clube   |   doar   |   idiomas
A Origem do Fed

"Creio que as instituições bancárias são mais perigosas para as nossas liberdades do que exércitos permanentes. Se o povo americano algum dia permitir que bancos controlem a emissão de moeda, primeiro por inflação, depois por deflação, esses bancos - e as corporações que inevitavelmente crescerão ao redor deles - irão despojar as pessoas de todas as suas propriedades até o ponto em que seus filhos estarão completamente desabrigados - justamente no continente que seus pais conquistaram." (Thomas Jefferson, 1802)

 

A maioria das pessoas assume como certa a necessidade de existência de um banco central na economia. Poucos questionam sobre as origens dos bancos centrais, ou como era antes de sua existência. O economista Murray Rothbard foi uma rara exceção, e seus estudos sobre o tema levaram ao livro The Case Against the Fed, no qual ele conclui que o banco central americano deveria ser simplesmente extinto. Em sua opinião, a própria criação do Federal Reserve foi o resultado de um poderoso cartel de bancos tentando se proteger de saques e objetivando manter a capacidade de expandir "indefinidamente" o crédito. Da simbiose entre governo e grandes banqueiros nasceria o poderoso instrumento de gerar inflação e redistribuir renda.

A própria definição correta de inflação não é aumento no nível de preços, mas sim na quantidade de moeda. O aumento nos preços dos bens é uma conseqüência da inflação, pois a maior oferta de moeda, ceteris paribus, leva a uma queda relativa no seu valor. O público não tem o poder de criar mais moeda. Somente o governo, através do banco central, tem este poder. Qualquer um que imprimir papel-moeda em casa é acusado do crime grave de falsificação. Todos entendem que isto, se feito em grande escala, faria com que os demais sofressem perda no valor de suas rendas. Além disso, não é difícil perceber que o falsificador transfere riqueza dos outros para ele mesmo, pois quando os efeitos da maior oferta de dinheiro forem sentidos, ele já se apropriou dos bens comprados.

A mesma lógica se aplica quando é o governo que cria mais moeda do nada. O resultado final é a transferência de riqueza para os primeiros beneficiados com os gastos financiados com o novo papel. Foi com isso em mente que Alan Greenspan escreveu em 1967, quando ainda não havia sido seduzido pelo poder, que o déficit do governo era simplesmente um esquema para o confisco escondido de riqueza. Logo, se a inflação crônica é causada pela contínua criação de mais moeda, e se apenas o banco central tem o poder para emitir moeda, quem é o responsável pela inflação? No entanto, todos aceitam sem muita reflexão que o banco central é o grande inimigo da inflação, o vigia que vai proteger a poupança de todos contra seus males. Para Rothbard, isso é análogo ao ladrão que começa a gritar "Pega, ladrão!" e corre apontando o dedo para os outros.

A origem da moeda não foi um contrato social ou um decreto arbitrário decidindo de cima para baixo qual seria a moeda aceita. Foi sempre uma escolha livre dos agentes de mercado, para facilitar as trocas. Várias commodities já foram escolhidas como moeda, mas o ouro sempre acabou prevalecendo onde era possível. Algumas características tornam o ouro peculiar, como seu valor intrínseco pela sua beleza, sua oferta limitada, sua portabilidade, sua divisibilidade, sua homogeneidade e sua elevada durabilidade. Tais qualidades sempre fizeram do ouro uma escolha natural do mercado, e também um inimigo implacável dos governos perdulários. Justamente por isso vários governos dificultaram o acesso ao ouro, impuseram um papel sem lastro como meio obrigatório de pagamentos e, em alguns casos, chegaram a transformar a posse do ouro em ato ilegal, como nos Estados Unidos em 1933. O déficit do governo fica bastante limitado sob o padrão-ouro, e por este motivo os defensores de mais governo sempre atacaram o metal. No fundo, eles lutam pelo direito do governo de gerar inflação, ainda que o discurso seja dissimulado.

