de hoje,produto do gramscismo.
  • Gutierrez  23/10/2016 13:45
    Omiti?! Acabei de dizer que são as pessoas que valorizam as coisas (para o bem e para o mal) e você diz que eu omiti?!

    Ah, vá...

    Sim, as mesmas que valorizam Roberto Carlos e Queen também podem valorizar "algumas das coisas mais imundas e desprezíveis da terra". E daí? No que isso refuta a teoria?

    Você quer simplesmente olhar as coisas com a emoção, e não com a razão.

    Acha injusto que as pessoas valorizem Roberto Carlos e Queen? Argumente com elas. Acha errado que as pessoas valorizem estado, democracia, socialismo, parasitismo e gramcismo? Argumente com elas. Você terá todo o meu apoio.

    Estou apenas explicando como o mundo realmente funciona; já você está apenas descrevendo como o mundo deveria funcionar.
  • Jailma Viana  22/06/2018 03:53
    Caro Gutierrez,
    Li os teus argumentos e confesso que os encontrei um tanto quanto grosseiros, especialmente a referência aos "dejetos de mosca".
    Mas lê-los dá um prazer inenarrável. Uma grosseria bem embasada e com argumentos sólidos sempre é estimulante. Especialmente quando contesta parvoíces recheadas de arrogância e ignorância.
    Um forte abraço
  • Andrade  01/11/2016 13:08
    "Você está dizendo que clubes de futebol escondem jogadores talentosos?"

    Você está me dizendo que em uma população com mais de 7 bilhões de pessoas, onde, em torno de 20% destes estão em "idade atlética", não tem uma penca de adolescentes com potencial para ser melhores do que muitos dos atuais jogadores ?

    Não se trata de esconder. Se trata de que o sistema é baseado na exclusão. Se ele desse oportunidade iguais a todos, não seria capitalismo...
  • Lara  19/11/2016 13:47
    Não sei se entendi bem o texto. Veja, o texto é bom. Mas EU acredito que a desvalorização de um determinado salário fará com que a qualidade do mesmo não seja, no mínimo, boa. No caso de lixeiros, de fato, não há exigência de uma formação para a realização da profissão. No entanto, professores precisam de qualificação para atender a demanda das escolas. Me arrisco a dizer que, em escolas privadas, o nível de ensino é altíssimo justamente pela valorização recebida. Em escolas públicas o serviço é péssimo e defasado, primeiramente porquê quando um aluno não está satisfeito, ele não pode pedir a demissão do profissional. O contrário ocorre em setores privados.
    Talvez precisemos, realmente, de privatização. É bom refletir sobre.
    top10mais.org/top-10-paises-com-os-maiores-salarios-de-professores-no-mundo/
  • LEG  20/11/2016 00:05
    O nível de uma escola privada é melhor porque não tem greve todo ano, porque não faltam professores para dar aula, porque se o serviço prestado em uma escola for ruim, o pai pode muito bem tirar o seu filho da escola e matricular em outra.
    Em uma escola pública você tem que aceitar tudo isso na marra, e ficar cobrando eternamente de políticos para resolver o problema que não tem solução.
  • Jailma Viana  22/06/2018 04:01
    Cara Laura,
    "Talvez precisemos, realmente, de privatização. É bom refletir sobre."
    Foi isto que entendi? Você ainda está refletindo?
    Abraço fraterno
  • Cristovam  31/12/2016 01:23
    O moço que defendeu o socialismo e que contou a estoria de Lula referenciando e se iludindo com o que diz. Esqueceu que tudo que contou se deu em um ambiente de capitalismo, onde as pessoas tem possibilidades de ascender socialmente. fosse num regime socialista, lula não tinha passado do chão da fábrica.
  • lula nao é meu pai  05/03/2017 18:03
    Parei de ler em "nosso grande Pai"
    Essa aí é taja preta
  • Elton  05/08/2017 01:45
    Este texto resume tudo o que é defendido por este "instituto". Esta é a essência do que é defendido pelos que se dizem "liberais". Não estão em busca dos valores morais, tradicionais e do combate a corrupção, estão apenas preocupados com a questão econômica e do mercado. Tudo se resume a isso, a defesa do livre mercado é o que importa.
  • John  05/08/2017 14:12
    "Este texto resume tudo o que é defendido por este "instituto"."

    Nem sequer há defesa de absolutamente nada no texto. Há apenas a explicação de como funciona um fenômeno econômico no mundo real.

    "Esta é a essência do que é defendido pelos que se dizem "liberais"."

    De novo, não há defesa de nada. Há apenas a explicação de um fenômeno (tão natural quanto a chuva).

    Agora, se você é delicado o bastante para se ofender com a explicação de um fenômeno, então nada posso fazer por você. Recomendo que nem saia da cama, pois a sua vida será uma eterna depressão.

    "Não estão em busca dos valores morais, tradicionais e do combate a corrupção"

    Oi?! O senhor está bem? Está comentando no artigo certo?

    "estão apenas preocupados com a questão econômica e do mercado. Tudo se resume a isso, a defesa do livre mercado é o que importa."

    Em primeiro lugar, a defesa do livre mercado é exatamente a defesa "dos valores morais, tradicionais e do combate a corrupção".

