clube   |   doar   |   idiomas
O Brasil optou por mais estatismo - a visão dos estrangeiros

Recessão econômica, inflação de preços acumulada em 6,7% nos últimos 12 meses, e um audacioso esquema de corrupção na estatal Petrobras não foram suficientes para negar à presidente Dilma Rousseff, do PT, a reeleição para um segundo mandato.  Ela derrotou seu desafiante Aécio Neves, do Partido da Social Democracia Brasileira, por 51,63% a 48,36%.

A campanha de Dilma baseou-se em uma plataforma anti-mercado e pró-assistencialismo, o que ajuda a explicar por que ela se saiu muito melhor nas regiões mais pobres e dependentes de auxílios do governo do que nas regiões prósperas voltadas para o agronegócio, como o sul e o centro-oeste, e na maior cidade brasileira, onde a economia se baseia majoritariamente no setor de serviços e em indústrias de alto valor agregado.

Assim como nos EUA, o Brasil também possui uma classe alta formada por eleitores urbanos de esquerda, que se sentem virtuosos em defender a intervenção estatal na vida de outras pessoas e em ajudar a ditadura cubana.  Porém, existe também um Brasil mais ambicioso, o qual é formado por empreendedores que se arriscam, por agropecuaristas competitivos globalmente e por uma ascendente classe média que anseia enormemente por uma maior integração com o resto do mundo.  Esses brasileiros queriam desesperadamente uma mudança para mais mercado e mais capitalismo, e viram no candidato Aécio Neves um representante mais próximo dessa mudança.  Foram esses brasileiros que fizeram com que as eleições presidenciais do último domingo fossem a mais apertada da história do Brasil.

Com esse resultado apertado, Dilma tem agora de descobrir o que fará com seus próximos quatro anos.  De um lado, ela pode imaginar ser possível consolidar o poder do PT — seu objetivo supremo — dando continuidade às políticas que utilizou até agora, não importa os custos para a economia.  Alternativamente, ela pode optar por fazer ajustes econômicos pragmáticos com o objetivo de restaurar a confiança e o crescimento.

Essa última opção é até possível, mas é bem improvável, pois os militantes do seu partido, que ganharam poderes e engordaram suas contas bancárias durante os governos do PT, querem ainda mais poder, e não menos.  Dilma pode até fazer algumas declarações aparentemente conciliatórias e, no curto prazo, implantar algumas medidas em prol de um pouco mais de liberdade econômica, como fez seu mentor Lula nos primeiros anos de seu governo, quando ele tinha o objetivo de acalmar os mercados que estavam em queda por temor de seu novo governo.  Uma vez alcançado esse objetivo, no entanto, Lula voltou para a esquerda.

As chances são de que Dilma fará o mesmo, assegurando por mais quatro anos a já tradicional reputação do Brasil para a mediocridade.  Somente se uma investigação criminal comprovar que Dilma e Lula sabiam sobre o esquema de corrupção na Petrobras é que as coisas podem se alterar substantivamente.

A grande ironia da campanha eleitoral é que, enquanto Dilma e Lula reivindicavam todo o crédito pelo crescimento econômico que o Brasil vivenciou na década de 2000, ambos se opuseram às reformas estruturais ocorridas na década de 1990.  A privatização de empresas estatais, a abertura (ainda que limitada) da economia brasileira à concorrência estrangeira, e a reforma monetária de 1994, que criou o real e acabou com a hiperinflação — todas essas medidas estimularam o desenvolvimento e, devido a essa geração de riqueza, possibilitaram a criação de programas assistencialistas mais generosos, os quais são a marca registrada do PT. 

Não fossem essas reformas da década de 1990 — às quais o PT se opôs —, não haveria chances de sucesso para os subsequentes governos do PT na década de 2000.

O problema é que o PT não quis aprofundar essas reformas, e a consequência é que o "milagre brasileiro" morreu no berço.  Na mais generosa das avaliações, o país é visto hoje como apenas mais um entre vários países em desenvolvimento; já na maioria das vezes, ele é visto lá no fim da fila.

Nem Lula e nem Dilma parecem se preocupar com desenvolvimento econômico.  De acordo com um relatório do Goldman Sachs, de 2004 a 2013, os gastos do governo cresceram a um ritmo de 8% ao ano, em termos reais, o que representou um crescimento mais de duas vezes maior do que o crescimento do PIB.  A inflação de preços está hoje em quase 7% ao ano para aqueles bens e serviços cujos preços não são controlados pelo governo.  E quando se considera apenas o setor de serviços, a inflação de preços está em 8,6% ao ano.  Para piorar, as expectativas quanto à inflação futura estão se deteriorando.

Dilma imaginou que poderia conter a carestia congelando o preço da gasolina, a qual é ofertada pela Petrobras, e o preço do etanol, o qual é ofertado por usineiros locais e utilizado por carros flexíveis em combustível.  No entanto, dado que os custos de produção continuaram aumentando (por causa da inflação crescente), a Petrobras e o setor sucroalcooleiro estão incorrendo em severos prejuízos.  Várias usinas de álcool já faliram e várias outras estão por falir.  Elas não sobreviverão caso essa política de congelamento de preços continue.

O PT se gaba de ajudar os pobres com políticas assistencialistas, mas a mesma mão que dá é aquela que tira — e a mão que tira é a mais pesada.  O aumento do protecionismo, os pesados encargos sociais e trabalhistas que oneram a folha de pagamento das empresas, os altos impostos sobre o consumo, uma infraestrutura em frangalhos, e as inflexíveis leis trabalhistas geram custos que impedem o aumento dos salários e que fazem com que o padrão de vida dos brasileiros esteja muito aquém do seu potencial.

Ainda mais preocupante é o estrago que o PT pode fazer com as instituições e com o estado de direito ao longo dos próximos 48 meses.  A sociedade civil brasileira é uma forte defensora das liberdades civis e do pluralismo.  No entanto, como um sagaz empresário me confidenciou, "Estamos vivenciando, passo a passo, uma tendência rumo à Argentina, à Bolívia e ao Equador".  Um exemplo é o decreto de maio, assinado por Dilma, que cria os "conselhos populares", os quais criariam um modelo semelhante ao que já existe na Venezuela.  Até o momento, o Congresso vem oferecendo resistência.  Porém, se o tradicional esquema de compra de votos ocorrer, ele pode capitular.

Trata-se de uma perspectiva pavorosa para qualquer pessoa que conheça um pouco de história.  Como já havia observado no século XVIII o filósofo David Hume: "A liberdade não é abolida de uma só vez; o processo ocorre em etapas." 

Hoje, Dilma é apenas uma política que ganhou uma eleição.  No futuro, os brasileiros podem aprender que o governo de um partido só e regras indefinidas são os verdadeiros projetos de longo prazo do PT.



autor

Mary Anastasia O’Grady
é editora do The Wall Street Journal e faz a cobertura de eventos da América Latina.


  • Pedro  28/10/2014 13:58
    Pessoal, ha fortes indicios de que as urnas foram fraudadas.
  • Um observador  28/10/2014 14:22
    Qual indício? E por que o Aécio não está reclamando disso?
  • Andre  29/10/2014 11:18
    Aécio não reclama porque as provas, bem como todo a investigação foi engavetada pelo TSE e a OAB, além de que o candidato Aécio esta envolvido com pessoas que possuem empresas que fazem parte do esquema de desenvolvimento dos códigos da urna eletrônica.

