clube   |   doar   |   idiomas
A pequena cripto que pode proteger o indivíduo da sanha estatal

Seria possível desenvolver uma afeição sincera e profunda por uma simples cadeia numérica binária formada por 1s e 0s?  É assim que me sinto em relação ao Bitcoin nesse exato momento. 

Não dá para não ter orgulho desta pequena ferramenta, uma implausível criação tecno-monetária que, apenas seis anos atrás, somente um punhado de pessoas acreditava que iria funcionar.  Hoje, o Bitcoin está se revelando um refúgio seguro para todo o mundo.

Se tal realidade não for o bastante para levar um pouquinho de humildade a uma fatia das elites financeiras e econômicas, então nada mais poderá fazer isso.  Baseando-se na teoria tradicional, não teria como o Bitcoin existir.  Ele não foi criado por nenhum poderoso Banco Central; não foi criado por nenhum Congresso de políticos; não foi criado por nenhum acadêmico medalhão.  Ele foi criado por um programador que utilizava um nome falso e foi divulgado em um pequeno fórum de internet frequentado exclusivamente por nerds cujo único poder era sonhar de uma maneira inovadora.

De janeiro a outubro de 2009 — ou seja, durante 10 meses —, o Bitcoin existiu sem ter absolutamente nenhum valor.  E, ainda assim, algumas centenas de pessoas ao redor do mundo continuaram trabalhando nele, tentando aperfeiçoá-lo, melhorando as redes de comunicação, e testando-o para vários propósitos. 

E então, repentinamente, aquela grande curvatura da história se manifestou.  No dia 5 de outubro de 2009, o Bitcoin alcançou um pequeno valor de mercado.  Essa foi a primeira indicação tangível de que a invenção poderia funcionar.

Tenha em mente que praticamente ninguém, àquela época, acreditava que seria possível inventar uma nova moeda global criada inteiramente por códigos de computador, fora da tradicional estrutura do sistema bancário, sem estar lastreada por nenhum ativo físico (ou por promessas governamentais), sem nenhum investimento de capital, sem nenhum grande nome por trás do projeto, e sem nenhum apoio de nenhuma instituição.

E, ainda assim, lá estava o Bitcoin naquele belo dia, ganhando valor de mercado, como um pequeno broto germinando do chão, indicando que aquela coisinha ínfima estava viva e poderia crescer.

E como cresceu!  Nada me entristece mais do que ver algumas pessoas falando que o Bitcoin tem sido uma decepção porque sua atual taxa de câmbio em dólar (1 BTC está valendo US$ 271) ainda está menor do que o pico alcançado há 18 meses (quando 1 BTC chegou a valer US$ 1.100).  Ora, que o Bitcoin tenha algum valor já é, por si só, algo fantástico.  Que ele tenha conseguido alcançar a paridade com o dólar é algo quase que milagroso.  E que ele hoje tenha se tornado um porto-seguro em um mundo repleto de grilhões monetários é algo nada menos que espantoso.

Mais uma vez, o Bitcoin já está empertigando suas plumas em meio às recentes notícias sobre a calamidade grega, a pressão sobre o euro, e o derretimento da bolsa de valores da China.  Antes, sempre que havia um cataclismo econômico ao redor do mundo, os investidores corriam para o ouro para proteger suas riquezas.  Porém, nos últimos 30 dias, o ouro caiu. [N. do E.: caiu quando cotado em dólares; se cotado em real, o ouro está em seus níveis historicamente altos].  Com efeito, o atual preço do ouro (em dólares) parece estar sendo determinado quase que totalmente pelo seu uso industrial, e não como ativo monetário — uma mudança e tanto para uma commodity que, por 6.000 anos, foi a personificação da moeda forte e da proteção contra incertezas.

E essa pequena e miraculosa ferramenta digital parece ser a responsável por esse desalojamento do ouro.  Veja a evolução do preço do Bitcoin (em dólares).  Esse magnífico gráfico é uma refutação ambulante a todos os Bancos Centrais, medalhões acadêmicos e planejadores econômicos mundo afora.

20150706_btcprice.png

Figura 1: no gráfico superior, a evolução do preço do Bitcoin, em dólares, de 6 de junho a 6 de julho de 2015; no gráfico inferior, o volume total de bitcoins transacionados a cada 24 horas

E considere isso também: não é só o Bitcoin que se beneficiou com as recentes instabilidades econômicas.  Todas as cripto-moedas estão tendo um ótimo desempenho — até mesmo o Dogecoin, que nasceu como uma piada, mas que hoje tem um valor total de mercado de aproximadamente US$ 20 milhões.

E palmas para o Litecoin também, que alcançou uma taxa de câmbio de US$ 5 por unidade.  O Litecoin ainda vive à sombra do Bitcoin, mas isso pode mudar.  Assim como a teoria previa que o Bitcoin não poderia existir, o Litecoin também causa espanto. (Siga todas as cripto-moedas no site BraveNewCoin.com)

20150706_coins.png

Figura 2: lista de cripto-moedas existentes e seus respectivos códigos, preço em dólar (taxa de câmbio), quantidade total existente (oferta monetária) e valor total de mercado.

Por mais que as pessoas gostem de falar do preço de cada cripto-moeda (a taxa de câmbio), esse realmente não é o ponto mais importante.  Mesmo que uma unidade de uma cripto-moeda estivesse valendo apenas 1 centavo, isso já seria o bastante para comprovar que sua tecnologia funciona, que um código pode se transformar em dinheiro, e que esse dinheiro pode adquirir valor sem depender de bancos, de governos e de bens físicos, fazendo com que realmente seja possível transferir valor de par-a-par (peer-to-peer) instantaneamente ao redor de todo o globo terrestre, sem depender da aprovação de burocratas.

A beleza do mundo digital é sua maleabilidade e sua capacidade de reproduzir infinitamente qualquer coisa que adentre sua esfera.  A poderosa contribuição do Bitcoin foi a de reescrever as características básicas do mundo digital e criar um protocolo imutável que reproduz digitalmente as características mais importantes do mundo físico.  É como se fosse um padrão-ouro nas nuvens — só que melhor, pois não foi criado e não é gerenciado por nenhum governo.

Não há mais dúvidas de que o dinheiro do futuro será digital.  A única dúvida é se o dinheiro será uma ferramenta utilizada pelo estado ou se ele estará sob o comando dos cidadãos.

Que o Bitcoin tenha trazido essa alternativa para nós já é o suficiente para que ele ganhe nosso respeito e gratidão.  Jamais deixe que digam que não há como sair do atual arranjo monetário controlado por políticos, burocratas e seus asseclas no sistema bancário.  Nenhum sistema é tão hermético ao ponto de não deixar nenhuma brecha de fuga.



autor

Jeffrey Tucker
é Diretor-Editorial do American Institute for Economic Research. Ele também gerencia a Vellum Capital, é Pesquisador Sênior do Austrian Economic Center in Viena, Áustria.  Associado benemérito do Instituto Mises Brasil, fundador e Diretor de Liberdade do Liberty.me, consultor de companhias blockchain, ex-editor editorial da Foundation for Economic Education e Laissez Faire books, fundador do CryptoCurrency Conference e autor de diversos artigos e oito livros, publicados em 5 idiomas. Palestrante renomado sobre economia, tecnologia, filosofia social e cultura.  

  • Hudson  09/07/2015 14:30
    Parei de ler em "refúgio seguro".

    Não existe segurança plena para nem um tipo de ativo. E assim que o bitcoin se tornar significativo como moeda, este será regulado pelos governos como sempre acontece.


    Ainda em magnitude diminuta o bitcoin já acumula diversos episódios de fraudes. É inocência acreditar que esta moeda proverá segurança e isolamento dos governos. Basta uma caneta pra tudo mudar para o bitcoin.
  • Hawk  09/07/2015 15:41
    "Parei de ler em..."

    Esse tipo de argumento profundo e intelectualmente desafiador é muito comum de ser encontrado em fóruns frequentados por pessoas de esquerda. Elas reagem exatamente assim a qualquer argumento que vá contra a ideologia delas.

    É lamentável que tipos desclassificados como esse Hudson estejam invadindo a seção de comentários deste site (que, até então, é um balsamo contra a vigarice intelectual que grassa nos debates econômicos deste país). A moderação deveria cuidar melhor de sua propriedade privada, batendo a porta na cara desses arruaceiros.

    Se o sujeito não se deu ao trabalho de ler mais do que 2 parágrafos do artigo (o termo "refúgio seguro" aparece no segundo parágrafo) -- o qual, inclusive, aborda justamente essa objeção que o elemento acima fez --, que moral tem ele para sequer comentá-lo? Como comentar sobre algo que você admite que não leu?

