clube   |   doar   |   idiomas
O prefeito está nu

Seguindo as recentes manifestações que começaram como um protesto contra o aumento de 20 centavos na tarifa do ônibus em São Paulo, mas que acabaram sendo um protesto contra tudo que tem revoltado os brasileiros, o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad propôs aumentar os impostos da gasolina — que já são mais de 53% — para fazer com que este aumento de arrecadação cubra a diminuição do preço da passagem de ônibus; "o dono de carro de São Paulo subsidiaria o transporte público de sua cidade" é o que pretende seu plano.

É este o pensamento político predominante hoje em dia.

Veja bem o que Haddad está dizendo. Ele deseja algo ("diminuir o preço da passagem de ônibus"), portanto as pessoas deveriam ser forçadas a dar isto a ele. (Em nenhum momento se vislumbra a ideia de como o livre mercado poderia alcançar este resultado pacificamente. Pense em quantos bens de consumo o mercado mesmo obstruído pelo governo tornou universal e acessível mesmo para os mais pobres.)

Se eu ou você reivindicássemos isso em nossas vidas privadas, seríamos considerados bruscos. E se empreendêssemos ações concretas para conseguir estes objetivos, seríamos presos por roubo ou extorsão, merecidamente.

Por que as regras normais e sensatas da moralidade não se aplicam a prefeitos e outros ocupantes de cargos públicos? Obviamente isto é um absurdo. Como pode um subconjunto de seres humanos possuir direitos e poderes que não são possuídos por todos?

Quando éramos crianças, todos nós fomos ensinados a não bater nos outros, não pegar o que é dos outros sem permissão e a não quebrar nossas promessas. Se precisamos da cooperação de outras pessoas, o que se espera é que recorramos a persuasão. O uso da força é proibido. Estes são princípios consistentes que sustentam toda sociedade decente, e espera-se que sigamos estes princípios quando nos tornamos adultos. Na verdade, tanto a lei criminal quanto o direito civil incorporam estes princípios em suas proibições de assassinatos, assaltos, roubos, furtos e quebras de contratos.

Porém, quando um politico defende que se obrigue as pessoas a seguir seus grandes planos, as regras normais são suspensas e substituídas por regras diferentes. No mundo político, pessoas que nunca importunaram ninguém podem ser coagidas a participar de um esquema de um político por nenhum motivo. A única coisa que alegam é que o esquema não iria funcionar se não contasse com a participação de todos.

Bem, desculpem-me, mas esta justificativa não basta.

E o fato de que apenas levantar esta questão soa como algo tão estranho nos mostra o quanto a política está distante da moralidade normal. Numa sociedade educada, simplesmente não se costuma comparar um político com um criminoso comum. Mas pense a respeito. Imagine que Haddad fosse seu vizinho e ele bolasse um plano para uma associação comunitária que fosse prover diversos serviços, incluindo passagem de ônibus com desconto. "Meu plano não irá funcionar a menos que todos participem", ele diz. Então ele ameaça todos que se recusarem a participar. O que você iria pensar deste homem? Se ele exigisse seu dinheiro sob a mira de um revólver, você chamaria a polícia, não?

Política, força e moralidade

Então porque esta exceção moral para prefeitos? Força agressiva é força agressiva. Será que importa quem aplica a força? O fato é que aquele que se recusa a participar de um programa do governo — previdência social, saúde pública, transporte subsidiado ou gratuito — não importunou ninguém. Ele não coagiu ninguém. Ele simplesmente cuidou da própria vida. Portanto, o governo deveria deixa-lo em paz. O princípio "viva e deixe viver" parecia ser levado mais em conta antigamente. Mas agora parece estar quase que completamente em desuso. Ninguém quer encarar este problema. De onde os funcionários públicos tiram a autoridade para compelir pessoas pacíficas a financiar e participar de seus programas sociais? Alguém poderia responder que a autoridade vem do próprio povo. Mas como? Já vimos que nem eu e nem você temos autoridade para iniciar agressão contra outros. Se nós ainda assim fizermos isso, somos criminosos. Então como todos nós juntos podemos ter tal autoridade? Não podemos.

Os direitos do todo não podem ser maiores que a soma dos direitos de suas partes. Frédéric Bastiat escreveu em A lei,

Se cada homem tem o direito de defender — até mesmo pela força — sua pessoa, sua liberdade e sua propriedade, então os demais homens têm o direito de se concertarem, de se entenderem e de organizarem uma força comum para proteger constantemente esse direito.
O direito coletivo tem, pois, seu princípio, sua razão de ser, sua legitimidade, no direito individual. E a força comum, racionalmente, não pode ter outra finalidade, outra missão que não a de proteger as forças isoladas que ela substitui.
Assim, da mesma forma que a força de um indivíduo não pode, legitimamente, atentar contra a pessoa, a liberdade, a propriedade de outro indivíduo, pela mesma razão a força comum não pode ser legitimamente usada para destruir a pessoa, a liberdade, a propriedade dos indivíduos ou dos grupos.

Ninguém conseguiu até hoje refutar o argumento de Bastiat. Não existe refutação para isso. Além disso, este princípio é uma ideia que forjou a liberdade norte-americana, e, consequentemente, do resto do mundo. Foi o que Thomas Jefferson quis dizer quando escreveu que "todos os homens são criados iguais" na Declaração da Independência americana. Com certeza ele não quis dizer que as pessoas são iguais em inteligência, talento, disposição, ambição, força física etc. E ele não poderia querer dizer simplesmente que eles deveriam ser iguais perante a lei, porque seria muito primário; podemos imaginar uma sociedade em que a lei trate todos muito mal, porém, igualmente mal. Mesmo a igualdade de liberdade não representa o que Jefferson quis dizer, porque existiram sociedades em que praticamente todos possuíam uma pequena e igual porção de liberdade.

Não precisa haver nenhuma dúvida sobre o que Jefferson quis dizer. Roderick Long nos lembra que Jefferson pegou emprestado a filosofia da Declaração de John Locke, o qual era bastante claro sobre o que ele queria dizer por igualdade. Em seu Segundo Tratado sobre o Governo, Locke diz que igualdade é um estado

onde a reciprocidade determina todo o poder e toda a jurisdição, ninguém tendo mais que os outros; evidentemente, seres criados da mesma espécie e da mesma condição, que, desde seu nascimento, desfrutam juntos de todas as vantagens comuns da natureza e do uso das mesmas faculdades, devem ainda ser iguais entre si, sem subordinação ou sujeição. . . .[ênfases inseridas]

Locke prossegue para elaborar o que Long chama de "igualdade de autoridade":

[S]endo todos iguais e independentes, ninguém deve lesar o outro em sua vida, sua saúde, sua liberdade ou seus bens. . . . Dotados de faculdades similares, dividindo tudo em uma única comunidade da natureza, não se pode conceber que exista entre nós uma "hierarquia" que nos autorizaria a nos destruir uns aos outros, como se tivéssemos sido feitos para servir de instrumento às necessidades uns dos outros, da mesma maneira que as ordens inferiores da criação são destinadas a servir de instrumento às nossas.

lei.jpgPortanto, se Fernando Haddad, cidadão privado, não pode legitimamente forçar você e eu a pagar pela passagem de ônibus de outra pessoa quando compramos gasolina para nós, o prefeito Fernando Haddad também não pode — mesmo se 99,99% das pessoas apoiasse a ideia. A moralidade não é apropriadamente determinada pela regra da maioria.

As pessoas permitiram que suas liberdades fossem retiradas porque não conseguiram seguir o senso comum e a lógica simples. Negligenciaram o fato de que políticos não podem ter nenhum poder que indivíduos privados não possuam. Engoliram a propaganda de que todas as pessoas foram criadas iguais, mas que algumas são mais iguais que outras. O povo se tornou os súditos que tinham medo de contar ao Rei que ele estava sem roupa com receio de serem considerados estúpidos. E os políticos têm toda a intenção de nos explorar desta mesma forma.

Onde está o corajoso garoto que gritou que o Rei estava nu?


O texto foi levemente adaptado apenas substituindo o nome do político (Hillary Clinton) e a intervenção (saúde pública).


autor

Sheldon Richman

é vice presidente da The Future of Freedom Foundation e editor da revista mensal Future of Freedom. Durante 15 anos foi o editor da The Freeman, publicada pela Foundation for Economic Education.


  • Samir Jorge  19/06/2013 10:42
    A extensão da liberdade é fascinante. Creio que a liberdade consiste em uma pausa para que possamos diferenciar sonho de delírio.

    Atenciosamente,


    (a) - Samir Jorge.
  • Samir Jorge  19/06/2013 10:55
    A idolatria em torno da figura mítica da autoridade conduz a este tipo de paradoxo decorrente de privilégios outorgados a função de autoridade. A Federação brasileira é a fonte de todos os males. Um problema local deve ser resolvido localmente.

    Atenciosamente,


    (a) - Samir Jorge.
  • Patrícia Bastos  19/06/2013 12:26
    Excelente texto!!
    É de uma lógica tão simples e autoevidente que me impressionar alguém ainda tentar refutar isso.
  • Vitor Sousa  19/06/2013 12:52
    Eu achei o Haddad bem esperto, isso sim.

    Apesar de sua extensa carreira acadêmica de cunho Marxista, ao estar na posição de prefeito viu que estando lá o buraco é mais embaixo e que os direitos de uns nada mais é que obrigações nas costas dos outros.

    Haddad foi esperto por propor o fim da posição de cobrador de ônibus (que de acordo com o mesmo faria a passagem cair em 12 centavos) e a cobrança dos usuários de automóveis.

    Usou bem a lógica marxista de conflito de classes: está jogando os usuários de carros contra aqueles que usam transporte público. E atraindo a simpatia da classe média culpada que não quer que os cobradores percam o emprego.

    E no final das contas, os R$0.20 não serão repassados e os mesmos sairão do nosso bolso de uma forma ou de outra.

    E todos acharão isso lindo.
  • Pedro  19/06/2013 18:15
    É ingenuidade achar que o aumento da gasolina reflete somente sobre quem anda de carro. A gasolina é usada na produção da grande maioria dos produtos, desde agricultores que utilizam de veículos motorizados em suas plantações até pequenos empresários que utilizam do transporte individual para chegar ao trabalho e seria repassado também para as próprias empresas de ônibus que utilizam do combustível, o que por si só é um contra senso.

    A consequência seria desse aumento no custo na produção de bens e serviços seria o aumento de preços em diversos setores.
  • Fellipe  21/06/2013 16:20
    Mas os Onibus e maquinas de agricultura não usam o diesel?

    Não tenho certeza dessa informação.
  • Andre  19/06/2013 13:11
    Democracia socialista: todos tentando ter tudo de graça às custas de todos os outros.
  • Arthur C. K.  19/06/2013 13:21
    Creio que o aumento da gasolina é um absurdo tão grande quanto o subsídio às empresas de ônibus, se as empresas não suportam as despesas sozinhas que deem espaço às outras para possibilitar o livre mercado e assim consequentemente aumentar o conforto dos ônibus. Mas, assim não dá, né Sr. Haddad? Como pressionar uma pluralidade de empresas?
    Preparem-se pois o aumento da gasolina virá com ou sem desconto da tarifa dos ônibus. Isso se não vier um marqueteiro dos infernos e sugerir ao prefeito que aumente o valor do licenciamento veicular para destiná-lo às incompetentes empresas de transporte público fundamentado no velho pensamento (conforme já exposto por Vitor Souza) de que quem é proprietário de carro é quem deve pagar mais, o povo, coitadinho, deve ganhar bolsa família, bolsa eletrodoméstico e pular a catraca... tudo financiado por quem tem propriedade. Absurdo? Hum... preparem-se!
  • Juliano  19/06/2013 13:35
    No caso atual, nem acredito que a analogia com o rei está muito correta, já que é a turba que está no comando. Ao invés de súditos, a sociedade se vê brincando de quem grita mais leva. É um concurso para ver quem faz mais barulho, quem cria mais problemas. Sequestrar bens públicos virou um ato democrático.

    Esse cáos passa a impressão de que é o "povo" que está no comando, é o "povo" que força o político a agir. Povo, essa figura mística que caiu como uma luva para personalizar os grupos de pressão. Ao invés de escancarar que só querem mais para si próprios, que querem que outros sejam roubados para lhes favorecer, se travestem de defensores do bem comum, de pessoas desinteressadas lutando por mais direitos.

    Sinceramente... é de ficar estarrecido com o nível de idiotização coletiva em que vivemos. E não tem nada apontando para um futuro melhor. Muito pelo contrário.
  • Getulio Malveira  19/06/2013 13:59
    "É este o pensamento político predominante hoje em dia."

    E é por isso que nenhum liberal deveria apoiar essas manifestações. Não apenas porque o estado vai reagir com mais estatização, mas também porque os próprios manifestantes exigem isso.
  • Pobre paulista  19/06/2013 17:36
    Exato, e não é nem porque o "estado vai reagir", pois não sei o futuro, mas porquê o cerne da manifestação, que é fixar o preço da passagem a um valor que o MPL se julga mais apto que o governo para calcular, justamente legitima o poder coercitivo e monopolista do estado, em outras palavras, o movimento aceita passivamente e corrobora o fato do transporte público ser um monopólio estatal, que é a real causa do problema, e ataca um mero detalhe, que é o preço da passagem.
  • Um Filósofo  19/06/2013 14:04
    Como um militante organizador do movimento em SP, manifesto-me contra a iniciativa reacionária do autor de depredar as bases da nossa aglomeração. Entretanto, primeiro, gostaria de relatar o quão pasmo fico frente ao pavor burguês quando o gigante desperta para a criação de uma nação mais justa: Põem-se a invocar direitos aleatórios e manipuláveis de ética que lhes protegem ao ignorar nossa constituição, documento final de 250 anos de filosofia, jurismo e todo tipo de estudos sociais.