    Nada disso é achismo, as provas estão ai para quem se interessar, esse ano o TSE não liberou a auditoria das urnas, mas no ano de 2012 a auditoria foi realizada e duas falhas graves de segurança foram descobertas. Uma deles muitos ja devem saber que é a possibilidade de "desembaralhar" os dados e descobrir em que candidato cada eleitor votou. O erro erro grava é um "backdoor", ou seja, um programa que roda na urna eletrônica que pode ser utilizado para realizar fraudes.

    Uma fraude foi realizada nas eleições de 2012 e esta tudo documentado e explicitado no seguinte site:
    www.cic.unb.br/~rezende/trabs/eleicoes2014/index.html#faced

    Não estou dizendo que houve fraude, mas que há SIM a possibilidade de haver.

    Vale ressaltar que tudo o que foi descoberto foi prontamente ignorado pelo TSE, mas em hipóteses alguma negado.
  • Ricardo  29/10/2014 12:24
    A resposta é porque a maioria dos partidos e candidatos não têm condições de fiscalizar nem mesmo a totalização (já que fiscalizar a apuração é completamente impossível). E quem questionar qualquer coisa, segundo o Ministro do Supremo é proibido pelo candidato.

    Qual o indício?
    Vários, dentre alguns vou citar:
    https://www.youtube.com/watch?v=am-vgd1tM44
    https://www.youtube.com/watch?v=fiN13rtzLyM
    https://www.youtube.com/watch?v=r3uQW7CDyfo
    ... e olha o que o Otário tem a dizer: https://www.youtube.com/watch?v=_DQONk4disU

  • Jeferson  28/10/2014 14:30
    O problema é reunir provas e apresentá-las.
  • anônimo  28/10/2014 14:36
    Ah, então a democracia é boa, só é ruim quando o PT frauda as urnas. Mas foi a democracia que deu poder pro PT de fraudar, então...
  • Lopes  28/10/2014 15:19
    Um governo Aécio, sinceramente, talvez não fosse em muito diferente de um governo Dilma quanto uns parecem crer. Os governantes democráticos brasileiros seguem os mesmos princípios como uma receita: sem jogadas arriscadas (não esperem uma 'Currency Board' para amordaçar a política monetária e terminar por reduzir a margem da gastança do leviatã em um mandato que acabou de começar e precisa mostrar serviço de curto prazo), mantendo grupos de interesse satisfeitos (acho improvável, adendo ao comentário acima, que ele puxaria o câmbio para menos de 1,80 em uma recessão técnica; muito menos fundaria um currency board precisando do apoio do setor exportador), sem reduzir o gasto governamental além do necessário para não expor um déficit ou falta de superávit - em especial, os programas assistencialistas, a burocracia, as estatais (o PSDB age com vergonha e parece assumir as privatizações do FHC como um 'mal necessário'); é suicídio político mexer nestes três pontos, além de o segundo ser protegido pela própria constituição e pouco flexível.

    Somente a tentativa de conter mais um período de déficit estatal, pela porcentagem em que ele está, poderia facilmente terminar em uma retaliação da aristocracia sindical aliada ao PT para 'impedir a austeridade'.

    Tenho de ir agora. Mais tarde, continuarei as especulações. Espero adicionar algo à discussão.
  • Pedro  28/10/2014 16:32
    Um governo Aécio, na questão econômica, talvez não fosse tão diferente do que o governo do PT já foi, mas com a petezada no poder por mais 4 anos, muita coisa vai mudar...., e para pior. Vão censurar a midia, a internet, nem esse site estará mais seguro, além dos "soviets" que o PT quer aprovar a todo o custo e, convenhamos, a oposição que temos não é forte o suficiente para barrar isso. Enfim, a não ser que aconteça algum milagre como uma súbita mudança de pensamento do governo petista ou o impechment por conta do Petrolão, o Brasil já era.
  • Mauricio Moreira  28/10/2014 21:40
    Exatamente Pedro.
    Eles vão tentar de tudo para bolivarizar o Brasil. Ninguém que defenda a liberdade estará seguro,nem sites como esse.

    Não sou a favor de Aecio ou de qualquer partido,quero uma sociedade de leis privadas.Mas sejamos realistas,o PT quer destruir o pouco que temos de liberdade.Então a luta era e continua sendo contra esse grupo totalitário que se entranhou em todas as instâncias de poder e na sociedade civil por meio da tática gramsciana.

    Acho que o cenário econômico e político internacional e' que vai ditar o que vai acontecer.
    Se as condições sociais e econômicas nos Estados Unidos ,Europa,China,Japão se deteriorarem muito,como parece ser o resultado final dessas políticas econômicas adotadas nas ultimas décadas por esses países,conseqüências desastrosas atingirão o Brasil.

    Com isso fortalecerá qualquer movimento de oposição,de impeachment se for o caso,ou pelo menos de contenção do projeto de poder desse pessoal.
  • Lopes  28/10/2014 22:03
    De fato, Pedro; apesar de algum ceticismo meu (convenci-me há muitos de que os petistas nada queriam além da manutenção de suas mamatas atuais no aparato estatal: não chamar muita atenção para si e alongar ao máximo possíveis mandatos, com eventual flertes à censura para beneficiar a imagem dos coligados apesar da internet), é inegável que há uma agenda totalitária cada vez mais evidente em pauta sob a lona do que é tangível aos desavisados e há fortes similaridades entre as atitudes petistas atuais com os estratagemas venezuelanos; também é mister mencionar que o PT é integrante confesso do Foro de São Paulo, tal qual o PSB - em uma trágica situação eleitoreira, dois candidatos do Foro disputariam a presidência, no caso, Roberto Campos / Marina e Dilma.

    Enfim, a situação é deplorável e não mais se limita ao cerne econômico, que por si só, é uma história de terror macabra que parece sem saída na conjuntura ideológica-democrática atual; mas também este sutil crescimento autoritário que se torna mais explícito a cada dia e me guia a, apesar de o sonho típico filosófico de um Cubão sempre me ter parecido um tanto de distante, a VERDADEIRAMENTE temer por uma deterioração ainda mais trágica da situação atual ao nível de Venezuela ou Argentina.

    O fato de Dilma estar a reunir-se com Mantega enquanto escrevo este texto já nos faz esperar que nada muito diferente virá por aí no Ministério da Fazenda; torcemos para que não Arno Augustin.

    Estou realmente preocupado com os próximos anos.
  • Daniel costa  28/10/2014 14:56
    Se foram fraudadas, por que correspondem exatamente às últimas pesquisas ?
  • Alexandre  28/10/2014 15:37
    Já eu te pergunto justamente o contrário: Se todas as pesquisas anteriores não corresponderam à realidade, por que justamente a última acertou?
  • Hay  28/10/2014 15:22
    Por fortes, entendam uma ou duas fotos de urnas com problemas e compartilhadas à exaustão. Não acho impossível que haja fraudes, mas enquanto só houver uma meia dúzia de relatos histéricos, não tenho como levar essa hipótese a sério.
  • Ivan  28/10/2014 18:34
    Um 1 só fraudado já é motivo suficiente para que a eleição seja invalidada. Se não se pode garantir a legitimidade de 1 voto, como garantir a de milhões?
  • Pedro  28/10/2014 15:28
    Sejamos realistas, não há prova nenhuma de que as urnas foram fraudadas (embora a democracia por si só já seja uma fraude), tudo que temos são alguns casos isolados de pessoas que não puderam votar porque já haviam votado por elas, mas isso tem em toda eleição e é fruto do erro de mesários, já que os mesmos não são perfeitos, ainda mais quando estão trabalhando de forma forçada em pleno domingo.