    Parece Keynes. Keynes criticou o livro "The Theory of Money na Credit" de Mises, que havia sido publicado apenas em alemão. Décadas depois admitiu que não sabia ler alemão...

    É uma questão de lógica: se Hudson não se interessou pelo que o autor pensa, então ninguém está interessado em saber o que Hudson pensa do autor.

    O abismo intelectual criado pelo sistema educacional petista será uma chaga que o país levará décadas para superar.
  • anônimo  09/07/2015 16:12
    É de todo esquerdista usar a retórica para criticar o que não capazes por meio da razão.

    Criticar sem conhecer algo é típico de quase todos os esquerdistas e pessoas idiotas (não repare o pleonasmo).

    Felizmente a boa e velha lógica, bem desenvolvida por liberais, faz enxergar facilmente as falácias de seus argumentos, e assim, logo são desmascarados pelo pessoal do site.
  • Marcelio  09/07/2015 16:42
    Não é só a esquerda que eu vejo fazendo isso. Os que se proclamam como direita aqui no Brasil também fazem isso. Na internet está cheio de pessoas assim, infelizmente.
  • Eu  09/07/2015 17:58
    Pessoal,

    Embora ele tenha se equivocado na forma com que criticou o artigo, os pontos levantados são relevantes:

    1 ) É um fato o surgimento de fraudes ao Bitcoin. Lembro de ter lido no Zerohedge.

    2 ) A canetada do governo pode sim vir a impactar seus usuários.

    Acho louvável a solução Bitcoin, realmente é uma quebra de paradigma. Porém, assim como qualquer ativo, existem riscos.

    A verdade é que a solução financeira para cada indivíduo é única, vale cada um diversificar conforme o mix que mais atenda ao seu futuro, seja o ativo tributado ou não.
  • Ricardo  09/07/2015 18:03
    "É inocência acreditar que esta moeda proverá segurança e isolamento dos governos. Basta uma caneta pra tudo mudar para o bitcoin."

    Exato. Seguro mesmo é deixar seu dinheiro parado no banco. Gregos, argentinos, cipriotas e brasileiros do Plano Collor que o digam...

    Ou então comprar imóveis, que rapidamente sofrerão da mesma lei do inquilinato já em vigor na Venezuela (em que, após alguns anos, o inquilino se torna legalmente o dono do imóvel). Sem falar na questão da invasão (no Brasil de hoje, se arruaceiros invadirem seu imóvel, você tem de conversar, negociar e fazer várias concessões).
  • Trajano  09/07/2015 18:07
    Ah, dá pra você mandar o dinheiro pra Suíça...

    Ooops, não dá mais não. Depois que o BC suíço implantou taxas de juros negativas sobre depósitos bancários, Bitcoin se tornou a única solução plausível.

    Gostaria, aliás, de saber o que o Hudson recomenda. Títulos do governo brasileiro?
  • Torresmo  09/07/2015 17:28
    Boa!! palmas...acabou com o energúmeno.
  • Eu  09/07/2015 18:27
    Ricardo,

    Invista tudo em Bitcoin e seja feliz.

    Pode comprar imóvel também, mas compre na baixa hein!


    Trajano,

    Abra uma conta nos EUA, a perspectiva de valorização do Dólar é real.


  • Trajano  09/07/2015 18:53
    Tem como?! Tipo, eu posso hoje transferir, livremente, todo o meu dinheiro em reais para uma conta bancária em dólares nos EUA? E posso acessar ela daqui? Por exemplo, se eu quiser comprar coisas na Amazon, posso usar livremente esse dinheiro de lá para importar meus bens pra cá?
  • Eu  09/07/2015 19:19
    Sim, pode.

    Alguns bancos aceitam clientes não residentes nos EUA.

    No site "bolhaimobiliariabrasil.com" é um tema muito comentado, inclusive tem alguns manuais indicado como executar este procedimento.
  • Andre Cavalcante  09/07/2015 20:09
    Não, não pode.

    Toda operação que envolva dólares acima de um determinado valor (legalmente) tem que passar pelo crivo do siscomex. E determinados produtos são simplesmente proibidos de entrar no Brasil, como carros usados.

    Afora que as taxas bancárias, o IOF, e mais uma parafernália de coisas que você vai ter que pagar simplesmente não compensa a transação.

    O que você pode fazer é usar um cartão de crédito internacional na internet e/ou nas lojas que aceitam visa e master (lembrando que vais pagar o dólar turismo). Ou seja, dá prá gastar (mais que gastaria se usasse reais, pelos mesmos produtos), mas mandar dinheiro (legalmente) pro exterior, e que não havia anteriormente entrado, é bem complicado.

    Abraços
  • Eu  09/07/2015 20:32
    Trajano,

    Se for uma pessoa empenhada continuo recomendando buscar essa informação para que possa confirmar o que comentei.

    Cuidado com as pessoas mal informadas.
  • Bob  09/07/2015 21:13
    Pode, tanto que é regulado pelo Banco Central. É muito simples, basta entrar em uma agência qualquer, de posse de um deposito minimo, pode ser 0 dólares e documentos (passaporte e comprovante de endereço no Brasil). Preenche-Se um formulário informando que os fundos não provém de trabalho nos EUA - W8EN. Em poucos dias receberá o cartão em endereço nos EUA ou Brasil. A transferência é feita de forma simples, pelo home banking. Paga-se 0,38% de imposto. Saldo anual acima de 100.000,00 dólares deve se informado na declaração anual. Dependendo do saldo médio, conseguirá inclusive cartão de crédito. O cartão do banco pode ser usado aqui no Brasil como débito, embora eu não aconselhe porque ele não tem o chip de segurança.
  • Ramon  10/07/2015 12:41
    Raelmente acho que o sistema monetário não garante o dinheiro de ninguem. E também acho que comprar imoveis não (o governo pode desapropriar), Dólares (Pode haver inflação nos EUA também) ou mesmo ouro (que já não é o ativo seguro na crise como esse mesmo artigo mostrou acima)

    Entretanto, eu só vi vantagens no bitcoin. E esse é exatamente o pior problema. Eu trabalho no mercado financeiro a mais de 10 anos. Alguma vez você viu um ativo livre de risco que só tem vantagens?

    Eu sinceramente não. E esse é o meu maior medo em relação ao bitcoin. Só vou investir nisso quando eu realmente entender os riscos, porque senão parece telexfree. você só ganha com risco zero......
  • Hudson  10/07/2015 13:39
    Obrigado, jovens!

    Vocês todos confirmaram o que eu disse: não há como se proteger do estado. Nem com bitcoin. Basta uma canetada e tudo se vai.

    Jamais disse que havia segurança em qualquer outro tipo de ativo ou moeda. Disse apenas que não há segurança no bitcoin. E não há mesmo, portanto, o artigo é um grande devaneio.

    Lamento o fato de que a moderação tenha bloqueado o meu segundo comentário. Afirmei ontem nele que vocês estão fazendo surgir a Lei de Godwin versão Ancap: "À medida em que cresce uma discussão online, a probabilidade de surgir uma comparação envolvendo Keynes ou o esquerdismo aproxima-se de 1 (100%)". No caso em tela a discussão sequer cresceu. Bastou a primeira postagem pros patrulheiros involuntariamente cumprirem a lei rsrs

    Lamento também profundamente que grande parte dos comentaristas tenham escrito ofensas pessoais em vez de argumentação. Talvez seja isso que a moderação considere "comentário inteligente e educado"...

    Grande abraço aos doutores.
  • Edson  10/07/2015 15:07
    "Nem com bitcoin. Basta uma canetada e tudo se vai."

    Errado, e é isso que você se recusa a entender, o que inviabiliza totalmente o debate.

    O governo não tem como tomar o Bitcoin das pessoas. Não tem. Ele tem como tomar o dinheiro convencional que está na conta bancárias das pessoas, mas não tem como tomar o meu dinheiro em Bitcoin.

    Para entender por que ele não tem esse poder, você tem de entender melhor a tecnologia P2P.

    A única coisa que o governo realmente pode fazer é decretar uma lei dizendo que é proibido as pessoas aceitarem Bitcoins. Isso ele pode fazer. Mas ele não tem como confiscar a riqueza que foi transformada em Bitcoins. E é isso que você se recusa a aceitar.