    Defender o livre mercado significa defender a liberdade do indivíduo de controlar a sua própria vida. Significa defender seu livre arbítrio e sua liberdade de iniciativa. Acima de tudo, significa tratar os indivíduos como adultos, imputando-lhes a responsabilidade total pela consequência de seus atos.

    Impossível algo mais moral do que o livre mercado.

    Já o intervencionismo estatal -- que você defende -- significa a concessão de privilégios e direitos para uns e deveres e impostos para outros. Significa punir os competentes e produtivos e privilegiar os incompetentes e os improdutivos. Significa a infantilização da sociedade e a blindagem dos irresponsáveis contra seus próprios erros.

    Nada mais imoral e asqueroso do que isso.

    Se você é contra o livre mercado e a favor do intervencionismo, você está a descoberto. Você defende privilégios e irresponsabilidades, defende a punição dos competentes e produtivos, e defende as mamatas para os incompetentes e improdutivos.

    Deveria ter vergonha de si próprio.
  • Leigo  19/06/2018 18:36
    Quais valores morais você propõe Elton? Taxar a fortuna do Neymar? Como isso seria moral do seu ponto de vista? Sem taxar, milionários já doam grandes fortunas. Agora imagina um pouco, Bill Gates doa bastante para o continente africano, mas os governos deste são intervencionistas, pensando bem, quem é mais moral o Bill Gates, ou os governos que estão atrapalhando a vida do povo? Você realmente acha que tais governos estão tentando melhorar a vida do povo? Certa vez, vi no Globo Repórter em um país também da África, no qual os melhores peixes pescados pelos habitantes eram confiscados pelo governo... Você realmente acha que o governo brasileiro está tentando melhorar a vida do povo? Pois eu acho que as coisas melhorariam em um livre mercado, em um sistema concorrencial, mesmo que houvesse governo, porém, enquanto o governo for forte, isso não vai ocorrer.
  • Bento  05/08/2017 13:16
    O que esquerdotapas vem fazer aqui?? kkkkkkkkkkkkkk Faça-me rir!!!!
  • Pobre Paulista  19/06/2018 16:12
    Mas isso não explica porquê políticos ganham mais que micro empresários ;-)
  • anônimo  19/06/2018 16:48
    Também não explica como assar bolo, e nem como preparar um café.
  • Libertariozinho  19/06/2018 18:34
    Políticos são um caso a parte, o rendimento deles não advém de trazer valor a alguém, e sim roubar de quem o faz.
    Apenas Keynesianos e Chicaguistas atribuem algum valor ao meio político, apesar de ele não gerar riqueza, apenas obstruir. Mas curiosamente, eles não pagariam voluntariamente o salário de um político pra cagar regra em suas vidas, rsrs
  • Guilherme  19/06/2018 16:36
    Porque a demanda por futilidade é infinita.
  • Pobre Paulista  19/06/2018 19:44
    Melhor resposta. Obrigado ;-)
  • Jailma Viana  22/06/2018 04:07
    Caro Guilherme,
    Futilidade segundo a tua opinião, lógico!
    Abraços
  • Felipe Lange  19/06/2018 16:42
    Ou, o que gera mais valor: um doutrinador grevista de pautas esquerdistas ou o menino Neymar?
  • %C3%83%C2%B3rf%C3%83%C2%A3o  19/06/2018 19:11
    Eu, no meu trabalho, sou pago por horas. Produça muito ou pouco.
    Até conseguiria ganhar mais se for puxa-saco.
    Os salarios são feitos em função de uma hierarquia.
    Não por produtividade.
    *
    Tomemos o caso dos pilotos de avioes.
    Um salario medio de piloto está em 84000 USD nos USA.
    Com máximo em 192000 USD
    www.indeed.com/salaries/Pilot-Salaries
    e os caras são responsaveis por máquinas de varios milhoes de dólares ou euros, além de vidas.
    *
    Um jogador é responsável porque?
    Pela honra da nação!!
    Perdão....
    *
    Uma vez o chefe (cretino) do setor onde trabalhava me disse que meu salario era alto.
    Ele me estava comparando com uma outra pessoa.
    Ali, na hora lhe fiz certos cálculos:
    Eu faço 4 trabalhos por dia. Meu salario é de 8. Cada trabalho costa a empresa 8/4=2
    Meu colega faz 2 trabalhos por dia. Seu salario é de 6. Cada trabalho costa a empresa 6/3=3
    O MEU salario é BAIXO, lhe respondi.
    Claro, o cretino estava comparando salarios e eu estava comparando eficiencia.
    A partir daquele dia ganhei um inimigo.....
    *
    Agora, graças ao capitalismo
    www.institutoliberal.org.br/blog/economia/copa-do-mundo-nao-e-mais-tao-popular-a-culpa-e-do-livre-mercado/
    penso que esta mania de salarios altos no futebol tem dias contados.
    Atenção, posso estar equivocado.
    Mas certo que hoje temos mais alternativas de lazer.
    *
    O engraçado destes torneios é encontrar frases como esta
    "Me hago responsable de lo que pasó"
    www.lanacion.com.ar/2145214-el-bajon-de-messi-pone-en-estado-de-alerta-a-la-seleccion-y-activa-a-sampaoli
    Imaginem, o malestar de milhões de doentes/fanáticos/etc. que tiveram dor de estómago por conta daquele maldito penalty errado.....
    Eles ganham muito mas a vida não depende deles. Depende de outros: periodistas, torcidas.
    *

  • Verdugo  19/06/2018 20:02
    Se o valor é subjetivo, não há como a economia ser objetiva.