    O povo, ao adentrar as ruas, dividiu as águas: Quem lhes opõe(Reacionários) está a apoiar o estado. A manifestação dos homens em meio democrático é inquestionável e incriticável: trata-se do mandato divino filosófico manifestando-se em profecia de três décadas de idade. A juventude fora desperta ao estado de exploração na qual vive frente ao lucro das concessionárias(Absurdo cobrar por um serviço prestado tão essencial) e ao roubo da burguesia paulista.

    Não invoquemos livros de direitos arbitrários, manipuláveis e que apenas convém à sua classe. Olhemos a constituição: Antagônica e objetiva em seus clamos. Trata-se do aglomerado da experiência social humana.

    Não eram apenas 0,20 centavos? Por que tanta reação em ajudar quem possui o legítimo direito sobre tudo aquilo que fora auferido por vós através da exploração. Não se preocupe: O individualismo já matara a educação e a saúde. Não existe almoço grátis, porém aquilo que Haddad pede que seja pago por vós é meramente uma fração ínfima de tudo que devem ao povo(Manifestantes). Não é baderna, é reorganização de nossos direitos.

    Recado do filósofo Paulo Ghiraldelli a vós:

    www.youtube.com/watch?v=T93kg9q3_AA (Vejam o que vocês fizeram ao olho direito dele. Absurdo que um indivíduo agrida um policial e receba reação tão violenta)
  • Um burrinho  19/06/2013 16:28
    Caro "Um Filósofo",

    Por favor, mantenha o nível e não seja desonesto.

    Em que parte do texto está evidente a iniciativa reacionária do autor de depredar as bases de sua aglomeração?

    Que pavor burguês você se refere em relação ao despertar do gigante?

    Desde quando que libertários, liberais e afins (que você deve ter se referido como reacionário) apóia o estado? Onde o texto apóia o estado?

    O lucro (que não é crime) das concessionárias que você citou só ocorre na forma que você crminaliza, devido ao modelo de capitalismo de estado (ou de compadres) adotado no Brasil, que é exatamente contrário ao capitalismo de livre mercado defendido aqui.

    Como pode ser absurdo cobrar por um serviço (mesmo que essencial)? Serviços caem do céu? Você trabalha de graça?

    Obs. 1: Eu utilizo metrô diariamente e não acho justo quem não usa pagar o meu transporte.
    Obs. 2: Você poderia parar de disfarçar a falta de conteúdo dos seus textos atrás do português rebuscado... Em outras palavras, poderia parar de "falar bonito" somente para se fazer passar por alguém com conteúdo.
  • Outro burrinho  19/06/2013 18:29
    Quer dizer que quem não concorda com as suas ideia é automaticamente reacionário? Vocês se dizem "sem direcionamento político" e criticam os políticos por serem intransigentes e autoritários, e ai dizem que todos que não concordam com vocês são reacionários? Não me parece muito inteligente

    O individualismo destruiu a economia e educação? você se importaria de elaborar? Muito fácil dizer por dizer, eu e acredito que outras pessoas aqui estariam dispostas a discutir civilizadamente se fossem levantados argumentos bem construídos e com sentido.

    Pra mim é claro que você não sabe nada sobre o pensamento liberalista e nem sobre o funcionamento da economia mundial. Portanto, suas acusações até o momentos, são vazias e sem fundamento.

    Esse discurso político puramente idealista, sem ter como base o conhecimento da economia por trás do que estão pedindo é muito perigoso.
  •   20/06/2013 03:50
    Cara, é muita genialidade! haha
  • Sergio  19/06/2013 14:08
    Eu acredito que muitos desses manifestantes estão se rebelando contra o autoristarismo do nosso governo. Que vive nos imponto aumento de impostos, entre outras coisas, sem a nossa aprovação. Esse é o sentimento, porém ainda não está claro na cabeça das pessoas. As ideias de livre mercado e de propriedade precisa chegar a todos.
  • Arthur Dias  19/06/2013 14:46
    Eu adoraria acreditar nisso também, Sérgio. Mas o fato é que vejo em redes sociais e em jornais uma quase comemoração da idéia de que quem deve pagar o preço é quem tem automóvel. E vinda de gente de classe média ou classe média alta que tem automóvel e usa com frequência. Essa é uma manifestação anti-estado que pede por mais estado.
  • Wagner  19/06/2013 14:50
    "Não existe coisa mais nociva que um idiota com iniciativa"... essa frase resume os protestos.

    Não sou contra protestos em si, se fossem pra derrubar o estado e enforcar políticos em praça pública (literalmente) eu até acharia interessante, o problema é que esses protestos querem mais hospitais, mais escolas, mais infraestrutura, mais salário mínimo... tudo vindo do estado.

    Por mais que a ideia seja bonita, tão bonita que os protestos estão gigantes, nós sabemos que essa não é a solução. Enquanto o povão não entender que o problema é justamente o estado e que a solução é MENOS hospitais públicos, MENOS escolas públicas, MENOS infraestrutura pública, MENOS salário mínimo, MENOS servidores públicos, MENOS políticos e MENOS impostos nada vai mudar; Não adianta sair na rua, quebrar tudo e só mudar os nomes que estão no poder; A única solução é ACABAR com o poder.

    Ai temos um problema ainda maior... não existe forma de você explicar pra alguém que a solução é acabar com o governo, eles querem o governo, eles tem medo de viver por conta própria.
    Eu ouço coisas do tipo:
    "...ta na constituição, isso é uma democracia, tem que ter governo... se não ter governo não é democracia, é uma ditadura, um socialismo..."
  • anônimo  19/06/2013 15:36
    "Não existe coisa mais nociva que um idiota com iniciativa"

    hahaha essa merece uma camiseta
  • joselito  20/06/2013 13:05
    Eu acho que pode resumir esses monte de MENOS que você colocou em apenas um:
    MENOS impostos

    De que adianta ter menos escolas, menos saúde se a quantidade de impostos continua a mesma? Acho que o que as pessoas estão pensando é o seguinte: já que sou já roubado pelo estado via impostos, pelo menos me forneça algum serviço decente.
  • Caue  20/06/2013 15:53
    Hauhauhau ... Galera na moral ... Hoje vou escrever informalmente...

    Vocês sinceramente não conseguem ver porque os conservadores estão certos ?

    Basicamente, vocês poderiam exercer quase que totalmente sua ideologia no estado-minimo defendido pelos conservadores. Mais o contrário não é possível.

    Vocês também defendem idéias sem foco, capitalismo ou livre-mercado, etc, etc ...
    É ingenuidade pensar que as pessoas vão obedecer regras por causa de idéias como essa. Agora se você acredita que vai pro inferno ou pro céu, aí o negócio é meio diferente.
    Mesmo que você não acredite você estará livre pra assim o fazer.
    O único problema é que vocês teriam de aguentar o ostracismo provavelmente.
    Aí vocês fariam como os banqueiros e algumas classes profissionais dos EUA ou continuariam lutando pelo livre comércio?

    Olhem pra vocês mesmos e perguntem , eu trabalho em uma empresa que não fere os princípios que a escola austríaca defende ? Se não, eu faço alguma coisa para informar o dono ? Eu deveria fazer ? Mesmo que isso custe minha demissão ?
    Porque só assim o anarco-capitalismo seria possível. E pior vocês querem que todos acreditem nisso. Que é a mesma falácia do comunismo. Que é tratar pessoas como boas a princípio e desprezar o poder dos malvados uhauha ... Sempre será isso.. Sempre...

    Porém aqui a escola austríaca é muito correta ao meu ver em relação a economia que é sua proposta ... O único problema é essa tendência anarquista que impera (inclusive nos artigos de alguns) apesar de não ser única, acho que é extremamente infantil e acaba por tirar o pessoal da realidade do mundo... Depois de ler o artigo de Rothbard sobre a URSS (Mises.org) fiquei meio desconfiado de sua honestidade intelectual ... Apesar de gostar muito de seus artigos e querer crer que foi apenas um deslize ...

    Eu não acredito em nenhuma mudança que não a dos conservadores ... E aí sim daria pra conversar sobre várias questões... E principalmente, em se levar em conta as crianças, diria eu. Pois é nelas em que é focada toda e qualquer propaganda.
    Os idosos também, mais acho que aqui a economia poderia se encarregar de uma solução.

    Poderia dar um milhão de exemplos mais não estou muito inspirado hoje...
  • Caue  21/06/2013 00:50
    Ninguém nunca me contesta =(
  • anônimo  21/06/2013 01:46
    Basicamente porque ninguém quer perder tempo com algo já explicado inúmeras vezes.

    Começa lendo aqui:

    www.mises.org.br/Article.aspx?id=1619
  • Caue  21/06/2013 03:12
    Minha pergunta está sem resposta

    Leio todos os artigos do site...

    Vou perguntar novamente :
    ...
    Considerando o ostracismo em uma sociedade de estado mínimo (e com os sentimento ou pecado hehe humano chamado, inveja. Ou desapego mesmo que tende ser muito mais apreciado pela sociedade, como é a impressão que tenho do próprio Mises) contra os libertários. Por exemplo, eu acredito ser esse é muito do sentimento que leva os banqueiros, por exemplo, a agirem contra o livre mercado ?
    Pois as pessoas tendem a demonizá-los... e acredito que isso sempre foi assim ... Só não consigo determinar qual veio primeiro uahuah

    Então pergunto a todos:
    Vocês fariam como os banqueiros e algumas classes profissionais dos EUA ou continuariam lutando pelo livre comércio? Só respondam se forem realmente sinceros. Tipo tente se imaginar na pior situação possível. Depois respondam. Usando suas experiências passadas.

    Pergunta a cada um aqui:
    Eu trabalho em uma empresa que não fere os princípios que a escola austríaca defende ? Se não, eu faço alguma coisa para informar o dono ? Eu deveria fazer ? Mesmo que isso custe minha demissão ?

    Como muitos apontam não é questão de economia é de Moral...
    A Escola Austríaca é ótima na percepção do mundo econômico e em apontar falácias do pensamento estatal... só creio que peque em querer explicar tudo tendo esquecendo que os 7 pecados capitais são a desgraça de qualquer sistema e as 7 virtudes são suas garantidoras... E as sete não apenas as quatro de Platão ...
  • Caue  21/06/2013 03:49
    Correções :
    o sentimento ou o pecado humano...
    Eu acredito serem esses os motivos(ou sentimentos) que levam os banqueiros ....

    Cito os EUA, pois acredito que se sua constituição fosse levada a sério nada disso teria acontecido lá... e que não foram exatamente por causa da Moral corrompida das pessoas ...

    E também o poder deve ser encarrado como fato ...
    Pois é um fato já fazem uns 5000 anos ... Anarquia(de qualquer tipo, anarco-comunismo, anarco-capitalismo, etc, etc) e civilização é impossível ...
  • Tory  21/06/2013 04:12
    Bom, primeiro, acho que ninguém responde porque você escreve muito mal. É torturante interpretar as perguntas, mais ou menos como ler um discurso da Dilma.

    Segundo... "Espere aí, você está me perguntando por que motivo todas aquelas pessoas que estão em uma posição de poder absoluto e que podem dar ordens e espoliar a população impunemente não abrem mão deste poder e voluntariamente renunciam? Ótima pergunta!"
  • Caue  21/06/2013 11:37
    Para alguém que se intitula Tory e é anarco-capitalista. Realmente quanta coerência.

    Minhas perguntas são para qualquer um. Não para os poderosos.

    Por exemplo, você falaria para o seu chefe assim:

    _ Chefe: Eu acho que nós não deveríamos pegar aquela linha de crédito do BNDES, porque ela distorce a economia e explica que todos irão perder etc, etc uhauhauha

    Só um exemplo.
  • Tory  21/06/2013 12:44
    Se não me engano esse tipo de dilema tático (o que deve ser feito no momento) versus a coerência estratégica (o apoio ao libertarianismo) já foi exaustivamente abordado pelo Leandro em várias respostas a indagações como a sua. É só dar uma volta pelo site.

    Não sou empresário, nem seria, num país como o Brasil, e exatamente por esses motivos. Não quero ter empregados que se consideram meus adversários, nem um governo babando no meu cangote. Não tenho chefe, também. E não aceito o governo como meu cliente. Tá bom pra você?

    And keep guessing about why I'm Tory.
  • Caue  21/06/2013 14:38
    Exato ...

    É o mesmo sentimento que eu tenho. O problema é, fazer o que ?

    Acho que vou ter que ir trabalhar em outro país. Denovo.

    Sou engenheiro tenho várias idéias de negócios, produtos e tals.

    Até poderia fazer. Mais só de pensar em tanta burocracia, tanto vagabundo que vê trabalho como "exploração", e um governo como sócio. Eu quero mais é que se foda. uhauah
    Para não falar, que eu teria que pesquisar patentes etc, etc... E aqui que mora o maior problema ... Porque muito dos outros países é até pior...

    Estou esperando pra ver o que vai acontecer no Paraguai ...

    Porque sobreviver por sobreviver, posso trabalhar de qualquer coisa...

    Não concordo em desobedecer a lei... E acho burro artigos que incentivem a evasão de impostos, por exemplo ...

    Basicamente, minha posição é espera essa merda quebra e depois a gente reconstrói tudo do zero. Por isso a necessidade entre conservadores e libertários entrarem em acordo. E coisas como essa só atrapalham. (Anarquismo, que para muitos aqui é libertinagem)
  • Pedro.  21/06/2013 16:17
    Wagner,
    voce foi genial em alguns pontos!!!
    Perfeito, todos tem medo de viver sem o Estado senhor absoluto sobre todos, da mesma forma que temem viver sem a crença num deus.

