clube   |   doar   |   idiomas
“Impeachment é um golpe na democracia!” - difícil uma frase mais contraditória e sem lógica
Voz do povo só convém quando é Golpe

A esquerda mundial está inconsolada.  Em decorrência do impeachment da presidente do Brasil Dilma Rousseff, toda a esquerda se uniu para declarar, em uníssono, que o impeachment de Dilma foi um "golpe anti-democrático".

Eis um típico exemplo fornecido por um think tank de esquerda chamado Council on Hemispheric Affairs:

O impeachment de Rousseff representa um ataque devastador à democracia do Brasil, constituindo um golpe de estado não-militar — um processo não-democrático de mudança de regime caracterizado pela malevolência política, por uma justiça seletiva, e por uma transferência de poder não-eleitoral, tudo cuidadosamente disfarçado sob o manto do estado de direito.

O curioso é que, pela lógica desse raciocínio, as ações feitas por membros eleitos do poder executivo (Dilma) representam ações democraticamente aprovadas.  Já as ações feitas por membros eleitos dos poderes legislativos (deputados e senadores), por alguma estranha razão, não representam em absoluto ações democraticamente aprovadas.

Logo, ainda segundo essa lógica, quando Richard Nixon foi ameaçado com um impeachment e renunciou à presidência americana, em 1974, isso certamente constituiu um "golpe de estado não-militar", no qual um "processo não-democrático de mudança de regime" representou um ataque devastador à democracia americana.  Levando este raciocínio à sua conclusão lógica, somos forçados a concluir que, embora Nixon tenha sido eleito democraticamente — e obtendo uma maioria avassaladora dos votos, convém lembrar —, o Congresso eleito que o atormentou até ele renunciar estava, de alguma maneira, agindo contra os ideais democráticos.

Ou, para ficarmos com o Brasil, quando o então presidente Fernando Collor vivenciou processo idêntico ao de Nixon, em 1992, os deputados e senadores brasileiros — todos também democraticamente eleitos — que votaram a favor do seu impedimento também praticaram um "golpe de estado não-militar", fazendo um "processo não-democrático de mudança de regime", tendo sido esse um "ataque devastador à democracia do Brasil".

Ser eleito com 51% dos votos válidos significa que um presidente pode fazer o que quiser?

Os argumentos proferidos pelos defensores da tese de que houve um "golpe de estado não-militar" são tão contraditórios e sem sentido, que levam a uma dúvida insanável: em que situação um corpo político eleito democraticamente é realmente democrático?  E em que situação ele não é?

No Brasil, todos os deputados e senadores — tanto os que votaram a favor quanto os que votaram contra o impeachment de Dilma — foram eleitos democraticamente com a função de representar cada um dos 26 estados do Brasil e mais o Distrito Federal.  Adicionalmente, 367 deputados de um total de 513 votaram a favor do impeachment, o que representa incríveis 71%.  Entre os senadores, 61 de um total de 81 votaram a favor do impedimento, o que representa acachapantes 75% dos votos.

Se a democracia — como a própria esquerda diz — significa a voz do povo, e se a voz do povo se manifesta — também como a própria esquerda diz — por meio de seus representantes democraticamente eleitos, então a tese de que os deputados e senadores (portadores dos desejos e ansiedades do povo) que votaram (em nome do povo) pelo impedimento de Dilma são golpistas é contraditória.  E também insustentável.

Mais ainda: tanto no caso de Nixon e Collor quanto no caso de Dilma, é difícil ver por que o executivo representaria um órgão mais democrático do que o legislativo que o removeu — ou que ameaçou removê-lo, como no caso de Nixon. 

De novo, tanto o chefe do executivo quanto os representantes do legislativo foram escolhidos por meio de eleições majoritárias e democráticas.  Cada um deles, segundo defende a própria esquerda, representa a voz e os clamores do povo.  Sendo assim, qual a lógica em afirmar que o executivo é mais democraticamente legítimo que o legislativo? 

Adicionalmente, para complicar ainda mais a argumentação da esquerda, vale lembrar que o Senado nem sequer pode votar para impedir um presidente caso não tenha sido previamente autorizado a fazê-lo pela Câmara dos Deputados, um órgão também eleito pelo povo e de maneira inteiramente democrática.

E tudo fica ainda mais complicado para a esquerda quando nos concentramos em questões mais específicas.  Por exemplo, Dilma foi eleita com 54,5 milhões de votos dentre um total de 112,7 milhões de pessoas que compareceram às urnas para votar.  Os outros 58,2 milhões de votos foram distribuídos entre seu rival, votos brancos e votos nulos.  (E estamos aqui desconsiderando os 30 milhões de indivíduos que nem sequer foram votar).  Isso significa que Dilma foi eleita com 48,3% dos votos totais

Logo, dado que ela claramente não obteve o voto da maioria votante (e nem muito menos da maioria absoluta de pessoas habilitadas a votar; quando se considera este universo, ela obteve apenas 38% dos votos totais), como é possível dizer que seu impedimento foi um ato contra a vontade da maioria do povo? 