    E se a economia não é objetiva, então não se pode basea-la em axiomas (verdades absolutas) como a Escola Austríaca faz.




  • Amante da Lógica  19/06/2018 23:00
    "Se o valor é subjetivo, não há como a economia ser objetiva."

    Duh! Dizer que o valor é subjetivo já é em si mesmo uma afirmação objetiva. Neste quesito, não há contradição nenhuma. Não tente se fazer de esperto recorrendo a truques semânticos. Aqui o nível intelectual é mais alto do que no seu meio.

    "E se a economia não é objetiva, então não se pode basea-la em axiomas (verdades absolutas) como a Escola Austríaca faz."

    Além de ser um total non sequitur, como demostrado acima, deixe eu lhe ensinar o que são axiomas.

    Na economia conhecemos a causa, pois a ação humana, ao contrário das ciências exatas e da terra, é motivada. Sendo assim, é possível construir a ciência econômica partindo de axiomas básicos — como a existência incontestável da ação humana e as implicações lógicas da ação —, axiomas estes que são originalmente reconhecidos como verdadeiros.

    Destes axiomas, podemos deduzir passo a passo várias leis que também são reconhecidas como incontestavelmente verdadeiras. E este conhecimento é absoluto, e não relativo, exatamente porque os axiomas originais já são conhecidos. Eis alguns exemplos:

    * Sempre que duas pessoas, A e B, se envolvem em uma troca voluntária, ambas esperam se beneficiar desta troca. E elas devem ter ordens de preferência inversas para os bens e serviços trocados, de modo que A valoriza mais aquilo que ele recebe de B do que aquilo ele dá para B, e B avalia as mesmas coisas do modo contrário.

    Sempre que uma troca não é voluntária e ocorre em decorrência de uma coerção, uma parte se beneficia à custa da outra.

    *Sempre que a oferta de um bem aumenta em uma unidade, contanto que cada unidade seja considerada idêntica em utilidade por uma pessoa, o valor imputado a esta unidade deve ser menor que o da unidade imediatamente anterior.

    *Entre dois produtores, se A é mais eficiente do que B na produção de dois tipos de bens, eles ainda assim podem participar de uma divisão de trabalho mutuamente benéfica. Isto porque a produtividade física geral será maior se "A" se especializar na produção de um bem que ele possa produzir mais eficientemente, em vez de "A" e "B" produzirem ambos os bens autônoma e separadamente.

    *Sempre que leis de salário mínimo forem impostas obrigando os salários a serem maiores do que os salários que vigorariam em um livre mercado, um desemprego involuntário será o resultado.

    *Sempre que a quantidade de dinheiro na economia aumentar sem que a demanda por dinheiro também seja elevada, o poder de compra da moeda irá diminuir.



    De resto, na ação humana não existem elementos simples ou "fatos da natureza". Os eventos da história são fenômenos complexos, os quais não podem "testar" nada. Eles, por si sós, somente podem ser explicados se forem aplicadas várias teorias relevantes aos diferentes aspectos de um determinado "fato" complexo que está sendo analisado.
  • Pobre Paulista  19/06/2018 23:50
    "Um axioma é uma verdade absoluta" - Verdugo

    Eu tenho CERTEZA que tem gente que ganha dinheiro pra passar vergonha publicamente. Não é possível que façam isso de graça.
  • Ninguem Apenas  20/06/2018 16:37
    Pobre Paulista, nesse ponto ele não está errado. É claro que uma proposição não pode ser absoluta em termos totais pois o conhecimento humano não é perfeito para tal afirmação. No entanto, um axioma é uma proposição ou postulado auto-evidente, o que implica em termos práticos ele ser sim considerado absoluto.

    Quando dizemos que "o ser humano dotado das capacidades naturais inerentes a sua classe biológica, age" e consideramos isso um axioma, então por definição isso deve ser verdadeiro sempre para todos os casos e condições (absoluto na prática).

    Caso o postulado seja provado falso ou contraditório, então ele deixa de ser um axioma.


    Então não dá para dizer que ele errou nesse ponto (eu sei que errou em outros).
  • Pobre Paulista  20/06/2018 20:05
    Um axioma é apenas e tão somente uma proposição lógica, a partir da qual faz-se deduções. São portanto pilares de sistemas formais, e não tem nem precisam ter alguma conexão com a tal da "verdade absoluta".

    Um bom exemplo disso é o "MIU system" do Hofstader. Tem-se um axioma e uma série de proposições lógicas, sobre os quais é possível deduzir outras proposições e concluir que determinadas situações são impossíveis, dados aqueles axiomas.

  • Casemiro  20/06/2018 22:46
    Pobre Paulista está contradizendo o próprio IMB.

    A escola austríaca se baseia em axiomas, estes que são originalmente reconhecidos como verdadeiros. E destes axiomas, podem deduzir passo a passo várias leis que também são reconhecidas como incontestavelmente verdadeiras.