    O que se deseja mesmo é a fantasia de PEDIR para CONSEGUIR.
    Ora, isso só é possível através de um deus, seja ele o Estado, Javé, Alah ou mesmo kulkucan entre tantos outros.
    Assim, da mesma forma que atribuem a um deus o direito de ARBITRAR sobre a humanidade, também atribue ao Estado esse mesmo direito de ARBITRAR sobre a sociedade.
    ...A velha discussão sobre ser a justiça a vontade do mais forte. Quem pode impor a sua vontade como justiça, chama esta de justiça e estamos conversados. O direito divino dos reis ainda é aceito como o direito divino do Estado.

    ...Vai demorar milênio para que isso mude, mas os conservadores estão com medo de uma sociedade libertária e vão atacar as idéias libertárias e se preciso se unirão aos socialistas. Os mercantilistas eram conservadores, defendiam o direito de propriedade (pero no mucho), a vontade divina e um pouco de livre mercado, só um pouco. Agora se dizem os verdadeiros combatentes do socialismo ...mas fazem-se a quinta coluna deste minando e fofocando sobre as idéias libertárias. ...como infiltrados...
  • Caue  21/06/2013 17:39
    Não haverá sociedade libertária solta no mundo uhauha... Esse é o ponto ...
    A única chance seria dentro do estado mínimo ... E pagando imposto obrigatório pelo menos para a defesa do território e não por todo o resto (acredito ser a única solução)

    Ou as ilhas em alto-mar etc, etc.

    Haha isso é alguém que não conhece absolutamente nada de religião ... Deus pune também tanto individualmente como coletivamente uahuha ... justiça é uma questão de senso comum

    O único problema é quando certos grupos "conservadores" querem restringir o livre-arbítrio a outros. E Ele pune os homens por isso também. Ou alguns libertários querem coisas como aborto e outras coisas.

    E aqui entra a formulação de governo que acredito todos gostariam e onde os libertários são extremamente importantes.

    Por exemplo, o gasto e outras questões de defesa poderiam ser definidos em votação. E com todos sendo obrigados a participar do exército. Seriam só alguns poucos militares realmente de carreira.
    E declaração de Guerra seria algo custoso, pois é o seu que tá na reta uahauha

    Esse é um exemplo de punição que eu digo... Sem querer levar em conta religião...
    É só uma questão de pessoas indo contra sua natureza humana...
    Niilismo de todo tipo ... vocês acham que são Super-homens da razão ... Isso não muda nada ... Qualquer paixão ou suspeita o homem vira animal ...


    www.youtube.com/watch?v=JpIb9NmONaA
  • Anonimo de cima  21/06/2013 18:48
    Cauê, quando você interage com sua família, você segue as regras do governo neste convívio? Não? Então você é anarquista.
  • Caue  21/06/2013 20:34
    Não ... eu sigo minha consciência ... obedecendo as regras da minha família (que não foram eu que criei)... Uso o bom senso na maior parte das vezes, e descordo e contesto quando preciso...

    Agora só é possível porque eles me respeitam ... Por exemplo, se você viesse lá de longe, todo bravo, pedir (ou seria coagir ?) que eu apagasse meu cigarro em um parque (um lugar comum entre nós) ? Eu ia manda você a M**** !!!

    Sem ofensa uahuah só pra descontrair ...

    Mais a triste verdade é que o pessoal aqui, a maioria, é muito mal-educada ... E só sonham com uma liberdade libertina.

    Por exemplo, quando eu vejo uma criança eu escondo meu cigarro e evito que a fumaça entre em contato com a mesma ... Até se eu tiver que jogar fora.

    Som alto é a mesma coisa ...

    A velha "Golden Rule" ... O problema é: Eu sei que eu não sou Jesus...E muitos aqui parecem achar que são ...
  • Anonimo de cima  21/06/2013 21:39
    "Por exemplo, se você viesse lá de longe, todo bravo, pedir (ou seria coagir ?) que eu apagasse meu cigarro em um parque"

    Se o parque fosse minha propriedade, seria sua obrigação apagar. Ou ir embora. Se fosse sua, eu não teria direito a opinar. Se o dono do parque proibisse o fumo, ele poderia lhe obrigar a apagar, eu não.

    Você me parece muito precipitado em fazer julgamentos sobre o pessoal daqui. Os comentaristas recorrentes tem uma base sólida na teoria econômica e nas definições de propriedade privada. Coisa que você, pelo seu comentário, não tem. Talvez justamente por isso você não entenda algum comentário ou posição e pense que estamos sendo "libertinos" ou "mal-educados" ( grossos, talvez, mal educados ).

    Outra "golden rule" para você: procure se informar sobre algo antes de criticar:

    www.mises.org.br/Subject.aspx?id=16
  • Caue  22/06/2013 05:03
    No anarco-capitalismo ( sociedade de condomínios uahuah) ... não é possível viajar ?

    Se for algo com um dono, o que me impede de burlar uma lei (que eu não sei) ?
    Vão contratar vigias por toda a via (supondo que exista uma)... Ou por câmeras para todos os lados ( 1984 ?) ?
    Vão me distribuir panfletos com a lei de cada lugar ?


    Eu deixei bem claro que era um local comum ... qualquer um ... Tanta falta de imaginação ...

    E veio todo nervosinho...
    Viu aí já ia manda você a m**** e se você continuasse ia te da uma sova ... hauhauh

    Zuando, mais você provou o meu ponto.

    O negócio é o seguinte: Se você quiser civilização você precisa de um poder político ...
    Anarco-capitalismo talvez seja viável ,em um ludar isolado, para pequenas comunidades ... se não encontrarem nenhum Saddan no meio tempo auhauh ...

    Ou outra forma seria um formato de estado mínimo, em que os "anarquistas" pagariam apenas pela defesa nacional, por exemplo ... Pois sairia da definição teórica, mais não na pratica ... E o custo seria ínfimo...

    E como já mencionado ,diversas vezes, respeito muito a equipe do IMB. Por isso já li quase a totalidade dos artigos (como mencionado anteriormente).

    Por isso deixei claro em meu primeiro post que escreveria informalmente (como mencionado anteriormente uhauah) ... Não vale perder muito tempo com quem não quer nem ouvir ...

    Atormentar os "comentaristas" amadores, apontando suas falácias e mostrando a falta de tolerância etc, etc ... É um hobby.
    Que seria absolutamente necessária dentro do que você propõe ... Fica a dica !!!

    Você deveria ler os posts antes de falar asneiras o.O ...

    Mais eu te perdoo por toda a hostilidade gratuita, okay ?
  • anônimo  22/06/2013 15:26
    Sua lógica é peculiar. Não vou perder meu tempo argumentando com você. Engenheiro, você disse? Nesse caso, parabéns. Pelo jeito que você escreve e raciocina, é um feito considerável. Passe bem.
  • Tory  22/06/2013 17:58
    Por que não seria possível viajar de ou para uma localidade anarco-capitalista? Dificilmente alguém o impediria de sair de uma (talvez por você ter cometido um crime? Mas mesmo assim ser condenado a deixar a localidade seria uma opção viável). Ao entrar em uma também não é impossível que aconteça exatamente o que você diz: ser apresentado às leis locais, e ter sua entrada condicionada à obediência a elas.

    Comparando com o que temos hoje, quando o estado exige que concordemos com coisas ridículas para ter um passaporte, como manter um título de eleitor válido e cumprir de serviço militar compulsório, estaríamos melhor ou pior? E quando entramos em outro país, sabemos realmente o que constitui ou não um crime naquela sociedade?
  • Caue  22/06/2013 21:45
    Sua lógica é peculiar. Não vou perder meu tempo argumentando com você. Engenheiro, você disse? Nesse caso, parabéns. Pelo jeito que você escreve e raciocina, é um feito considerável. Passe bem.

    Caro anônimo

    Estou aberto a refutações... Só proponho algumas situações ...
    Você que quer mudar o mundo todo ... deveria ter uma proposta para o pequeno escopo que estou propondo ... Por isso usei o exemplo do cigarro. Seria uma coisa mínima e me coloquei no papel de um "rebelde" ... Você acha que não encontraria um desses ?

    Ainda mais com a proposta de exilar os criminosos como citado pelo Tory o.O

    Você deveria ter as resposta na ponta da língua desse seu mundo imaginário ...

    Ou você pode fugir ... E atacando a minha pessoa e não o que eu perguntei. Novamente. ... Está parecendo esquerdista totalitário o.O

    Caro Tory, o anarquista com nome de corrente política conservadora ...

    Imagina o quão fiel a seus ideais ele seria num mundo sem leis fixas... o.O



    "Por que não seria possível viajar de ou para uma localidade anarco-capitalista? Dificilmente alguém o impediria de sair de uma (talvez por você ter cometido um crime? Mas mesmo assim ser condenado a deixar a localidade seria uma opção viável). Ao entrar em uma também não é impossível que aconteça exatamente o que você diz: ser apresentado às leis locais, e ter sua entrada condicionada à obediência a elas."

    Quanto a isso eu fiz uma pergunta, vocês que estão propondo. Quem me deve uma resposta são vocês.

    A questão da entrada... eu perguntei como isso se daria ... Proposta do 1984 ou proposta da fronteira com o México ... Ou podem atirar em qualquer desavisado huahua...

    De outra forma vocês dependeriam do bom senso das pessoas (Não agressão)...
    Ai voltaríamos a questão do bom selvagem ... inspiração de uma certa ideologia por aí

    "Comparando com o que temos hoje, quando o estado exige que concordemos com coisas ridículas para ter um passaporte, como manter um título de eleitor válido e cumprir de serviço militar compulsório, estaríamos melhor ou pior? E quando entramos em outro país, sabemos realmente o que constitui ou não um crime naquela sociedade?"

    O que temos hoje eu sei como lidar...
    Por exemplo, eu entro em um site e vejo como agir ... só por no Google o.O

    E no anarco-capitalismo ?

    E antes que venham falar que eles teriam um website... E se eles optarem por não ter ? Em que língua ?

    Serviço militar e voto são obrigatórios aqui... Não em todos os países...

    Além disso, minha pergunta era em um local comum supondo que seja possível viajar entre os condomínios auhauha

    Bom final de semana, pessoal !
  • anonimo de cima  23/06/2013 00:50
    Cauê, última chance:

    "Estou aberto a refutações..."

    Leia!

    www.mises.org.br/Subject.aspx?id=16

    Todas as suas dúvidas e situações hipotéticas foram extensamente debatidas nos artigos da seção do site "linkada" acima. Seria um trabalho completamente desnecessário escrever tudo de novo aqui, visto que está tudo (muito bem) detalhado em diversos artigos ( e livros ) neste site. Você parece estar aberto a discussões, mas você não pode esperar que os outros façam o trabalho pesado por você. Você tem que se esforçar, estudar por conta própria ao menos o básico do básico.

    Ps. Fazer chacota não lhe ajuda em nada.

    Ps2. Comece por aqui:

    www.mises.org.br/Article.aspx?id=973
  • Caue  23/06/2013 02:23
    Entenda anônimo.

    Eu adoraria em viver em um mundo anárquico do bom selvagem , juro !!!
    Só que eu sei, (tenho certeza absoluta) que é impossível!
    Acho até ingenuidade. Sem ofensas.

    Eu não confio no homem. Entenda isso.

    O anarquismo já existiu meu caro.
    Ele é o estado primordial. Só que não temos muitos registros de seus povos, pois registrar a história, criar uma escrita e tudo o mais. É e sempre foi tarefa de organização política e/ou religiosa ...

    E ainda existe em diversas partes da África e da Amazônia ... a única forma possível.
    Ou algo como os mennonites e coisas do tipo.

    É ilusão sua em confiar na ciência, no progresso, e principalmente em seus semelhantes. A Queda realmente existiu. Acredite em mim.

    A história não é linear, ela tem altos e baixos. Essa é a grande verdade não contada. Ou escondida.
    O passado já foi melhor e já foi pior que o presente. O mesmo vale para o futuro.

    Será assim eternamente até o fim dos tempos.

    Hehe ... Sério só discorra sobre como viajar no anarco-capitalismo. E levando em conta que nem todos são bons.

    Aí, eu paro de importunar.

    Meu exercício é descobrir o que se passa na cabeça dos leitores. Não dos autores.

    Juro, eu provavelmente já li todos eles!
  • anônimo  23/06/2013 13:38
    (...)eu provavelmente já li todos eles!(...)

    Não... Suas dúvidas foram debatidas, suas inseguranças foram refutadas. Se você não quer estudar, não tem por que eu ficar escrevendo aqui.

    Ponto básico do anarcocapitalismo: Se você não confia nas pessoas, por que confia justamente nas pessoas para compor o governo? Meio contraditório, não acha?
    No livre mercado, as pessoas são submetidas ao jugo do mercado, e por isto precisam ser eficientes, senão perdem seu emprego.

    Você já entrou num shopping? Quem faz a segurança, a polícia ou seguranças privados? Livre mercado em ação. Como seriam as viagens? Você acha que alguém não iria querer ganhar dinheiro abrindo uma estrada e cobrando pedádio e vendendo os lotes nas margens dela?

    O anarquismo existiu, sim, mas foram poucas as vezes que hove a combinação anarquismo-respeito à propriedade privada. Um lugar onde aconteceu o anarquismo, especialmente em relação de hoje ( anarquismo sendo um estado de governo infinitamente menor, praticamente inexistente de tão pequeno ), foi nos EUA no séc 18 e 19. Curiosamente, a época onde aconteceu a maior criação de capital e progresso tecnológico.

    www.mises.org.br/Article.aspx?id=69

    www.mises.org.br/Ebook.aspx?id=74
  • Caue  23/06/2013 15:40
    Confio num governo mínimo...