Mais ainda: só porque um número maior de votantes apoiou um determinado candidato no dia da eleição, isso não significa que todas essas mesmas pessoas continuam apoiando integralmente esse mesmo político no dia em que ele foi removido.  No caso específico de Dilma, se meros 6% das pessoas que votaram nela estiverem arrependidas — e mesmo considerando que nenhuma dessas fosse votar em seu rival —, Dilma já não mais teria hoje a maioria que obteve em 2014.

Logo, será que uma eleição em outubro de 2014 deve ser vista por um período de tempo indefinido como sendo uma imutável e mística vontade da maioria?  E se o Congresso (Câmara e Senado) contiver uma maioria de representantes do povo que se opõe à agenda do líder do executivo?  Esta não seria uma ainda melhor representação da vontade da maioria?

Quando Dilma foi eleita com 48,3% dos votos totais (e 51,6% dos votos válidos), a economia brasileira ainda estava aparentemente bem.  Não obstante, praticamente metade das pessoas que se dispuseram a ir às urnas votou contra ela.  Logo, por que toda a população deveria ser forçada a ficar presa nessa escolha dois anos após a eleição ter ocorrido, ainda mais após o líder do executivo ter feito todos os tipos de lambança com a economia

Hipoteticamente: se uma maioria de eleitores pedisse aos seus representantes na Câmara e no Senado para remover Dilma, e se estes o fizessem, isso por acaso seria um "ataque devastador" à democracia?

É claro que o que exatamente os eleitores queriam do Senado quando este impediu a presidente é uma pergunta empírica cuja resposta exata jamais saberemos.  No entanto, e ao mesmo tempo, seria absurdo afirmar que o impeachment é necessariamente "anti-democrático" simplesmente porque o líder do executivo conseguiu obter pouco mais do que a metade do votos válidos dois anos atrás.

O Reino Unido tem hoje uma primeira-ministra que não foi eleita pelo povo

No outro extremo, pode-se também dizer que o Senado brasileiro elegeu o novo presidente Michel Temer, uma vez que o Senado tomou medidas as quais ele sabia que levariam Temer à presidência da república.

Sendo assim, há algo de anti-democrático em uma legislatura eleita pelo povo selecionar um líder do executivo?

Aliás, há um caso extremamente recente de uma legislatura escolher um chefe do executivo.  E ninguém gritou ser golpe (a esquerda mundial, inclusive, aprovou).  Trata-se do Reino Unido, que atualmente possui uma primeira-ministra que não foi eleita pelo povo — e que, ao contrário de Michel Temer (que foi democraticamente eleito vice-presidente), nem sequer teve seu nome escrutinado pelas urnas. 

Theresa May, a atual primeira-ministra do Reino Unido, foi escolhida exclusivamente pelo seu partido político para ser primeira-ministra.  Nenhum cidadão britânico votou nela em nenhuma eleição para ser primeira-ministra.  Igualmente, nenhum cidadão britânico jamais votou diretamente em Tony Blair, John Major ou Margaret Thatcher para ser primeiro-ministro.  Os únicos eleitores que realmente votaram nesses primeiros-ministros foram aqueles que, em seus distritos locais, votaram nessa pessoa para ser seu representante no Parlamento britânico (o equivalente a um deputado). 

O cargo de primeiro-ministro, em si, foi preenchido depois, pelos membros do partido que possui a maioria no Parlamento britânico.  Ou então pela maioria que forma uma coalizão.  São estes representantes que decidem quem será o primeiro-ministro. 

Isso é chamado de "democracia parlamentarista".  Vários outros países utilizam sistemas similares.

Agora que os britânicos estão sujeitos a uma primeira-ministra na qual não votaram, e que foi escolhida exclusivamente pelo partido que detém a maioria no Parlamento, seria correto dizer que o Reino Unido sofreu um golpe de estado?  A democracia britânica sofreu um ataque devastador? 

Vale lembrar que esse modelo britânico sempre foi considerado um dos maiores modelos de democracia para todo o mundo.

Conclusão

Desnecessário dizer que a esquerda afirma que o impeachment de Dilma é anti-democrático simplesmente porque ela, a esquerda, não gostou.  Se o impeachment fosse a seu favor, ela aprovaria.  É por isso que ninguém jamais ouviu um esquerdista reclamar que o Partido Democrata desferiu um "golpe devastador" contra a democracia americana quando forçou Richard Nixon a renunciar à presidência.  Igualmente, ninguém jamais ouviu um esquerdista reclamar que a democracia brasileira foi assassinada quando Fernando Collor vivenciou um processo de impeachment idêntico ao de Dilma (e com a decisiva ajuda do PT), o que o levou a renunciar.

Pode até ser que alguém tenha algum argumento razoável contra o impeachment de Dilma; porém, dizer que ele foi um "golpe anti-democrático" requer uma genuinamente bizarra e seletiva noção sobre o que é uma democracia.