    A ação humana e o valor são subjetivos portanto não são passíveis de serem colocados numa caixinha(axioma) engessada como o faz a Escola Austríaca.


    A ação humana e o valor nem sempre são lógicos.


    Desculpa por refutar Mises na casa dele.
  • Ninguém Apenas  21/06/2018 01:40
    Um axioma é apenas e tão somente uma proposição lógica, a partir da qual faz-se deduções

    Cara, de onde você tirou isso? Nessa sua definição qualquer proposição matemática seria considerada um axioma.

    E outra, axiomas são independentes das deduções que se fazem a partir deles (existem independente das proposições posteriores)

    Axiomas são postulados cuja validade é auto-evidente (cuja demonstração ou prova é desnecessária), ou seja, é uma verdade incontestável. Em matemática por exemplo, a entidade "conjunto" é considerada um axioma, portanto não existe demonstração ou definição do mesmo. São simplesmente considerados verdades incontestáveis (absoluta em termos práticos).

    Toda definição em matemática precisa partir de um axioma ou de uma outra proposição já definida anteriormente (o ponto de partida é sempre um axioma).

    Eu recomendo fortemente dar uma olhada no dicionário ou dar uma lida em álgebra abstrata.

    E volto a repetir, se você for capaz de provar inconsistência em um axioma, então ele obviamente deixa de ser um. Todas as deduções feitas a partir dele se tornam inválidas, é claro.

    Por último eu só peço, me dê um único exemplo de axioma que é falso ou inconsistente em algum momento e que seja considerado axioma mesmo assim.


    E vou responder sua outra pergunta aqui também.

    Se um bandido comprar pães fiado de um padeiro (dívida), prometendo que vai assaltar terceiros para pagar o principal e os juros depois de um mês (contrato). Você defenderia que esses terceiros (que nunca fizeram dívida nenhuma com o padeiro) fossem assaltados só para o bandido "honrar o contrato"?

    Agora me responda como isso não é escravidão? E desde quando é válido estabelecer contrato em nome de outros sem o consentimento dos mesmos?

    Você acharia válido eu contrair empréstimos em um banco no seu nome, sem você ter assinado nada e o governo (ou qualquer um com poder para coagir) te obrigar a pagar?


    Fale abertamente que concorda com esse arranjo e de fato a discussão acaba aqui.


    Eu ainda tô achando que alguém deve ter copiado o nome "Pobre Paulista" e anda usando... Não é possível...

  • Jailma Viana  22/06/2018 04:25
    Caros debatedores,
    Por favor , será que dá para baixar o nível para os meus dois neurônios acompanharem. E isto que não sou loira.
    Do debate "axioma X verdade absoluta" a única coisa que entendi foi que axioma é axioma, pois se fosse "verdade absoluta" não seria "axioma". Não precisaria existir a expressão "verdade absoluta", bastaria a expressão "axioma". Me ferrei. Agora estou querendo eliminar os sinônimos. Nem sei porque me meto nesta discussão de gente grande.
    Em tempo, mas uma coisa. " eu recomendo fortemente dar uma olhada no dicionário ou uma lida em álgebra abstrata". Álgebra abstrata? Nem se eu tivesse três neurônios.
    Forte abraço aos debatedores
  • Pobre Paulista  22/06/2018 12:49
    Tirei a definição de axioma dos meus anos de graduação e mestrado em matemática, serve?

    Se tiver realmente o interesse em aprender, veja além do MIU system que propus acima (que você certamente não leu) mas também o "pq- system", também do Hofstader (Ambos vieram do excelente livro Goedel, Escher, Bach). Lá você vai entender que um axioma é apenas uma proposição e que, apenas eventualmente, aquilo pode representar (aka modelar) um fenômeno natural, lembrando que as leis naturais obedecem a si próprias, e não à esta ou aquela teoria que um ser humano qualquer desenvolveu sobre ela. Um axioma não é uma verdade, mas, eventualmente, uma verdade (caso exista alguma) pode ser apresentada através de um axioma.

    Enfim, um axioma não é falso nem verdadeiro, nem é passível de ser falso ou verdadeiro. O que você tem é que uma certa proposição pode ser verdadeira ou falsa dado um conjunto de axiomas.

    Sobre o padeiro, bem, você desvirtuou minha pergunta: a venda é para pagamento à vista. Poderia respondê-la objetivamente?
  • Ninguem Apenas  22/06/2018 15:58
    Tirei a definição de axioma dos meus anos de graduação e mestrado em matemática, serve?

    Meu amigo, responda minha pergunta, me dê um exemplo de um axioma cuja falsidade ou inconsistência é conhecida e mesmo assim ainda é considerado um axioma. Para ser considerado um axioma, por definição precisa se assumir que ele é verdadeiro sempre, falar de "axiomas falsos" é algo completamente sem noção, se é falso então não é um axioma.

    Alguém que fez mestrado em matemática deveria saber isso. (falácia de autoridade sua em... isso assumindo que é de fato verdade)

    E você falou que axiomas não são passíveis de serem verdadeiros ou falsos? Toda proposição está sujeita a validação, ou se assume que é verdade ou mentira. Engraçado você citar o Hofstadter, sua análise partiu exatamente dos Teoremas da Incompletude de Gödel (onde ele acaba por provar que a aritmética não pode a partir de si própria provar ser completa e consistente)

    Outros métodos como Indução Transfinita acabaram por ser usados para prová-la completa e consistente.