A propaganda do governo foi tão eficaz que atualmente as pessoas consideram inconcebível uma fase prolongada de queda nos preços dos produtos. O governo incutiu com sucesso um verdadeiro pânico da palavra "deflação", entendida pelos leigos como redução dos preços finais. Entretanto, desde o início da Revolução Industrial até o começo do século XX, os preços gerais apresentaram trajetória de queda, com a exceção de períodos de guerra, quando os governos inflaram a oferta de moeda. Mesmo hoje em dia é possível ver a redução constante nos preços de inúmeros produtos com avançada tecnologia, como computadores ou televisores, sem que isso represente uma depressão para o setor. Pelo contrário, o aumento da produtividade permite lucros maiores apesar da redução nos preços finais.

Na verdade, o governo não é o único agente capaz de criar inflação. Os bancos podem obter o mesmo resultado através do crédito intangível. Rothbard resgata da história duas funções distintas dos bancos em suas origens. A primeira delas era servir como um cofre para os depósitos de ouro e outros bens. Em outras palavras, um depósito de dinheiro, que emitia um recibo em troca, garantindo a entrega do bem quando demandado. Para este serviço de armazenagem era cobrada uma taxa. A outra função era interligar poupadores e investidores, também cobrando uma taxa por isso. A mistura de ambas as funções, segundo Rothbard, não passou de uma fraude.

Qualquer armazém honesto que guarda um bem em troca de um recibo garante a segurança do bem. Se alguém depositar uma jóia valiosa no cofre, com certeza espera que ela esteja protegida e disponível para resgate a qualquer momento. Seria impensável imaginar que o dono do cofre emprestou a jóia para terceiros, cobrando juros. O objetivo era apenas proteger o bem. No entanto, a moeda sendo homogênea e sem carimbo pode ser facilmente utilizada pelo banco para novos empréstimos, pois nada garante que a sua moeda está guardada nas reservas bancárias. No caso de um banco com 100% de reservas sobre depósitos, de fato seu dinheiro está guardado no cofre. Mas quando se trata de reservas fracionárias, o banco está se alavancando em cima do seu dinheiro, e é falsa a afirmação de que seu depósito está disponível para saque a qualquer momento. Isso só funciona quando algumas poucas pessoas resolvem resgatar, pois quando muitos decidem sacar seus depósitos ao mesmo tempo, o banco não tem lastro para honrar sua dívida com os depositantes. Uma corrida bancária expõe automaticamente um fato ocultado pelos bancos: sua total insolvência.

Os bancos desfrutam, portanto, do poder de multiplicação monetária através do crédito sem lastro. Nem sempre foi assim, como mostra Rothbard. O esquema de reservas fracionárias não passa de uma fraude, segundo o economista. Os bancos assumem o compromisso de pagar seus depósitos imediatamente, mas não são capazes de honrar este compromisso com todos os depositantes. Isso seria ilegal com todos os outros bens, menos com o dinheiro. E quanto mais os bancos emprestam em cima de seus depósitos, maior o risco de uma repentina perda de confiança e uma corrida bancária. Por isso há o interesse em formar um cartel de bancos, firmando um acordo para cada um aceitar os recibos dos outros sem demandar os resgates possíveis. Se os bancos começam a demandar resgates desses recibos recebidos como forma de pagamento dos seus clientes, o sistema se mostra insolvente como um todo. O castelo de cartas desaba.

Juntando a fome do governo por recursos, com a vontade de comer dos bancos, a criação de um banco central é o próximo passo natural. Para o governo, o banco central representa uma boa solução para financiar seus gastos e déficits através do "imposto inflacionário", e para os bancos ele serve para remover os limites da expansão de crédito. Atuando como o emprestador de última instância, o banco central pode ajudar a manter a confiança nos bancos insolventes. A história mostra que a origem dos principais bancos centrais realmente esteve ligada a estes interesses. O Bank of England, por exemplo, foi criado para ajudar a financiar o grande déficit do governo com as guerras. Nos Estados Unidos, os defensores de um banco central sempre foram os herdeiros intelectuais de Hamilton, membros dos partidos Whig e Republicano. Eram os mesmos que defendiam tarifas protecionistas e subsídios do governo para indústrias nacionais. Tinha que haver uma forma de financiar isso tudo.    