_______________________________________________

Leia também:

Explicando as pedaladas fiscais: por que são crime e por que prejudicaram exatamente os mais pobres



autor

Ryan McMaken
é o editor do Mises Institute americano.


  • Poor man  04/09/2016 15:11
    Excelente artigo, obrigado IMB por compartilhar.
    Com relação a esquerda, eu já desisti de ler o que eles tem a dizer, porque percebi que eles não defendem alguma nobreza humana e se defendem é uma hipocrisia. São pessoas que vivem do dinheiro dos outros, portanto cabe a eles justificar o sistema, e utilizar de todas artimanhas e mentiras para manter o estado.

    Veja como é interessante o termo: "Esquerda mundial", está justificação do sistema para o que o homem seja explorado, está em tal nível, que já é algo global, eles já se organizam em nível global.

    Conclusão
    E tudo se trata disso: justificar o sistema, para que eles continuem a ganhar dinheiro dos impostos, a nós continuemos a pagar. Eu entendo que o artigo tenha utilizado os próprios argumentos da Democracia para contra argumentar, mas percebo a cada dia, que em quanto o estado e a democracia existir, a esquerda irá existir e ter poder.

    Ser de esquerda é um modo de vida, sendo de esquerda, você só tem a ganhar no mundo material.
  • Filósofo da USP  05/09/2016 14:05
    Golpistas, Golpistas, Golpistas...
    Não se cansam de destilar ódio contra os pobres.

    A democracia é do Povo, para o Povo, feito pelo Povo.
    O que fizeram com a grande estadista Dilma Rousseff foi um crime, um claro ataque a Democracia e a soberania do voto popular.

    Digo mais: o excelentíssimo Luís Inácio Lula lê o IMB todos os dias no café da manhã é o deleite dele rir desses patetas neoliberais.

    Meu singelo aperto de mão a todos, com a mão ESQUERDA é claro.

    A Esquerda nunca morrerá! Pois os pobres não podem ficar desamparados e vivendo nesse "capitalismo doentio".
  • saoPaulo  05/09/2016 14:51
    Isto era pra ser engraçado?
    Mais sorte da próxima vez.
  • Marcos Mamoru Fugio  11/09/2016 12:47
    Já pensou em ser comediante?
  • Tiago Júlio de Moraes  28/12/2017 15:41
    Vamos praticar a livre concorrência de mercado, diminuir o Estado, empoderar o cidadão economicamente (com propriedade privada) e tributar o mínimo do mínimo possível.

    Em alguns anos, não haverá razão da esquerda existir, pois não haverá pobreza!
  • Gabriel  30/12/2017 09:42
    Estás enganado. A esquerda sempre sobrevive se adaptando as condições existentes, em uma sociedade onde não haverá pobreza, a esquerda abrirá peito contra a tal desigualdade.

    Essa ideologia é igual uma praga, veja o que aconteceu desde a queda da URSS, no início todos da extrema-esquerda ficaram calados por conta do fracasso soviético, mas estão voltando com tudo, principalmente por conta dessas crises do "capitalismo".
  • Thomas Turbando  04/09/2016 15:29
    Fora Sarney!
    Fora Collor!
    Fora Itamar!
    Fora FHC!
    Lula é Lindo!
    Impeachment é golpe!
    Fora Temer!
  • Martin Bittencourt  05/09/2016 02:29
    Esse artigo poderia ter sido muito melhor se o autor tivesse contemplado alguns pontos.

    Primeiro parece que ele desconsiderou desde o princípio as motivações pq a esquerda diz que foi um golpe à democracia: a Dilma não teria cometido crimes de responsabilidade; os votos favoráveis foram baseados na intenção da parte relevante da classe política de tirá-la do poder quando o povo, nas eleições, escolheu por colocá-la lá.

    De fato isso é muito evidente e a meneira como o autor simplesmente ignora essa argumentação e vai direto pra ideia do Congresso representar a vontade do povo pura e simplesmente tanto quanto o Executivo acaba fazendo parecer que ele tá meio perdido na situação.

    Por fim, defender que o impeachment foi democrático meramente pq ele foi aprovado pelo Congresso e esse é um órgão representante da democria tanto quanto o Executivo é patético; é perfeitamente possível que o Congresso aprove algo em desacordo com a vontade da população dessa maneira atuando de forma totalmente não democrática.

    Por fim, isso nos leva ao último ponto: a maior evidência (talvez já dê pra chamar de prova mesmo) que o impeachment foi democrático não é ter sido aprovado por órgão democrático, o Congresso, mas ter 61% de aprovação popular (segundo as pesquisas que vi). A pergunta que é de se fazer aos defensores da crítica é: como que um processo e o seu resultado pode ser anti-democrático se ele está de acordo com a vontade da (considerável) maioria da população em relação a ele?
  • Alex  05/09/2016 18:38
    Considere que o artigo foi escrito por um americano, em um site americano, para uma plateia americana ou não nativa no Brasil. Só posteriormente traduzido para o português. Por ser um estrangeiro ele não estar a pá de todos os argumentos da esquerda
    no Brasil. E mesmo assim ele foi melhor que a maioria dos analistas no Brasil.
  • Leonardo  04/09/2016 15:30
    O mais curioso é que antes mesmo do impeachment da Dilma, os PTistas já estavam pedindo o impeachment do Temer, assim como pediram o impeachment de todos os presidentes do Brasil antes do Lula.
  • Nordisk  04/09/2016 15:30
    Não queira tentar entender a esquerda, ninguém consegue. Até porque o lema é mentira e hipocrisia.
  • Alexandre  04/09/2016 15:31
    O único golpe que houve foi o que o PT deu na economia brasileira...