    O que vale é a maioria dos votos válidos, e foi o que a Dilma levou, a maioria dos votos válidos, ponto final. A mentalidade do brasileiro em média é estatista, sempre foi assim e não mudou agora. Até mesmo boa parte do pessoal que anulou o voto é estatista, boa parte dos mesmos o fizeram porque acham que o PT não é estatista o suficiente.
  • Leonardo Faccioni  28/10/2014 16:32
    É impossível haver "prova de fraude", uma vez que o sistema é, per se, imune a qualquer forma de auditoria externa. O que se deveria exigir -- não de agora, por óbvio, mas desde o despontar do sistema eletrônico absurdo que só aqui e na zona libre chavista se acatou -- é, justamente, prova de correição suscetível à supervisão, in loco, de qualquer cidadão (tal qual pronunciou o Tribunal Constitucional alemão, ao recusar o modelo eletrônico), não "prova de fraude".

    Dizia eu alhures: como foi colocada no Brasil, digitar numerozinhos no teclado da urna eletrônica não diverge, em nada, de sussurrar o voto ao pé do ouvido de um burocrata não só incorruptível, como de memória infalível -- assim atestado pelo chefe da repartição.

    Ambos prometem revelar, ao final, o exato input que receberam dos usuários. Ambos são garantidos pela alta hierarquia do Estado. Nenhum fornece o mais remoto comprovante de que o input, e apenas o input regular, foi efetivamente registrado e reflete o output revelado. Mas, vá lá, vai ver o Dias Toffoli e a meia dúzia de auditores selecionados pelo próprio Tribunal Superior Eleitoral sejam classe especial de burocratas que, segundo algum princípio mágico, mereça nossa fé cega.

    ***

    Sugestão: procurem no Youtube pelo canal da iniciativa "Você Fiscal" e assistam, lá, à palavra do técnico que a idealizou, nas audiências públicas realizadas pelo parlamento (a iniciativa em si é de pouca monta, pois foca nos boletins de urna e não há razão para supor que, havendo algum algoritmo malicioso no software do sistema, este não atuaria diretamente na matriz, assegurando que todo o output saia coerentemente viciado -- mídias eletrônicas e boletim de urna igualmente).

  • Leonardo Faccioni  28/10/2014 16:42
    Em tempo: não estou eu a afirmar que tenha havido fraude. Não possuo tal informação. O que afirmo peremptoriamente, embora leigo -- mas balizado tanto pela obviedade do construto tal como reconhecida pelo judiciário europeu, quanto por consulta de bons pareceres técnicos -- é que o sistema que nos foi dado é impossível de validar, sendo sua única garantia de lisura, para absolutamente todos os passos do processo eleitoral, a palavra de, literalmente, meia dúzia de burocratas. Se houvesse intenção de fraude (e, provável ou não, é uma possibilidade), aplicá-la seria de uma simplicidade imensa. Sobretudo quando se considera as condições absurdas impostas mesmo aos raríssimos grupos convidados a auditá-las (pro forma), como se vê dos depoimentos que sugeri acima.

    Quando se pede "prova de fraude" nesse contexto, pede-se à [potencial] vítima que produza prova negativa. Inviável de plano.
  • Alan  28/10/2014 18:35
    E quanto às urnas possuídas que ficavam votando sozinhas?
    Nunca tinha visto isto antes nas outras eleições, mesmo com estas urnas eletrônicas.
    Teve um vídeo que vi em que tiraram o extrato da urna e esta vinha com 400 votos para Dilma e zero para Aécio. Muito estranho isso.
    Será que todos estes eventos estranhos foram meros erros de mesários?
  • Fernando   30/10/2014 13:39
    As urnas foram fraudadas....A urna eletrônica começou em 1994, já em 1998 estava em todo o país. Concordo, as eleições de 1994 e 1998 também foram fraudadas.
  • Eduardo  28/10/2014 14:42
    Há um erro neste texto. O Decreto 8.243/2014 é ato da Presidência da República, portanto, não depende do Congresso e já está em vigor a partir de sua publicação no Diário Oficial da União em 26.5.2014.
  • Campos  28/10/2014 15:12
    A Câmara Federal aprovou um projeto para barrar o Decreto 8.243 que institui a Política Nacional de Participação Social (PNPS), considerado por muito juristas, como Ives Gandra Martins, um decreto ditatorial

    www.dm.com.br/texto/184372
  • Malthus  28/10/2014 22:02
    PT tenta impedir votação de projeto que cancela decreto bolivariano de Dilma

    www.folhapolitica.org/2014/10/pt-tenta-impedir-votacao-de-projeto-que.html#more
  • Eduardo  28/10/2014 23:26
    www2.camara.leg.br/camaranoticias/noticias/POLITICA/476669-PLENARIO-REJEITA-NOVO-PEDIDO-DE-ADIAMENTO-DE-PROJETO-CONTRA-CONSELHOS-POPULARES.html

    28/10/2014 - 20h51
    Plenário rejeita novo pedido de adiamento de projeto contra conselhos populares
    O Plenário da Câmara dos Deputados rejeitou há pouco mais um requerimento do PT para retirar de pauta projeto (PDC 1491/14) que anula o decreto presidencial que criou a Política Nacional de Participação Social, com diversas instâncias para que a sociedade influencie as políticas públicas.

    A oposição – apoiada pelo PMDB, pelo PSD e outros partidos da base – critica o decreto por considerar que ele invade prerrogativas do Congresso Nacional e pode significar uma tentativa de aparelhamento do Estado, já que toda a participação será coordenada pela Secretaria-Geral da Presidência.

    O governo, por outro lado, afirma que o decreto tem como objetivo ampliar o diálogo do Executivo com os movimentos sociais.
  • Dorival Hartung  28/10/2014 14:46
    Nessas horas me arrependo de não ter sido voluntário nessas missões pra Marte.
  • MCcapitalista  28/10/2014 14:58
    Pedro. Quem dera isso de fraudar urnas fosse verdade,mais infelizmente posso te garantir que não é,é só ouvir o povão falando que vc ve claramente o porque a Dilma ganhou as eleições. O povo é acomodado,vagabundo e burro. A maioria só que saber de receber bolas governamentais,acha isso bonito,acha lindo e honrado o cara ser funcionario publico,espera mais estatismo,se alienam com futebol e se casam com a primeira porcaria que encontram,gerando assim mais miseria,fome,violencia e toda sorte de desgraçã. Nem para envolvimento o brasileiro pensa na frente a longo prazo.
  • Brasileiro Nato  28/10/2014 15:13
    Pois é camaradas, o unico jeito é espalhar conhecimento para as pessoas, lembrem-se: Idéias e somente idéias podem iluminar a escuridão.

    Hoje, caminhando até o trabalho (meu carro foi apropriado pelo governo e agora serve de moradia para 4 pessoas na calçada em frente em casa, que é dividida por mais 14), fui abordado por um bandido armado de um canivete, que pediu meu celular (um Nokia 1100 bancado pelo estado pra substituir o meu antigo; afinal, o Grão-Mestre das Finanças e Sociedade, Leonardo Sakamoto, disse que é proibido ostentar).

    Realizando que ele é apenas uma vítima da sociedade burguesa e opressora vestigial que o governo tenta eliminar, me compadeço e entrego o celular. Ele me esfaqueia mesmo assim - tudo bem, não dói, eu repito mentalmente, a face de Lula com um olhar de desaprovação me encara na minha imaginação.

    Sangrando, continuo meu caminho e encontro uma patrulha do PT, com uma Feminista-de-caça espumando pela boca. Ao sentir o cheiro de sangue cishet branco ela salta sobre mim e me derruba, enquanto os oficiais de vermelho se aproximam e tomam minha carteira, procurando meus documentos e embolsando meu dinheiro. Custos operacionais, eles dizem, enquanto me ameaçam. Eu compreendo, sou um bom cidadão, o Partido precisa de muito dinheiro para cuidar de nós.