    Porque as pessoas, dentro de regras bem feitas, podem ser controladas e acredito que isso seja possível num estado mínimo. Talvez algumas concepções devam ser alteradas. E isso implica na manutenção das leis pela população.

    Por exemplo, eu proibiria educação estatal na constituição, como cláusula pétrea.

    Nós chegamos aqui porque as pessoas deixaram. Ou foram enganadas
    O que mostra que são humanas e por isso mesmo estão fadadas aos caprichos de sua própria natureza.

    Por isso disse, 7 virtudes cardiais e os 7 pecados capitais.

    Porque o homem "iluminado" jamais chegará. De fato, ele está indo ladeira abaixo.

    A vaidade é o maior pecado dos anarco-capitalista. Daí deriva todo o resto.

    Como venho tentando demonstrar.

    Não responderei mais. Estão tomados pela vaidade auhau

    E fugindo da resposta, pois não existe uma em que não se leve em conta o bom selvagem.
  • anônimo  23/06/2013 18:07
    Cauê, é só você ler...

    A burguesia e suas virtudes cardinais; o estado e seus pecados capitais
    www.mises.org.br/Article.aspx?id=1176
  • Caue  24/06/2013 00:28
    Eu li quando saiu aqui no IMB ... sempre pensando que sabe tudo... até o que eu já li o.O

    E continua fugindo ...
  • anônimo  24/06/2013 13:50
    Cauê, qual foi sua afirmação da qual estou "fugindo"? Da idéia que o anarcocapitalismo precisaria do "bom selvagem" para funcionar?

    Se for, você está enganado. É justamente qualquer idéia de estado que precisa deste ser humano superior para funcionar. O anarcocapitalismo é o único sistema que não precisa de seres iluminados para dar certo. No anarcocapitalismo não há poder central com monopólio da lei ou da segurança. Mesmo no minarquismo há, e nada impede que estes monopolistas aumentem seu poder ao longo do tempo. A realidade mostra isto, nenhum estado mínimo se manteve mínimo no longo prazo.

    E isto é constantemente abordado nos artigos por aqui...
  • Pedro.  24/06/2013 20:03
    Pô Cauê,
    isso esta com cara de caô!!!

    Voce afirma "eu não confio no homem" e depois diz confiar num governo mínimo.

    Pô, o governo não é composto por homens (humanos)?
    Voce pelo que vi acredita que ao fazer parte do governo o indivíduo imediatamente torna-se uma santo. Alguém desprovido de ambições egoístas e voltado para a desesa da pátria ...rsrs

    Francamente, toda e qualquer objeção que se pode fazer sobre uma sociedade de individuos livres, são ainda mais factiveis numa sociedade dominada por um grupo hierarquizado de individuos.

    Se uma sociedade onde ninguém pode impor sua vontade, segundo voce, ficará desprotegida por não ter um grupo privilegiado com direitos de agir contra os individuos desta sociedade por conta das ambições dos individuos, como voce pode advogar que um grupo de individuos tenha o privilegio de poder impor sua vontade aos demais. Francamente! ...o sonho utópicvo é teu, e não apenas utópico mas um contrasenso senão uma contradição escandalosa. Acreditar que um grupo privilegiado com o Poder irá ser o grupo composto de santos sem interesses próprios comuns aos demais é o mesmo que advogar a existencia do Papai Noel.

    Francamente!! Pensar não dói.
  • anônimo  24/06/2013 20:44
    'isso esta com cara de caô!!!

    Voce afirma "eu não confio no homem" e depois diz confiar num governo mínimo.

    Pô, o governo não é composto por homens (humanos)?'
    (...) francamente, pensar não dói!'


    'isso esta com cara de caô!!!

    Voce afirma "eu não confio no homem" e depois diz confiar nas empresas privadas de justiça e polícia.

    Pô, essas empresas não são compostas por homens (humanos)?'
    (...) francamente, pensar não dói!'


  • Anonimo de cima  24/06/2013 22:58
    Essas empresas são compostas por seres humanos, mas estas empresas não utilizam a violência para obter sua renda, diferente do governo. O governo não está sujeito ao sistema de lucros e prejuízos, estas empresas estão. E se uma empresa age de modo que desagrade seus clientes, ela perde mercado - dinheiro. O governo não.

    Isto é tão básico que achei que você soubesse ( você mesmo falou que leu os artigos ).
  • Pedro.  25/06/2013 14:06
    Larga mão de ser tonto.

    Caue afirma que não confia no homem (humano) e por tal advoga o Poder absoluto e MONOPOLISTA para uma organização ...de homens (humanos). ...hehehe! ...Demonstrando ser estúpido.

    Agora vem com essa de tentar inverter? ...coloque os pés no chão (os 4)!!

    Ademais, eu não afirmei não confiar nos homens (humanos), pois alguns são confiáveis e tal pode ser perceptível em relações individuais.

    Num sistema onde haja liberdade NINGUÉM TERÁ MONOPÓLIO SOBRE COISA ALGUMA. Portanto, a inversão não se justifica. Se não há monopólio e os homens de uma empresa não são confiáveis, recorre-se a outras fazendo-se isso individualmente. Porém, sabendo desta possibilidade os homens (humanos) das empresas tenderão a ser racionais ou entrarão em confronto com os indivíduos e outras empresas.

    Sabendo-se inatingiveis, a tendencia dos monopolistas da violência é se valerem dela para subjugar os demais, incapazes de reagir a altura.

    Ficaste tão envergonhado que até escondeu o nick ...hehehe!
  • anônimo  24/06/2013 19:52
    Cauê defendendo que todos fossem obrigados a servir ao exército?

    ...que alguns fossem coagidos a pagar impostos para defesa do território? (sim pq outros receberiam estes impostos)

    Votações para decisões sobre defesa???

    Cruz credo! ...Isso é o que chamas de conservadorismo para um Estado mínimo?
    Conservadores são curiosos mesmo, pois tendo muito em comum com os socialistas se dizem os verdadeiros opositores destes, associando libertários com socialistas e sempre atacando os libertários com desqualificações não diferentes dos socialistas.
    É a politica em defesa do poder do estado contra a razão que a este se opõe.

    A velha estória do aborto como prova de bondade dos sedizentes conservadores, de fato mereceria um debate mais racional. Essa defesa apaixonada contra o aborto, em qualquer contexto, ao se admitir por principio que a vida começa no momento da fecundação e por tal seria injusto o aborto por tirar a vida de um humano inocente, iniciando-se assim a agressão contra um inocente por parte dos "abortistas, é APENAS UM APELO MORAL para aliciar simpatias. E isso é flagrantemente visivel no fato de os anti-aborto manifestarem-se favóráveis a guerras, por exemplo figuras que mais acusam os que admitem o aborto (sob critérios em relação a existencia de vida consciente) manifestaram-se amplamente favoráveis à guerra do Iraque.

    Ora, numa guerra muitas crianças inocentes e mesmo mães gravidas acabam vitimadas. E os anti aborto defendem guerras onde fetos, crianças e adultos inocentes morrem. Só isso já basta para que se perceba a quaqlidade moral destes que se apegam triunfantes a um exibicionismo moral, sem compromisso ético, apenas para fazer politica ideológica exibindo-se "bons moços" ao defenderem a vida de umas células sem sistema nervoso ou consciência. Advogar que são meras celulas são seres em potencial, não justifica nada, pois que não se pode agir segundo potencialidades. Afinal, qualquer individuo é um assassino em potencial, poderá vir a tornar-se um, contudo não se pede a prisão de todos dada a potencialidade.

    Ou seja, a questão aborto apenas é uma "bandeira" politica para reivindicar a bondade como característica conservadora, humanistas radixcxais. Mesmo que apoiem guerras e mesmo apoiem o INICIO de VIOLENCIA CONTRA INOCENTES SOB ARGUMENTOS ALEGADAMENTE REDENTORES,entre eles a cobranca de impostos para custear o "bem comum". Ai se houver recusa de um inocente com a devida resistencia, este será até morto por recusar-se a pagar os impotos com que jamais anuiu. Ôpa! mas a discurseira piegas do moralismo anti-aborto incondicional em defesa da vida, esconde o ataque à vida inocente que recusar-se a pagar os impostos.

    ..mas o pior é que, se baseiam-se em principios sobre a vida, que começa na fecundação, então uma menina de 14 ou 15 anos, por exemplo, que seja estuprada brutalemnte por um facínora, deverá conviver 9 meses com o fruto desta rerlação torturando-a em seu ventre.
    Imagine-se o suplicio desta menina estuprada que manterá o fruto deste fato em seu corpo por 9 meses. Além do trauma do estupro ela, depois de 9 meses de tortura fisica e psicológica, ainda poderá dar a luz ao SEU filho com o FACÍNORA que a estuprou. É tortura demais sobre um ser humano em nome de um punhado de células que não necessáriamente dara origem a um ser humano. Assim, em nome disso, de um potencial, se tortura uma dupla vitima por 9 meses, com um sofrimento inimaginável.

    Ou trarta-se de sadismo ou de paixãoa pela politica acima de tudo e de todos, o mais repugnante vale-tudo politico, para comover e aliciar para uma causa para a qual se tem poucos argumentos: o objetivo é defender o Estado sob a ideologia conservadora (ideologia é um apelo para justificar meios com base em alegados fins. Assim um amontoado de idéais que prometem um fim justificam-se como receita para um nirvana qualquer prometido). Por isso o ataque às idéias liberais e a fraudulenta associação de liberais e libertarios com os esquerdistas que defendem a hegemonia do estado sobre a população numa intensidade ainda maior do que a defendida pelos cvonservadores. Uma associação leviana, mera fofoca politiqueira repetida incessantemente para ser aceita como verdade. Afinal, um libertário segue o principio do não inicio da agressão ou, mais propriamente, a não agressão contra inocentes e por tal opõe-se ao Estado como arbitro supremo sobre os indivíduos, não justificando o privilégio deste de iniciar a violencia contra individuos inocentes, escravizar e explorar populações.
  • Anonimo de cima  24/06/2013 20:21
    Este anônimo pró-aborto não tem nada a ver comigo, o anônimo "original" da discussão. Acho que vou é arranjar uma identidade logo pra acabar com a confusão...
  • anônimo  24/06/2013 20:52
    É bom mesmo, esse aí é mais um que fala sem entender nada do que ta falando.
    Conservador defendendo guerras, só se for o conservador da geladeira da mãe dele.
    Isso se chama neocon, pra conservadorismo de verdade procurem Russel Kirk, Edmund Burke, etc.
  • Caue  24/06/2013 23:11
    Primeiro, minha questão era em relação a viagens na sociedade do condomínio
    Pedi uma solução sem contar com o bom selvagem e ninguém me deu.

    Segundo, na questão do aborto a considero a legislação brasileira correta. Pelo menos a que eu conheço, antes desse monte de palhaçada que nem sei a qual anda.
    Só tem que tirar o governo das escolas.
    Aborto é assassinato tanto em ciência como em religião.

    Terceiro, eu não confio no homem, acredito que a liberdade desejada pela sociedade humana se encontraria em um debate entre libertários e conservadores. Não acredito em uma solução eterna. Apenas que a sociedade tenha que lutar eternamente para buscar e manter um nível de liberdade aceitável.

    Quarto, nunca defendi guerra. Falei de defesa.
    (Ou você pode tentar falar com os Saddan da vida. Ou os Russos, etc, etc)

    A proposta que eu dei é para alguns "condomínios" medrosos dentro do estado mínimo. Acredito que eles só atrapalhariam em uma guerra de qualquer forma.
    O correto mesmo seriam todos os homens ajudarem no esforço de guerra, caso isso ocorresse, assim todos pensariam duas vezes em começar uma. Tipo na Suiça ou Coréia do Sul.
    Mais é pedir de mais para pessoas que pensam que as pessoas são moldadas pelo "mercado".
    Não vou me alongar aqui porque vocês não têm imaginação para entender a que eu estava me referindo.

    Por último, acredito que estarei bem velhinho quando isso acontecer no Brasil. Enquanto isso pretendo me mudar para um país melhorzinho. Estou com esperança em alguns mais prefiro esperar por um tempo.
  • Anonimo de cima  25/06/2013 01:45
    Cauê,

    Primeiro:
    www.mises.org.br/Article.aspx?id=174

    Segundo:
    Concordo com você.

    Terceiro:
    Eu também não confio. E por isso que eu não quero uma agência central monopolizando a segurança e a justiça. O mercado possui meios de regulação muito mais efetivos e confiáveis.

    Quarto:
    É o outro anônimo que iniciou a discussão, ele que continue.
  • Pedro.  25/06/2013 14:24
    Não é. Apenas sabendo que ia postar mais uma asneira o Caue ficou com vergonha e veio como anônimo, na dúvida se a inversão seria própria. ...hehehe!

    Ele propõe o monopólio da violência para um grupo que obtem sua renda expropriando os demais através da ameaça de um dano ainda maior. Ou seja, esse grupo monopolista não teria que contar com a anuência de suas vitimas, já que seu poder coercitivo e destrutivo não permitiria qq sucesso na reação.

    Ora, o sujeito afirma não confiar nos homens (humanos) e EM NOME DISSO ADVOGA O MONOPÓLIO DA FORÇA PARA UM GRUPO DE HOMENS (humanos).

    ...Deve ser o melhor aluno do pré escolar. Possui uma percepção lógica assustadora ...hehehe!