    E agora vai levar um bom tempo pra nos recuperarmos.
  • Jammerson   04/09/2016 15:31
    A democracia já é um golpe em si.
  • João Henrique  04/09/2016 15:33
    Como se a esquerda tivesse qualquer tipo de preocupação com a lógica e a coerência...
  • Andre  04/09/2016 16:35
    Deviam devolver o mandato ao Collor para serem democráticos então:

    noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2014/04/24/maioria-dos-ministros-do-stf-absolve-collor-por-falta-de-provas.htm
  • Aluno Austríaco  04/09/2016 16:41
    A democracia tem falhado muito.

    As eleições estão elegendo milhares de facistinhas, comunas, tiranetes e socialistinhas, que querem legitimar suas ideias ditadoras através da democracia.

    O conceito de democracia mudou para eleição de ditadura, onde o povo é saqueado, roubado e punido pelos facistinhas, comunas, tiranetes e socialistinhas.

    A liberdade é mil vezes mais importante do que a democracia.
  • saoPaulo  04/09/2016 17:46
    democracia + sufrágio universal + educação estatal = corrão para as montanhas
  • antonio  04/09/2016 16:59
    Só que ao invés de defendê-la, ele conspirou contra ela.
  • saoPaulo  04/09/2016 17:44
    E por que ele teria a obrigação de defendê-la?
  • saoPaulo  04/09/2016 17:52
    No outro extremo, pode-se também dizer que o Senado brasileiro elegeu o novo presidente Michel Temer, uma vez que o Senado tomou medidas as quais ele sabia que levariam Temer à presidência da república.
    Só que não. Quem votou na Dilma, elegeu também Temer. Tava lá a foto dele na moderníssima e inviolável urna brasileira.

  • Tannhauser  04/09/2016 17:54
    Os petistas não aceitam o argumento de que a maioria da população quer a Dilma fora.

    A razão é simples: quem apoiou o impeachment foi manipulado pela Globo, logo a opinião dessas pessoas não conta.

    A única opinião que vale é a dos iluminados petistas.


  • Bruno Feliciano  04/09/2016 18:30
    -Eduardo Cunha foi eleito democraticamente
    Quem iria cassar seu mandato seriam outro corruptos.
    ele não inventou a corrupção
    Não havia provas concretas contra ele

    -2005 O Não venceu contra o desarmamento
    Alguns Anos depois criaram o ESTATUTO DO DESARMAMENTO

    -Compraram votos de deputados com o mensalão,mas isso não é golpe.
    -Obstrução de justiça com o lula e o mercadante

    -Falam que a Dilma não pode ser cassada por pedaladas,pois outros presidentes,governantes,prefeitos e governadores fizeram o mesmo
    Esse argumento ainda não consegui entende porque oque a dilma fez foi totalmente diferente do que foi visto,mas como convém pra eles então vale neh..
    (O IMB com o Leandro já explicou isso)

    -Querem cassar Bolsonaro pelo seu discurso do coronel USTRA,mas acham normal e aceitável falarem de Maringuella e Che Guevara.

    Enfim....democracia pra esquerda,é só quando convém..Eles jogam o argumento só aonde interessa.

    Pó IMB,pedir coerência,lógica e razão pra esquerda ai vocês tão querendo de mais.
  • Joao Luiz Pereira Tavares  04/09/2016 18:49
    «Quem dera nós pudéssemos voltar no tempo»

    Doce Rainha:


    Qualquer outra pessoa do Brasil que não seja alienada, minha linda, talentosa e doce rainha, saberá o que eu vou falar agora. Veja aqui:
    Eu nunca vou esquecer você ou seu muito surpreendente arrojo (Coração Valente) ou talento na Economia, tanto macro, como microeconomia!
    Quem dera nós pudéssemos voltar no tempo para impedir de você ser destituída legítima presidentA Dilma! Você doçura, é ilibada. Mas você está em um lugar muito melhor e maravilhoso conhecido como «NOSSOS CORAÇÕES»! Seu português é admirável e prodigioso. Fabuloso. Sempre articulando com criatividade período composto de uma oração principal e duas subordinadas. Supera o do nosso amado chefe. Nossa mãe do Petrolão.