    Agora, se você acredita no poder permanente dos decretos governamentais (como dizer que ninguém mais pode aceitar Bitcoin), então você acredita na viabilidade de uma economia socialista.
  • Barnabezinho  10/07/2015 15:33
    BTC pode ser controlado por estados, com certeza. Independente de as redes P2P serem inexpugnáveis, autônomas e interconectadas, os estados nacionais podem SIM vedar o trãnsito desta classe de dados pelas grandes infovias mundiais. O BTC só é livre porque é pouco comparado a outras fontes de valor não-fiduciárias. Os estados nacioanis - EEUU à frente - não tem interesse pois como o BTC é uma enorme novidade vale a pena para toda gama de estudiosos da economia moderna apreciar seu desenvolvimento - e saber quem são aqueles que o buscam, e porquê o fazem.
    Ocorre que o BTC, à moda de outra fonte de liberdade virtual, a rede TOR, são necessárias para várias ações "subterrâneas" destes estados nacionais dominantes economicamente falando. O risco de esta moda ser solapada por ações fora do campo econômico existe e é constante.
  • Capiau  10/07/2015 16:50
    Não, não tem como os estados fazerem isso.

    E apenas ficar repetindo insistentemente que eles podem fazer isso não torna o seu argumento mais forte.

    Não há como os governos quebrarem a criptografia do Bitcoin. Como perfeitamente colocou o leitor André Cavalcante, não é possível a quebra por força bruta da criptografia usada nas carteiras e no protocolo. E outra: se fosse quebrada a criptografia, bastaria a mudança do protocolo acordada com os mineradores (que teriam o maior interesse em melhorar a criptografia, obviamente).

    Parem de falar sobre o que claramente não sabem.
  • Andre Cavalcante  10/07/2015 19:45
    Calma Capiau,

    O que cê falo procede, mas o Barnabezinho também tem alguns pontos interessantes.

    Os governos nacionais podem sim obstar o uso de bitcoins através de vários mecanismos, como por exemplo, filtrar a rede atrás de mensagens bitcoins ou colocá-lo como proibido (como a China já o fez) e perseguir seus súditos que teimarem em seguir usando a criptomoeda. Veja que essas ações são totalmente externas ao protocolo e a própria rede. O fato de ter poucos buracos o protocolo não significa que ele seja perfeito (até porque foi feito por gente e gente é imperfeita).

    Mas, novamente: tecnicamente é sempre possível fazer transações com bitcoins na rede (usando o tor, por exemplo), tunelamento e por aí vai. Só que a proibição vai complicando o uso dos bitcoins. Só isso. A China proibiu lá, entretanto, quem pode, opera quase normalmente com bitcoins usando exchanges externas, mas fica muito mais difícil pro cidadão comum usar a moeda.

    Governos também podem tributar bitcoins. Naturalmente, se você recebesse de seu empregador nacional em bitcoins, por exemplo, ele ainda teria que recolher, em reais, os devidos impostos legais. A diferença é que, se acordado entre vocês ele poderia te pagar em bitcoins sem recolher nada, que o governo poderia jamais saber disso, mas tu não terias carteira assinada, 13º, etc. Agora, dadas as leis que protegem o trabalhador no brasil, você acha que seu empregador arriscaria fazer um acordo desses?

    Então, há sim, inúmeras coisas que os governos podem fazer e, a bem do protocolo, agora é a hora, quando há ainda uma relativa liberdade no setor, de providenciar os mecanismos para massificar o seu uso.

    Abraços
  • Mohamed Attcka Todomundo  14/07/2015 19:01
    Barnabezinho, fikei interessado em 2 koisas q vc disse:

    " Independente de as redes P2P serem inexpugnáveis, autônomas e interconectadas, os estados nacionais podem SIM vedar o trãnsito desta classe de dados pelas grandes infovias mundiais."

    - como? dá p/ explikar, pq ja vi muitos dizerem isso, mas num explikam.


    "Ocorre que o BTC, à moda de outra fonte de liberdade virtual, a rede TOR, são necessárias para várias ações "subterrâneas" destes estados nacionais dominantes economicamente falando. O risco de esta moda ser solapada por ações fora do campo econômico existe e é constante."

    - tem como vc explicar oq vc ker dizer c/ iso? oq é TOR? q açoes subterraneas, de kem, como?

  • Andre Cavalcante  10/07/2015 15:47
    Favor se ater a questão proposta:

    "... TODO o meu dinheiro em reais para uma conta bancária em dólares nos EUA?"

    Não, não pode. Cê tem que comprovar a origem e o destino do dinheiro, pagar as taxas etc., por isso é regulado pelo BACEN.

    "E posso acessar ela daqui? Por exemplo, se eu quiser comprar coisas na Amazon, posso usar livremente esse dinheiro de lá para importar meus bens pra cá?"

    Também, livremente não é possível. Nem é possível "importar" todo e qualquer produto para cá. Afora que o preço após os custos de transação simplesmente não compensam.

    Abraços

  • Hipocrisia a parte...  13/07/2015 19:13
    Que chato os ataques pessoais dos fanáticos patrulheiros desse site. Na mesma frase acusam os fanáticos esquerdistas de serem irracionais e em seguida xingam o autor do post sem contra argumentar. Preocupante ver que mesmo aqui no mises, um lugar que parecia ser um reduto de pessoas que usam a lógica e razão, já temos os mesmos fanáticos de blogs de esquerda que sabem apenas atacar sem argumentar. Isso só tira credibilidade do site.

    Mas enfim, sobre o bitcoin. Acho uma alternativa muito viável, enquanto for pequena e desconhecida, mas concordo com o Hudson. O governo pode sim canetar o bt e estragar tudo. Ai virão os "entendidos" falar de criptografia. O governo não precisa usar criptografia, isso que vocês não entendem ou não querem enxergar. No momento que governos proibirem seu uso, criarem leis MULTANDO quem usar, impostos e taxas, talvez até prendendo, pois estão "agindo contra a economia" ou qualquer baboseira socialista, qual será o resultado? Desvalorização. Por que? Pois quem usaria uma moeda que pode render uma bela multa? Ou até cadeia? Imagina se os EUA proibem BT? Qual seu efeito no valor da moeda? Vocês estão menosprezando o poder nefasto da caneta na mão de um político mal intencionado. Só porque o governo não conseguiria confiscar diretamente o bt, não quer dizer que não tenha como afetar seu valor.

    Sou fã de bitcoin e estou a horas pra comprar alguns. Mas o pessoal tem que parar com o fanatismo de achar que tudo é 8 ou 80, que existe solução mágica infalível...se não esse site vai ficar igual blog do PT.
  • Arnaldo  16/03/2017 18:34
    transferwise
  • Cjrfeitosa  15/07/2015 21:06
    Trajano, respondendo a sua pergunta, digo que sim, vc pode transferir e investir no mercado internacional, sendo totalmente legal e mais simples do que parece. O senhor pode investir em empresas internacionais, com enorme potencial de valorização, em um ambiente muito mais favorável do que vemos no Brasil. Faço muito isto para os meus clientes que desejam ampliar seus horizontes de investimento.
  • anônimo  10/07/2015 07:36
    'o qual, inclusive, aborda justamente essa objeção que o elemento acima fez --'

    Não, não aborda.A objeção é que na hora que o governo quiser pode regular a coisa toda, e o artigo não fala nada sobre isso.Parece que quem não sabe ler aqui é vc.

    Quanto mais eu vejo esse fanatismo irracional mais cético eu fico quanto ao bitcoin.
  • Antônio Marcos Arduini Gonçalves  09/07/2015 15:43
    Ainda existem muitos problemas técnicos a serem resolvidos, como problemas de segurança e de facilidade de uso, mas o BTC já pode ser considerado uma das coisas mais fantásticas que a livre iniciativa produziu.
  • cmr  09/07/2015 15:56
    Ou seja, uma sociedade paralela está em fase de implementação, os estados falirão e o mundo finalmente estará livre da sanha dos estatistas, burocratas, com suas regulações, leis, etc... Com seus gordos salários, mordomias, privilégios, prerrogativas, etc...

    É isso que ocorrerá em um futuro próximo ?.
    Se sim, podemos esperar uma resistência feroz do estado.
    Muitos morrerão...
  • sp  09/07/2015 18:22
    O estado é um animal que precisa ser morto. E o fato de ser uma besta violenta é justamente um dos motivos pelos quais nós precisemos eliminá-lo sem demora.
  • cmr  09/07/2015 20:27
    Sim, concordo.
    Mas podemos esperar um reação covardemente desproporcional do estado.

    O estado não deixará nada disso barato, podemos ter certeza.
  • Tannhauser  09/07/2015 16:21
    Leandro,

    Qual o valor negociado por dia de ouro e bitcoin? O bitcoin é realmente relevante quando comparado ao ouro.