    (o anônimo que questionou a lógica e formulou uma questão - o sofrimento de uma estuprada durante 9 meses em nome de não se "matar" um punhado de células sem qq garantia de vir a torna-se humano. Qualquer celula é viva, é um organismo vivo, assim nem mesmo se poderia operar coisa alguma, pois assim sempre se "mata" células. Um feto com sistema nervoso é já um humano mesmo que não tenha a percepção disso, mas um punhado de celulas não.

    O Caue diz que não defende guerras, que bonitinho. Certamente defende que ante um ataque deve-se render-se ...vixe, mas ele que uma força sustentada por impostos para defende-lo. ...Tem mesmo os pés no chão, os quatro.

    ...mas quando ele advoga o monopolio da força e ainda o PODER de EXPROPRIAR OS DEMAIS PARA CUSTEIO DESTA FORÇA, ele esta advogando que em ULTIMO CASO ANTE A RESISTENCIA AO PAGAMENTO DE IMPOSTOS, que esata FORÇA MONOPOLISTA deve MATAR o rebelde.

    Uma bela "lógica" tem o caue, ...tem mesmo os pés no chão, todos os 4
  • Caue  25/06/2013 17:00
    Novamente agindo como esquerdista e provando que não é possível o anarco-capitalismo sem o bom selvagem !

    Tenha um bom dia !

    Viu pessoal ... esse seria o sujeito no parque sem educação nenhuma.
  • Caue  25/06/2013 20:19
    Aliás só para deixar claro... Eu nunca me escondi no anonimato. Desde o início.

    Não acho uma postura correta em uma discussão.

    Pedro vai se tratar meu irmão, enquanto é tempo. Você tem muitos traços de um sociopata. E esquerdista autoritário auhuaha
  • Pedro.  25/06/2013 21:29
    Poxa!
    Isso sim é uma resposta balizada, estou pasmo com os argumentos em contrario às minhas exposições.

    Saudações, mestre. ...hehehe!
  • Caue  25/06/2013 22:05
    Toda hora o que eu escrevo é tirado de contexto.

    Você não está avaliando o que eu escrevo.

    Você está avaliando o que você pensa de um conservador.
    Eu só estava propondo soluções.

    Não tem o porque eu continuar a discussão. Mesmo porque, agora mais do que nunca tenho certeza que anarco-capitalismo é uma loucura das grandes .. uahuah

    Aliás, se você está falando com um animal de quatro patas é mais um sinal que você deve se tratar.
  • Pedro.  26/06/2013 13:03
    ...com esta refutação brilhante aos meus argumentos, esta exposição de argumentos demonstrando meus erros de avaliação, eu fico já sem palavras para falar com este animal de 4 patas e 1/4 de cerebro.
    Quando eu aprender a zurrar voltaremos a conversar ...hehehe!
  • Sergio  19/06/2013 15:15
    Arthur, não acredito que as pessoas estão comemorando a idéia de que quem deve pagar o aumento é o automóvel. Existem duas manifestações, a inicial dos favoraveis ao passe livre e a contra a corrupção e autoritarismo. Essa última não terminará mesmo que abaixem a tarifa ou transforme o transporte publico em gratuito.
  • Arthur Dias  19/06/2013 15:36
    Por isso eu disse "quase comemoração". E as pessoas não estão pedindo um governo menor, estão pedindo um governo menos corrupto que forneça saúde, transporte, educação, moeda forte e ainda diminua enquanto faz isso. E ninguém parece interessado em ouvir que o governo cresce porque as pessoas querem que ele dê tudo.
  • Juliano  19/06/2013 16:17
    Um colega meu sempre falava do discurso do "pula mais alto". É como ficar dizendo para um atleta em salto em altura que ele precisa pular mais alto pra ganhar. É o discurso óbvio e completamente inútil.

    Sair às ruas pedindo por menos corrupção e melhor gestão dos gastos públicos é o discurso do pula mais alto. Não faz a menor diferença. O que interfere no comportamento das pessoas são os incentivos e, no governo, eles são os piores que dá pra imaginar.

    Mas pra que pensar, né? É muito mais fácil sair na rua com as frases prontas e voltar com a consciência limpa de que fez a sua parte.
  • Arthur Dias  19/06/2013 17:11
    Fora as tirinhas baseadas em Slavoj Žižek aparecendo por aí, dizendo que quem se manifesta contra corrupção ou coisas desse tipo está permitindo que a direita reacionária "sequestre" a manifestação. E depois vem dizer que a manifestação é "apartidária" e "pacífica", que "os vândalos não os representam".
  • Joao  19/06/2013 19:44
    www2.camara.leg.br/legin/fed/atoins/1960-1969/atoinstitucional-2-27-outubro-1965-363603-publicacaooriginal-1-pe.html

    Favor prestar atenção na primeira frase e no artigo 18.

    Lutar contra a corrupção e pela supressão partidária é lutar por um Estado ainda maior e ainda mais violento do que ele já é, não por sua supressão.
  • Sergio  19/06/2013 16:22
    Realmente ninguém está pedindo um governo menor. Resultado de um desconhecimento do que este site prega, a maioria só tem acesso a conhecimentos de coletivismo.
    Existe um sentimento de mudança, e acho que essa maioria se enquadraria nos pensamentos libertários, caso tivessem acesso.
  • Joao  19/06/2013 21:31
    As ideias liberais tem pouca aderência porque o ativismo político da direita liberal é frouxo. Gasta-se muito tempo condenando a classe política e, ao mesmo tempo, espera-se que mudanças em direção a um novo paradigmas ocorram ex nihilo. O liberalismo não avança por uma incoerência tática, pela negação da necessidade de organizar-se politicamente, e por encarar esta coordenação como uma ação estatizante, e não uma demanda que emana de anseios privados.

    Por isso, então, quem tem representado a direita liberal é esta direita tacanha e novo-conservadora do DEM e do PSDB, alinhada à proposição teocrática de lunáticos como Olavo de Carvalho. Uma direita ainda mais truculenta do que a atual esquerda, e que se baseia no Estado de Direita para controlar o povo pela violência direta.
  • Fernando  20/06/2013 02:08
    Joao, não fala merda. DEM e PSDB (principalmente) estão longe de serem partidos conservadores. Pelo visto você nem sabe o que é Conservadorismo. E Olavo não propõe teocracia nenhuma. Ele é um conservador que acredita no livre mercado. Impressionante como gostam de falar do que não conhecem.
  • Joao  20/06/2013 17:53
    Qual é a necessidade de ser tão agressivo, Fernando? Está de mal com a vida ou algo assim?

    O grande problema de não considerar PSDB e DEM como partidos conservadores é o delírio de que a política brasileira funciona de acordo com o que propõe a teoria política, que se apega a conceitos e esquece que existe a noção de referencial.

    De fato, "direita" e "esquerda" estão, cada um para seu grupo representativo, bem longe do que havia sido proposto na teoria. Mas existem referenciais de direita e esquerda muito bem definidos no país, que mesmo não acoplados à teoria, seguem como referenciais.

    E Olavo de Carvalho é sim um fascista, teocrático e estadista, que defende agressões estúpidas ao liberalismo e ao libertarianismo, como a criminalização da manifestação política e a proibição irrevogável do consumo de drogas. Um grande incitador de violência na maioria dos seus discursos.
  • Arthur Dias  20/06/2013 18:03
    No mesmo post, afirma que PSDB e DEM podem ser considerados direita e que Olavo de Carvalho é fascista... e no post anterior chamando PSDB e DEM de conservadores...

    Recomendação de leitura: www.ordemlivre.org/2012/12/gramatica-politica/
  • Ivan  26/06/2015 13:58
    O Olavo defende um Livre Mercado e um Estado Mínimo e o Joao imbecil possui a cara de pau que o velho é fascista e estadista.

    Nem gosto tanto do astrólogo, concordo com ele em alguns pontos, mas isso que você está fazendo é puríssima desonestidade. Não difere em nada de um esquerdista.

    A propósito, SEMPRE o Olavo disse que o PMDB (que nem mesmo é de direita) e DEM eram p*tinh*s do PSDB e que o PSDB - a principal oposição do PT - era totalmente de esquerda, fazendo parte da estratégia das tesouras.

    E pelo que estou vendo no Facebook desde 2012, a posição política que mais cresce em oposição ao socialismo é o conservadorismo, principalmente por causa do olavo, e não o libertarianismo.

    Você fala muito e libertários não fazem nenhum oposição. Já pensou em fazer algum partido libertário disputar de verdade nas eleições da política brasileira? Bolsonaro é um boçal, mas pelo menos faz alguma oposição e é A pedra no sapato da Esquerda no Congresso, coisa que libertários não fazem.
  • anônimo  26/06/2015 21:26
    Estado mínimo uma ova.Quem está sendo desonesto é vc, o 'estado mínimo' preferido do Olavo é o tio sam com o direito de ser a polícia da terra, de criar seus próprios inimigos, invadir o mundo inteiro, espionar o mundo todo, tudo em nome da liberdade.
    Como o Leandro Roque disse uma vez, no tempo do Bush o OdC era mais bushista que o próprio Bush.
  • anônimo  26/06/2015 21:33
    'e o Joao imbecil '...

    Esse aí aprendeu bem com o mestre.Xingou, venceu, essa é a zelite intelectual do braziu.
  • Arthur C. K.  19/06/2013 17:40
    Sérgio, concordo com esta última (contra a corrupção e o autoritarismo) pois impossível aturar esse tipo de coisa no atual momento de nossa democarcia (30 anos já!). Contudo, quanto ao passe livre, apesar de ser uma iniciativa bonita e interessante (acho legal pois uso o transporte público) em sua genealogia vem escrito implicitamente "alguém terá de pagar o preço". Nesse ponto que a porca torçe o rabo, pois temos a noção de que quem tem mais deve pagar mais e quem tem menos é pobre e deve ser auxiliado pelo governo, que se pensarmos não tem fundamento. Por que não tem fundamento? Porque quando eu compro algo, ninguém me pergunta se eu sou pobre para me dar desconto, brinde ou seja lá o que for. Ou se tem dinheiro ou vá embora sem sua compra. O que é revoltante é repassar para quem tem (proprietários) o custo do subsídio, quando na verdade o governo deveria acabar com o monopólio de linhas e itinerários e possibilitar o acesso a todas as empresas que queiram prestar serviço público, inclusive tendo mais de 1 empresa em cada linha. Com isso incentivaria a livre concorrência e a disputa por clientes (passageiros), aumentando o fluxo de ônibus e diminuindo o custo operacional. Mas...
  • Marcelo Werlang de Assis  19/06/2013 15:30
    Quem leu e gostou desse artigo também vai gostar deste: mises.org.br/Article.aspx?id=1610.

    Abraços!
  • Marcelo Werlang de Assis  23/06/2013 15:52
    E também vai gostar deste aqui: mises.org.br/Article.aspx?id=1510.

    Amplexos!
  • Pedro.  19/06/2013 15:57
    Perfeito!!!!
    S U P R E M O ! ! ! !

    "Obviamente isto é um absurdo. Como pode um subconjunto de seres humanos possuir direitos e poderes que não são possuídos por todos?

    Quando éramos crianças, todos nós fomos ensinados a não bater nos outros, não pegar o que é dos outros sem permissão e a não quebrar nossas promessas. Se precisamos da cooperação de outras pessoas, o que se espera é que recorramos a persuasão. O uso da força é proibido. Estes são princípios consistentes que sustentam toda sociedade decente, e espera-se que sigamos estes princípios quando nos tornamos adultos."

    Esse trecho é a perfeição. É o jeito certo com as palavras certas que alcançam até o mais distraido e sonolento dos mortais.

    ISSO É O QUE TEM QUE SER REPETIDO INSISTENTEMENTE. As palavras usadas, o modo sintético de questionar ETICAMENTE uma questão ...ESTA PERFEITO!!!

    Não são teorias econômicas, simples ou complexas, que alcançam a massa tonta, sedenta de valorização no meio, no grupo a que pertencem ou almejam pertencer. A atração por pertencer a um grupo corporativo é A MÃE do SUCESSO de TODAS as IDEOLOGIAS.
    O homem massa, sobretudo, em sua baixa racionalidade e animalesca emotividade se tomba a apelos morais muito mais que a apelos tecnicos. A ambição por valorização no grupo (exibição de comportamento moral-diferente da ética objetiva) o torna refém de aparencias moralóides propagandeadas. Assim o integrante do grupo se adapta à moral mais propagandeada como o comportamento certo que une o grupo. Como não há divulgação de reflexões éticas em contrario à moral propagandeada, por mais que arbitrária e injusta a moral exibidqa como consensual será a moral adotada.

    FOI ASSIM QUE A ESCRAVIDÃO FOI ACEITA MORALMENTE. Desta forma assimilada como justificável e natural, apesar de uma reflexão ética condena-la. Foram os questionamentos éticos insistentemente repetidos pelos ABOLICIONISTAS que conseguiram esclarecer à massa fazendo tal reflexão assimilável em oposição ao alegado "direito" de escravizar em nome de um bjetivo pretensamente justificador, que fazia da alegada necessidade a legalização moral da escravidão (fins justificando meios). A idéia de ética como um ideal de justiça objetivo tem apelo à razão e não valoriza sentimentalismos (sob a idéia de ética objetiva a honestidade valoriza muitissimo acima da bondade, na moral subjetiva a bondade é a suprema valorização e em nome dela tudo se permite moralmente). É certo que a divulgação insistente de reflexões éticas em oposição ao arbítrio moral sentimentalóide, irá demonstrar a superioridade moral e efetiva justiça da ética objetiva sobre preconizações morais arbitrárias.

    Foi assim que o "direito" dos REIS de reinarem arbitrários sobre os SÚDITOS foi combatido e superado. Ninguém mais é capaz de defender o "direito" de reis absolutistas sobre a população. Por mais que emocionalismos ideológicos tentassem justificar o "direito" da realeza.