    Agora a mesma coisa em inglês, para o Mundo todo saber! Eis: «My beautiful, talented, and sweet QUEEN.»
  • Adelson Paulo  04/09/2016 18:49
    Todo o processo de impeachment de Dilma Rousseff seguiu a jurisprudência, política e jurídica, adotada no impeachment de Collor. Portanto, a legitimidade dos processos é exatamente a mesma. Mas há algumas diferenças marcantes entre os dois processos de impeachment.
    Fernando Collor de Mello foi o primeiro Presidente eleito após a redemocratização, em uma eleição muito disputada contra candidatos como Mario Covas, Ulysses Guimarães, Leonel Brizola, Aureliano Chaves e Guilherme Affif Domingos. Dilma Rousseff nunca havia disputado nenhuma eleição até ser eleita presidente, e foi ungida à vitória pelo seu padrinho político Lula, em duas eleições polarizadas por apenas dois candidatos e extremamente manipuladas pelo marketing político.
    Collor foi eleito por um partido nanico, sem base social e parlamentar, e sem maioria no Congresso, e permaneceu pouco mais de dois anos no poder. Dilma e seu grupo político governaram por mais de 13 anos, com amplo apoio de intelectuais e dos "movimentos sociais", e sua coligação dispunha da mais ampla maioria parlamentar de um presidente depois da redemocratização.
    Collor assumiu a presidência quando o Brasil atravessava uma de suas maiores crises econômicas, após a "década perdida" de 1980, com recessão econômica e hiperinflação, e investimentos públicos paralisados, e teve pouco ou nenhum espaço orçamentário para desvios de corrupção. Dilma recebeu o país em amplo crescimento econômico, com grandes investimentos públicos e das empresas estatais, com ampla margem para negociação e desvios de verbas públicas.
    Collor foi acusado de crimes de corrupção, ou seja, crimes comuns, para os quais nada foi comprovado posteriormente, sendo Collor absorvido no julgamento pelo Supremo Tribunal Federal. Paulo Cesar Farias, seu tesoureiro de campanha e acusado de ser o mentor deste esquema de corrupção, nunca foi nomeado a nenhum cargo público, nunca assinou nenhum contrato ou nomeação no governo federal. Dilma foi acusada de crimes de responsabilidade na gestão pública, com vários membros da cúpula de seu governo nomeados por ela para cargos públicos, assim como vários expoentes de seu partido político, envolvidos em escândalos de corrupção e muitos condenados pela justiça.
    Portanto, os crimes de Dilma foram muito maiores e continuados em uma maior extensão de tempo, do que os crimes de Collor. Assim, o impeachment de Dilma em 2016 foi muito mais correto e justo, dos pontos de vista jurídico e político, do que o impeachment de Collor em 1992.
  • Marcos  05/09/2016 14:29
    Copiei seu comentário pra dar uma resposta no 247, Viu?
  • Sociólogo da USP  04/09/2016 18:55
    É incorreto afirmar que a esquerda relaciona democracia à voz do povo, ainda mais na nossa ''democracia''. Nós vivemos sob uma democracia burguesa, onde a voz dos grandes empreiteiros, dos banqueiros e do capital internacional abafa a voz do povo.

    Não dá pra falar democracia em um país onde a desigualdade social é um abismo intransponível que priva os mais abastados de terem acesso à política.

    A verdeira democracia é a democracia proletária, uma democracia onde existem referendos populares, onde o financiamento privado na campanha eleitoral é proibido, onde o voto do mais pobre tem um peso maior do que o peso do voto do burguês.

    Infelizmente, só Cuba e Venezuela chegaram perto desse modelo perfeito...
  • saoPaulo  04/09/2016 21:55
    A meta da democracia sempre foi, apesar de seus detratores, dobrar a meta.
    Note, porém, que a mulher sapiens não concorda nem discorda, muito pelo contrário.
    Agora, no que tange a economia mundial, a mandioca foi a maior descoberta humana, e vice versa.
    S2 Dilmãe, nossa eterna Presidanta!
  • Adriano   05/09/2016 06:17
    Cuba e Venezuela democracias onde basicamente não se existe oposição kkkk
  • WDA  04/09/2016 19:54
    Conspirou uma ova! Ele descumpriu a Constituição em vários itens para cujo descumprimento esta impõe impeachment!

