clube   |   doar   |   idiomas

Existe uma página específica para este artigo. Para acessá-la clique aqui.

Comedimento e sobriedade

Moderação, humildade, sobriedade e comedimento são essenciais para o debate de ideias.  Infelizmente, nosso artigo de hoje ("Dez razões pelas quais os libertários podem não ser muito simpáticos com você") deixa a desejar nestes quesitos.  

É claro que quando debatemos estamos seguros que nossa posição é mais correta, mais consonante com a realidade, mais propícia a gerar os resultados desejados.

Mas isto não significa que devamos ser indelicados, ou que devamos menosprezar a posição oposta. Sempre temos algo a aprender com um debatedor. Sempre. Fechar-se em suas conclusões definitivas inevitavelmente levará à estagnação intelectual e até ao erro. E não me refiro necessariamente ao erro em suas propostas centrais. 

Nós, do IMB, entendemos que a observância da propriedade privada e da não agressão a inocentes são posições atemporais que tendem a gerar mais prosperidade e felicidade. Entendemos também que a interferência estatal na sociedade e mercados tende a gerar hostilidade, corrupção, e desesperança, e limitar a prosperidade. Mas a falta de parcimônia e de moderação gera antagonismos contraprodutivos, bem como a percepção de falta de autocontrole, tão comum nas mentes superficiais ou imaturas. Já a falta de humildade é como um muro que obstaculiza o aprendizado com o debate.

Não há dúvida que o autor tenha colocado vários pontos relevantes, que já foram dissecados em outros artigos tanto aqui no IMB como em outras publicações.  Mas não subscrevo atitudes prepotentes e confrontadoras em excesso, e o artigo dá margem substancial à uma interpretação nestas linhas.


autor

Helio Beltrão
é o presidente do Instituto Mises Brasil.

  • Maurício   10/06/2014 01:23
    Não entendi esse mea culpa, achei o artigo sensacional e sincero.
  • Nilo BP  19/06/2014 01:43
    Fiquei meio desconfortável com a arrogância do Cantwell, mas gostei menos ainda desse post. Cheira a comunicado de repartição pública. Uma reação completamente exagerada a um artigo cujo maior pecado foi ser sincero demais (e que, diga-se de passagem, saiu no LewRockwell.com).

    O artigo de ontem defendendo o esquerdismo (sob o nome enganoso de "libertarianismo denso") é MUITO mais revoltante que o do Cantwell.
  • Silvio  26/06/2014 07:06
    Nossa, você tem toda a razão. Assim que acabei de ler o artigo, pensei: é uma cilada, Bino!

    Creio que o artigo que mencionou não será objeto de uma devida reprovação por parte da direção do IMB, no entanto, creio que aquele artigo já foi devidamente desmascarado e esculhambado na seção de comentários.
  • daniel  28/06/2014 12:34
    Concordo 100÷ com ambos.
  • Vito Fontenelle  10/06/2014 02:24
    Excelente comentário Helio. Parabéns!
    Verdadeiros gênios se apegam a humildade, como Einstein e Feyman só para citar dois exemplos. E vem um cara desse querer pregar de dono da verdade. Sabe de nada inocente!
  • Helio  10/06/2014 02:57
    O artigo permite inúmeras interpretações. Meu comentário transcende o artigo, pois é sobre postura.
  • José Ricardo das Chagas Monteiro  10/06/2014 13:56
    Saudações, verdade, toda moderação e prudência nessa hora, não precisa gritar, ser histriônico ou qualquer outra coisa que o valha.
    Fique em posição dobrada para frente; agora feche os olhos; pode gritar vai doer muito,é necessário, preciso tirar de você este exu que se apoderou do seu corpo.
    Pronto!
    Agora vai e avisa aos demais do bem que fiz, aproveita e não peca mais.
    Abraços, grande Hélio!
  • Daniella Brasil  10/06/2014 03:08
    Por vezes, é preciso reajustar as engrenagens pra manter o pleno funcionamento da máquina.
    Bela iniciativa.
  • mauricio barbosa  10/06/2014 11:45
    Acabei de comentar o artigo de ontem e gostaria de comentar esse artigo,Hélio Beltrão você tem o meu respeito e a minha admiração e concordo que cada caso é um caso e que em determinadas circunstancias só nos resta ridicularizar as idéias dos interlocutores,e não suas pessoas é claro, pois vejo que há uma confusão desta ordem é como diz Jesus Cristo condenai o pecado e não o pecador sempre...
  • Osmar Neves  10/06/2014 14:40
    Sou novo por aqui, tenho posições que provavelmente me caracterizam como um conservador e confesso que estranhei o artigo de ontem. Achei que ele destoava das poucas palavras do Mises que eu já li (tudo bem que em alguns momentos, principalmente no "A Mentalidade Anticapitalista" ele é irônico, mas é aquela ironia fina, inteligente, bem humorada, que estimula a reflexão) e dos vídeos do Hayek e do Prof. Ubiratan Iorio. Tenho boa vontade, desejo aprender muita coisa aqui com vocês e provavelmente continuarei discordando de algumas posições defendidas aqui mas não vejo razões para que essas discordâncias (especificamente em costumes, comportamento) se transformem em animosidade e hostilidade mútua e adolescente. Não precisa ser assim e acredito que não deva ser assim.