O pânico de 1907 finalmente forneceu o pretexto conveniente para os defensores de um banco central. A propaganda por um banco central já vinha atuando desde 1896, mas encontrava sempre forte resistência. A crise gerou o momento adequado para convencer os demais. O que Rothbard mostra é que os grandes banqueiros, como Morgan e Rockfeller, estavam por trás desta demanda pela criação de um banco central. A crença de que os próprios banqueiros desejavam um regulador para limitar sua liberdade por puro altruísmo parece bastante ingênua. Seres humanos em geral não são chegados a um sacrifício pelo bem-geral, muito menos os banqueiros poderosos. Logo, podemos assumir que havia um total interesse por parte dos grandes bancos na existência de um banco central. Rothbard entende que a razão por trás disso era o desejo de preservar a capacidade de inflar moeda dos bancos.

Em 1913, os banqueiros e intervencionistas venceram a disputa e o Federal Reserve System foi criado, com o monopólio da emissão de moeda e a função de emprestador de última instância. O resultado: desde então, os Estados Unidos experimentaram períodos mais intensos de inflação, e depressões mais profundas do que antes. A crise atual nada mais é do que uma conseqüência desse modelo. Alan Greenspan, que fora um ferrenho defensor do padrão-ouro e que compreendia os enormes riscos inflacionários do Fed, acabou se tornando um dos principais responsáveis pela inundação de liquidez que permitiu o surgimento da bolha que agora estourou. E atualmente, Ben Bernanke assumiu o controle do poderoso "templo", disposto a esticar ainda mais os limites do Fed para salvar os bancos insolventes. Ele conta com o entusiasmado apoio de intervencionistas como Paul Krugman, e claro, dos próprios banqueiros. Que poupador pode se sentir protegido com um vigia desses?



autor

Rodrigo Constantino
é formado em Economia pela PUC-RJ e tem MBA de Finanças pelo IBMEC. Trabalha desde 1997 no mercado financeiro, primeiro como analista de empresas, depois como gestor de recursos. É autor de cinco livros: "Prisioneiros da Liberdade", "Estrela Cadente: As Contradições e Trapalhadas do PT", "Egoísmo Racional: O Individualismo de Ayn Rand", "Uma Luz na Escuridão" e "Economia do Indivíduo - o legado da Escola Austríaca".


  • André Poffo  05/02/2011 21:44
    Artigo bem esclarecedor. Eu diria que faltam algumas coisas a serem compreendidas que o Autor deixou de lado. Faltou esclarecer a origem das crises antes do FED e a origem do cartel dos bancos.
  • Tiago RC  07/02/2011 07:22
    A seção Histórico desse artigo comenta sobre as "crises" anteriores ao FED: www.mises.org.br/Article.aspx?id=687

    E sobre cartel de bancos, foi o FED que permitiu isso. Existiam muitos mais bancos antes. Milhares de bancos quebraram justamente após a grande depressão causada pelo FED: en.wikipedia.org/wiki/Great_Depression_in_the_United_States#Facts_and_figures
  • Andre Poffo  07/02/2011 22:31
    Sim, já li este artigo, é ótimo.

    Mas digo, o 'cartel' que fez com que surgisse o FED.

    Se num livre-mercado, os bancos inevitavelmente se juntam para formar um Banco Central, logo estamos perdidos.

    No artigo citado, é comentado sobre algumas leis interestaduais, que permitiam alguns monopólios e oligopólios, mas não é completamente esclarecido.
  • Tiago RC  08/02/2011 07:26
    Pessoas se juntando para trabalhar em conjunto é algo perfeitamente normal.

    O que não existiria num livre mercado é a opção desse grupo passar um texto pra um deputado safado transformar em lei e garantir um monopólio a esse grupo de pessoas. Por isso um banco central, nesses termos, não poderia existir num livre mercado.