    O que você não percebeu é que isso é justamente um teste de validação...


    E sinceramente, quando eu falei que axiomas existem para modelar um fenômeno natural? Eles podem até ser usados como ponto de partida para isso eventualmente, mas nunca afirmei que é um requisito para ser um axioma.

    Eu afirmei justamente o contrário:

    "axiomas são independentes das deduções que se fazem a partir deles (existem independente das proposições posteriores)"


    Mas para não dizer que estou sendo injusto, vou colocar a definição dos dicionários aqui abaixo:

    "Evidência cuja comprovação é dispensável por ser óbvia; princípio evidente por si mesmo.
    Expressão que contém um sentido moral ou geral; provérbio, máxima ou sentença.
    [Matemática] Noção comum; afirmação geral aceita sem discussão: "a parte é menor que o todo" é um exemplo de axioma.
    [Gramática] Representação inicial das regras sintagmáticas; estrutura correta sem explicação comprovada."

    fonte:

    www.dicio.com.br/axioma/


    E realmente, foi um pouco demais pedir para dar uma olhada em álgebra abstrata (para quem não é da área, como a Jailma), mas eu queria me referir apenas a parte introdutória do assunto. No entanto, olhar um dicionário é suficiente nesse caso.


    Sobre o padeiro, bem, você desvirtuou minha pergunta: a venda é para pagamento à vista. Poderia respondê-la objetivamente?


    Tá falando sério? foi você quem desvirtuou a questão. Estávamos falando de dívida pública, eu ajustei a sua pergunta tornando um cenário exatamente idêntico ao de um governo se endividando.

    Você afirmou que a dívida pública era genuína e que a recusa a pagá-la era quebra de contrato, é você quem deve explicações.


    Mas respondendo a sua pergunta objetivamente, o padeiro normalmente vende seus pães sem saber quem está comprando ou de onde o dinheiro está vindo. Se o padeiro realizou uma troca sem o envolvimento com o crime, então é claro que não é crime. Da mesma forma não é crime você comprar um título de dívida, mas é sim crime (de um ponto de vista libertário) exigir que a população (que nunca assinou nenhum contrato com você) o pague.

    Mas sua pergunta é um cenário totalmente diferente da dívida pública, você que tem mestrado em matemática pode usar um argumento lógico bem melhor do que esse. (imagino eu)

    Então agora responda as minhas perguntas anteriores, a dívida pública é genuína, sim ou não? Justifique sua resposta.
  • Pobre Paulista  22/06/2018 18:07
    Meu caro, você é preguiçoso mesmo hein? Cismou com algo (completamente inútil, diga-se de passagem), mas não passou do básico para evoluir a conversa. Mas vamos lá:

    1. Você perguntou de onde eu tirei a definição de axioma, eu respondi de onde foi.

    2. Axiomas são princípios, hipóteses, definições. Não são verdadeiros nem falsos, portanto não podem serem provados verdadeiros ou falsos. Essa é apenas uma das 3 "pernas" do Trilema de Münchhausen (as outras 2 são a recursão infinita e a referência circular), que basicamente fundamentam os mecanismos pelos quais a humanidade acumula conhecimento. O que tem a ver a teoria da incompletude aqui? A ciência em geral tem preferência por sistemas consistentes, que portanto não podem se provar a si mesmos. Então você está, novamente, pedindo o impossível. É como eu exigir que você me responda se o azul é maior ou menor do que o verde.

    3. Indução Transfinita? Sério? Pois ela parte de um axioma também: Se vale pra N menor que K, vale para N=K. Usando sua própria lógica argumentativa, prove o axioma anterior. A propósito: ela é equivalente ao axioma da escolha, aquela "maravilha" matemática que permite provar (corretamente, dentro do sistema ZFC) que uma esfera é equivalente a duas esferas (Aliás veja esse videoclipe hilário a respeito)

    4. Minha pergunta sobre o padeiro, caso você não tenha compreendido, foi sobre a moralidade de uma transação voluntária. É moral ou imoral emprestar dinheiro para alguém e cobrar juros por isso? Caso sua resposta dependa do qual é o alguém da transação, então você é um relativista moral. Você pode ser um relativista se quiser, mas eu não sou. Eu não considero imoral emprestar dinheiro para X, desde que X pague de acordo com o contrato firmado voluntariamente (válido para qualquer X).

  • Ninguem Apenas  23/06/2018 02:19
    E só para que não distorçam minhas palavras da resposta anterior:

    É moral ou imoral emprestar dinheiro para alguém e cobrar juros por isso?

    Sim, é válido exclusivamente entre os diretamente envolvidos.

    Mas a dívida pública é feita por um governo "representando" a "população" e a "população" (que nunca concordou) é obrigada a pagar por isso.