    Pergunto isso porque achei essa afirmação de que o bitcoin é responsável pelo desalojamento do ouro um tanto exagerada.

    Na minha visão, o que ocorre é que a maioria das pessoas está se protegendo com o Dólar ao invés do ouro, já que a Crise é na Grécia e Europa, não nos EUA (pelo menos é o que a maioria acredita).

    Se a procura por Dólar aumenta, esse se valoriza e, consequentemente, o ouro se desvaloriza.


    Como o mercado do bitcoin é muito pequeno em relação ao ouro, o nicho de pessoas que o utiliza como proteção acaba valorizando-o mais que o dólar, porque este nicho entende que haverá uma nova crise nos EUA.

    Você concorda, Leandro?





  • Leandro  09/07/2015 16:54
    "Na minha visão, o que ocorre é que a maioria das pessoas está se protegendo com o Dólar ao invés do ouro"

    Parcialmente correto. O fato de o Bitcoin estar encarecendo também em dólar mostra que está, sim, havendo uma corrida ao Bitcoin. Não estivesse havendo essa corrida ao Bitcoin, e todo o mundo estivesse indo apenas para o dólar, o Bitcoin estaria ficando mais barato, e não mais caro.

    "Se a procura por Dólar aumenta, esse se valoriza e, consequentemente, o ouro se desvaloriza."

    Correto, só que o mesmo raciocínio se aplica o Bitcoin. No entanto, o Bitcoin encareceu em dólares.

    "Como o mercado do bitcoin é muito pequeno em relação ao ouro, o nicho de pessoas que o utiliza como proteção acaba valorizando-o mais que o dólar, porque este nicho entende que haverá uma nova crise nos EUA."

    Não entendi muito bem o raciocínio. O que é possível concluir é que a oferta de Bitcoin é escassa, e isso o faz se valorizar em relação ao dólar. E essa é exatamente a característica mais apreciada por aqueles que querem proteger sua riqueza.
  • Tannhauser  09/07/2015 18:31
    Ficou meio confuso mesmo.

    Minha crítica é sobre a afirmativa do autor: "E essa pequena e miraculosa ferramenta digital parece ser a responsável por esse desalojamento do ouro." (Desculpe, não sei colocar em itálico)

    Entendo ser uma afirmativa falsa, por três motivos:

    1. O mercado de Bitcoin é minúsculo em relação ao mercado do ouro. É uma formiga tentando estrangular um elefante.

    2. As pessoas estão se protegendo em dólar, por isso o mesmo valoriza em relação ao ouro.

    3. O Bitcoin sobe em relação ao Dólar porque as pessoas deste pequeno mercado preferem se proteger com bitcoin ao invés de dólares, pois acham que no médio e longo prazo a moeda americana vai perder valor, seja com o colapso da bolsa ou com um novo QE.



  • Auxiliar  09/07/2015 18:54
    Essa sua lógica é incoerente. Você está dizendo que um mercado ínfimo e insignificante é ao mesmo tempo extremamente poderoso, ao ponto de eclipsar dólar e ouro.

    Se o mercado de Bitcoin é ínfimo, então, por definição, ele não teria como rivalizar nem com ouro nem com dólar. No entanto, ele não só rivaliza como também os supera.

    Veja só

    "1. O mercado de Bitcoin é minúsculo em relação ao mercado do ouro. É uma formiga tentando estrangular um elefante."

    O mercado de guarani paraguaio é minúsculo em relação ao mercado do ouro. É uma formiga tentando estrangular um elefante

    "3. O Bitcoin sobe em relação ao Dólar porque as pessoas deste pequeno mercado preferem se proteger com bitcoin ao invés de dólares, pois acham que no médio e longo prazo a moeda americana vai perder valor, seja com o colapso da bolsa ou com um novo QE."

    O guarani paraguaio sobe em relação ao Dólar porque os paraguaios preferem se proteger com guaranis ao invés de dólares, pois acham que no médio e longo prazo a moeda americana vai perder valor, seja com o colapso da bolsa ou com um novo QE.

    Faz sentido?
  • Tannhauser  09/07/2015 20:03
    Eu afirmo exatamente o contrário: O Bitcoin não consegue eclipsar o ouro, justamente porque é um mercado pequeno.

    Quem disse que o Bitcoin está eclipsando o ouro foi o autor do texto.
  • Marcos  09/07/2015 20:11
    Mas de fato está mesmo. Desde 2011.

    P.S.: Sou defensor do ouro e ainda não me senti seduzido pelo BTC; porém, tanto em termos de investimento quanto de proteção da riqueza, o BTC tem sido superior desde 2011. Aguardemos.
  • Tannhauser  09/07/2015 20:29
    Ainda não entendeu o meu ponto. O autor diz que o ouro está caindo por causa do bitcoin. Afirmativa falsa.
  • Leandro  09/07/2015 20:46
    O autor não diz isso. Ele apenas diz que o BTC se tornou um porto-seguro, posto esse que antes pertencia ao ouro.

    No que mais, como várias vezes já explicado aqui, o preço das commodities (ouro, petróleo, minério etc.) está intimamente ligado à força do dólar. Como as commodities são precificadas em dólar, sempre que o dólar está fraco, os preços das commodities estão em alta, e vice-versa.

    Logo, o baixo preço do ouro foi causado pela súbita robustez do dólar, e não pelo BTC. Só que -- e esse é o ponto -- não obstante a robustez do dólar, ainda assim o BTC encarece em termos de dólar. Isso é notável.
  • Tannhauser  09/07/2015 21:32
    Infelizmente devo discordar. O trecho do texto destacado por mim relaciona o bitcoin como causa da perda do ouro do posto de porto seguro.

    Ainda que seja a sua interpretação, discordo do autor. O bitcoin caiu de 1200 para 250 dólares. O ouro, se não me engano, caiu uns 50% somente. Logo, o bitcoin acompanhou sim a valorização do dólar. O autor pegou um intervalo no tempo que favorecesse o seu argumento.

    Desculpem, estou no celular e fica difícil responder de forma mais apropriada.

  • Francis  09/07/2015 18:57
    Tannhauser, a oferta de BTC é escassa, mas a demanda por essa oferta é grande e crescente. Por isso os preços em ascensão. Aliás, qualquer moeda relativamente decente tem de ter exatamente essa relação: a demanda por ela tem de ser maior do que sua oferta.
  • Fernando Luís Amorim Agostinho   09/07/2015 16:56
    Cada vez mais se tem a certeza de que não será algum líder que trará a promessas de liberdade e bem estar para a sociedade como um todo. Nem mesmo grupos que se unem por algum objetivo social. Mas sim a tecnologia e a aceitação desta pelas pessoas sem nenhuma interferência governamental.
  • Fred  09/07/2015 17:08
    Tecnologia é uma ferramenta, ela é amoral. O que importa é o que está dentro da cabeça de cada indivíduo.
  • Geraldo  09/07/2015 17:02
    Os governos ao redor do mundo têm medo do Bitcoin, por não ser uma moeda controlada por eles. Prova disso é que ele já foi proibido em alguns países e tem uso restrito em outros, e quem garante que isso não vai acontecer em outros? Vide https://en.wikipedia.org/wiki/Legality_of_bitcoin_by_country (em inglês).
  • Cassim  09/07/2015 18:22
    Manda proibir. O governo da Iugoslávia também proibiu os dólares, mas isso não impediu ninguém de se salvar da obsessão inflacionária dos burocratas e até fragmentou o país (algo que seria muito difícil de fazer se todos os cidadãos estivessem falidos e só o governo tivesse algo de valor, como acontece na hiperinflação). Se você ficar acreditando que o estado é todo poderoso e se deixar cair em fatalismos ao invés de procurar proteção monetária, aí mesmo que ele será invencível.
  • Geraldo  09/07/2015 19:35
    Cassim, concordo com você, e também acredito que o "estrago" do Bitcoin já está feito (ele prova que é possível não depender de um sistema financeiro controlado pelo estado; ou seja, se proibirem o Bitcoin em tudo quanto é lugar, surgirão outros sistemas com as mesmas características).
    Os governos que proíbem o Bitcoin o fazem justamente porque temem perder o controle sobre a economia, o que para eles significaria a perda de grande parte do seu poder.
  • Dissidente Brasileiro  09/07/2015 19:45
    Off-topic: Não escrevi aqui que o brasil iria mandar dinheiro para a Grécia? Só não sabia que seria tão rápido.

    economia.uol.com.br/noticias/reuters/2015/07/09/bndes-fecha-parceria-com-novo-banco-dos-brics.htm

    Agora é só aguardar o pedido formal de ajuda dos gregos. E podem ter certeza de que eles farão esse pedido. E de quebra teremos também sul-africanos, chineses, indianos... a casa é deles, então que entrem e fiquem à vontade!
  • cmr  09/07/2015 20:31
    Chinês não é burro, sabe fazer contas.