    Fizeram de tudo para a criminosa sair o menos queimada possível, a despeito de todos os crimes que cometeu e de o povo em peso querer a sua saída. Ela tinha míseros 7% de apoio popular. E presidente não é ditador. Ele não é eleito para fazer o que quer, tem obrigação de cumprir a Constituição e as leis do país.
  • Mara  05/09/2016 02:00
    Incoerente afirmar que o povo em PESO quis a saída da PRESIDENTA basendo se em pesquisas de institutos manipuladores como parte de uma imprensa mediocre e mesquinha...Sem contar que parte dos acusadores respondem por algum crime com nomes citados em várias delacoes com provas.Assim como desvios pra Suíça...A quem interessa esse golpe? O tempo dirá. .
  • Solstafir!  05/09/2016 14:08
    Não discordo que haja um viés manipulador em toda pesquisa de opinião, mas todo o esquerdista sabe que a esquerda adora se utilizar das mesmas pra fazer prevalecer sua vontade. Hipócritas de primeira. Releia o texto.
  • saoPaulo  05/09/2016 14:11
    Sem contar que parte dos acusadores respondem por algum crime com nomes citados em várias delacoes com provas.Assim como desvios pra Suíça...
    1. O requerimento de impeachment foi escrito por Hélio Bicudo, fundador do PT, Janaina Paschoal e Miguel Reale Júnior. Estes são os acusadores.
    Repito: Hélio Bicudo, fundador do PT.
    Ou você prova que um destes três possui dinheiro roubado na suíça, ou você é apenas uma mentirosa crônica, uma vagabunda pilantra. Aguardamos suas provas.
    2. Segundo sua lógica, se um ladrão de galinhas diz ter visto um assassinato, seu testemunho deve ser descartado imediatamente, mesmo que todas as impressões digitais do acusado estejam na arma do crime... Lava-jato? Esqueçam! É tudo baseado em delações de criminosos...
    Ou você é idiota, ou você pensa que nós somos...
    3. Claro que eu sei que estava se referindo a Eduardo Cunha, aquele que excluiu grande parte das denúncias iniciais presentes no requerimento... Imaginem se ele estivesse realmente contra a presidanta...
    4. Eduardo Cunha nada mais fez que sua obrigação ao aceitar o requerimento de impeachment, dada sua solidez. Mas claro que defensores de ladrões, como a senhora, não conseguem se conformar que Cunha não tenha simplesmente sentado sobre o pedido e deixado sua bandida predileta em paz. É muita falta de caráter.

    A quem interessa esse golpe? O tempo dirá. .
    Esquerdista é um bando de FDP mesmo! O artigo inteiro explicando os porquês de o discurso de golpe não fazer sentido e a cretina vem repetir esta mentira! O que está fazendo aqui, sua MAV pilantra? Vá defender o bolivarianismo em outro lugar, sentimos nojo de gente da sua laia!
  • saoPaulo  05/09/2016 16:16
    E já ia me esquecendo:

    Sem contar que parte dos acusadores respondem por algum crime com nomes citados em várias delacoes com provas.Assim como desvios pra Suíça...
    O processo de impeachment, segundo o que você afirma, é ilegítimo pois os acusadores seriam criminosos. Crimes estes suportados por delações de... outros criminosos!
    Ué, não entendi. Devemos ou não apurar acusações feitas por criminosos?

    Ou você é burra demais, ou é mau caráter demais.

    Caso seja a primeira opção, aconselho o seguinte artigo:

    Explicando as pedaladas fiscais: por que são crime e por que prejudicaram exatamente os mais pobres

    Caso algum turista aqui esteja se perguntando o porquê de tanta truculência com a senhora Mara:

    Fome na Rússia: o socialismo contra a lógica da economia
    A fome na Ucrânia - um dos maiores crimes do estado foi esquecido
    O socialismo na prática - o laboratório da morte
    O horror da China comunista e seus pavorosos campos de morte
    Socialistas, comunistas e nazistas - por que a diferença de tratamento?
    A precária situação alimentar cubana
    A medicina cubana - um modelo?
    Quer matar as pessoas de fome em pleno ano de 2016? Adote o socialismo
    Quem defende políticas socialistas defende a inanição de seres humanos
    O socialismo venezuelano: pessoas comendo cachorros, saqueando supermercados e morrendo de inanição
    A história soviética
    A China "comunista" e a América "capitalista"
    A Escola Austríaca e a refutação cabal do socialismo
    A verdadeira doutrina defendida por Karl Marx
    Karl Marx e seu caminho escatológico para o comunismo
    A moral de Piketty - por alguém que realmente leu todo o livro
    Ou temos capitalismo ou temos escravidão - não há terceira via
    O que realmente é o fascismo
    Só é socialismo enquanto funciona; quando deixa de funcionar, nunca foi socialismo
    A desconhecida história do embargo cubano
    A medicina socializada e as leis econômicas
    O verdadeiro Che Guevara
    Os números de Cuba, divulgados pelo seu próprio governo, comprovam: socialismo é pobreza
    Como bem ilustra a Venezuela, os defensores do socialismo desconhecem uma lei básica da economia
    Sim, deveríamos ser mais parecidos com a Suécia - quer tentar?
    Como ocorreu a crise financeira americana
    O mito de que o laissez faire é o responsável pela crise atual (2008)
    1920 - a última depressão na qual um governo não se intrometeu foi também a mais rápida
  • Mais Mises...  05/09/2016 15:05
    Para pessoas como você, só tenho uma classificação: lobotomizados doentes mentais.
    Essa gente não lê ou simplesmente se faz de rogado pra poder atravessar suas opiniões que, como sempre, não desmentem e nem sequer contra-argumentam algo do texto. Patético.
  • Leandro Campos  04/09/2016 21:03
    Primeiro, se impeachment fosse golpe não estaria na constituição.
    Segundo, se ela acha que existe um golpe, ela deveria pedir a intervenção militar para barrar qualquer golpe, está na constituição também.
    Terceiro, se ela acha que é golpe, então ela nunca deveria tentar se defender, afinal, qualquer político que considere golpe vai defender uma pessoa sabendo que o resultado será o impeachment? Mais uma incoerência.
    Final, para alguém que diz tantas asneiras como ela, mesmo que fosse golpe, estaria dentro do melhor possível. O problema é que não foi golpe e depois, sim, eles deram o golpe ao manter os direitos da mulher
    Mil vezes uma ditadura do que a porcaria que essa democracia diz ser e fazer
  • Paulo A s  04/09/2016 21:56
    Tudo isto pode ser explicado pelo fato que a, entao Dilma guerrilheira, defendia aditadura do proletariado, que onde implantada prendeu e eliminou milhares de pessoas, ex. Rússia
  • Pobre Paulista  04/09/2016 23:21
    "Fernando Collor vivenciou um processo de impeachment idêntico ao de Dilma"

