clube   |   doar   |   idiomas
As ameaças da UE ao Reino Unido, o derretimento da libra, e a intimidação a eventuais seguidores

Agora já ficou cristalino que os burocratas da União Europeia estão fazendo tudo o que podem para punir o Reino Unido por ter votado a favor de sua saída da UE.

Ainda antes do referendo, o ministro das finanças da Alemanha, Wolfgang Schauble, ameaçou abertamente o Reino Unido e afirmou que, em caso de saída, o país jamais conseguiria livre acesso ao mercado da União Europeia. Em outras palavras, o burocrata disse que a União Europeia iria revidar e jamais concederia o mesmo tipo de acesso que a Noruega e a Suíça, dois não-membros da União Europeia, possuem.

Após o referendo, o presidente do parlamento da União Europeia, Martin Schulz, direcionou toda a sua fúria para o Reino Unido e declarou que ele queria o país fora o mais rápido possível, alegando que o Reino Unido estava mantendo a União Europeia "refém". 

Schulz, obviamente, foi o mesmo cidadão que condenou abertamente os poloneses por terem a audácia de eleger alguém que Schulz não aprova (a primeira-ministra Beata Szydlo, que retirou a bandeira da União Europeia do gabinete e colocou um crucifixo no lugar do relógio na sala de conferência dos ministros), chegando a dizer que essa livre escolha dos poloneses "foi um golpe". 

Logo após as eleições polonesas, Bruxelas começou uma devassa contra os poloneses, e outros políticos eurófilos pediram sanções contra a Polônia pelo fato de o país não ter elegido as "pessoas certas", isto é, as marionetes pré-aprovadas por Bruxelas.

Em decorrência do referendo do Reino Unido, partidos eurocéticos de mais quatro países já anunciaram que também querem referendos para sair da União Europeia: Holanda, Itália, França e Dinamarca. Já o ministro das finanças alemão afirmou que Áustria, Finlândia e Hungria podem se juntar à lista acima.

Foi exatamente para tentar conter essa debandada que os burocratas da União Europeia passaram a fazer ameaças explícitas ao Reino Unido, sugerindo a imposição de tarifas e a criação de barreiras para impedir o acesso de seus bens à União Europeia.

E tão eficaz foi essa ameaça, que a libra esterlina derreteu. Óbvio. A partir do momento em que há a possibilidade de o livre comércio ser obstaculizado, a força de uma moeda se deteriora.  Barreiras ao livre comércio equivalem a uma redução no poder de compra da moeda. Se o comércio deixa de ser livre e passa a ser restringido, o poder de compra da moeda vai junto. Os mercados financeiros simplesmente estão antecipando esta medida.

Em relação ao dólar, a libra esterlina afundou. No dia 22 de junho, um dia antes do referendo, uma libra comprava US$ 1,475. Hoje, a mesma libra compra US$ 1,33, uma queda de 9,83% em dois dias.

gbpusd.png

A atual taxa de câmbio entre a libra e o dólar vigorou pela última vez em 1985

Em relação ao euro, o mergulho foi semelhante. No dia 22 de junho, uma libra comprava 1,3054 euro. Hoje, compra 1,2084. Queda de 7,43% em dois dias.

gbpeur.png

Ao ameaçar impor maiores tarifas e dificultar o acesso dos produtos do Reino Unido ao continente europeu em consequência de a população ter votado por mais soberania, menos centralização e um sistema de governança menos burocrático, a União Europeia demonstra exatamente aquela atitude tirânica da qual os proponentes do Brexit queriam escapar. 

Essa tática do medo utilizada pela UE se assemelha a um ultimato dado por Darth Vader para que todos se unam ao Império Galáctico: "Você pode até optar por ser independente, mas você sentirá a nossa fúria."

É esse medo que está gerando ainda mais incertezas quanto ao futuro. E são essas incertezas que estão gerando turbulência nos mercados financeiros e de câmbio. Há uma força governamental despótica atuando para tentar manter uma grande economia como sua refém, ameaçando com tarifas e restrições ao comércio. O problema, portanto, não foi a "independência" do Reino Unido, mas sim o poder que a União Europeia possui para determinar as políticas às quais os países da região devem se submeter.

E, de novo, tão eficaz foi essa estratégia, que já um movimento conclamando um novo referendo, com o intuito de reverter o resultado anterior.

A coisa fica ainda mais ridícula

Ontem, a situação azedou ainda mais após Danuta Hübner, a presidente do Comitê de Assuntos Constitucionais do Parlamento Europeu, ter declarado que o inglês deixará de ser um idioma utilizado pela União Europeia tão logo o Reino Unido saia. Hübner deve ter feito uma força sobre-humana para manter uma expressão séria quando anunciou que "Temos uma regulamentação que diz que cada país da EU tem o direito de notificar seu idioma oficial. […] Os irlandeses já notificaram o gaélico, e os malteses já notificaram o maltês, de modo que sobrou apenas o Reino Unido notificando o inglês".

E finalizou: "Se não temos o Reino Unido, então não temos o inglês".

A ânsia da União Europeia por uma vingança contra o Reino Unido já está clara o bastante, mas não deixa de ser hilária a suposição de que todos os cidadãos da Irlanda e de Malta — países-membros da UE — irão repentinamente preferir conduzir seus negócio em maltês e em gaélico. Aproximadamente 90% dos malteses falam o inglês como uma segunda língua, e praticamente todos os irlandeses falam o inglês como a primeira língua. A ideia de que os irlandeses irão repentinamente preferir fazer negócios em gaélico apenas para dar uma lição nos eleitores ingleses não é exatamente muito plausível.