    Tem mais coisas nisso, a Grécia será o quintal dos chineses na Europa.
  • anônimo  09/07/2015 19:56
    O bitcoins não derruba a teoria de mises? Ele não disse que uma moeda não poderia ser criado do nada
  • Eugen  09/07/2015 20:05
  • anônimo  10/07/2015 07:49
    'E a resposta é não.'

    Mentira isso aí, não existe consenso entre os libertários sobre isso.Vá no blog do Lew Rockwell e vc encontra vários artigos mostrando que o bitcoin viola sim o teorema da regressão.
    Já uma resposta categórica dessas 'e a resposta é não' mostra apenas o nível de honestidade desse povo.
  • Jacob  11/07/2015 03:16
    Você poderia elaborar por que o bitcoin viola o teorema da regressão? Pelo que eu li em um artigo aqui mesmo no IMB não me parece verdade: "o "Teorema da Regressão" mostra-nos que a moeda, em qualquer sociedade, não pode ter sido criada a não ser pelo processo de mercado que caracteriza as trocas, ou seja, a moeda é uma ordem espontânea. Não faz qualquer sentido, portanto, acreditar que se possa "criar" moeda mediante contratos sociais, ou por imposição dos governos, ou por quaisquer esquemas artificiais propostos por economistas: a moeda surge, como observa Rothbard,"organicamente, de dentro do mercado"."

    Eu não conhecia este teorema antes. Aplicando o que entendi, o bitcoin foi criado pelo mercado e as pessoas o abraçaram por vontade própria. Pelo teorema da regressão, temos duas opções:
    - o bitcoin é apenas um bem (e como qualquer bem tem um valor subjetivo), mas ainda não é aceito como um meio de troca na prática. Ele passaria a ser uma moeda quando se tornasse um meio de troca aceito. Esse estágio seria o estado temporal anterior ao axioma do teorema.
    - o bitcoin já é aceito como uma moeda de troca, pois as pessoas acreditam que no futuro ele será aceito. Esse é o passo indutivo do teorema.

    Não vejo nenhuma contradição aí.

    Fonte: www.mises.org.br/Article.aspx?id=697
  • anônimo  09/07/2015 20:02
    Acho impossível temos uma moeda fora do controle estatal.

    O controle sobre a moeda é, disparado, a principal arma do estado. É através dela o estado não só se financia, mas consegue ganhar "independência" da população. Não precisa mais tributar, ele simplesmente "imprimi" o que precisa.

    Portanto, acreditar que o estado aceitará isso é igual acreditar que ele aceitará voluntariamente as pessoas se emanciparem dele.
  • Henrique Zucatelli  09/07/2015 20:02
    Legal, mas vamos aos fatos?

    As crypto moedas hoje são praticamente non treadable no mundo real, e assim vai ser por própria má vontade dos governos. Não estou dizendo que vai ser assim pra sempre (e nem quero, pois tenho uns trocados em LiteCoin e BitCoin), mas é o que é.

    Ainda acredito no ouro como padrão hoje, amanhã e sempre, e o banco que emitir títulos análogos a papel moeda lastreados, e títulos eletrônicos moderados pela tal instituição terão muito mais versatilidade que as crypto moedas, que mesmo sendo "mineradas", ainda assim não passam de números.

    Desculpem pela aparente contradição, mas é meu ponto de vista até agora. Que para o bem da liberdade eu esteja errado, mas veremos governos encontrando formas das mais variadas para barrar/taxar/limitar o uso de crypto moedas.
  • Mauá  09/07/2015 23:04
    Falou tudo, mas alguns gostam de se iludir.
  • bruno  09/07/2015 21:33
    A moeda digital também tem seu centro ? Pois houve uma grande falha no servidor onde um usuário envio bilhões de moedas para duas contas. Bom alguém com controle total do sistema descobriu e corrigiu o erro,e em seguida removeu todo o dinheiro das conta do usuário pirita. Se essa moeda for implementada voltaremos a epoca de piratas ? Imagina um usuário consiga quebrar as defesas desse sistema. Outro coisa,o governo tem todo o poder militar em seu favor. Mais uma dúvida,os impostos,sabemos que os imposto tem que existir,construções de rodovias,iluminação pública dentre outros benefícios,isso não prejudicaria nos população? Acho impossível esse sistema existir,as fronteiras existem e elas jamais serão quebradas.
  • anônimo  09/07/2015 21:42
    Não sei porquê essa euforia com o bitcoin, por agora. É uma moeda virtual, eletrônica, possui um protocolo. Esse protocolo pode ser facilmente rastreável pela internet. E, logicamente, pode ser 'hackeável'.

    Primeira coisa a se considerar é a seguinte: nossos governos já mostraram sua verdadeira face tirana e não se pode esperar mais nenhum tipo de garantias e direitos desses governos, daqui para a frente. Se esses mesmos governos quiserem, podem a qualquer momento implantarem filtros (usados em ferramentas como o NetFilter, WireShark, etc) nos backbones de internet de operadoras 'amigas' do sistema e tchau tchau bitcoins! Ninguém consegue mais efetuar transações com a moeda. E o governo ficará quietinho, fingindo não saber de nada! Sério mesmo: uma coisa é se vislumbrar com as possibilidades que a bitcoin fornece, não nego. Outra coisa bem diferente é saber que a mesma depende única e exclusivamente de uma coisa chamada internet. Ou seja, a maior força da bitcoin é ao mesmo tempo sua maior fraqueza.

    O bitcoin só será relativamente seguro se tiver a garantia de poder ser trafegado em redes não controladas pelo governo, aí sim. Mas sinceramente: tente criar uma rede não controlada pelo Big Brother para você ver onde vai acabar.
  • bruno  10/07/2015 01:30
    Sim esse é o meu pensamento, essa moeda não foi criada por uma pessoa qualquer,e a NSA já demonstrou seu poder. The piratabay,mega upload dentre outros sites que a justiça norte-americana simplesmente eliminou,sem esforço. A moeda virtual jamais será segura se não existir jurisdição sobre ela. E como se voce vivesse em uma terra sei lei,para se proteger você teria que ficar bem armado e acordado 24 horas por dia. Essa moeda sem uma jurisdição jamais ira da certo. Agora se as pessoas estão disposta a trocar algo inventado na internet por um bem,e esse bem seria justamente o dolar,tem todo direito,mais se houver falhas ou roubos,onde poderemos recorrer? Olavo de carvalho em um dos seus vídeos disse, a moeda por si só, não gera valor algum sem uma jurisdição.
  • Anominuos  10/07/2015 12:37
    Moeda pode existir sim sem jurisdição. Há muito tempo atrás moedas surgiram sem ninguém decretar. Foi o meio de troca escolhido. A moeda passa a ser moeda quando as pessoas decidem usá-la como meio de troca. Daí se é digital, moedas de ouro ou a nota impressa pelo governo tanto faz. A história demonstra que a população pode parar de usar o dinheiro impresso pelo governo e usar uma moeda estrangeira ou outra coisa.
    Eu sinceramente não compraria uma coisa que não existe para proteger meu patrimônio, prefiro o bom e velho ouro. E deixa ele cair, assim quando estiver mais baixo eu compro.
  • Andre Cavalcante  10/07/2015 14:25

    Só uma terapia pra eu conseguir explicar porque perco o meu tempo respondendo, mas...

    bruno, anônimo 09/07/2015 21:42:08:

    Estudem um pouco sobre como o bitcoin funciona, porque os comentários de vocês estão prá lá de sofríveis. Difícil alguém gerar um juízo de valor com tão pouca informação sobre aquilo que está tentando ter juízo.

    Pra começar, a NSA não descriptografa (a não ser os códigos que todos já sabem que são inseguros mesmo) as mensagens e passa a lê-las. Eles pegam da fonte, isto é, dos servidores dos prestadores de serviço. O problema com a Dilma, por exemplo, foi que ela usou uma conta do Google para trocar informações relativas ao governo. A mensagem era criptografada, mas a NSA simplesmente "solicitou" ao Google que abrisse os arquivos e eles o fizeram (que empresa não faria?).