    Esse questionamento que destaquei do texto é absolutamente perfeito como reflexão ética e NÃO HÁ QUEM POSSA MORALMENTE JUSTIFICA-LO. Pois que fala primorosamente à razão e ainda atinge, DISPERTANDO, o sentimento de dignidade humana. ESTE É O VERDADEIRO APELO À VERDADEIRA IGUALDADE ENTRE INDIVÍDUOS e não o fraudulento e impossivel apelo a uma fantasiosa igualdade material. Mesmo Nietzsche destacou que "NÃO EXISTEM DOIS TERRENOS IGUAIS" e mesmo como promover divisões ante o crescimento a população. É certo que pela própria natureza terá que existir a desigualdade material e com ela um critério para que tal DESIGUALDADE SEJA JUSTA, independentemente de arbítrios de "príncipes" ou autoridades. Pois que tal pretensamente se pretenderia justificar apenas no argumento hobbesiano que não legitima a força como fonte da justiça mas apenas como um apelo ao arbitrio como uma pratica solucionadora do problema de "todos contra todos", desprezando a consciência da ética, ou mesmo moral, como freio aos instintos e3 desejos individuais. O apelo de Hobbes despreza a idéia de moral e sobretudo a idéia de ética nas relações, preconizando o arbítrio da autoridade como solução prática imposta pela força maior. Claro que como Rousseau percebeu, o forte não poderá ser sempre o mais forte se não fizer de sua força um direito e da obediência um dever. Assim, o "principe" será a organização e não indivíduos. Eis a formula maquiavélica de moralizar o Poder estatal.

    Contudo, essa moral pretensamente salvadora, que legaliza com a pretensão de legitimar o Poder do "principe" pode ser contestada e desmoralizada por reflexões éticas ...COMO ESTA QUE DESTAQUEI DO EXCELENTE TEXTO.
  • Pedro.  19/06/2013 16:06
    FANTÁSTICO:

    "Por que as regras normais e sensatas da moralidade não se aplicam a prefeitos e outros ocupantes de cargos públicos? Obviamente isto é um absurdo. Como pode um subconjunto de seres humanos possuir direitos e poderes que não são possuídos por todos?"

    Que isso se espalhe e chegue a todos???
    Será impossível justificar tal absurdo, tal aberração de tamanha injustiça. Não há argumentos capazes de sequer arranhar tal questão ética que deveria ser também moral.

    Sintético e absolutamente perfeito o questionamento.

    ESSA É A IGUALDADE QUE SE DEVERIA EXIGIR, A IGUALDADE ENTRE OS INDIVÍDUOS E NÃO ENTRE OS BENS DOS INDIVIDUOS. Afinal, é impossível tal igualdade, sendo exdigida apenas por fantasiadores que ambicionam-se desiguais através da força (oq mais tem é socialista milionário ou nababos "comunistas" assim tornados por defenderem tal safada ideologia).

    Não há igualdade em Cuba, nem na coréia do norte e jamais houve ou haverá em paises ditos "comunistas" embora socialistas. O "comunismo" é a cenoura pendurada na ponta da vara amarrada no pescoço do jumento.
  • Juliano  19/06/2013 16:08
    Pra falar bem a verdade, as mobilizações demonstram um sucesso absoluto do modelo de educação governamental. A população age como gado pedindo por mais controle, por mais esmolas. As pessoas pedem por mais impostos, por mais tutela.

    E todos fazem isso estufando o peito, orgulhosos de estarem defendendo o país, mudando a sociedade. Ficam cegos sobre o que estão pedindo. É uma sociedade de adolescentes, incapazes de enxergar um palmo à frente do nariz.

    É surpreendente o grau de controle psicológico que pode se desenvolver em uma população tão grande e diversa.

    O único mérito que vejo no Estado de Direito é a órdem que se impoe no processo político, nos limites que podem ser criados à ação governamental. É frágil, mas pelo menos limita um pouco os danos que o governo pode fazer. É justamente essa órdem que a turba quer atropelar, querem fazer uma política de gritaria e bancadaria, de imposição na marra, de ignorar limites.

    Bem vindo ao século XXI!
  • Pedro.  19/06/2013 16:23
    O direito NATURAL de uns não implica em obrigação (obriga ação) de outros, mas sim exige a proibição (proibe ação) alheia em relação a estes uns.

    Apenas a fraudulenta idéia de DIREITOS POSITIVO implicará em obrigação alheia. Assim é por ser o canalhamente criado "direito positivo" na verdade uma concessão de uns a outros, concessão esta IMPOSTA por quem detém o Poder.

    DIREITO de viajar não implica em obrigação alheia de custear a viagem de todos que possuem tal direito natural. O Direito natural à vida não implica em obrigação alheia em de manter todas as vidas (isso é uma aberração).
    OU SEJA:
    O direito de ir e vir, de viajar consiste em PROIBIR que se atue para impedir a concretização deste DIREITO NATURAL do indivíduo capaz de realiza-lo através de suas PRÓPRIAS POTENCIALIDADES. Bem como o direito natural a vida não impõe obrigação alguma a ninguém, mas SIM PROIBE A AÇÃO CONTRA A VIDA DE QUALQUER INDIVÍDUO INOCENTE. Que não deu inicio a nenhuma agressão ao direito natural de qualquer outro.

    Essa afirmação de que o direito de uns implica em obrigação de outros é fajuta, falha ao estar anuindo com a idéia do fraudulento "direito positivo". ...que não é direito, mas apenas a manifestação de vontade subjetiva de uns em relação a outros. É errado anuir com a idéia de "direito positivo" quando deveria apenas ser nominado de "VONTADE POSITIVA". O uso da palavra direito é APENAS MANIPULAÇ´~AO EM FAVOR DA CONFUSÃO, tal como ocorreu (difundiu-se safadamente) com a idéia de IGUALDADE ENTRE OS HOMENS manipulada politicamente para igualdade ENTRE OS BENS DOS HOMENS.

    COm estas manipuylações semanticas a politica dissemina a confusão, o mal entendimento e dificuldade nos debates por se debater em linguagem diferente, dada a deturpação de palavras e significados disseminados pela estratégica militância politica para através da deturpação semantica atingir seu objetivo em meio ao desentendimento das questões pelo uso fraudulento das palavras.
  • Pedro.  19/06/2013 16:33
    A manipulação semantica e das palavras consegue que se chame os funcionários do governo ou mesmo as tropas do governo de "SERVIDORES PÚBLICOS" ...Não são servidos públicos e sim servidos pelo publico. Quem serve é quem esta sujeito a escolha alheia para remunerar-se, quem IMPÕE sua remuneração, queira-se ou não o seu serviço, não é um servidos, pois nem mesmo necessita servir para ser servido.

    Assim, o chamado "servidor público" é aquele que não necessitar ter serventia alguma à queles que são forçados a remunera-lo. Um absurdo, mas repetido ateé aqui em comentários e artigos. É a força da manipulação semantica, a manipulação das palavras.

    Qualquer empresário ou assalariado privado é um servidor do público. Porém os tais "servidores públicos" que efetivamente SERVEM-SE da sociedade, SÃO EFETIVAMENTE SERVIDORES DO GOVERNO ou EMPREGADOS DO GOVERNO.

    A manipulação das palavras, da semantica, é a melhor arma dos defensores do Poder.
  • Daniel  19/06/2013 19:54
    Senhores,

    Eu fui no protesto, não gritei, não participei, só observei..

    vi um solo fértil para propagar ideias libertárias.


    Percebi que a maioria das pessoas no protesto não tem instrução política nenhuma e estão querendo 'aprender mais', estão procurando filmes, livros etc. Estão querendo seguir algo.

    Percebi que a revolta contra corrupção é maior que o 'passe livre' em si. Existe repulsa contra o estado também.

    Sou novo aqui, eu acho que vocês poderiam aproveitar essa deixa, criar material, publicar frases no facebook etc.


    A liberdade, a coerência, a razão estão do nosso lado e não é difícil perceber isso.

  • Sergio  19/06/2013 20:11
    Era isso que eu estava tentando falar! Muitos se enquadrariam nos pensamentos que aqui são pregados. Como você disse:
    É um solo fértil para idéias libertárias. A liberdade, a coerência, a razão estão do nosso lado.
  • Anônimo  19/06/2013 21:08
    Como competir com o mundo onde ninguém trabalha e com o almoço de graça? Liberais não podem vender o paraíso pois não há capital para tal e nem respostas fáceis para dar.

    Minha experiência com jovens me ensinou que nada melhor chama a juventude que uma vitimização do trabalhador, um ódio ao dinheiro(Já que para tê-lo, você precisa fazer algo de útil aos outros - o que nem sempre você gosta; e seremos francos: a maioria dos jovens gosta mesmo é de fazer nada ou de reclamar sobre o mundo) e o bom e velho cinismo sobre as pessoas comuns: todos são ovelhas menos eu.

    Daremos perda total na geração de 87 e 95 e esperemos que quando esta maioria de iluminados-de-universidade criar o governo ainda mais socialista que querem, talvez as gerações vejam a imbecilidade de seus antecessores. Os libertários estão fazendo o que podem:

    - O Líber está criando manifestações paralelas pequenas porém significativas. Os protestantes daqui são muito mais educados e entendedores, além de terem proposta sólida e a anunciarem na calçada, sem impedir as pessoas e carros de andarem; enquanto isso, os imbecis fazem gestos hindus em frente aos carros, que são forçados a desviar e bloqueiam ruas inteiras.

    - O IMB está disponibilizando artigos quase que diários sobre a definição de direito, que mata qualquer proposta de passe livre argumentativamente.

    - Nós não temos o sistema de educação sob nosso controle. Nenhuma criança cresce aprendendo como o livre-mercado melhora positivamente as condições dos pobres, muito pelo contrário. E esta juventude não é o povo que tem 5 meses de trabalho saqueados por ano e pagam absurdos para manterem um padrão de vida medíocre graças à desvalorização cambial e ao protecionismo estatal. É uma massa de pseudo-intelectuais mais que qualquer coisa, seguidores do mantra "todos são alienados menos a minha turma" e que na melhor das hipóteses, acham o lucro algo moralmente reprimível.

    - Eles exigem serviços públicos de qualidade(O que indica que os serviços não são de qualidade) e boa parte quer que o transporte seja reestatizado(O que o tornaria um serviço público, fato aparentemente ignorado pelos manifestantes).

    - Os liberais estão fazendo o que podem. Mas receio ainda não ser a nossa vez. Se o "gigante juvenil" acordou, melhor nós termos consciência que o despertador foi o sistema educacional, apenas menos vermelho que a capa do manifesto comunista.
  • Valmir  19/06/2013 22:06
    Realmente é complicado. Para as pessoas entenderem esse lado, que para elas é coisa de "outsiders", elas precisariam ter uma base.

  • Gian  19/06/2013 22:25
    Meu caro,

    Nós chegamos ao Mises, nós lemos Rothbard, Hoppe, Rockwell e tantos outros que nunca estiveram em biblioteca alguma daqui.

    O Bitcoin foi explicado por aqui, e a significativa mudança será não termos mais um dinheiro manipulado pelo estado.

    Nós temos a substância e os argumentos. A mudança começou por aqui.
  • Manifestante  20/06/2013 01:28
    Manifestemo-nos. A sociedade precisa de um norte, de bandeiras. O povo está cansado de antigas bandeiras que a nada levaram. Aliás, levaram: a autocracias, oligarquias, anarquias e a todos os ismos (socialismo, comunismo, capitalismo estatista).

    O radicalismo a nada levará - as pessoas não querem ver o mundo desmoronar. Radicalismos não acontecerão. Mas, mudanças podem ocorrer.

    As bandeiras, exemplos do que a sociedade pode aceitar:

    - Diminuição da carga tributária;
    - Incentivos a pequenas empresas (desburocratizações e remoções de regulamentações);
    - Fim dos subsídios às grandes empresas;
    - Liberdade de concorrência em todos os tipos de negócios, incluindo os negócios comuns a concessões públicas (transporte coletivo, telefonia, energia, estradas, etc.);
    - Desregulamentação do trânsito, das leis ambientais, do comércio exterior, etc.
    - Diminuição da maioridade penal;
    - Voto facultativo;
    - Redução da inflação provocada pelo governo e bancos, assim como o consequente aumento do custo de vida por esta gerado (garanto que isto ninguém sabe que é possível, a não ser quem lê o IMB);
    - Redução dos gastos públicos;
    - Redução do número de deputados, senadores, prefeitos, vereadores e ministros de tribunais;
    - Fim da remuneração para vereadores;
    - Liberação do porte de arma;
    - Liberação das drogas;

    Se for tudo ou nada, como alguns aqui querem, digo: não acontecerá. Será mera ilusão. Contudo, existem bandeiras que a sociedade apoiará.
  • Gian  20/06/2013 18:23
    Sim,

    Qualquer meio tá valendo para disseminar

    migre.me/f6Mz2

    Sobre base monetária e inflação.


    Ideias são mais poderosas que exércitos.

    Saudações
  • Sergio  21/06/2013 16:37
    Gian,

    Muito boas suas publicações, continue!
  • Gian  21/06/2013 19:08
    Sérgio,


    Grato meu caro. Eles não têm a qualidade aqui do site, mas são introdutórios. Como diria o bom velhinho:

    "Devemos substituir as ideias errôneas por outras melhores, devemos refutar as doutrinas que promovem a violência sindical. É nosso dever lutar contra o confisco da propriedade, o controle de preços, a inflação e contra tantos outros males que nos assolam. Ideias, e somente ideias, podem iluminar a escuridão. As boas ideias devem ser levadas às pessoas de tal modo que elas se convençam de que essas ideias são as corretas, e saibam quais são as errôneas."