Portanto, o fato de UE ainda ter dois países-membros que majoritariamente falam o inglês e a ideia de que a UE pretende se isolar linguisticamente dos países mais ricos do mundo ilustram bem o nível a que chegou a insanidade de seus burocratas. Afinal, quatro das dez maiores economias do mundo (EUA, Reino Unido, Canadá e Índia) utilizam o inglês ou como idioma principal ou, no caso da Índia, como língua franca nas áreas do comércio e das ciências.

Adicionalmente, o inglês aparentemente já é o idioma utilizado cotidianamente nas conversações em Bruxelas. Supondo que o Reino Unido de fato saia da UE, não há nenhum risco de o inglês de fato ser abolido.

Ainda resta a ser visto se esta última ameaça em relação ao inglês será tão forte e eficaz quanto a ameaça de cortar o comércio com o Reino Unido. Recentemente, até mesmo Barack Obama reforçou o coro das ameaças dizendo que o Reino Unido, caso saísse, "iria para o fim da fila" nas negociações comerciais. Por causa do mal-estar causado, um porta-voz entrou em cena para amenizar e afirmou que os EUA continuam comprometidos em manter relações estreitas com o Reino Unido.

Conclusão

Se há algo que a União Europeia aparenta estar desejando ardentemente é uma completa catástrofe econômica em decorrência do voto britânico. Ela quer que suas ameaças e seu terrorismo econômico gerem conseqüências e se transformem em uma profecia auto-realizável.

Burocratas adoram instilar o medo e criar tumultos, pois isso torna as pessoas mais dispostas a cederem em troca de um pouco de paz e estabilidade. E é assim que os poderes governamentais crescem. Adicionalmente, criar turbulências no Reino Unido teria o "benéfico" efeito colateral de desestimular outros países a fazerem referendos e seguirem o mesmo caminho.

Por outro lado, se o Reino Unido provar que é possível sair da UE, manter relações comerciais amigáveis e continuar sendo uma economia global dominante, então isso significaria o início do fim da União Europeia. Se outras nações perceberem que é possível escapar da Burocracia de Bruxelas sofrendo apenas complicações de curto prazo, isso certamente levará a um êxodo daquela união política destinada ao fracasso.



autor

Ryan McMaken
é o editor do Mises Institute americano.


  • mauricio barbosa  28/06/2016 14:53
    Até então a União Européia era exemplo de democracia e liberdade. Tudo demagogia. Esses burrocratas não aprendem e nem se emendam, não foram eleitos, mas são tiranos e ditadores igual aos eleitos. O estado é uma desgraça e a União Européia não fica para trás.
  • Jose Maria Viana Campos Jose Campos  28/06/2016 22:20
    Ledo engano. O continente mais ameaçado, que mais sofreu com as ameaças à democracia foi exatamente o continente europeu. Estude as consequências da primeira guerra mundial, o cenário social, econômico e político que precedeu a guerra. Faça o mesmo sobre a segunda guerra, saiba quem foi o Marechal De Gaulle e o que ele representou no "maio de 1968", para a França e para o mundo.
  • mauricio barbosa  29/06/2016 01:47
    Meu camarada eu estou me referindo ao ideal socialista da União Européia e como sou anti socialista,e socialismo é tirania,é isso que eu condeno,o resto é mal entendido seu.


  • Jose Maria Viana Campos Jose Campos  28/06/2016 22:43
    Me parece simples a solução, se houver interesse de outras nações da América do Norte e América do Sul, Índia, Japão e da Europa, não alinhadas com a União Européia. O comercio é livre e tem que continuar livre, a UE não iria interferir com o comércio entre nações independentes da UE, se o fizesse, seria uma grave interferência nos assuntos de nações livres.
  • Tiago  28/06/2016 14:53
    Esse é exatamente um dos motivos de eu, embora seja um inflexível defensor da secessão dos estados, nunca ter demonstrado grande entusiasmo por nenhum movimento separatista. Imagine se São Paulo se separasse do Brasil? Não apenas Brasília mandaria isolar o estado comercialmente, como ainda a ONU, os EUA e a União Europeia também imporiam sanções as mais diversas.

    Rapidamente os paulistas implorariam por um retorno à União. Ou então viveriam em autarquia, transacionando só com a China.

    Não tem jeito. Vivemos em um mundo comandado por elites políticas globalistas que querem tudo dentro de sua esfera de domínio. A Suíça só se mantém porque sempre soube não caçar confusão com ninguém.
  • Fernando  28/06/2016 16:29
    Talvez a Suiça se mantenha porque as elites políticas e econômicas têm levado suas riquezas para dentro daquele país. Não sei se é por habilidade diplomática não.
  • Pobre Paulista  28/06/2016 16:36
    Rapidamente, os paulistas fariam negócios com TODO O RESTO DO MUNDO, e dane-se Brasília e seus parasitas.
  • Tiago  28/06/2016 16:44
    E se a ONU, a OMC e demais putadas globalizaras estipularem que nenhum país-membro pode fazer comércio com o país São Paulo?