    Se os bancos quisessem apenas se juntar para ajudar uns aos outros a lidar com as dificuldades das reservas fracionárias, por ex., isso não seria nada de mais, tampouco seria um "banco central".
  • Andre Poffo  10/02/2011 20:44
    Leu o que eu escrevi? Posso reescrever todo o post anterior, pois não esclareceu nada.
    E 'sempre existirá crises' não é a resposta adequada, como nosso amigo augusto comentou.
  • Augusto  10/02/2011 23:18
    André,\r
    \r
    Se você quer uma explicação detalhada para a origem de cada crise no sistema monetário americano antes da criação do FED, realmente é algo além do meu alcance.\r
    \r
    Porém, se você quer uma explicação genérica, a minha é perfeitamente válida: sempre existirao fraudadores, sempre existirao eventos naturais catastroficos, sempre existirao guerras, etc. ... cuja consequência será um desequilíbrio temporário no sistema.\r
    \r
    Meu ponto era apenas o seguinte: mesmo sem o FED, mesmo sem leis de "legal trender", ainda assim podemos ter crises. É importante dizer isso porque uma das críticas comuns à E.A. é de que ela fantasia um mundo perfeito onde todos são pacíficos e ansiosos para cooperar uns com os outros.
  • Andre Poffo  10/02/2011 23:51
    Ah sim, estou perfeitamente de acordo.
    Eu não quis dizer que não existirão crises, mas também não perguntei exatamente isso.
    É que eu desconheço bastante da história dos EUA no século XIX. Queria alguma indicação para ler algum ponto de vista na visão austríaca. Entende?

    Mas devemos concordar que sem o monopólio da oferta monetária, as recessões seriam extremamente menores e menos prejudiciais.
  • Augusto  11/02/2011 06:43
    André,\r
    \r
    Um bom lugar para começar é "The panic of 1819", que se não me engano foi a tese de doutorado do Murray Rothbard: mises.org/rothbard/panic1819.pdf
  • augusto  08/02/2011 00:54
    Andre,\r
    \r
    Crises sempre existirao - sempre existirao fraudadores, sempre existirao eventos naturais catastroficos, sempre existirao guerras, etc.
  • Artur Reis  10/02/2011 19:04
    Mas afinal, o FED é particular ou não ??
  • Artur Reis  13/02/2011 10:24
    Alguem ??
  • Leandro  13/02/2011 10:56
    Artur, o presidente do Fed é apontado pelo presidente americano, e a autoridade do Fed é derivada do Congresso americano, o qual tem poderes de supervisão sobre o Fed -- embora não tenha poderes sobre a política monetária que este adota.

    Ademais, o presidente do Fed, após ser escolhido pelo presidente americano, precisa ser aprovado pelo Congresso.

    É também o governo quem determina os salários de alguns dos funcionários do alto escalão do Fed.

    Agora,?o Fed é "privado" apenas no sentido de que não sofre qualquer auditoria política. Trata-se de uma caixa-preta mais impenetrável do que a CIA.
  • Artur Reis  13/02/2011 11:04
    Obrigado Leandro, creio que tais politicas não passam de estrategias para maquiar os verdadeiros xerifes, os principais beneficiarios do sistema, os banqueiros...
  • Emerson Luis, um Psicologo  28/12/2013 22:23
    Agora que os bancos centrais já estão instituídos há décadas e a maioria das pessoas os considera parte da Natureza por terem passado a vida toda com sua influência e não conhecerem os fatos históricos e o conhecimento da TACE, sua extinção será muito difícil. Mas é possível.

    * * *
  • Eduardo R., Rio  17/01/2015 04:50
  • Amarilio Adolfo da Silva de Souza  18/03/2015 22:54
    Governo é roubo.
  • Anderson Pimentel  14/07/2017 04:50
    E pensar que foi Rodrigo Constantino que escreveu este excelente artigo . Como as pessoas mudam...


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.