    Chegando no trabalho, descubro que novamente meu turno foi dividido com outras 8 pessoas, medida do governo para garantir o pleno emprego. Sou contador, mas essas pessoas obviamente nunca foram alfabetizadas nos números, e só me atrapalham enquanto tentam fazer o meu trabalho simultaneamente. Não produzimos nada o dia todo. Novamente, compreendo: O partido tem que manter o pleno emprego pelo bem da população.

    Sou chamado pelo meu chefe. Demitido. O motivo? Sou cishet branco e jovem demais. Deram meu cargo a uma feminista misândrica lésbica de 68 anos. Tudo bem, eu entendo.
    Caio em posição fetal no banheiro da firma e tento chorar, mas minhas lágrimas flutuam pelo ar em direção à Central Coletora de Fluídos, pintada de vermelho com uma linda estrelinha com as letras P e T no centro. Serão purificadas e transformadas em combustível para o carro de algum membro do partido.
    Mais uma vez, como faço quase todo dia, me pergunto: Por que votamos Dilma naquele longíquo 2014?
  • Freedom Fighter  28/10/2014 17:16
    Meu caro Brasileiro Nato,

    Acho que voce está mal informado sobre como funcionam as coisas com o Estadão. Somente se voce continuar a ser um "reaça" ou um "neutro" com simpatia pelo PT isso acontecerá.

    Se virar do partidão, ou, melhor ainda, capacho dos "coroné" sem os quais essa imundície toda não aconteceria (Sarney, Collor et al), voce poderá ter a vida que quiser, subsídios estatais à vontade, oprimindo os miseráveis e ainda falando que contribui para a democracia real!

    Tem empresários amigos do rei na Venezuela, por exemplo, que estão se esbaldando importando coisas altamente tecnológicas como papel higiênico e ganhando milhões.

    Sejamos realistas. Se não vamos ser liberais e a favor do livre mercado, que viremos ratazanas amigos do rei e, ainda por cima, com viés de "amigos do povo"!

    Abs
  • Felipe  28/10/2014 15:30
    Triste e lamentável,

    O estado cria problemas e assim o estado precisará criar novas "soluções" que acarretarão em novos problemas, um ciclo que nos levará a virar uma Argentina e por fim uma Venezuela.

    Vontade que tenho é de ataca uma bomba nesses militantes (Apenas vontade).

    E ainda temos que ouvir que é justo por que é uma escolha democrática.

  • helena  28/10/2014 15:57
    Duro mas a realidade está batendo a nossa porta preparem para aguentar o tranco eleitores do pt o que levou todos os outros brasileiros que não coadunam com seus ideais de vida ao desabastecimento,escassez de serviços,saude da pior qualidade,assinaram embaixo para o roubo e a corrupção continuar nos mais altos patamares,sem contar a falta de remédios que já começa a acontecer nos postos de saúde.Que Deus nos ajude.
  • Kiko  28/10/2014 16:01
    Eu realmente duvido que tenha havido alguma fraude, eu sei que no fundo todos queremos pensar que sim, que nenhuma pessoa sã acharia que esse governo está indo bem depois de 12 anos no poder, mas infelizmente não é verdade. As pessoas são diretamente beneficiadas e não se preocupam em pensar em coisas mais complicadas. Sou estudante universitário e posso lhes afirmar o quanto é disseminado o pensamento esquerdista dentro da faculdade, inclusive já fui muitas vezes censurado enquanto tentava argumentar, de certo modo até entendo ! Não vejo motivo de um funcionário público não defender esse governo. O Brasil já está comprado nos mais diversos setores, quem pensa que o PSDB irá ganhar na próxima está mais do que enganado. O pobre já está contra o rico, o negro contra o branco, estado contra estado, porque ninguém se senti realmente com os mesmos direitos, sempre tem um ou outro com direitos especiais pelos quais não concordamos. Nos fazem pensar que todos negros defendem as cotas, que todos gays acham que os heteros os oprimem, que os nordestinos são burros e vagabundos. Quem aos poucos nos fez pensar dessa maneira é esse nosso governo, e quando paramos para conversar vemos que na verdade é apenas uma pequena parcela que pensa desta maneira, que muitos negros odeiam cotas, muitos homossexuais tão pouco se lixando para casamento (que é algo religioso) e só querem a união civil como a maioria dos heteros hoje em dia e que muitos nordestinos são absolutamente contra o PT.
    Mas eu tenho certeza que essa eleição mostrou que a situação não vai mudar, e eu nem esperava grandes mudanças, apenas um pouco mais de liberdade, me sentir farinha do mesmo saco.
  • Andre Luiz  28/10/2014 16:18
    "Somente se uma investigação criminal comprovar que Dilma e Lula sabiam sobre o esquema de corrupção na Petrobras é que as coisas podem se alterar substantivamente."

    Se uma investigação criminal comprovar que Dilma tinha conhecimento do esquema de corrupção na Petrobrás, o caso é para impeachment. É uma forma real de tirar ela do Governo. Mas mesmo com uma investigação criminal mostrando fortes indícios da participação de Dilma nesse esquema, sou cético que a expulsão dela do Governo vá ocorrer. A maioria do Congresso é formado por parlamentares estúpidos e cooptados pelo Governo. Dependeria, portanto, de uma forte mobilização popular, uma reprovação em massa da Dilma, o que não acredito que deva ocorrer. Se o Brasil estivesse realmente reprovando o PT, ele já estaria fora do Governo nas urnas, como deveria estar.