    Esse é o meu ponto.
  • Pobre Paulista  28/06/2016 19:39
    Ué, e se estipularem se ninguém mais pode fazer negócios com o (insira qualquer país aqui)?

    Grande merda, não existe nenhuma entidade global capaz de proibir que países façam comércio entre si.
  • Pessimista  28/06/2016 16:55
    Você é vidente agora?

    Os interesses sempre falam mais altos, e os demais países não deixariam de comercializar com um estado de 40 milhões de consumidores por birra política.
  • anônimo  28/06/2016 17:13
    "Não apenas Brasília mandaria isolar o estado comercialmente, como ainda a ONU, os EUA e a União Europeia também imporiam sanções as mais diversas"

    Não só são paulo, como qualquer lugar iria ter blhoes de clientes em potencial para fazer negócios com o mundo...

    Isso claro se adotasse um livre comercio...

    E os EUA boicotam somente que não tem nada a oferecer a eles, pois eles podem ser globalistas, mas eles não rasgam dinheiro...

    Eu não boto fé nesses movimentos aqui do brasil, pois o foco deles é "garantir" que a arrecadação fique na região, ou seja, um bando de parasita pensando com quem irá ficar o produto do roubo estatal..rs

    Podem ver nas propagandas... "ah se são paulo se separar podemos ter saude , segurança e educação de qualidade, já que os impostos vão ficar aqui " ...rs
  • Ed  28/06/2016 20:02
    Taiwan está nessa situação. E vai muito bem.
  • Edujatahy  28/06/2016 20:21
    O céus. Isto me parece o argumento dos defensores de Cuba que aquele país só não é desenvolvido por causa do "boicote americano".

    Até parece que Brasília teria poder de impedir todos os outros países do mundo de comercializarem com a república de São Paulo . Brasilia poderia fazer o que quisesse que ainda chegaria queijo mineiro aqui, nem que fosse via Paraguai.

    Eu respeito o poder do Leviatã estatal. Mas com exceção única de invasão militar nenhum estado tem o poder de "boicotar" a economia de uma nação estrangeira.

    Imagino apenas a situação. Os produtores cearenses loucos para vender camarão para os restaurantes de São Paulo e Brasília "bloqueando". Sempre existirão os atravessadores.

    Brasília não tem nem de perto tal poder.

    O que os burocratas (e os neocons inclusos) não compreendem é que "nação" é um termo tão abstrato quanto "social" ou "classe". As leis econômicas estão acima de tais coletividades (por mais que os neocons se recusem a aceitar isso).

    Capital não tem pátria. Ainda bem.
  • Joaquim Saad  29/06/2016 01:40
    Medo e covardia inflexíveis alimentam tiranias.
  • Cristiano Resende  30/06/2016 16:13
    A diferença é que São Paulo tem a mesma cultura (mesma língua, transito de pessoas livre....) que o resto do Brasil. Não é o mesmo que a Inglaterra querer sair do UE. Tem muitas distinções nesta comparação.
  • Bode  28/06/2016 15:16
    Entre as causas do Brexit, na minha opinião, estão o desempenho fraco da classe média inglesa no modelo de negócios vigente na UE, a perda de benefícios sociais com as medidas de austeridade adotadas pelo bloco e a concorrência de estrangeiros pelo mercado de trabalho, com a livre circulação de pessoas. Faço torcida para que as medidas doravante adotadas pela Inglaterra não sejam na direção de nacionalismo xenófobo e protecionista, com limitaçãoes ao livre mercado. Se adotarem essa postura fracassarão.
  • Diego  28/06/2016 15:17
    Que falta faz uma urna da smartmatic numa hora dessas né?
    Isso foi bom pros que gostam de debochar de quem fala sobre globalismo e a nova ordem mundial.
    Alguma dúvida de que isso é real?
    E a diferença só não foi maior porque eles tentaram explorar a morte estranhíssima da deputada no final.
    E o que dizer dessa imprensa nojenta?
    O nível de dissimulação, mentira e inversão de valores desses caras é impressionante.
    Assistam o filme do Brexit no yt e entendam do que o UK se livrou.
    Ontem no JN eles simplesmente ignoraram as eleições na Espanha, afinal mais uma vez a direita ganhou. Espere sentado pra ver quando eles vão chamar o pt, psol, pc do b, podemos, syriza e cia de extrema esquerda, ultras, populistas... só quem não presta é a direita, a esquerda são sempre os bonzinhos tolerantes que amam todos.
    O erro no timing desses canalhas é que existe a internet e as gerações de 40 pra cima que sabem lutar e não sofreram a lavagem deles, ao contrário dessa nova geração lamentável de hoje já totalmente abduzida pela esquerda, vide psol, Sanders e cia.

  • Maurício  28/06/2016 16:11
    Mais um moleque babaca e psicótico! A Globo é anti-esquerda até a medula e me aparece um babaquinha reclamando da cobertura das eleições na Espanha que no contexto atual é quase irrelevante, já que não conseguiram maioria para governar.
  • Kubrusly  28/06/2016 16:53
    A Globo não tem nada de anti-esquerda.

    A Globo se tornou, e apenas muito recentemente, antipetista, mas isso qualquer pessoa minimamente decente e culta também é.

    Até 2014, a Globo estava bem contente em quase nunca criticar o governo. No entanto, com a crise econômica e com a total insatisfação popular do governo, não dava mais para posar de isentona.