    A NSA fechou o megaupload porque se tratava apenas de um único site (serviço) com um único dono. Pense como seria a NSA tendo que fechar milhares de nós em todo o mundo? Quando se fala em descentralizado, no caso do bitcoin, é descentralizado mesmo. E mais, ainda, a medida que algum grande pool fosse fechado, a dificuldade de minerar cairia, abrindo espaço para que qualquer um, inclusive usando um computador de casa, pudesse minerar e obter alguns bitcoins. É uma espécie de vírus controlado.

    A criptografia na rede bitcoin é usada para validar as trasações, e identificar origem e destino das bitcoins dentro da rede Bitcoin. Só isso! TODAS as transações são públicas, isto é, estão escritas num "ledger" que todos os nós da rede podem ver: o blockchain. O anonimato da rede é parcial: a transação não vai com o teu nome, porque ela é feita apenas com as chaves públicas e privadas das carteiras, mas se eu souber que a carteira 1E53332200BBE53332200B é sua, então posso associar a você cada transação que for realizada de e para esta carteira.

    Não, ainda não é possível a quebra por força bruta a criptografia usada nas carteiras e no protocolo (é possível mas levaria centenas de anos com a tecnologia atual). É possível usar outros métodos, com uma redução no tempo pela metade, mas "virtualmente impossível". E outra: se fosse quebrada a criptografia, bastaria a mudança do protocolo acordada com os mineradores (que teriam o maior interesse em melhorar a criptografia, obviamente).

    A fragilidade dos bitcoins não advém do protocolo, mas do seu ecossistema, ainda muito recente, portanto, ainda necessário algum esforço de segurança.
  • Anominuos  10/07/2015 19:10
    Andre Cavalcante
    "Não, ainda não é possível a quebra por força bruta a criptografia usada nas carteiras e no protocolo (é possível mas levaria centenas de anos com a tecnologia atual). É possível usar outros métodos, com uma redução no tempo pela metade, mas "virtualmente impossível". E outra: se fosse quebrada a criptografia, bastaria a mudança do protocolo acordada com os mineradores (que teriam o maior interesse em melhorar a criptografia, obviamente)."

    Existem novos crackers baseados em processamento paralelo feito por placas de vídeo que quebram uma encriptação de 256 bits em minutos. E o computador quântico que já está se tornando uma realidade também quebra facilmente este tipo de criptografia.

    Trocar o protocolo não seria uma tarefa tão fácil, são milhares de blockchains, milhões de usuários que teriam que atualizar seus sistemas e suas novas chaves.
  • Stay Puff  10/07/2015 19:40
    Gozado. Vocês dizem que é fácil quebrar criptogramas e protocolos, mas ninguém explica como é que até hoje ninguém conseguiu invadir a conta bancária de bilionários para transferir o dinheiro deles, sendo que bancos utilizam sistemas mais simples que Bitcoins.
  • Anominuos  10/07/2015 20:03
    O fato de que as criptografias estão cada vez mais rápido se tornando obsoletas é muito fácil de ser confirmado. Procure na internet breaking SHA256.
    Leia tb
    blog.ezyang.com/2011/06/bitcoin-is-not-decentralized/
  • Joshua  26/01/2016 10:26
    Li um artigo sobre isso e posso garantir que você viajou feio na maionese, meu caro! O WEP tudo bem porque tem um bug grave, mas o WPA e o WPA2 são virtualmente inquebráveis!
  • juliano  09/07/2015 22:01
    Suponhamos q hj eu compre essas moedas (bitcoin), eu poderia pagar com essas moedas, teoricamente, apenas pessoas q a aceitassem, mas como a maioria das pessoas ainda nem a conhecem, entao eu teria que guarda-las e esperar ela se valorizar? Nao corro o risco de comprar essas moedas, digamos, dar 20 mil reais por bitcoin e depois o governo bloquear/tarifar essa moeda e eu perder muito (ou tudo) o q investi nela?
  • Mauá  09/07/2015 23:07
    Sim.
  • Trader Carioca  10/07/2015 13:54
    Juliano,

    Você corre esse risco sim. Mas corre outros riscos:

    -Sua casa pegar fogo;
    -Você ser assaltado ao sair do banco com dinheiro vivo (quantas saidinhas de bancos vemos na mídia?)
    -O prédio onde fica seu apartamento desabar (lembra do caso Palace II no RJ ?)
    -O banco onde o seu dinheiro está INVESTIDO falir e você perder uma grana (bancos BVA, Prosper, Cruzeiro do Sul, Oboé, Morada...).
    -O país do qual você detém títulos públicos dar calote (alô Grécia!);
    -Suas ações derreterem (Petrobrás que o diga!).

    A vida é arriscada.
  • Dissidente Brasileiro  09/07/2015 22:37
    A "comunidade de inteligência" dos EUA criou o Bitcoin. Infelizmente as pessoas não se dão conta disso, sequer aceitam tocar no assunto, mas no momento certo tudo ficará claro. Enquanto isso escolho o ouro e a prata, companheiros antigos e fiéis do movimento Libertário que certamente nunca vão me decepcionar.
  • bruno  10/07/2015 01:18
    A nsa provou seu poder de espionagem,eu tenho 100% de certeza que a moeda virtual não controlada por um órgão do governo não dará certo. E infelizmente como no comentário do amigo acimo " A grande força do Bitcoin é sua maior fraqueza" . E essa moeda vai contra o mises,tem que haver algo físico e a melhor opção ainda e o ouro,ou ate mesmo os dólares. Citei o dolar como reserva pois se a maior economia entrar em colapso algum dia,pode ter certeza que todas as outras irão para os mesmo caminho.
  • Carlos  18/07/2015 12:55
    Mises não nega, peremptoriamente, a possibilidade de uma moeda inteiramente virtual. (veja o seu Theory of Money and Credit). Porém há vários problemas que são superados pela simples existência de uma moeda tangível.

    1) Quantidade de moeda circulante. A escassez no caso de uma moeda virtual, é tão virtual quanto esta. Ela é artificialmente imposta pelo código e quem disse que o código não pode ser quebrado? Lembrem-se a regra de segurança básica de todo sistema: se há um meio de acesso, há um meio de invasão. Afirmar que é "impossível" quebrar qualquer código é tão pueril quanto afirmar que inflação é bom para você. Os alemães que o digam: conhecem muito bem as duas coisas.

    No caso de uma moeda tangível o raciocínio é direto: a escassez depende diretamente da ação humana. Não há o código a ser quebrado, nem banco central para fazer QE, etc.

    2) Liquidez. É extremamente fácil fazer a troca de bitcoins por bens e serviços... desde que estes a aceitem. Até que cadeias inteiras de produção, em escala global, passem a aceitar as moedas virtuais como meios de pagamento a sua utilidade para o cidadão mediano é bem reduzida.

    Não conheço muito bem o mercado de ouro, mas suponho que não seja difícil trocar ouro por bens e serviços, caso assim se deseje. Ou mesmo por outra moeda simplesmente.

    3) Conhecimento. As pessoas adquirem bens e serviços de acordo com suas necessidades, desejos e o conhecimento que possuem acerca daquilo que tencionam comprar e as possibilidades proporcionadas pela sua carteira. Quando você compra um vinho, por exemplo, se você sabe o mínimo sobre o assunto, você levará em conta o local onde ele foi produzido, a variedade de uvas utilizadas, a safra, o teor alcóolico, entre outros. Quanto mais se sabe, mais se pode ser exigente acerca dos produtos que escolhemos. Quantos, no mundo, sabem o que é um blockchain? Que "hash" não é apelido para Haxixe? Se você não sabe nada acerca de um produto, você não vai se sentir seguro o suficiente para consumi-lo. Muitos, senão todos do site já sabem bem como o bitcoin funciona. Mas da próxima vez que sair de sua casa, ou do trabalho, olhe ao seu redor e faça a seguinte pergunta para si mesmo: "aquele cara aceitaria uma bitcoin, ou fração desta, em troca daquele sorvete que ele está vendendo?" Se há algo que realmente falta é uma bela campanha de marketing para o bitcoin.

    Já no caso do ouro... bom, quem é que não conhece ouro?
  • Andre Cavalcante  20/07/2015 19:06

    Olá, Carlos 18/07/2015 12:55:00,

    Meus comentários...

    "Mises não nega, peremptoriamente, a possibilidade de uma moeda inteiramente virtual. (veja o seu Theory of Money and Credit)."

    Na verdade ele não tem o que falar sobre o assunto. Se em 53 houvesse qualquer coisa como "mundo virtual" até que o Mises poderia ter pensado no assunto, mas...


    "Porém há vários problemas que são superados pela simples existência de uma moeda tangível."

    Vamos ver...


    "1) Quantidade de moeda circulante. A escassez no caso de uma moeda virtual, é tão virtual quanto esta."