    É decepcionante ver um país como o Brasil se tornando um pária como a Venezuela e Argentina.
  • Pedro  28/10/2014 18:52
    Se a Dilma cair quem entra é o Temer, cujo partido, o PMDB, é o mais forte na câmara e tá doidinho para conquistar ainda mais poder. Acredito que se algo for provado contra ela o próprio PMDB vai conspirar para sua queda.
  • Daniel  29/10/2014 01:45
    E qual o problema do Temer? Pelo menos o PMDB é um partido de centro, pragmático. Não vejo problema algum.
  • Freedom Fighter  29/10/2014 12:22
    O PMDB é simplesmente rídiculo. A única idéia deles é sobreviver a qualquer custo, já que não existe um mínimo de coerência nos seus quadros.Voce tem desde fisiologistas clássicos, passando por evangélicos (Eduardo Cunha) e desembocando em alguns dos maiores senhores feudais do Nordeste/Norte (Sarney, Calheiros e Jader Barbalho). Seria melhor que o PT, mas um desgoverno ilógico e rídiculo que se venderia a quem der mais.
  • Jeferson  29/10/2014 14:42
    Ridículo ou não, como bem falou o Freedom Fighter, "Seria melhor que o PT", que é quem foi oficialmente eleito, e continuará no poder. Democracia é uma merda, mas antes ela a um regime totalitário. Será que vamos ter que iniciar uma revolução nesse país? Nem que seja pela secessão de um ou mais estados que estejam insatisfeitos?
  • mauricio barbosa  28/10/2014 16:23
    90.0000.000 de brasileiros já enxergaram o óbvio,mas os bolsistas vagabundos salvo as excessões é que medrosamente votaram neste projeto de estado-nação medíocre que tem cota para tudo,bolsa para tudo e a conta ficando mais pesada no meu lombo e fazendo com que a dinastia petista não saia mais do poder.Mas eu não entendo é essas alianças com partidos tradicionalmente de tendência direitista(partido de maluf)e esquerdistas fisiólogicos inofensivos a primeira vista igual o pmdb.Sei que o IMB é apartidário mas essa coligação que apoiou o pt é heterogênea e me causa espanto e confusão pois fica parecendo que todas essas acusações e insinuações contra o petismo parece fumaça e intriga de oposicionistas e nesse circo eu fico com cara de palhaço,meus amigos me ajudem a tirar essas dúvidas pois não quero cair naquela armadilha de acusar sem provar,por favor me ajudem com argumentos plausíveis e irrefutáveis pois sei que o intervencionismo é uma política nefasta mas será o petismo esse terror todo pintado ou não passa de um grupo que acomodou-se no poder e só quer mamar em paz igual a outros partidos que anseiam pela mesma oportunidade(Pilhar os recursos públicos),afinal onde está a verdade e onde está a mentira nestas acusações pois o caso petrolão me parece não dará em nada e a tal ditadura comunista não passa de devaneios,invenção,fantasia pois jair bolsonaro fala isso mas ao mesmo tempo almeja se candidatar a presidente da republica em 2018 e ele é um ferrenho opositor do pt e ai eu pergunto ele deveria está morrendo de medo desta ditadura,enfim já não tenho certeza de nada aliás a única certeza que tenho é que democracia é um blefe e intervencionismo é uma merda.ME AJUDEM COM ARGUMENTOS PLAUSÍVEIS POR FAVOR ANTES QUE EU VOLTE A ADMIRAR O SAPO BARBUDO CADA DIA MAIS FORTE.
  • mauricio barbosa  28/10/2014 21:51
    Ninguém entendeu meu desespero,gente cadê os argumentos plausíveis e irrefutáveis contra o petismo,estou provocando o debate pois espero uma resposta convincente pois do contrário continuarei libertário mas sem atacar partido político nenhum,afinal são todos iguais como lula paz e amor já falou no passado...
  • Francisco Cardoso  29/10/2014 13:51
    Não basta pra você o aparelhamento do governo/estatais, tornar sindicatos/"movimentos sociais" braços do governo (os sindicatos fizeram campanha eleitoral pra reeleição da presidente), apoiar diálogo com um grupo terrorista como o ISIS, o decreto bolivariano 8243 e o medo que a eleição do Aécio causou nos governos "amigos" como Bolívia, Argentina e Venezuela?

    Ou pra resumir em uma palavra: Foro de São Paulo. Precisa de mais algo? :D

    Francisco
  • mauricio barbosa  29/10/2014 14:26
    Bem pessoal acho que todos vocês devem estar pensando que eu endoidei,mas não é isso,detesto o bolivarianismo,petismo,esquerdismo,socialismo,estatismo,enfim tudo que atenta contra a liberdade de expressão e de ir e vir,pilares dos direitos humanos.Mas a minha dúvida é se com o petismo nossa liberdade de expressão e o direito de ir e vir estão ameaçados e corremos o risco de sermos sitiados que nem o povo cubano que só lhes resta se arriscar no mar enfrentando tubarões e a morte,e em nenhum momento da campanha eleitoral e do debate eu vi ou ouvi Aécio fazer este tipo de insinuação, o que me leva a concluir que os libertários estão fazendo tempestade em copo d`água e devemos nos limitar a questionar a política econômica,monetária,pregar a filosofia libertária e só criticar partidos políticos quando houver provas cabais,irrefutáveis pois vimos a VEJA dar um tiro pela culatra com sua capa sensacionalista e com esses bolsistas acomodados e medrosos, cota para tudo e um marketing de tirar o chapéu,esse partidéco ganhará todas e nossas acusações serão ridicularizadas sendo essa a minha preocupação,BOM SENSO acima de tudo devemo ter e vamos ficar alertas com os comentaristas tendenciosos que se infiltram em nosso meio para causar confusão e discórdia entre nós, não contribuindo para o debate,ao contrário querendo nos fazer de tolos,achando que somos um bando de adolescentes ingênuos quando na realidade fazem parte do grupo de comentaristas diários aqui no IMB pessoas de todas as faixas etárias,portanto esse é o meu desabafo.Um bom dia a todos.
  • Joás Fellipe  29/10/2014 16:49
    Hey man, de uma lina no blog: Diário de um ex-comunista, la vc encontrará algumas respostas.
  • Anarca  29/10/2014 18:57
    Antes de eu ler e ou tentar responder:

    1) Adicione parágrafos
    2) SEM CAPS LOCK
    3) Perguntas claras
    4) Argumentos, e não opiniões, muito menos ordens.
  • Renato  28/10/2014 16:24
    Cada leitor do mises.org.br a partir de agora deve incentivar secessão do seu estado para o maior número de pessoas possível.
  • Eduardo  28/10/2014 16:30
    Texto bastante preciso.

    Eu só não daria tanta ênfase nos brasileiros pró-Aécio terem sido por mais mercado e capitalismo, mesmo os mais empreendedores.
    Certamente no cenário atual de intervencionismo brutal as pessoas acabam pedindo desonerações, simplificações tributárias, menos burocracia, regulamentações e tudo mais.

    Mas penso que a boa maioria dos eleitores do Aécio queriam basicamente um PT atual que roubasse menos e que não tivesse pretensões totalitárias e autoritárias.

    Os que conheço geralmente são o pessoal que quer serviços publicosgratuitosedequalidade, investimentos do governo, estímulo do governo para a economia, e toda a receita social-democrática que segue.
    Nada muito diferente do que declara a agenda proposta (ao menos em teoria) do PT, exceto que eles veriam no Aécio uma forma mais eficiente e menos corrupta de implementar as mesmas idéias.

    Esse lance mais pró-mercado é verdadeiro no debate público americano, e dá para encontrar discussões de boca cheia sobre isso.
    Aqui no Brasil nosso movimento por mais mercado está bem pequeno e crescendo agora nos últimos anos.

    Novamente, infelizmente a maior parte dos eleitores do Aécio ainda queria um estado babá cuidando do cidadão do berço ao túmulo, intervindo na economia para gerar "resultados e desenvolvimento" e queriam isto feito por um cara que seria a princípio mais eficiente e menos calhorda do que quem está no poder.
  • MCcapitalista  28/10/2014 19:29
    Eduardo. Concordo com tudo o que você disse e percebi isso claramente no discurso do Aecio no debate. Por esse motivo eu decidi não ir votar e não me arrependo,pois o Brasil só vai avançar quando a pobreza alcançar boa parte de sua população,quem mais vai sofrer primeiro são os mais pobres,em seguida o funcionalismo publico com atrasos de salario e etc..
  • Bruno Nigro  29/10/2014 12:54
    Acho que existe um consenso - ao menos de frequenta esse site e conhece as lições do IMB quanto a políticas econômicas - que o Aécio estava longe de ser um excelente candidato, porém, era a única chance de pelo menos congelar a hegemonia do PT que agora vai para 16 anos no comando, já com a promessa de uma volta do Lula em 2018.

    Sim, a reeleição foi há 3 dias e ele já declarou que provavelmente voltará. O que não é novidade nenhuma, pois essa pedra foi cantada quando ele ainda era presidente e 'inventou' a Dilma como um 'gerente competente de mão forte'.

    O problema é que não tem como todo mundo se dar mal com essa estratégia, não acha? No fim das contas, você exerceu seu direito e ajudou a empurrar o país para mais 4 anos de governo do PT. Me desculpe, mas foram as 30 milhões de pessoas que resolveram ficar em cima do muro que quebraram as pernas do do Brasil.

    Nos resta correr atrás do prejuízo, não dando descanso para eles. A coisa é tão feia que vamos depender do PMDB pra fazer algo. E ontem eles derrubaram o Decreto Bolivariano, que agora segue pro Senado, onde também deve ser derrubado.