    Fora isso, a Globo é a principal difusora de toda a agenda progressista no Brasil. Suas novelas e seu jornalismo defendem abertamente o aborto, o gayzismo, o desarmamento e as cotas raciais.

    Se isso é ser anti-esquerda, não quero nem imaginar o que seria ser pró-esquerda.
  • Diego  28/06/2016 18:07
    Eu sou psicótico. A mesma Globo, assim como a quase totalidade da imprensa desse país, que defende toda a agenda da esquerda em todas as suas mídias. A mesma Globo que emprega uma cacetada de esquerdistas. A mesma Globo que em 2002 quando o Brahma assumiu estava falida, 13 anos depois são a família mais rica do Brasil e que receberam mais de 6 bilhões de $ público em publicidade nesse período. Em 2010 teve até almoço na casa do Roberto Marinho pra apoiar a anta.
    https://noticias.terra.com.br/brasil/politica/eleicoes/dilma-tem-coragem-de-fazer-politica-diz-lily-marinho,26281a7142e2d310VgnCLD200000bbcceb0aRCRD.html

    A mesma Globo que parou de transmitir os protestos e ainda teve a coragem de rotular os manifestantes de apoiadores de ditadura pra baixo e generalizou tudo como "contra a corrupção".
    A mesma Globo que baba pro Obama e nunca falou uma vírgula sobre o Foro de São Paulo.
    Me explica essa síndrome de Estocolmo da esquerda que adora chamar a Globo de golpista mas que em mais de uma década no poder encheu a mesma de bilhões e bilhões de reais? Claro que tudo isso não foi de graça.
    É essa Globo que odeia o pt e a esquerda? Piada.


  • O Cavalheiro  28/06/2016 23:39
    A globo não é anti-esquerda, haja visto que produziu o filme do lula, além disso basta ver a quantidade de esquerdistas que trabalharam no jornal o globo (e nas outras áreas do grupo), isso sem contar o que aparece nas novelas.

    Faz tempo que não assisto, mas pelo que me consta o MST apareceu de maneira favorável no rei do gado (inclusive com a interpretação de patrícia pilar...), tendo inclusive a participação de eduardo suplicy e benedita da silva. E "anos rebeldes"?

    Se fosse anti-esquerdista não passaria filmes como "o que é isso companheiro". E a tv mulher? Que tinha marta suplicy como grande nome (e filiada ao pt desde 1981).

    e poderia falar muito mais, os fatos não correspondem a essa ideia de "mídia anti-esquerda".
  • Joaquim Saad  29/06/2016 01:31
    Globo "anti-esquerda"?

    Hunf! Prefiro aquela do papagaio. ;)
  • Andre  29/06/2016 01:59
    "A Globo é anti-esquerda até a medula..."

    De repente fiquei na dúvida se estava lendo o Mises ou um site de piadas.
  • André   29/06/2016 11:18
    É muita desinformação meu Deus do Céu! MAURÍCIO para tudo que vc estiver lendo ou aprendendo. Se até agora vc não entendeu que praticamente toda a mídia brasileira é utilizada como manobra de desinformação pela hegemonia cultural esquerdista no Brasil, sinto muito, mas revise seus conceitos meu caro.
  • LegDf  29/06/2016 12:45
    A globo não é apenas a esquerda ou a direita, a globo é todo esse lixo que é utilizado para controlar a opinião pública e a sociedade. Pouco importa se ela vai se colocar como direita ou esquerda, uma mídia monopolista sempre vai defender o seus interesses e vai estar do lado do estado que a colocou nesta posição privilegiada.
  • JP  28/06/2016 16:34
    Antigamente, todo mundo achava que era teoria da conspiração o globalismo. Hoje, só não vê quem não quer, prefere ficar no seu mundo dogmático do "Como isso é possível? Não pode ser!"

    Podem esperar supostos eventos acontecendo dentro do Reino Unido acusando-os de xenófobos, racistas e todo tipo de classificação utilizada para desqualificar quem não concorda com as políticas socialistas. Mas sabem quem de fato estará orquestrando isso? Os doentes globalistas da UE. Podem anotar isso.

    Vamos ver até onde os ingleses vão se lembrar do pronunciamento de Churchill:


    Nuvens negras pairam novamente sobre a Ilha.
  • ANDRE LUIS  29/06/2016 04:25
    A essa altura ninguém deveria mais se enganar quanto a orígem do esquerdismo da GLOBO. Há muito tempo já se sabe que a emissora pertence na verdade ao grupo TIME, globalista até o fio do bigode em sua terra natal.
    Dentre as suas ações esquerdistas mais flagrantes (ainda mais do que novelas e telejornais) está a contratação de Olavo de Carvalho como comentarista por mais de 10 anos. Olavo já disse mais de uma vez que deve sua audiência virtual aos anos que passou pela grande mídia impressa, e agora certamente está fazendo um õtimo trabalho em retribuição. Olavo quer adiantar a dominação globalista completa do Brasil, lançando no ventilador seus planos de retirar toda a classe política, sabendo que isso certamente colocaria o rótulo de golpistas nos opositores do governo, facilitando a vida dos burocratas da ONU na hora de invadir para "reestabelecer a ordem"
  • Guilherme  29/06/2016 12:50
    A direita anti-Olavo consegue ser tão ou mais caricata que a direita olavista. Impressionante como quase nada se aproveita de ambas.
  • ANDRE LUIS  29/06/2016 14:02
    Bem Guilherme, entendo que vc não queira aproveitar nada das dúvidas legítimas que brotam da relação entre Olavo e a grande mídia. É direito seu. Mas para os que desejam relembrar o passado nem tão distante, aí vai:

    1- Olavo escreveu durante mais de 10 anos, com periodicidade semanal, nos 5 maiores veículos de mídia impressa do país (Jornais Globo, Zero hora, JT, JB, revista Época) se não estou esquecendo de mais algum.