    Pode demorar, mas a internet vai vingar o capitalismo.


    Grande abraço.
  • Amarílio Adolfo da Silva de Souza  19/06/2013 20:48
    A solução é simples: basta o povo não aceitar mais a dominação do governo(DE QUALQUER UM)e extingui-lo. Isso implica em que cada um cuide de sua própria vida e negócios, respeitando os demais e sendo respeitado por eles.
  • vanderlei  19/06/2013 23:09
    Nunca entraram num supermercado
  • Pedro.  19/06/2013 23:44
    O problema é que se gosta de falar assuntos da moda e tocar em questões pontuais, pouca importância se dando a principios rígidos.

    A filosofia estóica foi abafada pela ideologia que surgiu como nova politica junto com o Império Romano. Assim, através de primeiramente da propaganda de uma nova moral de cunho coletivista em oposição à moral estóica e seus principios rígidos. Da mesma forma o socialismo,um tanto ascético e coletivista também, simplesmente valeu-se da mesma metodologia politica (coletivismo e o assistencialismo como obrigação moral e direito do necessitado) do império romano para construir um novo feudalismo; onde a sociedade é hierarquizada e submetida ao arbitrio das autoridades estatais hierarquizadas.
    O socialismo implantado e em pouco tempo os cargos da alta hierarquia serão herança também. tal qual ocorreu co o feudalismo. Aquile título que concedia o arbitrio do senhor feudal sobre os habitantes de seu feudo logo tornou o feudo uma propriedade do senhor. Assim também cargos serão herdados num sistema socialista já seguro de sua manutenção. Isso pode ser facilmente percebido no que ocorre em Cuba e Coréia do Norte. A tendencia natural do socialismo e sua sociedade hierarquizada e submetida ao arbitrio das autoridades em conluio "governocrático" é a transmissão hereditária dos postos de privilégio no governo (Estado). O Estado é uma sociedade anônima ou nem tanto. Seus integrantes tem claro que lhes é de direito explorar a população ao governo submetida.

    ...mas ai é muito melhor ficar apenas falando dos fatos da moda e não esquentar a cabeça com reflexões complicadas, ou nem tanto. Aliar-se a algazarra, ao frenesi politiqueiro, é mais saboroso do que formular idéias através de principios axiomáticos inquestionáveis senão através de apelos sentimentalóides a uma moral coletivista e ascética fundada apenas no alegado voluntarismo sentimental que valoriza a moral pelo interesse em tal.

    O problema é moral! ...enquanto essa moral piegas e sentimentalóide assumir ares de o arbítrio do bem ou mais corretamente a moral que produz a "justissa social" em confronto com a justiça, nada mudará.

    É da má natureza humana o desejo de PEDIR PARA CONSEGUIR. Através da manipulação desta funesta tendencia humana as ideologias prosperam e tornam seus líderes e agregados em privilegiados senhores sobre populações. Isso só vai mudar com uma mudança da reflexão moral, em busca de uma ética objetiva, justiça objetiva sem influencia de pieguismos e sentimentalismos moralóides que produzem um emaranhado de arbitrariedades morais sem coerência alguma.

    O pedir para conseguir é a velha estratégia insuflada na massa, posto que tal é da natureza humana e somente combatido pela razão.

    Antes pedia-se aos deuses. A eles e oferecia sacrificios de vidas, incluso até humanas, em suplicas de boa colheita, chuva, curas, vitórias e etc.. Agora pede-se ao estado, ao poder politico. Nada mudou e estamos novamente Á ESPERA DOS BARBAROS!!!!
  • Anarcofóbico  20/06/2013 00:13
    Vejam o que esse capitalismo sem escrúpulos fez com o Brasil! Imagine, que ideia ilógica, livre concorrência no setor de transportes somente facilitaria formação de cartéis e preços mais altos. Precisamos de mais intervenções. Vejam, por exemplo, essa proposta maluca do Feliciano e aquilo que a mídia sabiamente rotulou como cura gay! É um absurdo deixar o profissional livre, o CFP tem toda razão em limitar a atuação dos psicólogos, mesmo quando o paciente quer algo diferente! Tdo bem que o projeto não usa o termo cura ou algo semelhante, mas a norma do CFP tem que se manter hígida, liberdade apenas atrasará nosso país!
  • Sergio  20/06/2013 02:04
    Livre concorrência não forma cartéis! Pois, com os preços altos, surgem novas empresas. Estas para ganhar mercado cobrarão um preço abaixo do cartel!
  • Anarcofóbico  20/06/2013 04:29
    Meu caro, isso é um conto de fadas libertário! Na prática todos regulam o mesmo preço, sempre em prejuízo do cidadão, que será uma vítima nas mãos de burgueses alienados e alienantes!
  • Sergio  20/06/2013 20:04
    "Meu caro, isso é um conto de fadas libertário! Na prática todos regulam o mesmo preço, sempre em prejuízo do cidadão, que será uma vítima nas mãos de burgueses alienados e alienantes!"

    Todos regulam o mesmo preço se houverem poucas empresas. Pelo fato de existirem empecilhos, burocracias, para o surgimento de novos empreendedores!
  • anônimo  20/06/2013 07:34
    Dúvidas:

    "Livre concorrência não forma cartéis! Pois, com os preços altos, surgem novas empresas. Estas para ganhar mercado cobrarão um preço abaixo do cartel!"

    1- Estas novas empresas podem surgir com o preço mais baixo, mas não necessariamente de qualidade. Certo?

    2- E se mesmo com a livre concorrência houvesse a formação de cartéis, e quando novas empresas de preços mais baixos surgissem pra concorrer com eles, os cartéis não tentariam impedir isso?

    Eu não sei se assisto à muitos filmes/seriados... Mas esses cartéis não tentariam impedir isso de todas as formas possíveis, inclusive com ameaças e crimes, até mesmo mortes, até que uma hora possíveis novos empreendedores ficariam com medo de iniciar concorrência no mercado de serviços em que estes cartéis estivessem atuando?

    Afinal, estamos no Brasil... cultura e educação/conscientização/comportamento completamente diferentes de países afora. E isso vale tanto para empresários quanto para população geral.

    As coisas não mudam do dia para a noite, quem garante que as mega corporações iriam agir de forma correta, não digo com o consumidor pois este poderia simplesmente trocar por uma outra, mas digo com suas concorrentes mesmo, principalmente com as novas/menores empresas que tentassem entrar na concorrência...

  • Anarcofóbico  20/06/2013 14:09
    Exato, anônimo!! Exatamente por isso há a necessidade de uma única megaorganização, que ng pode derrubar e pode prestar serviços de qualidade! A iniciativa privada seria um filme de horror: gente se matando, máfia, etc. Apenas o estado deve deter o monopólio criminoso!
  • Juliano  20/06/2013 14:17
    1- Estas novas empresas podem surgir com o preço mais baixo, mas não necessariamente de qualidade. Certo?

    Certo. Cabe ao consumidor escolher se prefere preço menor com menor qualidade ou pagar mais por mais conforto. Se alguém ainda achar um jeito de melhorar a qualidade com menores custos, ganha mercado de seus concorrentes. É um jogo de oferecer mais cobrando menos.

    2- E se mesmo com a livre concorrência houvesse a formação de cartéis, e quando novas empresas de preços mais baixos surgissem pra concorrer com eles, os cartéis não tentariam impedir isso?

    Sim. Todo empresário quer menos concorrência.

    Eu não sei se assisto à muitos filmes/seriados... Mas esses cartéis não tentariam impedir isso de todas as formas possíveis, inclusive com ameaças e crimes, até mesmo mortes, até que uma hora possíveis novos empreendedores ficariam com medo de iniciar concorrência no mercado de serviços em que estes cartéis estivessem atuando?

    Eu diria que tentariam impedir, inclusive podem decidir usar violência. Isso é errado e é legítimo que a polícia intervenha e puna os autores. O único uso da violência que defendemos é para a legítima defesa.

    Veja que, no cenário atual, os detentores dos cartéis podem fazer exatamente isso, proibem a concorrência na base da força, mas usando o poder público. O estado criminaliza a concorrência, usa sua força para impedir que outros empreendedores entrem no mercado. A repressão funciona tão bem que quase ninguém tenta desobedecer, pois sabe que será perseguido.

    A lavagem cerebral faz uma multidão marchar como ovelhas pedindo que o cartél não só continue, mas que seja ainda mais abrangente, que possa repassar o quanto quer ganhar diretamente para os políticos que ficarão felizes em nos passar a conta com bastante maquiagem.
  • Um burrinho  20/06/2013 21:37
    Juliano, excelente!
  • Arthur M M  20/06/2013 17:50
    Em relação aos cartéis. Isso já aconteceu, aqui em São Paulo, quando surgiu "a febre dos perueiros"; muitas linhas eram de traficantes de drogas, principalmente as periféricas. Quem quisesse fazer a linha precisava pagar, senão corria risco de vida (mandavam matar mesmo)! Porém, muitos dos donos das vans eram policiais (eu digo isso porque eu conheço policial que teve van fazendo linha). Fica difícil assim. Quer dizer, nós tínhamos um estado como hoje, mas a policia não assegurava a segurança de ninguém. Ainda assim o transporte era mais barato (se pagava 1 real na passagem, enquanto o ônibus era o dobro). Porém, a questão aqui não é o cartel, não é o traficante, continua sendo a polícia que não exercia a sua atividade de acordo ! Afinal, as vias são públicas e todos deveríamos ter o direito de ir e vir, assim como as pessoas deveriam ter o direito de oferecer um serviço de transporte, e cobrar ou não por isso.

    Hoje nós temos a mesma coisa, a única diferença é que os donos da linha agora estão no estado. Se antes você pagava para ter o direito de fazer a linha hoje você não pode fazer nada, pois os que estão no poder proíbem (utilizando até mesmo a força policial). Outra diferença é que hoje pagamos 3 reais.

    Quer dizer, qual é o ponto da desculpa sobre o cartel se o hoje nós temos um cartel, só que legal.

    Tem gente por aí que diz que tem que ser tudo estatizado novamente. Porém, é só olhar pro metro de São Paulo, é ridículo, é minúsculo pro tamanho da cidade; e nunca saiu da mão do estado. É isso o que queremos ?
  • anônimo  20/06/2013 21:12
    Obrigado, Juliano e Arthur por responder minhas dúvidas.

    E obrigado, Anarcofóbico.

    Agora, sobre a polícia... Como ela funcionaria sem o Estado ou com a mínima interferência do Estado?

    No momento a polícia está nas mãos do governo, mas quem garante que na livre concorrência a polícia não estaria nas mãos das mega corporações?

    Eu não estou defendendo o Estado!

    Mas a quem a polícia prestaria contas?

    E por exemplo, com a mínima interferência do Estado, não poderia acontecer só o contrário do que acontece agora: o Estado com o poder reduzido nas mãos das mega corporações? E portanto, a polícia também?

    Eu entendo que com Estado toda essa sujeira e violência já acontecem e está só no controle dele... Mas parece que na livre concorrência haveria a inversão de papéis, as mega corporações deixariam de ser coadjuvantes para se tornar protagonistas, e o Estado reduzido seria o coadjuvante ou então seria completamente nulo.

    De qualquer forma, a sujeira, a violência e o controle ainda aconteceriam... Só que ao invés de um inimigo principal em foco (o Estado), seriam vários (as mega corporações) e neste segundo caso, como é que poderiam ser combatidas caso agissem da mesma forma que o Estado vem agindo? (Lembrando que a polícia também estaria nas mãos delas).
  • Juliano  21/06/2013 16:30
    No momento a polícia está nas mãos do governo, mas quem garante que na livre concorrência a polícia não estaria nas mãos das mega corporações?

    Ninguém. E quem garante que hoje a polícia não está nas mãos das mega corporações. Se você tentar concorrer com as cartéis do governo, a polícia te prende. Se você tentar comprar produtos que o governo não queira (importados, por exemplo), a polícia te prende. Se você se recusar a entregar o teu dinheiro para o governo distribuir para os amigos dele, vai preso. Com o apoio da polícia, você é obrigado a ser sócio do Heike Batista e mais de um monte de empresários que só te repassam os prejuízos, que você é obrigado a pagar.

    Ou seja: a polícia já está nas mãos das grandes empresas e grupos influentes. A polícia é usada para forçar as pessoas a consumir produtos apenas de empresários protegidos e fornecer dinheiro diretamente para grupos. Veja bem: você é forçado a isso e, caso não concorde, poderá ser preso.

    Na sua função básica, que é a segurança de espaços públicos e privados, a polícia é patética. Corrupta, violenta e com índices de investigação risíveis. No tipo de crime mais grave, que é o de homicídio, 92% ficam sem resposta (mtv.uol.com.br/memo/apenas-8-dos-homicidios-cometidos-por-ano-no-brasil-sao-resolvidos). Isso é uma média nacional, então em algumas regiões o índice consegue ser ainda pior.

    Mas a quem a polícia prestaria contas?
    Eu não chamaria de polícia, mas agências de segurança. A quem elas prestariam contas? Aos seus clientes. Como qualquer outro serviço, empresas podem se especializar em prestar serviços de segurança, te dando um 0800 e coisas do tipo. Também pode ficar atrelado a uma seguradora... sei lá. Cabe à criatividade dos empreendedores vir com soluções criativas e baratas. Ganha mais clientes quem for mais eficiente.

    as mega corporações deixariam de ser coadjuvantes para se tornar protagonistas
    Quem te disse que elas são coadjuvantes. Você realmente acha que os milhões de doações a partidos políticos são pura ideologia? É só uma questão de publicidade.