    Então aqueles que emprestaram tem todo o direito de cobrar dos políticos, mas jamais de exigir que a população arque com essa dívida (direta ou indiretamente).
  • Libertariozinho  20/09/2018 19:48
    Aos dois aí.
    Existem dois significados de axioma. Um para a matemática e outro para a filosofia, ambos com temática semelhante.
    O pobre paulista certamente sabe mais do que eu sobre o significado matemático.
    O significado filosófico, que é o usado pela Escola Austríaca na famosa Praxeologia, é: Uma verdade autoevidente, não no sentido psicológico, mas no sentido de que não é possível afirmar o contrário sem cair numa contradição performativa.
    O axioma inicial, que é o objeto de estudo da praxeologia, é "os seres humanos agem".
    Não dá para afirmar o contrário, pois argumentar constitui uma ação.
    Deu pra sacar?
  • anônimo  19/06/2018 20:37
    Otimo artigo
  •   19/06/2018 21:07
    Depende,
    Alguns professores ganham mais que 99,9% dos jogadores de futebol do mundo e não estou falando desses palestrantes com cachê milionario não, tem muito Professor craque, nas áreas médicas por exemplo.

    Essas comparações forçadas são sempre muito chatas


    Agora lixeiro, isso não tem jeito mesmo. Se a pessoa tem saúde e físico para ser lixeiro, que em alguns casos é uma maratona, provavelmente ela está perdendo oportunidade em outras áreas melhor remuneradas, fora que cada dia mais a coleta automatizada esta mudando o perfil da profissão.
  • Bruno Feliciano  19/06/2018 22:37
    Calote na dívida, não seria a melhor saída?

    Veja bem, se o governo meter um calote na nossa dívida, ninguém vai emprestar dinheiro pra ele gastar mais. Sendo assim só vai sobrar duas opções: Impressão de Moeda(Que é Ilegal apesar que se faz isso quando o BC compra títulos dos bancos) ou austeridade máxima.

    No Brasil aumentar impostos seria um tiro no pé, alem de falhar no aumento da arrecadação ainda causaria uma revolta da sociedade, logo esta opção é inviável pro momento.

    a outra opção seria impressão de dinheiro, porém acho que é uma opção não muito eficiente, visto que o governo não tem mais a liberdade de imprimir dinheiro como antigamente. Por isso acredito que ele até pode recorrer a isso, mas vai ser longe de ser o suficiente pra cobrir a divida.

    A última e meio que única opção viável seria austeridade máxima, privatizar as 150 empresas estatais da união, corte de gastos extremos e desestatizações.
    Junto a isso um pequeno corte nos impostos na esperança de elevar a arrecadação, com o aumento da produtividade.

    Portanto, porque essa opção não é viável pro Brasil ter mais Liberdade?

    O que pensam sobre?


    Abraços

  • Pobre Paulista  20/06/2018 14:06
    Calote na dívida = Violação de contrato = Imoral.

    Próximo.
  • Ninguem Apenas  20/06/2018 16:47
    O que andou acontecendo com você Pobre Paulista? Estas suas últimas postagens estão parecendo as do Capital Imoral.


    Não, dívida pública não pode ser considerada válida de um ponto de vista libertário, um contrato só é válido se for voluntário e explícito entre as duas partes. Quando o governo toma dívida, não são os políticos que a tomaram que a pagarão, mas sim milhões de pessoas que nada tem a ver com a dívida tomada que serão obrigadas a pagar.

    Eu não posso tomar dívida no nome de outra pessoa sem o consentimento dela e depois obrigá-la a pagar, isso nada mais é do que roubo e fraude.

    Ou isso é verdadeiro, ou toda a ética libertária é inválida. (não vou entrar nessa discussão)


    Mas em termos práticos, pode esquecer, isso não acontecerá. Você acha que o governo vai perder justamente uma de suas principais fontes de financiamento?
  • Pobre Paulista  20/06/2018 20:06
    Se um padeiro vender um pão para um assaltante ele agiu de forma imoral?
  • Pobre Mineiro  21/06/2018 01:06
    Se o assaltante pagou corretamente pelo pão, não.
  • Pobre Paulista  22/06/2018 00:39
    Exato. E se o governo pagar corretamente pelos juros que eu cobrei, igualmente não há imoralidade.

  • anônimo  20/06/2018 14:32
    A melhor saída é o Aeroporto.
  • Andre  20/06/2018 17:17
    "não é viável pro Brasil ter mais Liberdade"

    Porque brasileiro médio não quer liberdade, quer uma teta estatal gorda pra mamar, juros subsidiados, reserva de mercado, 1% de juros ao mês sem risco, concursos públicos, bolsas e trocar voto por favores políticos. A indisposição pelo ajuste econômico necessário é tal que a população aceitou o seu autoflagelo para apoiar uma greve de caminhoneiros para agitar a classe política, achando que o maior problema do país é a corrupção e que sem ela haverá dinheiro para a previdência, saúde, educação e programas sociais:

    www.metropoles.com/brasil/corrupcao-e-desemprego-sao-principais-problemas-do-pais-diz-pesquisa

    Como disse o colega anônimo, a saída é o aeroporto, quem ficar que se prepare.

  • Luciano viana  20/06/2018 02:15
    Professored que querem ganhsr mais tem que oarar densinar o comum e passar a ensinar o conhecimento raro.
    Outrs coisa um professor qye tem 200 alunos wue lhe pagam 200 reaus semore vai ganhsr menos que um jogador que ganha 20 centavos de 200 milhoes pessoas. Menos mas com um grande alcance, no final rende mais. Tenha um conhecimento raro evfaca palestras pr um numero de pessoas maior do que um professor comum
  • Emerson Luis  20/06/2018 11:26

    Muitas pessoas confundem mérito moral com valor econômico.