    2- Olavo denunciava o cerco esquerdista da mídia, que bloqueava não só opiniões contrárias, mas até mesmo notícias indesejadas. Ele atribuía o cerco aos próprios jornalistas que se rebelavam contra seus patrões e mandavam nas redações. Estranhamente este cerco jamais o afetou durante 10 anos. Ou ele mentia ou estava dentro do esquema. Não há outra saída.

    3- Olavo sustentou essa tese de cerco esquerdista durante todo o período que esteve na mídia, mas os fatos começaram a gritar contra essa interpretação, e sua máscara começava a cair. Muitos passaram a questionar se não seriam os globalistas a montar o tal "cerco", conforme a lógica dos fatos (patrões escolhem e comandam empregados, não o inverso). Se essa visão prosperasse, sua presença na mídia ia passar a ser questionada abertamente, o que arruinaria sua máscara de anti-globalista, pois ele mesmo seria um funcionário dessa gente, portanto parte do esquema.

    4- Com sua audiência na internet já bem sólida, todos os órgãos de mídia decidiram demití-lo de uma só vez, pois finalmente descobriram que estava "incomodando a hegemonia esquerdista", isso depois de 10 anos! Decidiu-se então que passaria a caminhar com as próprias pernas.

    5- Agora exclusivamente em ambiente virtual, Olavo passou a fomentar a eliminação da classe política e método ucraniano de revolta civil. Nada parecido com o que vinha pregando no passado, que era formar uma classe intelectual antes de atuar em política. Dizia que a atuação política precoce poderia ser arriscado e a mudança através da cultura seria a única forma eficaz de "eliminar o estamento burocrático". O que o fez mudar de idéia?

    6- Poderíamos imaginar onde estaríamos caso seguíssemos os conselhos de Olavo? Uma revolta civil sem apoio da mídia, com base intelectual fraca e sem apoio internacional poderia ser sim o estopim para uma intervenção da ONU, ou ao menos geraria um encrudescimento do governo Dilma, este sim com apoio internacional. Seriam essas as consequências das novas idéias de Olavo. Será que ele não é capaz de prever isso? Seria esse seu objetivo?

    Aí está a fonte da dúvida com relação a Olavo. Que cada um tire suas próprias conclusões.
  • anônimo  29/06/2016 16:36
    'Nada parecido com o que vinha pregando no passado, que era formar uma classe intelectual antes de atuar em política.'

    Não vai ter classe intelectual nenhuma, isso aí é conversa pra puxar o saco dos idiotas que se matriculam no curso dele.

    Olavo é um cretino da pior espécie que não sabe viver sem ser cercado de aduladores sem cérebro.Agora resolveu atacar e processar um monte de gente da 'direita' que nunca fez nada de errado.

    E no mais...
    www.modoespartano.com.br/2016/05/olavo-o-analista-de-schrodinger.html
  • LegDf  29/06/2016 18:41
    A globo é monopólio na mídia brasileira. Durante esse monopólio que começou com a ajuda do governo brasileiro tivemos vários governos, e a globo se manteve nesse posto constantemente. A essa altura ninguém mais deveria se enganar quanto a polaridade falsa que existe na democracia brasileira. Uns dizem que a globo é de esquerda, outros dizem que é de direita, essa confusão só existe por que ela é as duas coisas, alternando de lado de tempos em tempos entre uma e outra.
    Sobre você dizer que devido ao Olavo ter trabalhado por 10 anos na grande mídia ele mente ou está dentro do esquema, não faz sentido. Eu abasteço meu carro em postos da BR, mas isso não quer dizer que eu defendo o monopólio de exploração de petróleo no Brasil.
    O Olavo defende uma mudança na sociedade através da formação de uma classe intelectual culta. Intervenção militar ou impeachment tem que está dentro de uma estratégia política.
  • Andre  29/06/2016 19:16
    "...essa confusão só existe por que ela é as duas coisas, alternando de lado de tempos em tempos entre uma e outra."

    Ok, poste três links comprovando momentos em que a globo apóia ideias de direita.
    Como, por exemplo:

    Defendendo a privatização da Petrobrás. (Redução do estado)
    Defendendo o fim da Anatel. (Redução do estado)
    Defendendo o fim do desarmamento. (Liberdade individual)
    Defendendo o fim, ou redução massiva, dos impostos que impedem a importação de produtos estrangeiros, como carros e feijão. (Redução do estado)
  • LegDf  30/06/2016 13:48
    Esse não é o papel da mídia monopolista. O papel deles é transmitir o teatro e alienar o povo. Os partidos políticos é que defendem (ou deveriam defender) tais políticas. Agora veja que nenhuma dessas medidas que você citou são defendidas pelos partidos atualmente dominantes, e se defendem, é de forma bastante moderada. E outra, a grande mídia, na época das privatizações do FHC e da criação da ANATEL também não se opôs. Sendo assim, a grande mídia é neutra a não se opor a nenhum dos lados, mas é ativa ao transmitir informações dessa forma, contribuindo assim, com o partido que está no poder.
  • Andre  30/06/2016 17:00
    Então a mídia no Brasil não alterna de lado entre esquerda e direita.
    Ela alterna entre esquerda e centro-esquerda apenas.
  • walter azevedo  04/07/2016 18:03
    Felizmente vc está errado. A nova geração brasileira é libertária. Duvida? Veja como os movimentos MBL, USP LIVRE, SÃO PAULO LIVRE, NORDESTE LIBERTÁRIO e etc. estão crescendo, e os integrantes são majoritariamente entre 18 e 40.
  • anônimo  04/07/2016 18:35
    E desde quando eles representam toda a nova geração?
  • Livre Mercado  04/07/2016 19:12
    Também concordo que estes poucos libertários, liberais e conservadores não representam nem 1% da juventude atual, mas já é um grande avanço comparado a 2 anos atrás.
    E estes poucos racionais são a melhor chance desse país.
  • Emerson Luis  09/07/2016 11:17

    A Globo e o restante da mídia em geral é como o PMDB:

    Não tem ideologia de fato, é fisiológica, simplesmente toma o lado de quem está no poder.

    Claro que muitos jornalistas e outros profissionais da mídia são esquerdistas devotos.

    * * *
  • MarcioAB  28/06/2016 15:22
    Estão fazendo tempestade em copo de agua. Como tudo, uma união entre elementos LIVRES tem vantagens e desvantagens, bem diferentes, para cada elemento. Essa união precisa ser constantemente re-avaliada por cada elemento e quem considera se esta havendo mais vantagem que desvantagem é o proprio elemento. Quando os elementos são agrupamentos de pessoas, esse sistema fica ainda mais complexo e a unica forma de avaliar é atraves de uma votação democratica, de preferencia sem terrorismo. Gosto pessoal e voto não se discute (lamenta-se eventualmente).
  • Victor Souza  28/06/2016 15:32
    Os globalistas jamais iam deixar barato essa saída, eles farão de tudo para prejudicar o RU como forma punição. O terrorismo que a imprensa está fazendo com o Brexit é só o começo.
  • Fernando  28/06/2016 16:43
    Inglaterra é potencia nuclear e militar, não podem mexer com ela.
  • Miguel Heinen   28/06/2016 15:33
    O Parlamento Europeu, tal e qual o "nosso", é composto de mafiosos, canalhas e parasitas.
  • MarcioAB  28/06/2016 16:33
    É ... mas é necessario considerar 2 coisas:
    (1) isso já é passado, ja é historia.
    (2) ingles é jogo duro (que digam os argentinos, os nazistas, etc)
  • murilo  28/06/2016 16:42

    Derrocada do comércio britânico? que nada, alegrai-vos, a tendência agora é de fortalecimento dos comércios bilaterais sem o emperramento das regulações burocráticas. Inclusive para nós. Vejam em:

    www.midiasemmascara.org/artigos/internacional/europa/16585-2016-06-27-19-22-57.html


  • Renato  28/06/2016 17:48
    Reclamam do estado e não batem naqueles que mantém o estado: A CLASSE POLÍTICA.

    Se queremos ficar livres dessa corja temos que aos poucos alertar a todos sobre como é danoso para o bolso das pessoas e para os cofres do país a existência dessa classe parasitária chamada político.

    Em artigos anteriores eu percebi o aumento dos interessados que gostaram da minha ideia de criar um grupo para essa finalidade: A ELIMINAÇÃO DOS POLÍTICOS COMO CLASSE.

    Eu já expus aqui um principio de como iniciaríamos essa empreitada:

    Criaríamos um empreendimento para a função de alerta aos empreendedores. Sejam eles pequenos, médios ou grandes empreendedores.

    Um grupo poderia ser criado, mostrando o nosso cartão de visita, para fazer o trabalho de divulgação entre os empresários. Assim que contratados, de comum acordo com os mesmos (troca voluntária), estabeleceríamos um preço razoável para começar a imprimir cartilhas explicando as pessoas, dentro do estabelecimento do contratante, se assim esse desejar, mais principalmente nas ruas.

    Poderíamos também criar grupos de associados para que cada vez mais a mensagem de anti-políticos ganhasse mais força através de palestras e encontros.

    Mostraríamos aos poucos para as pessoas que pagar impostos é uma falácia. Só serve para sustentar a classe política...e também mostraríamos a existência de moedas digitais, como o bitcoin, por exemplo, para o empresário e para as pessoas comuns.

    Aos poucos vamos tirar essa mentalidade estatal da cabeça das pessoas.

    Como eu sou da CIDADE do Rio de Janeiro, ficaria melhor que pessoas daqui entrassem em contato comigo.

    Trabalharíamos como se fossemos "fantasmas". O investimento seria feito diretamente com empresários que assim solicitasse nosso serviço.

    É claro que esse grupo crescendo vamos criar e ter contato com pessoas de outros estados e até mesmo em nações estrangeiras.

    Para os interessados meu email é galenoeu@gmail.com
  • Body  28/06/2016 21:54
    #tamojunto
  • Renato  28/06/2016 23:40
    Mande um e-mail para mim.
  • Guimarães  28/06/2016 17:53
    Filmaço!!!!