    A coisa está feia e tudo leva a crer vai piorar.
    Não há tempo para ficar em cima do muro.
  • Diones Reis  28/10/2014 16:38
    Uma situação que em breve será a mesma de várias cidades Brasil afora!

    g1.globo.com/ma/maranhao/noticia/2014/10/cidade-mais-dilmista-do-brasil-belagua-enfrenta-pobreza-e-fome.html
  • Vander  28/10/2014 16:44
    Bem... com certeza fraude nas urnas não teve.

    Mas o mesmo não posso dizer daquela pecinha que aperta os botões da urna durante as eleições. Essa pecinha sim posso garantir que é fraudulenta, principalmente quando é "lubrificada" com a cachaça do assistencialismo.
  • Leonardo Faccioni  28/10/2014 18:33
    Vander, sinto dizer, mas sua "certeza" necessariamente não passa de um muito humano e compreensível sentimento de adequação a uma aparência conveniente de verdade. Nem você, nem eu — ninguém teria condição de certificar a licitude dos procedimentos havidos sequer na urna mesma onde votamos, e não o poderíamos fazer tampouco se a acompanhássemos desde seu processo fabril até a entrega das mídias, passando por transporte, guarda, testes e instalação. A programação da urna é uma caixa preta inescrutável, e sua contagem, irrepetível.

    Se houve fraude? A resposta certa é: não sabemos, nem nunca saberemos, por absoluta indisponibilidade de meios auditáveis. Todo o resto é palavra vã; impressão subjetiva.
  • Vander  29/10/2014 01:59
    Leonardo, te digo: Aqui no Brasil não é necessário fraudar urnas. Basta você sair nas ruas e conversar com as pessoas. Verá que a fraude vem do próprio povo. As urnas são somente consequência desse fato. Foi isso o que eu mais presenciei nessas eleições. E é por esse motivo que sinto em dizer: o Brasil levará ainda muuuuuuuito tempo para conhecer o livre-mercado, infelizmente. Até que chegue esse dia, só tenho um conselho: se puder, aeroporto, sério!

    Socialismo aqui no Brasil é que nem cachaça. Se vende em qualquer esquina e faz a alegria da maioria bebum da população, principalmente daqueles 40 milhões que ganham a bolsa-cachaça de graça (mas que outros pagam).

    Em relação à urna em si, não tenho muito a declarar. Mas posso dizer, com uma grande margem de segurança: você está absolutamente certo. Entretanto não cabe a mim provar isso. E confesso: nem quero, pois não valeria a pena, pois nesse país o melhor ditado ainda é: 'melhor um covarde vivo do que herói morto'.
  • Vagner  28/10/2014 16:55
    Não nos esqueçamos do PNDH-3, que tem como objetivo central o "Controle Social dos meios de comunicação" e "Mediação para reintegração de posse". Esse PNDH juntamente com o Decreto citado, nos leva direto aos moldes venezuelanos.

    Ainda temos algumas chance graças a popularidade que o liberalismo vem ganhando nos últimos anos, principalmente com a chegada das redes sociais.

    O cenário eleitoral que vimos neste domingo prova isso. Por apenas um pouco mais de 1% dos votos válidos o candidato que propunha uma singela diminuição da máquina publica não foi eleito.

    Nos próximos anos contamos ainda com a chegada do Partido Novo, que permitirá uma puxada de folego ainda maior para os amantes da liberdades.

    Continuemos assim, propagando as idéias libertarias pelo país tupiniquim.

    Citando Rand:

    "Não deixe sua chama se apagar com a indiferença.
    Nos pântanos desesperançosos do ainda, do agora não.
    Não permita que o herói na sua alma padeça frustrado e solitário com a vida que ele merecia, mas nunca foi capaz de alcançar.
    Podemos alcançar o mundo que desejamos. Ele existe.
    É real.
    É possível.
    É seu."

    Saudações.



  • Eduardo  28/10/2014 17:09
    Assim se dá um pais católico, mais se respeita uma pessoa que ficou rica ganhando na mega sena do que a que cresceu com seu próprio trabalho. Esse governo sabe bem onde estamos e nós sabemos para onde vamos, ou melhor, voltaremos.
  • João Filipe  28/10/2014 17:50
    Penso que o Brasil não tem mais volta, o estatismo, o germe vicioso do socialismo já está implantado, já corre nas artérias dos brasileiros. Estudo numa faculdade federal e posso lhes dizer que somente eu não tenho ideais socialistas naquele antro. Outro dia, uma colega de classe me tentando convencer a votar na Dilma, disse que o Aécio iria privatizar a Petrobrás, o ensino superior e que iria governar em prol do mercado. Por um momento, por um devaneio, pensei "Caramba, esse Aécio é bom mesmo então". A doutrinação por parte dos professores é gigante também, faço um curso de licenciatura e nos tentam a todo custo colocar na nossa cabeça que o mérito deve ser desestimulado e que o coletivo tenha que ser glorificado. A julgar pela aceitação dessas ideias, mesmo com todo meu esforço para derrubá-las(chego a ser chato de tanto defender os ideais liberais), não teremos uma sociedade liberal nem mesmo em umas duas gerações.
  • Pedro  28/10/2014 21:18
    Pois é, tem muita gente por ai ainda pior do que o próprio PT e, pra piorar, esses piores do que o PT estão ganhando força. Só de pensar que 1,5 milhão de pessoas votaram em Luciana Genro já me dá calafrios.
  • joao paulo  28/10/2014 18:35
    Tenho duvidas sobre o tema a respeito da estatizaçao de paises pobres como o brasil. Muitos alegam q paises assim nao conseguiriam, apenas pela iniciativa privada, iniciar o processo de industrialização. E mesmo no nosso seculo, alegam q a iniciativa privada sozinha nao dá conta da demanda. Alguem tem dicas de leitura em portugues sobre o assunto?
  • Lizzoni  28/10/2014 19:08
    "Uma casa dividida contra si mesma, não prevalece..." o PT está dividindo o Brasil e exaltando ânimos separatistas de uma maneira que não se vê desde o século XIX.

    Importante estar ciente que a palavra "secessão" não tem poderes mágicos, à ponto de fazer com que uma São Paulo nação seja de alguma maneira dirigida por princípios libertários (ao contrário, vi movimentos secessionistas que já estão pensando quais estatais teríamos...), porém, como paulista, posso entender o sentimento que predomina neste momento.

    Verdade seja dita, com Aécio, como aponta o artigo, a coisa não seria MUITO melhor, mas certamente não continuaria à ser tão RUIM como está agora!

    Temos de usar a inteligência de maneira prática, fazendo uso de nossos direitos constitucionais para combater todo o mal que predomina em nosso país.

    Como?

    Talvez outros leitores mais esclarecidos possam sugerir o(s) caminho(s). Só sei que algo deve ser feito, de abaixo-assinados às autoridades à boicotes não violentos.

  • Tio Patinhas  28/10/2014 22:26
    O MRSP (Movimento República de São Paulo)se declara liberal/libertário:

    https://m.facebook.com/MrspOficial
  • Pobre Paulista  29/10/2014 00:48
    ...fazendo uso de nossos direitos constitucionais para combater todo o mal que predomina em nosso país...