    Para complicar, em português usamos a palavra "ganhar" para nos referirmos à renda, que é ambigua e pode ser mal-interpretada como se fosse um presente ou questão de pura sorte. Em inglês se fala literalmente"fazer dinheiro".

    * * *
  • AGB  21/06/2018 23:46
    Em inglês se diz "to earn money", que significa "merecer dinheiro". E também existe "to gain", ou seja "ganhar".
  • Emerson Luis  04/07/2018 12:52

    O inglês, assim como o português e demais idiomas, usa várias palavras. E cada palavra tem várias nuances de significado e até vários significados. No caso, referi-me ao "make money", literalmente "fazer dinheiro".

    Além disso, uma palavra de certo idioma com frequência não é o equivalente exato do termo usado em outro idioma para traduzi-la por causa do fator cultural e outros fatores.

    Assim, mesmo que um americano típico use um termo em inglês equivalente ao português "ganhar", ele provavelmente usa a palavra com uma conotação diferente que um brasileiro típico, como "recompensa" e não como "presente" ou "sorte".

    * * *
  • Pablo  20/06/2018 15:18
    Inclusive existem professores que se utilizam de plataformas de streamin/YouTube para fornecer seus serviços para mais pessoas aumentando seus ganhos.
  • Rogerinho do Ingá  20/06/2018 15:20
    Nunca vi professor defender pênalti contra a Holanda.
  • Felipe Lange  20/06/2018 18:23
    Esses artigos são bons pois os socialistas aqui são todos refutados. E quem sabe não acabam voltando como austro-libertários.
  • Andre Aguiar  20/06/2018 21:19
    Excelente artigo.

    É só imaginar alguém abrindo uma escola e pagando aos professores um salário igual à folha de pagamento do Barcelona.

    Se você acha que um professor deve ganhar o mesmo que uma celebridade, seja exemplo e pague você a ele esse salário.
  • anônimo  21/06/2018 20:47
    a questão do dinheiro seria relativa... aumente um salário mínimo para 10 mil por ex
  • Ricardo  22/06/2018 21:44
    Não acredito que seja uma mera questão mercadológica do conceito de "mais valia". Há o componente cultural e a percepção política.

    Aqui não importa se o governo daqui é direita ou de esquerda, sempre teremos governantes inclinados a construir estádios monumentais de futebol do que belos museus, pois são dos estádios que atraem multidões, mídia e olhares dos eleitores, não os museus.

    Este é um video que todos deveriam assistir e entender o por quê o Brasil é o Brasil.
    youtu.be/9EOq6iBz7FU
  • Ninguem Apenas  23/06/2018 02:12
    Meu caro, você é preguiçoso mesmo hein? Cismou com algo (completamente inútil, diga-se de passagem), mas não passou do básico para evoluir a conversa.

    Meu amigo, eu te dei a pura definição de dicionário da palavra axioma, mesma definição que diversos livros de matemática também dão. Se você se recusa a aceitar a pura definição da palavra, então não posso fazer nada a respeito.

    Realmente quer fazer o argumento que a própria definição nos diferentes dicionários está errada e o único certo é você?


    Você perguntou de onde eu tirei a definição de axioma, eu respondi de onde foi.

    Não, não respondeu. Nem sequer deu fontes da definição em si, foi uma resposta bem genérica, do estilo (aprendi com a vida).

    Mesmo ao citar o livro (que de fato não li, mas já li outros), não citou página e nem colocou a citação da definição dos autores aqui. Não me culpe se o debate não evoluiu sendo que você não foi capaz de fazer o básico.

    Axiomas são princípios, hipóteses, definições.

    Já ouviu falar de algo chamado "contradição"? pois é...


    Se um princípio existe, é óbvio que sua própria existência precisa pressupor em um determinado momento que o mesmo é verdadeiro...

    Exemplos: "Princípio da Ação Humana", "Princípio das Vantagens Comparativas", "Princípio de Pareto" e etc...

    Se princípios não são nem verdadeiros e nem falsos e muito menos sujeitos a validação, para que um princípio existe? qual o objetivo de existirem se são "coisas ao vento"? são o que? qual a utilidade?

    Nem adianta responder "para se fazerem deduções lógicas a partir deles", porque deduções (por definição) necessitam de que assuma um ponto de partida (a proposição anterior necessita ser verdadeira ou falsa).


    Essa é apenas uma das 3 "pernas" do Trilema de Münchhausen

    Este Trilema diz exatamente aquilo que eu falei lá na minha primeira postagem:

    É claro que uma proposição não pode ser absoluta em termos totais pois o conhecimento humano não é perfeito para tal afirmação.

    Tá vendo o que a falta de leitura faz?


    O que tem a ver a teoria da incompletude aqui?

    É exatamente isso, estamos falando de "verdadeiro" ou "falso", em termos práticos.

    Mesmo antes da Indução Transfinita, os pilares da aritmética já eram considerados verdades (axiomas), e pelo qual eram feitas diversas deduções. A matemática evoluiu enormemente mesmo sem os conhecimentos mais recentes sobre a questão de um determinado axioma poder ser considerado consistente e em quais condições.