    Ocorre-me agora algumas palavras registradas em Provérbios:


    "A resposta calma desvia a fúria, mas a palavra ríspida desperta a ira." Provérbios 15:1

    "O falar amável é árvore de vida, mas o falar enganoso esmaga o espírito." Provérbios 15:4

    "As palavras dos sábios espalham conhecimento; mas o coração dos tolos não é assim." Provérbios 15:7

    "O homem irritável provoca dissensão, mas quem é paciente acalma a discussão." Provérbios 15:18

    "Dar resposta apropriada é motivo de alegria; e como é bom um conselho na hora certa!" Provérbios 15:23

    "O temor do Senhor ensina a sabedoria, e a humildade antecede a honra." Provérbios 15:33
  • TC  20/06/2014 03:06
    Exatamente. O humor do artigo é grosseiro, mas não há a menor razão para tanta revolta e animosidade.
    E completando: "O bom senso acalma a ira; é motivo de glória passar por cima das ofensas." Provérbios 19:11
  • Márcio Coimbra  10/06/2014 14:58
    Assim que se fala, Hélio. Parabéns.
  • Vinicius  10/06/2014 19:58
    Parabéns Hélio.

    Não se destrói o Estado com atitudes infantis do tipo 'eu sou melhor que você', tampouco se constrói um mundo novo. Para se destruir o Estado é necessária muita maturidade, mas MUITA mesmo. E mais maturidade ainda para se reconstruir o que sobrar depois.
  • Um libertário  11/06/2014 11:32
    Ótimo comentário, Hélio. Quanto mais ridicularizamos as pessoas que pensam diferentemente de nós, mais as afastamos. Praxeologia é ciência. Não sigo a EA por pura ideologia. Sigo porque encontrei em seus fundamentos a verdade. E a verdade não é devidamente percebida em meio a gritos e esperneio. O princípio da não agressão pelo qual nos pautamos deveria também ser considerado quando estamos debatendo. Há formas de agressão que ferem mais do que um dano físico. Destruir ideias equivocadas através do debate saudável é o que devemos fazer. Menosprezar as pessoas que, por qualquer motivo, não enxergam a verdade é dar um tiro no pé. Sem contar que a maioria das pessoas não entende nada de Economia. Não se pode exigir que a verdade seja evidente para quem passou a vida inteira aprendendo o contrário.
  • Thomaz  20/06/2014 00:39
    "Nós, do IMB, entendemos que a observância da propriedade privada e da não agressão a inocentes são posições atemporais que tendem a gerar mais prosperidade e felicidade."

    Os ancaps parecem muito com os sedevacantistas.
    No mundo secular sua heresia é similar.
    O libertarianismo ancap jamais funcionaria na sociedade. É preciso que instituições como o Mises Brasil defendam mesmo os inocentes, isso denota uma posição contra o aborto e pró família.
    A luta de Marx contra o capitalismo, a propriedade, a burguesia - na verdade - é a luta contra a família.
  • Miguel  24/06/2014 22:31
    Parabéns Hélio Beltrão,

    Tem tempo desde que venho estranhando os textos aqui no IMB.

    Alem da conduta, cada vez mais ideias conflitantes com a obra de Mises são enxertadas em textos aqui.




  • daniel  28/06/2014 13:02
    Acho que o Helio demonstrou muita ingenuidade nesse post. Aparentemente ele crê que pessoas participam de debates com a mesma intenção que ele, isto é para aprender e evoluir. Infelizmente, a maior parte dos debatedores é desonesta e egocêntrica, e tal tipo de conduta deve ser exposta de maneira clara e inequívoca por qualquer um que seja honesto. Evitar fazer isso é incentivar ainda mais a desonestidade intelectual. Até porque, convencer um debator é raríssimo, o objetivo principal de qualquer debate deve ser convencer o publico e demonstrar as reais intenções dos adversários é uma ferramenta importante neste aspecto.
  • Pobre Paulista  22/08/2017 13:45
    Parabéns Hélio, o tempo é o senhor da razão e você se mostrou correto em sua análise inicial.


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.