    Curiosamente o pessoal da esquerda tem o mesmo discurso.
  • Alberto Silveira  28/10/2014 20:17
    É importante entender os números para enriquecimento das análises. As regiões mais prósperas (sudeste, sul e centro-oeste)representam 65% do eleitorado brasileiro. As regiões menos prósperas (nordeste e norte) representam 35% do eleitorado. Nesta eleição como em todas outras, a maior contribuição pelo voto para o estatismo foram dos mais prósperos. Ou seja, 55% dos votos de Dilma foram das regiões mais prósperas, enquanto 45% foram da região menos prósperas. O mesmo aconteceu em 2002 (69%/31%), 2006 (59%/41%)e 2010 (60%/40%. Lembro-lhes que nas eleições de 1994 e 1998, 70% dos votos do estatismo foram recebidos dos eleitores das regiões mais prósperos. Como as escolhas democráticas nem sempre acontecem atrelada a geoeconomia, precisamos reconhecer o processo e esperar que o momento da escolha pela eficácia ocorra na próxima eleição.
  • Homem Verde  28/10/2014 20:21
    Tudo verde.
  • Dalton C. Rocha  28/10/2014 20:22
    Cuba é o futuro da Venezuela.
    A Venezuela é o futuro da Argentina.
    E a Argentina é o futuro do Brasil.
    Se é assim, uma opção para se ler sobre o presente da Argentina e, o futuro do Brasil é o site www.clarin.com/ , que é o site do jornal El Clarin. Lá tem coisas como esta do dia de hoje: "Ni bien ganó la reelección, Cristina impuso restricciones a la compra de dólares. Los resultados." > www.ieco.clarin.com/economia/cepo-aniversario-dolar-inflacion-cristina-economia-recesion-kicillof_0_1238276365.html
  • Flavius Marcellus  28/10/2014 21:07
    " ...agropecuaristas competitivos globalmente ... "

    Esse é o problema de Marx e também dos pseudo-liberais: a falta de compromisso e ética, o total desconhecimento da apologia. Empresas como Monsanto que super produzem as custas das nações desenvolvidas e subdesenvolvidas, tem nos liberais, como o autor desse "textiCÚlo", o seu devir. Agropecuaristas competitivos globalmente...a que custo para o agronegócio nacional ? As sementes são patenteadas pelos extrangeiros, os produtos agrícolas para que as sementes deêm frutos idem. Sem contar na volta da monocultura, e pior, pagamento de royaltes dos ´dominados´ geneticamente as multinacionais ! Que país de merda, gente escrava do ideal. Marx renovado, agora se chama liberal. Que país fantástico.
  • Vespasianus Cesar Augustus  28/10/2014 21:56
    Antes de vir aqui regurgitar seu ódio, ao menos tenha a decência e a honestidade intelectual de fazer uma pesquisa para ver o que os libertários (e não os liberais) realmente defendem.

    Se você acha que empresas corporativistas e mercantilistas como a Monsanto -- que operam em conluio com o governo e são protegidas por ele -- são defendidas aqui, então você não faz a mais mínima ideia de onde está.

    A Monsanto não passa de uma grande corporação que recebe fartos subsídios do governo americano e que desfruta de vários monopólios por causa de patentes (caso não saiba, os libertários são radicalmente contra patentes). A Monsanto é apenas é apenas uma monopolista que se beneficia da propriedade intelectual, que é outra coisa condenada pelos libertários.

    mises.org/daily/6580/Monsantos-Friends-in-High-Places

    De resto, cabe a você provar que toda a agropecuária brasileira está ligada à Monsanto.
  • VINICIUS  28/10/2014 23:45
    Antes de conhecer os ideias liberais um pouco mais a fundo, já sentia que a causa dos maiores problemas do Brasil é e foram causados pelo estado. Eu tentava imaginar como boicotar o governo, e no fim, cheguei a conclusão de que, do mesmo jeito que tentam tirar o poder de grandes organizações criminosas tirando o poder financeiro das mesmas, com o governo precisaríamos agir da mesma maneira.

    O poder financeiro do estado vem dos impostos extorquidos dos "contribuintes", portanto a maneira mais rápida de tirarmos o poder do estado e de boicotá-lo é deixando de recolher os impostos. De início seriamos perseguidos pela Receita Federal, mas com o tempo e adesão de milhares a esse protesto, o governo seria obrigado a, no mínimo, ouvir-nos,. Com isso, teríamos maior poder de barganha e poderíamos exigir reformas básicas, como a tributária, a extinção dos benefícios e regalias imorais dadas a políticos e servidores públicos, a diminuição dos cargos públicos e ministérios inúteis e caros e de uma maneira geral a diminuição do estado.

    Para vocês que gostaram da ideia, mas acham muito difícil de dar certo, lembre-se que com exceção dos que tem imposto recolhido na fonte, o processo todo de recolhimento, quem faz somos nós, e é muito simples deixar de fazê-lo. Mesmo os que recolhem na fonte, pagam ainda multas taxas etc que são fonte de arrecadação. E outra, com o governo diariamente nos dando estímulos com suas ações deploráveis, motivação para esse protesto não falta. Com a grande vantagem de que não apanharemos na rua, e na pior das hipóteses, pagaremos impostos atrasados.
    Para aqueles que não gostaram da ideia e acham absurdo, peço então que ajudem, pois não aguentarei décadas, suportando até o momento em que uma maioria perceba o quão insano é o estado, para assim, começar as reformas básicas.

    Ajudem-nos, repassem essa ideia, nossa união será a verdadeira oposição que o país precisa.
  • Green  29/10/2014 12:39
    O governo nao precisa dos seus impostos, isso eh uma triste ilusao. Quer tirar o poder do governo? Tire dele o monopolio da moeda. Quem pode imprimir dinheiro nao precisa de imposto de ninguem.
  • Do Norte  29/10/2014 12:53
    A ideia é boa, mas o governo já se adiantou a ela e criou um arcabouço difícil de quebrar. Vejamos:

    Os trabalhadores tem seus impostos recolhidos "na fonte", isto é, diretamente nos salários. Simplesmente não tem como não recolher impostos.

    Então somente sobram as empresas e prestadores de serviço. Bem, há uma série de benesses governamentais para quem apresenta a tal certidão negativa de impostos nos três níveis, dentre elas, poder pegar empréstimos subsidiados estatais. Por outro lado, somente vende para o governo quem está adimplente, e o governo é o maior consumidor de todos. Por isso não é vantajoso para empresas médias e grandes não pagar os impostos, mesmo os mais abusivos. Prestadores de serviços se veem também amarrados ao governo por causa da previdência, entre outras coisas. E, de novo, não dá pra ficar fora do "mercado do governo", sendo este o maior consumidor de todos. Logo, todos pagam os impostos.

    Somente sobram as empresas pequenas e as informais. As pequenas, que realmente é uma questão de sobrevivência não pagar todos os impostos, o governo acena com o simples e o supersimples e a maioria, justamente para poder vender para o governo acaba aceitando. Para os informais, o governo dá até camelódromo pro cara trabalhar, mas assim que ele sai de informal para formal, isto é, sai de camelô para empreendedor, o governo já aparece com o supersimples e não há motivo pro cara não pagar.

    A não ser que a população passasse a comprar somente de camelôs (que acabam vendendo mais caro, muitas vezes, que as lojas, porque simplesmente compram justamente daquelas lojas para revenda - lembre-se eles não tem crédito fácil para comprar em quantidade ou fazer importação direta, porque é "informal" - a não ser na base do sacoleiro), não daria muito para fazer "boicote" a impostos. Lembrem-se que há impostos embutidos em tudo e, mesmo o camelô, acaba pagando um monte de impostos quando compra os produtos de lojas legais.

    Além disso há o problema dos bancos. O governo controla os bancos e o banco central sabe todas as transações que ocorrem no Brasil. Assim, é relativamente fácil pegar um eventual sonegador - hoje eles só apertam os grandes porque não vale muito a pena pegar os pequenos e pulverizados, mas que eles tem a capacidade eles tem.