    Brexit: O Filme

    BREXIT O FILME é um documentário para inspirar as pessoas a votarem para DEIXAR a UNIÃO EUROPÉIA no referendo de 23 de Junho de 2016.

    https://www.youtube.com/watch?v=QbjYi1QrTWY
  • JP  28/06/2016 20:56
    Com as devidas proporções, o documentário reflete muito bem a vida dos brasileiros e não somente dos britânicos.
  • Renan Merlin  28/06/2016 17:57
    Eu acho engraçado que os mesmos que chamam a Inglaterra de xenofobica por não querer as patas da união europeia se metendo em seus interesses defende protecionismo pros empresas nacionais. Ou seja, não querer que o consumidor brasileiro tenha acesso a produtos estrangeiros tambem nao é xenofobia?
  • Tony  28/06/2016 20:36
    Bem observado.
  • Alexandre Goncalves  30/06/2016 13:26
    Muito bem lembrado.
  • SPexit  28/06/2016 18:14
    Eu espero, do fundo do meu coração, que o povo paulista consiga a sua liberdade após séculos de opressão e subjugação de Portugal e de Brasília.
    Eu, como paulista, não ligo do meu futuro país ser boicotado por globalistas ou empobrecer por perda de multinacionais, eu quero meu povo o mais longe possível das garras da tal "Nova Ordem Mundial", ordem essa que é ampara por brasília.
    Aliás, o Brasil tem servido a muito tempo de laboratório para os planos globalistas por ser uma espécie de microcosmo do mundo (o país é muito desigual, além de ser formado por povos de diversas partes de mundo), prova disso foi quando Getúlio Vargas fez a lamentável cerimônia de queima das bandeiras estaduais, que nada mais é do que um simbolismo da nova ordem vindoura.
  • Pobre Paulista  28/06/2016 19:40
    Tô dentro
  • Henrique Zucatelli  28/06/2016 20:49
    Eu também, e já venho apoiando essa empreitada faz um tempo.

    Tenho plena certeza que se promovermos a secessão, estabelecermos o livre comércio, garantia a propriedade e poucas leis, mas cumpríveis, seremos primeiro mundo em menos de 10 anos.

    Mas afinal, como começamos isso de fato? Essa parte eu mesmo falei e esqueci (risos).

  • Andre  29/06/2016 02:02
    "Eu espero, do fundo do meu coração, que o povo paulista consiga a sua liberdade após séculos de opressão e subjugação de Portugal e de Brasília.".

    Também acho que seria ótimo.
    Pelo que entendo quanto menores os países mais liberdade eles têm, salvo exceções comunistas.

    Caso isso ocorra irei emigrar para São Paulo.
  • Henrique Zucatelli  29/06/2016 15:50
    E será muito bem vindo!
  • Joaquim Saad  29/06/2016 22:39
    Tamos aê !

    Esta mensagem sucinta de um "XXExit" é a mais eficaz em concentrar no alvo único da secessão toda a atual insatisfação das pessoas com o status quo.

    Reproduzo e novamente agradeço ao Pobre Paulista pelos links a seguir:

    https://www.facebook.com/MrspOficial
    saopaulomeupais.blogspot.com.br/

    []'s
  • Emerson Luis  09/07/2016 11:29

    Talvez seja mais viável descentralizar o governo brasileiro e maximizar a autonomia dos Estados, transformando o Brasil em uma autêntica Federação ou mesmo Confederação. Assim o Brasil continuaria sendo tecnicamente um só país, mas na prática se tornaria vários países inter-relacionados.

    A vantagem dessa estratégia é que o resultado seria basicamente o mesmo (autonomia), mas a maior parte do Brasil não perceberia e não faria a mesma oposição que faria à secessão explícita.

    * * *
  • Livre Mercado  28/06/2016 18:44
    As esquerdas estão indignadas com o Brexit, para estes um retrocesso histórico em sua inevitável marcha para o socialismo. Tolos os que classificam as frases proferidas pelos políticos pró UE, pela imprensa, pelos jovens e ditos progressistas de demagogas e contraditórias, sabem muito bem o que estão dizendo, vão dizer quantas vezes for necessário até o maior absurdo possível se tornar verdade cristalina.
  • Rafael  28/06/2016 20:00
    "Em decorrência do referendo do Reino Unido, mais quatro países já anunciaram que também farão referendos para sair da União Europeia: Holanda, Itália, França e Dinamarca."

    É certo que haverão referendos sobre isto nestes países? No link encontrei apenas políticos e partidos manifestando o desejo de que ocorram referendos, nada concreto.
  • Johann  28/06/2016 20:02
    Quem por algum acaso lembra de como Rothbard falava acerca de como monopólios e cartéis não sobrevivem por longo tempo em uma livre competição, e que sua permanência depende de algum grau de coerção e ameaça? O #BREXIT é praticamente uma prova cabal do que ele já havia escrito.
  • anônimo  28/06/2016 20:07
    E, de novo, tão eficaz foi essa estratégia, que já um movimento conclamando um novo referendo, com o intuito de reverter o resultado anterior.