    Não foi idêntico. O Collor renunciou à presidência um dia antes do seu impeachment. Isso sim foi um golpe. Não que eu esteja o defendendo, mas se alguém pode reclamar de golpe, esse alguém é o Collor.

    Acho que é por isso que ele estava se divertindo tanto no processo da Dilma.
  • Lavenere  05/09/2016 00:09
    O processo foi idêntico em tudo. Votação na Câmara dos Deputados, primeiro voto no Senado, afastamento, assunção de Itamar Franco e segundo voto no Senado.

    Imediatamente antes desse segundo voto no Senado ele renunciou, como corretamente diz o artigo.
  • Adriano  05/09/2016 06:27
    Um paralelo interessante pode ser feito com o sistema jurídico, após a apresentação das evidências um júri avalia e decide se o réu é culpado, se avaliar friamente as evidências não representam uma visão inquestionável do acontecido, mas sim a interpretação que os responsáveis por decidir tem daquelas evidências que determinam se elas irão culpar ou inocentar o réu.

    Quando se diz que o impeachment sem crime de responsabilidade fiscal é golpe, quem decide se houve crime de irresponsabilidade ou não é o júri, nesse caso o senado, que após avaliar as evidências (foram 6 meses para isso) decidem se houve crime ou não, e ponto, se a decisão deles não se baseou nas evidências e sim em interesses pessoais, ainda sim eles são os jurados desse processo e gostando ou não do resultado eles tomam a decisão porque como dito no texto foram eleitos democraticamente para representar nossos interesses, quando mais de um terço do senado decide algo é equivalente a mais de um terço da população brasileira, pois é assim que a democracia funciona, as pessoas tem o direito de não gostar da decisão, tem o direito de reclamar realmente o que não faz sentido é dizer que é golpe.

    Churchill dizia que a democracia é o pior sistema político exceto por todos os outros, em outras palavras é o que a gente tem gostando ou não.
  • saoPaulo  05/09/2016 12:05
    Churchill também disse que o melhor argumento contra a democracia é uma conversa de cinco minutos com o eleitor médio.
    Dado o eleitor médio brasileiro, é bem provável que dê Marina em 2018. Aproveite bem a democracia!
  • Andre  05/09/2016 13:08
    Também aposto em Marina 2018, e até mesmo um Ciro Gomes, ainda mais se nas eleições municipais de SP der Celso Russomano, pois vai dar combustível para as candidaturas "alternativas".
    O eleitor médio brasileiro ansioso por uma "mudança" e ávido por um estado que lhe dê segurança, saúde, educação, proteja seus direitos trabalhistas, direitos de consumidor, aposentadoria e assistência social, que só um grande mentiroso poderá suprir tamanhas demandas.
    Já notei há muito tempo que o eleitor brasileiro fica espantado quando algum candidato fala verdades, mas não quando fala mentiras, aproveitem até 2018, será o último ano disto aqui.
  • Aluno Austríaco  05/09/2016 14:25
    Trilhões de reais gastos pelo governo não resolveram o problema da pobreza. Além disso, houve uma implosão na riqueza e da prosperidade.

    É tanta bolsa que até o santo desconfia.

    Essa social democracia é assalto legítimado pela constituição.

    Veja só a lista do socialismo com democracia:


    - Fundo partidário
    - Bilhões em Socorro finaceiro à previdência
    - Auxílio desemprego
    - Bolsa anistiado da ditadura
    - Seguro defeso
    - FIES
    - Escola pública gratuíta
    - Saúde pública gratuíta
    - Bolsa família
    - Vale cultura
    - Auxílio aluguel
    - Plano Safra
    - BNDES para bolsa empresário
    - Abono salarial
    - Minha casa minha vida
    - Bolsa intercâmbio universitário
    - 5 bilhões por ano com bolsas de mestrado e doutorado
    - Restaurantes Bom Prato
    - Bandeijões em universidades
    - Moradia estudantil
    - Bolsa atleta, bolsa medalha, bolsa pódio
    - Bolsa pesquisas espaciais
    - Bolsa saneamento
    - Bolsa segurança
    - Bolsa justiça
    - Lei rouanet
    - Bolsa aeroportos, portos e estradas
    - Bolsa banqueiro via tesouro nacional
    - bolsa ditadura comunista cubana, venezuelana, angolana
    - Bolsa dólar com swaps cambiais
    - Bolsa futebol com copa do mundo
    - bolsa olimpíada
    - Bolsa bolsa militar
    - Bolsa bolsa polícia
    - Uso de fgts com remuneração de 3%
    - Bolsa ônibus com wifi
    - bolsa metrô
    - bolsa publicidade e bolsa imprensa
    - Assentamentos de terra
    - bolsa organizações e orgãos internacionais
    - ruas e estradas grátis
    - bolsa trem com ferrovia norte sul
    - bolsa máquina para estudo de nanotecnologia
    - bolsa Fiesp
    - bolsa sindicatos
    - bolsa meio ambiente
    - bolsa bicicleta com ciclofaixas
    - bolsa energia, gás e petróleo
    - bolsa caixas dágua, poços e cisternas.
    - bolsa água

  • Universitário  05/09/2016 16:20
    Calma lá.

    Não seja tão afoito em colocar as coisas. Uma coisa é defender a liberdade e nenhum imposto, outra é usar, para isso, de inverdades.

    O orçamento anual total da CAPES foi de 5bi, então não foi 5bi só pra bolsa de mestrado e doutorado. Estes 5bi aí já inclui os intercâmbios todos.

    O FIES, a priore, é um dinheiro que retorna aos cofres. O problema é que os juros são baixos, daí o subsídio. Idem o BNDES.

    São valores absurdos eu sei, mas não podemos dar armas aos detratores esquerdista, isto é, ficar falando bobagem ou dando valores "errados" das coisas. É cair no mesmo erro deles e não valer mais que eles.

    E faltou seguro amazônia, BASA, BNB (Banco do Nordeste) etc.

    Abraços

  • Marcelo Vasconcelos  05/09/2016 18:22
    Prezados, o tal "golpe" que os esquerdistas andam divulgando é apenas mais uma das manobras para manipular o povo e a opinião pública. Não precisa de lógica, pois o objetivo é contrariar a lógica.

    Os esquerdistas estão ficando mais espertos e adotando cada vez mais mecanismo de controle da opinião do povo.

    Lembrem-se que há um documentário sobre o processo de impeachment sendo feito pelos esquerditas, com a versão deles, é claro. Assim como escondem que tentaram aplicar um golpe comunista em 1964 e mentem dizendo que lutaram pela democracia durante o regime militar, eles tentam novamente alienar os mais jovens e reescrever a história.

    Quando penso nessa situação só consigo visualizar o livro 1984, do George Orwell. O livro em sí é brilhante, mas um trecho descreve bem o que acabei de mencionar:

    "Quem controla o passado, controla o futuro. Quem controla o presente, controla o passado."
    George Orwell, 1984.


    Se depender dos esquedistas nosso futuro será assim:

    "Se você quer uma fotografia do futuro, imagine uma bota pisando num rosto humano para sempre." George Orwell, 1984
  • Indivíduo  05/09/2016 21:40
    Mandou muito bem. E além disso vale lembrar que eles repetem a mentira infinitamente até ela se tornar em verdade.

    Essa frase é de Joseph Goebbels, ministro da propaganda na Alemanha nazista:

    "De tanto se repetir uma mentira, ela acaba se transformando em verdade."

    Não é por acaso que certos partidos políticos gastam tanto em propaganda.

    A palavra "golpe" é a preferida dos picaretas agora. Repetem a todo momento e vão repetir pelo resto da vida.

    A mentira vai ser contada para as próximas gerações e poucas pessoas vão se dar conta que a história foi alterada.

    Daí em diante heróis se transformam em vilões, e vilões aparecerão com heróis.
  • Lucas  05/09/2016 21:45
    Essa foi a pior presidente que já tivemos em nosso Brasil, por causa dela eu perdi meu emprego que tando gostava, quero muito que o Brasil se recupere e comece a gerar empregos como antigamente.
  • Wesley  07/09/2016 06:26
    Esse pessoal é de um fanatismo político que beira o patológico. Outro exemplo é a tal Comissão da Verdade, que busca apurar exclusivamente os crimes que foram cometido nos tempos dos militares. Obviamente os crimes contra direitos humanos cometidos por guerrilheiros de esquerda não podem ser investigados, pois querem denunciar apenas os seus inimigos. Portanto esse pessoal não raciocina como as demais pessoas. O Collor foi absolvido no STF pelos crimes que derrubaram ele da presidência. Apesar dele ter renunciado, ninguém falou que ele sofre um golpe. E a vida continua. No caso da Dilma a vida também continua, excerto para esse pessoal que domina as universidades que irão escrever milhares de artigos e livros falando sobre o tal "golpe" de 2016 contra a esquerda. O fanatismo político tem que entrar na lista de doenças mentais, assim como o fanatismo religioso, porque isso não é normal.


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.