    Não é o caso das bitcoins. Ela é de fato o primeiro caso de um ativo virtual que é verdadeiramente escasso. Vamos adiante.


    "Ela é artificialmente imposta pelo código e quem disse que o código não pode ser quebrado?"

    Ooops. É justamente a "quebra" de um código que gera novas moedas. Seu conhecimento do assunto está se mostrado superficial, para dizer o mínimo.


    "Lembrem-se a regra de segurança básica de todo sistema: se há um meio de acesso, há um meio de invasão."

    Ooops. O blockchain é público. Não é preciso alguém "invadir". Todos tem acesso a todo o blockchain.


    "Afirmar que é "impossível" quebrar qualquer código é tão pueril quanto afirmar que inflação é bom para você. Os alemães que o digam: conhecem muito bem as duas coisas."

    Se alguém "quebrar" o código da blockchain, permitindo que se insira ou remova transações a vontade do atacante, isso vai ficar facilmente perceptível. Aí, muda-se o código, por exemplo, inserindo-se um código quântico...

    "No caso de uma moeda tangível o raciocínio é direto: a escassez depende diretamente da ação humana. Não há o código a ser quebrado, nem banco central para fazer QE, etc."

    Sem sentido. Gerar ou quebrar um códio também é uma ação humana.


    "2) Liquidez. É extremamente fácil fazer a troca de bitcoins por bens e serviços... desde que estes a aceitem."

    E este número continua aumentando dia a dia.

    "Até que cadeias inteiras de produção, em escala global, passem a aceitar as moedas virtuais como meios de pagamento a sua utilidade para o cidadão mediano é bem reduzida."

    Nop. O problema está, por causa da liquidez, exatamente com as cadeias de produção que necessitam de altos valores e fácil liquidez, o que ainda não pode ser suprido pelo mercado de bitcoins.


    "Não conheço muito bem o mercado de ouro, mas suponho que não seja difícil trocar ouro por bens e serviços, caso assim se deseje. Ou mesmo por outra moeda simplesmente."

    Não mesmo. Você tem que trocar ouro por dinheiro aí ter acesso a bens e serviços. Exatamente como faria com bitcoins.


    "3) Conhecimento. As pessoas adquirem bens e serviços de acordo com suas necessidades, desejos e o conhecimento que possuem acerca daquilo que tencionam comprar e as possibilidades proporcionadas pela sua carteira. Quando você compra um vinho, por exemplo, se você sabe o mínimo sobre o assunto, você levará em conta o local onde ele foi produzido, a variedade de uvas utilizadas, a safra, o teor alcóolico, entre outros. Quanto mais se sabe, mais se pode ser exigente acerca dos produtos que escolhemos."

    Por isso que a EA fala sobre o valor subjetivo das coisas.

    "Quantos, no mundo, sabem o que é um blockchain? Que "hash" não é apelido para Haxixe? Se você não sabe nada acerca de um produto, você não vai se sentir seguro o suficiente para consumi-lo. Muitos, senão todos do site já sabem bem como o bitcoin funciona. Mas da próxima vez que sair de sua casa, ou do trabalho, olhe ao seu redor e faça a seguinte pergunta para si mesmo: "aquele cara aceitaria uma bitcoin, ou fração desta, em troca daquele sorvete que ele está vendendo?" Se há algo que realmente falta é uma bela campanha de marketing para o bitcoin."

    Nada a ver. Você sabe como o dinheiro é produzido? Você sabe como ele adquire ou perde valor? Você sabe realmente o que é inflação? Muito provavelmente você responderá não para todas essas perguntas. Nem por isso você deixa de usar reais para suas compras.

    "Já no caso do ouro... bom, quem é que não conhece ouro?"

    Eu! Nada sei como o ouro é minerado, cunhado e guardado. Nunca entrei num cofre-forte de um banco. Não sei as medidas, pesos e formas que aquilo pode ter. Nem sei onde fica o cofre-forte. Só tive ouro em minhas mãos quando comprei a minha aliança de casamento. Mas, nem por isso, sei que o ouro é a melhor aplicação no que concerne a manter o valor da moeda.
  • anônimo  12/08/2015 09:44
    '"1) Quantidade de moeda circulante. A escassez no caso de uma moeda virtual, é tão virtual quanto esta."

    Não é o caso das bitcoins. Ela é de fato o primeiro caso de um ativo virtual que é verdadeiramente escasso. Vamos adiante.'


    O assunto era moeda virtual e vc reduz ao bitcoin.Se eu quiser uma moeda virtual e não puder ter bitcoin, e daí? Uso qualquer outra.Atualmente existem umas 530 criptocurrencies e a tendência é aumentar.E como qualquer um que saiba copiar e colar pode criar sua moeda virtual, voltamos ao ponto inicial: a escassez no caso de uma moeda virtual é tão virtual quando esta.

  • Andre Cavalcante  12/08/2015 19:59

    E o que a quantidade de moedas virtuais (currencyies) tem a ver com a quantidade de moedas circulantes (ou meio circulante, ou ainda, money supply)?

    Puts, agora cê mostrou seu desconhecimento básico de economia.

    É cada um que aparece!




  • Pobre Paulista  10/07/2015 02:28
    Ninguém me convence que o bitcoin não é um projeto da CIA ou da NSA para criar um grande banco de dados mundial de mapas reversos de chaves criptografadas e de rastreamento digital.

    Prefiro Litecoins ;-)
  • IRCR  10/07/2015 01:00
    Não existe ativo 100% livre de risco.

    Todo ativo existe riscos de mercado, riscos da intervenção estatal, risco naturais etc...
    Pouco importa se é criptomoeda, imoveis, terrenos, ações na bolsa, títulos públicos, poupança, moeda estrangeira e inclusive metais.

    A melhor coisa para se proteger desses riscos é compor uma carteira de múltiplo ativos.

    Mas sem duvida, as criptomoedas é uma tentativa de tirar as mãos cabeludas do estado e sair fora do sistema bancário.
  • IRCR  10/07/2015 03:03
    Vamos supor hipoteticamente que as criptomoedas um dia sejam o padrão mundial. Desse modo, governos perderiam totalmente o controle da moeda.

    Não há duvida alguma que os impostos seriam elevados ao extremo e a propriedade privada seria achacada mais ainda.

    Se o leviatã não pode se financiar via inflação mais, basta se alimentar de mais impostos.

    Solução ? se não der para criar uma "Liberland" em águas internacionais que nos mudemos para países com estados menos draconicos (rs.)
  • Andre Cavalcante  10/07/2015 14:04
    Ramon,

    Primeiramente, o que é risco pra você?

    Investir num ativo e ele se desvalorizar? Então bitcoin tem risco, e dos grandes, pois já tem histórico que isso aconteceu.

    Ter sua carteira digital roubada por um hacker? Então a tecnologia de carteiras do bitcoin tem risco e bem grande, inclusive com histórico de que já aconteceu.

    Ter sua aplicação em bitcoins virar fumaça na mão de uma exchange escroque? Bem, já aconteceu isso com milhares de bitcoins e milhares de pessoas mundo afora.

    Agora, ter o governo se metendo em como você vai gastar os seus bitcoins, isso realmente ele não tem como fazer e nisso é bitcoin é livre de riscos.

    Novamente, historicamente, os bitcoins teve seu valor, em dólares, sempre acima deste, enquanto o ouro e outras commodities tem seu valor dependente justamente se o dólar está fraco ou não.

    Estude mais sobre os bitcoins e invista neles somente o que pode perder, por enquanto, a fim de que possa avaliar os riscos de forma mais completa.

    Abraços
  • bruno  10/07/2015 22:47
    Bom, quanto ao banimento do BTC.

    Acho difícil, pois se até agora não se importaram pra valer com o ouro ou a prata, pq mexer com os bitcoinzeiros (seja o tamanho que for o mercado)? Da mesma maneira que se pode esconder o ouro, pode-se fazer o mesmo com o bitcoin (cópia em um pen drive, por exemplo).

    Ok, podem "hacker" o BTC, impossibilitando a circulação do mesmo, mas fato é que ele ainda será aceito por alguns países mais livres, veja o caso dos silver-dollars nos EUA.

    Tá bom, pode não haver lojas nacionais que não aceitem bitcoins. Olhando o bitcoin como um investimento (o que me parece ser a percepção atual de grande parte dos bitcoinzeiros), muitas pessoas gostam de segurar francos suíços. É quase certo que nunca irão à Suíça gastá-los, apenas veem nesta moeda um porto seguro. Não poderia o BTC tbm ser utilizado para este fim?