    Não estás falando da trollada federal dos 4channers e dos anonymous, está?
  • Mateus Menezes  28/06/2016 20:14
    "Por outro lado, se o Reino Unido provar que é possível sair da UE, manter relações comerciais amigáveis e continuar sendo uma economia global dominante, então isso significaria o início do fim da União Europeia. Se outras nações perceberem que é possível escapar da Burocracia de Bruxelas sofrendo apenas complicações de curto prazo, isso certamente levará a um êxodo daquela união política destinada ao fracasso."

    Isso explica tudo!
  • Mr Citan  28/06/2016 20:54
    Vale lembrar que o tal "movimento conclamando um novo referendo", foi na verdade uma grande farsa, aonde a maioria das assinaturas foram feitas graças a "bots" programáveis, que incharam os resultados.
    Um dos que programaram um dos bots, confirmou que chegou a votar 33.000 vezes enquanto tomava banho.

    A imprensa local já declara que o referendo é uma farsa, mas a imprensa bananense que é globalista e esquerdista na maior cara de pau, ainda não deu um pio sobre isto.
    www.bbc.com/news/technology-36640459
  • luiz lobo filho  28/06/2016 21:00
    Isso só prova a tirania que eles vão impor quando as soberanias nacionais não existirem. Mas isso #jamais acontecerá, jamais.
  • Tiago RC  28/06/2016 21:30
    Não acho que vão retaliar de maneira concreta não. Políticos são fdps mas não são burros, e devido a como funciona a democracia devem sempre pensar no curto prazo. Uma retaliação comercial custará caro no curto prazo para a UE também, o RU é uma economia enorme, o volume de comércio entre eles é muito significativo.

    O RU provavelmente vai entrar na área comum. E sim, isso irá incitar outros países, notadamente os que pagam mais do que recebem (os nórdicos, a Holanda etc) a saírem também. Se isso começar a acontecer, talvez a UE contenha seus ímpetos socialistas e volte a ser um grupo menos distribucionista e autoritário, como era no passado. Pensamento positivo!
  • Hilton  28/06/2016 22:04
    Excelente o artigo. Nada que se encontre na grande midia. Parabéns.
  • pedro  28/06/2016 22:47
    Ao conseguirem desvalorizar a libra, a Inglaterra, pelo menos durante um bom tempo, terão suas exportações alavancadas, ou seja, os burocratas europeus poderão não conseguir o intento de derrubar as exportações inglesas.
  • Corretor  28/06/2016 23:14
    Só no curtíssimo prazo (não mais do que três meses). Após isso, os efeitos deletérios da inflação de preços gerada pela desvalorização da moeda começam a fazer efeito e derrubam as exportações.

    A empiria comprova a boa teoria: desvalorizar o câmbio piora a economia e reduz as exportações

    O legado humanitário de Dilma - seu governo foi um destruidor de mitos que atormentam a humanidade
  • pedro  28/06/2016 22:53
    Se a frança joga a Inglaterra para o alto, perde dezenas de milhões de consumidores de seus caros produtos agrícolas, protegidos pela UE. Enquato isso, a Inglaterra estará livre para comprar os produtos agrícolas nos mercados que lhe forem mais favoráveis.
  • maicon rodrigo de morais  28/06/2016 23:43
    Agora o UK vai poder fazer comércio com o resto do mundo tranquilamente, sem amarras. Melhor para ele,s ou a EU vai fazer um cerco ?
  • Gabriel  29/06/2016 03:47
    O Reino Unido tem a chance de esfregar na cara da UE que eles são um entrave ao desenvolvimento econômico, como bem disse o artigo.

    Eu estava vendo que o Reino Unido era um dos maiores entusiastas de um acordo comercial entre Brasil e UE, porém os franceses (cancer da Europa) sempre travavam as negociações.
  • Matheus  29/06/2016 14:54
    Excelente artigo!
  • NATALIA  30/06/2016 03:59
    Esse professor de história cita Mises no fim do texto. Qual é a opinião do Instituto?
  • AndreN   30/06/2016 14:26
    Bom dia! Alguma recomendação de artigo aqui no IMB sobre a situação da economia japonesa na visão sa Escola Austriaca? Grato. Andre
  • AndreN  30/06/2016 15:27
    Obrigado!
  • Harukiro Kuroda  30/06/2016 15:36
    Ótima seleção! Porque a ferramenta do site às vezes é uma tristeza...

  • anônimo  02/07/2016 00:12
    O ideal é balança comercial zerada. Ou seja, importações iguais a exportações.

    Isso é a melhor coisa para as pessoas não encherem a paciência, não torrarem o meu saco, não ter problema de câmbio, manter os níveis de moeda estrangeira dentro do país, etc.

    Ficar nessa de luta de câmbio, não leva a lugar nenhum.









  • Emerson Luis  09/07/2016 11:35

    A nova moda da esquerda mundial é usar a palavra "golpe"?
    _ _ _

    Dois vídeos sobre o assunto:





    * * *
  • Marco de Tropoja  04/09/2016 16:00
    #braexit do MERCOSUL
  • Alexandre Sousa  02/01/2018 23:18
    Essa desunião europeia escancarou as portas da Europa para uma grande invasão de imigrantes. Imigrantes que chegaram á matar europeus em varios atentados. O politicamente está impedindo os europeus que imporem sua vontade num continente que sempre lhes pertenceu, e são obrigados á literalmente dormir com o inimigo. A europa está tão perigosa quanto Israel. É o fim do mundo europeu.


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.