    No mais, há o pior de todos os impostos e que ninguém pode fugir: a inflação!

    Sinceramente não vejo muito o que pode melhorar com uma "reforma tributária".

    Abraços
  • Gustavo Sauer  29/10/2014 11:57
    Talvez essa eleição sirva de lição pra alguns liberais que continuam defendendo a democracia como um fim em si. Esta aí mais uma prova que a democracia leva os piores ao poder.
  • Trader Carioca  29/10/2014 15:32
    Vi alguns comentando sobre separação dos estados em países, como o Movimento República de São Paulo. Gostaria de deixar claro que eu APOIO a secessão mas precisamos ter alguns pontos em mente:

    1) A constituição brasileira não dá aos estados o direito de cessão. Portanto plebiscitos seriam inconstitucionais.

    2) Se não me engano, incitar a secessão é crime. Existe a Lei de Segurança Nacional, de 1983.

    "Art. 11 – Tentar desmembrar parte do território nacional para constituir país independente. Pena: reclusão, de 4 a 12 anos. Ou incitar tal desmembramento, com uso de armas ou outros meios violentos. Art. 23 – Incitar: IV – à prática de qualquer dos crimes previstos nesta Lei. – Pena: reclusão, de 1 a 4 anos."


    Essa lei, na minha opinião leiga, vai contra o direito de expressão, mas também dá justificativa ao governo de usar a força contra movimentos crescentes em favor da independência.

    Não sei quais alternativas são plausíveis para separação. Alguém tem sugestões viáveis?
  • Diogo  29/10/2014 15:56
    Temos tambem o movimento, O sul é meu pais.
    https://www.facebook.com/meusul?fref=ts
  • anônimo  03/11/2014 09:59
    Seasteading ora
    Mas é um projeto de longo prazo, e a tecnologia tem que evoluir muito pra essas coisas ficarem baratas
    www.youtube.com/watch?v=U-ly4NUmr2Y
  • Neto  29/10/2014 16:26
    Pessoal, eu acho que a única solução é se unir, usar a tática deles. Mobilizar, aumentar nossos números, mesmo que não sejam todos libertários. A maioria não é, obviamente. Mas como um pouco mais livre é melhor do que isso, então vamos defender a queda do PT. Um passo de cada vez.
    Vamos unir todos os movimentos anti-PT, aumentar nossa voz.
    E tentar educar as pessoas à nossa volta, para que um dia os libertários estejam em número suficiente para chegar ao poder.
  • Marcus  29/10/2014 17:18
    O jeito e sair do Brasil antes que piore,estava pensando na suiça,não e o ideal, mais e o que eu vejo mais se aproximar de uma sociedade livre.


  • Gutemberg Campos  29/10/2014 20:09
    Ai pessoal o único jeito de tirar o PT do pode terá que ser na bala mesmo, teremos que fazer igual iria ser feito antes da contra revolução de 64 que a direita estava pronta a pegar em arma contra os comunistas.
  • Pablo  30/10/2014 00:54
    Troféu imprensa para essa mulher!!! Excelente, disse tudo. E nem está aqui sofrendo com a gente.... (Sorte dela aliás)
  • Henrique  30/10/2014 12:26
    Cadê o texto do Leandro sobre as perspectivas para a economia brasileira com a reeleição da Dilma???
  • Leandro  05/11/2014 11:41
    Vou esperar a soberana indicar pelo menos o novo Ministro da Fazenda.
  • Anarca  30/10/2014 13:01
    A quem possa interessar, os guardiões da moralidade igualitária
    e o blog mais insento do Brasil (mas seus criadores moram na Inglaterra)
    DCM, andou publicando um artigo que esviscera o neoliberal chamado Mises:

    O artigo em questão.

    Pra mim, o interesse é baseado completamente em schadenfreude.
    Gosto é gosto.
  • anônimo  02/11/2014 00:35
    Hayek criou o neoliberalismo (facepalm)
    A escola austríaca nasceu com Menger, esse elemento não entende nada do que fala.
    O resto é name calling. 'Neoliberalismo' de Hayek Mises e cia é chato feio e bobo, por quê? Por que sim.
  • felipe  02/11/2014 03:51
    E se não bastasse as inúmeras incoerências e distorções dos fatos, o texto ainda relaciona Mises com o facismo, piada.

  • Emerson Luis, um Psicologo  01/11/2014 17:42

    "O Brasil optou por mais estatismo".

    As escolhas são livres; as consequências são compulsórias.

    * * *
  • anônimo  02/11/2014 00:24
    Os olavetes acham que o importante é a 'batalha cultural', mas isso é uma grande besteira. Um parasita só liga pra esmola dele, se vai melhorar ótimo, se não vai, ele não vota.Ninguém tá nem aí pra cultura nenhuma.

  • Carlos Moraes  02/11/2014 13:23
    A soma de votos à Dilma no Sul/Sudeste foi 1 milhão a mais que no Norte/Nordeste. Só em MG, lugar quase sem BF, e onde Aécio teve 2 mandatos, a diferença foi de meio milhão. Outra: se dividir o Brasil, quem vive no Sul/Sudeste vai sair perdendo, e muito! Respondam por favor:
    - qual o montante anual dos royalties do minério do norte q vão pra união, diferentemente dos do petróleo que ficam nos estados produtores no Sudeste? (ou seja, o recurso explorado no norte beneficia o sudeste, mas a recíproca não existe)
    - como se dá a distribuição no país da energia gerada no norte?
    - quem vai ficar com a maior biodiversidade do mundo (Amazônia), disputada a foice por outros países?
  • Ricardo  02/11/2014 14:36
    "Só em MG, lugar quase sem BF,"

    Como é que é?! Tá de zoação, né? Só pode.

    Nada menos que 21% das famílias de MG recebem bolsa família. (Aqui a aqui).

    Repito: 21% das famílias. Considerando que cada família tem no mínimo 3 pessoas, acho que dá pra ter uma boa ideia do número total de pessoas assistidas.

    Recomendo que vá sacar para cima de leitores de outros sites.
  • anônimo  02/11/2014 18:27
    O seu estado é um pagador ou recebedor de impostos?
    www.mises.org.br/Article.aspx?id=682

    a amazonia é nossa?
    www.mises.org.br/Article.aspx?id=901
  • Tio Patinhas  02/11/2014 21:20
    Primeiro já que foi vc que comentou que determinada região do país perderia muito com eventual separação, vc que deveria dizer os motivos.

    Mas vamos às suas colocações:

    1) A distribuição dos royalties dos minérios ocorre da seguinte forma, 12% fica com a união, 23% com os estados e 65% com os municípios produtores, então se é a região norte que produz mais, ela fica com a maior parte.

    2) 25% dos royalties do petróleo vão para os estados não produtores e a partir de 2020 receberão 27%. Aliás a divisão exata é essa: a União tem 20%. Os estados produtores passaram de 26,25% de participação para 20% e os municípios produtores, de 26,25% para 17%, chegando a 4% em 2020 e a participação dos municípios não produtores vai de 1,75% para 20%. Os municípios afetados pela exploração de petróleo sofreram cortes de 8,75% para 3%. Tem ainda o fundo de participação, mas é mais ou menos desse jeito.

    3) Parece que o país financia a energia na região norte:
    g1.globo.com/economia/noticia/2014/02/pais-pagou-r-27-bilhoes-mais-para-financiar-energia-no-norte-do-pais.html

    4) A Amazônia é nossa? www.mises.org.br/Article.aspx?id=901

    Obrigado.


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.