    Penso que se o BTC cair, ouro e prata tbm deverão ser banidos. Aliás, esses metais deveriam tombar primeiro, uma vez que o volume de negociação deles é muito maior.

    Adendo, isso aqui é impressionante:
    www.cnbc.com/2015/07/07/reuters-america-update-1-us-mint-sold-out-of-silver-coins-due-to-strong-demand.html

    O preço da prata do mundo real está totalmente fora de alinhamento com os mercados, a prata está na mínima de pelo menos cinco anos. Parece que o sistema de formação de preços foi mesmo pra caçapa...e alguns de vcs ainda se importando com a falta de lastro do BTC?! kkkkk
  • Dissidente Brasileiro  11/07/2015 02:33
    Você se esquece que o ouro e a prata possuem valores intrínsecos no mundo real que o Bitcoin nunca terá porque o mesmo existe apenas no mundo digital.

    Ouro e prata podem ser usados na fabricação de jóias, de condutores, na eletrônica, na medicina, na arquitetura, no vestuário, ou seja, quase em qualquer lugar devido à características particulares como alta versatilidade e maleabilidade; isto são finalidades práticas com utilidade e valor intrínsecos no mundo real, e é por isso que esses metais sempre tiveram lugar de destaque na História da Humanidade, antes mesmo de considerarem seu uso como moeda de troca e reserva de valor. E quanto ao Bitcoin? O que se pode fazer com o Bitcoin no mundo real? Quais são as características que ele possui as quais possam ser atribuídas valores intrínsecos?

    O Bitcoin tem sim sua vantagem como meio de transmissão de pagamento e elevada segurança proporcionada pelo uso de PKI em contraste com alternativas tradicionais como cartões de crédito, débito, transferência eletrônica e boleto bancário. Mas daí a considerá-lo como uma moeda em si já são outros 500...
  • IRCR  11/07/2015 03:27
    Ouro tem vantagem de ter uma demanda minima coisa que o Bitcoin não tem. Porém, o Bitcoin é usado tb como moeda já o ouro não, pois me mostra alguma loja que aceite vender algo com ouro.
    Bitcoin tb tem portabilidade e segurança maiores e custos mais baixos que o ouro.

    Diria que compre um pouco de ouro e um pouco de Bitcoin e seja feliz. E aproveite o melhor de cada um.
  • Dissidente Brasileiro  11/07/2015 05:34
    Porém, o Bitcoin é usado tb como moeda já o ouro não, pois me mostra alguma loja que aceite vender algo com ouro.

    Precisa mostrar? Ofereça pagamento em ouro a um comerciante individual que seja dono de loja por exemplo. Eu mesmo conheço pessoalmente um. Quem seria louco em recusar ouro como pagamento? O problema não é encontrar quem aceite e sim quem não DESCONFIE da oferta, pois obviamente não é algo tão comum nos dias atuais.

    Diria que compre um pouco de ouro e um pouco de Bitcoin e seja feliz. E aproveite o melhor de cada um.

    Mas como disse acima: O Bitcoin tem sim sua vantagem como meio de transmissão de pagamento e elevada segurança quando comparado as formas tradicionais de pagamento utilizadas em ambiente virtual. Mas as questões que o cercam ainda permanecem, inclusive aquelas relacionadas a alta volatilidade financeira, tornando-o atraente como ativo para especulação financeira. Isto é uma grave limitação a ser resolvida, principalmente se considerarmos que o Bitcoin pretende servir - ou mesmo substituir - o dinheiro tradicional.
  • Jacob  11/07/2015 03:37
    Ouro não tem valor intrínseco. Para quem não trabalha na fabricação e venda de jóias, de condutores, na eletrônica, na medicina, na arquitetura ou no vestuário o valor subjetivo do ouro é zero. Do mesmo modo, se nenhum consumidor valorizar o ouro como jóia ou forem descobertas alternativas melhores que o ouro na área de eletrônica, por exemplo, os produtores desses bens irão igualmente deixar de valorizá-lo como antes.

    Para ser justo, não vou dizer que o valor mínimo do ouro pode ser zero, afinal ele ainda pode ser utilizado como um peso de papel. Dessa perspectiva, o bitcoin realmente leva desvantagem, porque os bits são inúteis se não carregam nenhum tipo de informação.
  • anônimo  11/07/2015 09:29
    Atualmente o que parece importar ao mercado nessa questao nao é o uso do material em uma industria, e sim a confiança no mesmo. Veja que acima relatei o caso da prata. Industrias podem até mesmo se basear em preços de derivativos (meu pensamento é q industrias nao pensam muito no preco, apenas se protegem via hedge atualmente), mas fato é que investidores andam preferindo o metal fisico. É como se atualmente commoditties e moedas perdessem sua finalidade principal (industria e comercio). Sem querer comprovar essa ideia, mas veja o q está acontecendo com coisas relacionada a confiança estes ultimos meses e semanas: fundos imobiliários (ancorados em lastro físico) estão subindo para surpresa de muitos, bitcoins subindo uns 30%, moedas de prata sendo evaporadas, o dólar anda se valorizando enlouquecudamente etc. O sistema de formação de preços parece ter ido pro beleléu r as pessoas cegas andam correndo pra portos de confiança...isso costumava acontecer em momento pontuais de stress, mas agora parece ser o novo normal.
  • IRCR  11/07/2015 20:57
    Pessoal do Zero Hedge em seus artigos falam muito que o preço do ouro está sendo controlado pelos BCs. Vejo quase nada sobre isso sendo falado aqui.

    Alguma autoridade no assunto podia fazer uma posição sobre isso ?
  • Leandro  11/07/2015 21:48
    E provavelmente não verá. Não há nenhuma base -- nem teórica e nem empírica -- para esse argumento.

    Governos podem manipular preços de commodities muito pontualmente, mas não por um período prolongado de tempo. No caso do ouro, o preço caiu, em dólares, de 1.900 para 1.180 em quatro anos. Isso não é intervenção; isso é o dólar se valorizando.

    Tanto é que, em reais, o preço do ouro só sobe. Cadê a intervenção aí? Se os governos realmente estivessem querendo desvalorizar o ouro, o metal estaria se desvalorizando em todas as moedas. Mas isso não está acontecendo.

    Cuidado com sites ideológicos. O Zero Hedge tem informações interessantes, mas seu viés é claramente catastrofista. Isso obscurece a capacidade de discernimento do analista.
  • Pedro  11/07/2015 22:07
    Pode sim, Trajano. A constituicao assegura aos brasileiros dairem do pais, inclusive com seus bens. Se decider nao sair, pode transferir seu rico dinheirinho.
  • Pedro  11/07/2015 22:34
    Desculpe, Andre, mas voce ouviou o galo cantar mas nao sabe onde...
  • A Brutal Realidade  13/07/2015 21:43
    Eu não consigo ver essa blindagem toda do bitcoin por um fato muito mais prosaico e real do que discussões sobre criptografia ou infovias bloqueadas:
    basta os agentes do governo encostarem uma bereta no teu crânio e te mandarem transferir esse dinheiro digital todo pra conta do Grande Irmão. E aí, pra onde vai toda a intocabilidade do patrimônio privado?

    Esse artigo foi escrito por um gringo, que, por mais libertário que seja, ainda crê na decência mínima do governo. Nós, habitantes dos trópicos selvagens, conhecemos toda brutalidade existente no mundo.
  • Rodrigo Garcia  17/07/2015 11:58
    Caso eu negocie em BitCoin, o Governo onde houve a negociação deixará de recolher imposto. Na legislação de qualquer país isto é considerado crime. Apesar disso, a Revolta do Chá mostra que nem tudo que é crime, é imoral. O BitCoin é uma iniciativa muito interessante, levando a várias questões que entortariam mentes tradicionais.

    Uma transição mundial para Bit Coin seria traumática? Acredito que sim. Muitos não estão preparados, em vários sentidos, para um evento desta magnitude. Existiria um Governo de transição ou permanente que arrecadaria apenas por taxas fixas? E com o Bit Coin já funcionando plenamente, como os serviços públicos essenciais seriam geridos? Como os poderes de uma República seriam alimentados? As colunas ruiríam com o tempo, sobrando apenas o essencial? Os Governos não irão querer, obviamente. Preferem o conforto do doce leite que cai diretamente em suas bocas. A iniciativa do BitCoin só viria com o interesse e a moda adquirida pelo povo.

    O risco existe. Onde há moeda, há ladrão.
  • Emerson Luis  11/08/2015 19:40

    A ideia ainda está em desenvolvimento, recomenda-se cautela.

    * * *


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.