    Com concorrência, uma agência de segurança que fosse muito incompetente, corrupta ou ainda passasse a agir contra seus clientes perderia mercado. Nada te impede de contratar uma outra justamente para te proteger de uma agência de loucos.

    Outro ponto é que violência e instabilidade incorre em custos. Quanto custaria para uma empresa manter pessoas armadas em todas as fronteiras do país para obrigar você a, por exemplo, comprar produtos só de fornecedores que eles queiram? Quanto custa, tanto em imagem como dinheiro, manter milícias investindo contra pessoas que também vão ter suas agências de segurança?

    Esse esquema só se viabiliza no modelo atual, onde o mesmo grupo controla tudo e consegue diluir os custos. E também precisa de um gigantesco esquema de lavagem cerebral, que ameaça de cadeia os pais que não mandarem seus filhos para a doutrinação antes mesmo que eles possam pensar.
  • Juliano  21/06/2013 16:42
    Desculpem os erros.
    Entre outras coisas, era pra ser Eike, e não Heike, e falta um ponto de interrogação no "E quem garante que hoje a polícia não está nas mãos das mega corporações?".

  • anônimo  21/06/2013 18:50
    Obrigado, Juliano!

    Não posso dizer que me convenci por completo mas, todas as suas respostas foram satisfatórias às minhas dúvidas.
  • anônimo  20/06/2013 00:57
    Dúvida:

    E se o governo forçar as empresas de transporte a diminuir o preço e não subsidiar os prejuízos? Isso não forçaria o empresario a diminuir os custos e não beneficiaria os consumidores?
  • Tory  20/06/2013 02:25
    Claro. Se fosse eu o dono de uma empresa de transportes demitiria logo os cobradores, que cumprem a função mais dispensável. Da fortuna que eu iria gastar com essas demissões a Mayara não quer saber. Se isso não fosse o suficiente para cobrir o prejuízo iria reduzir o número de ônibus em circulação. Afinal, sem concorrência ninguém vai tomar meu espaço, mesmo.
  • anônimo  20/06/2013 05:02
    Que eu saiba corte de custos não necessariamente significa queda de qualidade, o empresário pode, através do cálculo econômico, averiguar quais são as melhores formas de diminuir os custos sem afetar a coletividade. Isso acontece também com o regime de concorrência, em que diversas empresas, para atender melhor a coletividade e se sobressair no mercado, estão dispostas a cortar custos para assim poder diminuir os preços sem ter prejuizos
  • Tory  20/06/2013 14:14
    Num cenário de preços de bens e serviços inflacionados uma tarifa sem reajuste nem subsídio fatalmente implicará em usuários mal (ou pior) servidos.

    "Cálculo econômico" foi muito mal-empregado aí.
  • Anarcofobico  20/06/2013 04:33
    Esses empresários gananciosos, sempre contaminando o estado! Dá pra cortar e muito os lucros dessa empresa, sempre demitir ninguém. Na verdade, o governo deveria exigir a contratação de um cobrador a mais para garantir a criação de empregos e favorecer nossa sociedade! Lembrem-se, o bem público vem sempre antes de qualquer lucro ou interesse privado!
  • Sergio  20/06/2013 21:01
    "Esses empresários gananciosos, sempre contaminando o estado"

    Os empresarios ganaciosos são protegidos do estado! Você precisa entender que o livre mercado não facorece esses empresários. Mas sim a boa administração e inovação de qualquer um que entre no mercado.

    Se os empresários são tão gananciosos como você fala, é um motivo a mais para ele tornar sua empresa mais eficiente. Os carteis não serão um boa solução, visto que qualquer um pode abrir uma empresa, se o estado permitir, e não fazer parte dele!! Sendo assim mais acessível para a população.

    "Dá pra cortar e muito os lucros dessa empresa, sempre demitir ninguém"

    Realmente deve ser possivel. Visto que o ESTADO é conivente, protegendo eles com as licitações, conseguindo assim apoio financeiro para eleições.
    Novamente, o livre mercado nunca irá favorecer esses empresários, desde que seja possivel a entrada de qualquer empresa no mercado.

    "Na verdade, o governo deveria exigir a contratação de um cobrador a mais para garantir a criação de empregos e favorecer nossa sociedade!"

    Isso! Se você quer mais inflação, essa é a melhor solução! As empresas certamente repassarão os preços ou serão subsidiadas pelo Estado, gerando assim mais dividas e emissão de dinheiro.
    Lembre-se que quem sofre mais com a inflação são as massas e não as elites! As suas idéias apenas piora a situação dos mais pobres.

  • Marcos  21/06/2013 00:23
    O estado não tem que fazer nada. Tem simplesmente que parar de proibir a concorrência por decreto. Em um mercado com forte concorrência logo todos estarão cortando custos. Há diversas maneiras de fazer isso: utilizar veículos com maior espaço (diminuindo o número de ônibus necessários), investir em veículos com maior eficiência energética (diminui o gasto em gasolina), substituir cobradores por sistemas eletrônicos de cobrança, etc...
  • Anon  20/06/2013 11:42
    Para que a emperrada máquina desta economia volte a funcionar, temos que tirar a engrenagem velha e enferrujada que se autodenomina Estado, e substituí-la, o mais breve possível, pela dinâmica e inoxidável engrenagem do livre mercado. Anon,SSXXI
  • Emerson Luís  20/06/2013 13:40
    As manifestações de agora estão relacionadas com o boato e tumulto sobre o fim do bolsa-família, pois ambos são sintomas de uma mesma conjuntura.

    Em um país no qual cada vez mais grupos de pessoas têm cada vez mais direitos especiais, os custos precisam sair de algum lugar e a conta torna-se cada vez maior e mais inadiável. Para fornecer tantos benefícios, o governo gasta mais do que arrecada e por isso aumenta os impostos e imprime mais dinheiro sem lastro, prejudicando o fluxo econômico e provocando a inflação.

    Irresponsabilidade gera irresponsabilidade e um dia as consequências fatalmente chegam. Stephen Covey ensinou que sistemas artificiais são regidos por leis humanas que podem ser burladas, mas sistemas naturais são regidos por leis naturais inescapáveis. É simplesmente insustentável.

    Uma dessas leis naturais é que todo sistema em que a saída é continuamente maior do que a entrada sofre déficit e ruma para o esgotamento e até para o colapso.

    * * *

    Para vocês se divertirem:

    "Protestos pelo Brasil abrem brecha para que Copa custe mais do que os R$ 33 bi estimados"

    www1.folha.uol.com.br/esporte/folhanacopa/2013/06/1297975-protestos-pelo-brasil-abrem-brecha-para-que-copa-custe-mais-do-que-os-r-33-bi-estimados.shtml

    * * *
  • Rodrigo Viana  20/06/2013 16:23
    Parabéns pelo artigo e pela escolha do autor. Espero que mais textos de Richman, Long, Hess e Rothbard (do início de carreira) possam ser publicados aqui.
  • Brasileiro puro  20/06/2013 22:16
    Ótimo texto. Parabéns.
  • Eduardo  21/06/2013 16:45
    Eu queria q vocês comentassem, com dados, o argumento de q o transporte público depende de subsídio do governo para que funcione. Acho difícil de acreditar nisso mas não tenho dados estatísticos para corroborar. Obrigado
  • Cleiton  21/06/2013 20:23
    Veja que obra prima de análise política:

    www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=UiVDtWb7K48#at=166
  • Juliano  21/06/2013 20:52
    O manual da desinformação!

    O que mais me deixa chateado é como é fácil fazer propaganda das idéias de esquerda. Você não precisa explicar nada, não precisa mostrar números, não precisa descontruir nada. Um imbecil com dez anos de idade consegue entender tudo sem nenhum problema. Não precisa nem desenhar!

    Os chavões estão todos lá, os espantalhos perfeitamente criados e prontos para serem batidos. Você não precisa de meia hora explicando porque a inflação não é causada pelos empresários que só querem ganhar mais, não precisa falar de incentivos nem nada. Os países de esquerda podem ser uma favela ambulante, uma coleção de cadáveres, mas os lindos ideiais estão todos firmes na cabeça de quase todo mundo. É só repetí-los e a platéia está ganha!

    Já cansei de passar um tampão explicando alguma coisa e a responsta foi: "tá.. o que vc tá falando é muito bonito, mas continuo sendo contra. Acho que o mundo não é assim tão simples".

    Vida de liberal não é fácil!
  • Juliano  21/06/2013 21:04
    Por sinal, esse vídeo é uma excelente oportunidade para desconstruir esses chavões. O negócio está tão caricato que fica bem moleza fazer um texto rebatendo.

    Pessoal do IMB, por favor nos brindem com essa réplica. Um texto aqui no portal do instituto teria um alcance muito maior que qualquer um de nós tentando fazer a mesma coisa e poderia ser espalhado pelas redes sociais.

    Abraços,
    Juliano
  • Renato Tambellini  22/06/2013 02:17
    Ele não vai aumentar os preços da gasolina, vai usar a "voz das ruas" para criar o pedágio urbano com o mínimo de desgaste político. O PT já está preparando isso a anos, o tal Plano Nacional de Mobilidade Urbana aprovado pela Dilma (Lei 12.587/12 - Leia o Art. 22 inciso III) foi citado no pronunciamento de hoje (minuto 5) como uma das prioridades com o objetivo de privilegiar o transporte coletivo.
  • Eduardo Bellani  24/06/2013 14:19
    Pequena análise minha sobre o tema das manifestações.
  • Julio Borges  25/06/2013 00:22
    Causa-me estranheza o autor perguntar de onde vem a autoridade do prefeito em aumentar o imposto da gasolina para subsidiar o transporte coletivo. Vem da eleição! Ele foi eleito para administrar a cidade. Haviam outros canditados, mas, a maioria da população votou nele. Isso lhe dá a autoridade. Agora se ele é um bom administrador ou não é outra pergunta.Também poderia se perguntar por que pagar subsidios, pois os ônibus andam lotados e a R$ 3,00 por cabeça, o lucro já está garantido para as empresas de transporte.
  • Fernando Chiocca  25/06/2013 19:15
    Hehehe, não deixa de ser engraçado ver estes paraquedistas por aqui, gente que nunca sequer ouviu falar em argumentos que contestam a propaganda estatal.

    O Julio Borges deve achar que Hitler tinha autoridade para assassinar os judeus, afinal, ele foi eleito democraticamente. Alias, não foi assassinato, foi suicídio, já que os judeus também votavam...(SIC)


    Mas pior que esse daí foi incapaz de entender o argumento simples apresentado no artigo, o de que as pessoas não podem dar a outra pessoa uma autoridade que elas não possuam.
    Eu não posso autorizar uma pessoa a ir na sua casa e levar seu computador embora, pois eu não tenho autoridade de ir lá pegar.

    Que tristeza.
  • anônimo  25/06/2013 21:54
    PERFEITO!!!

    "Eu não posso autorizar uma pessoa a ir na sua casa e levar seu computador embora, pois eu não tenho autoridade de ir lá pegar."

    Ora, só podemos conceder direitos que possuimos. Ou seja, podemos conceder nossa propriedade ou nosso trabalho, já que estes são do nosso direito. Contudo, não podemos conceder a alguém a propriedade alheia, ela não esta sob nosso direito.

    Daí que as relações livres, de concessão mútua, são as relações justas. Exatamente por isso, a porca idéia do direito positivo onde, pode-se dizer, que o direito de uns cria obrigação para outros, é uma fraude.

    O direito não gera obrigações senão quando em um acordo livre (um contrato) onde as partes combinam concessões mútuas. Fora isso o direito de um a algo proibe o direito alçheio a este algo. Ou seja, o direito não cria obrigações (obriga ação), mas sim proibições (proibe ação). O direito à vida proíbe os demais de agir contra ela; o direito de propriedade proibe que qualquer outro atue para se apropriar ou usar da propriedade alheia; o direito de ir e vir, proibe que os demais atuem para impedir o exercicio deste direito. O que seria obrigação é exatamente a "obrigação" de não agir contra o direito alheio.

    O estúpido direito positivo é que implica em obrigações. Como o direito positivo a saúde obriga os demais a fornece-lo, ou o direito a propriedade de uma residência obrigaria os demais a fornece-la.
    Enfim, isso deveria ser mais debatido, pois a confusão entre o direito natural, justo, e o direito positivo ideológio é o pior dos cancros sociais.

    Para evitar malandragens, pode-se conceber o direito de propriedade e o direito de USO.
    Assim, no meu banco no meu jardim, ninguém tem direito de sentar sem minha permissão. Já no banco de uma praça, esteapenas esta sujeito ao direito de uso e não de propriedade. Awssim, sendo o banco da praça é de uso publico e não de propriedade privada. Portanto quem estiver exercendo o direito de uso não pode ser instado a ceder seu lugar no banco, pois a alegação de que é público não implica que o usuario deva abdicar de seu direito de usa-lo indefinidamente. O direito de uso cessa tão logo o usuário não o esteja usando, de forma que poderá ser usado por outro qualquer que exerça seu direito.
  • antonio vinicius  25/06/2013 15:41
    Dá nisso um povo eleger um advogado com ligações promíscuas com a OAB.
  • Rafael  23/08/2013 00:05
    Se o transporte fosse totalmente privado, como ficariam os bairros mais pobres? Sem transporte?
  • Guilherme  23/08/2013 00:12
    Só se os empresários do setor odiarem dinheiro...

    Tal raciocínio é idêntico ao daqueles que dizem que, se a energia elétrica for privatizada (geração, transmissão e distribuição), os apagões serão constantes. Claro, né? Afinal, as empresas ganham muito dinheiro quando a energia não está fluindo...

    Vou abrir um restaurante a quilo, mas não vou permitir que pobres comam. Ganharei muito dinheiro assim.


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.