    Então você está, novamente, pedindo o impossível. É como eu exigir que você me responda se o azul é maior ou menor do que o verde.

    Sério, agora que chegamos até aqui... certeza que estamos falando da mesma coisa?

    Digamos que eu assuma que uma determina cor existe e a chame de "Azul". Logo, a afirmação "O Azul existe", é algo que está sujeita a validação (pode ser falsa ou verdadeira).

    Outro exemplo seria:

    "todos pássaros possuem penas", "o avestruz é um pássaro" -> (implica) "o avestruz possui penas".

    Pouco importa se no universo real todos pássaros de fato possuem penas (verdade absoluta), o fato é que a partir de uma determinada proposição cuja validade é aceita como verdadeira, pode se realizar novas deduções dada a validade das anteriores.

    Se a proposição "todos os pássaros possuem penas", não for definida como verdadeira ou falsa, ela se torna inútil, pois como eu vou demonstrar a validade da terceira proposição se nenhuma das duas tem a capacidade de serem definidas ou como verdades ou como falsidades?

    E até onde sei, toda proposição fora da física quântica, ou é verdadeira ou é falsa, ou é passível de ser uma das duas ... É claro que uma proposição pode não ter sua validade comprovada e seja uma incógnita, mas nunca ouvi falar de proposições que existem em um campo aonde não são nem verdadeiras, nem falsas e nem passíveis de serem uma ou outra... Me ilumine com um exemplo... por favor...



    "Azul" não é uma proposição, é só uma palavra solta que nada significa sozinha, ela se torna uma proposição quando digo "Azul é uma cor" ou "Azul é diferente de Verde" e aí sim estas são passíveis de serem verdadeiras ou falsas.

    Volto a repetir, pouco importa se no mundo real isso é de fato verdade ou não (validade absoluta), ou sequer se é possível de ser validado no mundo real. O fato é que os axiomas são considerados válidos (ou seja verdadeiros).


    Eu te dei o exemplo da entidade matemática "Conjunto", a palavra sozinha nada significa. A partir do momento que eu digo que o mesmo é um axioma, implicitamente estou assumindo que o mesmo é uma verdade. Não estamos falando do mundo real ou da natureza aqui, mas dentro do campo da Matemática ao fazer a proposição "A entidade Conjunto existe" (Ente primitivo) a mesma precisa ser considerada verdadeira para que se possa fazer deduções a partir dos tais.


    Indução Transfinita? Sério? Pois ela parte de um axioma também: Se vale pra N menor que K, vale para N=K.

    E quando eu afirmei que a Indução Transfinita não partia de um axioma?


    Realmente, tá difícil...


    p: N>K (primeira proposição)

    q : N=K (segunda proposição)


    Agora vai me dizer que essas duas proposições acima não são passíveis de serem verdadeiras ou falsas? Vai me dizer que a expressão "se vale para p, então vale para q" não é algo que precisa ser considerado verdadeiro ou falso para as proposições posteriores também serem?


    E vamos pegar o tal axioma da escolha:

    "o produto de uma coleção não-vazia de conjuntos é não-vazio"

    A mesma pode ser considerada verdadeira ou falsa (por ser uma proposição), mas como é um axioma , então assume-se que é válida. (neste caso apenas significa que de fato o produto da coleção não vazia de conjuntos é de fato não vazia)


    Volto a repetir mais uma vez... pouco importa se no mundo real o teste de validação é possível de ser feito ou não, assume se que o axioma é verdadeiro pelo simples fato de ser considerado um axioma.


    A própria página do axioma no wikipedia diz:

    "Assim, a negação do axioma da escolha diz que existe um conjunto de conjuntos não-vazios que não possui função de escolha."

    pt.wikipedia.org/wiki/Axioma_da_escolha




    Mas agora eu desisto, na boa... pode continuar acreditando no que quiser.



    Sobre a sua pergunta do padeiro, já te dei a resposta na questão anterior, o contrato em si só é válido quando não envolve a coerção de terceiros e afirmei que o padeira em um pagamento a vista não cometeu crime algum.

    Mas você ergueu o exemplo do padeiro a partir da questão da dívida pública, e até onde sei, dívida não é pagamento a vista...


    Sério, eu tava pensando em fazer um mestrado em matemática, mas você realmente me fez perder a vontade... Se for pra ficar relativista igual você, prefiro deixar quieto. (eu bem que acreditava que era o contrário)
  • Marcelo Correa  23/06/2018 05:39
    Ora jogadores de futebol ganham milhões por que existem bobos pra ficar numa fila esperando pra comprar uma camisa do Neymar por R $200
  • Sociólogo   04/07/2018 13:57
    Eu acho uma vergonha estes nossos compatriotas venerando 22 homens milionários correndo atrás de bola, enqto que deviam estar nas salas de aula estudando Durkheim, Paulo Freire, Gilberto Freyre, e entendendo as lutas de libertação dos oprimidos contra o imperialismo yankee.
    Mas não, ao invés de se dedicarem a causas sociais e defesa de minorias como fez a guerreira Marielle esse povo alienado pelo capital prefere ver bola.


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.